Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta. Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de Equilíbrio de Nash"

Transcrição

1 Roteiro da aula: Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio de Nash Racionalidade seqüencial quilíbrio Bayesiano perfeito quilíbrio bayesiano perfeito forte quilíbrio Seqüencial Forward dução Aplicações de NPS quilíbrio de Nash rembling Hand xtensivo (,) Racionalidade Seqüencial a estratégia de um jogador deve especificar ações ótimas em todo ponto na árvore do jogo. Isso significa que o estratégias de equilíbrio especificam comportamento ótimo a partir de qualquer ponto de decisão na árvore do jogo. Um jogador é o itular e o outro é um ntrante potencial. Racionalidade Seqüencial: depois de entrar a única estratégia ótima para o jogador é escolher Podemos representar o jogo na forma normal: Jogador se joga (,) (-,) Jogador se joga (,) (,) (-,-) (,) xemplo : Jogo dinâmico finito de informação perfeita Forma Reduzida 4

2 Proposição: em jogos dinâmicos finitos de informação perfeita a dução Retroativa captura a idéia de Racionalidade Seqüencial. eorema de Zermelo: odo jogo finito de informação perfeita tem um quilíbrio de Nash em stratégias Puras que pode ser derivado através de dução Retroativa. Além disso, se nenhum jogador tem os mesmos payoffs em qualquer dois nódulos terminais, então há um único quilíbrio de Nash que pode ser derivado por dução Retroativa. xemplo : Jogo dinâmico de informação imperfeita (,) (-,-) (,-) (-,-) (,) Jogador NPS captura a idéia de Racionalidade Seqüencial Jogador,,- -,- -,- (,) (,) 5 6 O mesmo jogo representado na forma Normal Jogador, Se, Se, Se Jogador se se Jogar Jogar,,,,, -,- Proposição: em um jogo finito de informação perfeita todo nódulo de decisão inicia um subjogo; Proposição: todo NPS é um quilíbrio de Nash, afinal, o jogo como um todo é um subjogo, mas nem todo quilíbrio de Nash é um NPS. Proposição: odo jogo finito de informação perfeita tem NPS de estratégia pura e se nenhum jogador tem os mesmos payoffs em quaisquer dois nódulos terminais, então o NPS é único., Se,- -,- 7 8

3 xemplo : he Niche Choice Game (,) Small Large Niche Niche Small Niche Large Niche Small Niche Large Niche (-6,-6) (-,) (,-) (-,-) Jogador Jogador -6,-6 -,,- -,- Proposição: Considere um jogo na forma extensiva envolvendo sucessivas jogadas de -jogos simultâneos com os jogadores observando as estratégias puras jogadas em cada jogo imediatamente depois que seu jogo é concluído. Assuma que o payoff de cada jogador é igual à soma dos payoffs nas jogadas dos -jogos. Se há um único quilíbrio de Nash em cada -jogo, então, há um NPS que consiste em cada jogador jogar o N em cada -jogo, independentemente do que tenha acontecido previamente. Idéia básica: aplicação da lógica de dução Retroativa Observação: NPS exclui depedência da história de estratégias nessa classe de jogos. Proposição: se cada subjogo tem um único N, então, o NPS não pode ser histórico depedente; (,) (,-) (,) (-,) 9 Jogo da Centópeia enfraquece a noção de NPS (ver Rosenthal, 98, para uma introdução olhar Montet e Serra) Crenças e Racionalidade Sequencial O NPS nem sempre é suficiente para capturar Racionalidade Seqüencial Alguns jogos podem deixar passar NPS em ameaças vazias: ocorre quando o único subjogo do jogo é próprio jogo. Nesse caso todos os N do jogo são também NPS, inclusive os N em ameaças vazias.

4 xemplo : xemplo : Jogo dinâmico de informação imperfeita (,) Jogo dinâmico de informação imperfeita (,) Nova questão: como eliminar o N não razoável??? NPS: (out, lutar NPS: (, acomodar Observe: qualquer que seja a estratégia de ntrada do jogador o itular prefere se a ntrada ocorrer. (-,-) (,) (-,-) (,) (-,-) (,) (-,-) (,) Agora: o jogador ntrante possui duas estratégias para ntrar A Firma itular: é incapaz de antecipar qual a estratégia que a Firma usou se ela entra. Nesse caso, o único subjogo é o próprio jogo, então, os dois NS são NPS, ou seja, não é possível usar NPS para selecionar entre os Ns. 4 quilíbrio Bayesiano Perfeito Fraco A solução desse problema exige um novo refinamento da noção de quilíbrio. Saída: reforçar a noção de Racionalidade Seqüencial. Racionalidade Seqüencial: a Ação do jogador deve ser ótima para alguma crença [do ] sobre qual a estratégia será usada pelo jogador. No jogo: se o escolhe ntrar não é uma escolha ótima do jogador para qualquer crença que o possa ter. Conseqüência desse novo raciocínio: devemos considerar formalmente a CRNÇA dos jogadores e usá-la para testar racionalidade seqüencial dos jogadores. Novo conceito solução: quilíbrio Bayesiano Perfeito Fraco ou quilíbrio Seqüencial Fraco (Myerson, 99) xigência básica do BP : em qualquer ponto do jogo uma estratégia do jogador deve prescrever ações ótimas a partir daquele ponto dadas as estratégias dos jogadores oponentes e e as suas crenças sobre o que ocorreu no jogo até aquele ponto de decisão. Além disso, suas crenças devem ser consistentes com as estratégias que estão sendo jogadas. Definições novas:. Sistema de crenças. Racionalidade Seqüencial de stratégias 5 6 4

5 Crenças Definição: um sistema de crenças µ em um jogo na forma extensiva é a especificação de uma probabilidade µ ( x) [,] para cada nódulo de decisão x no jogo extensivo, tal que: µ ( x) = CI x CI É gerada pela natureza Sistema de Crenças: specifica, para cada conjunto de informação, uma avaliação probabilística, realizada, essa avaliação, pelo jogador que toma decisão naquele ponto de decisão. A avaliação consiste em estimar as probabilidades relativas de se encontrar e cada um dos pontos de decisão do conjunto de informação, condicionadas ao jogo realizar ou alcançar aquele conjunto de informação. Utilidade esperada: dados um Conjunto de informação alcançado e um conjunto de crenças, ou seja, as probabilidades condicionais de está em cada ponto de decisão de seu conjunto de informação, estima a utilidade esperada se ele segue uma ou outra estratégia, dadas as escolhas dos demais jogadores. 7 Utilidade sperada: valor esperado da utilidade obtida com as escolhas do jogadores dadas suas crenças, conjuntos de informações e os payoffs possíveis e as escolhas dos demais jogadores. [ i /, µ, i, i] U CI s s Agora: racionalidade sequencial exige que a escolha do jogador em cada ponto de decisão maximize a utilidade esperada do jogador que escolhe. Definição de uma estratégias Seqüencialmente racional: uma estratégia em um jogo dinâmico é considerada seqüencialmente racional e um conjunto de informação e dado um sistema de crenças se, para o jogador i que escolhe no Conjunto de informação CI, temos: U / CI, µ, sci, s U / CI, µ, s CI, s s CI S CI CI CI CI i i i i i i i Se s satisfaz essa condição para todo Conjunto informação, então, dizemos que s é seqüencialmente racional dado o sistema de crenças. tuição: nas condições especificadas acima nenhum jogador acha interessante desviar dadas as suas crenças sobre o que já ocorreu e sobre as estratégias dos rivais. 8 Condições para definir um BP stratégias devem ser seqüencialmente racionais dadas as crenças Sempre que possível, crenças devem ser consistentes com as estratégias. Ou seja, no equilíbrio jogadores devem ter crenças corretas sobre as escolhas de estratégias dos seus oponentes. [falta definir crenças consistentes] Definição Crenças consistentes: para cada pondo de decisão pertencente a um conjunto de informação o jogador deve calcular a probabilidade de realização daquele ponto de decisão dado a estratégia s escolhida por ele. deve atribuir probabilidades condicionais de está em cada um desses pontos de decisão dado que o jogo realiza ou alcança o conjunto de informação, usando regra de Bayes. Pr ob( x / s) Pr ob( x / CI, s) = Pr ob( x / s) x CI 9 5

6 xemplo : Jogo dinâmico de informação imperfeita NPS: (out, lutar NPS: (, acomodar (,) (-,-) (,) (-,-) (,) Suponha que o jogador usa a seguinte stratégia Mista: ( ) (,, ) =,, 4 4 Pr ob( CI / s) = 4 Usando Bayes: Prob ( s/ CI) = = + 4 Prob ( s / CI) = 4 = 4 ssas devem ser as crenças consistentes de. Crenças de consistentes com a stratégia de. quilíbrio Bayesiano Perfeito BP = ( s, µ ) Definição de BP : a estratégia e um sistema de crenças constituem um BP se eles possuem as seguintes propriedades: i. A estratégia s é seqüencialmente racional dado o sistema de crençasμ ii. O sistema de crenças µ é derivado de s através de regras de Bayes sempre que possível. Questão: as M são não completas, pois alguns CI podem ser realizados com Probabilidade nula. Isso inviabilizaria o uso de regra de Bayes. Saída: BP permite atribuir qualquer probabilidade positiva a CI que não seriam realizados. [visão agnóstica] ( ) Isso significa que CI que Pr CI / s >, temos: Pr ( x/ s) µ ( x) = x CI Pr ( CI / s) Proposição: uma estratégia s é um quilíbrio de Nash de um jogo na forma extensiva se e somente se existe um sistema de crenças µ tal que: i. A estratégia s é seqüencialmente racional dado µ em todo conjunto de informação tal que Prob(CI / s) > ii. O sistema de crenças µ é derivado de s através de Regra de Bayes, sempre que possível. Observação: exige-se racionalidade seqüencial apenas para o caminho do equilíbrio. Proposição: todo equilíbrio Bayesiano perfeito é um equilíbrio de Nash, mas nem todo quilíbrio de Nash é um BP. 4 6

7 Voltanto ao xemplo : Jogo dinâmico de informação imperfeita NPS: (out, lutar NPS: (, acomodar (,) (-,-) (,) (-,-) (,) quilíbrio Bayesiano Perfeito : Firma deve jogar se ntrada ocorre, porque esta é a ação ótima da firma iniciando em seu conjunto de informação para qualquer sistema de crenças. µ(x)=, pois a Prob (CI/, acomodar se entrar)> BP = ( se entrar, ) É único. s= acomodar se entrar é uma estratégia seqüencialmente racional. Join Venture entry Game ntrar Só Propor JV itular acomodar Aceitar Rejeitar acomodar acomodar Análise de possibilidades: Firma deve aceitar a JV, pois isso garante um payoff positivo para ela, qualquer que seja a estratégia escolhida pela firma. Firma deve propor a JV, pois se aceita, a firma estará melhor, qualquer que seja a estratégia escolhida por. (-,,) (,,) (,,-) (4,4,) (-,,) (,,) Descrição: rês Firmas:,, itular Firma tem uma tecnologia importante para a firma Firma itular: observa se entra mas não sabe se ela conta com a aliança de A join Venture é imbatível mesmo se a firma itular lutar. 5 6 Pr ( CIitular / s ) > Aplicando Bayes: probabilidade do ponto de decisão do meio no Conjunto de informação do =. A estratégia ótima de no ponto de decisão do meio = se a ntrada ocorre. BP = {( Pr opor JV, se declina ), (Aceitar), ( Aco mod ar se ntra) } ro NPS, porém em ameaça vazia: Novo xemplo: IN IN µ ( µ ) Jogador : deseja lutar se entra via IN Jogador : sua jogada ótima depende do comportamento de que é indicado por ou seja, deseja entrar se >-. γ γ NPS = {(, se declina ),( Declina),( se ntra) } γ Solução: crenças consistentes exige-nos olhar apenas para o caso em que > γ 7 8 7

8 µ itular = crença de de que é a estratégia que escolherá se entrar. ( µ itular ) = crença de de que é a estratégia que escolherá se entrar. Firma deseja se e somente se: Ganho de Ganho de - µ + ( µ ) µ BP : µ = ( µ ) = Firma deve aleatorizar no equilibrio com probabilidade positiva de jogar e Situacoes que nao funcionam: ) Se µ > em BP isso geraria uma contradiçao, pois, nesse caso, deveria com prob.,, isso implicaria que deveria escolher, com prob., o BP iria requerer µ =, o que representa uma contradiçao. Situacoes que nao funcionam: ) Se µ < em BP isso geraria uma contradiçao, pois, nesse caso, deveria com prob.,, isso implicaria que deveria escolher, com prob., o BP BP : iria requerer µ =, o que representa uma contradiçao. µ = ( µ ) = Firma deve aleatorizar no equilibrio com probabilidade positiva de jogar e 9 Isso significa que a probabilidade de lutar deve fazer com que a firma seja indiferente entre IN e IN: = IN IN σ + ( σ ) = γσ + ( σ ) σ = γ + ou ( γ + ) = > Pr ( ) = γ + IN IN BP para γ >: ( σ, σ, σ ) =,, σ = ; µ = γ + 8

Jogos dinâmicos com informação incompleta

Jogos dinâmicos com informação incompleta PROF. SABINO PORO JR. 6/6/009 Jogos dinâmicos com informação incompleta Mas-Collel e Green capítulo 9 Refinamentos do conceito de quilíbrio i de Nash 1 Roteiro da aula: Racionalidade d seqüencial quilíbrio

Leia mais

Equilíbrio Bayesiano Perfeito

Equilíbrio Bayesiano Perfeito Equilíbrio Bayesiano Perfeito Mas-collel et al. Cap. 9 (p. 282) Microeconomia II PPGEA/UFJF Prof a. Silvinha Vasconcelos 1. Introdução Vimos que o conceito de ENPS não é forte o suficiente para capturar

Leia mais

EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos. Jogos de Informação Incompleta: Equilíbrio Bayesiano

EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos. Jogos de Informação Incompleta: Equilíbrio Bayesiano EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos Aula 8: Equilíbrio de Nash Bayesiano e Jogos Dinâmicos Marcos Y. Nakaguma 28/08/2017 1 Exemplo 3: Leilão de Segundo Preço com Informação Incompleta I Nestecaso,vamosassumirqueovaluationv

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 6 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 6 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB -II Roteiro Capítulo : Jogos dinâmicos com informação completa. Jogos Dinâmicos com Informação Completa e Perfeita Forma extensiva Estratégias Equilíbrio

Leia mais

Notas esparsas Jogos Sequencias de Informação Completa I

Notas esparsas Jogos Sequencias de Informação Completa I Notas esparsas Jogos Sequencias de Informação Completa I 1. Lembram-se do jogo dos três deputados visto em sala? O exemplo é de Morrow (1994), p.125. Basicamente, três deputados votam o aumento de salário

Leia mais

Refinamentos de Equilíbrios de Nash

Refinamentos de Equilíbrios de Nash Refinamentos de Equilíbrios de Nash Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 06 de Outubro de 2014 Equilíbrio

Leia mais

EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos

EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos EAE 5706: Microeconomia II: Teoria dos Jogos Aula 10: Jogos Dinâmicos: Marcos Y. Nakaguma 11/09/2017 1 Revisão Naaulapassada,de nimosumsistemadecrenças µemumjogo extensivo Γ E comoumconjuntodeprobabilidades

Leia mais

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação

Observação: Responda no mínimo 70% das questões. (**) responda no mínimo duas questões com essa marcação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO MBE- MASTER OF BUSINESS ECONOMICS DISCIPLINA: Comportamento

Leia mais

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes.

Jogos. A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes. Jogos A teoria dos jogos lida com as interações estratégicas que ocorrem entre os agentes http://robguena.fearp.usp.br/anpec/tjogos.pdf a) Descrição de um jogo Teoria dos Jogos Jogadores: quem está envolvido

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 7 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 2. Jogos Estáticos com Informação Completa

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 7 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Cap. 2. Jogos Estáticos com Informação Completa Teoria dos Jogos Prof Maurício Bugarin ECO/UnB 013-I Cap Jogos Estáticos com Informação Completa Roteiro Capítulo Jogos Estáticos com Informação Completa (Cap 1 do livro-texto) 1 A Forma Normal e o Conceito

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 References: - Gibbons, R. (1992), A Primer in Game Theory, Harvester Wheatsheaf (G) - Mas-Collel, A., M.

Leia mais

Jogos seqüenciais Teoria Microeconômica II Economia Matutino - Marcelo Ranieri Cardoso

Jogos seqüenciais Teoria Microeconômica II Economia Matutino - Marcelo Ranieri Cardoso Jogos seqüenciais Jogos seqüenciais são aqueles nos quais os jogadores não fazem os movimentos simultaneamente, mas seqüencialmente. Jogos repetitivos são um caso específico de jogos seqüenciais. Empresa

Leia mais

Fundamentos de Teoria dos jogos

Fundamentos de Teoria dos jogos Fundamentos de Teoria dos jogos A Teoria dos Jogos é um ramo da matemática aplicada que estuda situações estratégicas em que jogadores escolhem diferentes ações na tentativa de melhorar seu retorno. Na

Leia mais

Combinando jogos simultâneos e seguenciais

Combinando jogos simultâneos e seguenciais Combinando jogos simultâneos e seguenciais Roberto Guena de Oliveira USP 15 de setembro de 2011 Roberto Guena de Oliveira (USP) Combinando 15 de setembro de 2011 1 / 45 Sumário 1 Representações nas formas

Leia mais

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires

Análise de Decisão, Jogos & Negociação. Cesaltina Pires Análise de Decisão, Jogos & Negociação Cesaltina Pires Fevereiro 2007 ii Conteúdo 1 Introdução (incompleto) 1 1.1 Decisão várias abordagens........................... 1 1.1.1 Decisões individuais versus

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Isabel Mendes 2007-2008 Na aula 1.1 falou-se ainda dos jogos sequenciais

Leia mais

Interacção estratégica e Teoria de Jogos

Interacção estratégica e Teoria de Jogos Interacção estratégica e Teoria de Jogos IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Nos mercados concorrenciais as empresas não interagem: são demasiado pequenas para influenciar o equilíbrio

Leia mais

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 8. Teoria dos Jogos Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Teoria dos Jogos Teoria dos jogos é o estudo de como os agentes se comportam

Leia mais

Teoria dos Jogos Jogos na Forma Normal Com Informação Completa. Maurício Bugarin Fernando Meneguin Adriana Portugal

Teoria dos Jogos Jogos na Forma Normal Com Informação Completa. Maurício Bugarin Fernando Meneguin Adriana Portugal 1 Teoria dos Jogos Jogos na Forma Normal Com Informação Completa Maurício Bugarin Fernando Meneguin Adriana Portugal Brasília / UnB Lembrando: Ø Jogos estáticos: todos os jogadores jogam ao mesmo tempo

Leia mais

Sinalização: O Modelo de Spence

Sinalização: O Modelo de Spence Sinalização: O Modelo de Spence Em virtude do problema de seleção adversa, os indivíduos mais produtivos da economia ficam desempregados. É natural que busquem uma forma de comunicar ao mercado (ou sinalizar)

Leia mais

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 8. Teoria dos Jogos. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 8. Teoria dos Jogos Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Teoria dos Jogos Teoria dos jogos é o estudo de como os agentes se comportam

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 12A Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I Roteiro Jogos Jogos Repetidos Desenvolver o modelo de jogo repetido Provar o teorema popular Aplicar para conluio ao dilema dos prisioneiros e aos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA DE TEORIA DOS JOGOS - CURSO DE VERÃO PROF. SABINO PÔRTO JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA DE TEORIA DOS JOGOS - CURSO DE VERÃO PROF. SABINO PÔRTO JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA DE TEORIA DOS JOGOS - CURSO DE VERÃO PROF. SABINO PÔRTO JÚNIOR MONITOR: GUILHERME RISCO (guilhermerisco@gmail.com)

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 14h15 a 15h45 Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 014-I Roteiro Horário da disciplina: 14h15 a 15h45 Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz

Leia mais

FICHA DE REVISÕES Micro 1

FICHA DE REVISÕES Micro 1 FIH DE REVISÕES Micro 1 1) Monopólio Num determinado mercado, servido só por uma empresa, a procura de mercado desse bem é dada por Q D = 100 P +, em que P é o preço do bem e os gastos em publicidade efectuados

Leia mais

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016

Prova Final. Programa de Pós-Graduação em Economia. Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali. 30 de abril de 2016 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Prova Final 30 de abril de 2016 Instruções: Você tem 120 minutos para completar a prova. Seja preciso em suas respostas. Pontos

Leia mais

Jogos de soma zero com dois jogadores

Jogos de soma zero com dois jogadores Jogos de soma zero com dois jogadores Problema: Dada uma matriz A m n, encontrar um equilíbrio de Nash (de estratégias mistas). Jogador 1 quer encontrar p que maximize v sujeito a i p i = 1 sujeito a (pa)

Leia mais

A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer equipamentos eletrônicos. Celulares devem ser desligados e guardados.

A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer equipamentos eletrônicos. Celulares devem ser desligados e guardados. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Primeira Prova 23/10/2007 A prova é SEM CONSULTA. Não são permitidas calculadoras ou quaisquer

Leia mais

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais.

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Segunda Prova Extra (P2 de segunda chamada) 18/12/2006 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. A nota da

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Competição Estratégica e Organização de Mercados Primeira prova: 30/08/2003

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Competição Estratégica e Organização de Mercados Primeira prova: 30/08/2003 Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Competição Estratégica e Organização de Mercados- 003 Primeira prova: 30/08/003 Questão 1: Considere o jogo do covarde(the Chicken Game), representado abaixo

Leia mais

Capítulo 9. Conclusão 184

Capítulo 9. Conclusão 184 9 Conclusão Esperamos com este trabalho ter demonstrado que a lógica Game Analysis Logic GAL, que é uma lógica modal de primeira-ordem baseada na lógica Computation Tree Logic, pode ser usada para representar

Leia mais

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais.

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Segunda Prova (P2) 12/12/2006 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. A nota da prova é = mínimo{10; pontuação

Leia mais

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Ecop 26 - Teoria Microeconômica II Prof. Sabino Porto Junior Teoria dos jogos 1 - Apresente os conceitos de: a) Equilíbrio em

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2016-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2016-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 016-I Roteiro Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz sentido Conceitos básicos de jogos

Leia mais

Curso Profissional de Nível Secundário

Curso Profissional de Nível Secundário Curso Profissional de Nível Secundário Técnico Auxiliar de Saúde 2 TAS Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (200 horas) 11º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A7 Probabilidades Fenómenos aleatórios. 2 aulas Argumento

Leia mais

Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal 12/06/08 AnoLectivode2007/ o semestre

Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal 12/06/08 AnoLectivode2007/ o semestre Teoria dos Jogos Resolução do Exame Final da Época normal /6/8 AnoLectivode7/8 o semestre Justifique claramente todas as suas respostas e cálculos.. (4.)Considereoseguintejogosequencialentreojogadore:

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Jogos repetidos infinitamente Aula de hoje: Introdução a Teoria dos Jogos Evolucionária Dinâmica

Leia mais

3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos

3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos 3 Breve Introdução à Teoria dos Jogos Teoria dos Jogos é uma ferramenta matemática criada para melhor entender ou interpretar a maneira com que agentes que tomam decisões interagem entre si. Pense num

Leia mais

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Def.: Um experimento é dito aleatório quando o seu resultado não for previsível antes de sua realização, ou seja,

Leia mais

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Bayesianos Estratégias e Equilíbrio Aplicações. Jogos Bayesianos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Bayesianos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 14 de Outubro de 2014 Jogos Bayesianos Jogos

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB. Aula 3 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB Roteiro Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz sentido Conceitos básicos de jogos Capítulo

Leia mais

Modelos de Decisão. Cesaltina Pires

Modelos de Decisão. Cesaltina Pires Modelos de Decisão Cesaltina Pires ii Conteúdo 1 Introdução 1 1.1 Decisão váriasabordagens... 1 1.1.1 Decisões individuais versus decisões com vários agentes........ 2 1.1.2 Abordagensdescritiva,normativaeprescritiva...

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 09-Parte 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin ECO/UnB 2013-I. Aula 09-Parte 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin Toria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin CO/UnB -I Aula 9-Part Toria dos Jogos Maurício Bugarin Cap.. Jogos Dinâmicos com Informação Complta Rotiro Capítulo. Jogos Dinâmicos com Informação Complta.. Jogos

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva

Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva Teoria dos Jogos e Estratégia Competitiva 1. Jogos e Decisões Estratégicas 2. Estratégias Dominantes 3. O Equilíbrio de Nash Revisitado 4. Jogos Repetitivos 5. Jogos Sequenciais 6. Desencorajamento à entrada

Leia mais

Inteligência Artificial. Resolução de problemas por meio de algoritmos de busca. Aula VI Busca Competitiva

Inteligência Artificial. Resolução de problemas por meio de algoritmos de busca. Aula VI Busca Competitiva Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Ciência da Computação http://www.inf.unioeste.br/~claudia/ia2017.html Inteligência Artificial Resolução de problemas por meio de algoritmos

Leia mais

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade Fundamentos de Probabilidade A probabilidade de chuva é de 90% A probabilidade de eu sair é de 5% Conceitos Básicos Conceitos Básicos 1. Experiência Aleatória (E) Processo de obtenção de uma observação

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Economia- CAEN Da Universidade Federal do Ceará. Exame de Qualificação em Microeconomia Novembro de 2015

Curso de Pós-Graduação em Economia- CAEN Da Universidade Federal do Ceará. Exame de Qualificação em Microeconomia Novembro de 2015 Curso de Pós-Graduação em Economia- CAEN Da Universidade Federal do Ceará Exame de Qualificação em Microeconomia Novembro de 2015 Leia com a atenção as instruções abaixo: 1) A prova compõe-se de quatro

Leia mais

GABARITO LISTA 1. GOLEIRO (q) (1-q) E D JOGADOR (p) E 1, 1 2, 1/2 (1-p) D 3, 0 1, 1

GABARITO LISTA 1. GOLEIRO (q) (1-q) E D JOGADOR (p) E 1, 1 2, 1/2 (1-p) D 3, 0 1, 1 Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ) - Graduação Microeconomia II º Semestre de 007 Prof: Paulo C. Coimbra Monitor: Flavio Moraes GABARITO LISTA. (a) O jogador batedor do pênalti possui duas estratégias possíveis:

Leia mais

CEFET/RJ Disciplina: Inteligência Artificial Professor: Eduardo Bezerra Lista de exercícios 02

CEFET/RJ Disciplina: Inteligência Artificial Professor: Eduardo Bezerra Lista de exercícios 02 . CEFET/RJ Disciplina: Inteligência Artificial Professor: Eduardo Bezerra Lista de exercícios 02 Créditos: alguns itens desta lista são adaptados do material da disciplina CS188 - Artificial Intelligence

Leia mais

Uma Ferramenta para Simulação de Leilões

Uma Ferramenta para Simulação de Leilões Monografia Renata Luiza dos Santos Claro e Thiago Figueiredo da Silva Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Bacharelado em Ciência da Computação Uma Ferramenta para Simulação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

Teoria de Jogos Evolucionária

Teoria de Jogos Evolucionária Teoria de Jogos Evolucionária Edmundo de Souza e Silva - Daniel Ratton Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE Departamento de Ciência

Leia mais

Considerações sobre o Teorema de Zermelo sobre a determinância de jogos assemelhados ao Xadrez

Considerações sobre o Teorema de Zermelo sobre a determinância de jogos assemelhados ao Xadrez Considerações sobre o Teorema de Zermelo sobre a determinância de jogos assemelhados ao Xadrez O Jogo de Xadrez é Determinado No jogo de Xadrez, ou as brancas podem forçar uma vitória, ou as pretas podem

Leia mais

Decisão Decidir Análise / Teoria da Decisão

Decisão Decidir Análise / Teoria da Decisão Decisão Decidir é o acto de seleccionar uma linha de acção preferida entre várias alternativas existentes. Existem diversos instrumentos que podem contribuir para a tomada de decisões, dependentes do ambiente

Leia mais

6 Teoria dos Jogos em GAL

6 Teoria dos Jogos em GAL 6 Teoria dos Jogos em GAL Neste capítulo, relacionaremos os modelos da Teoria dos Jogos às estruturas de GAL, e os conceitos de soluções às fórmulas de GAL. Apesar da maioria dos conceitos da Teoria dos

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCEITOS BÁSICOS DE TEORIA DOS JOGOS E MEDIDAS DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO

CAPÍTULO 5 CONCEITOS BÁSICOS DE TEORIA DOS JOGOS E MEDIDAS DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO CAPÍTULO 5 CONCEITOS BÁSICOS DE TEORIA DOS JOGOS E MEDIDAS DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO 5.1 INTRODUÇÃO A Teoria dos Jogos é o instrumento natural para a avaliação de poder de mercado em ambientes competitivos.

Leia mais

Unidade III ESTRATÉGIA APLICADA. Profª. Lérida Malagueta

Unidade III ESTRATÉGIA APLICADA. Profª. Lérida Malagueta Unidade III ESTRATÉGIA APLICADA TEORIA DOS JOGOS Profª. Lérida Malagueta Caos Ora, minha suspeita é que o universo não é só mais estranho do que supomos, mas é mais estranho do que somos capazes de supor.

Leia mais

T e o r e m a d e N a s h

T e o r e m a d e N a s h T e o r e m a d e N a s h Primeiro Seminário de Teoria dos Jogos Maio de 2007 Fabrício Murai S u m á r i o Objetivos Notação e definições Enunciado do Teorema Teoremas do Ponto Fixo Demostração do Teorema

Leia mais

Jogos Dinâmicos de Informação Completa

Jogos Dinâmicos de Informação Completa Jogos Dinâmicos de Informação Completa Dinâmico, em oposição a estático, signica que os jogadores não decidem suas estratégias simultaneamente. Os payos, porém, são recebidos apenas no nal do jogo, para

Leia mais

Unidade 1 Conceitos Preliminares e Importância do Estudo da Teoria dos Jogos

Unidade 1 Conceitos Preliminares e Importância do Estudo da Teoria dos Jogos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PLANO DE ENSINO Disciplina: Teoria dos Jogos CHS:

Leia mais

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig 1. (2.2) Tanto a medida de desempenho quanto a função de utilidade medem o quanto um agente está desempenhando bem suas atividades. Explique a diferença

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2015-II. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 015-II Roteiro Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente faz sentido Conceitos básicos de jogos

Leia mais

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental Material Teórico - Módulo de FRAÇÃO COMO PORCENTAGEM E COMO PROBABILIDADE Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos Sexto Ano do Ensino Fundamental Prof. Francisco Bruno Holanda Prof. Antonio

Leia mais

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo

Jogos Repetidos Infinitas Vezes Nash Folk Folk Perfeito Jogos Repetidos Finitas Vezes. Jogos Repetidos. Prof. Leandro Chaves Rêgo Jogos Repetidos Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Estatística - UFPE Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 21 de Outubro de 2014 Jogos Repetidos Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia REC0224 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE TEORIA DOS JOGOS E OLIGOPÓLIO. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA 1) João e Maria participam de um jogo no qual estão em disputa R$10.000,00. Nesse jogo, cada um deles

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Economia CAEN Universidade Federal do Ceará

Curso de Pós-Graduação em Economia CAEN Universidade Federal do Ceará Curso de Pós-Graduação em Economia CAEN Universidade Federal do Ceará Exame de Qualificação em Microeconomia 06 de Março de 2009 Leia com a atenção as instruções abaixo:. A prova compõe-se de quatro questões

Leia mais

2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB.

2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB. 2. EXERCÍCIOS PROPOSTOS SOBRE V.A. E DISTRIB.PROBAB. 1) Classifique as seguintes variáveis aleatórias como discretas ou contínuas. X : o número de acidentes de automóvel por ano na rodovia BR 116. Y :

Leia mais

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal.

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Estatística Probabilidade Profa. Ivonete Melo de Carvalho Conteúdo Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Objetivos Utilizar a probabilidade como estimador

Leia mais

Decisões Sequenciais Árvores de Decisão

Decisões Sequenciais Árvores de Decisão Teoria da Decisão Decisão Uni-Objectivo Decisões Sequenciais Árvores de Decisão Árvores de Decisão Uma Árvore de Decisão é uma forma gráfica que se utiliza para representar um conjunto de decisões sequenciais,

Leia mais

Introdução à Inteligência Artificial. Procura em contextos competitivos jogos (cont.)

Introdução à Inteligência Artificial. Procura em contextos competitivos jogos (cont.) Introdução à Inteligência Artificial Procura em contextos competitivos jogos (cont.) Sumário n Vimos Jogos de 2 jogadores n Determinísticos, soma nula, informação perfeita Estratégia óptima minimax Algoritmos

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Mauricio Fanno Estatística indutiva Estatística descritiva Dados no passado ou no presente e em pequena quantidade, portanto, reais e coletáveis. Campo de trabalho:

Leia mais

Lista de Exercícios 2

Lista de Exercícios 2 Programa de Pós-Graduação em Economia Microeconomia IV Prof.: Rogério Mazali Lista de Exercícios 2 18 de abril de 2016 NOTA: Para os problemas retirados do livro-texto, cheque par aver se você possui a

Leia mais

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 12h15 a 13h45

Teoria dos Jogos. Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I. Aula 2 Teoria dos Jogos Maurício Bugarin. Roteiro. Horário da disciplina: 12h15 a 13h45 Teoria dos Jogos Prof. Maurício Bugarin Eco/UnB 2014-I Roteiro Horário da disciplina: 12h15 a 13h45 Introdução: Por que pensar estrategicamente? Exemplos de situações nas quais pensar estrategicamente

Leia mais

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem

A Escolha Racional relações binárias número de relações binárias 2m.p domínio imagem A Escolha Racional A racionalidade na teoria dos jogos procura perceber como os jogadores (sejam eles indivíduos, empresas, organizações, países etc.) tomam suas decisões em situações de interação estratégica.

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO II/05 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 8//5 MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO E DOS INCENTIVOS APLICADA À ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Prof. Maurício

Leia mais

Teoria da Decisão. Slide 1. c 2002, 1998 Maria Antónia Carravilla FEUP

Teoria da Decisão. Slide 1. c 2002, 1998 Maria Antónia Carravilla FEUP Teoria da Decisão Slide 1 Transparências de apoio à leccionação de aulas teóricas Versão 2 c 2002, 1998 Teoria da Decisão 1 Decisões A incerteza é muito mais a regra que a excepção, a única coisa que pode

Leia mais

Teoria da Implementação

Teoria da Implementação Teoria da Implementação Voting games: DES e IDE 1 Voting Games Decisões coletivas não mercado que devem ser selecionadas, via sistemas de votação, em um ambiente de conflito de opiniões em um conjunto

Leia mais

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol.

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Risco Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Definição: A probabilidade de um resultado (de uma lotaria) é a possibilidade

Leia mais

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário. Prof. Josenildo Silva

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário. Prof. Josenildo Silva Inteligência Artificial (SI 214) Aula 6 Busca com Adversário Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br 2015 2012-2015 Josenildo Silva (jcsilva@ifma.edu.br) Este material é derivado dos slides de Hwee Tou

Leia mais

Estimação e Testes de Hipóteses

Estimação e Testes de Hipóteses Estimação e Testes de Hipóteses 1 Estatísticas sticas e parâmetros Valores calculados por expressões matemáticas que resumem dados relativos a uma característica mensurável: Parâmetros: medidas numéricas

Leia mais

Teoria das Desições Financeiras II p.1/22

Teoria das Desições Financeiras II p.1/22 Teoria das Desições Financeiras II José Fajardo Barbachan IBMEC Business School Rio de Janeiro Teoria das Desições Financeiras II p.1/22 Objetivo Neste curso o aluno aprenderá diversas ferramentas probabílisticas,

Leia mais

Teste de hipóteses para proporção populacional p

Teste de hipóteses para proporção populacional p Teste de hipóteses para proporção populacional p 1 Métodos Estatísticos Métodos Estatísticos Estatística Descritiva Inferência Estatística Estimação Teste de Hipóteses 2 TESTE DE HIPÓTESES Eu acredito

Leia mais

Teoria dos Jogos. Roberto Guena de Oliveira 1 de junho de 2017 USP

Teoria dos Jogos. Roberto Guena de Oliveira 1 de junho de 2017 USP Teoria dos Jogos Roberto Guena de Oliveira 1 de junho de 2017 USP 1 Introdução Os elementos de um jogo Jogadores Quais são os agentes envolvidos em um jogo? Em que número? Como serão denominados? 2 Os

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média

TESTES DE HIPÓTESES. Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média TESTES DE HIPÓTESES Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média 1 Testes de Hipóteses População Conjectura (hipótese) sobre o comportamento de variáveis Amostra Decisão sobre a admissibilidade

Leia mais

Amostragem e distribuições por amostragem

Amostragem e distribuições por amostragem Amostragem e distribuições por amostragem Carla Henriques e Nuno Bastos Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Contabilidade e Administração População, amostra e inferência estatística

Leia mais

Sumário. 2 Índice Remissivo 12

Sumário. 2 Índice Remissivo 12 i Sumário 1 Definições Básicas 1 1.1 Fundamentos de Probabilidade............................. 1 1.2 Noções de Probabilidade................................ 3 1.3 Espaços Amostrais Finitos...............................

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15 INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES15 Vanderlei S. Bagnato 15.1 Introdução 15.2 Definição de Probabilidade 15.3 Adição de probabilidade 15.4 Multiplicação de probabilidades Referências Licenciatura em Ciências

Leia mais

2 Jogos Estáticos de Informação Completa

2 Jogos Estáticos de Informação Completa Notas de Aula - Teoria dos Jogos - FCE/UERJ 2016.2 Versão preliminar - favor não circular Professor Pedro Hemsley Horário: xxxx Sala: xxxx Ementa e informações relevantes: página do curso 1 Contexto Teoria

Leia mais

Barganha e Poder em Redes

Barganha e Poder em Redes Barganha e Poder em Redes Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Modelando a Interação entre Duas Pessoas Queremos desenvolver um modelo matemático para prever os resultados de uma rede de trocas

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.1 Introdução à Teoria das Probabilidades e da Preferência pelo Risco Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Capítulo 2 Teoria das Probabilidades 2.1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

Outros Jogos de Opções Reais Nessa parte serão analisados dois jogos numa mesma aplicação:

Outros Jogos de Opções Reais Nessa parte serão analisados dois jogos numa mesma aplicação: ELE 2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais Parte 7: Outros Jogos de Opções Reais. Marco Antonio Guimarães Dias, E-mail: marcoagd@pobox.com

Leia mais

Testes de Hipótese para uma única Amostra - parte I

Testes de Hipótese para uma única Amostra - parte I Testes de Hipótese para uma única Amostra - parte I 26 de Junho de 2014 Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Estruturar problemas de engenharia como testes de hipótese. Entender os

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES:

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES: DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES: 1) O JOGO DOS PALITOS E A PROBABILIDADE: esta sequência didática apresentada aos anos iniciais (1º/5º ano) do Ensino Fundamental tem como objetivo possibilitar conhecimentos das

Leia mais

EAD 755 Análise da Decisão Aula 04

EAD 755 Análise da Decisão Aula 04 ED 755 nálise da Decisão ula 04 rof. Cesar lexandre de Souza FE/US calesou@usp.br 1 plta 1o. no paixa 1o. no 0.5 0.5 EVlta 1o. no EVaixa 1o. no EV Menor 1.60 0.40 1.00 Completo 2.00-1.00 0.50 p1,6 1 p

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA. Medida e Probabilidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Medida e Probabilidade Aluno: Daniel Cassimiro Carneiro da Cunha Professor: Andre Toom 1 Resumo Este trabalho contem um resumo dos principais

Leia mais

BIOESTATISTICA. Unidade IV - Probabilidades

BIOESTATISTICA. Unidade IV - Probabilidades BIOESTATISTICA Unidade IV - Probabilidades 0 PROBABILIDADE E DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS COMO ESTIMATIVA DA PROBABILIDADE Noções de Probabilidade Após realizar a descrição dos eventos utilizando gráficos,

Leia mais