SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO I UNIDADE 2 PROGRAMAÇÃO BÁSICA EM C

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO I UNIDADE 2 PROGRAMAÇÃO BÁSICA EM C"

Transcrição

1 SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO I UNIDADE 2 PROGRAMAÇÃO BÁSICA EM C TURMA: º Período DISCIPLINA: Sistemas Embarcados I PROFESSOR: Pedro Pacheco Bacheti Cariacica (ES), Setembro de 2014.

2 COMANDOS E PALAVRAS RESERVADAS A linguagem C possui um conjunto de 32 palavras reservadas que constituem os comandos e declarações possíveis dentro da linguagem e não podem ser redefinidas dentro do programa.

3 ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA A estrutura básica de um programa em linguagem C pode ser exemplificada conforme listagem abaixo: // Inclusão de arquivos externos // Declaração de variáveis globais // Declaração de protótipos de funções // Funções // Função principal [main] Qualquer programa em C deve possuir estas estruturas. A função principal (main, em inglês) contém o corpo principal do programa e é a primeira função a ser executa quando o programa é iniciado.

4 ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA EXEMPLO 1: void main (void) char a, b, c; c = 0x41; a = 10; // comentário 1 b = a + 5; /* comentário */ c += b; }

5 TIPOS DE DADOS A linguagem C dispões basicamente de 03 tipos de dados: - Inteiros: podem ser sinalizados (positivos ou negativos) ou não sinalizados (somente positivos). - Reais: podem representar tanto valores inteiros como fracionários. - Nulos: (void) é utilizado para declaração de funções que não retornam e / ou não recebem valores (parâmetros) e também para declaração de ponteiros genéricos.

6 TIPOS DE DADOS A linguagem C, prevê ainda o uso de modificadores de tipo: - short: para reduzir a faixa de representação do tipo. - long: para ampliar a faixa de representação do tipo. - signed: para especificar a representação de valores sinalizados( utilizando o formato de complemento de dois). - unsigned: para especificar a representação de valores não sinalizados.

7 TIPOS DE DADOS O padrão ANSI considera que um tipo de base é sempre signed (com sinal), a não ser que seja expressamente declarado como unsigned (sem sinal). A exceção é o tipo char, deixado em aberto pela norma ANSI. Em muitos compiladores, o tipo char é, por padrão, unsigned, a não ser que seja declarado como signed.

8 TIPOS DE DADOS TIPOS E SUBTIPOS BÁSICOS TIPO SUBTIPO FAIXA DE VALORES TAMANHO (Bytes) Unsigned char, char 0 a Signed char -128 a Inteiros Unsigned short int 0 a short int, signed short int a Unsigned int, unsigned long int 0 a Int, signed int, long int, signed long int a Reais Float 3,4 x 10 ±38 (7 dígitos) 4 Double 1,7x 10 ±308 (15 dígitos) 8

9 TIPOS DE DADOS

10 DECLARAÇÃO DAS VARIÁVEIS As variáveis em C devem ser sempre declaradas no início do programa, de uma função ou de um bloco de programa. O identificador (nome) da variável pode ter qualquer tamanho ( normalmente são reconhecidos os 31 primeiros caracteres) e deve obedecer às seguintes regras: - O identificador deve conter somente letras, números e o caractere sublinhado _. Isso significa que não é permitido utilizar símbolos ou acentos nos identificadores. - O identificador deve iniciar por uma letra ou sublinhado. _ - Letras maiúsculas e minúsculas são diferentes em linguagem C (isso significa que o identificador TESTE é diferente do identificador teste) - Um identificador não pode ser igual a uma palavra reservada ou um nome de função definida no programa.

11 TIPOS DE DADOS EXEMPLO 2: int teste; unsigned int minha_variavel; char primeiro, segundo; float _resultado; // declara uma variável inteira chamada teste // declara uma variável inteira sem sinal // declara duas variáveis do tipo char // declara uma variável real chamada _resultado

12 TIPOS DE DADOS EXERCICÍOS DE FIXAÇÃO 1) Tomando como referência o EXEMPLO 1 e a tabela ASCII, qual é o caractere presente na variável c? EXEMPLO 1: void main (void) char a, b, c; c = 0x41; a = 10; // comentário 1 b = a + 5; /* comentário */ c += b; }

13 TIPOS DE DADOS EXERCICÍOS DE FIXAÇÃO 2) Tomando como referência o EXEMPLO 2 mostre a faixa de valores possíveis e o tamanho necessário a ser alocado para cada variável. a) int teste b) unsigned int minha_variavel c) char primeiro, segundo d) float _resultado

14 TIPOS DE DADOS EXERCICÍOS DE FIXAÇÃO 3) Execute o código abaixo e responda qual o tamanho de cada tipo de variável nos itens de a a f. CÓDIGO: #include "utility.h" #include "ansi_c.h" unsigned int _1, _2, _3, _4, _5, _6; char teste1; short int teste2; int teste3; long int teste4; float teste5; double teste6; void main(void) } _1 = sizeof(teste1); printf("\nchar = %u\n",_1); _2 = sizeof(teste2); printf("\nshort int = %u\n",_2); _3 = sizeof(teste3); printf("\nlint = %u\n",_3); _4 = sizeof(teste4); printf("\nlong int = %u\n",_4); _5 = sizeof(teste5); printf("\nfloat = %u\n",_5); _6 = sizeof(teste6); printf("\ndouble = %u\n",_6);

15 TIPOS DE DADOS EXERCICÍOS DE FIXAÇÃO 3) Qual o tamanho de cada tipo de variável? a) char b) short int c) int d) long int e) float f) double

16 TIPOS DE DADOS OUTROS MODIFICADORES Além dos modificadores de tipo já comentados, a linguagem C dispõe de outros com características mais específicas: - auto: especifica uma variável automática ou local. Esse especificador já não é mais utilizado, pois todas as variáveis declaradas dentro de uma função ou bloco de programa são consideradas locais, independente do seu uso. - const: utilizado para declarar uma constante (variável cujo valor não pode ser alterado pelo programa). Tais variáveis podem ser armazenadas na memória FLASH. - extern: utilizado para fazer referências a variáveis globais declaradas em outros módulos do programa.

17 TIPOS DE DADOS OUTROS MODIFICADORES - register: solicita ao compilador que tente armazenar a variável em um registrador da CPU, em vez de uma posição da memória RAM. Isso permite um incremento na velocidade de acesso à variável, porém esse especificador somente pode ser utilizado para variáveis locais ou parâmetros formais de uma função. - static: utilizado para declarar variáveis permanentes, ou seja, que nã são destruídas após a saída da função ou bloco do programa em que foram declaradas: o seu conteúdo permanece inalterado e na próxima chamada da função, ou execução do bloco de comandos, o seu valor continuará o mesmo da última chamada. Esse especificador é normalmente utilizado com variáveis locais. No caso da declaração de uma variável global, ela somente será acessível de dentro do módulo (listagem) do programa em que foi declarada. Uma variável declarada como static é sempre inicializada com zero pelo compilador.

18 TIPOS DE DADOS OUTROS MODIFICADORES - volatile: especifica uma variável que pode ser alterada, por eventos externos sem conhecimento do compilador. Esse tipo de especificador deve ser utilizado para variáveis que possam ser alteradas pelo hardware do sistema.

19 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C

20 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C

21 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C

22 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C Ainda é possível associar alguns operadores, originando novos operadores:

23 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C Para construir expressões, utilizamos um ou mais operadores. A ordem de avaliação da expressão é da esquerda para direita. No entanto é permitido que o compilador rearranje a expressão de forma a otimizar o código gerado (desde que não se altere o resultado da expressão). Sendo assim, o programador não deve contar que a expressão será processada exatamente na ordem em que foi escrita.

24 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C * Ordem de prioridade no processamento de uma expressão.

25 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C Outra característica da linguagem C e que é utilizada no processamento das expressões, a chamada promoção de tipo, e consiste num conjunto de regras aplicadas pelo compilador com o intuito de que todos os elementos da expressão sejam convertidos no mesmo tipo. Seguem abaixo as regras: - Numa expressão contendo 02 operandos de tipos diferentes, o tipo de menor tamanho é convertido no tipo de maior tamanho. A ordem dos tipos, para efeitos de promoção de tipo é (do menor para o maior): char, short, int, long, float, double. - Numa expressão contendo um tipo unsigned e outro signed, o signed é convertido em unsigned. É possível também forçar uma conversão de tipo (typecast), utilizando o especificador do tipo desejado entre parênteses antes da variável ou expressão que se deseja converter.

26 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C EXERCICÍO DE FIXAÇÃO 1) Escreva um código utilizando a rotina principal main respeitando a estruturação aprendida para configurar uma variável de 8 bits chamada REG_1 do tipo char, para que os bits das posições 4 e 5 sejam setados e os demais permaneçam zerados, respeitando as seguintes condições: a) Utilizando somente a operação = b) Utilizando somente as operações &=, += c) Utilizando somente a operação >>= d) Utilizando somente a operação <<=

27 OPERADORES E EXPRESSÕES EM C EXERCICÍO DE FIXAÇÃO 2) Acrescente ao código anterior o comando printf para mostrar na tela os valores referentes as operações efetuadas. Justifique os resultados mostrados na tela. a) Utilizando somente a operação = b) Utilizando somente as operações &=, += c) Utilizando somente a operação >>= d) Utilizando somente a operação <<=

28 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS Além dos tipos básicos, a linguagem C permite também a construção de outros tipos de dados mais complexos. Seguem abaixo alguns deles: - Enumerações - Ponteiros - Matrizes - Estruturas - Uniões - Definições de tipos

29 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Enumerações Enumeração é um conjunto de constantes inteiras utilizado para especificar quais valores que uma variável pode assumir. A declaração de uma enumeração é feita geralmente da seguinte forma: enum nome_da_enumeração lista_de_identificadores } variavel_enumerada

30 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Enumerações Cada elemento da lista de identificadores é separado do anterior por uma vírgula, ; Normalmente, o primeiro elemento da lista é o de valor 0, o segundo o de valor 1 e assim por diante, porém é possível especificar a qualquer tempo o número de ordem do elemento, bastando utilizar o operador = seguido do valor de enumeração desejado. Repare que um elemento da lista recebe sempre o valor de enumeração do elemento anterior mais um. Sendo assim, se alterarmos o valor de enumeração de um dos elementos, os posteriores a ele também terão valores alterados.

31 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Enumerações Exemplo: int main () enum direcao_terra norte, leste, sul, oeste, }; enum direcao_terra minha_direcao; minha_direcao = oeste; return 0; } enum direcao_terra obter_direcao() return sul; }

32 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Enumerações Exemplo: int main() int a; enum planetas Mercurio, Vênus, Terra, Marte, Jupter, Saturno }; } enum planetas planeta_1, planeta_2; planeta_1 = Marte; planeta_2 = Terra; if(planeta_1 > planeta_2) a = 1; } else a = 0; } return 0;

33 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Ponteiros Os ponteiros, ou apontadores, estão entre os grandes destaques que tornam a linguagem C mais poderosa e consistem simplesmente em variáveis que armazenam endereços de memória onde, normalmente, encontramse as variáveis. Os operadores & e * são utilizados para as operações básicas dos ponteiros, onde: & retorna o endereço de uma variável. * Retorna o conteúdo de um endereço especificado.

34 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Ponteiros É possível declara variáveis para guardar ponteiros, neste caso declara-se a variável normalmente, mas utilizando o operador * antes do seu nome, conforme exemplo abaixo: char A; char *A; // variável tipo char chamada A // variável chamada A que aponta para um char

35 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Ponteiros É possível também utilizar os operadores de adição, subtração, incremento e decremento com variáveis ponteiro, no entanto o programador deve ter em mente que como um ponteiro deve sempre apontar para uma variável do tipo para o qual foi declarado, as operações serão sempre realizadas levando em conta o tamanho em bytes ocupado pelo tipo apontado pelo ponteiro, por exemplo: se um ponteiro para um ehar que aponta para o endereço x é incrementado, o seu conteúdo passará a ser x+ 1. Se o ponteiro fosse para um int, o incremento resultaria no endereço x+2. Se o ponteiro fosse para um double, o incremento resultaria no endereço x-i-s. Isso tudo porque um char ocupa um byte na memória, enquanto um int ocupa dois e um double ocupa normalmente oito bytes.

36 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS Uma outra característica dos ponteiros é que é possível utilizar um ponteiro para uma função. Neste caso, o endereço armazenado no ponteiro é o do início do código da função na memória. Para atribuir o endereço de uma função a um ponteiro, basta utilizar o nome da função (sem os parênteses ou argumentos). EXEMPLO: #include <stdio.h> int main() void swap(int i, int j) int a, b; a = 5; int temp; b = 10; temp = i; printf ("%d %d\n", a, b); i = j; swap (a, b); j = temp; printf ("%d %d\n", a, b); } return 0; } #include <stdio.h> int main () int a, b; a = 5; b = 10; printf ("\n\neles valem %d, %d\n", a, b); swap (&a, &b); printf ("\n\neles agora valem %d, %d\n", a, b); return 0; } void swap (int *i, int *j) int temp; temp = *i; *i = *j; *j = temp; }

37 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS #include <stdio.h> int soma(int a, int b) return (a+b); } int subtracao(int a, int b) return (a-b); } int (*menos)(int, int) = subtracao; int operacao(int x, int y, int (*func)(int,int)) int g; g = func(x, y); return (g); } int main() int m, n; m = operacao(7, 5, soma); n = operacao(20, m, menos); printf("%d\n", n); return 0; } Para inicializar um ponteiro para uma função, não precisamos usar o operador de endereço (ele já está implícito). Por isso, quando chamamos a função operação, não precisamos escrever &soma.

38 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Quais são os operadores utilizados pelos ponteiros? (Mostre a função de cada um deles.) 2) Mostre quais serão os valores das variáveis: i ; *p e p, do exemplo abaixo: #include <stdio.h> int main() int i = 10 ; int *p ; p = &i ; *p = 5 ; } printf ("%d\t%d\t%p\n", i, *p, p); return 0;

39 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 3) Crie uma função utilizando o conceito de ponteiros.

40 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Matrizes Matrizes são arranjos sequenciais contínuos de elementos de um mesmo tipo de dado. A linguagem C permite a construção de matrizes unidimensionais (listas) ou multidimensionais (tabelas) utilizando quaisquer tipos de dados permitidos em C (inclusive ponteiros e outros tipos de dados complexos). A declaração de uma matriz pode ser feita fornecendo o número máximo de elementos desejados para cada dimensão.

41 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Matrizes Exemplo: char matriz1 [25]; unsigned int matriz2 [10]; float matriz3 [5] [5]; // declara uma matriz unidimensional de 25 elementos char chamada "matriz1" // declara uma matriz unidimensional de 10 elementos do tipo unsigned int chamada "matriz2 // declara uma matriz bidimensional de 5 elementos em cada dimensão, do tipo float chamada "matriz3"

42 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Matrizes Também é possível declarar e inicializar os elementos de uma matriz. Exemplo: char notas [5] = 4, 8, 6, 8, 9}; // declara uma matriz unidimensional de char chamada "notas" e inicializada com os valores apresentados * Repare que para fazer referência a um elemento da matriz, é utilizado o identificador da matriz seguido do número do elemento dentro dos colchetes. Exemplo: char nota_1; nota_1 = notas[0];

43 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Estruturas Outro tipo de dado complexo admitido em C são as estruturas. Uma estrutura é um agrupamento de variáveis individuais de qualquer tipo, referenciadas por um nome comum. As variáveis pertencentes a uma estrutura são denominadas campos de estrutura. Exemplo: struct nome_estrutura tipo campo1; tipo campo2;... } veriaveis_estrutura; struct data char dia; char mes; char ano; } calendario;

44 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Estruturas Observe no exemplo como as variáveis do tipo struct são acessadas. Exemplo: struct data int dia; int mes; int ano; } calendario; calendario.dia = 6; calendario.mes = 1; calendario.ano = 1987;

45 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS - Estruturas Segue outra forma de efetuar a mesma declaração. Exemplo: struct data calendario, aniversario; struct data } ; int dia; int mes; int ano; calendario.dia = 6; calendario.mes = 1; calendario.ano = 1987; aniversario.dia = 6; aniversario.mes = 1; aniversario.ano = 1987;

46 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS UNIÕES Uniões são um tipo especial de dado no qual as variáveis declaradas residem num mesmo endereço de memória. O compilador aloca memória para a variável cujo tipo ocupe o maior espaço na memória e em seguida, as demais variáveis pertencentes à união são alocadas no mesmo espaço. O compilador alinha as variáveis pertencentes a uma união pelos seus dígitos mais significativos (modelo little endian).

47 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS UNIÕES Exemplo: union } tipos; unsigned long int var32; unsigned int var16; unsigned char var8;

48 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS UNIÕES Exemplo: tipos.var32 = 0x ; tipos.var16 = 0x1234; tipos.var8 = 0x12;

49 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS DEFINIÇÕES DE TIPOS DE DADOS Outra característica interessante da linguagem C, mas que não consiste realmente em um novo tipo de dado, é o comando typedef. Ele permite criar novos identificadores para tipos de dados já existentes. Isso facilita a legibilidade de alguns programas e também permite tornar alguns tipos de programas escritos para outras plataformas mais facilmente portáveis.

50 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS DEFINIÇÕES DE TIPOS DE DADOS A utilização de typedef é bastante simples. Conforme mostra o exemplo: typedef float fracionario; fracionario teste; // declara uma variável chamada teste do tipo fracionario (float)

51 TIPOS DE DADOS COMPLEXOS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Determine qual a faixa de valores (na representação binária) que pode ser representada pelas variáveis abaixo, respeitando o código da caixa de texto abaixo: a) teste b) a e b typedef char caractere; typedef int numero; caractere teste; numero a, b;

52 COMANDOS DA LINGUAGEM C A linguagem C possui um conjunto de comandos de controle de programa organizados nas seguintes categorias: - Condicionais São comandos que permitem executar código associando a uma condição ser verdadeira ou falsa. - Iteração, laço ou repetição Permitem a execução de código repetitivo. - Salto ou desvio Utilizados para provocar o desvio do fluxo do programa.

53 COMANDOS DA LINGUAGEM C TIPOS COMANDOS CONDICIONAL if switch ITERAÇÃO, LAÇO, REPETIÇÃO SALTO OU DESVIO for while do *anteriores utilizam este tipo

54 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO IF O comando if permite executar um comando ou bloco de comandos, caso uma condição seja verdadeira e opcionalmente, um outro comando ou bloco de comandos, no caso de a condição ser falsa * Na linguagem C, verdadeiro consiste em qualquer valor diferente de zero e falso consiste no valor zero SINTAXE: if (condição) comando_caso_verdadeiro; else comando_caso_falso; = if(condição) comando_caso_verdadeiro; } else comando_caso_falso; }

55 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO IF Exemplo: char estado_portas; estado_portas = P1IN; if(estado_portas & 0x01) P1OUT = 0x01; } else P1OUT &= ~(0x01); }

56 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO SWITCH O seu funcionamento é o seguinte: o resultado da expressão é comparado com cada uma das constantes associadas às cláusulas case e quando a comparação resultante for verdadeira, os comandos daquela cláusula são executados até que seja encontrado o comando break. Caso nenhuma das comparações resulte em verdadeiro, os comandos associados à cláusula default são executados. No entanto, a inclusão desta cláusula é opcional. * Não é permitido duas constantes case no mesmo switch terem o mesmo valor.

57 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO SWITCH Exemplo: switch (estado_porta) case 0x01: P1OUT = 0x01; break; case 0x02: P1OUT = 0x02; break; case constante_n: P1OUT = 0x02; break; default: P1OUT = 0x00; break; }

58 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO FOR O comando for consiste num comando de iteração ou repetição condicional, ou seja, ele é utilizado para executar um comando ou bloco de comandos, enquanto uma condição for verdadeira. SINTAXE: for(inicialização; condição; incremento) comando; = for(inicialização; condição; incremento) comando; }

59 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO FOR O seu funcionamento é o seguinte: 1. Inicialmente é executada a operação expressa na seção inicialização do comando. 2. A seção condição é testada e se for verdadeira, o comando ou bloco de comandos associado ao for é executado. 3. É executada a seção incremento do comando for. 4. A execução retorna para o iitem 2 e permanecerá nesta repetição até que a condição avaliada seja falsa, o que encerra o comando.

60 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO FOR Exemplo: Int vetor[10] for(i=0; i < 10; i++) int soma=0; soma = soma + vetor[i]; } // soma += vetor[i];

61 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO FOR * Opcionalmente, é possível utilizar a cláusula break para provocar o encerramento prematuro do laço. Também é possível utilizar a cláusula continue para provocar o encerramento da iteração atual do laço e o início de uma nova iteração.

62 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO WHILE Outro comando de repetição da linguagem C é o while (enquanto). Ele é utilizado para repetir um comando ou bloco de comandos enquanto uma condição for verdadeira. A diferença entre o while e o for é que no for, há ciclo de inicialização, teste condicional e incremento, enquanto no while somente temos o teste condicional. SINTAXE: while (condição) comando1; comando2;... }

63 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO WHILE O funcionamento do comando é bastante simples: - Primeiramente a condição é avaliada. - Caso seja verdadeira o comando ou bloco de comandos é executado - Em seguida a condição é testada novamente. - Caso a condição seja falsa, o comando é encerrado. * Cada iteração se inicia com o teste da condição

64 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO WHILE Exemplos: while(ip1in & 0x01) P1OUT = 0x40; } while(i1) } P1OUT = 0x40; LOOP INFINITO

65 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO WHILE * Assim como no for, também é possível utilizar a cláusula break para encerrar prematuramente um laço while sem necessitar que a condição seja verdadeira, ou a cláusula encerramento da iteração atual e inicio da seguinte. continue para provocar o

66 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO DO O último tipo de comando de repetição é o do. Ele é bastante parecido com o while, mas ao contrário deste, que testa a condição no início de cada iteração, do somente testa a condição no final de cada iteração. SINTAXE: do comando1; comando2;... } while (condição);

67 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO DO O seu funcionamento é bastante simples: - O comando ou bloco de comandos é executado. - Em seguida a condição é verificada. - Caso seja verdadeira, uma nova iteração tem início. - Caso seja falsa, o comando é encerrado. * Aqui também as cláusulas break e continue podem ser utilizadas para encerrar o comando ou a iteração prematuramente.

68 COMANDOS DA LINGUAGEM C COMANDO DO Exemplos: do P1OUT = 0x40; } while(ip1in & 0x01); do P1OUT = 0x40; } while(i1); LOOP INFINITO

69 COMANDOS DA LINGUAGEM C EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Explique a diferença entre as funções: a) If e switch b) for, while e do 2) Implemente um código que efetue as seguintes rotinas: a) Somatório de todos os elementos do vetor a[0] = ; a[0] = 1; a[1] = 2; a[2] = 3; a[3] = 4; a[4] = 5; utilizando a função for. b) Somatório de todos os elementos do vetor a[0] = ; a[0] = 1; a[1] = 2; a[2] = 3; a[3] = 4; a[4] = 5; utilizando a função while.

70 FUNÇÕES Uma função é um conjunto de comandos que executam uma determinada operação no programa. Normalmente, quando se necessita repetir um mesmo trecho do código diversas vezes em um programa, utilizase uma função para guardar esse conjunto de comandos e a cada vez que for necessária a sua execução, basta realizar a chamada à função. SINTAXE: tipo_retorno nome_função(lista de parâmetros) lista_comandos; }

71 FUNÇÕES EXEMPLO: int soma(int a, int b) int c; c = a + b; return c; }

72 FUNÇÕES Uma função pode retornar qualquer tipo de dado válido em C, e também pode receber qualquer tipo dos tipos de dados válidos em C (com exceção de uniões). Além disso, uma função em C pode receber seus parâmetros de 02 formas distintas: - Na chamada por valor, o valor do parâmetro da função é passado como argumento para ela. - Na chamada por referência, o endereço da variável que contém o parâmetro é passado como argumento para ela. É possível utilizar cada um ou ambos os modelos em uma mesma função, mas o programador deve sempre levar em conta a forma como a função foi declarada, pois a chamada da função deve utilizar a mesma forma da declaração dela.

73 FUNÇÕES Normalmente, a linguagem C utiliza a chamada por valor, com exceção das matrizes, em que é passado apenas o endereço do primeiro elemento dela. Para utilizar a chamada por referência, é necessária a utilização de ponteiros.

74 FUNÇÕES EXEMPLO: do P1OUT = 0x40; } while(ip1in & 0x01); do P1OUT = 0x40; } while(ip1in & 0x01);

75 FUNÇÕES PROTOTIPAGEM / DECLARAÇÃO DE FUNÇÕES SINTAXE - PROTOTIPAGEM: tipo_retorno nome_função(lista de parâmetros); SINTAXE - DECLARAÇÃO: tipo_retorno nome_função(lista de parâmetros) lista_comandos; }

76 FUNÇÕES PROTOTIPAGEM / DECLARAÇÃO DE FUNÇÕES Exemplo: int subtrai(int a, int b); int subtrai(int a, int b); int subtrai(int a, int b) int c; c = a b; return c; } void maini(void) int aux; aux = subtrai(5,2); }

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

#include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C #include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C ANTES DO C ERA A LINGUAGEM B B foi essencialmente uma simplificação da linguagem BCPL. B só tinha um tipo de dado, que

Leia mais

Linguagem C para Microcontroladores

Linguagem C para Microcontroladores RESUMO Linguagem C para Microcontroladores Prof. Glauber G. O. Brante UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Sumário 1 Introdução...................................

Leia mais

4. Estruturas Fundamentais de Programação em C

4. Estruturas Fundamentais de Programação em C 4. Estruturas Fundamentais de Programação em C 4.1. Imprimindo Mensagens e Valores no Monitor de Vídeo A biblioteca de entrada e saída (stdio.h) possui a função printf que imprime mensagens e valores diretamente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

Revisão C++ - Parte 1

Revisão C++ - Parte 1 Revisão C++ - Parte 1 Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 5/3/2010 OBJETIVO DA AULA Revisar os principais comandos

Leia mais

A Linguagem C. A forma de um programa em C

A Linguagem C. A forma de um programa em C A Linguagem C Criada em 1972 por D. M. Ritchie e K. Thompson. Tornou-se uma das mais importantes e populares, principalmente pela portabilidade e flexibilidade. Foi projetada para o desenvolvimento de

Leia mais

Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES. Linguagem C. Linguagem C Estrutura Básica. Constante (literais) Linguagem C Primeiro Programa

Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES. Linguagem C. Linguagem C Estrutura Básica. Constante (literais) Linguagem C Primeiro Programa Linguagens de Programação PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES Linguagem C - Introdução Linguagens de Máquina Representação numérica Difícil utilização e compreensão Específica para cada máquina Linguagens Simbólicas(Assembly)

Leia mais

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES Prof. André Backes LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve

Leia mais

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES

LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES LINGUAGEM C: VARIÁVEIS E EXPRESSÕES Prof. André Backes LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve

Leia mais

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento Hello World Linguagem C printf("hello world!\n"); main é a função principal, a execução do programa começa por ela printf é uma função usada para enviar dados para o vídeo Palavras Reservadas auto double

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO Introdução à Linguagem C Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br

Leia mais

6 Alguns conceitos e comandos em programação

6 Alguns conceitos e comandos em programação 6 Alguns conceitos e comandos em programação 6.1 Diretivas Diretivas são instruções que permitem ao programador efetuar algum tipo de modificação à compilação, sendo analisadas e executadas pelo pré-compilador,

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 4 Operadores em C Susana M Iglesias FUNÇÕES ENTRADA-SAÍDA I/O printf(), utilizada para enviar dados ao dispositivo de saída padrão (stdout), scanf(), utilizada para ler

Leia mais

Linguagem de Programação. Thiago Leite Francisco Barretto

Linguagem de Programação. Thiago Leite Francisco Barretto Linguagem de Programação Thiago Leite Francisco Barretto SCHILDT, H. C Completo e Total. 3ª Edição. São Paulo: Makron, 1997. Bibliografia Ementa

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012. Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012. Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I IEC012 Linguagem C - Guia de bolso - Prof. César Melo Histórico A linguagem C é uma linguagem de programação inventada na década de 1970 por Dennis Ritchie Brian Kennigaham.

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano O C++ foi inicialmente desenvolvido por Bjarne Stroustrup durante a década de 1980 com o objetivo de melhorar a linguagem de programação C, mantendo a compatibilidade com esta linguagem. Exemplos de Aplicações

Leia mais

Entender o problema Encontrar um algoritmo para resolvê-lo. Implementar o algoritmo numa linguagem de programação

Entender o problema Encontrar um algoritmo para resolvê-lo. Implementar o algoritmo numa linguagem de programação Entender o problema Encontrar um algoritmo para resolvê-lo Implementar o algoritmo numa linguagem de programação Permitem implementar um algoritmo Expressar o algoritmo numa forma que o computador entenda

Leia mais

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while.

Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Conceitos básicos do C. 2 Introdução às funções. Entrada e saída. Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Variáveis, constantes, operadores e expressões Switch / break / matrizes e

Leia mais

4 Variáveis. Unesp Campus de Guaratinguetá

4 Variáveis. Unesp Campus de Guaratinguetá 4 Variáveis Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante Composição do Hardware MEMÓRIA UNIDADES FUNCIONAIS

Leia mais

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C

Métodos Computacionais. Comandos Condicionais e de Repetição em C Métodos Computacionais Comandos Condicionais e de Repetição em C Tópicos da Aula Hoje vamos acrescentar comportamentos mais complexos a programas em C Comandos Condicionais if-else switch Comandos de Repetição

Leia mais

Variáveis primitivas e Controle de fluxo

Variáveis primitivas e Controle de fluxo Variáveis primitivas e Controle de fluxo Material baseado na apostila FJ-11: Java e Orientação a Objetos do curso Caelum, Ensino e Inovação, disponível para download em http://www.caelum.com.br/apostilas/

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C Linguagem de Programação C Aula 08 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais 13 de novembro de 2009 Introdução O que é uma linguagem

Leia mais

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões INF1005: Programação 1 Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Programando em C Funções Variáveis Define Operadores e Expressões Entrada e Saída

Leia mais

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Variáveis e Operadores Prof. Leonardo Barreto Campos Sumário Variáveis: Tipos de variáveis; Nome da variável; Palavras reservadas; A função printf(); A função scanf(); Variáveis locais; Variáveis

Leia mais

Curso de C. Declaração de Variáveis 18/3/ :48 1

Curso de C. Declaração de Variáveis 18/3/ :48 1 Curso de C Declaração de Variáveis 18/3/2008 15:48 1 Declaração de Variáveis Objetivos: Aprender como: Criar variáveis Atribuir um valor inicial à variável Escolher um nome para a variável 18/3/2008 15:48

Leia mais

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2. 0 Revisão. 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 0 Revisão 06/08/2015 (c) Dept. de Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Variáveis e Constantes Operadores e Expressões Entrada e Saída Tomada de Decisão Construção com laços

Leia mais

A linguagem C (visão histórica)

A linguagem C (visão histórica) A linguagem C (visão histórica) A linguagem C é uma linguagem de programação desenvolvida no ínício dos anos 70 por Dennis Ritchie, que trabalhava nos laboratórios Bell e que também inciou em paralelo,

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Introdução à Linguagem C Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 13/03/2006 1 História Inventada e desenvolvida por Dennis Ritchie em um DEC- PDP 11 Originária de: BCPL desenvolvida

Leia mais

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 03/03/2010 Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Métodos Computacionais

Métodos Computacionais Métodos Computacionais Objetivos da Disciplina e Introdução a Linguagem C Construções Básicas Objetivos da Disciplina Objetivo Geral Discutir técnicas de programação e estruturação de dados para o desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador;

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador; 1 Microprocessador Um microprocessador é um circuito eletrônico capaz de realizar diversas tarefas conforme os comandos específicos. Para isso ele deve ler esses comandos da memória de programa (ROM) e

Leia mais

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva.

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva. Linguagem C Funções André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Funções É uma coleção de comandos identificados por um nome (identificador); As funções executam ações e podem retornar valores; main, printf

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada 1º Programa: olamundo.c #include // biblioteca padrão de E/S /* Programa Olá Mundo */ int main(void) { printf( Olá mundo\n ); //exibe Olá mundo

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes?

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes? Introdução à Ciência da Computação Ponteiros em C Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros

Leia mais

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Introdução à Programação em C Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Linguagem C Criada em 1972 para uso no LINUX; Sintaxe base para diversas outras (Java, JavaScript, PHP, C++,

Leia mais

Programação II. Introdução à Linguagem C

Programação II. Introdução à Linguagem C Programação II Introdução à Linguagem C Um Pouco da História da Linguagem C Origem: década de 70 (Dennis Ritchie) BCPL B C. Prover acesso de baixo nível ao hardware (CPU, I/Os e periféricos) e se entender

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA 2 INDICE 1. COMENTÁRIOS... 4 1.1. Comentário de uma linha... 4 1.2. Comentário de múltiplas linhas... 4 2. IMPRESSÃO DE TEXTOS... 5 2.1. Imprimindo um texto

Leia mais

Estrutura do programa

Estrutura do programa Linguagem C Estrutura do programa Exemplo: #include #include main() { printf( Ola, mundo! ); system( pause ); }

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França

Linguagem de Programação C. Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem de Programação C Prof. Fabrício Olivetti de França Linguagem C 2 Linguagem C Imperativo e estruturado Pequeno conjunto de palavras-chaves, operadores, etc. Tipagem estática, porém fraca Permite

Leia mais

Introdução à Linguagem C++

Introdução à Linguagem C++ Introdução à Linguagem C++ C++: Definição C++ C A Linguagem de Programação C++ pode ser definida como uma extensão da Linguagem C; Todo código de programação em Linguagem C pode a priori ser compilado

Leia mais

Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Funções de Repetição da Linguagem C PROFESSORA CINTIA CAETANO Comando WHILE O comando while executa um bloco de comandos enquanto a condição testada for verdadeira (diferente

Leia mais

Introdução à Computação MAC0110

Introdução à Computação MAC0110 Introdução à Computação MAC0110 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 2 Variáveis e Atribuições Memória Principal: Introdução Vimos que a CPU usa a memória principal para guardar as informações que estão

Leia mais

Comandos em C (cont.)

Comandos em C (cont.) Comandos em C (cont.) Operador ternário:? O operador condicional possui uma opção um pouco estranha. É o único operador C que opera sobre três expressões. Sua sintaxe geral possui a seguinte construção:

Leia mais

Controlo de Execução. K&R: Capitulo 3

Controlo de Execução. K&R: Capitulo 3 Controlo de Execução K&R: Capitulo 3 IAED, 2009/2010 Controlo de Execução Instruções e Blocos if else-if switch Ciclos: Instruçõeswhile e for Instruçãodo-while break e continue goto e labels 2 IAED, 2009/2010

Leia mais

Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa

Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C Prof. Ramon Figueiredo Pessoa 1 Variáveis e tipos Variáveis são simplesmente posições de memória que o compilador aloca ao programa Mas quantas posições

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação scc-120

Introdução à Ciência da Computação scc-120 ICMC USP 1.semestre/2011 Introdução à Ciência da Computação scc-120 Aula : Variáveis em C Profa. Roseli Romero mailto: rafrance@icmc.sc.usp.br Slides cedidos pela profa. Renata Fortes Variáveis variáveis

Leia mais

Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Variáveis e Constantes

Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Variáveis e Constantes Introdução à Computação (IC) Linguagem C: Variáveis e Constantes Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Campus Aparecida de Goiânia (CAP) Faculdade

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição 1 Comando while Deseja-se calcular o valor de: 1 + 2 + 3 +... + N. Observação: não sabemos, a priori, quantos termos

Leia mais

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios.

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 3636363636363636363636363636363636363636363636363636 5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 5.1 - Comandos

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Faculdade Pio Décimo

Prof. Marcelo Machado Cunha Faculdade Pio Décimo 1 Introdução A linguagem C foi criada por Dennis Ritchie, em 1972, no centro de Pesquisas da Bell Laboratories. Sua primeira utilização importante foi a reescrita do Sistema Operacional UNIX, que até então

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros

Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II. Ponteiros Centro Universitário Franciscano Curso de Sistemas de Informação Disciplina de algoritmos e programação II Ponteiros Profa.: Simone Ceolin Slides (Prof.Tiago Rios da Rocha) Primeiro Semestre 2011 Sumário

Leia mais

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Estruturas de Dados Revisão de Ponteiros Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros e Arranjos

Leia mais

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Ponteiros Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Ponteiros; Variáveis ponteiros; Operadores de ponteiros; Expressões com ponteiros; Atribuição de ponteiros; Aritmética de ponteiros; Comparação

Leia mais

Linguagem C (repetição)

Linguagem C (repetição) Linguagem C (repetição) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Exercício Escrever um programa que conte (mostre na tela) os números de 1 a 100. Comandos aprendidos até o momento: printf, scanf, getchar,

Leia mais

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio) Módulo 1 Introdução AEDS I C++ (Rone Ilídio) Introdução Linguagens de Programação Fonte Compilador Executável SO I Hardware C++ - Características Evolução do C, ou seja, possui a mesma sintaxe É uma linguagem

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: ponteiros e alocação dinâmica Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros 2 Prof. Renato Pimentel 1 Ponteiros: introdução Toda a informação

Leia mais

C Operadores e Expressões

C Operadores e Expressões C Operadores e Expressões Adriano Cruz adriano@nce.ufrj.br Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação UFRJ 15 de agosto de 2013 Adriano Cruz adriano@nce.ufrj.br (IM-DCC-UFRJ)C Operadores

Leia mais

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná

Matrizes em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Universidade Federal do Paraná em C Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum; Em C todas as matrizes consistem

Leia mais

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Introdução a classes e objetos Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Estruturas de Seleção if... else Operador condicional (? : ) switch Aula de Hoje Estruturas de Repetição: while/do... while/for

Leia mais

Prática de Programação. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 9 Estruturas, Uniões, Enumerações e Tipos Definidos pelo Usuário

Prática de Programação. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 9 Estruturas, Uniões, Enumerações e Tipos Definidos pelo Usuário Prática de Programação Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 9 Estruturas, Uniões, Enumerações e Tipos Definidos pelo Usuário Introdução A linguagem C/C++ permite criar tipos de dados definidos pelo usuário

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Aula de hoje Introdução Vetores (revisão) Relacionamento entre vetores e ponteiros Professor: André de Carvalho Definição: coleção de valores de dados individuais com

Leia mais

K&R: Capitulo 2 IAED, 2012/2013

K&R: Capitulo 2 IAED, 2012/2013 Elementos da Linguagem C K&R: Capitulo 2 Elementos da Linguagem C Identificadores Tipos Constantes Declarações Operadores aritméticos, lógicos e relacionais Conversões de tipos Operadores de incremento

Leia mais

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente:

Vetores. e o programa deverá ler os valores separadamente: Vetores Vetor é um tipo de dado usado para representar uma certa quantidade de variáveis de valores homogêneos (do mesmo tipo). Imagine o seguinte problema: calcular a média das notas da prova de 5 alunos.

Leia mais

Linguagem C: Elementos fundamentais

Linguagem C: Elementos fundamentais Instituto de C Linguagem C: Elementos fundamentais Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Variáveis e Constantes Operadores

Leia mais

Controle de Fluxo. Laços e Desvios incondicionais

Controle de Fluxo. Laços e Desvios incondicionais Controle de Fluxo Laços e Desvios incondicionais Laços Em C, há três comandos de ITERAÇÃO ou LAÇOS: for while do... while Estes permitem que um conjunto de instruções seja executado até que ocorra uma

Leia mais

Funções em Linguagem C Parte II

Funções em Linguagem C Parte II Slides inicialmente preparados pelo Prof. Dr. Claudio Fabiano Motta Toledo Funções em Linguagem C Parte II Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1. Semestre 2017 Sumário Introdução a Ponteiros Escopo de Variáveis

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC PREFÁCIO A linguagem C foi desenvolvida no início da década de 70 por dois pesquisadores do Bell Laboratories, Brian Kernihgan e Dennis Ritchie,

Leia mais

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a Linguagem C. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a Linguagem C Prof. Me. Hélio Esperidião Características de um programa De forma geral a maioria dos programas são compostos por dados de entrada, processamento e dados de saída. Entrada de

Leia mais

Introdução à linguagem C++

Introdução à linguagem C++ Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II Aula 2: Introdução à linguagem C++ Introdução à linguagem C++ Conceitos básicos: variáveis, tipos de dados, constantes, I/O, etc. Estruturas

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton nilton@comp.uems.br Introdução A linguagem C foi inventada por Dennis Ritchie e

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Professor: André de Carvalho Aula de hoje Introdução Tipos compostos Tipo enumeração Conclusão Tipos compostos A Linguagem C permite criar tipos de dados definíveis

Leia mais

Introdução a JAVA. Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos

Introdução a JAVA. Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos + Introdução a JAVA Variáveis, tipos, expressões, comandos e blocos +Roteiro 2 Variáveis e tipos Operadores aritméticos, lógicos, relacionais e bit-a-bit Atribuição Comandos básicos Ler, Escrever, Condicional,

Leia mais

Palavras Reservadas da Linguagem Java

Palavras Reservadas da Linguagem Java Palavras Reservadas da Linguagem Java Palavras Reservadas da Linguagem Java: Categorias Tipos de dados primitivos Literais Pseudo-variáveis Desvio e controle de fluxo Pacotes Exceções Modificadores de

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Fundamentos de Programação Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Linguagem de Programação Constituída por símbolos e por regras para combinar esses símbolos

Leia mais

Aula 3 Conceitos de memória, variáveis e constantes Cleverton Hentz

Aula 3 Conceitos de memória, variáveis e constantes Cleverton Hentz Aula 3 Conceitos de memória, variáveis e constantes Cleverton Hentz Sumário de Aula } Conceito de Memória } Variáveis e Tipos de Dados } Constantes 2 Conceito de Memória } A memória de um computador é

Leia mais

Apostila para Introdução à Linguagem de

Apostila para Introdução à Linguagem de Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Apostila para Introdução à Linguagem de Programação C (Versão: A2016M03D16) Autores:

Leia mais

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS 782 - Programação em C/C++ - estrutura básica e conceitos fundamentais Linguagens de programação Linguagem de programação são conjuntos de palavras formais, utilizadas na escrita de programas, para enunciar

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Créditos Introdução à Ciência da Computação Introdução à Linguagem C: Parte I Prof. Ricardo J. G. B. Campello Alguns slides a seguir foram adaptados dos originais gentilmente cedidos por: Prof. André C.

Leia mais

Diagramas Sintáticos

Diagramas Sintáticos Diagramas Sintáticos Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Pedro Alexandre Pereira (palex@cc.isel.ipl.pt) Classe pública com método main Cada classe X pública é declarada num ficheiro

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Introdução à Linguagem C: Parte II Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Seleção Simples Seleção Composta Seleção Encadeada Seleção de Múltipla Escolha Repetição com

Leia mais

Métodos Computacionais. Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros

Métodos Computacionais. Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros Métodos Computacionais Funções, Escopo de Variáveis e Ponteiros Tópicos da Aula Hoje vamos detalhar funções em C Escrevendo funções Comando return Passagem de argumentos por valor Execução de uma função

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

Cerne. Conhecimento para o Desenvolvimento (21) (11) MSN:

Cerne. Conhecimento para o Desenvolvimento (21) (11) MSN: Conhecimento para o Desenvolvimento Cerne Tecnologia e Treinamento Apostila Visual C++ Express Aplicado à Eletrônica (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 E-mail: cerne@cerne-tec.com.br MSN: cerne-tec@hotmail.com

Leia mais

Cap. 2 Expressões na linguagem C

Cap. 2 Expressões na linguagem C Programação de Computadores II Cap. 2 Expressões na linguagem C Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (24) Slides adaptados dos originais

Leia mais

Legibilidade do código fonte

Legibilidade do código fonte Sumário Legibilidade do código fonte Exemplos Normas Instrução switch Sintaxe e Semântica Exemplo Tipos enumerados Exemplo Programação 2007/2008 DEEC-IST 1 Legibilidade do código fonte Exemplo: Considere

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes Implementação Orientada a Objetos - Profª. Danielle Martin. Guia da Sintaxe do Java

Universidade de Mogi das Cruzes Implementação Orientada a Objetos - Profª. Danielle Martin. Guia da Sintaxe do Java Guia da Sintaxe do Java TIPOS PRIMITIVOS DE DADOS DO JAVA São os tipos nativos de dados do Java, que podem ser usados na declaração de atributos, variáveis, parâmetros. Tipo primitivo Tamanho Valor padrão

Leia mais

Cláudio C. Rodrigues Faculdade da Computação - UFU. Faculdade da Computação - UFU 1

Cláudio C. Rodrigues Faculdade da Computação - UFU. Faculdade da Computação - UFU 1 Cláudio C. Rodrigues Faculdade da Computação - UFU LINGUAGEM C - 01: TIPOS, VARIÁVEIS E E/S PADRÃO Faculdade da Computação - UFU 1 A Linguagem C Linguagem de alto nível, genérica. Foi desenvolvida por

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Estruturas em C

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Estruturas em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Estruturas em C 1 Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 2º semestre de 2010 ROTEIRO DA AULA

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Professor: Diego Oliveira Conteúdo 05: Linguagem Java Conteúdo da Aula Linguagem Java Tipos Primitivos Operadores Aritiméticos Operadores Lógicos Precedência de Operadores

Leia mais