Patrimônio histórico-cultural em revisão: Revitalização do centro antigo de Manaus

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patrimônio histórico-cultural em revisão: Revitalização do centro antigo de Manaus"

Transcrição

1 1 Patrimônio histórico-cultural em revisão: Revitalização do centro antigo de Manaus Elizabeth Filippini Universidade do Estado do Amazonas O presente trabalho, ao enfocar o centro histórico de Manaus, sob a ótica de um patrimônio histórico-cultural de relevante significado para a memória e vida dos manauaras, põe em evidência a importância de estudar-se, mais a fundo, a problemática do patrimônio, relacionado à presente revitalização do centro histórico da cidade. Consideramos que os remanescentes materiais da cultura, além de servir ao conhecimento do passado, relevam as experiências vividas e dão aos indivíduos a lembrança e o sentimento de pertencer a um mesmo espaço e partilhar uma mesma cultura. Por isso mesmo, como lembra Marly Rodrigues, preservar o patrimônio cultural sejam os objetos da cultura material ou as imagens, sejam os traçados urbanos ou as edificações, ou sejam ainda as áreas naturais ou as paisagens é dar à sociedade maiores condições de perceber-se a si mesma 1. Em relação ao Brasil, como aponta Kennetti Maxwell, à medida que o país começou a aprofundar-se na democracia e, assim, trazer novas vozes às arenas política e social, os brasileiros puderam entender que, para ir em direção ao futuro, é preciso compreender o passado. Para Maxwell, esse novo interesse e preocupação com a história, entre outros aspectos, revela-se na tendência recente de restauração da arquitetura colonial, da qual, lembra ele, o Brasil possui alguns dos exemplares mais extraordinários das Américas. Na Bahia e em São Luiz do Maranhão esplendidas igrejas e casarões urbanos têm sido restauradas de maneira admirável 2. Aliás, como afirma ainda Marly Rodrigues, órgãos responsáveis pelo patrimônio, como o antigo SPHAN, inicialmente, deu mais atenção à proteção de monumentos de valor excepcional, com especial destaque para as obras do Barroco, movimento artístico do século 1 RODRIGUES, Marly. Preservar e consumir: o patrimônio histórico e o turismo. In: FUNARI, P. P.; PINSKY, Jaime (orgs.). Turismo e patrimônio cultural. 3 a. ed. São Paulo: Contexto, 2003, p MAXWEL, Kenneth. Chocolate, piratas e outros malandros. Ensaios tropicais. São Paulo: Paz e Terra, 1999, p. 423.

2 2 XVIII visto, então, como a essência da brasilidade e, também, à produção material dos colonizadores, a exemplo dos antigos fortes, engenhos e igrejas 3. Assim, as construções antigas, encaradas como patrimônio histórico, constituíram-se num conjunto de bens que, além de representar a história do país, teve o sentido de também representar o passado da arquitetura brasileira. Contudo, essas construções constituem artefatos da história brasileira mais tradicional. De qualquer forma, no que se refere aos edifícios de período mais recentes, lembrando os numerosos exemplares existentes em Manaus ou ainda no centro da cidade de São Paulo e em outras capitais brasileiras, construídos sob a influência do ecletismo, a partir do final do século XIX, a princípio, foram relegados, sendo considerados alheios à tradição brasileira. Hoje, esse quadro, evidentemente, mudou de figura e os exemplares arquitetônicos dessa época estão sendo valorizados e revistos com novos olhares. Para tanto, vale lembrar ainda que, a partir da segunda metade do século XX, a memória brasileira se viu atropelada pelo progresso cego, nas palavras de Pellegrini, em vista da especulação imobiliária e da expansão ou inchaço das áreas urbanas, além da presença dos órgãos de comunicação social, facilitando o advento de modismos da época. É frente a questões desta natureza que existe, hoje, uma necessidade premente de preservação esclarecida e da apreensão documental de traços culturais, para se poder realizar uma leitura satisfatória e correta do país 4. Trabalhos como o de Maria Evany do Nascimento são de suma importância para a realização desta pesquisa. Em Patrimônio e memória da Cidade: monumentos do Centro Histórico de Manaus, a pesquisadora preocupa-se, em especial, com os monumentos, como objeto de sua pesquisa. No século XIX, Manaus passa por um grande processo de modernização e embelezamento das praças e a lembrança desta época é vivida nos logradouros e prédios construídos neste período: por isso mesmo, são fontes constantes para a revisão da história da cidade. Tratam-se de pontos de referência da memória coletiva e é o que Michael Pollak situa como dispositivos da memória e o que Pierre Nora (1991) vislumbra como lugares de memória 5. Maria Evany, em sua análise, revela entre estas memórias, a importância dos monumentos, construídos como reflexo da modernização e mesmo da necessidade de construir uma memória coletiva, de guardar datas, como também de materializar momentos históricos 3 RODRIGUES, Marly, op. cit., p PELLEGRINI FILHO, Américo. Ecologia, cultura e turismo. 2 a. ed., Campinas, SP: Papirus, NASCIMENTO, Maria Ivany do. Patrimônio e memória da cidade: monumento do centro histórico de Manaus. Manaus: UFAM, ICHL, (Dissertação de mestrado), p. 48.

3 3 importantes para a cidade. Lembrando Pierre Nora, as memórias não são espontâneas e é preciso manterem-se os lugares de memória. Cada momento analisado pela autora, cada espaço da cidade guarda diferentes memórias e histórias, pois que não há um passado uníssono, assim como não existem lugares sem conflito. Por isso mesmo, surgem as memórias em disputa. A cidade de Manaus, neste sentido, traz a imersão, em alguns pontos, de elementos, pondo à tona a memória subterrânea. Os artefatos indígenas que hoje, estão sendo descobertos, expõem uma cidade subterrânea, com uma história e memória bem diferente da cidade construída. A cidade de Manaus, erguida no período da borracha, buscava incluir-se no mundo moderno e, cobrindo-se com um véu de modernidade, enterrou e escondeu os resquícios da cultura indígena e de outros grupos sociais excluídos. Hoje, a revisão da História surge com alguns trabalhos acadêmicos, ao colocarem-se em disputa essa memória da cidade moderna, com a memória subterrânea, vivenciada por esses grupos sociais esquecidos. Este trabalho, enfim, não buscou apenas uma revisão histórica do patrimônio cultural, a exemplo das praças públicas e do seu entorno, mas vislumbrou a necessidade de estudar-se ainda a problemática da educação patrimonial. Preocupa-nos e, ao mesmo tempo, surpreendemnos o fato de encontrarmos alunos de graduação, do Curso de Turismo ou mesmo da Escola Normal Superior, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), que nem sequer conhecem o Teatro Amazonas. Se na Universidade percebemos uma situação dessa natureza, o que se poderá dizer, a esse respeito, das escolas do ensino fundamental e médio da cidade? E se um Teatro de tal magnitude mal está sendo visto, quem dirá os resquícios da cultura indígena e de outros grupos sociais esquecidos, submersos e encobertos pela cidade de pedra? Dentre as várias praças do centro antigo da cidade de Manaus, vale uma consideração à parte a D. Pedro II, com base no projeto Patrimônio histórico-cultural em revisão: revitalização do centro antigo de Manaus e, particularmente, nos estudos de Jhonatham Nogueira Martiniano. Tem esta praça peso significativo no cenário histórico e cultural da cidade e é o testemunho físico dos períodos pelos quais a cidade viveu: pré-colonial, colonial, provincial, republicano e contemporâneo, a partir da instalação da Zona Franca de Manaus 6. Vale dizer que o período colonial retrata a importância que o Forte de São José do Rio Negro teve para a origem da cidade de Manaus e, em decorrência, para a posterior criação da própria praça em questão, aliás assentada sobre um antigo cemitério indígena, ainda da época 6 MARTINIANO, Jhonatham Nogueira. Praça D. Pedro II: memórias de um patrimônio, Manaus: UEA (Universidade do Estado do Amazonas) / PAIC (Programa de Apoio à Iniciação Científica) 2006, sob a orientação da Profa. Dra. Elizabeth Filippini, com o Projeto acima referido.

4 4 pré-colonial. Como lembra Maria Evany do Nascimento,... a construção do forte marca também a chegada da civilização, de uma cultura que, supondo-se superior, buscará se impor a uma barbárie regional 7. Aliás, foi à sombra deste forte que a aldeia se tornou Arraial do Rio Negro, Lugar da Barra, Vila, Cidade da Barra do Rio Negro e, por fim, Manaus. Não há dados precisos a respeito da criação do Largo do Pelourinho, do qual se originou a Praça D. Pedro II, mas há registros, segundo a mesma autora, de sua existência antes dos anos de Mesmo assim, o largo ainda apareceu na primeira planta da cidade de Manaus, datada de 1852, e localizava-se entre a cadeia Velha, o Palácio e o antigo quartel, nas proximidades do forte. Tal denominação deve-se à instalação do Pelourinho no local. Como instrumento de justiça, consistia numa armação de madeira levantada em um lugar público. Junto dela, expunham-se e castigavam os criminosos de penas leves, com açoites e outros castigos comuns à época 9. É possível que o Largo do Pelourinho tenha testemunhado a atuação dos cabanos que, na tarde de 6 de março de 1836, controlaram a vila da Barra até o dia 31 de agosto do mesmo ano 10. Uma conclusão desta natureza liga-se ao fato de que o largo, assim como suas imediações, ainda representarem o centro político administrativo da região, como reflexo dos tempos coloniais. O pelourinho, como símbolo de justiça, só desapareceria de Manaus em 1855, segundo a ata da Câmara Municipal, de 6 de fevereiro desse mesmo ano, quando o presidente da província solicita a sua demolição, por não ser mais útil e valorizado pelos habitantes e pelas autoridades locais 11. Pelo fato de ser um espaço público bem antigo da cidade de Manaus, a Praça D. Pedro II recebeu várias denominações, cada uma delas relacionadas às necessidades ou acontecimentos relevantes de uma determinada época. A partir da obra de Mário Ypiranga Monteiro, pode-se ter um levantamento dos primeiros nomes que a Praça D. Pedro II conheceu, desde a criação do forte, até os anos que antecederam a Proclamação da República NASCIMENTO, Maria Evany do. op. cit. p NASCIMENTO, Maria Evany. Op.cit., p.71. Ver ainda MONTEIRO, Mário Ipiranga. Fundação de Manaus. 3ª ed. Ampl. Rio de Janeiro: Conquista, 1971, p O pelourinho, como símbolo de justiça, desapareceu de Manaus em 1855, de acordo com a ata da sessão da Câmara Municipal, de 6 de fevereiro do mesmo ano. 10 MARTINIANO, J. N., op.cit., p Idem, op.cit., p MONTEIRO, Mário Ypiranga. Roteiro histórico de Manaus. Manaus: Universidade do Amazonas,1998.

5 5 A designação Largo da Casa Forte perdeu popularidade em razão da perda de prestígio atribuído ao Forte, quando já estava em ruínas. Na época em que ainda existia a Casa Forte, o Largo abrangia uma área muito grande, dele fazendo parte as atuais Praça D. Pedro II e Nove de Novembro. Largo de Pedro II é o nome encontrado na ata da sessão da Câmara de Manaus, de 5 de outubro de Já, o nome Largo da Aclamação é uma homenagem à cidade que passou a chamar-se Manaus 13. De acordo com Mário Ypiranga Monteiro, as atas da Câmara Municipal dessa época atestam que os moradores no Lugar da Barra se reuniram na Praça D. Pedro II, também chamada de Largo da Trincheira e Largo da Fortaleza, para os festejos referentes à adesão do Amazonas à Independência do Brasil. Do Largo da Aclamação ou ainda Largo da Câmara, restaria só a Praça Nove de Novembro, que chegara a integrar o antigo Largo Pelourinho 14. Largo do Quartel é uma referência encontrada no ano de 1855, quando o quartel general e o hospital localizavam-se ao lado norte do largo 15. Certamente, a cidade existente por volta de 1870, já não era mais a mesma Manaus de meados século XIX, uma vez que a inevitável urbanização elevaria os seus padrões culturais 16. Neste contexto, a Praça D. Pedro II testemunharia as primeiras transformações ocorridas na cidade. Não é sem razão que o viajante Robert Avé-Lallemant, ao visitá-la, provavelmente no ano de 1859, observaria a existência de sólidos edifícios europeus ao lado de primitivos casebres de barros 17. Enquanto a borracha, já no início do último quartel no século XIX, tornava-se o maior gênero de exportação Manaus vivia a transformação de suas malocas em edificações singelas, como resultado da influência lusitana na busca de direcionar a cidade rumo ao progresso, fato este que se tornaria evidente, sem dúvida, nos vindouros anos republicanos 18. Foi no início do período republicano, aliás, que a produção da borracha tornou possível uma série de transformações e reformas no caráter urbanístico de Manaus, interferindo 13 A Praça Nove de Novembro é um nome referente ao dia em que o Lugar da Barra teve conhecimento da proclamação da Independência, notícia esta recebida com esperança pelos moradores da Barra que, de imediato, declaram a adesão da localidade ao Império. MARTINIANO, op.cit., p Manaus assim passou-se a chamar em razão da lei nº 147, de 24 de outubro de Ata da sessão da Câmara Municipal, de 6 de fevereiro de Vale lembrar que, em 1850, Manaus já expandira as suas delimitações além das adjacências da Praça D. Pedro II, algo imprescindível para uma cidade que crescia lentamente. Ainda por volta de 1860, as ruas não eram totalmente niveladas e não tinham pavimentação. Vale dizer que, mesmo a cidade vivendo ainda um processo incipiente de crescimento, a borracha já figurava na exportação regional, desde1827. MARTINIANO, J. N. op.cit., p AVÉ- LALLEMANT, Robert. No Rio Amazonas. Belo Horizonte/ São Paulo: Itatiaia/ EDUSP, 1980, p MARTINIANO, J, N., op.cit., p.14.

6 6 incisivamente nos costumes da cidade, ao varrer as influências indígenas e caboclas da população local 19. Assim, novos valores foram agregados e novos costumes, incorporados aos seus habitantes. Também novos prédios e logradouros surgiram no cenário da cidade, além da praça, com a função especial de socializar os seus moradores e adequá-los aos padrões e normas de civilidade. Estruturar os espaços públicos teve, dessa forma, um significado especial para esta época: principalmente, o de atender às exigências de uma nova elite, acostumada aos padrões europeus. A notícia da Proclamação da República só chegaria a Manaus seis dias depois, em 21 de novembro de A Praça Dom Pedro II presenciou este fato, quando a população, ao lado do Clube Republicano da cidade, lá se reuniu, em frente ao Quartel General, propondo um novo governo provisório, a ser escolhido, à noite, no Éden Teatro 20. Outra memória que a Praça D. Pedro II guarda relaciona-se à Revolta de Canudos, na Bahia, quando o Amazonas, com a sua participação na 4ª e última expedição, entre junho a outubro de 1897, contribuiu para integrar os dez mil soldados, enviados à campanha. Quanto a este fato, recorda Agnello Bittencourt: Da atual Praça D. Pedro II, antigo Largo do Quartel, já remodelada pelo Pensador, assisti em 1897, a partida das tropas amazonenses para Canudos Ao que tudo indica, já se tornava tradição, os eventos importantes da cidade ocorrerem na Praça D. Pedro II. Como mostra Agnello Bittencourt, a localidade, já se encontrava remodelada em fins do século XIX. De fato, a Praça D. Pedro II tinha passado por várias intervenções públicas, no sentido de oferecer conforto aos seus freqüentadores, ao melhorar os seus aspectos paisagísticos, numa época de grande influência européia nos costumes e na concepção urbanística da cidade de Manaus. 19 FREIRE, José Ribamar Bessa. Barés, Manáos e Tarumãs IN: Amazônia em Cadernos, História em novos cenários, n.23, v.2, Manaus: Universidade do Amazonas/ Museu Amazônico, 1993/1994, p O Clube Republicano com o apoio popular, após uma reunião cívica no Éden Teatro, dirigiu-se ao Palácio dos Governadores, depondo o último presidente da Província, Manuel Francisco Machado, o Barão de Solimões. O Governo Provisório ficou constituído por Domingos Teófilo de Carvalho Leal, pelo Capitão da Fragata Manuel Lopes da Cruz e pelo Coronel do Exército Antonio Florêncio Pereira Lago. Ver GARCIA, Etelvina. O poder jurídico na História do Amazonas. Manaus: Secretaria do Estado do Governo / Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas, BITTENCOURT, Agnello. Fundação de Manaus: pródomos e seqüências. 2ª ed. rev. Manaus: Universidade do Amazonas, 1999, p. 39.

7 7 Foi em janeiro de 1894 que o Governador Eduardo Ribeiro, o Pensador, inauguraria o jardim da Praça D. Pedro II, à época, Praça da República, passando a oferecer ao público grande número de plantas e flores raras, além de uma suntuosa fonte de bronze, disposta na parte central, além de outros ornamentos 22. Na verdade, o jardim dessa praça, conhecido também como Jardim do Palácio e Jardim Passeio Público, de acordo com Mário Ypiranga Monteiro, fora projetado em 1887, dois anos antes da Proclamação da República. Também o coreto da Praça D. Pedro II, conhecido como chalet de ferro, fora instalado em maio desse mesmo ano, com suas obras concluídas, só em fevereiro do ano seguinte, segundo lembra Otoni de Mesquita 23. Vale lembrar que o coreto de ferro, erguido sobre uma base octogonal, é de origem inglesa e foi produzido pela firma Francis Morton & Cª Limited Engineers, de Liverpool. Segundo mostra Mário Ypiranga Monteiro, a fonte ornamental da Praça D, Pedro II, também de origem inglesa, foi encomendada a John Birch & Cia (Bohen & Birch), de Londres, sendo instalada em junho de Nesse mesmo ano, a praça passaria a ter 48 bancos de madeira, em armação de ferro, fornecidos por S. M. Santos 24. Até o início do século XX, a Praça D. Pedro II era a praça que mais se destacava na cidade de Manaus, como mostra Otoni de Mesquita. O Álbum do Amazonas, editado em 1902, atesta a preocupação do Governo em oferecer, nesta época, opções de lazer à população, através de recitais das bandas do Regimento Militar do Estado no jardim da Praça 25. Manaus, de fato, rendeu-se à influência da Belle Époque. No âmbito da cidade, o plano de reforma urbana executado no governo do Eduardo Ribeiro e de seus sucessores nivelou ruas, projetou novas avenidas e boulevards, alinhou e calçou as principais vias, construiu praças e jardins, instalando neles coretos, estátuas, fontes e chafarizes importados da Europa. Aterrou igarapés, como o do Espírito Santo e do Aterro, e os transformou em principais avenidas. Em relação aos igarapés maiores, foram edificadas pontes de pedras e ferro, para que a cidade crescesse além deles. Foi assim que Manaus deu costas para o rio e se expandiu em direção ao norte e à leste, segundo afirma José Ribamar Freire Mensagem do Governador Eduardo Gonçalves Ribeiro, em 10 de julho de 1894, p Ver: MONTEIRO, Mário Ypiranga. Roteiro Histórico de Manaus. Manaus: Universidade do Amazonas, 1998, p. 522 e MESQUITA, Otoni Moreira de. Manaus: história e arquitetura Manaus: Universidade do Amazonas, 1997, p MONTEIRO, op. cit., p MESQUITA, op. cit., p Os recitais das bandas do Regimento Militar do Estado eram realizados todos os domingos, quintas-feiras e feriados, das seis às nove horas da noite. 26 FREIRE, José Ribamar Bessa, op. cit., p.174.

8 8 Assim, no intuito de torna-se uma cidade apropriada ao estilo de vida europeu, Edinea Mascarenhas Dias mostra que, entre os anos de 1890 a 1920, Manaus deveria apresentar-se moderna e atraente para a imigração, o capital e o consumo 27. Por isso mesmo, a intenção dos governantes desta época foi modernizar e embelezar a cidade e encobrir tudo o que pudesse evocar os povos indígenas. Contudo, o ano de 1913 demarca o declínio da economia do látex e 1920, a falência da borracha na região amazônica. A crise econômica dessa época suprimiu os grandes investimentos em Manaus. O centro antigo da cidade, a partir deste momento, viveria tempos difíceis, ao perder sua importância no cenário da cidade, principalmente anos mais tarde, com a instalação da Zona Franca de Manaus 28. Foi dentro desse quadro que a Praça D. Pedro II e adjacências acabaram por tornar-se uma área de prostituição, no mesmo lugar onde guarda, em seu subterrâneo, a memória dos povos indígenas. Cabe lembrar que, no entorno da Praça D. Pedro II, encontram-se o Paço da liberdade, o mais antigo palácio governamental de Manaus; o Hotel Cassina, transformado no chamado Cabaré Chinelo, após a crise da borracha, nas décadas de 20 e 30 do século XX; o Palácio Rio Branco edificado no terreno onde existiu a antiga cadeia pública da cidade; ainda o edifício do I. A. P. T. C. (Instituto de Aposentadoria e Pensões de Empregados e Transportes e Cargas), construído no terreno, onde antes havia o Éden Teatro. Para promover a regeneração de toda a área onde se iniciou o processo de ocupação urbana da cidade, em 1994, a Prefeitura de Manaus, em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), realizou um concurso público, com o intuito de revitalizar o entorno do Paço da liberdade, na Praça D. Pedro II 29. Foi só no ano de 2001 que a Prefeitura de Manaus, deu início às obras da primeira etapa do projeto, que consistiria na revitalização da Rua Bernardo Ramos, além da restauração da Praça D. Pedro II e do Paço da liberdade. Contudo, em razão do compromisso do governo municipal com a revitalização e preservação do patrimônio histórico cultural, em dezembro de 2002, Manaus passaria a receber 27 DIAS, Edinea Mascarenhas. A ilusão do fausto: Manaus Manaus: Valer, 1999, p. 19. Quanto ao embelezamento, modernização e urbanização de Manaus, ver MESQUITA, Otoni de, op. cit., p e PÁSCOA, Márcio. A vida musical em Manaus na época da borracha. Manaus: Funarte, p Convém lembrar que há uma grande lacuna em termos de estudo e pesquisa sobre a cidade de Manaus, no período de 1920 a 1969 (anos da instalação da Zona Franca de Manaus). Por isso mesmo, a literatura é escassa, especialmente em relação ao universo cultural da cidade. 29 Almir de Oliveira, Ana Lúcia Abrahim, Mércia Parente e Roberto Moita formavam a equipe de arquitetos que ganhou o referido concurso.

9 9 o financiamento do Programa Monumenta 30. No que tange ao centro antigo de Manaus, esse programa busca transformar o Paço da Liberdade em Museu Histórico de Manaus MUHMA, além de submeter a Praça D. Pedro II a uma intervenção, para a restauração do coreto, do chafariz, dos pisos, da iluminação e da vegetação. Ainda em meados de 2003 e início de 2004, a Prefeitura de Manaus realizou outra intervenção na Praça D. Pedro II, resultando na identificação de 256 vestígios arqueológicos e no salvamento de 4 urnas funerárias da fase paredão 31. Foi assim que as instituições públicas passaram a perceber a relevância que a história de Manaus tem para a reafirmação da identidade regional. As memórias não podem continuar esquecidas dentro das bibliotecas, inseridas em registros antigos e nem sendo deterioradas sob o asfalto, apagadas pelo fluxo constante dos veículos, como lembra Jhonathan Nogueira Martiniano 32. A Praça D. Pedro II, enfim, como um dos lugares mais antigos da cidade, retrata as observações de Pierre Nora. O espaço da Praça assim como os prédios que a cercam, para continuar existindo, passaram por metamorfoses e adaptações. Já, o próprio Hotel Cassina está de pé, como a imortalizar a morte, não só de seu próprio glamour, mas de uma época de riquezas e extravagâncias, como lembra Maria Evany do Nascimento. Com o seu espaço cercado por edifícios imponentes e importantes, conserva ainda o seu traçado original pouco modificado. Foi uma praça construída de acordo com os padrões urbanísticos antigos que viam a cidade como uma obra de arte 33. A Praça D. Pedro II é referência de memória de lugares, e carrega o peso da história de Manaus. Hoje, vive momentos difíceis. A cidade cresceu, outros espaços surgiram, associados aos novos valores da vida contemporânea e a Praça perdeu a sua importante função: de espaço de convívio. Á espera de cuidados especiais, a revitalização, de fato, ainda não bateu às suas 30 O Monumenta é definido como um Programa de recuperação sustentável do patrimônio histórico urbano brasileiro, sob a tutela do Governo Federal, resultando do contrato de empréstimo entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento BID e o Governo Federal. Só em janeiro de 2004, foi assinado o Convênio de Financiamento do Programa Monumenta, pelo Ministro da Cultura, Gilberto Gil, e o então Prefeito de Manaus, Alfredo Nascimento para o início da execução das obras, que passaram a ser coordenadas pela Manaustur (Fundação Municipal de Turismo), através da Unidade Executora do Projeto UEP Manaus. 31 MARTINIANO, J. N. op. cit., p. 41. Os trabalhos de intervenção na Praça D. Pedro II foram coordenados pelos arqueólogos Eduardo Góes Neves, Carlos Augusto da Silva e Patrícia Bayond Donatti. As urnas funerárias encontradas são da fase paredão. Esta fase caracteriza-se por utensílios de tamanhos e tipos variados, com adornos geométricos e zoomórficos nos ombros, grandes urnas piriformes modeladas no formato da cabeça humana ou de animais, pinturas em vermelho ou preto, em finas linhas. Ver os textos expostos no Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. 32 Idem, ibidem. 33 NASCIMENTO, Maria Evany do. op. cit., p

10 10 portas. Enquanto isso, emana de seu subterrâneo, mais uma vez, a memória subterrânea dos povos indígenas. Manaus redescobre os seus valores culturais e sua própria identidade.

11 11 Referências Bibliográficas AVÉ- LALLEMANT, Robert. No Rio Amazonas. Belo Horizonte/ São Paulo: Itatiaia/ EDUSP, DIAS, Edinea Mascarenhas. A ilusão do fausto: Manaus Manaus: Valer, FREIRE, José Ribamar Bessa. Barés, Manáos e Tarumãs IN: Amazônia em Cadernos, História em novos cenários, n.23, v.2, Manaus: Universidade do Amazonas/ Museu Amazônico, 1993/1994. MARTINIANO, Jhonatham Nogueira. Praça D. Pedro II: memórias de um patrimônio, Manaus: UEA (Universidade do Estado do Amazonas) / PAIC (Programa de Apoio à Iniciação Científica) MAXWEL, Kenneth. Chocolate, piratas e outros malandros. Ensaios tropicais. São Paulo: Paz e Terra, MESQUITA, Otoni Moreira de. Manaus: história e arquitetura Manaus: Universidade do Amazonas, MONTEIRO, Mário Ipiranga. Fundação de Manaus. 3ª ed. Ampl. Rio de Janeiro: Conquista, MONTEIRO, Mário Ypiranga. Roteiro histórico de Manaus. Manaus: Universidade do Amazonas,1998. NASCIMENTO, Maria Ivany do. Patrimônio e memória da cidade: monumento do centro histórico de Manaus. Manaus: UFAM, ICHL, (Dissertação de mestrado). PELLEGRINI FILHO, Américo. Ecologia, cultura e turismo. 2 a. ed., Campinas, SP: Papirus, RODRIGUES, Marly. Preservar e consumir: o patrimônio histórico e o turismo. In: FUNARI, P. P.; PINSKY, Jaime (orgs.). Turismo e patrimônio cultural. 3 a. ed. São Paulo: Contexto, 2003,

MEMÓRIAS DO LARGO DE SÃO SEBASTIÃO

MEMÓRIAS DO LARGO DE SÃO SEBASTIÃO Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 MEMÓRIAS DO LARGO DE SÃO SEBASTIÃO Jhonathan Nogueira Martiniano. 1 Elizabeth Filippini. 2 RESUMO

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015

Resgate da Memória ANO 2, Nº 4. ABR.2015 116 A história de uma cidade pode ser contada de diversas maneiras: por meio de livros, vídeos, sons e a partir de histórias passadas de gerações em gerações. Nesta seção, a Revista buscou uma maneira

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

Corredor cultural e turístico São Vicente: revivendo a história de Manaus

Corredor cultural e turístico São Vicente: revivendo a história de Manaus Corredor cultural e turístico São Vicente: revivendo a história de Manaus Maria do Socorro de Oliveira Paiva 1 Graduanda em Letras Língua e Literatura Francesa. Instituto de Ciências Humanas e Letras -

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RETROFIT DO EDIFÍCIO SUL AMÉRICA Autor(es): Fernando Pinheiro Monte Filho e Alessandra Nascimento de Lima O retrofit do edifício Galeria Sul América encontra-se em uma sequência temporal de modificação

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões Ano: 1922 Título: Associação Commercial Tipologia: Edifício com 3 pavimentos Logradouro Original: Rua Onze de Junho / Praça Azevedo Júnior / Rua XV de Novembro Logradouro Atual: Rua Riachuelo Bairro: Centro

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Arquiteta e designer criam mini esculturas de prédios históricos da capital. Arena da Amazônia e Ponte Rio Negro estão entre miniaturas

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado O Palacete do Batel está em obras. Um projeto, encomendado pelos proprietários do imóvel, com o aval do Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO

PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO EVOLUÇÃO URBANÍSTICA DE SALVADOR POPULAÇÃO: 1960 635.917 hab. 2000 2.442.102 hab. 66,8 mil (2,8%) no Centro Antigo 1 B BENS CULTURAIS TOMBADOS NAS ESFERAS FEDERAL E ESTADUAL

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1 Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade local 1 Rodrigo Modesto Nascimento Mestre Unesp de Assis O tombamento do Teatro São Vicente 2 de Assis foi solicitado pela Prefeitura

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL.

VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. VIAGEM DA DESCOBERTA DO BRASIL: UM PASSEIO PELA CONSTRUÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO NACIONAL. UILSON NUNES DE OLIVEIRA FIO/FAT O presente trabalho nasceu de minhas inquietações a respeito dos vários problemas

Leia mais

MEMÓRIAS DA PRAÇA DO CONGRESSO

MEMÓRIAS DA PRAÇA DO CONGRESSO MEMÓRIAS DA PRAÇA DO CONGRESSO Ronalda Suelen Silva Rocha. 1 Elizabeth Filippini. 2 RESUMO A Praça do Congresso é um importante patrimônio histórico-cultural para a cidade de Manaus, devido sua privilegiada

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 -

Leia mais

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII O Urbanismo Clássico Séculos XVII e XVIII Urbanismo Clássico Realizações Legislação Prá?ca administra?va Filósofos, arquitetos e médicos Urbanismo Clássico Recusa do Gigan?smo Urbano Paris 500 mil habitantes

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

MERCURE SALVADOR RIO VERMELHO HOTEL

MERCURE SALVADOR RIO VERMELHO HOTEL LOCAL DO EVENTO O XLI CONSOLDA 2015 será realizado de 12 a 15 de outubro no MERCURE SALVADOR RIO VERMELHO HOTEL - Rua Fonte do Boi 215 - Rio Vermelho, Salvador-BA - 41940-360 Fone: (71) 3172-9200. Mercure

Leia mais

Patrimônio. Foco na história

Patrimônio. Foco na história Patrimônio Foco na história 30 metrópole campinas 19/6/11 À esquerda, a foto vencedora Corredor, de Matheus Spina; abaixo, detalhe da Mandala, por José Roberto Magalhães: exposição que vai até 31 de julho

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

A EFICÁCIA DOS PROGRAMAS MANAUS BELLE ÉPOQUE E MONUMENTA PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO EDIFICADO NA CIDADE DE MANAUS

A EFICÁCIA DOS PROGRAMAS MANAUS BELLE ÉPOQUE E MONUMENTA PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO EDIFICADO NA CIDADE DE MANAUS 1 A EFICÁCIA DOS PROGRAMAS MANAUS BELLE ÉPOQUE E MONUMENTA PARA A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO EDIFICADO NA CIDADE DE MANAUS Frankimar de Souza Barros 1 Carlossandro Carvalho de Albuquerque 2 RESUMO

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece normas e procedimentos para cooperação entre o e a sociedade, no que concerne à adoção de áreas verdes públicas, institui o Programa Floresça Caxias,

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA Maria Sílvia Zorovich do Rego silviazrego@yahoo.com.br VALOR DO INVESTIMENTO: R$ 16.000,00 PARCERIAS: Instituto Educa Brasil Proprietários Fazenda Sant

Leia mais

Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica

Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica Centro Universitário Barão de Mauá Pró- Reitoria de Pós- Graduação, Extensão e Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica Contribuição da Computação, Informática e Tecnologia da Informação para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO BOSQUE DOS ITALIANOS (PRAÇA SAMUEL WAINER)

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO BOSQUE DOS ITALIANOS (PRAÇA SAMUEL WAINER) PROPOSTA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA BIBLIOTECA INFANTIL MONTEIRO LOBATO BOSQUE DOS ITALIANOS CAMPINAS I) Informações sobre a entidade proponente A Associação dos Amigos do Bosque dos Italianos é uma associação

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006.

LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006. -~--' -, Praça Barão do Rio Branco, 12 Fax (31) 3559 3205 LEI COMPLEMENTAR N 15 de 27 de abrilde 2006 Altera a Lei Comp1emelÚtlr n 02/1005, modifica a denonúnaçílo da Secretaria Municipal de Turismo, IndÚstria

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR Authors: Eliete Araujo¹, Ivana Santos¹, Fabiana Rajão¹, Laura Guerreiro¹ Affiliation: 1 - UniCEUB Keywords: Torre. Requalificar. Inteligente. I. INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

- ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA -

- ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA - - ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA - ARU do Centro Histórico de Beja ARU do Centro Histórico de Beja II ARU do Bairro Social de Beja ARU da Rua da Lavoura - Beja ESCLARECIMENTOS E INSTRUÇÕES PARA OS INTERESSADOS

Leia mais

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Meta 1.1 Levantar e catalogar anualmente, dados e informações acerca da diversidade cultural, do município de Paranaguá; identificar a vocação

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015

Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Meio: Site Blog da Floresta Editoria:-- Caderno:-- Data:4/8/2015 Fecomércio AM e PMM debatem obras e mobilidade urbana para os jogos olímpicos de 2016 Meio: Site G1 Amazonas Editoria:-- Hora: 20h18 Data:4/8/2015

Leia mais

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais