O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto"

Transcrição

1 O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007

2 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA A compreensão do processo de transformação da Economia Portuguesa ao longo da última década e meia passa necessariamente pela análise do papel que tem vindo a ser assumido pelo Sistema Financeiro e, em particular, pela Banca. A banca portuguesa na sequência das privatizações lançou-se num movimento de reorganização e de modernização que teve um duplo efeito: criou condições de mercado que, num contexto de baixas taxas de juro, impulsionaram um movimento rápido de recurso ao crédito por parte dos clientes individuais e dos agregados familiares mais urbanos e jovens; melhorou a capacidade técnica dos Bancos no controle do risco do crédito dirigido às empresas em particular empresas de pequena e média dimensão o que, por sua vez, influenciou o processo de reorganização de uma parte do aparelho produtivo interno. É neste contexto importante ter presente que este movimento de modernização do Sistema Financeiro Português, para além dos factores domésticos que o determinaram, evoluiu condicionado por um complexo conjunto de factores exógenos: uma inovação tecnológica sem precedentes que revolucionou os Sistemas de Informação dos mercados financeiros; a adopção da moeda única europeia, a criação da União Monetária e o lançamento da política monetária única para o conjunto de economias que passaram a integrar este espaço europeu; a intensificação do movimento de globalização dos mercados, com a consequente integração dos mercados financeiros mundiais e a entrada crescente nos mercados europeus de produtos que competem directamente com a produção de sectores tradicionalmente importantes. 1

3 Este complexo conjunto de factores teve, ao longo da última década e meia, um impacto intenso sobre o Sistema Económico Português. A redução súbita das taxas de juro nominais, articulada com a intensificação da concorrência bancária, induziu um movimento de corrida ao crédito bancário por parte de milhões de portugueses, quer para financiar a aquisição de habitação, quer para consumo. De um ponto de vista racional é compreensível que tal tenha acontecido entre nós, tal como ocorreu noutros Países Europeus, como a Grécia e a Espanha, embora sem intensidade com que se verificou na economia portuguesa. Como resultado, em cerca de dez anos o nível de endividamento interno passou de 35% do Rendimento Disponível para 120%, atingindo níveis equivalentes aos das economias mais maduras e desenvolvidas. Esta evolução teve, por sua vez, efeitos complexos, quer sobre o mercado bancário e o mercado de capitais, quer sobre a actividade económica real:. efeito sobre o mercado bancário.. No que se refere à banca, permitiu a esta sustentar um esforço de modernização que a tornou mais eficiente e competitiva, o que, por sua vez, contribuiu para intensificar as pressões da concorrência sobre o endividamento de grupos importantes de clientes. Por outro lado, a integração nos mercados financeiros da União Monetária abriu aos Bancos Portuguesas novas linhas de financiamento, com que continuaram a alimentar a concessão de crédito... Neste contexto, a Banca especializou-se cada vez mais no financiamento individual e na actividade de retalho, concentrando as atenções nos segmentos de mercado susceptíveis de lhe garantir melhores margens, com maior diversificação do risco. 2

4 . impacto sobre o mercado de capitais ligado: O desenvolvimento do mercado de capitais português tem estado sobretudo.. à reprivatização de empresas importantes e ao aparecimento de alguns grandes investidores e de novos grupos económicos que, a prazo, podem dar um contributo significativo para a reorganização do nosso Sistema Económico. Embora a dimensão relativa e a atitude de alguns destes investidores os torne cada vez mais vulneráveis a acções de controle por parte de grupos e conglomerados exteriores;.. a um movimento intenso de concentração de riqueza, susceptível de criar desequilíbrios sociais crescentes que, a acentuar-se, corresponderiam a uma espécie de latino-americanização da Economia Portuguesa, com inevitáveis consequências sociais e políticas. Encontrando-se fora do âmbito desta nota discutir esta questão, refere-se apenas que uma das razões que contribuem para este papel do mercado de capitais decorre da sua pequena dimensão e reduzida liquidez, que tendem a amplificar os movimentos dos mercados de capitais internacionais, com prejuízo dos pequenos e médios investidores, por via de regra menos informados.. impacto sobre a economia.. A oferta fácil de crédito induziu fortes pressões sobre a procura interna de bens e serviços, ao mesmo tempo que baixava de forma rápida o nível de poupança interna... Com um aparelho produtivo interno incapaz de corresponder às solicitações crescentes da procura, acentuou-se o desequilíbrio comercial com o exterior, financiado de forma crescente através do endividamento bancário junto dos mercados financeiros externos. 3

5 .. Em paralelo, os sectores produtivos tradicionais sentiram dificuldades crescentes em, por um lado, obter adequados financiamentos junto de uma Banca mais exigente na avaliação do risco e, por outro, responder às pressões da concorrência de produtos produzidos por economias que mantêm baixos custos de produção. Em síntese, pode afirmar-se que o nosso Sistema Financeiro tem contribuído para:. o aumento dos níveis de endividamento, em articulação com a queda da poupança interna e o recurso crescente ao financiamento externo por parte da Banca Portuguesa. Como resultado os Bancos e os Grupos Financeiros Portugueses têm vindo integrar-se cada vez mais nos mercados internacionais, o que, ao mesmo tempo, os torna mais vulneráveis às crises de liquidez, como a que os mercados financeiros mundiais enfrentam no momento em que esta nota é escrita;. Uma rápida concentração da riqueza, ligada ao processo de emersão de novos grupos empresariais nacionais. Como resultado, a evolução da Economia Portuguesa nas últimas duas décadas tem estado ligada de um ponto de vista financeiro ao aparecimento e alargamento de um triplo desequilíbrio:. queda da poupança interna e aumento de endividamento familiar;. aumento rápido do recurso líquido a capitais externos para financiamento do desequilíbrio comercial com a Banca portuguesa a assumir nos seus balanços uma dívida externa crescente;. déficit do Sector Público, que pela sua dimensão, obrigou à adopção de políticas orçamentais restritivas. II. A SITUAÇÃO ACTUAL DO SISTEMA FINANCEIRO E O SEU CONTRIBUTO PARA O CRESCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO 1. Do contexto que de forma sintética se referiu no ponto anterior, decorre uma questão que assume particular importância na Economia Portuguesa. 4

6 Qual o papel que o Sistema Financeiro hoje assume em relação ao processo de reorganização e de crescimento da economia, em particular, em relação à modernização do aparelho produtivo interno? Questão de interesse dado que, como sabemos, prevalecem actualmente concepções liberais de organização e de funcionamento dos mercados, que alteraram profundamente o quadro regulamentar e operacional tradicionais dos Sistemas Financeiros. Tradicionalmente os Bancos assumiram em muitas economias um papel central em relação ao crescimento económico, particularmente no financiamento directo dos aparelhos produtivos internos. Para o compreender, vale a pena ter presente o papel que foi assumido pelos Sistemas Bancários Europeus no pós-guerra e, em particular, nas duas economias que tiveram de sustentar um maior esforço de reconstrução. Tanto na Alemanha como no Japão a reconstituição dos respectivos aparelhos produtivos passou por apoios dos respectivos Sistemas Bancários, que tomaram participações directas importantes no capital de muitas empresas e grupos económicos. No entanto e sobretudo a partir da década de oitenta, com a intensificação do processo de liberalização das actividades financeiras e de integração dos mercados mundiais, o modelo anglo-saxónico de organização e de funcionamento dos mercados foi sendo adoptado de forma generalizada. Um movimento rápido de desintermediação, impulsionado por um processo intenso de inovação financeira e tecnológica, levou à consolidação da posição dominante de algumas megainstituições internacionais que operam nos mercados de capitais Bear Stearns, Goldman Sachs, Merrill Lynch, Morgan Stanley conhecidos como Bancos de Investimento. Como reflexo desta evolução, a chamada Banca Comercial recuou para segmentos de mercado sobretudo assentes na actividade de redes de retalho, que operam em contacto directo com clientes individuais e empresas com predominância de PME. 5

7 Redes que, como sabemos, são cada vez mais integradas por um complexo conjunto de canais balcões físicos, canais electrónicos e balcões automáticos que se encontram em contacto permanente com os clientes. Mas, ao mesmo tempo que esta evolução se verificava, ocorriam importantes modificações em relação ao controle de massas crescentes de reservas monetárias e de capitais, com impacto sobre os mercados financeiros. O aumento sistemático do preço do petróleo e a emergência relativamente rápida da economia chinesa e outras economias asiáticas, com excedentes externos substanciais, levou à acumulação de enormes volumes de recursos financeiros, quer por parte dos países produtores de petróleo, quer por parte de algumas economias asiáticas, em particular da chinesa. Deste modo massas muito significativas de capitais procuram hoje aplicações rentáveis nos mercados financeiros mundiais, controladas por um número concentrado de investidores que passaram a deter uma capacidade significativa de influenciar segmentos importantes do mercado, em particular, em períodos de crise ou instabilidade. Por outro lado, acentuou-se um movimento, conduzido pelos Bancos e conglomerados financeiros, de recentragem das suas operações na actividade comercial e na condução de operações ligadas ao processo de inovação financeira. Deste modo foi induzido uma espécie de vazio, em relação ao apoio financeiro às empresas, em particular àquelas que enfrentam processos mais ou menos complexos de reorganização e de redimensionamento. Como resposta, surgiram no mercado alguns veículos de capital de risco especializados no investimento directo, que, nos últimos anos, têm vindo a ganhar uma relevância crescente. Fundos especializados conhecidos como Private Equity Funds desenvolveram-se de uma forma rápida, mesmo em mercados onde tradicionalmente a sua presença era limitada, como é o caso da generalidade dos mercados europeus. 6

8 Estes veículos bem conhecidos no mercado dos EUA iniciaram um processo de desenvolvimento na Europa, prosseguindo de forma activa políticas por vezes agressivas de participação e controlo de partes do capital social de empresas e grupos empresariais. Muito alavancados pela sua capacidade de levantar dívida nos mercados financeiros, que, por sua vez, se apresentavam com elevados níveis de liquidez, estes Fundos têm vindo a conduzir operações de controlo directo de empresas, com o objectivo de as reorganizar e redimensionar e mesmo de as desmembrar e alienar com lucros potenciais assinaláveis, por vezes conseguidos em prazos relativamente curtos. Operações conduzidas com objectivos de maximização das taxas de rentabilizações dos capitais investidos, independentemente de quaisquer preocupações de equilíbrio macro-económico ou de soberania nacional. As consequências são naturalmente muito complexas: por um lado, tem vindo a acelerar o processo de integração dos mercados financeiros mundiais, independentemente da sua localização geográfica e do próprio nível de desenvolvimento e maturidade das economias que os acolhem. De facto, são poucos os mercados financeiros que ainda mantêm um quadro regulamentar que os isole dos mercados financeiros mundiais e os abrigue de flutuações ou eventuais períodos de turbulência ou instabilidade. A China, por exemplo, é um dos poucos países de maior dimensão que mantém restrições regulamentares aos fluxos de capitais, e encontra-se hoje sob pressões crescentes para jogar de forma mais aberta as regras do mercado. por outro lado, reduz substancialmente a influência e o controlo das Autoridades Monetárias e de Supervisão sobre transacções financeiras conduzidas através de instrumentos e de veículos de investimento como os Hedge Funds e os Privaty Equity Funds controlados por investidores privados e de complexos produtos estruturados. Evolução que em grande parte, se encontra na origem da instabilidade que, neste momento, está a afectar os mercados financeiros internacionais. 7

9 Quando estas observações são escritas não é aliás ainda possível avaliar se as actuais dificuldades sentidas pelos mercados financeiros se devem a uma mera crise de liquidez passageira, ou se, pelo contrário, se está perante uma crise financeira, com reflexos inevitáveis sobre a própria actividade económica. 2. É assim num contexto de extrema complexidade que deve ser avaliado o papel dos mercados financeiros em relação à evolução do nosso Sistema Económico e, em particular, do aparelho produtivo interno. Em primeiro lugar, há que ter presente que no quadro da União Monetária e da política monetária única, uma economia membro pode manter desequilíbrios externos substanciais. Apenas uma situação de grande gravidade, como uma crise descontrolada das finanças públicas com reflexos sobre a imagem de solvabilidade do País, ou uma perda de credibilidade e de confiança no mercado bancário doméstico, poderia levar a uma retracção dos mercados financeiros externos, com consequências sobre as condições de financiamento da Balança de Pagamentos. Na ausência destes cenários extremos, uma economia membro da União Monetária não tem dificuldade em financiar-se, embora o possa ter de fazer a taxas mais ou menos favoráveis ou punitivas. Pode, deste modo, prolongar-se o movimento que tem induzido níveis de endividamento crescente de muitos agentes económicos internos, podendo mesmo acentuar-se, à medida que a economia se urbaniza e bancariza. Neste contexto é de esperar que os Bancos acentuem a pressão da concorrência sobre os clientes individuais e as maiores empresas. Já em relação às PME, que representam como sabemos, a maior parte do nosso aparelho produtivo, a atitude da Banca tende a ser diferente. 8

10 Trata-se de facto de um segmento de maior risco, dada a sua vulnerabilidade que decorre da exposição destas empresas à conjuntura económica interna e à concorrência externa. Neste contexto os Bancos tendem a dirigir as suas operações de financiamento para um número restrito de PME que integram o grupo de empresas com melhor risco. Por tal facto a Banca não se encontra normalmente disponível para financiar processos de reorganização e redimensionamento de empresas, ou mesmo projectos de empresas em fase de lançamento. Para este apoio o mercado fez surgir instrumentos especializados capital de risco - que, como se sabe, tem entre nós mantido uma posição modesta e sem tradição. É interessante notar que começaram entretanto a aparecer iniciativas de maior dimensão, com o objectivo de criar e lançar fundos privados, especializados no financiamento de operações de controlo de empresas, veículos financeiros conhecidos nos mercados internacionais como Private Equity Funds. O aparecimento generalizado destes instrumentos tem decorrido da procura de aplicações mais rentáveis de capitais, num contexto de grande liquidez dos mercados e de estabilidade das taxas de juro, em que um número crescente de investidores se afasta dos intermediários financeiros tradicionais, apesar dos riscos adicionais que tais decisões implicam. Resta esperar para saber se a crise que actualmente atravessa os mercados financeiros mundiais afectará estas iniciativas e de que forma. De qualquer modo não se considera que estes veículos possam vir a representar na economia portuguesa instrumentos com impacto generalizado sobre o processo de reorganização do nosso tecido produtivo. Acresce que, como sabemos, a presença de PME no mercado de capitais é muito modesta, dado que nele se transaccionam sobretudo títulos de empresas e grupos empresariais de maior dimensão. 9

11 É neste contexto tendo presentes os vectores de actuação dos diferentes tipos de intermediários financeiros nos mercados financeiros actuais que ganha importância a orientação adoptada pelas políticas públicas, dirigidas ao apoio ao processo de reorganização e modernização do aparelho produtivo interno. A estas compete um papel insubstituível de apoio e de criação de condições estratégicas, de que em parte depende o movimento de regeneração do tecido produtivo interno. Questões como educação e formação profissional, adequadas políticas fiscais, enquadramento jurídico, regulamentar e administrativo da actividade das empresas, apoio e participação em iniciativas de capital de risco, assumem uma importância estratégica, insubstituível. Na sua ausência a acção natural dos mercados financeiros será de contribuir para o movimento de erosão dos sectores produtivos tradicionais, menos competitivos, com o aparecimento de um número relativamente restrito de PME a operar em nichos ou sectores especiais, capazes de corresponder aos critérios de risco cada vez mais apertados e sofisticados, adoptados pelos Bancos. 10

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

CONFERÊNCIA CIP CONCLUSÕES

CONFERÊNCIA CIP CONCLUSÕES CONFERÊNCIA CIP CONCLUSÕES Crescimento Económico Diversificar O Modelo de Financiamento das PME s 28 de novembro de 2014 1 Conclusões Algumas observações introdutórias... 3 I. A situação atual do financiamento

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Objectivos de Marketing

Objectivos de Marketing Negócios Internacionais Marketing e Finanças as Objectivos de Marketing Tipos de Marketing; Introduzir técnicas t para avaliar dimensões para determinados países; Enfatizar como as diferenças contextuais

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO 1 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 2. PROGRAMA DO CONGRESSO 2 3 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 4 5 A. O Crédito Agrícola está a comemorar um século de existência enquanto Instituição profundamente enraizada na vida

Leia mais

Seminário sobre Financiamento

Seminário sobre Financiamento ÍNDICE 1. Formas de financiamento e limitações à sua utilização 2. Evolução recente do setor bancário 3. O financiamento generalista 4. O financiamento especializado 5. Outras formas de financiamento 6.

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa A Volatilidade recente dos Preços das Acções em Portugal e na Europa 0 Introdução Os principais mercados accionistas europeus registaram elevados níveis de volatilidade durante 2002, colocando no centro

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Comerciais, Caros Convidados, Minhas senhoras e meus senhores. O evento que hoje

Leia mais

PAPEL DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS NA GESTÃO MACROECONÓMICA

PAPEL DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS NA GESTÃO MACROECONÓMICA PAPEL DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS NA GESTÃO MACROECONÓMICA I Parte Sobre o Papel do Estado na Economia Ø A necessidade de regulação do sistema económico: o sistema económico está sujeito a transformações,

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 11.2.2008 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a melhoria da educação financeira dos consumidores e da sua sensibilização

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Entrevista com... António de Sousa

Entrevista com... António de Sousa Entrevista com... António de Sousa Presidente da Associação Portuguesa de Bancos APB I: Depois de um ano e meio à frente da Associação Portuguesa de Bancos, que balanço faz do trabalho realizado? AS: Neste

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura

Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais. Discurso de abertura Seminário internacional sobre A supervisão eficiente e o desenvolvimento do mercado de capitais Discurso de abertura Em representação do Banco de Cabo Verde, apraz-me proceder à abertura deste seminário

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS

COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DOS ASSUNTOS ECONÓMICOS E MONETÁRIOS Comunicação aos Membros nº 26/2002 Objecto: Audição de 10 de Julho: Depois da Enron: supervisão financeira na Europa Temas sugeridos para

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A.

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Ficha de Produto Tipo de Produto: Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Produto: Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Objectivo: Contribuir para o progresso

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais