HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional."

Transcrição

1 23 HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional. Renata Coelho Padilha Gera Juíza Federal Substituta no Espírito Santo; Mestre em Direito Constitucional; Especialista em Direito Civil e Processual Civil; Professora de Cursos de Graduação e Pós-graduação em Direito no Espírito Santo. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Hermenêutica Jurídica; 2.1. Distinção dos termos hermenêutica e interpretação; 2.2. Funções da interpretação; 2.3. (Im)Prescindibilidade da interpretação; 3. Hermenêutica constitucional; 4. Conclusão; Referências. 1 INTRODUÇÃO A atividade hermenêutica permeia todo o exercício dos operados do direito, principalmente, a atuação do magistrado, que é o responsável pela função de dizer o direito, ou seja, de aplicar a norma jurídica ao caso concreto. O magistrado durante a sua atuação para encontrar a solução do conflito existente no mundo dos fatos, aplica a norma jurídica, mas para isso deve buscar o sentido das normas. Como afirma Tércio Sampaio Ferraz Júnior 1, a determinação do sentido das normas, o correto entendimento do significado dos seus textos e intenções, tendo em vista decibilidade de conflitos constitui a tarefa da dogmática hermenêutica. Com isso verifica-se a relevância do tema relacionado à hermenêutica, principalmente, quando especificada em relação à hermenêutica constitucional. 1 FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, 3ª Ed, 2001, p. 252.

2 24 Renata Coelho Padilha Gera Entretanto, antes da abordagem dos conteúdos especificamente relacionados à hermenêutica constitucional, é preciso verificar alguns assuntos que dizem respeito à hermenêutica jurídica: distinção entre interpretação e hermenêutica, funções da interpretação e imprescindibilidade da interpretação. 2 HERMENÊUTICA JURÍDICA 2.1 DISTINÇÃO DOS TERMOS HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO As expressões hermenêutica jurídica e interpretação jurídica não são sinônimas. A doutrina faz distinções em relação ao significado técnico de ambos os termos. Pedro dos Reis Nunes 2 categoricamente faz a distinção entre as expressões, atribuindo à interpretação a noção de técnica, enquanto que à hermenêutica associa à idéia de ciência, no seu dizer, a ciência de interpretação das normas jurídicas. A interpretação é momento de contato direto do intérprete com a norma jurídica, ocorre quando o operador do direito procura encontrar, por meio de técnicas específicas, qual o real conteúdo e significado da norma jurídica. Por outro lado, a hermenêutica jurídica é a ciência formada pelo conjunto sistêmico de técnicas e métodos interpretativos. No mesmo sentido, posiciona-se Maria Helena Diniz 3, que afirma tratar-se a hermenêutica da teoria científica da arte de interpretar. Ou seja, o conjunto de princípios e normas que norteiam a interpretação é uma ciência: a hermenêutica. Entretanto, a visão de que a hermenêutica é uma ciência não é pacífica na doutrina, já que o Ministro Eros Roberto Grau 4 afirma que a interpretação das leis é, na verdade, uma prudência, é o saber prático, a phrónesis, a que se refere Aristóteles. 2 NUNES, Pedro dos Reis. Dicionário de tecnologia jurídica. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos, 12ª Ed rev amp e atual, 1990, p. 469 e DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: teoria geral do direito civil. São Paulo: Saraiva, vol. 1, 18 a Ed, 2002, p GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros Editores, 3 a Ed, 2005, p. 35.

3 FUNÇÕES DA INTERPRETAÇÃO Também não existe unanimidade, na doutrina, em relação à definição das funções da interpretação das normas jurídicas. Para Maria Helena Diniz 5, as funções da interpretação são as seguintes: a) conferir a aplicabilidade da norma jurídica às relações sociais que lhe deram origem; b) estender o sentido da norma a relações novas, inéditas ao tempo de sua criação; c) temperar o alcance do preceito normativo, para fazê-lo corresponder às necessidades reais e atuais de caráter social, ou seja, aos seus fins sociais e aos valores que pretende garantir. Eros Roberto Grau 6 entende que a interpretação do direito não pode ser dissociada da sua aplicação, afirma que interpretar é dar concreção (= concretizar) ao direito, reconhecendo para tanto, como único intérprete, verdadeiramente, autêntico o Juiz, que é o responsável pela construção da norma decisão. 2.3 (IM)PRESCINDIBILIDADE DA INTERPRETAÇÃO De acordo com a clareza ou não do texto legal, pode-se discutir sobre a dispensabilidade ou não da interpretação, ou seja, sobre a aplicação do princípio in claris cessat interpretatio. Maria Helena Diniz 7 afirma que a interpretação sempre é necessária, independentemente da clareza ou não da lei, afirmando que tanto as leis claras como as ambíguas comportam interpretação. 5 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: teoria geral do direito civil. São Paulo: Saraiva, vol. 1, 18 a Ed, 2002, p GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros Editores, 3 a Ed, 2005, p. 24 e DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: teoria geral do direito civil. São Paulo: Saraiva, vol. 1, 18 a Ed, 2002, p. 62.

4 26 Nesse mesmo sentido, caminha Paulo Bonavides 8, ao afirmar que não há norma jurídica que dispense interpretação, concluindo que o aforismo latino acima transcrito não pode prosperar. Verificados os aspectos gerais sobre a hermenêutica jurídica, principalmente, depois de verificada a imprescindibilidade da interpretação, pode-se avançar na análise de alguns dos aspectos mais relevantes da hermenêutica constitucional. 3 HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL A interpretação da norma é influenciada pelo seu intérprete. Eros Roberto Grau 9 traz faz uma interessante metáfora em relação à interferência do pesquisador no objeto pesquisado: metáfora da Vênus de Milo. A metáfora retrata a contratação de 03 artistas para produzirem cada um, uma estátua da Vênus de Milo. Como resultado, cada um produzirá uma estátua diferente, mesmo todos tendo o mesmo objeto. Não são três estátuas totalmente distintas umas da outras (afinal são todas Vênus de Milo), mas não são as mesmas estátuas. Esse também é o resultado da interpretação, sendo distinta de acordo com o seu intérprete. Além do intérprete, a realidade do mundo dos fatos também influencia diretamente a interpretação constitucional. Konrad Hesse 10 afirma que A norma constitucional não tem existência autônoma em face da realidade. Pode-se concluir que a hermenêutica constitucional procura a concretização da norma constitucional, ou seja, a interpretação constitucional considera os fatos do mundo real além objeto do texto (relevância da realidade concreta do mundo). A tarefa de hermenêutica constitucional trará conseqüências para toda a sociedade. Em que pese a afirmação de controle abstrato de constitucionalidade, ainda assim, 8 BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros Editores.. 13 a Ed. rev. atual., 2003, p. 437 e GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros Editores, 3 a Ed, 2005, p HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição: Die normative Kraft der Verfassung. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1991, p.14.

5 27 Renata Coelho Padilha Gera haverá o peso dos fatos sobre a interpretação, note-se que a Lei trata da possibilidade de realização de perícia e de audiência pública, bem como, solicitação de informações aos juízos inferiores sobre as conseqüências fáticas de aplicação da norma. A importância dos fatos na tarefa de interpretação constitucional é reforçada pela existência do instituto da modelação dos efeitos da decisão que reconhece a inconstitucionalidade. O STF pode determinar em que momento no tempo a inconstitucionalidade começa a produzir efeitos. A interpretação deve alcançar o objetivo de atualização do texto constitucional. Quando o intérprete considera os fatos do mundo real, o texto constitucional vê-se com aplicação a casos diversos. Conforme afirma Paulo Bonavides 11, interpretar a constituição normativa é muito mais do que fazer-lhe claro o sentido: é sobretudo atualizá-la. Conforme afirma Konrad Hesse 12, é necessária a aplicação de uma interpretação construtiva para garantir a força normativa do texto constitucional, garantindo a consolidação e preservação da força normativa da Constituição. Entretanto, essa interpretação deve considerar os fatos concretos da vida, para o autor a interpretação adequada é aquela que consegue concretizar, de forma excelente, o sentido (sinn) da proposição normativa dentro das condições reais dominantes numa determinada situação. 4 CONCLUSÃO Em decorrência desse poder que advém da interpretação da constituição, torna-se indispensável o estabelecimento de meios que evitem uma interpretação desarrazoada, capaz de provocar injustiças. 11 BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros Editores.. 13 a Ed. rev. atual., 2003, p HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição: Die normative Kraft der Verfassung. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1991, p. 22 e 23.

6 28 Com o objetivo de evitar uma interpretação sem fundamento, há o estabelecimento pela doutrina de regras, métodos e princípios de hermenêutica, que permitem um certo controle sobre a atividade interpretativa, garantindo uma certa uniformidade, ou seja, alguns pontos comuns estarão presentes na atividade interpretativa, para a busca do equilíbrio. A liberdade do operador existe (cada um é um escultor distinto), mas não é absoluta, já que se encontra limitada por determinadas regras (todos devem esculpir a Vênus de Milo). REFERÊNCIAS BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros Editores.. 13 a Ed. rev. atual., p. DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: teoria geral do direito civil. São Paulo: Saraiva, vol. 1, 18a Ed, p. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, 3ª Ed, p. GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros Editores, 3a Ed, p. HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição: Die normative Kraft der Verfassung. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1991, 34 p. NUNES, Pedro dos Reis. Dicionário de tecnologia jurídica. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos, 12ª Ed rev amp e atual, p. Informações Bibliográficas: GERA, Renata Padilha Coelho. Hermenêutica constitucional. Panóptica, Vitória, ano 1, n. 4, dez. 2006, p Disponível em: <http://www.panoptica.org>. Acesso em:

Introdução ao Estudo do Direito

Introdução ao Estudo do Direito Introdução ao Estudo do Direito Interpretação e Hermenêutica Jurídica Prof. Rosane Terra Noções Introdutórias Para a aplicação justa do Direito, é imperioso que o intérprete lance mão de métodos, ou seja,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

TEXTO NORMATIVO E NORMA JURÍDICA: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS ELIEZER PEREIRA MARTINS 1

TEXTO NORMATIVO E NORMA JURÍDICA: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS ELIEZER PEREIRA MARTINS 1 TEXTO NORMATIVO E NORMA JURÍDICA: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS ELIEZER PEREIRA MARTINS 1 Este trabalho aborda o significado das expressões "texto normativo" e "norma jurídica", a fim de estabelecer mais

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Introdução ao Estudo do Direito Código TDI0011 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 1º II Ementário O direito como fenômeno social e universal.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) poder normativo do juiz Newton Garcia Faustino Sabemos que o juiz é um agente político que detém parcela do poder do Estado e que possui ampla liberdade de atuação funcional,

Leia mais

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: Nosso ordenamento jurídico estabelece a supremacia da Constituição Federal e, para que esta supremacia

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora:Ms. Marilu Pohlenz marilupohlenz@hotmail.com Período/Fase: 2º Semestre: 1º Ano: 2014

Leia mais

3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DISCIPLINA: Jurisdição Constitucional CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 10º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR 193 1. EMENTA: A Constituição e a Defesa da Supremacia Constitucional. Antecedentes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho (Extensão EE Sebastião de Oliveira Rocha) Código: 091.07 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I CÓDIGO: DCONSTI - CARGA HORÁRIA: 80 h.a. - N.º DE CRÉDITOS: 04 PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Porto Alegre: Sergio Fabris editor

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Porto Alegre: Sergio Fabris editor Profº Drº Luis Rodolfo A. de Souza Dantas DIREITOS INDIVIDUAIS MATERIAIS Ementa: Por meio da disciplina Direitos Individuais Materiais pretende-se analisar o conteúdo material dos direito individuais previstos

Leia mais

IUS RESUMOS. Interpretação e Integração da Lei Penal. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Interpretação e Integração da Lei Penal. Organizado por: Samille Lima Alves Interpretação e Integração da Lei Penal Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI PENAL... 3 1. Entendo o que é a interpretação... 3 1.1 Espécies de interpretação...

Leia mais

RESENHA. Propôs, o aludido autor a seguinte tese 1 :

RESENHA. Propôs, o aludido autor a seguinte tese 1 : RESENHA REFERÊNCIA DO TEXTO: HÄBERLE, Peter, Hermenêutica Constitucional - A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição: Contribuição para a interpretação Pluralista e 'Procedimental' da Constituição,

Leia mais

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO (Construção de normas jurídicas concretas a partir de fatos, normas jurídicas abstratas, enunciados normativos e valores) Aldemario Araujo Castro Mestre

Leia mais

COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA

COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA 88 COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA Doutor em Processo Civil pela PUC/SP; Ex-Diretor da Faculdade de Direito (Toledo de Presidente Prudente); Professor de Direito Processual Civil na AET de Presidente

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome: DIREITO CONSTITUCIONAL II Curso: Direito Código:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Constituição e seu papel frente às contingências da sociedade (pós) moderna. Ronny Carvalho da Silva * Vivemos em uma sociedade cujas aberturas, às mais diferentes possibilidades

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E. Sugestão de Bibliografia Complementar

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E. Sugestão de Bibliografia Complementar FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Disciplina: DIREITO TRIBUTÁRIO I (DEF 0416) Professor: Paulo Ayres Barreto Turma: 4º Ano (T23

Leia mais

Lucas do Monte Silva RESENHA.

Lucas do Monte Silva RESENHA. http://dx.doi.org/10.21527/2176-6622.2016.45.229-233 RESENHA A FORÇA NORMATIVA DA CONSTITUIÇÃO Hesse, Konrad. A força normativa da Constituição. Tradução Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio

Leia mais

Período. 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional

Período. 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Página 1 de 5 Disciplina DE GRADUACÃO Curso Semestral Código DIREITO CONSTITUCIONAL II 072 Curso Graduação Período 3º Período Turma (s) A, B e D Carga Horária 64 horas-relógio 77 horas-aula Eixo de Formação

Leia mais

Ponto 05 HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL. 1. Introdução: Hermenêutica e interpretação são termos distintos.

Ponto 05 HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL. 1. Introdução: Hermenêutica e interpretação são termos distintos. DIREITO CONSTITUCIONAL I PROFESSOR: Ms. JOSÉ ROBERTO SANCHES UniSalesiano Ponto 05 HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL 1. Introdução: Hermenêutica e interpretação são termos distintos. A interpretação busca revelar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM PLANO DE ENSINO 2017-1º Semestre CURSO: DIREITO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO SEMESTRE: 1º SEMESTRE DE 2017 TURNO: NOTURNO CARGA HORÁRIA: 40 h/a PROFESSOR Me. DANILO CÉSAR SIVIERO RÍPOLI

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Direito

Programa de Pós-graduação em Direito Teoria da Constituição 04 créditos Programa de Pós-graduação em Direito Ementa: Constituição e constitucionalismo no paradigma do Estado Democrático de Direito. Interpretação e aplicação da Constituição.

Leia mais

II. Conceito de Direito Constitucional

II. Conceito de Direito Constitucional DIREITO CONSTITUCIONAL I II. Conceito de Direito Constitucional José Afonso da Silva: É o ramo do Direito Público que expõe, interpreta e sistematiza os princípios e normas fundamentais do Estado. 1. Conteúdo

Leia mais

FRACION SANTOS DIREITO CONSTITUCIONAL

FRACION SANTOS DIREITO CONSTITUCIONAL FRACION SANTOS DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (CESPE 2013 AGU Procurador Federal) Considerando o entendimento prevalecente na doutrina e na jurisprudência do STF sobre o preâmbulo constitucional e as disposições

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Interpretação constitucional Luiz Carlos Saldanha Rodrigues Junior * Como citar este artigo: JUNIOR, Luiz Carlos Saldanha Rodrigues. Interpretação constitucional. Disponível em http://www.iuspedia.com.br

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 5. SISTEMAS JURÍDICOS conceito abrangente, suplanta o senso comum de normas vigentes ou agrupamento de ordenamentos com elementos comuns. 5.1. Compreensão

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho (s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho (s) DISCIPLINA INTRODUÇÃO AO DIREITO I CH: 80h/a AULA: teórica EMENTA O Direito como sistema. As disciplinas auxiliares do Direito. A construção histórica do Direito. Norma Jurídica. Fontes do Direito. Ramos

Leia mais

Processo PLANO DE ENSINO. Prof. Luis Fernando Alves

Processo PLANO DE ENSINO. Prof. Luis Fernando Alves 1 Teoria Geral do Processo PLANO DE ENSINO Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 1. EMENTA 2 O Estado, o processo e a tutela jurisdicional. Fontes das normas processuais. Princípios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO CONSTITUCIONAL II Carga horária semestral:64

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A aplicabilidade da norma jurídica frente o problema da revogação e o controle da constitucionalidade Rafael Damaceno de Assis SUMÁRIO: 1. Teoria da Norma Jurídica 2. Poder Constituinte

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Em relação às emendas à constituição é verdadeiro: I. No sistema brasileiro cabe a sua propositura ao presidente da república, aos

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 8.1. Homem sujeito de Direito Status libertatis: atributos decorrentes da posição ocupada pelo indivíduo; livre era o homem que não pertencesse a outro. 8.1.1.

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: 1ª avaliação (30 pontos); 2ª avaliação (30 pontos); 3ª avaliação (40 pontos).

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: 1ª avaliação (30 pontos); 2ª avaliação (30 pontos); 3ª avaliação (40 pontos). Facu Disciplina: Teoria da Constituição Curso: Direito Carga Horária: 60 Departamento: Direito Público Área: Direito Público PLANO DE ENSINO EMENTA: A disciplina Teoria da Constituição ; constitucionalismo;

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER lanarezende27@gmail.com ANA CELUTA F. TAVEIRA Faculdade Alfredo Nasser Mestre em Direito e

Leia mais

Prof. Ricardo Torques

Prof. Ricardo Torques Revisão de Filosofia do Direito para o XXI Exame de Ordem Prof. Ricardo Torques www.fb.com/oabestrategia INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA CONCEITO GERAL DE FILOSOFIA: refletir e questionar o saber instituído,

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

PLANO DE CURSO : JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL (CÓD. ENEX 60120) ETAPA: 4ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO : JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL (CÓD. ENEX 60120) ETAPA: 4ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL (CÓD. ENEX 60120) ETAPA: 4ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

TEMA 14: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

TEMA 14: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE TEMA 14: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE EMENTÁRIO DE TEMAS: Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:. I - processar e julgar, originariamente:a)

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1 AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Movimento teórico de revalorização do direito constitucional, de uma nova abordagem do papel da constituição no sistema jurídico 2 Surgiu a partir da segunda metade do

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Direito Constitucional II Direito A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 20.1. Nulidades em matéria de testamento: o exame da existência, da validade e o da eficácia do testamento; a manifestação de vontade válida, o agente capaz, objeto

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 6. CODIFICAÇÃO direito vigente reunido em um texto único e conexo. 6.1. Efeitos: o ideal ensinado nas universidades; aplicação do direito de forma racional.

Leia mais

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS Giovana JERONIMO 1 Wesley TEIXEIRA 2 RESUMO: através de um breve apontamento teórico, o presente estudo buscou analisar o princípio

Leia mais

Direito Processual Civil

Direito Processual Civil Direito Processual Civil Atualização 1: para ser juntada na pág. 736 do Livro Principais Julgados de 2016 Depois da conclusão do julgado "STJ. 4ª Turma. REsp 1.261.856/DF, Rel. Min. Marco Buzzi, julgado

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

Sumário. Introdução... 31

Sumário. Introdução... 31 Sumário Introdução..................................................................... 31 Parte I. Teoria e significado da igualdade jurídica............................ 33 Capítulo I. Teorias fundamentais

Leia mais

ANALOGIA: FONTE OU MÉTODO DO DIREITO? (Doutor em Direito pela PUC/SP; professor do curso de Direito da Faculdade de Paulínia;

ANALOGIA: FONTE OU MÉTODO DO DIREITO? (Doutor em Direito pela PUC/SP; professor do curso de Direito da Faculdade de Paulínia; ANALOGIA: FONTE OU MÉTODO DO DIREITO? Marcos Abílio Domingues (Doutor em Direito pela PUC/SP; professor do curso de Direito da Faculdade de Paulínia; mardomingues@uol.com.br) RESUMO: O texto define fonte

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Vícios Redibitórios e suas fontes plúrimas. Antonio Toshio Sato* Desde sua entrada em vigor no cenário legislativo brasileiro, no ano de 1991, que o Código de Defesa do Consumidor

Leia mais

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica

Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Prof. Talles D. Filosofia do Direito A Teoria da Norma Jurídica Os pontos elencados são tópicos da obra de Norberto Bobbio, sempre presente nas provas dos concursos públicos, o que provavelmente se repetirá

Leia mais

Ementas das disciplinas do 2º período

Ementas das disciplinas do 2º período 1 Ementas das disciplinas do 2º período DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I C/H: 080 H/A EMENTA Direitos e Garantias Fundamentais Teoria Geral dos Direitos Humanos Fundamentais: Evolução histórica, as

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 7 Referências Bibliográficas ANITUA, Gabriel Ignacio. Histórias dos pensamentos criminológicos. Tradução Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan: Instituto Carioca de Criminologia, 2008. Pensamento criminológico;

Leia mais

A AUSÊNCIA DA DEFENSORIA PÚBLICA TRABALHISTA E SEUS REFLEXOS CONSTITUCIONAIS

A AUSÊNCIA DA DEFENSORIA PÚBLICA TRABALHISTA E SEUS REFLEXOS CONSTITUCIONAIS A AUSÊNCIA DA DEFENSORIA PÚBLICA TRABALHISTA E SEUS REFLEXOS CONSTITUCIONAIS Fernando Ferreira da Silva Júnior 1 Alessandro Buarque Couto 2 RESUMO A Defensoria Pública é um direito do cidadão, além de

Leia mais

Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO

Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO Teoria do Estado e da Constituição Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com ENTRADA EM VIGOR DE UMA NOVA CONSTITUIÇÃO Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino As normas de uma nova Constituição

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Código INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I 57. Período 1º Período

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Código INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I 57. Período 1º Período Página 1 de 7 Disciplina DE GRADUACÃO Curso Semestral Código INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO I 57 Curso Graduação Período 1º Período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docentes: Professor Me.

Leia mais

«Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos

«Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação X Congresso Bragança, 1 de Maio de 2009 «Avaliação Externa», «Avaliação Interna» e «Auto-avaliação»: Implicações de distintos princípios e processos avaliativos

Leia mais

O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E A TEORIA DO PENSAMENTO JURÍDICO DO POSSÍVEL

O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E A TEORIA DO PENSAMENTO JURÍDICO DO POSSÍVEL O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E A TEORIA DO PENSAMENTO JURÍDICO DO POSSÍVEL Marcius Licinius Gonçalves 1 RESUMO Hermenêutica é uma ciência que fornece elementos para a interpretação de uma norma jurídica

Leia mais

TEMA 15: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

TEMA 15: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE TEMA 15: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE EMENTÁRIO DE TEMAS: A argüição de descumprimento de preceito fundamental, decorrente desta Constituição, será apreciada pelo Supremo Tribunal Federal, na forma

Leia mais

PLANO DE CURSO. Procurar estabelecer as relações entre Direitos Humanos, Direitos Fundamentais e a Organização

PLANO DE CURSO. Procurar estabelecer as relações entre Direitos Humanos, Direitos Fundamentais e a Organização COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: DIREITO ADMINSTRATIVO II Código: DIR-369-b CH Total: 60h Pré-requisito: DIREITO ADMINSTRATIVO I Período Letivo: 2016.1 Turma: 5ºsemestre Professor:

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO CONSUMIDOR

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO CONSUMIDOR PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO CONSUMIDOR Zuleika MACHADO Daniel Goro TAKEY RESUMO: O presente artigo tem como objetivo demostrar os princípios garantidos pela constituição de 1988, a qual veio estabelecer

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. BARROSO, Luís Roberto. O Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas. 5ª ed., Rio de Janeiro: Renovar, p.

BIBLIOGRAFIA. BARROSO, Luís Roberto. O Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas. 5ª ed., Rio de Janeiro: Renovar, p. 66 BIBLIOGRAFIA BARROSO, Luís Roberto. O Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas. 5ª ed., Rio de Janeiro: Renovar, 2001. 363 p.. Mandado de Injunção, Perfil Doutrinário e Evolução. Revista

Leia mais

O CONTADOR E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES PARA A JUSTIÇA

O CONTADOR E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES PARA A JUSTIÇA O CONTADOR E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES PARA A JUSTIÇA HOOG, Wilson Alberto Zappa. 1 Resumo: Apresenta-se uma resumida análise sobre as possíveis contribuições profissionais de um contador para com a

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 CAPÍTULO 1 EM BUSCA DA DEFINIÇÃO DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA..29 1.1. O direito e a segurança

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATORA: Senadora LÍDICE DA MATA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE RELATORA: Senadora LÍDICE DA MATA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 61, de 2013, do Senador GIM, que dispõe sobre a estabilidade provisória da empregada

Leia mais

CAPÍTULO 1 DIREITO MARÍTIMO E PROCESSO CIVIL UM DIÁLOGO NECESSÁRIO

CAPÍTULO 1 DIREITO MARÍTIMO E PROCESSO CIVIL UM DIÁLOGO NECESSÁRIO PREFÁCIO CAPÍTULO 1 DIREITO MARÍTIMO E PROCESSO CIVIL UM DIÁLOGO NECESSÁRIO É clássica a afirmação de que o Estado, no exercício do seu poder soberano, exerce três funções: legislativa, administrativa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO 13 o CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE CARGOS NA CLASSE INICIAL DA CARREIRA DE PROCURADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Exmo. Sr. Procurador-Geral Na data de 06 de maio de 2012 foi

Leia mais

1. Ementa. 2. Objetivos

1. Ementa. 2. Objetivos ESCOLA DE ARTES, CIENCIAS E HUMANIDADES CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Disciplina ACH0052 2 Estudos Diversificados II Turma : 2011254 (T ) Segunda-feira, 21:00-22:45 01/08/2011 a 07/12/2011 49 Alunos

Leia mais

Ciências Sociais Aplicadas

Ciências Sociais Aplicadas PIRÂmIDE normativa DE KELsEn: AnáLIsE sob As TEORIAs constitucionalistas DE FERDInAnD LAssALE E KOnRAD hesse Rafael Souza Carvalho Graduando em Direito pela UFRR rafaelcarvalhu@hotmail.com Ciências Sociais

Leia mais

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2.

0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. 0,1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D.11 PERÍODO: 3º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60

Leia mais

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana.

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. DIREITO EMPRESARIAL Direito - Conceito Clássico É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. NORMA JURÍDICA - CONCEITO CLÁSSICO É a regra social garantida pelo poder

Leia mais

Bibliografia - item 3.6 Instrumento de avaliação de cursos

Bibliografia - item 3.6 Instrumento de avaliação de cursos Bibliografia - item 3.6 Instrumento de avaliação de cursos Biblioteca Física Nota 3 - Quando o acervo da bibliografia básica, com no mínimo três títulos por unidade curricular, está disponível na proporção

Leia mais

Como pensa o CESPE em provas para Magistrado - TRF-1ª Região? MAPEAMENTO DAS PROVAS DEMONSTRAÇÃO

Como pensa o CESPE em provas para Magistrado - TRF-1ª Região? MAPEAMENTO DAS PROVAS DEMONSTRAÇÃO Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! Como pensa o CESPE em provas para Magistrado - TRF-1ª Região? MAPEAMENTO DAS PROVAS DEMONSTRAÇÃO Trabalho finalizado em março/2015. Cópias

Leia mais

Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho,

Conforme nos ensina o constitucionalista J. J. Gomes Canotilho, Interpretação da Constituição Vicente Paulo & Marcelo Alexandrino Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com (19) 8130-5005 Interpretação da Constituição. Interpretar as normas constitucionais

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1ª Fase PROVA OBJETIVA P á g i n a 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL QUESTÃO 1 - Assinale a alternativa correta: A. segundo o novo CPC, o dever de transparência patrimonial só pode ser imposto às partes; B. no

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2017 DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL I

PLANO DE ENSINO 2017 DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL I PLANO DE ENSINO 2017 DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL I 1. INFORMAÇÕES GERAIS Professora: Maria Rafaela Junqueira Bruno Rodrigues Departamento: Direito Privado Disciplina: Direito Empresarial I Série: 2º

Leia mais

O EMBATE ENTRE PROVA EMPRESTADA E CONTRADITÓRIO: UMA ANÁLISE CONFORME O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O EMBATE ENTRE PROVA EMPRESTADA E CONTRADITÓRIO: UMA ANÁLISE CONFORME O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O EMBATE ENTRE PROVA EMPRESTADA E CONTRADITÓRIO: UMA ANÁLISE CONFORME O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Lais Zumach Lemos Pereira INTRODUÇÃO Denomina-se prova emprestada aquela que, produzida em um processo,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE PROCESSUALÍSTICA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS

DIAGNÓSTICO DE PROCESSUALÍSTICA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS DIAGNÓSTICO DE PROCESSUALÍSTICA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS George Brasil Pitsica (TCE/SC) Giovana Benevides Sales Araujo (TCE/PR) Khenia R F. Nunes (TCE/TO) JUSTIFICATIVAS Ferramentas para otimizar o trabalho

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...23

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...23 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...23 CAPÍTULO 1 EM BUSCA DA DEFINIÇÃO DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA...29 1.1. O direito e a segurança jurídica... 29 1.1.1. Absolutismos e relativismos em termos de segurança jurídica:

Leia mais

HABEAS CORPUS NAS TRANSGRESSÕES DISCIPLINARES MILITARES

HABEAS CORPUS NAS TRANSGRESSÕES DISCIPLINARES MILITARES HABEAS CORPUS NAS TRANSGRESSÕES DISCIPLINARES MILITARES Autor: TC Alexandre CARVALHO de Araújo Credenciais: - Curso de Direção para Engenheiros-Militares (ECEME, 2006); - Graduação em Direito (UERJ, 2000);

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS Prof. Dr. João Carlos Medeiros de Aragão Currículo Lattes: Lattes.cnpq.br/49114444160 OBJETIVOS Objetiva-se apresentar a definição de Sistema Jurídico, com base

Leia mais

A EFICÁCIA E A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS 1

A EFICÁCIA E A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS 1 A EFICÁCIA E A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS 1 Maiara Priscila Carvalho Mazzurana 2, Eloísa Nair De Andrade Argerich 3. 1 Trabalho de pesquisa -TCC- Conclusão de curso de graduação

Leia mais

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL

HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL Objetivo final do estudo da Herm. Jurídica Ponto de encontro entre o social e o jurídico Dinamismo da sociedade desafia o intérprete Novo padrão interpretativo: norma + contexto

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul Representação para interposição de Ação Direita de Inconstitucionalidade em face da Lei Complementar Estadual nº 14.836,

Leia mais

Sumário. Parte 1 Teorias e doutrinas relacionadas ao estudo da Constituição

Sumário. Parte 1 Teorias e doutrinas relacionadas ao estudo da Constituição Sumário Parte 1 Teorias e doutrinas relacionadas ao estudo da Constituição 1 Afinal, o que é a Constituição? 3 1.1 Constitucionalismo 3 1.2 O neoconstitucionalismo 4 1.3 Jusnaturalismo X Positivismo X

Leia mais

Dogmática Jurídica. A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009

Dogmática Jurídica. A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009 Dogmática Jurídica A função social da dogmática jurídica. por Irma Pereira Maceira outubro de 2009 Artigo originalmente escrito para e publicado no Jornal Jurid, em outubro de 2009. Pág.! 2 de! 5 Dogmática

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Tercio Sampaio Ferrazjunior - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Técnica, Decisão, Dominação 8ª Edição Revista e ampliada SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 1987 by Editora Atlas SA 1.ed. 1988; 2. ed. 1994;

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina - INTRODUÇÃO AO ESTUDO

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Metodologia da Pesquisa Científico. Profa. Ms. Daniela Cartoni

Metodologia da Pesquisa Científico. Profa. Ms. Daniela Cartoni Metodologia da Pesquisa Científico Profa. Ms. Daniela Cartoni Metodologia da Pesquisa Científico Aula 2 Construção de um Projeto de Pesquisa Revisão da Aula 1 Conhecimento, ciência e paradigma - Tipos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A EFICÁCIA DA LEI AO LONGO DO TEMPO

REFLEXÕES SOBRE A EFICÁCIA DA LEI AO LONGO DO TEMPO 1 REFLEXÕES SOBRE A EFICÁCIA DA LEI AO LONGO DO TEMPO Amany Maria de Karla Rovani dos Santos 1 Dr. Wanderlei de Paula Barreto 2 RESUMO: O presente trabalho não tem por objetivo esgotar o assunto A Eficácia

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA NORMA CONSTITUCIONAL

INTERPRETAÇÃO DA NORMA CONSTITUCIONAL 1 INTERPRETAÇÃO DA NORMA CONSTITUCIONAL SANDRÉA ALVES ABBAS 1 RESUMO Este trabalho buscou na medida do possível analisar as formas de interpretação da norma constitucional. Conseguinte, procuramos efetuar

Leia mais

Arts. 92 ao 126 da CF

Arts. 92 ao 126 da CF Para adquirir a apostila de 300 Questões Fundamentadas do Poder Judiciário - acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação......3

Leia mais

Todos os métodos de interpretação constitucional se comungam harmoniosamente na busca da perfeição do sentido constitucional,

Todos os métodos de interpretação constitucional se comungam harmoniosamente na busca da perfeição do sentido constitucional, A Previsão da Súmula Vinculante na Ordem Constitucional vigente e a sua Contraposição à Evolução da Interpretação Constitucional em detrimento dos valores e Princípios Fundamentais. A Emenda Constitucional

Leia mais

Turno/Horário. Disciplina DIREITO CONSTITUCIONAL. Curso DIREITO. Professor. Carga Horária Semanal Carga Horária Semestral. Número de Créditos

Turno/Horário. Disciplina DIREITO CONSTITUCIONAL. Curso DIREITO. Professor. Carga Horária Semanal Carga Horária Semestral. Número de Créditos Disciplina DIREITO CONSTITUCIONAL Curso DIREITO Professor Ilza Maria da Silva Facundes Carga Horária Semanal Carga Horária Semestral Teórica Prática Total Teórica Prática Total 04 h/a - 04 h/a 7 h/a -

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 45, DE 2007

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 45, DE 2007 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 45, DE 2007 Altera o inciso III do 4º do art. 103-B da Constituição Federal, para dispor sobre nova competência do Conselho Nacional de Justiça de determinar perda

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina INSTITUIÇÕES DE DIREITO PRIVADO I. Código 62 Curso Graduação. Período 1º Período

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina INSTITUIÇÕES DE DIREITO PRIVADO I. Código 62 Curso Graduação. Período 1º Período Página 1 de 5 DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina INSTITUIÇÕES DE DIREITO PRIVADO I Código 62 Curso Graduação Período 1º Período Turma (s) A, B e D Carga Horária 64 horas-relógio 77 horas-aula Eixo

Leia mais

O TCU e a contratação de empregados nos Serviços Sociais Autônomos

O TCU e a contratação de empregados nos Serviços Sociais Autônomos O TCU e a contratação de empregados nos Serviços Sociais Autônomos Da natureza das Unidades do Sistema S São entidades paraestatais, sem finalidade lucrativa, criadas por lei que: trabalham ao lado do

Leia mais