APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008"

Transcrição

1

2 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008

3 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção de novos mercados com a criação de novos produtos. 3.Fortalecimento da sustentabilidade das empresas. Público-alvo: Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, localizadas no Distrito Federal e associadas as entidades parceiras (Sinfor( Sinfor, Assespro Sindisei, Tecsoft, Sucesu) Empresas Participantes:

4 Informações gerais Governança: a: Constituída em 31/01/2006; Coordenador Executivo Ricardo Masstalerz empresário; rio; Governança a constituída: Empresários: rios: 8 empresas do Setor de TI do DF; Instituições (15): Federações: FIBRA ( Sinfor + SENAI);FECOMÉRCIO (Sindisei( + SENAC); Entidades Locais: TECSOFT; SUCESU; ASSESPRO; AIESEC; Parque Capital Digital : IBTI (Entidade gestora do Parque); Governo Local: AGEMTI; SDET; SECT e FAP/DF; Academia: CDT/UNB; UCB;

5 Cenário do APL de TI no DF Década de 70 inicio das atividades de TI na Capital; Década de 80 Crescimento do Numero de empresas de TI; Década de 90 Termino da reserva de mercado de informática, políticas públicas voltadas para o setor de TI e a internet; 2001 investimento em TI: 15 bilhões de dólares, sendo 7,5 bilhões demandados do Distrito Federal; Empresas e Sinfor inicio da estruturação do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Pólo de TI do DF;

6 Cenário do APL de TI no DF Tecsoft, Sinfor/DF, Senai/DF e Sebrae/DF iniciavam as primeiras ações de estruturação do projeto do parque tecnológico; assinatura do Protocolo de Adesão para Implementação do Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação; estruturou-se o Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação (APL de TIC do DF) com foco de atuação: expansão do mercado de TIC, melhoria da mão-de-obra consolidação da marca Brasília Capital Digital execução do plano e adesão das empresas; Elaboração do PDP;

7 Quadro resumo do Projeto Valor do Plano (5 anos): Território rio de atuação Número de Parceiros envolvidos: Número de empresas formais envolvidas até 2012 (25% de 1875 empresas) Número de empregos (formais e informais) diretos e indiretos: Faturamento do setor estimado: R$ ,00 Distrito Federal Diretos: Indiretos: R$ 4 bilhões / ano

8 Resumo de Ações 6.1 FOMENTAR E DESENVOLVER A INTERAÇÃO ENTRE EMPRESAS 6.2. CRIAÇÃO DE IMAGEM DE ALTA TECNOLOGIA PARA BRASÍLIA 6.3. DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS 6.4. DESENVOLVIMENTO E CAPACITAÇÃO PARA O MERCADO EXTERNO CERTIFICAÇÕES 6.6. FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA ESPECIALIZADA 6.7. SHOW ROOM PERMANENTE DE TIC 6.8. COACHING 6.9. PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PROCESSO DE GESTÃO/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO DO PDP PARQUE CAPITAL DIGITAL NÚCLEO DE LOCALIZAÇÃO DE SOFTWARE

9 Valores de investimento por parceiro: Federal - GTP / APL TOTAL Instituições Locais - Empresários rios Estaduais - Fibra, Sebrae/DF, Senai/DF, Senac, Fecomércio, BRB, BB, GDF, Universidades, GDF, Aiesec Valores R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00

10 Resultados Esperados: Aumentar em 40% o número de empresas do APL de TIC do DF que possuem pessoas e/ ou processos de gestão certificados até dezembro Aumentar em 40% o número de atestados de excelência e/ ou de qualidade recebidos por serviços e/ ou produtos das empresas do APL de TIC do DF até dezembro Aumentar em 20% o volume de vendas de produtos e/ ou serviços das empresas do APL de TIC do DF até dezembro de Aumentar o volume de vendas de produtos e/ ou serviços para o mercado externo das empresas do APL de TIC do DF em até 40%, sendo: 10% até 2008; 25% até 2010 e 40% até dezembro Ampliar em 30% a participação de mercado (.market share.) de TIC do DF das empresas do APL até dezembro Ter, até dezembro de 2012, 40% das 60 empresas do APL de TIC realizando compras via sistema cooperativo. Ampliar em 12% ao ano o mercado de mão-de-obra qualificada de TI do DF até dezembro de equivalente a 60 profissionais dos 500 postos de trabalho vagos no DF, segundo dados do SINFOR.

11 Apresentação das ações PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO Valor total previsto: R$ , Criar e implantar um periódico no segmento de TIC - R$ , Implantar de uma central de informações competitivas R$ , Promover feira internacional R$ , Criar uma central de negócios R$ , Participar de feiras nacionais e internacionais como expositor R$ , Prospecção de mercado R$ , Implantar e operacionalizar um núcleo de localização de software R$ ,00

12 Apresentação das ações CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA Valor total previsto: R$ , Programa de sensibilização e informação sobre o mercado externo e procedimentos de exportação. R$ , Implantar e certificar sistemas de qualidade R$ , Estabelecer programas específicos para formação e capacitação técnica em TIC conforme perfis técnicos demandados pelo mercado R$ , Capacitação gerencial R$ , Desenvolver programa de intercâmbio R$ ,00

13 Apresentação das ações VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL Valor total previsto: R$ R$ , Desenvolver um programa de marketing institucional R$ , Implantar um Show Room permanente R$ , Desenvolver Programa permanente de associativismo e cooperação R$ , Implantação de Gerência Executiva para o PDP R$ , Estudo de viabilidade técnica e econômica para micro e pequenas empresas se instalarem no PCD R$ ,00

14 Apresentação das ações INOVAÇÃO E TECNOLOGIA Valor total previsto: R$ R$ , Promover seminários nacionais e internacionais R$ , Desenvolver programa para formação de mestres e doutores em Tecnologia da Informação e Comunicação no DF R$ 1.000,000,00

15 Apresentação das ações TRANSVERSALIDADE Valor total previsto: R$ R$ , Avaliar a atualidade e / ou obsolescência dos produtos e serviços de TIC oferecidos pelas empresas do DF R$ , Implantar um centro de tecnologia em TIC no DF R$ , Desenvolver programa de benchmarking, nacional e Internacional R$ , Coaching Empresarial R$ ,00

16 Obrigado! Gestor Governança Ricardo Masstalerz Gestor Sebrae Cristina Vieira Sá

17

18 Detalhamento das Ações do PDP Plano Desenvolvimento Preliminar APL TIC DF

19 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Criar e implantar um periódico no segmento de TIC DESCRIÇÃO: Desenvolver um projeto para implantação de um informativo, semanal ou mensal que seja dinâmico, diferentes dos padrões dos diversos jornais setoriais. Formado por um conteúdo informativo, formativo e atrativo. A proposta é que o periódico tenha um tratamento jornalístico e inovador e que seja um fator de integração entre as empresas e entre estas e fornecedores, universidades, etc. Serão definidos a metodologia de alimentação e o projeto de diagramação e distribuição. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor / Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Consultoria especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, GDF e Parceiros Federais. DATA DE INÍCIO: Outubro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2008 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual e Valores Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, GDF 50% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL: R$ ,00

20 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Implantar de uma central de informações competitivas DESCRIÇÃO: Uma das maiores carências dos empresários e uma das maiores.armas. de inserção Comercial e industrial é a informação. Através da informação se planeja investimentos, definem se estratégias, etc. Sem a informação perde-se competitividade, mercados e oportunidades. A central de informações competitivas, terá o objetivo de prestar um serviço, hoje indisponível às PME.s, de informação de mercado que é de fácil obtenção para as grandes empresas, mas caro e raro para as pequenas. Assim, deverá ser um fator de integração, pois muitas atividades poderão ser viabilizadas de forma cooperativa. As informações poderão ser disponibilizadas via internet na forma de boletins, relatórios, dossiês. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de Informação e comunicação ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Consultoria especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, UnB, GDF, Empresários, Parceiros Nacionais. DATA DE INÍCIO: Março de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro 2009 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, UnB, GDF 40% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 Total R$ ,00

21 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Promover feira internacional DESCRIÇÃO: Realizar em Brasília duas feiras internacionais de mostra de produtos e serviços, contemplando eventos paralelos como, rodadas de negócios, cursos, treinamentos e demonstrações de produtos. A feira deverá acontecer no centro de convenções, com padrão de conforto internacional e serviço de tradução. O evento deverá ser divulgado nacional e internacionalmente (países do Mercosul, toda a América Latina e Caribe). Envolver profundamente as embaixadas e seus adidos culturais e comerciais. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor / Sebrae/DF ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Sebrae/DF, Senai/DF, Senac Fecomércio, BRB, BB, GDF, Universidades, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Maio de 2009 DATA DE TÉRMINO: Maio de 2011 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual /Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais: Fibra, Sebrae/DF, Senai/DF, Senac Fecomércio, BRB, BB, GDF, Universidades 50% - R$ ,00 Federais GTP/APL 40% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

22 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Criar uma central de negócios DESCRIÇÃO: A Central de negócios tem como objetivo viabilizar negócios para as empresas que, de forma isolada, não tem condições de se habilitar devido ao seu tamanho, escala de produção, capital, etc. Na central de negócios é possível viabilizar compras cooperativas e desenvolvimento de projetos em parceria. A produção passaria a uma escala maior e os custos se reduziriam. O produto final teria uma marca comum, que seria registrada em nome de um consórcio ou de uma sociedade. A coordenação deverá ser uma função dos sindicatos, Sinfor e Sindesei, e a Manutenção deverá ser de responsabilidade dos empresários com auxílio dos parceiros. COORDENAÇÃO DA AÇÃO: Sinfor/ Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Gestão profissional a ser contratada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BRB, BB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Novembro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual /Valor Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BRB, BB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

23 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Participar de feiras nacionais e internacionais como expositor. DESCRIÇÃO: Marcar presença, realizar contatos e contratos comerciais em feiras nacionais e internacionais, utilizando-se como base de apoio e estrutura.stands. para apresentação de produtos, local para reuniões, possibilidades de apresentações multi-mídias. As feiras nacionais têm um caráter de ganhar market share no mercado interno, as internacionais, de divulgar o nome e os produtos do DF com foco institucional e de mercado. A participação em feiras deve ser precedida de um trabalho muito cuidadoso de marketing antes do acontecimento do evento. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de tecnologia e mercado ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa especializada em eventos, Sinfor, Sindsei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual /Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais: Fibra, Fecomercio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

24 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Prospecção de mercado DESCRIÇÃO: Levantamento de mercados potenciais ou que têm espaço para a introdução dos produtos e serviços do DF. Este trabalho deve ser realizado observando as características dos nossos produtos e serviços e a deficiência dos produtos dos concorrentes e/ ou os espaços não atendidos devidamente. A prospecção deve informar o tamanho do mercado, os concorrentes existentes, seus pontos fracos, vantagens comparativas, qual a fatia de mercado promissor, quais canais de vendas e um esboço preliminar das estratégias a serem adotadas. Normalmente a prospecção é feita para mercados internacionais. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de marketing e de tecnologia ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor/ Sindsei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, BRB, BB, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Outubro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, BB,BRB, 30%- R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

25 PROMOÇÃO DE MERCADO INTERNO / EXTERNO TÍTULO: Implantar e operacionalizar um núcleo de localização de software DESCRIÇÃO: As pequenas empresas têm dificuldades, muitas vezes, de fácil solução, outras, de Solução mais complexa e que demanda recursos, na maioria das vezes, não disponíveis. Um núcleo de localização de software (NLSW) é uma oportunidade para as pequenas empresas que desejam atingir mercados externos. As empresas que têm condições e competência para o desenvolvimento de SW, poderá se habilitar a outros mercados utilizando o NLSW a custos razoáveis, aumentando a competitividade e sustentabilidade de sua empresa. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo Temático de Tecnologia e Inovação ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa de Consultoria Especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2008 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual /Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

26 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA TÍTULO: Programa de sensibilização e informação sobre o mercado externo e procedimentos de exportação. DESCRIÇÃO: Este programa visa capacitar exportadores. O objetivo é desenvolver o interesse quanto Às exportações, informar sobre a realidade e características dos mercados internacionais, procedimentos de vendas, abordagens de clientes, detalhes de competências pessoais, características de produtos e serviços. O programa deverá ser desenvolvido pelos grupos temáticos de marketing e econômico financeiro em conjunto com consultoria especializada. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupos temáticos : Marketing e Econômico financeiro ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa de consultoria a ser contratada e grupos temáticos. ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, UNB, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Outubro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / R$ Valores Locais Empresários 20% - R$ ,00 Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, UNB 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

27 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA TÍTULO: Implantar e certificar sistemas de qualidade DESCRIÇÃO: A ação de certificação é essencial para assegurar o processo de inovação e melhoria Dos produtos, processos, sistemas, serviços e profissionais de TIC. É uma ferramenta para aumento da competitividade. A certificação tem, ainda, a vantagem de habilitar empresas, profissionais e produtos ao mercado global de forma a abrir novos mercados. Desenvolver programas de treinamento, capacitação, consultoria e certificação nas normas, MPS-Br, PMP, ITIL, COBIT, etc, até o final de COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de tecnologia e capacitação ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor e Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, BB, Sebrae/DF, BRB DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, BB, Sebrae/DF, BRB 20% - R$ ,00 Federais GTP/APL 70% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

28 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA TÍTULO: Estabelecer programas específicos com instituições competentes Para formação e capacitação técnica em TIC conforme perfis técnicos demandados pelo mercado. DESCRIÇÃO: Identificar instituições de formação profissional, levantar as necessidades demandadas Pelo mercado quanto a perfis e quantidade. Determinar programas de cursos com cargas horárias, prérequisitos, tipo de certificação etc. Definir contratos de prestação de serviços, com metas definidas. Estabelecer as metodologias a serem utilizadas durante o programa. Divulgar o programa às empresas. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de capacitação e tecnologia ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor, Sindsei, Senai, Senac ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual /Valores Locais Empresários 10%- R$ ,00 Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF 30% R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

29 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA TÍTULO: Capacitação gerencial DESCRIÇÃO: As habilidades, conhecimentos e técnicas adquiridas em um programa de capacitação Gerencial dirigido a empresários do setor de TIC fará uma grande diferença na condução dos projetos propostos no PDP, assim como na gestão de suas empresas, contribuindo para a melhoria da competitividade e da sustentabilidade do negócio. Desta forma, será desenvolvido um programa de capacitação em gestão, seja em negócios, em tecnologia, em mercados, etc. de forma a dar coerência ao programa proposto e aos níveis de desenvolvimento que se pretende para o APL de TIC. Pretende se capacitar 80 gestores no período de três anos. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo Gestor ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa especializada em treinamentos e Capacitação. ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

30 CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA TÍTULO: Desenvolver programa de intercâmbio com Instituições, empresas e centros de tecnologias estrangeiros, promovendo a ida de técnicos do DF ao exterior e a vinda de estagiários ao DF. DESCRIÇÃO: Selecionar instituições de reconhecida competência e empresas de classe mundial que Se comprometam a firmar um programa de intercâmbio tecnológico, para que em cinco anos se possa enviar 50 técnicos ao exterior e receber 50 estagiários no DF. Permanência máxima de 1 ano. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático de tecnologia e capacitação ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor / Sindsei/ Aiesec ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, Aiesec Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Agosto de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 15% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, Aiesec 25%- R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

31 VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL TÍTULO: Desenvolver um programa de marketing institucional DESCRIÇÃO: Elaborar um plano de marketing que contemple o desenvolvimento do mercado local, no aspecto da divulgação institucional dos produtos e serviços do DF, identificando qualidades, competências, resultados alcançados e pontos fortes. O alcance deverá ser nacional e dirigido às empresas privadas e governo. Deverá ser desenvolvida uma versão visando o mercado externo em Inglês, espanhol, chinês e árabe. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo gestor ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Consultoria especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra; Fecomércio; Sebrae/DF; Parceiros nacionais. DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Janeiro de 2009 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, GDF 20% - R$ ,00 Federais GTP/APL 70% - R$ ,00 TOTAL - R$ ,00

32 VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL TÍTULO: Implantar um Show Room permanente. DESCRIÇÃO: Implantar em uma área de alta circulação de pessoas e de fácil acesso. Um show Room permanente dos produtos do APL de TIC do DF como forma de divulgação, atração de negócios, divulgação da indústria de TIC do DF e sua diversidade. O objetivo é mostrar a capacidade de realização e de abastecimento do mercado do DF, divulgar eventos, atividades, formar parcerias com escolas e empresas, promover inclusão digital, etc. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor e Sidesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Grupos Temáticos em Tecnologia, Mercado e Imagem ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomercio, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Dezembro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sebrae/DF, Fibra, Fecomercio, BB,BRB,GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

33 VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL TÍTULO: Desenvolver Programa permanente de associativismo e cooperação DESCRIÇÃO: Desenvolver uma metodologia de trabalho para disseminar a cultura do associativismo e Ampliar o processo de cooperação. Esta ação deverá se tornar uma bandeira do APL. As atividades deverão ser desenvolvidas em todas as ações e veículos do APL. A mensagem deve ser sempre lembrada e destacada nos pronunciamentos e nos documentos. Espera-se que esta ação venha mudar, a longo prazo, o conceito e a atitude de muitos empresários que hoje não participam das atividades do segmento e principalmente do APL. É uma forma de integração e fortalecimento do arranjo. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo temático em Mercado e Imagem ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor/Sindsei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2009 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 20% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

34 VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL TÍTULO: Implantação de Gerência Executiva para o PDP DESCRIÇÃO: O Plano de Desenvolvimento Preliminar, dada a sua importância e grau de interferência nos processos de interação do APL, complexidade dos projetos propostos, volume de recursos solicitados e resultados esperados, terá que contar com uma gestão muito competente e atuante. A gestão do PDP durante os cinco anos de sua vigência terá que ser feita em tempo integral, exigindo total dedicação. Isso requer tempo, certamente, não disponível para os empresários. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo Gestor ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Escritório de Projetos e Gestão ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros/ Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

35 VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL TÍTULO: Estudo de viabilidade técnica e econômica para micro e pequenas empresas se instalarem no PCD. DESCRIÇÃO: É inegável a importância para o Distrito Federal e para o setor de TI do Parque Capital Digital. Os avanços e as oportunidades que a sua implantação poderá gerar são fundamentais para o setor. Para ter dados mais concretos dos benefícios da implantação de uma empresa do APL de TIC no PCD será preciso desenvolver um estudo que avalie a viabilidade técnica desta ação.. Desta forma, quando o PCD aceitar as propostas para instalação de empresas, o APL já terá uma posição definida e segura para as empresas que se interessarem. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupo Gestor ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa de consultoria especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Janeiro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2008 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF 30% R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

36 INOVAÇÃO E TECNOLOGIA TÍTULO: Promover seminários nacionais e internacionais DESCRIÇÃO: A promoção de eventos e seminários técnicos e de mercado (nacionais e internacionais) é Uma forma de demonstrar ao segmento de TIC do DF a preocupação com a atualização com vistas à Competitividade local e internacional e a possibilidade de comparação com outros centros. Deverão ser promovidos eventos como: seminários técnicos, palestras de especialistas, workshops, encontros, etc. Pelo menos 10 eventos até Necessariamente, deverá estar presente em cada um destes eventos, pelo menos uma expressão internacional ou nacional de sabida expertise no campo de TIC. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor / Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor / Sindsei / Empresa de Eventos ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Sebrae/DF, Fecomércio, BB/DF, BRB, GDF Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Março de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Sebrae/DF, Fecomércio, BB/DF, BRB, GDF 40%- R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

37 INOVAÇÃO E TECNOLOGIA TITULO: Desenvolver programa para formação de mestres e doutores em TIC no DF DESCRIÇÃO: O Brasil está em desvantagem em relação à Índia no se refere ao número de mestres e Doutores em TIC. A Índia forma profissionais em engenharia por ano e têm a maior concentração de mestres e doutores do mundo. Enquanto que o Brasil têm15 mil profissionais em TI por ano nas mais diversas configurações. Ter profissionais competentes transmite credibilidade e transforma.posições de marketing. Em realidades palpáveis. A capacitação de alto nível aumenta a competitividade. Estabelecer um programa com as principais entidades de ensino superior, competentes para formar mestres e doutores em TIC, com base nas necessidades atuais e futuras do setor. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupos temáticos de tecnologia e capacitação ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor e Sindsei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Universidades DATA DE INÍCIO: Março de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomercio, Sebrae/DF, BB, BRB, GDF, Universidades 20% - R$ ,00 Federais GTP/APL 70% - R$ ,00 TOTAL R$ 1.000,000,00

38 TRANSVERSALIDADE TÍTULO: Avaliar a atualidade e / ou obsolescência dos produtos e serviços de TIC oferecidos pelas empresas do DF DESCRIÇÃO: Realizar um diagnóstico segmentado para as áreas de serviços e produtos, de forma a Avaliar qual é o nível atual de competitividade da indústria de TIC do DF, frente à concorrência atual, aos novos entrantes e a possibilidade de abrir novos mercados. Definição das estratégias para atualização. Esta pesquisa deverá focar, principalmente, as pequenas empresas que são as que mais necessitam de orientação para sobreviver. O relatório da pesquisa deverá orientar estratégias e ações no sentido de implementar um programa de atualização tecnológica e inovação. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor/ Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Empresa especializada em pesquisa ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sistema Fibra, Sistema Fecomércio, GDF, BB, BRB, Sebrae/DF, Parceiros Federais e Locais DATA DE INÍCIO: Março / 2008 DATA DE TÉRMINO: Junho/ 2008 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sistema Fibra, Sistema Fecomércio, GDF, BB, BRB, Sebrae/DF 20% - R$ ,00 Federais GTP/APL 70% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

39 TRANSVERSALIDADE TÍTULO: Implantar um centro de tecnologia em TIC no DF DESCRIÇÃO: Desenvolver estruturas de apoio e desenvolvimento de forma a dar às PME.s o suporte necessário e suficiente para que elas não desapareçam do mercado e possam subsistir e tornarem-se competitivas. A implantação do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Tecnologia da Informação e Telecomunicações, deverá ser uma unidade de alta competência com capacidade para desenvolver, pesquisar, testar, certificar e capacitar. Produtos, sistemas, pessoas, etc. voltados, não só, mas principalmente, às pequenas e médias empresas, que não têm, atualmente, apoio formal, estruturado e eficaz. Estas ações poderão ser desenvolvidas em parceria com universidades, Senai, empresas multinacionais fornecedoras, etc. COORDENADOR DA AÇÃO: Comitê Temático de Tecnologia ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Contratar empresa especializada ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Fibra, Fecomércio, Banco Do Brasil, GDF, Universidades. DATA DE INÍCIO: Agosto de 2008 DATA DE TÉRMINO:Setembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Fibra, Fecomércio, Banco Do Brasil, GDF, Universidades 40% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

40 TRANSVERSALIDADE TÍTULO: Desenvolver programa de benchmarking, nacional e internacional DESCRIÇÃO: Atividade que deve ser mantida como permanente. Deverá ser definido um grupo, que poderá ser composto por alguns dos integrantes dos grupos temáticos de tecnologia e de mercado. Este grupo deverá atuar com uma visão prospectiva do que acontece no segmento de TIC, no Brasil e no mundo. Deverão ser programadas visitas à empresas, feiras, congressos, avaliar novas tecnologias, tendências, outros arranjos produtivos em TIC (técnica e gestão). O objetivo é manter a competitividade e a atualidade dos produtos e serviços do DF. Deverá ser desenvolvida uma metodologia de divulgação e internalização de novas tecnologias e/ ou processos. COORDENADOR DA AÇÃO: Sinfor/ Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Grupos Temáticos de Tecnologia e Mercados ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sistema Fibra, Sistema Fecomércio, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Outubro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2010 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sistema Fibra, Sistema Fecomércio, BB, BRB, GDF. 40% - R$ ,00 Federais GTP/APL 50% - R$ ,00 TOTAL R$ ,00

41 TRANSVERSALIDADE TÍTULO: Coaching Empresarial DESCRIÇÃO: Acompanhamento e avaliação das atitudes/ comportamentos (ações, implantação e Execução do planejamento). Trata-se de um programa de apoio aos pequenos empresários e tem a finalidade de orientar na implantação de programas de melhoria propostos pelo grupo gestor do APL. O objetivo é assegurar que as ações e estratégias serão implementadas de acordo com os resultados planejados e pretendidos. Um grupo deverá acompanhar as empresas do APL onde o programa está sendo implantado para avaliar se os resultados estão sendo atingidos, quais os obstáculos encontrados e qual o caminho adequado a ser seguido para que os objetivos propostos sejam atendidos. COORDENADOR DA AÇÃO: Grupos temáticos de tecnologia, capacitação e mercado ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Sinfor/ Sindesei ENTIDADE RESPONSÁVEL PELA VIABILIZAÇÃO FINANCEIRA: Sebrae/DF, Fibra, Fecomércio, BB, BRB, GDF, Parceiros Federais e Locais. DATA DE INÍCIO: Outubro de 2008 DATA DE TÉRMINO: Dezembro de 2012 TOTAL DE RECURSOS FINANCEIROS OU ECONÔMICOS: R$ ,00 Parceiros / Percentual / Valores Locais Empresários 10% - R$ ,00 Estaduais Sebrae, Fibra, Fecomercio, BB, BRB, GDF 30% - R$ ,00 Federais GTP/APL 60% - R$ ,00 TOTAL ,00

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação Título da apresentação DEFINIÇÃO: É um sistema de resolução de problemas técnico-gerenciais e tecnológicos que visa incrementar a competitividade e promover a cultura exportadora empresarial e estrutural

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Secretaria de Estado para o Desenvolvimento da Ciência

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Plano de Desenvolvimento integrado do arranjo produtivo local da madeira de Porto União da Vitória

Plano de Desenvolvimento integrado do arranjo produtivo local da madeira de Porto União da Vitória Plano de Desenvolvimento integrado do arranjo produtivo local da madeira de Porto União da Vitória ETAPAS DE EXECUÇÃO Validação do Plano de Desenvolvimento pelo Comitê Gestor do APL e empresas participantes

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

IEL no Brasil. Integrante do Sistema Indústria. Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão

IEL no Brasil. Integrante do Sistema Indústria. Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão IEL no Brasil Integrante do Sistema Indústria Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão O diálogo constante com o setor produtivo faz do IEL uma das instituições mais atuantes no aperfeiçoamento

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM Coordenador: Visão: Que a indústria de Santa seja reconhecida pela utilização de processos ambientalmente sustentáveis e alcance 1,5% de participação no VAB Industrial do Estado Objetivo 1. Universalizar

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece 38 Fórum de QPC Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece Perspectivas 2007 PGQB Programa de Capacitação Prêmio Realce Seminário de Excelência na Saúde Comitês Temáticos Projeto

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA. 06 de junho 2013

TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA. 06 de junho 2013 TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA 06 de junho 2013 O TRINO POLO A estruturação do Trino Polo iniciou em meados de 2002. É uma iniciativa que visa desenvolver o setor de informática

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO 1 PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO Proposta: 004/2013 Interessado: Fundação Hospitalar e Maternidade São Camilo Datada Emissão: 16/09/2013 Unidade Instituto Solidário:

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Objetivo do Núcleo O - Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas - tem como objetivo a melhoria contínua da qualidade

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Aurélio Molina Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Outubro de 2009 Século XIX quando a terra era grande... Século XXI... Hoje a terra é pequena... Criar um ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Incubadora 7. INCUBADORA 7.1 INCUBEM: desenvolvendo empresas de sucesso A Incubadora de Empresas do Sudoeste Baiano INCUBEM é uma instituição que tem por

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA

Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA Programa Ciência Sem Fronteiras (PCsF) para a indústria INDÚSTRIA BRASILEIRA MEI-Mobilização Empresarial pela Inovação PRINCIPAIS DIRETRIZES Enfatizar a formação de recursos humanos qualificados Apoiar

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores

Ministério das Relações Exteriores Programa de Promoção das Exportações para o Sistema das Nações Unidas PPE-ONU/MRE Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial Divisão de Informação Comercial Departamento de Promoção

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais