Manual de Administração de Energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Administração de Energia"

Transcrição

1

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Circuitos de Distribuição Transformadores Fator de Potência ANÁLISE DE CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA Características dos Sistemas Tarifários Análise da Demanda Fator de Carga Fator de Potência Planilhas de Acompanhamento Cálculo do Preço Médio da Energia Elétrica ANÁLISE ECONÔMICA DE INVESTIMENTOS Generalidades Matemática Financeira Métodos de Análise Econômica de Projetos Critérios para Seleção de Projetos de Investimento

3 1.INTRODUÇÃO É com prazer que reeditamos mais este fascículo do Manual de Administração de Energia enfocando os temas: Instalações Elétricas, Análise de Contas de Energia Elétrica e Análise Econômica de Investimentos. Grandes desperdícios de energia elétrica ocorrem devido ao mau dimensionamento, operação e manutenção dos circuitos elétricos que, inclusive, podem colocar em risco a segurança dos usuários. Através de medidas simples, aqui apresentadas, é possível identificar as causas dos desperdícios de energia elétrica, e a forma de elimina-los. A orientação sobre o ajuste do fator de potência visando a supressão da cobrança de excesso de reativos e também sobre a melhoria das condições de operação das instalações elétricas, é outro ponto importante apresentado neste manual. Através do acompanhamento dos vários parâmetros das faturas de energia é possível identificar o perfil de utilização de eletricidade da unidade consumidora. Este procedimento é muito importante quando se deseja implantar um sistema de gestão de energia. Assim procuramos fornecer informações básicas sobre os sistemas tarifários em vigor, índices de performance da instalação, tais como, o fator de carga e o fator de potência. Por fim foram inseridos alguns conceitos sobre análise econômica de investimentos, fundamentais para a tomada de decisões na implantação de novos projetos, e neste manual especialmente àqueles voltados ao uso eficiente de energia. 3

4 2. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A transferência de energia através dos circuitos elétricos, à semelhança de quaisquer outras formas de transporte de energia, está sempre associada à ocorrência de perdas. Cabe ao técnico responsável pela área de conservação de energia de uma empresa identificar e quantificar estas perdas, propondo, se pertinentes, ações que para reduzi-las que justifiquem economicamente os investimentos necessários. O texto a seguir discorre sobre potenciais de conservação de energia em circuitos de distribuição, transformadores e na melhoria do fator de potência das instalações Circuitos de Distribuição Nos circuitos de distribuição, as perdas de energia mais significativas são provocadas pelo efeito Joule, devido à passagem da corrente elétrica nos condutores. A redução das perdas por efeito Joule pode ser conseguida por meio da elevação dos níveis de tensão, pelo dimensionamento adequado dos condutores e até mesmo pela redução do comprimento dos alimentadores mais carregados. a) Elevação dos níveis de tensão Existem vários equipamentos que podem ser alimentados por diferentes níveis de tensão. Este é o caso comum de motores que, dependendo do critério adotado pelo usuário para fechamento das bobinas, oferecem normalmente a possibilidade de ligação em duas tensões (por exemplo, 220 ou 380V). Como regra geral, devese sempre procurar utilizar o maior nível de tensão oferecido. Quanto maior for a tensão, menor será a corrente que circula pelos condutores para uma mesma potência consumida e, portanto, menores serão as perdas por efeito Joule. Uma vez que a potência dissipada por um condutor em forma de calor varia inversamente com o quadrado da corrente que nele circula pequenas elevações no nível de tensão poderão produzir reduções apreciáveis nas perdas por efeito Joule. Para quantificar potenciais de economia de energia que podem ser obtidos com a elevação dos níveis se tensão, adote o seguinte roteiro: Verifique os níveis de tensão utilizados com maior freqüência em sua instalação. Se a tensão padronizada na empresa já for elevada, não haverá potencial significativo de economia de energia sob este aspecto. Neste caso, uma das poucas possibilidades de economia reside na utilização de equipamentos alimentados diretamente em alta tensão. Verifique se os transformadores existentes podem fornecer tensões mais elevadas. Verifique se existem equipamentos que podem se alimentados em tensão superior a atualmente utilizada. Identifique os circuitos de distribuição que alimentam tais equipamentos e observe se é possível elevar a sua tensão de alimentação. Em determinados casos isto pode ser feito efetuando-se o remanejamento de algumas cargas cuja tensão de alimentação não pode ser modificada. Meça a corrente que circula atualmente nos condutores dos circuitos cuja tensão será alterada. Calcule a corrente que circulará nos condutores com a nova tensão, utilizando a seguinte expressão: 4

5 I I 2 = U1 U onde: I 2 = corrente que circula nos condutores com nova tensão (A); U 1 = tensão atual (V); I 1 = corrente atual (A); U 2 = nova tensão a ser utilizada(v). Verifique a seção e o comprimento dos condutores utilizados no circuito. Determine as perdas por efeito Joule nos condutores, antes e após a conversão de tensão, por cálculo ou utilize os gráficos anexos. Calcule a redução das perdas, adotando a seguinte expressão: 1 2 R = P P ) d n ( 1 2 onde: R= redução de perdas (kw); P 1 = perdas por efeito Joule na situação atual (kw/km); P 2 = perdas por efeito Joule após conversão de tensão (kw/km); d = comprimento do circuito (km); n = quantidade de condutores no circuito. Estime a duração média de operação de cada circuito (h), em horas/mês. Calcule o potencial de economia de energia adotando a seguinte expressão: E = R h (kwh/mês) b) Dimensionamento adequado dos condutores O dimensionamento de condutores é normalmente realizado pelos critérios previstos em norma (NBR 5410) tais como, capacidade de condução de corrente, queda de tensão em função do comprimento, etc. Através de normas e com o emprego de tabelas dos fabricantes, a corrente de projeto, o tipo de instalação dos condutores, e o comprimento do circuito, é possível determinar a seção do condutor a ser utilizada. A evolução dos materiais empregados na fabricação dos condutores ao longo dos anos tem permitido que seus isolantes trabalhem em temperaturas maiores sem comprometimento da segurança das instalações. Em termos práticos, isto significa um aumento da corrente que o condutor é capaz de transportar. No entanto, correntes maiores significam maiores perdas por efeito Joule. 5

6 A seleção adequada de condutores do ponto de vista de conservação de energia é uma atividade que pode ser bastante atraente durante a fase de projeto das instalações elétricas. É possível determinar com poucos cálculos qual será o custo da energia desperdiçada sob forma de calor para algumas seções de condutores e comparar estes custos com o acréscimo de investimento em cada caso, verificando assim a atratividade da utilização de um condutor com maior seção com base na economia de energia que poderá resultar. Este critério pode conduzir a seções superiores as que seriam determinadas pelos critérios de capacidade de corrente e queda de tensão, em função das normas, mas que acarretariam instalações de operação mais econômica. A mesma teoria é válida quando se deseja reformar instalações já existentes. No entanto, nesse caso o investimento inicial deverá ser acrescido da parcela de custo referente à mão-de-obra para substituição dos condutores e a não ser que haja destinação para o condutor antigo, o novo cabo terá seu custo assumido na íntegra (e não a diferença de custos entre os condutores, como seria feito na fase de projeto). Embora não seja muito provável que a substituição de condutores traga vantagens econômicas, esta hipótese não deve ser descartada quando se procura aumentar a eficiência energética de uma instalação. Para quantificar o potencial de economia de energia que pode ser obtido com o redimensionamento dos condutores, adote o seguinte roteiro: Identifique os circuitos de distribuição de maior comprimento e que transportam maiores correntes. Verifique a seção dos condutores e meça a corrente. Determine as perdas por efeito Joule nos condutores dos circuitos identificados por cálculo ou utilizando os gráficos anexos. Meça os comprimentos de cada condutor. Verifique a possibilidade de remanejar as cargas para circuitos menos solicitados. Verifique a possibilidade de substituir os condutores de maior carregamento por outros de maior seção. Verifique a possibilidade de construir novos circuitos para aliviar o carregamento por outros existentes. A partir da nova configuração do circuito, determine os novos valores de corrente, seção e comprimento dos condutores. Determine o novo valor das perdas por efeito Joule por cálculo ou utilize os gráficos anexos. Calcule qual será a redução das perdas por efeito Joule, em cada circuito, adotando a seguinte expressão: R = P d P d ) n ( onde : R = redução das perdas por efeito Joule (kw); P 1 = perdas no circuito atual (kw/km); d 1 = comprimento do circuito atual (km); P 2 = perdas na nova configuração (kw/km); d 2 = comprimento do circuito na nova configuração (km); n = quantidade de condutores no circuito. 6

7 Estime o período médio de operação do circuito (h), em horas/mês. Calcule a economia de energia, a partir da expressão: E = R h (kwh/mês) c) Redução do comprimento dos condutores A queda de tensão nos condutores é diretamente proporcional ao seu comprimento. Como resultado desta queda de tensão, os condutores passam a dissipar uma potência igual ao produto da queda de tensão pela corrente que neles circula. Para que se reduzam as perdas de energia por dissipação nos condutores, alguns cuidados devem ser tomados. Os transformadores devem estar localizados, sempre que possível, próximo ao baricentro elétrico da instalação, para que se reduza o comprimento dos circuitos em baixa tensão. A situação ideal é que existam vários transformadores localizados o mais próximo possível das maiores cargas a alimentar. Quanto menor for a distância a ser percorrida por grandes correntes, menores serão as perdas por efeito Joule. R = ( do 1 caminhamento d2) P n dos circuitos, da mesma maneira, deve ser estudado de modo a permitir a alimentação das cargas com o menor comprimento possível de condutores. Para quantificar o potencial de economia de energia que pode ser obtido mediante a redução do comprimento dos condutores, adote o seguinte roteiro: Identifique os circuitos de distribuição de maior comprimento e que alimentam potências significativas, verificando a existência de local mais próximo para a instalação de um novo transformador, recolocação de outro existente ou a possibilidade de alteração no caminhamento dos condutores de modo de reduzir seu comprimento. Meça a corrente que circula nos condutores do circuito de distribuição. Meça o comprimento atual do circuito, do transformador até a carga. Estime o novo comprimento do circuito após as alterações possíveis. Calcule as perdas por efeito Joule antes e após as alterações por cálculo ou utilize os gráficos anexos. A redução das perdas por efeito Joule pode ser calculada adotando a seguinte expressão: onde: R = redução das perdas devido à alteração no comprimento do circuito (kw); d 1 = comprimento atual do circuito (km); d 2 = novo comprimento do circuito após modificação (km); P = perda no condutor em função da corrente (kw/km); n = quantidade de condutores no circuito. 7

8 Estime o período médio de operação do circuito (h), em horas/mês. Calcule a economia de energia, a partir da expressão: E = R h (kwh/mês) d) Procedimentos de manutenção Além dos conceitos já apresentados para redução das perdas de energia em circuitos de distribuição, deve-se também atentar para os procedimentos de manutenção que resultem no bom funcionamento das instalações, o que se constitui num fator importante a ser considerado na implantação de programas de economia de energia elétrica. Recomenda-se adotar os seguintes procedimentos: Verificar quinzenalmente as condições dos isolamentos. Proceder à limpeza dos painéis e aparelhos elétricos semestralmente. Verificar os contatos e conexões, reapertanto os parafusos e verificando a qualidade das ligações a terra anualmente. Gráficos PERDAS EM CONDUTORES POR EFEITO JOULE (kwkm) 24,0 PERDAS (kw/km) 22,0 20,0 18,0 16,0 4mm² 6mm² 10mm² 16mm² 25mm² 14,0 12,0 35mm² 10,0 8,0 6,0 4,0 50mm² 70mm² 95mm² 120mm² 2,0 150mm² CORRENTE (A) 8

9 PERDAS EM CONDUTORES POR EFEITO JOULE (kwkm) PERDAS (kw/km) 30,0 28,0 25mm² 35mm² 50mm² 26,0 24,0 70mm² 22,0 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 95mm² 120mm² 150mm² 10,0 8,0 6,0 4,0 2, CORRENTE (A) PERDAS EM CONDUTORES POR EFEITO JOULE (kwkm) PERDAS (kw/km) 40,0 38,0 36,0 34,0 70mm² 95mm² 120mm² 150mm² 32,0 30,0 28,0 26,0 185mm² 24,0 22,0 240mm² 20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6, CORRENTE (A) 9

10 2.2. Transformadores Os transformadores são equipamentos que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo a mesma freqüência e variando a tensão de trabalho. Esta transferência de energia é acompanhada de perdas que dependem da construção do transformador e do seu regime de trabalho. As principais perdas que ocorrem em transformadores são as perdas no cobre e as perdas no ferro. As perdas no cobre correspondem à dissipação de energia por efeito Joule determinada pelas correntes que circulam nos enrolamentos primário e secundário, que variam com a carga elétrica alimentada pelo transformador. Já as perdas no ferro são determinadas pelo fluxo estabelecido no circuito magnético e são constantes para cada transformador. Eventualmente podem ocorrer perdas em transformadores ligados em paralelo, devido à diferença entre a relação de transformação dos equipamentos ligados desta forma. Quando esta relação apresenta diferenças significativas ocorre a circulação de corrente entre os transformadores, provocando perdas que podem se tornar importantes. A seguir é apresentado um roteiro para determinação do potencial de economia de energia que pode se obter com o uso adequado dos transformadores. a) Perdas no ferro As perdas no circuito magnético, conhecidas como perdas no ferro, aparecem sempre que um transformador é ligado à rede e independem da carga que está sendo alimentada. Para um transformador específico, estas perdas são constantes e dependem de suas características construtivas. Uma providência que permite reduzir o consumo de energia elétrica devido a este fato seria desligar a alimentação dos transformadores durante os períodos em que eles não estiverem sendo utilizados. Em muitos casos pode ser interessante, por exemplo, dispor-se de um transformador de menor porte exclusivo para alimentação da iluminação, de modo a permitir mantê-la ligada para execução dos serviços de limpeza e vigilância nos horários em que a empresa não estiver em funcionamento. Para determinar os potenciais de economia de energia que podem ser obtidos com a redução das perdas no ferro, adote o seguinte roteiro: Identifique os transformadores existentes e anote os seus dados nominais (potência nominal e tensão), que podem ser encontrados na placa do equipamento. Consulte as características de cada um dos transformadores e verifique o valor das perdas no ferro e perdas totais. Caso não disponha dos dados de seus equipamentos, utilize como referência os valores demonstrados na tabela a seguir: 10

11 POTÊNCIA (kva) PERDAS NO FERRO (W) , PERDAS TOTAIS (W) Analise os circuitos que são alimentados pelos transformadores e verifique se é possível desligar cada transformador em horários em que não haja solicitação de energia, ou quando tal solicitação é reduzida e pode ser transferida para outro transformador. Estime a quantidade de horas mensais em que o transformador pode ser desenergizado. Determine o potencial de economia de energia a partir da seguinte expressão: E = P 1 h /1000 onde: E = potencial de economia de energia devido às perdas no ferro (kwh/mês); P 1 = perdas no ferro (W); h = quantidade de horas mensais de desligamento do transformador (h/mês). b) Perdas no cobre As perdas no transformador devido ao efeito Joule, conhecidas como perdas no cobre são diretamente proporcionais ao quadrado das correntes elétricas que circulam pelos enrolamentos e, portanto, dependem na carga que está sendo alimentada. Uma maneira de se reduzir o consumo de energia elétrica por efeito Joule, quando estiverem em uso vários transformadores, é distribuir as cargas de modo a se otimizar os carregamentos médios de cada transformador, reduzindo as correntes daqueles que estiverem sendo muito carregados e aumentando a corrente dos que estiverem sendo submetidos a pouca carga. 11

12 Para determinar o potencial de economia de energia que se pode obter com esta medida, adote o seguinte roteiro: Determine as perdas no cobre para cada um dos transformadores quando estes operam a plena carga, efetuando a seguinte diferença: onde: P 1 = perdas de ferro (W); P c = perdas no cobre do transformador (W); P = perdas totais (W). P C = P P 1 Nota: As perdas totais apresentadas para um transformador incluem outros tipos de perda. Para efeito prático não serão considerados outros valores, admitindo-se que somente ocorram perdas no cobre e no ferro. Calcule a corrente nominal do transformador utilizando a seguinte expressão Pn 1000 In = 3 U onde: I n = corrente nominal do transformador (A); P n = potência nominal do transformador (kva); U = tensão nominal secundária do transformador (V); Efetue a medição da corrente secundária do transformador para vários horários do dia e determine o valor da corrente média que circula em cada transformador (I m ). Analise o carregamento de cada transformador e verifique a possibilidade de remanejar as cargas por eles alimentadas, de modo a reduzir o carregamento daqueles mais solicitados e aumentar o dos menos carregados. Determine o novo valor das correntes médias de cada transformador (I r ). Calcule a redução das perdas que pode ser obtida com esta medida adotando a seguinte expressão: ( I R = P Onde: R = redução de perdas no cobre (W); P c = perdas no cobre do transformador (W); I m = corrente secundária do transformador na condição atual (A); I r = corrente secundária do transformador após remanejamento da carga (A); I n = corrente nominal do transformador (A). c 2 m I I 2 n 2 r ) 12

13 Estime a quantidade média mensal de horas de funcionamento dos transformadores (h) Calcule as perdas mensais mensais de energia que ocorrem em cada transformador, utilizando a seguinte expressão: E = R h (kwh/mês) 1000 c) Perdas em transformadores ligados em paralelo Freqüentemente utiliza-se a ligação de dois ou mais transformadores em paralelo para atender a várias cargas através do mesmo barramento secundário. Neste caso, deve-se observar os seguintes itens fundamentais, sob pena de ocorrerem sérios danos aos mesmos: Capacidade Utilizar transformadores com capacidade iguais ou muito próximas, para melhor aproveitamento das potências dos mesmos. Ligação interna dos transformadores A ligação de transformadores em paralelo exige que as ligações internas sejam as mesmas, isto é, todos os transformadores devem estar ligados em estrela ou todos em triângulo. Impedâncias A ligação de transformadores em paralelo exige que sua impedância expressa em valores percentuais, sejam iguais. Relação de transformação Dois ou mais transformadores, para serem ligados em paralelo, devem ter a mesma relação de transformação. A ligação de transformadores em paralelo com relações de transformação diferentes resulta em circulação de corrente entre os mesmos, reduzindo suas capacidades e desperdiçando energia elétrica. Para determinar qual a perda de energia numa ligação de transformadores em paralelo, adote o seguinte roteiro: Determine as perdas no cobre e a corrente nominal para cada um dos transformadores quando estes operam a plena carga, conforme detalhado no item (b). Meça a corrente secundária de cada transformador com todas as cargas desligadas. Calcule as perdas que ocorrem no cobre de cada um dos transformadores adotando a seguinte expressão: R = P I I c 2 r 2 n 13

14 onde: R = perdas que ocorrem no cobre, devido à corrente resultante da ligação em paralelo (W); P c = perdas nominais no cobre do transformador (W); I r = corrente secundária do transformador sem carga (A); I n = corrente nominal do transformador (A). Estime a quantidade média mensal de horas de funcionamento dos transformadores ligados em paralelo (h). Calcule as perdas mensais de energia, em cada transformador, devido à ligação em paralelo, adotando a seguinte expressão: E = R h /1000 (kwh/mês) d) Procedimentos de manutenção O tratamento do óleo de um transformador torna-se necessário quando o poder dielétrico ou o índice de acidez do óleo em serviço atingir o valor limite especificado pelo fabricante. Um tratamento realizado periodicamente sem esperar o limite crítico apresenta a vantagem de suprimir: A presença da lama dentro do aparelho, facilitando as trocas térmicas com conseqüente diminuição da temperatura do transformador. A presença de produtos que contribuem para a oxidação do óleo e, portanto para sua degradação. Com esse tratamento, realizado no período adequado, serão conseguidas economias de energia elétrica e de reposição do óleo. No campo da manutenção, os transformadores que contem óleo isolante merecem especial atenção. Alguns controles de óleo devem ser efetuados antes da colocação sob carga e durante o funcionamento. É sugerida a seguir uma rotina para estes controles: ANTES DA COLOCAÇÃO SOB CARGA CADA 3 MESES CADA 2 ANOS Tensão de ruptura X Teor de água X Resistividade X Fator de dissipação dielétrica X Índice de neutralização X Ponto de fulgor X Tensão interfacial X 14

15 2.3 Fator de Potência Os aparelhos elétricos indutivos, tais como motores e transformadores, desenvolvem um campo magnético interno necessário para o seu funcionamento. Este campo é formado pela passagem da corrente nos enrolamentos. Quando os equipamentos são alimentados em corrente alternada, a energia armazenada em forma de campo magnético tende a se opor à variação da intensidade da corrente, causando um atraso da corrente em relação à tensão. Como conseqüência uma parcela da corrente não realiza trabalho útil, produzindo o que se chama de energia reativa. Para melhor compreender a ocorrência de energia reativa em um sistema, visualize o desenho a seguir, onde um vagão é tracionado para se deslocar sobre os trilhos por ações de uma força em direção diferente a do deslocamento. O esforço de tração representa a potência aparente do sistema (kva). A componente de força paralela aos trilhos é a que realiza trabalho útil representado a potência ativa do sistema (kw). A componente perpendicular a esta última não realiza trabalho, causando um aumento da potência aparente para se obter a mesma potência ativa que seria necessária à locomoção do vagão caso a força de tração fosse aplicada no mesmo sentido e direção aos trilhos. Esta representa a potência reativa (kvar). A relação entre potência ativa e a potência aparente é denominada fator de potência. Note, na analogia apresentada, que o fator de potência é na realidade a tangente do ângulo formado entre a força de tração e os trilhos. Quanto menor for este ângulo, menor será a componente reativa do sistema, e tanto mais o fator de potência irá se aproximar do valor unitário. A ocorrência de energia reativa em circuitos elétricos sobrecarrega as instalações, ocupando uma capacidade de condução de corrente que poderia ser melhor aproveitada. Isto é válido tanto para a concessionária que entrega energia elétrica ao consumidor como também para o próprio consumidor em seus circuitos de distribuição. A concessionária protege-se contra a ocorrência de reativos elevados em suas linhas impondo ao consumidor um fator de potência mínimo de 0,92. Quando a instalação registra um fator de potência abaixo do mínimo é cobrado o excedente de energia reativa, a título de ajuste. Assim sendo, a melhoria do fator de potência de uma instalação representa não apenas uma melhor utilização dos circuitos de distribuição, mas também uma forma de reduzir as despesas com o fornecimento de energia caso este índice esteja abaixo do mínimo regulamentado. 15

16 As principais causas do baixo fator de potência são: Motores operando em vazio ou super dimensionados; Transformadores operando com pequenas cargas; Nível de tensão acima da nominal; Reatores de lâmpadas de descarga; e, Grande quantidade de motores de pequena potência. No texto a seguir encontram-se algumas considerações relativas ao potencial de economia oriundo da melhoria do fator de potência, bem como técnicas utilizadas para este fim. a) Redução despesas no faturamento da energia elétrica A legislação que regulamenta os critérios para fornecimento de energia elétrica determina que o fator de potência deve ser mantido o mais próximo possível de 1,00 (um) e estabelece que a concessionária cobre, com preços da energia ativa, o excedente de energia reativa que ocorrer quando o fator de potência da instalação consumidora for inferior ao valor mínimo (0,92). Se uma determinada instalação apresentar fator de potência inferior a 0,92, o valor referente à energia reativa excedente já estará sendo cobrado na fatura de energia elétrica. Este valor poderá ser reduzido ou mesmo eliminado com a adequação do fator de potência a níveis mais elevados. A economia obtida será resultante da quantidade de potência reativa (kvar) que puder ser eliminada da instalação. b) Técnicas para melhoria do fator de potência Algumas medidas podem ser consideradas para a melhoria do fator de potência. Uma delas, e a mais óbvia é utilizar equipamentos com elevado fator de potência. A indústria oferece determinados equipamentos (reatores de lâmpadas de descarga, motores, transformadores) com uma variada gama de valores de fator de potência. Cabe verificar se há possibilidade de substituição dos equipamentos existentes por outros de alto fator de potência. No caso de instalações novas, é recomendado iniciar a operação com tais equipamentos e providenciar as correções necessárias com capacitores, como será visto adiante. O correto dimensionamento dos equipamentos pode ser também uma maneira de se elevar o fator de potência de uma instalação. Os motores, por exemplo, apresentam um fator de potência mais elevado quando operam próximo à sua capacidade nominal. Motores superdimensionados ou motores operando em vazio provocam a diminuição do fator de potência de uma unidade consumidora. 16

17 Outra forma de se elevar o fator de potência é instalar bancos de capacitores. Ao contrário da energia reativa indutiva, que provoca o atraso da corrente em relação à tensão, como já visto, a energia reativa capacitiva produz efeito contrário. O fornecimento de reativo capacitivo em instalações predominantemente indutivas (regra geral) tem, por conseqüência, a elevação do fator de potência. A quantidade de reativo capacitivo necessário à elevação do fator de potência é facilmente determinada por meio da utilização da tabela a seguir. O valor encontrado na tabela deve ser multiplicado pela potência ativa da instalação (kw) e o resultado será a potência reativa do capacitor a ser utilizado (kvar). 17

18 ÍNDICES PARA DETERMINAR A POTÊNCIA DE CAPACITORES PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA FP Atual Fator de Potência Corrigido 0,80 0,81 0,82 0,83 0,84 0,85 0,86 0,87 0,88 0,89 0,90 0,91 0,92 0,93 0,94 0,95 0,96 0,97 0,98 0,99 1,00 0,50 0,982 1,008 1,034 1,060 1,086 1,112 1,139 1,165 1,192 1,220 1,248 1,276 1,306 1,337 1,369 1,403 1,440 1,481 1,529 1,590 1,732 0,51 0,937 0,963 0,989 1,015 1,041 1,067 1,093 1,120 1,147 1,174 1,202 1,231 1,261 1,291 1,324 1,358 1,395 1,436 1,484 1,544 1,687 0,52 0,893 0,919 0,945 0,971 0,997 1,023 1,049 1,076 1,103 1,130 1,158 1,187 1,217 1,247 1,280 1,314 1,351 1,392 1,440 1,500 1,643 0,53 0,850 0,876 0,902 0,928 0,954 0,980 1,007 1,033 1,060 1,088 1,116 1,144 1,174 1,205 1,237 1,271 1,308 1,349 1,397 1,458 1,600 0,54 0,809 0,835 0,861 0,887 0,913 0,939 0,965 0,992 1,019 1,046 1,074 1,103 1,133 1,163 1,196 1,230 1,267 1,308 1,356 1,416 1,559 0,55 0,768 0,794 0,820 0,846 0,873 0,899 0,925 0,952 0,979 1,006 1,034 1,063 1,092 1,123 1,156 1,190 1,227 1,268 1,315 1,376 1,518 0,56 0,729 0,755 0,781 0,807 0,834 0,860 0,886 0,913 0,940 0,967 0,995 1,024 1,053 1,084 1,116 1,151 1,188 1,229 1,276 1,337 1,479 0,57 0,691 0,717 0,743 0,769 0,796 0,822 0,848 0,875 0,902 0,929 0,957 0,986 1,015 1,046 1,079 1,113 1,150 1,191 1,238 1,299 1,441 0,58 0,655 0,681 0,707 0,733 0,759 0,785 0,811 0,838 0,865 0,892 0,920 0,949 0,979 1,009 1,042 1,076 1,113 1,154 1,201 1,262 1,405 0,59 0,618 0,644 0,670 0,696 0,723 0,749 0,775 0,802 0,829 0,856 0,884 0,913 0,942 0,973 1,006 1,040 1,077 1,118 1,165 1,226 1,368 0,60 0,583 0,609 0,635 0,661 0,687 0,714 0,740 0,767 0,794 0,821 0,849 0,878 0,907 0,938 0,970 1,005 1,042 1,083 1,130 1,191 1,333 0,61 0,549 0,575 0,601 0,627 0,653 0,679 0,706 0,732 0,759 0,787 0,815 0,843 0,873 0,904 0,936 0,970 1,007 1,048 1,096 1,157 1,299 0,62 0,515 0,541 0,567 0,593 0,620 0,646 0,672 0,699 0,726 0,753 0,781 0,810 0,839 0,870 0,903 0,937 0,974 1,015 1,062 1,123 1,265 0,63 0,483 0,509 0,535 0,561 0,587 0,613 0,639 0,666 0,693 0,720 0,748 0,777 0,807 0,837 0,870 0,904 0,941 0,982 1,030 1,090 1,233 0,64 0,451 0,477 0,503 0,529 0,555 0,581 0,607 0,634 0,661 0,688 0,716 0,745 0,775 0,805 0,838 0,872 0,909 0,950 0,998 1,058 1,201 0,65 0,419 0,445 0,471 0,497 0,523 0,549 0,576 0,602 0,629 0,657 0,685 0,714 0,743 0,774 0,806 0,840 0,877 0,919 0,966 1,027 1,169 0,66 0,388 0,414 0,440 0,466 0,492 0,519 0,545 0,572 0,599 0,626 0,654 0,683 0,712 0,743 0,775 0,810 0,847 0,888 0,935 0,996 1,138 0,67 0,358 0,384 0,410 0,436 0,462 0,488 0,515 0,541 0,568 0,596 0,624 0,652 0,682 0,713 0,745 0,779 0,816 0,857 0,905 0,966 1,108 0,68 0,328 0,354 0,380 0,406 0,432 0,459 0,485 0,512 0,539 0,566 0,594 0,623 0,652 0,683 0,715 0,750 0,787 0,828 0,875 0,936 1,078 0,69 0,299 0,325 0,351 0,377 0,403 0,429 0,456 0,482 0,509 0,537 0,565 0,593 0,623 0,654 0,686 0,720 0,757 0,798 0,846 0,907 1,049 0,70 0,270 0,296 0,322 0,348 0,374 0,400 0,427 0,453 0,480 0,508 0,536 0,565 0,594 0,625 0,657 0,692 0,729 0,770 0,817 0,878 1,020 0,71 0,242 0,268 0,294 0,320 0,346 0,372 0,398 0,425 0,452 0,480 0,508 0,536 0,566 0,597 0,629 0,663 0,700 0,741 0,789 0,849 0,992 0,72 0,214 0,240 0,266 0,292 0,318 0,344 0,370 0,397 0,424 0,452 0,480 0,508 0,538 0,569 0,601 0,635 0,672 0,713 0,761 0,821 0,964 0,73 0,186 0,212 0,238 0,264 0,290 0,316 0,343 0,370 0,396 0,424 0,452 0,481 0,510 0,541 0,573 0,608 0,645 0,686 0,733 0,794 0,936 0,74 0,159 0,185 0,211 0,237 0,263 0,289 0,316 0,342 0,369 0,397 0,425 0,453 0,483 0,514 0,546 0,580 0,617 0,658 0,706 0,766 0,909 0,75 0,132 0,158 0,184 0,210 0,236 0,262 0,289 0,315 0,342 0,370 0,398 0,426 0,456 0,487 0,519 0,553 0,590 0,631 0,679 0,739 0,882 0,76 0,105 0,131 0,157 0,183 0,209 0,235 0,262 0,288 0,315 0,343 0,371 0,400 0,429 0,460 0,492 0,526 0,563 0,605 0,652 0,713 0,855 0,77 0,079 0,105 0,131 0,157 0,183 0,209 0,235 0,262 0,289 0,316 0,344 0,373 0,403 0,433 0,466 0,500 0,537 0,578 0,626 0,686 0,829 0,78 0,052 0,078 0,104 0,130 0,156 0,183 0,209 0,236 0,263 0,290 0,318 0,347 0,376 0,407 0,439 0,474 0,511 0,552 0,599 0,660 0,802 0,79 0,026 0,052 0,078 0,104 0,130 0,156 0,183 0,209 0,236 0,264 0,292 0,320 0,350 0,381 0,413 0,447 0,484 0,525 0,573 0,634 0,776 0,80 0,026 0,052 0,078 0,104 0,130 0,157 0,183 0,210 0,238 0,266 0,294 0,324 0,355 0,387 0,421 0,458 0,499 0,547 0,608 0,750 0,81 0,026 0,052 0,078 0,104 0,131 0,157 0,184 0,212 0,240 0,268 0,298 0,329 0,361 0,395 0,432 0,473 0,521 0,581 0,724 0,82 0,026 0,052 0,078 0,105 0,131 0,158 0,186 0,214 0,242 0,272 0,303 0,335 0,369 0,406 0,447 0,495 0,556 0,698 0,83 0,026 0,052 0,079 0,105 0,132 0,160 0,188 0,216 0,246 0,277 0,309 0,343 0,380 0,421 0,469 0,530 0,672 0,84 0,026 0,053 0,079 0,106 0,134 0,162 0,190 0,220 0,251 0,283 0,317 0,354 0,395 0,443 0,503 0,646 0,85 0,026 0,053 0,080 0,107 0,135 0,164 0,194 0,225 0,257 0,291 0,328 0,369 0,417 0,477 0,620 0,86 0,027 0,054 0,081 0,109 0,138 0,167 0,198 0,230 0,265 0,302 0,343 0,390 0,451 0,593 0,87 0,027 0,054 0,082 0,111 0,141 0,172 0,204 0,238 0,275 0,316 0,364 0,424 0,567 0,88 0,027 0,055 0,084 0,114 0,145 0,177 0,211 0,248 0,289 0,337 0,397 0,540 0,89 0,028 0,057 0,086 0,117 0,149 0,184 0,221 0,262 0,309 0,370 0,512 0,90 0,029 0,058 0,089 0,121 0,156 0,193 0,234 0,281 0,342 0,484 0,91 0,030 0,060 0,093 0,127 0,164 0,205 0,253 0,313 0,456 0,92 0,031 0,063 0,097 0,134 0,175 0,223 0,284 0,426 0,93 0,032 0,067 0,104 0,145 0,192 0,253 0,395 0,94 0,034 0,071 0,112 0,160 0,220 0,363 0,95 0,037 0,078 0,126 0,186 0,329 0,96 0,041 0,089 0,149 0,292 0,97 0,048 0,108 0,251 0,98 0,061 0,203 0,99 0,142 1,00 18

19 A instalação de capacitores em paralelo às cargas irá beneficiar todo o circuito atrás do ponto de inserção dos capacitores, ou seja, da cabine de entrada até o ponto de inserção. Assim sendo, a localização mais adequada para a instalação dos capacitores é junto aos equipamentos consumidores, após a chave. Com esta configuração, garante-se inclusive que o reativo capacitivo será desligado junto com o equipamento quando este não estiver em uso. Tal medida tem por finalidade evitar o excesso de capacitivo na rede, igualmente cobrado pela concessionária. Face ao elevado número de capacitores necessários, esta alternativa é normalmente pouco atraente do ponto de vista econômico. Bancos de capacitores podem ser instalados juntos à cabine de medição. Esta configuração atende aos requisitos da concessionária, mas não irá proporcionar os benefícios do alívio da carga nos circuitos internos de distribuição. Deve-se ressaltar que tal alternativa implica na necessidade de modular a entrada dos capacitores de acordo com a variação da carga, para se evitar a ocorrência de excesso de capacitivo. As alternativas para instalação variam entre os dois extremos acima descritos. A situação ideal para uma determinada instalação deverá ser resultado de estudo específico, comparando-se os benefícios obtidos com os investimentos necessários. Convém lembrar que quando grande parte do consumo de uma instalação é devida a equipamentos não-lineares (conversores de freqüência, acionadores de velocidade variável em estado sólido, acionadores em corrente contínua, acionadores programáveis, fornos de indução e a arco, solda a arco), a instalação de capacitores deve ser procedida de um estudo de harmônicos. Capacitores ligados a equipamentos não lineares podem agravar problemas de ressonância em harmônicos de ordem ímpar, distorcendo a forma de onda senoidal da alimentação (distorção harmônica) e provocando surtos de corrente nos circuitos. Quando isto acontece ocorre a abertura dos fusíveis de proteção dos capacitores, denunciando a existência de irregularidades na instalação. 19

20 3. ANÁLISE DE CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA A análise das contas de fornecimento permite avaliar as condições gerais de utilização de energia elétrica pela unidade consumidora, apresentando possibilidades de aumentar a racionalidade do seu uso. Além disso, o resultado da análise permite que o contrato de fornecimento com a concessionária torne-se adequado às necessidades da empresa consumidora, podendo implicar em redução de despesas com eletricidade. Antes de iniciar a análise propriamente dita, é importante verificar a tensão de fornecimento e o tipo de tarifa na qual o consumidor está enquadrado de acordo com a legislação vigente. Se o consumidor é atendido em tensão inferior a V, é classificado como sendo do Grupo B (baixa tensão); se a tensão de fornecimento for maior ou igual a V, será um consumidor do Grupo A (alta tensão). Vamos analisar a partir de agora as contas dos consumidores do Grupo A, pois para os consumidores atendidos em baixa tensão (Grupo B), esta análise resume-se a um acompanhamento mensal do consumo de energia elétrica. Os consumidores do Grupo A são divididos em subgrupos, sendo faturados pelas estruturas tarifárias convencional ou horo-sazonal azul ou verde de acordo com a tensão de fornecimento e demanda de potência verificada por medição, conforme tabela a seguir: Subgrupos de Faturamento Estrutura Tarifária Convencional Estrutura Tarifária Horo-sazonal Verde Azul A1 (230 kv ou mais) Não aplicável Não aplicável Compulsória A2 (88 kv a 138 kv) Não aplicável Não aplicável Compulsória A3 (69 kv) Não aplicável Não aplicável Compulsória A3a (30 kv a 44 kv) A4 (2,3 kv a 25 kv) AS (Subterrâneo) Opcional para demanda menor que 300kW Opcional Opcional Resolução ANEEL 456/2000 Art. 53 Independente do sistema tarifário recomenda-se que a análise das faturas de fornecimento seja efetuada sobre um período mínimo de doze meses consecutivos, de modo que uma possível sazonalidade no consumo de energia da empresa seja incluída na análise. 20

21 3.1 Características dos Sistemas Tarifários A seguir estão descritas as principais características dos sistemas tarifários, importantes para a análise das contas de fornecimento de energia. a) Tarifa Convencional No sistema tarifário convencional a conta mensal leva em consideração o consumo (kwh) e a demanda (kw) de energia, sem diferenciação quanto aos horários do dia e períodos do ano. b) Tarifa Horo-Sazonal A tarifa horo-sazonal é caracterizada por apresentar preços diferenciados de demanda e consumo de energia elétrica de acordo com as horas do dia (ponta e fora de ponta) e períodos do ano (seco e úmido). "Horário de ponta" período definido pela concessionária e composto por três horas diárias consecutivas, exceção feita aos sábados, domingos, terça-feira de carnaval, sexta-feira da paixão, "Corpus Christi", dia de finados e demais feriados definidos por lei federal, considerando as características do seu sistema elétrico. "Horário fora de ponta" período composto pelo conjunto das horas diárias consecutivas e complementares àquelas definidas no horário de ponta. "Período úmido" período de cinco meses consecutivos compreendendo os fornecimentos abrangidos pelas leituras de dezembro de um ano a abril do ano seguinte. "Período seco" período de sete meses consecutivos, compreendendo os fornecimentos abrangidos pelas leituras de maio a novembro. Existem duas modalidades de tarifas horo-sazonal: a Tarifa Azul e a Tarifa Verde. Tarifa Azul: modalidade estruturada para aplicação de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica de acordo com as horas de utilização do dia e os períodos do ano, bem como as tarifas diferenciadas de demanda de potência de acordo com as horas de utilização do dia. Tarifa Verde: modalidade estruturada para aplicação de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica de acordo com as horas de utilização do dia e os períodos do ano, bem como de uma única tarifa de demanda de potência. A metodologia aplicada para análise das contas tanto para a tarifa azul como para a tarifa verde é a mesma, devendo apenas ser observado que para tarifa verde, na análise da demanda, não haverá distinção entre horário de ponta e fora de ponta. 21

22 3.2. Análise da Demanda a) Tarifa Convencional Com relação à demanda, a legislação vigente estabelece que seja considerado para efeito de faturamento o maior valor entre: Demanda verificada por medição (demanda registrada); Demanda fixada em contrato de fornecimento. O consumidor estará utilizando a energia de forma adequada quando o valor de demanda faturada for igual ao da demanda registrada. Dessa forma, estará pagando por aquilo que realmente consome. Quando a demanda registrada exceder em mais de 10% a demanda contratada, o faturamento será feito pela demanda registrada, e a concessionária irá faturar com tarifa de ultrapassagem, igual a 3 (três) vezes a tarifa normal de demanda. Se o valor da demanda faturada for sistematicamente superior à demanda registrada, ou seja, sempre igual demanda contratada, deve-se analisar a possibilidade de ajuste no contrato recorrendo em primeira instância à concessionária solicitando um auxílio para normalização desta situação. b) Tarifa Horo-sazonal A legislação vigente prevê que o faturamento da demanda deve ser feito da seguinte forma: Quando a demanda registrada for inferior à demanda contratada o faturamento será feito pela demanda contratada. Quando a demanda registrada for superior à demanda contratada o faturamento será feito pela demanda registrada. Faturamento com tarifas de ultrapassagem Para as unidades consumidoras atendidas em tensão igual ou superior a 69 kv, quando a demanda registrada exceder em mais de 5% a demanda contratada. Para unidades consumidoras atendidas em tensão inferior a 69 kv, quando a demanda registrada exceder em mais de 10% a demanda contratada. Quando as demandas faturadas nos segmentos horo-sazonais forem iguais aos valores das demandas registradas, a unidade consumidora estará utilizando a energia de forma adequada. Conforme visto, a unidade consumidora é faturada com a tarifa de ultrapassagem quando a demanda registrada exceder em certos limites a demanda contratada. Para evitar este tipo de faturamento deve-se reavaliar o contrato de fornecimento de energia elétrica, ou reduzir os valores de demanda registrada através da otimização da operação dos equipamentos elétricos e das instalações. 22

23 3.3. Fator de Carga O fator de carga é um índice que reflete o regime de funcionamento de uma dada instalação. Um fator de carga elevado, próximo a 1, indica que as cargas elétricas foram distribuídas ao longo do tempo. Por outro lado, um fator de carga baixo indica que houve concentração de consumo de energia elétrica em um curto período de tempo, determinando uma demanda elevada. Deve-se ter em mente, entretanto, que dependendo da característica de funcionamento da unidade consumidora, existirá sempre um limite superior para o fator de carga, seja pela característica própria dos equipamentos e ou processos, como também pelo período de funcionamento. É meramente impossível obter um fator de carga próximo a unidade em uma instalação que opere apenas 8h por dia, por exemplo. Logo é preciso que a avaliação do fator de carga seja sempre feita dentro de uma faixa típica de uma determinada classe de consumo. Para melhorar o fator de carga, deve-se adotar um sistema de gerenciamento do uso da energia procurando-se deslocar cargas que contribuem para formação de picos, para os horários de menor demanda de potência (vales). Nas tarifas, convencional e horo-sazonal verde, o fator de carga é único porque existe um único registro de demanda de energia, enquanto que, para tarifa horo-sazonal azul haverá dois fatores de carga, um para o horário da ponta e outro para fora de ponta. A análise do fator de carga, além de mostrar se a energia elétrica está sendo utilizada de modo racional, traz uma conclusão importante para definir o tipo de tarifa mais adequada para a instalação. Um fator de carga elevado no horário de ponta poderá indicar que a tarifa horo-sazonal azul será mais adequada quando comparada à tarifa horo-sazonal verde. a) Cálculo do fator de carga Fator de carga na ponta: TARIFA AZUL FC p kwhp = kw 66 p Onde: FC p = fator de carga na ponta; kwh p = consumo registrado na ponta; kw p = demanda registrada na ponta; e, 66 = número de horas de ponta de um mês médio. 23

24 Fator de carga fora de ponta FC fp kwh fp = kw 664 fp Onde: FC fp = fator de carga fora de ponta; kwh fp = consumo registrado fora de ponta; kw fp = demanda registrada fora de ponta; 664 = número de horas fora de ponta de um mês médio TARIFA VERDE Onde: FC = Fator de Carga; kw = demanda registrada; kwh fp = consumo registrado fora de ponta; kwf p = consumo registrado na ponta; 730 = número de horas de um mês médio; kwh p + kwh FC = kw 730 fp Onde: FC = Fator de Carga; kw = demanda registrada; kwh = consumo registrado no mês; 730 = número de horas de um mês médio. TARIFA CONVENCIONAL kwh FC = kw 730 É importante observar que podemos trabalhar ainda com dois tipos diferentes de Fator de Carga no tocante a demanda adotada para cálculo. Se adotarmos a demanda faturada para o cálculo vamos obter o fator de carga de faturamento, apropriado para o cálculo do preço médio da energia elétrica. Por outro lado podemos adotar a demanda registrada para o cálculo, nesse caso o fator de carga refletirá com mais exatidão o perfil de utilização de energia da unidade consumidora. 24

25 3.4. Fator de Potência Como já visto no capítulo Instalações Elétricas o fator de potência reflete a proporção entre a energia ativa e a energia reativa, numa instalação elétrica. O faturamento de energia e demanda reativa excedente, quando o fator de potência verificado na unidade consumidora for inferior a 0,92, será realizado da seguinte forma: O excedente pode ser devido ao excesso de energia reativa indutiva ou de energia reativa capacitiva. Dessa forma, para não pagar por esse excedente, a unidade consumidora deve manter o fator de potência, durante todo o tempo, no mínimo, em 0,92, indutivo ou capacitivo. a) Cálculo do excedente reativo Para estruturas tarifárias horosazonal e convencional: Faturamento do Consumo de Energia Reativa (FER p ) n fr FER( p) = [ CAt ( 1)] TCA( p) t= 1 ft onde: FER (p) = valor do faturamento, por posto horário p, correspondente ao consumo de energia reativa excedente à quantidade permitida pelo fator de potência de referência fr, no período de faturamento; CA t = consumo de energia ativa medida em cada intervalo de 1 (uma) hora t, durante o período de faturamento; fr = fator de potência de referência igual a 0,92; ft = fator de potência da unidade consumidora, calculado em cada intervalo t de 1 (uma) hora, durante o período de faturamento, devendo ser observado as definições a seguir; Nas fórmulas FER(p) e FDR(p) serão considerados: A. Durante o período de 6 (seis) horas consecutivas, compreendido, a critério da concessionária, entre 23 h e 30 min e 6 h e 30 min, apenas os fatores de potência ft inferiores a 0,92 capacitivo, verificados em cada intervalo de 1 (uma) hora t ; e, B. Durante o período diário complementar ao definido no item anterior, apenas os fatores de potência ft inferiores a 0,92 indutivo, verificados em cada intervalo de 1 (uma) hora t. TCA (p) = tarifas de energia ativa, aplicáveis ao fornecimento em cada posto horário p ; t = indica intervalo de 1 (uma) hora, no período de faturamento; p = indica posto horário, ponta ou fora de ponta, para as tarifas horo-sazonais ou período de faturamento para a tarifa convencional; e. n = número de intervalos de integralização t, por posto horário p, no período de faturamento. 25

26 Faturamento da Demanda de Potência Reativa (FDR p ) fr FDR ft n ( p) = [ MAX( DAt ) DF( p) ] TDA( p) t= 1 FDR (p) = valor do faturamento, por posto horário p, correspondente à demanda de potência reativa excedente à quantidade permitida pelo fator de potência de referência fr no período de faturamento; DA t = demanda medida no intervalo de integralização de 1 (uma) hora t, durante o período de faturamento; DF (p) = demanda faturável em cada posto horário p no período de faturamento; TDA (p) = tarifa de demanda de potência ativa aplicável ao fornecimento em cada posto horário p ; MAX = função que identifica o valor máximo da fórmula, dentro dos parênteses correspondentes, em cada posto horário p ; t = indica intervalo de 1 (uma) hora, no período de faturamento; p = indica posto horário, ponta ou fora de ponta, para as tarifas horo-sazonais ou período de faturamento para a tarifa convencional; e. n = número de intervalos de integralização t, por posto horário p, no período de faturamento. Para estrutura tarifária convencional sem medição apropriada: Faturamento do Consumo de Energia Reativa (FER) onde: kwh = Consumo de energia ativa; 0,92 FER = kwh ( 1) TC FP FP= Fator de potência da unidade consumidora; e, TC = Tarifa de Consumo (por posto horário para estrutura horo-sazonal). Faturamento da Demanda de Potência Reativa (FDR) 0,92 FDR = [( kwr ) kwf ] TD FP onde: kwr = Máxima Demanda Registrada por posto tarifário; kwf = Demanda Faturável por posto tarifário; FP= Fator de potência da unidade consumidora; e, TD = Tarifa de Demanda. 26

27 3.5. Planilhas de Acompanhamento Para facilitar o acompanhamento mensal das contas de fornecimento de energia elétrica, sugere-se a utilização das planilhas a seguir, que permitem visualizar o histórico de todos os parâmetros importantes para análise em um único documento. ACOMPANHAMENTO DAS FATURAS DE ENERGIA ELÉTRICA TARIFA CONVENCIONAL Mês Consumo (kwh) Demanda Contratada (kw) Registrada Faturada Fator de Carga Fator de Potência ACOMPANHAMENTO DAS FATURAS DE ENERGIA ELÉTRICA TARIFA HORO-SAZONAL VERDE Mês Demanda Contratada Consumo (kwh) (kw) P S/P U FP S/FP U Registrada Faturada Fator de Carga Fator de Potência

28 ACOMPANHAMENTO DAS FATURAS DE ENERGIA ELÉTRICA TARIFA HORO-SAZONAL AZUL Mês Consumo (kwh) Demanda Contratada Ponta = (kw) Fora da Ponta = (kw) Fator de Carga Registrada Faturada P S/P U FP S/F P U Ponta F.Ponta Ponta F.Ponta Ponta F.Ponta Fator de Potência 3.6. Cálculo do Preço Médio da Energia Elétrica O que é preço médio de eletricidade? O preço médio de eletricidade é um parâmetro que como o próprio nome já diz reflete o custo da energia elétrica para uma unidade consumidora, resultado das tarifas aplicadas e do regime de operação. O cálculo do preço médio pode ser feito de duas formas. A primeira consiste simplesmente em se dividir o importe, ou seja, o resultado da aplicação das tarifas aos registros de demanda e consumo, pelo consumo registrado pela instalação. Exemplo: Uma instalação faturada pela tarifa convencional, com as seguintes características: Demanda Faturada (Df): 300 kw Consumo Registrado (Cr): kwh Tarifa do sub grupo A4 Tarifa de Demanda (Td) = 6,00 (R$/kW) Tarifa de Consumo (Tc) = 87,82 (R$/MWh) I = Importe (R$) 28

3 Potência Reativa. 3.1. Definição

3 Potência Reativa. 3.1. Definição Potência Reativa 25 3 Potência Reativa A previsão de potência reativa tem significância técnica e econômica, pois o balanço de reativos em um Sistema de Energia Elétrica muitas vezes exige a instalação

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA

14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA 14.1 Introdução. 14 TARIFAS ENERGIA ELÉTRICA A Tarifa de energia elétrica tem como meta servir de referência sobre o custo da eletricidade para os consumidores. Uma tarifa justa deve refletir reais custos

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06

1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06 1 1 INTRODUÇÃO... 04 2 POTÊNCIA ATIVA E REATIVA - CONCEITOS BÁSICOS... 04 3 BAIXO FATOR DE POTÊNCIA PRINCIPAIS CAUSAS... 06 4 EXCEDENTE REATIVO - EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES... 07 4.1 - PERDAS NA REDE...

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT GUIA DE APLICAÇÃO DE Neste guia você tem um resumo detalhado dos aspectos mais importantes sobre aplicação de capacitores de baixa tensão para correção do fator de potência. Apresentando desde conceitos

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Roberto V. Maffei Prof. João Gilberto A. Chagas Filho Chapecó, 2015. 1 Elaboração: Roberto V. Maffei Revisão: João Gilberto A. Chagas Filho Propriedade da Unidade Central

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

Energia Elétrica - Tarifação

Energia Elétrica - Tarifação Autores: Prof. José Márcio Costa - DEA/UFV Prof. Luís César Silva - CCA/UFES Energia Elétrica - Tarifação Fundamentação Para a adoção de estratégias para a otimização do uso de energia elétrica faz-se

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas:

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas: 4. FATOR DE POTÊNCIA Um baixo fator de Potência pode vir a provocar sobrecarga em cabos e transformadores, aumento das perdas do sistema, aumento das quedas de tensão, e o aumento do desgaste em dispositivos

Leia mais

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA TÉCNICAS DE PROJETO DE BANCOS AUTOMÁTICOS PARA CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA BOLETIM TÉCNICO 19/07 1. POR QUE CORRIGIR O FATOR DE POTÊNCIA? A correção de fator de potência é importante, em primeiro lugar,

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 Participantes: Gerente do Projeto: João Carlos R. Aguiar Aquecimento de água: Evandro Camelo e Eduardo Souza Ar Condicionado: Sérgio M.

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

Manuais de Eficiência Energética

Manuais de Eficiência Energética Programa de Eficientização Energética Manuais de Eficiência Energética Cuide do seu futuro utilizando a energia elétrica com segurança e economia. É melhor para a comunidade e para o meio ambiente. www.elektro.com.br

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

6 Simulação de tarifas de energia elétrica

6 Simulação de tarifas de energia elétrica 6 Simulação de tarifas de energia elétrica Concluída a construção da ferramenta computacional, foi possível realizar as simulações utilizando as funcionalidades para a qual esta foi desenhada. Os estágios

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

Correção de Fator de Potência Guia para o Engenheiro de Fábrica

Correção de Fator de Potência Guia para o Engenheiro de Fábrica Correção de Fator de Potência Guia para o Engenheiro de Fábrica Engecomp Sprague Capacitores Ltda. O que é fator de potência? Características especiais das cargas indutivas A maioria das cargas dos modernos

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA ESTRUTURA TARIFÁRIA HORO-SAZONAL. 1 de 7

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA ESTRUTURA TARIFÁRIA HORO-SAZONAL. 1 de 7 A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia COELBA fornecerá energia elétrica de acordo com o Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica Estrutura Tarifária Horo-sazonal, tarifa Azul ou Verde, obedecendo

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial?

Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Afinal, o que Gerenciamento de Energia tem a ver com Automação Industrial? Por Murilo Riet Correa* Da forma como vamos mostrar aqui (com controlador inteligente) tem tudo a ver com automação industrial.

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci INSTALAÇÔES ELÉTRICAS 1 Apresentação 2 Circuitos Elétricos - Monofásicos 3 Circuitos Elétricos - Trifásicos 4 Cálculo de Correntes 5 Dimensionamento 1-

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO CARLOS ROGERIO DE MELLO 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 1. INTRODUÇÃO O consumo de energia elétrica no Brasil é cada vez maior, por ser fruto

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 Unidade Responsável: DCAL/SCRLP Data de elaboração: 17/10/2012 As orientações constantes neste manual foram retiradas das Notas Técnicas

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@

O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@ O CONTROLE DA ENERGIA ELÉTRICA NA NOVA ECONOMI@ Mauricio R. Suppa : Engenheiro Eletricista -UNICAMP 1983 - Diretor Comercial da GESTAL Gestão de Energia e Utilidades Ltda. Mesmo na chamada nova economia

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais