Projeto Porto Maravilha

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Porto Maravilha"

Transcrição

1 Reunião de instalação do Conselho Gestor do Plano de Reabilitação Participativo do Centro Antigo de Salvador Salvador Bahia - 02/09/2010 Projeto Porto Maravilha LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde) e setores de bairros (São Cristóvão, Centro e Cidade Nova) Área total: ~5 Milhões de m² População: ~22 mil habitantes IDH: 0,775 Oceano Atlântico 2 km Aeroporto Santos Dumont Maracanã 5 km 7 km Petrópolis Angra dos Reis Paraty 6 km Corcovado Búzios 8 km Copacabana Rio de Janeiro Pão de Açúcar

2 SITUAÇÃO FUNDIÁRIA União Docas Estado Município Privado SITUAÇÃO FUNDIÁRIA Propriedade dos Terrenos (área plana) %, 100% = 1,11 MM m 2 Município Estado Privado União

3 GRANDE RELEVÂNCIA HISTÓRICA Morro do Castelo Morro da Conceição Pedra do Sal Morro de São Bento Prainha 1608 Palácio do Bispo Capela e Trapiche de São Francisco Mosteiro de São Bento Rua da Vala 1710 Largo de São Francisco Da Prainha Armazém do Sal Rua da Prainha (Acre) 1817 GRANDE RELEVÂNCIA HISTÓRICA Largo de São Francisco Da Prainha Armazém do Sal Rua da Prainha (Acre) Edifício A Noite 1817 Estação de Passageiros Arsenal da Marinha Praça Mauá Palacete D. João VI Cais da Gamboa 1930 Edifício Rio Branco 1 Avenida Perimetral Píer Mauá Polícia Federal 2002

4 SITUAÇÃO ATUAL OBJETIVOS DO PROJETO PORTO MARAVILHA

5 VISÃO DE FUTURO: USO MISTO COM INCENTIVO AO USO RESIDENCIAL Turismo e Entretenimento Comercial / Serviço Residencial Comercial / Serviço Comercial / Serviço Residencial Habitação de interesse social Residencial/ cultural Comercial / Serviço ESTUDOS TÉCNICOS REALIZADOS Estudo de Impacto de Vizinhança Aspectos analisados Adensamento populacional Uso e Ocupação do Solo Valorização Imobiliária Geração de tráfego e demanda por transporte público Ventilação e iluminação Poluição sonora e visual Paisagem urbana e patrimônio natural e cultural Parâmetros de análise Qualidade de vida da população residente e do entorno Relação com a rede de transportes e infraestrutura urbana da cidade 10

6 ESTUDOS TÉCNICOS REALIZADOS Estudo de Viabilidade Econômica Evolução do mercado imobiliário na região e entorno Viabilidade dos CEPACs da elaboração de diferentes cenários evolutivos Viabilidade dos Empreendimentos Estoques de áreas de construção, considerando a área adicional criada peça OUC Potencial de demanda e valorização 11 ESTUDOS TÉCNICOS REALIZADOS Estudo de Tráfego Condições atuais de mobilidade e tráfego da região e do entorno Veículos Transportes públicos Pedestres Ciclistas Projeção de demanda futura Novo sistema viário Adensamento populacional Interligação com outras áreas da cidade Aspectos ambientais 12

7 ESTUDOS TÉCNICOS EM ANDAMENTO Diagnóstico sobre a Sociedade Civil na região portuária Identificar as organizações Fortalecer o diálogo Qualificar o projeto 13 MARCO LEGAL INSTITUCIONAL DO PROJETO.

8 OPERACIONALIZAÇÃO DO PORTO MARAVILHA Operação Urbana Consorciada Mudança de uso e aumento de índice de aproveitamento básico (gabarito) do terrenos para financiamento de obras de infra estrutura Cobrança de outorga para a construção acima do índice de aproveitamento básico via emissão de Certificados de Potencial Adicional Construtivo - CEPACs; CEPACs são títulos mobiliários, regulados pela CVM, e que podem ser negociados no mercado até a sua vinculação a um determinado lote; Os recursos captados deverão ser integralmente investidos na própria área. Exemplo: IAT > 1, cobrança de outorga (CEPAC) IAT 1, livre de cobrança Recursos reinvestidos integralmente na área ESPECIFICIDADES DA OUC DA REGIÃO PORTUÁRIA 16

9 MODELAGEM FINANCEIRA Público CVM Público e/ou Privado FGTS $$$ Regulação Privado $$$ Quotas Governança Gestão Fundo de Investimento Imobiliário CEPACs e Imóveis Mercado Imobiliário Imóveis Município CEPAC Imóveis e CEPACs $$$ Quotas $$$ Imóveis Concessão Concessionária PPP Usuários $$$ União e Estado SETORES COM POTENCIAL ADICIONAL CONSTRUTIVO Financiadores

10 PARÂMETROS URBANÍSTICOS E AMBIENTAIS 19 PARÂMETROS SÓCIO - ECONÔMICOS 20

11 21 PROJETOS ESPECIAIS Museu de Arte do Rio - MAR Museu do Amanhã Nova sede do Banco Central Vila de Mídia para as Olimpíadas 2016

12 PROJETOS ESPECIAIS Museu Olímpico Edifício Comercial Vila de Mídia e Arbitros Universidade do Educador Nova sede do Banco Central Prédio da GVT Novo prédio da Polícia Federal Lojas Americanas Garagem subterrânea Restauro da Igreja Centro de Moda Recuperação e retrofit do edifício A Noite Nova estação do Metrô Cidade Nova Parque Tecnológico Studio-X Columbia PROJETOS ESPECIAIS Pólo de turismo Novo Terminal passageiros Marítimo de 24

13 CONEXÃO DIRETA AVENIDA BRASIL / LINHA VERMELHA / PORTO / PONTE PROJETOS ESPECIAIS Recuperação do Patrimônio Arquitetônico Histórico e Cultural da região 26

14 PROJETOS ESPECIAIS Urbanização do MORRO DA PROVIDÊNCIA e reassentamento na própria região para as famílias que vivem em áreas de risco e habitações precárias através do Programa MORAR CARIOCA. 27 PROJETOS ESPECIAIS Reabilitação e construção de moradias através dos Projetos: Novas Alternativas 28

15 PROJETOS ESPECIAIS MINHA CASA MINHA VIDA. 29 FASE 1 DO PROJETO Rua Silvino Montenegro Av. Barão de Tefé Av. Rodrigues Alves Av. Venezuela Praça Mauá Píer Mauá Rua Sacadura Cabral Rua Camerino Morro da Conceição

16 FASE 2 DELIMITAÇÃO FASE II IMPLEMENTAÇÃO Parceria Público Privada (PPP) na modalidade de Concessão Administrativa para realização de Serviços e Obras visando a revitalização da AEIU da região portuária do Rio de Janeiro Porque PPP Concessionário financia as obras Arranque das obras sem necessidade da venda antecipada de CEPAC Permite ao Município / obter ganhos com a valorização da região Permite controle de qualidade na prestação de serviços e realização das obras 32

17 PRINCIPAIS ASPECTOS PARA CONTRATAÇÃO DA PPP 1. Objeto Concessão Administrativa para a prestação dos Serviços e Obras visando a revitalização e operação da AEIU Portuária. 2. Condições de Participação Poderão participar Empresas e/ou Consórcios. O vencedor deverá constituir uma Sociedade de Propósito Específico - SPE. 3. Critério de Julgamento PRINCIPAIS ASPECTOS PARA CONTRATAÇÃO DA PPP 4. Prazo e valor estimado do contrato 15 (quinze) anos. R$ 8 bilhões = Serviços - 4,5 bilhões + Obras - 3,5 bilhões 5. Condições de Execução 15 (quinze) Etapas sucessivas. O início de cada Etapa ficará condicionada a comprovação de que o FII (Fundo de Investimento Imobiliário) dispõe de recursos para a realização da Etapa. O Poder Concedente poderá propor o início de uma Etapa com recursos de no mínimo 70% de seu valor Uma Etapa poderá ser antecipada caso haja recursos disponíveis e acordo entre o Poder Concedente e a futura Concessionária.

18 PRINCIPAIS ASPECTOS PARA CONTRATAÇÃO DA PPP 6. Remuneração Pela realização das obras e serviços, a concessionária receberá contraprestações públicas: Mensais = fixas de 10 milhões cada Anuais = variáveis conforme proposta econômica da vencedora da licitação 7. Garantia de Pagamento Garantia fiduciária de pagamento, associada às quotas subscritas pela no FII. 8. Garantia de Performance R$ 320 milhões = 4,0 % do valor estimado do contrato. Equivale a aproximadamente 01 ano de prestação dos serviços a serem concedidos. PRINCIPAIS ASPECTOS PARA CONTRATAÇÃO DA PPP 9. Avaliação de Performance Caso a concessionária não atenda aos critérios de performance estabelecidos no contrato, ela sofrerá abatimentos no valor da contraprestação pública anual. Caso haja reincidência da mesma falha, o contrato poderá ser rescindido e a garantia executada. 10. Rescisão do Contrato pela Concessionária Caso a concessionária resolva rescindir o contrato, ela deve manter os serviços concedidos por 180 dias. 11. Arbitragem As disputas ou controvérsias relativas ao contrato serão encaminhadas a um Tribunal Arbitral que atuará de acordo com o regulamento da Corte Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional

19 OPORTUNIDADES E VANTAGENS DA PARCERIA COM FGTS / CAIXA FASE 2 ESCOPO (EXECUÇÃO VIA PPP)

20 OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA BÁSICA Reurbanização dos Morros e reassentamento de população em áreas irregulares (risco). Rede de Água Potável ,00 m Rede de Esgotamento Sanitário ,00 m Rede de Drenagem ,00 m Rede de Energia e Iluminação Pública ,00 m Rede de Gás OBRAS BINÁRIO/INFRAESTRUTURA/URBANIZAÇÃO ,00 m Construção dos Túneis sob o Morro da Gamboa Construção do Túnel do Binário, sob o Morro do São Bento (rocha), Prédios da Portus e Policia Federal (misto). Construção das Rampas de Acesso ao Binário Implantação do P.A. do Binário do Porto Trecho Av. Equador R. Rivadávia Correia R. Santo Cristo R. Santo Cristo BUS M T Av. Francisco Bicalho M Av. 31 de Março BUS Rampa de Acesso ao Binário Av. Marechal Floriano vias atuais vias revitalizadas M Av. Presidente Vargas túneis vias futuras

21 OBRAS A SEREM REALIZADAS NA FASE II Vias e Redes Urbanas Quantidades Vias em Asfalto ,20 m² Vias em Outros Pavimentos (inclui ciclovias) ,66 m² Calçadas ,94 m² Plantio de Árvores un Postes Iluminação Pública un Obras estruturais Extensão Túnel da Via Expressa 1.831,45 m Túnel da Via do Binário 1.285,00 m Túnel Escavado do Mo. da Providência 110 m Túnel Escavado do Mo. da Saúde 80 m Viaduto 1 do Gasômetro 148 m Viaduto 2 do Gasômetro 430 m Alça de Descida da Linha Vermelha 190 m 41 CRONOGRAMA Aprovação das Leis Fase 1 Publicação do Edital Obras fase 1 Preparação de editais e licitação das obras fase 2 Obras fase 2 Com FGTS / Caixa

22 IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS Adensamento da Região Portuária População atual : 22 mil População 2020 : 100 mil Meio-ambiente Aumento da área verde de 2,46 % para 10,96%, com arborização e criação de novas praças e parques Redução da poluição do ar e sonora Aumento da permeabilidade do solo CÍRCULO VIRTUOSO

23 MUITO OBRIGADO!

Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br

Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Localização estratégica

Localização estratégica Porto Maravilha Localização estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovad o 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km 1850 - Área

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica Porto Maravilha Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Aeroporto Santos Dumont Oceano Atlântico 2 km Maracanã 5 km Pão de Açúcar Corcovado 7 km 6 km Copacabana 8 km Perímetro Porto

Leia mais

Projeto Porto Maravilha

Projeto Porto Maravilha Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Rio Metropolitano Jorge Arraes 09 de julho 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

ANO Área de Concessão

ANO Área de Concessão 1 ANO 1850 Área de Concessão ANOS 1902/1906 Área de Concessão ANO 2015 Área de Concessão Área da Concessão Reestruturação Local Ampliação, articulação e requalificação de espaços públicos da região Melhoria

Leia mais

Porto Maravilha. Out/2013

Porto Maravilha. Out/2013 Porto Maravilha Out/2013 O Projeto Porto Maravilha Operação Urbana Consorciada A Operação Urbana Consorciada do Porto do Rio de Janeiro é o maior projeto de revitalização urbana do mundo na atualidade

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha

Operação Urbana Porto Maravilha Operação Urbana Porto Maravilha Formatação Jurídica Formatação Jurídica - Estatuto das Cidades: Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

Experiência em Operação Urbana Consorciada Rio de Janeiro. Oportunidades de Investimento em Operações Urbanas Consorciadas Setembro/2017

Experiência em Operação Urbana Consorciada Rio de Janeiro. Oportunidades de Investimento em Operações Urbanas Consorciadas Setembro/2017 Experiência em Operação Urbana Consorciada Rio de Janeiro Oportunidades de Investimento em Operações Urbanas Consorciadas Setembro/2017 Julho 2015 OUC - Conceito Estatuto da Cidade - Lei Nº. 10.257 de

Leia mais

Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Julho Setembro / 2011

Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Julho Setembro / 2011 Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro Relatório Trimestral de Atividades Sumário Executivo Período Julho Setembro / 2011 As ações da Operação Urbana Consorciada da Região

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

OUC Região Porto do Rio de Janeiro

OUC Região Porto do Rio de Janeiro OUC Região Porto do Rio de Janeiro Seminário Construção Sustentável Propostas de Diálogo e de Ação para a Sustentabilicade Salvador - Outubro/2011 Objetivo da Operação Urbana Consorciada O Porto Maravilha

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp

Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp Operação Urbana Porto Maravilha Permanências e Mudanças Alberto Silva Cdurp Rio de Janeiro, outubro, 2012 RIO: MOMENTO ÚNICO Rio + 20 450 Anos da Cidade do Rio de Janeiro 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

A Função da PPP na Operação Urbana Porto Maravilha Jorge Arraes Presidente da CDURP

A Função da PPP na Operação Urbana Porto Maravilha Jorge Arraes Presidente da CDURP A Função da PPP na Operação Urbana Porto Maravilha Jorge Arraes Presidente da CDURP RIO: MOMENTO ÚNICO Rio + 20 450 Anos da Cidade do Rio de Janeiro 2012 2013 2014 2015 2016 Taxa de ocupação de imóveis

Leia mais

Urbanismo e Mobilidade

Urbanismo e Mobilidade Urbanismo e Mobilidade Área de Abrangência: 3,8 milhões de m² Inclui 5 bairros completos (Centro, São Domingos, Gragoatá, Boa Viagem e Morro do Estado) e parte de 2 bairros (Ponta D Areia e São Lourenço).

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha: Transformações Urbanas, Sustentabilidade e Inclusão Socioprodutiva

Operação Urbana Porto Maravilha: Transformações Urbanas, Sustentabilidade e Inclusão Socioprodutiva Operação Urbana Porto Maravilha: Transformações Urbanas, Sustentabilidade e Inclusão Socioprodutiva Rio de Janeiro, Setembro de 2012 RIO: MOMENTO ÚNICO Rio + 20 450 Anos da Cidade do Rio de Janeiro 2012

Leia mais

Projeto Porto Maravilha PORTO MARAVILHA 0

Projeto Porto Maravilha PORTO MARAVILHA 0 Projeto Porto Maravilha PORTO MARAVILHA 0 Caracterização Visão para o Porto do Rio Obras Fase 1 Fase 2 Cronograma PORTO MARAVILHA 1 AMPLA ÁREA COM APROX. 5 MILHÕES DE M²... Características da região: Delimitação:

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica PORTO MARAVILHA Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovado 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km Perímetro Porto

Leia mais

Porto Maravilha do Rio de Janeiro

Porto Maravilha do Rio de Janeiro Porto Maravilha do Rio de Janeiro Participação, Transparência e Projeto 26/09/2013 Pedro da Luz Moreira Arquiteto e Urbanista Professor Adjunto da Eau-Uff Vice presidente do IAB Por uma Cidade Densa, com

Leia mais

PORTO MARAVILHA INICIA CONSTRUÇÃO DA VIA EXPRESSA

PORTO MARAVILHA INICIA CONSTRUÇÃO DA VIA EXPRESSA PORTO MARAVILHA INICIA CONSTRUÇÃO DA VIA EXPRESSA VIA EXPRESSA Túnel da Via Expressa = 2.010 metros Via Expressa terá 3.610 metros de extensão - sem contar extensão ao aterro São 1.600 metros da rodoviária

Leia mais

LINHA VISTA CONSÓRCIO ITINERÁRIO

LINHA VISTA CONSÓRCIO ITINERÁRIO 10 FÁTIMA X CENTRAL, Túnel João Ricardo, Rua Rivadávia Correia, Rua do Livramento, Rua Sacadura Cabral, Praça Mauá, Rua Acre, Rua Uruguaiana, Av. Presidente Vargas (pista lateral), Av. Rio Branco, 127

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha

Operação Urbana Porto Maravilha Operação Urbana Porto Maravilha AGENDA 1. VISÃO GERAL DO PROJETO PORTO MARAVILHA 2. MODELAGEM FINANCEIRA 1. ARCABOUÇO JURÍDICO 2. ESTUDOS TÉCNICOS 3. MODELAGEM DA PPP 4. RECEITAS X DESPESAS 5. LEILÃO DOS

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P. Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P. Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro MODALIDADE DE PPP s Característica Contratos de Concessão Lei

Leia mais

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 IV SIMT Pensando as cidades do futuro Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas AGENDA

Leia mais

Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont

Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont A Prefeitura do Rio inaugurou a primeira galeria do Túnel Prefeito

Leia mais

COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA

COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA VLT Carioca COMO TUDO COMEÇOU...PORTO MARAVILHA Área de intervenção de 489 hectares, área comparável aos bairros de Copacabana (410 ha), Botafogo (480 ha) e ao Centro (572 ha) Concessão Administrativa

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação 14h00 às 15h30-Caso 3 Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação Jardins Mangueiral (DF) Novembro de 2014 1. Oportunidades e Desafios das PPP Habitacionais PPP Habitacionais Oportunidades Parceiro

Leia mais

Rodrigo Garcia Secretário de Estado da Habitação

Rodrigo Garcia Secretário de Estado da Habitação Rodrigo Garcia Secretário de Estado da Habitação outubro de 2017 ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO SETOR HABITACIONAL Secretaria da Habitação Preside o Conselho Estadual de Habitação e os Conselhos Gestores do

Leia mais

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador FÓRUM TEMÁTICO DO PLANO SALVADOR 500 Camila Maleronka camila@p3urb.com.br c.maleronka@gmail.com 17 de abril de 2015. OPERAÇÃO

Leia mais

CDURP Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Outubro - Dezembro / 2011

CDURP Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro. Relatório Trimestral de Atividades. Período Outubro - Dezembro / 2011 CDURP Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro Relatório Trimestral de Atividades Sumário Executivo Período Outubro - Dezembro / 2011 No período outubro dezembro de 2011

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 Legislação Aplicável Esta Audiência Pública está sendo realizada nos termos do ART. 39 da Lei 8.666/1993. Lei nº 11.079, de 30 de Dezembro de 2004 Lei de Parcerias

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Operação Urbana Consorciada Conceito / Estatuto da Cidade Camila Maleronka Recife, 15 de setembro de 2017. CONCEITO DA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº XX.XXX

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº XX.XXX 1 LEI Nº XX.XXX Dispõe sobre incentivos construtivos no Município de Curitiba e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Terminal Rodoviário e Entorno

Terminal Rodoviário e Entorno Terminal Rodoviário e Entorno Agosto de 2010 ADVISORY Cronograma da Audiência Pública Agenda da audiência 1) Abertura 10 minutos 2) Apresentação do projeto 40 minutos 3) Manifestações e perguntas 40 minutos

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil O que é o DOTS? O Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável é uma

Leia mais

Operação Urbana Consorciada São Bernardo do Campo. Secretária de Planejamento Urbano e Ação Regional

Operação Urbana Consorciada São Bernardo do Campo. Secretária de Planejamento Urbano e Ação Regional Operação Urbana Consorciada São Bernardo do Campo Secretária de Planejamento Urbano e Ação Regional SÃO BERNARDO DO CAMPO E A REGIÃO METROPOLITANA SÃO PAULO SÃO BERNARDO DO CAMPO 0 20 KM SANTOS FONTES:

Leia mais

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

LEI Nº 8.379/2012 JOÃO HENRIQUE TÍTULO II DAS OPERAÇÕES DE CARGA E DESCARGA TATIANA MARIA PARAÍSO ANDRÉ NASCIMENTO CURVELLO

LEI Nº 8.379/2012 JOÃO HENRIQUE TÍTULO II DAS OPERAÇÕES DE CARGA E DESCARGA TATIANA MARIA PARAÍSO ANDRÉ NASCIMENTO CURVELLO JOÃO HENRIQUE GERALDO DIAS ABBEHUSEN OSCIMAR ALVES TORRES OSCIMAR ALVES TORRES MARCELO GONÇALVES DE ABREU JOSÉ LUIZ SANTOS COSTA JOÃO CARLOS BACELAR BATISTA TÍTULO II TATIANA MARIA PARAÍSO ANDRÉ NASCIMENTO

Leia mais

Regulamento e financiamento da mobilidade urbana sustentável: como garantir qualidade sem aumentar os custos

Regulamento e financiamento da mobilidade urbana sustentável: como garantir qualidade sem aumentar os custos Regulamento e financiamento da mobilidade urbana sustentável: como garantir qualidade sem aumentar os custos Dario Rais Lopes Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades

Leia mais

USUÁRIO TIPO ATRAÇÃO PERMANÊNCIA NECESSIDADE Estudantes e Pedestres Consumidores

USUÁRIO TIPO ATRAÇÃO PERMANÊNCIA NECESSIDADE Estudantes e Pedestres Consumidores 4 PROGRAMA 4.1 Quadro de Caracterização do Usuário de Campinas Para definir quais os principais usos para a intervenção na área buscou-se entender as principais necessidades de seus moradores e usuários.

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA O DESAFIO DE FAZER CIDADE NO BRASIL 90% da população mora em cidades Saneamento, habitação, saúde, educação, transporte, meio ambiente. A CONTA NÃO

Leia mais

Perspectivas para Operações Urbanas no Brasil A proposta de São Paulo para as novas Operações Urbanas

Perspectivas para Operações Urbanas no Brasil A proposta de São Paulo para as novas Operações Urbanas Perspectivas para Operações Urbanas no Brasil A proposta de São Paulo para as novas Operações Urbanas Domingos Pires Secretário Adjunto Conferência LARES, setembro de 2012. AGENDA 1. Experiência Paulistana

Leia mais

LINHA VERDE. Novo Eixo de Transporte e de Desenvolvimento Urbano

LINHA VERDE. Novo Eixo de Transporte e de Desenvolvimento Urbano LINHA VERDE Novo Eixo de Transporte e de Desenvolvimento Urbano Região Metropolitana de Curitiba RIO BRANCO DO SUL ITAPERUÇU BOCAIÚVA DO SUL ALMIRANTE TAMANDARÉ CAMPO MAGRO CAMPO LARGO ARAUCÁRIA BALSA

Leia mais

Coordena os projetos da Prefeitura do Rio para os Jogos de Empresa pública, vinculada ao gabinete do Prefeito

Coordena os projetos da Prefeitura do Rio para os Jogos de Empresa pública, vinculada ao gabinete do Prefeito OS JOGOS DO LEGADO Empresa pública, vinculada ao gabinete do Prefeito Coordena os projetos da Prefeitura do Rio para os Jogos de 2016 Responsável pela Implantação do Parque Olímpico e do Complexo Esportivo

Leia mais

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Sumário Executivo Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Em 10/10/13 a CESAN realizou o leilão na Bovespa através da Concorrência

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS E A ECONOMIA ATUAL

CIDADES SUSTENTÁVEIS E A ECONOMIA ATUAL CIDADES SUSTENTÁVEIS E A ECONOMIA ATUAL CIDADE A C Encontro Encontro Trading Economia B Desenvolvimento Huacachina Veneza Manhattan PESSOAS Economia Cidade PLANETA O QUE É UMA CIDADE SUSTENTÁVEl? Pessoas

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Plano e projeto em São Paulo Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Estatuto da Cidade Lei Federal n o 10.257/01 Constituição Federal 1988 Art.182 e 183 Plano Diretor é instrumento

Leia mais

Complexo Cantinho do Céu

Complexo Cantinho do Céu Complexo Cantinho do Céu Diretrizes Para Urbanização e Recuperação Ambiental Características Gerais Complexo Cantinho do Céu Características Gerais Localização Represa Billings; Subprefeitura: Capela do

Leia mais

VOYAGE D ETUDES AU BRESIL. FORTALEZA: Discours et images de la ville

VOYAGE D ETUDES AU BRESIL. FORTALEZA: Discours et images de la ville UFC PPG em Geografia UFR de Géografie Université de Paris-Sorbonne VOYAGE D ETUDES AU BRESIL FORTALEZA: Discours et images de la ville Prof. José Borzacchiello da Silva Fortaleza, março de 2011 FORTALEZA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA AUTOSSUSTENTABILIDADE FINANCEIRA AUTONOMIA DE GESTÃO FOCO EM OBRIGAÇÕES DE RESULTADO

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina Teresina (PI), Fevereiro de 2016 1. A SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA 1. SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA Enchentes na Zona Norte 1.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS. Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MINAS GERAIS Câmara Temática de Rodovias Federais Anel Rodoviário de Belo Horizonte MAIO - 2013 PROJETOS EM ANDAMENTO: - Aumento de Capacidade e Duplicação do Corredor Norte

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

Press Release. 01 de julho de Entrega da versão final do EIA-RIMA à Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Press Release. 01 de julho de Entrega da versão final do EIA-RIMA à Prefeitura Municipal de Porto Alegre Press Release 01 de julho de 2015 Entrega da versão final do EIA-RIMA à Prefeitura Municipal de Porto Alegre Hoje está sendo entregue à Prefeitura Municipal de Porto Alegre o Estudo de Impacto Ambiental

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

Secretaria de Urbanismo

Secretaria de Urbanismo Propostas e Diretrizes Prefeitura do Rio de Janeiro Maria Madalena Saint Martin de Astácio A ocupação urbana é condicionada à preservação dos maciços e morros; das florestas e demais áreas com cobertura

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área

IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área 4º DISTRITO: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR FÓRUM DAS IES IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

Objetivos da Exposição

Objetivos da Exposição 1 Objetivos da Exposição Apresentar aos participantes do Fórum o modelo adotado pela Prefeitura Municipal de Caraguatatuba para gestão da Iluminação Pública seus principais desafios. 15 de setembro 2010

Leia mais

São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009

São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 1 São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 Sistema Integrado Metropolitano SIM e do Veículo Leve sobre Trilhos VLT (Metrô Leve) 2 Secretaria dos Transportes Metropolitanos STM Três

Leia mais

Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil. Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013

Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil. Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013 Edge Cities o novo modelo de Desenvolvimento Imobiliário sustentável no Brasil Roberto Carvalho Dias LandInvest 3 de Outubro 2013 Sumário A demanda e oferta por faixa de renda Por que faltam terrenos A

Leia mais

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura Apresentação Institucional Engenharia de Infraestrutura Líder de Mercado em Engenharia de Infraestrutura 24 anos de atuação, desenvolvendo projetos nas áreas de: Transporte e Mobilidade Desenvolvimento

Leia mais

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2009 Desenvolvimento Urbano Sustentável Desafios Oportunidades

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES 46º Encontro Nacional da Indústria Cerâmica Vermelha Minha Casa, Minha Vida: Perspectivas e Oportunidades Teresina/PI, 20 de setembro de 2017 POLÍTICA NACIONAL DE HABITAÇÃO 2007

Leia mais

Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Fabio Doria Scatolin Secretario do Planejamento e Gestão CURITIBA 28 mar 2014 METRÔ DE CURITIBA GESTÃO GUSTAVO FRUET

Leia mais

Plano do Legado da Cidade do Rio de Janeiro 1/51

Plano do Legado da Cidade do Rio de Janeiro 1/51 Plano do Legado da Cidade do Rio de Janeiro 1/51 Visão Os Jogos Olímpicos devem servir à cidade. Mais do que organizar o evento em si, queremos tornar o Rio um lugar melhor para seus moradores e visitantes,

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha

Operação Urbana Porto Maravilha Operação Urbana Porto Maravilha versão janeiro de 2016 Localização estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovad o 7 km Copacabana

Leia mais

Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências

Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências Quarto Distrito em Porto Alegre: reconhecimento da área e algumas referências Foco na perspectiva de Modernização Produtiva e Inovação Tecnológica em função das potencialidades da realidade existente entre

Leia mais

Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro

Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro Carnaval da Av. Rio Branco agora é na Av. Graça Aranha Interdições para desfiles de Blocos de Rua de 14 a 18 de fevereiro Os Blocos de Carnaval de Rua que desfilavam pela Avenida Rio Branco, foram transferidos

Leia mais

Desafios da RDS Face as Obras Olímpicas e o Crescimento da Cidade do Rio de Janeiro. Flávia Areal de Souza Gonçalves Luiz Eduardo Pereira Vaz

Desafios da RDS Face as Obras Olímpicas e o Crescimento da Cidade do Rio de Janeiro. Flávia Areal de Souza Gonçalves Luiz Eduardo Pereira Vaz Desafios da RDS Face as Obras Olímpicas e o Crescimento da Cidade do Rio de Janeiro Flávia Areal de Souza Gonçalves Luiz Eduardo Pereira Vaz Projeto Olímpico Volume e Prazos das Obras jamais observados

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO disciplina: Função socioambiental da propriedade pública e privada docente: Wallace Paiva Martins Junior discente: Renata Sioufi Fagundes dos Santos 2016 TUTELA DO MEIO

Leia mais

P 3 - Plano urbanístico de uso e ocupação da Esplanada Ferroviária

P 3 - Plano urbanístico de uso e ocupação da Esplanada Ferroviária P 3 - Plano urbanístico de uso e ocupação da Esplanada Ferroviária 2ªOficina de Consulta Popular APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Objetivo geral Elevar os níveis da qualidade de vida social, cultural, urbanística

Leia mais

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 ESTAÇÃO DA LAPA Inaugurada em 7 de novembro de 1982; Maior terminal rodoviário de Salvador;

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO Programa Estadual

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS FGTS Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS Histórico 1943 - CLT - Garantia de estabilidade de emprego após 10 anos na mesma empresa. - Pesquisa do em 1966: apenas 15% dos trabalhadores celetistas

Leia mais

PPA PLANILHA DE INVESTIMENTOS

PPA PLANILHA DE INVESTIMENTOS PPA - 2017 Centro de Apoio Social ao Idoso BARRA VELHA Assistência Social 1. Equipamentos 150.000,00 Novas instalações com Biblioteca e Sala de Informática na EM Waldemar Belisário Novas instalações com

Leia mais

Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS.

Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS. Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS. IFRS Campus Rio Grande Núcleo de Arquitetura Tecnologia em Construção de Edifícios. Autores:

Leia mais

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Saneamento Básico Parcerias Público-Privadas Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Sumário As PPPs na lei Federal nº 11.079/04 Estrutura econômico-jurídica dos

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO PROSPECTO DE REGISTRO ( PROSPECTO ) DA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Emissor MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Rua Afonso Cavalcanti nº. 455, Cidade Nova Código ISIN nº. [

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS como estratégia para a reabilitação urbana DEAP/SNAPU/MCIDADES MAIO/2015 O que são Operações Urbanas Consorciadas? PREMISSA: GESTÃO DA VALORIZAÇÃO DA TERRA O solo urbano

Leia mais

Saneamento e Infraestrutura

Saneamento e Infraestrutura Saneamento e Infraestrutura Desempenho 2014 Contratação SUSAN Desempenho 2014 Desembolso SUSAN Perspectivas 2015 Linhas de Financiamento: SANEAMENTO PARA TODOS Tipos de Financiamento Financiamento Corporativo

Leia mais

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO PROSPECTO DE REGISTRO ( PROSPECTO ) DA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO Emissor MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Rua Afonso Cavalcanti nº. 455, Cidade Nova Código ISIN nº. BRMCRJCPA003

Leia mais

Desenvolvimento da Zona Leste

Desenvolvimento da Zona Leste Cidade de Oportunidades Desenvolvimento da Zona Leste SEMINÁRIO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE Maria Teresa Oliveira Grillo ESCOLA DE FORMAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Março/

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais