DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0502)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0502)"

Transcrição

1 DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0502) Aula 10 Tolerância de forma e posição, roscas, parafusos e porcas

2 Aula 10 Tolerância de forma e posição, roscas, parafusos e porcas TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA: FORMA E POSIÇÃO As tolerâncias de forma limitam os afastamentos de um dado elemento em relação à sua forma geométrica ideal. As tolerâncias de posição limitam os afastamentos da posição mútuo de dois ou mais elementos por razões funcionais ou para assegurar uma interpretação inequívoca. Geralmente um deles é usado como referência para a indicação das tolerâncias. Se for necessário, pode ser tomada mais de uma referência.

3 10.03 REPRESENTAÇÕES - características O elemento de referência deve ser suficientemente exato e, quando necessário, indica-se também uma tolerância de forma.

4 10.04 CARACTERÍSTICAS As tolerâncias de forma e posição estão relacionadas à dimensão total dos elementos, a não ser ser no caso de exceções, indicadas no desenho (por exemplo: 0,02/100 significa que a tolerância de 0,02mm é aplicada numa extensão de 100mm de comprimento, medida em posição convenientemente no elemento controlado).

5 Indicação do elemento tolerado - O quadro de tolerância deve ser ligado ao elemento tolerado por uma linha de chamada, terminada por uma flecha. - Toca o contorno de um elemento ou o prolongamento do contorno (mas não uma linha de cota), se a tolerância se aplicar à linha ou à própria superfície. - Toca a linha de extensão, em prolongamento à linha de cota, quando a tolerância for aplicada ao eixo ou ao plano médio do elemento cotado. - Toca o eixo, quando a tolerância for aplicada ao eixo ou ao plano médio de todos os elementos comuns a este eixo ou este plano médio.

6 Indicação do campo de tolerância Notas de aula Aula 10 Tolerância de forma e posição, roscas, parafusos e porcas

7 10.07 SÍMBOLOS DE TOLERÂNICA E CARACTERÍSTICAS TOLERADAS DE POSIÇÃO Símbolo característica Zona de tolerância Inscrição no desenho Interpretação Orientação Situação Balanço PARALELISMO De uma linha (eixo) ou de um plano em relação a uma reta ou um plano de referência PERPENDICULARIDADE De uma linha (eixo) ou de um plano em relação a uma reta ou um plano de referência. INCLINAÇÃO De uma linha (eixo) ou de um plano em relação a uma reta ou um plano de referência. LOCALIZAÇÃO De linhas, eixos ou superfícies entre si ou em relação a um ou mais elementos de referência. CONCENTRICIDADE De um eixo ou de um ponto em relação a um eixo ou um ponto de referência SIMETRICIDADE De um plano médio ou de uma linha média (eixo) em relação a uma reta ou plano de referência BALAÇO RADIAL OU AXIAL De elemento em ralação ao seu eixo de rotação. O eixo tolerado deve estar dentro de um cilindro de diâmetro t =0,1, paralelo ao eixo de referência O eixo do cilindro deve estar incluído entre as duas retas distantes de t =0,05 perpendiculares ao plano de referência O eixo de furação deve estar incluído entre duas linhas paralelas distantes de t =0,1 e formando com o plano de referência um ângulo de 60º. O eixo do furo deve estar incluído dentro de um cilindro de diâmetro t=0,05 cujo eixo está na posição geometricamente exata, especificada pelas cotas marcadas. O eixo de simetria da parte tolerada da árvore deve estar incluída dentro de um cilindro de diâmetro t=0,03 cujo eixo coincide com o eixo de referência O plano médio do canal deve estar entre dois planos paralelos distantes de t =0,08 e também simetricamente em relação ao plano médio de referência Numa revolução completa da peça em torno do eixo de referência A, o balanço axial da superfície frontal não deve superar o valor da tolerância t =0,02.

8 10.08 SÍMBOLOS DE TOLERÂNICA E CARACTERÍSTICAS TOLERADAS DE FORMA Símbolo característica Zona de tolerância Inscrição no desenho Interpretação LINEARIADADE De uma linha ou de um eixo O eixo da parte cilíndrica da peça deve estar dentro de um cilindro de t=0,,03. PLANICIDADE De uma superfície. O plano tolerado deve estar entre dois planos paralelos de distância t=0,05. CIRCULARIDADE De um disco, de um cilindro, de um cone etc. A linha de circunferência de cada secção deve estar dentro de um anel circular de espessura t=0,02. CILINDRICIDADE FORMA DE UMA LINHA QUALQUER (perfil ou contorno) FORMA DE UMA SUPERFÍCIE QUALQUER A superfície tolerada deve estar incluída entre dois cilindros coaxiais cujos raios diferem de t=0,05. O perfil tolerado deve estar entre duas envolventes onde a distância está limitada por círculos de t=0,08. Os centros dos círculos devem estar contidos na linha teoricamente exata. A superfície tolerada deve estar incluída entre dois planos envolventes, cuja distância está limitada por esferas de t=0,03. Os centros dessas esferas estão contidas sobre o plano teoricamente exato.

9 10.09 ROSCAS Rosca é o conjunto de reentrâncias e saliências, com perfil constante, em forma helicoidal, que se desenvolvem, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica. As saliências são os filetes e as reentrância, os vãos. ROSCAS: Características Entrada: é o início da rosca. As roscas podem ter uma ou mais entradas. As roscas com mais de uma entrada são usados quando é necessário um avanço mais rápido do parafuso na porca ou vice-versa. Avanço (A) é a distância que o parafuso ou porca percorre em relação a seu eixo, quando completa uma rotação. Rotação (B) é uma volta completa do parafuso ou da porca em relação a seu eixo. Quando o avanço é igual ao passo, diz-se que a porca é de uma entrada. Passo (P) é a distância entre dois filetes consecutivos.

10 ENTRADAS Notas de aula Aula 10 Tolerância de forma e posição, roscas, parafusos e porcas SENTIDO DA ROSCA Rosca à direita é aquela em que o parafuso ou a porca avança girando no sentido dos ponteiros do relógio. Rosca à esquerda é aquela em que o parafuso ou a porca avançam girando no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio.

11 REPRESENTAÇÃO DE ROSCAS Normal Rosca triangular Rosca quadrada Rosca trapezoidal Perfil triangular Perfil quadrado Perfil trapezoidal Convencional Rosca com perfil triangular Rosca com perfil especial (com cotagem)

12 REPRESENTAÇÃO: CONVENCIONAL DE FUROS ROSCADOS REPRESENTAÇÃO: FABRICAÇÃO DE FURO ROSCADO E UNIÃO POR PRISIONEIRO E PORCA

13 REPRESENTAÇÃO: UNIÕES POR PARAFUSOS REPRESENTAÇÃO: UNIÕES POR PARAFUSOS E PORCAS

14 COTAGEM E INDICAÇÃO DE ROSCAS Roscas Símb. Perfil Indicação Leitura Whitworth normal - Rosca Whitworth normal com uso do símbolo W) Whitworth fina Whitworth para cano Métrica W RC M Rosca Whitworth fina com Rosca Whitworth para cano com furo de Rosca métrica normal com 16 Métrica fina M Rosca métrica fina com 60 e passo 4 SAE para automóveis SAE Rosca SAE com American National Coarse NC Rosca NC com American National Fine NF Trapezoidal Tr Rosca trapezoidal com 48 e passo 8 Quadrada Quad. Rosca quadrada com 30 e passo 6 Os exemplos do quadro são de roscas com filetes de uma entrada a direita. Tratando-se de rosca esquerda ou com mais de uma entrada, acrescenta-se a seguinte simbologia:

15 PROPORÇÃO PARA DESENHAR PARAFUSOS E PORCAS

16 PARAFUSO COM CABEÇA E PORCA HEXAGONAIS

17 CONSTRUÇÃO DA CABEÇA SEXTAVAVA E PORCA HEXAGONAIS

18 CONSTRUÇÃO DA CABEÇA SEXTAVAVA E PORCA HEXAGONAIS

19 CONSTRUÇÃO DA CABEÇA SEXTAVAVA E PORCA HEXAGONAIS A altura da porca varia de: 0,6 D< H < d

20 PARAFUSOS Parafuso cabeça cilíndrica Parafuso Halen com cabeça Parafuso sem cabeça com fenda Parafuso Halen sem cabeça

21 PARAFUSOS

22 PARAFUSO COM SEXTAVADO INTERNO PARAFUSO PRISIONEIRO cabeça sem cabeça d A B A 1 B 1 d 1 C D D 1 Passo (gross o) M3 3 2,86 5,38 6 5,7 3,3 1,3 2,5 1,5 0,5 2,5 M4 4 3,85 6,85 4 7,4 4, ,7 3,5 M5 5 4,85 8,35 5 8,9 5,3 2,5 4 2,5 0,8 4,2 M6 6 5,85 9, ,4 6, M8 8 7,82 12, ,5 8, ,25 6,7 M ,8 15, ,5 10, ,5 8,5 Broca furo rosca M ,77 17, ,75 10,2 M ,76 20, ,9 M ,75 23, M ,70 29, ,5 17,5 alojamento Dimensões em mm

23 EXTREMIDADES DE PARAFUSOS

24 Comprimento padronizado de parafusos (L) comprimento do parafuso, X comprimento de rosca

25 PORCA BORBOLETA

26 ARRUELA

27 Arruela de segurança Arruela plana Arruela de pressão

28 Exercício Faça o desenho aplicando indicações de tolerâncias dimensionais, tolerância de forma e de posição. Dados: três rolamentos 6002 tolerância para exigência de máquinas de alta precisão (h5), concentricidade 0,001 entre apoios no eixo (rolamentos e flange), perpendicularismo na flange 0,001 em relação ao eixo. Tolerância do eixo na posição da flange +0,0 0,02. Incluir marcas de acabamento. Corrigir erros de dimensionamento observando fabricação. Material SAE Nome: Nº Turma

29

30

31

32 Exercício Desenhe as vistas (com corte) das peças e cotar. Nome: Nº Turma

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 02 Tolerância de forma e posição Símbolos, inscrições e interpretações sobre o desenho (norma ISO R 1101-1969) As tolerâncias de forma

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 07 Componentes de fixação: parafusos, porcas, rebites e Soldas (noções de simbologia) Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento

Leia mais

TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA

TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA FORMA Um erro de forma corresponde à diferença entre a superfície real da peça e a forma geométrica teórica. POSIÇÃO A tolerância de posição estuda a relação entre dois ou mais elementos.

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 06 Tolerâncias: dimensional, forma e posição Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia

Leia mais

AULA 3 TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA. Disciplina. SEM Fabricação Mecânica por Usinagem. Professores

AULA 3 TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA. Disciplina. SEM Fabricação Mecânica por Usinagem. Professores AULA 3 TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA Disciplina SEM 0560 - Fabricação Mecânica por Usinagem Professores Alessandro Roger Rodrigues Renato Goulart Jasinevicius DEFINIÇÕES Tolerância Dimensional: não garante a obtenção

Leia mais

Tolerância geométrica

Tolerância geométrica A UU L AL A Tolerância geométrica A execução da peça dentro da tolerância dimensional não garante, por si só, um funcionamento adequado. Veja um exemplo. A figura da esquerda mostra o desenho técnico de

Leia mais

Tolerância geométrica Tolerâncias de forma

Tolerância geométrica Tolerâncias de forma Tolerância geométrica A execução da peça dentro da tolerância dimensional não garante, por si só, um funcionamento adequado. Veja um exemplo. A figura da esquerda mostra o desenho técnico de um pino, com

Leia mais

Desenho Técnico Moderno

Desenho Técnico Moderno TOLERANCIAMENTO Desenho Técnico GEOMÉTRICO Moderno Toleranciamento Geométrico OBJECTIVOS Identificar os símbolos geométricos e aplicá-los convenientemente no toleranciamento das peças. Compreender as vantagens

Leia mais

Conjuntos mecânicos V

Conjuntos mecânicos V A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Conjuntos mecânicos V Introdução Os funcionários acharam importante a aula anterior porque puderam conhecer bem o calço-regulável e as diversas formas pelas

Leia mais

3.1 Indicação de rugosidade superficial no desenho Técnico Mecânico NBR

3.1 Indicação de rugosidade superficial no desenho Técnico Mecânico NBR 3 INDICAÇÕES Indicações são sinais e informações acrescentadas aos desenho mecânicos, que especificam uma condição que deverá ser obtida pela peça durante sua fabricação. 3.1 Indicação de rugosidade superficial

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo II Aula 04 Rosca Rosca é o conjunto de reentrâncias e saliências, com perfil constante, em forma helicoidal, que se desenvolvem. externa ou internamente,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 07 ESTADO DE SUPERFÍCIE TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 07 ESTADO DE SUPERFÍCIE TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM0564) AULA 07 ESTADO DE SUPERFÍCIE TOLERÂNCIAS DIMENSIONAIS TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS ESTADO DE SUPERFÍCIE SUPERFÍCIES Ideal Real SIMBOLOGIA QUALITATIVA SIMBOLOGIA QUANTITATIVA

Leia mais

Tolerância geométrica de orientação

Tolerância geométrica de orientação Tolerância geométrica de orientação A UU L AL A vimos a maneira de verificar a forma de apenas um elemento, como planeza, circularidade, retilineidade. O problema desta aula é verificar a posição de dois

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng.

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br PROGRAMAÇÃO Aula 1 2 Data 05/11 07/11 Conteúdo Correção da avaliação, blocos-padrão, calibradores,

Leia mais

Conjuntos mecânicos III

Conjuntos mecânicos III Conjuntos mecânicos III A UU L AL A Desenho de componente é o desenho de uma peça isolada que compõe um conjunto mecânico. Introdução Desenho de detalhe é o desenho de um elemento, de uma parte de um elemento,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PUBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRA ÇAS DA MARINHA / CP-CAP/2013) E PERMITIDO O USO DE RÉGUA SIMPLES

Leia mais

Capítulo I: Elementos de Fixação

Capítulo I: Elementos de Fixação Capítulo I: Elementos de Fixação Profª. Luziane M. Barbosa 1 Profª. Luziane M. Barbosa 2 1 Profª. Luziane M. Barbosa 3 Uniões Móveis Permanentes Profª. Luziane M. Barbosa 4 2 PINOS Funções: Possibilitar

Leia mais

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos:

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Cotagem Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR 10126. Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Linhas de cota são linhas contínuas estreitas, com

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 06 Cotas, Símbolos 1. COTAGEM COTAGEM é a indicação das medidas das peças em seu desenho. Ao cotar você deve tentar imaginar se com as medidas representadas será possível

Leia mais

Elementos de máquina. Curso Técnico Concomitante em Mecânica 3º módulo. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso Técnico Concomitante em Mecânica 3º módulo. Diego Rafael Alba E Curso Técnico Concomitante em Mecânica 3º módulo Diego Rafael Alba 1 Roscas É um conjunto de filetes em torno de uma superfície cilíndrica; Podem ser internas e externas. 2 Perfil de rosca Triangular;

Leia mais

CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador

CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 11 Componentes de transmissão e união II: engrenagens, pinos, cavilhas. Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 05 Cotas, símbolos, escalas e encurtamento Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia

Leia mais

Módulo 08 DESENHO TÉCNICO. Luiz Fontanella

Módulo 08 DESENHO TÉCNICO. Luiz Fontanella Módulo Luiz Fontanella 2 ÍNDICE SCRIÇÃO PÁG. ÍNDICE 2 ROSCAS 3 TIPOS 4 SENTIDO DIREÇÃO 4 NOMENCLATURA 5 ROSCAS TRIANGULARES 5 o ROSCA MÉTRICA 6 o ROSCA WHITWORTH 6 PARAFUSOS 7 PARAFUSOS PASSANTES 7 PARAFUSOS

Leia mais

Cotagem Abnt NBR 10126

Cotagem Abnt NBR 10126 Capítulo 06 Cotagem Abnt NBR 10126 O objetivo da norma NBR 10126 é fixar os princípios gerais de cotagem a serem aplicados em todos os desenhos técnicos. Aplicação Toda cotagem necessária para descrever

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo III Aula 03 Supressão de vistas em peças compostas As peças cilíndricas, ou que contêm partes cilíndricas, também podem ser representadas com

Leia mais

As cotas horizontais são registradas da esquerda para a direita; as verticais de baixo para cima e as inclinadas, de modo a facilitar a leitura.

As cotas horizontais são registradas da esquerda para a direita; as verticais de baixo para cima e as inclinadas, de modo a facilitar a leitura. Definição : Processo de colocação das dimensões de um desenho para informação das suas medidas. DE DESENHOS TÉCNICOS DE DESENHOS DE ARQUITETURA Exemplo de colocação de linhas de cota para retângulos e

Leia mais

ÍNDICE Introdução HÉLICE Elementos de uma hélice: Processo de representação de uma hélice... 4

ÍNDICE Introdução HÉLICE Elementos de uma hélice: Processo de representação de uma hélice... 4 ÍNDICE Introdução... 2 1. HÉLICE... 3 1.1. Elementos de uma hélice:... 3 1.2. Processo de representação de uma hélice... 4 2. ROSCA... 5 2.1. Elementos da rosca... 6 2.2. Representação exacta de uma rosca...

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 03 Conjuntos O desenho de conjunto representa um grupo de peças montadas tais como: dispositivos, ferramentas, máquinas, motores, equipamentos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA / CP-CAP/2014) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA

Leia mais

Cotagem em desenho técnico

Cotagem em desenho técnico NOV 1987 Cotagem em desenho técnico NBR 10126 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Cotagem Profº Milton 2014

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Cotagem Profº Milton 2014 Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Cotagem Profº Milton 2014 Definição A cotagem é a representação gráfica no desenho da característica

Leia mais

Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica. Desenho Mecânico. Prof.

Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica. Desenho Mecânico. Prof. Universidade de Fortaleza Centro de Ciencias Tecnologicas Curso de Engenharia deprodução/mecânica Desenho Mecânico Prof. José Rui Barbosa Componentes mecânicos Elementos de ligação - Roscas - Parafusos

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas.

CONJUNTOS MECÂNICOS. Figura 1. Representação de conjunto mecânico usando vistas ortográficas. CONJUNTOS MECÂNICOS Tão importante quanto conhecer os elementos de máquinas e projetá-los, é saber representar graficamente e interpretar esses elementos em desenhos técnicos. Máquinas (torno mecânico,

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Supressão de vistas em peças compostas

Supressão de vistas em peças compostas A U L A Supressão de vistas em peças compostas Introdução As peças cilíndricas, ou que contêm partes cilíndricas, também podem ser representadas com supressão de uma ou duas vistas, desde que se utilizem

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 01 Chavetas, rebites, molas, polias e correias. Desenho Técnico Mecânico II

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 01 Chavetas, rebites, molas, polias e correias. Desenho Técnico Mecânico II DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II Aula 01 Chavetas, rebites, molas, polias e correias 1.0. Chavetas 1.1. Definição: Chavetas são elementos mecânicos que permitem a transmissão do movimento de um eixo para cubos

Leia mais

Metrologia. Capítulo 8 Tolerâncias Geométricas. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho

Metrologia. Capítulo 8 Tolerâncias Geométricas. José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho Metrologia Capítulo 8 Tolerâncias Geométricas José Stockler C. Filho Flávio de Marco Filho 1 Atenção => Esta apresentação é para apoio para aula do curso de Metrologia da UFRJ. => A bibliografia indicada

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio ELMA3 AULA 5 Prof. Carlos Fernando Dispositivos de Fixação Pinos, Cupilhas, Cavilhas, Roscas, Mancais de Deslizamento

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO DESENHO TÉCNICO MECÂNICO Unidade 3 Roscas e Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Mendes da Silva 1. Engrenagens: Engrenagens são rodas com dentes padronizados que servem para transmitir movimento

Leia mais

NBR Princípios gerais de representação em desenho técnico

NBR Princípios gerais de representação em desenho técnico ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAIO 1995 NBR 10067 Princípios gerais de representação em desenho técnico Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal

Leia mais

Cotagem em Desenho Técnico

Cotagem em Desenho Técnico Cotagem em Desenho Técnico Apostila da disciplina de Desenho Técnico Professora: Eneida González Valdés A norma de cotagem fixa os princípios gerais a serem aplicados em todos os desenhos técnicos. Definição

Leia mais

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Elementos de Máquinas O que são Elementos Orgânicos de Máquinas? São componentes que possuem funções como fixar, apoiar outras peças ou componentes, transmitir potência, realizar vedações ou conferir certa

Leia mais

COTAGEM. Objetivo: Autores: Última revisão: Referências: UFRGS-FA-DEG-NDP COTAGEM 1/11

COTAGEM. Objetivo: Autores: Última revisão: Referências: UFRGS-FA-DEG-NDP COTAGEM 1/11 COTAGEM Objetivo: Autores: Última revisão: Referências: UFRGS-FA-DEG-NDP COTAGEM 1/11 SUMÁRIO 1 COTAGEM 1 1.1 Posição da cotagem...3 UFRGS-FA-DEG-NDP COTAGEM 2/11 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Elementos

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

Desenho Mecânico Digital Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Sergipe

Desenho Mecânico Digital Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Sergipe Desenho Mecânico Digital Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Sergipe Autores: Professor Jonathan Gazzola Professor Carlos Caetano de Almeida Professor Diego Andrade da Silva Apostila

Leia mais

Parafusos. Rosca. Formas padronizadas de roscas

Parafusos. Rosca. Formas padronizadas de roscas 4 Parafusos São elementos de máquinas usados em uniões provisórias ou desmontáveis, ou seja, quando permitem a desmontagem e montagem com facilidade sem danificar as pecas componentes. Exemplo: a união

Leia mais

Curso de Engenharia Química/Alimentos

Curso de Engenharia Química/Alimentos Curso de Engenharia Química/Alimentos ABNT NBR 10067 Vista Principal A vista mais importante de uma peça deve ser utilizada como VISTA FRONTAL ou VISTA PRINCIPAL. Geralmente esta vista representa a peça

Leia mais

Classificação dos machos de roscar, segundo o tipo de rosca. Desandadores

Classificação dos machos de roscar, segundo o tipo de rosca. Desandadores Classificação dos machos de roscar, segundo o tipo de rosca Rosca Sistema Métrico Normal Fina Machos de roscar Rosca Sistema Whitworth Para Parafusos Normal - BSW Fina - BSF Para Tubos - BASP - BSPT Rosca

Leia mais

Metrologia Professor: Leonardo Leódido

Metrologia Professor: Leonardo Leódido Metrologia Professor: Leonardo Leódido Sumário Definição Conceitos Básicos Classificação de Forma de Orientação de Posição Definição Tolerância pode ser definida como um intervalo limite no qual as imperfeições

Leia mais

CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção. Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção. Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ 3 _ Sumário Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico... 03 Introdução...

Leia mais

As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão,

As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão, MOLAS As molas são usadas, principalmente, nos casos de armazenamento de energia, amortecimento de choques, distribuição de cargas, limitação de vazão, preservação de junçõeses ou contatos. MOLAS HELICOIDAIS

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA / CPCAP/2012) NÃO ESTÁ AUTORIZADA

Leia mais

Site do Inmetro. Clique aqui para mais informações. 21/07/2016

Site do Inmetro. Clique aqui para mais informações. 21/07/2016 BRASIL Acesso à informação Barra GovBr Site do Inmetro Acreditação Nº 3 Data da Acreditação 04/04/1984 ACREDITAÇÃO VIGENTE Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação Clique aqui

Leia mais

Desenho I - Iniciação ao desenho. Sumário

Desenho I - Iniciação ao desenho. Sumário Desenho I - Iniciação ao desenho Sumário Introdução 7 Desenho artístico e desenho técnico 8 Material de desenho técnico 11 Caligrafia técnica 16 Figuras geométricas 18 Sólidos geométricos 23 Perspectiva

Leia mais

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução Aplicação de Integral Definida: Prof a. Sólidos Exemplos de Sólidos: esfera, cone circular reto, cubo, cilindro. Sólidos de Revolução são sólidos gerados a partir da rotação de uma área plana em torno

Leia mais

é um elemento de alocação de outros elementos; serve de passagem para fios e canalizações; pode ser usado como elemento de refrigeração;

é um elemento de alocação de outros elementos; serve de passagem para fios e canalizações; pode ser usado como elemento de refrigeração; 1 Furos A furação de peças é uma atividade bastante importante no projeto de produto. Os furos são detalhes geométricos com funções específicas dentro de um produto. Uma destas funções é criar o interelacionamento

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 16 CONE E CILINDRO. Professor Haroldo Filho

MATEMÁTICA MÓDULO 16 CONE E CILINDRO. Professor Haroldo Filho MATEMÁTICA Professor Haroldo Filho MÓDULO 16 CONE E CILINDRO 1. CILINDRO CIRCULAR Considere dois planos paralelos, α e β, seja R um círculo no plano α, seja s uma reta secante aos dois planos que não intersecta

Leia mais

FAURGS HCPA Edital 02/2013 PS 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) Pág. 1

FAURGS HCPA Edital 02/2013 PS 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) Pág. 1 Pág. 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2013 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) 01. C 11. A 21. ANULADA 31. E 02.

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 2

Desenho de máquinas. Aula 2 Desenho de máquinas Aula 2 Vista com rebatimento (rotacionada) Em algumas situações a representação de peças pode fugir das regras da projeção ortogonal, com a finalidade de facilitar o entendimento e

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores 1.0. Mancais 1.1. Definição: Mancais são elementos que servem de apoio para eixos girantes, deslizantes ou oscilantes e que suportam

Leia mais

Acesse:

Acesse: Roscar: a vocação do torno No mundo da mecânica, é inegável a importância das roscas: seja para fixar elementos (com parafusos e porcas), seja para transmitir movimentos (com eixos roscados). Neste livro,

Leia mais

União de materiais utilizados na construção de máquinas agrícolas

União de materiais utilizados na construção de máquinas agrícolas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * União de materiais utilizados na construção de

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Leitura no Sistema Inglês : Fração Ordinária Goniômetro simples O goniômetro simples, também conhecido como transferidor de grau, é utilizado em medidas

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 1 Conhecimentos Específicos - Fabricação Sobre a montagem de engrenagens para abertura de roscas em um torno, é correto afirmar: Deve-se garantir que a folga entre os dentes das engrenagens seja

Leia mais

EDITAL Nº. 07:2016. Período de 01 de julho de 2016 a 31 de julho de 2016 PROPOSTAS DE CANCELAMENTO DE NORMAS BRASILEIRAS

EDITAL Nº. 07:2016. Período de 01 de julho de 2016 a 31 de julho de 2016 PROPOSTAS DE CANCELAMENTO DE NORMAS BRASILEIRAS EDITAL Nº. 07:2016 Período de 01 de julho de 2016 a 31 de julho de 2016 PROPOSTAS DE CANCELAMENTO DE NORMAS BRASILEIRAS As Propostas de Cancelamento de Normas da ABNT podem ser visualizadas pelo site www.abnt.org.br/consultanacional.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Projeções, Perspectivas, Vistas e

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Projeções, Perspectivas, Vistas e Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Projeções, Perspectivas, Vistas e Diedros Profº Milton 2014 Projeções Utiliza-se de projeções

Leia mais

Broca Helicoidal DIN338N- HSS

Broca Helicoidal DIN338N- HSS Broca Helicoidal DIN338N- HSS Broca Helicoidal com Haste Cilíndrica Broca Comp. De Corte Broca Helicoidal com Haste Cilíndrica Broca Comp. De Corte 0,5 22 6 4,1 75 43 0,6 24 7 4,2 75 43 0,7 28 9 4,3 80

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Utiliza-se de projeções para comunicar a forma de um desenho 3D (três dimensões) em uma folha de papel (2D duas dimensões). São envolvidos

Leia mais

NOTAS DE AULAS (Práticas de Oficina)

NOTAS DE AULAS (Práticas de Oficina) Módulo: Processo de Fabricação PROCESSOS DE USINAGEM CONVENCIONAIS IX. Processos de Usinagem. Torneamento O torneamento é um processo mecânico de usinagem destinado a obtenção de superfícies de revolução

Leia mais

CORTES E TRATAMENTOS CONVENCIONAIS

CORTES E TRATAMENTOS CONVENCIONAIS CORTES E TRATAMENTOS CONVENCIONAIS 1. INTRODUÇÃO Há diversas situações na representação gráfica de objetos onde faz-se necessário apresentar, de forma clara e inequívoca, o interior das peças, cuja representação

Leia mais

PROCESSOS DE USINAGEM I

PROCESSOS DE USINAGEM I PROCESSOS DE USINAGEM I Prof. Arthur Bortolin Beskow AULA 02 1 2 PROCESSOS DE USINAGEM I CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO 1 Torneamento 2 Aplainamento 3 Furação 4 Alargamento 5 Rebaixamento 6

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 02 Projeção: tipos, vistas e diedros Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Ilha Solteira. Curso Engenharia Mecânica. Ênfase. Disciplina 907-ST2 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Ilha Solteira. Curso Engenharia Mecânica. Ênfase. Disciplina 907-ST2 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO Curso 445 - Engenharia Mecânica Ênfase Identificação Disciplina 907-ST2 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO Docente(s) DOUGLAS DOMINGUES BUENO Unidade Faculdade de Engenharia Departamento Departamento de Matemática

Leia mais

Prof. Breno Duarte Site:

Prof. Breno Duarte   Site: Prof. Breno Duarte Email: brenoldd@hotmail.com Site: www.fenemi.org.br/ifmec Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento, tolerância,

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 09 Componentes de transmissão e união I: eixos, chavetas, polias, correias Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia

Leia mais

Apostila de Matemática II 3º bimestre/2016. Professora : Cristiane Fernandes

Apostila de Matemática II 3º bimestre/2016. Professora : Cristiane Fernandes Apostila de Matemática II 3º bimestre/2016 Professora : Cristiane Fernandes Pirâmide A pirâmide é uma figura geométrica espacial, um poliedro composto por uma base (triangular, pentagonal, quadrada, retangular,

Leia mais

Rosca é um conjunto de filetes em torno de uma superfície cilíndrica.

Rosca é um conjunto de filetes em torno de uma superfície cilíndrica. A UU L AL A Parafusos I Um motorista, distraído, passou com o carro sobre um grande buraco. Sentiu que o carro começou a se desgovernar. Parou acostamento e, para seu espanto, viu uma roda quase solta.

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: COSSINETES São ferramentas de corte construídas de aço especial, com rosca temperada e retificada; é similar a uma porca, com cortes radiais dispostos convenientemente

Leia mais

2 - A rosca em que o filete de perfil tem forma triangular, denomina-se rosca: a) ( ) redonda; b) ( ) quadrada; c) (x) triangular.

2 - A rosca em que o filete de perfil tem forma triangular, denomina-se rosca: a) ( ) redonda; b) ( ) quadrada; c) (x) triangular. Lista de exercícios 1 - PARAFUSOS Marque com um X a resposta correta. 1 - Uma característica do parafuso é que todos eles apresentam: a) ( ) pinos; b) (x) roscas; c) ( ) arruelas. 2 - A rosca em que o

Leia mais

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Prova de: GEOMETRIA DESCRITIVA Conteúdos: 1.1 Ponto 1.2 Recta 1.3 Posição relativa de duas rectas: - complanares - paralelas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SÉ GUARDA PLANIFICAÇÃO A MEDIO PRAZO DE GEOMETRIA DESCRITIVA A 11º ANO TURMA: B ANO LECTIVO 2016/2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SÉ GUARDA PLANIFICAÇÃO A MEDIO PRAZO DE GEOMETRIA DESCRITIVA A 11º ANO TURMA: B ANO LECTIVO 2016/2017 PLANIFICAÇÃO A MEDIO PRAZO DE GEOMETRIA DESCRITIVA A 11º ANO TURMA: B Resolver problemas de paralelismo de rectas e de planos Resolver problemas de perpendicularidade de rectas e de planos 3.11 Paralelismo

Leia mais

Até 100 mm. Até 100 mm

Até 100 mm. Até 100 mm Acreditação Nº 144 Data da Acreditação 25/07/2000 ACREDITAÇÃO VIGENTE Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação Endereço Bairro Clique aqui para mais informações. 05/09/2017 K&L

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 12

DESENHO BÁSICO AULA 12 DESENHO BÁSICO AULA 12 Cortes (continuação) Cortes: tipos Meio-Corte 1 Cortes: tipos Meio-Corte Cortes: tipos Meio Corte Sempre que a linha de simetria que atravessa a vista em corte for vertical, a parte

Leia mais

Toleranciamento Geral

Toleranciamento Geral CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geral João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção Mecânica

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA

APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA APOSTILA GEOMETRIA DESCRITIVA 1 GEOMETRIA MÉTRICA E ESPACIAL 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 SISTEMAS DE PROJEÇÃO Conforme o que foi exposto anteriormente, o estudo da Geometria Descritiva está

Leia mais

Desenho Mecânico. Prof. Alan Dantas. Aula 1

Desenho Mecânico. Prof. Alan Dantas. Aula 1 Desenho Mecânico Prof. Alan Dantas Aula 1 Ementa do curso Normas gerais do Desenho Técnico de Mecânico O desenho e os processos de fabricação Indicações Elementos de união Elementos de transmissão CAD

Leia mais

Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição

Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição Geometria Espacial Cilindro, Cone, Esfera, Inscrição e Circunscrição Enem 15 semanas 1. Um quadrado de lados medindo 1 cm sofre uma rotação completa em torno de um eixo paralelo a um de seus lados. A distância

Leia mais

Unidade de sustentação

Unidade de sustentação Modelos EK, BK, FK, EF, BF e FF Tampa de contenção Vedação Alojamento Mancal Parafuso de aperto sextavado de cabeça cilíndrica Peça de aperto Castanha de travamento Colar Mancal Alojamento Anel de pressão

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. 3º Período Até 16 de junho 2.ª ª ª ª ª º Período 2º Período

PLANIFICAÇÃO ANUAL. 3º Período Até 16 de junho 2.ª ª ª ª ª º Período 2º Período ESCOLA SECUNDÁRIA INFAN TA D. MAR IA GEOMETRIA DESCRITIVA 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2016/17 Dias da semana 1º Período 2º Período 3º Período Até 16 de junho 2.ª 13 12 7 3.ª 12 13 7 4.ª 12 12

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo I Aula 03 Linhas Para desenhar as projeções usa-se vários tipos de linhas. Vamos descrever algumas delas. Largura das linhas A relação entre as

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Conceitos Classificação Tipos Conceitos Função: Elementos de vedação são peças que impedem a saída de fluido de um ambiente fechado. Evitar poluição do ambiente. Geralmente,

Leia mais

CALIBRAÇÕES. Goniômetro º 04. Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6") Nível Eletrônico até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6")

CALIBRAÇÕES. Goniômetro º 04. Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6) Nível Eletrônico até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6) CALIBRAÇÕES DESCRIÇÃO DO SERVIÇO DIMENSIONAL INSTRUMENTOS E GABARITOS DE MEDIÇÃO DE ÂNGULO Goniômetro 360 00º 04 Nível Goniômetro 360 Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6") Nível Eletrônico até

Leia mais

TABELA VC X MATERIAL PEÇA X MATERIAL FERRAMENTA X FATOR MULTIPL. PROCESSO(DESBASTE, SANGRIA, FURAÇÃO...)

TABELA VC X MATERIAL PEÇA X MATERIAL FERRAMENTA X FATOR MULTIPL. PROCESSO(DESBASTE, SANGRIA, FURAÇÃO...) Parâmetros de corte Torneamento e furação 1-) Uma peça bruta que será torneada(desbaste), possui diâmetro de 50mm. Após a usinagem, deseja-se que a peça tenha um diâmetro de 46mm, a ser atingido com 4

Leia mais