ABBC. Basiléia II. Processo de Auto-Avaliação de Capital ICAAP. (Internal Capital Adequacy Assessment Process) Maio de 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABBC. Basiléia II. Processo de Auto-Avaliação de Capital ICAAP. (Internal Capital Adequacy Assessment Process) Maio de 2011"

Transcrição

1 ABBC Basiléia II Processo de Auto-Avaliação de Capital ICAAP (Internal Capital Adequacy Assessment Process) Maio de 2011

2 Agenda I II III VI Objetivos da Gestão de Capital Requerimentos Regulatórios A experiência da Espanha Conclusões 2

3 Objetivos da Gestão de Capital Contextualização O acordo de Basileia II está fundamentado em três pilares para assegurar a segurança e confiabilidade do sistema financeiro internacional, conforme segue: Pilar 1 Requerimentos de capital Risco de crédito (padronizado, básico ou avançado) Pilar 2 Processo de revisão, avaliação e planejamento de capital Acompanhamento pelo Conselho e Diretoria Pilar 3 Transparência e disciplina de mercado Políticas de divulgação Risco de mercado (padronizado ou avançado) Risco operacional (básico, padronizado ou avançado AMA) Avaliação rigorosa de capital Avaliação integral dos riscos Divulgação externa de informações Monitoramento e informação Apuração do PRE Controle Interno 3 Estrutura de Gestão de Capital / ICAAP

4 Objetivos da Gestão de Capital Princípios do Pilar II O Comitê de Basileia identifica 4 princípios básicos do exame supervisor: Princípio 1 Princípio 2 Princípio 3 Princípio 4 Os bancos deverão contar com um processo para avaliar a suficiência de seu capital total em função dos seu perfil de risco e com uma estratégia para a manutenção de seus níveis de capital. As autoridades supervisoras deverão examinar e avaliar as estratégias e avaliações internas de suficiência de capital dos bancos, assim como a capacidade destes para monitorar e garantir o cumprimento dos coeficientes de capital regulatório. As autoridades supervisoras deverão intervir quando não satisfeitas com o resultado desse processo. Os supervisores deverão esperar que os bancos operem acima dos coeficientes mínimos de capital regulatório e deverão ser capazes de exigir que mantenham capital acima desse patamar mínimo. Os supervisores deverão intervir prontamente com o objetivo de evitar que o capital esteja abaixo dos níveis mínimos requeridos para cobrir as características de risco de um determinado banco. Adicionalmente, deverão exigir a imediata adoção de medidas corretivas caso o capital não se mantenha no nível requerido. 4

5 Objetivos da Gestão de Capital ICAAP Enquanto o Pilar I possui regras uniformes para determinação dos ativos de risco e do requerimento de capital para riscos de crédito, mercado e operacional, o Pilar II, Processo de Revisão pela Supervisão, compreende: Processo de avaliação das instituições pelo regulador Reforço do desenvolvimento e utilização das melhores práticas de gestão e mitigação de riscos Processo de Autoavaliação de Capital (ICAAP): Avaliação da adequação de capital global em relação ao seu perfil de risco Estratégia para manter seus níveis de capital Desenvolvimento eficiente do gerenciamento de risco e processos internos de mensuração de capital de acordo com o perfil de risco e controles da instituição ICAAP (Internal Capital Adequacy Assessment Process) - Processo de Autoavaliação de Capital assegura para a Administração: Identificação, mensuração, agregação e monitoramento adequado dos riscos da instituição Alocação de capital interno adequado ao perfil de risco da instituição Utilização e desenvolvimento de sistemas de gestão de risco 5

6 Objetivos da Gestão de Capital Visão Geral Os bancos devem ter condições de demonstrar que: Possuem metas de capital escolhidas e bem fundamentadas Realizam testes de estresse rigorosos voltados para o futuro Dentre os motivos para que o banco possua adequada avaliação interna do requerimento de capital, podemos destacar: Efetuam planejamento de capital para assegurar que o grupo possui capital suficiente para os próximos anos Avaliam o perfil de risco da instituição baseada em critérios e estimações de capital requerido para cobertura de riscos Requerimentos de capital futuro (crescimento, investimentos, dividendos, entre outros) Preparação para perdas inesperadas (flexibilidade na gestão de capital) Metas de avaliação externa, reputação, metas estratégicas 6

7 Objetivos da Gestão de Capital Abordagem para Avaliação da Adequação de Capital (FSA ICAAP Process) Riscos Básicos Outros Riscos Outras Considerações Equidade Ações Supervisoras Risco de Crédito R. de contraparte R. estratégico Stress tests Análise de cenários Guia de Autoavaliação de capital Risco de Mercado Risco Operacional R. de securitização R. de concentração R. de taxa de juros R. reputacional R. de liquidez Processo de Auto-avaliação de capital Ambiente econômico e regulatório Capital planning Revisão e avaliação do processo por parte do supervisor Benchmarking Compertitivo Provisões Melhoras nos sistemas e controles Restrições de negócio 7

8 Requerimentos Regulatórios Minuta do BACEN Edital de Audiência No 36 (04/01/2011) A minuta da resolução determina a necessidade de implementação de estrutura de gestão de capital para as instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil obrigadas a calcular o PRE. A minuta de circular propõe a obrigatoriedade de implementação do ICAAP pelas instituições do sistema financeiro que: Possuam ativo total superior a R$ 100 bilhões. Tenham sido autorizadas a utilizar modelos internos de risco de mercado, de crédito ou de risco operacional. Integrem conglomerado financeiro composto por pelo menos um banco múltiplo, comercial, de investimento, de desenvolvimento, de câmbio ou caixa econômica. Estabelecer padrões mínimos no que diz respeito a: Avaliação da adequação de capital que compreenda os riscos relevantes a que as instituições estejam expostas Realização de simulações em condições extremas e mensuração dos respectivos impactos Processo de validação independente Elaboração de relatórios anuais sujeitos à revisão pelo Banco Central 8

9 Requerimentos Regulatórios Minuta do BACEN Edital de Audiência No 36 (04/01/2011) Processo de Gestão Contínua de Capital 1 Planejamento de metas e de Monitoramento e necessidade de controle do capital capital face aos mantido pela objetivos instituição estratégicos Avaliação da necessidade de capital para fazer face aos riscos a que a instituição está sujeita Requisitos Mínimos da Estrutura de Gestão de Capital Avaliação integral dos riscos relevantes, incluindo aqueles que não fazem parte do PRE Estabelecimento de políticas e estratégias documentadas, incluindo procedimentos para manter o nível de capital compatível Plano de capital com horizonte mínimo de 3 anos Realização de testes de estresse que contemplem cenários de impactos no capital Reporte periódico dos resultados obtidos nas análises efetuadas Adequado armazenamento de informações referentes ao processo de gestão de capital Avaliação e monitoramento contínuo do processo de gestão de capital 9

10 Requerimentos Regulatórios Cronograma de Implantação 2012 Jan 2012 Jun 2012 Dez DIAS Indicação do diretor responsável e definição da estrutura organizacional para implementação da gestão de capital Definição da política institucional, dos processos, dos procedimentos e dos sistemas necessários à sua efetiva implementação Emissão do relatório ICAAP Efetiva implementação da estrutura da gestão de capital 10

11 Requerimentos Regulatórios Metodologia O Processo de Autoavaliação de Capital (ICAAP) visa analisar de forma centralizada e integrada os aspectos relacionados à governança corporativa da instituição financeira, englobando: Governança Corporativa Estratégia de Negócios Valor aos Acionistas Gestão de Riscos Controles Internos Governança Corporativa de Riscos 11

12 Requerimentos Regulatórios Metodologia Uma vez que o ICAAP pressupõe que o capital requerido para os riscos assumidos nos diferentes negócios sejam considerados no planejamento financeiro e estratégico, faz-se necessária adoção dos seguintes procedimentos pela instituição financeira: Planejamento Financeiro Estimação sistemática dos riscos baseado no requerimento e planejamento de capital para cobrir estes Alocação de capital para as unidades de negócio baseada na avaliação interna de risco e conforme seus perfis Consideração do retorno sobre o capital de risco no planejamento dos negócios Principais Atribuições Informação ao corpo diretivo sobre a avaliação de riscos, plano de mitigação e o volume de capital necessário para suportar as operações do banco Evidência da avaliação da adequação de capital ao supervisor Envolvimento da alta administração na adequação de capital e numa gestão focada em riscos Mensurações Prováveis Requerimento de capital conforme modelo interno de capital econômico Requerimento de capital no Pilar I somado ao requerimento para riscos não contemplados neste 12

13 A Experiência da Espanha Estrutura do ICAAP na Espanha Conforme estruturação sugerida pelo Banco de Espanha, foram inseridos elementos e processos a serem observados em linha com as definições de Basiléia II, contemplando estruturas e modelos, a serem observadas no ICAAP. Seções do Processo de Autoavaliação o de Capital: Sumário Executivo e Conclusões Governança Interna, Administração de Riscos e Auditoria Interna de Riscos Mensuração de Riscos e Quantificação do Capital Requerido Ajustes de Conciliação das Abordagens de Gestão e Solvência Planejamento de Capital Programa de Aprimoramento Contínuo Perfil de Risco da Instituição Governança interna Governança, Administração de Riscos e Sistemas de Controle Administração de Risco Avaliação de requerimento de capital para: Apresentação das divergências entre o cálculo de capital regulatório e econômico Abordagem dos processos adotados e os resultados obtidos no planejamento de capital Oportunidades de melhoria identificadas e os projetos inerentes ao processo de autoavaliação de capital Capital Próprio: Nível, Composição e Distribuição no Grupo Auditoria interna de Riscos Planejamento de Capital Programa de Medidas Futuras Risco de Crédito Risco de Mercado Risco Operacional Risco de taxa de juros Risco de Liquidez Outros Riscos Justificativa das diferenças entre o cálculo de capital econômico e regulatório Estimativa das fontes de capital e projeções Resumo das principais deficiências e fraquezas identificadas Realização dos testes de estresse e requerimentos de capital adicional Elaboração de planos de ação mensuráveis Planos de contingência vigentes Definição das mudanças futuras na gestão de riscos e de capital 13

14 A Experiência da Espanha Principais Desafios O Órgão Supervisor pretende analisar como as instituições financeiras definem, identificam, mensuram, agregam e monitoram os riscos que possuem e como é realizada a definição da capacidade global de risco. Instituição Financeira Órgão Supervisor Governa aça Corporativa Identificação e Avaliação dos eventos de risco e Identificação de Controles para mitigação destes Definição da quantidade e qualidade do capital interno em relação ao perfil de risco, estratégias e plano de negócios. Diálogo Comunicação Identificar, revisar e avaliar os fatores de risco e de controles / RAS Mensurar, revisar e avaliar o PAAC e a aderência com os padrões mínimos Supervisão da avaliação do processo de aderência aos padrões mínimos e requeridos. Produção do número e avaliação do ICAAP. Conclusões do Órgão Supervisor Resultado Satisfatório Resultado Não Satisfatório A comunicação deve ser estruturada para garantir que elementos de governança corporativa estejam alinhados com a estratégia de negócios da instituição e realização da alocação capital para os riscos. Atendimento ao Pilar I Capital Regulatório Mínimo Alocação de Capital para o Pilar II Especificação de Fonte de Recursos Conjunto de medidas cautelares disponíveis (Art. 136) Redução do Risco Inerente Restrições de Negócios Redução do Risco Inerente Restrições de Negócios 14

15 A Experiência da Espanha Abordagem Otimizada O objetivo que o ICAAP desenvolve é a melhoria do relacionamento entre o perfil de risco da instituição, o gerenciamento e os sistemas de mitigação de riscos e a alocação de capital. Diretoria e Conselho Diretor Estratégia, Planejamento e Risco de Negócios Comitê Responsável pela Implementação Administração do capital total (atual, planejamento, cenários) Controle de Risco Capital Econômico Melhoria das Metodologias Aplicação nas Unidades de Negócio Gerenciamento do Capital Econômico com Limites Responsabilidades do P&L Unidade de Negócio 1 Unidade de Negócio 2 Acompanhamento entre unidades de negócio (mensurar capital, realocação, etc.) Relatórios Padrões e de Ad Hoc. P&L / Figuras de Capital e de Valores Negócios Bottom up e planejamento de capital Execução da estratégia de negócios Unidade de Negócio 3... Governança Corporativa e Responsabilidades do ICAAP 15

16 A Experiência da Espanha Melhoria Contínua : Forma de Cálculo do Risco de Crédito Percentual de cobertura da exposição a Risco de Crédito* 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 44,9% 46,4% 44,3% 12,1% 36,6% 55,6% 14,9% 30,4% 32,9% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 55,1% 53,6% 55,7% 87,9% 63,4% 44,4% 85,1% 69,6% 67,1% 10,0% 0,0% A B C D E F G H I IRB Padronizado *Dados de dez/

17 Conclusões Benefícios Esperados Existem várias razões para manter uma margem acima do capital regulatório mínimo requerido e do capital econômico avaliado requerido: Capital futuro necessário Crescimento, investimentos, pagamento de dividendos, etc. Preparação para situações de perdas ocasionais Flexibilidade no gerenciamento de capital Metas Ratings externos, reputação de mercado, metas estratégicas, etc. Através das seguintes pe erspectivas Perspectiva do Pilar I Estabelecimento do capital regulatório mínimo, de acordo com os padrões de risco de credito e de mercado e indicadores fundamentais da abordagem de risco operacional. Perspectiva do ICAAP Avaliação interna de riscos e de capital requerido, incluindo riscos não considerados no Pilar I. 17

18 Conclusões Gestão integrada de riscos, considerando pilares I e II Estrutura de governança corporativa Cenários de estresse Planejamento de capital Programas de atuação futura Requerimentos de capital mais sensíveis a todos os riscos 18

19 Informações Adicionais Marcello De Francesco Frederico De Campos Ventriglia

20 A Deloitte oferece serviços nas áreas de Auditoria, Consultoria Tributária, Consultoria em Gestão de Riscos Empresariais, Corporate Finance, Consultoria Empresarial, Outsourcing, Consultoria em Capital Humano e Consultoria Atuarial para clientes dos mais diversos setores. Com uma rede global de firmas-membro em mais de 140 países, a Deloitte reúne habilidades excepcionais e um profundo conhecimento local para ajudar seus clientes a alcançar o melhor desempenho, qualquer que seja o seu segmento ou região de atuação. Os 165 mil profissionais da Deloitte estão comprometidos a tornarem-se o padrão de excelência do mercado e estão unidos por uma cultura colaborativa, que encoraja a integridade, o comprometimento, a força da diversidade e a geração de valor aos clientes. Eles vivenciam um ambiente de aprendizado contínuo, experiências desafiadoras e oportunidades de carreira enriquecedoras, dedicando-se ao fortalecimento da responsabilidade corporativa, à conquista da confiança do público e à geração de impactos positivos em suas comunidades. No Brasil, onde atua desde 1911, a Deloitte é uma das líderes de mercado e seus mais de profissionais são reconhecidos pela integridade, competência e habilidade em transformar seus conhecimentos em soluções para seus clientes. Suas operações cobrem todo o território nacional, com escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Joinville, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife e Salvador. A Deloitte refere-se a uma ou mais Deloitte Touche Tohmatsu, uma verein (associação) estabelecida na Suíça, e sua rede de firmas-membro, sendo cada uma delas uma entidade independente e legalmente separada. Acesse para a descrição detalhada da estrutura legal da Deloitte Touche Tohmatsu e de suas firmas-membro.

Circular BACEN Divulgação de informações de gestão de riscos, apuração do RWA e PR. ABBC Junho de 2014

Circular BACEN Divulgação de informações de gestão de riscos, apuração do RWA e PR. ABBC Junho de 2014 Circular BACEN 3.678 Divulgação de informações de gestão de riscos, apuração do RWA e PR ABBC Junho de 2014 Agenda Introdução e Contexto Regulamentação Circular nº 3.678 Compara

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Divulgação do LAJIDA/LAJIR CVM Instrução 527

Divulgação do LAJIDA/LAJIR CVM Instrução 527 Divulgação do LAJIDA/LAJIR CVM Instrução 527 Seminário ANEFAC/IBRACON Mudanças Contábeis para 2013 Bruce Mescher 25 de março de 2013 Agenda Contexto Instrução CVM nº 527 e Nota Explicativa Por dentro da

Leia mais

GESTÃO DE CAPITAL 1. OBJETIVO

GESTÃO DE CAPITAL 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO GESTÃO DE CAPITAL Estabelecer diretrizes para a gestão de capital com o objetivo de manter o capital ajustado aos riscos incorridos pela instituição, de forma compatível com a natureza das

Leia mais

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global

CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global CPC 27 nos ativos da sua empresa Nosso apoio para adequar seus controles ao padrão contábil global Impactos para empresas de capital intensivo As normas do CPC 27 afetam uma série de empresas, em especial,

Leia mais

Política de Estrutura. de Gerenciamento de Capital

Política de Estrutura. de Gerenciamento de Capital Política de Estrutura de Gerenciamento de Capital Junho/2017 Sumário 1) Objetivo... 3 2) Conceituação/Definição... 3 3) Abrangência / Áreas Envolvidas... 3 4) Responsabilidades... 3 5) Diretrizes... 6

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital 2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 7 2 1. Introdução

Leia mais

Em sua estrutura de gerenciamento de risco, o Banco Ford atende aos requerimentos da Resolução 3.988/2012, com:

Em sua estrutura de gerenciamento de risco, o Banco Ford atende aos requerimentos da Resolução 3.988/2012, com: POLÍTICA DE GESTÃO DE CAPITAL 1 - Conceito O gerenciamento de capital é definido pela Resolução CMN nº 3.988, de 30 de junho de 2011 como o processo contínuo de: I- monitoramento e controle do capital

Leia mais

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo

Controle Integrado de Riscos. Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo Alexandre da Silva Glüher Vice-Presidente Executivo 2 Governança de Riscos Controle Integrado de Riscos Apetite a Riscos Conselho Fiscal Comitê de Gestão Integrada de Riscos e Alocação de Capital Assembleia

Leia mais

DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2012 SUMÁRIO DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL... 4 1. FINALIDADE... 4 2. RESPONSABILIDADE

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1) Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3988 de JUNH/2011, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Capital o compatível

Leia mais

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 AGENDA Objetivo da Auditoria Interna Tendências em Auditoria Interna O papel da AI no processo de asseguração Principais Desafios Auditoria

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Política Estrutura de Gerenciamento de Capital Abril 2016

Política Estrutura de Gerenciamento de Capital Abril 2016 Estrutura de Abril 2016 Data de Criação: Janeiro 2014 Data de Revisão: 28/4/2016 Versão: 2/2016 Página 1 de 7 1 Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO-ALVO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DE ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS NOVEMBRO / 2016 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos da Biorc Financeira é acompanhado constantemente pela Diretoria, sendo

Leia mais

GESTÃO DE CAPITAL 2017

GESTÃO DE CAPITAL 2017 GESTÃO DE CAPITAL 2017 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO CONTENDO A DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL, EM CUMPRIMENTO AO ART. 7, 3º DA RESOLUÇÃO 3.988 DE 30 DE JUNHO DE 2011. Banco ABC Brasil

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Introdução Relatório elaborado em concordância com as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basiléia e com as determinações do Banco Central do Brasil (Circular

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA CORPORATIVA DE RISCOS - SURIC GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Posição abril/2017 13/04/2017 Gerenciamento do O Conglomerado Prudencial do BMG considera a gestão do risco operacional

Leia mais

Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação. Junho/2017

Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação. Junho/2017 Segmentação e gerenciamento de riscos e de capital - regulação Junho/2017 1 Agenda 1 Segmentação 2 Gerenciamento integrado de riscos e gerenciamento de capital 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 Benefícios Estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE Política de Divulgação Atendimento Circular Bacen nº 3.477/09 - Rev 02 Página 1 I. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial em cumprimento e em aderência aos regulamentos

Leia mais

Relatório de. Gerenciamento de Riscos. Pilar III. Junho, 2015.

Relatório de. Gerenciamento de Riscos. Pilar III. Junho, 2015. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar III Junho, 2015. Detalhamento de Informações Quantitativas GERENCIAMENTO DE CAPITAL Processo Corporativo O BNY Mellon possui estrutura de Gerenciamento de Capital

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Divulga o modelo de relatório do Processo Interno de Avaliação da Adequação de Capital (Icaap) de que trata a Circular nº 3.547, de 7 de julho de 2011.

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital do Commerzbank Brasil S.A Banco Multiplo

Estrutura de Gerenciamento de Capital do Commerzbank Brasil S.A Banco Multiplo Estrutura de Gerenciamento de Capital do Commerzbank Brasil S.A Banco Multiplo Conteúdo 1 Objetivo... 3 2 Escopo... 3 3 Descrição Funcional da Estrutura de Gerenciamento de Capital... 3 4 Responsabilidades...

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital BANCO CARGILL 1/7 O documento à seguir trata da estrutura de risco de capital, bem como seus principais processos e procedimentos. OBJETIVO O objetivo desta

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS 1. OBJETIVO Definir a Política de Gerenciamento do Capital - PGC para as empresas que compõem o conglomerado Fator, em cumprimento às disposições da Resolução do CMN Nº 3988/2011. 2. CANCELAMENTO / SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento De Capital

Estrutura de Gerenciamento De Capital Estrutura de Gerenciamento De Capital Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo do documento 4 3. Aspectos regulamentares 5 4. Responsabilidades 6 4.1 Comitê

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL )

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Capital Data base 31/12/2016 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim Bibi 04533-014

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2016 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

JJ Mois Année. Gerenciamento de Risco de Crédito

JJ Mois Année. Gerenciamento de Risco de Crédito JJ Mois Année Gerenciamento de Risco de Crédito Basiléia 2 apresenta muitas diferenças em relação à Basiléia I Basiléia 1 1988 Regulador "define" qual é o risco de cada carteira, estabelecendo um ponderador.

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. DEFINIÇÕES 3 2. ESTRUTURA DE CONTROLE E DIRETRIZES

Leia mais

Norma de Gestão de Risco

Norma de Gestão de Risco 23/06/206 20/06/206 -. OBJETIVO Esta norma estabelece a Política de gestão de Riscos, observando as melhores práticas de mercado através da governança, metodologias, processos e sistemas necessários para

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 14/03/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS

CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO GESTÃO DE RISCOS PORTO ALEGRE-RS GESTÃO DE RISCOS DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS, DE CRÉDITO E DE MERCADO Em atendimento conjunto às

Leia mais

MANUAIS DE CONTROLES INTERNOS COOPERICSSON DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA ERICSSON

MANUAIS DE CONTROLES INTERNOS COOPERICSSON DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA ERICSSON MANUAIS DE CONTROLES INTERNOS COOPERICSSON DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA ERICSSON NOTA: ESTE ANEXO REFERE-SE A PARTE INTEGRANTE DA ESTRUTURA DE CONTROLES INTERNOS DA COOPERATIVA. Manual

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado 1. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO Em conformidade com as disposições da Resolução nº 3.464/07, do Conselho Monetário Nacional, define-se como risco de mercado

Leia mais

SUPERVISÃO DO MERCADO SEGURADOR

SUPERVISÃO DO MERCADO SEGURADOR SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERVISÃO DO MERCADO SEGURADOR V Seminário de Controles Internos & Compliance, Auditoria e Gestão de Riscos Setembro de 2011 MISSÃO SUSEP Supervisionar e estimular

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Fevereiro de 2016 1. OBJETIVO A Monetar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., visando adequar sua estrutura de capital de maneira prudente e utilizando

Leia mais

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Agenda 1. A Supervisão do SFN e a importância da Governança Corporativa 2. Prevenção

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1º SEMESTRE 2016 TURISCAM CORRETORA DE CÂMBIO LTDA

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1º SEMESTRE 2016 TURISCAM CORRETORA DE CÂMBIO LTDA RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1º SEMESTRE 2016 TURISCAM CORRETORA DE CÂMBIO LTDA Conteúdo 1.Introdução...3 1.1. Os acordos de Basiléia...3 2.Gestão Integrada de Riscos e Capital...4 2.1. Estruturas

Leia mais

GERENCIAMENTO RISCO DE CRÉDITO

GERENCIAMENTO RISCO DE CRÉDITO GERENCIAMENTO RISCO DE CRÉDITO ÍNDICE 1. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 3 2. RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA... 3 3. VISÃO GERAL DO PROCESSO DE SOLICITAÇÃO E APROVAÇÃO DE CRÉDITO... 3 4. DADOS CADASTRAIS... 3 5. FUNÇÕES

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016

GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES CVM 558 SETEMBRO / 2016 GOVERNANÇA CORPORATIVA Definição do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC Sistema pelo qual as empresas...são dirigidas e incentivadas

Leia mais

Workshop: Gestão integrada de riscos para cooperativas de crédito

Workshop: Gestão integrada de riscos para cooperativas de crédito Workshop: Gestão integrada de riscos para cooperativas de crédito Bloco 2 Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: Supervisão e visão da indústria Agenda 1 Conceitos 2 Cronologia 3 Desafios

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Este material foi elaborado pela Gestão de Recursos Ltda. ( ), e não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem sua prévia e expressa concordância. Página 1 de 6 Ficha

Leia mais

Estruturas de Gerenciamento de Riscos e Comitê Regulatório de Gerenciamento de Riscos

Estruturas de Gerenciamento de Riscos e Comitê Regulatório de Gerenciamento de Riscos Estruturas de Gerenciamento de Riscos e Comitê Regulatório de Gerenciamento de Riscos 1. Definição de Risco Operacional Gerenciamento de Risco Operacional De acordo com a Resolução do CMN (Conselho Monetário

Leia mais

Modelagem de crédito no Brasil Evolução recente e desafios futuros. Ana Carla Abrão Costa

Modelagem de crédito no Brasil Evolução recente e desafios futuros. Ana Carla Abrão Costa Modelagem de crédito no Brasil Evolução recente e desafios futuros Ana Carla Abrão Costa 27 nov 2012 Agenda Evolução do mercado de crédito no Brasil Modelagem de crédito Basiléia 2 Considerações Finais

Leia mais

Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob.

Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob. Relatório Descritivo da Estrutura de Gerenciamento de Capital do Bancoob. Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Estrutura de Gerenciamento de Capital... 4 Título 3: Aprovação... 6 2 Relatório Descritivo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Riscos

Estrutura de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Riscos Maio/2017 Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Gerenciamento de Riscos... 1 2 Risco de Mercado... 1 2.1 Definição de Risco de Mercado... 1 2.2 Estrutura de Governança e de

Leia mais

PROGRAMA DE COMPLIANCE

PROGRAMA DE COMPLIANCE PROGRAMA DE COMPLIANCE VERSÃO 1.0 SETEMBRO/2016 1. NOME DO PROGRAMA Programa de Compliance criado em 30.09.2015 2. OBJETIVO Mitigar os riscos das operações e os negócios atuais e futuros, sempre em conformidade

Leia mais

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas José Paulo Rocha 9 de dezembro de 2008 Resultados referentes à terceira edição da pesquisa As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE MERCADO

GESTÃO DO RISCO DE MERCADO Estrutura de Gerenciamento do Risco de Mercado Atualização: FEV/2009 GESTÃO DO RISCO DE MERCADO O gerenciamento de risco de mercado envolve um conjunto de práticas que tem por objetivo identificar, mensurar,

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

7º Conseguro: Rumos e desafios da regulação prudencial no setor de saúde suplementar. Joel Garcia. Setembro de 2015

7º Conseguro: Rumos e desafios da regulação prudencial no setor de saúde suplementar. Joel Garcia. Setembro de 2015 7º Conseguro: Rumos e desafios da regulação prudencial no setor de saúde suplementar Joel Garcia Setembro de 2015 Regulação prudencial A regulação prudencial é aquela que trata de solvência dos regulados,

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria

Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria Segmentação e gestão integrada de riscos para S3, S4 e S5: supervisão e visão da indústria Workshop Gestão Integrada de Riscos para cooperativas de crédito Brasília (DF), 6 de junho de 2017 AGENDA 1. Contexto

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual INTRODUÇÃO Melhores Práticas da Auditoria Interna com foco em Riscos. Teoria Fomentar a discussão sobre o atual papel das atividades de Auditoria Interna; Prática

Leia mais

GERENCIAMENTO RISCO DE LIQUIDEZ

GERENCIAMENTO RISCO DE LIQUIDEZ GERENCIAMENTO RISCO DE LIQUIDEZ ÍNDICE 1. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 3 2. RISCO DE LIQUIDEZ ESTRUTURA... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. METODOLOGIA... 4 5. STRESS TESTING... 4 6. SISTEMAS... 4 7. TESTES DE

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco de Crédito Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia.

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia. RISCO OPERACIONAL RISCO OPERACIONAL Em 2009, a situação da Grécia se complicou. Autoridades revisaram os relatórios financeiros e revelaram uma falsificação generalizada dos dados sobre o deficit e a dívida

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Introdução Com o objetivo de incentivar o gerenciamento de riscos e aproximar os conceitos de capital regulatório e econômico, o Comitê da Basiléia finalizou, em 2004, uma nova versão do acordo de capital,

Leia mais

Corporativa e Compliance

Corporativa e Compliance Lei 13.303 Lei 13.303 - Aspectos de Governança Corporativa e Compliance Aspectos de Governança 25a CONVECON Corporativa e Eliete Martins Compliance Sócia- Diretora Governança Corporativa - KPMG 25a CONVECON

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS SUMÁRIO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO... 2 II - IDENTIFICAÇÃO, AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS... 2 III - FATORES DE RISCO... 4 IV - CONTROLES, GESTÃO E MITIGAÇÃO DOS RISCOS... 6 4.5.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos que

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV SUMÁRIO 1 Objetivo... 2 2 Abrangência... 2 3 Conceitos... 2 4 Tipologias de Risco... 3 5 Responsabilidades... 4 5.1 Conselho de Administração... 4 5.2 Comitê de

Leia mais

Desenvolvimento da Supervisão Baseada em Riscos Impactos no Mercado Supervisionado

Desenvolvimento da Supervisão Baseada em Riscos Impactos no Mercado Supervisionado Desenvolvimento da Supervisão Baseada em Riscos Impactos no Mercado Supervisionado José Alberto R. Pereira SUSEP/DITEC/CGSOA/COARI Coordenador 14 de abril de 2015 4º Encontro de Resseguros do Rio de Janeiro

Leia mais

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Data Efetiva 12 de Agosto de 2016 Departmento Responsável Aprovado por Informação de Contato Diretoria de Riscos Gerente

Leia mais

Lei /2016 Lei das Estatais

Lei /2016 Lei das Estatais Lei 13.303/2016 Lei das Estatais Impactos na Governança Corporativa SUORG 10 NOV 2016 Lei nº 13.303/2016 Estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no

Leia mais

Aspectos Regulatórios e Expectativas da Supervisão. Lúcio Rodrigues Capelletto Chefe do Desup Departamento de Supervisão Bancária

Aspectos Regulatórios e Expectativas da Supervisão. Lúcio Rodrigues Capelletto Chefe do Desup Departamento de Supervisão Bancária Aspectos Regulatórios e Expectativas da Supervisão Lúcio Rodrigues Capelletto Chefe do Desup Departamento de Supervisão Bancária Fórum de debates: Remuneração dos administradores de instituições financeiras

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

Gestão de Capital e Liquidez

Gestão de Capital e Liquidez Workshop ABDE Gestão de Capital e Liquidez Maio/2013 Agenda 1. Gestão de Capital 1.1 Resolução 3.988, de 30/6/2011 1.2 Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 1.3 Carta-Circular 3.565, modelo Icaap 2. Liquidez

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO DA COOPERATIVA. Cooperativa de Credito de Livre Admissão de Associados Pioneira da Serra Gaúcha-Sicredi Pioneira RS

PARECER CONSOLIDADO DA COOPERATIVA. Cooperativa de Credito de Livre Admissão de Associados Pioneira da Serra Gaúcha-Sicredi Pioneira RS PARECER CONSOLIDADO DA COOPERATIVA CNPJ: 91.586.982/0001-09 Cooperativa de Credito de Livre Admissão de Associados Pioneira da Serra Gaúcha-Sicredi Pioneira RS Ano-base: 2016 Sumário Executivo A Cooperativa

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO, DE CONCENTRAÇÃO E DE CONTRAPARTE DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com a Política de Gerenciamento de Riscos dos

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Compliance aplicado às cooperativas

Compliance aplicado às cooperativas Compliance aplicado às cooperativas A implantação do Programa na Unimed-BH Outubro de 2016 Unimed BH 45 anos Nossa Unimed bem cuidada para cuidar bem de você Unimed-BH 1ª operadora de plano de saúde de

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Avaliação e Auditoria Atuarial. Quais aspectos devem ser considerados na elaboração da avaliação e auditoria atuarial

Avaliação e Auditoria Atuarial. Quais aspectos devem ser considerados na elaboração da avaliação e auditoria atuarial Avaliação e Auditoria Atuarial Quais aspectos devem ser considerados na elaboração da avaliação e auditoria atuarial Agenda Auditoria Atuarial Principais Aspectos da Auditoria Atuarial Avaliação Atuarial

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Operacionais. 14 de fevereiro

Política de Gestão de Riscos Operacionais. 14 de fevereiro Política de Gestão de Riscos Operacionais 14 de fevereiro 2017 Define os objetivos, as responsabilidades e as diretrizes que orientam a Gestão de Riscos Operacionais na Cetip S.A. Versão da Política: 1ª

Leia mais