PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA"

Transcrição

1 PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA

2 OBJETIVO Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico, e mercadológico quanto as oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia de cosméticos de base florestal da Região da Amazônia.

3 GESTÃO E DIFUSÃO DO CONHECIMENTO TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MERCADO MARCO LEGAL E LEGISLAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS GESTÃO E MONITORAMENTO

4 Panorama do Setor de Cosmético Mundial Adicione seu primeiro marcador aqui Adicione seu segundo marcador aqui Adicione seu terceiro marcador aqui

5 EXPORTAÇÃO JANEIRO A DEZEMBRO DE MILHÕES us$ 5 Texto do rodapé ESTRUTURANTE aqui COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA

6 6 22 de julho de 2012 Texto do rodapé aqui

7 Texto do rodapé ESTRUTURANTE aqui DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA Existem no Brasil empresas atuando no mercado de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, sendo que 20 empresas de grande porte, com faturamento líquido de impostos acima dos R$ 100 milhões, representam 73,0% do faturamento total. As empresas estão distribuídas por região/estado da seguinte forma:

8 8 Texto do rodapé ESTRUTURANTE aqui COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA FATORES LIMITANTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CADEIA PRODUTIVA DE COSMÉTICO NA AMAZÔNIA Falta de fornecimento de insumos (ingredientes naturais de qualidade, vidraria e componentes químicos) para produção; Entraves tributários e burocráticos na regularização fiscal e ambiental das empresas; Mão-de-obra pouco qualificada, ausência de tecnologia e inovação no processo de produção; Falta de acesso ao crédito, necessitando de incentivos que promovam o crescimento da indústria regional; Falta de conhecimento sobre a legislação mundial de acesso e repartição de benefícios, de acordo com a Convenção da Diversidade Biológica-ONU. Desconhecimento da legislação de regularização de produtos para o mercado internacional

9 Texto do rodapé ESTRUTURANTE aqui COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA BENEFICIÁRIOS DO PROJETO Pequenos Negócios da cadeia de cosmético; Produtores e extrativistas de insumos amazônicos; Potenciais investidores e empresários do setor de serviços (logística e/ou canais de distribuição); Técnicos e gestores do Sistema SEBRAE e instituições parceiras; Governos Federal, Estadual e Municipal.

10 AÇÕES DO PROJETO

11 Gestão do Conhecimento & Difusão das Informações Marco Regulatório, Patrimônio Genético e Repartição de Benefícios Tecnologia e Inovação Politicas Públicas Mercado Gestão e Monitoramento

12 Gestão do Conhecimento e Difusão das Informações Unidade Executora Tocantins ESTUDO Mapeamento e identificação das redes de conhecimento, tecnologia e de capacitação de cosméticos de base florestal da Amazônia.

13 OBJETIVOS DA PESQUISA Identificação do conhecimento existente sobre cosméticos nas instituições públicas e privadas da região amazônica (pesquisa, ensino e extensão) Desenvolvimento do estudo Instituições visitadas na região norte,participação das instituições na pesquisa por estado Títulos dos pesquisadores por instituição

14 OBJETIVOS DA PESQUISA Finalidade da instituição Cursos direcionados para o setor de cosmético Existência de incubadoras tecnológicas Áreas de trabalho pesquisadas Instituições que colaboram com a pesquisa Fase da pesquisa Fonte comercial dos insumos

15 OBJETIVOS DA PESQUISA Forma e qualidade da matéria prima utilizada Dependência dos pesquisadores aos insumos da Amazônia Pesquisa com patente Fins mercadológicos Fontes de Financiamento Produto esperado com a pesquisa

16 RESULTADOS ESPÉCIES PESQUISADAS NO ESTUDO (52) ESTADO PLANTAS ACRE 13 PARÁ 12 AMAZONAS 10 RORAIMA 06 AMAPÁ 05 RONDÔNIA 06 AMAPÁ 05 TOCANTINS 03 AÇAÍ MURUMURU

17 RESULTADOS DIFICULDADES ENFRENTADAS NA REGIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGMENTO DE COSMÉTICOS

18 RESULTADOS PONTOS FORTES PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGMENTO DE COSMÉTICOS

19 RESULTADOS PONTOS FRACOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGMENTO DE COSMÉTICOS

20 RESULTADOS OBTIDOS POR ESTADO EXEMPLO: AMAZONAS Desafios Disponibilidade de mão de obra qualificada Incentivos fiscais Reduzido nº de empresas e pouca interação com as instituições de pesquisa Normas, Regulamentação e Certificação Logística, P&D, matéria prima padronizada e rastreada Oportunidades Matéria prima abundante Novos produtos Desenvolvimento local Alta Biodiversidade Amazônia mundialmente Conhecimento tradicional conhecida

21 RESULTADOS Disseminação do resultado do estudo em WEB

22 Gestão do Conhecimento E Difusão das Informações Unidade Executora Amazonas ESTUDO Insumos empregados na indústria de cosméticos na Amazônia (volume, frequência, especificação técnica, identificação e caracterização de potenciais distribuidores), e o processo de logística e canais de distribuição. A ser apresentado posteriormente.

23 Gestão do Conhecimento e Difusão das Informações Unidade Executora Todos Estados Disseminar Informações da cadeia produtiva do segmento de cosméticos na região Amazônica (insumo e indústria)

24 Missão Técnica Nacional e Internacional Alemanha 2014

25 Missão Técnica Nacional e Internacional IN_Cosmetic São Paulo 2015

26 Missão Técnica Nacional e Internacional Itália e França 2016

27 SEMINÁRIOS Amapá 2014 ABASE 2014 GreenRio Amazonas 2015 Tocantins 2015

28 Tecnologia & Inovação Unidade Executora Pará Melhoria da qualidade dos insumos junto a empresas/associações ou cooperativas produtoras de insumos. Aplicação de diagnóstico, proposição do plano de ação e posteriormente avaliação dos resultados das ações implementadas.

29 Mercado Unidade Executora Pará Estudo das cadeias produtivas da região amazônica e identificação de oportunidades de negócio para insumos e produtos acabados visando identificar os entraves e gargalos da produção, disponibilização de insumos e produtos cosméticos de base florestal da Amazônia, das MPE da região, para atender as oportunidades de mercado local, nacional e internacional.

30 Marco Regulatório, Patrimônio Genético e Repartição de Benefícios Unidade Executora Amapá Disseminar de forma clara, objetiva e simplificada para o público-alvo do projeto as novas regras para acesso ao patrimônio genético, acesso ao conhecimento tradicional associado e repartição de benefícios, além de outras informações importantes, previstos na Lei da Biodiversidade 13123/2015.

31 Políticas Públicas Unidade Executora Acre Estudo das tributações sobre o setor de cosmético na Amazônia para identificação de gargalos e soluções tributárias, das legislação interestadual, municipal, federal, a serem aplicadas para o desenvolvimento do setor do segmento de cosméticos da Região Amazônica.

32 Plano de Gestão, Identificação de responsabilidades no âmbito do comitê Gestor do Projeto Gestão e Monitoramento Unidade Executora Amazonas Coordenação e assessoramento das ações do projeto no ambito local, regional e internacional Planejamento da agenda de reuniões técnicas e o monitoramento financeiro e físico de cada atividade, para o bom desenvolvimento e aplicação dos recursos do projeto Acompanhamento da realização dos Estudos contratados.

33 MPE Indústria de Cosméticos Orgãos Reguladores Comunidades Fornecedoras Instituições de Pesquisa e Ensino Outros Parceiros

34 EQUIPE DO PROJETO NOME ALEXANDRE AMBROSINI FUNÇÂO Coordenador Nacional Brasília WANDERLÉIA DOS SANTOS TEIXEIRA DE OLIVEIRA Coordenadora Regional - Amazonas LINDETI GÓES FERREIRA FLÁVIA ROBERTA PACHECO DONATO BOSSONARO RODRIGO SILVEIRA DA ROSA DIKISON ASFURY RODRIGUES JOSÉ ANTONIO ELLERES DIAS JOÃO CARLOS DE S. MATOS Gestora - Amapá Gestora Tocantins Gestora - Roraima Gestora Acre Gestor - Pará Consultor do Projeto - Amazonas

35 Serviço Brasileiro de Apoio às MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Muito Obrigado!

Projeto Estruturante Cosmético de Base Florestal da Amazônia

Projeto Estruturante Cosmético de Base Florestal da Amazônia Projeto Estruturante Cosmético de Base Florestal da Amazônia Estados da Amazônia Acre, Amazonas, Amapá Rondônia, Roraima Pará e Tocantins Sebrae NA Objetivos Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico

Leia mais

Biodiversidade da Amazônia

Biodiversidade da Amazônia Parceria Objetivo Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico e mercadológico quanto às oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia de cosméticos de base florestal madeireira e não

Leia mais

A T U A Ç Ã O D O S E B R A E N O S E T O R HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA & COSMÉTICOS G R E E N R I O R I O D E J A N E I R O

A T U A Ç Ã O D O S E B R A E N O S E T O R HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA & COSMÉTICOS G R E E N R I O R I O D E J A N E I R O A T U A Ç Ã O D O S E B R A E N O S E T O R HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA & COSMÉTICOS G R E E N R I O R I O D E J A N E I R O 1 1 / 0 5 / 2 0 1 7 O S E B R A E O SEBRAE O Serviço Brasileiro de Apoio às

Leia mais

Resumo Executivo. Ação - Amazônia Rede de Inovação. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Resumo Executivo. Ação - Amazônia Rede de Inovação. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Mapeamento e Diagnóstico das Instituições de Ensino e Pesquisa, e Empresas Existentes na Região Norte e suas Competências

Leia mais

edicao data Programa de Eficiência do Processo Produtivo do Setor de Esquadrias de Construções Metálicas da Região Metropolitana

edicao data Programa de Eficiência do Processo Produtivo do Setor de Esquadrias de Construções Metálicas da Região Metropolitana data 2017-01-09 Programa de Eficiência do Processo Produtivo do Setor de Esquadrias de Construções Metálicas da Região Metropolitana de São Paulo O projeto proposto visa aumentar a competitividade da micro

Leia mais

A Biodiversidade e a MP /01. Ana Claudia Dias de Oliveira Gerente de Biodiversidade e Propriedade Intelectual da ABIFINA

A Biodiversidade e a MP /01. Ana Claudia Dias de Oliveira Gerente de Biodiversidade e Propriedade Intelectual da ABIFINA A Biodiversidade e a MP 2.186-16/01 Ana Claudia Dias de Oliveira Gerente de Biodiversidade e Propriedade Intelectual da ABIFINA Cenário brasileiro Maior biodiversidade do planeta Cerca de 95% ainda não

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS

CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS CONSTRUÇÃO DE MERCADOS SUSTENTÁVEIS Megabiodiversidade Brasileira Diversidade Sociocultural Brasileira O Plano Nacional e sua constituição *Realização de 7 Seminários por Biomas e 1 Nacional * Consulta

Leia mais

Aciência e a tecnologia são pré-requisitos necessários ao processo de

Aciência e a tecnologia são pré-requisitos necessários ao processo de INSTITUTO EUVALDO LODI - IEL/MG MENSAGEM INSTITUCIONAL Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos* Aciência e a tecnologia são pré-requisitos necessários ao processo de desenvolvimento econômico e social de

Leia mais

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 :: FINANCIAMENTOS RESPONSABILIDADES Esclarecimentos e orientação às empresas associadas e seus clientes sobre linhas de financiamento disponíveis

Leia mais

Controle Social, Transparência e Políticas Públicas

Controle Social, Transparência e Políticas Públicas Controle Social, Transparência e Políticas Públicas Pequenos Negócios 99% das empresas 3,6 milhões MEI 52% dos empregos 83% novas vagas na década 25% PIB Expansão contínua! Lei Geral da MPE 123/2006 Uma

Leia mais

Parcerias para um Mundo Melhor

Parcerias para um Mundo Melhor 10 ANOS DO PROGRAMA Parcerias para um Mundo Melhor Vânia V. C. Rudge Botânica & Sustentabilidade PRODUTOS Óleos Essenciais Extratos Vegetais Líquidos, Secos, Moles, Alcoólicos, Concentrados Polpas Desidratadas

Leia mais

SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL

SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL Heitor Pinheiro Coordenador do Núcleo Pará Social 28 DE MARÇO DE 2017 Belém-PA OS DESAFIOS DA OFERTA DE POLÍTICAS SOCIAIS NA AMAZÔNIA PONTOS FOCAIS DOS DESAFIOS

Leia mais

Verificação de Sistema de Gestão em BioComércioÉtico Diferencial de Competitividade. Abastecendo com Respeito - UEBT Brasil

Verificação de Sistema de Gestão em BioComércioÉtico Diferencial de Competitividade. Abastecendo com Respeito - UEBT Brasil Verificação de Sistema de Gestão em BioComércioÉtico Diferencial de Competitividade Abastecendo com Respeito - UEBT Brasil SOBRE A UEBT UEBT 2017 2 É uma organização sem fins de lucro e seus membros são

Leia mais

Como ter sucesso em empreendimentos apícolas. Manoel Eduardo Tavares Ferreira Apis Flora

Como ter sucesso em empreendimentos apícolas. Manoel Eduardo Tavares Ferreira Apis Flora Como ter sucesso em empreendimentos apícolas Manoel Eduardo Tavares Ferreira Apis Flora Agenda Planejamento da Atividade Apícola Aspectos Tecnológicos Aspectos Humanos Aspectos Financeiros Aspectos Mercadológicos

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

Marivaldo Gonçalves de Melo Presidente. Valor Econômico Seminário Rondônia Terra de Oportunidades Junho/2017

Marivaldo Gonçalves de Melo Presidente. Valor Econômico Seminário Rondônia Terra de Oportunidades Junho/2017 Marivaldo Gonçalves de Melo Presidente Valor Econômico Seminário Rondônia Terra de Oportunidades Junho/2017 PAUTA - SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO Informações Institucionais Investimentos na Amazônia Legal

Leia mais

SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento. Palestrante: Franco Pallamolla

SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento. Palestrante: Franco Pallamolla SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento Palestrante: Franco Pallamolla 1. A INDÚSTRIA MÉDICO-HOSPITALAR E ODONTOLÓGICA Mais de 460 empresas atuam

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

IPEA O desafio da produtividade na visão das empresas

IPEA O desafio da produtividade na visão das empresas IPEA O desafio da produtividade na visão das empresas Fernanda de Negri João Maria de Oliveira Brasília, Fevereiro 2014 1 Introdução Um dos principais desafios para que a economia brasileira seja capaz

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais

Uma estratégia de redução do desmatamento na Amazônia

Uma estratégia de redução do desmatamento na Amazônia Mercados verdes e Consumo Sustentável Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Uma estratégia de redução do desmatamento na Amazônia 17/05/2017 Frank Krämer Conteúdo A GIZ no

Leia mais

O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região.

O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região. O Banco da Amazônia e o Apoio para Econegócios na Região. Diretoria ABIDIAS JOSÉ DE SOUSA JUNIOR Presidente AUGUSTO AFONSO MONTEIRO DE BARROS Diretor de Ações Estratégicas EVANDRO BESSA DE LIMA FILHO Diretor

Leia mais

Integrantes da CHAPA 2 CHA - Competência, Habilidade e Ação

Integrantes da CHAPA 2 CHA - Competência, Habilidade e Ação Integrantes da CHAPA 2 CHA - Competência, Habilidade e Ação Economista Ana Claudia de Azevedo Monteiro - Registro CORECON nº. 1277. Graduada em Economia e Direito (CIESA), Especialista em Administração

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

PORTFÓLIO. Alimentos

PORTFÓLIO. Alimentos Alimentos QUEM SOMOS? Entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro e pequeno porte aqueles com faturamento bruto anual de até R$ 3,6 milhões.

Leia mais

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010

PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES. Cadernos do Desenvolvimento vol. 5 (7), outubro 2010 240 PAULO FERRAZ GUIMARÃES ATUAÇÃO REGIONAL DO BNDES O presente texto tem por objetivo fazer um breve relato da atuação regional recente do BNDES baseado na apresentação realizada no Seminário de Comemoração

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD

PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD PROGRAMA DE COMPRAS GOVERNAMENTAIS PARCERIAS E PERSPECTIVAS CONVÊNIO SEBRAE / CONSAD 92º Fórum Nacional de Secretários de Estado da Administração Canela/RS Nov/2013 Convênio com Ministério do Planejamento

Leia mais

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Como transmitir o conhecimento às Assistência Técnica: pessoas

Leia mais

Soluções para a sustentabilidade de Cadeias Produtivas da Agropecuária e a Política Estadual de Ordenamento Territorial.

Soluções para a sustentabilidade de Cadeias Produtivas da Agropecuária e a Política Estadual de Ordenamento Territorial. Soluções para a sustentabilidade de Cadeias Produtivas da Agropecuária e a Política Estadual de Ordenamento Territorial Junho de 2009 Assinatura de Termo de Ajuste de Conduta, no qual as partes assumam

Leia mais

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP. São Paulo,07de Outubrode 2014 Estratégias para a Inovação e Empreendedorismo Ecossistemas Regionais de Inovação, por meio do Empreendedorismo de Base Tecnológica e empresas Startups de Classe Mundial Visão de Futuro (2022), Competitividade

Leia mais

Missão do Sebrae/PR. Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Missão do Sebrae/PR. Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo Missão do Sebrae/PR Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo COMPETITIVIDADE e DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Para sobreviver no mercado,

Leia mais

Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim

Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim Marcos De Marchi Presidente do Conselho Diretor da Abiquim A QUÍMICA OCUPA POSIÇÃO DE DESTAQUE NA INDÚSTRIA BRASILEIRA 3º maior PIB Industrial 10,4% 2,5% do PIB Brasil US$ 58,6 bilhões Produtos Químicos

Leia mais

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES

Leia mais

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor 01 de setembro de 2015. Belém - PA Adalberto Tokarski Diretor AGENDA 1. AS HIDROVIAS BRASILEIRAS 2. COMPLEXO HIDROVIÁRIO REGIÃO AMAZÔNICA 3. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE GRÃOS 4. NOVOS INVESTIMENTOS Região

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO AMAZONAS PGCT/AM FAPEAM/BIONORTE I WORKSHOP DE INTERAÇÃO. ICTs e EMPRESAS

PROGRAMA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO AMAZONAS PGCT/AM FAPEAM/BIONORTE I WORKSHOP DE INTERAÇÃO. ICTs e EMPRESAS PROGRAMA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO AMAZONAS PGCT/AM FAPEAM/BIONORTE I WORKSHOP DE INTERAÇÃO ICTs e EMPRESAS MANAUS AM 28 março 2014 1 PLANO PARA REALIZAÇÃO DO I WORKSHOP DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( )

Desmatamento anual na Amazônia Legal ( ) Setembro 2016 4.571 7.464 7.000 6.418 5.891 5.012 5.831 11.030 11.651 13.730 13.786 13.227 12.911 14.896 14.896 14.286 16.531 17.770 18.161 17.383 17.259 18.226 18.165 19.014 21.050 21.651 25.396 27.772

Leia mais

Parcerias Público-Privadas O que esperar? = Perspectiva do Setor Privado

Parcerias Público-Privadas O que esperar? = Perspectiva do Setor Privado Parcerias Público-Privadas O que esperar? = Perspectiva do Setor Privado CBDL Posicionamento: Conscientes dos aspectos de segurança e eficácia de seus produtos e do seu papel de geradoras de empregos e

Leia mais

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA ENCADENAMIENTO PRODUCTIVO Estrategia de Actuación para el sistema SEBRAE Paulo Alvim Gerente, Unidad de Acceso a Mercados

Leia mais

Tendências do Setor de Cosméticos e os Desafios da Região da Amazônia para Focar em Produtos Diferenciados e Ingredientes Exóticos. O que Fazer?

Tendências do Setor de Cosméticos e os Desafios da Região da Amazônia para Focar em Produtos Diferenciados e Ingredientes Exóticos. O que Fazer? Tendências do Setor de Cosméticos e os Desafios da Região da Amazônia para Focar em Produtos Diferenciados e Ingredientes Exóticos. O que Fazer? Seminário: Marco Regulatório Acesso e Repartição de Benefícios

Leia mais

PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS

PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS Palestras Gerenciais PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS COMO O USO ADEQUADO DA INFORMAÇÃO PODE COLABORAR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Manual do participante Autoria:

Leia mais

Como Financiar meu empreendimento?

Como Financiar meu empreendimento? Como Financiar meu empreendimento? Marck Silva 1 Apresentação Gerente de Projeto, Atonus Engenharia de Sistemas, 2008. Professor no convênio ITA/Stefanini-Training do curso de Especialização em Gestão

Leia mais

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs.

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. ABDE-BNDES-BID Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. Sessão V: Ampliando a atuação de IFDs no financiamento climático. Painel: O potencial na

Leia mais

ATUAÇÃO DO SEBRAE NO AMBIENTE TECNOLÓGICO DE CASA & CONSTRUÇÃO

ATUAÇÃO DO SEBRAE NO AMBIENTE TECNOLÓGICO DE CASA & CONSTRUÇÃO ATUAÇÃO DO SEBRAE NO AMBIENTE TECNOLÓGICO DE CASA & CONSTRUÇÃO Quem somos Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Entidade privada, de interesse público e sem fins lucrativos criada em

Leia mais

Período: a definir Local: São Paulo

Período: a definir Local: São Paulo Período: a definir Local: São Paulo Objetivo: Este seminário tem por objetivo conhecer e discutir o tema Biocombustíveis sob várias perspectivas relacionadas com economia, tecnologia de produtos e processo,

Leia mais

XXII Seminário. Econômica

XXII Seminário. Econômica XXII Seminário Internacional de Política Econômica Antônio Márcio Buainain e Patrícia Almeida Instituto de Economia da Unicamp Viçosa, 28 de Outubro de 2010 Objetivo central Analisar o funcionamento do

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Questionário Simplificado

Questionário Simplificado Contrato BNDES/FINEP/FUJB Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Questionário Simplificado A ser aplicado nas pequenas empresas Fevereiro/2000

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene

Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Descarbonização Oportunidades de negócios e investimentos na cadeia de valor do Bioquerosene Gestora Fundos sob gestão Fundos VC1 e VC2 Fundo VC3 Fundo PE1 Startups

Leia mais

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Júlio César Roma Técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): Washington Luiz Gomes Tavechio (tavechio@ufrb.edu.br) Vice-Coordenador (a): 2. Título do projeto: Controle de

Leia mais

Natura. bem estar bem. Santander. 13a. Conferência Setembro 2012 l Guarujá

Natura. bem estar bem. Santander. 13a. Conferência Setembro 2012 l Guarujá Santander 13a. Conferência Setembro 2012 l Guarujá Natura bem estar bem RAZÃO DE SER Nossa razão de ser é criar e comercializar produtos e serviços que promovam o bem-estar / estar bem BEM ESTAR é a relação

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF*

POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF* POLÍTICA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS *PNPMF* Elzo Velani ABIFISA Em torno de 2,8 % do mercado farmacêutico total. Maioria das empresas são de capital nacional. PANORAMA

Leia mais

ANEXO I DOS TERMOS DE REFERÊNCIA MARCO ANALÍTICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO C4

ANEXO I DOS TERMOS DE REFERÊNCIA MARCO ANALÍTICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO C4 ANEXO I DOS TERMOS DE REFERÊNCIA MARCO ANALÍTICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PERSPECTIVAS DE AVALIAÇÃO OBJETIVOS INDICADOR Número de s (nacionais / internacional) que integram a Estação de Sotuba

Leia mais

PRODUÇÃO E USO DE. Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel

PRODUÇÃO E USO DE. Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel O PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL: DIRETRIZES, LEGISLAÇÃO E TRIBUTAÇÃO Rodrigo Augusto Rodrigues Coordenador da Comissão Executiva Interministerial Biodiesel Seminário Regional sobre Produção

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Redes Elétricas Inteligentes: Contexto Nacional

Redes Elétricas Inteligentes: Contexto Nacional Redes Elétricas Inteligentes: Contexto Nacional Centro de Gestão de Estudos Estratégicos - CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Ceres Cavalcanti Centro de Gestão

Leia mais

Projeto Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura PNDA

Projeto Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura PNDA Projeto Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura PNDA Victor Ayres Assessor técnico Comissão Nacional da Aquicultura Junho de 2013 1 Apresentação Justificativa Objetivo Metas Impacto Apresentação Justificativa

Leia mais

Projetos para os municípios Motivação

Projetos para os municípios Motivação PROJETOS Projetos para os municípios Motivação A FNP é referência na interlocução com os municípios, envolvendo diretamente os prefeitos e prefeitas na coordenação política dos projetos. Por isso, é constantemente

Leia mais

Competitividade Industrial PMEs brasileiras Capacitação de recursos humanos visando o aumento da competitividade

Competitividade Industrial PMEs brasileiras Capacitação de recursos humanos visando o aumento da competitividade CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA JAPONESA DO BRASIL Competitividade Industrial PMEs brasileiras Capacitação de recursos humanos visando o aumento da competitividade Seminário: Cooperação do Japão para o

Leia mais

Agroextrativismo: potencial socioeconômico e conservação da biodiversidade

Agroextrativismo: potencial socioeconômico e conservação da biodiversidade Agroextrativismo: potencial socioeconômico e conservação da biodiversidade Aldicir Scariot Projeto Bem Diverso Embrapa Cenargen Workshop Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial Campinas 21 22 de

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás - Área de Insumos Básicos Departamento Regional Sul Gabinete da Presidência (GP/DESUL) Abril

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

MERCADO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS. Outubro de 2016

MERCADO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS. Outubro de 2016 MERCADO DE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Outubro de 2016 Sumário Quem somos Mercado Ambiental: que mercado é este? Mercado ambiental no ES Tendências Quem somos O INSTITUTO IDEIAS O Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

al acceso y participación en los beneficios

al acceso y participación en los beneficios NIT Amazônia Oriental Em 2002, sobre a influência da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) e da Medida Provisória Nº. 2186/2001. Projeto Institucional Proteção aos resultados de pesquisas advindo do

Leia mais

Programa Amazônia do INPE: Monitoramento de desmatamento e outros impactos na Floresta Amazônica

Programa Amazônia do INPE: Monitoramento de desmatamento e outros impactos na Floresta Amazônica Programa Amazônia do INPE: Monitoramento de desmatamento e outros impactos na Floresta Amazônica Dalton de Morisson Valeriano Coordenador do Programa Amazônia INPE Projetos do Programa Amazônia do INPE:

Leia mais

Estudos Setoriais do BNDES

Estudos Setoriais do BNDES Estudos Setoriais do BNDES Antônio Marcos Hoelz Ambrózio Área de Planejamento e Pesquisa BNDES IV Seminário de Gestão da Informação e do Conhecimento da Rialide-BR Rio de Janeiro 25 de agosto de 2017 2

Leia mais

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004

Apresentação ao Comitê de Negócios 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP - PE Apresentação ao Comitê de Negócios Pré Workshop 18/01/2006 01/07/2004 Fórum Regional do PROMINP MG Estabelecimento da REDE PETRO-MG, como rede inicial da Rede Brasil de Tecnologia

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Aquicultura e Pesca PANORAMA ATUAL E PERSPECTIVAS DE CURTO E MÉDIO PRAZO PARA O SETOR AQUICOLA BRASILEIRO X SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE AQUICULTURA

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Criando valor econômico com sustentabilidade sócio-ambiental no Brasil

Criando valor econômico com sustentabilidade sócio-ambiental no Brasil Criando valor econômico com sustentabilidade sócio-ambiental no Brasil Vídeo Institucional http://www.ventura.org.br/site/video.html Instituto Ventura O Instituto Ventura investe em empreendimentos inovadores,

Leia mais

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil

A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil A Construção Civil e o Futuro do Crédito Imobiliário no Brasil Paulo Safady Simão Presidente da CBIC Fortaleza - CE 18/03/2010 Representante nacional e internacional das entidades empresariais da Indústria

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

CAMINHOS DA INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA GAÚCHA PRONEX PROGRAMA DE APOIO A NÚCLEOS DE EXCELÊNCIA

CAMINHOS DA INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA GAÚCHA PRONEX PROGRAMA DE APOIO A NÚCLEOS DE EXCELÊNCIA Dado que as atividades de inovação podem estar tanto reunidas como espalhadas pelas mais diversas áreas da empresa, concentramos nossa atenção em quatro áreas: (1) Desenvolvimento, (2) Operações, (3) Administração,

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Taller Evaluacion de impacto en programas de competitividad 4 o Congresso Lastinoamericano de Clusters Mendoza, 20 de novembro de 2009 Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Cristina

Leia mais

O FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO NORTE (FNO) COMO INDUTOR DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO NORTE (FNO) COMO INDUTOR DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL DIÁLOGOS RBMA_NO Limites e Possibilidades da avaliação das políticas públicas: a prática do Norte O FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO NORTE (FNO) COMO INDUTOR DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Marcelo

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA BRASILEIRA: 4 PRINCIPAIS DESAFIOS OS 4 GRANDES DESAFIOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 1º DESAFIO:

Leia mais

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008

Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Financiamento para o Complexo Industrial da Saúde Seminário Complexo Econômico-Industrial da Saúde Rio de Janeiro, maio de 2008 1 PROFARMA - 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS)

BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) BNDES Atuação no Complexo Industrial da Saúde (CIS) Britcham: Políticas Públicas e Desenvolvimento Industrial do Setor de Saúde São Paulo, novembro de 2012 Agenda Saúde como desenvolvimento Transições

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE CONTRATAÇÃO E TERMO DE REFERÊNCIA O Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) torna público o termo de referência para a contratação de consultor especializado para produzir informações

Leia mais

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências Wanessa Dose Bittar Formação -Especializada em Engenharia de Produção ( UFJF) -Graduada em Educação Artística ( UFJF) -Técnica em Design ( CTU) Cursos Extras -Educação Empreendedora pelo Endeavor Brasil

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Cuiabá, MT, 23 de agosto de 2012 Estrutura da

Leia mais

II FORTEC NE DINE/UFPE

II FORTEC NE DINE/UFPE II FORTEC NE DINE/UFPE NIT/PROPLAN/UECE Vladimir Spinelli Chagas Pró-Reitor PROPLAN Teresa Mota NIT Recife, 13 de abril, 2007 Recife, 13 de abril, 2007 Sumário Estrutura Objetivo Geral Objetivos Específicos

Leia mais

TEEB para o setor de negócios. Integrando a biodiversidade aos negócios

TEEB para o setor de negócios. Integrando a biodiversidade aos negócios TEEB para o setor de negócios Integrando a biodiversidade aos negócios TEEB para o setor de negócios Plano 1. Abordagem do TEEB para negócios 2. Projeto TEEB para o setor de negócios brasileiro TEEB para

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior A Política Industrial Brasileira A Política industrial brasileira tem claro foco em inovação e adensamento produtivo

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. São Paulo, 10 de maio de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. São Paulo, 10 de maio de 2013 Agenda de Políticas para Inovação São Paulo, 10 de maio de 2013 Inovação e Sustentabilidade: A Agenda da Química Verde Carlos Fadigas - Braskem Innovation is...essential to create new products, processes,

Leia mais

Transformando Recursos Naturais em Desenvolvimento: Notas para debate

Transformando Recursos Naturais em Desenvolvimento: Notas para debate Transformando Recursos Naturais em Desenvolvimento: Notas para debate Francisco de Assis Costa Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (GPDadesaNAEA, Redesist) Seminário Regional Norte da ABDE Belém, 22.07.2016

Leia mais

Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA. Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10

Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA. Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10 Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10 Gestão Estadual de Resíduos no ES: No âmbito da SEAMA/IEMA a gestão de resíduos sólidos vem ocorrendo por meio

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL: UMA ANÁLISE DA PDP INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS DE FINANÇAS / IBEF-SP São Paulo, 28

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais