REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS)."

Transcrição

1 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). Legislação habilitante - Considerando o artigo 64, nº 1, al u) da Lei 169/99, de 18 de Setembro, que atribui à câmara municipal a competência para deliberar sobre o estacionamento de veículos nas ruas e demais locais públicos; - Considerando o artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 2-B/2005, de 24 de Março; - Considerando o artigo 6º, nº 1, al. d) da Lei 53-E/2006, de 19 de Dezembro, que prevê a possibilidade de serem cobradas taxas pela gestão de tráfego e de áreas de estacionamento; - Considerando que as autarquias poderão prever nos seus regulamentos coimas para o caso de incumprimento das respectivas regras, nos termos do artigo 10º, al. f) e 55º da Lei das Finanças Locais; - Considerando que compete ao Município a fiscalização do cumprimento das prescrições do presente Regulamento é aprovado o seguinte Regulamento de utilização de zonas de estacionamento de duração limitada controladas por meios mecânicos (parcómetros): Artigo 1º (Zonas de estacionamento de duração limitada) 1. As zonas de estacionamento de duração limitada, com controlo através de parcómetros, são estabelecidas por deliberação do Executivo Municipal; Folha 1 de 10

2 2. As deliberações camarárias referidas no artigo anterior estão sujeitas a publicação por edital, a colocar nos locais de estilo, e no sítio de internet da câmara municipal (www.cm-braga.pt). Artº. 2º. (Taxa de utilização) 1. A utilização de zonas de estacionamento de duração limitada fica sujeita ao pagamento de taxas, nos termos e condições definidas e a definir pela Assembleia Municipal e actualizadas anualmente. 2. A utilização dessas zonas é gratuita nos dias de sábado a partir das 13h00, domingos e feriados. 3. Os lugares de estacionamento deverão ser convenientemente delimitados, nos termos previstos no Regulamento de Sinalização de Trânsito, devendo os condutores estacionar de forma a ocupar apenas um lugar de estacionamento. Artº. 3º (Fundamentação da taxa) Nos termos do artigo 4º, nº 2 da Lei nº 53 E/2006, de 29.12, a fixação da taxa de utilização prevista no artigo anterior tem como critério e fundamento a racionalização do estacionamento público nas zonas delimitadas e visa onerar esse mesmo estacionamento, por forma a desincentivar o estacionamento de longa duração, garantindo-se, desta forma, uma maior rotatividade na ocupação dos lugares.; por isso, a taxa é fixada por uma relação entre o valor pago e o tempo de estacionamento permitido. Folha 2 de 10

3 Artº. 4 (Isenções) Mediante deliberação camarária fundamentada, poderá ser autorizado o estacionamento gratuito de veículos propriedade do Estado ou de autarquias locais. Artº. 5º (Avenças) 1. No sentido de acautelar os legítimos interesses dos moradores das áreas abrangidas por zonas de estacionamento de duração limitada, bem como das ruas e praças sem trânsito, titulares de estabelecimentos comerciais, profissões liberais ou actividades análogas e ainda dos trabalhadores deficientes, é instituído o regime especial de avença, que se rege pelas regras estipulados nos números seguintes. 2. Mediante o pagamento de uma taxa especial mensal, a aprovar anualmente na Tabela de Taxas e Licenças, os moradores das ruas e praças com zonas de estacionamento de duração limitada poderão utilizar os lugares de estacionamento abrangidos por essas mesmas ruas e praças. 3. Igual regime de avença é aplicável aos comerciantes, profissionais liberais e actividades análogas, embora com o montante da taxa mensal distinta das dos moradores. 4. Mediante o pagamento da taxa mensal, de igual quantitativo aos dos números anteriores, poderão os moradores de ruas e praças sem trânsito ou os comerciantes, profissionais liberais ou outros com estabelecimentos nessas ruas e praças sem trânsito, utilizar qualquer dos lugares compreendidos nas zonas de estacionamento de duração limitada, contíguas a essas mesmas ruas ou praças. Folha 3 de 10

4 5. Mediante o pagamento de uma taxa mensal, a definir anualmente na Tabela de Taxas e Licenças, poderão os munícipes portadores de deficiência física utilizar qualquer dos lugares abrangidos pelas zonas de estacionamento de duração limitada adjacentes ao local de trabalho ou, no caso de rua sem trânsito, em lugar a definir casuisticamente. 6. O pedido de avença mensal deverá ser dirigido ao Presidente da Câmara Municipal, com identificação completa do requerente, breve fundamentação do pedido e atestado da Junta de Freguesia respectivo comprovando a residência, a existência de estabelecimento comercial, de escritório ou situação análoga e ainda de declaração da entidade patronal, para o caso previsto no nº 5 acompanhado do respectivo atestado médico. 7. Após o pagamento da taxa, os dados dos veículos autorizados registados e controlados electronicamente através de sistema informático a disponibilizar pelo concessionário, não sendo necessário afixar qualquer dístico no veículo. Artº. 6 (Da cobrança) 1. A arrecadação das taxas previstas no artigo segundo é efectuada através de parcómetros instalados nos locais previstos neste Regulamento. 2. O recibo ou título de estacionamento emitido pelo parcómetro, comprovativo do pagamento da taxa devida, deverá ser colocado no interior do veículo, de forma bem visível e legível do exterior. 3. Sem prejuízo do disposto no artigo 6.º - A, quando o título de estacionamento não estiver colocado da forma estabelecida no número anterior, presume-se o não pagamento da taxa de estacionamento. Folha 4 de 10

5 4. O procedimento de recolha das receitas provenientes das taxas é o previsto no artigo 27 -A do Regulamento do Sistema de Controlo Interno da Câmara Municipal de Braga, salvo no caso do disposto no número seguinte. 5. No caso de concessão do serviço público de gestão e exploração das zonas de estacionamento de duração limitada controladas por parcómetros, as taxas previstas no presente Regulamento constituirão receita da concessionária, incluindo a prevista no Artigo 8º-A, cabendo à concessionária a sua cobrança. Artigo 6.º-A Meios alternativos de pagamento 1. Poderão ser colocadas à disposição dos utentes formas alternativas do pagamento das taxas de estacionamento, designadamente, através da disponibilização de aplicações para smartphones, sítio público na internet e contact centers, os quais poderão incluir o carregamento de valores em cartão virtual, através de multibanco ou agentes de pagamento, nomeadamente, Payshop s, tabacarias e outros estabelecimentos comerciais de Braga. 2. Os bilhetes eletrónicos emitidos através dos meios alternativos de pagamento equivalem, para todos os legais e devidos efeitos, ao título de estacionamento. 3. Após boa cobrança, o concessionário deverá disponibilizar imediatamente ao utente o correspondente documento de facturação inerente à operação. Artº. 7º (Da fiscalização) 1. Sem prejuízo dos poderes de fiscalização que cabem aos agentes de autoridade, designadamente à Polícia de Segurança Pública, compete à Polícia Municipal a fiscalização do cumprimento das disposições constantes no presente Regulamento. Folha 5 de 10

6 2. No exercício das suas funções de fiscalização, os elementos da Polícia Municipal utilizarão o modelo de auto de notícia descrito no Anexo II ao presente Regulamento. 3. No caso de concessão do serviço público de gestão e exploração das zonas de estacionamento de duração limitada controladas por parcómetros, a concessionária poderá ser investida nos poderes públicos de fiscalização do cumprimento das disposições do presente Regulamento, devendo utilizar o Modelo de Auto de Notícia do Anexo ao presente Regulamento. Artº. 8º (Proibições) 1. É proibido: a) O estacionamento nas zonas de estacionamento de duração limitada sem o prévio pagamento da taxa devida. b) Introduzir nos parcómetros objectos estranho com o fim de produzir os mesmos efeitos visados com as moedas destinadas ao pagamento das taxas devidas. c) Exercer a actividade de arrumador de automóveis nas zonas de estacionamento de duração limitada. 2. Poderão ser bloqueados ou removidos os veículos estacionados em zonas de estacionamento de duração limitada quando não tiver sido paga a taxa ou tiverem decorrido duas horas para além do período de tempo pago. 3. Os procedimentos e as taxas a adoptar no caso de bloqueamento e remoção serão os previstos na Portaria 1424/2001, de 13 de Dezembro. Artigo 8 -A (Falta de pagamento da taxa de utilização das zonas de estacionamento de duração limitada) Folha 6 de 10

7 1. Verificando-se o estacionamento de veículos nas zonas de estacionamento tarifado sem que tenha havido o pagamento das taxas previstas no Regulamento Municipal de Taxas de Braga, os agentes responsáveis pela monitorização e fiscalização das mesmas zonas emitem um aviso de liquidação o qual deverá ser pago no prazo máximo de 72 Horas. 2. No caso previsto no número anterior, o valor da taxa a pagar será equivalente ao montante equivalente a dez horas de estacionamento naquela zona, nos termos previstos no Regulamento e Tabela de Taxas deste Município. 3. Nos casos de estacionamento em que tenha sido ultrapassado o período titulado pelo bilhete físico ou eletrónico, será deduzido o montante pago pelo utente ao valor aplicável por força dos números anteriores. 4. Somente após o decurso do prazo previsto no número 1 é que se considerará que o veículo se encontra em infração ao presente regulamento municipal. 5. Poderão ser colocados à disposição do utente diversas formas de pagamento da quantia em falta, nomeadamente através do multibanco, VISA ou alguns parquímetros estrategicamente colocados e devidamente publicitados. 6. Após o pagamento o aviso de liquidação previsto no número 1 será imediata e automaticamente anulado do sistema informático. Artigo 9º (Contra-Ordenações) 1. As infracções ao disposto no presente regulamento são punidas com coima de 30 a O produto das coimas constitui receita municipal, nos termos do artº 10º, alínea f) da Lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro). 3. A competência para determinar a instauração e instrução dos processos de contra-ordenação, bem como para a aplicação das respectivas coimas pertence ao Folha 7 de 10

8 Presidente da Câmara Municipal de Braga, que poderá ser delegada em qualquer dos Vereadores. 4. Os processos de contra-ordenação observarão, com as necessárias adaptações, o regime previsto nos artigos170º e seguintes do Código da Estrada e, supletivamente, o Regime Geral das Contra-Ordenações. 5. É aprovado, no Anexo III ao presente Regulamento, o modelo de notificação que deverá ser adoptado nos processos de contra-ordenação. 6. No caso de concessão, o concessionário deverá submeter à aprovação do Executivo Municipal o modelo a adoptar nos processos de contraordenação. 7. O Concessionário é obrigado a disponibilizar à Câmara Municipal de Braga um sistema informático, via WEB, que permita a tramitação e o armazenamento digital da documentação produzida em todo o expediente inerente ao processo de contraordenação. Artigo 10º (Taxa a cobrar em 2007) A taxa de utilização das zonas de estacionamento de duração limitada para o ano de 2007 é a que se encontra já prevista na Tabela de Taxas e Licenças para este mesmo ano, aprovada por deliberação da Assembleia Municipal de 7 de Dezembro de Artigo 11º (Entrada em vigor) O presente regulamento entra em vigor 15 dias após a sua publicitação por edital. Aprovação: C.M. 2007/06/14 - Edital nº. 233/2007 Alteração: C.M. 2008/12/11 Edital nº496/2008 Folha 8 de 10

9 Alteração: C.M. 2012/06/14 Edital nº114/2012 Alteração: C.M. 2013/01/31 Edital nº15/2013 Alteração: Despacho 2013/02/05 sob ratificação da Câmara de 14/02/2013 Editais nº16/2013 e 22/2013 Edital nº 32/2013 (Relação das Ruas e revoga os despachos e editais anteriores) Edital nº34/2013 (Rua de Camões) Alteração: C.M. 2013/10/28 Edital nº 151/2013 ANEXO I - Edital nº11/2003 (Determina vários locais) REVOGADO ANEXO II Mod. Auto de Notícia ANEXO III Mod. de notificação Folha 9 de 10

10 Folha 10 de 10

REGULAMENTO GERAL DE ESTACIONAMENTO NA VIA PÚBLICA DA CIDADE DE LISBOA. Preâmbulo

REGULAMENTO GERAL DE ESTACIONAMENTO NA VIA PÚBLICA DA CIDADE DE LISBOA. Preâmbulo C Â M A R A M U N I C I P A L D E L I S B O A REGULAMENTO GERAL DE ESTACIONAMENTO NA VIA PÚBLICA DA CIDADE DE LISBOA Preâmbulo O presente Projecto de Regulamento Geral de Estacionamento na Via Pública

Leia mais

Regulamento Interno do Recinto da Feira de Mirandela

Regulamento Interno do Recinto da Feira de Mirandela Regulamento Interno do Recinto da Feira de Mirandela Preâmbulo (artigo 116.º do Código do Procedimento Administrativo) O artigo 14.º do Decreto-Lei n.º 252/86, de 25 de Agosto, atribuiu às autarquias locais

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS TAXAS em vigor desde 1 de Janeiro de 2012 Regulamento, Tabela de Taxas e Outras Receitas Municipais

Leia mais

Acesso aos Documentos Administrativos

Acesso aos Documentos Administrativos Acesso aos Documentos Administrativos Texto disponibilizado por José Manuel Costa D.F. Braga Índice...5 CAPÍTULO I...5 Disposições gerais...5 Artigo 1.º...5 Administração aberta...5 Artigo 2.º...5 Objecto...5

Leia mais

4452 Diário da República, 1.ª série N.º 157 14 de agosto de 2012

4452 Diário da República, 1.ª série N.º 157 14 de agosto de 2012 4452 Diário da República, 1.ª série N.º 157 14 de agosto de 2012 i) Possibilidade de o arrendatário se substituir ao senhorio na realização das obras, com efeitos na renda; ii) Possibilidade de as obras

Leia mais

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação

Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação www.pwc.pt/inforfisco Código do Imposto sobre Veículos e Código do Imposto Único de Circulação Aprovado pela Lei n.º 22-A/2007, de 29 de junho Última alteração pela Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro

Leia mais

5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007

5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5680 Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 para agendamento, acompanhadas dos relatórios devidamente fundamentados e dos elementos instrutórios, se os houver. 3 As petições são agendadas

Leia mais

Regime do Acesso ao Direito e aos Tribunais

Regime do Acesso ao Direito e aos Tribunais Lei nº 34/2004 de 29 de Julho (Com as alterações introduzidas pela Lei n.º 47/2007 de 28/8) SUMÁRIO Altera o regime de acesso ao direito e aos tribunais e transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

As obrigações de reporte de informação. das Freguesias

As obrigações de reporte de informação. das Freguesias As finanças A contabilidade As obrigações de reporte de informação das Freguesias PROGRAMA Parte I Lei das Finanças Locais (LFL) Parte II Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em Atraso (LCPA) Parte III

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 226 20 de Novembro de 2008 8135 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Aviso n.º 222/2008 Por ordem superior se torna público que, em 22 de Outubro de 2007 e em 22 de Setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 7 10 de janeiro de 2013 137 b) Relativamente aos ETM, no posto de segundo-sargento na data do início do estágio. Artigo 34.º Regulamento da Escola do Serviço de Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8846-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 237 10 de Dezembro de 2007 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007 de 10 de Dezembro Com a aprovação do Quadro de

Leia mais

2126 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 94 22-4-1999

2126 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 94 22-4-1999 2126 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 94 22-4-1999 Artigo 54. o 1... 2 Nas acções de formação previstas no número anterior devem estar envolvidos, designadamente, os centros de formação de associações

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Diário da República, 1.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2015 225

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. Diário da República, 1.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2015 225 Diário da República, 1.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2015 225 b) PM 36/Lisboa Quartel da Pontinha, sito na Estrada de Benfica, freguesia de Carnide, concelho de Lisboa. 2 Autorizar a cedência de utilização,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 3220 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de junho de 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 46/2014 de 20 de junho O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72/2010. de 18 de Junho

Decreto-Lei n.º 72/2010. de 18 de Junho Decreto-Lei n.º 72/2010 de 18 de Junho O Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) apresentado pelo Governo para 2010-2013 define uma estratégia clara e credível de redução do défice e de correcção

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro

Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro Publicado no Diário da República n.º 224, I série de 26 de Novembro Despacho Presidencial nº 265/10 de 26 de Novembro Havendo necessidade de tornar mais eficientes os procedimentos administrativos utilizados

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS quadro de referência estratégico nacional Deliberações CMC QREN: 18/09/2009, 20/04/2010, 21/01/2011 e 21/12/2011 REGULAMENTO GERAL DO FUNDO EUROPEU DE Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 21/12/2011

Leia mais

2748 Diário da República, 1.ª série N.º 91 13 de maio de 2014

2748 Diário da República, 1.ª série N.º 91 13 de maio de 2014 2748 Diário da República, 1.ª série N.º 91 13 de maio de 2014 o exercício dos direitos fundamentais, propor à respetiva tutela a consagração de deferimento tácito em procedimentos de licenciamento, aprovação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Portaria nº 985/2009, de 4 de setembro, com a redação que lhe foi dada pela Portaria n.º 58/2011, de 28 de janeiro

Leia mais

ESTATUTOS DO SINDICATO DOS JORNALISTAS. CAPÍTULO I Dos princípios gerais

ESTATUTOS DO SINDICATO DOS JORNALISTAS. CAPÍTULO I Dos princípios gerais ESTATUTOS DO SINDICATO DOS JORNALISTAS CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1.º O Sindicato dos Jornalistas é uma organização livremente constituída que visa integrar todos os jornalistas que trabalham

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 245 19 de dezembro de 2014 6167. Artigo 5.º. Lei n.º 80/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 245 19 de dezembro de 2014 6167. Artigo 5.º. Lei n.º 80/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 245 19 de dezembro de 2014 6167 Lei n.º 80/2014 de 19 de dezembro Estabelece o regime de renda condicionada dos contratos de arrendamento para fim habitacional A Assembleia

Leia mais

Lei n.º 35/2014 de 20 de junho. Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas

Lei n.º 35/2014 de 20 de junho. Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas Lei n.º 35/2014 de 20 de junho Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto A presente

Leia mais

Portaria n.º 44-A/2014 de 20/02, DR n.º 36 Série I, 1.º suplemento

Portaria n.º 44-A/2014 de 20/02, DR n.º 36 Série I, 1.º suplemento Aprova o regulamento do sorteio «Fatura da Sorte», criado pelo Decreto-Lei n.º 26-A/2014, de 17 de fevereiro A criação do sorteio «Fatura da Sorte», aprovada pelo Decreto-Lei n.º 26-A/2014, de 17 de fevereiro,

Leia mais

TÍTULO I. 6358 Diário da República, 1.ª série N.º 174 10 de Setembro de 2007. Princípios e disposições comuns. Artigo 8.º

TÍTULO I. 6358 Diário da República, 1.ª série N.º 174 10 de Setembro de 2007. Princípios e disposições comuns. Artigo 8.º 6358 Diário da República, 1.ª série N.º 174 10 de Setembro de 2007 Artigo 8.º Revisão da programação 1 O Governo deve apresentar de dois em dois anos, nos anos ímpares, uma proposta de lei de revisão da

Leia mais

LEI DO COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 34/11. de 12 de Dezembro de 2011

LEI DO COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 34/11. de 12 de Dezembro de 2011 LEI DO COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 34/11 de 12 de Dezembro de 2011 Considerando que a República de Angola aprovou a Resolução n.º 19/99,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA APRECIAÇÃO PÚBLICA PUBLICAÇÃO ENTRADA EM VIGOR REVOGAÇÕES ALTERAÇÕES

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA APRECIAÇÃO PÚBLICA PUBLICAÇÃO ENTRADA EM VIGOR REVOGAÇÕES ALTERAÇÕES FICHA INFORMATIVA Regulamento Municipal de Instalações Desportivas LEGISLAÇÃO HABILITANTE AUDIÊNCIA DE INTERESSADOS APRECIAÇÃO PÚBLICA DELIBERAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DELIBERAÇÃO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 14 de Setembro de 2009 6247

Diário da República, 1.ª série N.º 178 14 de Setembro de 2009 6247 Diário da República, 1.ª série N.º 178 14 de Setembro de 2009 6247 Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro Regulamenta e altera o Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, e procede

Leia mais

REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA

REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA REGIME JURÍDICO DOS ESTRANGEIROS NA REPÚBLICA DE ANGOLA 1 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/07 De 31 de Agosto A situação actual do mundo, caracterizada pela convergência de procedimentos no tratamento da

Leia mais