A. Informação básica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. Informação básica"

Transcrição

1 Bélgica (1) Objetivos finais 2010 A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível) Bélgica sistema educativo flamengo [NL] (vakoverschrijdende [PT] Objetivos finais Ministério Flamengo da Educação e Formação [NL] Communicatie in de moedertaal [PT] Comunicação na língua materna (mínima) [NL] Communicatie in vreemde talen [PT] Comunicação em línguas estrangeiras (mínima) [NL] Wiskundige competentie en basiscompetenties op het gebied van exacte wetenschappen en technologie [PT] Competência matemática e competências básicas em ciências e tecnologias (apenas competências em tecnologias) [NL] Digitale competentie [PT] Competências digitais [NL] Leercompetentie [PT] Aprender a aprender [NL] Sociale en burgerschapscompetentie [PT] Competências sociais e cívicas [NL] Ontwikkeling van initiatief en ondernemerszin [PT] Espírito de iniciativa e espírito empresarial [NL] Cultureel bewustzijn en culturele expressie [PT] Sensibilidade e expressão culturais Tipo de iniciativa e canais de implementação usados (designadamente, reforma curricular introduzida por lei, etc.) Parceiros : Reforma curricular introduzida por lei Não foi prestada informação.

2 Âmbito : (alunos/professores/escola; nível local/regional/nacional) Contexto de aprendizagem : (formal ou não formal) Nível(is) de ensino : (ensino primário, ensino secundário inferior ou superior) Grupos-alvo : Calendário : (data de início e fim) Ligações relevantes : Os objetivos são desenvolvidos a nível comunitário (a educação na Bélgica é regida pelas comunidades: as comunidades de língua flamenga, francesa e alemã têm sistemas educativos próprios, implementados em cada escola). Formal Secundário (inferior e superior) Alunos do grau 1 (12 anos de idade) ao grau 6 (18 anos de idade) do ensino secundário (e ainda professores, autores de currículos, Conselho Educativo Flamengo, organismos governamentais, Rede Educativa) 1 de setembro em curso Para mais informações sobre o ensino na Flandres:

3 B. Informações detalhadas Fundamentação/contexto/motivação para lançar a iniciativa/reforma : A introdução da primeira geração dos objetivos transcurriculares finais em 2001 foi, em parte, motivada por uma mudança de ênfase de uma lógica de orientação disciplinar para um ensino mais integrado. Além disso, verificou-se que os cursos existentes não incluíam todos os conteúdos ou aspetos educativos que são importantes para uma educação básica alargada. Os objetivos transcurriculares finais criam, assim, uma espécie de rede de segurança que garante que conteúdos válidos e socialmente relevantes possam ser abordados a um nível estrutural. Estes objetivos transcurriculares finais de 2001 constituíram o foco de um projeto de investigação lançado por iniciativa do Ministério da Educação e Formação que avaliou a relevância social e educativa e a viabilidade dos objetivos finais. Foi realizada uma análise dos objetivos transcurriculares finais com base nos resultados preliminares deste projeto de investigação, o qual concluiu que o número de objetivos transcurriculares finais devia ser reduzido pois alguns deles estavam ultrapassados, ao passo que outros eram difíceis de alcançar. A análise apurou que, em resultado da pressão exercida por mudanças organizativas, políticas, económicas e sociais, os objetivos transcurriculares finais tinham-se tornado, ao longo do tempo, num pacote demasiado alargado para gerir. A análise incluiu ainda críticas relativas a alguns elementos que considerou em falta. Objetivos : As principais finalidades da análise dos objetivos transcurriculares finais foram: reduzir o número total de objetivos para os três níveis do ensino secundário, sem diminuir a importante função dos objetivos finais de garantir uma educação básica abrangente. assegurar que o pacote total seja alcançável para as escolas, professores e alunos. clarificar eventuais objetivos finais que fossem vagos ou demasiado complexos na sua redação. atualizar o conteúdo dos objetivos finais transcurriculares; alguns objetivos estavam ultrapassados ou já não eram relevantes e verificava-se a ausência por vezes de determinados elementos de conhecimento, competências ou atitudes que são hoje considerados importantes. É ainda de notar que os objetivos finais novos e atualizados foram elaborados para implementação no campo educativo durante os próximos dez a quinze anos. Não quer isto dizer que todos os objetivos transcurriculares finais se alterarão ou desaparecerão; tudo o que for relevante e suficientemente claro será preservado, sempre que possível. 3

4 Dimensões visadas pela iniciativa/reforma (designadamente, currículo, avaliação dos alunos, formação dos professores em serviço, autonomia escolar, etc.) : Currículo para os alunos: ao analisar os objetivos transcurriculares finais de 2001, foi colocada nova ênfase em: - desenvolvimento sustentável/lógica de sistemas - educação da memória - literacia digital - saúde e bem-estar - conhecimentos socioeconómicos básicos - empreendedorismo - Europa - justiça - educação cultural Avaliação consultar adiante (monitorização e avaliação) Formação de professores em serviço: Uma das maiores mudanças na segunda geração dos objetivos transcurriculares finais é a inclusão do tópico Ambiente para o Desenvolvimento Sustentável. Foram avançados dois temas, integrados na iniciativa para a formação em serviço do Governo Flamengo para o ano letivo : Educação baseada nas competências e Educação para o Desenvolvimento Sustentável como passo para a cidadania. O Governo Flamengo visou dotar os professores dos conhecimentos, competências e atitudes necessários para ensinarem os alunos a pensar e trabalhar no sentido de um mundo melhor, agora e no futuro, para nós e para os outros, aqui e noutros lugares do planeta. O conteúdo é abordado de forma integrada, incluindo aspetos sociais, económicos e ambientais. A Educação para o Desenvolvimento Sustentável promove idealmente a cooperação entre os professores de diferentes disciplinas. Foram selecionados oito projetos para ministrar esta formação em serviço: A nossa escola sustentável, Pensar verde - inspiração para todos, sempre e em toda a parte, A História de Timaeus, o Planeta Terra à tua mesa, Escolher o desenvolvimento sustentável como ingrediente da cidadania, o Desenvolvimento Sustentável na escola, Sobreviver e Para um mundo sustentável. Estes projetos são organizados por várias escolas secundárias e organismos de tutela. Para se inscreverem, as escolas devem contactar diretamente as organizações. Para mais informações sobre a formação em serviço na Flandres: Autonomia escolar: À exceção de aprender a aprender, os objetivos transcurriculares finais renovados foram elaborados como um pacote completo abrangendo os seis anos do ensino secundário. Esta abordagem, que não se centra nos níveis isolados do ensino secundário, constitui um desafio para a direção das escolas e serve de catalisadora para a constituição de uma política coerente. A necessidade de atividades relacionadas com a cooperação, planificação e avaliação gera muitas oportunidades de desenvolvimento das escolas. 4

5 O novo quadro de ordenamento dos objetivos transcurriculares finais requer que as escolas desenvolvam as suas políticas de forma autónoma, tendo em consideração as perspetivas de responsabilização e decisão política. A competência das direções escolares e dos professores, a cooperação, a consulta e a planificação escolar oferecem garantias suficientes de que o princípio subsidiário será respeitado. Quer isto dizer que muitas decisões respeitantes à implementação dos objetivos transcurriculares finais podem ser tomadas ao nível da escola e não numa instância Abordagem geral (designadamente, holística - existência de uma estratégia abrangente ou de uma abordagem direcionada, centrada numa dimensão específica, etc.) : Estratégia abrangente (consultar as considerações anteriores) Explicação detalhada da(s) competência(s) essencial(is) em questão : 1. Comunicação na língua materna Tronco comum: aptidão comunicativa Os alunos põem em prática aspetos importantes da comunicação 2. Comunicação em línguas estrangeiras Tronco comum: aptidão comunicativa Os alunos põem em prática aspetos importantes da comunicação 3. Competência matemática e competências básicas em ciências e tecnologia Objetivos transcurriculares finais para o ensino técnico/tecnológico, segundo nível do ensino secundário geral (4 objetivos no total), ou seja: Compreensão da técnica: Os alunos podem ilustrar os efeitos da tecnologia sobre o homem e a sociedade e integrá-los numa perspetiva histórica (conforto, design, ambiente, consumismo, etc.). Objetivos transcurriculares finais para o ensino técnico/tecnológico, terceiro nível do ensino secundário geral (8 objetivos no total), ou seja: Atitude: Os alunos desenvolvem uma atitude construtivamente crítica para com a tecnologia, as profissões técnicas e as empresas/organizações. 4. Competência digital Objetivos transcurriculares finais/objetivos de consecução para as TIC, primeiro nível do ensino secundário (10 objetivos no total), ou seja: Os alunos desenvolvem uma atitude positiva para com as TIC e são preparados para usar as TIC como apoio da sua aprendizagem. 5. Aprender a aprender Aprender a aprender, todos os níveis do ensino secundário (48 objetivos no total), ou seja: Os alunos aprendem a trabalhar organizada e sistematicamente 5

6 6. Competências sociais e cívicas Tronco comum: atitude aberta e construtiva Os alunos consideram o seu próprio desenvolvimento e o desenvolvimento dos outros na sociedade e no mundo Tronco comum: trabalho de equipa Os alunos contribuem ativamente para o alcance de objetivos comuns Contexto 1: saúde e segurança físicas (15 objetivos) Contexto 2: saúde mental (8 objetivos) Contexto 3: desenvolvimento sócio-relacional (11 objetivos) Contexto 4: ambiente e desenvolvimento sustentável (6 objetivos) Contexto 5: sociedade político-legal (13 objetivos) exemplo: os alunos reconhecem o papel do controlo e do equilíbrio entre o poder legislativo, executivo e judicial na nossa ordem democrática. 7. Espírito de iniciativa e espírito empresarial Tronco comum: espírito de iniciativa Os alunos envolvem-se espontaneamente. Contexto 6: sociedade socioeconómica (9 objetivos) exemplo: é pedido aos alunos que apresentem exemplos da natureza mutável do trabalho e da atividade económica 8. Sensibilidade e expressão culturais Contexto 7: sociedade sociocultural (7 objetivos) exemplo: os alunos lidam ativamente com o seu contexto cultural e artístico Disciplinas específicas implicadas ou abordagem transcurricular : Abordagem transcurricular De que modo a iniciativa/reforma está a ser implementada (designadamente, processo adotado, empenhamento político, consulta dos parceiros e respetivos papéis, incentivos aos parceiros, financiamento específico, materiais didáticos, definição de metas e modelos, mecanismos de avaliação, impacto sobre a formação de formadores/desenvolvimento profissional e práticas escolares/ liderança, intensificação da abordagem com base na pesquisa/factos, etc.) : Em 2010, o Ministério Flamengo da Educação e Formação lançou este projeto com o fim de atualizar os objetivos transcurriculares finais de O desenvolvimento dos objetivos transcurriculares finais teve lugar em comissões de desenvolvimento separadas, compreendendo especialistas no campo da educação (professores e diretores, coordenadores, consultores pedagógicos, formadores de formadores e pessoal académico). Foram disponibilizados textos em versão preliminar a um grupo de auscultação constituído por representantes de vários domínios sociais. Os membros do grupo apresentaram comentários orais e escritos, baseados no seu ponto de vista/perspetiva pessoal sobre a sociedade. 6

7 Foi pedido às escolas que implementassem os objetivos transcurriculares finais até 1 de setembro de Os objetivos finais descrevem um pacote base de temas que a escola é responsável por implementar ao longo dos seis anos do ensino secundário. As escolas têm a liberdade de determinar o seu próprio processo de implementação dos temas transcurriculares no âmbito das diferentes disciplinas, projetos, atividades, etc. Embora as escolas não sejam obrigadas a atingir os objetivos finais, são obrigadas a envidar os máximos esforços para alcançá-los tanto quanto possível. A secção Informações adicionais fornece mais informações sobre as áreas em que os objetivos transcurriculares finais foram formulados. Etapa/fase atual de implementação : Primeira fase de implementação. Para permitir às escolas tempo suficiente para implementar esta reforma, a inspeção-geral não teve em consideração os objetivos transcurriculares na sua avaliação dos anos letivos de e Durante estes anos letivos, a inspeção-geral examinou preferencialmente de que modo as escolas estão a operar a transição concetual dos objetivos transcurriculares antigos para os novos. Algumas escolas consideraram as possibilidades de implementar este novo conceito mas muitas encontram-se numa fase exploratória. Por outro lado, muitas escolas não têm planos concretos para implementar os objetivos. Questões pedagógicas (questões relacionadas com a forma como as competências essenciais estão a ser ensinadas aos alunos e como os professores estão a ser preparados para ensiná-las) : É responsabilidade da escola e dos seus professores decidir quando, onde, por quem e em que disciplinas os temas, projetos ou atividades dos objetivos finais são integrados. A escola é ainda responsável por assegurar que os seus professores estão suficientemente preparados para implementar os objetivos transcurriculares finais. Outros fatores que contribuem para a implementação dos objetivos incluem a filosofia pedagógica da escola, as competências e desenvolvimento profissional do corpo docente, o perfil dos alunos, o ambiente escolar e a situação presente. Embora a responsabilidade global recaia sobre a escola, as escolas não estão completamente sozinhas na tarefa de assegurar a implementação dos objetivos. Os alunos e os encarregados de educação desempenham também um papel crucial nesta matéria. Além dos aspetos acima descritos, a aprendizagem informal, a aprendizagem fora da escola e o contexto civil em que os alunos estão inseridos devem ser igualmente tidos em conta. Aspetos positivos (para identificar facilitadores) : Os objetivos transcurriculares finais encorajam as escolas a trabalhar em torno de projetos para alcançá-los. As escolas implementaram objetivos de base curricular num período de tempo muito curto. Como as escolas devem almejar (e não alcançar) os objetivos, foi possível formulá-los de forma ambiciosa. 7

8 Desafios e de que modo estão a ser abordados (para identificar obstáculos e soluções) : Nem sempre é fácil fazer corresponder os objetivos transcurriculares finais com cursos e visões existentes. Graças à abordagem integrada, os professores são encorajados a pensar em moldes inovadores. Verifica-se uma falta de experiência em termos de avaliação dos objetivos transcurriculares finais. Por vezes, os objetivos transcurriculares finais são considerados como objetivos de segunda ordem porque as escolas têm de almejá-los (e não alcançá-los). Monitorização e avaliação realizadas/planeadas e que métodos estão a ser usados (designadamente, controlo de qualidade interna/externa, inspeção, avaliações nacionais, testes internacionais, autoavaliação, avaliações formativas ou sumativas) : Uma vez que a segunda geração dos objetivos transcurriculares finais foi implementada recentemente, ainda não realizada a sua avaliação. Quando a inspeção-geral avalia as escolas, avalia igualmente se elas visam alcançar os objetivos transcurriculares finais (ou seja, existe a obrigação por parte das escolas de atuarem na medida das suas capacidades). O estabelecimento de objetivos transcurriculares finais escritos para todo o ensino secundário não deve ser interpretado como significando que todos os objetivos finais devem estar representados em todos os níveis. No entanto, espera-se que todas as escolas se esforcem razoavelmente por alcançar os objetivos finais como um todo, ao nível de todos os anos escolares. O esforço aplicado nos objetivos em cada grau de ensino deve ser proporcional ao tempo total que os alunos despendem no ensino secundário, se bem que não seja possível nem desejável aderir a critérios estritamente quantitativos. As escolas, quando inspecionadas, podem demonstrar o seu trabalho no sentido dos objetivos finais através dos seus planos anuais. A inspeção-geral deverá, naturalmente, registar que estes planos estão (e devem estar) numa fase de evolução. A inspeção-geral avalia o seguinte: os objetivos são todos abordados ao longo de seis anos? em que medida são implementados os sete contextos? em que medida é aplicado o tronco comum? em que medida se centra a escola no aprender a aprender? de que modo é aplicado o ensino das TIC (primeiro nível do ensino secundário)? em que medida é ministrada a formação técnica/tecnológica (segundo e terceiro níveis do ensino secundário geral)? os objetivos são todos abordados com suficiente profundidade? são incluídos todos os objetivos para todos os alunos? 8

9 Comunicação da iniciativa/disseminação dos resultados e atividades : É importante que as escolas comuniquem as escolhas que fazem relativamente aos objetivos transcurriculares finais tendo em vista as carreiras dos alunos. O princípio sequencial deve ser respeitado: isto é, a segunda fase desenvolve os ensinamentos da primeira; a terceira desenvolve os ensinamentos da segunda. Próximos passos/seguimento : Continuação da implementação dos objetivos transcurriculares finais. A inspeção-geral terá em consideração os objetivos transcurriculares finais na sua avaliação do ano letivo de e formulará recomendações ao governo, às escolas e aos professores. Informações adicionais : O tronco dos objetivos transcurriculares finais consiste num conjunto de objetivos descontextualizados e bastante latos que corporizam 18 competências essenciais selecionadas. Estas competências podem ser aplicadas a todas as disciplinas, contextos e situações. Os objetivos estão inseridos em 7 contextos para os quais são relevantes: Saúde e segurança físicas Saúde mental/bem-estar Desenvolvimento sócio-relacional O ambiente e o desenvolvimento sustentável Sociedade político-jurídica Sociedade socioeconómica Sociedade sociocultural Adicionalmente, existem objetivos para aprender a aprender. Foram traçados objetivos para as TIC (apenas para alunos no primeiro nível do ensino secundário). Foram elaborados objetivos para o ensino técnico/tecnológico (apenas para alunos no segundo e terceiro níveis do ensino secundário geral). The KEYCONET project has been funded with support from the Lifelong Learning Programme of the European Commission. Responsibility for this publication lies solely with the author, and the Commission is not responsible for any use which may be made of the information contained therein.

10 c. Resumo A primeira geração de objetivos transcurriculares finais foi lançada pelo Ministério da Educação e Formação em 2001, deslocando a ênfase de uma lógica de orientação disciplinar para um ensino mais integrado. Estes objetivos foram analisados e atualizados em 2010, processo este que levou à criação da (Objetivos transcurriculares Os objetivos transcurriculares finais compreendem a saúde e segurança físicas, a saúde mental/bem-estar, o desenvolvimento sócio-relacional, o ambiente e o desenvolvimento sustentável, a sociedade político-jurídica, a sociedade socioeconómica, a sociedade sociocultural, aprender a aprender e TIC. Os objetivos contemplam praticamente todas as competências essenciais, a determinado nível, e desde 1 de setembro de 2010, todas as escolas secundárias flamengas são obrigadas a implementá-los. Os objetivos finais descrevem um pacote básico de temas por cuja implementação a escola é responsável ao longo dos seis anos do ensino secundário. As escolas têm a liberdade de determinar o seu próprio processo de implementação dos temas transcurriculares no âmbito das diferentes disciplinas, projetos, atividades, etc. e, embora as escolas não sejam obrigadas a atingir os objetivos finais, são obrigadas a envidar os máximos esforços para alcançá-los tanto quanto possível. 10

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (1) - 2012 ABORDAGEM EMPRESARIAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa :

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa : Irlanda (1) - 2012 Competências Essenciais para o 2 e Ciclo do Ensino Básico A. Informação básica País : Título da iniciativa : Irlanda Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico Coordenador(a)/

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (1) - 2012 JUNIOR ACHIEVEMENT YOUNG ENTERPRISE A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas

Leia mais

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa :

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa : Estónia (2) - 2012 Com Inteligência na Web A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível)

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica JA-YE (1) - 2012 Projeto Empresa Global (GEP) A. Informação básica Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : 11 países europeus Projeto Empresa Global (GEP) Coordenador(a)/ Organização

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012 With the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union Identifying Barriers in Promoting the European Standards and Guidelines for Quality Assurance at Institutional Level IBAR Agreement

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Taking relevant professional experience into account

Taking relevant professional experience into account Taking relevant professional experience into account Validation of non-formal and informal learning in the EQUAL-CLASS countries Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (3) - 2012 EDUSCRATCH A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Portugal EduScratch Coordenador(a)/ Organização : Miguel Figueiredo e Teresa Marques

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência

Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento dos Quadros de Valor, Mérito e Excelência Os Quadros de Valor, de Mérito e Excelência destinam-se a tornar patente o reconhecimento de aptidões e atitudes dos alunos ou de grupos de alunos

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação Manuel Pinto CECS Universidade do Minho Trajetórias 1982: Declaração de Grünwald, UNESCO 1988: CRSE - Proposta de Reforma Global

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO 2 ( ) A construção de uma cultura colegial é um processo longo, não isento de dificuldades e conflitos, e que requer a criação de condições várias, nomeadamente de espaços e tempos destinados ao trabalho

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA REINO UNIDO (1) - 2012 CONSTRUIR UMA CULTURA DE SUCESSO ESCOLAR ATRAVÉS DO CERTIFICADO DE EFICÁCIA PESSOAL DA ASDAN A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato

Agrupamento Vertical de Escolas de Sines Escola Sede: E. B. Vasco da Gama de Sines. Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato Avaliação Desempenho Pessoal Docente Contrato 2011/2012 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo o enquadramento do processo de avaliação do pessoal docente regime contrato para o ano letivo 2011/2012.

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2 Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Cursos Profissionais Nota Introdutória A avaliação constitui uma fonte de informação fundamental para o professor, para

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Enquadramento legal da avaliação

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e DL 433/2014 2014.10.16 De acordo com as prioridades estabelecidas no programa do XIX Governo Constitucional, o Ministério da Educação e Ciência tem vindo a introduzir alterações graduais no currículo nacional

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 Motivação Projeto SER Descrição Implementação Kit de Leitura Aplicação do Kit Mobilidade Inglaterra

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação

I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação profissional em Portugal: Oportunidades e desafios SANA Lisboa Hotel A Educação e o Sistema Nacional de Qualificações Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA Estratégia da ONUSIDA para 2016-2020: Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA www.itcilo.org INTRODUÇÃO Estratégia global orientar e apoiar a resposta à SIDA, a nível global e assente em princípios

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA 2014 FICHA TÉCNICA Título: Estrutura de Termos de Referência Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos

Leia mais

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa Currículo Identificação de Aprendizagens Essenciais 25/10/2016 - Lisboa Enquadramento 12 anos da escolaridade obrigatória Características dos documentos curriculares Resultados do inquérito nacional aos

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 5/2011 Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE RIO TINTO CALENDÁRIO - Processo de ADD - ano escolar de 2016-17 Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro Ação Prazo Pedido de observação de aulas: docentes em período

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO A unidade curricular de Simulação Empresarial ministrada no Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO

REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO Agrupamento de Escolas da Maia REGULAMENTO DO PRÉMIO DE MÉRITO 2013/2014 Índice 1. Enquadramento... 1 2. Objetivos... 2 3. Disposições gerais... 2 3.1. Âmbito... 2 3.2. Intervenientes... 2 3.3. Divulgação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO O presente Regulamento dos Quadros de Mérito e de Excelência do Agrupamento de Escolas João da

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2015, Outubro Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES À DISTÂNCIA DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. TRAINING CENTER,

Leia mais

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática.

promovam a reflexão sobre temáticas fundamentais relacionadas com a aprendizagem da Matemática. Áreas prioritárias no apoio ao sistema educativo 1º ciclo área da Matemática Perspectivas sobre o trabalho a ser desenvolvido na área da Matemática Proposta Enquadramento A visão de que o ensino da Matemática,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, LICENCIATURA. Dispõe sobre a prática das Atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Ciências Biológicas, Licenciatura da Faculdade

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria Inicial

Projeto de Ações de Melhoria Inicial Projeto de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2015/2016 Outubro de 2015 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Estrutura do documento PAM (Projeto de Ações de Melhoria) Tabela 1 Estrutura do documento Projeto

Leia mais

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Preâmbulo A garantia de qualidade pode descrever se como a atenção sistemática, estruturada e contínua à manutenção e

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

Inovação & A avaliação

Inovação & A avaliação INOVAÇÃO E ENSINO DA EXCELÊNCIA: AVALIAÇÃO NO AEB, PORQUÊ E COMO Inovação & A avaliação Impacto da avaliação formativa nas aprendizagens (workshop 1) Lisboa, 07 julho 2015 Anabela Serrão PORQUE AVALIAMOS?

Leia mais

MATRIZ DE RESPONSABILIDADES. Página 1 de 7

MATRIZ DE RESPONSABILIDADES. Página 1 de 7 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição de projeto educativo e do plano de desenvolvimento educativo e formativo Informado Informado Informado A1. Planeamento Estratégico 3 Carta

Leia mais