CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R."

Transcrição

1 CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R. M. A. S. Sanfins a 1 & T. M. Clark a 2 a Universidade Federal Fluminense, IM, RJ, Brasil Resumo Neste trabalho utiliza-se conceitos de funções geradoras de probabilidade, convoluções e Transformada Rápida de Fourier (em inglês Fast Fourier Transform - FFT) para realizar cálculos de forma alternativa e simplificada para a modelagem do risco de crédito. Além disso, implementa-se tais cálculos no R com exemplos de fenômenos economicos. Os scripts utilizados serão públicos, com um objetivo de se criar uma library e será enviada ao R-Project. Palavras Chaves: CreditRisk+, cálculo do risco de crédito, implementação no R. 1 Introdução Durante os últimos 15 anos muitos artigos relacionados com o cálculo do risco de credito foram publicados. Para o cálculo do risco existem diferentes metodologias, como por exemplo o CreditMetrics (JP Morgan,1997), PortifolioManager(KMV, 1997), Mckinsey s CreditPortfolioView (Wilson, 1997) e o CreditRisk+ (Credit Suisse Financial Products, 1997). 1 Orientador: 2 Aluno: 1

2 2 CreditRisk+ cálculos alternativos e implementação no R 2010 O CreditRisk+ é o maior representante dos modelos atuariais com metodologia baseada em técnicas aplicadas na industria de seguros. O método CreditRisk+ tem como objetivo estimar a distribuição de perdas em carteiras de créditos. Trata-se de um método estatístico baseado no risco de default não assumindo qualquer premissa sobre suas causas ou em qual instante do tempo que poderá ocorrer. O CreditRisk+ considera as taxas de default como variáveis aleatórias continuas, assumindo a variação das taxas na análise a fim de incorporar a incerteza das variáveis. Frequentemente fatores externos, como o estado da economia, torna relacionada a incidência de default. Mesmo assim, não existe ligação casual entre eles. Os efeitos desses fatores são incorporados no modelo através da variação das taxas de default e análise de setores. O processo de avaliação do risco de crédito consiste na frequencia dos default e na severidade das perdas. Para estimar a distribuição de perda da carteira, o CreditRisk+ assume que a distribuição de eventos default é aproximada à distribuição de Poisson. O modelo básico assume que os eventos de default são independentes, ou seja, as taxas de default são fixas. Porém sabe-se que essa aplicação na realidade é muito difícil, pois estudos anteriores provam que as taxas de default variam ao longo dos anos. O método propõe então uma forma mais sofisticada, onde a incerteza das taxas de default são levadas em consideração. As taxas de default, assim, assumem uma distribuição Gama, que terá a mesma média da distribuição sem variação, porém suas caudas serão mais grossas. A probabilidade de eventos extremos aumenta, devido à correlação implícita na volatilidade, quando incorporado a volatilidade a taxa de default. Como o modelo não assume nenhuma premissa sobre os eventos de default, a relação é explicada pela existência de fatores extremos. Na analise de setores é possível agrupar os devedores de acordo com a influencia de fatores extremos, de tal modo que permite medir os benefícios da diversificação e eventuais concentrações em fatores. 2 Metodologia e Análise Além das formas de cálculo proposta pelo documento técnico do CreditRisk+, conforme referência [3], existem formas alternativas do cálculo e modelagem do risco de credito. Uma dessas formas é pela função geradora de probabilidade.

3 m. a. s. sanfins & t. m. clark. 3 Definição 2.1. Seja X uma variável aleatória discreta. Note que E[t x ] = Consequentemente, E[t x ] é a função geradora de probabilidade de X. t j P [X = j]. Outro conceito estatístico utilizado é a convolução das funções geradoras de probabilidade adaptado ao nosso caso. Definição 2.2. Sejam N e K variáveis aleatórias independentes. Então, j=0 P n+k (t) = E[t n+k ] = E[t n t k ] = E[t n ] E[t k ] = P n (t) P k (t). Portanto, através das definições 2.1 e 2.2 podemos calcular a perda de uma carta de crédito. Definição 2.3. Seja i o valor que desejamos calcular de perda em uma carta de crédito. Então o resultado de ( ) d i P n (t) P k (t) dt, i! implica na probabilidade da carta de crédito sofrer uma perda i durante um dado período de tempo. Outros métodos de cálculo do risco podem ser obtidos através da FFT. Introduzirá, a seguir, o algoritimo que será utilizado no cálculo do risco de crédito. Algoritimo 2.1. Se f = [f 0, f 1,..., f m 1 ] e g = [g 0, g 1,..., g k 1 ] representam dois vetores de probabilidade então, o algoritmo de convolução da FFT consiste em: Completar os vetores f e g com 0 para que cada um tenha tamanho n m + k. Aplicar a FFT para cada vetor f = F F T (f) e g = F F T (g). Calcular o produto de h = f g, elemento por elemento. Para recuperar o vetor de probabilidade como uma convolução de f e g devemos aplicar a Inversa da FFT, definida por IFFT,em h.

4 4 CreditRisk+ cálculos alternativos e implementação no R 2010 Quando analisa-se perdas em carta de créditos de, por exemplo seguradoras, a metodologia chamada de frequência e severidade (frequency/severity) é mais um método alternativo, onde defini-se frequencia como o numero de defaults em uma carta de crédito dado um período de tempo e severidade como a quantidade, em unidade monetária, para cada default individual, ou seja, a perda expressada em unidades monetárias no evento. (Loss Given Default - LGD). Neste método a frequência média de perda e a serveridade média de perda são utilizadas para calcular a média esperada da perda acumulada, é necessário saber não só a média mas, também, a distribuição acumulada de perda para quantificar a variabilidade de perda. Além de estimar a frequência e severidade média, distribuições probabilísticas são usadas para descrever, qualquer possível, variação no número de contingências e não certeza sobre as perdas. A distribuição acumulada de perda combina os efeitos da frequência/severidade das perdas. As perdas acumuladas são representadas como a soma Z, de um número aleatório N, de um empréstimo(ou bandas (x 1, x 2, x 3,..., x n )) não pago. Portanto, considere-se a função característica Φ Z (t) = E[e it(z) ] = E N [E[e it(x 1,x 2,x 3,...,x n) N ]] = E N [Φ X (t) N ] = P N (Φ X (t)), onde P N é a função geratriz de probabilidade de N. Esta relação sugere que em termos da função características pode-se calcular a distribuição acumulada de perda com o seguinte algoritimo. Algoritimo 2.2. Os passos são: Transformar as distribuição de probabilidade de severidade em uma distribuição discreta. Chegaremos nisso dividindo a carta de crédito em bandas(x 1, x 2, x 3,..., x n ) de exposição tal que cada banda é composta por devedores que sua exposição corresponde ao tipo da banda. Se f = [f 0, f 1,..., f m 1 ] representa o vetor de severidade, então o termo f i deve ser calculado considerando que eles representem o quociente do valor esperado de defaults de cada banda, e o valor esperado de defaults na carta de crédito. Completar o vetor de probabilidade de severidade com zero para que tenha tamanho n. Aplicar a FFT para o vetor de probabilidade de severidade f x = F F T (f x ). Aplicar a função geratriz de probabilidade da frequencia para a FFT do vetor de severidade: fz = P n ( f x ).

5 m. a. s. sanfins & t. m. clark. 5 Aplicar a IFFT para recuperar a distribuição de perda acumulada: fz = IF F T ( f x ). Em situações que os riscos individuais são sujeitos a mesma influência de default utilizase uma distribuição composta secundaria. A perda agregada da carta de crédito pode ser calculada em dois passos: O controle de default do parâmetro externo é retirado de uma função de distribuição, neste caso a distribuição Gama; A gravidade de cada parâmetro externo é obtida na realização da função de distribuição condicional, condicionada na realização do parâmetro externo escolhido no primeiro passo, que assumi-se ter a distribuição de Poisson. O modelo é chamado de processo de Possion Misto (Mixed Poisson), onde o parâmetro µ tem distribuição Gama com parâmetros α e β.o qual pode ser aproximado à distribuição Binomial Negativa com parâmetros µ e σ. Neste caso a distribuição eventos default será P N = P (N = n) = Γ(α + n) Γ(α)n! ( ) 1 α ( ) β n, 1 + β 1 + β onde α = µ2 σ 2 e β = σ2 µ. E a função geradora de probabilidade é dada por P N (t) = [1 β(t 1)] α Para a análise de vários setores considera-se que cada setor da carta de crédito é independente, de tal forma que seja possivel dividir a carta de crédito em sub cartas de créditos atendendo a cada setor. Assim, cada setor ter;a um peso a ik correspondente ao seu próprio risco. Após ser calculada a distribuição de cada sub carta de crédito será então possível calcular a distribuição de perda da carta inteira, pelo algoritimo 2.1. O risco de mercado é originado pela volatilidade nos preços dos ativos financeiros. Ele é geralmente mensurado através da metodologia Value-at-Risk(VaR), que fornece uma medida de perda durante um determinado período e intervalo de confiança. A metodologia introduzida a cima é muito útil não só para o cáculo, de forma alternativa, das distribuições de perda de qualquer carta de crédito, mas também para o cálculo do VaR. Para maior detalhes sobre o esposto acima o leitor poderá consultar as seguintes referências.

6 6 CreditRisk+ cálculos alternativos e implementação no R 2010 Referências [1] SILVEIRA, M. A. M., Avaliação do Risco de Crédito Agregado: Aplicações do CRED- ITRISK+ Em Instituições NÃO-Financeiras, Escola de Pós Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas, Tese de Mestrado, (2007). [2] MELCHIORI, M. R., CreditRisk+ by Fast Fourier Transform, Universidade Nacional del Litoral, (2004). [3] WILDE, T., CreditRisk+ A Credit Risk management Framework, Credit Suisse First Boston, CreditRisk+ Technical document, (1997) [4] BLUHM, C., OVERBECK, L., WAGNER, C., An Introduction to Credit Risk Modeling, Chapman & Hall/CRC, (2002). [5] WANG, S. S., Aggregation of Correlated Risk Portfolios: Models & Algorithms, CAS Committee on Theory of Risk. Working Paper, (1999) [6] GORDY, M. B., Saddlepoint Approximation of CreditRisk+,Published in Journal of Banking and Finance, 26(7): , (2002) [7] GORDY, M. B., A comparative anatomy of credit risk models, Journal of Banking and Finance, 24: , (2000).

Descrição e uso de um modelo de risco de crédito ao nível de portfólio

Descrição e uso de um modelo de risco de crédito ao nível de portfólio Seminário de Estabilidade Financeira Descrição e uso de um modelo de risco de crédito ao nível de portfólio Ricardo Schechtman com a colaboração de Valéria Salomão Garcia Contexto Geral vanços na modelagem

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS. Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013

GESTÃO DE RISCOS. Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013 GESTÃO DE RISCOS Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013 APRESENTAÇÃO Consultor em Gestão de Riscos Nelson F. Fonseca 5 anos de experiência em projetos de Gestão de Risco em entidades financeiras e fundos

Leia mais

Modelagem,Mensuração e Hedging do Risco Operacional

Modelagem,Mensuração e Hedging do Risco Operacional RiskMaths Modelagem,Mensuração e Hedging do Risco Operacional São Paulo, 20 de Maio Hotel Intercontinental Marcelo Cruz, PhD Agenda Definição de Risco/ Risco Operacional Risco e Estratégia Motivações dos

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito

Leia mais

Palavras-chave: modelo de risco de crédito, carteira de crédito, Simulação de Monte Carlo, perda esperada, perda não-esperada, capital econômico.

Palavras-chave: modelo de risco de crédito, carteira de crédito, Simulação de Monte Carlo, perda esperada, perda não-esperada, capital econômico. Modelo de Risco para Carteiras de Créditos Corporativos Giovani Antonio Silva Brito Alexandre Assaf Neto RESUMO Os modelos de risco de crédito de portfolio que se difundiram na indústria bancária internacional

Leia mais

A distribuição Weibull-Poisson

A distribuição Weibull-Poisson A distribuição Weibull-Poisson Estela Maris P. Bereta - DEs/UFSCar Francisco Louzada-Neto - DEs/UFSCar Maria Aparecida de Paiva Franco - DEs/UFSCar Resumo Neste trabalho é proposta uma distribuição de

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil, Analista Tributário da Receita Federal do Brasil e Auditor Fiscal do Trabalho. Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com AUDITOR-FISCAL

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE RISCO DE PORTFÓLIO PARA CARTEIRAS DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS. Fabio Wendling Muniz de Andrade

DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE RISCO DE PORTFÓLIO PARA CARTEIRAS DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS. Fabio Wendling Muniz de Andrade DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE RISCO DE PORTFÓLIO PARA CARTEIRAS DE CRÉDITO A PESSOAS FÍSICAS Fabio Wendling Muniz de Andrade DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE RISCO DE PORTFÓLIO PARA CARTEIRAS DE CRÉDITO A PESSOAS

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R)

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R) Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (, ) Neste capítulo é apresentado um modelo para o sistema de controle de estoque (,). Considera-se que a revisão dos estoques é continua e uma encomenda de

Leia mais

Ciclo de Crédito uma Visão integrada

Ciclo de Crédito uma Visão integrada Ciclo de Crédito uma Visão integrada Analitix Soluções em Finanças ABBC São Paulo, 18 de junho de 2013 Agenda Processo do Ciclo de Crédito Descrição das etapas e processos do ciclo do crédito Concessão,

Leia mais

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência.

Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos de

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos 1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos Uma seguradora ou companhia de seguros, segundo o Dicionário de Seguros, define-se como uma instituição que tem como objetivo indenizar prejuízos involuntários.

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO)

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO) PLANIFICAÇÃO ANUAL MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais Curso de Línguas e Humanidades º ANO (º ANO) Ano Lectivo 0/05 Planificação º Ano - MACS º Período Número de Aulas Previstas 0 Apresentação

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Modelos de gestão de portfólio de crédito: um ensaio teórico sobre os modelos KMV e CreditRisk+

Modelos de gestão de portfólio de crédito: um ensaio teórico sobre os modelos KMV e CreditRisk+ Modelos de gestão de portfólio de crédito: um ensaio teórico sobre os modelos KMV e CreditRisk+ Autor: Rafael Felício Mileo Neto (Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo) Resumo Neste artigo, o

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Modelo de risco para carteiras de créditos corporativos

Modelo de risco para carteiras de créditos corporativos Modelo de risco para carteiras de créditos corporativos Giovani Antonio Silva Brito Alexandre Assaf Neto RESUMO Os modelos de risco de crédito de portfolio que se difundiram na indústria bancária internacional

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

Geração de variáveis aleatórias

Geração de variáveis aleatórias Geração de variáveis aleatórias Danilo Oliveira, Matheus Torquato Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 5 de setembro de 2012 Danilo Oliveira, Matheus Torquato () 5 de setembro de 2012

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

2 Atualidade de uma base de dados

2 Atualidade de uma base de dados 2 Atualidade de uma base de dados Manter a atualidade de uma base de dados é um problema que pode ser abordado de diferentes maneiras. Cho e Garcia-Molina [CHO] definem esse problema da seguinte forma:

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

MAPS S.A. Soluções e Serviços

MAPS S.A. Soluções e Serviços MAPS S.A. Soluções e Serviços Gestão Eficiente da Liquidez a partir do LCR e NSFR Aníbal Codina Afonso de Campos Pinto MAPS S.A. Soluções e Serviços Objetivos Propor e discutir a utilização das métricas

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte IV: Simulação Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@dsc.ufcg.edu.br Parte 4 Simulação P A R T E Etapas básicas em um estudo de simulação Geração de números

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) MERCADOS Mercados Monetários

ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) MERCADOS Mercados Monetários ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 28/2013 (BO n.º 12, 16.12.2013) Temas MERCADOS Mercados Monetários Anexo II Anexo IV Requisitos do Plano de Ação O Plano de Ação compreende um conjunto de requisitos gerais e específicos

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp.

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp. Grupo TécnicoT Solvência ANS Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP lacarneiro@usp. @usp.br 14 de maio de 2013 Introduçã ção Internacionalmente,

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas

Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Vetores Aleatórios, correlação e conjuntas Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Brasil Segundo Semestre, 2013 C.T.Cristino (DEINFO-UFRPE) Vetores Aleatórios 2013.2

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia

Leia mais

Gestão. Valor em risco (VAR value at risk) Metodologias não Paramétricas

Gestão. Valor em risco (VAR value at risk) Metodologias não Paramétricas RA40_AF.qxp:RA40_miolo 21.05.08 20:31 Page 46 Valor em risco (VAR value at risk) Metodologias não Paramétricas O VAR (Value at Risk),valor em risco, é a perda máxima provável de uma carteira para um nível

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

VIII Simulação dos Efeitos de Basiléia II (IRB) para Requerimentos de Risco de Crédito Utilizando Dados da Central de Risco

VIII Simulação dos Efeitos de Basiléia II (IRB) para Requerimentos de Risco de Crédito Utilizando Dados da Central de Risco VIII Simulação dos Efeitos de Basiléia II (IRB) para Requerimentos de Risco de Crédito Utilizando Dados da Central de Risco VIII.1 Introdução Ricardo Schechtman * Este estudo se insere no contexto das

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Bruna Cristina Braga 1 2 Juliana Garcia Cespedes 1 1 Introdução Os cursos de pós-graduação do Brasil são avaliados pela

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas

Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG. Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Análise Financeira Curso de Economia (2º semestre 2004) ISEG Princípios básicos da teoria financeira na avaliação de empresas Lisboa, Abril de 2004 Preparado por: Filipe de Almeida Pereira (filipepereira.iseg@iol.pt)

Leia mais

Bioestatística Aula 3

Bioestatística Aula 3 Aula 3 Castro Soares de Oliveira Probabilidade Probabilidade é o ramo da matemática que estuda fenômenos aleatórios. Probabilidade é uma medida que quantifica a sua incerteza frente a um possível acontecimento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19. 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica...

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19. 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica... SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19 CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 21 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica...25 CAPÍTULO 2 - MODELAGEM ESTOCÁSTICA

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

2 Independência e dependência das taxas de juro

2 Independência e dependência das taxas de juro 1 Incerteza e juro aleatório Considere-se o intervalo [0, n], o tempo medido em anos, e a partição [0, 1], (1, 2],..., (n 1, 1] e suponha-se que no início do ano t são aplicadas C t unidades de capital,

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial)

Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial) Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial) 1 Prof. Dr. Jorge Andrade Costa 15/09/2015 2 Agenda Capital Econômico para Mercados Regulados Capital Mínimo Requerimento

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 3

Métodos Quantitativos. aula 3 Métodos Quantitativos aula 3 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Simulação Empresarial Auxílio na tomada de decisão. Criação de cenários otimistas e pessimistas. Poder de previsão baseada em

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

O cálculo do Valor Presente Líquido com tratamento do risco através do método de Simulação de Monte Carlo

O cálculo do Valor Presente Líquido com tratamento do risco através do método de Simulação de Monte Carlo O cálculo do Valor Presente Líquido com tratamento do risco através do método de Simulação de Monte Carlo Autoria: Rafael de Almeida Paula, Emilio Capelo Junior, Camila Carvalho Costa RESUMO O presente

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Rating Interno de Clientes

Rating Interno de Clientes inquest serviços de consultoria económica lda rua arquitecto cassiano barbosa, 6F sala 23 4100-009 porto portugal T. +351 22 616 8746 E. anascimento@inquest.pt Rating Interno de Clientes Estimativas da

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FRANCISCO ADAUTO PEREIRA DE LIMA

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FRANCISCO ADAUTO PEREIRA DE LIMA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FRANCISCO ADAUTO PEREIRA DE LIMA PRÁTICAS EM GESTÃO DE SISTEMAS DE CREDIT SCORING E PORTFÓLIO DE CRÉDITO EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l! Breve revisão do conceito de risco! O risco de mudança na taxa de juros! O que ocorre com o preço de um ativo de renda fixa quando muda

Leia mais

Geração de Números Aleatórios e Simulação

Geração de Números Aleatórios e Simulação Departamento de Informática Geração de Números Aleatórios e imulação Métodos Quantitativos LEI 26/27 usana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) usana

Leia mais

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO AGNALDO CALVI BENVENHO, IBAPE, MRICS Eng. Mecânico, Especialista em Engenharia de Avaliações e Perícias TAXA DE DESCONTO NBR 14.653-4: Taxa de desconto:

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Economics and Politics Research Group CERME-CIEF-LAPCIPP-MESP Working Paper Series ISBN:

Economics and Politics Research Group CERME-CIEF-LAPCIPP-MESP Working Paper Series ISBN: !! University of Brasilia! Economics and Politics Research Group A CNPq-Brazil Research Group http://www.econpolrg.wordpress.com Research Center on Economics and Finance CIEF Research Center on Market

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais

Preços de ativos com risco de crédito. Affonso C. Taciro Junior Novembro/2004

Preços de ativos com risco de crédito. Affonso C. Taciro Junior Novembro/2004 Preços de ativos com risco de crédito Affonso C. Taciro Junior Novembro/2004 Agenda Introdução Spread de Credito Abordagens práticas Portfolios contendo risco de crédito Introdução Queda dos prêmios nos

Leia mais

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação

Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously. Peter K. Dunn Autor Braga Junior e Eduardo Gomes Apresentação Occurrence and quantity of precipitation can be modelled simultaneously Peter K. Dunn Autor Apresentação Introdução Introdução Estudos sobre modelagem da precipitação de chuvas são importantes, pois permitem

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Introdução à análise de dados discretos

Introdução à análise de dados discretos Exemplo 1: comparação de métodos de detecção de cárie Suponha que um pesquisador lhe apresente a seguinte tabela de contingência, resumindo os dados coletados por ele, oriundos de um determinado experimento:

Leia mais

Proposta de Patrocínio

Proposta de Patrocínio Proposta de Patrocínio www.fce.com.br/engr2006 1 O que é o Encontro Nacional de Gestão de Riscos? >> Dois painéis simultâneos liderados pelos maiores especialistas brasileiros em risco > O Encontro Nacional

Leia mais

Autoria: Fábio Henrique de Sousa Coelho, Bruno Vasques Maletta

Autoria: Fábio Henrique de Sousa Coelho, Bruno Vasques Maletta Modelos Baseados em Simulação de Monte Carlo: Soluções para o Cálculo do Value-at-Risk Autoria: Fábio Henrique de Sousa Coelho, Bruno Vasques Maletta Resumo: O Value-at-Risk (VaR) é um dos conceitos mais

Leia mais

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. ABREU, Edgar Gomes de UNISINOS RESUMO Com a queda nas taxas de juros, a rentabilidade das aplicações

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Pedro Beck Di Bernardi (1); Norberto Hochheim (2) (1) Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico

Leia mais

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável

IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS 9 Instrumentos Financeiros Novas regras sobre a classificação e mensuração de ativos financeiros, incluindo a redução no valor recuperável IFRS em Destaque 01/16:First Impressions Fevereiro de 2016

Leia mais

Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro

Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro Antonio Carlos Magalhães da Silva DEPEP/RJ Jaqueline Terra Moura Marins DEPEP/RJ Myrian Beatriz Eiras das Neves

Leia mais