EMPRESAS SOCIALMENTE RESPONSÁVEL E COLABORADORES MOTIVADOS. Aélio Ramos do Nascimento Filho * Thomas Barboza de Santana **

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESAS SOCIALMENTE RESPONSÁVEL E COLABORADORES MOTIVADOS. Aélio Ramos do Nascimento Filho * Thomas Barboza de Santana **"

Transcrição

1 1 EMPRESAS SOCIALMENTE RESPONSÁVEL E COLABORADORES MOTIVADOS Aélio Ramos do Nascimento Filho * Thomas Barboza de Santana ** Maria Balbina de Carvalho de Meneses *** Graduando em Administração de Empresas pela Universidade Tiradentes; ** Graduando em Administração de Empresas pela Universidade Tiradentes; *** Professora da Universidade Tiradentes, mestre em administração.

2 2 EMPRESAS SOCIALMENTE RESPONSÁVEL E COLABORADORES MOTIVADOS Autor: Aélio Ramos do Nascimento Filho Administração Orientador: M.sc. Maria Balbina de Carvalho Menezes RESUMO A importância da gestão da ética socialmente responsável nas empresas, as três ondas da gestão socialmente responsáveis, identidades coorporativas rentabilidade e desempenho dos investimentos socialmente responsáveis são os assuntos abordados neste artigo de revisão de literatura, produto das Práticas Investigativas, que tem o intuito de apresentar a realidade operacional das empresas. Quando uma empresa responsável é considerada responsável não é somente aquela que se preocupa em revitalização de uma praça no bairro da sua localização ou que no natal promove uma festa para seus funcionários e familiares. Nesse estudo buscou-se demonstrar que é possível as empresas adotarem responsabilidade social interna, para além de atividades de lazer, de forma a deixar todos satisfeitos com a organização. Entender que através da responsabilidade social é possível adotar um programa de benefícios e transformar a organização em sustentável ao meio ambiente e sendo uma empresa ética com o planeta e com seus colaboradores diretos e indiretos. PALAVRAS-CHAVE: Benefícios, ética empresarial, responsabilidade social. ABSTRACT The importance of the management of the socially responsible ethics in the companies, the three responsible waves of the term of office, coorporativas identities yield and performance of the socially responsible investments is the boarded subjects in this article of literature revision, Practical product of the Investigativas, that has intention to present the operational reality of the companies. When a responsible company is considered responsible is not only that one that if worries in revitalização of a square in the quarter of its localization or that in the Christmas it promotes a party for its familiar employees and. In this study one searched to demonstrate that it is possible the companies to adopt internal social responsibility, stops beyond activities of leisure, of form to leave all satisfied ones with the organization. To understand that through the social responsibility it is possible to adopt a program of benefits and to transform the organization into sustainable to the environment and being an ethical company with the planet and its collaborating indirect right-handers and. KEYWORDS: Benefits, enterprise ethics, social responsibility.

3 3 INTRODUÇÃO Denomina-se empresa socialmente responsável toda a empresa que viabiliza a sua atividade pesando a atender a sociedade que o cerca, os seus clientes, mas principalmente o seu capital humano. Essa perspectiva de gestão é cada vez mais aplicada em empresas e mais debatida em livros de vários autores com temas polêmicos, e existindo visões controversas e críticas para esse tema. As empresas têm a cada momento aderindo ao conceito de gestão socialmente responsável, não existe nenhuma obrigação, mas a fatores externos trata por exigir de forma indireta e essa exigência deve ser cumprida de forma ética, o que se torna importante para a vida útil das organizações e com isso fazendo com que a visão que a sociedade tenha da empresa seja de aceitação. Na atualidade têm surgido algumas mudanças sobre o tema, dando novas direções, trazendo novos conceitos e deixando o tema mais atual. A proposta deste trabalho é mostrar que as empresas não devem ficar usando uma única forma de responsabilidade, mas procurar ser responsável de acordo com as características da organização, adotando algumas linhas de conceito e práticas para dentro da sua própria empresa, fazendo com que os funcionários se tornem pessoas satisfeitas com a organização que fazem parte e a comunidade sendo beneficiadas com ações que norteiam toda a política da empresas que as rodeiam. Mostrar que a empresa socialmente responsável tem novos desafios, utilizando a ética em seu exercício da responsabilidade corporativa, tratando sobre a identidade das empresas e a rentabilidade que o investimento nas ações responsáveis pode trazer. GESTÃO ÉTICA E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL Uma empresa responsável não é somente aquela que se preocupa em uma revitalização de uma praça no bairro da sua empresa, aquela que no natal de cada ano promove uma festa para seus funcionários e familiares e moradores do bairro onde a empresa está inserida. A responsabilidade está ligada a vários aspectos dentro da própria empresa, como os benefícios sociais, auxilio creche, planos de saúde e tantas outras coisas que formam uma empresa socialmente responsável pelos seus funcionários,

4 4 tornando-os pessoas satisfeitas em seus espaços de trabalho e orgulhosos de pertencer aquela organização. Essa é uma forma de corporativismo alcançável pelo reforço positivo. A responsabilidade social corporativa é uma conduta que vai da ética nos negócios às ações desenvolvidas na comunidade, passando pelo tratamento dos funcionários e relações com acionistas, fornecedores e clientes. (ROSEMBLUM, 2000, p. 1) É evidentemente que a preocupação de todas as empresas esta ligada a geração de lucro, pois por meio desse excedente financeiro que a organização continuará existindo (INSTITUTO ETHOS, 2006), e se não for por lucro, nem uma empresa poderia existir e nem desenvolver ações sociais, pois não teria condições financeiras para o feito. A organização adotando essa responsabilidade ela finda por capturar novos clientes, maior participação no mercado e passa a ganhar títulos como, por exemplo, o de empresa cidadã, que se volta para princípios éticos e morais. Nos dias atuais para as empresas se destacarem no mercado são necessárias várias estratégias, e a responsabilidade social se constitui uma dessa, pois cada uma tem sua forma de gerir e definir a responsabilidade social, dependendo muito da sua missão e visão. Varias organizações trabalham no modelo tradicional, de uma forma que não incentivam seus colaborados a trabalharem melhor e conseqüentemente a empresa a se destacar no mercado. A empresa socialmente responsável é aquela que possui a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes (acionistas, funcionários, prestadores de serviços, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente) e conseguir incorporá-los no planejamento de suas atividades, buscando atender às demandas de todos e não apenas dos acionistas ou proprietários (ETHOS, 2006). As empresas via de regra precisam ter um olhar mais abrangente na diversidade dos setores e com todas as pessoas que os fazem. Apesar de não haver lei que obrigue as empresas serem socialmente responsáveis, o que se percebe é que o próprio mercado finda por fazer tal exigência. É o caso da ética, considerada como um fator importante para a sobrevivência das organizações e muitas não o adotaram, comprometendo assim o caminho para a cidadania empresarial.

5 5 As organizações estão percebendo a necessidade de aplicar à ética, para que o público tenha uma imagem mais positiva do seu slogan, que permitirá, ou não, um crescimento da relação entre funcionários e clientes. O gestor nesse processo contribui para que as pessoas acreditem na existência de uma probabilidade de sucesso coletivo. Quando a empresa tira vantagem de clientes, abusando do uso dos anúncios publicitários, por exemplo, de início ela pode ter um lucro em curto prazo, mas a confiança será perdida, forçando o cliente a consumir produtos da concorrência. Além disso, recuperar a imagem da empresa não vai ser fácil como da primeira vez. (MAGALHÃES, JOAQUIM p. 28.) A ética na empresa tem como objetivo garantir que os funcionários saibam lidar com determinadas situações e que a convivência no ambiente de trabalho seja agradável de uma forma ética. Organizações que tomam atitudes, que tomam decisões éticas, têm se destacado no mercado por uma razão: conseguem novos clientes. Na busca por nova clientela, as empresas, para ser classificadas como éticas, precisa de: Sentir-se livre em relação a subornos e chantagens de governo e fornecedores e de outros, para tomar decisões; Assumir responsabilidade pelas tomadas de decisões; E, ainda, as decisões, concientemente, não deverão ser abusivas em relação ao outro, se considerarmos que niguém é ético em relação a si mesmo mas sempre em relação ao outro. (Ponchirolli, Osmar. s.d) O lucro em uma empresa é o essencial para que ela permaneça em atividade, por isso quando for tomar decisões para sua obtenção, significa que ser antiético, enganando seus clientes com propagandas enganosas, não é uma boa conduta para a empresa que pretende se desenvolver e crescer perante à concorrência, para isso não acontecer as empresas devem adotar seu próprio código de ética, que é um instrumento criado para orientar a empresa em suas atividades, e é necessário que a empresa desenvolva o conteúdo do seu código com clareza e objetividade, facilitando a compreensão dos seus funcionários, pois o sucesso da empresa depende das pessoas que a compõe, são elas que transformam os objetivos, metas, projetos e até mesmo a ética em realidade. Por isso é importante o comprometimento do indivíduo com o código de ética.

6 6 AS TRÊS ONDAS DA GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS. É notório que na atualidade observar empresas e empresários apregoando suas ações de projetos sociais ou suas doações, no entanto mais do que ganhar lucros com a responsabilidade social é preciso adotar tendências e modelos de gestão socialmente responsável, para Melo Neto (2004) as empresas socialmente responsáveis tem um novo desafio: o exercício da responsabilidade corporativa (ações sociais+gestão ética +ações de preservação ambiental), já Schommer (2007) cita que existem três ondas dessa gestão socialmente responsável, a filantropia, o investimento social privado e a responsabilidade social empresarial, nesse tópico vamos caracterizar cada uma dessas ondas. FILANTROPIA O conceito de filantropia pode ser definido pelo amor à humanidade e essas ações filantrópicas usadas pelas empresas foram às precursoras da responsabilidade social, Melo Neto (2001) afirma que a responsabilidade social é um estágio mais avançado no exercício da cidadania corporativa, e tudo começou com empresários bem sucedidos que definiram retribuir parte dos ganhos à sociedade, essas atitudes podem contribuir como relata Ferrel (2001), para a qualidade de vida e bem estar, proporcionando um padrão de vida e projeta à qualidade geral de vida que seus membros desfrutam, essa dimensão filantrópica inclui ainda a expectativa de que as empresas contribuam para as comunidades locais. Essas atitudes que as empresas praticam não teriam valia se a comunidade já fosse suprida pelo Estado, mas como explica Melo Neto (2001) citando um discurso da Primeira Dama Ruth Cardoso, Presidente do Conselho da Comunidade Solidária na abertura da Assembléia Geral para abertura da 50ª Conferência do Departamento de informação Pública- DIP, que uma das razões que o Terceiro Setor 1 vem crescendo é 11 Setor que têm o foco no Bem-Estar público e interesse comum visando resolver questões centrais como pobreza, desigualdade e exclusão social, composto por empresas privadas, Estado, ONG s e sociedade civil atuando na comunidade realizando ações de caráter público e privado, associativas e voluntaristas. Fonte: MELO NETO,Francisco Paulo de e Cesar Froes. Responsabilidade social e cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark. 2001

7 7 porque o Estado sozinho não teria capacidade de acarear os reptos do desenvolvimento equitativo e sustentável e em seguida a palestrante confirma a importância do Terceiro Setor como um setor de atividades relevante e potencialmente dinâmico e não lucrativo, não-governamental, com um papel vital a desempenhar na luta contra a pobreza, desigualdade e exclusão social. Pode-se observar que o viés dessa relação entre o Estado e as empresas vai sempre ocorrer por uma forma talvez de amenizar a característica do sistema capitalista, que tem deixado sempre marcas profundas na sociedade em relação aos grandes níveis de desigualdade social, sendo que cada atitude que é tomada pode ser considerado só um paliativo, já que o Estado não consegue corresponder às expectativas da população e as empresas em sua maioria, só conseguem abranger as comunidades locais, mais outras áreas que sofrem indiretamente continuam marginalizadas por esses auxílios. Já a visão crítica de cada atividade de responsabilidade social ou filantropia, considera que cada atitude como conflitante com o objetivo de geração de riqueza da empresa, e o que alega Machado Filho (2004) citando Friedman (1970) a responsabilidade social pode gerar um conflito de interesses entre o acionista e o gestor, as empresas não podem fugir do seu objetivo principal que é lograr lucros, então ver a empresa como tendo um papel vital na luta contra os problemas sociais ser uma visão muito romântica do capitalismo, o mundo empresarial vê, na responsabilidade social, uma nova estratégia para aumentar seu lucro e potencializar seu desenvolvimento (Ashley, 2001:3) citado por Nogueira (2002), mas pode-se caracterizar as ações individuais das empresas. A filantropia pode ser considerada uma ação individual das empresas que tentam alguma maneira transformar a sociedade local um lugar melhor tentando eliminar a desigualdade com base no assistencialismo, como alega Ferrel (2001) que a maioria das organizações tem o interesse puramente de tornar as suas comunidades lugares melhores para se viver e trabalhar, embora essa atitude se expandam por varias e diversas áreas, e algumas necessitem de uma ajuda especial. Mas em alguns casos isolados as empresas podem usar esses atos associando à estratégia e seus objetivos gerais, continuando com Ferrel (2001) ele define essa atitude como Filantropia Estratégica, ou seja, o uso sinergético e mutuamente benéfico de competências básicas e recursos organizacionais, utilizados para atender às necessidades básicas e recursos

8 8 organizacionais, utilizados para atender ás necessidades dos principais stakeholders 2 em benefícios das instituições e da sociedade. Essas atitudes e que podem ser mais adotadas pelas empresas, usar a filantropia estratégica como auxilio de divulgação do negócio usando sempre a ética empresarial para ser o norte de toda decisão a ser usada, concluindo que cada ação filantrópica esta de alguma forma ligada a imagem da empresa e quem vai ser beneficiado com isso são as comunidades locais. 4.2-Investimento Social Privado Esse tipo de ação externa pode se disser que é uma evolução das diferentes filantropias que existem, pois tem o interesse com algum vinculo lucrativo, provida de algum interesse empresarial, para Milani Filho (2007, P. 92), define ISP (Investimento Social Privado) pela transferência voluntária de recursos de empresas privadas para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público., podemos ver através do quadro abaixo as diferenças entre as filantropias e o ISP. Quadro 1: Diferenças entre os tipos de ações sociais TIPOS DE AÇÕES Filantropia Nova Filantropia ISP Tradicional MODALIDADE Doação Doação Investimento ATIVOS Entidades Filantrópicas Causas sociais de entidades filantrópicas Problemas sociais e segmentos populacionais em situação de risco social FORMA DE ATUAÇÃO Individual Individual Parcerias Estratégicas GERENCIAMENTO Inexistente Ênfase no monitoramento RETORNO Nenhuma preocupação com o retorno Ênfase no retorno social Ênfase no planejamento, monitoramento e avaliação Ênfase nos múltiplos benefícios sociais NATUREZA Ações esporádicas Ações Contínuas Ações permanentes baseadas num compromisso social ESTRATÉGIA Indireta Indireta Direta 2 Termo utilizado para os clientes, comunidade, fornecedores, governo, proprietários e empregados das empresas. Fonte: Vários Autores. Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades, v.iv. São Paulo: Peirópolis: Instituto Ethos, 2005.

9 9 Fonte: Extraído de Empresas socialmente sustentáveis: o novo desafio da gestão moderna/francisco Paulo de Melo Neto e Jorgina Melo Brennand Rio de Janeiro: Qualitymark, Pg. 51 O ISP Investe nos problemas sociais contando com parcerias definidas estrategicamente, planejando suas iniciativas e quando aplicadas ocorre o monitoramento e avaliando as mudanças que aconteceram,esperando benefícios sociais tendo participação direta e estável com obrigação social, já para Melo Neto (2004) o ISP é feito por pessoas físicas ou jurídicas em projetos sociais com o objeto de um artifício de gerenciamento contínuo e difere fundamentalmente dos modelos de filantropia, a começar pela sua característica de investimento em oposição à doação e o seu alvo das ações é muito bem definido em termos de amplitude e características do problema social. Retornado a Milani Filho (2007) citando Brown et al. (2006) trás uma abordagem mais abarcante quando declara que o ISP engloba, também, a transferência direta para entidades de assistência social na forma de doações, sem o comprometimento explícito de monitoramento de resultados. O conjunto dessas práticas vincula-se ao termo Filantropia Corporativa. RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL O papel social da empresa é muito mais abrangente do que simples contribuições para a comunidade, a ideologia proposta está mais para um modelo de gestão de ações com responsabilidade em todos os seus processos, o Instituto Ethos (2005) citando Grajew (1999) define a Responsabilidade Social das empresas como uma relação ética em todas as suas ações, políticas, relações e práticas com o público interno ou externo, não estando separada dos seus negócios, estabelecendo posições estratégicas na qualidade do relacionamento com os stakeholders, de acordo com o Instituto Ethos (2005, p. 24) o conceito de responsabilidade social empresarial foi lançado no Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, em 1998, na Holanda, e nos dias atuais essa onda vem se alicerçando em alguns componentes, e Ferrel (2001) trata de alguns como: Dimensão Legal: que seguir as leis e os regulamentos ditados pelo governo para cumprir parâmetros mínimos de ações responsáveis formada pelos padrões dos clientes, concorrentes e legisladores, sendo dividido em duas categorias o direito civil que são os

10 10 direitos e deveres dos indivíduos e organizações, e direito criminal que pode impor penas e multas como penalidades. Dimensão Ética: está relacionada a atitudes ou ações que são esperados pelo público interno ou externo que não estão imputados em lei, essa ética na empresa faz menção com normas e condutas certas ou erradas aos interesses dos vários grupos de stakeholders, sendo coagida a honrar com suas obrigações. Dimensão Econômica: designa-se a o modo como os recursos para as atividades de bens ou serviços são distribuídos no sistema social, pensando na economia (maneira como as ações para com os stakeholders afeta a economia) e na concorrência (rivalidade entre empresas por clientes e lucros, pois se ocorre uma concorrência desleal pode afetar questões de natureza legal e responsabilidade social). O exercício da cidadania empresarial vai atrelado a essas dimensões e pressupõe uma atuação da empresa no foco do público interno, é o público interno da empresa, tendo os objetivos de motivá-los para um ótimo desempenho e estando em um ambiente ótimo para o trabalho e público externo que tem o olhar na comunidade mais próxima da empresa ou o local onde ela está situada. As empresas estão visualizando cada vez mais as questões ambientais, enfrentam novos desafios para serem consideradas socialmente responsáveis. Acostumadas à só pensar na maximização dos lucros, com atual realidade, as empresas estão modificando sua política de funcionamento fazendo com que a responsabilidade social e CONCLUSÃO O trabalho aborda questões como as três ondas da gestão socialmente responsável que traz como essas três ondas a Filantropia que se pode definir como amor à humanidade, Investimento Social Privado e Responsabilidade Social das Empresas, que com essa responsabilidade tanto ganha à empresa como o meio ambiente, fazendo com que a empresa passe a trabalhar com produtos não-poluentes e outras variáveis que contribuam para a empresa passar uma boa aparência para o seu publico. Outro ponto abordado foi a Identidade Coorporativa que é na verdade o rosto do que a empresa é no

11 11 mercado, de como ela esta atuando e servindo a seus clientes, essa identidade possa servi para mostra ao publico como essa empresa esta atuando no mercado, como ela adota suas políticas, se ela é ou não responsável social, e mostra vários pontos de dentro da organização. Outro ponto que tratamos foi a Rentabilidade e Desempenho dos Investimentos responsáveis área que trata diretamente com o investimento das empresas, as empresas investem em programas para incentivar um grupo de pessoas a trabalhar ou para capacitação profissional, com o intuito que no final do curso ou do serviço a empresa tenha algum resultado financeiro. REFERÊNCIAS

12 12 Arménio Rego et al. Gestão Ética e Socialmente Responsável: teoria e prática, 1ª Edição, 2006 Arruda- Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2001 Disponível em: Acessado dia: 14/05/2010 CHAMUSCA, André Iranzo et al. Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades. Vol. 5. São Paulo: Peitrópolis: Instituto Ethos, Disponível em : Acessado dia 10/05/2010 FERREL, O.C.; Ética Empresarial: Dilemas, tomadas de decisões e casos/o.c. Ferrel, John Fraedrich, Linda Ferrel;Tradução (da 4ª Ed. Original) Cecília Arruda- Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, LODI, João Bosco. A Ética na Empresa Familiar. São Paulo: Pioneira, MACHADO FILHO.Cláudio Antonio Pinheiro e Decio Zylbersztajn. A empresa socialmente responsável: o debate e as implicações %C3%8DTICA+SOBRE+EMPRESAS+SOCIALMENTE+RESPONS%C3%81VEL %2Bpdf&aq=f&aqi=&aql=&oq=&gs_rfai= MELO NETO,Francisco Paulo de e Cesar Froes. Gestão da Responsabilidade social corporativa: o caso brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark MELO NETO,Francisco Paulo de e Cesar Froes. Responsabilidade social e cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark MELO NETO,Francisco Paulo de e Jorgiana Melo Brennand. Empresas socialmente sustentáveis: o novo desafio da gestão moderna.rio de Janeiro: Editora Qualitymark

13 13 MELO NETO, Francisco Paulo de; FROES, César. Responsabilidade social e cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, MOREIRA, Joaquim Magalhães. A ética empresarial no Brasil. São Paulo: Pioneira, p. 28. MARGARET ANN GRIESSE. Global Responsibility Project, Concordia University, Montréal/Canadá. Disponível em: pagina=detalhe_artigo&codigo=236&tit_pagina=monografias&nomeart=&nomecat=n acessado dia: 06/05/2010. NOGUEIRA, Carlos Eduardo A. Lucro ou Filantropia: Uma leitura crítica sobre as ambiguidades da responsabilidade social empresarial Vários Autores. Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades, v.iv. São Paulo: Peirópolis: Instituto Ethos, OLIVEIRA, José Antônio Puppim de (2005), "Uma Avaliação dos Balanços Sociais das 500 Maiores", Revista de Administração de Empresas - RAE Eletrônica, v. 4, n. 1, Art. 2, jan./jul. Ponchirolli, Osmar. Disponível em: Acessado em: 16/05/ Patrícia Almeida Ashley. São Paulo. Editora Saraiva Disponível em: acessado dia: 06/05/2010. Vários Autores. Ética e responsabilidade social nos negócios. Coordenação Patrícia Almeida Ashley. São Paulo. Editora Saraiva TORRES, Ciro. Capítulo 2. Responsabilidade social das empresas. In: Fórum Responsabilidade e balanço social: Coletânea de textos. SESI, 2003.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como:

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como: Balanced Scorecard Inicialmente desenvolvido pelo Dr. Robert Kaplan e David Norton - Harvard, o Balanced Scorecard é uma filosofia prática e inovadora de gestão da performance das empresas e organizações.

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESUMO DIADOSK, A.; FERREIRA, A. H. Valendo-se da real mudança de valores, as empresas estão engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e à preservação

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE ADMINISTRAR COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DE ADMINISTRAR COM RESPONSABILIDADE SOCIAL A IMPORTÂNCIA DE ADMINISTRAR COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Autor: Carla Godinho da Silva 1 Professor Orientador: Rogério da Silva Filho 2 Resumo Considerando a abrangência do tema responsabilidade social

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Juliana de Lavor Lopes Coordenadora de Desenvolvimento Social - Grupo André Maggi Secretária Executiva Fundação André Maggi

Juliana de Lavor Lopes Coordenadora de Desenvolvimento Social - Grupo André Maggi Secretária Executiva Fundação André Maggi Responsabilidade Social Empresarial Juliana de Lavor Lopes Coordenadora de Desenvolvimento Social - Grupo André Maggi Secretária Executiva Fundação André Maggi Responsabilidade Social Empresarial Conceito

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Sumário Conceito de voluntário... 3 O que é e o que não é voluntariado... 3 Lei do voluntariado... 4 Voluntariado no Brasil... 4 Benefício do Voluntariado...

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Ética e responsabilidade social Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Contexto... - Economia e sociedade global - Maior interdependência - Importância da liderança ética nas empresas - Aumento

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos

Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Entrevista: Gart Capote ABPMP Brasil Precisamos de exemplos positivos Publicado em 25 de junho de 2013 por Itamar Pelizzaro Gart Capote, presidente da ABPMP Association of Business Process Management Professionals

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA RESUMO: Apresentar a responsabilidade social relacionada ao planejamento estratégico de uma organização do ramo varejista de móveis e eletros da cidade de Guarapuava,

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização 22 de julho de 2011 O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização Francisco Fernandes Superintendente Geral de Auditoria de TI Banco Safra Sistema Financeiro Nacional Fonte: Banco

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros

P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros Favor indicar sua função na empresa: 37% 23% N=30 7% 13% 7% 13% P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros Outros: Agrônomo Agrícola Gestão da Qualidade e Meio

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 05 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Visão, Valores, Políticas,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1. Ediene do Amaral Ferreira 2

Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1. Ediene do Amaral Ferreira 2 Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1 Ediene do Amaral Ferreira 2 Resumo A responsabilidade social é um assunto com muito

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

Lançamento. 25/agosto/2009

Lançamento. 25/agosto/2009 Lançamento Programa de Voluntariado Empresarial Sabesp 25/agosto/2009 Cenário externo Modelo de desenvolvimento insustentável; Desequilíbrio ambiental e escassez de recursos naturais; Aumento da pobreza,

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

3º Encontro de. O PAPEL DO RH Coordenação. www.agilis.com.br. www.agilis.com.br. EncRH3-001

3º Encontro de. O PAPEL DO RH Coordenação. www.agilis.com.br. www.agilis.com.br. EncRH3-001 3º Encontro de Profissionais de RH CIDADANIA EMPRESARIAL O PAPEL DO RH Coordenação Francisco Cunha EncRH3-001 CONTEXTO GERAL ATUAL Novo no Mundo Complexidade Informação Tecnologia Conectividade Velhos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

A Responsabilidade Social no Setor Elétrico

A Responsabilidade Social no Setor Elétrico Fórum de Responsabilidade Socioambiental do Setor Elétrico Organização: ANEEL A Responsabilidade Social no Setor Elétrico Claudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Instituto Israel Pinheiro,

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais