Mad Men e o case Lucky Strike: o uso do product placement pelo mercado tabagista 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mad Men e o case Lucky Strike: o uso do product placement pelo mercado tabagista 1"

Transcrição

1 Mad Men e o case Lucky Strike: o uso do product placement pelo mercado tabagista 1 Rafael AGUIAR 2 Thiago Vinicius BEZERRA 3 Rogério COVALESKI 4 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE Resumo A indústria tabagista vem, gradativamente, perdendo espaço no mercado publicitário por conta de leis antifumo que a proíbem de anunciar nos meios de comunicação tradicionais, precisando, assim, encontrar novas alternativas para se comunicar com o consumidor. A Lucky Strike, tradicional marca de tabaco, encontrou uma alternativa para anunciar seu produto legalmente com o uso do product placement. No presente trabalho, analisou-se a maneira como a marca inseriu sua imagem na narrativa da primeira temporada do seriado Mad Men. Com a grande ligação entre o personagem protagonista e a imagem da marca, a Lucky Strike conquistou uma ampla visibilidade e interação na narrativa audiovisual dos episódios do seriado. Palavras-chave: imagem de marca; publicidade e propaganda; product placement; Mad Men; Lucky Strike. Introdução Em meio à grande turbulência no mercado do tabaco, muitas marcas ainda sobrevivem mesmo entre as críticas incessantes a respeito do cigarro. Em vários lugares do mundo como, por exemplo, Nova Zelândia, Itália e Noruega a publicidade de cigarros foi completamente vetada, em outros, como é o caso do Brasil, ainda se encontram resquícios da publicidade, veiculadas apenas em pontos de vendas. Nem sempre houve tamanha perseguição ao comércio tabagista e à imagem do produto. Houve época em que o cigarro era sinônimo de glamour, e isso se tornou o ponto-chave para que grandes marcas conseguissem se inserir no imaginário da sociedade. Porém, segundo o presidente da Souza Cruz, Flávio Andrade, em entrevista à revista IstoÉ (STYCER; MELO, 2000), Hoje, dois terços da população mundial não são fumantes, e ao mesmo tempo, a população tem pouquíssimo conhecimento científico sob certos aspectos. 1 Trabalho apresentado no IJ 2 Publicidade e Propaganda do XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, realizado de 14 a 16 de junho de Estudante de Graduação do 4.º semestre do Curso de Publicidade e Propaganda da UFPE Universidade Federal de Pernambuco, 3 Estudante de Graduação do 4.º semestre do Curso de Publicidade e Propaganda da UFPE Universidade Federal de Pernambuco, 4 Orientador do trabalho. Professor Adjunto do Curso de Publicidade e Propaganda da UFPE Universidade Federal de Pernambuco, 1

2 O novo perfil de consumidor somado à lei que proíbe publicidade de cigarro no Brasil, assinada em nove de agosto de 2000, dificulta a inserção do produto no mercado, fazendo com que marcas como a Lucky Strike procurem novas estratégias de convencimento para a venda do produto. Uma das poucas estratégias que ainda podem ser utilizadas sem ferir nenhuma lei é o product placement, ou, segundo Trindade (2007) merchandising televisivo tie-in, que imerge o produto em meios que possuem como caráter fundamental o entretenimento. A exploração desse novo conceito de publicidade vem sendo usado de modo crescente por empresas que desejam tentar quebrar o padrão expositivo dos breaks comerciais, como, por exemplo, a marca de alta tecnologia Apple. O product placement tem se estabelecido no mercado publicitário como uma opção contemporânea de comunicação, porém, ainda não de forma madura. A Lucky Strike, mesmo com tantas dificuldades em promover o seu produto, consegue se mostrar madura nesse sentido, aproveitando-se da temática do seriado Mad Men, bastante apropriada ao seu produto, para se inserir no roteiro dos episódios. Mad Men se passa na década de 1960, na agência de publicidade Sterling Cooper, localizada na Madison Avenue, em Nova Iorque. O protagonista da série, Don Draper, é quem dá forma ao enredo. Suas opiniões e atitudes refletem o típico publicitário da época, vivendo uma vida bastante glamourosa, regada a uísque e adultérios. É nesse cenário que o tabaco inicia a sua trajetória de declínio no imaginário social. O presente artigo pretende analisar a jogada estratégica da marca de modo que possamos descobrir se está sendo realmente adequada e efetiva. Os episódios da primeira temporada da série serão colocados em questão. Será avaliada a situação atual do mercado do tabaco para melhor entendimento dos motivos pelos quais a Lucky Strike optou por se inserir no seriado Mad Men. Será feita, também, uma comparação entre os fatos reais, representados ficcionalmente dentro da série, e os fatos realmente criados para incrementar a estratégia lúdica de persuasão publicitária. A marca Lucky Strike e o mercado tabagista A marca Lucky Strike surgiu na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, em 1917, criada pela American Tobacco Company. A proposta da marca era concorrer diretamente com a marca americana número um em vendas à época, a Camel. Para vencer a concorrência, a empresa contratou o publicitário Albert J. Lasker, pedindo a ele 2

3 que fizesse tudo o que fosse necessário, sem restrições. Segundo Sivulka (2011), as publicidades da Lucky Strike da época tiveram como resultado a quebra de todos os recordes anteriores inclusive em investimentos, com seus 40 milhões de dólares aplicados conquistando o primeiro lugar com a máxima Lucky Strike Means Fine Tobacco, algo como Lucky Strike significa cigarro bom. Ainda segundo Sivulka (2011), o grande feito publicitário da década de 1920 foi o incremento na venda de cigarros. No período, as pessoas consideravam o hábito de fumar algo terrível, associando o cigarro a criminosos, neuróticos ou possíveis dependentes químicos. As guerras e as campanhas publicitárias multimilionárias mudaram essa visão. Durante a Primeira Guerra Mundial, o cigarro ganhou maior aceitação quando soldados e civis descobriram que fumar um cigarro era mais conveniente, barato e mais higiênico que mascar tabaco. Para alcançar o público feminino a Lucky Strike foi mais longe: realizou uma pesquisa e descobriu que as mulheres resistiam ao consumo do produto por não combinar as cores dos maços de cigarro com as de suas roupas. Para solucionar o problema, a empresa contratou Edward L. Bernays, perito em relações públicas, que conseguiu promover a cor verde cor original dos maços da Lucky Strike como uma cor fashion em todos os meios de moda da época. A alteração para a cor branca, que ainda hoje estampa as embalagens do produto, só ocorreria em Em matéria da revista Super Interessante de 2003, o cinema é demonstrado como uma benção para os fabricantes de cigarro por associar o produto ao sexo. Como não se podiam exibir beijos na tela, os insinuantes gestos femininos ao fumar substituíram as cenas picantes. Uma análise dos 250 filmes hollywoodianos mais populares da década de 1990 mostrou que 87% deles exibiam alguém fumando. Em 1962 o cenário mudou: o governo inglês anunciou que o cigarro fazia mal. A indústria tabagista respondeu de várias formas, uma delas foi com o lançamento de produtos supostamente menos agressivos, como o cigarro com filtro. Outra medida foi a de abandonar de vez qualquer alusão à saúde e a realçar o sabor dos produtos. Foi a partir desse ano que surgiu a queda crescente de consumo do tabaco. Mad Men e o product placement A década de 1960 nos Estados Unidos foi de amplas mudanças. Após o período da Segunda Guerra Mundial, os estadunidenses iniciaram um período de abundância econômica. As pessoas estavam consumindo muito, e consequentemente as empresas 3

4 estavam apresentando lucros altíssimos. Todo esse crescimento econômico favoreceu uma uniformização dos modos de vida, criando novos hábitos, incorporando inovações tecnológicas aos bens de consumo. A América agora tinha um estilo de vida próprio, consumir passou a ser uma condição de sobrevivência social. (FREITAS NETO; TASINAFO, 2007) Em meio a esse cenário de consumo exacerbado é que a publicidade encontrou espaço para se fortalecer. Foi ela que amparou e incentivou todo o sentimento consumista da sociedade, agregando conceitos como o de felicidade e modernidade ao consumo. Como disse Don Draper, personagem principal da série, logo no primeiro episódio: A felicidade é o cheiro de um carro novo, um outdoor na estrada com letras garrafais dizendo que tudo que você está fazendo é perfeito, que você vai ficar bem. A publicidade transformou o consumo no melhor companheiro do homem. Mad Men retrata exatamente esse contexto da sociedade americana da década de Assuntos como a luta pelos direitos civis, a inserção da mulher no mercado de trabalho e as disputas presidenciais americanas são abordados na série. Os personagens estão, de fato, envolvidos nesse contexto e demostram suas reações e opiniões a respeito. No episódio número 12 da primeira temporada, por exemplo, é mostrado o desenrolar da disputa entre Nixon e Kennedy à presidência dos EUA. Todos os funcionários da agência Sterling Cooper se mobilizaram para acompanhar a apuração dos votos. Todos viraram a noite confraternizando e vibraram a cada resultado noticiado pela tevê. Segundo Jesse McLean, no seu livro O guia não oficial de Mad Men (2011), a relação de disputa entre Kennedy e Nixon se reflete bastante no conflito entre os personagens Campbell e Draper dentro da série. Campbell é um jovem ambicioso, muito imaturo, que almeja intensamente obter o cargo de Don Draper. Draper, por sua vez, é um homem bastante maduro e com muito mais experiência, tanto profissional como de vida. E é exatamente isso que caracteriza a disputa presidencial americana. A jovialidade de Kennedy causou muita polêmica a respeito da sua capacidade de se tornar presidente dos EUA. É justamente no crescimento econômico que algumas empresas surgem e outras passam a se fortalecer nessa época de ouro vivida nos EUA. Logo, Mad Men tendo a essência capitalista da década e ainda com sua temática publicitária, torna-se um cenário fértil para que algumas marcas contemporâneas conseguissem inserir seus produtos em uma narrativa de época. Heineken, Cadillac, Utz, US Airways, London Fog e Smirnoff 4

5 são algumas das empresas que se utilizam da estratégia de product placement dentro da série. O product placement funciona como um tipo de comunicação híbrida que encerra tentativas remuneradas para influenciar audiências com fins comerciais, mas cujo custo é mais barato comparativamente a espaços publicitários em televisão, e que pode gerar um efeito de persuasão maior que os métodos publicitários tradicionais, caso não seja percebido como uma mensagem comercial (BALASUBRAMANIAN, 1994). Ou seja, produtos e/ou marcas são integrados e passam a fazer parte da narrativa audiovisual, podendo influenciar a percepção através da presença nos planos cinematográficos e no enredo da história (PÉREZ; RUFI, 2004). O mérito desse formato está na sutileza com que o produto é apresentado ao consumidor. O produto ganha um caráter mais humanista, mais próximo da natural realidade. Estudo de caso Nesse artigo, optamos por analisar a primeira temporada da série 2007/2008, em seus 13 episódios. Cada episódio foi decupado para que pudéssemos observar devidamente o tipo de product placement inserido, conforme proposto por Eneus Trindade (2007). Só após as análises de resultados quanto à quantidade de product placements, tipos, contexto apresentado e personagens envolvidos é que se pode fazer uma análise de como a marca insere sua imagem na série. Trindade afirma que há quatro tipos de product placement (ou merchandising televisivo), são eles: a Menção ao Produto, o Estímulo Visual, o Uso Simples do Produto e a Demonstração de Uso do Produto. Durante a primeira temporada da série Mad Men, foi possível identificar 21 aparições da marca Lucky Strike, sendo que a Menção ao Produto foi o tipo de product placement mais utilizado. Figura 1 5

6 Logo no primeiro episódio da série, o telespectador se depara com uma grande imersão da Lucky Strike. São 11 aparições, mais da metade da quantidade de toda a temporada. Seis dos 12 outros episódios que compõem a primeira temporada não possuem nenhuma inserção da marca especificamente. Mas devido à construção de marca bem desenvolvida logo no primeiro episódio, mesmo sem a devida presença do produto nos demais, é bastante fácil relacionar a marca aos vários momentos em que os personagens fumam. Ou seja, a Lucky Strike adquiriu, teoricamente, apenas os espaços comerciais de alguns episódios, mas, na prática, acabou ganhando uma mídia implícita nos outros. Segundo Wilbur, Goeree e Ridder (2011), alguns tipos de cena acomodam melhor o product placement que outras, e foi o que aconteceu no primeiro episódio: todas as cenas traziam a inquietação do personagem principal, Don Draper, na criação de uma nova campanha para a marca Lucky Strike. É possível perceber a dificuldade para anunciar cigarros devido à pressão, ainda de forma um pouco tímida, dos médicos e da sociedade contra esse hábito. Ou seja, Don estava bastante preocupado e até então sem ideias para a solução do problema. Chegada a hora da reunião de apresentação com os diretores da empresa detentora da marca Lucky Strike, Don ainda não tinha nada em mãos para apresentar. No embaraço do momento, Pete, o jovem ambicioso, resolve apresentar uma resposta desenvolvida por ele e baseada em algumas pesquisas rejeitadas anteriormente por Don. As pesquisas tinham um caráter perverso e não cabiam de forma alguma ao cliente. Logo após a interferência imatura de Pete, Don consegue salvar o momento com uma linha de raciocínio desenvolvido de última hora. Surge, na trama, o slogan It s Toasted. É importante ressaltar que o slogan surgiu, na realidade, na época do surgimento da marca, de forma que a trama acaba não sendo completamente fiel à história de Lucky Strike. Optou-se pela mudança na história do produto para melhor encaixe na trama. Nessas primeiras situações, a marca é exposta a uma sequência de informações negativas a respeito do ato de fumar e de como a sociedade pode estar condenada por conta de um hábito tão nocivo. Esse provavelmente não é o lugar mais saudável para uma marca se associar. É como se estivessem gritando criamos nosso negócio manipulando vocês!, disse o consultor de marketing da Apple a respeito especificamente dessa inserção de Lucky Strike na série (VILENSKY, 2009, tradução nossa). É como se a própria marca não tivesse aquela preocupação dos anos 1960, como 6

7 está representado na série. Expondo todo o lado negativo do comércio tabagista e deixando claro que seu produto tem um caráter nocivo à saúde dos consumidores. Figura 2 Frames do primeiro episódio de Mad Men, com exemplos do product placement Ao analisar outros episódios da série, nota-se que a marca está associada a pessoas importantes: os dois únicos personagens que exibem o maço da Lucky Strike são Don Draper e seu chefe e posteriormente sócio Roger Sterling. Outros personagens, com cargos inferiores, exibem outras marcas ao fumar: Salvatore, diretor de arte da agência, e o meio-irmão pobre de Don, Adam, são exemplos de usuários da marca Marlboro. Já as personagens Helen Bishop e Betty Draper, são fumantes da marca Kent. (Figura 3) Figura 3 A seguir, a Figura 4 indica o ambiente em que os product placements foram inseridos durante a temporada. 7

8 Figura 4 O hábito de fumar, principalmente na década de 1960, não está ligado a momentos específicos do dia. Aqueles que fumam não o fazem em horário e local planejados. Ou seja, na época em que se passa a história de Mad Men, qualquer momento do dia se torna adequado para uma inserção do produto em questão. Mas, possivelmente obedecendo a um direcionamento estratégico, a Lucky Strike escolheu alguns momentos mais relevantes para inserir o seu produto. De acordo com a análise realizada, 60% das aparições da marca na série se passam no ambiente de trabalho. Isso contribui positivamente na construção da visibilidade da Lucky Strike, pois o ambiente de trabalho denota seriedade e relaciona o cigarro ao mundo dos negócios, onde se encontram pessoas importantes e bem-sucedidas. Considerações finais O presente trabalho procurou analisar e compreender a maneira como a marca Lucky Strike associa sua imagem por meio dos glamorosos personagens da série Mad Men. Tendo em vista que, na sociedade atual, de caráter majoritariamente antitabagista, marcas de cigarro como a Lucky Strike precisam encontrar novos ambientes para divulgar seu produto, utilizando-se de meios sem restrições aparentes e que transmitam estilos de vida, como, por exemplo, os seriados televisivos sobretudo os que exibem realidade e hábitos de outra época. Pode-se considerar que a Lucky Strike procurou desde o primeiro episódio de Mad Men enraizar sua imagem de marca a personagens estrategicamente selecionados 8

9 do seriado, apresentando seu produto em cenas de lazer, situações de tensão e, principalmente, nos momento de trabalho. Os placements da marca conseguiram se mesclar ao enredo, garantindo grande visibilidade à marca mesmo sem a necessidade de pôr sua identidade visual em evidência durante toda a temporada. A estratégia do product placement se mostra uma das melhores alternativas para anunciantes da indústria tabagista. Isso porque ela consegue de forma sutil e não agressiva agregar a imagem de marca e o produto por meio dos personagens, de modo que o telespectador não crie uma rejeição quanto à marca, mas, sim, certa simpatia vendo-a ligada ao personagem do seriado que acompanha. O product placement se torna uma alternativa realmente eficaz por ainda não haver leis que proíbam a associação do tabaco a programas ficcionais como Mad Men, que retratam uma sociedade em que o cigarro está presente no dia a dia dos personagens da trama, com pertinência. Apesar de todo o direcionamento estratégico obedecido pela marca, foi possível perceber alguns pontos que não pareciam muito apropriados para o anunciante. A série, de fato, tem um enredo repleto de incentivos ao fumo, onde a marca se firmou desde o primeiro episódio garantido sua visibilidade. Porém, a realidade negativa a respeito do consumo do tabaco, que estava começando a ganhar força na época, esteve bastante relacionada à marca em questão. Frequentemente os personagens, na trama, estavam tentando arrumar uma forma de omitir do público todos aqueles males já tão difundidos hoje, no século XXI. A possível explicação para essa situação seria de que o anunciante já não se importa tanto com esses conceitos negativos tão difundidos a respeito da nicotina, e acreditam que isso já não afeta tanto quanto afetaria em décadas passadas. O que realmente buscou valorizar nessas inserções foi a glamorização do produto junto a personagens bastante representativos. Mesmo com alguns procedimentos sobre os quais recaia alguma dúvida na inserção televisiva da marca Lucky Strike na série, foi possível perceber que existiu, sim, um planejamento estratégico bem articulado, tanto na imersão da marca propriamente dita, como da identificação do seriado como oportunidade adequada para um produto com oportunidades publicitárias praticamente nulas. Tudo isso consiste em mais uma prova de que o mercado tabagista ainda sobrevive, sempre encontrando novas formas de se manter à vista dos consumidores, apesar de tantas leis e impostos coibindo a promoção e a comercialização do produto. 9

10 Referências Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação BRANDT, Allan M. The Cigarette Century. Nova Iorque: Basic Books, BALASUBRAMANIAN, S. K. Beyond Advertising and Publicity: Hybrid Messages and Public Policy Issues. In: REBELO, R. M. Silva. Eficácia Comunicativa do Product Placement.Vila Real: UTD, FREITAS NETO, J.Alves; TASINAFO, C. Ricardo. História Geral e do Brasil. São Paulo: HABRA, IMDB. Mad Men. Disponível em: < Acesso em 20 mar MCLEAN, Jesse. O guia não oficial de Mad Men: Os reis da Madison Avenue. Rio de Janeiro: Best Seller, PÉREZ, F. J; RUFI, J. P. Implicaciones Del Product Placement En El Discurso Cinematográfico. In: REBELO, R. M. Silva. Eficácia Comunicativa do Product Placement.Vila Real: UTD, SIVULKA, Juliann. Soap, Sex and Cigarettes. Boston: Wadsworth Publishing Co, STYCER, Daniel; MELO, Liana. Fumar é um risco. IstoÉ, São Paulo: n. 1612, ago Disponível em: <http://www.istoe.com.br/assuntos/entrevista/detalhe/32128_ fumar+e+um+risco>. Acesso em: 26 mar TRINDADE, Eneus. Merchandising television: tie-in. In: PEREZ, C.; BARBOSA, I. S. (Org.). Hiperpublicidade: fundamentos e interfaces vol. 1. São Paulo: Thomson Learning, VERGARA, Rodrigo; AQUINO, Manuela. Ascenção e queda do tabaco. Superinteressante, São Paulo: jun., Disponível em: <http://super.abril.com.br/ciencia/ascensao-quedatabaco shtml>. Acesso em: 24 mar VILENSKI, Mike. The Hidden Genius of Mad Men Product Placement. Disponível em:<http://www.vulture.com/2009/08/the_hidden_genius_of_mad_men_p.html>acesso em: 30 abr WILBUR, K. C., GOEREE, M. S., RIDDER, G. Effects of advertising and product placement on television audiences. Califórnia, Disponível em: <http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id= >. Acesso em: 24 mar

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Cigarros, anos 60 e comunicação: análise de Mad Men: Smoke Gets In Your Eyes ¹

Cigarros, anos 60 e comunicação: análise de Mad Men: Smoke Gets In Your Eyes ¹ Cigarros, anos 60 e comunicação: análise de Mad Men: Smoke Gets In Your Eyes ¹ Amanda Carolina SANTOS² Elza Aparecida Oliveira FILHA³ Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba - PR Resumo

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: Comunicação Publicitária e Criatividade ANO: 11º Turma:

Leia mais

FUMANTES ADVERTIDOS?! O DISCURSO CIENTÍFICO NAS EMBALAGENS DE CIGARRO SMOKERS WARNED!? THE SCIENTIFIC DISCOURSE ON CIGARETTE PACKS

FUMANTES ADVERTIDOS?! O DISCURSO CIENTÍFICO NAS EMBALAGENS DE CIGARRO SMOKERS WARNED!? THE SCIENTIFIC DISCOURSE ON CIGARETTE PACKS FUMANTES ADVERTIDOS?! O DISCURSO CIENTÍFICO NAS EMBALAGENS DE CIGARRO SMOKERS WARNED!? THE SCIENTIFIC DISCOURSE ON CIGARETTE PACKS Lucas Barbará Guillande (Santa Maria/RS/Brasil) (lucguill@yahoo.com.br)

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Marlboro? Onde?! 1. Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA

Marlboro? Onde?! 1. Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA Marlboro? Onde?! 1 Erik Paiva LOPES 2 Diego DALMASO MARTINS 3 MSc. Carolina Maria Martyres VENTURINI 4 Universidade Federal do Pará, Belém, PA Resumo Na temporada de 2010 da Fórmula 1 a Scuderia Ferrari

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Organização Pan-Americana da Saúde, OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Programação Visual da Capa: Divisão de Comunicação Social/

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 853, DE 2003 (Do Sr. JOSÉ DIVINO) Dispõe sobre o teor máximo permitido de Alcatrão, Nicotina e Monóxido de Carbono (CO) por cigarro produzido e consumido em todo território Nacional.

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

médicos sem fonteira PORTAL MSF

médicos sem fonteira PORTAL MSF LP luís paschoalini 01 médicos sem fonteira PORTAL MSF A reformulação total do portal do Médicos Sem Fronteira Brasil. O desenvolvimento deste projeto só foi possível através da parceria entre as agências

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 Nayara CAMPOS 2 Bárbara CAROLINA 3 Brenda SIQUEIRA 4 Emília RODRIGUES 5 Elisa FERRARI 6 Flávia POLASTRI 7 Gabriela NEVES 8 Laísa ANRADE 9 Luiza CHEIB 10 Lamounier LUCAS

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa.

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa. Planejamento de Campanha de Propaganda Aula 5 Contextualização Profa. Karin Villatore Esta aula tem como objetivo mostrar quais são as principais mídias que podem ser usadas em campanhas de publicidade

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

Cerveja Heineken 1. PALAVRAS-CHAVE: Heineken; Fotografia; Latinhas; Festa; Diversão.

Cerveja Heineken 1. PALAVRAS-CHAVE: Heineken; Fotografia; Latinhas; Festa; Diversão. Cerveja Heineken 1 Lais Eloara Nunes 2 Camila Roberta Fernandes 3 Paulo Oliveira 4 Mérsia Alvarinho Casimiro 5 Thayne Cristina dos Santos 6 Cristiane Peixoto Nabarretti. 7 Faculdade Anhanguera de Limeira,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

Política de Comunicação de Marketing

Política de Comunicação de Marketing OBJETIVO Esta política tem como objetivos garantir o alinhamento das ações e projetos de comunicação de marketing da TIM, com sua Missão e seus princípios com relação à Sustentabilidade, de forma responsável,

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Homofobia, Intolerância Absurda. 1. George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5

Homofobia, Intolerância Absurda. 1. George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Homofobia, Intolerância Absurda. 1 George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Faculdade Sete de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO Este artigo

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Welytton Cesar Cabral Mazzer HERRERA 2 Ailton Pereira BARBOSA 3 Gilson Moraes da COSTA 4 Antonio Carlos do AMARAL

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais

O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais O grande salto das marcas: a valorização das principais grifes nacionais JUNIOR, M.E.F.O 1 LIMA, M.S 2 FREDERICO, V.M 3 LACERDA, T.A 4 RAMOS, C.P. 5 SANTOS, F.A.A 6 RESUMO Esse artigo abordará a crescente

Leia mais

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga

Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Embalagem do Aromatizador do TJ Criança Abriga Raquel do Nascimento DIAS 1 Thais Cristina ROZA 2 Virgínia Felipe MANOEL 3 Lamounier Lucas JÚNIOR 4 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 18.130,00 À vista com desconto: R$ 16.679,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Relatório de Pesquisa Qualitativa Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Dezembro de 2010 2 Sumário Introdução... 3 1. Avaliação do Filme Fim de Ano - 2010... 5 1.1. Percepção do Filme no Break... 5

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles A COMUNICAÇÃO INTEGRADA NO MARKETING DE SERVIÇOS Principal causa da percepção desfavorável sobre um serviço: diferença

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação As mudanças DebatePapo Mídia Dalton Pastore - ABAP Caio Barsotti - SECOM José Alves - IVC Orlando Lopes - ABA Impacto da Tecnologia Individualização Acesso

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Sumário Executivo. Planejamento de Marketing

Sumário Executivo. Planejamento de Marketing Sumário Executivo Planejamento de Marketing 2013 Histórico Em 2012 a EBC adotou a prática do marketing de atitude. Com a criação do Plano de Comunicação 2M s Momento Movimento, foram desenvolvidas ações

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos Propaganda Desafios É difícil medir a resposta à propaganda A demanda é afetada pela concorrência e pelas decisões relativas ao composto de marketing A resposta pode não ocorrer imediatamente Problemas

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Indústria do Esporte Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Abril 2011 Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual A BDO RCS, por meio de sua área

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

Florianópolis: / /2014 Professor(a): 2º Trimestre EXERCÍCIO ESTRUTURAL FINAL 4ª UNIDADE

Florianópolis: / /2014 Professor(a): 2º Trimestre EXERCÍCIO ESTRUTURAL FINAL 4ª UNIDADE Aluno(a): 6º ano Florianópolis: / /2014 Professor(a): 2º Trimestre NOTA EXERCÍCIO ESTRUTURAL FINAL 4ª UNIDADE 01) Considerando-se que não somente as palavras, mas também as imagens dizem algo, analise

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 O Rio ao Vivo é a primeira plataforma de transmissão online, em tempo real,com imagens de alta qualidade dos locais mais movimentados do Rio de Janeiro para o mundo.

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

Marketing de serviços

Marketing de serviços Marketing de serviços O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves.

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves. Taxista, divorciada, uma mulher interessante, de mente aguçada e observadora, que deixou a vida cair na rotina. Mantém com o filho uma relação distante e automática. O envolvimento de Tiago no assassinato

Leia mais

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS Mudança de direção Até maio de 2013 todo o mercado de TV por assinatura adotava uma postura comercial tradicional no mercado digital, composta por um empacotamento

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. EDIVALDO HOLANDA JÚNIOR)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. EDIVALDO HOLANDA JÚNIOR) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. EDIVALDO HOLANDA JÚNIOR) Altera a Lei nº 9.294 de 15 de julho de 1996 que Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas,

Leia mais

Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line

Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC EGC DISCIPLINA: COMÉRCIO ELETRÔNICO Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line Elaisa Ana Stocco COMÉRCIO ELETRÔNICO A chave da estratégia de

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Escritório de Design. Estudo Exploratório

Escritório de Design. Estudo Exploratório Escritório de Design Estudo Exploratório Audiência Insensato Coração Site do Escritório de Design Dentro do site de Insensato Coração será criado o site do escritório de design da personagem Marina. Neste

Leia mais