Nº 9. Gasto Social Federal: prioridade macroeconômica no período Brasília, setembro de 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº 9. Gasto Social Federal: prioridade macroeconômica no período 1995-2010. Brasília, setembro de 2012."

Transcrição

1 Gat Scial Fral: priria macrcômica prí Jrg Abrahã Catr Jé Aparci Carl Ribir Jé Valt Chav Bru Carvalh Duart Nº 9 Braília, tmbr 2012.

2 NOTA TÉCNICA Gat Scial Fral: priria macrcômica prí # Jrg Abrahã Catr * Jé Aparci Carl Ribir ** Jé Valt Chav *** Bru Carvalh Duart **** 1. Itruçã O bat br a fiaça pública é tma fuamtal rlvâcia para a cia. Qutõ cm tributaçã, gat públic, plítica pública, gtã ctrl cial mpr atram itr ciaã cmum a itituiçõ rgaizaa, tr utra razõ prqu a ciõ tmaa camp aftam ti t. Part imprtat a via a pa, família, mpra mai itituiçõ paa pla frma cm qu Eta ua plítica pública itragm itrfrm m u ctiia. E, tr a miría plítica pública implmtaa, ã a plítica ciai particularmt imprtat ívi para a qualia via ciaã ja pla ua prça u auêcia, pla ua aquaçã u pla ua iuficiêcia. N ti, pquiar batr a plítica pública m gral a plítica ciai m particular ctitui uma aga prmat para a cia cm um t, uma a razõ a xitêcia uma itituiçã cm Ipa. Et trabalh vm cumprir uma tarfa imprtat para a icuã: a muraçã vlum rcur aplica pl gvr fral a plítica ciai prí qu iclui a tr # Eta ta atualiza a aáli aprta m Ipa - 15 A Gat Scial Fral - Nta Sbr Prí 1995 a 2009, Cmuica Ipa º 98. Ipa, Brailia, 2011; Catr t alli Gat Scial Plítica Macrcômica: Trajtória Tõ Prí Braília: Ipa, 2008 (Txt para Dicuã, º 1324); Chav, J.V. ; RIBEIRO, J. A. C.. Gat Scial Fral: uma aáli a xcuçã rçamtária I: Jé Cl Car Jr.. (Org.). Brail m Dvlvimt: Eta, plajamt plítica pública. 1. Braília: Ipa, 2010, v. 1, p * Dirtr Etu Plítica Sciai Ipa. ** Técic Plajamt Pquia a Dic/Ipa. *** Técic Dvlvimt Amiitraçã a Dic/Ipa. **** Pquiar Prgrama Nacial Pquia Dvlvimt Ipa. 1 Nã é bjtiv t trabalh tratar gat cial a carg ta muicípi, tampuc a carg a família mpra.

3 Rvlar mtat ftivamt gat a plítica ciai, iat ttal rcur mbiliza pl gvr fral, ajua a iicar a irçã ccrta ua atuaçã, bm cm iica também a ajut raliza cjut a plítica pública cquêcia a luta tr ivr atr itr pr mlhr piçõ jut a fu públic. O bjtiv ta Nta Técica é aprtar a trajtória Gat Scial Fral (GSF), tal cm apura mura pla Dic/Ipa 2, prí 1995 a Epcificamt, tratar--á a trajtória GSF a ára atuaçã m trm u valr rai ctat u ja, brva- mvimt iicar já cta fit a iflaçã acumulaa prí, quat à priria macrcômica calcula- vlum rcur tia/aplica m caa ára atuaçã cial mi cm prctual PIB. Para cumprir tai bjtiv, ta Nta Técica ivi- m 4 çõ além ta itruçã. Na próxima çã raliza- brv aprtaçã uma tiplgia ritara para aáli a plítica ciai Brail. O a rlativ a ttal Gat Scial Fral ã aprta a trcira çã. Na quarta çã, aprta- a trajtória GSF agrgaa ára a ára prcb- qu a iâmica a ivra plítica qu itgram GSF ã é hmgêa: caa ára atuaçã tm um ritm crcimt itit, qu rp a qutõ itríca a la. Cm rulta mvimt, a cmpiçã GSF mua a lg prí. Uma última çã aclh alguma ciraçõ fiai. 2. Dlimitaçã a plítica cial brailira A plítica cial Brail aia carc uma ótica mai itgrara pr part gvr. N ti é qu prcb a ificula par a plítica cial brailira a prpctiva a iia Wlfar Stat u mm icutir a valia tal ccit para quarar quma vigt atualmt. Ccrr para i, também, fat qu a litratura acial br tma avaça m batat trializa, pr plítica pcífica, cm prmiâcia a aáli mpírica cm pibilia mtlógica. 2 O tu raliza pla Dic Ipa a rpit imiamt acmpahamt gat cial fral ã cuzi b a mtlgia ára atuaçã. E ccit ã quara a claificaçõ fuciai u itituciai gralmt utilizaa m tu br ipêi gvr fral. Ou ja, gat alca m uma ára atuaçã ã cariamt crrp a gat um miitéri pr xmpl, gat a ára atuaçã Eucaçã ã quival autmaticamt a gat Miitéri a Eucaçã. Ea itiçã faz- cária prqu, muita vz, tr um mm órgã gvramtal, cvivm prgrama plítica pública qu pm r cmpri cm prtct a itit tma ciai.

4 Prtat, a ia tórica atual Brail tm cm trmiat a viã fragmtaa a qutã cial a puca fiiçã camp ctitutiv a plítica cial. N tat, para fit t trabalh, atar um ccit rgaizar qu t pr plítica cial rá um pa fuamtal para ftuar imiamt aáli rpctiv gat ciai. Ea tarfa é mai cmplicaa qu parc à primira vita, cira a cmplxia a malha frmaa pla itituiçõ gvramtai, u rpctiv âmbit atuaçã aparat juríic qu á uprt à truturaçã a plítica pública. Além i, a plítica pública a plítica ciai m particular pum apct batat iâmic uma vz qu, m ua trajtória hitórica, caa cia icrpra rchcimt trmiaa ctigêcia, ric ciai iguala jávi, xigi qu Eta utr t ciai aumam a rpabilia pla ua fa prtçã. Tai prc ctitum, m caa paí, itma prtçã prmçã cial cm mair u mr abragêcia, ma qu ã iâmic, ta a mair part tmp m ctruçã u m rfrma. Cmpr-, a partir aí, pr qu labrar uma fiiçã plítica cial é uma tarfa cmplxa. Na litratura br aut, ã tã ivra a itrprtaçõ quat ã a abrag tórica autr. Apar rchcr a ificula limitaçõ, atarm aqui timt a plítica cial cm cmpta pr um cjut prgrama açõ Eta qu maiftam m frta b rviç, trafrêcia ra rgulaçã, cm bjtiv atr à cia a irit ciai qu aftam vári cmpt a ciçõ báica via a ppulaçã, icluiv aqul qu izm rpit à pbrza à iguala. Cab alitar, trtat, qu m algu ca b rviç imilar a frci pl Eta pm também r frta pr tia privaa, jam la lucrativa u ã. Em ti mai ampl, p- izr qu uma plítica cial buca: (i) prtgr ciaã miat a guraça cial qu tm cm iia-frça a liaria a iivíu, família grup m trmiaa ituaçõ pêcia, u vulrabilia, tr a quai pm citar: (a) icapacia gahar a via pr cta própria m crrêcia fatr xtr, qu ipm a vta iiviual; (b) vulrabilia vi a cicl vital r huma criaça i, pr xmpl; (c) ituaçõ ric, cm m ca acit ivaliz pr acit tc; (ii) ralizar a prmçã cial miat a graçã prtuia rulta para iivíu /u grup ciai.

5 Um itma prtçã prmçã cial cm aprta cmplx quma itribuiçã/ritribuiçã ra b rviç, pra tat aplica igificativa parcla PIB m plítica triai travrai qu maiftam bjtivamt m açõ prgrama públic, mati gri pl Eta. Ou ja, miat uma itricaa r tribut, trafrêcia, prviã b rviç, rcur ã itribuí ritribuí m múltipl ti, tr ric pbr, tr jv i, tr família cm m criaça, tr auávi t. O qu acaba pr aftar a ituaçã cial iivíu, família grup ciai, afta também a cmia própri patamar mcracia alcaça. Para atigir bjtiv mcia, Eta brailir atualmt vlv um cjut ivrifica plítica pública, qu ã aprtaa rumiamt a Figura 1. Para ar rpta a primir bjtiv Prtçã Scial, agrupam- a plítica ciai viculaa à guria cial, tiaa a ruzir mitigar ric vulrabilia a qu qualqur iivíu tá xpt uma cia mrca, tal cm ã pr prvr u utt ua família atravé trabalh, ja pr vlhic, mrt, ça u mprg: a catgria glba ifrt prgrama açõ a prviêcia cial (aptaria, põ auxíli) gral tr públic, aú, aitêcia cial gur-mprg 3. 3 Catr, J. A. Plítica Scial Brail Ctmprâ. (mim) Ipa. Brailia, 2012.

6 Figura 1 Objtiv plítica trai travrai a plítica cial brailira POLÍTICAS SETORIAL POLÍTICA TRANSVERSAL AREAS DO GSF Prviêcia Scial Gral Srvir públic Prviêcia Scial Gral (RGPS) Prtçã cial (guria cial) Saú Iguala Gêr Bfíci rvir públic Saú Aitêcia Scial Iguala Racial Aitêcia Scial POLÍTICA SOCIAL Habitaçã Urbaim Saamt Báic Criaça alct Juvtu Alimtaçã Nutriçã Habitaçã Urbaim Saamt Báic Trabalh Ra Trabalh Ra I Prmçã cial (Oprtuia Rulta) Eucaçã Eucaçã Dvlvimt Agrári Dvlvimt Agrári Cultura Cultura Ft: Elabraçã própria a partir CASTRO (2012). Para gu bjtiv Prmçã Scial, agrupam- a plítica qu, a partir trmia itrumt, prtm garatir a ciaã prtuia rulta mai ampl mai quâim ac a rcur bfíci cquita pla cia m u prcur hitóric. Tai plítica cmprm um vat pctr açõ qu abarca a frmaçã vlvimt ciaã ca a ucaçã, ac à cultura a plítica trabalh ra qu bucam a qualificaçã prfiial rgulaçã mrca trabalh, até a mcratizaçã ac a ativ cm a plítica vltaa à agricultura familiar (ac a créit, xtã rural, rfrma agrária), à cmia liária, à habitaçã, à mbilia urbaa. Além i, é vlvia uma éri plítica crt mai travral, qu pm tr carátr tat prtçã cm prmçã cial, cm ã a açõ vltaa para a iguala gêr para a iguala racial, aim cm aqula tiaa pcificamt à tapa cicl via, cm ã a plítica para a criaça, alct, juvtu i.

7 Ea tiplgia aalítica ã caixa m prfit, trtat, à mtlgia utilizaa a muraçã Gat Scial Fral pr ára atuaçã, tal cm ralizaa t trabalh atrir uma traiçã qu já alcaça 15 a. Uma primira itiçã imprtat é qu, qua abram a plítica ciai pla ótica ric /u cicl via, a plítica cuh prviciári aprximam. Etrtat, a lhar públic bficiári, a rgra itituciai, apct juríic tc, prcb- qu há gra itiçõ tr rgim prviêcia tia a trabalhar tr priva rgim prviêcia tia a rvir públic 4. Cm gra ifrça m trm u impact itributiv ritributiv. Além i, cm a paraçã é pívl, m trm viibilia rçamtária, jutificávl, pi bfíci prviciári a rvir fral pum rlvâcia macrcômica pr i, faz ti para bjtiv muraçã, xplicitaçã aáli gat gvr fral m plítica ciai qu rgim prviciári aprtm- m ára atuaçã paraa. Outra qutã imprtat é qu a iviã pr ára atuaçã aqui prpta ã lia cm a plítica ita travrai. Pr pl m ua razõ. A primira razã é qu ria, im, pívl rvlar gat cm aqula plítica qu trazm rfrêcia a alguma ta travralia u m u bjtiv; u qu têm rigm m algum órgã rpctiv cm, pr xmpl, a Sppir u SPM. Ma aí a imagm rultat ria gaa, pi a êcia a plítica travrai é tiar rigificar a plítica triai cláica, m utra palavra, a imprtâcia um órgã cm a Sppir ã p r mia apa pl rçamt qu xcuta irtamt, ma também pl uc qu tm u ã m cguir icrprar a prcupaçã cm a qutã racial a plítica a carg miitéri a Saú u a Eucaçã, u a atuaçã Juiciári, fim. N ti, uma frma mai aquaa aprtar a tmática ria a ctruçã tu qu prtm icrprar t a prgrama açõ qu vriam r tia pr a plítica travrai a mlhaça, pr xmpl, Orçamt a Criaça raliza pl Ic. E aí ri a gua razã pla qual aqui ã príam ralizar tarfa mlhat: bjtiv é rvlar aaliar cjut Gat Scial Fral, icrprar a lt a travralia implicaria brigatriamt upla tripla ctag uma vz qu a mma plítica ucaçã pria tr qu r ciraa para 4 Qu, pr ua vz, aprta itiçõ também imprtat m u ubitma xcutiv civil, xcutiv militar, lgilativ juiciári.

8 juvtu iguala racial, uma mma plítica aú, para iguala racial iguala gêr, aim ucivamt Trajtória Gat Scial Fral O rulta imiamt Gat Scial Fral (GSF) para prí 1995 a 2010 é aprta Gráfic 1. O valr aprta tã flacia mê a mê para R$ ctat zmbr 2011, pl IPCA, também m prctuai PIB, cm iicar a priria macrcômica 6 aplicaa a GSF prí. Gráfic 1 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a ,00 800,0 16,00 15,54 15,54 700,0 14,00 12,00 IB P % 10,00 8,00 6,00 11,24 10,98 11,51 234,0 237,4 259,8 13,20 13,00 12,25 12,16 12,56 12,92 12,95 340,0 343,3 374,9 327,6 306,8 286,9 280,1 13,82 406,6 14,35 14,38 14,19 516,3 485,7 447,8 576,5 638,5 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R 4, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Elabraçã: Dic/Ipa. 5 Já há cirávl arbitraria a fiiçã a ára atuaçã aqui atualizaa, cm, pr xmpl a ciã laçar gat cm hpitai uivritári m aú ã m ucaçã, u gat cm mra clar m alimtaçã utriçã, m vz ucaçã. Ttar icrprar a travralia pria trar trabalh glbal iviávl aia qu ja plamt factívl a ctruçã rçamt pcífic para caa um tma travrai lita a Figura 2. 6 Dtr utr iicar, ã fuamtai brigatóri a aáli fiaça pública priria macrcômica qu cit m mir vlum rcur alca m uma plítica pública quat prctual PIB priria fical qu m vlum rcur alca m uma plítica pública quat prctual ttal gat públic.

9 O Gráfic 1 mtra a lvaçã prmat gat ciai gvr fral m t prí. O GSF partiu R$ 234,0 bilhõ m 1995 para alcaçar R$ 638,5 bilhõ m Um crcimt ral 172% m 16 a. S cira também crcimt ppulacial mm prí v. Gráfic 2, brva- qu GSF pr capita mai qu bru m trm rai, paa R$ 1.471,46 m 1995 para R$ 3.324,84 m Ea trajtória crcimt, mbra prmat, ã fi hmgêa. Há mmt mai lt cm 2002/2003 utr mai vlz cm 1996/ /2007. É prcptívl também, a partir gráfic, qu a imprtat lvaçã GSF crria 1995 a 2003 fr uma cirávl iflxã a partir 2004, aclra batat a trajtória. Na primira mta a éri ( ), GSF pr capita crcu 32% m trm rai; a gua mta ( ), crcu 70%. Apartmt, va aclraçã crru a partir Em part itiga pla rpta a mbarqu a cri itracial paí, v ritm a crcimt GSF ã u iai fragm m Aia é c, t m, para cirá-la uma iflxã trutural. Gráfic 2 Trajtória Gat Scial Fral pr capita, 1995 a , , , ,61 1 /1 z2500,00 t ta c2000,00 $ R 1802, , , , , , , , , , , , , , , , Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa.

10 Na cmparaçã cm PIB v. Gráfic 1, a trajtória GSF aum um h ifrt. O rulta fial ctiua pitiv: prí aalia, agrgam- à plítica ciai frai rcur a rm 4,3 p.p PIB 1,7 p.p. tr ; 2,6 p.p. tr E mmt aclraçã crcimt ral GSF, crri m 1998/1999 m 2002/2003 ã pr aca, cjutura cri cômica 7, raparcm, à mlhaça brva a trajtória calculaa para GSF m trm pr capita 8. Apar crcimt ctíu GSF m valr rai últim a, a parcla PIB tiaa a gat ciai gvr fral matv- távl cm vié qua icluiv tr , para tã ar um alt iéit m 2009, rptir mm patamar a guit. E mvimt mrc um lhar mai cuia. É imprtat raltar qu a tabilia GSF m trm PIB viha crr apar um ritm aclra crcimt m trm pr capita. Ou ja, gat ciai crcram tr , ma ã a pt xigir uma parcla mair PIB para tal. E apart parax xplica- pl ritm mai pujat crcimt a cmia brailira qu crria tã. Cm PIB crc rapiamt, fi pívl abrvr um GSF mair m qu i acarrta um frç mair para a cmia m u cjut. Icluiv, a parcla PIB tiaa à plítica ciai gvr fral ruziu- lvmt m Vr Catr t alli Gat Scial Plítica Macrcômica: Trajtória Tõ Prí Braília: Ipa, 2008 (Txt para Dicuã,. 1324). 8 A timativa aqui ralizaa pla mtlgia ára atuaçã rvla um GSF para a ,54% PIB. Imprtat lmbrar qu timativa ralizaa atrirmt, pl mét ititucial, chgu a patamar batat próxim, 15,4% PIB. O qu cfirma ua utilia para a graçã uma timativa prcc GSF glbal, aia qu ã prmita a ralizaçã aáli ára pr ára. Vr Cmuica Ipa º 108, 2011.

11 2010. Gráfic 3 Taxa Crcimt Ral Gat Scial Fral PIB, 1995 a 14,00 12,00 11,67 10,75 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 10,14 9,42 9,19 8,46 8,45 7,82 6,92 6,79 5,71 6,09 4,31 3,38 3,79 3,96 2,15 2,43 3,16 1,47 2,66 1,31 1,15 0,04 0,25 0,98 7,53 6,30 5,17 96/95 97/96 98/97 99/98 00/99 01/00 02/01 03/02 04/03 05/04 06/05 07/06 08/07 09/08 10/09-0,33-2,00 Variaçã GSF prctual ral Variaçã PIB prctual ral Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa. É b mm prima qu v brvar alt crri a parcla PIB alcaa GSF m Cm impact a cri cômica a cmia brailira, qu fram mai it tr últim trimtr 2008 primir mtr 2009, a cmia brailira tru m rcã. A rcupraçã fi rápia, a partir gu mtr 2009, frt a utr paí qu frtaram taxa gativa crcimt. N ti, é cári lmbrar qu a m uma parcla frt crcimt GSF m rlaçã a PIB a 14,4% m 2008 para 15,5% m 2009 pria r atribuí a um fit cmpiçã : gat ciai (umrar) ctiuaram crc, quat PIB (miar) prmacu mm. Etr , rtra- a ritm atrir à cri frt crcimt GSF m imultâ a frt crcimt PIB (v. Graf. 3), qu prmit a prctual PIB matr- qua ialtra (v. Graf 2) apar crcimt GSF ctiuar it, ja m valr rai agrga (v. Graf 1), ja m valr rai pr capita (v. Graf. 2). Prém, a tabilia brvaa m 2010 ctra- m um patamar batat uprir m rlaçã a vigt prí 2006/2008 (v. Gráfic 1) qu parc iicar qu, para além a

12 rpta à cri itracial, também muaça truturai fram graa a plítica ciai m 2009, cm impact pr GSF 9. O qu ã é xatamt urprt, pi, cm já apta m trabalh atrir 10, além a mia mrgciai, part imprtat a rpta aticíclica a plítica cial m 2009 fi cmpta pla mautçã tratégia qu já tavam m pl aamt: a plítica valrizaçã alári míim, a xpaã a mta atimt Bla Família, Fub Rui, tr utra. E pr pl m uma imprtat via trutural, a lvaçã rcur tia à habitaçã ppular. 9 Além a plítica ciai, mia imprtat plítica mtária fical fram implmtaa, cm ruçã tribut, ruçã uprávit primári, ruçã a taxa jur, atuaçã bac públic tc. (vr BARBOSA, N.; SOUZA, J.A.P.- A iflxã gvr Lula: plítica cômica, crcimt itribuiçã ra. I: Garcia, M.A.; Sar, E. (Org.)- Brail, tr paa futur. Fuaçã Pru Abram, Bitmp Eitrial: Sã Paul, 2010.). Apa cm a ruçõ tributária IRPF IPI, pricipalmt tima- uma pra arrcaaçã R$ 12,5 bilhõ. O cjut a mia, mbra imprtat para tímul à rcupraçã cômica, fi rlativamt m cut m trm ficai, ja m cmparaçã cm utr paí (v SANTOS, C.H.- Um parama a fiaça pública brailira 1995/2009. I: CASTRO, J.A.; SANTOS, C.H.; RIBEIRO, J.A.C.- Tributaçã quia Brail: um rgitr a rflxã Ipa biêi Ipa: Braília, 2010.), ja m trm impact tima lg praz br fuamt macrcômic a cmia brailira (v. Pir, M.; Gt, F.; Rcha, B. La plítica fical timp crii. Rvita Cpal, 102. Cpal: Satiag, 2010.). 10 V. çã 3 Cmuica Ipa º98, capítul Plítica Scial Dvlvimt m Ipa - Plítica Sciai: acmpahamt aáli, º 18. Ipa: Braília, 2010.

13 4. Cmpiçã Gat Scial Fral: trajtória a ára atuaçã Para além mvimt mai rct, iflucia u ã pla raçã à cri cômica, é imprtat prcbr qu mvimt glbal crcimt GSF é cmpt pla ifrciaa trajtória prcrria pla itita ára ciai. Em utra palavra, a ára ciai ã lvam u rcur ta mm ritm, qu lva a altraçõ a cmpiçã itra GSF: prfil Gat Scial Fral altra- cm alguma ára gaha mai paç qu utra. Aia qu b a racmaçõ, úcl a plítica cial fral matv- lcaliza a guit ára atuaçã: prviêcia cial, bfíci a rvir, aú, aitêcia cial, ucaçã, mprg fa trabalhar. Juta, a i ára mpr abrvram crca 95% ttal GSF prí 1995 a Tabla 1 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010, pr ára atuaçã Em R$ Bilhõ Ctat Dz/2011 (crrigi pl IPCA mal) Ára Atuaçã Alimtaçã Nutriçã 2,3 1,3 2,0 2,5 2,6 2,6 2,5 2,3 2,3 2,0 2,3 2,7 2,7 2,6 3,2 4,5 Aitêcia Scial 1,7 2,0 3,8 5,5 6,8 9,8 12,4 15,8 17,4 21,4 24,4 28,3 31,5 35,4 39,4 44,2 Bfíci Srvi. Púb. Frai 51,5 49,5 52,9 56,2 58,4 60,5 65,3 67,9 63,4 65,8 67,4 70,3 75,4 79,5 86,5 93,1 Cultura 0,5 0,6 0,5 0,4 0,5 0,6 0,6 0,5 0,5 0,7 0,8 0,9 1,1 1,2 1,4 1,7 Dvlvimt Agrári 3,2 2,9 4,8 4,6 3,7 3,6 3,8 3,1 2,8 3,8 5,0 6,1 6,7 6,0 6,2 4,9 Eucaçã 19,7 17,3 16,7 18,1 18,3 21,2 20,7 19,9 18,8 20,7 22,7 25,3 29,4 31,9 37,6 45,5 Emprg Df. Trabalhar 11,1 12,1 12,0 13,4 12,4 12,8 14,2 14,9 14,7 15,5 17,4 21,6 24,9 27,0 33,1 33,8 Habitaçã Urbaim 2,3 3,7 10,2 7,5 6,1 10,5 8,0 9,0 7,8 8,5 11,3 12,5 13,8 20,4 28,1 33,1 Prviêcia Scial 103,7 113,7 116,5 131,8 136,0 141,2 151,5 160,2 172,9 188,9 206,1 224,8 238,2 247,2 266,1 303,5 Saamt 0,7 1,7 2,7 4,0 2,3 2,7 5,6 2,2 0,9 1,5 2,3 2,9 6,0 5,9 7,4 5,4 Saú 37,3 32,7 37,8 36,0 39,8 41,4 43,0 44,2 41,9 46,1 46,8 52,4 55,9 59,3 67,6 68,8 GSF Ttal 234,0 237,4 259,8 280,1 286,9 306,8 327,6 340,0 343,3 374,9 406,6 447,8 485,7 516,3 576,5 638,5 Em % PIB Ára Atuaçã Alimtaçã Nutriçã 0,11 0,06 0,09 0,11 0,11 0,11 0,10 0,09 0,09 0,07 0,08 0,09 0,08 0,07 0,09 0,11 Aitêcia Scial 0,08 0,09 0,17 0,24 0,29 0,40 0,49 0,60 0,66 0,75 0,83 0,91 0,93 0,97 1,06 1,07 Bfíci Srvi. Púb. Frai 2,46 2,28 2,35 2,46 2,48 2,47 2,58 2,57 2,38 2,31 2,29 2,25 2,23 2,18 2,33 2,26 Cultura 0,03 0,03 0,02 0,02 0,02 0,02 0,03 0,02 0,02 0,02 0,03 0,03 0,03 0,03 0,04 0,04 Dvlvimt Agrári 0,16 0,14 0,21 0,20 0,16 0,15 0,15 0,12 0,11 0,14 0,17 0,20 0,20 0,17 0,17 0,12 Eucaçã 0,95 0,80 0,74 0,79 0,78 0,87 0,83 0,76 0,71 0,73 0,77 0,81 0,88 0,88 1,02 1,11 Emprg Df. Trabalhar 0,53 0,56 0,53 0,59 0,53 0,52 0,56 0,56 0,55 0,55 0,59 0,69 0,74 0,74 0,89 0,82 Habitaçã Urbaim 0,11 0,17 0,45 0,33 0,26 0,43 0,32 0,35 0,29 0,30 0,39 0,40 0,41 0,56 0,76 0,81 Prviêcia Scial 4,98 5,25 5,15 5,76 5,75 5,77 6,00 6,08 6,52 6,65 7,00 7,20 7,04 6,78 7,16 7,38 Saamt 0,03 0,08 0,12 0,18 0,10 0,11 0,23 0,09 0,03 0,05 0,08 0,09 0,18 0,16 0,20 0,13 Saú 1,79 1,53 1,67 1,58 1,69 1,70 1,71 1,68 1,58 1,62 1,59 1,68 1,66 1,63 1,82 1,68 GSF Ttal 11,24 10,98 11,51 12,25 12,16 12,56 13,00 12,92 12,95 13,20 13,82 14,35 14,38 14,19 15,54 15,54 Participaçã prctual caa ára atuaçã ttal GSF Ára Atuaçã Alimtaçã Nutriçã 1,0 0,5 0,8 0,9 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,5 0,6 0,6 0,6 0,5 0,6 0,7 Aitêcia Scial 0,7 0,8 1,5 2,0 2,4 3,2 3,8 4,6 5,1 5,7 6,0 6,3 6,5 6,9 6,8 6,9 Bfíci Srvi. Púb. Frai 21,9 20,8 20,4 20,1 20,4 19,7 19,9 19,9 18,4 17,5 16,6 15,7 15,5 15,4 15,0 14,6 Cultura 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,1 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,3 Dvlvimt Agrári 1,4 1,2 1,8 1,7 1,3 1,2 1,2 0,9 0,8 1,0 1,3 1,4 1,4 1,2 1,1 0,8 Eucaçã 8,5 7,3 6,4 6,5 6,4 6,9 6,4 5,9 5,5 5,6 5,6 5,7 6,1 6,2 6,5 7,2 Emprg Df. Trabalhar 4,7 5,1 4,6 4,8 4,3 4,1 4,3 4,4 4,3 4,1 4,3 4,8 5,1 5,2 5,7 5,3 Habitaçã Urbaim 1,0 1,6 3,9 2,7 2,1 3,5 2,4 2,7 2,3 2,3 2,8 2,8 2,9 4,0 4,9 5,2 Prviêcia Scial 44,3 47,8 44,8 47,0 47,3 45,9 46,2 47,1 50,4 50,3 50,7 50,2 49,0 47,8 46,1 47,5 Saamt 0,3 0,7 1,0 1,4 0,8 0,9 1,7 0,7 0,3 0,4 0,6 0,7 1,2 1,2 1,3 0,9 Saú 15,9 13,9 14,5 12,9 13,9 13,5 13,1 13,0 12,2 12,3 11,5 11,7 11,5 11,5 11,7 10,8 GSF Ttal 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa

14 N a 1995, fram tia à ára prviêcia cial 11 crca 5% PIB. Crcu rapiamt triêi guit, chga a 5,76% PIB m 1998, patamar prmacu até 2001, qua rtmu u crcimt, chga a 7,2% PIB m N tat, é imprtat raltar qu i á b um aumt imprtat a prtçã cial prprciaa pr a plítica. O úmr bficiári ati crcu ctiuamt: parti 14,5 milhõ m 1995, chgu a 17,5 milhõ m 2000; 21,2 milhõ, m 2005; 24,4 milhõ bficiári m O pr aquiitiv pi bfíci também lvu. Vicula a alári míim qu tv aumt ral acima 130% prí 16 a aqui aalia 13, pi é valr rcbi pr crca 2/3 ttal bficiári RGPS. Etr , a cbrtura prviciária a ppulaçã ia flutuu tr 76% 78% m 2009, 77,0% ciaã cm mai 60 a rcbram malmt bfíci prviciári 14. Ma prmac cm rm afi a baixa cbrtura a prviêcia cial tr trabalhar ativ: mbra a frmalizaçã mrca trabalh brailir tha avaça m imprtat últim a, prctual trabalhar qu ctribum para INSS prmac muit baix ram 38,0% a PEA m ,8% a PEA m D m, um gra ctigt trabalhar ctiua fra a prtçã INSS prt qu cmprmt ã apa ac a aptaria pr ia u tmp ctribuiçã futur, ma já ac a bfíci tmprári cm auxíli-matria auxíli-ça, a aptaria pr ivaliz põ pr mrt. 11 Rlmbrm qu a ára atuaçã prviêcia cial ctam a pa rlativa apa a rgim Gral Prviêcia Scial. A pa rlativa à prviêcia rvir públic fral tã tacaa, cta a ára atuaçã bfíci a rvir. 12 Ft: MPS. Bltim Etatític a Prviêcia Scial. 13 Ft: Ipaata. Variaçã ral acumulaa 130,68% tr jair 1995 zmbr Para a lvaa cbrtura ctribum também 3,3 milhõ apta piita Rgim Própri a trê fra gvr. Ft: Ax Etatític Bltim Plítica Sciai: acmpahamt aáli, º 19. Dipívl íti Ipa. 15 S frm cira também fuciári públic qu ctribum ã para INSS, ma para Rgim Própri Prviêcia Scial, prctual trabalhar ativ cbrt pla prtçã prviciária é um puc mair: 41,8% a PEA m ,4% a PEA m Ft: Ax Etatític Bltim Plítica Sciai: acmpahamt aáli,. 19. Dipívl íti Ipa.

15 Gráfic 4 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Prviêcia Scial 8,00 350,0 7,00 6,52 6,65 7,00 7,20 7,04 6,78 7,16 7,38 303,5 300,0 6,00 IB P 5,00 % 4,00 5,25 5,15 4,98 116,5 113,7 103,7 6,00 6,08 5,76 5,75 5,77 188,9 160,2 172,9 151,5 141,2 136,0 131,8 206,1 224,8 266,1 238,2 247,2 250,0 200,0 150,0 100,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R 3,00 50,0 2, Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa. O frt crcimt PIB a prmitiu acmar mlhr aumt valr bfíci, m qu a parcla PIB tiaa à prviêcia rcuu até 6,8% m utra palavra, crcimt ral a cmia cm um t fi uprir à lvaçã a pa a ára a. Cm a itrrupçã crcimt PIB a viraa 2008 para 2009, a trajtória gat a prviêcia cial vltu a xigir mair fatia PIB, alcaça 7,16% m Mm cm a rtmaa crcimt cômic aclra, gat tia a a ára crcram também frtmt, prctual PIB lvu- para 7,38 m N prí 1995 a 2002, a ára a prviêcia cial fi rpávl pr abrvr alg tr 44,3% 48,1% ttal GSF, flutua itrval cfrm mvimt aclraçã aclraçã crcimt ua pa. Muu patamar a 2003 a 2007, paa a abrvr tr 50,2% 50,7% ttal gat ciai gvr fral. N últim a a éri, ritm crcimt cjut a utra ára ciai upru a prviêcia, qu tã pru paç rlativamt: rpu apa pr 46,1% GSF m 2009, para tã vamt ampliar, alcaça uma parcla 47,5% GSF m Íic aia ifrir, trtat, a vrifica a ,6% qua a participaçã PIB a ára fi 7,0%.

16 A gua ára m trm vlum rcur é a bfíci a rvir públic tã alca bfíci prviciári iativ piita a Uiã, além gat cm aitêcia méica utr bfíci auxíli ivr, cm auxíli-alimtaçã auxíli-crch. N a 1995 a 2000, quatitativ rvir frai iativ /u itituir pã aumtu 802 mil para 931 mil a partir aí, ctiuaria crc, apa um puc mai ltamt: para 971 mil vícul m 2005; 983 mil m Aicialmt, além a prã br a pa cauaa pl crcimt vgtativ bficiári a prviêcia rvir públic fral, há qu attar para a vluçã valr méi bfíci. Aia qu cm ifrciai imprtat tr órgã pr a Uiã, a trajtória a rmuraçõ prcbia pl iativ piita tm upra a iflaçã cm gah rai acima 35% prí 2003 a Um gah ral cirávl, frut a rcmpiçã alarial fucialim fral m gral a rtruturaçã alguma carrira m particular. Gráfic 5 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Bfíci a Srvir Públic Frai 2,80 2,70 86,5 93,1 100,0 90,0 2,60 2,50 2,40 IB P 2,30 % 2,20 2,10 2,00 2,46 2,28 51,5 49,5 2,35 52,9 2,46 56,2 2,48 2,47 58,4 60,5 2,58 65,3 2,57 67,9 2,38 63,4 65,8 2,31 67,4 2,29 70,3 2,25 75,4 2,23 79,5 2,18 2,33 2,26 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 1 0 /2 z t ta c õ ilh B $ R m E 1,90 20,0 1, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa. 16 Em 2009, a ficial cai para 939 mil. Ma, cm a altraçã v fuamtalmt a muaça mtlógica, prfrim, pr quat, cirar aqui a ifrmaçã para 2008, para fi cmparaçã. Ft: Bltim Etatític Pal, MPOG/SRH,

17 A lg qua t prí, a pa a ára crcram m trm rai. Apa m 2003 huv uma qua patamar imprtat cquêcia pricipalmt impact ajut fical a flha alarial a Uiã 17. Em guia, mm a va ba, crcimt acima a iflaçã fi rtma. Tal trajtória, primir a prí aqui aalia, lvu a aumt a parcla PIB abrvia pla ára bfíci a rvir: 2,3% PIB m 1996, qua alcaçu 2,6% a A partir aí, ja vi à muaça patamar crria m 2003, ja pla aclraçã crcimt PIB, rtru para a parcla 2,3% PIB m , chga a 2,2% m Em 2009, cm a tagaçã PIB, ua parcla vltu a ubir, para 2,33%. Em 2010, u ritm crcimt fi um puc ifrir a a cmia cm um t, prctual PIB abrvi pr a ára rcuu para 2,26% patamar aia uprir a vigt at a cri. Aia aim, prmac m cur uma trajtória ruçã rlativa a ára frt a cjut GSF. Rpávl pr 21,9% gat ciai gvr fral m 1995, ua parcla pau a cilar tr 20,8% 19,7% a 1996 a A partir i, ja pla ruçã ritm crcimt a pa, ja pla aclraçã utra ára ciai, a pra participaçã rlativa a ára a cmpiçã GSF itificu-: chga a 16,6% ttal GSF m 2005, a uma fatia 14,6% m A ára aú prcrru uma trajtória batat irrgular m trm tiaçã rcur. Lg iíci, fru uma qua igificativa 1,8% PIB m 1995 para 1,53% a guit. A partir aí, flutuu urat t prí tr 1,58% 1,71% PIB qu, m um ctxt crcimt cjut GSF, igificu fat uma tagaçã a tiaçã fral rcur para a ára. O qu ã é m algum uma urpra. A criaçã a CPMF, a gua mta a écaa 1990, qu tiha pr bjtiv rvir cm ft rcur frai aiciai para a aú pública, acabu rulta m ft ubtitutiva u ja, cbria a aía utra ft rcur para utr tr gat públic 18. Mm aim, cumpriu um papl imprtatíim: a prmitir mair tabilia a flux fiacir a tr aú, fi pívl rgularizar a trafrêcia rcur para ta muicípi a ba tablcia pla NOB 01/96 frtalcr prc ctralizaçã Cm rajut alarial 0,1% para um prí m qu a iflaçã acumulaa uprara i ígit. 18 Vr PIOLA, S.; REIS, C.O.; RIBEIRO, J.A.C.- Fiaciamt a plítica ciai: ca Miitéri a Saú. Rvita Srviç Públic, A 51,. 3. ENAP: Braília, V. PIOLA t alli Vit a a ctituiçã 1988: qu igificaram para a aú a ppulaçã brailira? IPEA Plítica Sciai: acmpahamt aáli,. 17. Braília, IPEA, 2009.

18 Gráfic 6 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Saú 2,00 90,0 1,80 1,60 1,40 IB P 1,20 % 1,00 0,80 1,79 37,3 1,53 32,7 1,67 1,58 37,8 36,0 1,69 1,70 1,71 41,4 43,0 39,8 1,68 44,2 1,58 41,9 1,62 46,1 1,59 46,8 1,68 1,66 52,4 55,9 1,63 59,3 1,82 67,6 1,68 68,8 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R 0,60 20,0 0, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa Cm a aprvaçã a Ema Ctitucial 29, a rgra tablcia 20 timularam crcimt aprt ta muicípi para a aú, ma ca fral, a rgra fiir vlum rcur a rm aplica a pr mi a crrçã, pla variaçã mial PIB, valr apura a atrir, tv fit ccrt virtualmt cglar rcur frai tia à ára a aú m trm a ua parcla PIB 21. Smt m 2009 prctual PIB aplica pl gvr fral a ára atuaçã aú upru alcaça m Prém, a guit, crcimt valr tia a aú, já ctaa a iflaçã, fi batat mt frt a ritm PIB. Cm rulta, prctual PIB abrvi pla ára vltu a rcuar, prmac prém um puc acima vigt a Em rlaçã a cjut Gat Scial Fral, a ára aú pru paç prí. Rpávl pr 15,9% GSF m 1995, caiu até chgar a patamar 11,5% m 2005 prmacu tr a 2005 a 20 Pla EC 29/2000, ta vm tiar 12% muicípi 15% ua rcita própria para fiaciar açõ rviç públic aú. A Uiã vria tiar, a 2000, mtat mpha m açõ rviç públic aú xrcíci 1999 acrci, míim, cic pr ct. N a guit, valr apura a atrir, crrigi pla variaçã mial PIB. 21 RIBEIRO, J.A.C.; PIOLA, S.; SERVO, L.M. - A va cfiguraçõ atig prblma: fiaciamt gat cm Açõ Srviç Públic Saú Brail. Divulgaçã m Saú para Dbat,. 37, CEBES: Ri Jair, (Trabalh aprta a II Jraa Ecmia a Saú. ABRES: Bl Hrizt, 2005).

19 2009. N a 2010, a ára aú abrvu apa 10,8% ttal rcur aplica pl gvr fral m plítica ciai. Qua tã prcupat fi camih prcrri pl rcur tia à ára ucaçã. D uma parcla 0,95% PIB aplicaa m 1995, ruziram- rcur a ára para 0,74% PIB já m Mm b impact ivaçõ itituciai imprtat cm a prmulgaçã a Li Dirtriz Ba a Eucaçã Nacial (LDB) m 1996, a criaçã FUNDEF m , guiram- a m qu rcur frai tia à ára puc crcram, varia m tr 0,8% PIB. Gráfic 7 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Eucaçã 1,20 50,0 1,10 1,00 0,90 0,80 IB P 0,70 % 0,60 0,50 0,40 0,30 0,95 19,7 0,80 17,3 0,74 16,7 0,79 0,78 18,1 18,3 0,87 0,83 21,2 20,7 0,76 19,9 0,71 18,8 0,73 20,7 0,77 22,7 0,81 25,3 0,88 0,88 29,4 31,9 1,02 37,6 1,11 45,5 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 1 /1 z t ta c õ ilh b $ R m E 0, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa Apó va qua crria a 2003, para 0,71% PIB, huv graual rcmpiçã a pra atrir, até qua alcaçar 0,9% PIB m , fialmt, uprar patamar 1% PIB m 2009 chga a 1,11% PIB m E crcimt rct gat a ára rflt a Ema Ctitucial 53, prmulgaa fim 2006 qu, tr utra mia, ubtituiu Fuf pl Fub, xpai valr a cmplmtaçã a Uiã a rcur tauai muicipai aplica a 22 Catr, J.A.- Fiaciamt a ucaçã pública Brail: vluçã gat. I Olivira, R.P., Sataa, W. (rg) Eucaçã fralim Brail: cmbatr a iguala, garatir a ivria. UNESCO: Braília 2010

20 ucaçã báica 23, também a implataçã Pla Nacial Eucaçã taca it prc rtruturaçã xpaã a itituiçõ frai i uprir tclógic 24. Frt a a trajtória irrgular a mair part prí aqui aalia, a ára ucaçã ruziu ua parcla âmbit gat ciai gvr fral 8,5% m 1995 para 5,5% m 2005 a cmpiçã rcur tia a GSF. A partir aí, huv alguma rcupraçã vlum gat frai a ára últim a, lva ua participaçã para 7,2% ttal GSF m Catr, J.A.- Fiaciamt a ucaçã pública Brail: vluçã gat. I Olivira, R.P., Sataa, W. (rg) Eucaçã fralim Brail: cmbatr a iguala, garatir a ivria. UNESCO: Braília Da a Scrtaria Gtã Miitéri Plajamt (Sg) aptam qu, jair 2003 a julh 2009, crp rvir públic frai m ativia crcu m 57 mil trabalhar, já m trm líqui. Dt, crca 29 mil a ára ucaçã, quai 14 mil ct. Uma xpaã crca 17% quatitativ rvir tr. Outra ára tacaa pla Sg, mm prí huv um acrécim : 9,5 mil rvir INSS, 3 mil prit méic; 1,1 mil rvir a Saú; 3,6 mil rvir a Plícia Fral; 1,9 mil rvir a Plícia Rviária Fral; 2,2 mil a Avcacia Gral a Uiã; 2,4 mil a Rcita Fral Brail, tr auitr ficai, aalita tributári prcurar a faza acial; 4 mil rvir a carrira viculaa a Miitéri Plajamt Orçamt EPPGG, APO, Ipa IBGE tr utra; um crécim 2,7 mil rvir a Dfa. SEGES/MPO Evluçã Strial a Frça Trabalh Gvr Lula. Cmuica SEGES º 01. Braília, 2009.

21 Gráfic 8 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Emprg Dfa Trabalhar 1,00 50,0 0,90 0,89 45,0 0,80 0,70 IB P 0,60 % 0,50 0,53 0,56 0,53 0,59 0,53 0,52 0,56 0,56 0,55 0,55 0,59 0,69 21,6 0,74 0,74 24,9 27,0 33,1 0,82 33,8 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R 0,40 0,30 11,1 12,1 12,0 13,4 12,4 12,8 14,2 14,9 14,7 15,5 17,4 15,0 10,0 0, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa S, um la, aú ucaçã frram crta tagaçã, utr, a ára mprg fa trabalhar aitêcia cial xpairam- ciravlmt 15 a. O rcur alca a ára mprg fa trabalhar mativram- flutua m tr 0,55% PIB primir z a a éri, tr A partir 2005, puxa pl prc aumt a frmalizaçã mrca trabalh, cm mautçã a lvaa rtativia 25, crcu rapiamt, alcaça 0,74% PIB já m 2007 patamar qu fi mati m Em 2009, chgu a iéit 0,89% PIB. Em 2010, crcimt ral gat a ára fi bm mai lt qu a atrir, qu prmitiu qu a parcla PIB aqui aplicaa rcua m rlaçã a a 2009 ma aia m patamar uprir qu alcaça m Aim, a ára ampliu também ua participaçã cjut GSF. Iicialmt rpávl pr uma fatia 4,7% GSF, a ára mprg fa trabalhar pru paç tr , qua pau a rcbr tr 4,1% 4,4% gat ciai 25 V. capítul Trabalh Ra m Ipa. Plítica Sciai: acmpahamt aáli, º Ipa: Braília , rpctivamt.

22 gvr fral. N últim a, rcupru ampliu u paç, alcaça a parcla 5,3% GSF m A ára aitêcia cial fi, m úvia, a qu btv mair crcimt rlativ u vlum rcur. Prc fuamtalmt rlacia à xpaã a plítica garatia ra: primir a, a implataçã Bfíci Prtaçã Ctiuaa trmia pla Ctituiçã; a gua mta prí, urgimt a plítica trafrêcia ra cm cicialia, lg m guia, a criaçã vlz xpaã Bla Família. Empurraa pr vtr, a ára aitêcia cial multiplicu u rcur ua participaçã a cmpiçã GSF: parti patamar ifrir a 0,1% PIB m 1995, alcaçu 0,5% m ,9% m 2006 upra ucaçã cm a quarta ára atuaçã cial mai imprtat m trm tiaçã rcur frai aia m A ára aitêcia cial, qu rpia pr apa 0,7% ttal GSF m 1995, pau a 3,2% m 2000, 6% m 2005, fialmt, 6,8% m 2009 qua a pa frai a ára upraram pla primira vz a marca 1% PIB. Em 2010, ritm crcimt matv- aclra, ma mai cmpatívl cm a vlcia crcimt PIB. Um aumt ral 10% gat a ára ã gru gra lvaçã a parcla PIB aplicaa a ára. Gráfic 9 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Aitêcia Scial 1,20 50,0 1,06 1,07 45,0 1,00 0,80 IB P 0,60 % 0,40 0,20 0,17 0,24 0,29 0,40 9,8 0,49 12,4 0,60 15,8 0,66 17,4 0,75 21,4 0,83 24,4 0,91 28,3 0,93 31,5 0,97 35,4 39,4 44,2 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R - 0,08 0,09 6,8 5,5 1,7 2,0 3, ,0 - Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa

23 A cic ára atuaçã rtat mbilizam um vlum rcur rçamtári bm mr 26. Em cjut, a ára cultura; vlvimt agrári; alimtaçã utriçã; habitaçã urbaim; aamt abrvram prí, m méia, valr auai tr 0,4% 1,0% PIB, quivalt a uma fatia 5% a 6% ttal Gat Scial Fral. Apa mai rctmt, pricipalmt vi a mair aprt a ára habitaçã aamt, cjut vm amplia u rcur: alcaçaram 1,21% PIB m Gráfic 10 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Habitaçã Urbaim. 0,90 40,0 0,80 0,76 0,81 35,0 0,70 33,1 30,0 0,60 0,50 IB P % 0,40 0,30 0,20 0,10 0,11 0,17 0,45 10,2 0,33 7,5 0,26 6,1 0,43 10,5 0,32 8,0 0,35 9,0 0,29 0,30 7,8 8,5 0,39 11,3 0,40 0,41 12,5 13,8 0,56 20,4 28,1 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R - 2,3 3, Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa 26 Além rcur rçamtári, tã icluí também Gat Scial Fral, tal cm mura trabalh a Dic/Ipa, a aplicaçõ FGTS m prjt habitaçã, plajamt urba aamt.

24 Gráfic 11 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Saamt 0,25 10,0 0,23 9,0 0,20 0,20 8,0 IB P % 0,15 0,10 0,05-0,18 0,12 0,08 4,0 2,7 0,03 1,7 0,7 0,18 0,16 7,4 5,9 0,13 6,0 5,4 0,11 5,6 0,10 0,09 0,09 0,08 0,05 2,9 2,7 2,3 2,3 2,2 0,03 1,5 0, ,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0-1 /1 z t ta c õ ilh b $ R m E Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa A ára habitaçã urbaim aamt, itiva m ivtimt, ã traicialmt ti vlum ruzi rcur, frt a cjut gat públic m gral GSF m particular. Aicialmt, ctumam frr m it fit ajut ficai, qu tra ua trajtória batat itávl. Apar óbic, é prcptívl uma iflxã imprtat últim a m prl crcimt rcur mbiliza pr a ára, tat qu rfr a rcur tritamt rçamtári 27 quat à praçõ fiaciaa pl FGTS. 27 É pívl qu part crcimt aqui capta tja rlaciaa à utilizaçã caa vz mai ita itrumt a liquiaçã frçaa, qu xigirá tu mai pcífic br a qutã.

25 Gráfic 12 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Dvlvimt Agrári 0,25 10,0 0,20 0,21 0,20 0,20 0,20 9,0 8,0 IB P % 0,15 0,10 0,05 0,16 3,2 0,14 2,9 4,8 4,6 0,16 0,15 3,7 3,6 0,15 3,8 0,12 3,1 0,11 2,8 0,14 3,8 0,17 5,0 6,1 6,7 0,17 0,17 6,0 6,2 0,12 4,9 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R 2, ,0 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa Em trm vlum rcur, a ára vlvimt agrári aprtu um crcimt igificativ tr , qu rcuprava ua trajtória a qua fria tr Etrtat, últim a a éri itrrmpu a rcupraçã, iicia va trajtória qua: m trm prctual PIB, rcuu m 2010 para patamar próxim a pir a a éri,

26 Gráfic 13 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Alimtaçã Nutriçã 0,15 5,0 0,14 4,5 4,5 0,13 0,12 0,11 0,10 IB P 0,09 % 0,08 0,07 0,06 0,11 2,3 0,06 0,09 2,0 0,11 0,11 2,5 2,6 0,11 2,6 0,10 2,5 0,09 0,09 2,3 2,3 0,07 2,0 0,08 2,3 0,09 2,7 2,7 0,08 3,2 2,6 0,09 0,07 0,11 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1 /1 z t ta c õ ilh b $ R m E 0,05 0,04 1,3 1,0 0, ,5 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa A ára alimtaçã utriçã é cmpta, fuamtalmt, pla pa cm Prgrama Nacial Alimtaçã Eclar, rigm puc mai i trç gat capta alca a ára. O rct rajut valr rpaa pl PNAE pr alu matricula fram imprtat para rcuprar valr aplica a ára m trm rai, a partir aí mplacar uma xpriva xpaã últim biêi. Já a ára cultura, m qu p pqu vlum rcur qu mbiliza rçamt fral, graju últim a um crcimt vlz uficit para lvar ua parcla m rlaçã a PIB.

27 Gráfic 14 Trajtória Gat Scial Fral, 1995 a 2010: Cultura 0,045 0,040 0,038 0,041 2,0 1,8 0,035 0,033 0,033 1,68 1,6 0,030 0,025 IB P % 0,020 0,015 0,010 0,005 0,025 0,026 0,023 0,52 0,56 0,52 0,019 0,43 0,023 0,024 0,026 0,54 0,58 0,64 0,020 0,019 0,52 0,49 0,024 0,66 0,029 0,029 0,83 0,91 1,11 1,18 1,39 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 1 /1 z t ta c õ ilh B $ R m E ,2 Em % PIB Em R$ Bilhõ ctat z/2011 Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa Cm it atrirmt, tai trajtória ifrciaa crcimt, alguma ára crcm rapiamt quat utra prmacm tagaa, lvam a altraçõ prfil u cmpiçã GSF prí aalia. Prém, é imprtat raltar a rm graza ifrciaa tr a ára. Mm pr paç, a ára prviêcia cial aia rp, ilaamt, pr qua a mta Gat Scial Fral 28 ; quat a aitêcia cial, mm cm it crcimt últim a, é ti apa crca 1/15 GSF. Sgui a mma liha racicíi, prí 1995 a 2010, cjut gat ciai frai aumtu 11,24% para 15,54% PIB. D acrécim 4,3% PIB agrga a GSF a lg 16 a, mai a mta 2,4% PIB fi tia para a ára prviêcia cial; utr 1% PIB fi aplica crcimt rcur a ára aitêcia cial. A mai ára atuaçã cial tivram qu iviir crca 0,9% PIB tr i. A ára ucaçã vm rcupra a flutuaçõ qua fria N últim i a, aclru um puc mai fialmt cguiu uprar prctual 28 E cirarm a ma a ára prviêcia cial bfíci a rvir públic, cjut gat prviciári abrv crca 62% GSF.

28 PIB alcaça m Em 2010, fi tiaa à ára ucaçã uma parcla mair qu a 1995 m 0,16% PIB aiciai ma tmp pri a r rcupra fi batat mair: prí 2003 a 2010, fi agrga a rcur a ára 0,40% PIB. N ca a aú, ritm crcimt ral gat ã tá uficit para ampliar ua participaçã PIB. Excçã fita a a , a lg t prí aprt frai a ára flutuaram próxim 1,68% PIB, patamar vamt mati m Ou ja, ã brva GSF a ára aú um mvimt rcupraçã/crcimt rcur itia mlhat a qu pô brvar a ára ucaçã. A rultat mvimt itit crcimt lva a altraçõ a imprtâcia rlativa caa ára atuaçã, quat ti rcur âmbit gat cial fral. A prviêcia cial abrvu, m 2010, 47,5% ttal rcur tia a GSF. Uma fatia mr qu abrvra m ,7% GSF, ma aia mair qu a Gráfic 15 Cmpiçã Gat Scial Fral pr ára atuaçã, a lcia ,9 8,5 4,7 0,7 3,9 13,5 6,9 4,1 3,2 6,6 Prviêcia Scial Bfíci Srvi. Púb. Frai Saú 21,9 19,7 Eucaçã 44,3 45,9 Emprg Df. Trabalhar Aitêcia Scial Dmai Ára Prviêcia Scial 11,5 5,6 4,3 6,0 5,4 10,8 7,2 5,3 6,9 7,8 Bfíci Srvi. Púb. Frai Saú 16,6 14,6 Eucaçã Emprg Df. Trabalhar 50,7 47,5 Aitêcia Scial Dmai Ára Ft: SIAFI/SIDOR Ipaata. Elabraçã: Dic/Ipa

Uma publicação que é referência no setor

Uma publicação que é referência no setor ublic qu é rfrêci Vlt r rfiii ii frcêuc, viári, c, bitclgi, litíci, quíic fi, quit hitlr, i vi qu cl cti é u xigêci, rvit Cl Cti fc luçõ tclógic r rli brilir. C iibui irigi, ublic g rtt ghri ut, r Quli,

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013 Txto para Coluna do NRE-POLI na Rvita Contrução Mrcado Pini - Novmbro 2013 Rico do Tomador do Agnt Financiro no Uo do Sitma Pric m rlação ao Sitma SAC no Financiamnto d Imóvi Ridnciai Prof. Dr. Claudio

Leia mais

III Game Campori Online

III Game Campori Online 2015 14-16 d agt vrã www.gam.camprinlin.cm prtuguê III Gam Campri Onlin Guia d Orintaçõ A Equip Wb Rádi Atividad Crdnadr Publicidad Tradutr Rlaçõ Extrna Mídia Sciai Epcialidad d Evnt Ediçã Víd Múica Dignr

Leia mais

O que aconteceu durante nosso ano? Where am I. Dia da In FLIDF. Dia das Mães. Haloween. Olimpíadas. Professores. Novidades

O que aconteceu durante nosso ano? Where am I. Dia da In FLIDF. Dia das Mães. Haloween. Olimpíadas. Professores. Novidades Jral Cxã marca cla Eiçã 1 Dzmbr A 2013 Dtaqu 2013 Palavra a Dirtra O mu muu. O m cm a pa aprm, pquiam itragm é ifrt também. O mlhr mprg 2013 ã xitiam m 2007. Nã pm prparar a criaça para um mu qu aia ã

Leia mais

Prefácio. Gianfranco Vissani

Prefácio. Gianfranco Vissani Prfáci C zinhar é crtamnt criativia técnica, ma é também, brtu, cnvívi. Trata- uma cnvivência muit pcial, qu vai além a ma, qu acmpanha m ta a fa prparaçã, a clha inrint quan vai à cmpra u rv a hrta à

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre AGÊNCIA ESTADUAL DE EXECUÇÃO DOS PROJETOS DA COPA DO MUNDO DO PANTANAL FIFA 2014 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO MOBILIDADE URBANA Cliqu paa ita til ubtítul mt Ditia Planjamnt Gtã Nvmb / 2010 A p 1 Plan

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Marizilda Cruppe/Greenpeace. Trabalho escravo e destruição do. meio ambiente. Leonardo Sakamoto/Repórter Brasil

Marizilda Cruppe/Greenpeace. Trabalho escravo e destruição do. meio ambiente. Leonardo Sakamoto/Repórter Brasil Mrizil Crupp/Grpc Trblh crv truiçã mi mbit Lr Skmt/Rpórtr Bril Flr m uttbili viru m. O trm ghu frç prtir 1970 u ppulrizçã imblizu prcupçã m trr cmptívi crcimt cômic, prrvçã mbitl jutiç cil. Atulmt, muit

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO A Casan 5/09) Diário do Sul/Tubarão - 29/09/2015 2 - Colunista - Arilton Barriros Mídia Imprssa A Ca www.clipagm.com.br 1 Mídia Imprssa Pr Projto d li ncaminha Balnário Piçarras ao tratamnto d sgoto 8/09)

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

TESTE SELETIVO Nº 003/2014 DIVULGAÇÃO DE GABARITO

TESTE SELETIVO Nº 003/2014 DIVULGAÇÃO DE GABARITO SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Av. Vcd d Tauay, 950 - Tl.: (042) 3220-1000 3220-1394 3220-1327 CEP 84051-000 - Pta Gra - PR TESTE SELETIVO Nº 003/2014 DIVULGAÇÃO DE GABARITO O Scrtár

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

O processo que ora se apresenta integra, nos seus diversos capítulos, todos esses documentos, respeitando a estrutura definida no POCAL.

O processo que ora se apresenta integra, nos seus diversos capítulos, todos esses documentos, respeitando a estrutura definida no POCAL. 1. INTRODUÇÂO À Câmara Municipal cmpt labrar aprvar dcumnt d prtaçã d cnta da autarquia ubmtê-l à aprciaçã vtaçã da Amblia Municipal na ã rdinária d mê d abril d an guint àqul a qu tai dcumnt dizm rpit

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Univridad Salvador UNIFACS Curo d Engnharia Método Matmático Alicado / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rbouça Frir A Tranformada d Lalac Txto 3: Dlocamnto obr o ixo t. A Função Dgrau Unitário.

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para:

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Dciblímtro intgrador cla 1 com protocolo d mdição Aplicaçõ Dipõ d protocolo d mdição para: Ruído grado por vículo a motor Nívi onoro mitido produzido por atividad vizinhança UÍDO NUNA MEDIR O R IL FOI

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO GABINT DO SRTÁRIO DITAL Nº 006/20 SLÇÃO INTRNA D DONTS ARA ATUAR NOS ROGRAAS STRUTURANTS DA SRTARIA D DUAÇÃO DO STADO DA BAHIA: NSINO ÉDIO AÇÃO IÊNIA NA SOLA, NA ONDIÇÃO D SURVISORS ONITORS/TUTORS ONLIN.

Leia mais

GND = 3-ODC 3.830.000 RP = 2 - DESPESA PRIMÁRIA DISCRICIONÁRIA 3.830.000. Programa / Ação + Subtítulo GND = 4-INV 5.600.000

GND = 3-ODC 3.830.000 RP = 2 - DESPESA PRIMÁRIA DISCRICIONÁRIA 3.830.000. Programa / Ação + Subtítulo GND = 4-INV 5.600.000 PRORAMAÇÃO PASSÍVL CACLAMTO M MAS RMAJAMTO (PLOA-2010) BACAAS STAUAIS - POR UF/ÓRÃO/ (art. 48 da Re. 01/2006-C) - Valore em R$ UF: RJ.282.468.296 JUSTIÇA FRAL 9.40.000 = -OC.80.000 RP = 2 - SPSA PRIMÁRIA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo A Boch traz para você a oficina do futuro Oficina autopça d todo o mundo têm a Boch como um grand técnico mprariai criado pcialmnt para difrnciar ua mpra no mrcado. té A gama mai complta d pça d rpoição.

Leia mais

Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt

Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt A EVAPORAÇÃO DA ÁGUA NUMA PERSPECTIVA DE CICLO HIDROLÓGICO Mário Talaia Aa Colho Dpartamto d Fíica, Uivridad d Aviro, 3810-193, Aviro, Portugal Cotacto: mart@fi.ua.pt RESUMO A Educação m Ciêcia cotitui

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

O casamento da indústria cinematográfica com o marketing internacional

O casamento da indústria cinematográfica com o marketing internacional x iv fi Etrtimt O cmt d idúri cimtgráfic cm mk itl lg d tmp, cim mric rtu u ptiu rum mrcd xtr cm bjtiv mximiz lr vit flêci úd Pr Edmir Kuzqui 112 Rvi d ESPM jir/fvrir 2014 fi iv x jir/fvrir 2014 Rvi d

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

OSMELHORESDOANO. A revista do empreendedor. DESCUBRA QUEM GANHOU MILHÕES EM 2014 EDIÇÃO DE ANIVERSÁRIO 26 ANOS

OSMELHORESDOANO. A revista do empreendedor. DESCUBRA QUEM GANHOU MILHÕES EM 2014 EDIÇÃO DE ANIVERSÁRIO 26 ANOS A rvit mprr. PEQUENAS EMPRESAS & GRANDES NEGÓCIOS OS MELHORES DO ANO DEZEMBRO 2014 WWW.REVISTAPEGN.GLOBO.COM Fç cm vcr: Ctrt gt mlhr qu vcê Cu impct cil Apr ligugm igitl Explr v mrc CUIDADO COM OS SHOPPINGS

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO As qustõs sguints rfrm-s as sus hábits d sn durant mês passad. Suas rspstas dvm dmnstrar, d frma mais prcisa pssívl, qu acntcu na mairia ds dias

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO.

ç h s p BALÃO - D D CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO CAI, CAI, BALÃO AQUI NA MINHA MÃO. NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO NÃO CAI NÃO CAI NA RUA DO SABÃO. leã IR ÍL é t ei le, ni e liõe e eent tiie eüenii. le 1 e 2, liõe enle tl i e nnte, filitn eni lfet. ei le etã lt à itetiã fíli ilái, eitin, e nei, e fe lie itetiente n e e ln, fen inteenõe e eee e l ln

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Currículos - Completo DIVISAO DE GRADUACAO-VRGRAD 04/07/2013 SECAO ADMINISTRATIVA - DIV.GRAD. SETOR ADMINISTRATIVO - DIV.GRAD.

Currículos - Completo DIVISAO DE GRADUACAO-VRGRAD 04/07/2013 SECAO ADMINISTRATIVA - DIV.GRAD. SETOR ADMINISTRATIVO - DIV.GRAD. UPF - VIC-RITORIA D RADUACAO DIVIAO D RADUACAO-VRRAD /7/13 CAO ADMIITRATIVA - DIV.RAD. TOR ADMIITRATIVO - DIV.RAD. 9:5:1 Página 1 de 7 Curso : ARQUITTURA URAIMO () ITRAL T/ - (351) - CAMPU I - PAO FUDO

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

C. Almeida (1987) Determinação da transmissividade e coeficiente de armazenamento por ensaios de recuperação

C. Almeida (1987) Determinação da transmissividade e coeficiente de armazenamento por ensaios de recuperação C. Almda (1987 Dtrmação da tramvdad cofct d armazamto or ao d rcuração Hdrogologa y Rcuro Hdráulco, t. XII,. 689-694. IV IMPOIO DE HIDROGEOLOGÍA ALMEIDA, Carlo DEERMINAÇÃO DE RANMIIVIDADE E COEFICIENE

Leia mais

a 2âmatct fltanicipa[ ác &Iiquelârtia

a 2âmatct fltanicipa[ ác &Iiquelârtia a 2âmatct fltanicipa[ ác &Iiquelârtia LEI N g,2j / 93 PROJETO DE LEI Assunt '- E t Par r (e$)... -... (s) Cmissã (ões) - -. -...p-------------------------------------------------------------------da de...a...l4aác0t0...

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

Lezk @â.rnczta &fcunicipal aa cytiq.tel&tdia

Lezk @â.rnczta &fcunicipal aa cytiq.tel&tdia 1.- 1 Lezk @â.rnczta &fcunicipal aa cytiq.tel&tdia LEI N C PROJETO DE LEI Assunt 'çlt[otç.. Úç 7.44C.di.» 1i.n 4 /,Qn Autr:. LA... Parecer (es) de,vl /7! Autr da emenda cebenrnenr Sancinad? F Sim LI nã

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL MATERIAL CONFIDENCIAL

APRESENTAÇÃO COMERCIAL MATERIAL CONFIDENCIAL APREENTAÇÃ CMERCIAL MATERIAL CNFIDENCIAL BUINE / PREENCE TIMELINE 2000 PAIN HTWRD 2006 PAIN MEDIA REPNE RUP HTWRD MEDIA REPNE RUP HTWRD WEBZDE EFFICIENT TARET MEDIA REPNE RUP HTWRD WEBZDE EFFICIENT TARET

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA MEAHEURO.COM.BR Prf. Jé Rbert Marque V.1. ELERÔNCA DE POÊNCA EXERCÍCO REOLVDO OBRE REFCADORE NÃO CONROLADO COM CARGA RL E FCEM 1Q) Da circuit abaix, cnieran i ieal, eterminar : a) O ângul e cnuçã i b)

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-2004

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-2004 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-24 IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % 1984 1.377.446 89,84% 34,51% 155.749 1,16% 3,24%

Leia mais

VOZ DOCENTE. JORNAL DA ADUFPel. SEÇÃO SINDICAL DO ANDES-SN. PELOTAS. EDIÇÃO 8/2015

VOZ DOCENTE. JORNAL DA ADUFPel. SEÇÃO SINDICAL DO ANDES-SN. PELOTAS. EDIÇÃO 8/2015 VOZ DOCENTE JORNAL DA ADUFPl. SEÇÃO SINDICAL DO ANDES-SN. PELOTAS. EDIÇÃO 8/2015 5 a n i Pág 27 d õ lizaç i b m br a Braília. l a i c p t m g Encart a d 4 g á P. t diri m a r b t c n a d u t E ág 6 P.

Leia mais

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PARTICIPAÇÃO DA S EGURANÇA E DA MEDICINA DO TRABALHO A qualidad d vida na mprs a dpnd do trabalho d uma quip multidis ciplinar, da qual

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Uso de cinza pesada na produção de concreto autoadensável

Uso de cinza pesada na produção de concreto autoadensável U iz p pruçã rt utávl Wlligt L Rptt, Lígi V. M. Siquir, Lu Ogur, Aré G. F. Cruz, Agtih J. Dlr, Mári G. Plb Ru Gr vlu iz lv p rult qui rvã irl ui trlétri. Ebr prt irávl prçã iz lv j prg pruçã it Prtl pt,

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-2003

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-2003 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-23 IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % 1983 1.24.25 87,16% -9,62% 15.858 12,84% 5,28%

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br Criação, Dsign Implmntação Soluçõs Eucacionais Corporativas www.braun.com.br QUEM SOMOS Somos uma mprsa xclência na art ucar gstors-lírs organizaçõs com foco m aspctos o comportamnto humano no ambint organizacional.

Leia mais

Ferramentas para Usinagens

Ferramentas para Usinagens S Fmt lt F m t l t M í. 43 Máx. 54 R E G U L A G E M Ø 43 - Ø 54 EMS - 92585000142 EDIÇÃO - 01/08 Pjt Gáfic - ROBERTO CAMPOS YNOWA FERRAMENTAS LTDA RUA CLÁUDIA SOARES, Nº 153 - BAIRRO PORTAL DO SOL SÃO

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais