A complexidade do conceito de interação mediada por computador: para além da máquina 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A complexidade do conceito de interação mediada por computador: para além da máquina 1"

Transcrição

1 ISSN A complexidade do conceito de interação mediada por computador: para além da máquina 1 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social PUCRS, RS Resumo A partir de uma análise sobre os conceitos de interação e interatividade, adota-se o termo interação para se referir à comunicação mediada por computador com base na perspectiva da Teoria da Complexidade, de Edgar Morin. A noção de complexidade é essencial para se compreender a rede social contemporânea em sua multidimensionalidade, ao reconhecer a força do imaginário e a chamada socialidade eletiva, de Michel Maffesoli, que leva os internautas a estabelecerem interações de variados tipos e escalas de intensidade por meio de mecanismos de identificação. Palavras-chave: interação mediada por computador, imaginário, Teoria da Complexidade. Interação mediada por computador: além da máquina A partir do título deste artigo, propõe-se uma reflexão sobre o conceito de interação mediada por computador enfatizando os aspectos socioculturais, econômicos e políticos envolvidos no processo de adoção das Tecnologias de Informação e de Comunicação (TICs), isto é, sob o prisma da Teoria da Complexidade, de Morin (2002a), considerada essencial para se compreender a rede social contemporânea em sua multidimensionalidade. Trata-se de um pensamento que busca pensar o contexto e o complexo tendo como pressuposto a necessidade de haver um pensamento que ligue o que está separado e fragmentado, capaz de, ao mesmo tempo, respeitar o diverso e reconhecer o uno, e que tente discernir as interdependências. Ainda nessa etapa introdutória, torna-se importante situar a escolha da palavra interação, neste artigo, para se referir à prática da comunicação mediada por computador em um período em que há uma nítida 1 O presente trabalho foi realizado com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq Brasil. 1

2 preferência pelo termo interatividade, concebido enquanto sinônimo de qualidade e de eficácia comunicativa no ambiente virtual. Nesse sentido, elabora-se uma perspectiva capaz de superar a dimensão técnica dos sistemas comunicacionais com o objetivo de investigar os diferentes usos das TICs em uma configuração societal baseada no paradigma estético (Maffesoli, 1998), a socialidade, mais especificamente a apropriação dessas tecnologias para fomentar laço social na cibercultura contemporânea através da formação de tribos virtuais. Um tipo de abordagem que exige, na concepção de Morin (2002a), uma mudança de olhar sobre todas as coisas, da física ao homo, devendo prevalecer uma visão multidimensional da realidade humana em meio a explicações mutiladoras e simplistas que se julgam racionais e que se estendem a diversas áreas do conhecimento, como a Comunicação Social e as pesquisas sobre mídia (Morin, 2004). Geralmente nos debates relacionados às tecnologias digitais destaca-se uma discussão sobre os conceitos de interação e interatividade. É quase unanimidade entre os estudiosos da temática, como Silva (2000), Lemos (2002) e Primo (2003), a afirmação de que o termo interatividade, embora constantemente utilizado, não seja muito bem compreendido, inclusive no âmbito da pesquisa acadêmica. Com a intenção de contribuir com o debate, Steuer (1992) argumenta que os meios de comunicação podem ser classificados em termos de interatividade, definida como a extensão que permite aos usuários participarem modificando a forma e o conteúdo em um ambiente mediado e em tempo real. Trata-se de uma definição articulada em torno do conceito de telepresença na comunicação mediada, por isso a ênfase nas propriedades do ambiente mediado e na própria relação dos indivíduos para com o ambiente. Lemos (2002), por sua vez, identifica três níveis de interação não excludentes: 1. interação social ou simplesmente interação entre os homens, que é necessária para formar sociedade; 2. interação analógicomecânica, que permite uma interação com a máquina, como os carros, por exemplo; e 3. interação eletrônico-digital, que possibilita ao usuário interagir não apenas com o objeto (a máquina ou a ferramenta), mas com a informação, o conteúdo, diferentemente dos media tradicionais. Nesse caso, o autor entende interatividade como interação digital ou enquanto uma ação dialógica entre o homem e a técnica, sendo que a tecnologia digital proporciona uma dupla ruptura - no modo de conceber a informação (baseado em processos microeletrônicos) e na maneira de difundir as informações (modelo Todos-Todos ), que é capaz de promover uma nova qualidade de interação. É interessante salientar que Lemos (2002) não fala de telepresença, mas comenta que a interatividade digital pode ser compreendida como um diálogo entre homens e máquinas através de uma zona de contato chamada interfaces gráficas e em tempo real. Observa-se que existem semelhanças entre as concepções de Steuer (1992) e Lemos (2002) sobre a questão da interatividade nas tecnologias digitais, a partir de um discurso voltado à valorização das potencialidades técnicas e do ambiente, cujo ápice é a realidade virtual. Apesar de Lemos (2002) mencionar que a cibercultura proporciona um revival de interações sociais tribais, importando muito mais hoje a interação social através das tecnologias do que a simples melhoria da relação homem-máquina, fica estabelecida uma contradição quando ele declara que os media digitais vão proporcionar uma nova qualidade de interação ou o que denomina interatividade. 2

3 Por esse viés, considera-se um tanto demasiado fazer referência à qualidade de interação, pois, sem dúvida, o que existe é uma qualificação técnica, ampliam-se os canais de comunicação e as possibilidades de uso, aumenta-se a velocidade da conexão e até de transmissão de conteúdo informativo. Todo esse aperfeiçoamento técnico agiliza a divulgação de notícias com o jornalismo on-line, por exemplo, mas que, de fato, não implica em uma melhora de qualidade nem sequer em se tratando de conteúdo noticiado. Afinal, as matérias continuam sendo redigidas por jornalistas que, devido à pressão do em tempo real, ficam cada vez mais sujeitos a cometerem erros. Conforme Adghirni (2002), o jornalista da era virtual é aquele que descobre pautas, investiga, apura e redige notícias pesquisando no próprio computador, sendo que determinados autores chamam a atenção para os riscos dessas práticas argumentando que a credibilidade da informação on-line é inversamente proporcional à sua velocidade. Acredita-se, portanto, que não exista uma relação direta entre avanço técnico e qualidade de conteúdo ou mesmo no modo de interagir. É óbvio que grande parte das empresas jornalísticas vale-se de recursos tecnológicos para conquistar o leitor: Os leitores também podem acessar bancos de dados, arquivos eletrônicos de edições passadas, fóruns de discussão e sistemas de bate-papo em tempo real, mecanismos de busca em classificados on-line, notícias atualizadas a todo instante e uma série de outros serviços, só possíveis graças ao suporte digital (Adghirni, 2002, p. 152). Já quando o objetivo é estabelecer um contato mais próximo com os leitores, o processo de interação é potencializado com a criação e manutenção de chat rooms, espaços de conversação em tempo real ou fóruns de discussão sobre tópicos específicos. É o que acontece com o jornal online Últimas Notícias do Portal Estadão, pertencente à Agência Estado 2, que, por meio de fóruns de discussão, convida o público a comentar as notícias publicadas. Mas se essa estratégia funciona, certamente, as razões que justificam a adesão de cada indivíduo encontram-se muito além da dimensão técnica, ou seja, superam as condições oferecidas pela máquina. Ao contrário, a motivação pessoal é responsável pelo interesse, e, conseqüentemente, pelo envolvimento do internauta, tratando-se de uma identificação, de certa proximidade com o assunto em pauta, seja no ambiente familiar, no grupo de amigos ou em decorrência da atividade profissional. O fator identificação é a mola propulsora do contato e das relações sociais, pessoais e/ou profissionais, estabelecidas no ambiente virtual, conforme pesquisa realizada por Corrêa (2005), que investigou uma comunidade técnica e científica reunida em uma lista de discussão sobre a temática gestão de recursos hídricos, vinculada à Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH). A autora concluiu que a lista foi criada com o objetivo de funcionar como um espaço de intercâmbio de informações sobre a área de recursos hídricos, porém, com o passar do tempo, foram sendo desenvolvidas relações afetivas entre os membros, refletindo na presença de sentimentos de solidariedade, de cooperação e de pertencimento a uma comunidade, elementos que ajudam a definir a lista ABRH-Gestão como uma comunidade virtual de caráter científico. 2 Disponível em: 3

4 O estudo de Corrêa (2005, p. 49) deixou evidente que a interação social é essencial para a construção de novos saberes, por meio da expressão de opiniões e sugestões, muitas vezes divergentes: [...] no interior da comunidade, os participantes podem e devem ter opiniões contraditórias e conflitantes, pois é uma forma saudável de verificar o grau de tolerância entre seus membros. Ademais, a pesquisa comprovou que a apropriação de qualquer tecnologia de comunicação na educação a distância ou enquanto ferramenta de auxílio na atividade de ensino e pesquisa, como salas de bate-papo, os chats, as listas, os fóruns e grupos de discussão, os sistemas de comunicação instantânea, messenger, só resultará em uma experiência bem sucedida se as pessoas envolvidas tiverem competência intelectual e interesse pessoal para se beneficiar. Afinal, nenhuma tecnologia sozinha é capaz de manter em plena efervescência uma lista de discussão por mais de cinco anos, uma vez que seu sucesso ou fracasso depende da participação dos membros da comunidade virtual imaginada (Corrêa, 2005). A complexidade do conceito de interação O processo de interação, mediado ou não por computador, na contemporaneidade segue uma lógica particular. Segundo Maffesoli (1996), as chamadas relações sociais, as da vida corrente, das instituições, do trabalho, do lazer, não são mais regidas por instâncias transcendentes, a priori e mecânicas; assim como não são mais orientadas por um objetivo a atingir, seja delimitado por uma lógica econômico-política ou determinado em função de uma visão moral. Tais relações sociais passam a ser estruturadas por meio de ações vividas no dia a dia, de uma maneira orgânica, e estão cada vez mais voltadas para o que é da ordem da proximidade. O laço social torna-se emocional. Dessa forma, elabora-se um modo de ser (ethos) no qual o que é experimentado com os outros passa a ser primordial, o simples fato de estar-junto é que faz a diferença, independentemente do tempo que esse contato durar. O momento presente ocupa um valor central na vida social. Este movimento é nomeado pelo autor de ética da estética, que se utiliza dos termos estética ou arte para descrever o ambiente geral de uma época em que nada mais é verdadeiramente importante, o que faz com que tudo adquira importância, sejam detalhes, fragmentos ou até mesmo pequenas coisas: O estilo de vida não é uma coisa inútil, pois é isso mesmo o que determina a relação com a alteridade: da simples sociabilidade (polidez, rituais, civilidade, vizinhanças...) à socialidade mais complexa (memória coletiva, simbólica, imaginário social). Ora, como apreender o estilo de uma época se não for através do que se deixa ver? (Maffesoli, 1996, p. 160). De acordo com Maffesoli (1998), é essa perspectivação estilística que permite dar conta da passagem da ordem política, que privilegiava os indivíduos e suas associações contratuais, à ordem da fusão, acentuando a dimensão afetiva e sensível; sendo essa cultura do sentimento e de compartilhamento de afetos estruturada pela lógica da comunicação, responsável por promover o laço ou a interação social. No cenário de uma cibercultura disseminada e consolidada por meio do uso crescente de tecnologias de comunicação, como a rede Internet, a estrutura da socialidade ganha destaque com a possibilidade das pessoas se encontrarem e se relacionarem via ciberespaço. Entre as diversas agregações sociais constituídas 4

5 na rede, distingue-se a formação das tribos virtuais, que tem como marcas essenciais a aparência, a imagem e também sentimentos de afeto e emoção. Para Maffesoli (1996, 1998), a noção de neotribalismo ou tribalismo é caracterizada pela fluidez, pelos ajuntamentos pontuais e pela dispersão, independente do interesse e da finalidade do encontro. Tudo o que liga ao presenteísmo, no sentido da oportunidade, tudo o que remete à banalidade e à força agregativa, numa palavra, à ênfase do carpe diem, hoje renascente, encontra na matriz estética um lugar de eleição. (1996, p. 55). Somente por meio do fenômeno do tribalismo é possível se descrever o espetáculo de profusão de estilos, de adereços e adornos que invadem as ruas nas megalópoles modernas e o próprio ciberespaço descentralizado e desordenado. Morin (2002b) colabora com a discussão ao enfatizar que é preciso se compreender a complexidade do real que também engloba paixões, pulsões e fantasmas, tornando-se indispensável resgatar e valorizar o ato criativo, a invenção e a força do imaginário enquanto aspectos essências na constituição do cotidiano. Para tanto, é fundamental a recuperação da legitimidade de outros discursos, como o poético, o mitológico, o religioso, que devem conviver lado a lado com o discurso científico, concebido enquanto mais uma forma de explicar o mundo e que é incapaz de responder a todas as manifestações constitutivas da vida. Na concepção do autor, a conscientização e o reconhecimento dos limites, incertezas, buracos negros, carências e mutilações do conhecimento não devem conduzir à renúncia ou à perturbação. É preciso levar em consideração também que o conhecimento e o pensamento dispõem de múltiplos meios para contornar as limitações, trabalhar com a incerteza, reconhecer os buracos negros, superar as carências e mutilações. Entre estes, destacam-se os meios práticos de investigação, prospecção, observação, manipulação, experimentação, verificação, que juntos permitem ligar as experiências objetivas à experiência pessoal do sujeito. A acumulação numa cultura dos resultados assim adquiridos constitui um saber transmissível entre as gerações; a sua acumulação numa vida pessoal constitui o que se chama justamente de experiência. (Morin, 1999, p. 251). Mais uma vez o termo interação mostra a sua força, pois são as possibilidades de trocas interindividuais que permitem, ainda, a comunicação e a conservação do saber, como o confronto e a discussão das observações, experiências e pontos de vista diversos. Ademais, o conhecimento e o pensamento dispõem de um poder de organização complexo que é próprio ao pensamento, permitindo ligar dialogicamente a luta contra a incerteza ao combate contra a certeza. Dessa maneira, o conhecimento necessita de modo conjunto e interdependente de experiência e de experiências, de confrontos, de diálogos, de debates, de discussões, de acordos e conflitos para lutar contra os seus inimigos internos e externos. Retomando o debate acadêmico em torno das expressões interação e interatividade, concorda-se com Silva (2000, p. 96) ao comentar que uma das críticas mais comuns é a que considera interatividade um argumento de venda : [...] a idéia de interatividade vem sempre associada a promessas, a garantias para o consumidor: mais sensorialidade, mais conversacional, mais encurtamento do tempo de resposta às ações do usuário, mais troca de ações, mais controle sobre acontecimentos. Mesmo que tais promessas 5

6 não sejam de todo enganosas, estão muito mais próximas de produzir o desgaste do termo no sentido da lógica da coisificação cuja intenção final é transformar tudo em mercadoria. Entretanto, a afinidade com o autor citado se encerra aqui porque ele defende que o termo interatividade, apesar de ser explorado pela indústria informática, carrega riqueza e complexidade que não estariam contempladas no conceito de interação. Silva (2000) interpreta como negativo o fato do campo semântico da palavra interação ser muito vasto, permitindo sua aplicação a uma série de disciplinas, passando pela física, química, sociologia, psicologia, biologia, comunicação, informática, entre outras. Certamente, essa constatação não representa nenhum problema, ao contrário, serve para ressaltar que as diversas experiências mundanas se desenvolvem a partir de interações, desde o funcionamento do ecossistema, que não é constituído [...] somente de partículas e de átomos, mas de seres vivos e de grupos de extrema diversidade e complexidade, que competem entre si e devoram-se. (MORIN, 2002b, p. 37); até a elaboração de um pensamento, resultante de intercomunicações aos bilhões de neurônios que se associam de maneira ocasional no cérebro. Ainda com relação aos pesquisadores dedicados ao tema interação e interatividade em redes computacionais, Primo (2003) apresenta uma concepção mais geral sobre a interação mediada por computador. Depois de investigar variados enfoques referentes à interatividade, nos quais observou uma carga tecnicista, e de estudar a pragmática da comunicação interpessoal, o autor decide adotar o termo interação entendido como uma ação entre os participantes do encontro. Assim, o foco de análise está centrado na relação estabelecida entre os interagentes, e não nas partes que compõem o sistema global. Para tanto, são definidos dois tipos de interação mediada por computador, segundo uma abordagem sistêmico-relacional, e que podem ocorrer simultaneamente: a interação mútua, na qual os interagentes reúnem-se em torno de contínuas problematizações, existindo modificações recíprocas dos interagentes durante o processo; e interação reativa, que depende da previsibilidade e da automatização nas trocas baseadas em relações potenciais de estímulo-resposta por pelo menos um dos envolvidos na interação. Dentre as concepções de interação e de interatividade citadas ao longo deste trabalho, a proposta defendida neste artigo apresenta certa proximidade com a definição de Primo (2003) em decorrência da escolha da palavra interação, feita mediante uma análise mais acurada sobre o termo, distanciando-se do senso comum ou de uma visão estritamente mercadológica, tendo como preocupação examinar a forma de apropriação das tecnologias, que podem ser usadas, por exemplo, na escrita coletiva. Entretanto, é com base no pressuposto de que a vida em sua multidimensionalidade se constitui e se renova por meio de processos de interação, que comportam diversidade, multiplicidade, concorrência, solidariedade, antagonismo e ainda complementaridade (Morin, 2002b), que se opta pelo termo interação para se referir à prática comunicacional que ocorre mediada por computador. Desse ponto de vista, afasta-se qualquer hipótese de se trabalhar com a noção de interatividade, ao entender que o termo é usualmente empregado enquanto um artifício publicitário para divulgar determinados produtos da chamada era digital e, portanto, não remete a nenhuma inovação que justifique com propriedade sua adoção. Nesse caso, trata-se de uma expressão que povoa o imaginário tecnológico de um homem que, paradoxalmente, busca cada vez mais apoio na técnica para tentar aumentar e melhorar a capacidade do 6

7 corpo humano, discurso propalado por McLuhan (1964) ao conceber os meios de comunicação como extensões do homem. Vale ressaltar que esse tipo de discurso pode perfeitamente ser aplicado a diversas tecnologias, como as próteses desenvolvidas na área da saúde e que são utilizadas tanto para complementar partes do organismo quanto para substituir totalmente membros do corpo humano. Nesse cenário, sobressai a força do imaginário como elemento essencial em todas as fases da vida. O imaginário faz agir, é uma pulsão, estabelece uma maneira de se expressar, de se comportar, é uma marca que reforça a fascinação pela técnica, motivada, sobretudo, por um desejo do homem de superar a própria condição humana. Ademais, é fundamental reconhecer, nos dias de hoje, o predomínio de uma forma particular de se relacionar com as coisas do mundo, regida pela lógica da identificação, que é muito mais coletiva e que permite a valorização do cotidiano, do estar-junto, da aparência e da imagem. Existe uma condição de possibilidade de toda experiência social, seja ela banal, científica, literária ou artística, que é como um fundamento incontornável. É o que legitima as múltiplas conformidades com uma época, culminando nos conformismos conhecidos. [...] Trata-se do vaivém que já analisei: da massa à tribo, da conformidade ao conformismo. Os períodos de fundação cultural, em particular, vivem de um modo interno esse vaivém, pois são épocas em que a reação contra valores usados elabora novas maneiras de ser coletivas (Maffesoli, 1996, p ). Essa vida cotidiana, em sua frivolidade e superficialidade, é o que torna viável qualquer forma de agregação, seja ela qual for. Além disso, embora a lógica da identidade, que há séculos serve de eixo à ordem econômico-política e social, ainda continue a funcionar nos dias de hoje, ela não é capaz de explicar a socialidade contemporânea. Nesse sentido, Maffesoli (1998) se apropria da noção de estética para abordar as atitudes sociais na pós-modernidade, uma vez que não se pode deixar de assinalar a eflorescência e a efervescência do tribalismo que, sob as mais variadas formas, recusa reconhecer-se em qualquer projeto político e tem como única razão de ser a preocupação com um presente vivido coletivamente. Desse ponto de vista, entende-se o fato do indivíduo poder participar de tribos virtuais como uma estratégia para formar socialidade no ciberespaço ou cibersocialidade, isto é, representa uma oportunidade de desfrutar o momento presente e, acima de tudo, poder compartilhar um imaginário coletivo, promovendo o ressurgimento do cultural na vida social, num verdadeiro processo de reencantamento do mundo, como propõe Maffesoli (1996). Considerações finais O reconhecimento de uma socialidade eletiva ajuda a compreender a relação do homem com a técnica, quando as pessoas navegam no ciberespaço não em busca de interatividade, mas para estabelecer interações dos mais variados tipos e escalas de intensidade, seja com os indivíduos ou com os recursos técnicos. Nesse caso, não há motivo para dar ênfase à performance da máquina e das redes de computação enquanto promotora de interatividade, uma vez que as ações humanas são desencadeadas e estimuladas, consciente ou inconscientemente, pela força do imaginário e pela necessidade intrínseca de estabelecer socialidade. 7

8 Por outro lado, não é possível negar diante do panorama contemporâneo que a presença das tecnologias de comunicação e das redes de computação pode estimular o imaginário do homem, uma rede etérea e movediça de valores e de sensações partilhadas concreta ou virtualmente, que se difunde por meio de tecnologias próprias denominadas por Silva (2003) tecnologias do imaginário. Tais tecnologias funcionam como dispositivos de produção de mitos, de visões de mundo e de estilos de vida. São elementos que interferem na consciência e nos territórios afetivos aquém e além dela, mas não são imposições, uma vez que as tecnologias do imaginário trabalham pela povoação do universo mental analisado como um território de sensações fundamentais. Ademais, uma nova tecnologia só pode ajudar a motivar o potencial criativo, o imaginário de uma pessoa se ela tiver interesse, assim como capacidade cultural e educacional para usufruir a ferramenta, pois nenhuma tecnologia é capaz de transformar um indivíduo não criativo em criativo ou de melhorar a forma de comunicar de uma pessoa não comunicativa. As TICs podem funcionar como força impulsionadora da criatividade humana, da imaginação, podem motivar o contato e a aproximação entre as pessoas, mas somente se elas quiserem. Não se trata de algo determinante, pois a Internet, como qualquer outra mídia, não tem esse poder de manipular o público. Em outras palavras, é urgente a compreensão da complexidade envolvida nos fenômenos comunicacionais para se abandonar definitivamente a noção de que a mídia é manipuladora, representa o mal e influência o receptor com programas de má qualidade. Afinal, já está na hora de se reconhecer que a mídia não inventou o mal, pois a própria existência comporta uma parte lúdica, já que não se vive apenas de trabalho e de obrigações. Morin (2005) faz um alerta para não se esquecer que a concepção de homo sapiens-fabereconomicus é mutiladora na medida em que só vê um ser realista diante da materialidade do mundo exterior, ocultando a enorme parte do imaginário humano. Referências ADGHIRNI, Z. L Jornalismo on-line e identidade profissional do jornalista. In: L. G., MOTTA (Org.). Imprensa e poder. Brasília, Universidade de Brasília. São Paulo, Imprensa Oficial do Estado, p CORRÊA, C. H. W Interação Social da Comunidade Científica no Ciberespaço: Estudo da lista de discussão ABRH-Gestão. Dissertação de Mestrado em Comunicação e Informação, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, UFRGS, Porto Alegre, 118 p. LEMOS, A Cibercultura, Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre, Sulina. MAFFESOLI, M No Fundo das Aparências. Petrópolis, Vozes O Tempo das Tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro, Forense Universitária. 8

9 MCLUHAN, M Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. São Paulo, Cultrix. MORIN, E O Método 3. O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre, Sulina a. O Método 1. A natureza da natureza. Porto Alegre, Sulina b. O Método 2. A vida da vida. Porto Alegre, Sulina A Comunicação pelo meio (teoria complexa da comunicação). In: F. M., MARTINS; J. M., SILVA (Org.). A Genealogia do Virtual: comunicação, cultura e tecnologias do imaginário. Porto Alegre, Sulina, p O Método 5. A humanidade da humanidade. Porto Alegre, Sulina. PRIMO, A Enfoques e desfoques no estudo da interação mediada por computador. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES EM COMUNICAÇÃO, 26., Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, PUCMG, SILVA, J. M. da As Tecnologias do Imaginário. Porto Alegre, Sulina. SILVA, M Sala de aula interativa. Rio de Janeiro, Quarter, p STEUER, J Defining virtual reality: dimensions determining telepresence. Journal of Communication, 42(4):72-93, Aut Disponível em: defining.pdf, acesso em 10/04/

O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE

O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE Maria Cândida Moraes 1 PUC/SP/Brasil Depois de mais de 20 anos participando de processos de planejamento e de coordenação de políticas públicas relacionadas ao uso das

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia Zélia de

Leia mais

A INSERÇÃO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA DOCENTE: FAZENDO O MESMO DE FORMA DIFERENTE

A INSERÇÃO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA DOCENTE: FAZENDO O MESMO DE FORMA DIFERENTE A INSERÇÃO DE TECNOLOGIAS NA PRÁTICA DOCENTE: FAZENDO O MESMO DE FORMA DIFERENTE Glaucia da Silva Brito - UFPR Raul Kleber de Souza Boeno - UFPR Renate Kottel Boeno - UFPR Resumo: Neste artigo apresentamos

Leia mais

profissional técnica de nível médio

profissional técnica de nível médio As novas diretrizes curriculares nacionais para a educação básica e suas implicações na educação profissional técnica de nível médio Francisco Aparecido Cordão * Resumo O artigo apresenta o arcabouço legal

Leia mais

PCN. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Ensino Médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais

PCN. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Ensino Médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais PCN Ensino Médio Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais Ciências Humanas e suas Tecnologias Sumário A reformulação do ensino médio e as áreas do conhecimento 7 A

Leia mais

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em

A cultura da comunicação interna está cada vez mais consolidada em nosso mercado e as organizações sensíveis para o tema colocam-se com destaque em 2 Abertura O Caderno de Comunicação Organizacional intitulado Como entender a Comunicação Interna é uma contribuição da Associação Brasileira das Agências de Comunicação Abracom ao mercado. Neste caderno,

Leia mais

A Educação Física na Educação Infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança

A Educação Física na Educação Infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança A Educação Física na Educação Infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança ANDRÉIA PAULA BASEI Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria,

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 1 INTRODUÇÃO Enquanto aluna do curso de pós-graduação em Educação Física Escolar e atuando

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NUMA SOCIEDADE SEM EMPREGOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NUMA SOCIEDADE SEM EMPREGOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NUMA SOCIEDADE SEM EMPREGOS CELSO JOÃO FERRETTI Pesquisador da Fundação Carlos Chagas e Professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade da

Leia mais

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DE REDE

A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DE REDE A INTERAÇÃO SOCIAL DESCRITA POR VIGOTSKI E A SUA POSSÍVEL LIGAÇÃO COM A APRENDIZAGEM COLABORATIVA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DE REDE Elisângela de Fátima Fernandes de Mello UPF Adriano Canabarro Teixeira

Leia mais

Tecnologia educacional : descubra suas possibilidades na sala de aula Thiagarajan e Pasigna Começo de conversa Lévy Libâneo

Tecnologia educacional : descubra suas possibilidades na sala de aula Thiagarajan e Pasigna Começo de conversa Lévy Libâneo LEITE, Lígia Silva. (Coord.). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala de aula. Colaboração de Cláudia Lopes Pocho, Márcia de Medeiros Aguiar, Marisa Narcizo Sampaio. 2. Ed. Petrópolis-RJ:

Leia mais

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001.

SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. SILVA, Bento (2001). A tecnologia é uma estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho

Leia mais

CIÊNCIA, METODOLOGIA E TRABALHO CIENTÍFICO (ou Tentando escapar dos horrores metodológicos)

CIÊNCIA, METODOLOGIA E TRABALHO CIENTÍFICO (ou Tentando escapar dos horrores metodológicos) CIÊNCIA, METODOLOGIA E TRABALHO CIENTÍFICO (ou Tentando escapar dos horrores metodológicos) Ruben Araujo de Mattos Este texto integra o material Caminhos para análise de políticas de saúde, produzido com

Leia mais

Palavras-chave: Paradigmas. Epistemologia. Abordagens Epistemológicas. Estudos Organizacionais.

Palavras-chave: Paradigmas. Epistemologia. Abordagens Epistemológicas. Estudos Organizacionais. Abordagem Multiparadigmática em Estudos Organizacionais: indo muito mais além da visão hegemônica Resumo Nerio Amboni 1 Daniel Ouriques Carminha 2 O artigo tem por objetivo discutir as implicações das

Leia mais

ALGUNS TERMOS E CONCEITOS PRESENTES NO DEBATE SOBRE

ALGUNS TERMOS E CONCEITOS PRESENTES NO DEBATE SOBRE ALGUNS TERMOS E CONCEITOS PRESENTES NO DEBATE SOBRE RELAÇÕES RACIAIS NO BRASIL: UMA BREVE DISCUSSÃO Nilma Lino Gomes INTRODUÇÃO A discussão sobre relações raciais no Brasil é permeada por uma diversidade

Leia mais

O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES

O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA PRÓ-REITORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Curso de Especialização em Administração Judiciária Célia Maria Pontes O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Fortaleza

Leia mais

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica

Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Professores em rede: demandas de formação continuada docente para a inserção das tecnologias de informação e comunicação na prática pedagógica Maestros en línea: Demandas de formación contínua para la

Leia mais

história e comunicação na nova ordem internacional maximiliano martin vicente

história e comunicação na nova ordem internacional maximiliano martin vicente história e comunicação na nova ordem internacional maximiliano martin vicente HISTÓRIA E COMUNICAÇÃO NA NOVA ORDEM INTERNACIONAL MAXIMILIANO MARTIN VICENTE HISTÓRIA E COMUNICAÇÃO NA NOVA ORDEM INTERNACIONAL

Leia mais

Educação: um tesouro a descobrir. Jacques Delors e José Carlos Eufrazio

Educação: um tesouro a descobrir. Jacques Delors e José Carlos Eufrazio Educação: um tesouro a descobrir. Jacques Delors e José Carlos Eufrazio CAPÍTULO 1 DA COMUNIDADE DE BASE À SOCIEDADE MUNDIAL Hoje em dia, grande parte do destino de cada um de nós, quer o queiramos quer

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO

2º Bimestre. Disciplina: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA EM PRODUÇÃO DE MODA CAMPUS V - DIVINÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO

Leia mais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais

A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais A responsabilidade social e o Serviço Social nas organizações empresariais Maria José de Oliveira Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, MJO. As empresas familiares da cidade de Franca:

Leia mais

INTRODUÇÃO. no mundo do trabalho e suas repercussões nas reformas educacionais 1

INTRODUÇÃO. no mundo do trabalho e suas repercussões nas reformas educacionais 1 INTRODUÇÃO O estudo e a análise crítica da relação entre as transformações produtivas, as mudanças no mundo do trabalho e suas repercussões nas reformas educacionais 1 são de relevância indiscutível para

Leia mais

$% &&' ()*%+*%,& &%&+- *'.%&&+++&

$% &&' ()*%+*%,& &%&+- *'.%&&+++& $/% 01' +&*%+* & &%&+0%&-&++2 +&%0& *'!"#$%&'() $"*!"+,,!- (,,!-!-) (!"!"./!-,,,!-,!"0) ",!-$%!",,!-)0,!-$%,,!- 1(,)!-,!,!-,12 3,# &)4,5,,1!" () ++ %1% $16#%$&,)% (,1,,,7 1) 2 16 116117 2 16,,7 6)%62 1,,

Leia mais

educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta

educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta educação permanente em saúde para os trabalhadores do sus fernanda de oliveira sarreta EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE PARA OS TRABALHADORES DO SUS FERNANDA DE OLIVEIRA SARRETA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Leia mais

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens

Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Evolução dos Recursos Humanos nas Empresas? Da Retórica às Práticas Antigas com Novas Roupagens Autoria: Carolina Goyatá Dias, Fernanda Tarabal Lopes, Werner Duarte Dalla Resumo: Busca-se analisar como

Leia mais

A construção social e psicológica dos valores

A construção social e psicológica dos valores A construção social e psicológica dos valores Prof. Dr. Ulisses F. Araújo, Universidade de São Paulo A discussão sobre a construção social e psicológica dos valores, neste texto, localiza-se na intersecção

Leia mais

Guia de Orientações Metodológicas Gerais

Guia de Orientações Metodológicas Gerais Guia de Orientações Metodológicas Gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Fundamental Programa de Formação de Professores Alfabetizadores Guia de Orientações Metodológicas Gerais JANEIRO 2001

Leia mais

Claude RAYNAUT * RESUMO ABSTRACT

Claude RAYNAUT * RESUMO ABSTRACT Meio ambiente e desenvolvimento: construindo um novo campo do saber a partir da perspectiva interdisciplinar The environment and development: building a new field of knowledge based on the interdisciplinary

Leia mais