(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação"

Transcrição

1 Álgebra (Ciência de Computadores) 2005/2006 Números inteiros 1. Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação (a) {inteiros positivos impares}; (b) {inteiros negativos pares}; (c) {inteiros maiores que 7}. 2. Prove por indução que, para qualquer número natural n, se tem n ( ) n 2 n =. k 3. Prove por indução que: k=0 (a) ( n N) : n 3 = (b) ( n N) : n 3 + 2n é divisível por 3. (c) ( n N)( k N) : 10 n ( 1) n = 11k. (d) ( n N \ {1, 2, 3}) : n! > 2 n n < 2 n. ( ) (n+1)n Determine o máximo divisor comum mdc(a, b) de cada um dos pares de inteiros seguintes e exprima-o como combinação linear de a e b, isto é, na forma xa + yb com x e y inteiros. (a) (14, 35); (b) (11, 15); (c) (2873, 6643); (d) (4148, 7684); (e) (1001, 7655).

2 Álgebra (Ciência de Computadores) Sejam a, b e n inteiros. Mostre que existem inteiros x e y tais que n = xa + yb se e só se mdc(a, b) n. 6. Sejam a, b, c, d e m inteiros. Mostre que: (a) se mdc(a, m) = mdc(b, m) = 1, então mdc(ab, m) = 1; (b) se mdc(a, c) = d, a b e c b, então ac bd. 7. Seja b um inteiro positivo não primo. Mostre que existe um primo positivo p que divide b e é tal que p b. 8. Faça uma lista dos primos positivos menores que Descreva um processo sistemático para encontrar o máximo divisor comum e o mínimo múltiplo comum de dois inteiros, conhecidas as suas decomposições em factores primos. 10. Mostre que, se (n 1)! + 1 é divisível pelo inteiro n > 1, então n é primo. 11. Prove que há uma infinidade de primos. [Uma sugestão: Se p 1,..., p n são primos, então p 1 p n + 1 não é divisível por nenhum dos p i (1 i n).] 12. Prove que há uma infinidade de primos da forma 4n + 3. [Sugestão: Observe que o produto de dois inteiros da forma 4n + 1 é um inteiro da forma 4n + 1.] 13. Mostre que se um produto mn de dois inteiros positivos primos entre si é um quadrado, então tanto m como n são quadrados. 14. Comente a afirmação: Dado que , então ou Resolva as congruências seguintes: (a) 3x 2 (mod 5); (b) 7x 4 (mod 10); (c) 243x 101 (mod 725); (d) 2401x (mod 371).

3 Álgebra (Ciência de Computadores) Mostre que se a b (mod m) e c d (mod m), então a + c b + d (mod m) e ac bd (mod m). 17. Determine um critério de divisibilidade por x no sistema decimal para x = 3, x = 9 e x = Se m é um inteiro, mostre que m 2 é congruente com 0, 1 ou 4 módulo Diga, justificando, se a congruência x 2 35 (mod 100) tem alguma solução. 20. Para que inteiros positivos m se tem x 2 0 (mod m) = x 0 (mod m)? 21. (a) Determine o resto da divisão de por 21. (b) Determine o resto da divisão de por Qual é o menor inteiro maior que 7 cujo quadrado termina em 49? 23. Dê exemplo de um divisor primo do inteiro (a) Suponha que 9, 7, 2, 4, 7, 0, 6, 6, 2 são os primeiros 9 dígitos do ISBN que identifica um livro. Qual é o décimo dígito, a 10 do ISBN desse livro? (b) Suponha que pretende adquirir o livro referido na alínea anterior mas que faz a encomenda do livro a 10 (enganando-se num algarismo). Será que a editora lhe envia o livro errado? (c) E se encomendar o livro a 10 (trocando dois dígitos)? [Nota: Recorde que se a 1 a 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a 7 a 8 a 9 a 10 é o ISBN de um livro, então 10a 1 + 9a 2 + 8a 3 + 7a 4 + 6a 5 + 5a 6 + 4a 7 + 3a 8 + 2a 9 + 1a 10 0 (mod 11).] 25. Sabe-se que a mensagem 2102; 674; 432 foi obtida por codificação usando o código RSA com a chave pública m = 4589 e c = Sabe-se ainda que para a correspondência entre letras do alfabeto e números foi usado o código ASCII (em particular, as letras minúsculas correspondem, por ordem, aos números 97,..., 122). Por exemplo, a letra o corresponde ao número 111. Uma vez que m é pequeno, não deve ser difícil descodificar a mensagem. Consegue fazê-lo?

4 Álgebra (Ciência de Computadores) Grupos 26. À semelhança do que foi feito na aula teórica com as simetrias do quadrado, descreva o grupo D 3 das simetrias de um triângulo equilátero. 27. Resolva o mesmo problema para D 5, o conjunto das simetrias de um pentágono regular. 28. Mostre que o conjunto M das matrizes quadradas 2 2 com entradas em R é um grupo com a adição usual. 29. Seja S = R\{ 1}. Em S define-se a operação binária como se segue: a b = a + b + ab. (a) Mostre que S, é um grupo. (b) Resolva em S a equação 2 x 3 = Considere o conjunto R \ {0} com a operação binária associativa definida por a b = a b. (a) Mostre que existe elemento neutro à esquerda para e inverso direito para cada elemento de R \ {0}. (b) Diga se (R \ {0}, ) é um grupo? (c) Que conclusão retira deste exercício? 31. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) O conjunto Z dos inteiros com a subtracção é um grupo. (b) O conjunto dos inteiros pares com a adição é um grupo. (c) O conjunto dos inteiros ímpares com a adição é um grupo. (d) Existe um grupo com 23 elementos. (e) O conjunto vazio pode ser considerado um grupo. (f) A associatividade é válida em qualquer grupo. (g) Todo o subgrupo de um grupo abeliano é abeliano. 32. Dê dois exemplos de grupos com 24 elementos.

5 Álgebra (Ciência de Computadores) Construa a tabela de Cayley para U(8). 34. Mostre que, se num grupo G se tem (ab) 2 = a 2 b 2, a, b G, então G é abeliano. 35. Para cada um dos grupos listados a seguir, indique a respectiva ordem, bem como a ordem de cada um dos seus elementos. Procure encontrar alguma relação entre a ordem do grupo e a de cada um dos seus elementos. Z 12, U(8), U(12), U(20), D 4, Z. 36. Mostre que, em qualquer grupo, um elemento e o seu inverso têm a mesma ordem. 37. Indique três subgrupo do grupo Z dos inteiros com a adição. 38. Diga se o centro de um grupo é necessariamente comutativo. E o centralizador de um elemento de um grupo? 39. O mais pequeno subgrupo de um grupo G contendo um subconjunto X diz-se o subgrupo gerado por X e denota-se por X. Determine o subgrupo do grupo aditivo Z gerado por (a) 6 e 14; (b) 7 e 9; (c) 12, 18 e Mostre que um grupo infinito tem necessariamente uma infinidade de subgrupos. 41. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) O grupo Z 223 com a adição módulo 223 é um subgrupo do grupo Z com a adição. (b) Todo o grupo é um subgrupo de si mesmo. (c) Qualquer elemento de um grupo cíclico é gerador desse grupo. (d) Existem grupos não abelianos.

6 Álgebra (Ciência de Computadores) (e) Todo o subconjunto de um grupo é um subgrupo com a operação induzida. (f) Se A e B são subgrupos de um grupo G, então A B é um subgrupo de G. (g) Se A e B são subgrupos de um grupo G, então A B é um subgrupo de G. (h) Todo o elemento de um grupo gera um subgrupo cíclico desse grupo. 42. Seja a um elemento de ordem 15 de um grupo qualquer G. Determine a ordem dos seguintes elementos de G: a 2, a 3, a 4, a 5, a Quantos subgrupos tem Z 20? Indique um gerador para cada um desses subgrupos. 44. Considere ( as permutações em S σ = ), e τ = ( (a) Calcule: στ, στ 2, τσ 2 e στσ 1. (b) Determine: ord σ e seguidamente calcule σ Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Uma função injectiva é uma permutação. (b) Toda a função de um conjunto finito em si próprio é injectiva. (c) O grupo simétrico S 10 tem 10 elementos. (d) O grupo simétrico S 3 é cíclico. (e) Se G é um grupo tal que todo o seu subgrupo próprio é abeliano, então G é abeliano. 46. Sejam G um grupo, a um elemento fixo de G e λ a : G G uma aplicação definida por λ a (g) = ag. Mostre que λ a é uma permutação do conjunto G. ).

7 Álgebra (Ciência de Computadores) Exprima a permutação (4 5 6)(3 4 5)(2 3 4)(1 2 3) como produto de ciclos disjuntos. 48. Determine a ordem de cada uma das seguintes permutações. (a) ( ); (b) (4 5)(2 3 7); (c) (1 4)( ). 49. Mostre que se σ é um ciclo cujo comprimento é um inteiro ímpar, então σ 2 é um ciclo. 50. Exprima cada uma das permutações do conjunto {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8} a seguir indicadas como produto de ciclos disjuntos e, em seguida, como produto de transposições. ( ) (a) ; ( ) (b) ; (c) ( ). 51. Construa a tabela da multiplicação do grupo alterno A Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Qualquer permutação é um ciclo. (b) Todo o ciclo é uma permutação. (c) A definição de permutação par poderia ser dada logo a seguir à definição de transposição. (d) As permutações ímpares de S 8 formam um subgrupo de S 8. (e) A 5 tem 120 elementos. (f) S n não é cíclico para nenhum n 1. (g) A 3 é abeliano. 53. Mostre que num subgrupo H de S n (n 2) ou todas as permutações são pares ou metade são pares.

8 Álgebra (Ciência de Computadores) Sejam G e G grupos e seja ϕ : G G um isomorfismo. Mostre que: (a) a imagem por ϕ de um subgrupo de G é um subgrupo de G ; (b) a imagem por ϕ de um elemento de ordem n de G é um elemento de ordem n de G ; (c) se G é abeliano, então G é abeliano. 55. Mostre que um grupo G é abeliano se e só se a aplicação ϕ : G G, definida por ϕ(x) = x 1, for um automorfismo. 56. Construa a tabela da multiplicação do subgrupo cíclico de S 5 gerado por ( ) ρ = Diga se o grupo que obteve é isomorfo a S Represente por A o conjunto de todos os elementos não nulos de A. Indique uma partição da seguinte colecção de grupos em subcolecções de grupos isomorfos. Z, + ; Z 6 ; Z 2 ; S 6 ; 17Z, + ; Q, + ; 3Z, + ; R, + ; S 2 ; R, ; R +, ; Q, ; C, ; o subgrupo π de R, ; o subgrupo de S 8 gerado por (1 3 4)(2 6). 58. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Quaisquer dois grupos de ordem 3 são isomorfos. (b) A menos de isomorfismo, há apenas um grupo cíclico de uma ordem finita dada. (c) Dois grupos finitos com o mesmo número de elementos são isomorfos. (d) Um grupo aditivo não pode ser isomorfo a um grupo multiplicativo. (e) R, + é isomorfo a um grupo de permutações. 59. Determine o número de classes laterais esquerdas dos subgrupo 18 de Z 36.

9 Álgebra (Ciência de Computadores) Mostre que se H é um subgrupo de um grupo abeliano G, então toda a classe lateral esquerda de H é também uma classe lateral direita. 61. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Todo o subgrupo de um grupo tem classes laterais esquerdas. (b) O número de classes laterais esquerdas de um subgrupo de um grupo finito divide a ordem do grupo. (c) Todo o grupo finito cuja ordem é um número primo é abeliano. (d) Um subgrupo de um grupo é uma classe lateral esquerda de si mesmo. (e) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 5 contém um subgrupo cíclico de ordem 5. (f) A n tem índice 2 em S n, para n > 1. (g) Um grupo quociente de um grupo abeliano é um grupo abeliano. (h) Qualquer grupo quociente de um grupo não abeliano é não abeliano. 62. Diga qual é a ordem dos grupos quociente seguintes: (a) Z 6 / 3 ; (b) (Z 4 Z 12 )/( 2 2 ). 63. Qual é a ordem da classe lateral do grupo quociente Z 12 / 4? 64. Seja G um grupo finito. Mostre que se G tem exactamente um subgrupo H de uma ordem dada, então H G. 65. Faça uma lista dos elementos de Z 2 Z 4. Determine a ordem de cada um deles e diga se o grupo dado é cíclico. 66. Mostre que o produto directo externo de grupos abelianos é abeliano. 67. A menos da ordem dos factores, escreva de todos os modos possíveis produtos directos de dois ou mais factores da forma Z n de tal modo que o produto resultante seja isomorfo a Z 60.

10 Álgebra (Ciência de Computadores) Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Só se pode formar o produto directo externo de grupos finitos. (b) Se G 1 e G 2 são grupos, G 1 G 2 é um grupo isomorfo a G 2 G 1. (c) Um grupo finito de ordem prima não pode ser o produto directo interno de dois subgrupos próprios não triviais. (d) Z 2 Z 4 é isomorfo a Z 8. (e) Z 2 Z 4 é isomorfo a S 8. (f) Z 4 Z 9 é isomorfo a Z 6 Z 6. (g) A ordem de Z m Z n é mn. (h) Z 4 Z 4 é isomorfo a Z 2 Z 8. (i) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 4 contém um subgrupo cíclico de ordem 4. (j) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 6 contém um subgrupo cíclico de ordem Considere os grupos aditivos Z e R, o grupo multiplicativo R = R \ {0}, e os grupos Z 2, Z 6 e Z 9. Diga quais das aplicações seguintes são homomorfismos e em caso afirmativo determine a imagem e o núcleo. (a) (b) (c) (d) (e) ϕ : Z R n n. ϕ : R Z x [x] (característica de x). ϕ : R R x x. ϕ : Z 6 Z 2 x x. ϕ : Z 9 Z 2 x x. 70. Seja G um grupo. Sendo ϕ : Z Z G um homomorfismo tal que ϕ(1, 0) = h e ϕ(0, 1) = k, determine ϕ(m, n).

11 Álgebra (Ciência de Computadores) Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Um homomorfismo é um isomorfismo do domínio sobre a imagem se e só se o seu núcleo se reduz ao elemento neutro. (b) A imagem de um grupo de 6 elementos por um homomorfismo pode ter 4 elementos. (c) A imagem de um grupo de 6 elementos por um homomorfismo pode ter 12 elementos. (d) Existe um homomorfismo de um grupo de 6 elementos num grupo de 12 elementos. (e) Existe um homomorfismo de um grupo de 6 elementos num grupo de 10 elementos. (f) Não existe um homomorfismo de um grupo infinito num grupo finito. 72. Determine os seguintes subgrupos de Z 12 : (a) 2, 3 ; (b) 4, 6 ; (c) 8, 6, Determine as classes de isomorfismo dos grupos abelianos de ordem 540. Exprima os grupos obtidos nas duas formas canónica do teorema fundamental. 74. Determine, a menos de isomorfismo, todos os grupos abelianos de ordem 720 e de ordem Exprima-os nas duas formas canónicas do teorema fundamental. 75. Quantos grupos abelianos (a menos de isomorfismo) existem de ordem: (a) 24? (b) 25? (c) 24 25?

12 Álgebra (Ciência de Computadores) Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Todo o grupo abeliano de ordem prima é cíclico. (b) Todo o grupo abeliano cuja ordem é potência de um número primo é cíclico. (c) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 5 contém um subgrupo cíclico de ordem 5. (d) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 4 contém um subgrupo cíclico de ordem 4 (e) Todo o grupo abeliano finito de ordem divisível por 6 contém um subgrupo cíclico de ordem 6. (f) Z 8 é gerado por {4, 6}. (g) Z 8 é gerado por {4, 5, 6}. 77. Mostre que o conjunto dos números reais {a + b 2 a, b Z} munido da soma e produto usuais de números reais constitui um anel. 78. Seja A, +, um anel com elemento um e seja U o conjunto dos elementos invertíveis de A. Mostre que U, é um grupo. 79. Construa a tabela da multiplicação do grupo multiplicativo dos elementos invertíveis de Z Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Se p é um número primo, então o anel Z p tem divisores de zero. (b) Se n > 1 é um inteiro positivo não primo, então o anel Z n tem divisores de zero. (c) É possível um subconjunto de um corpo ser um anel e não ser um subcorpo com as operações induzidas. (d) Os grupos 2Z e 3Z são isomorfos. (e) Os anéis 2Z e 3Z são isomorfos.

13 Álgebra (Ciência de Computadores) (f) Um subanel de um anel com elemento identidade 1 pode ter elemento identidade Mostre que o conjunto dos números reais {a + b 2 a, b Q} munido da soma e produto usuais de números reais constitui um corpo. 82. Um elemento a de um anel A diz-se idempotente se a 2 = a. Determine todos os idempotentes do anel das matrizes 2 2 de entradas inteiras. 83. Encontre todos os ideais I de Z 12. Para cada caso, determine Z 12 /I (i.e., para cada I determine um anel (conhecido) ao qual o anel quociente Z 12 /I é isomorfo). 84. Seja A um anel e I um ideal de A. Mostre que A/I é comutativo se e só se (rs sr) I para quaisquer r, s A. 85. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Q é um ideal de R. (b) Z é um ideal de Q. (c) 2Z é um ideal de Z. (d) Todo ideal de um anel é um subanel desse anel. (e) Um subanel de um anel A é um ideal de A. (f) Um anel quociente de um anel comutativo é um anel comutativo. (g) Um ideal I de um anel A com elemento um 1 é o próprio A se e só se 1 I. (h) Se um anel A tem divisores de zero, qualquer anel quociente de A tem divisores de zero. 86. Mostre que são isomorfos os anéis Z[ 2] = {a + b {( ) } 2 a, b Z} e a 2b A = a, b Z, com as operações usuais. b a 87. (a) Considere a aplicação ϕ : Z 5 Z 30 dada por ϕ(x) = 6x, x Z 5. Mostre que ϕ é um homomorfismo de anéis. (b) Dê exemplo de um homomorfismo de anéis ϕ : A B onde A tem elemento um, 1 A, tal que ϕ(1 A ) 0, mas ϕ(1 A ) não é o elemento um de B.

14 Álgebra (Ciência de Computadores) Mostre que a imagem de um idempotente por um homomorfismo de anéis é um idempotente. 89. Determine todos os homomorfismos de anéis Z Z. 90. Determine a forma reduzida e o inverso da forma reduzida de cada uma das seguintes palavras: (a) a 2 b 1 b 3 a 3 c 1 c 4 b 2 ; (b) a 2 a 3 b 3 a 4 c 4 c 2 a Quantos homomorfismos existem de um grupo livre em dois geradores em (a) Z 4? (b) Z 6? (c) S 3? 92. Diga, justificando, quais das afirmações seguintes são verdadeiras e (a) Todo o grupo tem uma apresentação. (b) Todo o grupo com uma apresentação finita tem ordem finita. (c) Todo o grupo cíclico tem uma apresentação com um único gerador. 93. Seja G = a, b a 2 = b 4 = 1, ab = b 3 a. (a) Exprima a 3 b 2 abab 3 na forma a i b j. (b) Exprima b 3 abab 3 a na forma b j a i. 94. Mostre que a, b, c a 2 = c 3 = b 5 = 1, ab 1 = c 3, a 1 ba = c é uma apresentação do grupo trivial (com um único elemento). 95. Mostre que a, b a 3 = b 2 = 1, ba = a 2 b é uma apresentação de S Mostre que, a menos de isomorfismo, existe um único grupo não abeliano de ordem 6, logo isomorfo a S 3.

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo).

1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 1 a Lista de Exercícios de Álgebra II - MAT 231 1. Prove que (a+b) c = a c+b c para todo a, b, c em ZZ /mzz. (Explique cada passo). 2. Seja A um anel associativo. Dado a A, como você definiria a m, m IN?

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

Resolução do 1 o exame

Resolução do 1 o exame 2013-14 Introdução à Álgebra Resolução do 1 o exame 1. Diga, em cada caso, se a afirmação é verdadeira ou falsa, justificando a sua resposta com uma demonstração, ou um contra-exemplo. Nesta questão, G

Leia mais

ANÉIS. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

ANÉIS. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Professora: Elisandra Bär de Figueiredo ANÉIS DEFINIÇÃO 1 Um sistema matemático (A,, ) constituído de um conjunto não vazio A e duas leis de composição interna sobre A, uma adição: (x, y) x y e uma multiplicação

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Tópicos de Matemática Elementar 2 a série de exercícios 2004/05. A seguinte prova por indução parece correcta, mas para n = 6 o lado esquerdo é igual a 2 + 6 + 2 + 20 + 30 = 5 6, enquanto o direito é igual

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO)

OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) ! #" $ %$!&'%($$ OS TEOREMAS DE JORDAN-HÖLDER E KRULL-SCHMIDT (SEGUNDA VERSÃO) Neste texto apresentaremos dois teoremas de estrutura para módulos que são artinianos e noetherianos simultaneamente. Seja

Leia mais

Anéis quocientes k[x]/i

Anéis quocientes k[x]/i META: Determinar as possíveis estruturas definidas sobre o conjunto das classes residuais do quociente entre o anel de polinômios e seus ideais. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011 Lic. em Ciências da Computação Matemática Discreta Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano - 2010/2011 1. Determine o quociente e o resto na divisão de: (a) 310156 por 197; (b) 32 por 45; (c)

Leia mais

ESTRUTURAS ALGÉBRICAS FICHA DE EXERCÍCIOS

ESTRUTURAS ALGÉBRICAS FICHA DE EXERCÍCIOS FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhanguene, Av de Moçambique, km 1, Tel: +58 1401078, Fa: +58 140108, Maputo ESTRUTURAS ALGÉBRICAS -01 FICHA DE EXERCÍCIOS

Leia mais

Grupos: Resumo. Definição 1.1 Um grupo é um conjunto G juntamente com uma operação binária. G G G (a, b) a b. (a b) c = a (b c) a e = e a = a

Grupos: Resumo. Definição 1.1 Um grupo é um conjunto G juntamente com uma operação binária. G G G (a, b) a b. (a b) c = a (b c) a e = e a = a 1 Grupos: Resumo 1 Definições básicas Definição 1.1 Um grupo é um conjunto G juntamente com uma operação binária que satisfaz os seguintes três axiomas: 1. (Associatividade) Para quaisquer a, b, c G, G

Leia mais

Aula 20 - Álgebra II. Como os corpos de decomposição de um polinómio, como vimos, são isomorfos

Aula 20 - Álgebra II. Como os corpos de decomposição de um polinómio, como vimos, são isomorfos Do trabalho de Vandermonde (1735-96), Lagrange (1736-1813), Gauss (1777-1855), Ruffini (1765-1822), Abel (1802-29) e, principalmente, de Galois (1811-32), sobre a existência de fórmulas resolventes de

Leia mais

GRUPOS ALGUNS GRUPOS IMPORTANTES. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo

GRUPOS ALGUNS GRUPOS IMPORTANTES. Professora: Elisandra Bär de Figueiredo Professora: Elisandra Bär de Figueiredo GRUPOS DEFINIÇÃO 1 Sejam G um conjunto não vazio e (x, y) x y uma lei de composição interna em G. Dizemos que G é um grupo em relação a essa lei se (a) a operação

Leia mais

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2/2

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/42 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares universidade de aveiro departamento de matemática Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica Agrupamento IV (ECT, EET, EI) Capítulo 1 Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Geometria anaĺıtica em R 3 [1 01]

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de Obs: tem exercícios na página 6. Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de G. Seja HN = {hn : h H, n N}. Então HN G, H N H e H/H N = HN/N.

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 8 DIVISIBILIDADE E CONGRUÊNCIA. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA MÓDULO 8 DIVISIBILIDADE E CONGRUÊNCIA. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA Professor Matheus Secco MÓDULO 8 DIVISIBILIDADE E CONGRUÊNCIA 1. DIVISIBILIDADE Definição: Sejam a, b inteiros com a 0. Diz-se que a divide b (denota-se por a b) se existe c inteiro tal que

Leia mais

uma breve introdução a estruturas algébricas de módulos sobre anéis - generalizando o conceito de espaço vetorial

uma breve introdução a estruturas algébricas de módulos sobre anéis - generalizando o conceito de espaço vetorial V Bienal da SBM Sociedade Brasileira de Matemática UFPB - Universidade Federal da Paraíba 18 a 22 de outubro de 2010 uma breve introdução a estruturas algébricas de módulos sobre anéis - generalizando

Leia mais

correspondência entre extensões intermédias de K M e subgrupos de Gal(M, K) chama-se correspondência de Galois.

correspondência entre extensões intermédias de K M e subgrupos de Gal(M, K) chama-se correspondência de Galois. Aula 21 - Álgebra II Estamos finalmente em condições de explicar como é que a teoria de Galois permite substituir problemas sobre polinómios por um problema em princípio mais simples de teoria dos grupos.

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo Aritmética das Classes Residuais Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1

. (1) Se S é o espaço vetorial gerado pelos vetores 1 e,0,1 QUESTÕES ANPEC ÁLGEBRA LINEAR QUESTÃO 0 Assinale V (verdadeiro) ou F (falso): (0) Os vetores (,, ) (,,) e (, 0,) formam uma base de,, o espaço vetorial gerado por,, e,, passa pela origem na direção de,,

Leia mais

Congruências e bases. a b (mod n) 4. (Compatibilidade com a soma e diferença) Podemos somar e subtrair membro a membro :

Congruências e bases. a b (mod n) 4. (Compatibilidade com a soma e diferença) Podemos somar e subtrair membro a membro : Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 6 Congruências e bases 1 Congruências Sejam a,b,n Z. Dizemos que a é congruente a b módulo n, e escrevemos

Leia mais

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0

1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC, calcule A = X 2 = 2X. 3. Mostre que se A e B são matrizes que comutam com a matriz M = 1 0 Lista de exercícios. AL. 1 sem. 2015 Prof. Fabiano Borges da Silva 1 Matrizes Notações: 0 para matriz nula; I para matriz identidade; 1. Conhecendo-se somente os produtos AB e AC calcule A(B + C) B t A

Leia mais

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aplicar as propriedades de ideais na resolução de problemas. Reconhecer a estrutura algébrica de

Leia mais

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas.

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas. Aula 10 O CONCEITO DE ANEL META Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. OBJETIVOS Definir, exemplificar e classificar anéis. Aplicar as propriedades dos

Leia mais

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006.

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006. Inteiros Inteiros. Congruência. Referência: Capítulo: 4 Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006 1 Números reais A relação binária em R é uma ordem parcial

Leia mais

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06.

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. 1. Seja A um domínio de integridade. Mostre que todo subgrupo finito de U(A) é cíclico. Seja K o corpo de frações de A. Então A é um subanel de K (identificado com

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG

Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos. Ana Cristina Vieira. Departamento de Matemática - ICEx - UFMG 1 Conceitos Básicos sobre Representações e Caracteres de Grupos Finitos Ana Cristina Vieira Departamento de Matemática - ICEx - UFMG - 2011 1. Representações de Grupos Finitos 1.1. Fatos iniciais Consideremos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Notas de aula 1. Título: Subgrupos finitos de. 2. Breve descrição da aula A aula

Leia mais

Soluções de exercícios seleccionados (capítulos 3 e 4)

Soluções de exercícios seleccionados (capítulos 3 e 4) Soluções de exercícios seleccionados (capítulos 3 e 4) 3.6. (d) Determine o inverso de θ 2 6θ + 8 na extensão simples Q(θ), onde θ 0 é tal que θ 4 6θ 3 + 9θ 2 + 3θ = 0. O polinómio x 4 6x 3 + 9x 2 + 3x

Leia mais

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1.

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1. Como seria de esperar, o Teorema Fundamental da Aritmética tem imensas consequências importantes. Por exemplo, dadas factorizações em potências primas de dois inteiros, é imediato reconhecer se um deles

Leia mais

Slides de apoio: Fundamentos

Slides de apoio: Fundamentos Pré-Cálculo ECT2101 Slides de apoio: Fundamentos Prof. Ronaldo Carlotto Batista 23 de fevereiro de 2017 Conjuntos Um conjunto é coleção de objetos, chamados de elememtos do conjunto. Nomeraremos conjuntos

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Inteiros e divisão Definição: Se a e b são inteiros com a 0, dizemos que a divide

Leia mais

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA Professora: Elisandra Figueiredo OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA DEFINIÇÃO 1 Sendo E um conjunto não vazio, toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição

Leia mais

Matemática- 2008/ Se possível, dê exemplos de: (no caso de não ser possível explique porquê)

Matemática- 2008/ Se possível, dê exemplos de: (no caso de não ser possível explique porquê) Matemática- 00/09. Se possível, dê exemplos de (no caso de não ser possível explique porquê) (a) Uma matriz do tipo ; cujos elementos principais sejam 0. (b) Uma matriz do tipo ; cujo elemento na posição

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p. Samuel Feitosa

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p. Samuel Feitosa XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 3 Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p Samuel Feitosa O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Semana Olímpica 2016 Polinômios

Leia mais

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel. juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2

Matrizes - Parte II. Juliana Pimentel.  juliana.pimentel. Sala Bloco A, Torre 2 Matrizes - Parte II Juliana Pimentel juliana.pimentel@ufabc.edu.br http://hostel.ufabc.edu.br/ juliana.pimentel Sala 507-2 - Bloco A, Torre 2 AB BA (Comutativa) Considere as matrizes [ ] [ 1 0 1 2 A =

Leia mais

Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares

Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares Capítulo 1 Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares ALGA 2007/2008 Mest Int Eng Biomédica Matrizes e sistemas de equações algébricas lineares 1 / 37 Definições Equação linear Uma equação (algébrica)

Leia mais

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4 Quarta Edição por William Stallings Capítulo 4 Corpos Finitos Na manhã seguinte, ao nascer o dia, Star entrou em casa, aparentemente ávida por uma lição. Eu

Leia mais

ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011

ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011 Uma Resolução ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011 1. Seleccione e transcreva para a sua folha de exame a única opção correcta: A fórmula proposicional (p q) (p q) é a) logicamente

Leia mais

Álgebra Linear Semana 04

Álgebra Linear Semana 04 Álgebra Linear Semana 04 Diego Marcon 17 de Abril de 2017 Conteúdo 1 Produto de matrizes 1 11 Exemplos 2 12 Uma interpretação para resolução de sistemas lineares 3 2 Matriz transposta 4 3 Matriz inversa

Leia mais

Exemplos (i) A adição + e a multiplicação são operações associativas e comutativas

Exemplos (i) A adição + e a multiplicação são operações associativas e comutativas Capítulo 1 Grupos 1.1 Grupóides, semigrupos e monóides Definição 1.1.1. Seja X um conjunto. Uma operação binária (interna) em X é uma função : X X X, (x, y) x y. Uma operação binária em X diz-se associativa

Leia mais

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis.

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS META Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. OBJETIVOS Reconhecer e classificar homomorfismos de anéis. Aplicar as propriedades básicas dos homomorfismos na resolução

Leia mais

Matrizes - Matemática II /05 1. Matrizes

Matrizes - Matemática II /05 1. Matrizes Matrizes - Matemática II - 00/0 1 Matrizes Introdução Se m e n são números naturais, chama-se matriz real de tipo m n a uma função A de nida no conjunto f(i; j) i f1; ; ; mg e j f1; ; ; ngg e com valores

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes Matemática II - 00/0 - Matrizes Matrizes Introdução Se m e n são números naturais, chama-se matriz real de tipo m n (m vezes n ou m por n) a uma função A : f; ; :::; mg f; ; :::; ng R: (i; j) A (i; j)

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 7. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula de Revisão e Aprofundamento. Prof.

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 7. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula de Revisão e Aprofundamento. Prof. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 7 Aula de Revisão e Aprofundamento Observação 1. É recomendável que o professor instigue seus alunos a pensarem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Coordenação de Matemática 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II - 214.1 Professor Márcio Nascimento 1. Sejam a G com o(a) = n 1 e m Z. Se a

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

Assumem-se alguns preliminares, nomeadamente: conhecimentos básicos de Teoria dos Números.

Assumem-se alguns preliminares, nomeadamente: conhecimentos básicos de Teoria dos Números. Curso de Álgebra II Introdução Estas notas incluem com algum pormenor os principais conceitos e resultados apresentados nas aulas teóricas, completados aqui e acolá com alguns exemplos, observações e exercícios.

Leia mais

a = bq + r e 0 r < b.

a = bq + r e 0 r < b. 1 Aritmética dos Inteiros 1.1 Lema da Divisão e o Algoritmo de Euclides Recorde-se que a, o módulo ou valor absoluto de a, designa a se a N a = a se a / N Dados a, b, c Z denotamos por a b : a divide b

Leia mais

CARACTERÍSTICA DE UM ANEL

CARACTERÍSTICA DE UM ANEL Professora: Elisandra Bär de Figueiredo CARACTERÍSTICA DE UM ANEL PROPOSIÇÃO 1 Seja A um anel com unidade. Se m, n Z, então (mn)1 A = (m1 A )(n1 A ). Seja A um anel. Considere o seguinte subconjunto de

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares FATEC Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares Prof Dr Ânderson Da Silva Vieira 2017 Sumário Introdução 2 1 Matrizes 3 11 Introdução 3 12 Tipos especiais de Matrizes 3 13 Operações

Leia mais

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática Segunda Lista de Exercícios de ITN: Números Inteiros Prof. Marnei Luis Mandler Segundo

Leia mais

Aulas práticas de Álgebra Linear

Aulas práticas de Álgebra Linear Ficha 2 Determinantes Aulas práticas de Álgebra Linear Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores 1 o semestre 2016/17 Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Base e Dimensão de um Espaço Vetorial. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Base e Dimensão de um Espaço Vetorial Prof. Susie C. Keller Base de um Espaço Vetorial Um conjunto B = {v 1,..., v n } V é uma base do espaço vetorial V se: I) B é LI II) B gera V Base de

Leia mais

EXAME DE ÁLGEBRA LINEAR (Semestre Alternativo, Alameda) GRUPO I

EXAME DE ÁLGEBRA LINEAR (Semestre Alternativo, Alameda) GRUPO I Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise EXAME DE ÁLGEBRA LINEAR (Semestre Alternativo, Alameda) (24/JUNHO/2005) Duração: 3h Nome de Aluno: Número de Aluno: Curso:

Leia mais

Sumário. 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra

Sumário. 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra Sumário 1 CAPÍTULO 1 Revisão de álgebra 2 Conjuntos numéricos 2 Conjuntos 3 Igualdade de conjuntos 4 Subconjunto de um conjunto 4 Complemento de um conjunto 4 Conjunto vazio 4 Conjunto universo 5 Interseção

Leia mais

Sistemas de Equações lineares

Sistemas de Equações lineares LEIC FEUP /4 Sistemas- Sistemas de Equações lineares SEL- Dado o sistema coeficientes + + + +, resolva-o invertendo a matriz dos SEL- SEL- Considere o seguinte sistema de equações lineares: + + + a + a

Leia mais

(Mini) Apostila de Teoria de Grupos. Dimiter Hadjimichef

(Mini) Apostila de Teoria de Grupos. Dimiter Hadjimichef (Mini) Apostila de Teoria de Grupos Dimiter Hadjimichef Porto Alegre 2012 1. Teoria de Grupos 1.1 Muitas definições... Definição 1: Grupo Um conjunto G = {a,b,c,...} é dito formar um grupo se existir uma

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec

Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec Universidade Federal de Goiás Regional Catalão - IMTec Disciplina: Álgebra I Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 11/03/2015 1. Prove que G é um grupo com a operação de multiplicação

Leia mais

1 Números Reais. 1. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): b) x+1. d) x 2, f) 4 x 4 2 x, g) 2 x2 (2 x ) 2, h)

1 Números Reais. 1. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): b) x+1. d) x 2, f) 4 x 4 2 x, g) 2 x2 (2 x ) 2, h) Números Reais. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): x a), x b) x+ +, x c) +x + x +x, d) x, e) ( x ), f) 4 x 4 x, g) x ( x ), h) 3 x 6 x, i) x x +, j) x x+ x, k) log

Leia mais

inteiros positivos). ˆ Uma matriz com m linhas e n colunas diz-se do tipo m n. Se m = n ( matriz quadrada), também se diz que a matriz é de ordem n.

inteiros positivos). ˆ Uma matriz com m linhas e n colunas diz-se do tipo m n. Se m = n ( matriz quadrada), também se diz que a matriz é de ordem n. Matrizes noções gerais e notações Definição Designa-se por matriz de números reais a um quadro do tipo a 11 a 12... a 1n a 21 a 22... a 2n...... a m1 a m2... a mn onde os elementos a ij (i = 1, 2,...,

Leia mais

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina):

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Seja A um domínio. Mostre que se A[X] é Euclidiano então A é um corpo (considere o ideal (a, X) onde

Leia mais

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF

Um Curso de Nivelamento. Instituto de Matemática UFF Introdução à Álgebra Linear Um Curso de Nivelamento Jorge Delgado Depto. de Matemática Aplicada Katia Frensel Depto. de Geometria Instituto de Matemática UFF Março de 2005 J. Delgado - K. Frensel ii Instituto

Leia mais

Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti. Lista 3 - Matrizes

Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti. Lista 3 - Matrizes Álgebra Linear - Prof. a Cecilia Chirenti Lista 3 - Matrizes. Sejam A = C = 0 3 4 3 0 5 4 0 0 3 4 0 3, B = 3, D = 3,. Encontre: a A+B, A+C, 3A 4B. b AB, AC, AD, BC, BD, CD c A t, A t C, D t A t, B t A,

Leia mais

Teoria dos anéis 1 a parte 3

Teoria dos anéis 1 a parte 3 A U L A Teoria dos anéis 1 a parte 3 Meta da aula Descrever a estrutura algébrica de anel como uma generalização de determinadas propriedades dos números inteiros. objetivos Ao final desta aula, você deverá

Leia mais

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4

x 1 3x 2 2x 3 = 0 2 x 1 + x 2 x 3 6x 4 = 2 6 x x 2 3x 4 + x 5 = 1 ( f ) x 1 + 2x 2 3x 3 = 6 2x 1 x 2 + 4x 3 = 2 4x 1 + 3x 2 2x 3 = 4 INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MAT-47 Álgebra Linear para Engenharia I Primeira Lista de Exercícios - Professor: Equipe da Disciplina EXERCÍCIOS. Resolva os seguintes sistemas:

Leia mais

Versão Preliminar. Álgebra Comutativa. Notas de Aula. Maria Eugenia Martin. Universidade de São Paulo São Paulo, 23 de novembro de 2014

Versão Preliminar. Álgebra Comutativa. Notas de Aula. Maria Eugenia Martin. Universidade de São Paulo São Paulo, 23 de novembro de 2014 Álgebra Comutativa Notas de Aula Maria Eugenia Martin Universidade de São Paulo São Paulo, 23 de novembro de 2014 S U M Á R I O 1 anéis e ideais 2 1.1 Teorema Chinês dos Restos 12 1.2 Exercícios 14 2 variedades

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

é um grupo abeliano.

é um grupo abeliano. Notas de aulas de Álgebra Moderna Prof a Ana Paula GRUPO Definição 1: Seja G munido de uma operação: x, y x y sobre G A operação sobre G é chamada de grupo se essa operação se sujeita aos seguintes axiomas:

Leia mais

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7 Decomposição de um número composto Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: 420 2 210 2 105 3 35 5 7 7 1 420= 2 2 X 3 X 5 X 7 Determinação do número de divisores de um número natural

Leia mais

Programa da disciplina de. Álgebra I

Programa da disciplina de. Álgebra I Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática Programa da disciplina de Álgebra I Curso da Licenciatura em Matemática Ano Lectivo 2005/2006 1. Corpo docente Aulas

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 18/Nov/2003 ÁLGEBRA LINEAR A

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 18/Nov/2003 ÁLGEBRA LINEAR A Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 18/Nov/2003 ÁLGEBRA LINEAR A REVISÃO DA PARTE III Parte III - (a) Ortogonalidade Conceitos: produto

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA - 7.º ANO DE MATEMÁTICA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de multiplicar e dividir números racionais relativos. No domínio da Geometria e Medida,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 7.º ANO DE MATEMÁTICA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de multiplicar e dividir números racionais relativos. No domínio da Geometria e Medida,

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

ALGORITMO DE EUCLIDES

ALGORITMO DE EUCLIDES Sumário ALGORITMO DE EUCLIDES Luciana Santos da Silva Martino lulismartino.wordpress.com lulismartino@gmail.com PROFMAT - Colégio Pedro II 25 de agosto de 2017 Sumário 1 Máximo Divisor Comum 2 Algoritmo

Leia mais

Números Reais. Gláucio Terra. Departamento de Matemática IME - USP. Números Reais p. 1/2

Números Reais. Gláucio Terra. Departamento de Matemática IME - USP. Números Reais p. 1/2 Números Reais Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Números Reais p. 1/2 Corpos DEFINIÇÃO Seja K um conjunto munido de duas operações, denotadas por + e. Diz-se que (K,

Leia mais

São tabelas de elementos dispostos ordenadamente em linhas e colunas.

São tabelas de elementos dispostos ordenadamente em linhas e colunas. EMENTA (RESUMO) Matrizes Matrizes, determinantes e suas propriedades, Multiplicação de matrizes, Operações com matrizes, Matrizes inversíveis. Sistemas de Equações Lineares Sistemas equações lineares,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA 1.º Período Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA 7.º ANO ANO LETIVO 2016/17 Números Racionais Números e operações NO7 Números racionais - Simétrico da soma

Leia mais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais

Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais Conjuntos Numéricos Conjunto dos números naturais É indicado por Subconjuntos de : N N e representado desta forma: N N 0,1,2,3,4,5,6,... - conjunto dos números naturais não nulos. P 0,2,4,6,8,... - conjunto

Leia mais

Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido

Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido Álgebra A - Aula 01 Algoritmo da divisão de Euclides e Algoritmo Euclideano estendido Elaine Pimentel Departamento de Matemática, UFMG, Brazil 2 o Semestre - 2010 Introdução Objetivo: estudar o método

Leia mais

Notas de Aula de Fundamentos de Matemática

Notas de Aula de Fundamentos de Matemática Universidade Estadual de Montes Claros Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Ciências Exatas Notas de Aula de Fundamentos de Matemática Rosivaldo Antonio Gonçalves Notas de aulas que

Leia mais

CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS

CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS Os números inteiros formam um conjunto, que notaremos por, no qual estão definidas duas operações, que chamaremos de adição

Leia mais

Ficha de Exercícios nº 3

Ficha de Exercícios nº 3 Nova School of Business and Economics Álgebra Linear Ficha de Exercícios nº 3 Transformações Lineares, Valores e Vectores Próprios e Formas Quadráticas 1 Qual das seguintes aplicações não é uma transformação

Leia mais

Trabalhos e Exercícios 1 de Álgebra Linear

Trabalhos e Exercícios 1 de Álgebra Linear Trabalhos e Exercícios de Álgebra Linear Fabio Iareke 30 de março de 0 Trabalhos. Mostre que se A tem uma linha nula, então AB tem uma linha nula.. Provar as propriedades abaixo:

Leia mais

dia 10/08/2010

dia 10/08/2010 Número complexo Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/n%c3%bamero_complexo dia 10/08/2010 Em matemática, os números complexos são os elementos do conjunto, uma extensão

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 11 - Seção 1.3 do livro texto da disciplina: Aritmética, A. Hefez,

Leia mais