SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado"

Transcrição

1 SurTec 874 Processo de Cromo Duro Fluoretado 1- DESCRIÇÃO O processo SurTec 874 é um processo utilizado em cromação dura, com sistema de mistura de catalisadores solúveis, com fácil controle. O processo SurTec 874 contém acido crômico e catalisadores balanceados para a montagem e manutenção do banho. Na montagem do processo, após dissolução do SurTec 874 Sal é necessário que se analise o sulfato, para posterior acerto com ácido sulfúrico e a manutenção do processo deve ser feita com o próprio SurTec 874 Sal e eventualmente SurTec 874 Catalisador, este último quando indicado por nosso laboratório, através de análises do catalisador ativo. O SurTec 874 Catalisador é fornecido na forma líquida concentrada Vantagens do Processo Depósitos com superfície lisa. Alta eficiência catódica. Boa ativação para depósitos sobre aços inox. Depósitos com dureza entre 800 a HV. Larga faixa de brilho. Menos concentração de camada em altas densidades de corrente. Alta velocidade de deposição, com 60 amp/dm 2 até 1,0 µm/minuto. Pode ser operado com alta densidade de corrente. Banhos decorativos podem ser operados com baixa concentração. Boa tolerância a contaminantes. Ótima penetração e distribuição de camada. No mesmo equipamento de um processo convencional pode-se usar o SurTec Condições Gerais 2.1- Instruções Operacionais SurTec 874 Sal g/l; ideal 230 g/l Relação CrO 3 /SO :1; ideal 200:1 Temperatura ºC; ideal 58 ºC Densidade de Corrente Voltagem A/dm²; ideal 50 A/dm² 9-15 Volts Eficiência de Corrente % Velocidade de Deposição Até 1,0 µm /minuto com 60 A/dm² Proporção Anodo:catodo 2:1 BT SurTec 874 Página 1 de 5

2 Nota A solução do banho SurTec 874 não permite trabalhar com temperaturas superiores a 65 o C Preparação do Banho 1- Quando o tanque for novo é recomendado um tratamento no PVC com água é ácido sulfúrico a 1% v/v a uma temperatura de 55 o C durante 6 horas. 2- Após este tratamento encher ⅔ do tanque com água limpa, aquecer até 60 o C, e iniciar a dissolução do SurTec 874 Sal sob agitação. 3- Após total dissolução do sal, completar volume do tanque, retirar uma amostra para análise do sulfato; e fazer a correção necessária com ácido sulfúrico. 4- Logo após, deve-se colocar os anodos e iniciar uma eletrólise no banho durante duas horas com uma tensão de 6 volts Manutenção Como manutenção simples, a solução pode ser controlada com verificação da densidade em º Baumé e correções com SurTec 874 Sal de acordo com a necessidade. Esta forma de manutenção é prática, porém sujeita a variação, portanto é recomendado que seja feita análise periódica do banho, de acordo com o método descrito no item 2.3 para determinação da concentração exata dos componentes e correção para os parâmetros de trabalho. Analisar o ácido crômico e corrigir com SurTec 874 Sal. Analisar o sulfato e, se necessário corrigir com ácido sulfúrico. Para reduzir o excesso de sulfato, caso esteja acima do parâmetro, adicionar carbonato de bário obedecendo à proporção de 2 g/l de BaCO 3 para cada 1 g/l de SO 4 a ser eliminado. O catalisador do processo pode ser analisado e deve ser mantida em 2,6 g/l, como catalisador ativo e, se necessário, sua concentração pode ser corrigida com adições de SurTec 874 Catalisador. Para proceder à correção obedecer a proporção de 1 ml/l de SurTec 874 Catalisador para cada 0,1 g/l de catalisador ativo a ser adicionado. Banhos com contaminação de íon cloreto têm interferência na determinação da concentração do catalisador se o método utilizado para determinação do mesmo for baseado em ataque sobre alumínio. Como a temperatura para operação com o processo varia entre 50 a 65 ºC, uma evaporação da solução é natural, e o nível do banho deve ser freqüentemente corrigido com água de boa qualidade. O processo SurTec 874 Sal esta sujeito a certos contaminantes tais como ferro, cobre, zinco e níquel. Dentre estes, o mais comum é o ferro em função da reversão anódica, que na maioria das vezes é feita no próprio tanque de trabalho; áreas de peça que não são revestidas e acabam atacadas pelo eletrólito e também peças caídas no fundo to tanque. Ao atingir valores próximos de 12 g/l recomendamos troca ou diluição do banho. Outra possibilidade é a purificação através de resinas apropriadas para o meio. De forma geral os limites de contaminantes em banhos de cromo são de 10 g/l para a somatória dos íons bivalente tais como níquel, cobre e zinco. A somatória dos íons trivalentes como ferro e cromo trivalente é de 15 g/l Controle Analítico Ácido Crômico 1. Pipetar 10 ml da amostra, transferir para balão volumétrico de 500 ml acertando o volume até o menisco com Água Destilada. 2. Pipetar 10 ml da amostra diluída para erlenmeyer de 250 ml. BT SurTec 874 Página 2 de 5

3 3. Adicionar 100 ml de Água Destilada. 4. Adicionar 10 ml de Bifluoreto de Amônio PA a 5 % p/v. 5. Adicionar 30 ml de Ácido Clorídrico PA a 50 % v/v. 6. Adicionar 10 ml de Iodeto de Potássio PA a 10 % p/v. 7. Titular com Na 2 S 2 O 3 0,1 N até coloração palha e adicionar 1 ml de Amido a 1 % p/v e continuar a titulação até coloração verde. Cálculo: ml gastos de Na 2 S 2 O 3 0,1 N x fc x 16,66 = g/l de CrO Sulfato (Centrifugação) 1. Pipetar 10 ml da amostra em tubos fatorados. 2. Adicionar 5 ml de Ácido Clorídrico 18,4 % v/v em cada tubo. 3. Agitar muito bem. 4. Centrifugar a rpm por 1 minuto. 5. Fazer a leitura do resíduo em cada tubo (L 1 ). 6. Adicionar 5 ml de Cloreto de Bário 15 % p/v. 7. Agitar muito bem. 8. Deixar descansar por 2 minutos. 9. Centrifugar a rpm por 1 minuto. 10. Fazer a leitura da quantidade de precipitado presente (L 2 ). Cálculo: A menor divisão lê-se como 0,02; e também (L 2 - L 1 ) = L Através de cálculo (L) x fc do tubo x 15 = g/l de H 2 SO 4 Através de gráfico Definir o valor de (L) e verificar através do gráfico a concentração de Sulfato em g/l Cromo Trivalente 1. Pipetar 10 ml da amostra para balão volumétrico de 500 ml, acertar o volume com Água Destilada e homogeneizar a solução. 2. Pipetar 10 ml da solução do balão para erlenmeyer de 500 ml. 3. Adicionar 50 ml de Água Destilada. 4. Adicionar 15 ml de Hidróxido de Potássio PA a 30 % p/v e 5 ml de Peróxido de Hidrogênio PA 130 V. 5. Aquecer até o ponto de ebulição. 6. Deixar sob leve fervura até que o volume da solução reduza para 50 ml (tempo aproximado de 20 minutos). 7. Esfriar a solução até temperatura ambiente e adicionar aproximadamente 1,0 g de Bifluoreto de Amônio PA. 8. Adicionar 100 ml de Água Destilada. 9. Adicionar 30 ml de Ácido Clorídrico PA concentrado. 10. Adicionar 20 ml de Iodeto de Potássio PA a 10 % p/v. 11. Titular com Na 2 S 2 O 3 0,1 N até coloração palha e adicionar 1 ml de Amido a 1 % p/v e continuar a titulação até coloração verde. Cálculo: (B - A) x fc x 8,7 = g/l de Cr 3+ como Cr 2 O 3, onde ml gastos de Na 2 S 2 O 3 0,1 N = B (Na análise de Cr 3+ ) ml gastos de Na 2 S 2 O 3 0,1 N = A (Na análise de Cr 6+ ) 2.4- Especificação do Produto Produto Aspecto Densidade (25 C) ph (25 C) SurTec 874 Sal Escamas avermelhadas NA NA SurTec 874 Catalisador Líquido laranja a avermelhado 1,055-1,155 (g/cm³) 0,5-1,6 BT SurTec 874 Página 3 de 5

4 2.5- Instalação e Equipamentos Tanques Recomendamos o uso de tanque de ferro revestido com PVC ou Koroseal ou outro material plástico resistente a ácido crômico e fluoreto Exaustão É necessário que tenha sistema de exaustão no tanque de trabalho, que a coifa do exaustor esteja no mínimo de 10 cm acima do nível da solução. Para minimizar a névoa pode-se usar o supressor de névoa SurTec MSP-F Aquecimento Para sistema de aquecimento ou de refrigeração, que em geral não é necessário, sugerimos que seja feito com serpentinas de tântalo. Na falta deste material, deve ser usado serpentinas de teflon, ou outro material resistente a ácido crômico e fluoreto Fonte de Alimentação O retificador deve ser de 9-15 volts, trifásico e de onda completa, pois é de grande influência no processo e passagem de ripple, que não pode ser superior a 5% Anodos É de extrema importância o tipo de anodo a ser utilizado. Nós indicamos o anodo cilíndrico extrudado, numa liga de chumbo estanho Pb-Sn 93-7, com contatos de cobre estanhado Manuseio e Segurança Por se tratar de um material oxidante, devem-se evitar contatos com certos materiais como solventes, pois pode causar chamas. O SurTec 874 é um processo que contém cromo hexavalente, é corrosivo e de natureza ácida. Não deve ser ingerido ou inalado. Evitar o contato direto com a pele, olhos e roupas. Para isto, quando manipular o produto usar luvas, avental, botas de borracha, óculos de segurança e protetor facial. Em caso de contato acidental com a pele, lavar com abundante água corrente no mínimo por 15 minutos. Aplicar um creme neutralizante adequado e se necessário procurar cuidados médicos. Em caso de contato com os olhos, lavar imediatamente com abundante quantidade de água corrente no mínimo por 15 minutos, mantendo os olhos abertos durante a lavagem. Se necessário procurar cuidados médicos. Se ingerido, não provocar vômito. Lavar a boca com água corrente e depois beber também bastante água. Se necessário procurar cuidados médicos. Se inalado, procurar um local para respirar profundamente ar fresco Tratamento de Efluentes O SurTec 874 contém cromo hexavalente. Para descarte das águas de lavagem ou do banho de cromo, enviar as soluções para estação de tratamento de efluentes para que seja feita a redução do cromo hexavalente para cromo trivalente com metabissulfito de sódio. Após ajustar o ph com solução de soda ou barrilha para a precipitação do cromo trivalente e também ferro, níquel ou outros metais que possam estar presentes. O lodo formado deve ser seco e enviado a aterros industriais. A água, pós-tratamento, deve ter seu ph ajustado para valores obedecendo à legislação local. BT SurTec 874 Página 4 de 5

5 2.8- Observações Os dados contidos neste boletim técnico, exprimem o melhor de nossa experiência, e servem como uma orientação para o cliente. Garantimos e asseguramos todos os produtos componentes dos processos fornecidos pela SurTec do Brasil, na sua forma original de fornecimento, desde que sejam observadas as condições de validade dos mesmos e acondicionados em suas embalagens originais. Não podemos nos responsabilizar quanto ao uso indevido dos nossos produtos, assim como pela violação de patentes de terceiros. Elaboração Revisão Aprovação Data Responsável Nº Data Responsável Data Responsável CMRS CMRS EPC BOLETIM DISPONIBILIZADO PELA INTERNET. CÓPIA NÃO CONTROLADA. BT SurTec 874 Página 5 de 5

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo

SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo SurTec 872 Processo de Cromo Decorativo 1- DESCRIÇÃO O SurTec 872 é uma mistura de catalisadores e ácido crômico desenvolvido especialmente, para um processo de cromação decorativa de alto desempenho.

Leia mais

BANHO DE CROMO BRILHANTE

BANHO DE CROMO BRILHANTE Rev. 004 Data: 06/11/14 Página 1 1 DESCRIÇÃO O PROCESSO CROMO DECORATIVO foi especialmente formulado para operar com baixa concentração e baixa temperatura, obtendo assim uma ótima penetração. O PROCESSO

Leia mais

SurTec 879 Processo de Cromo Preto

SurTec 879 Processo de Cromo Preto SurTec 879 Processo de Cromo Preto 1- DESCRIÇÃO O SurTec 879 é um produto sólido que contém ácido crômico, sais, catalisadores e carbonato de bário em proporções tais que formam soluções que depositam

Leia mais

SurTec 693-B Cromatização Preta para Zinco

SurTec 693-B Cromatização Preta para Zinco SurTec 693-B Cromatização Preta para Zinco 1- DESCRIÇÃO O SurTec 693-B é um processo para passivação preta, à base de ácido acético, fornecido em duas partes líquidas, concentradas que, diluídas em água,

Leia mais

SurTec 864 Cobre Alcalino Livre de Cianeto

SurTec 864 Cobre Alcalino Livre de Cianeto SurTec 864 Cobre Alcalino Livre de Cianeto 1- DESCRIÇÃO Elimina o alto risco ambiental e para saúde do uso e manipulação de eletrólitos contendo cianeto; Pode ser aplicado diretamente sobre aço, latão,

Leia mais

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência

SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência SurTec 875 Cromo Duro de Alta Eficiência 1- DESCRIÇÃO Alta eficiência de corrente, larga faixa de deposição; Catalisador livre de fluoretos, não ataca o metal base; Depósitos brilhantes, duros e microfissurados

Leia mais

BANHO DE NIQUEL SEMI BRILHANTE

BANHO DE NIQUEL SEMI BRILHANTE Rev. 000 Data: 24/09/10 Página 1 1 DESCRIÇÃO O PROCESSO NÍQUEL SB 3NE deposita camadas semi-brilhantes de baixo teor de enxofre e com boas características de nivelamento. Seu uso principal é a deposição

Leia mais

SurTec 652-B Zincato para Tratamento de Alumínio

SurTec 652-B Zincato para Tratamento de Alumínio SurTec 652-B Zincato para Tratamento de Alumínio 1- DESCRIÇÃO O SurTec 652-B é um produto líquido concentrado, tri metálico e com baixa concentração de cianeto, que funciona como fixador de aderência para

Leia mais

SurTec 610 Fosfato de Zinco para Deformação ou Oleamento

SurTec 610 Fosfato de Zinco para Deformação ou Oleamento SurTec 610 Fosfato de Zinco para Deformação ou Oleamento 1- DESCRIÇÃO O SurTec 610 M/R são produtos aplicados por imersão que produzem uma camada cristalina de fosfato de zinco sobre superfícies de ferro

Leia mais

SurTec 650 chromital TCP Passivação Trivalente para Alumínio

SurTec 650 chromital TCP Passivação Trivalente para Alumínio SurTec 650 chromital TCP Passivação Trivalente para Alumínio 1- DESCRIÇÃO Passivação para alumínio livre de cromo hexavalente; Indicado como pós-tratamento de anodização; Indicado como camada de conversão

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SUPRAZINK NOVA (PROCESSO DE ZINCO ÁCIDO À BASE DE CLORETO DE POTÁSSIO ALTA RESISTÊNCIA À TEMPERATURA)

BOLETIM TÉCNICO SUPRAZINK NOVA (PROCESSO DE ZINCO ÁCIDO À BASE DE CLORETO DE POTÁSSIO ALTA RESISTÊNCIA À TEMPERATURA) Página 1 de 9 é um processo de zinco levemente ácido à base de Cloreto de Potássio para deposição de camadas dúcteis com alta velocidade de deposição, alto brilho, nivelamento e penetração superiores em

Leia mais

Processo RF. Descrição:

Processo RF. Descrição: Processo RF Descrição: Processo RF é um processo de Zinco Ácido a base de Cloreto de Potássio, isento de amônea e cianeto, que produz depósitos brilhantes e dúcteis sobre diversos metais, inclusive aço

Leia mais

SurTec 619 Fosfato de Zinco por Imersão para Deformação Mecânica a Frio

SurTec 619 Fosfato de Zinco por Imersão para Deformação Mecânica a Frio SurTec 619 Fosfato de Zinco por Imersão para Deformação Mecânica a Frio 1- DESCRIÇÃO O SurTec 619 é um produto líquido, que aplicado por imersão, a quente, produz uma densa camada cristalina de fosfato

Leia mais

SurTec 712-B Processo de Zinco-Ferro Alcalino

SurTec 712-B Processo de Zinco-Ferro Alcalino SurTec 712-B Processo de Zinco-Ferro Alcalino 1- DESCRIÇÃO O SurTec 712-B é um processo de eletrodeposição de zinco-ferro de alto desempenho com poder de cobertura e dispersão de camada extremamente uniformes

Leia mais

SurTec 866-B Processo de Cobre Alcalino Brilhante

SurTec 866-B Processo de Cobre Alcalino Brilhante SurTec 866-B Processo de Cobre Alcalino Brilhante 1- DESCRIÇÃO O SurTec 866-B é um processo de cobre alcalino com composição indicada para operação em gancheira proporcionando camadas brilhantes, uniformes

Leia mais

SurTec 867 Cobre Ácido Brilhante

SurTec 867 Cobre Ácido Brilhante SurTec 867 Cobre Ácido Brilhante 1- DESCRIÇÃO Processo de cobre ácido brilhante a base de sulfato; Para obtenção de camadas extremamente brilhantes com nivelamento normal, especialmente a baixas densidades

Leia mais

SurTec 716 Processo de Zinco-Níquel Alcalino

SurTec 716 Processo de Zinco-Níquel Alcalino SurTec 716 Processo de Zinco-Níquel Alcalino 1- DESCRIÇÃO Processo de zinco-níquel alcalino de terceira geração com maior poder de penetração e menor sensibilidade a temperatura do que os processos regulares;

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 )

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 ) Padronização Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Aparelhagem 4_ Procedimento 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método de fatoração da solução de azul de metileno utilizada

Leia mais

SurTec 843 Processo de Níquel-Ferro

SurTec 843 Processo de Níquel-Ferro SurTec 843 Processo de Níquel-Ferro 1- DESCRIÇÃO O SurTec 843 é um processo de níquel-ferro que apresenta o mesmo brilho, nivelamento, ductilidade e qualidades dos processos de níquel brilhante operando

Leia mais

LL-SAL DE SELAGEM NF

LL-SAL DE SELAGEM NF Patentes: Italiana, Européia, USA, Canadá e México. DESCRIÇÃO O produto permite a selagem da camada anódica do Alumínio Anodizado e suas ligas, operando num intervalo de temperatura de 26 ºC a 30 ºC. A

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO ECOZINK PLUS (BANHO DE ZINCO ALCALINO ISENTO DE CIANETO, COM EXCELENTE PENETRAÇÃO)

BOLETIM TÉCNICO ECOZINK PLUS (BANHO DE ZINCO ALCALINO ISENTO DE CIANETO, COM EXCELENTE PENETRAÇÃO) Página 1 de 11 O é um processo de zinco alcalino isento de cianeto o qual proporciona uma série de vantagens quando comparado aos demais processos existentes no mercado, prevalecendo dentre muitas o excelente

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N

MÉTODO DE ANÁLISE LL-WM 80 L NOVO PROCESSO PARA ANODIZAÇÃO DO ALUMÍNIO. Procedimento para a padronização da solução de Sulfato Cérico 0,1N Reagentes Necessários Solução de Ácido Sulfúrico 50% Solução de Sulfato Cérico 0,1 N Solução de Ácido Oxálico 0,1 N Solução de Sulfato Ferroso de Amônia (F.A.S.), 0,1 N Solução Ferroin como indicador Modo

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO Folha : 1 de 5 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Padronização da solução de dicromato de potássio 0,05 N 7_ Resultados 1_ OBJETIVO

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F -

MÉTODO DE ANÁLISE LL-HARDWALL F. Determinação Potenciométrica de F - Determinação Potenciométrica de F - Comentários: O LL - Hardwall F contém 7,5% de F -, isto é, adicionando-se 1 g/lt aumenta-se o F - contido no tanque em cerca de 75 ppm Quando o equipamento Dosing Cad

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Aluminium Repair_Endurecedor Aluminium

Leia mais

GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS. Laboratório de Química dos Elementos QUI

GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS. Laboratório de Química dos Elementos QUI GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS O oxigênio é o elemento mais abundante na superfície da Terra, como elemento livre ele constitui cerca de 23% da atmosfera, em massa, e 46% da litosfera, e mais

Leia mais

LIMPEZA PESADA VERDES MARES

LIMPEZA PESADA VERDES MARES INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA-EPP 1/5 1.0 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA : Dados do Fabricante: INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA-EPP R. MANOEL A. DO AMARAL, 90, FONE: (48) 3258-0562 2.0 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Ensaio Página 1 de 6 RESUMO Este documento, que é uma norma técnica, fixa o procedimento a ser usado na determinação do de material termoplástico para demarcação viária. Prescreve a aparelhagem,

Leia mais

BT 0055 BOLETIM TÉCNICO ADESIVO H-8 A_ADESIVO H-8 B

BT 0055 BOLETIM TÉCNICO ADESIVO H-8 A_ADESIVO H-8 B BT 0055 BOLETIM TÉCNICO ADESIVO H-8 A_ADESIVO H-8 B Elaborador: Verificadores: Aprovador: Adesivo H-8 A_Adesivo H-8 B Adesivo epóxi para colagem de placas Descrição

Leia mais

PROCESSO DE ELETRÓLISE EM BANHOS GALVÂNICOS

PROCESSO DE ELETRÓLISE EM BANHOS GALVÂNICOS PROCESSO DE ELETRÓLISE EM BANHOS GALVÂNICOS Daniely de Lucena Silva (1); Patrícia Silva Cruz (1); Tatiany Liberal Dias Chaves (2); Leandro Gomes Viana (3); Fernando Fernandes Vieira (4) Universidade Estadual

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 1 DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE Materiais: 01 balão volumétrico

Leia mais

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO A volumetria de precipitação envolve a reação na qual forma-se um produto de baixa solubilidade. Sua principal aplicação

Leia mais

Laboratório de Química dos Elementos QUI

Laboratório de Química dos Elementos QUI ÁGUA DURA A dureza da água pode ter origem natural por contato da água com o solo, onde a presença de dióxido de carbono dissolvido na água provoca a solução de sais pouco solúveis. Em depósitos subterrâneos,

Leia mais

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556

BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR W 501_ENDURECEDOR W 556 BT 0068 BOLETIM TÉCNICO - RESINA MG 516_ ENDURECEDOR _ENDURECEDOR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina epóxi de superfície Descrição Resina epóxi tixotrópica

Leia mais

FISPQ- HI-137 Pagina: 1/5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS Revisão: 01 09/03 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

FISPQ- HI-137 Pagina: 1/5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS Revisão: 01 09/03 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Pagina: 1/5 SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO HI-137 NOME COMERCIAL Fosfatizante HI-137 NOME DA EMPRESA/ ENDEREÇO HI-TEC Industria e Comercio de Produtos Químicos Ltda. Alameda

Leia mais

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO

1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO 1. PREPARO DE SOLUÇÕES E TITULAÇÃO I. INTRODUÇÃO Solução é uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias. A substância presente em maior quantidade é denominada solvente, e as outras substâncias na

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP 1 Objetivo Determinar a concentração de íons s através das técnicas de íon seletivo 2 Aplicação Página 1 de 6 Este Método é aplicável a água potável,águas (superficiais e subterrâneas), e efluentes(domésticos

Leia mais

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH 2000 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina HEC 010_Endurecedor HEH 2000 Resina epóxi para laminação

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED

BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED BT 0074 BOLETIM TÉCNICO RESINA MPS 2 OCHRE_ ENDURECEDOR W 202 RED Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MPS 2 OCHRE_Endurecedor W 202 RED Sistema epóxi

Leia mais

MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA

MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA MF-411.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE CROMO POR COLORIMETRIA COM DIFENILCARBAZIDA Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 743 de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 20 de novembro de 1985 1.

Leia mais

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA)

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA) SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem/reagentes 6_ Preparação das soluções 7_ Execução do ensaio 8_ Segurança

Leia mais

Qual a quantidade de halogenetos que existe na água do mar?

Qual a quantidade de halogenetos que existe na água do mar? 20 Qual a quantidade de halogenetos que existe na água do mar? E20-1 o que necessitas cloreto de sódio sólido com grau de pureza analítico cromato de potássio sólido um balão de diluição de 100 ml dois

Leia mais

DESMOL CD. Fôrmas de madeira em geral, para concretos que serão revestidos.

DESMOL CD. Fôrmas de madeira em geral, para concretos que serão revestidos. Produto DESMOL CD forma uma fina camada entre o concreto e as fôrmas, impedindo a aderência entre ambos e possibilitando grande reaproveitamento das fôrmas. Facilita a limpeza e a remoção sem danificar

Leia mais

AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE Fundamentos de Química Analítica (009) AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE OBJETIVOS Definir solubilidade do soluto. Definir solução saturada, não saturada e supersaturada. Conhecer as regras de solubilidade.

Leia mais

DESMOL CD. Fôrmas de madeira em geral, para concretos que serão revestidos.

DESMOL CD. Fôrmas de madeira em geral, para concretos que serão revestidos. Produto DESMOL CD forma uma fina camada entre o concreto e as fôrmas, impedindo a aderência entre ambos e possibilitando grande reaproveitamento das fôrmas. Facilita a limpeza e a remoção sem danificar

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções

Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina. Soluções e cálculos de soluções Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor Palotina Aula Soluções e cálculos de soluções Prof. Isac G. Rosset Isac G. Rosset -UFPR Mistura vs Composto Mistura Os componentes podem ser

Leia mais

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS

GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS GRUPO 2 METAIS ALCALINOS TERROSOS O grupo 2 compreende o berílio (Be), magnésio (Mg), cálcio (Ca), estrôncio (Sr), bário (Ba) e rádio (Ra) e são chamados metais alcalinos terrosos. Estes elementos formam

Leia mais

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Síntese I ( p-red) Nitrobenzeno Anilina Acetanilida p-nitro Acetanilida p-nitro Anilina p-red 1- OBTENÇÃO DA ANILINA -Estanho -Àcido clorídrico

Leia mais

ALVENARIT. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação

ALVENARIT. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação Produto ALVENARIT é um aditivo que proporciona ótima trabalhabilidade às argamassas de assentamento e rebocos. Por ser líquido, facilita o trabalho, proporcionando economia de material, praticidade no

Leia mais

MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA)

MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA) MF-0428.R-1 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FENÓIS (AMINO ANTIPIRINA) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0045, de 01 de fevereiro de 1979. Publicado no DOERJ de 25 de abril de 1979. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO.

VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. 13 Técnica 1. VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO. PADRONIZAÇÃO DA SOLUÇÃO APROXIMADAMENTE 0,1 M DE HCl COM SOLUÇÃO PADRÃO 0,05 M DE Na 2 CO 3. Colocar no erlenmeyer exatamente 10 ml de solução padrão 0,05 M de

Leia mais

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário Label for package size: 10 L PT Basix Biocida de Uso Veterinário Desinfectante bactericida de superfícies e equipamento nas indústrias agroalimentares. Para limpeza de máquinas de ordenha e tanques de

Leia mais

ADIMENT SUPER. Como plastificante, realizar primeiramente uma pré-mistura do cimento e dos

ADIMENT SUPER. Como plastificante, realizar primeiramente uma pré-mistura do cimento e dos Produto ADIMENT SUPER proporciona uma alta dispersão entre agregados e cimento, permitindo grande redução da água de amassamento. Proporciona concreto com ótimas características, como alta resistência

Leia mais

DESINCRUSTANTE AP Detergente de Uso Específico

DESINCRUSTANTE AP Detergente de Uso Específico Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DESINCRUSTANTE AP Detergente de Uso Específico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desincrustante

Leia mais

DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral

DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desengraxante

Leia mais

Volumetria. Procedimentos gerais

Volumetria. Procedimentos gerais Volumetria Procedimentos gerais Métodos volumétricos de análise Consistem na medida do volume de uma solução de concentração conhecida (titulante), necessário para reagir completamente com o a espécie

Leia mais

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto;

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto; Produto COMPOUND ADESIVO é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altas resistências em baixas idades, média fluidez, possibilitando grande facilidade para manuseio. Proporciona alto rendimento

Leia mais

Informações ao Consumidor. Teste Ca Veromar

Informações ao Consumidor. Teste Ca Veromar Informações ao Consumidor Teste Ca Veromar O cálcio é quinto elemento mais abundante na água do mar. Tem grande importância para os animais marinhos, estando presente nas estruturas rígidas de corais,

Leia mais

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO:

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Análise de Alimentos Normas de laboratório INTRODUÇÃO Acidente de trabalho é todo evento: inesperado e indesejável que

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto VEDACIL ACQUA é um verniz à base de resina acrílica dispersa em água. É indicado para proteção de estruturas e, após a cura, forma um filme transparente, impermeável, de fácil limpeza, de boa resistência

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui Unipampa 1 OBJETIVO Fornecer informações acerca do armazenamento, tratamento e descarte final dos resíduos químicos gerados nas fontes gerados do campus. 2 APLICAÇÃO Procedimento operacional de estocagem

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: ARBIO CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0001/5001 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO PIO

Leia mais

MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA

MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA MF-612.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM SUSPENSÃO NO AR POR COLORIMETRIA 1. OBJETIVO Definir o método de determinação de nitratos em suspensão no ar, por colorimetria, utilizando 2,4 dimetilfenol

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente A titulometria volumétrica envolve a medida de volume de uma solução de concentração conhecida, necessária para reagir essencial

Leia mais

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016 Lista de Exercício Concentração Comum 1- Num balão volumétrico de 250 ml adicionam-se 2,0g de sulfato de amônio sólido; o

Leia mais

CALCÁRIO INDUSTRIAL CALCÍTICO

CALCÁRIO INDUSTRIAL CALCÍTICO 1 / 9 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: GFI MICROFILLER CALCÍTICO Empresa: Goiasfiller Mineração Ltda. Endereço: Rod. BR 060, Km 277,5 Bairro: Zona Rural Cidade: Indiara Estado: GO CEP: 75955-000

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: GLAD PINE CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0026 / 5251 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

MAL CLORO LÍQUIDO - DETERMINAÇÃO DE FERRO - E.VIS./KSCN

MAL CLORO LÍQUIDO - DETERMINAÇÃO DE FERRO - E.VIS./KSCN 1. INTRODUÇÃO: A amostra de Cloro líquido (do cilindro de amostragem) é transferida para erlenmeyers na determinação de RNV, é evaporado e borbulhado em de dois frascos lavadores de gás, que contém HCl

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 23/6/2003 Revisão: 26/1/2011 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: VT6 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do

Leia mais

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II 1- OBTENÇÃO DO NITROBENZENO Reagentes: -Ácido nítrico

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Sany do Brasil Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda Rua Loanda, 120 Emiliano Perneta Pinhais/PR - CEP 83.325-000 Fone

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa Pedra Aplicação: Pedras não polidas Nome da Empresa: Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Endereço: Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICO FISPQ 201. ARES DET 201 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO: ARES DET 201 Identificação da Empresa: ARES QUÍMICA LTDA.

Leia mais

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma pintura impermeável, elástica e de base acrílica, que oferece grande aderência e durabilidade. dispensa a seladora. Pode ser deixado exposto ou receber pigmento líquido, tinta látex/acrílica,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 é uma argamassa bicomponente à base de cimento e polímeros acrílicos que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem. O produto apresenta

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO AULA PRÁTICA Nº - 07 28 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO FUNDAMENTO: A determinação do nitrogênio total (NT) proposta por Kjeldahl em 1883, ainda é muito usada por ser uma

Leia mais

VEDACIT RAPIDÍSSIMO. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RAPIDÍSSIMO. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RAPIDÍSSIMO acelera de forma ultrarrápida a pega do cimento, permitindo o tamponamento instantâneo de vazamentos e infiltrações, e acelera a resistência de argamassas e concreto para rápida

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS AULA PRÁTICA Nº - 08 05 / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca FUNDAMENTO: DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS Este método baseia-se na propriedade que alguns açúcares apresentam em reduzir o Cu+2 (Íon Cúprico)

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

RESINA FENÓLICA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO TOTAL DA RESINA E DO CATALISADOR

RESINA FENÓLICA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DE NITROGÊNIO TOTAL DA RESINA E DO CATALISADOR Método de Ensaio Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Resultados 7_ Anexos A e B 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação

Leia mais

DS 10 NI Solvente Dielétrico Não Inflamável

DS 10 NI Solvente Dielétrico Não Inflamável DS 10 NI Solvente Dielétrico Não Inflamável DS 10 NI é uma composição de solventes secos, especialmente formulado para limpeza de motores elétricos, geradores, equipamentos elétricos, painéis eletrônicos,

Leia mais

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade

8ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Equilíbrio de Solubilidade Pg. 1/6 1 a Questão De acordo com as equações abaixo, a 25 ºC, faça o que se pede. BaF 2 (s) Ba 2+ (aq) + 2F - (aq) K ps (BaF 2 ) = 1,7 x 10-6 BaSO 4 (s) Ba 2+ (aq) + SO 2-4 (aq) K ps (BaSO 4 ) = 1,0 x

Leia mais

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286.

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286. Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa PRODUTO Nome do Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Registro M.S. nº: 3.2263.0006-015-1 (Embalagem

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto FAZGRAUTH VEDACIT é um plastificante com alto poder de redução de água, especialmente formulado para execução de concreto e graute em obra. Permite grande plasticidade e baixa relação água-cimento,

Leia mais

SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto

SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto SurTec 722-B Processo de zinco a base de cianeto 1- DESCRIÇÃO O SurTec 722-B é um processo com abrilhantador especialmente formulado para produzir depósitos brilhantes e uniformes em banhos de zinco a

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Óleo Sulfonado 80% Página 1 Data da Revisão:07/01/ Identificação do produto e da empresa

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Óleo Sulfonado 80% Página 1 Data da Revisão:07/01/ Identificação do produto e da empresa Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome Comercial: Óleo Sulfuricinado 80%. Nome do fabricante ou importador: Amphora Química Ltda Rua: Abraham Leiser Stier, 468 Bairro: Cidade Industrial

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto DESMOL RD forma uma fina camada oleosa entre o concreto e as fôrmas. Além de impedir a aderência entre ambos, age diretamente sobre a pega do cimento, inibindo a cristalização da pasta superficial.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: VB13 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

COMPOUND ADESIVO GEL

COMPOUND ADESIVO GEL Produto COMPOUND ADESIVO GEL é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altíssimas resistências em baixas idades, alta fluidez, possibilitando a aplicação até mesmo em locais de difícil acesso.

Leia mais