NÚCLEO DE SAÚDE DEPTO DE MEDICINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÚCLEO DE SAÚDE DEPTO DE MEDICINA"

Transcrição

1 NÚCLEO DE SAÚDE DEPTO DE MEDICINA PROGRAMA DE PG EM BIOLOGIA EXPERIMENTAL NORMAS DE FUNCIONAMENTO => MESTRADO E DOUTORADO MODIFICADAS EM SETEMBRO/ OUTUBRO DE 2006 APROVADAS PELO COLEGIADO DO PROGRAMA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2006

2 2 I - Organização I.1. O Colegiado é o órgão de Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental/PGBIOEXP, sendo responsável por traçar as diretrizes e zelar pela execução deste Programa, e coordenar as atividades didático cientificas pertinentes, segundo Regimento do Programa. I.2. - Os serviços de apoio administrativos serão prestados pela Secretaria do Programa, órgão subordinado diretamente à Coordenação do PGBIOEXP. II Taxas II.1 Taxa de Inscrição do Processo Seletivo. Será cobrada taxa de inscrição nos processos seletivos dos programas de Pós-Graduação, curso de Mestrado e de Doutorado, conforme definição do Conselho Superior pertinente. II.1.a. Não será cobrada taxa de inscrição ao aluno especial III Critérios de Seleção O processo seletivo seguirá Editais próprios e poderá ter as seguintes etapas: a Prova de seleção formulada e aplicada pelo Colegiado do Programa. b Entrevista com os candidatos, análise de currículo, projeto de pesquisa, histórico escolar e cartas de recomendação. único: A aceitação do candidato como aluno regular será condicionada à disponibilidade dos orientadores, na época da publicação dos editais e seguem os critérios gerais de Orientação contidos no item X, parágrafos X-2 e X.4.1 destas Normas Gerais. IV Prazos para defesa de Dissertação/Tese IV. 1 Prazos Fixados

3 3 Os prazos seguirão aqueles determinados no Regimento do Programa: IV.1.1 O curso nível Mestrado, compreendendo a apresentação da Dissertação, não poderá ser concluído em prazo superior a 24 meses. IV O curso nível Doutorado, compreendendo a apresentação da tese, não poderá ser concluído em prazo superior a 48 meses. IV O prazo mínimo para apresentação da dissertação/tese é de 12 meses. V- Procedimentos para depósito da dissertação/tese V.1 - O candidato ao título de Mestre deverá entregar seis cópias da sua dissertação ao respectivo orientador, o qual assinará o formulário de depósito e o encaminhará, juntamente com os exemplares à Secretaria do Programa. A distribuição dos exemplares da dissertação é a seguinte: três cópias para os membros efetivos da comissão julgadora; duas cópias para os membros suplentes da comissão julgadora; uma cópia permanecerá na Secretaria do Programa até a data da defesa. V.2 O candidato ao título de Doutor deverá entregar oito cópias da sua tese ao respectivo orientador, o qual assinará o formulário de depósito e o encaminhará, juntamente com os exemplares à Secretaria do Programa. A distribuição dos exemplares da tese é a seguinte: 5 (cinco) cópias para os membros efetivos da comissão julgadora; 2 (duas) cópias para os membros suplentes da comissão julgadora; 1 (uma) cópia permanecerá na Secretaria do Programa até a data da defesa. 1: quando o orientador encaminhar à Secretaria do Programa o formulário de depósito com os exemplares da dissertação ou tese, também enviará sugestão para composição da Comissão Julgadora..2: a composição da Comissão Julgadora ficará a cargo do Colegiado, que poderá designar comissões próprias para este trabalho. V.2.3 o aluno será julgado pela defesa e conteúdo da dissertação ou tese depositada. Fica vedada qualquer alteração de forma e/ou conteúdo a partir da data do depósito.

4 4 VI Critérios para passagem de Mestrado para Doutorado Direto VI.1 No programa de pós-graduação em Biologia Experimental será permitida a passagem do mestrado para o doutorado direto, antes que tenham sido completados os estudos naquele nível, com o aproveitamento dos créditos já obtidos. VI.2 O aluno deverá ter completado todos os créditos em disciplinas exigidos para o mestrado. VI.3 A indicação de passagem direta, feita pelo Orientador, deverá ser aprovada pelo Colegiado do Programa, mediante análise das publicações e do projeto de pesquisa. único. O aluno que passar para doutorado Direto deverá cumprir, obrigatoriamente, 56 créditos, sendo que 28 referem-se aos créditos mínimos do Mestrado. VII - Créditos Mínimos VII.1- Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 28 unidades de créditos, assim distribuídos: i. 16 créditos em disciplinas obrigatórias (MTCs) ii. 12 créditos em disciplinas optativas (MEPs/MEQs) único. Os créditos deverão ser cumpridos em no máximo 18 meses VII.2 -Do candidato ao grau de Doutor serão exigidas, no mínimo, 56 unidades de créditos, assim distribuídos: i. 28 créditos referentes ao titulo de Mestre ii. 08 créditos referentes a disciplinas obrigatórias (MTCs) iii. 20 créditos referentes a disciplinas optativas (MEPs E MEQs) único - Os créditos deverão ser cumpridos em no máximo 24 meses

5 5 VII.3- Os créditos optativos do Doutorado poderão ser obtidos através de atividades extras ao Programa (créditos especiais), segundo os Art.s 35 e 36, Secção III do Regimento Geral do PGBIOEXP, que dizem: Art. 35º - Poderão, a juízo do Colegiado, ser computados no total de créditos mínimos exigidos em módulos, até vinte por cento desse mesmo total, ao aluno que desenvolver uma ou mais das seguintes atividades: I - capitulo de livro de reconhecido mérito na área do conhecimento e que tenha comprovada relação com projeto de dissertação ou tese do aluno; II - capitulo em manual tecnológico, reconhecido por órgãos oficiais da esfera estadual ou federal, que tenha comprovada relação com o projeto de dissertação ou tese do aluno; III atividade de tutoria ou monitoria realizada junto a alunos de graduação, desde que programada pelo Departamento ou responsável pelo curso ou disciplina; VII. participação em estágios, cursos de extensão ou aperfeiçoamento, previamente autorizada pelo Colegiado, que, pelo seu programa ou conteúdo, digam respeito às atividades de pesquisa do aluno interessado. Art. 36º - Para fins de atribuição de créditos especiais, as atividades relacionadas no Art. 35º deverão ser exercidas ou comprovadas no período em que o aluno estiver regularmente matriculado em programa de Pós-graduação. único: o Colegiado poderá aceitar créditos especiais fora dos preceitos do Art. 35º, desde que se trate de atividade considerada de relevância. VII.4 - Não serão atribuídos créditos a Dissertação, Exame de Qualificação e Tese VII.5 - O candidato ao grau de Doutor, portador do titulo de Mestre, obtido fora do Programa de Pós-graduação em Biologia Experimental, deverá ter os créditos do Mestrado aprovados em análise de CV. 1: em caso de deficiência curricular nas disciplinas básicas do PGBIOEXP, o aluno deverá cursar os MTCs correspondentes do Mestrado em Biologia Experimental, para prosseguimento do curso de doutorado, se o orientador considerar necessário. 2: não serão contados os créditos dos MTCs cursados por indicação do orientador ao aluno de Doutorado

6 6 VIII Língua Estrangeira VIII.1- Nos cursos de mestrado e doutorado do programa de pós-graduação, a prova de proficiência em língua seguirá normas regimentais. VIII.2 - Poderão ser aceitos exames externos, como TOEFL ou similares, definido-se a pontuação mínima. IX Disciplinas O programa de Pós-graduação em Biologia Experimental é de natureza modular. As disciplinas que compõem o elenco de cada Módulo seguem normas regimentais e deverão ser credenciadas pelo Colegiado. Para o credenciamento das disciplinas a Coordenação deverá encaminhar a seguinte documentação ao Colegiado: a. Formulário preenchido; b. Currículo Lattes/CNPq do(s) professor(es) responsável(is); c. Justificativa para o (re) credenciamento da disciplina; IX.1 - O Colegiado enviará a um relator, ao qual será pedido um parecer sobre: IX conteúdo do programa de disciplina; IX atualidade da bibliografia; IX compatibilidade entre o programa da disciplina e a experiência profissional/cientifica do(s) docente(s). IX.2 Para ministrar ou colaborar em disciplinas dos Módulos também se admite especialista de reconhecidos méritos, não portador de titulação universitária, contratado ou não pela UNIR. IX.3 cabe ao ministrante das disciplinas do programa de mestrado e doutorado o cumprimento dos prazos para entrega de relatórios de notas único: este prazo não pode ultrapassar 30 dias do término da disciplina.

7 7 X Credenciamento e Recredenciamento de Docentes/Orientadores X- 1 - o corpo docente atuante no Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental (PGBIOEXP) será constituído de professores estáveis, sujeitos a normas de credenciamento e recredenciamento, e docentes participantes ou visitantes, convidados para participações eventuais.. 1. O credenciamento dos professores do PGBIOEXP será efetivado pelo Colegiado do Programa a partir de normas específicas, as quais deverão obedecer aos critérios mínimos estabelecidos pelo Regimento Geral, Capítulo IV, Secções I,II e II. 2. A forma adotada para Credenciamento de Docentes, assim como de Orientadores, é o convite feito por Docente/Pesquisador/Orientador já credenciado pelo Programa. 3. o Colegiado elegerá uma Comissão para análise do CV do convidado, antes de efetuar ou negar o Credenciamento, para Docente/Orientador. 4. São professores participantes ou visitantes do PGBIOEXP aqueles que desenvolvem atividades de curto período no Programa, em caráter transitório. 5. O Docente participante/visitante não poderá exercer atividades de orientação. X-2 O candidato à orientação de alunos de Mestrado deverá ser portador do título de Doutor outorgado pela UNIR, por ela reconhecido ou de validade nacional e possuir pelo menos cinco dos sete requisitos abaixo relacionados, sendo o 7 obrigatório: 1. possuir linha de pesquisa claramente definida, traduzida em publicação de livros, artigos em periódicos científicos com sistema de arbitragem, no Brasil ou no exterior, ou ainda trabalhos completos publicados em anais de reuniões especialistas; 2. ter coordenado e participado de projetos de pesquisa financiados por agências de fomento, bem como daqueles de domínio público e possuir verba própria de Fomento do Projeto inserido no Programa; 3. ter realizado estágio em instituição estrangeira ou nacional, de prestigio internacional, na área de sua especialidade; 4. ter participado de comissões julgadoras de mestrado e doutorado, comissões de exame de qualificação e outras comissões atinentes às atividades de pós-graduação daquela área; 5. possuir experiência em orientação de monografias de conclusão de curso, de bolsas de aperfeiçoamento e de iniciação cientifica; 6. ter participado de organização de reuniões cientificas de sua área de especialidade, ou ter tido participação ativa como expositor, debatedor ou coordenador de painéis;

8 8 7. ter publicação de pelo menos um artigo cientifico em revistas Qualis A Nacional ou B Internacional no últimos dois anos. 8. o número máximo de orientados/docente é sete, seguindo preceitos da CAPES. único: a oferta de vaga de orientação em Mestrado pelo Docente/orientador deverá ser aprovada pelo Colegiado e estará diretamente relacionada ao desempenho do Docente/Pesquisador no Programa. X.3 - Ao candidato à orientação de alunos de Doutorado serão aplicados os mesmos critérios do mestrado, além de ter pelo menos uma orientação concluída de mestrado, ou ter experiência anterior de orientação concluída em outros programas de pós-graduação reconhecimentos pela CAPES; X.4 - Os pedidos de credenciamento deverão ser encaminhados ao Colegiado em formulário próprio, por Docente já credenciado no Programa, que apresenta o candidato ao credenciamento. X Os critérios definidos pelas alíneas a e b do inciso I são considerados requisitos essenciais para o credenciamento. Quanto aos demais, eles serão aplicados de forma global, com a exigência de que o interessado preencha a maioria dos requisitos relacionados. único: a oferta de vaga de orientação em Doutorado pelo Docente/orientador deverá ser aprovada pelo Colegiado e estará diretamente relacionada ao desempenho do Docente/Pesquisador no Programa. X.5 - O recredenciamento será feito a cada três anos. Sua revisão, para Pesquisadores credenciados apenas em Mestrado, antes do final deste prazo, só será possível se houver um volume significativo de novas informações no currículo do solicitante, que justifique esta revisão. X.6 No recredenciamento do orientador deverão ser levados em conta os seguintes pontos: a. número de alunos por ele titulados no período e tempo médio de titulação; b. número de alunos egressos no período sem titulação (evasão); c. existência de produção cientifica derivada das teses ou dissertações, de autoria dos pósgraduados, em co-autoria ou não com o orientador. d. entrega de relatórios de notas e desempenho do aluno nas datas previstas

9 9 d. atendimento às solicitações do Programa, como participação em reuniões, oferecimento regular de disciplinas no Programa, realização de representações e demais solicitações. X Serão analisados, segundo os critérios apresentados nestas Normas, os pedidos de Credenciamento pontual, para Co-orientação e orientação, segundo normas regimentais. XI - Desempenho acadêmico insatisfatório Os critérios para desligamento de pós-graduandos com desempenho acadêmico e cientifico insatisfatório seguem normas regimentais e compreendem: XI.1 - Reprovação por duas vezes em alguma disciplina ou no exame de qualificação. XI.2 - Não cumprimento dos prazos regimentais XI.3 - Não cumprimento do plano individual de trabalho a ser definido por cada programa entregue pelo aluno, aprovado por seu orientador e julgado pelo coordenador do programa. único - Será considerado Desempenho Acadêmico Insatisfatório, em qualquer estágio do curso (seleção, atribuição de créditos, qualificação, defesa) procedimentos que envolvam Falsidade Ideológica, que levem a falsos resultados de Mestrado ou Doutorado,que impliquem em apropriação indébita de dados, e outros procedimentos similares. XII - Exame de Qualificação XII.1 - exame de qualificação segue normas regimentais (Sessão I, Capítulo VI) e é obrigatório para os alunos de Mestrado e Doutorado do programa de pós-graduação em Biologia Experimental. XII.3 - O exame será feito em forma de apresentação pública 3.1- o aluno deverá apresentar o trabalho num mínimo de 20 minutos e máximo de 30minutos cada examinador poderá fazer argüição, em forma de dialogo ou não, que não deverá ultrapassar 30 minutos, e o aluno terá 30 minutos para responder a cada examinador.

10 1 0 XII.4 - O prazo máximo para realização do exame será de 20 meses para mestrado e 40 meses para doutorado, a partir do início do curso. único: Em caso de reprovação, o exame de qualificação poderá ser repetido uma única vez, no prazo máximo de até noventa dias, contados a partir da data de reprovação. XII.5 Competirá ao orientador solicitar ao Colegiado o exame de qualificação de seu orientando, no mínimo um mês antes do prazo específico, por meio de requerimento acompanhado de uma relação de seis nomes de professores sugeridos para a comissão examinadora. único: a comissão examinadora será constituída por três professores, seguindo o artigo 58 do Regimento do PGBIOEXP XII.6- o Exame de Qualificação poderá ser realizado através de dois procedimentos: 6.1. apresentação oral de minutos de trabalho publicado em revista indexada, nacional ou internacional, em que o aluno seja co-autor, e cujo tema esteja correlacionado ao desenvolvido em seu trabalho de Mestrado ou Doutorado. único: Para estudantes do Doutorado, o aluno já deverá ter publicado pelo menos dois artigos em revistas indexadas para realizar o exame de Qualificação com este procedimento apresentação oral de minutos dos resultados do Projeto de sua Dissertação, já passíveis de serem discutidos e de serem tiradas conclusões pertinentes. único: Cada examinador poderá argüir livremente o aluno pelo prazo máximo de 20 minutos e o aluno terá igual tempo para responder a cada examinador. XII. 7- Imediatamente após o encerramento do Exame de qualificação, cada examinador expressará seu julgamento em sessão secreta, considerando o candidato apto ou não apto, com base na apresentação e conteúdo de seu trabalho. único: a necessidade de modificações significativas deve implicar reprovação e nova apresentação nos prazos regimentais.

11 XIII Defesa de Dissertação e Tese 1 1 XII.I.1 - O orientador deverá comunicar a data da defesa da Dissertação ou da Tese à Secretaria do Programa de Pós Graduação em Biologia Experimental, no mínimo quarenta dias de antecedência, para que este pedido seja avaliado nas reuniões ordinárias do Colegiado do PGBIOEXP. único: a defesa de dissertações e teses seguirá as Seções II e III do Capítulo VI do Regimento do PGBIOEXP XII.1.2. Regras específicas complementares para o Mestrado - o aluno deverá: i. completar o número de créditos exigidos; ii. ter sido aprovado na fase de qualificação de Dissertação de Mestrado até o final do 2º período letivo, no máximo. iii. ter uma ou mais comunicações em Congressos Científicos como primeiro autor. iv. Apresentar, nas considerações finais da Dissertação, o manuscrito de 01 artigo científico contendo o assunto da dissertação como conteúdo. XII.I.3. Regras específicas complementares para o Doutorado o aluno deverá: i. completar o número de créditos exigidos; ii. aprovação no exame de qualificação; iii. publicar ou ter aceite de 01 artigo cientifico, contendo o assunto da tese como conteúdo, em periódico indexado, sendo o aluno o primeiro autor OU iv. uma patente obtida no exterior ou no País, ou deposito no exterior ou no País com comprovação de interesse de uma industria para desenvolver a tecnologia em questão, podem ser considerados como equivalente a um artigo cientifico, avaliados pelo Colegiado do PGBIOEXP. A Patente deverá ser depositada observando-se as normas do INPI; v. ter pelo menos duas comunicações em Congresso Cientifico, como primeiro autor. XIV Outras Normas XIV.1- Da padronização para Confecção de Dissertação e Tese

12 As dissertações e teses serão confeccionadas de acordo com normas especificas ao Núcleo de Saúde e ABNT, e: 1 2 a. A capa deverá conter o nome da UNIR, do Núcleo de Saúde e do Programa; título do trabalho; nome do autor; nome do orientador e ano da defesa; b. a contracapa deverá conter no rodapé o nome do Reitor da UNIR, do Diretor do NUSAU e do Coordenador do Programa; c. a página de rosto deverá conter o nome do autor, titulo do trabalho, laboratório onde foi desenvolvido o trabalho, local e ano de publicação; do verso constará a ficha catalográfica ; d. deverá apresentar resumo em inglês e em português XIV.2- Da entrega de exemplares da dissertação ou tese após a defesa Após a defesa da sua dissertação ou tese, o candidato terá até trinta dias para entregar à Secretaria do Programa mais duas cópias dela, sendo que uma será encaminhada à Biblioteca da UNIR e uma cópia ao Laboratório em que foi desenvolvido o trabalho de Pesquisa. Deverá também entregar uma cópia em CD, para publicação pela CAPES. único: esta entrega deverá ser acompanhada por ofício do Orientador, concordando com o conteúdo e confirmando a autenticidade da Dissertação/Tese. XIV.3 Do trancamento de Matricula e Prorrogação de Prazo 3.1 Os pedidos de trancamento de matrícula ou prorrogação de prazo serão recebidos e quando o Regimento de Pós-Graduação permitir, analisado pelo Colegiado os pedidos devem ser encaminhados com os seguintes documentos: a. requerimento do aluno contendo os motivos do pedido, documentalmente comprovados, bem como o prazo pretendido; b. declaração do orientador, justificando o pedido; c. cronograma de realização das etapas restantes da dissertação ou tese e das demais atividades a serem desenvolvidas após o trancamento.

13 d. no caso de aluno em fase de elaboração de dissertação ou tese, deverá ser anexado ao pedido documento que comprove o estágio de desenvolvimento dos trabalhos. 1 3 XV- Das Disposições Gerais Estas Normas estarão sujeitas às demais normas de caráter geral estabelecidas para os Programas de Pós-Graduação da Universidade Federal de Rondônia. Os casos omissos serão resolvidos pelo Colegiado do Programa, cabendo recurso aos órgãos superiores da UNIR. O Colegiado do Programa de Pós-Graduação Senso Estrito da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), em reunião realizada em 30 de novembro de 2006, aprovou as Normas Especificas deste Programa de Pós-Graduação.

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE NORMAS ESPECÍFICAS DA FEA SÃO PAULO I Taxas 1. Não serão cobradas taxas nos processos seletivos dos programas de pós-graduação desta Faculdade. 2. Não será cobrada dos alunos especiais taxa de matrícula

Leia mais

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos:

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos: NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) 1. A Comissão

Leia mais

Oncologia Normas Específicas

Oncologia Normas Específicas Oncologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ONCOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente; mais 1

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos Regulamento do Programa de em Engenharia de Sistemas Logísticos I Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP do Programa de Engenharia de Sistemas Logísticos é constituída por 3 (três)

Leia mais

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO

NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO NORMAS DA PÓS GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO Artigo 1º - A pós-graduação compreenderá dois níveis de formação, que levam aos graus de mestre e doutor. único O título de mestre

Leia mais

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia/Química da Universidade Federal do ABC (UFABC) está

Leia mais

Normas do Programa Engenharia Química - EEL/USP

Normas do Programa Engenharia Química - EEL/USP Normas do Programa Engenharia Química - EEL/USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora de Programa (CCP) em Engenharia Química (PPG-EQ) será constituída por 4

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora

Leia mais

Radiologia Normas Específicas

Radiologia Normas Específicas Radiologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em RADIOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente, mais

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia.

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia. NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ASTRONOMIA DO ON Capítulo 1 Das disposições gerais Capítulo 2 Da constituição do Corpo Docente Capítulo 3 Da orientação do aluno Capítulo 4 Da admissão e matrícula

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO Normas da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo I COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação em Endocrinologia Clínica Escola Paulista de Medicina Disposição inicial Este regulamento estabelece as normas reguladoras e disciplinadoras das atividades

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO (CPG) A CPG da EPUSP é composta pelos coordenadores dos Programas de (PG) da EPUSP, além da representação discente, e respectivos

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear

Normas específicas do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Nuclear NORMAS DO PROGRAMA TECNOLOGIA NUCLEAR I - DA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA Por se tratar de Programa único, a Comissão Coordenadora do Programa CCP é a própria Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós-Graduação

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós-Graduação Normas Específicas do Programa de em Engenharia Mecânica I Composição da Comissão Coordenadora do Programa A CCP do Programa em Engenharia Mecânica (PPGEM) é constituída por 6 (seis) membros docentes titulares

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS CULTURAIS (PPEC) I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais é constituída

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica da UFABC (doravante,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Relações Internacionais. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais

Universidade de São Paulo Instituto de Relações Internacionais. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) é a CPG Comissão de Pós-Graduação.

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Direito. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Direito

Universidade de São Paulo Faculdade de Direito. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Direito Universidade de São Paulo Faculdade de Direito Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Direito I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (CCP) A Faculdade de Direito do Largo

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA I - Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A CCP terá 6

Leia mais

Universidade de São Paulo. Clique aqui para digitar texto. Regulamento do Programa de Pós-Graduação Clique aqui para digitar texto.

Universidade de São Paulo. Clique aqui para digitar texto. Regulamento do Programa de Pós-Graduação Clique aqui para digitar texto. Comentado [PRPG1]: Usar o logo da Unidade Universidade de São Paulo Clique aqui para digitar texto. Regulamento do Programa de Pós-Graduação Clique aqui para digitar texto. I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 2015. PARTE I DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC será desenvolvido

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC),

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 Institui regulamento referente ao Trabalho de Conclusão de Curso para o curso de Medicina do Instituto Metropolitano de Ensino Superior. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

II.1 Proficiência em Língua Estrangeira

II.1 Proficiência em Língua Estrangeira Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 O Conselho do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura aprova as Instruções

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

Normas Específicas da CPG FAUUSP

Normas Específicas da CPG FAUUSP Normas Específicas da CPG FAUUSP I. Taxas 1. Valor da taxa de inscrição ao processo seletivo é limitado em R$ 50,00 (cinqüenta reais). 2. A taxa de matrícula de aluno especial, por disciplina de pósgraduação,

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - O curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto mantém um programa de Mestrado e um de Doutorado,

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA

NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA NORMAS DO PROGRAMA FILOSOFIA I Composição da Comissão Coordenadora do Programa A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Filosofia compõe-se do Coordenador do Programa, do Suplente do Coordenador,

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO Título I Dos Objetivos Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 52/2011, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 52/2011, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu

ANEXO 1 75ª Reunião do Conselho de Pós-Graduação Stricto Sensu REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa as

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS Coordenação: Prof. Dr. Luís Eduardo Almeida Prof. Dr. Marcelo Massayoshi Ueki http://www.engenhariademateriais-ufs.net/

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Agrícolas I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais - UFRN CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014 D.O.E.: 28/08/2014 RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014 Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Pneumologia da Faculdade de Medicina. A Pró-Reitora de Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação

Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação I Taxas: 1. Valor da taxa de inscrição ao processo seletivo é de R$ 50,00 (cinqüenta reais). 2. A taxa de matrícula de aluno especial, por disciplina

Leia mais

Capítulo II Da Banca

Capítulo II Da Banca A Comissão de Avaliação de Projetos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola, em reunião realizada em 19/10/2011, aprovou as normas para Defesa de Projeto de Pesquisa, nos seguintes termos:

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) São Carlos 2012 SUMÁRIO Capitulo I Da definição e objetivos... 03 Capítulo II Da

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA DA FFLCH I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) será composta por sete docentes (o coordenador, o suplente

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia. Manual do Aluno do Programa de Mestrado em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos

Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia. Manual do Aluno do Programa de Mestrado em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia Manual do Aluno do Programa de Mestrado em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos São Caetano do Sul 2012 1. Introdução A Pós Graduação stricto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE:

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. Aprova as Normas Regulamentadoras da operacionalização da Monografia

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 001/2011-PPGEd/CE/UFRN Dispõe sobre o processo interno de mudança do nível de Mestrado para o nível de Doutorado no Programa de Pós- Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA Regimento aprovado pelo CPG em 19/02/2003. TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art 1º O Curso de Pós Graduação a nível de Mestrado e Doutorado

Leia mais

Normas do Programa Saúde Pública da FSP/USP

Normas do Programa Saúde Pública da FSP/USP 1 Normas do Programa Saúde Pública da FSP/USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) O Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública (PPG-SP) da FSP/USP vincula-se à Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento Interno do Curso de Mestrado em Biotecnologia e Área de concentração: Biotecnologia e REGIMENTO INTERNO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA E MONITORAMENTO AMBIENTAL TÍTULO I Dos Objetivos

Leia mais