1. Funções do gestor financeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Funções do gestor financeiro"

Transcrição

1 1. Funções do gestor financeiro Depois de termos identificado as principais funções do Gestor em sentido amplo, vamo-nos agora restringir às funções do Gestor Financeiro. Uma abordagem possível é centrarmo-nos nos principais objectivos da função em causa. Outra abordagem será através do tipo de tarefas que o gestor financeiro desempenha e do horizonte temporal (curto e médio/longo prazo) em que elas ocorrem. Assim, entenda-se como curto prazo, as tarefas realizadas num período inferior a um ano, e como médio e longo prazo as actividades desenvolvidas que têm repercussões num período superior a um ano. TAREFAS DO GESTOR FINANCEIRO Compra de maquinaria MÉDIO/LONGO PRAZO Decisões Estratégicas Empréstimo Bancário M/L prazo Distribuição de Dividendos CURTO PRAZO Crédito aos clientes Decisões operacionais Crédito dos fornecedores Política de stocks As Decisões Estratégicas têm a ver com a Política de Investimentos e Financiamentos da Empresa, as quais se traduzem no seu Plano de Investimento. Vejamos um exemplo: a empresa Bombom que fabrica chocolates pretende comprar uma nova máquina para aumentar a sua capacidade produtiva. Para isso, o gestor financeiro deve analisar o investimento em ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 1/ 16

2 causa e escolher a melhor alternativa de financiamento possível, para poder concretizar esse investimento. As Decisões Operacionais do gestor financeiro têm a ver com a definição da política de concessão de crédito aos clientes, ou seja, se a empresa ao vender o produto ao cliente este lhe paga de imediato, ou se lhe concede um prazo para o fazer. Mas o inverso, isto é, quando a empresa compra ao seu fornecedor um produto ou serviço, pode ter ou não crédito. Neste último caso, estamos a referir a política de concessão de crédito dos fornecedores. Exemplificando, a empresa Bombom que fabrica chocolates, ao vender os seus produtos ao cliente, concede-lhe um crédito de 30 dias. A empresa que nos forneceu a matéria-prima, de acordo com a sua política de concessão de crédito, concedeu à empresa Bombom um crédito de 60 dias. A decisão de concessão de crédito é operacional, pois está directamente relacionada com a actividade principal ou de exploração da empresa. Até agora abordámos as funções do Gestor Financeiro na óptica da tarefa. Mas quais são os objectivos da Gestão Financeira? Um dos objectivos da Gestão Financeira é garantir o equilíbrio financeiro da empresa. Para que isso aconteça, a empresa deve desenvolver a sua actividade operacional e realizar os seus investimentos, de acordo com a política de financiamento mais adequada. Assim, se a empresa pretende investir a longo prazo, deve utilizar meios de financiamento de longo prazo (Ex: Compra de uma máquina para a linha de produção deve ser financiada por empréstimo bancário de médio e longo prazo). Se a empresa pretende financiar as mercadorias que quer ter em armazém, deve utilizar meios de financiamento a curto prazo, por exemplo, negociando o crédito com os seus fornecedores. Outro dos objectivos da Gestão Financeira é maximizar a rendibilidade dos seus investimentos, para que os resultados obtidos possam criar valor para a empresa. No entanto, a um investimento está sempre associado um determinado nível de risco que é preciso minimizar, para que a relação entre a rendibilidade e o risco do investimento seja equilibrada. Um terceiro objectivo da Gestão Financeira é garantir a continuidade da empresa e desta forma garantir a aplicação de resultados. Esta aplicação de resultados pode traduzir-se na ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 2/ 16

3 distribuição de resultados aos sócios, ou em alternativa haver uma retenção desses resultados para posteriores investimentos. Note-se que, embora a aplicação de resultados seja um dos objectivos da Gestão Financeira, a decisão de como vai ser realizada a aplicação de resultados, cabe à Assembleia Geral de Sócios, depois de apresentado o Relatório e Contas da empresa. Estes documentos reflectem a situação económica e financeira da empresa no ano anterior. 2. Conceitos Fundamentais Qualquer organização desenvolve relações várias, não só no seio da própria organização, mas também com o meio que lhe fornece os inputs, (matéria-prima, mão-de-obra, energia, equipamentos,...) de que necessita para desenvolver a sua actividade, e onde coloca os seus outpus (bens e serviços). Estas relações que uma empresa desenvolve com o meio externo, são susceptíveis de terem uma expressão quantitativa que a Contabilidade Geral vai registar. Numa definição clássica, a Contabilidade Geral regista as relações da empresa com o exterior, enquanto a Contabilidade Analítica regista as relações existentes no seio da própria empresa. Inputs Empresa Outputs As relações que se estabelecem entre as empresas e o exterior e no seu interior vão gerar fluxos físicos e de informação. Na óptica da gestão financeira os fluxos a tratar são: 1) Financeiros (Receitas/ Despesas) dizem respeito ao endividamento da empresa face ao exterior. Se a empresa fica credora de um elemento externo diz-se que teve uma receita, se pelo contrário fica devedora diz-se que teve uma despesa. 2) Monetários (Recebimentos/ Pagamentos) dizem respeito à entrada (recebimento) e saída (pagamento) de meios monetários da empresa. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 3/ 16

4 3) Económicos (Proveitos/ Custos) dizem respeito ao consumo de inputs (custo) e à obtenção de outputs (proveito). Por exemplo, quando uma empresa compra matéria-prima a um fornecedor teve uma despesa. O momento da despesa pode ou não coincidir com o momento do pagamento. No caso da compra a crédito, existe um desfasamento temporal entre a despesa e o pagamento. A empresa só suportará o custo no momento do processo produtivo em que consumir esse input (recurso). Quando uma empresa obtém um produto acabado está a ter um proveito, quando o vender a um cliente terá uma receita. No momento em que o cliente pagar o valor em dívida, a empresa terá um recebimento. Tal como no caso anterior, pode haver desfasamento temporal entre o fluxo financeiro (receita) e o fluxo monetário (recebimento). Tudo depende de se tratar de uma venda a pronto-pagamento ou a crédito. A Contabilidade Geral reúne assim um conjunto de informações de natureza quantitativa que diz respeito aos diferentes tipos de fluxos. Quem poderá estar interessado nessas informações? Muita gente e por motivos diferentes. Dentro da empresa: Gestores, sócios, trabalhadores No meio externo: Accionistas, bancos, clientes, fornecedores, Estado. Património Qualquer actividade económica exige a reunião de um certo conjunto de meios humanos, materiais e financeiros. Designa-se por património de qualquer pessoa ou organização o conjunto de bens, direitos (dívidas a receber) e obrigações (dívidas a pagar) que esta possui. Todos os elementos patrimoniais são susceptíveis de serem representados em unidades monetárias e por isso todos eles são valores. Podemos dividir esse amplo conjunto que é um património em duas classes distintas: 1) Activo: Bens + Direitos 2) Passivo: Obrigações ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 4/ 16

5 O activo é o subconjunto do património constituído por todos os valores a receber, enquanto o passivo é o subconjunto de todos os valores a pagar. Exemplo: Activo: Dinheiro em caixa, edifício, viatura, máquina, mercadorias, mobiliários, dívidas de clientes. Passivo: Empréstimo bancário, dívidas a fornecedores, dívidas aos trabalhadores. A diferença entre o valor do Activo e do Passivo designa-se por Situação Líquida, Capital Próprio ou Património Líquido. Exemplo: A empresa Alfa Lda dispõe dos seguintes elementos patrimoniais (valores em Euros): Viatura: Dinheiro em caixa: 200 Depósitos bancários: Mercadorias: Máquinas: Edifício: Dívidas de clientes ( crédito a terceiros): Dívidas a fornecedores ( crédito de terceiros): Activo = = Euros Passivo = Euros Capital Próprio = = Euros ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 5/ 16

6 (valor que efectivamente pertence à empresa) Por definição temos então que: Capital Próprio = Activo Passivo Activo = Passivo + Capital Próprio A esta expressão chamamos Equação Fundamental da Contabilidade. Quanto ao valor da situação líquida ou capital próprio, três situações distintas podem acontecer: Activo > Passivo : Situação Líquida Activa Activo = Passivo: Situação Líquida Nula Activo < Passivo: Situação Líquida Passiva A situação líquida de uma empresa é normalmente activa. O património de uma empresa está em constante mutação. Todos os factos que transformem o património de uma empresa são designados de factos patrimoniais. O que a Contabilidade faz é precisamente observar, classificar e registar essas transformações do património da empresa. Os factos patrimoniais podem ter origem em dois tipos distintos de acontecimentos: 1) Normais ou voluntários, isto é, aqueles que resultam de operações efectuadas por vontade própria da empresa; 2) Extraordinários ou involuntários, que como o próprio nome indica resultam de acontecimentos não desejados pela empresa, como por exemplo um incêndio. Quanto à forma como afectam o património de uma empresa os factos patrimoniais classificam-se habitualmente em: 1) Permutativos: quando alteram apenas a composição do património, mas não o seu valor; mantendo inalterado o capital próprio. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 6/ 16

7 2) Modificativos: quando para além de alterarem a composição do património, também modificam o seu valor, ou seja, conduzem a uma alteração do capital próprio. Todos os factos patrimoniais que originem um lucro ou um prejuízo, ou seja aqueles que geram custos ou proveitos, são factos patrimoniais modificativos porque alteram o valor do património da empresa. Por exemplo, quando uma empresa faz um depósito bancário de 100 Euros está apenas a alterar a composição do seu activo, mas o capital próprio não sofreu qualquer alteração. Apenas se alterou a composição do património, não o seu valor, e por isso estamos perante um facto patrimonial permutativo. Quando uma empresa paga uma dívida de 200 Euros a um fornecedor diminui o seu activo em 200 Euros e diminui o seu passivo no mesmo montante. Mas o valor do seu património, ou seja o capital próprio, não sofre qualquer alteração. Variação do Activo = Euros Variação do Passivo = Euros Variação do Capital Próprio = Variação do Activo Variação do Passivo = (-200) (-200) = = 0 Se o capital próprio permanece inalterado estamos perante um facto patrimonial permutativo. Vejamos agora operações que constituam factos patrimoniais modificativos. Considere-se o seguinte exemplo: uma empresa vende por 100 Euros mercadorias que lhe tinham custado 75 Euros. Neste caso a empresa tem um custo de 75 Euros e um proveito de 100 Euros. Como o proveito é superior ao custo, esta operação gera um lucro: Lucro = Proveitos Custos = ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 7/ 16

8 = 25 Euros Tendo um lucro de 25 Euros o valor do património da empresa aumenta em 25 Euros, logo estamos perante um facto patrimonial modificativo. Suponha-se agora que a mesma empresa paga 50 Euros de juros referentes a um empréstimo bancário. Os juros constituem um custo, logo esta operação originou um prejuízo no valor de 50 Euros. O valor do património diminui em 50 Euros. Havendo alteração do valor do património da empresa, estamos perante um facto patrimonial modificativo. Demonstrações financeiras Balanço Ao documento que resume a composição do património de uma empresa num dado momento, que compara o seu Activo com o seu Passivo e evidencia o seu Capital Próprio chamamos Balanço. O Balanço não é mais do que uma fotografia do património da empresa num determinado momento. Como se refere a um momento preciso dizemos que se trata de um documento estático. O Balanço de qualquer empresa está constantemente a sofrer alterações. Qualquer facto patrimonial reflecte-se no Balanço. Se for permutativo, altera apenas a composição do activo/ passivo, deixando o capital próprio inalterado. Se for modificativo, para além de alterar a composição do activo/ passivo, modifica o capital próprio. Em termos de estrutura trata-se de um mapa com duas colunas: no lado esquerdo colocam-se os elementos do activo e respectivos valores, no lado direito o Capital Próprio e os elementos do Passivo e respectivos valores. Pela Equação Fundamental da Contabilidade a soma de todos os valores do Activo tem que igualar a soma do Capital Próprio com todos os valores do Passivo. Sendo assim, os dois membros do balanço têm obrigatoriamente que totalizar o mesmo valor. Utilizando o exemplo da empresa Alfa, Lda, o Balanço resumido teria a seguinte apresentação. O capital social da empresa é o valor que os sócios investem na empresa. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 8/ 16

9 Balanço Activo Imobilizações Existências Dívidas de terceiros Depósitos bancários e Caixa Capital Próprio Capital social Resultado Passivo Dívidas a terceiros Total Activo Total Passivo e Capital Próprio De acordo com o Plano Oficial de Contabilidade (POC), a ordenação dos elementos patrimoniais no Balanço deve ser feita da seguinte maneira: Activo: liquidez crescente. Assim surgem primeiro os elementos menos líquidos, isto é, os valores que têm mais dificuldade em se transformarem em meios líquidos de pagamento (edifício por exemplo) e depois os mais líquidos. A forma extrema de liquidez é o dinheiro em caixa. Passivo: exigibilidade crescente. Assim surgem primeiro as dívidas a médio-longo prazo e depois as dívidas a curto prazo. Situação Líquida: antiguidade no seio da empresa, dos mais antigos para os mais recentes. Sendo o Passivo o conjunto de todas as dívidas da empresa, pode ser designado por Capital Alheio. O lado direito do balanço representa assim as duas fontes alternativas de origens de fundos: Capital Próprio e Capital Alheio. O Capital Próprio é constituído pelos valores que são propriedade da empresa. O Capital Alheio é constituído pelos valores que embora sendo utilizados pela empresa pertencem a terceiros. O Activo não é mais do que a aplicação desses mesmos fundos, ou seja, a aplicação do capital total. Podemos então interpretar o Balanço com uma fotografia das origens e aplicações de fundos da empresa num determinado momento. Origens e aplicações que vão sofrendo alterações à medida que ocorrem factos patrimoniais. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 9/ 16

10 Balanço Aplicações de fundos Origens de fundos Demonstração de Resultados Ao documento que descreve todos os custos e proveitos ocorridos numa empresa ao longo de um determinado período de tempo, evidenciando o lucro ou o prejuízo obtido, chamamos Demonstração de Resultados. O resultado obtido por uma empresa, ao longo de um determinado período de actividade, não é mais do que a diferença entre o valor de todos os proveitos obtidos e o valor de todos os custos suportados. Resultado = Proveitos Custos Proveitos > Custos => Resultado positivo ou lucro Proveitos = Custos => Resultado nulo Proveitos < Custos => Resultado negativo ou prejuízo Exemplos de proveitos: Vendas, juros recebidos, rendas recebidas,... Exemplos de custos: Custo da mercadoria vendida, ordenados, consumo de água, electricidade, telefone, juros pagos, rendas pagas, impostos pagos Exemplificando, temos: Custos Demonstração de Resultados Proveitos Custo das mercadorias vendidas Vendas Fornecimentos e serviços externos Custos com pessoal Custos financeiros Resultado ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 10/ 16

11 Por definição de resultado, a soma de todos os custos com esse resultado tem que igualar a soma de todos os proveitos. De acordo com a sua natureza podem-se classificar os custos e proveitos em: 1) Operacionais: decorrem da actividade principal da empresa; 2) Financeiros: decorrem das opções financeiras tomadas pela empresa; 3) Extraordinários: são originados pelos factos patrimoniais extraordinários. 3. Avaliação de Projectos de Investimento Segundo Albertino Marques, na avaliação macroeconómica de projectos de investimento, pretende-se avaliar os efeitos directos e indirectos que o projecto irá ter na economia e na sociedade sobre: Produto Distribuição do rendimento Impacto sobre o emprego Impacto sobre as regiões Impacto sobre os sectores Impacto sobre o saldo em divisas Impacto sobre o ambiente. Neste tipo de análise macroeconómica, utilizam-se métodos e indicadores mais agregados, do que aqueles que são utilizados para a avaliação dos projectos de investimento de uma empresa. A avaliação económica e financeira de um projecto de investimento permite saber se o projecto é ou não rentável. Para isso, há que quantificar essa rendibilidade através de alguns critérios, para posteriormente emitir o parecer sobre a sua qualidade técnica e comercial. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 11/ 16

12 A avaliação de um projecto baseia-se essencialmente na utilização de demonstrações financeiras previsionais (Balanços e Demonstrações de Resultados). Estes documentos resultam dos objectivos definidos e dos estudos prévios feitos pela empresa antes de investir. Um conceito que é preciso clarificar é o de Investimento: Em sentido estritamente financeiro, investimento é qualquer aplicação de capitais a prazo. Abecassis, F e outros Investimento é uma aplicação de fundos escassos que geram rendimento, durante um certo tempo, de forma a maximizar a riqueza da empresa Carlos Barros O investimento pode ocorrer apenas no momento inicial do projecto, mas também pode ser faseado. Para além disso, a natureza do investimento pode também ser distinta: investir na compra de uma máquina que pinta automóveis, não é a mesma coisa que conceder crédito a um cliente numa loja que vende móveis a 30 dias; mas ambas são situações de investimento. A primeira situação é de investimento em Capital Fixo, pois o bem adquirido vai permanecer na empresa num prazo superior a um ano. Na segunda situação trata-se de Capital Circulante, pois provavelmente a empresa concede crédito aos seus clientes, para garantir os seus proveitos de exploração (vendas). A vida útil de um projecto de investimento é o horizonte temporal em que pretendemos avaliar se o projecto é ou não viável. Num mundo empresarial em constante mudança, quanto maior for o período (anos) em análise, maior é a possibilidade de erro, pois são muitas as variáveis que estão em jogo. Para contornar em parte esta questão, foram definidos vários critérios de avaliação de projectos de investimento, mas neste capítulo vamos estudar apenas três: Período de Recuperação do Investimento Valor Actual Líquido ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 12/ 16

13 Taxa Interna de Rendibilidade. Se utilizarmos como critério de avaliação o Período de Recuperação do Investimento (PRI), como o próprio nome indica, vamos comparar o valor do Investimento Inicial efectuado, com o Somatório dos Cash Flows gerados pelo projecto durante n períodos (anos). Os cash flows do Projecto resultam da diferença entre as Entradas e as Saídas de dinheiro, ou seja, entre os Recebimentos e os Pagamentos efectuados em cada um dos períodos. Para a aplicação deste método é necessário actualizar os cash flows, utilizando uma taxa (i) que corresponde ao custo do capital, ou seja, à remuneração exigida pelos investidores. Período de Recuperação do Investimento PRI n Cash flow( t) = t Investimento Inicial + t t= 1 ( 1+ i) = 0 Este método permite identificar a partir de que período ocorre a recuperação do valor do investimento. Assim, de acordo com este critério, o projecto só é viável se a soma dos cash flows for superior ao valor do investimento. Dito de outra forma, para que o projecto seja viável, o Período de Recuperação do Investimento tem de ser inferior à vida útil do projecto. Vejamos um exemplo: Investimento Cash flow Ano Cash flow Ano Cash flow Ano No exemplo apresentado, se considerarmos uma taxa de actualização de 10%, o projecto é viável, pois a soma algébrica dos cash flows actualizados ( ) é superior ao valor do Investimento ( ). Neste caso concreto, a vida útil do projecto são 3 anos, mas o ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 13/ 16

14 Período de Recuperação do Investimento é inferior, uma vez que o investimento é recuperado durante o 3º ano (aproximadamente 2 anos e 8 meses). O Valor Actual Líquido (VAL) de um projecto de investimento é a soma dos cash flows actualizados, remunerados em função da taxa exigida pelos investidores (i), no momento presente, deduzido das despesas de investimento efectuadas. Assim, quando um projecto tem um VAL positivo, os investidores para além do capital que investiram e do risco que assumiram, obtiveram um excedente. Valor Actual Líquido Valor Actu al Líquido = Investimen to Inicial + n Cash flow ( t) ( i) t= 1 1+ t Utilizando o exemplo atrás apresentado do investimento de , e uma taxa de remuneração do capital investido de 10%, teremos: VAL = = (1+0,1) (1+0,1) 2 (1+0,1) 3 Daqui resulta que o projecto é viável, pois o seu Valor Actual Líquido é positivo. Do cálculo efectuado, pode concluir-se que os investidores conseguiram recuperar o investimento efectuado, remunerado a uma taxa de 10% e conseguiram ainda um excedente de A vantagem deste método face a outros é o facto de considerar todos os cash flows do projecto na sua análise. Como desvantagem, pode apontar-se o facto de a viabilidade do projecto ser muito sensível à taxa de actualização estimada, que pretende medir o risco associado ao projecto. A Taxa Interna de Rendibilidade (TIR) é aquela que torna o Valor Actual Líquido de um projecto nulo. Assim, para que um projecto seja viável é necessário que a sua TIR seja ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 14/ 16

15 superior ao valor da taxa de actualização. Só assim, os investidores conseguem obter um VAL positivo. Taxa Interna de Rendibilidade Investimen to Inicial + n t= 1 Cash flow( t) = 0 t ( 1+ TIR) O cálculo teoricamente correcto da Taxa Interna de Rendibilidade é algo complicado, uma vez que é necessário resolver a expressão em ordem à TIR, sendo esta expressão de grau n, dependendo n do número de anos da vida útil do projecto. Para obviar a esta situação, o cálculo da TIR pode ser feito por interpolação linear recorrendo ao VAL. Outra forma de cálculo mais expedita é recorrer a métodos computorizados, como por exemplo através do EXCEL, onde algumas funções, nomeadamente financeiras já estão prédefinidas. Para o exemplo apresentado, a Taxa Interna de Rendibilidade é igual a 17,1%. Como a taxa de actualização (i) é de 10%, significa que também de acordo com este critério o projecto é viável. Uma das grandes vantagens deste método de avaliação de projectos de investimento é que não exige o conhecimento prévio do custo do capital exigido pelos investidores. Para além disso, fornece um valor relativo (uma taxa) pelo que permite um termo de comparação, abaixo do qual os projectos devem ser recusados. Isto porque a TIR é a taxa de remuneração máxima que a empresa obtém do investimento efectuado, logo deve ser a taxa máxima a que a empresa se financia para realizar o projecto. ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 15/ 16

16 Conceitos Obrigatórios Activo Circulante Activo Fixo Balanço Bens Capital Próprio Custo das mercadorias vendidas e matérias consumidas Custos com o pessoal Custos financeiros Demonstração de Resultados Depósitos e Caixa Direitos Dívidas de terceiros Existências Fornecimentos e serviços externos Grau de exigibilidade Grau de liquidez Imobilizações Imposto sobre o rendimento Investimento Obrigações Passivo Período de Recuperação do Investimento Resultado Antes de Impostos Resultado Líquido Resultado Operacional Risco do projecto Taxa de actualização Taxa Interna de Rendibilidade Valor Actual Líquido Valor Residual Vendas Vida útil do projecto Conceitos Complementares Acção Amortizações Capital de Risco Equilíbrio Financeiro Empréstimo Obrigacionista Facto patrimonial Financiamento bancário Locação Financeira Investimento em Capital Circulante Investimento em Capital Fixo Prestação de Serviços Rendibilidade Texto de Apoio Elaborado por: Catarina Cardoso e Margarida Moiteiro Tristão Bibliografia ( de suporte aos textos de apoio ): Borges, A. e outros (1998), Elementos de Contabilidade Geral, Áreas Editora, 16ªEdição Marques, A.(1998), Concepção e Análise de Projectos Investimento, Edições Sílabo Menezes, H.(1996), Princípios de Gestão Financeira, Editorial Presença, 6ª Edição Neves, J.(2000), Análise Financeira Técnicas Fundamentais, Texto Editora, 12ª Edição Saias, L. e outros (1998), Instrumentos de Gestão Financeira, Univ. Católica Editora, 3ª Edição ESTSetúbal Textos de Apoio à Gestão Pág 16/ 16

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro.

O valor do dinheiro varia ao longo do tempo, ou seja, não é indiferente dispor hoje ou daqui a um ano de uma dada quantia em dinheiro. Tópico complementar 5. Valor temporal do dinheiro Objectivo específico: No final deste capítulo, o leitor deverá estar apto a: - Conhecer o significado e o modo de utilização da taxa de actualização (medida

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904

Gestão Financeira. Trabalho Realizador Por: Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja. Tiago Conceição Nº 11903. Tiago Marques Nº 11904 Escola Superior de Tecnologia e de Beja Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Marques Nº 11904 Paulo Martins Nº 11918 Ruben Estrela Nº 11905 Leonel Fontes Nº 11908 Miguel Baia Nº 11915

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO IV Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro O Fundo de Maneio Funcional e as NFM A Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco ISEG/UTL Teoria Tradicional

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIMENTO

PROJECTO DE INVESTIMENTO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECONOMIA & GESTÃO 2001/2002 3.º TRABALHO ANÁLISE DE UM PROJECTO

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa

GESTÃO FINANCEIRA. Demonstração de Fluxos de Caixa GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO VIII Objectivo Comparação com a Demonstração de Resultados Métodos de Cálculo Rácios baseados nos fluxos de caixa Documento que mostra a variação das disponibilidades entre dois

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Procópio 09-02-2012

Contabilidade Básica. Prof. Procópio 09-02-2012 Prof. Procópio 09-02-2012 Conceito de Contabilidade Finalidade da Contabilidade Usuários da Contabilidade Para quem é mantida a Contabilidade Pessoas Física e Jurídica Conceito de Patrimônio Bens Direitos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Rui Baptista Financial Issues and Operations in New Venture Development

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS A RENDIBILIDADE EXERCÍCIOS PARA AS AULAS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. (1. INTRODUÇÃO) 1. Com base na Demonstração dos Resultados de

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA)

MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) MESTRADO EM GESTÃO / (MBA) (2008/2009) DISCIPLINA: CONTABILIDADE FINANCEIRA FINANCIAL ACCOUNTING Docente: Professor Auxiliar Convidado do ISEG/UTL jlacunha@iseg.utl.pt Síntese 1. A contabilidade como sistema

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3

Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise de um Projecto de Investimento Trabalho 3 Helder Joaquim Gomes Correia

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I O sistema de informação contabilística Ponto da situação Visão global dos principais produtos ( outputs ) da contabilidade como sistema de informação: Balanço, Demonstração de

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Contabilidade Geral. Conceitos Básicos

Contabilidade Geral. Conceitos Básicos Contabilidade Geral Conceitos Básicos Contabilidade Os registos contabilísticos andaram sempre de mãos dadas com a atividade económica. A contabilidade terá nascido com o surgimento da vida económica organizada.

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes).

INVESTIMENTOS. Pretende-se: Análise da viabilidade económica do projecto (a preços constantes). Caso 1 A empresa FMS pretende dedicar-se à produção e comercialização de equipamentos para a indústria automóvel. De acordo com o estudo de mercado elaborado para o efeito, estimaram-se as seguintes quantidades

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão

GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA. Para a disciplina de Gestão UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉCTRICA E ELECTRÓNICA GESTÃO FINANCEIRA Para a disciplina de Trabalho elaborado por: César Alfredo nº 21243 André santos nº 28568

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Obrigações (a serem pagas)

Obrigações (a serem pagas) 2 - PATRIMÔNIO 2.1 - CONCEITO A Contabilidade define patrimônio como o conjunto de bens, direitos e obrigações pertencentes a uma pessoa jurídica (empresas privadas, públicas,etc.) ou física, perfeitamente

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV

AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS APÓS A SUA REALIZAÇÃO* Carlos Videira Martins Economista Mestre em Finanças Professor Adjunto da ESTV O trabalho da Avaliação de Investimentos limita-se quase sempre a uma análise

Leia mais

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4 Índice 1. Introdução..2 2. Gestão Financeira......2 a 4 3. Planeamento Financeiro de Curto Prazo:.. 5 3.1. Conta Previsional de Exploração e de Resultados...6 a 7 3.2. Orçamento Anual de Tesouraria..7

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECÓNOMIA E GESTÃO 2001/2001 2.º TRABALHO ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005

Contabilidade II Licenciatura em Economia Ano Lectivo 2007/2008. Contabilidade II. CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 Contabilidade II II. Demonstração dos Fluxos de Caixa Introdução CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A. 2005 2004 2005 2004 ACTIVO AB AA AL AL CAP. PRÓPRIO E PASSIVO Imobilizado Capital próprio Imob.

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão

3º Trabalho - Análise de um Projecto de Investimento Economia e Gestão Trabalho realizado por: Alvaro Manuel Pinto de Magalhães Vitor Jesus Freitas Oliveira ee97029 ee97076 INTRODUÇÃO: Introduz-se aqui o relatório, relativo ao 3º trabalho da cadeira de, que tem como objectivo

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais