Segmentação do mercado de trabalho e mobilidade de renda entre 2002 e 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segmentação do mercado de trabalho e mobilidade de renda entre 2002 e 2007"

Transcrição

1 Segmentação do mercado de trabalho e mobilidade de renda entre 2002 e 2007 Resumo Adriana Fontes Rocha Expósito da Silva 1 Valéria Lúcia Pero 2 Na literatura brasileira, não há consenso a respeito da existência ou não de segmentação do mercado de trabalho. O crescimento recente da formalização do emprego apresenta um novo contexto para este tipo de análise. Com o intuito de contribuir para o debate, o presente artigo analisa os diferenciais de rendimentos por posição na ocupação no mercado de trabalho brasileiro, com base na Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE no período de 2002 a 2007, com objetivo de verificar a existência e comportamento recente da segmentação no mercado de trabalho metropolitano brasileiro, explorando as diferenças por nível de escolaridade dos trabalhadores. Os resultados econométricos, controlando por características não observáveis dos trabalhadores, apresentam evidências de que os diferenciais de rendimentos entre empregados formais e informais e, sobretudo, entre empregados formais e trabalhadores por conta-própria são significativos. Verificou-se ainda que, apesar do aumento da formalização depois de 2004, os diferenciais de rendimentos persistem. Por fim, as estimativas por grau de escolaridade apontam uma maior segmentação para os níveis inferiores no caso dos trabalhadores por conta-própria, enquanto que para os empregados sem carteira a segmentação aumenta com a escolaridade. Abstract In Brazilian literature, there is no agreement about the existence or not of labor market segmentation. Recent formalization presents a new context for this type of analysis. In order to contribute to the question, this article analyses the income differentials by occupation position in the labor market in Brazil, using Monthly Employment Research (PME/IBGE) from 2002 to 2007, in order to verify the existence and behavior of recent labor market segmentation in Brazilian metropolitan area, exploiting differences in education level. The econometric results, controlling for individual heterogeneity, present evidence that the income differentials between formal and informal employees and especially between formal employees and self-employment are significant. It was also found that, despite the recent formalization after 2004, the wage differentials persist. Finally, results by level of education show greater segmentation at the bottom in case of selfemployment, while for informal employees wage differentials increases with education level. Palavras-chaves: segmentação, mobilidade, diferenciais de rendimento, economia informal, mercado de trabalho Keywords: segmentation, mobility, wage differentials, informal sector, labor market Área 12 - Economia do Trabalho JEL Classification J31 J62 O17 1 Doutoranda da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pesquisadora do IETS. 2 Professora adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1

2 Introdução A literatura empírica sobre segmentação do mercado de trabalho no Brasil teve inicio no final dos anos 80. Naquele momento, a informalidade crescia expressivamente e verificavam-se grandes diferenciais de rendimentos entre empregados com e sem carteira de trabalho assinada (Barros e Varanda, 1987; Pero, 1992). Barros, Sedlacek e Varandas (1990) ao analisarem o mercado de trabalho da Região Metropolitana de São Paulo concluem, entretanto, que os efeitos dos diferenciais de salários entre empregados com e sem carteira de trabalho assinada sobre o bem-estar no longo prazo são desprezíveis, devido à elevada mobilidade dos trabalhadores entre o emprego com e sem carteira. Segundo os autores, entre 1984 e 1987, metade dos empregados sem carteira assinada conseguiam empregos com carteira de trabalho assinada um ano depois. Mais tarde outros trabalhos reforçaram a idéia de que o mercado de trabalho brasileiro é pouco segmentado como, por exemplo, Curi e Menezes-Filho (2006) e Neri (2002). Curi e Menezes-Filho (2004) controlam pelas características não-observáveis dos trabalhadores utilizando dados de painel da Pesquisa Mensal do Emprego (PME/IBGE) e verificam que o diferencial de salários entre o emprego formal e o informal passou de 10% na década de 1980 para cerca de 5% na década de 1990, indicando que o mercado de trabalho brasileiro se aproxima de um mercado competitivo. No entanto, ainda não há um consenso a respeito do assunto e alguns autores, como Tannuri-Pianto e Pianto (2002) e Soares (2004), apresentam indícios de segmentação do mercado de trabalho brasileiro. Para Tannuri-Pianto e Pianto (2002), há segmentação do mercado de trabalho para os trabalhadores nos quantis de renda mais baixos. Já Soares (2004) usando dados da PNAD/IBGE de 1990 verifica a existência de fila (racionamento) para empregos formais no mercado de trabalho brasileiro, conforme já havia sido apontado em Pero e Urani (1993). Bosh e Maloney (2007), analisando dados do Brasil, Argentina e México, também argumentam que o comportamento do emprego informal se aproxima da visão de fila para o setor formal, enquanto que o trabalho por conta-própria parece ser decorrente de uma decisão voluntária por esse tipo de trabalho. O crescimento recente da formalização do emprego apresenta um novo contexto para análise da segmentação do mercado de trabalho brasileiro. Com o intuito de contribuir para este debate, com base na PME/IBGE, o presente artigo analisa os diferenciais de rendimentos por posição na ocupação no mercado de trabalho brasileiro com objetivo de verificar a existência e o comportamento recente da segmentação no mercado de trabalho metropolitano brasileiro, explorando as diferenças por nível de escolaridade dos trabalhadores. Para tanto o artigo se divide em três seções, além desta introdução e da conclusão. A seção seguinte apresenta a evolução recente do mercado de trabalho com o objetivo de fornecer uma contextualização para a análise de segmentação. Em seguida apresentamos a base de dados utilizada, os conceitos e a metodologia empregada para analisar os diferenciais de rendimentos por posição na ocupação. A última seção analisa os resultados encontrados sobre a estimação dos diferencias de renda decorrente das transições entre as posições na ocupação. Os resultados apontam evidências empíricas de que os diferenciais de rendimentos entre empregados formais e informais e entre empregados formais e trabalhadores por conta-própria são significativos e, por conseguinte, que existe segmentação no mercado de trabalho metropolitano brasileiro. Verificou-se ainda que, apesar do aumento da formalização depois de 2004, os 2

3 diferenciais de rendimentos persistem. Essas estimativas apontam resultados diferentes aos encontrados por Curi e Menezes-Filho (2006), em que estaria ocorrendo uma diminuição da segmentação, a ponto de não se verificar diferenciais de renda entre empregados formais e trabalhadores por conta-própria. Por fim, as estimativas por grau de escolaridade apontam uma maior segmentação para os níveis inferiores no caso dos trabalhadores por conta-própria, enquanto que para os empregados sem carteira a segmentação aumenta com a escolaridade. 1. Mudanças recentes no mercado de trabalho O mercado de trabalho no novo milênio dá sinais de reversão da tendência observada nas últimas duas décadas, pelo menos no que diz respeito ao período de 2004 a A taxa de formalização dos postos de trabalho, após grande queda nos anos 80 e 90, cresce sucessivamente a partir de 2004, alcançando 47% em 2007 e atingindo o nível de Em contrapartida, o emprego informal e o trabalho por conta própria reduziram sua participação no total de postos de trabalho a partir de 2004, como pode ser visto nas figuras a seguir. Figura 1 Participação do emprego formal no total de ocupados (%) - Brasil Metropolitano Fonte: PME, metodologia antiga (1991 a 2002) e nova (2003 a 2007). 3 Pela ausência de dados disponíveis sobre o número de funcionários públicos e seus rendimentos nos anos 90, o emprego formal apenas nessa seção refere-se ao emprego com carteira de trabalho assinada. 3

4 Figura 2 Participação do emprego informal no total de ocupados (%) - Brasil Metropolitano Fonte: PME, metodologia antiga (1991 a 2002) e nova (2003 a 2007). Figura 3 Participação do trabalho por conta própria no total de ocupados (%) - Brasil Metropolitano Fonte: PME, metodologia antiga (1991 a 2002) e nova (2003 a 2007). Uma forma de verificar a existência de segmentação consiste em observar os diferenciais de rendimentos entre empregados protegidos pela carteira de trabalho assinada e os que não possuem contrato de trabalho: empregados sem carteira de trabalho assinada e trabalhadores por conta própria. Estes dois grupos, entretanto, são muito diferentes entre si. Os empregados sem carteira assinada são assalariados, porém não possuem direitos trabalhistas garantidos pelo contrato formal de trabalho. Já os trabalhadores por conta-própria, a rigor, não participam do mercado de trabalho, 4

5 dado que não compram nem vendem trabalho. O trabalho e os rendimentos dos trabalhadores por conta-própria são determinados pelo mercado de produtos vendendo mercadorias e serviços. O diferencial de rendimentos entre empregados formais e informais reduziu-se à metade entre 1994 e 2000, conforme pode ser visto na figura 4. No início da década atual ficou praticamente constante e a partir de 2004 voltou a cair. No caso do diferencial entre empregados com carteira assinada e trabalhadores por conta própria, após uma queda acentuada após o Plano Real, manteve-se constante até o início dos anos 2000 e, assim como o diferencial entre empregados com e se carteira, apresenta retração a partir de Figura 4 Diferencial dos rendimentos habitualmente recebidos (em %) - Brasil Metropolitano formal/informal formal/conta-própria Fonte: PME, metodologia antiga (1991 a 2001) e nova (2002 a 2007). Esses dados revelam, então, que o crescimento da participação do emprego formal a partir de 2004 foi acompanhado por uma aparente diminuição do diferencial de renda entre formal e informal e entre formal e conta-própria, apontando para uma diminuição da segmentação no mercado de trabalho metropolitano brasileiro. Contudo, resta saber se essa queda no diferencial de rendimentos se mantém ao controlarmos pelas características dos trabalhadores, observáveis ou não. 2. Base de dados e metodologia A relevância da segmentação entre postos de trabalho formais e informais depende também da mobilidade existente entre as posições na ocupação. Se o trabalho informal é uma situação transitória, sua implicação para o bem-estar é pequena. Para entender o comportamento da segmentação no período recente, analisaremos as matrizes de transição por posição na ocupação. 5

6 Além disso, a diminuição dos diferenciais de renda entre os segmentos formal e informais pode estar sofrendo efeitos de mudanças na composição da ocupação. 4 Nesse sentido, será estimado um modelo econométrico para testar se os diferencias de renda são significativos e sua evolução ao longo do tempo Dados A análise será feita com base nos dados longitudinais da nova metodologia da Pesquisa Mensal do Emprego (PME/IBGE) no período de 2002 a A PME é uma pesquisa domiciliar de periodicidade mensal e que apresenta um esquema de rotação de domicílios mensal e uma estrutura de painel (IBGE, 2002). Estas características da PME permitem a existência de sobreposição amostral mensal garantindo a precisão das estimativas mensais dos principais indicadores que descrevem o mercado de trabalho brasileiro. A PME pode ser classificada como uma pesquisa de caráter longitudinal onde o mesmo domicílio é entrevistado por 4 meses consecutivos, fica fora da amostra nos oito meses seguintes e volta a ser entrevistado por mais 4 meses. Dessa forma, pode-se acompanhar o domicílio por um período de até 16 meses entre a primeira e a última entrevista. 6 A identificação das pessoas no domicílio tem sido feita a partir das informações disponíveis sobre dia, mês e ano de nascimento e sexo. Ribas e Soares (2007) descrevem detalhadamente todos os problemas do emparelhamento de informações individuais da PME devido a erros nas informações reportadas pelos indivíduos nas re-entrevistas para constituição dos painéis e propõem alternativas para solucioná-los adotando um procedimento mais flexível para aumentar a taxa de identificação no painel de pessoas, minimizando assim as perdas na amostra. 7 Como o objetivo deste artigo é analisar as transições ocupacionais e a mobilidade de renda dos trabalhadores, optou-se por não correr o risco de emparelhar pessoas diferentes, adotando o procedimento mais rigoroso, i. e., através do sexo e mesma data de nascimento. O banco de dados foi construído com as primeiras entrevistas de todas as pessoas e suas respectivas quintas entrevistas, ocorridas nos dozes meses posteriores. Assim, para os indivíduos que entraram na amostra na primeira entrevista do domicílio comparamos a primeira e a quinta entrevista. Já para os indivíduos que foram entrevistados apenas na segunda entrevista do domicílio, a amostra é constituída pela segunda e sexta entrevista do domicílio e assim por diante. Tem-se, desta forma, todos os indivíduos na amostra com informações em dois pontos no tempo com uma diferença de 12 meses entre eles. No período de janeiro de 2002 a agosto de 2007, o banco de dados foi construído com informações sobre 7 painéis. O banco de dados possui ao todo indivíduos (com total de observações) distribuídos por entrevistas conforme mostrado na tabela 1. 4 Consideramos emprego formal o total de empregados com carteira de trabalho assinada e de funcionários públicos estatutários. Assim, todos os empregados com contrato formal de trabalho regidos tanto pela Consolitação das Leis do Trabalho quanto pelo Regime Jurídico Único foram considerados empregados formais. O emprego informal foi definido pelo total de empregados sem carteira de trabalho assinada exclusive os funcionários públicos estatutários ou seja, os assalariados à margem da legislação trabalhista. 5 Até o momento da realização deste trabalho, os dados de 2007 só estavam disponíveis até o mês de agosto. 6 Se a primeira entrevista de um domicílio é realizada em janeiro de 2003, a quinta entrevista deste domicílio será feita em janeiro de 2004 e assim por diante até abril de Como, por exemplo, a data de nascimento próxima e não a exata. 6

7 Tabela 1 Total de indivíduos de acordo com número da entrevista Número da entrevista no domicílio Freqüência Percentual 1ª e 5ª ,4 2ª e 6ª ,0 3ª e 7ª ,0 4ª e 8ª ,6 Total ,00 Fonte: PME/IBGE, 2002 a O recorte principal de análise é a posição na ocupação do indivíduo em sua ocupação principal, em que foram definidos os seguintes segmentos: Empregados formais (F): constituídos pelos trabalhadores com contrato formal de trabalho, ou seja, pelos empregados com carteira de trabalho assinada e funcionários públicos estatutários; Empregados informais (I): empregados sem carteira de trabalho assinada, excluindo os estatutários; 8 Trabalhadores por conta-própria (C) Empregadores (E) Assim, a mobilidade dos trabalhadores foi calculada a partir das transições entre essas quatro posições na ocupação definidas entre a primeira entrevista e um ano depois. A matriz de transição analisada está, portanto, condicionada à situação de ocupado, ou seja, serão analisados os fluxos de trabalhadores entre posições na ocupação o período de 2002 e A outra variável de interesse é a renda do trabalhador, que foi computada considerando os rendimentos habitualmente recebidos na ocupação principal. Para uma análise mais rigorosa dos ganhos de renda, calculamos a renda-hora e deflacionamos pelo INPC conforme proposto por Corseuil e Foguel (2002). Os diferenciais de rendimentos entre a 1ª entrevista e um ano serão calculados para os segmentos definidos anteriormente Metodologia Matrizes de transição Uma das metodologias utilizadas para analisar segmentação é a mobilidade dos trabalhadores a partir das matrizes de transição, que representam uma classificação cruzada dos indivíduos de acordo com sua situação em dois momentos do tempo, ou seja, nas situações de origem (t) e de 8 Esse recorte de emprego informal é importante, já que considerar somente a posse ou não da carteira de trabalho pode incluir os funcionários públicos estatutários nessa categoria. Em Curi e Menezes-Filho (2006) parece que os estatutários foram incluídos no emprego informal, o que gera problemas para análise da segmentação entre emprego formal e informal. 7

8 destino (t+1). Neste estudo, a origem é a posição na ocupação do indivíduo na primeira entrevista e o destino é a posição desse mesmo indivíduo exatamente um ano depois. Essas matrizes serão construídas em dois períodos, antes de 2004 e depois de 2004, para captar possíveis diferenças com o aumento da formalização dos postos de trabalho. A partir das matrizes de transição também serão estimados os diferenciais de renda, conforme modelo a seguir Modelo econométrico Para estimar os diferenciais de rendimento por posição na ocupação, suponha que os rendimentos dos trabalhadores em um dado momento do tempo são determinados pela sua posição na ocupação ( po ) e por uma série de características observáveis ( x i ) como escolaridade, idade, região e sexo: log( y ) β β β x + e ( 1) i = 0 + 1poi + 2 A variável dependente é o logaritmo dos rendimentos-hora habitualmente recebidos e a variável de interesse po i é uma matriz com dummies de posições na ocupação (empregado formal, empregado informal, trabalhador por conta própria e empregador). No banco de dados utilizado, para os indivíduos ocupados com idade entre 25 e 65 anos temos informações relativas a dois anos que chamamos de t o período de origem e t+1 o período de destino um ano depois. As informações referem-se aos anos de 2002 a Portanto, t corresponde a 2002, 2003, 2004, 2005 e 2006 e t+1 corresponde a 2003, 2004, 2005, 2006 e Por exemplo, um indivíduo que foi entrevistado em 2002 voltou a ser entrevistado em 2003 de forma que t corresponde a 2002 e t+1 corresponde a Assim temos a seguinte equação de rendimentos: it β0 + β1 poit + β2 log( y ) = x + δ + a + u t = 1, 2 ( 2) it t i i i it O erro idiossincrático u it é não-correlacionado com as variáveis explicativas, o termo a i representa os fatores individuais não observáveis (como espírito empreendedor, habilidade, motivação) supostos constantes no tempo e δ t representa dummy de ano. Para controlar os efeitos de algumas características não-observáveis nas equações de diferencias salariais, utilizamos procedimento semelhante ao adotado por Curi e Menezes-Filho (2006). Aplicando a primeira diferenciação, eliminamos a i : log( yit ) = δ β po + u ( 3) it it Note que na equação de primeiras diferenças as características observáveis representadas por também não aparecem na equação, pois não mudam ao longo do tempo de forma que não conseguimos separar de a i. A única variável que pode mudar ao longo do tempo é a de educação, x it 8

9 mas como estamos considerando apenas adultos com idade entre 25 e 65 anos, os níveis educacionais são praticamente constantes. 9 Através da equação ( 3) podemos estimar os efeitos das transições entre as posições na ocupação sobre os rendimentos do trabalho controlando pelas características não observáveis dos indivíduos. Dessa forma, será estimada variação salarial decorrente das transições entre trabalhadores formais e informais. Esse modelo foi aplicado para dois períodos: antes e depois de A idéia é avaliar se o comportamento dos diferenciais de rendimentos mudou quando o emprego formal inicia tendência de crescimento. 3. Resultados 3.1. Matriz de transição dos trabalhadores Como podemos observar na tabela 2, o grupo com menor mobilidade entre as posições na ocupação é o de empregados formais, visto que 92% continuam na mesma posição no ano seguinte. Nota-se que 40% dos empregados sem carteira de trabalho assinada mudam de posição no ano seguinte. Embora a mobilidade entre emprego informal e formal seja a mais alta entre as posições na ocupação de origem, apenas 23,7% dos empregados sem carteira de trabalho assinada migram para um emprego formal no ano seguinte. Esse percentual é bem parecido com os apresentados por Curi e Menzes-Filho (2006) nas décadas de 80 e 90 (22,8% e 21,2%, respectivamente) e bem inferior aos 50% encontrados por Sedlacek, Barros e Varandas (1990) para a Região Metropolitana de São Paulo na segunda metade dos anos 80. Os outros 16,4% empregados sem carteira mudam para outros tipos de inserção, principalmente para o trabalho por conta própria (14%) no ano seguinte. Tabela 2 Matriz de transição entre posições na ocupação Posição t+1 Posição t Formal Informal Conta-própria Empregador Formal 92,0 5,1 2,1 0,7 Informal 23,7 59,5 14,0 2,4 Conta-própria 5,8 11,5 75,0 7,1 Empregador 5,1 5,3 22,1 66,6 Total 55,4 15,1 21,7 7,3 Fonte: PME, 2002 a Com relação aos trabalhadores por conta própria, a imobilidade é maior que a dos empregados informais, visto que 75% permanecem na mesma posição um ano depois. Quando eles mudam de posição, as transições mais freqüentes são para o emprego sem carteira de trabalho assinada (11,5%) e para empregador (7,1%). Apenas 5,1% dos trabalhadores por conta própria vão para um emprego formal no ano seguinte. 9 Na amostra, cerca de 18% dos indivíduos mudaram de grau de escolaridade no intervalo de um ano. 9

10 Seguindo Sedlacek, Barros e Varanda (1990), calculou-se o tempo médio de permanência na ocupação, que pode ser obtido através de 1/(1- probabilidade condicionada de que indivíduo esteja na situação i na época t+1 dado que na época t estava na mesma situação). O tempo de permanência no emprego sem carteira assinada é de 2 anos e no trabalho por conta própria é de quatro anos. Já o tempo de permanência no emprego formal é bem superior: 12,5 anos. Figura 5 14 Tempo de permanência na posição na ocupação (em anos) 12, ,5 4,0 3,0 2 0 Formal Informal Conta-própria Empregador Fonte: PME, 2002 a Estes resultados permitem concluir que as formas de inserção na atividade econômica que não possuem um contrato formal de trabalho possuem um tempo de permanência inferior. No entanto, isso não significa dizer que os trabalhadores migram para postos de trabalho formais no curto prazo, pois uma parcela considerável dos empregados sem carteira transitam para o trabalho por conta própria e vice-versa, permanecendo, portanto, sem contrato formal de trabalho. No período analisado, houve aumento das taxas de permanência tanto no emprego formal quanto no informal e no trabalho por conta própria. Os crescimentos das taxas de permanência no trabalho por conta própria e, principalmente do emprego informal, foram bastante superiores ao da taxa de permanência no emprego formal. As matrizes de transição também permitem analisar o tempo de permanência nas posições na ocupação por escolaridade (Figura 7). A taxa de permanência no emprego formal é praticamente igual para todos os níveis de escolaridade dos trabalhadores, em torno de 90%. Já nas ocupações que não possuem contrato de trabalho, a taxa de permanência é decrescente com a escolaridade. Ou seja, o trabalho por conta própria e o emprego informal são menos transitório para as pessoas com níveis de escolaridade mais baixos. 10

11 Figura 6 Taxas de permanência na posição na ocupação 100 emprego formal emprego informal conta própria Fonte: PME/IBGE. Figura 7 Taxas de permanência na posição na ocupação por grau de instrução 100,0 emprego formal emprego informal conta própria 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 até 3 4 a 7 8 a ou mais Fonte: PMEIBGE Resultados do modelo econométrico Após a estimação por Mínimos Quadrados Ordinários, a tabela 3 mostra os diferenciais de rendimentos entre emprego formal (categoria de referência) e o emprego informal e o trabalho por conta própria com a inclusão de controles por características observáveis. Observa-se que antes da inclusão dos controles os diferenciais estavam em torno de 51,5% e 42,4%, em relação ao emprego informal e o trabalho por conta própria, respectivamente. 10 Após a inclusão de outras características observáveis os diferenciais caem para cerca de 28% tanto em relação ao emprego informal quanto em relação ao trabalho por conta própria. Vale ressaltar que a grande redução do diferencial ocorre 10 Note que estes diferenciais são superiores aos apresentados na seção 1 porque, como já explicitado na metodologia consideramos também como empregados formais os funcionários públicos estatutários que em média possuem renda mais alta do que os empregados com carteira de trabalho assinada. 11

12 do modelo (1) para o modelo (2) com a adição das variáveis sobre a produtividade dos trabalhadores (educação e idade como Proxy de experiência). Os resultados da estimação por primeiras diferenças (equação 3), que permite o controle pelas características não observáveis dos trabalhadores, podem ser encontrados nas tabelas 4 e 5. Na tabela 4, percebe-se o efeito da transição do emprego formal para o trabalho por conta própria sobre o log dos rendimentos-hora é de -12,3% em relação aos trabalhadores que não mudam de posição na ocupação (categoria omitida). O caminho inverso representa um ganho de 12,8%. Estes coeficientes são diferentes dos apresentados por Curi e Menezes-Filho (2006) que mostram que, na segunda metade dos anos 90, tanto a transição do emprego formal para o trabalho por conta própria quanto o inverso representam uma variação positiva da renda. 11 A perda do contrato formal para os empregados representa uma queda de 6% nos rendimentos, ou seja, metade do diferencial em relação ao trabalho por conta própria. Este resultado é praticamente igual ao estimados por Curi e Menezes-Filho (2006), para o final da década de No entanto, no período analisado nota-se um pequeno aumento dos diferenciais de rendimentos contrariando a tendência de redução observada nas duas últimas décadas pelos mesmos autores. Mas será que os diferenciais de rendimentos entre emprego formal e informal ou trabalho por conta própria variam de acordo com o nível de escolaridade dos trabalhadores? A tabela 5 apresenta os diferenciais por nível de escolaridade do trabalhador. Primeiramente, o ganho de renda ao deixar de ser trabalhador por conta própria e se tornar um empregado formal é decrescente com a escolaridade. O efeito desta transição chega a ser de 25,3% para aqueles que têm até 3 anos de estudo, enquanto para os que possuem 11 anos de estudo ou mais o ganho é de apenas 4,3%. Da mesma forma, o caminho de volta, i.e., a transição do emprego formal para o trabalho por conta própria tem um efeito negativo nos rendimentos da ordem de 20% para os que não completaram o primeiro grau e de 6,8% para o grupo com o segundo grau completo. Neste aspecto o mercado de trabalho parece mais segmentado para os grupos com escolaridade mais baixa. Com relação à transição do emprego informal para o formal, os resultados são mais difíceis de serem interpretados. Se por um lado os ganhos da formalização do contrato de trabalho são crescentes com escolaridade, por outro, a transição do emprego formal para o informal representa uma perda maior para os trabalhadores com escolaridade mais baixa, indicando possivelmente que essa não é uma escolha voluntária, mas uma imposição do mercado de trabalho. Apesar disso, vale mencionar, enfim, que o comportamento é distinto em relação ao conta-própria, visto que os diferenciais salariais relacionados a transição do emprego informal para o formal é crescente com a escolaridade. 11 Em Curi e Menezes-Filho (2006), os rendimentos médios dos trabalhadores por conta-própria sao muito inferiores aos dos empregados formais e informais, mas quando estimados os diferenciais por esse método economético passam a ganhar mais que os formais no final do período. Mesmo sabendo da importância dos controles, esses resultados causam estranheza. 12

13 Tabela 3 Resultados da estimação da equação de renda Variável dependente: log da renda-hora real (1) (2) (3) (4) emprego informal (66.17)** (48.90)** (49.78)** (43.16)** trabalho por conta própria (61.25)** (47.94)** (46.00)** (46.92)** empregador (53.69)** (47.60)** (47.57)** (44.22)** 4 a 7 anos de estudo (22.85)** (21.61)** (22.40)** 8 a 10 anos de estudo (40.17)** (40.36)** (41.57)** 11 anos de estudo ou mais (119.29)** (121.65)** (127.40)** Idade (61.88)** (62.35)** (64.67)** Salvador (6.34)** (8.45)** Belo Horizonte (35.64)** (37.70)** Rio de Janeiro (32.14)** (34.31)** São Paulo (62.77)** (64.38)** Porto Alegre (44.15)** (46.26)** Mulher (57.75)** (18.53)** (21.43)** (18.60)** (14.15)** Constante (814.31)** (121.11)** (90.48)** (109.92)** Observações R Valor absoluto da estatística t em parênteses. * significante a 5%; ** significante a 1% Nota: Os grupos de referência são: emprego formal (com carteira e funcionários públicos); até 3 anos de estudo; Recife, homem e o ano de

14 Tabela 4 Resultados da estimação da equação de renda - primeiras diferenças variável dependente: variação do log da renda-hora real Total conta própria-formal (4.38)** (7.69)** (8.49)** conta própria-empregador (4.64)** (4.43)** (6.47)** conta própria - informal (1.30) (1.53) (0.10) formal-conta própria (5.41)** (5.63)** (7.87)** formal-empregador (0.77) (5.36)** (4.15)** formal- informal (3.34)** (4.87)** (5.80)** informal- formal (5.50)** (8.38)** (9.82)** Informal-conta própria (0.36) (1.92) (1.09) Informal-empregador (7.10)** (2.87)** (6.97)** empregador-formal (3.19)** (4.19)** (5.23)** empregador-conta própria (8.74)** (9.50)** (12.95)** empregador- informal (5.63)** (7.50)** (9.29)** (15.05)** (16.47)** (21.52)** (3.90)** (25.24)** (3.71)** (20.79)** Constante (16.70)** (10.64)** (19.08)** Observações R Valor absoluto da estatística t em parênteses. * significante a 5%; ** significante a 1% Nota: Os grupos de referência são: trabalhadores ocupados que não mudaram de posição na ocupação e o ano de

15 Tabela 5 Resultados da estimação da equação de renda por anos de estudo - primeiras diferenças variável dependente: variação do log da renda-hora real até 3 4 a 7 8 a ou mais Média conta própria-formal (4.53)** (7.50)** (4.69)** (1.96)* (8.49)** conta própria-empregador (1.78) (3.10)** (4.08)** (3.74)** (6.47)** conta própria - informal (1.48) (0.69) (0.55) (1.51) (0.10) formal-conta própria (3.01)** (6.97)** (3.19)** (2.97)** (7.87)** formal-empregador (3.50)** (2.50)* (1.07) (2.98)** (4.15)** formal- informal (1.44) (5.03)** (2.18)* (2.84)** (5.80)** informal- formal (0.67) (3.73)** (3.24)** (9.03)** (9.82)** informal-conta própria (2.75)** (0.07) (0.14) (0.55) (1.09) informal-empregador (2.73)** (1.19) (3.57)** (5.80)** (6.97)** empregador-formal (0.66) (2.71)** (2.06)* (3.93)** (5.23)** empregador-conta própria (1.44) (5.66)** (5.12)** (10.82)** (12.95)** empregador- informal (0.29) (4.87)** (5.61)** (5.88)** (9.29)** (5.01)** (8.74)** (7.81)** (10.52)** (16.47)** (7.19)** (11.07)** (9.71)** (14.06)** (21.52)** (6.02)** (11.10)** (11.15)** (18.93)** (25.24)** (4.49)** (10.73)** (8.70)** (15.04)** (20.79)** Constante (4.18)** (8.39)** (8.36)** (14.49)** (19.08)** Observações R Valor absoluto da estatística t em parênteses. * significante a 5%; ** significante a 1% Nota: Os grupos de referência são: trabalhadores ocupados que não mudaram de posição na ocupação e o ano de

16 Considerações finais O mercado de trabalho brasileiro no início dos anos 2000 vive uma dinâmica diferente dos anos 80 e 90. Assistimos a um expressivo crescimento do emprego formal que apresenta um novo contexto para análise da segmentação do mercado de trabalho brasileiro. Os diferenciais de rendimentos entre empregos formais e informais e entre empregos formais e trabalho por conta própria, sem controlar pelas características dos trabalhadores, embora em queda desde os anos 80, ainda beneficiam os empregos protegidos por um contrato formal de trabalho. Utilizando dados de painéis da PME/IBGE de 2002 a 2007, as matrizes de transição dos trabalhadores apontam que grupo com menor mobilidade entre as posições na ocupação é o de empregados formais, visto que 92% continuam na mesma posição no ano seguinte. Nota-se que 40% dos empregados sem carteira de trabalho assinada mudam de posição no ano seguinte. Apesar da mobilidade entre emprego informal e formal ser a mais alta entre as posições na ocupação de origem, menos de um quarto dos empregados sem carteira de trabalho assinada migram para um emprego formal no ano seguinte. Com relação aos trabalhadores por conta própria, a imobilidade é maior que a do emprego informal (75% permanecem na mesma posição um ano depois) e as migrações mais freqüentes não são para o emprego formal, mas sim para o emprego informal e para empregador. Através da análise das matrizes por nível de escolaridade dos trabalhadores, notase que a taxa de permanência no emprego formal é praticamente igual para todos os níveis de escolaridade dos trabalhadores, enquanto nas ocupações informais, a permanência é decrescente com a escolaridade. Ou seja, o trabalho por conta própria e o emprego informal são menos transitório para as pessoas com níveis de escolaridade mais baixos. Os resultados econométricos apontam que, após o controle pela heterogeneidade dos trabalhadores, os diferenciais de rendimento entre empregados formais e empregados informais e, sobretudo, entre empregados formais e trabalhadores por conta-própria persistem. Enquanto a transição do trabalho por conta própria para o emprego formal e vice-versa representa um ganho ou perda de cerca de 12%, o diferencial em relação ao emprego informal é mais baixo (9% de acréscimo com a formalização e -6% com a perda da carteira assinada). As estimativas por grau de instrução mostram que os diferencias de rendimentos são decrescentes com o nível de escolaridade indicando uma maior segmentação entre empregos formais e trabalho por conta própria para os trabalhadores com níveis de escolaridade mais baixos. Já para os empregados sem carteira de trabalho assinada os ganhos da formalização são crescentes com o grau de instrução. Estes resultados são diferentes dos encontrados na literatura nacional à medida que apontam uma segmentação entre empregos formais e trabalho por conta própria maior do que em relação ao emprego informal, principalmente, para os trabalhadores com escolaridade baixa. Os resultados sugerem, ao menos pelas evidências dos diferenciais de rendimentos, que os trabalhadores por conta-própria com baixa escolaridade fazem parte da fila para o emprego formal. 16

17 Referências bibliográficas Barros, R. P. de e Varanda, S. A carteira de trabalho e as condições de trabalho e remuneração dos chefes de família no Brasil. Revista da Anpec, 10 (12): 15-20, dez Barros, R. P. de; Sedlacek, G. L.; Varanda, S. Segmentação e mobilidade no mercado de trabalho: a carteira de trabalho em São Paulo. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 20, n. 1, p , Barros, R.P. de e Mendonça, R. Os determinantes da desigualdade no Brasil (Texto para Discussão, 377). IPEA; Brasília; jul Bosh, M. e Maloney, W. Comparative Analysis of Labor Market Dynamics Using Markov Processes: An Application to Informality. Texto para discussão n. 3038, IZA, Bon, setembro Corseuil, C. H. e Foguel. M. N. Uma sugestão de deflatores para rendas obtidas a partir de algumas pesquisas domiciliares do IBGE. (Texto para discussão, 897). IPEA, Rio de Janeiro, Curi, A. Z. e Menezes-Filho, N. A. "Os Determinantes Das Transições Ocupacionais No Mercado De Trabalho Brasileiro," Estudos econômicos, São Paulo, 36(4): , out-dez Pero, V. A Carteira de Trabalho no Mercado de Trabalho Metropolitano Brasileiro", Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 22, n. 2, Pero, V. e Urani, A. "Determinantes do Excesso de Oferta de Mão-de-Obra para o Segmento Formal do Mercado de Trabalho Metropolitano", In: Perspectivas da Economia Brasileira , cap. 26, DIPES-IPEA, Rio de Janeiro, Tannuri-Pianto, M.; Pianto, D. Informal employment in Brazil: a choice at the top and segmentation at the bottom a quantile regression approach. Texto para discussão no 236. Brasília, UNB, Ulyssea, G. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura. Texto para Discussão n. 1070, IPEA,

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Lauro Ramos* Maurício Cortez Reis** 1 INTRODUÇÃO O conjunto de evidências empíricas apresentadas por Ferreira e Veloso (23) mostra

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Um indicador de satisfação no trabalho e a mobilidade do mercado de trabalho: um estudo para homens e mulheres

Um indicador de satisfação no trabalho e a mobilidade do mercado de trabalho: um estudo para homens e mulheres Um indicador de satisfação no trabalho e a mobilidade do mercado de trabalho: um estudo para homens e mulheres Danielle Carusi Machado a Adriana Fontes Rocha Expósito da Silva b Resumo Existem evidências

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE {dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE A taxa de desocupação ficou praticamente estável, pois suas variações em relação a março (9,0%) de 2009 e também a abril de 2008 (8,5%)

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL

A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL Amarildo Hersen (Economista, Mestre em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, docente UNICENTRO) e-mail: amarildohersen@yahoo.com.br.

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Florianópolis, 17 de agosto de 2011.

Florianópolis, 17 de agosto de 2011. PROXIMIDADE DO FIM DE ANO IMPACTA A PERSPECTIVA DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS CATARINENSES EM SETEMBRO O forte crescimento mensal da perspectiva de consumo das famílias catarinenses, de 12,7%, foi o principal

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS EFEITOS DA POLÍTICA DE FORMALIZAÇÃO DOS MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS

UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS EFEITOS DA POLÍTICA DE FORMALIZAÇÃO DOS MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS UMA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS EFEITOS DA POLÍTICA DE FORMALIZAÇÃO DOS MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS Carlos Henrique L. Corseuil* Marcelo C. Neri** Gabriel L. Ulyssea*** 1 INTRODUÇÃO Desde a introdução

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março A taxa de desemprego registrou elevação para 5,7% em março ante 5, observado em fevereiro nas seis regiões metropolitanas pesquisadas na apuração da Pesquisa

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE*

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE* CAPÍTULO 7 LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL: INCENTIVANDO A INFORMALIDADE* José Márcio Camargo** Maurício Cortez Reis*** 1 INTRODUÇÃO Em dezembro de 1993 foi aprovada a Lei Orgânica da Assistência Social

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Segundo Relatório Parcial

Segundo Relatório Parcial Segundo Relatório Parcial UMA ANÁLISE DE FLUXOS E IMPACTOS ASSOCIADOS À EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE ENSINO MÉDIO (EJA) NO BRASIL André Portela Fernandes de Souza Priscilla Albuquerque Tavares Vladimir

Leia mais

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos capítulo 29 Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos Sergei Suarez Dillon Soares* Natália de Oliveira Fontoura* Luana Pinheiro* 1 INTRODUÇÃO * Os autores Sergei Suarez

Leia mais

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica 1. Introdução Diogo Braga Mendes¹ Charlene de Carvalho Silva² Marinalva Cardoso Maciel³

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

JUVENTUDE PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM. Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel Foguel (IPEA) Gustavo Gonzaga (PUC-Rio)

JUVENTUDE PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM. Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel Foguel (IPEA) Gustavo Gonzaga (PUC-Rio) JUVENTUDE E risco RISCO PERDAS E GANHOS SOCIAIS NA CRISTA DA POPULAÇÃO JOVEM EFEITOS DE UM PROGRAMA DE APRENDIZ SOBRE SALÁRIOS E EMPREGABILIDADE DE JOVENS NO BRASIL Carlos Henrique Corseuil (IPEA) Miguel

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas

Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas Evolução do diferencial de rendimentos entre setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas 1 Introdução Mariângela Antigo (CEDEPLAR/UFMG) Ana Flávia Machado (CEDEPLAR/UFMG)

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Os dados coletados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Uf 3 8 V040 Número de controle (1) Ncs Nº de sequencia (1)

Uf 3 8 V040 Número de controle (1) Ncs Nº de sequencia (1) PARTE 1 - IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE 26 Recife 29 Salvador 1 2 V035 RM 31 Belo Horizonte 33 Rio de Janeiro 35 São Paulo 43 Porto Alegre (2) Uf 3 8 V040 Número de controle (1) (4) Ncs Nº de sequencia (1)

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

Menos Empresas, Melhores Negócios Marcelo Neri SAE, IPEA, CDES e EPGE/FGV. XXV Forum Nacional INAE Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2013

Menos Empresas, Melhores Negócios Marcelo Neri SAE, IPEA, CDES e EPGE/FGV. XXV Forum Nacional INAE Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2013 Menos Empresas, Melhores Negócios Marcelo Neri SAE, IPEA, CDES e EPGE/FGV XXV Forum Nacional INAE Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2013 O combustível da ascensão social brasileira dos últimos anos é o trabalho.

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 Rio de Janeiro, 05 de setembro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea 2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea Evolução segundo a ótica do Relatório Stiglitz-Sen: http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf Recomendações Enfatizarrenda

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral

Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Pesquisa por Amostragem: Política de Divulgação de Estimativas com Baixa Precisão Amostral Nádia Pinheiro Dini 1 Resumo: Nesse artigo, apresentam-se vários fatores que podem ser considerados ao se divulgar

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Esta é uma edição especial do boletim Empreendedorismo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011)

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011) Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais