Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Quality of life and health: conceptual and methodological issues. I n t ro d u ç ã o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Quality of life and health: conceptual and methodological issues. I n t ro d u ç ã o"

Transcrição

1 5 8 0 A RTIGO A RT I C L E Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos Quality of life and health: conceptual and methodological issues Eliane Maria Fl e u ry Seidl 1 Célia Maria Lana da Costa Zannon 1 A b s t r a c t I n t ro d u ç ã o 1 Instituto de Ps i c o l o g i a, Un i versidade de Bra s í l i a, Bra s í l i a, Bra s i l. C o r re s p o n d ê n c i a Eliane Maria Fl e u ry Se i d l Instituto de Ps i c o l o g i a, Un i versidade de Bra s í l i a. Campus Un i versitário Da rcy Ribeiro, Bra s í l i a, DF , Bra s i l. s e i d u n b. b r The quality of life (QL) concept has led to ex t e n- s i ve scientific re s e a rch and has been incre a s i n g- ly used by health care professionals treating a wide range of diseases. This paper addresses the historical use of the concept and specific issues linked to conceptual and methodological aspects of the QL construct within the health care c o n t ex t. Re v i ewing the litera t u re, two aspects stand out: subjectivity and multidimensionalit y. In the methodological field, the construction and/or adaptation of QL measurement instruments appear as a significant tre n d.t h e o re t i c a l and methodological efforts have helped clarify and improve the concept s adequacy. The QL construct is definitely interd i s c i p l i n a ry, e n c o m- passing contributions by different areas of k n owledge and re s e a rc h,t h e re by improving its conceptual and methodological potential as a re s e a rch instrument. T h e re f o re, use of the concept can actually help improve both the quality and the integra t e d, multidimensional nature of health care from a perspective that views the latter as a basic citize n s right. Quality of Li f e ; Re v i ew Li t e ra t u re ; Eva l u a t i o n ; Me t h o d o l o gy O conceito q u al id ade de vida ( QV ) é um term o utilizado em duas ve rtentes: (1) na linguagem cotidiana, por pessoas da população em gera l, j o rn a l i s t a s, políticos, profissionais de dive r s a s á reas e gestores ligados às políticas públicas; (2) no contexto da pesquisa científica, em diferentes campos do saber, como economia, soc i o- logia, educação, medicina, enfermagem, psicologia e demais especialidades da saúde 1, 2. Na área da saúde, o interesse pelo conceito QV é re l a t i vamente recente e decorre, em part e, dos novos paradigmas que têm influenciado as políticas e as práticas do setor nas últimas d é c a d a s. Os determinantes e condicionantes do processo saúde-doença são multifatoriais e c o m p l e xo s. Assim, saúde e doença configura m p rocessos compreendidos como um c o nt in u u m, relacionados aos aspectos econômicos, socioc u l t u ra i s, à experiência pessoal e estilos de vida. Consoante essa mudança de paradigma, a m e l h o ria da QV passou a ser um dos re s u l t a d o s e s p e ra d o s, tanto das práticas assistenciais q u a n- to das políticas públicas para o setor nos campos da promoção da saúde e da pre venção de doenças 3. A mudança do perfil de morbimort a l i d a d e, tendência universal também nos países em des e n vo l v i m e n t o, indica o aumento da pre va l ê n- cia das doenças crônico-degenera t i va s. Os a va n- ços nos tratamentos e as possibilidades efeti-

2 QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE vas de controle dessas enfermidades têm acarretado o aumento da sobrevida e/ou a vida l o n- ga das pessoas acometidas por esses agra vo s. A p ropósito disso, Fleck et al. 4 ( p. 20) assinalaram que a oncologia foi a especialidade que, por exc e l ê n c i a, se viu confrontada com a necessidade de avaliar as condições de vida dos pacientes que tinham sua sobrevida aumentada devido aos tratamentos re a l i z a d o s, já que, m u i- tas ve ze s, na busca de acrescentar anos à vida, e ra deixada de lado a necessidade de acre s c e n- tar vida aos anos. No âmbito da saúde coletiva e das políticas públicas para o setor também é possível identificar interesse crescente pela avaliação da QV. Assim, informações sobre QV têm sido incluídas tanto como indicadores para avaliação da eficácia, eficiência e impacto de determinados tra t a- mentos para grupos de port a d o res de agra vos dive r s o s, quanto na comparação entre pro c e d i- mentos para o controle de problemas de saúde 5. Ou t ro interesse está diretamente ligado às práticas assistenciais cotidianas dos serv i ç o s de saúde, e re f e re-se à QV como um indicador nos julgamentos clínicos de doenças específic a s. Trata-se da avaliação do impacto físico e psicossocial que as enferm i d a d e s, disfunções ou incapacidades podem acarretar para as pessoas acometidas, permitindo um melhor con h e- cimento do paciente e de sua adaptação à cond i ç ã o. Nesses casos, a compreensão sobre a QV do paciente incorpora-se ao trabalho do dia-adia dos serv i ç o s, influenciando decisões e condutas terapêuticas das equipes de saúde 6. O interesse crescente pelo construto qualidade de vida pode ser exemplificado, ainda, p o r i n d i c a d o res de produção de conhecimento, associados aos esforços de integração e de intercâmbio de pesquisadores e de profissionais int e ressados no tema. Pode-se mencionar o surgimento do periódico Qu ality of Life Re s e a rc h, editado a partir do início dos anos 90 pela Int e rn at i onal Society for Quality of Life Re s e a rc h ( h t t p : / / w w w. i s o q o l. o rg), reunindo tra b a l h o s científicos sobre QV de diferentes áreas do conhecimento 7. O presente artigo tem como objetivo desc re ver a evolução histórica do conceito de QV no campo da saúde, focalizando aspectos conceituais e metodológicos. A seleção de tra b a- lhos para esta revisão foi feita com base em pesquisa bibliográfica realizada em indexadores de produção científica (BIREME, Me d L i n e, Ps ycinfo), cobrindo o período Fo i utilizada a palavra - c h a ve q u ality of life combinada com os termos c o nc e p t, c o nc e pt u a l, m et h o d, m et h od ol og i c. Alguns tra b a l h o s mais citados, publicados antes desse período, f o ram incluídos tendo em vista os cri t é rios de p i o n e i rismo e impacto na litera t u ra. Tra b a l h o s b ra s i l e i ros foram selecionados inicialmente a p a rtir de levantamento realizado na página do Projeto SciELO (http://www. s c i e l o.br), sem especificação do período de publicação. In d i c a- ções de impacto de trabalhos citados fora m c o n s i d e radas para busca complementar em p e riódicos indexados de circulação intern a c i o- nal. Um total de 39 trabalhos foi examinado, 25 publicados em língua inglesa, um em língua espanhola e 11 em língua portuguesa, a maioria (87,2%) em peri ó d i c o s. O conceito de qualidade de vida: aspectos históricos Sabe-se que, já em meados da década de 70, Campbell (1976, a p u d Awad & Vo ruganti 8 p. 558) tentou explicitar as dificuldades que cerc a vam a conceituação do termo qualidade de vida: q u al id ade de vida é uma vaga e etére a e n t i d a d e, algo sobre a qual muita gente fala, mas que ninguém sabe claramente o que é. A citação dessa afirm a ç ã o, feita há cerca de tri n- ta anos, ilustra a ênfase dada na litera t u ra mais recente às controvérsias sobre o conceito desde que este começou a aparecer na litera t u ra associado a trabalhos empíri c o s. Há indícios de que o termo surgiu pela prim e i ra vez na litera t u ra médica na década de 30, segundo um levantamento de estudos que tinham por objetivo a sua definição e que faziam referência à avaliação da QV. Costa Neto 9, trabalhando a publicação de Cu m m i n s, intitulada Dire ct o ry of Instruments to Me a s u re Quality of Life and Correlate Are a s, publicada em 1998, identificou 446 instru m e n t o s, no período de setenta anos. No entanto, 322 instrumentos ident i f i c a d o s, equivalentes a mais de 70,0% do total, a p a re c e ram na litera t u ra a partir dos anos 80 ( Tabela 1). O acentuado crescimento nas duas últimas décadas atesta os esforços voltados para o amadurecimento conceitual e metodológico do uso do termo na linguagem científica. As revisões de litera t u ra que cobri ram períodos anteri o res a 1995 re velam que, ao lado dos esforços direcionados para a definição e a valiação da QV na área de saúde, havia lacunas e desafios teóricos e metodológicos a serem enfre n t a d o s. Gill et al. 1 0, pro c u ra ram i d e n-

3 5 8 2 Seidl EMF, Zannon CMLC tificar como QV estava sendo definida e mens u rada na área de saúde, mediante a revisão de 75 artigos que tinham esse termo em seus títul o s, publicados em revistas médicas. Depois de verificar que somente 15,0% dos trabalhos a p res e n t a vam uma definição conceitual do termo e 36,0% explicitavam as razões para a escolha de d e t e rminado instrumento de ava l i a ç ã o, Gill et a l.1 0, concluíram que havia falta de clareza e de consistência quanto ao significado do termo e à mensuração da QV. Fa rquhar 1 1, procedendo a uma revisão da l i t e ra t u ra até os pri m e i ros anos da década de 90, propôs uma taxonomia das definições sob re QV então existentes, dividida em quatro tipos que estão apresentados na Tabela 2. Uma definição clássica, do tipo global, é d a- tada de 1974 (Andre w s, a p u d Bowling 1 2 p. 1448): q u al id ade de vida é a extensão em que p ra zer e satisfação têm sido alcançados. A noção de que QV envo l ve diferentes dimensões c o n f i g u ra-se a partir dos anos 80, acompanhada de estudos empíricos para melhor compreensão do fenômeno. Uma análise da litera t u ra da última década evidencia a tendência de usar definições focalizadas e combinadas, pois são estas que podem contribuir para o avanço do conceito em bases científicas. Tabela 1 N ú m e ro de instrumentos para avaliação da qualidade de vida registrados no diretório de Cummins 9. Década F reqüência (n = 446) % % acumulado , 4 0, , 4 0, , 5 3, , 8 10, , 0 27, , 6 66, , 6 100, 0 Qualidade de vida: subjetividade e multidimensionalidade A partir do início da década de 90, parece cons o l i d a r-se um consenso entre os estudiosos da á rea quanto a dois aspectos re l e vantes do conceito de qualidade de vida: subjetividade e m u l- t i d i m e n s i o n a l i d a d e. No que concerne à subjet i v i d a d e, trata-se de considerar a percepção da pessoa sobre o seu estado de saúde e sobre os aspectos não-médicos do seu contexto de vida. Em outras palavra s, como o indivíduo avalia a sua situação pessoal em cada uma das dimensões relacionadas à qualidade de vida 1 3. Estudiosos enfatizam, então, que QV só pode ser avaliada pela própria pessoa, ao contrá- Tabela 2 Taxonomia das definições de qualidade de vida, segundo Farquhar 1 1. Ta x o n o m i a I Definição global Características e implicações das definições Primeiras definições que aparecem na literatura. Predominam até meados da década de 80. Muito gerais, não abordam possíveis dimensões do construto. Não há operacionalização do conceito. Tendem a centrar-se apenas em avaliação de satisfação/insatisfação com a vida. II Definição com base Definições baseadas em componentes surgem nos anos 80. em componentes Inicia-se o fracionamento do conceito global em vários componentes ou dimensões. Iniciam-se a priorização de estudos empíricos e a operacionalização do conceito. III Definição focalizada IV Definição combinada Definições valorizam componentes específicos, em geral voltados para habilidades funcionais ou de saúde. Aparecem em trabalhos que usam a expressão qualidade de vida relacionada à saúde. Ênfase em aspectos empíricos e operacionais. Desenvolvem-se instrumentos diversos de avaliação da qualidade de vida para pessoas acometidas por diferentes agravos. Definições incorporam aspectos dos Tipos II e III: favorecem aspectos do conceito em termos globais e abrangem diversas dimensões que compõem o construto. Ênfase em aspectos empíricos e operacionais. Desenvolvem-se instrumentos de avaliação global e fatorial.

4 QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE rio das tendências iniciais de uso do conceito quando QV era avaliada por um observa d o r, usualmente um profissional de saúde. Ne s s e s e n t i d o, há a preocupação quanto ao desenvo l- vimento de métodos de avaliação e de instrumentos que devem considerar a perspectiva da população ou dos pacientes, e não a visão de cientistas e de profissionais de saúde 1 4, 1 5. O consenso quanto à multidimensionalidade re f e re-se ao reconhecimento de que o const ruto é composto por diferentes dimensões. A identificação dessas dimensões tem sido objeto de pesquisa científica, em estudos empíric o s, usando metodologias qualitativas 1 2 e quantit a t i vas 1 6, 1 7. Qualidade de vida: conceituação Duas tendências quanto à conceituação do termo na área de saúde são identificadas: qualidade de vida como um conceito mais genéri c o, e qualidade de vida relacionada à saúde (h e a l t h - related quality of life). No pri m e i ro caso, QV apresenta uma acepção mais ampla, aparentemente influenciada por estudos sociológicos, sem fazer re f e r ê n c i a a disfunções ou agra vo s. Il u s t ra com exc e l ê n c i a essa conceituação a que foi adotada pela Org a- nização Mundial da Saúde (OMS), em seu estudo multicêntrico que teve por objetivo pri n c i- pal elaborar um instrumento que avaliasse a QV em uma perspectiva internacional e tra n s- c u l t u ral. A QV foi definida como a perc e p ç ã o do indivíduo sobre a sua posição na vida, n o c o n t exto da cultura e dos sistemas de va l o re s nos quais ele vive, e em relação a seus objetivo s, ex p e c t a t i va s, padrões e pre o c u p a ç õ e s 1 3 ( p. 1405). Um aspecto importante que cara c t e ri z a estudos que partem de uma definição genéri c a do termo QV é que as amostras estudadas incluem pessoas saudáveis da população, nunca se re s t ringindo a amostras de pessoas port a d o- ras de agra vos específicos. Além do Wo rld Health Organization Qu a l i t y Of Life As s e s s m e n t (WHOQOL-100) 1 3, 1 7, outro s i n s t rumentos genéricos de avaliação da QV, de g rande utilização em pesquisas e na prática clínica, são o Med ical Outcomes Study SF-36 He a l t h Su rve y 1 8 e o Si c kness Impact Pro f i l e 1 9. O termo qualidade de vida relacionada à saúde é muito freqüente na litera t u ra e tem sido usado com objetivos semelhantes à conceituação mais geral. No entanto, parece implicar os aspectos mais diretamente associados às e n f e rmidades ou às intervenções em saúde. Algumas definições que ilustram os difere n t e s usos do termo são apresentadas na Tabela 3. É p o s s í vel identificar, nas conceituações de Gu i- teras & Bayés 20, Cleary et al. 21 e Patrick & Eri c k- son (1993, apud Ebrahim 22), a referência ao i m- pacto da enfermidade ou do agra vo na qualidade de vida. Há uma controvérsia associada ao uso de medidas específicas da QV relacionada à saúde. Alguns autores defendem os enfoques mais específicos da qualidade de vida, assinalando que esses podem contribuir para melhor identificar as características relacionadas a um determ i n a- do agra vo. Ou t ros ressaltam que algumas medidas de qualidade de vida relacionada à saúde têm abordagem eminentemente re s t rita aos sintomas e às disfunções, contribuindo pouco p a ra uma visão abrangente dos aspectos nãomédicos associados à qualidade de vida 2 3. Os instrumentos de mensuração da qualidade de vida relacionada à saúde tendem a manter o caráter multidimensional e ava l i a m ainda a percepção geral da QV, embora a ênfase habitualmente recaia sobre sintomas, inca- Tabela 3 Definições de qualidade de vida relacionada à saúde. Qualidade de vida relacionada à saúde A u t o r É a valoração subjetiva que o paciente faz de diferentes aspectos Guiteras & Bayés 2 0 (p. 179) de sua vida, em relação ao seu estado de saúde. R e f e re-se aos vários aspectos da vida de uma pessoa que são afetados por mudanças Cleary et al. 2 1 (p. 91) no seu estado de saúde, e que são significativos para a sua qualidade de vida. É o valor atribuído à duração da vida, modificado pelos prejuízos, estados Patrick & Erickson (1993, funcionais e oportunidades sociais que são influenciados por doença, dano, a p u d Ebrahim 22 p. 1384) tratamento ou políticas de saúde.

5 5 8 4 Seidl EMF, Zannon CMLC pacidades ou limitações ocasionados por enf e rm i d a d e. Predominam os instrumentos espec í f i c o s, como o EORTC - Q LQ 30, para pacientes com neoplasias desenvolvido pelo Europ e a n Organization for Re s e a rch and Treatment of Ca n c e r 2 4, e o Med ical Outcomes St u d y - H I V, para pessoas vivendo com HIV/AIDS 2 5. Dados de levantamentos re c e n t e s, para verificar o crescimento de medidas de ava l i a ç ã o da QV e sua disponibilidade para as dive r s a s e s p e c i a l i d a d e s, ve ri f i c a ram grande cre s c i m e n- to do número de instrumentos de qualidade de vida relacionada à saúde, no período Assim, Ga r rat et al. 2 6, constataram que 46,0% dos trabalhos publicados ve r s a vam sobre medidas da QV para populações e agra vos específ i c o s, seguidas de 22,0% que tra b a l h a vam com medidas genéricas da QV. Clarificando o conceito: distinção entre qualidade de vida e estado de saúde Pe s q u i s a d o res alertam que os termos qualidade de vida e estado de saúde aparecem na litera t u ra muitas vezes quase como sinônimos 1 9, 2 7. In t e ressados na clarificação desses conc e i t o s, Smith et al. 1 9, inve s t i g a ram a import â n- cia de três grandes dimensões saúde mental, funcionamento físico e funcionamento social s o b re a percepção da QV e do estado de saúde, em 12 estudos que tra b a l h a ram esses indicad o res com amostras de pacientes port a d o re s de enfermidades crônicas (câncer, hipert e n- s ã o, HIV/AIDS, entre outras). A dimensão que t e ve maior poder de predição em relação ao esc o re da QV foi o da saúde mental/bem-estar p s i c o l ó g i c o, sendo que o poder pre d i t i vo da dimensão funcionamento físico foi menor. No caso da percepção do estado de saúde como va ri á vel cri t é ri o, a dimensão funcionamento físico foi o mais forte pre d i t o r, incluindo va ri á- veis como energia, fadiga e dor. Ex p l o rando os dados com path analisys, observa ram, de um l a d o, que o escore da saúde mental afetou de modo significativo os escores da QV. De outro l a d o, o funcionamento físico afetou de modo mais significativo a percepção do estado de s a ú- d e. Os autores concluíram que os dois construtos são diferentes e alert a ram que determ i n a- dos instrumentos que avaliam a percepção do estado de saúde não devem ser usados para a a valiação da QV. As dimensões da qualidade de vida Estudos de meta-análise como o de Smith et al. 1 9, respondem também a questões sobre a re l e- vância e o peso das diferentes dimensões da QV, tra zendo mais clareza ao constru t o. O emp reendimento da OMS, de grande contri b u i ç ã o t e ó rico-metodológica para o tema, foi desenvolvido em projeto multicêntri c o, cuja const rução se deu em quatro etapas: (a) clari f i c a ç ã o do conceito de QV por especialistas ori u n d o s de diferentes culturas; (b) estudo qualitativo, em 15 cidades de 14 países, com grupos focais f o rmados por pacientes com agra vos dive r s o s, p rofissionais de saúde e pessoas da população em geral, para explorar as re p resentações e o significado do termo em diferentes culturas; (c) desenvolvimento dos testes de campo para a n á- lise fatorial e de confiabilidade, validade de c o n s t ruto e validade discriminante 1 3, 1 7. A natureza multidimensional do constru t o foi validada, de modo empíri c o, a partir da e m e rgência de quatro grandes dimensões ou f a t o res: (a) física percepção do indivíduo sob re sua condição física; (b) psicológica percepção do indivíduo sobre sua condição afetiva e cognitiva; (c) do relacionamento social p e rcepção do indivíduo sobre os re l a c i o n am e n- tos sociais e os papéis sociais adotados na vida; (d) do ambiente percepção do indivíduo sob re aspectos diversos relacionados ao ambiente onde vive. Além dessas dimensões, obteve - se uma avaliação da QV percebida de modo global, mensurada por quatro itens específicos que foram computados em um único escore. As quatro dimensões subdivididas em 24 facetas mais os itens re f e rentes à QV geral constituem o In st r um e nto de Avaliação da Qu a l i d a- de de Vi d a da OMS 1 7. Power et al. 2 8 re a l i z a ram um estudo de met a - a n á l i s e, utilizando o banco de dados dos estudos de validação do WHOQOL-100 nos 15 c e n t ro s. Mediante análise de re g ressão múltipla padrão, re f e rente à amostra total de s u j e i t o s, ve ri f i c a ram que os escores das quatro g randes dimensões explicaram, juntos, 64,0% da va riância do escore da qualidade de vida geral, considerada como va ri á vel cri t é ri o. Aspectos físicos e psicológicos foram re s p o n s á ve i s pela explicação da maior parte dessa va ri â n c i a, seguidos das dimensões do ambiente e do re l a- cionamento social, sendo que essa tendência também foi observada nas amostras dos 15 locais pesquisados, com algumas especificidad e s. Os pesquisadores concluíram que o W H O- QOL-100 tem boa capacidade psicométrica para mensurar a qualidade de vida e que a estrut u ra do construto é comparável nas difere n t e s

6 QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE c u l t u ra s, reforçando a sua importância como f e r ramenta tra n s c u l t u ra l. Qualidade de vida: aspectos metodológicos As dificuldades re l a t i vas à avaliação da QV talvez limitem a sua inclusão na prática clínica, em grande parte devido à ausência de inform a- ção das equipes de saúde sobre as difere n t e s possibilidades hoje existentes para inve s t i g a- ção da QV. De fato, segundo estudos re a l i z a d o s em outros países 6, parece que os pro f i s s i o n a i s ainda têm resistido a incluir a avaliação da QV dos pacientes em sua rotina de atendimento c l í n i c o. É possível identificar as principais tendências metodológicas sobre a avaliação da QV, t a n- to nos trabalhos que utilizam métodos quantit a t i vos quanto nos estudos qualitativo s. No s estudos quantitativo s, hegemônicos e pre d o- minantes na litera t u ra especializada, os esforços são voltados para a construção de instrum e n t o s, visando a estabelecer o caráter multidimensional do construto e sua validade 2 6, 2 7. São estudos de análise da estru t u ra fatori a l com testes de confiabilidade, bem como testes de validade de critério, discriminante e de c o n s- t ru t o. No caso da análise da va l i d a d e, a ausência de uma medida denominada padrão-ouro em qualidade de vida dificulta a inve s t i g a ç ã o. Quanto à validade de constru t o, o aporte teórico é fundamental, levando à necessidade do estabelecimento de um modelo teórico que p e rmita a análise de determinada estru t u ra, p a ra a predição do comportamento de va ri á- veis do modelo. Os estudiosos adeptos de enfoques qualitat i vo s, por sua vez, enfatizam que a utilização de medidas padronizadas pode levar a re s p o s- tas estere o t i p a d a s, que têm pouco ou nenhum significado para a pessoa. Defendem o uso de técnicas como as histórias de vida ou as biog raf i a s, e outras análises típicas dos enfoques qual i t a t i vos que podem tra zer contribuições à áre a 1 1, 1 2. Alguns pesquisadores defendem a comp l e m e n t a ridade das metodologias, por meio da combinação de medidas padronizadas com análises de cunho qualitativo, de modo a permitir a emergência de temas que fazem sentido para o sujeito, ao mesmo tempo que se garante a validade e confiabilidade das técnicas que viabilizam a comparação de resultados de g rupos e de indivíduos 1 0, 2 9. A análise da litera t u ra re vela que os instrumentos comumente usados são os questionári o s, sendo as formas de administração mais f reqüentes a auto-aplicação e a entrevista. Um estudo investigou se have ria diferenças entre os escores de instrumentos de QV administrados mediante entrevista e auto-aplicados, em a m o s t ras de pessoas soro p o s i t i vas 2 5, encont rando diferenças não significativas entre as duas modalidades de aplicação. Ve ri f i c a ra m, no entanto, que as respostas dadas por outro s respondentes (familiares ou pessoas próximas) m o s t ra ram diferenças re l e vantes se comparadas aos escores dos próprios pacientes, sendo que familiares e amigos tenderam a avaliar de modo menos favo r á vel a qualidade de vida dos s u j e i t o s. Re s s a l t a ram, ainda, que a auto-aplicação parece ser vantajosa, pois, além de re q u ere r menos tempo, permite que a pessoa re s p o n d a no seu ri t m o, podendo voltar aos itens e re f l e- tir melhor sobre suas re s p o s t a s. As conclusões dos autores desse estudo são intere s s a n t e s, porém importa enfatizar que há vantagens e desvantagens nos diferentes procedimentos de coleta de dados, e que a escolha deve ser feita com base no delineamento pro p o s t o, considerando as características dos participantes que compõem a amostra e os objetivos do estudo. Ou t ra tendência evidenciada na litera t u ra, s o b retudo em relação à construção de instrumentos específicos, é a adaptação de question á rios ou escalas construídos ori g i n a l m e n t e p a ra determinada enferm i d a d e, ou mesmo de caráter genéri c o, que são modificados para a d e q u a r-se à avaliação da QV em pessoas com o u t ro tipo de agra vo. Pode-se citar o exemplo do Med ical Outcome St u d y (MOS), instru m e n- to usado em relação a enfermidades dive r s a s q u e, testado junto a amostras de pessoas sorop o s i t i va s, passou a denominar-se MOS-HIV, ficando específico para esta clientela 2 5. Tra t a - s e de uma tendência que indica a urgência e o p ragmatismo para a obtenção de instru m e n t o s de medida em curto espaço de tempo, em especial para a utilização na clínica, ou mesmo em pesquisa. Nesse contexto, o desenvolvimento de medidas da QV para uso em pesquisa e na prática clínica já permite algumas conclusões, conforme evidenciado por Gill et al. 1 0 e Gladis et al. 2 3, que identificaram algumas deficiências nos i n s t rumentos de QV e fize ram re c o m e n d a ç õ e s p a ra nortear estudos na área, sintetizadas a seg u i r: (a) necessidade de apresentação da definição do conceito ou do significado de qualidade de vida que orienta o tra b a l h o, a pesquisa ou a intervenção; (b) explicitação das ra z õ e s t e ó rico-metodológicas que leva ram à escolha dos instrumentos selecionados; (c) import â n- cia da utilização de medidas não re d u c i o n i s t a s ou simplistas, baseadas em itens únicos ou fo-

7 5 8 6 Seidl EMF, Zannon CMLC calizadas apenas nos sintomas; (d) nos casos de medidas padro n i z a d a s, inclusão de itens a b e rt o s, adicionados ao final do instru m e n t o p a ra respostas suplementares ou combinação de métodos qualitativo s, visando a abarcar out ros aspectos eventualmente não considera d o s nesse tipo de instru m e n t o. Pesquisa sobre qualidade de vida no Brasil No Brasil, igualmente, vem crescendo o interesse pelo tema qualidade de vida no campo da s a ú d e. Alguns trabalhos publicados no Bra s i l f o ram considerados tendo em vista a sua cont ribuição para o avanço das pesquisas sobre QV no país e por sua consonância com as tendências históricas observadas no contexto int e rn a c i o n a l. Um trabalho pioneiro disponibilizou um i n s t rumento genérico de avaliação da QV, o SF- 36; utilizando os procedimentos canônicos de t radução re versa e adaptação tra n s c u l t u ral para uma amostra de cinqüenta pacientes com a rt rite re u m a t ó i d e, permitiu evidenciar a utilidade de medidas gerais para a investigação de impacto da doença crônica sobre a vida das pessoas acometidas 3 0. Po s t e ri o rm e n t e, o des e n volvimento do WHOQOL-100 para a língua p o rtuguesa 4 e o estudo para a validação das versões completa e bre ve 3 1, 3 2, perm i t i ram a utilização abrangente desse instrumento por p e s q u i s a d o res bra s i l e i ros no campo da saúde. Fo ram encontrados trabalhos sobre QV em d i f e rentes especialidades médicas, por exemp l o, nas áreas de psiquiatria 3 3, neurologia 3 4, 3 5, oftalmologia 3 6, oncologia 3 7 e ginecologia 3 8. Na psicologia, destaca-se a construção do Inve nt ário de Qualidade de Vi d a 3 9 utilizado em pesquisa e em intervenção relacionadas ao m a- nejo do estre s s e. Um trabalho de revisão imp o rt a n t e, pela abrangência da análise de cont ribuições e desafios do conceito para o setor s a ú d e, em especial para a saúde pública, foi realizado por Mi n a yo et al Considerações finais O presente artigo teve o propósito de apre s e n- tar o termo qualidade de vida, com base em enfoque abrangente e panorâmico das pri n c i- pais questões teórico-metodológicas que cara c t e rizam a aplicação do conceito no campo da saúde. O caráter amplo dessa revisão pode ser apontado como uma limitação do tra b a l h o, pois seu objetivo não visou ao apro f u n d a m e n- to de muitas das questões conceituais e metodológicas re f e ri d a s. Com base no estado da arte da definição e das medidas do construto qualidade de vida é p o s s í vel concluir, no entanto, que este pare c e c o n s o l i d a r-se como uma va ri á vel import a n t e na prática clínica e na produção de conhecimento na área de saúde. Não obstante as cont rovérsias existentes sobre a sua conceituação e as estratégias de mensura ç ã o, os esforços teórico-metodológicos têm contribuído para a clarificação do conceito e sua re l a t i va maturi d a d e. Seu desenvolvimento poderá resultar em mudanças nas práticas assistenciais e na consolidação de novos paradigmas do pro c e s s o saúde-doença, o que pode ser de grande va l i a p a ra a superação de modelos de atendimento eminentemente biomédicos, que negligenciam aspectos socioeconômicos, psicológicos e cult u rais importantes nas ações de pro m o ç ã o, preve n ç ã o, tratamento e reabilitação em saúde. Assim, sendo qualidade de vida um constru t o eminentemente interd i s c i p l i n a r, a contri b u i ç ã o de diferentes áreas do conhecimento pode ser de fato valiosa e mesmo indispensáve l. Fi n a l m e n t e, um comentário sobre o desafio que se coloca para os pesquisadores bra s i l e i- ro s. O uso de instrumentos de avaliação da QV no campo da saúde colocaria os trabalhos des e n volvidos no país em consonância com a g e n- das internacionais para o avanço teórico e metodológico na área. Há, no entanto, dois desafios colocados nessas agendas: as conclusões a c e rca da generalidade-especificidade do c o n s- t ruto de qualidade de vida e a confiabilidade de comparações entre os achados em condições diversas relacionadas à saúde e aos diferentes contextos sociocultura i s. No caso do Brasil, um país marcado por fortes difere n ç a s regionais e cultura i s, o uso disseminado e sistemático de versões bra s i l e i ras de instru m e n- tos genéricos como o SF-36 e o WHOQOL, o ri e n- tado por agendas planejadas de pesquisa, perm i t i ria acumular evidências sobre a qualidade p s i c o m é t rica desses instru m e n t o s. Na medida em que muitos estudos bra s i l e i ros são ori e n t a- dos por conveniência de pesquisadores que atuam na assistência a pessoas acometidas por e n f e rmidades dive r s a s, há ainda a considerar o desafio de estabelecer uma rotina de ava l i a ç ã o de QV que atenda aos interesses práticos de s e rviços assistenciais, o que inclui demonstra r a utilidade desses instrumentos para apri m o- rar processos diagnósticos e para a ava l i a ç ã o sistemática de resultados de tra t a m e n t o.

8 QUALIDADE DE VIDA E SAÚDE R e s u m o R e f e r ê n c i a s O conceito qualidade de vida tem suscitado pesquisas e cresce a sua utilização nas práticas desenvo l v i d a s nos serviços de saúde, por equipes profissionais que atuam junto a usuários acometidos por enfermidades d i ve r s a s. O presente artigo tem como objetivo descrever a evolução histórica e tecer algumas considera ç õ e s s o b re aspectos conceituais e metodológicos do conceito qualidade de vida (QV) no campo da saúde. Ba s e a n- do-se na revisão da litera t u ra, dois aspectos do termo são destacados no plano conceitual: subjetividade e m u l t i d i m e n s i o n a l i d a d e. Quanto aos aspectos metodol ó g i c o s, uma tendência significativa tem sido a construção e/ou adaptação de instrumentos de medida e de avaliação da QV. Conclui-se que os esforços teóricometodológicos têm contribuído para a clarificação e re l a t i va maturidade do conceito. Trata-se de um construto eminentemente interd i s c i p l i n a r, o que implica a contribuição de diferentes áreas do conhecimento para o seu aprimoramento conceitual e metodológico. Sua utilização, p o rt a n t o, pode contribuir para a melhoria da qualidade e da integralidade da assistência na perspectiva da saúde como direito de cidadania. Qualidade de Vi d a ; Li t e ra t u ra de Re v i s ã o ; Ava l i a ç ã o ; Me t o d o l o g i a C o l a b o r a d o re s E. M. F. Seidl desenvo l veu revisão bibliográfica, análise conceitual, planejamento, organização e re d a ç ã o do texto. C. M. L. C. Zannon participou na análise conceitual da qualidade de vida e contribuiu na re d a- ção da versão final do manuscri t o. 1. Bowling A, Brazier J. Quality of life in social science and medicine In t roduction. Soc Sci Me d 1995; 41: Rogerson RJ. En v i ronmental and health-re l a t e d quality of life: conceptual and methodological s i m i l a ri t i e s. Soc Sci Med 1995; 41: Schuttinga JA. Quality of life from a federal re g u- l a t o ry perspective. In: Dimsdale JE, Baum A, edit o r s. Quality of life in behavioral medicine res e a rc h. New Je r s e y: Lawrence Erlbaum Associates; p Fleck MP, Leal OF, Louzada S, Xavier M, Ca c h a- m ovich E, Vi e i ra G, et al. De s e n volvimento da ve r- são em português do instrumento de ava l i a ç ã o de qualidade de vida da OMS ( W H O Q O L ). Rev Bras Psiquiatr 1999; 21: Kaplan RM. Quality of life, re s o u rce allocation, and the U.S. He a l t h - c a re cri s i s. In: Dimsdale JE, Baum A, editors. Quality of life in behavioral m e d- icine re s e a rch. New Je r s e y: Lawrence Er l b a u m Associates; p Mo r ris J, Pe rez D, Mc Noe B. The use of quality of life data in clinical pra c t i c e. Qual Life Res 1998; 7 : Quality of Life Re s e a rch. Sixth Annual Co n f e r- ence Ab s t ra c t s. Amsterdam: Kluwer Ac a d e m i c Publishers; Awad G, Vo ruganti LNP. In t e rvention re s e a rch in p s ychosis: issues related to the assessment of quality of life. Schizophr Bull 2000; 26: Costa Neto SB. Qualidade de vida dos port a d o re s de câncer de cabeça e pescoço [Tese de Doutorado]. Brasília: Instituto de Psicologia, Un i ve r s i d a- de de Brasília; Gill TM, Alvan MD, Feinstein MD. A critical app raisal of the quality of quality-of-life measurem e n t s. JAMA 1994; 272: Fa rquhar M. Definitions of quality of life: a taxo n- o m y. J Adv Nurs 1995; 22: Bowling A. What things are important in people s l i ves? A survey of the public s judgements to inf o rm scales of health related quality of life. So c Sci Med 1995; 41: The WHOQOL Gro u p. The World Health Org a n i- zation quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Org a n i z a t i o n. Soc Sci Med 1995; 41: Leplège A, Rude N. The importance of patient s own view about their quality of life. AIDS 1995; 9 : Slevin ML, Plant H, Lynch D, Drinkwater J, Gre g o- ry WM. Who should measure quality of life, the doctor or the patient? Br J Cancer 1988; 57: Smith KW, Avis NE, Assmann SF. Di s t i n g u i s h i n g b e t ween quality of life and health status in quality of life re s e a rch. Qual Life Res 1999; 8: The WHOQOL Gro u p. The World Health Org a n i- zation quality of life assessment (WHOQOL): development and general psyc h o m e t ric pro p e rt i e s. Soc Sci Med 1998; 46: Wa re JE, Kosinski M, Keller ED. The SF-36 Ph y s i- cal and Mental Su m m a ry Scales: a user s manual. Boston: The Health Institute; 1993.

9 5 8 8 Seidl EMF, Zannon CMLC 1 9. World Health Organization. Quality of life assessment: an annotated bibliogra p h y. Ge n e va: Wo r l d Health Organization; Guiteras AF, Bayés R. Desarrolllo de un i n s t ru m e n- to para la medida de da calidad de vida en enfermedades crónicas. In: Fo rns M, Anguera MT, org a n i z a a a d o re s. Ap o rtaciones recientes a la eva l u- ación psicologica. Ba rcelona: Un i versitas; p C l e a ry PD, Wilson PD, Fowler FJ. He a l t h - re l a t e d quality of life in HIV-infected persons: a conceptual model. In: Dimsdale JE, Baum A, editors. Quality of life in behavioral medicine re s e a rc h. New Je r s e y: Lawrence Erlbaum Associates; p Eb rahim S. Clinical and public health perspect i ves and applications of health-related quality of life measurement. Soc Sci Med 1995; 41: Gladis MM, Gosch EA, Dishuk NM, Cri t s -Cri s t o p h P. Quality of life: expanding the scope of clinical s i g n i f i c a n c e. J Consult Clin Ps ychol 1999; 67: A a ronson NK, Ahmedzai S, Be rgman B, Bu l l i n g e r M, Cull A, Du ez NJ. The Eu ropean Org a n i z a t i o n for Re s e a rch and Treatment of Cancer QLQ-30: a quality of life instrument for use in intern a t i o n a l clinical trials in oncology. J Natl Cancer Inst 1993; 8 5 : Wu AW, Hays RD, Kelly S, Malitz F, Bozzette SA. Applications of the medical Outcomes study healthrelated quality of life measures in HIV/AIDS. Qu a l Life Res 1997; 6: Ga r rat A, Schmidt L, Mackintosh A, Fi t z p a t rick R. Quality of life measurement: bibliographic study of patient assessed health outcome measure s. Br Med J 2002; 324: Guyatt GH, Feeny DH, Pa t rick DL. Me a s u ri n g h e a l t h - related quality of life. Ann In t e rn Me d 1993; 118: Power M, Bullinger M, Harper A. The World He a l t h O rganization WHO-QOL-100 tests of the unive r- sality of quality of life in 15 different culture s g roups worldwide. Health Ps ychol 1999; 18: Gro e n vold M, Klee MC, Sp rangers MAG, Aaro n s o n NK. Validation of the EORTC QLQ-C30 Quality of Life Qu e s t i o n n a i re through combined qualitative and quantitative assessment of patient-observe r a g reement. J Clin Epidemiol 1997; 50: Ciconelli RM, Fe r raz MB, Santos W, Meinão I, Qu a resma MR. Tradução para a língua port u g u e- sa e validação do questionário genérico de ava l i- ação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol 1997; 39: Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Ca c h a m ovich E, Vi e i ra G, Santos L, et al. Aplicação da versão em p o rtuguês do instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Sa ú d e (WHOQOL-100). Rev Saúde Pública 1999; 33: Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Ca c h a m ovich E, Vi e i ra G, Santos L, et al. Aplicação da versão em p o rtuguês do instrumento abreviado de ava l i a- ção da qualidade de vida W H O Q O L - b ref. Re v Saúde Pública 2000; 34: Pitta AMF. Qualidade de vida de clientes de serviços de saúde mental. Ap resentação de um inst rumento de avaliação Wi s c o n s i n - Quality of Life Index (W-QLI). Rev Psiquiatr Clín 1999; 26 (5 Ed i- ção Especial): Assumpção Jr. FB, Kuczynski E, Sp rov i e ri MH, A ranha EMV. Escala de avaliação de qualidade de vida (AUQEI Au t o q u e s t i o n n a i re Qualité de Vi e Enfant Imagé). Arq Ne u ropsiquiatr 2000; 58: Salgado PCB, Souza EAP. Impacto da epilepsia no t rabalho: avaliação da qualidade de vida. Arq Ne u ropsiquitr 2002; 60: Fe r raz EVA P, Lima C, Assis C. Adaptação de quest i o n á rio de avaliação da qualidade de vida para aplicação em port a d o res de catarata. Arq Bras Oftalmol 2002; 65: Mo reno AB, Lopes CS. Avaliação da qualidade de vida em pacientes laringectomizados: uma re v i- são sistemática. Cad Saúde Pública 2002; 18: Fa va rato MCE, Aldrich JM. A mulher coro n a ri o- pata no climatério após a menopausa: implicações na qualidade de vida. Rev Assoc Med Bra s 2001; 47: Lipp MN, Rocha JC. Estre s s e, hipertensão e qualidade de vida. Campinas: Pa p i rus; Mi n a yo MCS, Ha rtz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessári o. Ciênc Sa ú d e Co l e t i va 2000; 5:7-18. Recebido em 19/Ma r / Versão final re a p resentada em 29/Se t / Ap rovado em 23/Ou t /

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 1. Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO Projetos de orientação educacional Conforme foi caracterizado, o plano anual de ação estabelece as linhas globais da Orientação Educacional para um dado ano e é caracterizado

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

MAPEAMENTO ENTRE OS TERMOS DO FOCO DA PRÁTICA DA CIPE BETA-2, DA CIPE VERSÃO 1 E DA CIPESC Romana Reis da Silva 1

MAPEAMENTO ENTRE OS TERMOS DO FOCO DA PRÁTICA DA CIPE BETA-2, DA CIPE VERSÃO 1 E DA CIPESC Romana Reis da Silva 1 MAPEAMENTO ENTRE OS TERMOS DO FOCO DA PRÁTICA DA CIPE BETA-2, DA CIPE VERSÃO 1 E DA CIPESC Romana Reis da Silva 1 Andreia Malucelli 2 Marcia Regina Cubas 3 Introdução: Este estudo integra um projeto de

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social

PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social 2 2 4 A RTIGO A RT I C L E PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social E n v i ronment risk prevention programs and occupational health monitoring programs: audits, labor inspection,

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL

Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL Capítulo 12 Contribuições da Organização Mundial da Saúde na Promoção da Qualidade de Vida: Uma Visão Geral dos Instrumentos WHOQOL Bruno Pedroso Doutorando em Educação Física UNICAMP Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 5 Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 avaliação de qualidade de vida (QV) de crianças visa detectar as A maiores satisfações ou alegrias e

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 Claudia Eboli Santos 2 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO claudiaeboli@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura

Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura Capítulo 15 Qualidade de Vida no Trabalho dos Trabalhadores de Enfermagem - Revisão Sistemática da Literatura Inajara de Cássia Guerreiro Enfermeira - Unicamp Maria Inês Monteiro Mestre em Educação - Unicamp

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz 1 Evidence brief Introdução Pay-for-performance (P4P): transferência

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO

ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO (COMPARATIVE STUDY OF QUALITY OF LIFE OF NURSING PROFESSIONALS

Leia mais

Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet

Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet Unidade 1: Tradução do conhecimento e EVIPNet Objetivos da unidade Conhecer alguns dos desafios para a vinculação dos achados de pesquisas aos processos de formulação de políticas Discutir o conceito de

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA Ana Luísa Sasso Bortolotti* Flávia Souza de Freitas* Mara Regina Nieckel da Costa** RESUMO Esta pesquisa objetivou conhecer

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA Melo TM, Alvarenga KF, Blasca WQ. Faculdade de Odontologia de Bauru - Universidade de São Paulo.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Qualidade de Vida: Discussões Contemporâneas

Qualidade de Vida: Discussões Contemporâneas Capítulo 16 Qualidade de Vida: Discussões Contemporâneas Marco Antonio Bettine de Almeida Prof. Dr. Universidade de São Paulo Escola de Artes Ciências e Humanidades. Gustavo Luis Gutierrez Prof. Titular

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Cristiane Vaucher(**) Enfermeira. Membro do Comitê de Implantação da SAE no INCA IV Jornada de Enfermagem em Oncologia

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO

UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO UMA ANÁLISE DO USO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA NO ENSINO BÁSICO Bernardete Maria Andreazza Gregio Universidade Federal do Mato Grosso do Sul bernardetegregio@gmail.com

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO CONHECENDO O TERRITÓRIO PROJETO DIÁLOGOS PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE SUAPE

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO CONHECENDO O TERRITÓRIO PROJETO DIÁLOGOS PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE SUAPE EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO CONHECENDO O TERRITÓRIO PROJETO DIÁLOGOS PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE SUAPE O Projeto Diálogos para o Desenvolvimento Social de SUAPE torna pública a realização

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Hayala Cristina Cavenague de Souza 1 Marina Pasquali Marconato Mancini 2 Francisco Louzada Neto³ Gleici

Leia mais

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE 1 PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE Autoras: Paula Cristina Ischkanian 1 e Maria Cecília Focesi Pelicioni 2. 1 Mestranda da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

AVALIAÇÃO SEGUNDO ENFOQUE POR PROBLEMAS DE SAÚDE: O CÂNCER DE MAMA

AVALIAÇÃO SEGUNDO ENFOQUE POR PROBLEMAS DE SAÚDE: O CÂNCER DE MAMA AVALIAÇÃO SEGUNDO ENFOQUE POR PROBLEMAS DE SAÚDE: O CÂNCER DE MAMA Núcleo de Investigação em Serviços e Sistemas de Saúde NISIS Instituto de Saúde SES/SP Luiza Sterman Heimann Problema Demanda da equipe

Leia mais

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total?

A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? A qualidade de vida de pacientes localmente avançados tratados com radioquimioterapia é melhor do que naqueles submetidos a laringectomia total? Sim Robson Ferrigno Declaração Essa apresentação não possui

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais