Claudivan C. Lopes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br"

Transcrição

1 Claudivan C. Lopes

2 Repetidores e hubs Pontes e switches Roteadores Outros equipamentos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2

3 Um repetidor é um equipamento usado para ampliar o comprimento da rede, ou o alcance da rede, no caso de redes sem fio Ele funciona como um extensor da rede, amplificando o sinal recebido e transmitindo esses sinais para outro segmento da rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 3

4 P.ex., uma rede Ethernet com topologia linear usando cabo coaxial fino o comprimento máximo da rede foi ampliado para 555m IFPB/Patos - Prof. Claudivan 4

5 Um repetidor repete os quadros recebidos na sua porta de entrada em sua porta de saída Todas máquina em qualquer segmento receberá os quadros de dados enviado pelo transmissor O repetidor atua na camada física do modelo OSI, portanto, não analisa os quadros de dados para verificar qual é o seu destino Com o uso de repetidor, não é possível expandir segmentos de redes com arquiteturas distintas IFPB/Patos - Prof. Claudivan 5

6 Desvantagens no uso de repetidores: Diminui o desempenho da rede, pois a quantidade de máquinas na rede aumenta Aumenta as chances de colisão de pacotes IFPB/Patos - Prof. Claudivan 6

7 Regras de segmentação em redes Ethernet Não é possível ampliar o comprimento máximo da rede adicionando infinitos repetidores As regras de segmentação definem o uso de repetidores em redes Ethernet e os limites de segmentos de redes As regras variam de acordo com o tipo de rede Ethernet usada IFPB/Patos - Prof. Claudivan 7

8 Regras de segmentação para Ethernet padrão Regra 1 a rede só pode conter no máximo cinco segmentos e quatro repetidores em série O termo "em série" define a distância máxima entre duas máquinas. Em outras palavras, é o maior caminho percorrido para comunicar duas máquinas presente na rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 8

9 Regras de segmentação para Ethernet padrão Regra 2 quanto ao tipo de cabo: Se forem usados cinco segmentos e quatro repetidores, somente até três desses segmentos podem usar cabo coaxial Quando forem usados cinco segmentos em série na rede, as ligações de fibra óptica não poderão exceder 500m para 10BaseFB ou 10BaseFL, ou 300m para 10BaseFP IFPB/Patos - Prof. Claudivan 9

10 Regras de segmentação para Ethernet padrão Regra 3 em redes onde a distância máxima entre as duas máquinas mais distantes é de quatro segmentos e três repetidores, todos os segmentos podem ser de cabo coaxial IFPB/Patos - Prof. Claudivan 10

11 Regras de segmentação para Fast Ethernet Redes Fast Ethernet usam dois tipos de repetidores: Classe I permite a interligação entre apenas dois segmentos Classe II permite a sua ligação direta com no máximo outro repetidor Classe II Switches ou roteadores conectados diretamente a uma porta do repetidor são vistos como máquinas, logo, não entram no cálculo do limite de segmentação da rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 11

12 Regras de segmentação para Gigabit Ethernet Redes desse tipo podem ter somente um único repetidor Redes 10G Ethernet não suportam o uso de repetidores IFPB/Patos - Prof. Claudivan 12

13 Os repetidores sem fio permitem o aumento da área de alcance de uma rede sem fio Pode ser utilizado um repetidor sem fio ou configurar um ponto de acesso para operar em modo de repetidor Enquanto um ponto de acesso faz a conexão entre a rede sem fio e a rede com cabos, um repetidor sem fio ou ponto de acesso configurado como repetidor não precisa de nenhuma conexão usando cabos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 13

14 O alcance de um repetidor sem fio depende da sua potência de transmissão e do ganho da antena usada Como desvantagem, tem-se que o uso de repetidores sem fio diminuição a taxa de transferência para os clientes sem fio IFPB/Patos - Prof. Claudivan 14

15 Hub é um repetidor (o inverso é falso) com várias portas, permitindo a construção de redes com topologia lógica em estrela. Porém, internamente, a topologia é linear Um hub atua na camada física do modelo OSI, portanto, não interpreta os quadros de dados quadros os quadros de dados recebidos numa porta são replicados para todas as suas demais portas IFPB/Patos - Prof. Claudivan 15

16 Hubs só operam em modo half-duplex Vantagens no uso do hub em relação aos repetidores comuns: Facilita a organização dos cabeamento da rede Facilita a identificação de um cabo defeituoso A rede continua funcionando mesmo com um cabo defeituoso IFPB/Patos - Prof. Claudivan 16

17 Tipos de hubs: Passivo não precisam de alimentação elétrica, p. ex., patch panel Ativo regenera o sinal recebido em suas portas antes de enviá-lo para todas as suas portas Inteligente permite algum monitoramento, p.ex., relatório de estatísticas de acesso ou de detecção de falhas IFPB/Patos - Prof. Claudivan 17

18 Tipos de hubs (continuação): Empilhável (ou Cascateável) permite a ampliação do seu número de portas Esse tipo de hub possui uma porta especial que permite a conexão entre dois ou mais hubs, fazendo com que os hubs sejam considerados pela rede como se fossem um só hub e não hubs separados Isso elimina em alguns casos o problema de segmentação de rede com hubs IFPB/Patos - Prof. Claudivan 18

19 Tipos de hubs (continuação): Hub de Múltiplas Velocidades suporta diferentes taxas de transmissão Ele separa as máquinas que operam com velocidade de transmissão distintas em segmentos diferentes Porém, só é possível a comunicação entre máquinas operando na mesma velocidade IFPB/Patos - Prof. Claudivan 19

20 O cabeamento entre computador-hub deve ser pino a pino O cabeamento entre hub-hub é feito de uma das formas: 1. Alguns hubs possuem uma porta uplink que possui um botão que habilita ou desabilita o cross-over interno. Isso determina o tipo de cabo utilizado 2. Usar um cabo cross-over ligando os hubs a partir de portas convencionais 3. Alguns hubs detectam automaticamente o tipo de cabo, e portanto, ele por si só habilitando ou não o cross-over. Este recurso é chamado de Auto MDI/MDI-X ou Auto Cross-over IFPB/Patos - Prof. Claudivan 20

21 As regras de segmentação de rede com uso de repetidores também são válidas para hubs A única restrição é a seguinte: Para as redes Fast Ethernet que usam hub Classe I e para as redes Gigabit Ethernet, ambas não aceitam hubs interligados entre si, exceto quando os hubs são do tipo empilhável Redes 10G Ethernet não suportam o uso de hubs IFPB/Patos - Prof. Claudivan 21

22 Uma ponte é um repetidor inteligente. Ele opera na camada de enlace do modelo OSI, portanto, tem a capacidade de analisar o quadro de dados e ler o endereço MAC do destino Funcionamento básico: Quando o transmissor e o receptor estão no mesmo segmento de rede, então os quadros de dados são replicados somente para este segmento Quando o transmissor e o receptor estão em segmentos de rede distintos, a ponte funciona como um repetidor tradicional IFPB/Patos - Prof. Claudivan 22

23 Uma ponte também interliga redes com arquiteturas diferentes Porém, as soluções podem apresentar problemas como queda de desempenho devido a conversão entre os quadros de dados arquiteturas distintas apresentam quadros com tamanhos distintos A verdadeira solução é a fragmentação, porém essa tarefa deve ser realizada por algum equipamento que atue na camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 23

24 Pontos de acesso também podem ser configurados para operar em modo ponte Neste caso, somente máquinas conectadas ao ponto de acesso através de cabos têm acesso a rede Este modo é útil quando se deseja uma conexão sem fio entre redes, mas não se deseja que máquinas dotadas de placa de rede sem fio no meio do caminho tenham acesso a rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 24

25 Um switch é uma ponte com várias portas. Porém, ele envia os quadros de dados somente para a porta de destino do quadro Isso aumenta o desempenho da rede, já que mantém o cabeamento livre Permite que mais de uma comunicação simultaneamente, desde que não envolvam portas já usadas em outra comunicação IFPB/Patos - Prof. Claudivan 25

26 Switches também podem operar em full-duplex, que em teoria, dobra a largura de banda disponível Switches aprendem Todo switch mantém uma tabela de endereços com entradas do tipo <porta, endereço MAC> Ao recebe um quadro, ele consulta a tabela para saber qual é a porta de destino se o endereço MAC não existir na tabela, ele envia o quadro para todas as suas portas (técnica conhecida como Inundação) e depois registra a nova entrada na tabela IFPB/Patos - Prof. Claudivan 26

27 Switches desaprendem Após um período de tempo sem receber quadros de um endereço MAC, o switch elimina este endereço de sua tabela Permite que a rede possa ter sua estrutura alterada Mantém a capacidade de aprendizagem do switch com a rede em funcionamento IFPB/Patos - Prof. Claudivan 27

28 Mesmo com o uso de switches, a rede continua com apenas um domínio de broadcast É possível ampliar a quantidade de portas de um switch conectando outros switches em suas portas Neste caso, todas as portas de todos os equipamentos continuam no mesmo domínio de broadcast IFPB/Patos - Prof. Claudivan 28

29 O recurso VLAN (Virtual LAN) oferecido por alguns switches mais caros que permitem a criação de redes separadas usando o mesmo equipamento isso cria domínios de broadcast distintos P.ex., num switch de 24, poderíamos ter uma VLAN nas 12 primeiras portas e outra VLAN nas próximas 12 portas Porém, as máquinas na primeira VLAN não se comunicam com as máquinas na segunda VLAN IFPB/Patos - Prof. Claudivan 29

30 Exemplo fictício de uma rede VLAN IFPB/Patos - Prof. Claudivan 30

31 Os switches tradicionais operam na camada 2 do modelo OSI isso impede a conexão entre redes distintas Porém, alguns switches operam na camada 3, permitindo a conexão de redes internas distintas O principal uso desse tipo de switch é na criação de domínio de broadcast separados para grandes redes locais, de modo a melhorar o desempenho IFPB/Patos - Prof. Claudivan 31

32 Medidas de desempenho para switches: Capacidade de chaveamento equivale a taxa de transferência máxima simultânea que o switch suporta em suas portas. É medido em bps Capacidade de encaminhamento é a quantidade máxima simultânea de quadros que o switch suporta em suas portas. É medido em pacotes por segundo (pps) Latência é o tempo de demora entre o switch receber um quadro em uma de suas portas e enviá-lo para a porta apropriada IFPB/Patos - Prof. Claudivan 32

33 Outro fator que influencia de forma direta no desempenho do switch é o seu tamanho de seu buffer interno O buffer é uma memória temporária que permite o switch receber mais tráfego do que ele suporta Se o buffer estourar, o switch começa a recusar as conexões. Portanto, quanto maior o buffer, melhor A diferença entre switches mais caros e mais baratos está na diferença desses parâmetros IFPB/Patos - Prof. Claudivan 33

34 Quanto a velocidade, existem switches que podem operar em todos os padrões Ethernet Além disso, diferentemente dos hubs, os switches permitem que máquinas com placas de rede com diferentes velocidades se comuniquem entre si Isso é possível devido ao buffer interno, que armazena quadros de dados vindos de uma porta de velocidade mais alta para uma porta de velocidade mais baixa IFPB/Patos - Prof. Claudivan 34

35 Quanto a segurança, como os switches replicam os quadros somente para porta de destino, isso dificulta a captura de quadros por hackers Quanto ao tipo de cabeamento: A ligação direta entre switches pode ser feita usando um cabo cross-over Cabos pino a pino podem ser usados em switches com detecção automática do cabo recurso Auto Cross-over ou Auto MDI/MDI-X IFPB/Patos - Prof. Claudivan 35

36 Conexões mais comuns Hubs conectados aos switches IFPB/Patos - Prof. Claudivan 36

37 Conexões mais comuns (continuação) Switches conectados aos switches IFPB/Patos - Prof. Claudivan 37

38 Conexões mais comuns (continuação) Uso de switch da camada 3 IFPB/Patos - Prof. Claudivan 38

39 Roteadores são pontes operando na camada de rede do modelo OSI (Camada 3) Isso significa que eles conseguem analisar o datagrama IP, e portanto: Têm acesso os dados presentes no datagrama IP, incluindo os endereços IP de origem e destino Podem receber, enviar e analisar informações de controle IFPB/Patos - Prof. Claudivan 39

40 Uma diferença básica entre roteadores e switches tradicionais é quanto ao endereço utilizado Como os roteadores atuam na camada 3, eles usam o endereços lógico endereço IP Como os switches comuns operam na camada 2, eles usam o endereço físico endereço MAC Portanto, os roteadores usam uma estrutura onde o endereço físico não é importante Isso permite que a troca do endereço físico de uma máquina da rede não altere o seu endereço lógico IFPB/Patos - Prof. Claudivan 40

41 Porém, roteadores e switches da camada 3 operam de forma similar Switches da camada 3 possuem somente portas LAN. Já os roteadores têm portas LAN e também portas WAN Portas LAN permitem a conexão de redes locais distintas através do roteador (ou do switch da camada 3) A porta WAN permite a conexão do roteador com uma rede pública de longa distância, como a Internet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 41

42 Roteadores tem duas responsabilidades básicas: 1. Permitir a conexão entre duas redes diferentes Pois mantém domínios de broadcast distintos para cada rede Isso faz com que os dados, que tenham como destino uma determinada rede local, nunca saia dessa rede local 2. Determinar um caminho a ser usado para o datagrama IP chegar ao destino IFPB/Patos - Prof. Claudivan 42

43 Funcionamento básico Os computadores da rede possuem um parâmetro de configuração chamado gateway default, que indica qual é o endereço de saída da rede Fisicamente, o gateway default é o roteador da rede. Logicamente, o gateway default é o endereço IP do roteador da rede 1. Quando uma máquina não sabe onde está a máquina de destino, ele envia o datagrama IP para o seu gateway default IFPB/Patos - Prof. Claudivan 43

44 Funcionamento básico (continuação) 2. O roteador da rede encaminha o datagrama IP para o seu próprio gateway default, que é outro roteador 3. E esse processo continua até (1) um roteador determinar que o número IP de destino contido no datagrama esteja na sua própria rede ou (2) zerar o TTL (Time To Live) do datagrama Cada passagem de um datagrama IP por um roteador faz seu TTL ser diminuído IFPB/Patos - Prof. Claudivan 44

45 Funcionamento básico (continuação) IFPB/Patos - Prof. Claudivan 45

46 Funcionamento básico (continuação) Use o comando tracert para visualizar o caminho usado na comunicação entre dois computadores. Cada roteador é chamado de salto IFPB/Patos - Prof. Claudivan 46

47 Funcionamento básico (continuação) No caso de grandes redes, pode haver mais de um caminho entre a origem e o destino IFPB/Patos - Prof. Claudivan 47

48 Funcionamento básico (continuação) Neste caso, um roteador pode ser configurado para usar um caminho estático, ou seja, usa-se sempre o mesmo caminho, mesmo existindo outros caminhos é chamado de roteamento estático Ou usar um caminho dinâmico, baseado em parâmetros como o caminho mais curto ou o caminho menos congestionado é chamado de roteamento dinâmico IFPB/Patos - Prof. Claudivan 48

49 Roteamento estático Todo roteador tem pelo menos duas portas, e cada porta é configurada com um endereço IP que faça parte da rede onde aquela porta está conectada IFPB/Patos - Prof. Claudivan 49

50 Roteamento estático (continuação) Todo roteador possui internamente uma Tabela de Roteamento, que é uma tabela contendo as redes que o roteador conhece, mais o gateway default O processo de roteamento estático é feito através da configuração manual da tabela de roteamento de cada um dos roteadores IFPB/Patos - Prof. Claudivan 50

51 Roteamento estático (continuação) P. ex., suponha a seguintes estrutura: IFPB/Patos - Prof. Claudivan 51

52 Roteamento estático (continuação) Na rede 1, o gateway default deve ser configurado para , que é o endereço IP da porta LAN do roteador 1 Na rede 2, o gateway default deve ser configurado para , que é o endereço IP da porta LAN do roteador 2 IFPB/Patos - Prof. Claudivan 52

53 Roteamento estático (continuação) Tabela de roteamento para o roteador 2: DESTINO GATEWAY IFPB/Patos - Prof. Claudivan 53

54 Roteamento estático (continuação) Entrada 3. Datagrama destinado a rede (rede 2) deve seguir para o endereço (porta LAN do roteador 2 conectado a rede 2) Entrada 2. O endereço é um endereço de loopback, que é usado para apontar o roteador para ele próprio Entrada 1. O endereço significa qualquer rede que não esteja descrita na tabela de roteamento. Ou seja, datagrama destinado a uma rede desconhecida deve seguir para o endereço (porta LAN do roteador 1 conectado a rede 1) IFPB/Patos - Prof. Claudivan 54

55 Roteamento estático (continuação) Tabela de roteamento para o roteador 1: DESTINO GATEWAY IFPB/Patos - Prof. Claudivan 55

56 Roteamento estático (continuação) Entrada 1. Datagrama destinado a uma rede não conhecida deve seguir para o endereço O endereço é o endereço de um roteador do provedor de acesso que na nuvem da Internet O roteador 1 enviará um datagrama para este endereço quando o seu destino não for nem a rede 1 e nem a rede 2 O endereço não pode ser usado na tabela de roteamento, caso contrário, os datagramas com destino a Internet nunca sairiam da rede local IFPB/Patos - Prof. Claudivan 56

57 Roteamento estático (continuação) Entrada 2. Refere-se ao endereço de loopback Entrada 3. Datagrama destinado a rede deve ir para o endereço (porta LAN do roteador 1 conectado a rede 1) Entrada 4. Datagrama destinado a rede deve seguir para o endereço (porta LAN do roteador 2 conectado a rede 1) IFPB/Patos - Prof. Claudivan 57

58 Roteamento dinâmico Em grandes redes como a Internet, manter uma tabela de roteamento estático pode ser trabalhoso Portanto, nestes casos, a tabela de roteamento deve ser dinâmica, permitindo que os próprios roteadores se auto-configurem quando houver mudanças na estrutura da rede Isso é possível através de protocolos de roteamento, onde os roteadores da rede trocam informações para se atualizarem IFPB/Patos - Prof. Claudivan 58

59 Roteamento dinâmico (continuação) Classificação dos protocolos de roteamento: 1. Baseados na distância operam em busca do menor caminho para atingir uma rede, porém, sem testar se o caminho está disponível ou não P.ex., o RIP (usado pelos protocolos IP e IPX), o EIGRP e o IGRP (usados por roteadores Cisco) e o RTMP (usado pelo AppleTalk) IFPB/Patos - Prof. Claudivan 59

60 Roteamento dinâmico (continuação) Classificação dos protocolos de roteamento: 2. Baseados no estado do link operam em busca do melhor caminho para atingir uma rede. Normalmente é usado o caminho menos congestionado P.ex., o OSPF (usado pelo protocolo IP), o NLSP (usado pelo protocolo IPX), o PNNI e o IS-IS IFPB/Patos - Prof. Claudivan 60

61 Roteamento dinâmico (continuação) Classificação dos protocolos de roteamento: 3. Baseados por vetor de caminho funciona baseado na distância se nenhum parâmetro adicional for especificado. Ou seja, os parâmetros adicionais podem fazer este protocolo escolher outro caminho que não necessariamente o mais curto P.ex., o BGP IFPB/Patos - Prof. Claudivan 61

62 Roteamento dinâmico (continuação) Os protocolos de roteamento ainda podem receber outra classificação: IGP (Internal Gateway Protocols) são protocolos usados por roteadores que se comunicam dentro de um mesmo sistema autônomo. P.ex., RIP, EIGRP, IGRP e OSPF EGP (External Gateway Protocols) são protocolos usados para a comunicação entre roteadores de sistemas autônomos distintos. P.ex., BGP IFPB/Patos - Prof. Claudivan 62

63 Roteamento dinâmico (continuação) Exemplo de funcionamento da Internet: IFPB/Patos - Prof. Claudivan 63

64 Quanto aos roteadores em si, eles podem ter diversas características diferentes, o que influencia diretamente no seu preço P. ex., facilidades de configuração, número de portas WAN, número de portas LAN, velocidade das portas, serviços suportados (VoIP, VPN etc), protocolos suportados, redundância (dois em um), tolerância a falhas, balanceamento de carga, desempenho e outras IFPB/Patos - Prof. Claudivan 64

65 Quanto aos roteadores de banda larga É o equipamento mais popular para compartilhar uma conexão banda larga com a Internet em pequenas redes locais Ele possui diversos periféricos integrados: Roteador Switch Firewall Ponto de acesso sem fio Servidor DHCP Portas USB para instalação de impressoras e webcam IFPB/Patos - Prof. Claudivan 65

66 Quanto aos roteadores de banda larga É possível expandir o número de portas da rede conectando um switch a uma das portas LAN do roteador de banda larga Todo roteador de banda larga, apesar de já vir previamente configurado, deve ser modificado para atender as necessidades da rede, p.ex., habilitar ou desabilitar a parte sem fio Por segurança, a senha administrativa deve ser alterada e a criptografia para a rede sem fio deve ser habilitada IFPB/Patos - Prof. Claudivan 66

67 Ponto de acesso sem fio Permite a montagem e a expansão da rede sem fio Seu papel é permitir a comunicação na rede local com ou sem o uso de cabos O alcance do ponto de acesso depende do ganho da antena e da potência do circuito transmissor. Porém, a antena pode ser substituída por outra de maior ganho, de modo a aumentar o alcance do equipamento IFPB/Patos - Prof. Claudivan 67

68 Firewall Equipamento que permite ou bloqueia o tráfego de dados, através de regras que funcionam como um filtro A manutenção do conjunto de regras de um firewall deve ser de responsabilidade do administrador da rede Alguns equipamentos possuem firewall integrado e já configurado de fábrica, p.ex., roteadores de banda larga IFPB/Patos - Prof. Claudivan 68

69 Firewall (continuação) Funcionamento básico: O equipamento possui duas placas de rede, uma conectada a rede interna e a outra na rede externa O equipamento analisa os quadros de dados com destino a rede interna e permite ou bloqueia a sua passagem Ele funciona também no sentido inverso, filtrando quadros de dados da rede interna em direção a rede externa IFPB/Patos - Prof. Claudivan 69

70 Firewall (continuação) O nível de bloqueio promovido pelo firewall varia entre os equipamentos disponíveis no mercado Além disso, há produtos com antivírus, anti-spam e anti-spyware integrados, além de contar com recursos de bloqueio de conteúdos, p.ex., bloquear a abertura de sites de conteúdos impróprios Também existem firewall implementados por software, como o Firewall do Windows e o IPTables do Linux IFPB/Patos - Prof. Claudivan 70

71 Balanceador de carga Balancear a carga significa dividir o tráfego dados para vários dispositivos. Isso é útil quando um servidor não é capaz de suportar a carga de requisições enviada a ele Um balanceador de carga contém uma porta de entrada e várias portas de saída, nas quais são instalados os servidores a serem balanceados O tráfego é direcionado à porta de entrada do balanceador, que chaveia o tráfego para cada servidor conectado a ele, em forma de rodízio IFPB/Patos - Prof. Claudivan 71

72 Balanceador de carga (continuação) P. ex., um balanceador para três servidores IFPB/Patos - Prof. Claudivan 72

73 Balanceador de carga (continuação) Os servidores podem ser configurados para reportar seus níveis de carga ao balanceador, fazendo com ele envie mais tráfego para o servidor menos ocupado É possível também fazer uma configuração manual de diferentes pesos para cada servidor para compensar diferentes capacidades de processamento O balanceamento de carga também pode ser feito via software IFPB/Patos - Prof. Claudivan 73

74 NAS (Network Attached Storage) É um servidor de arquivos para uso em redes locais Algumas vantagens do NAS: Ter um único ponto central para os arquivos compartilhados na rede Maior nível de segurança através do recurso RAID (aumento do desempenho + espelhamento ou backup) Reconhecimento automático por tocadores de mídia Portas USB para conectar impressoras, pendrive, webcam e HD externos Redução no consumo de energia elétrica IFPB/Patos - Prof. Claudivan 74

75 Gabriel Torres. Redes de Computadores Versão Revisada e Atualizada. Editora Nova Terra, 2009 IFPB/Patos - Prof. Claudivan 75

76 Claudivan C. Lopes

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Equipamentos de Redes. Professor Leonardo Larback

Equipamentos de Redes. Professor Leonardo Larback Equipamentos de Redes Professor Leonardo Larback Componentes de Expansão e Segmentação Pontos de rede localizados à distâncias maiores que o limite estabelecido pela mídia utilizada, o aumento no número

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO

REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO REGRAS PARA SEGMENTAÇÃO Professor Victor Sotero 1 Domínio de Colisão A conexão de vários computadores a um único meio de acesso compartilhado que não possui nenhum outro dispositivo de rede conectado cria

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

COMPONENTES BÁSICOS DE

COMPONENTES BÁSICOS DE COMPONENTES BÁSICOS DE REDES 2ºPARTE Prof. Me. Hélio Esperidião SWITCH O SWITCH opera de forma mais inteligente. Ele analisa os pacotes de dados que chegam a ele e descobre os endereços de origem e destino.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores Aula 01

Redes de Computadores Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que significa o termo Rede? 2 Porque utilizar um Ambiente de Rede? 3 Defina LAN. 4 Defina WAN. 5 O que eu preciso para Montar uma Rede? 6 - O que eu posso compartilhar

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10 1) Repetidor. Em informática, repetidor é um equipamento utilizado para interligação de redes idênticas, pois eles

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato

Re R d e e d s e Ygor Colen Morato Redes Ygor Colen Morato Histórico : Década 50 primeiros computadores, chamados de Mainframes. Processamento em lote ou batch. Década 60 primeiros terminais interativos. Porém sem capacidade de processamento.

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

HUBS -TIPOLOGIA. Professor Victor Sotero ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

HUBS -TIPOLOGIA. Professor Victor Sotero ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS HUBS -TIPOLOGIA Professor Victor Sotero 1 Hub x Switch O hub apenas retransmite tudo o que recebe para todos os micros ligados a ele,como se fosse um espelho. Isso significa que apenas um micro pode transmitir

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais