PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: 3º DEPARTAMENTO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE DISCIPLINA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: 3º DEPARTAMENTO:"

Transcrição

1 DISCIPLINA: Fisiologia Aplicada à Enfermagem CÓDIGO: FIB028 COORDENADOR: COLEGIADO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA VERSÃO CURRICULAR: 2014/2 PERÍODO: 3º DEPARTAMENTO: PRÉ-REQUISITOS Anatomia Aplicada à Enfermagem Citologia e Histologia Aplicada à Enfermagem Biofísica CLASSIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: ( x ) Obrigatória ( ) Optativa N o de vagas: EMENTA Estudo das funções normais de órgãos e sistemas humanos OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS O METODOLOGIA AVALIAÇÃO Provas, relatórios. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I - TEÓRICO: 1- Sistema Nervoso 1.1.Transmissão sináptica: - Características das membranas pré e pós-sináptica Mediadores químicos: tipos, mecanismo de liberação, destino

2 Potenciais pós sinápticos: PPSE e PPSI Inibição e facilitação nas sinapses Transmissão neuro-muscular 1.2. Fisiologia dos receptores sensoriais: - Definição de receptor e órgão do sentido Modalidade dos sentidos Eventos elétricos e iônicos nos receptores: potencial gerador potencial de ação relação entre intensidade de estímulos e intensidade de potencial gerador relação entre intensidade do estímulo de frequência de potenciais de ação - Adaptação de receptores 1.3. Fisiologia do músculo esquelético: Características do sistema sarcotubular Sistema contrátil da fibra esquelética miosina, actina, tropomiosina e troponina Lei do tudo-ou-nada aplicada ao músculo esquelético Abalo muscular: período latente escala de contrações Contrações isotônicas e isométricas Somação das contrações Tetanias Contração muscular no organismo vivo 1.4. Fisiologia do músculo liso: Tipos de músculo liso Pontes de baixa resistência inter-membrana Influência hormonal no potencial de membrana Plasticidade do músculo liso 1.5. Fisiologia dos reflexos: Arco reflexo Reflexos mono-sinápticos (miotático) Fuso muscular Efeitos de descargas eferentes nos neurônios gama

3 Reflexos bi-sinápticos (miotático-inverso) Órgão tendinoso de Golgi Limiar de excitabilidade e fibras elásticas em série Reflexos poli-sinápticos (reflexo de retirada) Características dos circuitos poli-sinápticos e reverberantes Pós descargas Respostas de flexão, extensão cruzada e irradiação Propriedades gerais dos reflexos 1.6. Fisiologia da medula espinhal: Função de integração reflexa Função de condução Principais vias eferentes e tratos 1.7. Fisiologia dos Núcleos da Base: Funções Transtornos do movimento associado às lesões 1.8. Influência do sistema vestibular na postura e no movimento: Funções da mácula Funções das cristas ampulares 1.9. Fisiologia do cerebelo: Divisão fisiológica do cerebelo e funções Características das conexões cerebelares com o restante do SNC Áreas sensitivas Controles de movimento pelo cerebelo Controle de erros Amortecimento Previsão Fisiologia do sistema nervoso autônomo Organização anatômica das vias eferentes Mediadores químicos nas sinapses autônomas Características gerais das respostas nos efetuadores viscerais Centros de integração Bulbo: controle de respiração controle de frequência cardíaca

4 controle da pressão arterial outros reflexos Hipotálamo: relação com hipófise controle da sede controle da ingestão de alimentos controle da temperatura 2- Sistema cardiovascular: 2.1. Princípios biofísicos da circulação: Hemodinâmica, relação entre pressão, fluxo e resistência. Equação de Laplace Equação de Poiseuille 2.2. Fisiologia cardíaca: Propriedades fisiológicas do músculo cardíaco Automatismo (cronotropismo), batmotropismo, dromotropismo, inotropismo Ciclo cardíaco: Bulhas cardíacas: mecanismo de formação e características da 1a., 2a., 3a.e 4a. bulhas; focos de ausculta cardíaca. Regulação da atividade cardíaca: volumes cardíacos, débito cardíaco, auto-regulação de frequência homeométrica e heterométrica (Lei de Franck Starling), regulação extrínseca (nervosa e humoral) Insuficiência cardíaca 2.3. Eletrofisiologia do miocárdio e ECG: Potencial de ação Teoria do dipolo. Vetores Derivações eletrocardiográficas; bipolares; unipolares dos membros e precordiais ECG humano Arritmias cardíacas 2.4. Circulação nas artérias, capilares e veias. Circulação nas artérias, pressão arterial sistólica e diastólica, pressão arterial diferencial e média. Fatores que influenciam na pressão sanguínea: idade, sexo, peso, etnia, postura e exercício. Circulação nos capilares. Pressão capilar. Velocidade de fluxo. Circulação nas veias; fatores determinantes do retorno venoso. Pressão venosa. Pulso venoso. Regulação do tônus das arteríolas e vênulas pelo sistema simpático. Circulação linfática. Edema

5 2.5. Regulação das pressões arterial e venosa: Pressão arterial COLEGIADO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Regulação neural; pressorreceptores e quimiorreceptores Regulação humoral: adrenalina, noradrenalina, angiotensina, serotonina, histamina, vasopressina, bradicinina e prostaglandinas. Hipertensão arterial e choque 3. Sistema Respiratório 3.1. Princípios biofísicos da respiração Lei de Boyle - Mariotte Lei de Dalton Tensão superficial e surfactante Efeito Haldane 3.2. Funções pulmonares e mecânica respiratória: Respiração externa e interna Mecânica respiratória: caixa torácica, pulmões, músculos da respiração, movimentos respiratórios e pressões respiratórias (intrapleurais e intrapulmonares) Espaço morto anatômico e fisiológico Volumes e capacidades pulmonares: volume corrente, volume de reserva inspiratória, volume de reserva expiratória, volume residual, capacidade vital, capacidade pulmonar total e capacidade máxima ventilatória (ou ventilação voluntária máxima), ventilação pulmonar (ou total) e ventilação alveolar. Complacência ( compliância ) 3.3. Controle neural e humoral dos movimentos respiratórios: Receptores, vias aferentes, centros, vias eferentes, efetuadores Controle químico da respiração PCO2, PO2 e ph. Pressões parciais de O 2 e CO 2 Mediadores químicos Controle de respiração 3.4. Outros reflexos (proprioceptores, receptores cardíacos, pressorreceptores) 3.5. Variações da respiração normal: Hipóxias Hipercapnia Asfixia Cianose Acidoses e Alcaloses

6 4. Sistema renal: 4.1.Formação de urina: Unidade funcional do rim Forças responsáveis pela filtração glomerular Composição do filtrado glomerular Reabsorção tubular Secreção tubular 4.2. Clearance: CONCEITO Determinação do rítmo de filtração glomerular Determinação do fluxo plasmático renal Determinação do fluxo sanguíneo renal COLEGIADO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Cálculo da quantidade excretada, filtrada, reabsorvida e secretada de uma substância Regulação de pressão osmótica dos líquidos do organismo: Mecanismo e controle da reabsorção de água nos diversos segmentos do néfron Excreção de urina mais concentrada ou mais diluída do que o plasma Clearance osmolar e clearance de água livre 4.4. Regulação do volume extracelular: Controle de quantidade filtrada de sódio Controle de quantidade reabsorvida de sódio nos diversos segmentos do nefron 4.5.Regulação do ph: Secreção tubular de hidrogênio Excreção de bicarbonato Excreção de amônia Acidez titulável da urina Participação do rim no equilíbrio ácido-base 4.6. Micção 5. Sistema Digestivo: 5.1. Introdução: Conceito de alimento e de digestão Inervação do tubo digestivo Características da parede do tubo digestivo 5.2. Atividade motora do tubo digestivo: Mastigação: dentes, articulação têmporo-mandibular, músculos mastigadores Deglutição: fase bucal, fase faringeana, fase esofageana

7 Motilidade gástrica: armazenamento, mistura e esvaziamento Controle nervoso e humoral Reflexo do vômito Motilidade do intestino delgado: movimentos de mistura e propulsão; controles nervoso e humoral Motilidade do intestino grosso: movimentos de mistura e propulsão; controles nervoso e humoral. Defecação 5.3. Atividade secretora do tubo digestivo: Funções, controle e composição das secrecões: salivar gástrica pancreática intestinal biliar 5.4. Digestão e absorção Carboidratos Lípides Proteínas Sais minerais e água Vitaminas 6.Sistema Endócrino e Reprodutor 6.1.Fisiologia da hipófise: Morfologia: adeno-hipósise relação com o hipotálamo funções dos hormônios controle de secreção Fisiologia do crescimento: fatores: genéticos, extrínsecos e hormonais efeito específico do hormônio do crescimento (GH ou STH) neuro-hipófise relação com hipotálamo funções dos hormônios

8 controle de secreção fisiopatologia do eixo hipotálamo-hipófise 6.2.Fisiologia do Pâncreas Endócrino: Morfologia: insulina secreção e controle funções metabólicas fisiopatologia glucagon secreção e controle funções 6.3. Fisiologia das adrenais Morfologia: córtex adrenal hormônios funções controle de secreção fisiopatologia medula adrenal hormônios funções controle de secreção 6.4. Fisiologia da tireóide: Morfologia: Síntese dos hormônios tireoideanos (T3 e T4) Funções do T3 e T4 Controle de secreção Fisiopatologia 6.5. Fisiologia da paratireóide e do metabolismo do cálcio: Importância fisiológica do cálcio Morfologia da paratireóide Funções do paratormônio (PTH)

9 Controle de secreção Funcões da calcitonina (CT ou TCT) Controle de secreção Fisiopatologia 6.6. Fisiologia do sistema reprodutor feminino: Morfologia Integração hipotálamo - hipófise - ovário Hormônios ovarianos Funções Controle de secreção 6.7. Fisiologia do sistema reprodutor masculino: Morfologia Integração hipotálamo - hipófise - testículo Hormônio testicular Funções Controle de secreção Glândulas anexas Funções 6.8. Fisiologia da gravidez, parto e lactação II - PRÁTICA: 1. Preparação neuro-muscular - excitabilidade do nervo-músculo com diferentes estímulos. 2. Contrações no músculo esquelético limiar, escala de contrações, soma de estíulos sub-limiares, somação e tetania. 3. Ações reflexas no sapo, remoção sucessiva de porções do neuro-eixo e seus efeitos na postura e movimento. Ações reflexas no homem e labirinto de cobaia. 4. Cardiograma de suspensão, ação do nervo vago. 5. Eletrocardiograma e fonocardiograma. 6. Medida da pressão arterial e estudo do pulso e ausculta cardíaca no homem 7. Pneumografia no homem. 8. Diurese hídrica e salina em ratos. Efeito do hormônio antidiurético. 9. Motilidade intestinal in vitro e in situ. Castração e terapêutica substitutiva em ratos machos e fêmeas REFERÊNCIAS

10 1 - BIOFÍSICA BÁSICA - IBRAHIM FELIPE HENEINE -LIVRARIA ATHENEU, 1999, 3 ª reimpressão 2- TRATADO DE FISIOLOGIA MÉDICA - GUYTON, A. C. - EDITORA GUANABARA KOOGAN S.A., 10 ª ed., FISIOLOGIA HUMANA - SCHAUFF, C.& MOFFETT & MOFFETT, S. - GUANABARA-KOOGAN, RIO DE JANEIRO, FISIOLOGIA - MARGARIDA DE MELLO AIRES-GUANABARA-KOOGAN, RIO DE JANEIRO, 2 ª ed, 1999 edição nova 5- FISIOLOGIA - BERNE, R.M. E LEVY M.N. - GUANABARA-KOOGAN RIO DE JANEIRO, 4 a. ed., FISIOLOGIA - MARGARIDA DE MELLO AIRES-GUANABARA-KOOGAN, RIO DE JANEIRO, 2 a. ed., FÍSICA P/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E BIOMÉDICAS - - BIOFÍSICA BÁSICA - IBRAHIM FELIPE HENEINE - LIVRARIA ATHENEU, 1999, 3 ª reimpressão

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FISIOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC108 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Departamento / Setor Departamento de Ciências Fisiológicas Nome da Disciplina FISIOLOGIA HUMANA E

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: FISIOLOGIA GRADE: MATRIZ CURRICULAR: BACHARELADO E LICENCIATURA RESOLUÇÃO CEPEC Nº

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 407 FISIOLOGIA HUMANA -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FISIOLOGIA HUMANA Período 2º PROFESSOR (a) Alexandre Batista

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica Professor: Rafaell Batista Pereira E-mail: rafaell.pereira@fasete.edu.br Código: Carga Horária:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA N O DE HORAS-AULA SEMANAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: Odontologia/ Nutrição 2º SEMESTRE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: Odontologia/ Nutrição 2º SEMESTRE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: / 2º SEMESTRE 14 DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS BÁSICAS (FCBS) DISCIPLINA: FISIOLOGIA - LABORATÓRIO FISIOLOGIA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: Odontologia/ Nutrição 2º SEMESTRE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: Odontologia/ Nutrição 2º SEMESTRE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Cronograma de Aulas Cursos: / 2º SEMESTRE 14 DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS BÁSICAS (FCBS) DISCIPLINA: FISIOLOGIA - LABORATÓRIO FISIOLOGIA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DEPARTAMENTO DE CIENCIAS BÁSICAS FCBS / UFVJM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DEPARTAMENTO DE CIENCIAS BÁSICAS FCBS / UFVJM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DEPARTAMENTO DE CIENCIAS BÁSICAS FCBS / UFVJM CRONOGRAMA DE AULAS - DISCIPLINA FISIOLOGIA (Cursos: Farmácia e Odontologia)

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE INSTITUTO BIOMÉDICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO

Leia mais

Titulação e Profissão: na UFRJ desde: Programa: PGBCD (biologia celular e do desenvolvimento)

Titulação e Profissão: na UFRJ desde: Programa: PGBCD (biologia celular e do desenvolvimento) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSIUO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS CURSO: FISIOERAIA DISCILINA: BASES BIOLÓGICAS DOS SISEMAS CÓDIGO: BMW-238 Ano/período: 2016/2 ROFESSOR RESONSÁVEL: rof. S Valença itulação

Leia mais

MARÇO. 11 P Topognosia; Estereognosia; Grafestesia Sensações: gustativas e olfativas 13 T Nociceptores

MARÇO. 11 P Topognosia; Estereognosia; Grafestesia Sensações: gustativas e olfativas 13 T Nociceptores CRONOGRAMA DE ATIVIDADES - NOTURNO 1º SEMESTRE FEVEREIRO Dia Aula Assunto 11 T Apresentação da disciplina UNIDADE I Meio interno - Organização funcional do corpo humano 11 P Mecanismos Homeostáticos no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal do Pampa 2. Campus: Uruguaiana 3. Curso: Enfermagem

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Curso: ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Licenciatura em Enfermagem Ano Lectivo 2014-2015 Ano Curricular 1.º Semestre 1.º Nº de Ects 6 Equipa Pedagógica: Regente/Coordenador Docentes Manuel

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

Turma(s): C11, C12, C13, C14, C21, C22, C23, C24, D11, D12, D13, D14, D21, D22, D23, D24

Turma(s): C11, C12, C13, C14, C21, C22, C23, C24, D11, D12, D13, D14, D21, D22, D23, D24 Componente: Teórica AULA n.º: 1 Dia 17-02-2016 das 15:00 às 17:00 celular I. celular II. Neurónio. Sinapses. Neurotransmissores. Transdução do sinal. AULA n.º: 2 Dia 23-02-2016 das 14:00 às 17:00 Organização

Leia mais

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA HUMANA APLICADAS ÀS CIÊNCIAS DA SAÚDE

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA HUMANA APLICADAS ÀS CIÊNCIAS DA SAÚDE EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA HUMANA APLICADAS ÀS CIÊNCIAS DA SAÚDE DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Introdução a metodologia científica, aspectos do conhecimento científico,

Leia mais

Biofísica. Apresentação MEDICINA VETERINÁRIA. Docente responsável: Profa. Dra. Elisabeth Criscuolo Urbinati

Biofísica. Apresentação MEDICINA VETERINÁRIA. Docente responsável: Profa. Dra. Elisabeth Criscuolo Urbinati Biofísica Apresentação MEDICINA VETERINÁRIA Docente responsável: Profa. Dra. Elisabeth Criscuolo Urbinati Departamento: Morfologia e Fisiologia Animal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS UNESP

Leia mais

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Jonas Alves de Araujo Junior Graduação: Universidade Estadual de Londrina- UEL Aprimoramento: Faculdade de Medicina de Botucatu-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina: FISIOLOGIA MÉDICA II Código: CBS 03025 Curso: MEDICINA Semestre: II Departamento: FISIOLOGIA Créditos: 8 Carga horária: 8h/SEM Teórica: 7h/SEM Prática:

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Módulo I: Aparelho

Leia mais

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Do grego: Hormon = estimular Hormônios são substâncias químicas produzidas por um grupo de células

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: M 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES (versão preliminar)

CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES (versão preliminar) CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES CURRICULARES (versão preliminar) NOME: Fisiologia e Biofísica Código: FIB Carga horária (total, teórica e prática): 120 horas Créditos: 8 Período do curso: 2º. Pré-requisitos:

Leia mais

I MÓDULO Aparelho Cardiorrespiratório 7 SEMANAS (162 h)

I MÓDULO Aparelho Cardiorrespiratório 7 SEMANAS (162 h) Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Módulo I: Aparelho

Leia mais

PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS Departamento de Ciências Fisiológicas (CFS)

PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS Departamento de Ciências Fisiológicas (CFS) PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS7102 2011-2 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Departamento CFS7102 - Fisiologia Humana II Departamento de Ciências Fisiológicas (CFS) Professores

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

PLANO DE CURSO 2ª SÉRIE ANO: 2008

PLANO DE CURSO 2ª SÉRIE ANO: 2008 PLANO DE CURSO 2ª SÉRIE ANO: 2008 CURSO: Medicina DEPARTAMENTO: Morfofisiologia DISCIPLINA: Fisiologia II CARGA HORÁRIA: 144 h/a EMENTA: - Fisiologia Cardiovascular - Fisiologia Renal e dos Líquidos Corporais

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO órgãos hormônios

SISTEMA ENDÓCRINO órgãos hormônios SISTEMA ENDÓCRINO Conjunto de órgãos que apresentam como atividade característica a produção de secreções denominadas hormônios, que são lançados na corrente sanguínea e irão atuar em outra parte do organismo,

Leia mais

EMENTA E PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO DO CONCURSO PARA PROFESSOR EFETIVO DA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA (ÁREA III DO EDITAL N O.

EMENTA E PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO DO CONCURSO PARA PROFESSOR EFETIVO DA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA (ÁREA III DO EDITAL N O. 1 EMENTA E PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO DO CONCURSO PARA PROFESSOR EFETIVO DA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA (ÁREA III DO EDITAL N O. 046/ 2010) EMENTA Fisiologia geral. Neurofisiologia. Sistema cardiovascular.

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: RCG 0216 - FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO Docentes Responsáveis Prof. Dr.

Leia mais

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Sumário SEÇÃO I Capítulo 1 A resposta integrada a uma refeição Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Objetivos / 1 Visão geral do sistema gastrintestinal e de suas

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? SISTEMA URINÁRIO SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos responsáveis pela filtração do sangue e eliminação de substâncias tóxicas, desnecessárias ou em excesso através

Leia mais

2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase. 4)Quais das seguintes substâncias são transportadas através de canais?

2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase. 4)Quais das seguintes substâncias são transportadas através de canais? FISIOLOGIA HUMANA QUESTÕES DE AVALIAÇÃO PARTE I 1)Qual a relação entre a fisiologia, a homeostasia, os órgãos e as condições do ambiente interno? 2)Homeostasia: Constância Dinâmica. Explique esta frase.

Leia mais

PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS7102

PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS7102 PLANO DE ENSINO FISIOLOGIA HUMANA II CFS7102 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Fisiologia Humana II CFS7102 Professores da disciplina: Adair Roberto Soares dos Santos (turma 03104B)

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Fisiologia Humana Código: FAR - 308 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

O humano e o ambiente

O humano e o ambiente Aula 01 O humano e o ambiente O ser humano é formado por um conjunto de células. Um conjunto de células forma os tecidos. Um conjunto de tecidos forma os órgãos. Um conjunto de órgão forma os sistemas.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: FISIOLOGIA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: FISIOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA: FISIOLOGIA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 318 hs Ano Letivo: 2012 Série: 2º ano Coordenador(a): Professora Doutora Maria Thereza Gamberini EMENTA: Estudo

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA Roteiro de Estudo Profa. Me. Delanie Velázquez

FISIOLOGIA HUMANA Roteiro de Estudo Profa. Me. Delanie Velázquez FISIOLOGIA HUMANA Roteiro de Estudo Profa. Me. Delanie Velázquez 2010 ALUNO (A): Apresenta os tópicos a serem abordados durante o estudo da disciplina, questões para aprofundamento e de auto-avaliação.

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni FISIOLOGIA HUMANA Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni fzanoni@prof.ung.br Função geral dos rins Homeostasia dos líquidos e eletrólitos Filtração, reabsorção, secreção e excreção

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO CANAIS IÔNICOS E BOMBAS CONDUÇÃO DE IMPULSOS NERVOSOS (SINÁPSES QUÍMICAS E ELÉTRICAS) SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

Leia mais

4/19/2007 Fisiologia Animal - Arlindo Moura 1

4/19/2007 Fisiologia Animal - Arlindo Moura 1 4/19/2007 Fisiologia Animal - Arlindo Moura 1 HIPOTALAMO Neuronios do hipotalamo sintetizam TRH (hormonio tireotrofico) Sistema portahipotalamico hipofisario TRH estimula a sintese e secreacao de TSH (hormonio

Leia mais

Prof. ÉDER. Sistema Nervoso

Prof. ÉDER. Sistema Nervoso Prof. ÉDER Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Fisiologia Animal Comparada 60

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Fisiologia Animal Comparada 60 CENTRO: Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais CURSO: Ciências / Biologia DEPARTAMENTO: Química e Biologia PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA. AF Aveiro Formação de Treinadores

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA. AF Aveiro Formação de Treinadores FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA 3.1 Principais alterações genéricas da função cardiorespiratória na resposta aguda ao esforço aeróbio Exercício Físico Sistema Cardiovascular Sistema Respiratório Sistema

Leia mais

Fisiologia do sistema nervoso

Fisiologia do sistema nervoso Fisiologia do sistema nervoso Curso de Nutrição CC: Fisiologia Humana I Prof. Leandro Cattelan leandrocattelan@hotmail.com Novembro de 2017 Tópicos a serem abordados Parte I (Aula 1) I. Divisão do sistema

Leia mais

Composição Celular do Músculo

Composição Celular do Músculo Tecido Muscular Composição Celular do Músculo Células alongadas com grande quantidade de filamentos citoplasmáticos de proteínas contráteis (geradoras de força para contração) = miofibrilas Células musculares

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 4 de março de Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 4 de março de Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 4/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE FISIOTERAPIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal

Programa Analítico de Disciplina VET107 Anatomia e Fisiologia Animal Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 SNC Todos os estímulos do nosso ambiente causam, nos seres humanos, sensações como dor e calor. Todos os sentimentos, pensamentos,

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Data Professor Conteúdo Professor Conteúdo 30/07 Kátia e. Ricardo Rodrigo. Abertura do Curso e Introdução ao estudo da Anatomia Humana

Data Professor Conteúdo Professor Conteúdo 30/07 Kátia e. Ricardo Rodrigo. Abertura do Curso e Introdução ao estudo da Anatomia Humana Lógi Molecular Seres Vivos II (6.6) Fisioterapia- 2014.2 Anatomia 6 Fisiologia 6 Quarta manhã e tarde Sexta - manhã Coordenadores: Profs. Rodrigo e Siqueira e Virginia Data Professor Conteúdo Professor

Leia mais

Sistema Endócrino HORMÔNIOS!!!

Sistema Endócrino HORMÔNIOS!!! Sistema Endócrino HORMÔNIOS!!! Sistema Endócrino Introdução - Responsável pelo controle das atividades metabólicas do organismo: - Crescimento, concentração de sais, glicemia, caracteres sexuais - Reprodução,

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

Filtração Glomerular

Filtração Glomerular Filtração Glomerular Profa. Jennifer Lowe O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. 1 O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais LOCALIZAÇÃO SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais TIPO QUÍMICO HORMÔNIO ALVO EFEITOS PRINCIPAIS Glândula pineal Glândula Amina Melatonina Desconhecido Controla

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: Sistema Endócrino Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Hormônios: Substâncias informacionais distribuídas pelo sangue. Eles modificam o funcionamento

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

Fisiologia Renal. Arqueada. Interlobar. Segmentar. Renal

Fisiologia Renal. Arqueada. Interlobar. Segmentar. Renal Fisiologia Renal Arqueada Interlobar Segmentar Renal 1 Arteríola aferente Glomérulo Interlobular Arteríola aferente 2 3 Visão de um podócito pela cápsula de Bowman Anatomia do glomérulo: US (espaço urinário);

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA II Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA II Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA II Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SNA Via motora autônoma neurovegetativa nível subcortical simpática e parassimpática SNA SNA opera por reflexos viscerais sinais sensitivos de partes do corpo enviam impulsos ao

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisiologia Humana Código: Fisio 107 Pré-requisito: Bioquímica Período Letivo: 2016.1

Leia mais

Farmacologia Autonômica colinérgica

Farmacologia Autonômica colinérgica Projeto: Atualização em Farmacologia Básica e Clínica Curso: Farmacologia Clínica do Sistema Nervoso Autônomo Farmacologia Autonômica colinérgica Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Doutor em Biotecnologia

Leia mais

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais.

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. INTRODUÇÃO O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. Atua na coordenação das múltiplas atividades do organismo, na integração das diversas partes

Leia mais

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo Sanguíneo Controle Local Dependente da necessidade metabólica dos tecidos Controle agudo e a longo prazo Controle Humoral Desempenhado por substâncias

Leia mais

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Prof. Dr. Oswaldo José Gola SISTEMA NERVOSO AUTONOMO - Sistema responsável pelo controle das funções viscerais como pressão arterial,

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO https://www.youtube.com/watch?v=nvd1xbnamou Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Biofísica CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de Ciências Biomédicas PERÍODO: 3º CH

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes) Entrada Saída Nervos cranianos e nervos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CBI118 Anatomia Humana

Programa Analítico de Disciplina CBI118 Anatomia Humana Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BAN234 Fisiologia Animal

Programa Analítico de Disciplina BAN234 Fisiologia Animal 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Biologia Animal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2

Leia mais

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Disciplina de Fisiologia Veterinária CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Mecanismos de Controle da Pressão Arterial Mecanismos Locais Mecanismos Neurais Mecanismos Humorais

Leia mais

d) Aumento da atividade da bomba hidrogênio-potássio e) Aumento da atividade da fosfatase miosínica

d) Aumento da atividade da bomba hidrogênio-potássio e) Aumento da atividade da fosfatase miosínica 1. O automatismo cardíaco é gerado pela atividade do nodo sinusal. Essa função é fundamental para a manutenção da vida e para um fluxo sanguíneo adequado aos tecidos. As células auto-excitáveis do nodo

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDÓCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo.

1) Introdução. 2) Organização do sistema nervoso humano. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro Cerebelo. 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Subdivide-se em: Sistema Nervoso Central (SNC) Encéfalo e medula espinal. Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos e gânglios

Subdivide-se em: Sistema Nervoso Central (SNC) Encéfalo e medula espinal. Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos e gânglios O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Ano letivo 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Moura Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) Ano letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO 1º PERÍODO Saúde 1. Saúde individual e comunitária Compreender o conceito de saúde Epidemia Tempos previstos ( 50 min): 8 Compreender o conceito de qualidade de vida Pandemia 1.1. Indicadores

Leia mais

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO SISTEMA NERVOSO REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO Sistema nervoso x Sistema hormonal Interpretar estímulos e gerar respostas Percepção das variações do meio (interno e externo) Homeostase = equilíbrio Tecido nervoso

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 3. OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA Fazer o aluno conhecer o organismo animal estruturalmente e funcionalmente.

PLANO DE ENSINO. 3. OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA Fazer o aluno conhecer o organismo animal estruturalmente e funcionalmente. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Agronomia Professores: Bianca Ximenes de Abreu Período/ Fase: 3º Semestre: 1º Ano: 2011 Disciplina:

Leia mais

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero a) Que números indicam artérias e veias? b) Que números indicam vasos por onde circulam sangue

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Histologia Especial Código da Disciplina: VET203 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 2 P Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa

Leia mais

Anatomia funcional do rim Função renal

Anatomia funcional do rim Função renal Anatomia funcional do rim Função renal Ganho Balanço diário Perda Ingestão Equilíbrio osmótico Bebidas e comidas Suor Pulmões Ingestão Metabolismo Metabolismo Urina Fezes Perdas Fluido extracelular Fluido

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e

Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e SISTEMA EXCRETOR 1 Nos diferentes tecidos do corpo, um dos produtos da degradação das proteínas e dos ácidos nucléicos é a amônia, substância muito solúvel e extremamente tóxica para as células, esmo em

Leia mais

PLANO DE ENSINO CBS03391 (2010/1)

PLANO DE ENSINO CBS03391 (2010/1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA Mail: fisiol@ufrgs.br Page: www.ufrgs.br/fisiologia (051) 33-08-33-20 - Fax: (051) 33-08-31-66

Leia mais

Estrutura néfron e vascularização

Estrutura néfron e vascularização 1 Estrutura néfron e vascularização 1 = Cápsula de Bowman's, 2 = glomérulo, 3 = arteríola aferente, 4 = arteríola eferente, 5 = túbulo proximal convoluto, 6 = túbulo distal convoluto, 7 = ducto coletor,

Leia mais

SISTEMA MOTOR VISCERAL

SISTEMA MOTOR VISCERAL SISTEMA MOTOR VISCERAL SOMÁTICO Aferente ou Sensorial Sistema Nervoso VISCERAL Eferente ou Motora Sistema Nervoso Autônomo Divisão Simpática Divisão Parassimpática Divisão Entérica Órgãos Viscerais Gerais

Leia mais

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos SUMÁRIO I Sistemas de Nutrição... 01 1 Noções Gerais Sobre Metabolismo... 01 1.1 Conceito... 01 1.2 Generalidades... 01 1.3 Metabolismo e Nutrição... 02 1.4 Divisão do Metabolismo... 02 1.4.1 Anabolismo...

Leia mais

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo Sanguíneo Controle Local Dependente da necessidade metabólica dos tecidos Controle agudo e a longo prazo Controle Humoral Desempenhado por substâncias

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana. Natália Guimarães Barbosa

Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana. Natália Guimarães Barbosa Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana Natália Guimarães Barbosa Natal - RN 2016 Levar material nutritivo e oxigênio às células; Transportar produtos residuais do metabolismo celular;

Leia mais