Comissão Europeia Mercado interno e serviços. O seu mercado único? Um Acto para o Mercado Único para uma economia social de mercado competitiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comissão Europeia Mercado interno e serviços. O seu mercado único? Um Acto para o Mercado Único para uma economia social de mercado competitiva"

Transcrição

1 Comissão Europeia Mercado interno e serviços O seu mercado único? Um Acto para o Mercado Único para uma economia social de mercado competitiva

2 Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu) Uma ficha catalográfica figura no fim desta publicação Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2010 ISBN doi: /22157 União Europeia, 2010 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Printed in Spain

3 O seu mercado único? Um Acto para o Mercado Único para uma economia social de mercado competitiva

4 PARTE 1. UM CRESCIMENTO FORTE, SUSTENTÁVEL E EQUITATIVO PARTE 2. OS CIDADÃOS EUROPEUS NO CENTRO DO MERCADO ÚNICO RECUPERAR E CONQUISTAR A CONFIANÇA PARTE 3. DIÁLOGO, GOVERNAÇÃO E MERCADO ÚNICO 2

5 Caro concidadão europeu Participa todos os dias na construção da Europa. Trabalha, consome, viaja, economiza, estuda ou investe. Quer cuidar da sua saúde ou está a preparar a sua reforma. Em todos os aspectos da sua vida quotidiana, o mercado único, comum a todos os europeus, deve ajudá-lo, dar-lhe mais oportunidades e permitir-lhe fazer planos para o futuro. Num esforço de colaboração com os meus colegas da Comissão Europeia, identificámos um conjunto de 50 acções destinadas a permitir que todos os europeus tirem maior partido da sua participação no mercado único. A presente brochura pretende ser, acima de tudo, um convite à reflexão e ao debate sobre as questões que são importantes para si. A partir de agora e até ao final de Fevereiro, as nossas propostas estarão em debate em todos os Estados-Membros da UE. Convidamo-vos a todos a partilhar connosco os vossos pensamentos e opiniões. Seja um particular, uma pequena ou grande empresa, um sindicato, uma associação, uma ONG ou um grupo de reflexão, queremos conhecer a sua opinião. Não hesite em visitar o nosso sítio Web, no endereço ec.europa.eu/internal_market/smact/, onde poderá conhecer integralmente as nossas propostas, acompanhar eventos e participar em debates sobre questões essenciais relativas ao Acto para o Mercado Único. Pode igualmente escrever-me, quer para quer para o nosso endereço consagrado exclusivamente ao Acto para o Mercado Único: Na expectativa do seu contributo, Michel BARNIER Membro da Comissão Europeia responsável pelo Mercado Interno e pelos Serviços 3

6 Porquê um Acto para o Mercado Único? 2012 assinala o 20.º aniversário do mercado único. Lançado em 1992, sob a liderança de Jacques Delors, o mercado único pretendia estreitar os laços entre os cidadãos e os Estados- Membros da União Europeia. As suas vantagens são numerosas e evidentes, tanto para as empresas como para os consumidores, que viram os preços das suas comunicações móveis descer 70% e o custo das passagens aéreas cair 40%. Mas os tempos são outros. A globalização do comércio, o progresso tecnológico e a emergência de novos actores a nível mundial mudaram as regras do jogo. A crise económica e financeira teve um forte impacto nos trabalhadores e nas empresas. Esta nova realidade exige uma nova resposta. Uma resposta ambiciosa, que vise relançar a integração do mercado e que facilite a concretização do potencial de crescimento da Europa. É preciso um esforço comum para voltar a colocar os cidadãos no centro do mercado único e para conquistar a sua confiança. Um mercado único forte e bem-sucedido cria emprego e responde a questões de protecção social e de sustentabilidade ambiental. Para superar estes desafios necessitamos de um compromisso pan-europeu. Um compromisso que envolva interessados de todos os cantos da Europa, de âmbito nacional e regional, dos sectores público e privado e das esferas económica e social. É esta a essência do Acto para o Mercado Único: acções que a Comissão quer ver debatidas e postas em práticas com urgência, 4

7 antes do final de Identificámos os problemas que impedem o mercado único de realizar integralmente as suas potencialidades. Existem inúmeras possibilidades de crescimento. Contudo, estas possibilidades só poderão ser exploradas quando os cidadãos e as empresas estiverem plenamente convencidos dos benefícios gerados pelo mercado único. As nossas acções inscrevem-se em três categorias: Como relançar um crescimento forte, sustentável e equitativo. Como colocar os cidadãos no centro do mercado único. Como promover uma melhor governação e reforçar o diálogo no mercado único. 5

8 6 21 milhões de empresas europeias asseguram 175 milhões de empregos e abastecem 500 milhões de consumidores. O mercado único deve incentivar as empresas a expandir se, comprar, vender, criar, investir e contratar pessoal na União Europeia e não só, porque a Europa deve pensar e agir à escala global.

9 PARTE 1. UM CRESCIMENTO FORTE, SUSTENTÁVEL E EQUITATIVO

10 INCENTIVAR E PROTEGER A CRIATIVIDADE Uma patente europeia O nosso sistema de patentes fragmentado não estimula a inovação nem protege convenientemente os inventores, os centros de investigação e as empresas. O nosso objectivo é conceder as primeiras patentes da UE em Qualquer empresa ou particular que registe uma patente tem de enfrentar um processo de validação em todos os Estados- Membros, com os custos de tradução inerentes, o que desencoraja as empresas mais pequenas. Actualmente, o registo de uma patente pode implicar litigâncias onerosas e arriscadas em diversos fóruns e em vários Estados- Membros. 8

11 Imagine uma descoberta médica Imagine que uma PME especializada em implantes médicos descobre um novo dispositivo para a coluna vertebral. Ciente de que a cópia de inovações é comum no sector, a empresa decide que o registo de uma patente é a única forma de proteger a sua invenção. No actual sistema, o registo da patente em 13 Estados- Membros poderia custar à empresa euros. Limitações de ordem financeira impedem a empresa de o fazer, deixando a invenção vulnerável à cópia por outros países. Se for copiada fora da UE e importada através do porto de um Estado-Membro em que a patente não esteja registada, as autoridades não poderão impedir a sua comercialização no mercado único. 9

12 Enfrentar os problemas do comércio transfronteiriço em linha O sector que levanta mais problemas aos consumidores é o mercado único em linha. Actualmente, apenas 7% dos consumidores fazem compras em linha. Com demasiada frequência, os consumidores não podem comprar produtos de outros Estados-Membros devido à sua nacionalidade ou local de residência. Um estudo recente revela que 61% das compras em linha não puderem ser realizadas porque as empresas se recusaram a vender a pessoas de outros países. Em 2011, a Comissão irá apoiar os Estados-Membros e fornecer lhes mais orientações sobre a forma de erradicar a discriminação no comércio electrónico. A inexistência de um enquadramento europeu dos direitos de autor vem complicar ainda mais as compras em linha. Comprar ou vender música, livros ou outras criações de valor cultural é ainda demasiado complicado. Em consequência, o potencial da Europa para um intercâmbio à escala da União de obras de valor cultural permanece largamente inexplorado. Em 2011, a Comissão apresentará uma directiva quadro relativa aos direitos de autor, com o objectivo de abrir o acesso à arte em linha e, simultaneamente, assegurar a protecção e a remuneração adequadas dos titulares de direitos. 10

13 Lutar contra a contrafacção e a pirataria A contrafacção e a pirataria tornaram-se problemas graves a nível mundial. Há vinte anos, a contrafacção constituía uma preocupação principalmente para os fabricantes de carteiras de senhora caras. Hoje, os contrafactores copiam não só electrodomésticos, peças de automóveis, brinquedos e software, mas também medicamentos. Esta situação, para além de representar a perda de milhões em receitas fiscais, também põe em risco postos de trabalho e a saúde e a segurança dos cidadãos. Em 2010, a Comissão proporá um plano de acção contra a contrafacção e a pirataria, e apresentará uma proposta legislativa para reforçar os controlos aduaneiros. A Comissão irá ainda reexaminar a sua estratégia em matéria de direitos de propriedade intelectual para os países não pertencentes à União. 11

14 Sabia que: No G20 se perderam milhões de euros em receitas fiscais devido à pirataria e à contrafacção. Em 2008, o comércio retalhista perdeu milhões de euros e foram extintos postos de trabalho. Em 2009, o Eurobarómetro revelou que quase um terço dos europeus pensa que não há problema em comprar produtos contrafaccionados e que 40% dos jovens europeus compram, conscientemente, produtos falsos em plataformas Internet. 12

15 PROMOVER UMA ECONOMIA MAIS SUSTENTÁVEL Aumentar o mercado único dos serviços Os serviços são uma parte essencial da economia europeia e representam mais de 70% dos postos de trabalho. Contudo, embora se tenham registado progressos, o mercado único dos serviços ainda não funciona tão bem quanto devia. Os serviços transfronteiriços representam apenas 5% do PIB, percentagem que é muito baixa comparativamente com o comércio de bens no mercado único, que representa 17% do PIB. Os cidadãos e as empresas, especialmente as pequenas e médias empresas (PME), só têm a ganhar com a melhoria do funcionamento do mercado único dos serviços. Esses ganhos estão estimados em lucros anuais de 60 a 140 mil milhões de euros e num crescimento do PIB de entre 0,6% e 1,5%. Por este motivo, a Comissão apresentará, em 2011, novas medidas para melhorar o mercado único dos serviços. Regras mais eficazes para as normas europeias para os produtos Normas comuns significam que as empresas vão deixar de ter de observar normas diferentes para mercados diferentes, reduzindo, assim, os seus custos e facilitando o seu acesso aos mercados globais, que representam mais comércio e mais crescimento. Os novos produtos que observam normas de qualidade internacionais transmitem uma mensagem de confiança e de profissionalismo. As normas comuns para produtos na UE foram ainda essenciais para assegurar que os consumidores da União têm acesso a produtos seguros e de qualidade, independentemente da sua origem. A vantagem económica da normalização ronda 1% do PIB. Mas ainda é possível melhorar. As normas deveriam ser aprovadas com maior celeridade, para acompanhar o rápido desenvolvimento das novas tecnologias. De outra forma, as empresas perderão oportunidades de exportação. 13

16 Normas para aeronaves A Airbus Industries, uma subsidiária da EADS (Companhia Europeia de Aeronáutica, Defesa e Espaço), é pioneira no sector da construção de aeronaves mundial há mais de quarenta anos. Recentemente, o construtor reduziu drasticamente o número de peças para as aeronaves de passageiros de grande porte A330/A340 com a introdução de normas harmonizadas. A harmonização das normas a nível europeu resultou numa maior rentabilidade e melhorou o acesso aos mercados mundiais. Ao passar a aplicar as normas europeias, a Airbus deixou de ter de observar uma multiplicidade de normas industriais em diferentes países e reduziu os seus custos em mais de 9 milhões de euros. 14

17 Acesso das pequenas e médias empresas aos mercados de capital As PME representam 99% das empresas da União. Contudo, muitas vezes estas empresas não conseguem explorar o seu potencial de expansão por terem dificuldade em obter financiamento. As grandes empresas continuam a ter muito mais facilidade em aceder ao capital do que as pequenas. Por este motivo é tão importante melhorar o acesso das PME ao financiamento. A Comissão irá incentivar a criação de uma rede de bolsas de valores regionais e assegurar que os fundos de capital de risco possam investir livremente em todos os Estados- Membros, favorecendo o surgimento de novas pequenas empresas. A Comissão tomará ainda medidas tendentes a conferir maior visibilidade às PME junto de potenciais investidores e procurará influenciar a simplificação dos requisitos para a sua cotação nos mercados de capitais. A Comissão pretende ainda simplificar as normas contabilísticas para as PME e melhorar o seu acesso aos contratos públicos. FINANCIAR A INOVAÇÃO E OS INVESTIMENTOS A LONGO PRAZO Obrigações europeias para as poupanças dos cidadãos A Comissão procurará encontrar formas para incentivar os investidores privados a investir em estratégias económicas a longo prazo, bem como em grandes projectos de infra-estruturas europeus, nomeadamente nas áreas dos transportes e da energia. Uma opção é a criação de obrigações associadas a projectos, uma ideia avançada pelo Presidente Barroso no seu discurso sobre o estado da União em Estas obrigações poderiam ser emitidas em estreita cooperação com o Banco Europeu de Investimento. 15

18 Contratos públicos mais ecológicos, mais inovadores e mais eficazes Os concursos públicos são o processo pelo qual o sector público adjudica a empresas contratos para o fornecimento de bens ou serviços, como, por exemplo, trabalhos de construção. Este método gerou mais concorrência em torno dos contratos públicos: em média, cada concurso público conta com cinco concorrentes. As entidades adjudicantes pensam que esta concorrência permite realizar economias que se cifram entre os 5% e os 8% dos custos previstos. Os bens e os serviços adquiridos no seguimento de concursos públicos representam 17% do PIB da UE. As regras da União aplicáveis aos concursos públicos contribuíram para uma maior transparência na adjudicação de contratos públicos. Em 2009, foram anunciados em toda a UE mais de concursos. Mas a situação pode ainda ser melhorada. Até 2012, a Comissão vai apresentar propostas tendentes a tornar os contratos públicos mais ecológicos e mais inovadores. Serão estudadas opções para realizar economias de escala através de concursos públicos transnacionais que envolvam mais do que um Estado- Membro. A Comissão procurará ainda formas de melhorar o acesso das PME aos contratos públicos. 16

19 Concursos para a aquisição de computadores reduzem o consumo de energia na Suécia Na Suécia, os contratos públicos são objecto de acordos-quadro de grandes aquisições para os vários organismos do Estado. Neste país, os contratos para a aquisição de computadores pessoais, que representam 250 milhões de euros anuais, são os maiores contratos específicos celebrados. Os concursos para a aquisição de computadores incluem requisitos estritos em matéria de rendimento energético e de substâncias químicas. Em consequência, o consumo de energia anual diminuiu 3,750 MWhz e as emissões de CO 2 associadas à utilização de computadores diminuíram a uma média anual de 26 toneladas relativamente ao período abrangido pelo contrato anterior. 17

20 Matéria colectável comum consolidada e melhoria dos sistemas de IVA para as empresas Os 27 sistemas nacionais de imposto sobre as sociedades funcionam todos de forma diferente, o que cria obstáculos fiscais às empresas, desencorajando e muitas vezes bloqueando as actividades transnacionais. As mais afectadas são as PME, que são frequentemente incapazes de ultrapassar as complexidades dos diferentes sistemas fiscais. Por esse motivo a Comissão quer introduzir uma matéria colectável comum, que permita ultrapassar as disposições dos sistemas fiscais que limitam o crescimento das empresas que pretendem beneficiar do mercado único europeu. Com uma matéria colectável comum, as empresas teriam de respeitar um único conjunto de regras e tratariam dos seus assuntos fiscais junto de uma única administração fiscal. Esta iniciativa não afecta as taxas do imposto sobre sociedades aplicadas pelos Estados Membros. O nosso sistema do IVA tem se mantido em larga medida inalterado desde a sua introdução em Para as empresas com actividade transfronteiriça, os custos são demasiado elevados e os procedimentos administrativos demasiado pesados. A fraude fiscal, a evasão fiscal, a evasão aos direitos aduaneiros e as falências resultaram numa perda líquida de 12% das receitas de IVA. A Comissão irá propor uma nova estratégia para o IVA no intuito de apoiar um mercado único mais forte e com regras mais simples. 18

21 A dimensão externa do mercado único A UE é o maior exportador de bens e serviços a nível mundial e um dos primeiros destinatários dos investimentos directos no estrangeiro. O mercado único deve funcionar como uma base sólida para as empresas europeias, apoiando as suas actividades a nível mundial. É importante que as nossas parcerias comerciais a nível internacional se baseiem em interesses e benefícios mútuos. A União Europeia deve manter a vigilância na defesa dos interesses e dos postos de trabalho europeus e combater as práticas comerciais desleais por todos os meios adequados. De um modo geral, a Comissão considera que a adopção de mais regras internacionais seria benéfica tanto para as empresas da UE como para o crescimento económico mundial. A UE continuará a exercer pressão, no G20 e em negociações bilaterais, no sentido de uma maior convergência regulamentar com os seus parceiros comerciais. Nos concursos públicos internacionais, a UE deve envidar esforços para que seja conferido tratamento idêntico a empresas da UE e a empresas não UE. 19

22 20 Para recuperar a confiança, a Europa deve reafirmar o seu empenhamento numa economia social de mercado altamente competitiva e voltar a colocar os cidadãos europeus no centro do mercado único. Um sistema social fiável e sistemas de ensino e de saúde pública eficazes fazem parte do nosso sistema de valores europeu e demonstraram a sua capacidade para amortecer os piores efeitos da recente crise.

23 PARTE 2. OS CIDADÃOS EUROPEUS NO CENTRO DO MERCADO ÚNICO RECUPERAR E CONQUISTAR A CONFIANÇA

24 Melhorar os serviços públicos e as infra-estruturas essenciais A UE tem de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir o financiamento adequado e a acessibilidade universal de serviços públicos de qualidade. As autoridades responsáveis por serviços públicos necessitam de saber que podem continuar a concentrar se na satisfação das necessidades dos cidadãos, facultando lhes um conjunto de meios acessível que o possibilite. Em 2011, a Comissão emitirá uma comunicação em que explicará pormenorizadamente os seus planos. A UE já impôs obrigações de serviço público a sectores económicos que foram liberalizados. Para assegurar que os serviços considerados essenciais para a vida quotidiana das pessoas continuam a ser universalmente acessíveis será necessário proceder a uma sólida avaliação e assegurar um acompanhamento permanente da evolução no terreno. No que respeita às infra estruturas públicas, os sistemas de transportes e de energia transfronteiriços da UE não estão suficientemente ligados apesar dos investimentos significativos. Para um desenvolvimento e um crescimento sustentáveis, são essenciais infra estruturas de transportes modernas. Não obstante, os Estados-Membros ainda não coordenam os seus projectos de transportes. Em 2011, a Comissão irá rever os seus planos para um sistema de transportes pan europeu e propor um enquadramento global para o financiamento de uma infra estrutura de melhor qualidade. A Comissão irá ainda identificar prioridades no âmbito da melhoria da infra estrutura energética. É necessário encontrar soluções para ligar redes e integrar fontes de energia renováveis, e seguir exemplos como o do projecto eólico do mar do Norte. É necessária mais inovação para encontrar soluções melhores para o consumo de energia e para a eficácia do seu transporte. É necessário um novo financiamento para pagar investimentos no valor de mais de milhões de euros a realizar na próxima década. 22

25 Coordenação com vista a uma melhor infra-estrutura energética Os grandes projectos no domínio das energias renováveis, como o projecto do parque eólico do mar do Norte, requerem coordenação e um financiamento muito substancial. Histórias de sucesso como esta criam, naturalmente, confiança, mas isso não basta. Para que qualquer iniciativa no domínio das energias alternativas possa ser bem sucedida, é necessário que existam as infra-estruturas necessárias. Malta, por exemplo, que estabeleceu uma meta para as energias renováveis de 10,2% em 2020, deve coordenar-se com a Itália para construir um interconector de rede, se quiser atingir esta meta através da energia eólica. Espanha e França devem coordenar as suas redes para, futuramente, transportar energia eólica e solar produzida em Espanha para o resto da Europa. É necessário fazer mais para atingir a escala exigida por este tipo de projectos. 23

26 O impacto social da legislação relativa ao mercado único Foram levantadas questões relativamente aos direitos dos trabalhadores e à sua interacção com as liberdades económicas. A UE deve encontrar uma resposta adequada, compatível com o Tratado de Lisboa, em que uma economia social de mercado altamente competitiva que respeite os direitos fundamentais constitua um objectivo inequívoco. O impacto social da legislação relativa ao mercado único deve ser sistematicamente objecto de uma análise aprofundada, devendo a legislação em causa manter o adequado equilíbrio entre direitos económicos e sociais. A livre circulação de serviços permite às empresas colocar trabalhadores noutro Estado-Membro. A directiva relativa ao destacamento de trabalhadores oferece garantias do respeito dos direitos dos trabalhadores destacados. A Comissão irá aprofundar os trabalhos sobre esta matéria e, em 2011, apresentará uma proposta legislativa tendente a melhorar a aplicação da directiva. Também os procedimentos administrativos nacionais e a dupla tributação deverão ser abordados, na medida em que podem complicar o destacamento de trabalhadores noutro país e levantar obstáculos ao mercado único dos serviços. 24

27 Revisão da directiva relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais O direito a trabalhar e a exercer uma actividade noutro Estado- Membro é um direito fundamental, garantido pelo Tratado de Lisboa, que deve ser encorajado para aumentar a eficiência do nosso mercado de trabalho e para permitir que as pessoas tirem maior partido das ofertas de emprego noutros países. No entanto, com demasiada frequência, os profissionais estão sujeitos a procedimentos demorados para ver reconhecidas as suas qualificações. As oportunidades oferecidas pela directiva relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais não estão a ser cabalmente concretizadas, pelo que é necessária nova legislação. A Comissão está a avaliar a prática actual, a fim de considerar a possibilidade de, por exemplo, introduzir uma carteira profissional para certas profissões. Quaisquer alterações à directiva devem ter em conta as evoluções mais recentes nos sistemas educativos nacionais, incluindo cursos de reintegração no mercado de trabalho destinados a facilitar o acesso das pessoas ao emprego. 25

28 Carteiras profissionais para guias turísticos? Nos termos da directiva relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais, é frequentemente solicitado às pessoas que pretendam prestar um serviço noutro Estado-Membro o envio prévio de uma declaração escrita, com documentos anexos, à autoridade competente do Estado-Membro em causa. A profissão de guia turístico, por exemplo, é uma profissão de elevada mobilidade a que se aplica este requisito. No contexto da avaliação em curso da directiva relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais, a Comissão está a considerar a possibilidade de introduzir uma carteira profissional, a fim de reduzir significativamente as diligências burocráticas. Se dispuserem de uma carteira profissional, os guias turísticos podem comprovar em qualquer momento o reconhecimento das suas qualificações. 26

29 Promover empresas sociais inovadoras A Europa tem imensas potencialidades para o desenvolvimento do empreendedorismo social. Na última década, particulares, fundações e empresas desenvolveram numerosos projectos inovadores, que oferecem soluções criativas para problemas de exclusão social e económica. Projectos que facilitam o acesso a uma alimentação saudável, à habitação, aos cuidados de saúde, ao emprego e aos serviços bancários criaram soluções vantajosas para todas as partes interessadas. A Comissão irá propor uma nova iniciativa para apoiar o desenvolvimento de empresas sociais mediante a inclusão de objectivos sociais nas regras dos contratos públicos e a promoção de rótulos éticos e ecológicos. Irá igualmente incentivar os bancos e as instituições financeiras a criarem fundos de investimento sociais e a utilizarem a poupança adormecida. Para promover uma maior acção transfronteiriça, a Comissão irá considerar a possibilidade de criar estatutos europeus para organizações que contribuam para a economia social, como cooperativas e sociedades mútuas, e irá propor um regulamento sobre o estatuto da fundação europeia. 27

30 Empresas sociais na Alemanha Na Europa, mais de uma em cada cinco pessoas têm dificuldade em viajar, devido à sua idade avançada, a deficiência ou a mobilidade reduzida. Tarefas simples, como o check in de bagagem o ou embarque num avião, podem constituir obstáculos inultrapassáveis para uma pessoa com deficiência. Uma agência de viagens alemã especializou-se, há mais de dez anos, na prestação de serviços a pessoas com necessidades especiais, oferecendo visitas guiadas para pessoas com mobilidade reduzida, nomeadamente pessoas em cadeiras de rodas e deficientes visuais. A agência coordena o transporte e a assistência e reserva alojamentos com instalações acessíveis e flexíveis. 28

31 CONSUMIDORES Um mercado único de crédito hipotecário com maior protecção dos consumidores Um empréstimo hipotecário constitui uma das decisões financeiras mais importantes da vida, que obriga os consumidores a assumir um compromisso financeiro por vinte ou mais anos. A prática actual em matéria de crédito hipotecário pode ser melhorada. A concessão de crédito de forma irresponsável pode ter consequências sociais e económicas graves para os consumidores e para a sociedade. Os mercados do crédito hipotecário não são suficientemente transparentes, pelo que limita a escolha e a confiança dos consumidores. O nível de empréstimos transfronteiriços continua a ser baixo, enquanto os obstáculos administrativos e os custos suplementares permanecem demasiado elevados. Apesar dos direitos que lhes são conferidos pelas regras do mercado único, os cidadãos vêem frequentemente ser lhes recusado crédito quando adquirem propriedades no interior da UE. Além disso, são substanciais as diferenças entre os Estados- Membros em matéria de preços e de oferta de produtos, bem como de abordagem da regulamentação aplicável aos diferentes clientes (incluindo mutuantes não bancários e intermediários financeiros). No início de 2011, a Comissão irá propor uma directiva destinada a criar um mercado de crédito hipotecário verdadeiramente integrado. 29

32 Facilitar o acesso aos serviços bancários, aumentar a transparência dos custos bancárias Os consumidores, nomeadamente os estudantes, enfrentam problemas aquando da abertura de contas bancárias noutros países, normalmente porque não são residentes no Estado-Membro em causa. Outro problema no sector bancário é a actual falta de transparência dos custos bancários, Sistemas de custos complexos impedem os consumidores de comparar preços e impedem-nos de mudar para bancos que lhes ofereçam melhores condições. Uma análise dos custos aplicáveis às contas bancárias revela que a divergência de preços na banca é superior à de qualquer outro sector. Os problemas de acesso a contas correntes serão objecto de uma proposta legislativa da Comissão sobre contas de pagamento básicas, a apresentar no início de Além disso, a Comissão convidou o sector bancário a apresentar planos de auto-regulação destinados a aumentar a transparência dos custos bancários até ao final de

33 Dificuldades enfrentadas pelos cidadãos na abertura de contas bancárias Uma reformada alemã residente em Espanha tentou abrir uma conta bancária num banco alemão para receber a sua reforma, mas foi informada de que tinha de possuir residência permanente na Alemanha para o poder fazer. Um residente na Bélgica proprietário de um apartamento em Londres que queria abrir uma conta num banco britânico para receber as rendas do apartamento foi impedido de o fazer a pretexto de não ser residente no Reino Unido. Um pedido de abertura de conta apresentado por um estudante romeno em França a um banco francês foi recusado em razão da nacionalidade do estudante. 31

34 Resolução de litígios, recurso em linha e recurso colectivo Queremos que os consumidores se sintam confiantes ao efectuarem compras transfronteiriças. Para tal, é fundamental que saibam que podem fazer valer os seus direitos caso surjam problemas. Um inquérito recente estimava em 40 milhões de euros o prejuízo suportado por consumidores cujas compras no estrangeiro correram mal. Formas alternativas de resolução de litígios podem facultar soluções fáceis, rápidas e baratas. No entanto, nem os consumidores nem as empresas estão suficientemente informados acerca das opções existentes. Nomeadamente em caso de problemas com instituições financeiras, os consumidores vêem-se frequentemente forçados a intentar processos judiciais onerosos e complexos para fazerem valer os seus direitos. Em 2011, a Comissão proporá iniciativas sobre modos alternativos de resolução de litígios na UE, tendo em vista o estabelecimento de um sistema europeu de resolução de litígios em linha em Para fazer face à situação actual no sector financeiro, a Comissão adoptará uma recomendação no sentido de reduzir os custos judiciais e simplificar os procedimentos de resolução alternativa de litígios transfronteiriços. A Comissão extrairá ainda conclusões da sua consulta sobre o recurso colectivo e debruçar se á sobre os eventuais benefícios de uma acção conjunta para os consumidores. 32

35 33

36 34 O Acto para o Mercado Único tem por objectivo propor um novo enquadramento de diálogo e reflexão para satisfazer as necessidades de todos os europeus. O objectivo da Comissão consiste em lançar o debate junto dos interessados em todos os cantos da Europa, incluindo aqueles que, até agora, se sentiram por vezes excluídos das discussões sobre o mercado único.

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA 2020 para uma política de justiça europeia à altura dos desafios socioeconómicos OS NOSSOS 5 COMPROMISSOS PARA 2020 NOTÁRIOS DA EUROPA 1 Na qualidade de consultores

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

O DIREITO DAS SOCIEDADES

O DIREITO DAS SOCIEDADES O DIREITO DAS SOCIEDADES Apesar de não existir um Direito das sociedades elaborado como tal, normas mínimas impostas pela legislação europeia são aplicáveis às empresas em toda a União Europeia. Dois importantes

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

O que fazemos por si?

O que fazemos por si? O que fazemos por si? PT O que fazemos por si? Nos últimos anos, a Europa tem vindo a sofrer uma crise económica e financeira internacional de uma dimensão sem precedentes. A segurança social, os sistemas

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) EUCO 23/13 CO EUR 3 CONCL 2 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 14/15 de março de 2013 CONCLUSÕES

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 05.09.2005 COM(2005) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália 1. INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04)

Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04) C 166/18 Jornal Oficial da União Europeia 7.6.2011 Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04) O COMITÉ DAS REGIÕES reconhece que a

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

As mulheres e a liderança empresarial

As mulheres e a liderança empresarial C 33 E/134 Jornal Oficial da União Europeia 5.2.2013 Relações internacionais 54. Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que trabalhem juntamente com a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI)

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos

Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos OECD OCDE Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO RELATIVA ÀS LINHAS DIRECTRIZES QUE REGEM A PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES NO CONTEXTO DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO As

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:163950-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar França Condições Legais de Acesso ao Mercado Julho 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS

INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS Dezembro de 2009 Liberdade do Discurso Comercial É através da publicidade que o Consumidor fica a conhecer

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS. Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença?

SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS. Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença? SAÚDE DURANTE AS FÉRIAS Boletim Informativo nº 10 Julho 2010 Já tem o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença? Se estiver num outro Estado-Membro, em viagem de negócios, de férias ou a estudar, o Cartão

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

Newsletter. Notícias. Convite à apresentação de candidaturas. Europe Direct Baixo Alentejo Agosto de 2011

Newsletter. Notícias. Convite à apresentação de candidaturas. Europe Direct Baixo Alentejo Agosto de 2011 Newsletter Europe Direct Baixo Alentejo Agosto de 2011 Demografia Europeia Mais de 30% dos europeus terão 65 anos ou mais em 2025 e o número de pessoas com mais de 80 anos quase duplicará no mesmo período.

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 200XI/1ª. Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 200XI/1ª. Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 200XI/1ª Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades Exposição de Motivos Portugal tem necessidade de prosseguir uma política de simplificação

Leia mais

D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855. Anúncio de concurso.

D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:90855-2013:text:pt:html D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:260109-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:260109-2015:text:pt:html 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:260109-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo de viabilidade sobre um «portal europeu de mobilidade em matéria de

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS

NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS NOVAS REGRAS PARA AS CONCESSÕES E OS CONTRATOS PÚBLICOS MAIS SIMPLES E MAIS FLEXÍVEIS Mercado Interno e Serviços 1 Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Número

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Originalmente publicadas pela OCDE em Inglês e Francês com os títulos:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035),

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035), P7_TA-PROV(2012)0429 Iniciativa de Empreendedorismo Social Resolução do Parlamento Europeu, de 20 de novembro de 2012, sobre a Iniciativa de Empreendedorismo Social - Construir um ecossistema para promover

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM O TRANSPORTE RODOVIÁRIO: INTERNACIONAL E DE CABOTAGEM Na sequência da adoção de vários atos legislativos europeus, tanto os transportes rodoviários internacionais como a cabotagem de mercadorias e de pessoas

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia.

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia. UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Terceira edição Comissão Europeia Secretariado Geral B-1049 Bruxelas Manuscrito concluído

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL A propriedade intelectual designa o conjunto dos direitos exclusivos atribuídos às criações intelectuais. Divide-se em dois ramos: a propriedade intelectual,

Leia mais

Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242

Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242 MEMO/12/184 Bruxelas, 15 de março de 2012 Perguntas e respostas sobre o grupo de trabalho para a Grécia e o seu segundo relatório trimestral Ver também: IP/12/242 1. Qual é a missão do grupo de trabalho

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ A União Europeia e os seus parceiros norte-americanos, os Estados Unidos da América e o Canadá, têm em comum os valores da democracia, dos direitos humanos e da liberdade

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Assinatura do Suplemento ao CEPA com maior liberalização 2. Conferência

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 24.2.2010 2009/2224(INI) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a Internet das coisas (2009/2224(INI)) Comissão da Indústria, da Investigação

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais