Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo"

Transcrição

1 FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE GINÁSTICA Ginástica Artística Feminina Caderno de Simbologia Ciclo

2 PRÓLOGO História do desenvolvimento da Notação Simbólica Em 1979 o Comitê Técnico Feminino da FIG publicou, pela primeira vez, os símbolos dos principais elementos para a Ginástica Artística Feminina. A determinação rápida do conteúdo do exercício A comunicação com outros árbitros de distintos grupos idiomáticos e Muito importante, para reconhecer a totalidade dos exercícios dinâmicos e modernos durante as competições. CTF / FIG: Nellie Kim, Presidente Durante o período que vai de 1980 a 1986, a notação simbólica foi submetida a uma extensa experiência prática, com uma meta tendendo a perfeição em harmonia com a evolução da ginástica. Todos os exercícios realizados em competições oficiais da FIG (Jogos Olímpicos, Campeonatos do Mundo, Copas do Mundo e os Campeonatos Europeus Sênior e Junior sob jurisdição da FIG) foram registrados em notação simbólica pelas Colaboradoras Técnicas Cientificas (CTCs), e logo comprovados por meio de análise de vídeo. Desta maneira desenvolveu-se uma análise sistemática. Com o uso do conteúdo dos exercícios registrados, o CTF pode supervisionar as tendências de desenvolvimento e a informação resultante, para a melhora contínua do Código de Pontuação GAF. Em 1985 publicou-se um suplemento e em Julho de 1986 apareceu a primeira publicação de símbolos titulada Proposta para a Introdução de uma Linguagem de Símbolos Internacional para Ginástica Artística Feminina. Em 1990/91 a FIG edita um Vídeo filme e um Folheto para a aprendizagem e prática da Notação Simbólica de GAF. Tanto o vídeo como o folheto associado foram preparados pela Sra. Margot Dietz GER, tarefa que foi incumbida pela então Presidente do CTF/FIG, a Sra. Ellen Berger. Baseado na realização desse desenvolvimento sofisticado do sistema de símbolos, na edição de 1993 do Código de Pontuação apareceu pela primeira vez os símbolos apropriados para cada elemento e sua variação. Em 1999 o Folheto de Notação Simbólica é atualizado e adaptado ao uso em computadores pela Sra. Linda Chencinski para refletir o desenvolvimento de novas habilidades sob a direção da Presidente do CTF/FIG, a Sra. Jackie Fie. Com o desenvolvimento constante, progressivo e apaixonante de novos elementos na GAF, o CTF publicou a atualização do Folheto de Notação Simbólica 2009, com o objetivo de proporcionar uma revisão oficial uniforme para os árbitros do mundo da ginástica. O CTF espera que este Folheto atualização ajude aos árbitros no O registro preciso de todos os elementos realizados

3 Suspensão Símbolos básicos para todos os aparelhos Superfície de apoio estável Posição em pé de frente, de costas Apoio, ex: com apoio do quadril Sem apoio do quadril (livre) Apoio invertido parada de mãos Salto, fase de voo Posição de pernas e corpo Grupado, carpado, pernas afastadas Dorsal, lateral, facial Posição de corpo estendida, com afastamento de pernas (para uma perna) Rotações No eixo transversal para frente, para trás PARALELAS ASSIMÉTRICAS Símbolos específicos do aparelho Troca de tomadas Com pequena fase de voo Com grande fase de voo (BI para BS) Com salto (principalmente para tomada palmar) Tomada palmar (usar somente se for necessário) Tomada cubital, tomada cubital mista Voo para trás sobre A mesma barra Da BS para a BI A parada de mãos na BI Movimentos com impulso de pernas Ao apoio de pernas flexionadas (grupado), estendidas, afastadas Passando as pernas flexionadas, estendidas No eixo longitudinal No eixo ântero-posterior (lateral) Impulsos para trás Impulso para trás sem / com chegada a parada de mãos Impulso para trás a parada de mãos Com troca-saltada a tomada palmar na vertical Em tomada palmar, troca-saltada a tomada cubital na vertical

4 Elevação para trás ao apoio / a parada de mãos Giros de quadril e Peixes Movimentos Circulares Com apoio de quadril para frente, para trás Impulsos por baixo da barra Impulso por baixo da barra com ou sem apoio de pés Impulso por baixo da barra para trás Giros Giros livres sem/com chegada a parada de mãos Giro gigante para trás sem/com chegada a parada de mãos Giro gigante para frente sem/com chegada a parada de mãos (também com tomada dorsal) Giro Gigante para frente na tomada cubital sem/com chegada a parada de mãos Stalder para trás sem/com chegada a parada de mãos Stalder para frente sem/com chegada a parada de mãos, também em tomada cubital Giro carpado ou giro livre carpado para frente a parada de mãos Giro Carpado ou giro livre carpado para trás a parada de mãos Giro para frente carpado passando pelo apoio livre estendido e finalizar próximo da parada de mãos Giro de quadril para trás e Peixe Giro livre para trás e Peixe Kip na BI Kips Deslizamento, passagem das pernas entre os braços ao apoio dorsal (kip dorsal) Da suspensão, kip na BS Balanço invertido para frente carpado ao apoio dorsal (giro para frente sentada - carpada) Balanço invertido atrás carpado ao apoio dorsal (volta atrás sentada carpada) Contra Kip (Kip dorsal) na BI Elementos com giro no eixo longitudinal Balanço por baixo da barra com ½ giro (180º) ao apoio livre na mesma barra sem/com apoio dos pés Balanço para frente com ½ giro (180º) e voo à parada de mãos na BI Giro gigante para trás a parada de mãos com 1/1 giro (360º) Giro gigante para trás a parada de mãos com 1 1/2 giro (540º)

5 Giro no eixo transversal Mortal Comaneci Mortal Jager Elementos de voo com Técnica de contramovimento com pernas afastadas Tkatchev Ricna Giros combinados durante ao voo Mortal Deltchev Indicação de largadas (voo) Indicação de voo até a barra com uma linha longa Salto com pernas afastadas ou salto livre com pernas afastadas sobre a BI para a suspensão na BS Deslizamento na BI passagem das pernas entre os braços, cortada para trás com afastamento das pernas a suspensão na mesma barra Salto a parada de mãos na BI Salto Peixe com repulsão das mãos sobre a BI para a suspensão na BS Saídas Mortal com tomada mista Chorkina Contramovimento para frente Schaposchinikova Voo da BI a suspensão na BS Stalder para trás passando pela parada de mãos com ½ giro (180º) e voo a suspensão na BS Balanço livre por baixo da BI com largada e contra movimento para frente no voo a suspensão na BS Balanço livre por baixo da barra ao mortal para frente grupado com ½ giro (180º) Balanço para frente ao mortal para trás grupado ou estendido com 2/1 giros (720º) Balanço para frente ao duplo mortal para trás carpado Balanço descendo de costas para frente, entre as barras em tomada palmar, balanço para trás ao duplo mortal para frente grupado Apoio facial na BS olhando para a BI. Impulso para trás próximo da parada de mãos ao mortal para frente grupado Anotação de exercícios em símbolos Exemplo - Paralelas Assimétricas Entradas Exemplos Indicação da direção por meio de flechas

6 TRAVE E SOLO Símbolos específicos do aparelho Ponto (.) sobre o símbolo indica execução em posição lateral Parada de mãos na lateral Sentado na lateral Entradas sem/com apoio das mãos. Salto livre a posição de pé com pernas afastadas Salto a posição com pernas afastadas, com apoio das mãos Posições de equilíbrio parada de cabeça, equilíbrio sobre o joelho Prancha facial com apoio, prancha facial livre Equilíbrio na ponta do pé (sempre em relação ao símbolo) Ondas Equilíbrio para frente, atrás, na ponta do pé Onda de corpo para frente ao equilíbrio para trás na ponta do pé Onda de corpo lateral ao equilíbrio lateral na ponta do pé Passos para frente, trás Posição de espacate(split) transversal, lateral Impulso com ambos os pés ou aterrissagem sobre os dois pés (usar somente se for necessário) Flic Flac aterrissagem com dois pés Elementos com fase de voo e sem apoio adicional (livre) Reversão livre para frente Elementos com apoio de um braço Reversão para frente sem voo sobre um braço Linha longa para elementos com preparação gainer (Auerbach) Gainer mortal (Auerbach) grupado Gainer Flic Flac (Auerbach) Saltos Saldo leap em espacate (split), gazela Tesoura para frente, trás, salto galope Salto jump grupado com ½ giro (180º) impulso com ambas as pernas Salto wolf (grupado com uma perna estendida horizontalmente para frente) impulso com uma perna - hop Salto wolf impulso com ambas as pernas - jump Cadete (salto tesoura para frente com ½ giro (180º) (Tour Jeté) Salto hop com 1/1 giro (360º) com uma perna estendida (90º) Salto leap em espacate (split) com troca de pernas (cortada) Salto jump estendido com 1½ giro (540º) Salto jump carpado

7 Salto jump afastado salto split leap para a posição em afastamento lateral, pernas para frente Shuschunova Salto anel impulso com um pé - leap, com dois pés - jump Giros sobre um pé 1/1 Giro ilusion (360º) Giros 1½ giro (540º) em equilíbrio facial 2/1 giros (720º) em posição grupada sobre uma perna 1/1, 1½ giro (360º, 540º) com a perna livre acima da horizontal, também 1/1 giro (360º) com a mão apoiando a perna livre 1/1 giro (360º) com a coxa da perna livre acima da horizontal para trás 2/1 giros (720º) sobre as costas Borboleta para frente, trás Twist e reversão Reversões Reversão para frente com voo, impulso com uma perna ou Reversão para frente com voo, impulso com duas pernas (flic flac para frente) Flic Flac, com apoio de um braço Gainer Flic Flac (Auerbach) Mortais Frente grupado, carpado, estendido Trás Grupado, carpado, estendido, com uma perna Lateral grupado, carpado, estendido. Impulso para trás Sem voo para frente, trás, lateral Com voo lateral Reversões Com apoio de um braço para frente, trás, lateral Reversão para frente, lateral livre (sem mãos) Rodante, Rodante livre (sem mãos) Flic sem mãos - tempo Duplo Mortal Para frente grupado, carpado Para trás grupado, carpado

8 Rolamentos Rolamentos para frente, salto e rolamentos para frente (mergulho), Peixe e rolamento para frente Rolamento para trás Rolamento lateral Exemplos de combinações de símbolos básicos e específicos Elementos acrobáticos com giro e no eixo longitudinal Parada de mãos ¼ (90º), ½ (180º), 1/1 (360º) giro na parada de mãos Salto com 1/1 giro (360º) a aparada de mãos Rolamentos Rolamento para trás a parada de mãos com 2/1 giros (720º) Salto estendido para frente com 1/1 giro (360º) ao salto peixe e rolamento Reversão com voo Salto para trás com ½ giro (twist) e reversão para frente com fase de voo Reversão para frente com fase de voo e 1/1 giro (360º) Depois do apoio das mãos Antes o apoio das mãos Flic Flac com 1/1 giro (360º) Para trás estendido com giro Twist grupado Duplo twist grupado Tsukahara grupado, carpado Mortais com giros combinados Anotação de exercícios em símbolos. Exemplos Trave de equilíbrio Séries de entrada Séries de saída Anotações de exercícios em símbolos Exemplo Trave de Equilíbrio 1) Final de uma passada na trave Anotações de exercícios em símbolos Exemplo - Solo Mortais Para frente grupado com ½ giro (180º), carpado com 1/1 giro (360º), estendido com 1½ giro (540º)

9 Primeira fase de voo SALTO Impulso de frente Reversão para frente Reversão para frente com ½ giro (180º) no primeiro voo (Tsukahara) Rodante no trampolim Flic Flac para a mesa Segunda fase de voo Reversão para frente Mortal para frente, trás Símbolos básicos e específicos da acrobacia no Salto (ver Trave de Equilíbrio e Solo) Reversão para frente no primeiro voo mortal para frente grupado com ½ giro (180º) no segundo voo Reversão para frente com 1/1 giro (360º) no primeiro voo mortal para frente carpado no segundo voo Reversão para frente no primeiro voo ½ giro (180º) e mortal para trás carpado no segundo voo Reversões com ½ giro (180º) no primeiro voo (Tshukahara) Grupo 3 Tshukahara estendido com 1/1 giro (360º) Tsukahara com mortal para trás grupado Inversões Grupo 1 Reversão para frente com 1/1 giro (360º) no primeiro voo reversão para frente no segundo voo 1/1 giro (360º) no segundo voo 1/1 giro (360º) no primeiro voo 1/1 giro (360º) no segundo voo ½ giro (180º) no primeiro voo 1½ giro (540º) no segundo voo Yamashita com ½ giro (180º) Mortais para frente Grupo 2 Rodante Grupo 4 Rodante, flic flac mortal para trás grupado no segundo voo Rodante flic flac com 1/1 giro (360º) no primeiro voo mortal para trás carpado no segundo voo Rodante ½ giro Grupo 5 Rodante flic flac com ½ giro (180º) no primeiro voo mortal para frente carpado no segundo voo Rodante flic flac com ½ giro (180º) no primeiro voo mortal para frente estendido no segundo voo

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina IDADE: 07 em diante, completos no ano da competição COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas.

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica IDADE: 07 em diante COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES: Torneio Paulo Picciafuoco 2010-2012 Ginástica Artística Feminina Uma equipe poderá ser composta de um número ilimitado de ginastas. Para a classificação por

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2010-2012 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2011: 07 a 10 anos (nascidas em 2001,2002,2003, 2004). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no

Leia mais

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA

FEDERAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO DE GINÁSTICA CATEGORIAS: - Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição. - Pré-infantil: 9 e 10 anos, completos no ano da competição. - Infantil: 11 e 12 anos, completos no ano da competição. - Juvenil: 13 a 15,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL

REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL REGULAMENTO TÉCNICO 2017 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA PROGRAMA COMPETITIVO CATEGORIA PRÉ-INFANTIL Ginastas nascidos em 2008, 2007 e 2006. Bases Técnicas PROGRAMA OBRIGATÓRIO Séries 01, 02 e 03 Aparelhos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIAS MIRIM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR

COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR COPA MAIRA AVRUCH GA-GNU REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ESTREANTES FEMININO NÍVEL 1 DESCRIÇÃO VALOR SALTO VD = pontos DOIS SALTOS IGUAIS - VALE O Salto de extensão com MELHOR SALTO trampolim. Aterrissagem

Leia mais

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores.

CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO. PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. CAMPEONATO VICÉLIA FLORENZANO PARTICIPANTES É aberta às ginastas que não tenham participado de Campeonatos oficiais da CBG em 2009 ou anteriores. FAIXA ETÁRIA - 07 e 08 anos, completos no ano da competição

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA TORNEIO NACIONAL GENERALIDADES PARTICIPANTES: É aberta a participação no TNGAF a qualquer entidade filiada à federação ou de alguma forma ligada a esta.

Leia mais

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

EREGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CAMPEONATO ESTADUAL 2014 PROVAS FEMININAS:. Salto (altura da mesa) Estreante 1.00m ou 1,10m - Iniciante 1,10m ou 1,20m. - Intermediário 1,20m ou 1,25m. - Avançado - 1,25m.. Barras Paralelas Assimétricas.

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica Regulamento Específico 2014 Ginástica Artística Feminina PRÉ - INFANTIL C IDADE em 2014: 07 à 10 anos (nascidas em 2004, 2005, 2006, 2007). COMPOSIÇÃO DA EQUIPE: Uma equipe poderá ser composta de no máximo

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO (Iniciadas e Juvenis)

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO (Iniciadas e Juvenis) GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO (Iniciadas e Juvenis) 2017-2020 Autores: Comissão Técnica de GAF Alda Corte-Real Cristina Gomes Liliana Rodrigues Paula Barata Pedro Roque Raimundo

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2017

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2017 Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2017-2020 Autores: Comissão Técnica de GAM Bruno Narra José Augusto Dias José Ferreirinha Manuel Campos Paulo Simões Pedro Almeida André Nogueira

Leia mais

CURSO INTERCONTINENTAL DE GINÁSTICA PERGUNTAS E RESPOSTAS

CURSO INTERCONTINENTAL DE GINÁSTICA PERGUNTAS E RESPOSTAS CURSO INTERCONTINENTAL DE GINÁSTICA PERGUNTAS E RESPOSTAS 2.3.1 Generalidades É permitido que a ginasta corra/caminhe por baixo da BI para iniciar sua rotina? Dedução de 0,30 por conduta antidesportiva

Leia mais

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017

LIGA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA ESCOLAR - LGE REGULAMENTO ESPECÍFICO 2017 Objetivo Incentivar e divulgar a prática da Ginástica Artística, orientando para um trabalho de base, mantendo um intercâmbio e motivando as crianças das equipes participantes. Organização A Liga de Ginástica

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FEST GYM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO FEST GYM GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA

REGULAMENTO TÉCNICO TORNEIO ESTADUAL GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA Federação de Ginástica Artística, Rítmica, Trampolim, Aeróbica e Acrobática do Rio Grande do Sul - FGRS. Filiada à Confederação Brasileira de Ginástica Fundada em 05 de novembro de 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

Leia mais

XXXIII Copa Niterói de Ginástica

XXXIII Copa Niterói de Ginástica III Copa Niterói de Ginástica Niterói, 01 de março de 2015. Prezados Professores e amigos da Ginástica, Temos a satisfação de convidar esta conceituada instituição para participar da III COPA NITERÓI DE

Leia mais

Jogos Escolares de Belo Horizonte JEBH/2015. Regulamento Específico Ginástica Artística Masculina

Jogos Escolares de Belo Horizonte JEBH/2015. Regulamento Específico Ginástica Artística Masculina Jogos Escolares de Belo Horizonte JEBH/20 Regulamento Específico Ginástica Artística Masculina Art. º - A competição de ginástica artística masculina dos Jogos Escolares de Belo Horizonte JEBH/20 será

Leia mais

Federação Paulista de Ginástica

Federação Paulista de Ginástica TROFÉU SÃO PAULO 2014 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA REGULAMENTO GERAL OBJETIVOS: Difundir a modalidade Ginástica Artística, incentivando sua prática em diversas faixas etárias e níveis de habilidade - visando

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Artística Masculina

Regulamento Específico. Ginástica Artística Masculina Regulamento Específico Ginástica Artística Masculina 20 Art. º - A competição de ginástica artística masculina dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/20 será regida de acordo com as regras oficiais da

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 MARÇO 2013 GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 1. Grupos de elementos Igual ao Código FIG com excepção de:

Leia mais

Introdução à ginástica artística

Introdução à ginástica artística Introdução à ginástica artística A GA foi a primeira modalidade de competição da FIG e a primeira dos Jogos Olímpicos. Presente desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, realizada em

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Artística Feminina

Regulamento Específico. Ginástica Artística Feminina Regulamento Específico Ginástica Artística Feminina 2015 Art. 1º - A competição de ginástica artística feminina dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 será regida de acordo com as regras oficiais

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO SIMPLIFICADO PARA GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO SIMPLIFICADO PARA GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA 1. Grupos de elementos Igual ao Código FIG com excepção de: Exercício sem saída +0,00 Saída A +0,10 Saída B +0,30 Saída C, D, E, F ou G +0,50 2. Dificuldade Conta, para efeitos de dificuldade, a saída

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA. FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Ginástica Olímpica CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: FAEFI PERÍODO/SÉRIE:

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016

CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 MARÇO 2013 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA CÓDIGO PONTUAÇÃO ADAPTADO 2013-2016 ESCALÕES DE E O Código de Pontuação Adaptado é diferente para

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA AERÓBICA ESPORTIVA INFANTIL

REGULAMENTO TÉCNICO GINÁSTICA AERÓBICA ESPORTIVA INFANTIL INFANTIL Faixa etária - 9 a 11 anos, completos no ano da a) Individual - Um ginasta feminino ou masculino. b) Trio - Três ginastas com formação livre. c) Grupo - Seis ginastas com formação livre. Tempo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE. COORDENADORIA DE ESPORTE E LAZER

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESPORTE, LAZER E JUVENTUDE. COORDENADORIA DE ESPORTE E LAZER PORTARIA G.CEL 13/2016 6ª COPA DE GINÁSTICA ARTÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO O Coordenador de Esporte e Lazer, no uso de suas atribuições legais, expede a presente Portaria que estabelece o Regulamento

Leia mais

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de

Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de Ginástica Todo tipo de atividade física sistematizada, cujos conteúdos variam desde as atividades como os jogos, o atletismo, as lutas e à preparação de soldados. A ginástica deve a sua história ao militarismo.

Leia mais

Avaliação prática Solo

Avaliação prática Solo Avaliação prática Solo Construção de um Exercício com pelo menos 10 elementos diferentes, sendo obrigatório incluir os seguintes elementos; rondada flick flack e salto de mãos (ambos com ajuda de dois

Leia mais

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13

Escola Secundária D.Pedro V. Ginástica de Solo. Ana Abel 06/04/13 Escola Secundária D.Pedro V Ginástica de Solo Ana Abel 06/04/13 Introdução Este trabalho sobre ginástica é um elemento de avaliação das disciplinas de Educação Física e Prática de Actividades Físicas e

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

Biomecânica na Ginástica Artística Franklin de Camargo-Junior Mestre em Ciências

Biomecânica na Ginástica Artística Franklin de Camargo-Junior Mestre em Ciências LIGA DE FISIOTERAPIA ESPORTIVA Prof. Me. Franklin de Camargo Junior Biomecânica na Ginástica Artística Franklin de Camargo-Junior Mestre em Ciências São Caetano do Sul 2014 CONTEXTUALIZAÇÃO Premissas:

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição

Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição Planificações Ano Actividade Objectivos Conteúdos Local 7ºANO Condição Física Desenvolvimentos da condição física de base - Resistência aeróbia e anaeróbia - Força explosiva - Força resistente - Flexibilidade

Leia mais

Programa Nacional de Ginástica Aeróbica 2014_15

Programa Nacional de Ginástica Aeróbica 2014_15 Programa Nacional de Ginástica Aeróbica 2014_15 Edição 17-12-2014 Introdução O Programa Técnico AeroGYM foi criado com a finalidade de divulgar a Ginástica Aeróbica, aumentar o número de praticantes, e

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO GINÁTICA RÍTMICA CÓDIGO DE PONTUAÇÃO ADAPTADO 2017-2020 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 QUADRO REUMO... 3 EXERCÍCIO INDIVIDUAI... 6 INICIADA... 6 JUVENI... 8 ECALÕE DE FORMAÇÃO E BAE... 10 BENJAMIN... 10 INFANTI...

Leia mais

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016-17 Capacidades Condicionais e Coordenativas Gerais Resistência Geral; Força Resistente; Força Rápida; Força Rápida; Velocidade de Reação Simples e Complexa; Velocidade

Leia mais

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015

Prof. Mª Alexandra Lopes. Módulo 8-Desportos Individuais. Trave Olímpica. Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Prof. Mª Alexandra Lopes Módulo 8-Desportos Individuais Trave Olímpica Trabalho elaborado por: -Diana Oliveira nº2 -Mariana Gomes nº9 2014/2015 Índice Nome Página Introdução 3 Trave Olímpica- O que é?

Leia mais

Rua Barão de Tefé, 310 Ginásio de Ginástica - Fone (51) CEP: Porto Alegre/RS Site:

Rua Barão de Tefé, 310 Ginásio de Ginástica - Fone (51) CEP: Porto Alegre/RS Site: Rua Barão de Tefé, 310 Ginásio de Ginástica - Fone (51) 3392-6272 CEP:90.130-060 Porto Alegre/RS Site: www.ginasticars.com.br E-mail: ginastica@ginasticars.com.br - CNPJ 19.684.481/0001-20 Programa de

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS EXERCÍCIOS - VOLTEIO

DESCRIÇÃO DOS EXERCÍCIOS - VOLTEIO DESCRIÇÃO DOS EXERCÍCIOS - VOLTEIO Para casos de dúvidas seguir regulamento FEI em inglês. Nomenclatura Qual a posição, os movimentos ou direções indicadas? As posições estão relacionadas à direção que

Leia mais

GINÁSTICA DE APARELHOS

GINÁSTICA DE APARELHOS GINÁSTICA DE APARELHOS Plinto O plinto é um aparelho utilizado para a realização de saltos tanto na posição transversal como longitudinal. Segurança: Deve-se verificar se a distância do trampolim ao aparelho

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE Regulamento Específico por Modalidade 1 FESTIVAL/COMPETIÇÃO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA E GINÁSTICA RÍTMICA DO G.D.V Ginástica Artística: Feminino Objetivo Estimular a

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 0 Índice Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 2 1. Estrutura Técnica do Programa... 2 1.1. Tempo e música... 2 1.2. Categorias e

Leia mais

Código Nacional Adaptado

Código Nacional Adaptado Código Nacional Adaptado Base & Infantis GINÁSTICA AERÓBICA 2017/20 1 Índice Introdução...3 Secção A - Código Nacional de INFANTIS... 3 1. Estrutura Técnica do Programa...3 1.1. Tempo e música...3 1.2.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura: A pluralidade na expressão humana. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6.1 Conteúdo

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda Aula 1 2017 Denominação Ginástica Artística A Ginástica Artística também é conhecida no Brasil por: Ginástica Olímpica, Ginástica de Aparelhos, Ginástica de Solo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO Ano/Turma 7º/8º/9º Período N.º aulas previstas

Leia mais

Das inscrições: 16 de julho de 2016

Das inscrições: 16 de julho de 2016 FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2016 16 de julho de 2016 Das inscrições: 1.

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ementa Fundamentos da Ginástica Artística, conhecimento das habilidades motoras exigidas na modalidade. Ginástica de solo e suas progressões. Organização

Leia mais

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS

REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS REGULAMENTO PARA O NÍVEL PRINCIPIANTE NOS CAMPEONATOS E TORNEIOS BRASILEIROS Art. 1º As mesmas regras que regem cada um dos Campeonatos/Torneios, será a que regerá o Campeonato/Torneio do nível Principiante

Leia mais

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo

Rotina Técnica. Elementos Obrigatórios para Solo FEDERAÇÃO AQUÁTICA DO RIO DE JANEIRO Regulamento Torneio de Rotina Técnica de Nado Sincronizado Categorias Principiante, Infantil, Juvenil, Junior e Sênior - 2015 18 de julho de 2015 Das inscrições: 1.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA (Revisto em setembro 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA (Revisto em setembro 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA 2013-2017 (Revisto em setembro 2014) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P. 2 2. PARTICIPAÇÃO/ORGANIZAÇÃO P. 3 3. PROGRAMA TÉCNICO P. 3 4. AJUIZAMENTO P. 4 5. CLASSIFICAÇÕES E CRITÉRIOS

Leia mais

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Anexo 40. Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Carmelinda Vieira / Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 7º Turma: B Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 1 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 12-04-2010 Hora: 12h00m Duração: 35 minutos Unidade

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA

REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA REGULAMENTO CIRCUITO FEDEESP DE GINÁSTICA ARTÍSTICA I. OBJETIVO: Difundir a ginástica artística e incentivar sua prática nas diversas faixas etárias e níveis de habilidade através de um trabalh de base.

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda Aula 1 2017 Denominação Ginástica Artística A Ginástica Artística também é conhecida no Brasil por: Ginástica Olímpica, Ginástica de Aparelhos, Ginástica de Solo

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano Jogos Pré-Desportivos Educação Física 5.º ano Conhecer o objetivo do jogo, o funcionamento e as regras do jogo. Jogos sem bola: Em situação de ataque cria oportunidades com superioridade numérica para

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS FEMININOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Fevereiro de 2010 2 Índice Informações gerais... 3 Salto de Cavalo... 7 Barra / Paralelas

Leia mais

Educação Física - 6º AO 9º ANO

Educação Física - 6º AO 9º ANO Conteúdos Programáticos Propostos para a Disciplina: Bimestre 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano 1º bimestre Jogo e : Competição e cooperação Jogos populares Jogos pré-desportivos Jogos cooperativos : modalidade

Leia mais

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS

APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Em todas as Posições Básicas: APÊNDICE II POSIÇÕES BÁSICAS Federação Portuguesa de Natação a) A posição dos membros superiores é opcional; b) Pés em flexão plantar; c) Membros inferiores, tronco e pescoço

Leia mais

DgestE Direção-GeraL dos Estabelecimentos Escolares DSRAI Direção de Serviços da Região Algarve Agrupamento de Escolas Júlio Dantas

DgestE Direção-GeraL dos Estabelecimentos Escolares DSRAI Direção de Serviços da Região Algarve Agrupamento de Escolas Júlio Dantas ENSINO BÁSICO PLANIFICAÇÃO ANUAL - 205-206 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO 7º e 8º anos ACTIVIDADES FÍSICAS DISTRIBUIÇÃO POR PERÍODOS º Período 2º Período 3º Período 3º Ciclo (7º e 8º anos) A - JDC:,

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Jogo 7x7 Jogo 5x5 FUTEBOL Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Recepção e controlo Enquadar ofensivamente

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO DO 10ºANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS ANO LETIVO

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO DO 10ºANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS ANO LETIVO COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS AULAS PREVISTAS Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo dos Jogos Desportivos Coletivos, realizando com oportunidade e correção as ações técnico-táticas elementares

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 66 Aula U.D. Nº: 9 de 9 Instalações: Pavilhão Data: 26-03-2010 Hora: 9h15m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

25 Situação de Exercício critério, teste escrito, relatório e/ou trabalho escrito.

25 Situação de Exercício critério, teste escrito, relatório e/ou trabalho escrito. 10º 8 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE DESPORTO PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: DESPORTOS INDIVIDUAIS CONTEÚDOS MÓDULO N.º 01 - GINÁSTICA ELEMENTOS TÉCNICOS GERAIS EQUILÍBRIOS DE BASE O PRESSUPOSTOS TÉCNICOS

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA (Revisto em setembro 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA (Revisto em setembro 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO ARTÍSTICA 2013-2017 (Revisto em setembro 2015) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P. 2 2. PARTICIPAÇÃO/ORGANIZAÇÃO P. 3 3. PROGRAMA TÉCNICO P. 3 4. AJUIZAMENTO P. 4 5. CLASSIFICAÇÕES E CRITÉRIOS

Leia mais

AS FASES DO SALTO SOBRE O CAVALO: PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM TEORIA E PRÁTICA

AS FASES DO SALTO SOBRE O CAVALO: PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM TEORIA E PRÁTICA AS FASES DO SALTO SOBRE O CAVALO: PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM TEORIA E PRÁTICA Rosangela Marques Busto 1 Tecnicamente, de acordo com Borrmann, 1980, na execução de salto sobre o cavalo não existe qualquer

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROVA 26 / 2017 (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Modalidade Individual: Ginástica

Modalidade Individual: Ginástica Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Individual: Ginástica História da modalidade Elementos gímnicos de solo Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto

Leia mais

REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016:

REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016: REGULAMENTOS DOS TORNEIOS GAÚCHOS DE PATINAÇÃO ARTÍSTICA 2016: TORNEIO GAUCHO de INICIANTES TORNEIO ESTADUAL de ASPIRANTES: NÍVEL1 E NIVEL2 (CBHP) REGULAMENTO BÁSICO Os atletas que competiram nos Campeonatos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA. COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 Art.

Leia mais

Regulamento Específico GINÁSTICA DE TRAMPOLINS. Programa de competição... 3 Escalões etários... 3 Generalidades Equipamento...

Regulamento Específico GINÁSTICA DE TRAMPOLINS. Programa de competição... 3 Escalões etários... 3 Generalidades Equipamento... ÍNDICE Programa de competição... 3 Escalões etários... 3 Generalidades... 3 Equipamento... 4 Pontuação... 4 Deveres dos Juízes de Dificuldade... 5 Deveres dos Juízes de Execução... 5 Deduções por execução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Ginástica de Trampolins

Ginástica de Trampolins ÍNDICE 1 Programa de competição... 2 Escalões etários... 2 Generalidades... 3 2 Pontuação... 4 Deveres dos Juízes de Dificuldade... 4 Deveres dos Juízes de Execução... 5 Deduções por execução incorrecta...

Leia mais

Ocupação de Tempos Escolares Clube de Atividades Desportivas

Ocupação de Tempos Escolares Clube de Atividades Desportivas Clube de Atividades Desportivas 96 1. OBJETIVOS GERAIS Proporcionar a prática de atividades desportivas devidamente orientadas e pedagogicamente enquadradas; Enriquecer o reportório motor, técnico e tático

Leia mais

Federação de Ginástica de Portugal Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950

Federação de Ginástica de Portugal Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950 Instituição de Utilidade Pública e Utilidade Pública Desportiva Fundada em: 1950 Filiada na: Federação Internacional de Ginástica (FIG), União Europeia de Ginástica (UEG), União Ibero-Americana de Ginástica

Leia mais

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos

Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica solo/aparelhos 1 Plano de Aula Prof. Est.: Patrícia Sousa Ano / Turma: 9ºD Nº de alunos: 19 (15masc.+4fem.) Hora: 10:20h 11h50 Duração: 90 (72 ) Espaço: Salão Aula Nº: 46 e 47 Data: 14/01/2011 U. Didáctica: Ginástica

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano Letivo 2016/2017 Código da Prova: 26 3º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e prática 1. Objeto de avaliação O presente

Leia mais

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013

Escola Secundária Braamcamp Freire - Pontinha 2012/2013 Plano de Aula Professor: Sandra Cintrão Gonçalves Turma: 7º 2ª Espaço: SG Data: 15/11/2012 Dia: quinta-feira Hora: 8h15 Duração: 90min Nº Aula: 24,25 Unidade Ensino: Etapa: 1 Matérias Abordadas: Ginástica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ZONA URBANA DA FIGUEIRA DA FOZ ESCOLA DO ENSINO BÁSICO DO 2º E 3º CICLOS DR. JOÃO DE BARROS TEMAS/CONTEÚDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ZONA URBANA DA FIGUEIRA DA FOZ ESCOLA DO ENSINO BÁSICO DO 2º E 3º CICLOS DR. JOÃO DE BARROS TEMAS/CONTEÚDOS 2ª Período 1ª Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ZONA URBANA DA FIGUEIRA DA FOZ ESCOLA DO ENSINO BÁSICO DO 2º E 3º CICLOS DR. JOÃO DE BARROS ANO LETIVO 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DOS CONTEÚDOS DA DISCIPLINA:

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 79 e 80 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 6 Instalações: Pavilhão Data: 11-5-2010 Hora: 10h 20m Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS

PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS PROGRAMA DE EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS MASCULINOS Autores: Satoaki Miyake e Esbela da Fonseca Adaptação: Pedro Almeida Junho de 2010 2 Índice Informações gerais. 3 Solo 6 Cavalo de Arções.. 26 Argolas. 42

Leia mais

MANUAL DE GINÁSTICA DE TRAMPOLINS

MANUAL DE GINÁSTICA DE TRAMPOLINS MANUAL DE GINÁSTICA DE TRAMPOLINS 2014-2015 04.Dezembro 2014 MANUAL DE GINÁSTICA DE TRAMPOLINS 2014-2015 1. Plano Anual de Atividades 2014-2015 Competição Escalões/Categorias Obs. Torneio José António

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

TEMAS DE HABILIDADE DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTAL

TEMAS DE HABILIDADE DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTAL TEMAS DE HABILIDADE DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTAL O QUE É ESTABILIDADE? É a capacidade de notar uma alteração em relação as partes do corpo que causa a modificação do equilíbrio do indivíduo e também a capacidade

Leia mais

31ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL

31ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL 31ª OLIARQUI REGULAMENTO GERAL A organização da 31ª OLIARQUI (Olimpíada do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo) está sob a responsabilidade do Setor Esportivo do Núcleo de Atividades Complementares

Leia mais

LIVRO 1 GINÁSTICA AERÓBICA ESPORTIVA

LIVRO 1 GINÁSTICA AERÓBICA ESPORTIVA LIVRO 1 GINÁSTICA AERÓBICA ESPORTIVA É um esporte de performance originado das aulas tradicionais de ginástica aeróbica de academia, porém os ginastas exibem coreografias artísticas combinadas com habilidades

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TRAMPOLINS (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO)

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TRAMPOLINS (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO) REGULAMENTO ESPECÍFICO DE TRAMPOLINS (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO) 2007-2008 e 2008-2009 ÍNDICE 1. NOTAS PRÉVIAS Pág. 03 2. ESTRUTURA TÉCNICA DAS COMPETIÇÕES Pág. 04 3. AVALIAÇÃO DOS EXERCÍCIOS (SALTOS) Pág. 06

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais