Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade"

Transcrição

1 Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais Definem os serviços (ou funções) que o sistema deve oferecer Definem a funcionalidade Requisitos não-funcionais Definem outras propriedades e restrições do sistema. Afetam o sistema como um todo e deve São chamados também de atributos de qualidade

2 Outros termos utilizados Requisitos de domínio (ou de negócios) Vêm do domínio de aplicação do sistema Requisitos de usuário Versão em linguagem natural para ser lida pelos gerentes, usuários, etc. Requisitos de sistema Versão detalhada de interesse dos arquitetos, engenheiros e programadores. Atributos de qualidade Desempenho Disponibilidade Modificabilidade Segurança Testabilidade Usabilidade 2

3 Funcionalidade e atributos de qualidade São ortogonais Atributos de qualidade podem afetar vários serviços ou funções Atributos de qualidade devem ser independentes da funcionalidade A funcionalidade não deve ser modificada por atributos de qualidade Exceto quando analisado e decidido pelos envolvidos Funcionalidade e Arquitetura Funcionalidade É realizada por um conjunto de elementos do software, definidos no design arquitetural Decomposição funcional é uma técnica de design arquitetural mas não deve ser a única. Atributos de qualidade também afetam o design arquitetural 3

4 Arquitetura e Atributos de Qualidade Os atributos de qualidade envolvem aspectos arquiteturais e não arquiteturais Os atributos de qualidade devem ser considerados em todo o processo de software Design, implementação e implantação. Usabilidade - exemplos Escolhas dos objetos de interface e layout de telas são aspectos não-arquiteturais Os mecanismos de undo e feedback, dependem de decisões arquiteturais Modificabilidade - exemplos Estilo do código é um aspecto não-arquitetural que afeta modificabilidade Módulos com alta coesão e baixo acoplamento é um aspecto arquitetural Importância da arquitetura para qualidade A arquitetura do software é um fator crítico para muitas das qualidades de um sistema Elas deve ser a base para as estratégias e decisões de design da arquitetura A arquitetura, por si só, não garante que todos os atributos de qualidade seja atingidos. Ela deve ser a fundação que permitirá a qualidade em conjunto com a implementação e a implantação do sistema 4

5 Atingindo atributos de qualidade O design consiste de um conjunto de decisões. Os fundamentos para atingir qualidade podem ser estabelecidos por decisões de design. No método ADD, estas decisões de design são chamadas de táticas. Ex.: Redundância é uma tática para Disponibilidade Uma coleção de táticas é chamada de estratégia arquitetural. Padrões (patterns) estão relacionados com várias táticas. Disponibilidade (tolerância a falhas) Atributo relacionado com ocorrências de falhas do sistema e suas conseqüências. A indisponibilidade ocorre quando um serviço do sistema não pode ser realizado e afeta o uso do sistema. É causada por falhas É necessário que a falha seja mascarada ou um reparo seja feito. As táticas para garantir disponibilidade são baseadas em : Redundância de componentes (processos, arquivos, equipamentos, etc.) Monitoramento para prevenir falhas Mecanismos de detecção de falhas a ocorrer ou ocorridas Mecanismos de recuperação de falhas ocorridas As táticas devem considerar os seguintes fafores: Freqüência das falhas Conseqüências das falhas Tempo para recuperação 5

6 Táticas para detecção de falhas Detecção da falha Ping/echo Deve existir um componente que envia um outro componente (seu par) obter uma resposta de um outro componente Heartbeat Periodicamente um componente emite uma mensagem para um outro componente Exceções Criar um responsável para executar um as atividades quando ocorrer a falha Considerações Nas táticas ping/echo e no heartbeat, são necessários dois processos em execução. Na tática exceções, é possível implementa-la em um único processo ou thread. Táticas para recuperação de falhas Preparação e reparo Redundância Ativa Os componentes redundantes trabalham de forma paralela sempre respondendo aos mesmos eventos. Redundância Passiva Existem dois componentes redundantes: primário e secundário. Apenas o primário responde a eventos e sinaliza ao secundário que deve atualizar seus estados. Componente reserva O componente redundante fica em espera e quando ocorre a falha ele é iniciado. Ele re-estabelece os estado do componente que falhou com base em informações de checkpoint (ver tática para reintrodução). 6

7 Táticas para recuperação de falhas Re-introdução após falhas Operação sombra Antes de reiniciar um componentes que falhou, deve-se executa-lo no modo sombra por um período até que se verifique que seja completamente confiável Re-sincronização de estados Quando se usa redundância ativa ou passiva, precisa ser restaurado e re-sincronizado com o componente redundante. Checkpoint Um ponto de execução, com um estado consistente do componente, é armazenado periodicamente. Na reintrodução, o sistema é re-iniciado no último checkpoint consistente. Utilizado em conjunto com as táticas componente reserva e processo monitor. Táticas para prevenção de falhas Remoção do serviço Quando se detecta que um componente irá falha, este componente deve ser removido do sistema para prevenir a indisponibilidade total do sistema. Mecanismos de transação Um conjunto de ações críticas que podem colocar o sistema num estado de falha devem ser realizadas de forma atômica uma transação. Dessa forma, se ocorrer falha durante uma das ações, todo o conjunto é cancelado e o sistema volta para o estado anterior à transação. Processo monitor Quando uma falha num processo foi detectada, o processo monitor pode matar o processo com falha e criar uma nova instância do processo. Este processo é um componente reserva e deve ser iniciado com base em um log de checkpoint. 7

8 Estratégia para a disponibilidade Para garantir disponibilidade, deve-se estabelecer uma estratégia baseada em um conjunto de táticas Uma solução possível é a combinação das seguintes táticas Processo monitor Para monitorar a falha, ativar o componente reserva e reintroduzir o sistema utilizando o checkpoint. Heartbeat Para enviar mensagens periódicas aos componentes e criar o checkpoint em cada checagem. Checkpoint Para utilizar informações de log para re-introduzir o sistema. Componente reserva Para ser utilizando quando ocorrer a falhar. Modificabilidade Diminuir tempo e custo para implementar, testar e implantar mudanças As táticas para modificabilidade podem ter os seguintes objetivos: Manter modificações localizadas Evitar propagação (efeito ripple) Prorrogar tempo de ligação (binding) 8

9 Táticas para manter modificações localizadas Manter coerência semântica A unidades do código devem ter responsabilidades semelhantes, isto é, realizar atividades que sejam semanticamente similares Abstrair serviços comuns é um sub-tática associada. Ou seja, colocar serviços comuns a várias outras unidades numa mesma unidade Coerência e coesão são métricas associadas Antecipar as mudanças esperadas Ao definir as unidades de código, o arquiteto deve se questionar se Para cada mudança esperada, quantas unidades devem ser modificadas? Generalizar os módulos Tornar um módulo o mais genérico possível, computando um maior número de funcionalidades Módulos com esta características têm interfaces complexas. No entanto, as mudanças internas quase sempre limitam-se a mudanças na interfaces. Limitar o número de opções Quando se constrói unidades de código com poucas possibilidades de mudanças, limita-se o número de mudanças que podem ser feitas. Táticas para evitar propagação (efeito ripple) Efeito ripple é a necessidade de fazer mudanças em todas as unidades que tenham sido afetadas pela mudança em uma unidade. Dependência entre unidades Considere duas unidades A e B, com B dependendo de A. Existem diferentes tipos de dependências entre A e B As táticas devem considerar os tipo de dependência. 9

10 Tipos de dependência Sintática Para B compilar ou executar corretamente... Dados: Os dados produzidos por A devem ser consistentes com os tipos consumidos por B Serviço: A assinatura dos serviços (métodos ou funções) oferecidos por A e utilizados (chamados) por B Semântica Para B executar corretamente A semântica dos dados e serviços produzidos por A e consumidos por B devem ser consistentes Tipos de dependência 2 Seqüência Se B consome dados em seqüência (seguindo um protocolo), A deve produzir os dados de acordo a seqüência esperada (mesmo protocolo) Para B executar corretamente, A deve ter sido executado e terminado dentro de um limite de tempo definido Qualidade dos serviços ou dados Para B executar corretamente, a qualidades dos serviços ou dados deve ser consistente com o esperado por B. 0

11 Tipos de dependência 3 Identidade da interface de A Para B compilar e executar corretamente, a identidade (nome e argumentos) de A deve ser consistente com o esperado por B. Localização de A Para B executar corretamente, a localização de A em tempo de execução deve ser conhecida Existência Para B executar corretamente, os serviços ou dados de A deve existir no sistema (disponibilidade) Táticas para evitar propagação Esconder informação Na decomposição de sistemas em unidades, dados e serviços podem ficar públicas e ou privadas Informações privadas não têm relação de dependência sintática com outras unidades. Não resolve dependência semântica Manter interfaces existentes Separar interface da implementação, criando interfaces abstratas, que mascaram as mudanças. Adicionar novas interfaces Adicionar um adaptador (Adapter) Prover um stub

12 Táticas para evitar propagação 2 Restringir os caminhos de comunicação Deve-se restringir o número de módulos que consomem dados produzidos por um módulo...e o número de módulos que produzem os dados consumidos por ele Táticas para evitar propagação 3 Uso de intermediário Para os casos que não existem dependência semântica entre A e B, pode-se inserir um intermediário entre A e B O padrão arquitetura Repositórios (Blackboard) funciona como intermediários entre os processos produtores e consumidores de dados O padrão Observer também funciona com intermediário de dados Os padrões Facade, Mediator, Proxy, Bridge, Strategy e Factory todos oferecem intermediários que abstraem a sintaxe dos serviços oferecidos. O padrão Broker é um intermediário que pode ser usado quando existe dependência de identidade e localização O padrão Factory permite criar instâncias ncessárias de um objeto e podem resolver dependência de existência 2

13 Táticas para prorrogar tempo de ligação - Motivação A ligação entre as unidades pode ocorrer: Em tempo de carga (ao iniciar) Em tempo de execução Modificações em sistemas que necessitam estar disponível devem ser feitas com tempo de ligação prorrogado Táticas para prorrogar tempo de ligação -2 Arquivos de configuração Permitem definir parâmetro de execução para ser usados em tempo de carga Registro em tempo de execução Um gerenciador de registros permite suporte a plug-and-play O padrão Observer (publish/subscribe) pode ser utilizado Polimorfismo Permite ligação de chamadas de métodos em tempo de execução Troca de componentes Componentes podem ser modificados em tempo de carga Aderência a protocolos Processos que se comunicam utilizando protocolos definidos, podem ser ligados em tempo de execução 3

14 Padrões de Projeto e Táticas Padrões de projeto podem implementar várias táticas Por exemplo, o padrão Active Object (objeto ativo) Objetivo melhorar desempenho (atributo de qualidade) em sistemas distribuídos Tática: Introduzir concorrência Além disso, o padrão Active Object envolve outras táticas, para diferentes atributos de qualidade Desempenho Política de escalonamento Modificabilidade Escondendo informação Intermediário Tempo de ligação (binding) Padrão Active Object: contexto e problema Contexto Sistemas com clientes que acessam objetos executando em threads separadas (concorrente) Problema Quando o objeto roda de forma concorrente vários atributos de qualidade (QoS) podem ser melhorados Contudo, sincronização e compartilhamento de recursos são problemas críticos Forças Método do objeto concorrente não deve bloquear o processo indefinidamente O controle do acesso compartilhado (sincronização) dever programado facilmente O design arquitetural deve usufruir do paralelismo oferecido pela concorrência de forma transparente. 4

15 Padrão Active Object: solução É preciso desacoplar a chamada do método da sua execução no objeto servidor. A chamada do método pode ficar na mesma thread do cliente, mas a execução do método deve ficar numa thread separada. Para isso... Um Proxy deve representar a chamada do método. Ele roda da mesma thread do cliente. Um Servant fica responsável pela execução do método. Ele roda numa thread separada Durante a execução, o Proxy deve transformar a chamada do método em uma requisição (MethodRequest). A requisição é enviada para um Scheduler que é colocada numa lista de ativações. O Scheduler se encarrega de chamar o método no Servant. Eles rodam na mesma thread. Padrão Active Object: estrutura Cliente Proxy Scheduler Lista Ativação <<chamada>> método()... métodon() dispatch() insert() insert() remove() Future <<instancia>> <<instancia>> MethodRequest can_run() call() <<executa>> Servant método()... métodon() <<escreve em>> 5

16 Padrão Active Object: comportamento :Cliente :Proxy :Scheduler :Lista Ativ :Servant method() method :Future insert() future insert() :Method Request dispatch() can_run() future remove() write() call() method() read() Estudo de caso: e-commerce 6

17 Características Tipo de comércio que está sendo cada vez mais popular. Inovação dos negócios que resultou num grande sucesso da WEB. Inovação que trouxe mudanças na arquitetura refletida pelos novos requisitos do comércio virtual. Requisitos exigidos pelos e-commerce Bom desempenho usuários desejam sempre uma resposta a suas requisições num baixo intervalo de tempo. Alta disponibilidade é desejado que os sistemas sempre estejam ligados e funcionando, para que os usuários possam utilizar os serviços sempre que desejarem. Escalabilidade sistema deve ser capaz de expandir a quantidade de dados que ele pode controlar. Segurança sistema deve garantir que informações sensíveis (número de identificação, número cartão de crédito) estejam livres de espionagem. Modificabilidade sites e-commerce mudam frequentemente, portanto seu conteúdo deve ser simples de mudar 7

18 Arquitetura de referência para sistema e- commerce Interação do usuário Regras de negócio e aplicações Serviços de dados Arquitetura de camadas, no caso 3 camadas, cada uma com sua função bem definida. Função da interação do usuário é cumprida pelo WEB Browser. Funções da regra de negócio e das aplicações cumpridas pelos servidores de aplicação e de transação Funções dos serviços de dados cumpridas por servidores de banco de dados (SGBD) Arquitetura do sistema e-commerce Componentes de cada camada são responsáveis em contribuir para um/alguns dos atributos de qualidade. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD 8

19 WEB Browser para Modificabilidade Início da interação pelo Browser. Interfaces que suportam browser são implementadas em HTML. Documentos HTML são facilmente modificados. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD es Proxy para Desempenho es Proxy mantêm no seu cache arquivos disponíveis em servidores remotos, diminuindo o tempo de acesso e aumentando o desempenho. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD 9

20 Roteadores e Firewall para Segurança Requisições de um browser (ou servidor proxy) chegam ao roteador que provê comunicação entre os computadores. Roteadores incluindo Firewall para prevenir fluxos de informações não autorizadas. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD Balanceador de Carga para Desempenho, Escalabilidade e Disponibilidade Parte essencial de qualquer WEB site e-commerce. Distribui a carga entre os vários computadores rodando servidores WEB. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD 20

21 es WEB para Desempenho A requisição HTTPS chega então ao servidor WEB. es multi-thread permitem executar várias tarefas ao mesmo tempo. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD es de Aplicação para Modificabilidade, Desempenho e Escalabilidade Requisição é então direcionada do servidor WEB para o servidor de aplicação. Objetivo é disponibilizar uma plataforma, que abstrai do desenvolvedor de software complexidades do sistema computacional. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD 2

22 de Banco de Dados para Modificabilidade, Desempenho e Escalabilidade Modernos BD usam replicação interna para consegui performance, escalabilidade e disponibilidade. Eles também usam cache para garantir bom desempenho. Regras de negócio e Aplicações Balanceador De Carga Interação do usuário Roteador/ Firewall..* WEB..* Serviços de dados Browser..* Proxy De Aplicação..* De BD Resumo de como a arquitetura dos sistema e-commerce realizam seus objetivos de qualidade Objetivo de qualidade Bom desempenho Alta disponibilidade Escalabilidade Segurança Modificabilidade Quem realiza Balanceador de carga, servidores proxy Banco de dados, Balanceadores de Carga Balanceador de Carga Firewall Browser, banco de dados 22

23 Referência Bass, L.; Clements, P.; & Kazman, R. Software Architecture in Practice, 2nd ed. Reading, MA: Addison-Wesley,

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Características O que são os Sistemas Distribuídos? Benefícios : Não são consequências automáticas da distribuição;

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires 1 distribuídas baseadas em componentes Comunicação transparente,

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Padrões GoF Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução Padrões de Criação Padrões de Estrutura Padrões de comportamento Leonardo Murta Padrões GoF 2 Introdução Os padrões GoF (Gamma

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

On Scalability of Software-Defined Networking

On Scalability of Software-Defined Networking On Scalability of Software-Defined Networking Bruno dos Santos Silva bruno.silva@ic.uff.br Instituto de Computação IC Universidade Federal Fluminense UFF 24 de Setembro de 2015 B. S. Silva (IC-UFF) On

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio INE 5418 Segurança de Funcionamento Tipos de s Detecção de s Recuperação de s Segurança de Funcionamento Representa a confiança depositada em um determinado sistema em relação ao seu correto funcionamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Categorias de Padrões

Categorias de Padrões Categorias de Padrões Padrão Arquitetural ou Estilo Arquitetural Padrão de Design (Design Patterns) Idiomas Categorias de Padrões ESTILOS ARQUITETURAIS PADRÕES DE DESIGN IDIOMAS Padrões de Design Os subsistemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 04: Comunicação Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Seminário: Google File System (GFS)

Seminário: Google File System (GFS) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Disciplina: Sistemas Operacionais I INE5355 Alunos: Armando Fracalossi 06132008 Maurílio Tiago Brüning Schmitt 06132033 Ricardo Vieira Fritsche 06132044 Seminário:

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Estudo e implementação de redundância em serviços da rede do IME

Estudo e implementação de redundância em serviços da rede do IME MAC0499 Trabalho de Formatura Supervisionado Estudo e implementação de redundância em serviços da rede do IME Guilherme Camilo Amantéa Guilherme Grimaldi Nepomuceno Supervisor: Prof. Dr. Arnaldo Mandel

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Consistência e Replicação Capítulo 7 Agenda Razões para Replicação Replicação como técnica de escalabilidade Modelos de Consistência centrados

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv)

Sistemas Operativos. Threads. 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Sistemas Operativos Threads 3º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) Dos Processos para os Threads O conceito de thread foi introduzido na tentativa de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais