PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII"

Transcrição

1 PROPOSTA DE ESTATUTO DA NAPA CPII ESTATTUTO DA NOVA ASSOCIAÇÃO DE PAIS, MÃES E RESPONSÁVEIS DE ALUNOS E ALUNAS DO COLÉGIO PEDRO II -CAMPI SÃO CRISTÓVÃO - NAPA CPII CAPÍTULOI Da Denominação, da Natureza,da Sede e das Finalidades da Associação Artigo 1º. -A Nova Associação de Pais, Mães e Responsáveis de Alunos e Alunas do Colégio Pedro II dos Campi São Cristóvão-NAPACPII, fundada em, com sede e foro na Cidade do Rio de Janeiro (RJ), doravante chamada apenas NAPA CPII, é uma Sociedade Civil, beneficente, sem fins lucrativos, direito privado e laica situada no Campo de São Cristóvão nº 177, na mesma cidade. Artigo2º. - São finalidades da NAPA CPII : a. - promover a mais estreita cooperação entre as famílias dos educandos, entre essas e o Colégio, estimulando uma atmosfera de solidariedade, amizade e compreensão; b. - defender os interesses dos alunos, relacionados com a escola,representandoos e/ou assistindo-os quando e onde for necessário; c. - cobrar dos poderes Públicos, em específico da União, responsabilidade financeira plena no sentido de atender aos princípios da Escola Pública, de um ensino gratuito, democrático, laico e de qualidade; d. - promover o estabelecimento de relações com outras associações similares ou suas estruturas representativas, visando a representação dos seus interesses junto ao Ministério Educação; e. -contribuir por todos os meios ao seu alcance para que os Pais, Mães e Responsáveis possam cumprir integralmente a sua missão de educadores; f. - contribuir e propugnar por um Projeto Político Pedagógico do CPII que respeite e promova os valores fundamentais da pessoa humana. Artigo 3º. - Para a consecução de seus objetivos, a NAPA CPII poderá praticar os atos jurídicos na forma da lei que define o seu regime jurídico. CAPÍTULO II Da Composição, dos Direitos e dos deveres dos Associados /Associadas

2 Artigo 4º. - São associados da NAPA-CPII, os Pais,Mães e/ou Responsáveis legais dos alunos e alunas matriculados nos Campi São Cristóvão (Campus I, Campus II e Campus III), que voluntariamente se inscrevam na Associação, mediante apresentação de documento comprobatório, agenda ou caderneta escolar do aluno do ano em curso e documento oficial de identidade com foto do responsável Artigo 5º. -DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/DAS ASSOCIADAS 1- Constituem direitos dos Associados/Associadas: a. Participar das Assembleias Gerais, votar e ser votado; b. Requerer, em lista de assinaturas de pelo menos 30% (trinta por cento) dos sócios, na forma estatutária a convocação de Assembleia Geral Extraordinária, cujo requerimento deverá se apoiar em pauta de discussão específica e de caráter urgente; c. Examinar qualquer documento dos órgãos da NAPA-CPII; d. Apresentar à Assembleia Geral e ao Conselho Executivo sugestões, indicações e propostas relacionadas com os objetivos da NAPA-CPII; e. Utilizar apoio e o acompanhamento da NAPA-CPII para resolução dos problemas relativos aos seus filhos, dentro do âmbito definido no inciso b, Artigo 2º, Capítulo I; f. Serem mantidos informados de todas as atividades da NAPA-CPII pelos canais eletrônicos de divulgação da Associação. 2- Constituem deveres dos Associados/associadas a. Cumprir o presente estatuto; b. Cooperar nas atividades da NAPA-CPII; c. Exercer, com zelo e diligência, os cargos para que forem eleitos; d. Contribuir anualmente com a taxa de manutenção da NAPA-CPII. 3- Perdem a qualidade de associados a. Os pais, mães e responsáveis cujos filhos deixem de estar matriculados no CPII; b. Os que o solicitarem por escrito; c. Os que infringirem o que se encontra estabelecido nos presente estatuto, mediante a deliberação em Assembleia dos Associados. Da Estrutura da NAPACPII CAPÍTULO III Artigo 6º. - Fazem parte da Estrutura da NAPACPII:

3 a. ASSEMBLEIA GERAL b. CONSELHO EXECUTIVO c. CONSELHO FISCAL d. COMISSÕES EXECUTIVAS (NÃO PERMANENTES) Artigo 7º. - DA ASSEMBLEIA GERAL a. A Assembleia Geral é o Órgão máximo da NAPA-CPII e é constituída por todos os Associados/Associadas; Parágrafo Único: A Assembleia Geral é presidida pelos Membros do Conselho Executivo da NAPA-CPII. b. A participação dos Associados nas votações das Assembleias e eleição de Diretoria está vinculado ao pagamento da contribuição de anual. Artigo 8º. Compete à Assembleia Geral: a. Eleger, em votação secreta,os membros do Conselho Executivo e Conselho Fiscal; b. Decidir sobre a dissolução da NAPA-CPII; c. Deliberar sobre as modificações do presente Estatuto, mediante o voto de 2/3 (dois terços) dos associados presentes em Assembleia Geral convocada especialmente para este fim; d. Deliberar sobre matéria que motivem sua convocação; Artigo 9º.- A Assembleia Geral reúne-se: a. A Assembleia Geral se reunirá em Sessão Ordinária uma vez ao ano; b. As Assembleias Gerais Ordinárias serão convocadas pelo Conselho Executivo, até 30 dias após o início do ano letivo e deverá ser realizada, respeitado o prazo de 20 dias entre a sua convocação e realização; c. O direito à convocação de Assembleias Extraordinárias poderá ser exercido por qualquer associado,desde que a convocação seja subscrita por no mínimo 30% dos associados ou de pelo menos 3(três) membros do Conselho Executivo Artigo 10º. - DO CONSELHO EXECUTIVO a. O Conselho Executivo é formado por 5 (cinco) membros: - 3 (três) COORDENADORES GERAIS; - 1 (um) SECRETÁRIO Geral e; - 1 (um) TESOUREIRO.

4 b. Somente poderão participar de eleições aos cargos do Conselho Executivo e Fiscalos pais/mães/responsáveis cujos filhos estejam matriculados até a 2ª.série do Ensino Médio no ano de sua eleição. c. O Conselho Executivo é eleito em Assembleia Geral Ordinária mediante apresentação de chapas; d. O Conselho Executivo terá mandato de 2 anos, com direito a reeleição de seus membros individualmente; e. A cada eleição o Conselho Executivo fará a sua convocação por meio de Edital específico, onde constarão as regras para Eleição do Conselho Executivo e Fiscal, que servirão com regra além das que compõe o presente Estatuto; f. Em caso de saída de um dos membros do Conselho Executivo, as funções deste serão exercidas pelos demais membros do Conselho Executivo, até a indicação de outro nome, em Assembleia. g. Em caso de saída de 2 ou mais membros Coordenadores do Conselheiro Executivo, será convocada Assembleia, no prazo máximo de 30 dias. Artigo 11º.- Compete aos Coordenadores Gerais: a. Administrar a NAPA-CPII; b. Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; c. Convocar e presidir as Reuniões da Assembleia Geral e Conselho Executivo; d. Rubricar os livros da Secretaria e da Tesouraria; e. Gerir, auxiliado pelo Secretário e Tesoureiro, os fundos da NAPA-CPII, autorizando despesas e ordenando pagamentos; f. Assinar, com o Tesoureiro, os valores representativos de bens, direitos e obrigações da NAPA-CPII; g. Elaborar e supervisionar o programa anual de trabalho; h. Apresentar à Assembleia Geral o relatório anual das atividades realizadas; i. Representar a NAPA-CPII em Juízo e em qualquer outro órgão oficial ou particular. Artigo 12º.- Compete ao Secretário Geral: a. Substituir eventualmente os Coordenadores Gerais; b. Manter em dia o fichário dos sócios e os arquivos da NAPA-CPII; c. Lavrar em livro competente as atas das reuniões do Conselho Executivo e da Assembleia Geral. Artigo 13º.- Compete ao Tesoureiro: a. Superintender os serviços de arrecadação; b. Zelar para que estejam em dia os serviços de contabilidade e de escrituração dos recebidos;

5 c. Zelar pela guarda dos valores e dos livros de escrituração; d. Assinar, com os Coordenadores Gerais, os valores representativos de bens, direitos e obrigações da NAPA-CPII, na forma do inciso inciso f, Artigo 11, Capítulo III e. Apresentar aos Coordenadores Gerais balancete semestrais e, no fim de cada anos financeiro, o balanço geral. Artigo 14º. - DO CONSELHO FISCAL a. O Conselho Fiscal é integrado por 3 membros; b. Compete ao Conselho Fiscal apreciar as contas da Associação através dos relatórios contábeis apresentados pelo Conselho Executivo, emitindo parecer conclusivo e julgamento das contas ao final de cada exercício anual; c. Examinar, a qualquer tempo, a escrituração contábil dos fundos da NAPA CPII, relatórios e documentos contábeis de movimentação financeira; d. O CONSELHO FISCAL é eleito em Assembleia Geral Ordinária, obedecendo os mesmos critérios eleitorais de escolha do Conselho Executivo; e. Somente poderão participar dos cargos, os pais/mães/responsáveis cujos filhos estejam matriculados até a 2ª série do Ensino Médio. Artigo 15º. - DAS COMISSÕES EXECUTIVAS NÃO PERMANENTES a. As Comissões Executivas não Permanentes serão formadas para tratamento de temas específicos, nomeadas em Assembleias ou pelo Conselho Executivo, com finalidade própria e obrigatoriedade de, ao final,apresentar relatório contendo o que foi analisado e os possíveis andamentos e/ou soluções para o tema; b. O prazo de duração dos trabalhos das Comissões não Permanentes, serão definidos na sua convocação e poderão ser prorrogados, por até uma vez, pela Comissão Executiva Permanente; c. Será composta por qualquer membro da Associação; d. Terá o número mínimo de 3 associados e o número máximo de 10 associados. CAPÍTULO IV Do Patrimônio, Receitas e Despesas Artigo 16º. - O Patrimônio da NAPACPII é constituído pelos bens móveis e imóveis, das contribuições dos associados/associadas, das compras, das doações e dos produtos de campanhas e/ou projeto que participar ou promover.

6 Parágrafo Único: No caso de dissolução da NAPA-CPII, o patrimônio da Associação será automaticamente incorporado ao Patrimônio do Colégio Pedro II- Campi São Cristóvão. Artigo 17º. Constitui receita da NAPACPII a. As contribuições anuais dos associados/associadas, cujo valor será decidido em Assembleia e terá caráter obrigatório; b. Os donativos; c. O produto de festas e/ou atividades promovidas ou que NAPA-CPII venha participar. Parágrafo 1º - A direção terá autonomia para promover campanhas de arrecadação financeira. Parágrafo 2º. - A prestação de contas da NAPA-CPII será feita sempre na 1ªAssembleia Ordinária do ano subsequente ou se convocada Assembleia Extraordinária com esse fim. CAPÍTULO V Das Disposições Gerais Artigo 18º. - O Ano Social da NAPACPII inicia em e termina em. Artigo 19º.- Os membros NAPACPII exercerão seus cargos sem qualquer tipo de remuneração. Artigo 20º. Os Membros e cessantes dos diferentes órgãos da NAPACPII mantêm-se no exercício das funções até a tomada de posse dos novos membros.

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 23 de setembro de 2016 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ES- COLA DA AJUDA

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Maria Keil Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação da

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo

Leia mais

APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO.

APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO. APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO. Estatutos CAPÍTULO I Denominação, natureza, sede e objetivos ARTIGO 1.º Denominação Os

Leia mais

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais

Leia mais

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade TÍTULO I Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade Art. 1º - A Associação de Pais de Mestres fundada em 11 de junho de 1958, com sede na Rua Cristóvão Colombo, 366 em Santa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I. REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE Capítulo I Dos sócios Art.º 1º - São direitos dos sócios: a) Participar nas Assembleias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DA AGRONOMIA 2016 ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - O Diretório Acadêmico do curso de Agronomia das Faculdades

Leia mais

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO ESTATUTOS (com as alterações aprovadas pelo Conselho Geral de 21 de Setembro de 1998) Artigo 1º Denominação É constituída uma associação sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA MANUEL ANTÓNIO PINA Capítulo I Da Denominação, Objeto, Natureza, Sede, e Fins Artigo 1º - Denominação A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CHAPECÓ GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO LIVRE ESTUDANTIL ESTATUTO APROVADO EM 18 DE JUNHO DE 2012 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração.

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal.

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Capítulo III Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais Artigo 16º. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Artigo 17º. O exercício de qualquer cargo nos corpos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º (Denominação e Duração) Os presentes estatutos regulam a Associação

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA CAPITULO I Da Natureza, Denominação, Sede, Finalidade Artigo 1º A Fundação Eduardo Carlos Pereira, dotada e organizada pela Igreja Presbiteriana Independente do

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA

NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA NÚCLEO DE ESTUDOS EM LINGUAGENS, LEITURA E ESCRITA CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA SEDE E DOS OBJETIVOS Art. 1 O Núcleo de Estudos em Linguagens, Leitura e Escrita, também identificado pela sigla NELLE, entidade

Leia mais

DAS RESPONSABILIDADES ESTATUTÁRIAS E REGIME DE COMPETÊNCIA

DAS RESPONSABILIDADES ESTATUTÁRIAS E REGIME DE COMPETÊNCIA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA JUSTIFICATIVA 1-Diante dos deveres e prerrogativas previstos no Estatuto da Assefacre o Presidente da Associação dos Servidores da Secretaria da Fazenda e Coordenação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES (AEL) DA ESCOLA DE APLICAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES (AEL) DA ESCOLA DE APLICAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES (AEL) DA ESCOLA DE APLICAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres

Leia mais

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação A APMC - Sindicato dos Trabalhadores em Educação é a entidade responsável pela defesa de todos

Leia mais

Prazo para as inscrições: 06 de janeiro de 2017 a 25 de janeiro de 2017.

Prazo para as inscrições: 06 de janeiro de 2017 a 25 de janeiro de 2017. Documento Orientador para a inscrição das chapas candidatas aos cargos da Diretoria Executiva (mandato 2017 2019) e aos Conselhos Fiscal e Deliberativo Atendendo ao que dispõe o Estatuto Social e o Regimento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E FUNCIONÁRIOS DA CRECHE / PRÉ ESCOLA CENTRAL - APEF

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E FUNCIONÁRIOS DA CRECHE / PRÉ ESCOLA CENTRAL - APEF ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E FUNCIONÁRIOS DA CRECHE / PRÉ ESCOLA CENTRAL - APEF CONSOLIDAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Funcionários

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

ESTATUTOS EUTIMIA ALIANÇA EUROPEIA CONTRA A DEPRESSÃO EM PORTUGAL (EAAD.PT) Capítulo I A ASSOCIAÇÃO Artigo 1º (denominação, sede e duração) A

ESTATUTOS EUTIMIA ALIANÇA EUROPEIA CONTRA A DEPRESSÃO EM PORTUGAL (EAAD.PT) Capítulo I A ASSOCIAÇÃO Artigo 1º (denominação, sede e duração) A ESTATUTOS EUTIMIA ALIANÇA EUROPEIA CONTRA A DEPRESSÃO EM PORTUGAL (EAAD.PT) Capítulo I A ASSOCIAÇÃO Artigo 1º (denominação, sede e duração) A Associação adota a denominação EUTIMIA - Aliança Europeia Contra

Leia mais

Instituto Dignidade de Valorização da Vida

Instituto Dignidade de Valorização da Vida ESTATUTO da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público INSTITUTO DIGNIDADE DE VALORIZAÇÃO DA VIDA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Instituto Dignidade de Valorização da Vida,

Leia mais

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba

Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Estatuto do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade do Vale do Paraíba Capítulo I: Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito Artigo 1 Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito (D.A

Leia mais

estabelecimento; e) viabilizar assistência ao reeducando e à sua família, com ou sem participação de outras pessoas ou instituições; f) estimular a

estabelecimento; e) viabilizar assistência ao reeducando e à sua família, com ou sem participação de outras pessoas ou instituições; f) estimular a ESTADO DE SERGIPE ESTATUTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE NA EXECUÇÃO PENAL COM ATUAÇÃO PERANTE A VARA DE EXECUÇÕES CRIMINAIS E CORREGEDORIA DOS PRESÍDIOS DO ESTADO DE SERGIPE Capítulo I - Da Composição e Finalidades

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS O presente Regulamento desta Associação destina-se a complementar os Estatutos, definindo e concretizando alguns preceitos ali contidos e outros não

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC é uma associação civil,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUANDOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I - DA FINALIDADE E DA DEFINIÇÃO Artigo 1º - A Associação de Pós-graduandos da Universidade de Brasília, fundada em 06 de julho

Leia mais

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º

Artigo 1 Parágrafo 1º Parágrafo 2 Parágrafo 3º Parágrafo 4º Artigo 2 - Artigo 3º Artigo 4º Artigo 5 Artigo 6 Artigo 7 Parágrafo 1 Parágrafo 2º Capítulo I Do Centro e seus Fins Artigo 1 O Centro Acadêmico Visconde de Cairu é associação civil sem fins lucrativos de duração indeterminada, fundado no dia 19 de junho de 1946, sem filiação político-partidária,

Leia mais

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.O INSTITUTO/ASSOCIAÇÃO XXXXXXXXXXXXX, também designado pela sigla XXX, fundado em do mês de do

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013)

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO IFSC CÂMPUS ARARANGUÁ (Aprovado em Assembleia Geral realizada no dia 25 de setembro de 2013) CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração Art.1 - O Grêmio Estudantil

Leia mais

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade.

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade. ESTATUTO / ATA DE FUNDAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS Para criar uma Associação de Amigos de seu Município, que é a nossa recomendação para atuar economicamente no Programa As Minas Gerais, você poderá

Leia mais

GRÊMIO ESTUDANTIL FARROUPILHA DO COLÉGIO FARROUPILHA ESTATUTO DO GEF

GRÊMIO ESTUDANTIL FARROUPILHA DO COLÉGIO FARROUPILHA ESTATUTO DO GEF GRÊMIO ESTUDANTIL FARROUPILHA DO COLÉGIO FARROUPILHA ESTATUTO DO GEF CAPÍTULO I DENOMINAÇÕES E FINALIDADES Art. 1- O Grêmio Estudantil Farroupilha (GEF) é uma entidade formada por todos os alunos do Colégio

Leia mais

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL, com

Leia mais

Anexo I Ata da Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária 02 de Março de 2017. ESTATUTO SOCIAL Índice Capítulo I Denominação, Sede, Fins e Regência 2 Capítulo II Associados 3 Capítulo III Governo, Administração

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE CAPÍTULO I: DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ARTIGO 1º Denominação e duração A Associação dos Amigos do Templo da Humanidade é uma associação

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL. Art. 2 - A sede e foro da UBEA é na Av. Ipiranga, 6681, em Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul.

ESTATUTO TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL. Art. 2 - A sede e foro da UBEA é na Av. Ipiranga, 6681, em Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul. ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL Art. 1 - A UNIÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA, doravante denominada pela sigla UBEA, fundada em 11 de setembro de 1963,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E EDUCADORES DA CRECHE CAROCHINHA (APECC) COSEAS USP- RIBEIRÃO PRETO CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E EDUCADORES DA CRECHE CAROCHINHA (APECC) COSEAS USP- RIBEIRÃO PRETO CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E EDUCADORES DA CRECHE CAROCHINHA (APECC) COSEAS USP- RIBEIRÃO PRETO CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da APECC Seção I Da Instituição Artigo 1º A Associação

Leia mais

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL São Paulo SP ESTATUTO CAPÍTULO I - DA FEDERAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º - A FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL, também designada pela sigla FPFDV,

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO,. I. DA CARACTERIZAÇÃO, DA DURAÇÃO E DA SEDE Art. 1º. A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo, constituída

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE 1. É constituído o Clube de Campo da Aroeira, que se rege pelas disposições

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração.

Estatuto do Grêmio. Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Estatuto do Grêmio Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Art.1º- O grêmio estudantil do Colégio Elvira Brandão fundado em 2005 funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DAS FINALIDADES

Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DAS FINALIDADES Regimento Interno da ESCOLA NOTARIAL E REGISTRAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ENORES, instituída pelo Sindicato dos Notários e Registradores do Espírito Santo SINOREG-ES, Associação dos Notários e Registradores

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE JOVENS ADVOGADOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO -- AASP Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Comissão de Jovens Advogados da Associação

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas;

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas; RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/077/2015. Aprova o Estatuto do Conselho Escolar da Escola Agrotécnica do Cajueiro no Campus IV da UEPB, e dá outras providências. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE)

Leia mais

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos

ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG. CAPÍTULO I Da denominação, Sede e Objetivos ESTATUTO Grêmio Estudantil CCMASG O presente estatuto tem como objetivo estabelecer as normas sob as quais o Grêmio vai funcionar, explicando como serão as eleições, a composição da Diretoria, como a entidade

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 ESCOLA TÉCNCA DO VALE DO TAJAÍ ETEV Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 GRÊMO ESTUDANTL ETEV CAPÍTULO 1 Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1 o - O Grêmio Estudantil da ETEV, assim denominado,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE No mundo da globalização com todos os desafios que são colocados ao mundo do trabalho, as organizações sindicais do sector

Leia mais

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º. A Associação Paulista de Saúde Pública, APSP, fundada em 15 de dezembro de 1972, Sociedade Civil, sem fins

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) 15 de Fevereiro de 2013 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 - A Associação

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO SOCEDADE BRASLERA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTCA REGONAL DO ESTADO DO RO GRANDE DO SUL REGMENTO NTERNO CAPTULO Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art. 1º A Diretoria Regional do Estado do Rio Grande do Sul

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO SCALABRINIANO NOSSA SENHORA MEDIANEIRA CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO SCALABRINIANO NOSSA SENHORA MEDIANEIRA CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO SCALABRINIANO NOSSA SENHORA MEDIANEIRA CAPÍTULO I Da instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres. Seção I Da instituição Artigo

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

CAPÍTULO I. III - manter intercâmbio com sindicatos congêneres, sobre assuntos pertinentes às suas finalidades;

CAPÍTULO I. III - manter intercâmbio com sindicatos congêneres, sobre assuntos pertinentes às suas finalidades; CAPÍTULO I Denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O SINDICATO DOS AGENTES FISCAIS DE RENDAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - SINAFRESP, designado neste Estatuto

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação 1.A Associação de Pais e

Leia mais

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Maio de 2004 CAPÍTULO I Artigo 1º NATUREZA E SEDE 1. A Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau-RENARC procura contribuir para

Leia mais

Regimento da Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional Paraná - SBEM-PR CAPÍTULO I

Regimento da Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional Paraná - SBEM-PR CAPÍTULO I Regimento da Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional Paraná - SBEM-PR CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS Fundada em 13 de julho de 1985 CNPJ 21.943.618/0001-65 IE: isenta www.classica.org.br coorinfeu@classica.org.br ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSSICOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. A Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO

ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE Artigo Primeiro A AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO é uma Associação civil, pessoa jurídica de direito privado, constituída

Leia mais

ESTATUTO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

ESTATUTO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) ESTATUTO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN) é uma sociedade civil, de caráter

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA CIVIL

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Centro Acadêmico de Engenharia Civil ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA CIVIL Ouro Branco, Minas Gerais. Capítulo I DA SOCIEDADE E SEUS FINS (Art.54, I

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Capítulo I Natureza, Sede e Objecto Artigo 1º 1. È constituída com duração ilimitada a associação

Leia mais

Estatuto da APG-UFSC

Estatuto da APG-UFSC Estatuto da APG-UFSC Discutido, alterado e aprovado em assembléia geral da APG-UFSC em 18/10/1986 Capítulo 1 DA DEFINIÇÃO Art. 1º A Associação de Pós-Graduandos da Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e ESTATUTOS DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA CAPÍTULO I (DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO OBJECTIVOS) excursões e viagens. c) Organização de festas tradicionais

Leia mais

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1º A associação de pais e encarregados de

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CÂMPUS OSÓRIO

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CÂMPUS OSÓRIO ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CÂMPUS OSÓRIO CAPÍTULO I TÍTULO I DA DENOMINAÇAÇÃO, SEDE E OBJETIVOS Art. 1 O Grêmio Estudantil dos Cursos Técnicos Integrados do Campus Osório é o órgão de representação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES. CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres. SEÇÃO I Da Instituição

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES. CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres. SEÇÃO I Da Instituição ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO I Da Instituição Art. 1º A Associação de Pais e Mestres do (da)..., fundada

Leia mais

Estatutos do CEAA homologados em

Estatutos do CEAA homologados em CENTRO DE ESTUDOS ARNALDO ARAÚJO ESTATUTOS I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Denominação, natureza e duração 1. O Centro de Estudos denomina-se Centro de Estudos Arnaldo Araújo, de seguida designado por CEAA

Leia mais

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor.

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor. ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1.º Sob a designação de "Associação de Desenvolvimento das Encostas da Fonte Santa" é constituída uma Associação para o desenvolvimento local e regional, por tempo indeterminado.

Leia mais

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS

Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química UFVJM Ato Institutivo 17 de Abril de 2013, institui-se o Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Química (CA-ENQ) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha

Leia mais

Parágrafo 3º - O Movimento Pró-Criança aplica as subvenções e doações recebidas nas finalidades a que estejam vinculadas.

Parágrafo 3º - O Movimento Pró-Criança aplica as subvenções e doações recebidas nas finalidades a que estejam vinculadas. Capítulo Primeiro DA NATUREZA, FINALIDADE E SEDE Art. 1 - O Movimento Pró-Criança (MCP) é uma Associação de fiéis da Igreja Católica, Apostólica, Romana, erigida pelo Arcebispo de Olinda e Recife, na data

Leia mais