UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Prof.ª Elisabete N Moraes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Prof.ª Elisabete N Moraes"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Prof.ª Elisabete N Moraes AULA 6 DIODO ZENER E DIODO LED Em 26 de agosto de TIPOS DE DIODOS Créditos: 2 1

2 DIODO ZENERREGIÃO DE RUPTURA Corrente de saturação Polarização Inversa Região de ruptura VZ, VBR,VR -tensão zener -tensão breakover -tensão de ruptura Região de saturação Tensão de Corte: Corrente direta desprezível ID -corrente direta -corrente forward (IF) Corrente de saturação Is Is:corrente saturação, reversa Vj -tensão joelho -tensão threshold (Vth/VT) -tensão de limiar (V) Boylestad: seção 1.6, p.10, seção 1.14 e seção 2.11 Sedra: seção DIODO ZENER O diodo Zener é fabricado para operar em tensões além da tensão de ruptura, na região de ocorrência dos efeitos Zener/Avalanche. Nesta região a curva característica I = f(v) se aproxima de uma reta de coeficiente angular 1/r Z muito pequeno o que leva a pequena variação de tensão para uma ampla faixa de variação de corrente. Sua construção difere pelo nível de dopagem e área da junção. Fortemente dopado o que torna a tensão de ruptura (Vz) bem menor que nos diodos convencionais. A área da junção é aumentada o que facilita a dissipação da potência. Opera em polarização reversa Símbolo AK KA Tensão de zener (V K Z = 27 V) K A K A A Tensão de zener (V Z = 8,2 V) 4 2

3 Efeito de zener: DIODO ZENER Ao polarizar um diodo zener com uma tensão reversa igual a Vz há o rompimento das ligações covalentes no semicondutor, esse efeito se chama ruptura zener e depende do grau de dopagem do material semicondutor. Efeito de avalanche: Com o aumento da tensão reversa sobre o diodo, ocorre um aumento da velocidade das cargas elétrica (energia cinética) no semicondutor. Esse aumento de velocidade faz com que os choques dos elétrons livres contra a rede cristalina produza energia suficiente para libertar elétrons da camada de valência (ionização). O elétron que foi libertado também é acelerado, colide com a rede cristalina, libertando outros elétrons, isso da origem a uma reação em cadeia conhecida com efeito avalanche. A localização da região Zener pode ser controlada pelo nível de dopagem. O aumento da dopagem ( impurezas) diminui o potencial Zener Boylestad, p MODOS DE OPERAÇÃO DO ZENER (BOYLESTAD P. 63) Polarização Reversa + 1) Se a tensão de operação (Vop) estiver entre 0V e Vz. 0 < Vop < Vz Funciona como uma chave aberta. Polarização Direta ) Se a tensão de operação (Vop) for maior que a tensão de zener (Vz). Vop > Vz Funcionamento semelhante ao do diodo semicondutor. Vz REGULADOR DE TENSÃO Funciona como uma fonte de tensão de módulo Vz. 6 3

4 CURVA CARACTERÍSTICA (SEDRA P. 165) Grandezas relacionadas ao componente: 1. VZ tensão zener. Tensão no ponto de operação (quiescente). 2. IZT valor particular de corrente de teste. No ponto de operação VZ. 3. VZK tensão de joelho (knee). 4. VZ0 ponto em que a reta de inclinação 1/r z intercepta o eixo da tensão. 5. Pz potência máxima de zener. Consideração para cálculos de 4 circuitos com o diodo zener: 1 3 P V I Z max Z Z max Adota-se que a corrente mínima no zener é 10% da I z max. 2 Ex: Zener de 5V1/400mW I I I Z max Z max Z P / V Z Z 0,4 / 5,1 78,43mA (0,1).(78,43m) 7,84mA 7 SOLUÇÃO DE CIRCUITOS (BOYLESTAD P.63) 1- Verificação do estado do diodo Zener: Para isso, remova-o do circuito e calcule a tensão do circuito aberto. Utilize o divisor de tensão. 2- a) Se V > Vz o zener está ligado. 3- Se o zener estiver na condição ligado, b) Se V < Vz o zener está desligado substitua-o por uma fonte com tensão equivalente a VZ e, resolva o circuito Para o dimensionamento do resistor absorvedor/limitador, adota-se a regra prática de que a corrente no zener é 10% da Imáx Iop zener = 0,1 Imáx 8 4

5 EXEMPLO VI E R FIXOS A tensão de 8,73V é menor que 10V (VZ), portanto o diodo está na condição desligado. Solução (a) para RL = 1,2k) 2) O restante do cálculo segue como um circuito série. 1) Condição do zener: determinar a tensão de circuito aberto, se Vop < Vz o zener NÃO está operando como regulador de tensão. 9 Solução (b) para RL = 3k) CONT. EXEMPLO ) Determinação da corrente de carga (IL). 3k 4) Corrente no resistor série (IR). Diferença das tensões Vi e VL (=Vz). 1) Condição do zener: determinar a tensão de circuito aberto, se Vop > Vz o zener ESTÁ operando com regulador de tensão. 5) Corrente no zener (IZ). Diferença das correntes IR e IL. (Boylestad) 6) Potência de operação do zener (PZ). 2) Nessa situação a tensão na carga será igual a tensão de zener. OBS: o valor da potência definida no exercício PZM indica a potência máxima do componente. Sendo esse valor usado para eventual determinação da máxima corrente de operação do zener (IZM). 10 5

6 Vi fixo e RL variável 1) Carga (RL) que garante que o zener permaneça no estado ligado. Isolando tem-se RLmin. CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO RL fixo e Vi 1)Tensão mínima na carga (RL) que garante que o zener permaneça no estado ligado. Isolando tem-se Vi. 2)O valor mínimo de RL implica em uma ILmax : 2)Tensão máxima da fonte é limitada pela corrente máxima de zener (IZM =IR - IL), 3) A tensão no resistor série quando o zener está ligado: 4) A corrente no resistor série: 3) A tensão da fonte Vi é definida por: 5) A corrente no zener: 6) Corrente mínima para a carga: IZMin fornecido na folha de especificações 7) Resistência máxima da carga: 11 DIODO EMISSOR DE LUZ-LED (BOYLESTAD SEÇÃO 1.15) Dispositivo optoeletrônico que é formado por uma junção PN que ao ser diretamente polarizada, faz com que os elétrons cruzem a barreira de potencial e se recombinem com as lacunas, ao se recombinarem, há a emissão de energia na forma de luz visível fóton. Dispositivo para a sinalização com a vantagem de confiabilidade, reduzido tamanho e manutenção, os LED'S (Light Emitting Diodes) representam grande economia e energia em relação às lâmpadas convencionais. Simbologia usuais: Arsenieto de Gálio - GaAs A identificação dos terminais do led: chanfro catodo-k terminal comprido anodo-a Créditos: Wikipédia 12 6

7 TIPOS DE LED Alto Brilho: luz direcionada, encapsulamento incolor, monocromático. Aplicação em painéis e sinalização indoor ou outdoor. Convencional: encapsulamento colorido difuso, baixo custo, baixo consumo e longa vida útil. Luzes indicativas em painéis em geral. Display de 7 segmentos Bicolor: encapsulamento incolor ou leitoso, anodo ou catodo em comum. Aplicação em painéis de sinalização, iluminação back light em botoeiras automotivas. Power led: alto fluxo luminoso com baixa potência consumida, diversas cores,amplo campo de emissão de luz, custo elevado. Fita/Barra de Led m/2010/03/08/novas-formasde-iluminacao-leds-rgb/ 13 ORGANIC LED (OLEDS) Construído com materiais orgânicos camadas de compostos carbônicos, compostos por moléculas de carbono que emitem luz ao receberem uma carga elétrica. As moléculas podem ser diretamente aplicadas sobre a superfície a ser utilizada. São acrescentados os filamentos metálicos que conduzem os impulsos elétricos a cada célula. É flexível, fino e com qualidade superior de reprodução de imagens. Fonte: Appl. Phys. Lett. 51, 913 (1987); doi: / Fonte: Shionoya, Shigeo e Kobayashi, Hiroshi. Organic Electroluminescent Diodes. Springer Proceedings in Physics O OLED é uma superfície luminosa ao contrário do led que se caracteriza por um ponto luminoso. A tela orgânica possui luz própria, com isto não necessita de luz de fundo ou luz lateral, (backlight ou sidelight) e ocupa menos espaço. As telas OLED possuem baixos tempos de resposta e podem ser visualizadas em ângulos de até 180º. 14 7

8 VARIAÇÕES DOS LEDS ORGÂNICOS (ORGANIG LEDS) Tipos de OLEDs: OLED com matriz passiva OLED com matriz ativa OLED transparente OLED de emissão superior OLED dobrável OLED branco Visitado em 07/10/14 Visitado em 07/10/14 Visitado em 03/09/ Visitado em 15/03/16 Visitado em 15/03/16 15 PMOLED MATRIZ PASSIVA OLED Os PMOLEDs têm tiras de cátodo, camadas orgânicas e tiras de ânodo. As tiras de ânodo são arranjadas perpendicularmente às tiras de cátodo. As interseções do cátodo com o ânodo formam os pixels onde a luz é emitida. O circuito elétrico externo aplica uma corrente às tiras selecionadas de ânodo e cátodo, determinando quais pixels serão ligados e quais permanecerão desligados. Os PMOLEDs são fáceis de fazer, mas consomem mais energia do que outros tipos de OLED, principalmente devido à energia necessária para alimentar o circuito externo. Os PMOLEDs são mais eficientes para textos e ícones e mais adequados para telas menores (2 a 3 polegadas de diagonal) como aquelas que você encontra nos telefones celulares, PDAs e MP3 players. Mesmo com o circuito externo, os OLEDs com matriz passiva consomem menos energia da bateria do que os LCDs que são os atualmente usados. 16 8

9 AMOLED MATRIZ ATIVA DE OLED Os AMOLEDs têm camadas completas de cátodo, moléculas orgânicas e ânodo, mas a camada de ânodo se sobrepõe a uma estrutura de transistor de filme fino (TFT) que forma uma matriz. A própria estrutura TFT é o circuito elétrico que determina quais pixels ficam ligados para formar uma imagem. Os AMOLEDs consomem menos energia do que os PMOLEDs porque a estrutura TFT requer menos energia do que o circuito externo, portanto, são eficientes para grandes displays. Os AMOLEDs também têm taxas de atualização mais rápidas, adequados para vídeo. Os AMOLEDs se adaptam melhor para monitores de computadores, TVs de tela grande e avisos eletrônicos ou painéis de anúncios. 17 OLED TRANSPARENTE OLEDs transparentes têm apenas componentes transparentes (substrato, cátodo e ânodo) e, quando desligados, são até 85% tão transparentes quanto seu substrato. Quando um display de OLED transparente é ligado, permite que a luz passe nas duas direções. O display OLED transparente pode ter matriz ativa ou passiva. Essa tecnologia pode ser usada para displays "heads-up". O Head Up Display (sigla HUD) é um instrumento inicialmente desenvolvido para utilização em aeronaves visando a fornecer informações visuais ao piloto sem que este tenha que desviar os olhos do alvo à frente da aeronave. (Wikipédia) 18 9

10 EXEMPLO DE ESPECIFICAÇÃO Esquematize um circuito utilizando um LED em polarização direta, cuja Iled = 30mA, Vled =1,6V e Vi = 14 V. Calcule o resistor para o perfeito funcionamento do led em polarização direta. Rs = 413,3 PRs = 372mW Pled = 48mW A aplicação do led exige a existência de um resistor absorvedor. Os parâmetros usuais para esse cálculo são: R P S RS 5mA I V V I mas I LED fonte 2 Rs LED I V LED R S I LED 2,0V Rs LED 2 RS V R S 20mA V RS I Rs Vled: vermelho = 1,6V verde= 2 a 2,4V amarelo =2,4V 19 EXERCÍCIOS (BOYLESTAD SEÇÃO 2.11) Respostas: 42c=1835ohms, 42d=220 ohms 43=20ohms, 12V, 2,4W 44=11,3V a 15,86V 45=500ohms, 40mA 20 10

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

DIODO ZENER Construção Tabela de diodos Zener comerciais

DIODO ZENER Construção Tabela de diodos Zener comerciais DIODO ZENER Construção Tabela de diodos Zener comerciais O diodo Zener 1 é um dispositivo semicondutor de dois terminais, também conhecido como diodo regulador de tensão. Foi concebido para operar na região

Leia mais

Símbolo do diodo emissor de luz LED

Símbolo do diodo emissor de luz LED Diodos Especiais Introdução Com a diversificação dos tipos de materiais e da forma de construção utilizados para o desenvolvimento de componentes semicondutores, foi possível observar a ocorrência de diferentes

Leia mais

Diodo de junção PN. Diodos 2

Diodo de junção PN. Diodos 2 DIODOS a Diodos 1 Diodo de junção PN A união de um cristal tipo p e um cristal tipo n, obtémse uma junção pn, que é um dispositivo de estado sólido simples: o diodo semicondutor de junção. Devido a repulsão

Leia mais

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS Aluno turma ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 - DIODOS ESPECIAIS Desde o descobrimento da junção semicondutora PN, muitos estudos têm sido realizados com os materiais semicondutores,

Leia mais

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Diodo emissor de luz 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros característicos do LED 8 Corrente direta nominal 8 Corrente direta máxima 9 Tensão direta nominal 9 Tensão inversa máxima

Leia mais

CAPÍTULO 4 DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS

CAPÍTULO 4 DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS CAPÍTULO 4 DODOS COM FNALDADES ESPECÍFCAS Este capítulo discute a aplicação de alguns diodos especiais, com características específicas. São estes o diodo zener (usado como regulador de tensão) e o diodo

Leia mais

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS DIODOS

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS DIODOS MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS DIODOS Objetivo do estudo dos diodos O diodo é o mais básico dispositivo semicondutor. É componente fundamental e muito importante em circuitos eletrônicos;

Leia mais

ROTEIRO OFICIAL 03 Circuito Retificador de Meia Onda

ROTEIRO OFICIAL 03 Circuito Retificador de Meia Onda - UTFPR Departamento Acadêmico de Eletrotécnica DAELT Engenharia Elétrica e/ou Controle e Automação Disciplina: Laboratório de Eletrônica ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes ROTEIRO OFICIAL 03 Circuito

Leia mais

Símbolo: O terminal que se encontra mais próximo do anel é o cátodo (K).

Símbolo: O terminal que se encontra mais próximo do anel é o cátodo (K). Missão Salesiana De Mato Grosso - Universidade Católica Dom Bosco Instituição Salesiana De Educação Superior Laboratório de Eletrônica II EXPERIÊNCIA 1: DIODO ZENER 2012B/4ºSEMESTRE PROFESSOR: GERIEL DIAS

Leia mais

Diodo zener e LED. Nesta seção... Conceito de diodo zener. Comportamento. Características. Diodo zener como regulador de tensão

Diodo zener e LED. Nesta seção... Conceito de diodo zener. Comportamento. Características. Diodo zener como regulador de tensão Diodo zener e LED Nesta seção... Conceito de diodo zener Comportamento Características Diodo zener como regulador de tensão Conceito de LED (Light emitter diode diodo emissor de luz) Simbologia e características

Leia mais

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados Unidade 2 Aula 3 Estado Sólido Semicondutores: Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor Revisão: Semicondutores dopados A aplicação da teoria de bandas aos semicondutores

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA. Professor: Rosimar Vieira Primo

ELETRÔNICA ANALÓGICA. Professor: Rosimar Vieira Primo ELETRÔNICA ANALÓGICA Professor: Rosimar Vieira Primo Eletrônica Analógica DIODOS SEMICONDUTORES DE JUNÇÃO PN Professor: Rosimar Vieira Primo Diodos 2 Diodo de junção PN A união de um cristal tipo p e um

Leia mais

Diodos e dispositivos especiais

Diodos e dispositivos especiais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Diodos e dispositivos especiais Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, maio

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan Machado

Leia mais

Aula 3 MODELO ELÉTRICO DO DIODO SEMICONDUTOR

Aula 3 MODELO ELÉTRICO DO DIODO SEMICONDUTOR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes Aula 3 MODELO ELÉTRICO DO DIODO SEMICONDUTOR Em 17 Agosto de 2016

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES 1 INTRODUÇÃO Os objetivos desta aula são: Introduzir

Leia mais

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC.

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC. ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda Fontes de alimentação CA/CC. 1 - Considerações de projeto: a) 1º Caso: Isolamento entre rede domiciliar CA e a carga. Neste caso, a fase, o neutro ou o aterramento

Leia mais

Faculdade de Talentos Humanos - FACTHUS

Faculdade de Talentos Humanos - FACTHUS 1 Capítulo 2 Parte 4 DIODO ZN 2.1 Zener O diodo zener é um dispositivo semicondutor que tem quase as meas características que o diodo normal. A diferença está na forma como ele se comporta quando está

Leia mais

Notas de Aula: Eletrônica Analógica e Digital

Notas de Aula: Eletrônica Analógica e Digital Notas de Aula: Eletrônica Analógica e Digital - Materiais Semicondutores; - Diodo Semicondutor. Materiais Semicondutores Intrínsecos Existem vários tipos de materiais semicondutores. Os mais comuns e mais

Leia mais

Transistor Bipolar de Junção - TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 6 Malvino

Transistor Bipolar de Junção - TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 6 Malvino Transistor Bipolar de Junção - TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 6 Malvino Fundamentos do TBJ Notas de Aula SEL 313 Circuitos Eletrônicos 1 Parte 1 1 o Sem/2016 Prof. Manoel Introdução O transistor

Leia mais

ROTEIRO OFICIAL 01 Curva Característica do Diodo Semicondutor

ROTEIRO OFICIAL 01 Curva Característica do Diodo Semicondutor - UTFPR DAELT Engenharia Elétrica e/ou Controle e Automação Disciplina: Laboratório de Eletrônica ET74C Prof.ª Elisabete Nakoneczny Moraes ROTEIRO OFICIAL 01 Curva Característica do Diodo Semicondutor

Leia mais

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada O que é tecnologia Plasma, LCD, LED e OLED? Entenda definitivamente qual é a diferença entre televisores produzidos de Plasma, LCD, LED e outras tecnologias. Matéria publicada em 21 de Abril de 2015 Atualmente,

Leia mais

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Semicondutores; Semicondutores Dopados; O Diodo Retificador; Níveis de Energia em um Sólido Cristalino relembrando...

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Teoria dos Semicondutores e o Diodo Semicondutor. Prof. Jonathan Pereira

Teoria dos Semicondutores e o Diodo Semicondutor. Prof. Jonathan Pereira Teoria dos Semicondutores e o Diodo Semicondutor Prof. Jonathan Pereira Bandas de Energia Figura 1 - Modelo atômico de Niels Bohr 2 Bandas de Energia A quantidade de elétrons

Leia mais

Eletrônica Industrial Aula 02. Curso Técnico em Eletroeletrônica Prof. Daniel dos Santos Matos

Eletrônica Industrial Aula 02. Curso Técnico em Eletroeletrônica Prof. Daniel dos Santos Matos Eletrônica Industrial Aula 02 Curso Técnico em Eletroeletrônica Prof. Daniel dos Santos Matos E-mail: daniel.matos@ifsc.edu.br Eletrônica Industrial Programa da Aula: Introdução Bandas de Energia Definição

Leia mais

ELETRÔNICA PARA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

ELETRÔNICA PARA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRÔNICA PARA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br UBERABA MG 2º SEMESTRE 2009 MULTIPLICADOR DE TENSÃO Um multiplicador de tensão é formado pôr dois ou

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES CAPÍTULO 5 TRANSSTORES BPOLARES O transistor é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de duas camadas de material tipo "n", de negativo, e uma de tipo "p",

Leia mais

5 META: Medir a constante de Planck.

5 META: Medir a constante de Planck. AULA META: Medir a constante de Planck. OBJETIVOS: Ao m da aula os alunos deverão: Entender o principio de funcionamento do LED. Saber associar a luz emitida pelo LED com a energia do gap destes materiais.

Leia mais

Eletrônica Básica - ELE 0316 / ELE0937

Eletrônica Básica - ELE 0316 / ELE0937 2.1 - Breve Histórico Diodo à válvula inventado em 1904 por J. A. Fleming; De 1904 a 1947: uso predominante de válvulas; 1906: Lee de Forest acrescenta terceiro elemento, a grade de controle: triodo; Rádios

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1

Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET. Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto ET74C Eletrônica 1 Transistor de Efeito de Campo de Junção - JFET Prof. Dr. Ulisses Chemin Netto (ucnetto@utfpr.edu.br) 11 de Novembro de 2015 Objetivo da Aula Conhecer a estrutura e operação do Transistor de efeito de campo

Leia mais

ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS - DIODOS SEMI CONDUTORES

ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS - DIODOS SEMI CONDUTORES 1 1. O setor automotivo tem ajudado o mercado de semicondutores a aumentar seu faturamento e a diminuir a dependência de seus clientes principais: as indústrias de telefones celulares, de eletrônicos e

Leia mais

ELETRÔNICA Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 03

ELETRÔNICA Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 03 Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 03 1. Curva característica do Diodo O comportamento dos componentes eletrônicos é expresso através de uma curva característica que permite determinar a condição de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 05 DIODOS DE JUNÇÃO PN E FOTODIODOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta aula,

Leia mais

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA E-mail: vinicius.borba@ifsc.edu.br

Leia mais

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS Circuitos Eletrônicos Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões. Objetivo: Este módulo de ensino o aluno de aprender o conceito de regulador. É mostrado que para ter

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Diodos e dispositivos especiais Parte 1 Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, outubro de 2007. Bibliografia

Leia mais

Tiristores. Prof. Jonathan Pereira

Tiristores. Prof. Jonathan Pereira Tiristores Prof. Jonathan Pereira Programa da aula Introdução SCR (Retificador Controlado de Silício) DIAC (Diodo de Corrente Alternada) TRIAC (Triodo de Corrente Alternada)

Leia mais

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 04

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 04 Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 04 Prof. Marcelino Andrade Dispositivos e Circuitos Eletrônicos Semicondutores

Leia mais

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Um pouco de História: A importância da iluminação na história do Homem vem desde os tempos mais remotos, através da utilização da luz natural. A

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

Física Experimental B ( )

Física Experimental B ( ) Física Experimental B (4320303) ELEMENTOS RESISTIVOS LINEARES E NÃO LINEARES 1 Guia de trabalho Turma: Data: / / Nome do(a) Professor(a): Equipe: Número USP nota ATENÇÃO. Você usará um multímetro para

Leia mais

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES

23/5/2010. Circuitos Elétricos 2º Ano Engenharia da Computação SEMICONDUTORES ESTUDO DO Os átomos de germânio e silício tem uma camada de valência com 4 elétrons. Quando os átomos de germânio (ou silício) agrupam-se entre si, formam uma estrutura cristalina, ou seja, são substâncias

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos

Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 07 Diodos de Junção PN e Fotodiodos Fábio

Leia mais

O nome diodo vem da junção das palavras duplo ( DI ) eletrodo ( odo ), isto é, um componente formado por dois eletrodos.

O nome diodo vem da junção das palavras duplo ( DI ) eletrodo ( odo ), isto é, um componente formado por dois eletrodos. O DIODO R ETIFICADOR Introdução A união de um semicondutor tipo P e um do tipo N, obtém-se uma junção PN, que é um dispositivo de estado sólido simples. O diodo semicondutor de junção PN, que em determinadas

Leia mais

Análise de TJB para pequenos sinais Prof. Getulio Teruo Tateoki

Análise de TJB para pequenos sinais Prof. Getulio Teruo Tateoki Prof. Getulio Teruo Tateoki Constituição: -Um transístor bipolar (com polaridade NPN ou PNP) é constituído por duas junções PN (junção base-emissor e junção base-colector) de material semicondutor (silício

Leia mais

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia)

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) Sun Hsien Ming * Semáforos de LED s (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) A geração de luz utilizando a propriedade de emissão de diodos formados por cristais

Leia mais

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO Contextualização Retificação Muitos circuitos eletrônicos necessitam de corrente contínua para operar. Porém, as companhias de energia

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Eletridade Aplicada Eletricidade Aplicada Aula 21 Fabio L. Tomm fabiotomm@gmail.com Prova 2 23/11 Prova Substitutiva de uma das Provas 30/11 Trabalho de levantamento do seu consumo residencial, do esquema

Leia mais

1. TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR

1. TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR 1. TRANSSTOR DE JUNÇÃO POLAR Criado em 1947 (ell Telephone). Mais leve, menor, sem perdas por aquecimento, mais robusto e eficiente que a válvula. 6.1 Construção - Dispositivo semicondutor formado por

Leia mais

Transistores Bipolares Parte I. Prof. Jonathan Pereira

Transistores Bipolares Parte I. Prof. Jonathan Pereira Transistores Bipolares Parte I Prof. Jonathan Pereira Programa da aula Introdução/Evolução Transistor Bipolar Características construtivas Funcionamento como amplificador

Leia mais

Diodo de Junção - 4 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino

Diodo de Junção - 4 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino Diodo de Junção - 4 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino DIODOS TIPO ENER Notas de Aula SEL 313 Circuitos Eletrônicos 1 1o. Sem/2016 Prof. Manoel Diodo tipo ener Os diodos na região de ruptura

Leia mais

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de

Leia mais

Capítulo 2 Diodos para Microondas

Capítulo 2 Diodos para Microondas Capítulo 2 Diodos para Microondas O objetivo deste capítulo é apresentar os principais diodos utilizados na faixa de microondas, bem como algumas de suas aplicações. Os diodos estudados são: Diodo Túnel

Leia mais

Disciplina de Eletrónica I

Disciplina de Eletrónica I Disciplina de Eletrónica I Prof. Dr. Baldo Luque Universidade Federal do Acre bluque@gmail.com Julho 2016 Prof. Dr. Baldo Luque (UFAC) 1 semestre de 2016 Julho 2016 1 / 70 Plano de Aula 1 Diodos 2 Transistores

Leia mais

IFSC INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA JOINVILLE - SC ELETRÔNICA GERAL I DIODOS E TRANSISTORES

IFSC INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA JOINVILLE - SC ELETRÔNICA GERAL I DIODOS E TRANSISTORES IFSC INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA JOINVILLE - SC ELETRÔNICA GERAL I DIODOS E TRANSISTORES Nivaldo T. Schiefler Jr. Versão 1.0 Este material foi elaborado para ser usado como material de apoio, pois

Leia mais

Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas

Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas Monitores Vídeos Hardware de saída padrão em computadores Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas Pode ser encontrado na forma: - CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos) -

Leia mais

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia Aula 04- Circuitos Elétricos Lei de Ohm, Potência e Energia Até agora, definimos três das grandezas físicas mais importantes em um circuito elétrico: tensão corrente elétrica resistência elétrica. O objetivo

Leia mais

Circuitos com diodos e Diodos Zener

Circuitos com diodos e Diodos Zener Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Circuitos com diodos e Diodos Zener Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis,

Leia mais

Diodo de Junção - 8 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino

Diodo de Junção - 8 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino Diodo de Junção - 8 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 5 Malvino Outros Diodos e Datasheets Notas de Aula SEL 313 Circuitos Eletrônicos 1 1o. Sem/2016 Prof. Manoel Outros Diodos DIODO SCHOTTKY Tais

Leia mais

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações ELETRICIDADE Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Material semicondutor Alguns materiais apresentam propriedades de condução

Leia mais

Materiais Semicondutores. Materiais Elétricos - FACTHUS 1

Materiais Semicondutores. Materiais Elétricos - FACTHUS 1 Materiais Elétricos - FACTHUS 1 Propriedades dos Átomos 1 O átomo é eletricamente neutro, pois o número de elétrons de suas órbitas é igual ao número de prótons presentes em seu núcleo; 2 A última órbita

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Aplicações dos diodos Parte 3 e Diodo Zener Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, maio de

Leia mais

Transistores Bipolares de Junção (BJT) TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Transistores Bipolares de Junção (BJT) TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Transistores Bipolares de Junção (BJT) TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica O nome transistor vem da frase transferring an electrical signal across a resistor Plano de Aula Contextualização

Leia mais

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 9. Prof.ª Letícia chaves Fonseca

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 9. Prof.ª Letícia chaves Fonseca Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos Aula 9 Prof.ª Letícia chaves Fonseca Aula 9 Capítulo 5 Diodo de Junção Bipolar 5.1) Introdução Junção PN Bloco construtivo básico que fundamenta a operação

Leia mais

Diodo Zener. Polarizado diretamente o diodo zener começa a conduzir por volta de 0.7 V, exatamente igual ao diodo de silício comum.

Diodo Zener. Polarizado diretamente o diodo zener começa a conduzir por volta de 0.7 V, exatamente igual ao diodo de silício comum. Diodo Zener Introdução Com algumas variações no nível de dopagem do diodo de silício, podemos projetar diodos para operar na região de ruptura ou região Zener, onde grandes variações de corrente produzem

Leia mais

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Semicondutores; Semicondutores Dopados; O Diodo Retificador; Níveis de Energia em um Sólido Cristalino relembrando...

Leia mais

Componentes do Aparelho Celular

Componentes do Aparelho Celular Diodo Emissor de Luz O diodo emissor de luz, que tem como sigla LED é exatamente o que o seu nome sugere: Trata-se de um simples diodo, formado pela junção de dois materiais semicondutores diferentes,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA INDUSTRIAL (Unidade 1)

INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA INDUSTRIAL (Unidade 1) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA INDUSTRIAL INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENG04061 CIRCUITOS ELETRÔNICOS INTEGRADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENG04061 CIRCUITOS ELETRÔNICOS INTEGRADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENG04061 CIRCUITOS ELETRÔNICOS INTEGRADOS DIODOS EMISSORES DE LUZ (LEDs) Alexandre Bergmann Ypiranga Benevides 152501 Cássio Bortolosso 150383

Leia mais

MONTAGEM DE CIRCUITOS

MONTAGEM DE CIRCUITOS EXPERIÊNCIA MONTAGEM DE CIRCUITOS OBJETIVOS: - Conhecer as definições de circuito elétrico; - Manusear os componentes fisicamente; - Aprender os processos de montagem de circuitos; - Aprender montar circuitos

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

Cálculo do regulador-série com um transistor (M040)

Cálculo do regulador-série com um transistor (M040) Cálculo do regulador-série com um transistor (M040) A configuração mostrada na figura 1 é básica para um regulador de tensão tipo série usando um diodo zener como referência e um transistor para controlar

Leia mais

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01

Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 01 Capítulo 1 Semicondutores A área de estudo que chamamos de eletrônica abrange uma grande área, sistemas analógicos, sistemas digitais, sistemas de comunicação,

Leia mais

Circuito de Comando com UJT

Circuito de Comando com UJT ircuito de omando com UJT Nikolas Libert Aula 9 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Transistor Unijunção (UJT) Transistor Unijunção (UJT) Barra de semicondutor

Leia mais

Transistor de Junção Bipolar (TJB)

Transistor de Junção Bipolar (TJB) Transistor de Junção Bipolar (TJB) 25-abr-11 1 DEFINIÇÃO : O termo TRANSISTOR vem da expressão em inglês TRANSfer resistor (resistor de transferência), como era conhecido pelos seus inventores. É um componente

Leia mais

CIRCUITOS ELETRÔNICOS MÓDULO 4: AMPLIFICADOR DE PEQUENOS SINAIS A JFET.

CIRCUITOS ELETRÔNICOS MÓDULO 4: AMPLIFICADOR DE PEQUENOS SINAIS A JFET. CRCUTOS ELETRÔNCOS MÓDULO 4: AMPLFCADOR DE PEQUENOS SNAS A JFET. NTRODUÇÃO: O transistor J-FET é da família de transistores por efeito de campo. Compõem essa família o transistor de junção J-FET, o transistor

Leia mais

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Introdução O dispositivo de saída mais utilizado por um computador é o dispositivo

Leia mais

Capítulo 1 - Materiais Semicondutores

Capítulo 1 - Materiais Semicondutores Capítulo 1 - Materiais Semicondutores Professor: Eng. Leandro Aureliano da Silva Propriedades dos Átomos 1 O átomo é eletricamente neutro, pois o número de elétrons de suas órbitas é igual ao número de

Leia mais

Monitores. Tipos de conexões:

Monitores. Tipos de conexões: Monitores 1-Conexões O primeiro passo para que as informações de um computador irem para uma tela. O processo todo começa quando um sinal de vídeo é enviado para o aparelho. Ele chega até ele por meio

Leia mais

Tecnologia em Automação Industrial ELETRÔNICA II. Aula 03. Transistores JFET. Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino

Tecnologia em Automação Industrial ELETRÔNICA II. Aula 03. Transistores JFET. Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino Tecnologia em Automação Industrial ELETRÔNICA II Aula 03 Transistores JFET Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

CIRCUITOS INTEGRADOS (Unidade 3)

CIRCUITOS INTEGRADOS (Unidade 3) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA INDUSTRIAL CIRCUITOS

Leia mais

DIODO ZENER Conceitos de Regulação de Tensão, Análise da Curva do Diodo Zener

DIODO ZENER Conceitos de Regulação de Tensão, Análise da Curva do Diodo Zener DIODO ZENER Conceitos de Regulação de Tensão, Análise da Curva do Diodo Zener OBJETIVOS: Analisar o funcionamento de um diodo zener; entender o conceito de regulação de tensão. INTRODUÇÃO TEÓRICA O diodo

Leia mais

Eletrônica e Eletrotécnica Automotiva

Eletrônica e Eletrotécnica Automotiva Eletrônica e Eletrotécnica Automotiva Aulas 8 e 9: Transístores 18/05/2016 1 Sumário Por dentro das portas lógicas A história do transistor A revolução eletrônica Por dentro do transistor Polarização Regiões

Leia mais

Estruturas Analógicas

Estruturas Analógicas Instituto Federal de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Curso Técnico em Eletrônica Prof. André Luís Dalcastagnê Estruturas Analógicas I Transistor Bipolar Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Aula 05 Transistores BJT: Polarização Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 BJT POLARIZAÇÃO CC Transistor saturado: chave fechada (curto)

Leia mais

CET - Electromedicina. Eletrónica. Capítulo 2 Díodos. António Roque - Ano lectivo 2012/2013 CET - Electromedicina

CET - Electromedicina. Eletrónica. Capítulo 2 Díodos. António Roque - Ano lectivo 2012/2013 CET - Electromedicina CET - Electromedicina Eletrónica Capítulo 2 Díodos António Roque - Ano lectivo 1 António Roque - Ano lectivo 2 Um díodo é um dispositivo capaz de permitir a passagem de corrente num sentido e impedir no

Leia mais

Diodos. Fundamentos e Aplicações.

Diodos. Fundamentos e Aplicações. Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Paranaguá PR Diodos. Fundamentos e Aplicações. Renan Augusto Miranda Martins renanamm2@gmail.com Paranaguá 2015 Conteúdo O diodo Princípios de funcionamento

Leia mais

Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II

Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II Aula 05 Transistores JFET Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

Diodos Semicondutores

Diodos Semicondutores FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA ENGENHARIA ELÉTRICA Diodos Semicondutores Prof. Fábio Leite, Esp As 12 normas de convivência 1. - Recomenda-se chegar à aula no horário estabelecido. 2. Evitar o uso do

Leia mais

REVISÃO TRANSISTORES BIPOLARES. Prof. LOBATO

REVISÃO TRANSISTORES BIPOLARES. Prof. LOBATO REVISÃO TRANSISTORES BIPOLARES Prof. LOBATO Evolução O transistor é um dispositivo semicondutor que tem como função principal amplificar um sinal elétrico, principalmente pequenos sinais, tais como: Sinal

Leia mais

Denominando de A o fator de estabilidade da entrada de B o fator de estabilidade de saída, teremos:

Denominando de A o fator de estabilidade da entrada de B o fator de estabilidade de saída, teremos: DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS Circuitos Eletrônicos MÓDULO TRÊS: REGULADOR DE CORRENTE Introdução: As fontes de corrente, conhecidas como geradores de corrente, ou cargas ativas, tem como princípio

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica

Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Lista de Exercícios 1 Eletrônica Analógica Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha www.gvensino.com.br 1) Quantos elétrons de valência tem um átomo de silício? a) 0 b) 1 c) 2 d) 4 e) 8 2) Marque qual ou quais

Leia mais

Iluminando com criatividade. Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM

Iluminando com criatividade. Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM Iluminando com criatividade Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM Luminosos usando módulos de LEDs. Moderno. Profissional. Criativo. A solução ideal em comunicação visual : módulos de LEDs (BACKlight,

Leia mais

O transistor de junção bipolar Autor: Clodoaldo Silva Revisão: Nov2012.

O transistor de junção bipolar Autor: Clodoaldo Silva Revisão: Nov2012. O TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR Introdução Entre 1904 (inversão da válvula) e 1947 (inversão do transistor), a válvula era sem dúvida o dispositivo eletrônico de maior interesse da indústria de eletrônica.

Leia mais

Semicondutores de Silício. Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan

Semicondutores de Silício. Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan Semicondutores de Silício Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan Semicondutores SEMICONDUTORES - Materiais que apresentam uma resistividade Intermediária, isto é, uma resistividade maior que a dos condutores

Leia mais

DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS. Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões.

DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS. Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões. DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS Circuitos Eletrônicos Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões. Objetivo: Este módulo introduz conceitos de regulação de entrada e de saída e projeto de reguladores

Leia mais