ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC"

Transcrição

1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC

2 Sumário TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DOS PRINCÍPIOS, DOS OBJETIVOS E DAS FINALIDADES 4 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS ORGANIZACIONAIS 5 CAPÍTULO III - DOS OBJETIVOS 6 TÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO 6 CAPÍTULO I - DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR 6 Seção I - Do Conselho Superior Universitário 7 Seção II - Do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão 9 Seção III - Da CPA Comissão Própria de Avaliação 11 Seção IV - Da Reitoria e das Pró-Reitorias 12 CAPÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA 17 Seção I - Da Coordenação dos Cursos 17 Seção II - Dos Campi 17 TÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA 18 CAPÍTULO I - DOS CURSOS 18 CAPÍTULO II - DA PESQUISA 19 CAPÍTULO III - DA EXTENSÃO 19 TÍTULO IV - DO REGIME ESCOLAR E DIDÁTICO 19 CAPÍTULO I - DO CALENDÁRIO ESCOLAR 19 CAPÍTULO II - DA MATRÍCULA, APROVEITAMENTO DE DISCIPLINAS, TRANCAMENTO, CANCELAMENTO E TRANSFERÊNCIAS 19 TÍTULO V - DA COMUNIDADE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO 20 CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO 20 Seção I Do Corpo Docente 20 2

3 Seção II - Do Corpo Discente e da Representação Estudantil 21 Seção III - Do Corpo Técnico-Administrativo 21 TÍTULO VI - DA MANTENEDORA 21 TÍTULO VII - DA OUVIDORIA 22 TÍTULO VIII - DO PATRIMÔNIO, SUA UTILIZAÇÃO E DO REGIME FINANCEIRO 22 TÍTULO IX - DOS GRAUS, DIPLOMAS, CERTIFICADOS E TÍTULOS HONORÍFICOS 23 TÍTULO X - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 23 3

4 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ ESTÁCIO FIC TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DOS PRINCÍPIOS, DOS OBJETIVOS E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 o. O Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC é uma instituição privada de educação superior, com limite territorial de atuação circunscrito ao município de Fortaleza, estado do Ceará, mantida pela Sociedade de Ensino Superior do Ceará LTDA que é uma sociedade empresária do tipo sociedade limitada, com sede e foro no município de Fortaleza, estado do Ceará, com seus atos constitutivos no Contrato Social registrado na Junta Comercial do Estado do Ceará, sob o n , de 8 de novembro de Art. 2 o. O Centro goza de autonomia administrativa, financeira, didático-científica e disciplinar, na forma da Legislação Federal, deste Estatuto, do Regimento e, no que couber, dos ordenamentos da Mantenedora. 1 o A autonomia administrativa compreende a competência para: I - elaborar e reformular o presente Estatuto e o Regimento do Centro Universitário, para apreciação pela Mantenedora, no que for de sua competência que encaminhará o Estatuto ao órgão competente do Sistema Federal de Educação para a aprovação; II - aprovar a regulamentação de seus órgãos e serviços; III - dispor sobre o pessoal docente e técnico-administrativo, quanto ao provimento, estabelecendo direitos e deveres com vistas ao desempenho das suas funções e competências; e IV - fixar e definir os objetivos da administração, acompanhar as avaliações de desenvolvimento dos seus serviços e assegurar a manutenção dos bens e do patrimônio. 2 o A autonomia financeira compreende a competência para: I - administrar o patrimônio da Mantenedora colocado a seu serviço e dele dispor nos limites por ela fixados; II - aceitar subvenções, doações e legados, bem como buscar cooperação financeira mediante convênios com entidades nacionais e estrangeiras, públicas e privadas, de acordo com a legislação vigente, ouvida a Mantenedora; e III - elaborar e executar o orçamento anual, submetendo-o à aprovação da Mantenedora. 3 o A autonomia didático-científica compreende a competência para: 4

5 I - estabelecer sua política de ensino, pesquisa e extensão; II - criar, organizar, modificar e extinguir cursos, segundo as exigências da realidade socioeconômica, obedecendo a legislação em vigor; III - organizar, reformular e aprovar os currículos de seus cursos; IV - estabelecer o seu regime escolar e didático; e V - fixar critérios para seleção, admissão, promoção e habilitação dos alunos. 4 o A autonomia disciplinar compreende a competência para: I - estabelecer normas disciplinares visando o relacionamento solidário da comunidade acadêmica; e II - fixar o regime de sanções disciplinares e aplicá-las. Art. 3 o. Além do presente Estatuto, que engloba as definições e formulações básicas, a organização e o funcionamento do Centro Universitário Estácio do Ceará reger-se-ão pelas disposições constantes dos seguintes documentos legais: I - o regimento, que regulará, a partir do Estatuto, todos os aspectos gerais inerentes ao Centro Universitário; e II - os regimentos específicos de cada setor. CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS ORGANIZACIONAIS Art. 4º. São princípios da organização do Centro Universitário: I - a preservação da liberdade de pensamento, de ensino, da pesquisa e da divulgação da cultura e da arte, com ênfase aos direitos fundamentais do homem; II - o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; III - a garantia do padrão de qualidade e valorização do profissional da educação; IV - a unidade de patrimônio e administração; V a estrutura orgânica com base em cursos, vinculados à administração superior; VI - a unidade das funções de ensino, pesquisa e extensão, vedada a duplicação de meios para fins idênticos ou equivalentes; 5

6 VII - a racionalização de organização com plena utilização dos recursos materiais e humanos; VIII - a universalidade de campo, pelo cultivo das áreas fundamentais do conhecimento humano, estudados em si mesmos ou em razão de ulteriores aplicações a uma ou mais áreas técnico-profissionais; e IX - a flexibilidade de métodos e critérios, com vistas ao melhor aproveitamento das diferenças individuais dos alunos, das peculiaridades locais e regionais e das possibilidades de combinações de conhecimento para novos cursos e programas de pesquisa. CAPÍTULO III - DOS OBJETIVOS Art. 5º. Com o propósito de preservar, elaborar, desenvolver e transmitir o saber em suas várias formas de conhecimento puro e aplicado, o Centro se propõe a: I - ministrar o ensino para formação de quadros destinados às atividades técnico-profissionais e aos trabalhos da cultura, nos diferentes campos do conhecimento; II - realizar pesquisas e estimular criações que enriqueçam o acervo de conhecimentos e técnicas nos setores abrangidos; e III - estender à comunidade o exercício das funções de ensino de pesquisa e de extensão. Parágrafo único. Para alcançar esses objetivos, o Centro Universitário Estácio do Ceará desenvolverá esforços no sentido de: I - participar do processo de desenvolvimento do País, promovendo a educação, a ciência e a cultura, mediante a formação, em nível de excelência, de profissionais nos diferentes campos do conhecimento, do aperfeiçoamento e da especialização de professores e pesquisadores; II - fomentar a regionalização de sua atuação, através do oferecimento de atividades em áreas de ensino e pesquisa, no Estado do Ceará, com o objetivo de assegurar melhor integração do homem na sociedade em que vive, proporcionando-lhe o instrumento adequado para entender e participar da resolução de seus problemas, de acordo com as exigências do meio socioeconômico; e III - oferecer à comunidade alternativas de formação permanente e contínua, com apoio em cursos de informação científica, tecnológica, cultural e artística, na elaboração de projetos de alcance social e na prestação de serviços. TÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I - DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR 6

7 Art. 6º. O Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC, para os efeitos de sua administração, conta com órgãos normativos, consultivos, deliberativos, executivos e suplementares. 1º. São Órgãos Normativos, Consultivos e Deliberativos do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC: I - Conselho Superior Universitário; II - Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; III - Colegiados de Curso. 2º. São Órgãos Executivos do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC: I - Reitoria; e II - Pró-Reitorias. Seção I - Do Conselho Superior Universitário Art. 7º. O Conselho Superior Universitário CONSUNI, órgão máximo de natureza normativa, consultiva, deliberativa do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC é constituído por: I Reitor, seu Presidente; II Pró-Reitor de Graduação; III Pró-Reitor de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão; IV Pró-Reitor de Administração e Finanças; V 3 (três) representantes do Corpo Docente de Graduação, bacharelado, licenciatura e tecnológico, escolhidos por seus pares em listas tríplices, designados pelo Pró-Reitor de Graduação; VI 1 (um) representante do Corpo Docente de Pós-graduação, escolhido por seus pares em lista tríplice, pelo Pró-Reitor de Pós-graduação e Pesquisa; VII 1 (um) representante da Mantenedora, escolhido pela mesma; VIII 1 (um) representante do Corpo Técnico-Administrativo, escolhido pelo Reitor; 7

8 IX 3 (três) representantes Discente (bacharelado, Licenciatura e Tecnológico) indicados pelo Diretório Acadêmico dos Estudantes em lista tríplice, designados pelo Pró-Reitor de Graduação; e X 1 (um) representante da Comunidade, escolhido pelo Reitor. 1º. O Conselho Superior Universitário reúne-se ordinariamente, 1 (uma) vez por semestre, e extraordinariamente quando convocado pelo Reitor, por iniciativa própria ou a requerimento de 1/3 (um terço) dos membros que o constituem. Art. 8º. Ao Conselho Superior Universitário compete: I Zelar pelo alcance dos objetivos institucionais do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC, aprovando as diretrizes e as políticas da Instituição, estabelecidas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, bem como supervisionar suas execuções; II Exercer, no âmbito da Instituição, como órgão consultivo e deliberativo, a jurisdição superior do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC; III Propor, para referendo da Mantenedora, a política de recursos humanos do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC, através de um Plano de Carreiras e Salários, no âmbito de sua competência; IV Autorizar o plano de desenvolvimento e expansão da Instituição e propor diretrizes para o planejamento geral da Instituição; V Aprovar os demais ordenamentos institucionais internos do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC; VI Sancionar, para referendo da Mantenedora, a proposta orçamentária do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC, bem como suas alterações e a respectiva prestação de contas; VII Criar, modificar ou extinguir Pró-Reitorias, Diretorias, Programas ou Órgãos Suplementares; VIII Apreciar, para referendo da Mantenedora, propostas de criação, incorporação, suspensão e desativação de Cursos ou Habilitações de Graduação e Pós-graduação, oriundas do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, para encaminhamento à apreciação e autorização do Poder Público; IX Analisar propostas de fixação do número de vagas iniciais de cursos novos e de alteração do número de vagas oriundas do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, para vigência após aprovação dos Órgãos Competentes; 8

9 X Examinar e aprovar o planejamento anual de atividades do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC e seu respectivo relatório encaminhado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; XI Avaliar o Estatuto, com seus respectivos anexos e suas alterações, submetendo-os aos órgãos competentes, para aprovação; XII Habilitar acordos, contratos ou convênios com instituições públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras, submetendo-os à Mantenedora; XIII Exercitar o poder disciplinar, originariamente ou em grau de recurso; XIV Deliberar, como instância superior, sobre recursos interpostos de decisões dos demais órgãos do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC; XV Referendar, no âmbito de sua competência, os atos da Reitoria, praticados na forma ad referendum; XVI Considerar as recomendações da Comissão Própria de Avaliação CPA para o desenvolvimento de políticas e diretrizes institucionais, proporcionando a articulação com os órgãos e colegiados; XVII Outorgar títulos honoríficos ou de benemerência; e XVIII Desempenhar outras competências a ele atribuídas pela Lei, por este Estatuto e pelo Regimento Interno. Seção II - Do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Art. 9º. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, órgão de natureza normativa, consultiva e deliberativa, destinado a orientar, coordenar e supervisionar as atividades de ensino, pesquisa e extensão do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC, é constituído por: I Reitor, seu Presidente; II Pró-Reitor de Graduação; III Pró-Reitor de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão; IV Pró-Reitor de Administração e Finanças; V 1 (um) Coordenador de Graduação Bacharelado/Licenciatura, designado pelo Reitor; VI 1 (um) Coordenador de Graduação Tecnológica, designado pelo Reitor; 9

10 VII 1 (um) Coordenador de Pós-graduação, designado pelo Reitor; VIII 3 (três) representantes do Corpo Docente, um da Graduação Bacharelado, um da Graduação Tecnológica e outro da Pós-graduação, indicados por seus pares em listas tríplices, designados pelo Reitor, com mandato de 1 (um) ano; IX 1 (um) representante do Corpo Técnico-Administrativo, escolhido pelo Reitor; X 3 (três) representantes do Corpo Discente indicados por seus pares em listas tríplices, designados pelo Reitor, um de Curso de Graduação Bacharelado, um do Curso de graduação Tecnológico e um de Curso de Pós-graduação, com mandato de 1 (um) ano; XI 1 (um) representante da Mantenedora, escolhido pela mesma; e XII 1 (um) representante da Comunidade, escolhido pelo Reitor. Parágrafo único. As nomeações de que tratam os incisos VI, VII, VIII, X e XIII terão os seus mandatos com duração de 2 (dois) anos, podendo ser renovados. Art. 10º. Ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão compete: I Estabelecer as diretrizes e as políticas de ensino, pesquisa e extensão, bem como os seus desdobramentos, inclusive para efeito orçamentário; II Acompanhar a execução da política educacional do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC propondo medidas que julgar necessárias ao seu aperfeiçoamento e desenvolvimento; III Apreciar e emitir parecer sobre as atividades acadêmicas de todos os setores de ensino, pesquisa e extensão da Instituição; IV Responder a consultas dos Colegiados de Curso relativas às questões de ensino, pesquisa e extensão; V Opinar sobre a participação do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC em programas que importem em cooperação com entidades nacionais ou estrangeiras; VI Deliberar, em primeira instância ou em grau de recurso, sobre representações relativas ao ensino, à pesquisa e à extensão; VII Sancionar medidas destinadas a solucionar questões de natureza técnica, pedagógica e didático-científica; 10

11 VIII Manifestar-se sobre a criação, alteração ou extinção de Órgãos Acadêmicos, Cursos, Órgãos Suplementares, Programas e Projetos ou sobre a suspensão do funcionamento destes; IX Dar parecer sobre proposta de criação, incorporação, suspensão e desativação de cursos e habilitações de graduação e pós-graduação, conforme previsto no Plano de Desenvolvimento Institucional, aprovado por órgãos competentes; X Fixar normas acadêmicas, complementares às deste Estatuto e do Regimento Interno, sobre processo seletivo de ingresso na Instituição, currículos e programas, matrículas, transferências internas e externas, aproveitamento de estudos, além de outras que se incluam no âmbito de sua competência, ouvidos os Colegiados de Curso, em matéria de sua respectiva competência; XI Definir critérios sobre a seleção e lotação do pessoal docente e as condições de afastamento para fins de estudo e cooperação técnica; XII Aprovar o Calendário Acadêmico Anual do Centro Universitário Estácio do Ceará ESTÁCIO FIC; XIII Avaliar o currículo pleno dos cursos de graduação, pós-graduação e os projetos de criação de curso de extensão e respectivas vagas iniciais, bem como a alteração do número de vagas dos existentes, para manifestação posterior do Conselho Superior Universitário e dos Órgãos Competentes; XIV Instituir normas que visem ao aperfeiçoamento dos processos de aferição do rendimento escolar; XV Determinar critérios para elaboração e aprovação de projetos de pesquisa e programas de extensão; XVI Referendar, no âmbito de sua competência, atos do Reitor, praticados na forma ad referendum deste Conselho; XVII Dar opinião sobre proposta de alteração deste Estatuto e do Regimento Interno; e XVIII Exercer as demais atribuições que, por sua natureza, lhe estejam afetas. Seção III - Da CPA Comissão Própria de Avaliação Art. 11. A CPA Comissão Própria de Avaliação é constituída por: I 1 (um) Coordenador; II 3 (três) Representantes da Sociedade Civil Organizada; 11

12 III 8 (oito) Representantes do Corpo Docente; IV 3 (três) Representantes do Corpo Discente; e VI 5 (cinco) Representantes do Corpo Técnico-Administrativo Art. 12.Compete a CPA Comissão Própria de Avaliação: I - Dar acompanhamento sistemático aos principais Projetos estabelecidos no Planejamento Estratégico do Centro Universitário Estácio do Ceará - ESTÁCIO FIC; II - Coordenar o processo de diagnóstico dos principais problemas enfrentados pela instituição (insumos para o Planejamento Estratégico); III - Coordenar e acompanhar o processo de avaliação externa da instituição; IV - Acompanhar a evolução do tema Avaliação do Ensino Superior junto aos órgãos competentes, no sentido de manter a instituição atualizada sobre esta discussão; e V Propor melhorias para a Instituição com base nas informações obtidas através das avaliações. Seção IV - Da Reitoria e das Pró-Reitorias Art. 13. A Reitoria, órgão executivo superior da Universidade é exercida pelo Reitor, de livre escolha e nomeação da Mantenedora, com mandato de 1 (um) ano, podendo ser reconduzido. Art. 14. A Reitoria é constituída pelo Reitor e 3 (três) Pró-Reitorias. Parágrafo único. Nas faltas ou nos impedimentos do Reitor, este será substituído por 1 (um) dos Pró-Reitores, especialmente por ele designado. Art. 15. As Pró-Reitorias são órgãos de assessoria do Reitor e seus titulares serão por ele designados e nomeados. Art. 16. São atribuições do Reitor: I representar a Universidade ou promover-lhe representação em juízo ou fora dele; II coordenar a definição das políticas e o planejamento da Universidade; III coordenar e supervisionar todas as atividades universitárias; IV convocar e presidir o Conselho Superior Universitário e o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; 12

13 V presidir os atos universitários; VI conferir graus e expedir diplomas e títulos honoríficos; VII assinar acordos, convênios e contratos; VIII coordenar a elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional e encaminhá-lo ao Conselho Universitário, nos prazos estabelecidos; IX autorizar transferências de dotações orçamentárias e a abertura de créditos adicionais, de acordo com as normas fixadas pelo Conselho Universitário; X instituir comissões especiais de caráter permanente ou temporário, para o estudo de problemas específicos; XI fixar a pauta das sessões dos Órgãos Colegiados Superiores, propondo ou encaminhando assuntos que devam ser por eles apreciados; XII aprovar, em casos excepcionais, decisões ad referendum dos órgãos Colegiados da Universidade; XIII baixar resoluções, portarias e provimentos decorrentes de decisões do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão ou do Conselho Universitário, que julgar necessárias; e XIV apresentar relatório de atividades ao Conselho Universitário, no início de cada ano. Art. 17. As Pró-Reitorias, exercidas pelos Pró-Reitores, de livre escolha e nomeação do Reitor subordinam-se à Reitoria, desenvolvendo atividades específicas e de suporte às ações da Universidade. 1 A estrutura das Pró-Reitorias serão reguladas no Regimento Geral e em Regulamento próprio. 2º Por iniciativa da Reitoria, ouvida a Mantenedora, poderão ser criados, suprimidos ou alterados as Pró-reitorias, submetidos os atos aos Colegiados Superiores. Art. 18. São 3 (três) as Pró-Reitorias: I Pró-Reitoria de Graduação; II Pró-Reitoria de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão; III Pró-Reitoria de Administração e Finanças. 13

14 Art. 19. A Pró-Reitoria de Graduação, órgão executivo que coordena e supervisiona as atividades acadêmicas docentes e discentes relativas aos cursos de Graduação, é exercida por 1 (um) Pró-Reitor com as seguintes atribuições: I coordenar e supervisionar as atividades acadêmicas; II elaborar e acompanhar a implantação do Plano de Capacitação Docente; III supervisionar os serviços da Coordenação de Professores; IV coordenar e supervisionar as atividades referentes ao planejamento, execução e controle do processo seletivo discente; V supervisionar a gestão da qualidade do ensino oferecido; VI supervisionar a adoção de ações regulatórias necessárias; VII propor a incorporação de novos métodos e critérios de avaliação; VIII propor medidas para incentivar o rendimento dos professores; IX sugerir seminários de atualização docente, internos e externos, com vistas à melhoria da capacitação dos professores; X supervisionar e integrar as atividades das Coordenações de áreas dos cursos; XI analisar a documentação referente à titulação docente, com vistas à autorização do aprimoramento acadêmico; XII supervisionar e acompanhar as atividades desenvolvidas pelas monitorias; XIII colaborar na elaboração do orçamento anual e acompanhar sua execução; XIV assinar Portarias, Normas e Atos, em sua esfera de competência; XV exercer o poder disciplinar em sua área de competência; XVI encaminhar, anualmente, ao Reitor, o relatório de atividades; e XVII desempenhar qualquer função que, por sua natureza, lhe seja afeta. Art. 20. A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, órgão executivo que coordena e supervisiona as atividades de Pós-Graduação, Pesquisa e de Extensão, é exercida por 1 (um) Pró-reitor com as seguintes atribuições: 14

15 I coordenar e supervisionar as atividades acadêmicas; II registrar a produção científica e humanística, incentivando a divulgação dos resultados das pesquisas; III elaborar e acompanhar a implantação do Plano de Capacitação Docente; IV supervisionar os serviços da Coordenação de Professores; V coordenar e supervisionar as atividades acadêmicas assim como a produtividade científica do corpo docente e as atividades de pesquisa; VI coordenar e supervisionar as atividades referentes ao planejamento, execução e controle do processo seletivo discente; VII supervisionar a gestão da qualidade do ensino oferecido; VIII supervisionar a adoção de ações regulatórias necessárias; IX propor a incorporação de novos métodos e critérios de avaliação; X propor medidas para incentivar o rendimento dos professores; XI sugerir seminários de atualização docente, internos e externos, com vistas à melhoria da capacitação dos professores; XII supervisionar e integrar as atividades das Coordenações de áreas dos cursos; XIII analisar a documentação referente à titulação docente, com vistas à autorização do aprimoramento acadêmico; XIV promover o intercâmbio com instituições científicas, tecnológicas, culturais e artísticas, públicas e privadas, nacionais e estrangeiras; XV fomentar o desenvolvimento de projetos que visem à captação de recursos junto às agências de financiamento das atividades de pós-graduação e de pesquisa; XVI propor e coordenar projetos de sustentabilidade; XVII registrar a produção cultural e artística e incentivar a divulgação dos resultados obtidos; XVIII incentivar as atividades estudantis no campo sociocultural; XIX promover atividades de exposições no âmbito de Universidade; 15

16 XX preservar a cultura na Universidade, mostrando sua importância no entendimento do contemporâneo e no pensar o futuro; XXI promover a integração dos corpos docente, discente e técnico-administrativo da Universidade; XXII propor novos projetos ao Reitor e a celebração de convênios à Mantenedora; XXIII colaborar na elaboração do orçamento anual e acompanhar sua execução; XXIV assinar Portarias, Normas e Atos, em sua esfera de competência; XXV exercer o poder disciplinar em sua área de competência; XXVI encaminhar, anualmente, à Reitoria, o relatório de atividades; e XXVII desempenhar qualquer função que, por sua natureza, lhe seja afeta. Art. 21. A Pró-Reitoria de Administração e Finanças, órgão executivo que superintende e coordena as atividades administrativas, operacionais e financeiras é exercida por 1 (um) Pró- Reitor com as seguintes atribuições: I coordenar e implementar as atividades de informatização da Universidade e do desenvolvimento e aprimoramento de seus sistemas de informação e comunicação; II manter e aperfeiçoar as atividades de controle de qualidade dos serviços, visando a certificação da qualidade; III desenvolver estudos de tendências e análises comparadas de desempenho administrativo; IV coordenar e implementar as atividades de expansão física da Universidade; V suprir as necessidades de material e de serviços indispensáveis ao funcionamento da Universidade; VI acompanhar, avaliar e propor a incorporação de inovações tecnológicas para a Universidade; VII criar mecanismos de apropriação e análise de custos e propor medidas de racionalização de dispêndios; VIII centralizar as informações referentes às necessidades de cada setor da Universidade, para viabilizar a execução administrativa; IX colaborar na elaboração do orçamento anual e acompanhar sua execução; 16

17 X assinar Portarias, Normas e Atos, em sua esfera de competência; XI exercer o poder disciplinar em sua área de competência; XII encaminhar, anualmente, à Reitoria, o relatório de atividades; e XIII desempenhar qualquer função que, por sua natureza, lhe seja afeta. CAPÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA Seção I - Da Coordenação dos Cursos Art. 22. A Coordenação dos Cursos de Graduação, órgão da administração Acadêmica, terá por função o planejamento, o acompanhamento, o controle e a avaliação das atividades de ensino do respectivo curso. Art. 23. As coordenações de cursos de graduação e de pós-graduação serão exercidas por um Coordenador designado pelo Reitor, homologado pela Mantenedora. Art. 24. O Regimento disciplinará os demais aspectos relativos às Coordenações dos Cursos. 1º. O Núcleo Docente Estruturante NDE constitui-se pelo grupo de docentes, com atribuições acadêmicas de acompanhamento, atuante no processo de concepção, consolidação e contínua atualização do projeto pedagógico do curso. 2º. O NDE se constitui por membros do corpo docente do curso, que exercem liderança acadêmica no âmbito do mesmo, percebida na produção de conhecimentos na área, no desenvolvimento do ensino, e em outras dimensões entendidas como importantes pela instituição, e que atuem sobre o desenvolvimento do curso. 3º. O NDE será regido por regulamento próprio. Sub-Seção I - Do Colegiado de Curso Art. 25. O Colegiado de Curso, órgão de natureza normativa, consultiva e deliberativa do ESTÁCIO FIC, tem sua composição e competências estabelecidos no Regimento. Art. 26. O Colegiado de Curso deverá se reunir trimestralmente, por convocação de seu Coordenador ou de 2/3 (dois terços) de seus membros. Seção II - Dos Campi Art. 27. O ESTÁCIO FIC poderá manter unidades de ensino, pesquisa e extensão reunidas em campi, em Fortaleza, de forma a atender sua vocação regional, conforme seu Estatuto. 17

18 TÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA CAPÍTULO I - DOS CURSOS Art. 28. O Centro Universitário ministrará as seguintes modalidades de cursos: I - graduação; II - pós-graduação; III - de extensão e outros; e IV - e em outras modalidades permitidas na legislação. Art. 29. Os cursos de graduação terão por finalidade habilitar o estudante para a obtenção de graus acadêmicos ou profissionais. Art. 30. Os cursos de graduação estarão abertos a candidatos que hajam concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido aprovados em processo seletivo classificatório de admissão ao Centro Universitário, nos limites das vagas oferecidas. Art. 31. Os cursos de pós-graduação stricto sensu conduzem aos graus de Mestre e Doutor. 1º. O Mestrado objetiva enriquecer a competência científica e profissional dos graduados, podendo constituir fase preliminar do Doutorado ou nível terminal. 2º. O Doutorado proporcionará ampla formação científica e cultural, desenvolvendo a capacidade de pesquisa e o poder criador nos diferentes ramos do saber. Art. 32. Os cursos de Pós-Graduação lato sensu destinam-se aos graduados de cursos superiores, tendo como objetivo, preparar especialistas em setores específicos de estudos, ou de atualizar conhecimentos e técnicas de trabalho. Art. 33. Os cursos de Extensão objetivam difundir e atualizar conhecimentos e técnicas de trabalho para elevar a eficiência e os padrões culturais da comunidade. Art. 34. O currículo de cada curso abrangerá uma sequência ordenada de disciplinas, hierarquizadas por meio de pré-requisitos, cuja integralização dará direito ao correspondente diploma ou certificado. Parágrafo único. O controle da integralização curricular será feito pelo sistema de créditos e pelo regime de matrícula por disciplina semestral, na forma prevista no Regimento. 18

19 Art. 35. Os currículos dos cursos correspondentes a profissões reguladas em lei serão estruturados com base nas diretrizes curriculares, aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação. Art. 36. Nos cursos de graduação, pós-graduação e de extensão, a avaliação do rendimento escolar será feita por disciplina abrangendo sempre os aspectos de assiduidade e eficiência nos estudos, ambos eliminatórios por si mesmos, nos termos da legislação em vigor. CAPÍTULO II - DA PESQUISA Art. 37. A pesquisa no ESTÁCIO FIC exercerá função específica, voltada para a busca de novos conhecimentos técnico-científicos, indispensáveis a uma correta formação de grau superior. Art. 38. Os projetos de pesquisa deverão basear-se nos dados da realidade local, regional e nacional, sem, contudo, perder de vista as generalizações, com contextos mais amplos, dos fatos descobertos e de suas interpretações. CAPÍTULO III - DA EXTENSÃO Art. 39. O Centro Universitário participará do desenvolvimento da comunidade através das atividades de extensão. Art. 40. A extensão poderá alcançar o âmbito de toda a coletividade ou dirigir-se a pessoas e Instituições públicas ou privadas, no cumprimento de planos específicos. TÍTULO IV - DO REGIME ESCOLAR E DIDÁTICO CAPÍTULO I - DO CALENDÁRIO ESCOLAR Art. 41. O ano letivo regular, independentemente do ano civil, abrange no mínimo 200 (duzentos) dias de trabalho acadêmico efetivo, distribuídos em 2 (dois) períodos letivos regulares, cada um com no mínimo 100 (cem) dias, não computados os dias reservados a exames finais. CAPÍTULO II - DA MATRÍCULA, APROVEITAMENTO DE DISCIPLINAS, TRANCAMENTO, CANCELAMENTO E TRANSFERÊNCIAS Art. 42. O processo seletivo abrangerá os conhecimentos comuns às diversas formas de ensino médio, sem ultrapassar este nível de complexidade. Art. 43. São admitidos à matrícula inicial os candidatos aprovados no processo seletivo classificatório, até o limite de vagas oferecidas em cada curso e obedecendo às normas contidas no Regimento. 19

20 Parágrafo único. O ingresso de candidatos portadores de diploma de Curso Superior ou transferidos de outras Instituições de Ensino pode ser efetuado desde que sejam observadas as normas vigentes e o limite de vagas de cada curso. Art. 44. Ao aluno é facultado o direito de requerer transferência para outra Instituição de Ensino Superior, desde que cumpridas às exigências previstas no Regimento e na legislação em vigor. Art. 45. O Centro Universitário receberá, através de requerimento dos interessados, transferências sempre condicionadas à existência de vagas nos termos da legislação em vigor. Art. 46. O trancamento de matrícula poderá ser feito pelo prazo de dois anos, renováveis por mais dois anos, respeitado o prazo de integralização do curso. Art. 47. O Centro Universitário adota o regime de crédito, devendo a apuração de o rendimento escolar ser feita por período letivo e por disciplina, considerando-se os aspectos acadêmicos de avaliação, assiduidade e eficiência nos estudos, que deverão ser regulados no Regimento. Parágrafo único. A título experimental o Centro Universitário Estácio do Ceará, poderá adotar outros sistemas acadêmicos e de avaliação, que serão regulados no Regimento. TÍTULO V - DA COMUNIDADE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 48. A Comunidade do Centro Universitário é composta pelos corpos docente, discente e técnico-administrativo. Seção I Do Corpo Docente Art. 49. O corpo docente é constituído de professores, devidamente qualificados, e assumem o compromisso de respeitar os princípios e valores explícitos neste Estatuto e no Regimento. Art. 50. Os membros do corpo docente serão selecionados e indicados pelo Conselho de Coordenação da respectiva área, e o resultado da seleção enviado à Pró-Reitoria respectiva, para análise e encaminhados à Mantenedora para admissão, nos termos da legislação trabalhista em vigor. Art. 51. As formas de ingresso, promoção e atribuições específicas de cada categoria do corpo docente e seu escalonamento são previstas no Plano de Carreira Docente e no Regimento. Art. 52. A admissão e a dispensa de docentes, obedecida à legislação trabalhista em vigor, será de competência da Mantenedora. 20

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS TÍTULO I DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E NATUREZA

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS TÍTULO I DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E NATUREZA ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS Aprovado pela Portaria MEC nº 3.304/05, de 23 de setembro de 2005 e publicado no D.O.U. nº 185, de 26/09/2005, seção 1, página 17. TÍTULO I DO CENTRO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) APROVADO PELO PARECER CES/CNE Nº 3/2005 Portaria MEC nº 769, de 09 de março de 2005 (DOU nº 47, 10/03/2005, seção 1. p15) BRASÍLIA, DF, NOVEMBRO,

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO (UNICENTRO BELAS ARTES) Junho de 2005 ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ÍNDICE TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ 2011 Brusque - SC SUMÁRIO TITULO I DA FACULDADE SÃO LUIZ E SEUS OBJETIVOS... Art.1 o Art.3º TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I Dos Órgãos... Art.4 o CAPÍTULO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) Aprovado pelo Parecer CNE/CES nº 195/2002. Portaria MEC 1767, de

Leia mais

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ESTATUTO. Centro Universitário Cândido Rondon/UNIRONDON Abril de 2013 SUMÁRIO TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO, SEUS OBJETIVOS E AUTONOMIA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO II - DOS OBJETIVOS CAPÍTULO III

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010)

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) 0 REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO TÍTULO I: DA INSTITUIÇÃO, DAS SUAS DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO São Paulo 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I - DA FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS... 4 TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL Consultoria Técnica Delta Teresinha Buchfink Sandra Elena Gehlen Inhoqui Brasília, 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS... 5 TÍTULO

Leia mais

Portaria MEC nº 925/2007 de 08 de novembro de 2007 Publicada no DOU 216, de 09 de novembro de 2007, seção 1, fl.9

Portaria MEC nº 925/2007 de 08 de novembro de 2007 Publicada no DOU 216, de 09 de novembro de 2007, seção 1, fl.9 ESTATUTO DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA - UNIb São Paulo (SP), 2006. Convalidado pela Resolução CONSUN nº 21 de 14/12/11 Portaria MEC nº 925/2007 de 08 de novembro de 2007 Publicada no DOU 216, de 09 de novembro

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA REGIMENTO Regimento SUMÁRIO TÍTULO I - TÍTULO I - DA FACULDADE E SEUS FINS...5 TÍTULO II - DA ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE...6 CAPÍTULO I - Da Congregação...6

Leia mais

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 Faculdade PIAGET REGIMENTO GERAL Título I Da Faculdade e Seus Fins Capítulo I Da Faculdade, Sede e Foro Artigo 1º. A Faculdade PIAGET, com limite territorial de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI

ESTATUTO. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Rodovia BR 470 - Km 71 - n o 1.040 Bairro Benedito Caixa Postal 191 89130-000 Indaial/SC Fone (47) 3281-9000 Fax (47) 3281-9090

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL Belém Pará 2013 SUMÁRIO TITULO I - DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA... 4 CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS E

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art. 1º - O Centro Universitário Fluminense (UNIFLU), credenciado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

REGIMENTO ESTÁCIO NATAL FACULDADE ESTÁCIO DE NATAL

REGIMENTO ESTÁCIO NATAL FACULDADE ESTÁCIO DE NATAL REGIMENTO ESTÁCIO NATAL FACULDADE ESTÁCIO DE NATAL Natal/RN Julho de 2011 1 S U M A R I O TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 CAPÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DAS FINALIDADES E OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO REGULAMENTO Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art.1º. O Mestrado Profissional em Biotecnologia e Gestão Vitivinícola

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

REGIMENTO FACULDADE CEPEP FORTALEZA CE

REGIMENTO FACULDADE CEPEP FORTALEZA CE REGIMENTO FACULDADE FORTALEZA CE Fevereiro/2013 SUMÁRIO TÍTULO I DA FACULDADE... 4 CAPÍTULO I Da Identificação... 4 CAPÍTULO II Das Finalidades e Objetivos... 4 TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DA ORDEM FINANCEIRA...

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Regimento Unificado das Faculdades de Tecnologia do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza

Regimento Unificado das Faculdades de Tecnologia do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza CONSELHO DELIBERATIVO Deliberação CEETEPS-7, de 15-12-2006 (Publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo Poder Executivo, de 19/12/2006, Seção I, páginas 37, 38 e 39) O Conselho Deliberativo do Centro

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

TÍTULO I DA UNIVERSIDADE

TÍTULO I DA UNIVERSIDADE TÍTULO I DA UNIVERSIDADE Art. 1º - A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC, fundação pública, criada pela Lei nº11.145 de 26 de julho de 2005, é uma instituição de ensino superior, extensão e pesquisa,

Leia mais

Regimento Unificado das Faculdades de Tecnologia do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza

Regimento Unificado das Faculdades de Tecnologia do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza CONSELHO DELIBERATIVO Deliberação Ceeteps-7, de 15-12-2006 (Publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo Poder Executivo, de 19/12/2006, Seção I, páginas 37, 38 e 39) O Conselho Deliberativo do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO (Aprovado pelo CONSU - Parecer n. 01/12, de 23 de março de 2012)

REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO (Aprovado pelo CONSU - Parecer n. 01/12, de 23 de março de 2012) REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO (Aprovado pelo CONSU - Parecer n. 01/12, de 23 de março de 2012) REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SUMÁRIO DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ESTATUTO SUMÁRIO DA INSTITUIÇÃO

ESTATUTO SUMÁRIO DA INSTITUIÇÃO SUMÁRIO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE E AUTONOMIA... 1 CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS... 1 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 1 TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO... 2 CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ACADÊMICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

Regimento Geral da UFJF

Regimento Geral da UFJF TÍTULO I Das Disposições Preliminares Regimento Geral da UFJF Art. 1º- O presente Regimento Geral disciplina as atividades comuns da Universidade nos campos do ensino, da pesquisa,da extensão e da administração.

Leia mais

REGIMENTO GERAL SUMÁRIO

REGIMENTO GERAL SUMÁRIO Regimento Geral SUMÁRIO TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 1 TÍTULO II - DA INSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO I - DA PERSONALIDADE E AUTONOMIA... 1 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS... 1 CAPÍTULO III - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG ESTATUTO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG ESTATUTO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG ESTATUTO CAPÍTULO I DA UNIVERSIDADE E SEUS FINS CAPÍTULO II DAS UNIDADES EDUCACIONAIS CAPÍTULO III DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII ÍNDICE TÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E OBJETIVOS 01 CAPÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO E SEDE 01 CAPÍTULO ll - DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS 01 TÍTULO ll - DA ORGANIZACÃO INSTITUCIONAL 02 CAPÍTULO

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA LTDA.

ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA LTDA. UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO UNIBAN Rua Maria Cândida, nº 1813 Vila Guilherme São Paulo/SP CEP 02710-13 (11) 2967-9000 ABC Campo Limpo Maria Cândida Marte Morumbi Osasco Tatuapé Vila Mariana ESTATUTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS A intenção deste documento, sistematizado pela Câmara de Legislação e Normas do CONSUN, é oferecer diretrizes para a elaboração e a homologação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TOXINOLOGIA DO INSTITUTO BUTANTAN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TOXINOLOGIA DO INSTITUTO BUTANTAN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TOXINOLOGIA DO INSTITUTO BUTANTAN O DIRETOR TÉCNICO DO INSTITUTO BUTANTAN, DA SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO, dentro das atribuições legais, expede

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Os Programas de Pós-Graduação Stricto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO GERAL Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS.... 5 TÍTULO II DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS E EXECUTIVOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR E DAS UNIDADES

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARINGÁ CESUMAR (mantenedora) FACULDADE CESUMAR - CURITIBA (mantida)

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARINGÁ CESUMAR (mantenedora) FACULDADE CESUMAR - CURITIBA (mantida) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARINGÁ CESUMAR (mantenedora) FACULDADE CESUMAR - CURITIBA (mantida) REGIMENTO GERAL 2013 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA NATUREZA INSTITUCIONAL, OBJETIVOS E FINALIDADES.... 5 CAPÍTULO

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA REGIMENTO

FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA REGIMENTO FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA REGIMENTO ESTRELA RS 2014 SUMÁRIO FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA... 1 TÍTULO I... 4 DA FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA E SEUS FINS... 4

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

REGIMENTO. Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande FESCG

REGIMENTO. Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande FESCG REGIMENTO Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande FESCG Campo Grande/MS Julho de 2011 1 S U M A R I O TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 CAPÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DAS FINALIDADES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

R E G I M E N T O I N T E R N O

R E G I M E N T O I N T E R N O R E G I M E N T O I N T E R N O 2010 SUMÁRIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 CAPÍTULO I Da Identificação... 1 CAPÍTULO II Das Finalidades e Objetivos... 1 TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DA ORDEM FINANCEIRA...

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ CURITIBA 2005 1 PORTARIA Nº 3.817, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO 22 REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais