FAQs Projecto Factura Electrónica Índice

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAQs Projecto Factura Electrónica Índice"

Transcrição

1 FAQs Projecto Factura Electrónica Índice 1) O que é a factura electrónica? ) O que significa a certificação legal nestas facturas? ) Como se obtém a assinatura digital e que garantias ela nos dá? É possível adulterar a factura? ) A quem se destina? ) A factura electrónica tem custos adicionais para o cliente? ) Quem aderir a este sistema continua a receber factura pelos CTT? ) O formato desta nova factura é diferente da enviada pelos CTT? ) É possível adulterar a factura? ) Qual a diferença entre a factura electrónica e a factura online? ) Que modos de pagamento permite a factura electrónica? ) Que outras empresas em Portugal emitem já facturas electrónicas? ) Que empresas estão por trás deste projecto? ) A Factura electrónica é segura? ) O que é a certificação digital? ) O que é um certificado Digital? ) Pode-se falsificar um certificado? ) O que são chaves públicas? E chaves privadas? Para que servem? ) O que se entende por criptografia de chave pública? ) O que é a assinatura electrónica? ) O que é a assinatura digital? ) O que é um documento electrónico? ) O que é que se garante com a assinatura digital de um documento?.7 1

2 1) O que é a factura electrónica? O Decreto-Lei 256/2003 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva 2001/115/CE, tendo em vista simplificar, modernizar e harmonizar as condições aplicáveis à facturação em matéria de IVA e no que concerne, particularmente, à transmissão e à conservação de facturas por meios electrónicos. De entre esses aspectos, destaca-se o estabelecimento de uma lista harmonizada de elementos que devem obrigatoriamente constar das facturas emitidas pelos sujeitos passivos do imposto, de regras relativas à sua elaboração, arquivamento e conservação, incluindo a respectiva transmissão e conservação por meios electrónicos e, tendo como objectivo final a desmaterialização das facturas, isto é, a supressão da produção, circulação e arquivo das facturas em suporte de papel. 2) O que significa a certificação legal nestas facturas? Tal como hoje a assinatura autógrafa é utilizada em documentos papel, as assinaturas digitais são utilizadas para identificar a origem/remetente de documentos (ou transacções) electrónicos. As assinaturas digitais: Autenticam a identidade de quem assinou os dados permitindo assim confirmar quem participou numa determinada transacção, e se essa transacção é válida ou foi forjada. Protegem a integridade dos dados, permitindo validar que a mensagem recebida não sofreu alterações, quer acidentalmente, quer maliciosamente. Provam a posteriori quem participou numa transacção (denominado por "não-repúdio") - assim ninguém pode negar que enviou ou recebeu determinada informação. Para assinar digitalmente qualquer tipo de informação electrónica, a fim de comprovar inequivocamente a autoria dessa mesma informação, o remetente possui um certificado digital (emitido por uma entidade certificadora de confiança), único e pessoal, que comprove indubitavelmente a sua identidade no mundo electrónico. 3) Como se obtém a assinatura digital e que garantias ela nos dá? É possível adulterar a factura? A assinatura digital de uma mensagem/documento é efectuada através de um processo matemático que calcula um hash da mensagem e a cifra com a chave privada do emissor - a isto chama-se assinatura digital. Qualquer receptor (normalmente o software que permite visualizar uma mensagem/documento assinado digitalmente) pode recalcular o hash da mensagem, decifrar a assinatura com a chave pública do emissor e, se os dois hash forem iguais, o receptor tem a garantia que foi cifrada com a chave privada correspondente e que a mensagem/documento não foi alterada. Caso a factura seja adulterada, o software que permite a visualização do mesmo, fornecerá essa informação ao receptor da factura. 2

3 4) A quem se destina? A Factura Electrónica destina-se aos clientes da PT-Comunicações, PT-Prime, Sapo ADSL, Telepac, TV-Cabo e TMN 5) A factura electrónica tem custos adicionais para o cliente? A Factura Electrónica visa proporcionar aos clientes uma forma mais fácil de acesso e arquivo das suas facturas, substituindo o tradicional papel, não se traduzindo em qualquer custo adicional. 6) Quem aderir a este sistema continua a receber factura pelos CTT? Os clientes que optem por este meio prescindem do tradicional envio por via postal da factura em suporte papel 7) O formato desta nova factura é diferente da enviada pelos CTT? Não, a factura é rigorosamente igual à que os clientes recebiam pelo processo tradicional, podendo o cliente proceder à sua impressão local, se considerar necessário. 8) É possível adulterar a factura? No seu formato electrónico não. A assinatura digital utiliza toda a informação do documento electrónico, assim qualquer alteração do conteúdo será detectável no processo de validação da assinatura electrónica. 9) Qual a diferença entre a factura electrónica e a factura online? Factura Electrónica: Documento que o Cliente recebe via e que substitui a factura em papel, igualmente disponibilizado para visualização e/ou download a partir de um repositório electrónico central. Factura On-Line: entende-se a informação à qual o Cliente acede via site (depois de devidamente autenticado), e que permite visualizar os seus consumos on-line, possibilitando ainda pesquisas, análises e estatísticas de consumo diversas. 10) Que modos de pagamento permite a factura electrónica? Todos os válidos na tradicional factura em papel. 11) Que outras empresas em Portugal emitem já facturas electrónicas? Não temos conhecimento de projectos com esta abrangência, embora existam algumas iniciativas no âmbito b2b. 3

4 12) Que empresas estão por trás deste projecto? A definição da arquitectura global foi efectuada pela PT, sendo o desenvolvimento assegurado pela PT-SI, que contou como parceiros, a E.docs (Package líder de mercado na área de bill presentation e customer service) e a Multicert, entidade responsável por toda a componente de certificação digital. 13) A Factura electrónica é segura? As facturas ou documentos equivalentes quando emitidas por via electrónica, utilizam tecnologia de certificação electrónica/digital que permite garantir a autenticidade da sua origem e a integridade do seu conteúdo, mediante assinatura electrónica avançada. O certificado electrónico que contém os dados necessários para a verificação da assinatura electrónica do emissor é comunicado ao destinatário das facturas (acompanha a assinatura electrónica de cada documento, possibilitando que a validação da mesma seja efectuada pelo software utilizado para visualizar a factura). 14) O que é a certificação digital? A utilização de Certificados Digitais emitidos por uma entidade de confiança, possibilita a criação de um clima de segurança entre duas entidades que desejem relacionar-se por via electrónica. Um Certificado Digital permite que entidades diversas, mesmo que nunca se tenham encontrado no Mundo Físico, se identifiquem mutuamente e inequivocamente no Mundo Virtual, efectuem trocas de informação com confidencialidade, com a garantia de que as mensagens enviadas não são alteradas (integridade) e identificando a autoria de mensagens (identificação e não repúdio). 15) O que é um certificado Digital? Os Certificados Digitais são o elemento base de uma Infra-estrutura de Chave Pública (PKI - Public Key Infrastructure), que se baseia na utilização de algoritmos de criptografia assimétrica. Cada elemento/utente de uma infra-estrutura de chaves públicas possui um par de chaves (privada e pública), e através da utilização de uma ou de outra, consegue-se garantir a Autenticação, Integridade, Não-repúdio e Confidencialidade. Este par de chaves (chave pública/chave privada) não tem qualquer associação directa a uma entidade - é simplesmente um conjunto de números. Para relacionar inequivocamente uma entidade com um par de chaves, é necessária uma terceira entidade de confiança. Esta entidade é denominada por Entidade Certificadora. A Entidade Certificadora cria e assina um certificado digital - documento electrónico que associa inequivocamente a identidade de um entidade a uma chave pública. Um certificado é constituído genericamente por um identificador único (ID), o nome da entidade (empresa, particular ou objecto) titular (em casos especiais poderá ser anónimo), chave pública do titular, data de emissão, limite de validade, entidade emissora do certificado, entidade de 4

5 registo do certificado, CPS (Certificate Practice Statement) e outros dados entre os quais se pode incluir o endereço , dados da entidade (localidade, país, morada). Deste modo, um certificado digital pode ser utilizado como forma de identificação digital, como se de um passaporte ou bilhete de identidade electrónico se tratasse, podendo igualmente ser utilizado para efectuar transacções electrónicas seguras em redes abertas/inseguras, assinar digitalmente documentos, e disponibilizar outros mecanismos para fins de confidencialidade. 16) Pode-se falsificar um certificado? Um certificado não se pode falsificar, já que estão assinados pela Entidade de Certificação. Se algum dado for modificado, a assinatura não corresponderia aos dados que foram assinados, pelo que o software de validação dará uma mensagem de erro. 17) O que são chaves públicas? E chaves privadas? Para que servem? A criptografia de chave assimétrica caracteriza-se pela existência de um par de chaves por titular: chave privada e chave pública. A chave privada é utilizada pelo titular para decifrar as mensagens cifradas com a sua chave pública, enviadas por terceiros. Também é utilizada para assinar digitalmente as mensagens que envia para terceiros. A chave pública é utilizada por terceiros para enviar mensagens cifradas ou para verificarem a assinatura digital das mensagens recebidas. 18) O que se entende por criptografia de chave pública? A Criptografia é a ciência de disfarçar informação através de processos de codificação, e de repor essa mesma informação no seu estado original através de processos de descodificação. Num sistema de criptografia de chaves públicas (ou criptografia assimétrica) são usadas duas chaves distintas para cifrar e decifrar uma mensagem. Cada titular tem um par de chaves que estão relacionadas matematicamente, mas que não podem ser obtidas uma da outra; uma das chaves (chave privada ou secreta) nunca sai da posse do titular, enquanto que a outra (chave pública) é disponibilizada publicamente. Qualquer informação que seja cifrada com uma das chaves só poderá ser decifrada com a outra. Adicionalmente, a Teoria da Criptografia Assimétrica garante-nos que embora o par "chave pública/chave privada" esteja matematicamente relacionado, é computacionalmente impossível derivar o conteúdo de uma chave através do conhecimento da outra. Isto possibilita, por exemplo, que a chave privada seja protegida de duplicação ou falseamento, mesmo que se saiba o conteúdo da chave pública. Desta forma, é seguro distribuir abertamente a chave pública para todos os usos, mas é essencial que a chave privada permaneça bem secreta e salvaguardada. 5

6 A Criptografia de Chave Pública é utilizada para assegurar a privacidade da informação, mas também possibilita outra função vital para assegurar a troca de informação electrónica: a autenticação. A autenticação, neste contexto, refere-se ao processo que o destinatário de uma mensagem electrónica deverá efectuar para verificar a identidade de quem a enviou, bem como para assegurar a integridade da mensagem que recebeu. Tal como a criptografia é utilizada para se garantir privacidade, também a assinatura digital é usada para verificar a autoria de uma mensagem. Para criar uma assinatura digital, o signatário cria um código (Hash) - versão reduzida e única da mensagem original. Seguidamente utiliza a sua chave privada para cifrar o código (Hash) da mensagem. Este resultado, o valor Hash cifrado, é a assinatura digital. Se a mensagem for alterada, mesmo minimamente, o resultado do Hash da mensagem alterada será diferente. A assinatura digital é única para a mensagem e para a chave privada que a criou, e como tal não pode ser falsificada. Após a geração da assinatura digital, esta é normalmente adicionada à mensagem e ambas são enviadas para o destinatário, o qual recria o Hash (repete o processo de geração de código) sobre a mensagem recebida e, utilizando a chave pública do signatário/rementente para decifrar a assinatura digital original, obtém o valor da mensagem original. Se os valores forem idênticos, verifica-se o seguinte: - Que a assinatura digital foi criada através da utilização da chave privada correspondente ao signatário/remetente. - Que ninguém está maliciosa ou pretensamente a assumir a identidade de outrém. - Que o signatário é autêntico, sendo que este não pode afirmar que não assinou digitalmente tal mensagem. - Que o conteúdo da mensagem não sofreu alterações no seu trajecto. 19) O que é a assinatura electrónica? A assinatura electrónica é o resultado de um processamento electrónico de dados susceptível de constituir objecto de direito individual e exclusivo e de ser utilizado para dar a conhecer a autoria de um documento electrónico ao qual seja aposta, de modo que: i. Identifique de forma unívoca o titular como autor do documento; ii. A sua aposição ao documento dependa apenas da vontade do titular; iii. A sua conexão com o documento permita detectar toda e qualquer alteração superveniente do conteúdo deste. [in Decreto-Lei relativo à Assinatura Digital (n.º 290-D/99)] 6

7 20) O que é a assinatura digital? A Assinatura Digital é um processo de assinatura electrónica baseado em sistema criptográfico assimétrico composto de um algoritmo ou série de algoritmos, mediante o qual é gerado um par de chaves assimétricas exclusivas e interdependentes, uma das quais privada e outra pública, e que permite ao titular usar a chave privada para declarar a autoria do documento electrónico ao qual a assinatura é aposta e concordância com o seu conteúdo, e ao declaratário usar a chave pública para verificar se a assinatura foi criada mediante o uso da correspondente chave privada e se o documento electrónico foi alterado depois de aposta a assinatura. [in Decreto-Lei relativo à Assinatura Digital (n.º 290-D/99)] 21) O que é um documento electrónico? Um documento electrónico é documento elaborado mediante processamento electrónico de dados. [in Decreto-Lei relativo à Assinatura Digital (n.º 290- D/99)] 22) O que é que se garante com a assinatura digital de um documento? i. a autenticação da identidade da entidade que assinou o documento (o emissor do documento), ii. ii. a não alteração (acidental ou maliciosa) do documento durante a sua transmissão (i.e., protege a integridade do documento), iii. iii. o não repúdio do documento por parte do emissor (i.e., o emissor não pode reclamar que não foi ele que assinou o documento). 7

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1 Diminua os custos do processo de facturação da empresa Página 1 O software PHC é uma ferramenta imprescindível na gestão diária de uma empresa. Trata-se de um software cuidadosamente estudado por utilizadores

Leia mais

A certificação electrónica

A certificação electrónica A certificação electrónica jose.miranda@multicert.com 04 de Novembro 2005 1 AGENDA Desafio dos novos processos electrónicos na Sociedade de Informação Certificação Digital e timestamping: o que é e para

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Segurança de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edeciofernando@gmail.com) Certificação Digital Ampla utilização

Leia mais

Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel

Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Certificação Digital - Será Que é Para Valer? 29 abril 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Apoio Institucional Patrocinadores Globais A Certificação Digital numa Sociedade Desmaterializada

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Resumos Volume 1, Julho de 2015 Segurança da Informação POPULARIZAÇÃO DA INFORMÁTICA Com a popularização da internet, tecnologias que antes eram restritas a profissionais tornaram-se abertas, democratizando

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2)

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Apostila Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Diretoria de Pessoas (DPE) Departamento de Gestão de Carreira (DECR) Divisão de Gestão de Treinamento e Desenvolvimento (DIGT) Coordenação Geral

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PORTAL DIGITAL DE CONSULTA GERAL ELETRÔNICA Gerente do Projeto: Karlos Emanuel Apresentadores e Apoios: Karlos Freitas Gerente de Projeto Karlos Raphael Analista de Suporte Marieta

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Word 2003

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Word 2003 Manual de Utilização de Certificados Digitais Microsoft Página 2 de 11 CONTROLO DOCUMENTAL REGISTO DE MODIFICAÇÕES Versão Data Motivo da Modificação 1.9 08/02/2013 Actualização do conteúdo do manual de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Agenda 1. Segurança da Informação 1.1.Introdução 1.2.Conceitos 1.3.Ameaças a Segurança da

Leia mais

Tema 4a A Segurança na Internet

Tema 4a A Segurança na Internet Tecnologias de Informação Tema 4a A Segurança na Internet 1 Segurança na Internet Segurança Ponto de Vista da Empresa Ponto de vista do utilizador A quem Interessa? Proxy Firewall SSL SET Mecanismos 2

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Word 2010

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Word 2010 Manual de Utilização de Certificados Digitais Microsoft Página 2 de 11 CONTROLO DOCUMENTAL REGISTO DE MODIFICAÇÕES Versão Data Motivo da Modificação 1.1 08/02/2013 Alteração do conteúdo do manual de suporte

Leia mais

PHC Doc. Electrónicos CS

PHC Doc. Electrónicos CS PHC Doc. Electrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas. BUSINESS

Leia mais

Formação Ordem dos Notários

Formação Ordem dos Notários Formação Ordem dos Notários Principais aspetos relacionados com as obrigações dos Notários como Entidades de Registo e o Processo de Emissão de Certificados Digitais Qualificados Agenda Módulo I 1. Certificação

Leia mais

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa!

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa! Canal Direto O banco no sistema da sua empresa! ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO PÁG. 3 2. FUNCIONALIDADES ATUALMENTE DISPONÍVEIS PÁG. 4 3. VANTAGENS PÁG. 5 4. CUSTOS PÁG. 6 5. ADESÃO PÁG. 7 6. SUBSCRIÇÃO

Leia mais

A assinatura eletrónica qualificada das propostas e candidaturas apresentadas em procedimentos de contratação pública.

A assinatura eletrónica qualificada das propostas e candidaturas apresentadas em procedimentos de contratação pública. informação técnica Ref.ª Inf-18/2014 16 de maio de 2014 sumário executivo_ A assinatura eletrónica qualificada das propostas e candidaturas apresentadas em procedimentos de contratação pública. Detalhe_

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras Eder Soares

Leia mais

Certificação Digital. Questões

Certificação Digital. Questões Certificação Digital Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 2) ESAF - 2012 - MF - Assistente Técnico Administrativo Para a verificação de uma assinatura digital numa mensagem eletrônica,

Leia mais

Criptografia assimétrica e certificação digital

Criptografia assimétrica e certificação digital Criptografia assimétrica e certificação digital Alunas: Bianca Souza Bruna serra Introdução Desenvolvimento Conclusão Bibliografia Introdução Este trabalho apresenta os principais conceitos envolvendo

Leia mais

o Digital ao serviço da Advocacia

o Digital ao serviço da Advocacia Segurança: o Digital ao serviço da Advocacia A Internet e o Exercício da Advocacia Seminário Paulo Trezentos ADETTI / ISCTE 07/12/2002 Porto Agenda Alguns conceitos Assinaturas digitais Certificação e

Leia mais

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva 2010/45/UE, de 13/7, que

Leia mais

Mecanismos de Autenticação dos Emails

Mecanismos de Autenticação dos Emails Mecanismos de Autenticação dos Emails De uma forma generalizada, pode-se identificar os seguintes problemas relacionados com a autenticidade dos emails: Envio de mensagens não solicitadas (spam), que pode

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL?

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? Os computadores e a Internet são largamente utilizados para o processamento de dados e para a troca de mensagens e documentos entre cidadãos, governo e empresas. No entanto,

Leia mais

Factura Electrónica no Sector do Turismo. Parceria COFIPOR / APAVT

Factura Electrónica no Sector do Turismo. Parceria COFIPOR / APAVT Factura Electrónica no Sector do Turismo Parceria COFIPOR / APAVT Princípios Gerais da Facturação Electrónica As facturas e documentos equivalentes podem ser transmitidos por via electrónica desde que

Leia mais

5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados

5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados 5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados A proteção jurídica das bases de dados em Portugal é regulada pelo Decreto-Lei n.º 122/2000, de 4 de Julho, que transpõe

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre 1 - nos Sistemas Distribuídos - Necessidade de

Leia mais

Assinatura e Certificação Digital

Assinatura e Certificação Digital e Certificação Digital Por Rafael Port da Rocha 2006 Versão: 07/04/06 20:28 Notas de ula - 2006 Rafael Port da Rocha 1 Características Básicas para um Processo de Comunicação I B C utenticidade: O usuário

Leia mais

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Segurança da Informação Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Criptografia Serviços Oferecidos Serviços Disponibilidade Integridade Controle de acesso Autenticidade da origem Não-repudiação

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

Declaração de Divulgação de Princípios

Declaração de Divulgação de Princípios Declaração de Divulgação de Princípios Política MULTICERT_PJ.CA3_24.1_0001_pt.doc Identificação do Projecto: 03 Identificação da CA: Nível de Acesso: Público Data: 25/03/2009 Aviso Legal Copyright 2002-2008

Leia mais

Eng.º João Melo ( CTT - Correios )

Eng.º João Melo ( CTT - Correios ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.º João Melo ( CTT - Correios ) Patrocínio COMUNICAÇÕES

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica Faturação Eletrónica DHL O que é a Faturação Eletrónica? O serviço de faturação eletrónica da DHL é um método alternativo ao correio e ao fax de receber as suas

Leia mais

DOCUMENTO DE DECLARAÇÃO BÁSICA:

DOCUMENTO DE DECLARAÇÃO BÁSICA: DOCUMENTO DE DECLARAÇÃO BÁSICA: CARACTERÍSTICAS E REQUERIMENTOS Entidade Certificadora Comum do Estado ECCE Entidade Certificadora do CEGER SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ELECTRÓNICA DO ESTADO (SCEE) INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Conceitos de segurança da informação. Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Conceitos de segurança da informação. Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Conceitos de segurança da informação Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Introdução A infraestrutura de rede, os serviços e dados contidos nos computadores ligados a ela são bens pessoais,

Leia mais

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões Oficial Escrevente 2013 Informática Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 CERTIFICADO DIGITAL CERTIFICADO DIGITAL Funciona como uma identidade virtual CERTIFICADO DIGITAL Permite

Leia mais

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Esse material pode ser denominado Notas de Aulas. Ele não é autodidático, não o utilize como fonte única de consulta para estudos para préconcurso. Use-o

Leia mais

E-FACTURA. Serena Cabrita Neto

E-FACTURA. Serena Cabrita Neto ECONOMIA DIGITAL E DIREITO E-FACTURA Serena Cabrita Neto Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. 20 Novembro 2013 A Factura na era digital Adequação e adaptação da Factura aos novos meios digitais

Leia mais

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica

O papel da Administração Pública P Factura Electrónica Conferência: Impacto da Factura Electrónica na Redução do Deficit Público 30 de Junho de 2010 Auditório do Centro de Informação Urbana de Lisboa O papel da Administração Pública P na adopção da Factura

Leia mais

Aplicações da Informática na Odontologia

Aplicações da Informática na Odontologia Aplicações da Informática na Odontologia Introdução Qualquer base de conhecimento, fixada materialmente e disposta de maneira que se possa utilizar para consulta. Qualquer registro gráfico. Documento Entende-se

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infra-estrutura 2013 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

PHC Doc. Eletrónicos CS

PHC Doc. Eletrónicos CS Descritivo PHC Documentos Electrónicos CS PHC Doc. Eletrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança Siissttema de Assssiinattura Diigiittall MAIO / 2007 Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança A internet facilitando nossa vida As exigências e as pressões crescentes da vida moderna, o caos urbano,

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Conceitos Segurança da Informação Assinatura Digital Certificado Digital Criptografia Legislação Aplicabilidade no TJMG AGENDA Segurança da Informação É a proteção da informação de vários tipos de ameaças

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA OBJETIVO Conhecer aspectos básicos do uso da criptografia como instrumento da SIC.. Abelardo Vieira Cavalcante Filho Assistente Técnico

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

O que é a assinatura digital?... 3

O que é a assinatura digital?... 3 Conteúdo O que é a assinatura digital?... 3 A que entidades posso recorrer para obter o certificado digital e a chave privada que me permitem apor assinaturas eletrónicas avançadas?... 3 Quais são os sistemas

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Professor Jeferson SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Professor Jeferson 1 Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados ou a um conjunto de informações, no sentido de preservar o valor que possuem para

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES

GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES Introdução Seja você um indivíduo ou uma empresa, sua abordagem de segurança online deve ser idêntica

Leia mais

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Outlook 2007

Manual de Utilização de Certificados Digitais. Microsoft Outlook 2007 Manual de Utilização de Certificados Digitais Microsoft Página 2 de 13 CONTROLO DOCUMENTAL REGISTO DE MODIFICAÇÕES Versão Data Motivo da Modificação 1.9 08/02/2013 Atualização do conteúdo do manual de

Leia mais

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS por Ana Amelia Menna Barreto ÁTOMOS E BITS A civilização está se alterando em sua concepção básica Estamos passando dos átomos para os bits, onde a

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver Criação de empresas on-line A sua iniciativa, esteja onde estiver 30-06-2006 O projecto empresa on-line A Empresa na Hora já permitiu a constituição de sociedades comerciais de forma mais rápida, mais

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual de utilização do sistema pelo cartório IEPTB-MG Belo Horizonte, 2015 Índice 1. Introdução... 4 2. Acesso ao sistema... 5 3. Visualização das declarações de anuência...

Leia mais

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação.

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação. 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

A Segurança da Informação no Cartão do Cidadão Português

A Segurança da Informação no Cartão do Cidadão Português Catarina Veloso Maria Almeida A Segurança da Informação no Cartão do Cidadão Português Draft report Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado em Ciência da Informação Dezembro 2009 Sumário

Leia mais

Segurança e Privacidade em Sistemas de Armazenamento e Transporte de Dados

Segurança e Privacidade em Sistemas de Armazenamento e Transporte de Dados Universidade do Minho Mestrado Sistemas Dados e Processamento Analítico Segurança e Privacidade em Sistemas de Armazenamento e Transporte de Dados Ano Lectivo de 2006/2007 Certificados Digitais Sistema

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

Requisitos de Segurança de E-mail

Requisitos de Segurança de E-mail Segurança de E-mail O e-mail é hoje um meio de comunicação tão comum quanto o telefone e segue crescendo Gerenciamento, monitoramento e segurança de e-mail têm importância cada vez maior O e-mail é muito

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T.

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T. Revisão para A1 Criptografia e Certificação Digital Legenda: A + - Chave Pública de A A - - Chave Privada de A s Chave Secreta MD5 Algoritmo de HASH MSG Mensagem de texto claro - Operação de comparação

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

Certificados Digitais Qualificados. Fevereiro/ 2009

Certificados Digitais Qualificados. Fevereiro/ 2009 Certificados Digitais Qualificados Fevereiro/ 2009 Agenda 1. O que é a Certificação Digital? 2. Certificado digital qualificado - Legislação 3. Certificado digital qualificado MULTICERT 4. Outros serviços

Leia mais

Cartilha: Certificado Digital

Cartilha: Certificado Digital Certificação de Entidades Beneficientes de Assistência Social - CEBAS - 1 - Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade Diretoria de Tecnologia

Leia mais

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos.

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos. INTRODUÇÃO Essa apostila foi idealizada como suporte as aulas de Informática Educativa do professor Haroldo do Carmo. O conteúdo tem como objetivo a inclusão digital as ferramentas de pesquisas on-line

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infraestrutura 2014 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008 Solução para emissores e receptores de facturas Carlos César 24 de Junho de 2008 1 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7, 0.97 3., 507 3.,!%3,02 88 4/0 3, 02 88 4 $4 : 4!%5,7,02 884708070.0594708 $ 2 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7,

Leia mais

Tiago Maciel Sidney Medeiros

Tiago Maciel Sidney Medeiros 2º Encontro dos membros do projeto de pesquisa em E-commerce/B2B Tiago Maciel Sidney Medeiros 2º Encontro dos membros do projeto de pesquisa em E-commerce e B2B Objetivos Expor modelagem inicial do sistema

Leia mais

Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída. Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg.

Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída. Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg. Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg.br Programa O que é uma ICP? O que é ICP-EDU Qual é a proposta do GT-ICP-EDU

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Revisando As transações eletrônicas demandam mecanismos de segurança que garantam: Autenticidade Confidencialidade Integridade

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail. C.I.A. Segurança de Informação Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.com http://www.carlosserrao.net http://blog.carlosserrao.net http://www.iscte.pt

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 Assunto: Estabelece

Leia mais

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA I T I AC Raiz Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT AC PRIVADA AR Autoridade Registradora AR Autoridade Registradora Certificado

Leia mais

Infoestrutura: Autenticação e Assinatura Digital

Infoestrutura: Autenticação e Assinatura Digital Infoestrutura: Autenticação e Assinatura Digital 1. Introdução No mundo físico, é fácil reconhecer quem é quem, seja vendo, escutando ou reconhecendo a caligrafia da pessoa. Entretanto, no mundo digital,

Leia mais

PHC Documentos Electrónicos CS

PHC Documentos Electrónicos CS PHCDocumentos Electrónicos CS DESCRITIVO O módulo PHC Documentos Electrónicos permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Certificado Digital Assinatura Digital

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Certificado Digital Assinatura Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificado Digital Assinatura Digital CERTIFICADO e ASSINATURA DIGITAL CERTIFICADO Éo documento eletrônico de identidade emitido por Autoridade Certificadora credenciada pela AC Raiz

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

Criptografia Assinaturas Digitais Certificados Digitais

Criptografia Assinaturas Digitais Certificados Digitais Criptografia Assinaturas Digitais Certificados Digitais Criptografia e Descriptografia CRIPTOGRAFIA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext) DECRIPTOGRAFIA Sistema de Criptografia Simples Caesar

Leia mais