Portugal Controlo da Infeção e Resistências aos Antimicrobianos em números 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portugal Controlo da Infeção e Resistências aos Antimicrobianos em números 2013"

Transcrição

1 ISSN: X Portugal Controlo da Infeção e Resistências aos Antimicrobianos em números 2013 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos

2 Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal- Controlo de Infeções e Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 ISSN: X Periodicidade: Anual Editor Direção-Geral da Saúde Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa Tel.: Fax: /1 Autores Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos José Artur Paiva Elaine Pina Maria Goreti Silva Direção de Serviços de Informação e Análise Paulo Jorge Nogueira Andreia Jorge Silva Matilde Valente Rosa Maria Isabel Alves Dulce Afonso Ana Cristina Portugal Elisabeth Somsen José Martins Luís Serra Ana Lisette Oliveira Com a colaboração de Nuno Oliveira (INFARMED) Layout e Impressão Letra Solúvel Publicidade e Marketing, Lda. Av. Júlio Dinis, 14, 6.º Dto. B Lisboa Tel Lisboa Outubro de 2013

3 Índice 1. Introdução 5 2. Resistência a antibióticos 6 3. Consumo de antibióticos de uso sistémico Infeção Hospitalar Estudos de prevalência Prevalência de infeção e uso de antimicrobianos nas Unidades de Cuidados Continuados Estudos de incidência Infeções da corrente sanguínea Infeções associadas a cuidados de saúde identificadas em programas dirigidos a populações específicas Infeções do local cirúrgico Estrutura de gestão e operacionalização do programa Campanha Nacional de Higiene das Mãos Principais resultados do Guia de Autoavaliação para a Higiene das Mãos 66

4 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números Óbitos associados à infeção Notas finais Bibliografia 73 ANEXO Notas metodológicas 74 Índice de Quadros 75 Índice de Figuras 77 4 Melhor Informação, Mais Saúde

5 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos 1. Introdução As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado do doente e são causa de significativa morbi-mortalidade, bem como de consumo acrescido de recursos hospitalares e comunitários. No entanto, cerca de um terço são, seguramente, evitáveis. O controlo das infeções associadas aos cuidados de saúde está ligado à prevenção da resistência aos antimicrobianos. Estes, revolucionaram, a partir da década de 40, o tratamento dos doentes com infeções, contribuindo, significativamente, para a redução da morbi-mortalidade. Contudo, o seu uso maciço e, frequentemente, inadequado, promoveu a emergência e seleção de bactérias resistentes e multirresistentes, existindo evidência de associação, consistente e estatisticamente relevante, entre o nível de consumo de classes específicas de antibióticos e a resistência a essas mesmas classes. Assim, o antibiótico, essencial para a realização, em segurança, de muitas intervenções e processos de saúde e determinante do aumento da esperança de vida verificado na segunda metade do século XX, passou a estar ameaçado de perda de eficácia, o que se poderá traduzir num retrocesso na história da Medicina. 5

6 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números Resistência a antibióticos A comunidade científica definiu um grupo de bactérias que constitui particular preocupação em termos de aquisição de resistência a antimicrobianos, designando-o pelo acrónimo ESKAPE, que corresponde às iniciais dos seguintes microrganismos: Enterococcus resistente à vancomicina, Staphylococcus aureus resistente à meticilina, Klebsiella produtora de betalactamases de espectro alargado, Acinetobacter resistente ao imipeneme, Pseudomonas resistente ao imipeneme e Enterobacter resistente às cefalosporinas de terceira geração. Algum tempo depois, o Clostridium difficile foi também integrado neste grupo. Globalmente, Portugal apresenta crescente taxa de resistência do Staphylococcus aureus à meticilina, sendo nesta altura o país europeu com mais elevada taxa (figuras 1 e 2). Figura 1. Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) em Portugal ( ) Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, Melhor Informação, Mais Saúde

7 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 2. Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) 7

8 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 1. Staphylococcus aureus: número e percentagem de isolados invasivos resistentes à meticilina (MRSA) e rifampicina, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Staphylococcus aureus: número e percentagem de isolados invasivos resistentes à meticilina (MRSA) e rifampicina, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Meticilina Rifampicina Estados Membros Número de isolados Número de isolados % rifampicina-resistente da UE % MRSA (95%IC) testados testados (95%IC) Portugal ,6 (52-57) ,7 (1-3) Alemanha ,1 (15-18) ,7 (0-1) Áustria ,4 (6-9) ,3 (0-1) Bélgica ,4 (16-19) ,6 (0-1) Bulgária ,4 (17-29) ,2 (9-21) Chipre ,6 (32-51) 113 0,0 (0-3) Dinamarca ,2 (1-2) ,1 (0-0) Eslováquia ,9 (22-30) 478 1,3 (0-3) Eslovénia 464 7,1 (5-10) 443 0,5 (0-2) Espanha ,5 (21-24) ,5 (0-1) Estónia 116 1,7 (0-6) 3 0,0 (0-71) França ,1 (19-21) ,0 (1-1) Grécia ,2 (36-43) 0, Holanda ,4 (1-2) ,4 (0-1) Hungria ,2 (24-29) 570 0,4 (0-1) Irlanda ,7 (21-26) 835 1,0 (0-2) Itália ,2 (36-41) 970 4,3 (3-6) Letónia 192 9,9 (6-15) 186 0,5 (0-3) Lituânia 278 5,4 (3-9) 158 0,6 (0-2) Luxemburgo ,5 (14-29) 90 0,0 (0-4) Malta ,2 (41-59) 130 0,8 (0-4) Polónia ,3 (21-27) ,4 (20-36) Reino Unido ,6 (13-15) ,6 (0-1) Rep. Checa ,5 (13-16) 782 1,8 (1-3) Roménia ,5 (41-60) 101 7,9 (3-15) Suécia ,8 (1-1) ,2 (0-1) Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 Portugal é também um dos países europeus com elevada taxa de resistência do Enterococcus faecium à vancomicina (quadro 2 e figura 3). 8 Melhor Informação, Mais Saúde

9 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Quadro 2. Número total de isolados invasivos e percentagens (%) de E. faecalis com elevado nível de resistência aos aminoglicosídeos e de E. faecium com resistência à vancomicina, intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Número total de isolados invasivos e percentagens (%) de E. faecalis com elevado nível de resistência aos aminoglicosídeos e de E. faecium com resistência à vancomicina, intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Estados Membros Elevado nível de resistência do E. faecalis aos aminoglicósidos Resistência do E. faecium à vancomicina da UE N.º de casos isolados % R (95% IC) N.º de casos isolados % R (95% IC) Portugal ,8 (25-35) ,2 (15-26) Alemanha ,0 (37-45) ,4 (9-14) Áustria ,9 (26-36) 354 4,5 (3-7) Bélgica ,2 (14-23) 215 7,0 (4-11) Bulgária 62 30,6 (20-44) 39 0,0 (0-9) Chipre 54 18,5 (9-31) 17 0,0 (0-20) Dinamarca 45 31,1 (18-47) 615 1,3 (1-3) Eslováquia ,5 (42-57) 101 4,0 (1-10) Eslovénia ,0 (28-45) 83 0,0 (0-4) Espanha ,3 (36-43) 542 1,5 (1-3) Estónia 32 19,1 (6-43) 15 0,0 (0-25) Finlândia 0, 169 1,2 (0-4) França ,0 (18-23) 569 1,4 (1-3) Grécia ,4 (34-41) ,1 (19-27) Holanda ,3 (28-38) 481 1,0 (0-2) Hungria ,6 (44-53) 120 0,8 (0-5) Irlanda ,9 (24-36) ,9 (30-40) Itália ,0 (44-56) 236 4,2 (2-8) Letónia 34 26,5 (13-44) 22 9,1 (1-29) Lituânia 48 43,8 (29-59) 26 7,7 (1-25) Luxemburgo 27 44,4 (25-65) 24 4,2 (0-21) Malta 0, 14 0,0 (0-23) Polónia ,4 (41-56) 202 8,4 (5-13) Reino Unido 75 16,0 (9-26) 302 8,9 (6-13) Rep. Checa ,2 (42-50) 211 7,6 (4-12) Roménia 0, 12 0,0 (0-26) Suécia ,2 (16-22) 353 0,0 (0-1) Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe,

10 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Figura 3. Enterococcus faecium resistente à vancomicina, na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) Relativamente, às bactérias Gram negativo, ocorrem crescentes taxas de resistências em toda a Europa, com exceção da Escandinávia. 10 Melhor Informação, Mais Saúde

11 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos A resistência de Klebsiella pneumoniae às cefalosporinas de terceira geração é muito elevada e preocupante, na maioria dos países europeus (figura 4). Figura 4. Klebsiella pneumoniae resistente a cefalosporinas de 3.ª geração, na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) 11

12 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Em Portugal, Klebsiella pneumoniae mostra crescente resistência às cefalosporinas de terceira geração, verificando-se um aumento de 28,8% para 36,2% entre 2009 e 2011 (quadro 3). Quadro 3. Evolução da taxa de Klebsiella pneumoniae resistente às cefalosporinas, em Portugal, Ano Resistência ,8% ,7% ,2% Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, Melhor Informação, Mais Saúde

13 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Quadro 4. Klebsiella pneumoniae: número e percentagem de isolados invasivos com resistência às cefalosporinas de terceira geração, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos, carbapenemes e resistência combinada*, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Klebsiella pneumoniae: número e percentagem de isolados invasivos com resistência às cefalosporinas de terceira geração, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos, carbapenemes e resistência combinada*, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Estados Cefalosporinas 3.ª Resistência Fluoroquinolonas Aminoglicosideos Carbapenemes Membros da geração combinada UE N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) Portugal ,4 (32-39) ,3 (33-40) ,5 (28-35) 580 0,3 (0-1) ,8 (18-24) Alemanha ,5 (10-16) ,1 (11-17) 518 8,9 (7-12) 512 0,0 (0-1) 518 6,9 (5-9) Áustria ,3 (11-16) ,6 (14-19) 790 7,2 (6-9) 610 0,2 (0-1) 785 4,1 (3-6) Bélgica ,6 (11-16) ,9 (12-18) 608 8,1 (6-11) 646 0,3 (0-1) 587 4,9 (3-7) Bulgária ,0 (73-88) ,2 (42-60) ,7 (63-80) 116 0,0 (0-3) ,8 (37-55) Chipre 83 41,0 (30-52) 83 36,1 (26-47) 83 27,7 (18-39) 83 15,7 (9-25) 83 25,3 (16-36) Dinamarca ,1 (9-14) ,6 (10-14) 908 5,8 (4-8) 589 0,0 (0-1) 633 4,9 (3-7) Eslováquia ,0 (64-72) ,6 (66-75) ,1 (62-70) 432 0,7 (0-2) ,1 (58-67) Eslovénia ,2 (24-37) ,3 (29-42) ,0 (17-28) 232 0,0 (0-2) ,8 (15-26) Espanha ,4 (11-15) ,0 (15-19) ,5 (9-12) ,3 (0-1) ,3 (7-10) Estónia 43 39,5 (25-56) 91 22,0 (14-32) 90 12,2 (6-21) 73 0,0 (0-5) 42 19,0 (9-34) Finlândia 319 3,4 (2-6) 319 3,8 (2-6) 319 1,9 (1-4) 318 0,0 (0-1) 319 1,9 (1-4) França ,3 (23-28) ,0 (26-30) ,6 (22-26) ,0 (0-0) ,5 (18-21) Grécia ,8 (74-78) ,2 (70-74) ,0 (67-71) ,2 (66-70) ,1 (62-66) Holanda 720 8,1 (6-10) 728 7,3 (6-9) 729 8,1 (6-10) 722 0,3 (0-1) 720 4,3 (3-6) Hungria ,1 (48-58) ,0 (46-56) ,0 (48-58) 413 1,9 (1-4) ,0 (41-51) Irlanda 304 7,6 (5-11) 303 8,9 (6-13) 304 7,6 (5-11) 302 0,3 (0-2) 303 3,3 (2-6) Itália ,9 (42-50) ,7 (42-50) ,6 (31-38) ,7 (23-30) ,9 (29-37) Letónia 65 38,5 (27-51) 63 38,1 (26-51) 65 33,8 (23-47) 65 0,0 (0-6) 63 33,3 (22-46) Lituânia ,6 (52-69) ,7 (46-63) ,5 (47-64) 19 0,0 (0-18) ,1 (35-52) Luxemburgo 48 35,4 (22-51) 48 33,3 (20-48) 48 29,2 (17-44) 48 0,0 (0-7) 48 27,1 (15-42) Malta 52 13,5 (4-24) 52 13,5 (6-26) 52 9,6 (3-21) 52 3,8 (0-13) 52 3,8 (0-13) Polónia ,7 (54-66) ,7 (53-63) ,5 (42-53) 376 0,5 (0-2) ,1 (31-43) Reino Unido 935 5,3 (4-7) 985 4,6 (3-6) 979 4,3 (3-6) 825 0,4 (0-1) 914 2,1 (1-3) Rep. Checa ,3 (45-51) ,8 (50-56) ,7 (42-48) ,1 (0-0) ,0 (33-39) Roménia 25 44,0 (24-65) 10 30,0 (7-65) 10 50,0 (19-81) 10 0,0 (0-31) 10 30,0 (7-65) Suécia 736 2,3 (1-4) 624 1,9 (1-3) 602 1,7 (1-3) 900 0,0 (0-0) 545 0,7 (0-2) *Resistência combinada: resistência às cefalosporinas de terceira geração, fluoroquinolonas e aminoglicosídeos Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe,

14 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 A taxa de Klebsiella pneumoniae multirresistente (não suscetível a pelo menos um agente de três ou mais classes de antibióticos habitualmente usados para o seu tratamento) é igualmente crescente entre 2007 (6,5%) e 2011 (20,7%) (quadro 4 e figura 5). Figura 5. Klebsiella pneumoniae multirresistente em Portugal, de 2006 a 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, Melhor Informação, Mais Saúde

15 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos As taxas de resistência às cefalosporinas e de multirresistência de Escherichia coli são menores que as de Klebsiella pneumoniae, mas também crescentes (figura 6). Figura 6. Escherichia coli resistente a cefalosporinas de terceira geração, na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) Igualmente preocupante é a resistência de Escherichia coli às quinolonas, sobretudo nos países do sul e leste da Europa (figura 7 e quadro 6). Em Portugal, aumentou, entre 2001 e 2008, de 18% para 29%, sendo em 2011 de 27% (quadro 5). 15

16 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Figura 7. Escherichia coli resistente a fluoroquinolonas na Europa Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) Quadro 5. Evolução da taxa de resistência de Escherichia coli às quinolonas, em Portugal (2001, 2008 e 2011) Ano Resistência a quinolonas % % % Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, Melhor Informação, Mais Saúde

17 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Quadro 6. Escherichia coli: número e percentagem de isolados invasivos resistente a aminopenicilinas, cefalosporinas de 3.ª geração, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos e resistência combinada*, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Escherichia coli: número e percentagem de isolados invasivos resistente a aminopenicilinas, cefalosporinas de 3.ª geração, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos e resistência combinada*, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, ª geração Resistência Estados Aminopenicillinas Fluoroquinolonas Aminoglicócidos cefalosporinas combinada Membros EU N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) N.º %R (95%IC) Portugal ,5 (54-59) ,3 (10-13) ,2 (25-29) ,1 (14-18) ,5 (6-9) Alemanha ,3 (51-54) ,0 (7-9) ,7 (22-25) ,6 (7-9) ,6 (3-4) Áustria ,3 (49-52) ,1 (8-10) ,3 (21-24) ,4 (7-8) ,6 (2-3) Bélgica ,7 (57-60) ,0 (5-7) ,5 (20-23) ,3 (8-10) ,4 (1-2) Bulgária ,5 (52-68) ,9 (17-30) ,2 (24-37) ,3 (12-24) ,1 (6-15) Chipre ,6 (70-84) ,2 (28-45) ,4 (39-56) ,9 (17-32) ,2 (12-26) Dinamarca ,9 (46-50) ,5 (7-10) ,1 (13-15) ,4 (6-7) ,0 (2-4) Eslováquia ,6 (65-72) ,0 (28-35) ,9 (38-46) ,9 (15-21) ,9 (11-16) Eslovénia ,9 (51-57) ,8 (7-11) ,7 (18-23) ,8 (8-12) ,1 (3-6) Espanha ,6 (64-67) ,0 (11-13) ,5 (33-36) ,8 (14-16) ,9 (4-6) Estónia 0, 90 12,2 (6-21) 312 9,9 (7-14) 314 4,8 (3-8) 89 1,1 (0-6) Finlândia ,3 (34-39) ,1 (4-6) ,8 (10-12) ,3 (4-6) ,7 (2-3) França ,1 (54-56) ,2 (8-9) ,9 (17-19) ,9 (7-8) ,6 (2-3) Grécia ,5 (52-57) ,9 (13-17) ,6 (24-29) ,8 (15-19) ,8 (9-13) Holanda ,5 (47-50) ,7 (5-6) ,3 (13-15) ,8 (7-9) ,2 (2-3) Hungria ,7 (62-68) ,1 (13-17) ,2 (29-34) ,8 (13-17) ,3 (7-10) Irlanda ,5 (68-72) ,0 (8-10) ,9 (21-25) ,2 (9-12) ,6 (3-4) Itália ,1 (65-69) ,8 (18-22) ,5 (38-43) ,3 (17-20) ,3 (9-12) Letónia ,6 (46-63) ,9 (10-23) ,8 (11-24) ,4 (7-18) 131 9,2 (5-15) Lituânia ,8 (43-53) 385 7,0 (5-10) ,9 (10-17) 382 9,7 (7-13) 378 2,4 (1-4) Luxemburgo ,1 (47-57) 353 8,2 (6-12) ,1 (20-29) 354 8,2 (6-12) 353 2,8 (1-5) Malta ,0 (46-60) ,8 (9-18) ,0 (26-39) ,5 (11-21) 219 9,6 (6-14) Polónia ,0 (59-65) ,7 (10-14) ,3 (25-30) ,4 (7-10) 902 4,0 (3-5) Reino Unido ,8 (61-64) ,6 (9-10) ,5 (17-19) ,2 (7-9) ,6 (3-4) Rep. Checa ,7 (59-63) ,4 (10-13) ,5 (22-25) ,8 (8-10) ,7 (3-4) Roménia 22 68,2 (45-86) 22,0 (14-32) 46 30,4 (18-46) 46 19,6 (9-34) 46 10,0 (4-24) Suécia ,8 (32-38) ,0 (3-4) ,9 (7-9) ,7 (3-4) ,0 (1-1) *Resistência combinada: resistência às cefalosporinas de terceira geração, fluoroquinolonas e aminoglicosídeos Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe,

18 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Mais preocupante ainda é o aparecimento de Enterobacteriaceae resistentes a carbapenemes, antibióticos de mais largo espectro. Em estudos de incidência essa taxa é ainda inferior a 1%, em Portugal (figura 8). Figura 8. Taxa de Klebsiella pneumoniae resistente a carbapenemes, na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) 18 Melhor Informação, Mais Saúde

19 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos No entanto, num estudo de prevalência de infeção adquirida no hospital e de uso de antibióticos em hospitais portugueses, realizado em 2012, as taxas de resistência a carbapenemes de Proteus spp., Enterobacter spp., Klebsiella pneumoniae e Escherichia coli foram, respetivamente, de 8,5%, 8,0%, 6,7% e 2,0% (quadro 7). Quadro 7. Taxas de resistência a antimicrobianos no inquérito de prevalência de infeções hospitalares e de uso de antimicrobianos em hospitais portugueses, 2012 (DGS/ECDC) Microrganismos isolados % de resistência Staphylococcus aureus MRSA 73,7 Enterococcus VRE 22,1 C3G-R CARB-R Escherichia coli 29,8 2,0 Klebsiella spp. 46,3 6,7 Enterobacter spp. 46,0 8,0 Proteus spp. 15,2 8,5 Citrobacter spp. 16,7 1,2 Serratia spp. 8,3 1,2 Pseudomonas aeruginosa CARB-R: 27,5 Acinetobacter spp. CARB-R: 84,5 C3G-R: resistência a cefalosporinas de 3.ª geração; CARB-R: resistência a carbapenemes MRSA: Staphylococcus aureus resistente à meticilina; VRE: Enterococcus resistente à vancomicina Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em Nesse estudo, os níveis de resistência a carbapenemes entre as bactérias Gram negativo não fermentadoras são ainda mais elevados, sendo de cerca de 27% para Pseudomonas aeruginosa e superior a 80% para Acinetobacter spp. Os estudos de incidência fornecem valores de resistência de Pseudomonas aeruginosa aos carbapenemes, em Portugal, ligeiramente inferiores aos do estudo de prevalência (quadros 8 e 9 e figura 9). 19

20 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 8. Resistência de Pseudomonas aeruginosa a carbapenemes, em Portugal, com base nos dados (2009 e 2011) Ano Resistência % % Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 Figura 9. Pseudomonas aeruginosa resistentes a carbapenemes, na Europa, em 2011 Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, 2011 (adaptado) 20 Melhor Informação, Mais Saúde

21 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Apresentamos assim das mais elevadas taxas de resistência antimicrobiana em bactérias Gram positivo e relativamente às bactérias Gram negativo verifica-se crescente taxa de resistência a cefolosporinas, quinolonas e até carbapenemes, parecendo aproximar-se cada vez mais o momento do aparecimento da estirpe virtualmente resistente a todos os antimicrobianos. Quadro 9. Pseudomonas aeruginosa: número e percentagem de isolados invasivos com resistência à piperacilina (± tazobactam), ceftazidima, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos, carbapenemes e resistência combinada*, incluindo intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Pseudomonas aeruginosa: número e percentagem de isolados invasivos com resistência à piperacilina (± tazobactam), ceftazidima, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos, carbapenemes e resistência combinada*, intervalos de confiança de 95% (95% IC), Estados Membros UE, 2011 Estados Piperacilina Resistência Ceftazidime Fluoroquinolones Aminoglicocidos Carbapenems Membros da tazobactam ± combinada UE N.º % R (95% IC) N.º % R (95% IC) N.º % R (95% IC) N.º % R (95% IC) N.º % R (95% IC) N.º % R (95% IC) Portugal ,0 (16-23) ,2 (12-19) ,6 (22-30) ,2 (12-19) ,8 (16-24) ,2 (13-20) Alemanha ,8 (11-19) 386 9,1 (6-12) ,2 (14-22) ,7 (9-15) 386 9,8 (7-13) 387 7,2 (5-10) Áustria ,6 (11-17) ,6 (8-14) ,6 (15-22) ,3 (11-16) ,6 (11-17) ,6 (8-14) Bélgica ,4 (12-19) 417 8,9 (6-12) ,2 (17-26) ,2 (11-18) ,7 (8-14) ,0 (8-14) Bulgária 43 23,3 (12-39) 39 30,8 (17-48) 47 29,8 (17-45) 48 33,3 (20-48) 48 29,2 (17-44) 48 25,0 (14-40) Chipre 51 19,6 (10-33) 51 23,5 (13-37) 51 13,7 (6-26) 51 15,7 (7-29) 51 43,1 (29-58) 51 19,6 (10-33) Dinamarca 405 5,4 (3-8) 402 5,2 (3-8) 403 6,9 (5-10) 404 2,2 (1-4) 403 5,5 (3-8) 404 3,2 (2-5) 58,7 30,5 39,6 Eslováquia ,3 (35-47) ,0 (20-31) ,8 (45-57) (53-65) (25-37) (34-46) Eslovénia ,7 (7-20) 118 7,6 (4-14) 118 9,3 (5-16) 118 7,6 (4-14) ,7 (16-32) ,2 (5-17) Espanha 833 6,4 (5-8) 836 8,9 (7-11) ,2 (21-27) ,7 (16-22) ,3 (14-19) ,6 (10-15) Estónia 3 0,0 (0-71) 4 0,0 (0-60) 16 6,3 (0-30) 14 0,0 (0-23) 12 8,3 (0-38) 12 0,0 (0-26) Finlândia ,0 (9-20) 168 8,3 (5-14) ,6 (10-21) 221 3,6 (2-7) ,4 (7-15) 185 5,9 (3-10) França ,5 (20-25) ,0 (14-18) ,0 (25-29) ,0 (19-23) ,0 (18-22) ,9 (17-21) 38,8 38,4 Grécia ,1 (28-34) ,4 (34-41) ,8 (35-41) ,0 (51-57) 935 (36-42) (35-42) Holanda 391 6,4 (4-9) 434 4,6 (3-7) 434 7,1 (5-10) 434 4,6 (3-7) 431 3,5 (2-6) 434 3,0 (2-5) Hungria ,7 (8-13) ,9 (9-15) ,4 (17-24) ,9 (15-21) ,2 (18-25) ,3 (10-15) Irlanda 172 2,9 (1-7) 181 4,4 (2-9) 179 6,1 (3-11) 181 3,9 (2-8) 180 6,1 (3-11) 181 3,3 (1-7) Itália ,9 (17-28) ,2 (12-21) ,1 (21-31) ,4 (16-26) ,6 (16-25) ,3 (13-22) Letónia 11 9,1 (0-41) 11 9,1 (0-41) 12 25,0 (5-57) 12 25,0 (5-57) 12 8,3 (0-38) 12 8,3 (0-38) Lituânia 30 13,3 (4-31) 29 20,7 (8-40) 30 16,7 (6-35) 30 13,3 (4-31) 30 20,0 (8-39) 30 10,0 (2-27) 21

22 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Luxemburgo 32 15,6 (5-33) 32 9,4 (2-25) 32 18,8 (7-36) 32 15,6 (5-33) 32 15,6 (5-33) 32 15,6 (5-33) Malta 42 23,8 (11-38) 42 11,9 (4-26) 42 19,0 (9-35) 42 33,3 (18-48) 42 23,8 (11-38) 42 23,5 (11-38) Polónia ,4 (25-39) ,2 (17-31) ,4 (24-37) ,5 (27-41) ,5 (18-31) 194 * Resistência combinada define-se como resistência a três ou mais classes de antibióticos entre piperacilina ± tazobactam, ceftazidima, fluoroquinolonas, aminoglicosídeos e carbapenemes Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, ,8 (20-33) Reino Unido 557 4,3 (3-6) 578 4,8 (3-7) 585 6,2 (4-8) 590 3,4 (2-5) 540 5,6 (4-8) 587 2,6 (1-4) Rep. Checa ,1 (18-26) ,3 (17-24) ,9 (30-39) ,1 (20-28) ,2 (10-17) ,2 (18-25) Roménia 6 66,7 (22-96) 8 62,5 (24-91) 8 75,0 (35-97) 9 66,7 (30-93) 9 66,7 (30-93) 9 66,7 (30-93) Suécia 289 4,2 (2-7) 378 5,3 (3-8) 344 5,8 (4-9) 234 0,9 (0-3) 390 7,7 (5-11) 379 1,8 (1-4) 22 Melhor Informação, Mais Saúde

23 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos 3. Consumo de antibióticos de uso sistémico A crescente taxa de resistência dos microrganismos, associada ao decréscimo da síntese e desenvolvimento de novas classes de antimicrobianos leva a que o antibiótico, menos de cem anos após a descoberta da penicilina e após ter contribuído para um marcado aumento da esperança de vida média, esteja em risco de extinção, isto é em risco de perda de eficácia. Figura 10. Ocorrência de Escherichia coli resistente a fluoroquinolonas (FQRE) e uso de fluoroquinolonas em ambulatório no mesmo país (2004) Fonte: ESAC Annual Report 2004 (adaptado) 23

24 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Mais, sabemos hoje que há associação entre elevado consumo de uma classe de antimicrobianos e maior desenvolvimento de resistências a essa mesma classe, como se evidencia na figura acima (figura 10); cada país é representado por um círculo e apresenta-se, em abcissas, uma unidade de consumo de fluoroquinolonas e, em ordenadas, medidas de resistência de Escherichia coli a essa classe de antibióticos. Cria-se, assim, um ciclo vicioso: a elevada taxa de resistência aos antimicrobianos leva à opção por esquema de terapêutica antibiótica de mais largo espectro, de forma a minimizar insucessos terapêuticos, aumentando, no entanto, a pressão antibiótica e a probabilidade de desenvolvimento de resistências. Em Portugal regista-se um ligeiro decréscimo de consumo de antimicrobianos em ambulatório desde 2002 (figuras 11 e 12 e quadro 10). Figura 11. Consumo de antibióticos em Portugal ( ) em DDD Fonte: ECDC, Antimicrobial resistance surveillance in Europe, Melhor Informação, Mais Saúde

25 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Quadro 10. Consumo de antibacterianos na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, em Portugal Continental (2009 a 2012) Consumo de antibacterianos em Portugal Continental (2009 a 2012) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total ,93 8,73 8,30 7,06 6,69 5,82 5,65 5,41 6,01 6,68 7,88 6,95 7, ,19 7,61 7,66 6,49 6,31 5,55 5,36 5,30 5,66 6,24 6,52 8,59 6, ,12 9,13 8,01 6,54 6,33 5,77 5,29 5,01 5,26 5,75 6,26 6,41 6, ,01 9,87 7,96 5,37 5,73 5,16 4,62 4,86 4,53 5,86 6,01 6,04 6,16 Fonte: Figura 12. Consumo de antibacterianos na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, em Portugal Continental (2009 a 2012) Fonte: 25

26 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 A tendência decrescente de consumo de antibacterianos verifica-se em todas as ARS, mas há significativas assimetrias de consumo, sendo menor na ARS LVT e maior na ARS Alentejo, como se constata no quadro e nas figuras abaixo (quadro 11 e figuras 13 e 14). Quadro 11. Consumo de antibacterianos na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS (2009 a 2012) Consumo de antibacterianos na comunidade ARS /ano ARS Norte 7,00 6,30 6,62 6,13 ARS Centro 8,39 7,77 7,90 7,37 ARS LVT 5,89 5,48 5,52 5,10 ARS Alentejo 11,23 11,03 10,82 9,91 ARS Algarve 7,78 7,29 6,98 6,08 Total 7,08 6,54 6,67 6,16 Fonte: 26 Melhor Informação, Mais Saúde

27 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 13. Consumo de antibacterianos na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia por ARS (2012) Fonte: 27

28 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Figura 14. Antibacterianos na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS ( ) Fonte: O consumo de cefalosporinas (quadro 12 e figura 15) e de quinolonas (quadro 13 e figura 16) tem diminuído ao longo dos últimos quatro anos, de forma sustentada. Quadro 12. Consumo de cefalosporinas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS (2009 a 2012) Consumo de Cefalosporinas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS ARS/ano ARS Norte 7,4 5,9 5,0 3,6 ARS Centro 11,8 10,6 9,9 8,5 ARS LVT 7,0 6,0 5,7 4,7 ARS Alentejo 14,6 12,8 10,8 9,0 ARS Algarve 10,4 11,4 8,3 6,3 Fonte: 28 Melhor Informação, Mais Saúde

29 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 15. Consumo de cefalosporinas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS (2009 a 2012) Fonte: 29

30 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 13. Consumo de quinolonas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS (2009 a 2012) Consumo de Quinolonas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS ARS/ano ARS Norte 12,1 11,02 10,2 10,2 ARS Centro 14,6 13,66 13,1 13,1 ARS LVT 10,0 8,90 8,1 8,1 ARS Alentejo 22,6 23,11 19,9 19,9 ARS Algarve 16,6 15,98 13,8 13,8 Fonte: Figura 16. Consumo de quinolonas na comunidade, em DDD por 1000 habitantes por dia, por ARS (2009 a 2012) Fonte: 30 Melhor Informação, Mais Saúde

31 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Portugal está entre os 10 países europeus com mais elevado consumo de antibióticos na comunidade, como se pode ver no gráfico e quadro abaixo (figura 17 e quadro 14). Figura 17. Consumo na comunidade de antibióticos de uso sistémico, na Europa * os dados destes países referem-se a todos os níveis de prestação de cuidados, ou seja, incluem também os cuidados hospitalares. Fonte: ECDC, Antimicrobial consumption in Europe

32 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 14. Consumo na comunidade de antibacterianos para uso sistémico (grupo ATC J01), Estados Membros da UE, , expresso em DDD por 1000 habitantes /dia Consumo de antibacterianos para uso sistémico (grupo ATC J01) Estados Membros Portugal 23,1 23,3 25,2 24,9 24,5 26,5 25,1 23,8 24,5 22,7 22,1 22,6 22,9 22,4 Alemanha 13,0 13,3 13,6 13,6 12,8 12,7 13,9 13,0 14,6 13,6 14,5 14,5 14,9 14,5 Áustria 12,6 13,1 12,3 11,8 11,8 12,5 12,5 14,5 14,3 14,7 15,1 15,9 14,9 Bélgica 25,4 26,4 26,2 25,3 23,7 23,8 23,8 22,7 24,3 24,2 25,4 27,7 27,5 28,4 Bulgária 15,1* 20,2* 22,7* 17,3* 15,5* 16,4* 18,0* 18,1 19,8 20,6 18,6 18,2 Chipre 31,9* 33,9* 32,8* 34,4* Dinamarca 12,2 12,7 12,1 12,3 12,8 13,2 13,5 14,1 14,6 15,2 16,1 16,0 16,0 16,5 Eslováquia 25,7 27,6 29,1 26,7 27,6 22,5 25,1 22,5 24,8 23,4 23,8 Eslovénia 17,5 19,3 19,8 18,0 17,4 16,3 17,0 16,7 16,3 14,7 16,0 15,0 14,4 14,4 Espanha (b) 21,3 20,6 20,0 19,0 18,0 18,0 18,9 18,5 19,3 18,7 19,9 19,7 19,7 20,3 Estónia 14,4* 11,7 11,1 10,4 11,7 11,8 12,7 11,9 11,1 11,1 Finlândia 19,4 18,4 18,4 19,0 19,8 17,9 18,7 17,2 18,1 17,4 18,3 17,9 18,0 18,5 França 33,1 33,6 34,1 33,2 33,2 32,2 28,9 27,0 28,9 27,9 28,6 28,0 29,6 28,2 Grécia 25,1 24,9 28,5 29,4 29,6 30,6 31,3 33,0* 34,7* 41,0* 43,2* 45,2* 38,6 39,4* Holanda 10,1 9,9 10,0 9,8 9,9 9,8 9,8 9,7 10,5 10,8 11,0 11,2 11,4 11,2 Hungria 18,3 23,5 18,5 18,6 17,1 19,1 18,2 19,5 17,2 15,5 15,2 16,0 15,7 Irlanda 16,5 18,0 17,6 18,7 18,7 20,1 20,2 20,5 21,2 23,0 22,4 20,8 20,3 Itália 24,5 24,0 25,5 24,3 25,6 24,8 26,2 26,7 27,6 28,5 28,7 27,4 Letónia 11,0 11,8 12,3 12,0 12,1 11,0 10,5 11,1 Lituânia 22,7* 24,1* 25,1* 19,7* 12,7 Luxemburgo (a) 27,2 26,9 28,2 27,1 27,6 27,5 28,6 24,9 26,3 25,1 27,2 27,0 28,2 28,6 Malta 17,9 20,8 21,6 21,3 Polónia 20,7 22,2 22,6 24,8 21,4 19,1 19,6 22,2 20,7 23,6 21,0 Reino Unido 17,0 16,2 14,8 14,3 14,8 14,8 15,1 15,0 15,4 15,3 16,5 16,9 17,3 18,6 República Checa 18,2 18,6 17,1 16,7 15,8 17,3 15,9 16,8 17,4 18,4 17,9 Roménia (b) 10,2 Suécia 14,6 15,5 15,8 15,5 15,8 15,2 14,7 14,5 14,9 15,3 15,5 14,6 13,9 14,2 (a)luxemburgo atualizou todos os anos com dados da população segura (b)espanha e Roménia providenciaram dados de comparticipação, não incluindo o consumo de antibióticos adquiridos sem prescrição e outras vias não comparticipadas. * os dados destes países referem-se a todos os níveis de prestação de cuidados, ou seja, incluem também os cuidados hospitalares. Fonte: Surveillance of antimicrobial consumption in Europe 2010, European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), disponível em antimicrobial-antibiotic-consumption-esac-report-2010-data.pdf#page=22&zoom=150,0,573, acedido em 27 de junho de Melhor Informação, Mais Saúde

33 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Portugal não se situa entre os países com maior consumo de antibióticos em ambiente hospitalar (figura 18 e quadro 15), mas a colheita de dados não está ainda totalmente normalizada a nível europeu. Figura 18. Consumo hospitalar de antimicrobianos, na Europa Fonte: ECDC, Antimicrobial consumption in Europe

34 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 15. Consumo de antibacterianos para uso sistémico (grupo ATC J01) no sector hospitalar, Estados Membros da UE, , expressos em DDD por 1000 habitantes /dia Consumo de antibacterianos para uso sistémico (grupo ATC J01) no sector hospitalar EM da UE Portugal (a) 1,4 1,4 Bélgica 2,0 2,0 2,2 2,2 2,2 2,2 2,3 2,1 1,9 1,9 1,7 2,0 Bulgária 1,4 1,4 1,5 1,6 1,5 Dinamarca 1,3 1,3 1,3 1,4 1,4 1,5 1,5 1,6 1,6 1,7 1,8 1,8 1,8 1,8 Eslováquia 1,3 1,2 1,4 1,5 1,4 1,6 1,9 1,7 1,9 1,8 1,9 Eslovénia 0,5 1,6 1,7 1,8 1,7 1,8 1,8 1,6 1,7 1,7 1,7 1,7 1,8 1,7 Estónia 8,6 2,4 2,3 2,5 2,1 1,9 2,0 1,6 1,8 Finlândia (b) 3,5 3,7 3,7 3,8 3,9 3,9 3,6 3,4 3,5 3,4 3,2 3,2 3,2 2,8 França 3,3 3,0 3,1 3,2 2,9 2,8 2,5 2,6 2,3 2,2 2,2 2,2 2,2 Grécia 2,1 2,1 2,2 2,3 2,2 2,2 2,3 3,3 Hungria 1,2 1,3 1,5 1,3 1,4 1,4 1,2 1,2 1,3 1,3 Irlanda 0,7 0,7 1,9 2,1 1,6 1,4 1,8 Itália 0,2 1,5 2,3 2,1 Letónia 6,2 4,7 3,9 3,2 3,5 2,8 2,2 3,0 Lituânia 2,4 Luxemburgo 2,0 1,9 2,2 2,2 2,1 2,4 2,4 2,0 2,1 2,1 2,2 2,2 2,1 Malta 1,6 2,5 2,6 2,4 1,9 1,7 2,0 1,8 1,4 1,7 1,3 1,4 1,4 2,0 Holanda 0,6 0,6 0,7 0,6 0,6 0,7 1,1 Polónia 3,0 3,4 2,4 2,4 1,7 Roménia 2,6 Suécia 1,3 1,3 1,3 1,3 1,3 1,3 1,4 1,4 1,5 1,5 1,3 1,5 1,5 1,5 (a) Portugal: dados correspondem somente a hospitais públicos. (b) Finlândia: dados incluem consumo em centros remotos de cuidados de saúde primários e lares de idosos. Fonte: Surveillance of antimicrobial consumption in Europe 2010, European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), disponível em antimicrobial-antibiotic-consumption-esac-report-2010-data.pdf#page=22&zoom=150,0,573, acedido em 27 de junho de 2013 Globalmente, relativamente a consumo de antimicrobianos, Portugal apresenta alguns problemas de prescrição que podem e necessitam, certamente, ser melhorados e que passamos a citar. Existe, comparativamente com os outros países europeus, elevada prescrição de quinolonas em ambulatório, a que se associa elevada taxa de resistências a esta classe de antibióticos. Portugal foi, até há poucos 34 Melhor Informação, Mais Saúde

35 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos anos, o país europeu com mais elevado consumo de quinolonas e atualmente é o segundo, atrás da Itália (quadros 16 e 17 e figura 19). Quadro 16. Consumo de antibacterianos de uso sistémico (grupo ATC J01) no grupo ATC nível 3 nos Estados Membros da UE, 2010, expressos em DDD por 1000 habitantes /dia Consumo de antibacterianos de uso sistémico (grupo ATC J01) no grupo ATC nível 3 Outros Macrolídeos, Betalactâmicodas e antibac- Total (ATC) Sulfonami- Quinolonas Estados antibacterianos beta- e estrepto- J01G, J01R e lincosamidas Outros (J01B, Tetraciclinas Membros (J01A) penicilinas trimeto-prim terianos grupo J01) da UE lactâmicos graminas J01X) (J01C) (J01E) (J01M) (J01D) (J01F) Portugal 0,7 12,1 1,8 0,5 3,4 3,0 1,0 22,4 Alemanha 2,7 4,1 2,6 0,7 2,3 1,5 0,5 14,5 Áustria 1,2 6,6 1,7 0,2 3,6 1,4 0,3 14,9 Bélgica 2,1 16,3 1,6 0,3 2,9 2,7 2,6 28,4 Bulgária 1,7 8,0 2,3 0,9 3,0 2,0 0,2 18,2 Dinamarca 1,7 10,3 <0,1 0,8 2,4 0,5 0,8 16,5 Eslovénia <0,1 9,7 0,4 1,1 2,1 1,1 <0,1 14,4 Espanha (b) 0,7 12,6 1,6 0,3 2,0 2,5 0,7 20,3 Estónia 1,9 4,2 0,9 0,4 2,2 0,8 0,7 11,1 Finlândia 4,1 6,6 2,3 1,0 1,5 0,9 2,1 18,5 França 3,2 15,6 2,7 0,4 3,8 2,0 0,6 28,2 Grécia (a) 2,3 12,9 8,9 0,3 8,8 2,9 3,3 39,4 Holanda 2,7 4,4 <0,1 0,6 1,4 0,9 1,3 11,2 Hungria 1,4 6,7 1,9 0,6 3,0 2,0 0,1 15,7 Irlanda 2,6 10,7 1,2 1,1 3,7 0,9 0,2 20,3 Itália 0,5 14,6 2,6 0,4 5,1 3,4 0,8 27,4 Letónia 2,2 5,3 0,5 0,8 1,1 0,9 0,3 11,1 Lituânia 1,4 7,0 0,8 <0,1 1,5 0,8 1,2 12,7 Luxemburgo 2,0 14,0 4,2 0,3 3,9 2,9 1,3 28,6 Malta 1,0 9,8 5,0 0,2 3,1 1,8 0,4 21,3 Polónia 2,1 9,4 2,4 0,1 3,5 1,2 2,2 21,0 Reino Unido 4,1 8,6 0,5 1,2 2,7 0,5 0,9 18,6 Rep. Checa 2,3 7,6 1,6 0,9 3,5 1,2 0,9 17,9 Suécia 3,3 7,1 0,2 0,4 0,7 0,8 1,7 14,2 Fonte: ECDC, Surveillance of antimicrobial consumption in Europe 2010 (a) Dados globais, incluindo o sector hospitalar. Em média, 90% dos dados de cuidados totais correspondem ao consumo na comunidade. (b) Os dados referem-se apenas os reembolsos. Não incluem o consumo de antibióticos obtidos sem prescrição médica e outras formas não comparticipadas 35

36 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 Quadro 17. Consumo da primeira, segunda e terceira geração de quinolonas para uso sistémico em ambulatório, Estados Membros da UE, 2010, expressos em DDD por 1000 habitantes / dia Consumo da primeira, segunda e terceira geração de quinolonas para uso sistémico em ambulatório Estados Membros da UE Primeira geração de Segunda geração de Terceira geração de quinolonas quinolonas quinolonas Total Portugal 0,21 2,26 0,50 2,97 Alemanha 0,09 1,27 0,14 1,51 Áustria 0,15 0,92 0,28 1,36 Bélgica 0,24 1,57 0,88 2,69 Bulgária 0,31 1,60 0,08 1,99 Dinamarca - 0,50 0,01 0,51 Eslovénia 0,30 0,71 0,10 1,10 Espanha (b) 0,32 1,89 0,33 2,54 Estónia 0,26 0,55 < 0,01 0,81 Finlândia 0,11 0,72 0,06 0,88 França 0,57 1,30 0,13 2,00 Grécia (a) 0,43 2,09 0,37 2,89 Holanda 0,21 0,62 0,04 0,87 Hungria 0,40 1,50 0,07 1,97 Irlanda < 0,01 0,85 0,05 0,91 Itália 0,33 2,72 0,40 3,45 Letónia 0,22 0,64 < 0,01 0,86 Lituânia 0,25 0,57 0,01 0,83 Luxemburgo 0,25 2,14 0,55 2,94 Malta 0,28 1,39 0,11 1,79 Polónia 0,48 0,75 < 0,01 1,23 Reino Unido 0,02 0,44 0,01 0,46 Rep. Checa 0,54 0,68 < 0,01 1,22 Suécia 0,04 0,73 0,01 0,77 Fonte: ECDC, Surveillance of antimicrobial consumption in Europe Melhor Informação, Mais Saúde

37 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 19. Consumo de quinolonas na Europa em 2010 Fonte: ECDC, Antimicrobial consumption in Europe 2010 (adaptado) 37

38 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 O consumo de ciprofloxacina tem vindo a diminuir, mas o de levofloxacina aumentou nos últimos seis anos, como se vê no quadro abaixo (quadro 18). Quadro 18. Vendas de quinolonas no SNS (Número de embalagens) por Denominação Comum Internacional (DCI), em Portugal Continental (2007 a 2012) DCI Embalagens (n.º) Ciprofloxacina Levofloxacina Lomefloxacina Moxifloxacina Norfloxacina Ofloxacina Prulifloxacina Nota: Os dados de 2012 ainda estão em validação, podendo ainda sofrer alterações. Fonte: INFARMED (2013) Outro significativo problema é a elevada prescrição de carbapenemes em ambiente hospitalar (figura 20), levando a recear uma crescente taxa de resistência a estes antibióticos, decorrente do aumento de exposição. 38 Melhor Informação, Mais Saúde

39 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 20. Consumo de carbapenemes na Europa em 2010 Fonte: ECDC, Antimicrobial consumption in Europe 2010 (adaptado) Há também que corrigir a frequente utilização de profilaxia antibiótica cirúrgica durante tempo excessivo 64% do total de profilaxias antibióticas cirúrgicas, no último inquérito de prevalência, em 2012, duravam mais de 24 horas e a exagerada duração da terapêutica antibiótica, excessiva em relação à duração mínima necessária para curar a infeção e evitar recidiva. Finalmente, a existência de um elevado número de infeções determina, por si só, uma maior utilização de antimicrobianos. 39

40 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números Infeção Hospitalar A análise da infeção hospitalar é abordada por estudos de prevalência e de incidência. Os primeiros dão-nos uma visão fotográfica e panorâmica da situação, não permitindo fazer as ligações às causas dos problemas identificados, mas permitindo definir as prioridades para os estudos de incidência, mais detalhados Estudos de prevalência Existe evidência de que a taxa de prevalência de infeção hospitalar em Portugal é mais elevada do que a média europeia e mais alta do que previsível (figura 21). No último inquérito de prevalência ECDC ( ), a taxa de prevalência média em Portugal e na Europa foi, respetivamente, de 10,6% e de 5,7 % sendo a prevalência de uso de antimicrobianos, respetivamente, de 45,8% e de 35,8% (quadro 19). Contudo o ECDC chama à atenção de que, apesar de utilização de um protocolo padronizado, as comparações entre países devem ser feitas com cautela devido às características das populações e às metodologias de amostragem, entre outros fatores. 40 Melhor Informação, Mais Saúde

41 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 21. Correlação entre a prevalência de infeção hospitalar observada e a prevista, por país, ECDC ( ) Fonte: ECDC SURVEILLANCE REPORT Point prevalence survey of healthcare associated infections and antimicrobial use in European acute care hospitals Quadro 19. Distribuição da infeção hospitalar e do uso de antimicrobianos em Portugal e UE (2012) Prevalência de IH Uso de AM Portugal UE Portugal UE Homens 12,4% 7,2% 48,3% 39,2% Mulheres 8,8% 5,4% 42,3% 33,2% 10,5% 5,7% 45,4% 32,7% Total IC 95% 10,1 11,0 IC95% 4,5 7,4 IC95% 44,6-46,1 IC95%29,4-36,2 Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 41

42 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 A infeção hospitalar é tão mais frequente quanto maior a idade do doente e maior a duração do internamento, como é evidente nos quadros e gráficos abaixo (quadro 20 e figura 22). Quadro 20. Prevalência de casos de infeção hospitalar e de uso de antimicrobianos por distribuição etária*, incluindo intervalos de confiança de 95% (IC95%), Portugal (2012) Grupos Etários Distribuição Etária Prevalência de casos de IH e uso de AM Infeção Hospitalar Uso de Antimicrobianos n % IC95% n % IC95% < 1 ano 5,3% 52 5,4% (4.1%;7%) ,9% (17.4%;22.6%) 1-4 anos 1,1% 8 4,0% (1.7%;7.7%) ,5% (46.3%;60.6%) 5-14 anos 1,5% 11 4,0% (2%;7.1%) ,6% (43.5%;55.7%) anos 3,2% 34 5,8% (4.1%;8.1%) ,8% (32.8%;40.8%) anos 5,9% 48 4,5% (3.3%;5.9%) ,5% (31.6%;37.4%) anos 7,8% 86 6,1% (4.9%;7.4%) ,5% (38%;43.1%) anos 10,1% 174 9,5% (8.2%;10.9%) ,3% (42.1%;46.6%) anos 13,6% ,8% (10.6%;13.2%) ,5% (42.6%;46.5%) anos 18,3% ,6% (11.5%;13.8%) ,0% (45.3%;48.7%) anos 22,8% ,8% (11.8%;13.9%) ,2% (49.7%;51.7%) 85 ou > anos 10,3% ,8% (12.2%;15.4%) ,6% (54.3%;58.8%) Total ,6% (10.2%;11.1%) ,4% (44.6%;46.1%) *n=102 hospitais; não inclui o hospital que fez a versão light Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 42 Melhor Informação, Mais Saúde

43 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 22. Infeção hospitalar e duração de internamento, Portugal (2012) Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 43

44 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 De entre as infeções hospitalares, predominam as infeções das vias respiratórias inferiores, as infeções urinárias e as infeções do local cirúrgico (quadro 21 e figura 23). A maioria das infeções respiratórias não teve confirmação microbiológica. Quadro 21. Distribuição da prevalência das infeções hospitalares por localização Portugal (2012) Distribuição das IH por localização % Doentes com Infeção Confirmação Localização das IH % do total de IH (IC 95%) Microbiológica Inf. vias respiratórias inferiores 620 3,4% (3,1 3,8) 29,3% 38,5% Inf. vias urinárias 444 2,4% (2,2 2,7) 21,1% 73,9% Inf. local cirúrgico 377 2,1% (1,9 2,3) 18% 52,8% Inf. corrente sanguínea 171 0,9% (0,8 1,1) 8,1% 98,8% Inf. gastrintestinal 123 0,7% (0,6 0,8) 5,9% 58,5% Inf. pele e tec. moles 105 0,6% (0,5 0,7) 5% - Outras infeções 262 1,5% 12,5% - Total ,6% (10,1 11,0) 100% - Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 44 Melhor Informação, Mais Saúde

45 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Figura 23. Distribuição da prevalência das infeções hospitalares por localização, por país, ECDC ( ) Fonte: ECDC SURVEILLANCE REPORT Point prevalence survey of healthcare associated infections and antimicrobial use in European acute care hospitals

46 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 De entre as infeções do local cirúrgico, predominam as infeções de órgão/espaço e incisionais profundas, que constituem 75% do total destas infeções (quadro 22). Quadro 22. Infeção do Local Cirúrgico Portugal (2012) Infeção do Local Cirúrgico Infeção do Local Cirúrgico (ILC) N.º (taxa de prevalência) % do total de infeções Total ILC 374 2,1% (1,9 2,3) 18% Incisional Superficial 94 4,6 (25,1%) Incisional Profunda 124 5,9 (33,1%) Órgão/Espaço 156 7,5 (41,8%) Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 46 Melhor Informação, Mais Saúde

47 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos Os vários estudos de prevalência realizados no nosso país, mesmo tendo em conta as diferenças nos protocolos utilizados, sugerem que a prevalência de infeção hospitalar tem vindo tendencialmente a aumentar entre 1993 e 2012 (figura 24). Figura 24. Prevalência de infeção hospitalar determinada por inquérito de prevalência da infeção Portugal ( ) Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 47

48 Portugal Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2013 No que se refere à localização das infeções hospitalares, especialmente preocupante parece ser o aumento das infeções do local cirúrgico, enquanto a taxa de infeção urinária tem vindo a diminuir ao longo dos últimos 20 anos (figura 25). Figura 25. Prevalência de infeção hospitalar determinada por inquérito de prevalência da infeção, por local de infeção Portugal ( ) Fonte: Prevalência de Infeção Adquirida no Hospital e do Uso de Antimicrobianos nos Hospitais Portugueses, Inquérito 2012, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde. Disponível em 48 Melhor Informação, Mais Saúde

49 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos 4.2. Prevalência de infeção e uso de antimicrobianos nas Unidades de Cuidados Continuados No estudo realizado, em 2012, em 232 unidades de cuidados continuados, observou-se uma taxa de prevalência de infeção de 8,1% e uma taxa de prevalência de uso de antimicrobianos de 9,4%. As taxas observadas no estudo piloto da ECDC em 2010 foram de cerca de 4%. Contudo, verificaram-se grandes diferenças entre países podendo estar relacionadas com a tipologia das unidades, com um maior ou menor número de lares incluídos na amostra, e com a metodologia de recolha de dados. Ao contrário doutros países europeus onde predominam as infeções urinárias e das vias respiratórias, Portugal apresenta taxas mais elevadas de infeções cutâneas, que constituem quase 35% do total de infeções (figura 26). Figura 26. Distribuição das infeções em unidades de cuidados continuados por localização, Portugal (2010) Fonte: Relatório Vigilância Epidemiológica das Infeções Nosocomiais da Corrente Sanguínea, 2010, Direção-Geral da Saúde, Departamento da Qualidade na Saúde, PNCI. Disponível em 49

Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2014

Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2014 PORTUGAL Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números 2014 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos PORTUGAL Prevenção e Controlo

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES PNCI, Departamento da Qualidade na Saúde PNCI Autores Elaine Pina Maria Goreti Silva Colaboração de: Nuno Janeiro José Artur Paiva Luis Lito Etelvina Ferreira PNCI,

Leia mais

Relatório da VE-INCS PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA RELATÓRIO DADOS DE 2013

Relatório da VE-INCS PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA RELATÓRIO DADOS DE 2013 PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA RELATÓRIO DADOS DE 2013 (Elaboração de: José Artur Paiva, Elaine Pina, Paulo André Fernandes e Maria Goreti Silva). 1 ÍNDICE

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE FCT - SFRH/BD/60249/2009 Isabel Ramalhinho, PhD Profª Auxiliar da FCT-UALG Seminário: Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Escola Superior

Leia mais

PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional. Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA

PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional. Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA Programa de Prevenção de Controlo de Infeções e de Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA) PPCIRA PBCI

Leia mais

PAPA EM REDE: PROGRAMA DE APOIO À PRESCRIÇÃO NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

PAPA EM REDE: PROGRAMA DE APOIO À PRESCRIÇÃO NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PAPA EM REDE: PROGRAMA DE APOIO À PRESCRIÇÃO NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 5º SEMINÁRIO : INFEÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE Faro 23 de Outubro 2015 Dulce Pascoalinho Coordenadora do Grupo Coordenador

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES

PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES Departamento da Qualidade na Saúde PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ADQUIRIDA NO HOSPITAL E DO USO DE ANTIMICROBIANOS NOS HOSPITAIS PORTUGUESES INQUÉRITO 2012 Abril 2013 AUTORES: Elaine Pina Coordenadora do Programa

Leia mais

UCCI. I Jornadas PPCIRA. Uma Prioridade Nacional. 16 a 18 novembro Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz

UCCI. I Jornadas PPCIRA. Uma Prioridade Nacional. 16 a 18 novembro Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz UCCI Uma Prioridade Nacional I Jornadas PPCIRA 16 a 18 novembro 2015 Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz Objetivo Geral Transmitir a realidade nacional e definir as prioridades de intervenção

Leia mais

PROGRAMA PREVENÇÃO e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos

PROGRAMA PREVENÇÃO e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos PROGRAMA PREVENÇÃO e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos RELATÓRIO INQUÉRITO DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO E USO DE ANTIMICROBIANOS NAS UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS HealthcareAssociated

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE Objectivo Fornecer

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em Números 2015

Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em Números 2015 PORTUGAL Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em Números 2015 Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos PORTUGAL Prevenção e Controlo

Leia mais

A Microbiologia no controlo das IACS. Valquíria Alves Coimbra 2014

A Microbiologia no controlo das IACS. Valquíria Alves Coimbra 2014 A Microbiologia no controlo das IACS Valquíria Alves Coimbra 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and Infection Prevention

Leia mais

Orientações Programáticas do Programa de Prevenção e Controlo das Infecções e Resistências aos Antimicrobianos

Orientações Programáticas do Programa de Prevenção e Controlo das Infecções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas do Programa de Prevenção e Controlo das Infecções e Resistências aos Antimicrobianos José Artur Paiva Elaine Pina Maria Goreti Silva Paulo Nogueira THE SIXTIES The dream of defeating

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

OEm Observatório da Emigração

OEm Observatório da Emigração OEm Observatório da Emigração Ficha 2014.01 Emigração Portuguesa na União Europeia Os Dados dos Censos de 2011 Mais de um milhão de portugueses estavam emigrados nos países da União Europeia e da EFTA

Leia mais

Revisão Anual de Preços

Revisão Anual de Preços Revisão Anual de Preços Impacto 2012 2013 2014 GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Revisão Anual de Preços Impacto 2012, 2013 e 2014 Relatório final Autores: Ana Correia Cláudia Santos

Leia mais

Produção Científica Portuguesa: Séries Estatísticas

Produção Científica Portuguesa: Séries Estatísticas 2005-2015 ÍNDICE Nota Inicial.2 Gráfico 1 Número de publicações por milhão de habitantes nos vários países da União Europeia: 2005 e 2015 3 Gráfico 2 Taxa de crescimento médio anual, entre 2005 e 2015,

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS ACES CÁVADO II GERÊS/CABREIRA 2015-03 - 13 Raul Varajão Borges ACES CÁVADO II GERÊS / CABREIRA O começo é a parte mais importante de qualquer trabalho. PLATÃO Distribution of antimicrobial

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS José Artur Paiva MD, PhD Coordenador do Programa Nacional de Prevenção de Resistências aos Antimicrobianos Departamento de Qualidade Direcção

Leia mais

ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS

ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS ALIANÇA INTERSECTORIAL PARA A PRESERVAÇÃO DOS ANTIBIÓTICOS José Artur Paiva MD, PhD Coordenador do Programa Nacional de Prevenção de Resistências aos Antimicrobianos Departamento de Qualidade Direcção

Leia mais

Monitorização do consumo de antibióticos no ambulatório ARSN

Monitorização do consumo de antibióticos no ambulatório ARSN Monitorização do consumo de antibióticos no ambulatório ARSN 2013-2015 Comissão de Farmácia e Terapêutica Dezembro 2016 Monitorização do consumo de antibióticos em ambulatório na ARSN - 2013-2015 Nos últimos

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais PRODUTO (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MARÇO dezembro As Newsletter do SIMA podem

Leia mais

Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados,

Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados, Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados, referentes apenas a infecções hospitalares. Quando começa

Leia mais

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016 oem Observatório da Emigração Saldos migratórios 2000-2013 Rui Pena Pires e Inês Espírito-Santo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL),

Leia mais

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCETIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE

Leia mais

Consumo de Antimicrobianos em Portugal

Consumo de Antimicrobianos em Portugal Consumo de Antimicrobianos em Portugal Dia Europeu dos Antibióticos Inês Teixeira, MSc Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde INFARMED, I.P. - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EGAS MONIZ

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EGAS MONIZ INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EGAS MONIZ MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS MORTALIDADE, MORBILIDADE E CUSTO ECONÓMICO DE INFEÇÕES HOSPITALARES RESISTENTES A ANTIBIÓTICOS NA EUROPA

Leia mais

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação:

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação: 3.6.2016 L 146/31 RETIFICAÇÕES Retificação do Regulamento de Execução (UE) 2016/799 da Comissão, de 18 de março de 2016, que dá execução ao Regulamento (UE) n. o 165/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

NÚMERO: 004/2013 DATA: 21/02/2013 ATUALIZAÇÃO 08/08/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 004/2013 DATA: 21/02/2013 ATUALIZAÇÃO 08/08/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 004/2013 DATA: 21/02/2013 ATUALIZAÇÃO 08/08/2013 Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos Resistências aos Antimicrobianos Todos

Leia mais

Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas. Valquíria Alves 2015

Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas. Valquíria Alves 2015 Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas Valquíria Alves 2015 Teste de susceptibilidade aos antimicrobianos As metodologias de que dispomos na rotina são todas dependentes da

Leia mais

Quimioterápicos Arsenobenzóis Sulfas

Quimioterápicos Arsenobenzóis Sulfas ANTIBIÓTICOS 1 INTRODUÇÃO: História: Penicillium notatum Antibiose S. aureus Ser Vivo x Ser Vivo Antibiótico Fungo x Bactéria Quimioterápicos Antibiótico Sir Alexander Fleming 1909 Arsenobenzóis 1935 -

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Bloco mais antigo; Está no mais adiantado estágio de integração; Estágios de Integração Objetivos Zona de Livre Comércio União Aduaneira Mercado Comum União Monetária União Política

Leia mais

Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal

Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal NÚMERO: 004/2012 DATA: 03/02/2012 ATUALIZAÇÃO: 21/02/2012 ASSUNTO: Programa Nacional de Vacinação - PNV 2012 Doença meningocócica pelo serogrupo C e estratégia vacinal PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS:

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 24 novembro 2015 Lisboa BPstat mobile Evolução da difusão estatística

Leia mais

A Norma DGS/INSA de vigilância epidemiológica de resistência antimicrobiana

A Norma DGS/INSA de vigilância epidemiológica de resistência antimicrobiana A Norma DGS/INSA de vigilância epidemiológica de resistência antimicrobiana José Artur Paiva MD, PhD Diretor do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência a Antimicrobianos Direção Geral

Leia mais

Relatório. Inquérito de Prevalência de. Infeção Programa Nacional de Prevenção e. Controlo da Infeção Associada aos Cuidados.

Relatório. Inquérito de Prevalência de. Infeção Programa Nacional de Prevenção e. Controlo da Infeção Associada aos Cuidados. Relatório Inquérito de Prevalência de Infeção 2010 Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infeção Associada aos Cuidados de Saúde Autores Elaine Pina Goreti Silva Etelvina Ferreira Departamento da

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS PORTUGAL

CUIDADOS PALIATIVOS PORTUGAL Na análise do caminho feito por Portugal na área dos Cuidados Paliativos, tinha já sido enfatizado o seu sucesso através de documento de reconhecimento por parte do perito da O.M.S. que acompanhou a elaboração

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0900 (NLE) EUCO 110/13 INST 234 POLGEN 69 OC 295 ATOS JURÍDICOS Assunto: PROJETO DE DECISÃO DO CONSELHO EUROPEU que

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

1. A dinamização do Sistema de Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos tem de

1. A dinamização do Sistema de Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos tem de NÚMERO: 004/2013 DATA: 08/08/2013 ATUALIZAÇÃO: 13/11/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos Resistências aos Antimicrobianos Todos

Leia mais

1. A dinamização do Sistema de Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos tem de

1. A dinamização do Sistema de Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos tem de NÚMERO: 004/2013 DATA: 08/08/2013 ATUALIZAÇÃO: 13/11/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vigilância Epidemiológica das Resistências aos Antimicrobianos Resistências aos Antimicrobianos Todos

Leia mais

Organizar a Escola para 12 anos de escolaridade obrigatória JOAQUIM AZEVEDO

Organizar a Escola para 12 anos de escolaridade obrigatória JOAQUIM AZEVEDO Organizar a Escola para 12 anos de escolaridade obrigatória JOAQUIM AZEVEDO 3º Ciclo de Seminários de Aprofundamento em Administração e Organização escolar UCP - 27 de fevereiro de 2013 Escolaridade de

Leia mais

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO Um Exemplo Pratico de Implementação VI CONGRESSO CIENTIFICO ANL IV JORNADAS CIENTIFICAS JIQLAC Lisboa 21 de Maio de 2016 Dulce Pascoalinho Coordenadora do Grupo Coordenador

Leia mais

Taxa de gestão de resíduos

Taxa de gestão de resíduos Taxa de gestão de resíduos Inês Diogo Vogal do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. 30 de abril de 2013 Resumo 1. Enquadramento 2. Objetivo 3. Aplicação 4. Valores 5. Evolução 6. Destino

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Análise do Mercado dos Produtos Petrolíferos em 2011 Introdução O preço dos combustíveis é um tema sempre presente na nossa sociedade, que afeta todos os

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

RELATÓRIO VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA

RELATÓRIO VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA RELATÓRIO VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA 2011 Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Infeções e das Resistências aos Antimicrobianos Departamento da Qualidade

Leia mais

Recolocação de requerentes de proteção internacional

Recolocação de requerentes de proteção internacional European Asylum Support Office Recolocação de requerentes de proteção internacional Folheto informativo PT SUPPORT IS OUR MISSION «Que se entende por recolocação?» Por recolocação entende se a transferência

Leia mais

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008)

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008) Manual da EU sobre a Prática de Reunião do Council of European Dentists Bruxelas 28 de Novembro de 2008 Dr Anthony S Kravitz OBE (Condecoração Ordem do Império Britânico) Professora Elizabeth T Treasure

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2011 COM(2011) 352 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Segundo relatório sobre

Leia mais

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 0,5% face ao trimestre homólogo de 2015

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 0,5% face ao trimestre homólogo de 2015 Índice de Custo do Trabalho 1.º trimestre de 216 13 de maio de 216 O Índice de Custo do Trabalho aumentou,% face ao trimestre homólogo de 21 O Índice de Custo do Trabalho ajustado de dias úteis registou

Leia mais

RCD Eficiência na Cadeia de Valor

RCD Eficiência na Cadeia de Valor WORKSHOP COMO ATINGIR A META DE 70 % DE VALORIZAÇÃO DE RCD EM 2020? 1. Estratégias e Políticas Europeias no âmbito dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD) 2. Gestão e Reciclagem dos RCD na Europa

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Sandra Paulo Laboratório de Microbiologia Serviço de Patologia Clínica - CHCB Infeções associadas

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 19-10 a 25-10- COTAÇÕES MÉDIAS NACIONAIS - SEMANAIS As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal

Leia mais

A APOSENTAÇÃO NA EUROPA (7 páginas)

A APOSENTAÇÃO NA EUROPA (7 páginas) A APOSENTAÇÃO NA EUROPA (7 páginas) Em: Comissão Europeia/EACEA/Eurydice, 2013. Números-Chave sobre os Professores e os Dirigentes Escolares na Europa. Edição de 2013. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço

Leia mais

ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009

ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Direcção-Geral da Comunicação UNIDADE DE ACOMPANHAMENTO DA OPINIÃO PÚBLICA 15/09/2008 ELEIÇÕES EUROPEIAS 2009 Eurobarómetro do Parlamento Europeu (EB Standard 69) Primavera 2008 Primeiros resultados globais:

Leia mais

Estudo sobre o Consumo de Álcool, Tabaco e Droga Portugal/2003

Estudo sobre o Consumo de Álcool, Tabaco e Droga Portugal/2003 Gráfico ECATD/ CANNABIS Percepção de mercado, por grupo etário Total de Alunos Gráfico ECATD/ CANNABIS Percepção de consumo, por grupo etário Total de Alunos Risco do Consumo Regular (%) Muito Fácil,,,,,,

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Evolução da Sinistralidade Rodoviária A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária DIMENSÃO DO PROBLEMA Relatório da Organização Mundial de Saúde (WHO) sobre Prevenção Rodoviária (2009) 2004 2030 POS

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA O QUE SE COMEMORA NO ANO EUROPEU 2008 QUIZ O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA No século XX, depois das Guerras Mundiais (a 2ª foi

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Redes onde o é Cartão BPI Prémio Cartão BPI e Multibanco Cartão BPI Gold e Multibanco Cartão BPI Campeões Cartão Visa FC Porto Cartão BPI Zoom Cartão ACPMaster Cartão BPI Premier

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA

Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA INSTI Sociedade financeira com sede em território nacional, de acordo com o previsto no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras

Leia mais

Energia e Alterações Climáticas. Ensino Básico

Energia e Alterações Climáticas. Ensino Básico Energia e Alterações Climáticas Ensino Básico Energia e Alterações Climáticas Índice 1. Os países da União Europeia 2. O caminho para a União Europeia 3. Ambiente na Europa 4. Alterações Climáticas 5.

Leia mais

INDICADORES DE RESULTADOS

INDICADORES DE RESULTADOS INDICADORES DE RESULTADOS INQUÉRITO DE PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO HOSPITAL SÃO MARCOS - BRAGA JUNHO DE 2006 as Jornadas Nacionais Controlo de Infecção Maio 2007 CCI - HSM MISSÃO Promover a segurança dos doentes

Leia mais

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino Antibióticos O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana Caio Roberto Salvino Laboratório Saldanha Hospital Nossa Senhora dos Prazeres SBAC-SC Resistência Bacteriana Problema

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS INFEÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS 12 DE NOVEMBRO DE 2013 CRISTINA SOUSA ECR ALENTEJO REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS

Leia mais

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL Luzia Néri Machado 1, Cristane

Leia mais

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes?

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? MADALENA RAMOS, ISCTE-IUL, CIES-IUL (madalena.ramos@iscte.pt) ANA CRISTINA FERREIRA, ISCTE-IUL, DINÂMIA/CET-ISCTE-IUL (cristina.ferreira@iscte.pt)

Leia mais

Quando Suspender as Precauções?

Quando Suspender as Precauções? Quando Suspender as Precauções? Nuno Canhoto Serviço de Patologia Clínica do SESARAM. E.P.E. Sector de Microbiologia 1 Transmissão dos Microrganismos Vias de transmissão Reservatório/ Fonte Dinâmica da

Leia mais

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. EVOLUÇÃO DA REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS... 3

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 04-01 a 10-01- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Preçário. WiZink Bank, S.A.

Preçário. WiZink Bank, S.A. Preçário WiZink Bank, S.A. Instituição de Crédito com Sucursal em território nacional Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em Vigor: 21 abril 2017

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos Infeção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infeção em unidades de cuidados continuados QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota: Cada Unidade

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 10-04 a 16-04- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Comissão Europeia. Conselho da União Europeia. Parlamento Europeu. Tribunal de Justiça. Tribunal de Contas. Comité Económico e Social

Comissão Europeia. Conselho da União Europeia. Parlamento Europeu. Tribunal de Justiça. Tribunal de Contas. Comité Económico e Social As instituições comunitárias Comissão Europeia Conselho da União Europeia Parlamento Europeu Tribunal de Justiça Tribunal de Contas Comité Económico e Social Comité das Regiões Banco Europeu de Investimentos

Leia mais

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da MAXPAY-Instituição de Pagamento, Lda, contém o Folheto

Leia mais

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Antibióticos Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Introdução São produtos que eliminam os microorganismos vivos que causam danos aos pacientes. Os agentes antimicrobianos podem ser de origem

Leia mais

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Paula Brito Alguns conceitos de qualidade no controlo da infecção A satisfação alcançada por um serviço, depende das expectativas do utente/doente. Conformidade

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 13 de dezembro de 2012 Paridades de Poder de Compra 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 Em

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

O Índice de Custo do Trabalho diminuiu 2,8% face ao trimestre homólogo de 2014

O Índice de Custo do Trabalho diminuiu 2,8% face ao trimestre homólogo de 2014 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 3T15 13 de novembro de 2015 Índice de Custo do Trabalho 3.º trimestre de

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) 11.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Designação do Redes onde o é aceite 1. Anuidades Outros 1.º Titular titulares 2. Emissão de 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Pagamento devolvido 6. Comissão

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2% face ao trimestre homólogo de 2014

O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2% face ao trimestre homólogo de 2014 14 de agosto de 21 Índice de Custo do Trabalho 2º trimestre de 21 O Índice de Custo do Trabalho aumentou 1,2 face ao trimestre homólogo de 214 O Índice de Custo do Trabalho ajustado de dias úteis registou

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 15-02 a 21-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 1/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ÍNDICE PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Junto

Leia mais