Férias, feriados e faltas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Férias, feriados e faltas"

Transcrição

1 Férias, feriados e faltas Durante a vigência do contrato de trabalho a empresa tem de respeitar um conjunto de direitos dos trabalhadores relativos a férias, feriados e faltas, e estes também têm várias obrigações para com a empresa, nomeadamente a assiduidade. O direito a férias resulta da necessidade da empresa conceder um período de repouso ao trabalhador, que lhe permita recuperar o desgaste físico e mental provocado pela continuidade da sua prestação laboral ao longo do ano. Por outro lado, nos dias considerados como feriado obrigatório, todas as empresas que não possam laborar aos domingos têm de encerrar ou suspender a laboração. Apesar da assiduidade ser uma das obrigações que o trabalhador assume para com a empresa quando se vincula a esta, existem um conjunto de situações as faltas justificadas que a lei considera como sendo faltas cujos motivos estão acima do interesse da empresa. Férias As férias são um direito de que o trabalhador não pode prescindir, e que não está condicionado à assiduidade ou efetividade de serviço, existindo no entanto a possibilidade do trabalhador renunciar parcialmente às férias, recebendo no entanto a retribuição e o subsídio respetivos. Se a empresa não cumprir as regras legais e obste culposamente ao gozo das férias, pode ser obrigada a pagar ao trabalhador afetado uma compensação no valor do triplo da retribuição correspondente ao período em falta, que terá de ser gozado até 30 de abril do ano civil subsequente. Aquisição e duração das férias A empresa está obrigada a conceder um mínimo de 22 dias úteis (de segunda-feira a sexta-feira, com exceção dos feriados) de férias ao trabalhador por cada ano civil, exceto no ano da sua admissão. 1

2 No entanto, sempre que os dias de descanso do trabalhador coincidam com dias úteis, são considerados como dias de férias, em substituição daqueles, os sábados e os domingos que não sejam feriados. O direito a férias a gozar estes dias de férias vence-se no dia 1 de janeiro de cada ano civil. Férias no ano da contratação Se o contrato de trabalho for sem termo ou, no caso de ser a termo, tiver uma duração igual ou superior a 6 meses, o trabalhador tem direito, após seis meses completos de execução do contrato, a gozar dois dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao máximo de 20 dias úteis. Caso o ano civil termine antes daquele prazo, poderá gozar aquelas férias até 30 de junho do ano seguinte. No entanto, não é permitido que, em função desta possibilidade, goze mais de 30 dias úteis nesse ano, exceto se essa possibilidade estiver prevista num instrumento de regulamentação coletiva de trabalho. Exemplos: Se um trabalhador iniciar a sua prestação de trabalho em agosto, com contrato com duração superior a 6 meses, terá em 1 de fevereiro do ano seguinte - prazo em que terminam os seis meses exigidos para o vencimento das férias direito a 10 dias de férias (2 dias de férias por cada um dos meses em que trabalhou no ano da celebração do contrato). Entretanto, vencem-se também os 22 dias úteis de férias. No entanto, o trabalhador só terá, no máximo, 30 dias de férias nesse ano. Se um trabalhador iniciar a sua prestação de trabalho em fevereiro, com contrato com duração superior a 6 meses, terá direito a férias no dia 1 de agosto. Se entretanto não as gozar, no final do ano terá direito a 20 dias úteis (2 dias de férias por cada um dos meses em que trabalhou no ano da celebração do contrato com o limite máximo de 20 dias). No dia 1 de janeiro do ano seguinte vencem-se 22 dias úteis de férias. Neste caso, a limitação de 30 dias de férias nesse ano não é aplicável se a responsabilidade desta cumulação for da entidade empregadora. Se o contrato de trabalho tiver uma duração inferior a seis meses, o trabalhador tem direito a dois dias úteis de férias por cada mês completo de duração do contrato (para este efeito são contados todos os dias completos ou interpolados de prestação de trabalho). Neste caso, salvo acordo entre a empresa e o trabalhador, as férias serão gozadas imediatamente antes da cessação do contrato de trabalho. Férias no ano da cessação de impedimento prolongado Por vezes o contrato de trabalho é suspenso devido a impedimento prolongado como por exemplo, o resultante do trabalhador sofrer um acidente de viação e cuja recuperação obrigue a vários meses de ausência do trabalho (sempre que um 2

3 trabalhador esteja de baixa por acidente por mais de trinta dias, o contrato é suspenso). No ano em que o trabalhador regresse ao trabalho após impedimento prolongado, tem direito à retribuição e ao subsídio de férias correspondentes ao tempo de serviço prestado no inicio do ano de inicio da suspensão. A violação das regras relativas à aquisição e duração de férias constitui contraordenação laboral grave, obrigando ao pagamento de uma coima. No entanto, e em caso de cessação do contrato, se a entidade empregadora tiver pago ao trabalhador os montantes legalmente exigidos, e se pagar voluntariamente a coima, esta terá o valor correspondente a uma contraordenação leve. Renúncia parcial às férias O trabalhador pode renunciar parcialmente ao gozo das férias, recebendo a retribuição e o subsídio respetivos, desde que a empresa assegure o gozo efetivo de 20 dias úteis de férias. No ano de admissão à empresa, essa renúncia terá de corresponder à correspondente proporção. Em qualquer dos casos, esta renúncia parcial ao gozo das férias não pode implicar qualquer redução da retribuição e do subsídio relativos ao período de férias vencido, que cumulam com a retribuição do trabalho prestado nesses dias. A violação desta regra constitui contraordenação laboral grave, obrigando ao pagamento de uma coima. No entanto, e em caso de cessação, se a entidade empregadora tiver pago ao trabalhador os montantes legalmente exigidos, e se pagar voluntariamente a coima, esta terá o valor correspondente a uma contraordenação leve. Gozo e acumulação de férias A empresa deve fazer com que o trabalhador goze as suas férias no ano civil em que se vencem. No entanto, se existir acordo como o trabalhador ou se este as pretender gozar com familiar residente no estrangeiro, as férias podem ser gozadas até 30 de abril do ano civil seguinte, em cumulação ou não com férias vencidas no início deste. Pode ainda ser cumulado o gozo de metade do período de férias vencido no ano anterior com o vencido no ano em causa, mediante acordo entre empregador e trabalhador. 3

4 O desrespeito por estas regras implica a prática de uma contraordenação laboral grave. Prestações a pagar ao trabalhador por férias Durante o período de férias a empresa tem de pagar ao trabalhador a retribuição e o subsídio de férias. O montante da retribuição a pagar relativa ao período de férias é corresponde à que o trabalhador receberia se estivesse em serviço efetivo. O montante do subsídio de férias compreende a retribuição base e as demais prestações retributivas que sejam contrapartida do modo específico da execução do trabalho (exemplo: subsídio de turno). Se a empresa e o trabalhador não acordarem outra coisa por escrito, este subsídio deve ser pago antes do início do período de férias deste último; se as férias foram gozadas de forma repartida, o subsídio deve ser pago proporcionalmente. A violação destas regras é considerada uma contraordenação laboral muito grave. Se o trabalhador tiver direito a gozar mais dias de férias por não ter dado faltas, ou ter dado apenas faltas justificadas, o montante do seu subsídio de férias é igual ao que receberia caso apenas tivesse direito a gozar os 22 dias úteis de férias. Caso o trabalhador tenha optado por compensar faltas dadas anteriormente (e que determinem perda de retribuição) com dias de férias, o montante da sua retribuição e do seu subsídio de férias não são reduzidos. Esta possibilidade apenas é admitida caso o trabalhador tenha direito a férias que excedam os 20 dias úteis de férias, ou, no ano de admissão, a correspondente proporção. Marcação das férias Marcação de férias com acordo do trabalhador A empresa deve marcar o período de férias do trabalhador, através de acordo entre ambos. Marcação de férias sem acordo do trabalhador No entanto, como a maior parte das vezes é difícil conciliar os interesses do trabalhador com os da empresa, se não for alcançado o acordo, compete a 4

5 esta última marcar as férias, elaborando o respetivo mapa de férias. Neste caso, as férias não se podem iniciar em dia de descanso semanal do trabalhador, e é obrigatória a audição da comissão dos trabalhadores, ou na sua falta, a comissão intersindical ou a comissão sindical representativa do trabalhador. Se a empresa marcar unilateralmente as férias do trabalhador, tem de o fazer entre 1 de maio e 31 de outubro, exceto se: - existir parecer favorável dos representantes dos trabalhadores; - o instrumento de regulamentação coletiva de trabalho aplicável alargar este período. As micro-empresas, ou seja, empresas que empreguem menos de 10 trabalhadores, podem fixar as férias dos seus trabalhadores sem estarem limitadas aquele período. As empresas que exerçam atividade ligada ao turismo estão obrigadas a marcar 25% (ou percentagem superior quando prevista em instrumento de regulamentação coletiva de trabalho aplicável) do período de férias a que os trabalhadores têm direito, entre 1 de maio e 31 de outubro. Este período de férias tem de ser gozado de forma consecutiva. As empresas que utilizem contrato de trabalho cuja cessação esteja sujeita a aviso prévio, podem fixar que o gozo das férias tenha lugar imediatamente antes da cessação. A violação destas regras, constitui contraordenação laboral grave e obriga ao pagamento de uma coima. Atribuição dos períodos de férias As férias podem ser gozadas de forma interpolada, desde que haja acordo com o trabalhador e fique assegurado o gozo de 10 dias úteis consecutivos. Se nada for acordado por escrito, o respetivo subsídio de férias deve ser pago de forma proporcional. Se possível, aquando da marcação das férias, a entidade empregadora deve ratear os períodos de férias mais pretendidos pelos seus trabalhadores, beneficiando-os alternadamente em função dos períodos gozados nos dois anos anteriores. Se a empresa tiver ao seu serviço ambos os cônjuges ou as pessoas que vivam em união de facto ou economia comum, deve marcar as férias de ambos de forma a que estes possam gozar férias no mesmo período. Esta medida não se aplica se existir prejuízo grave para a empresa. As férias podem ser gozadas de forma interpolada, desde que haja acordo com o trabalhador e fique assegurado o gozo de 10 dias úteis consecutivos. Se nada for acordado por escrito, o respetivo subsídio de férias deve ser pago de forma proporcional. 5

6 Alteração da marcação das férias por motivo da empresa A empresa pode necessitar de alterar a marcação das férias, ou mesmo interromper as férias do trabalhador, devido a exigências imperiosas do seu funcionamento. Neste caso, a empresa terá de indemnizar o trabalhador pelos prejuízos que este tenha sofrido por deixar de gozar férias nesse período. A interrupção das férias faz com que o trabalhador tenha obrigatoriamente de gozar de forma seguida metade do período de férias a que tenha direito. A violação destas regras constitui contraordenação laboral leve, e obriga ao pagamento de uma coima. Em caso de cessação do contrato de trabalho sujeita a aviso prévio, o empregador pode alterar a marcação das férias, fixando que o gozo das férias tenha lugar imediatamente antes da cessação. Alteração da marcação das férias por motivo do trabalhador Por vezes a entidade empregadora é obrigada a aceitar a alteração do período de férias sempre que, na data prevista para o seu início, ou durante o seu gozo, o trabalhador esteja ou fique temporariamente impedido devido a doença ou outro facto, desde que lhe seja imputável. No entanto, para aquele efeito, o trabalhador terá de comunicar o impedimento à empresa, e em caso de doença, não se pode opor à verificação dessa situação por médico designado pela segurança social a pedido da empresa e terá ainda de apresentar declaração de estabelecimento hospitalar, de centro de saúde, ou atestado médico à empresa, caso aquela o solicite. Se o estado de impedimento terminar antes de finalizar o período de férias anteriormente marcado, o trabalhador terá de gozar os restantes dias de férias até ao fim do período marcado. Se não houver acordo com o trabalhador em relação à marcação dos restantes dias de férias que lhe faltar gozar, a empresa poderá marcar para a data que mais lhe convier, em qualquer altura do ano. Em caso de impossibilidade total ou parcial do gozo de férias por motivo de impedimento do trabalhador, este tem direito à retribuição correspondente ao período de férias não gozado ou ao gozo do mesmo até 30 de abril do ano seguinte e, em qualquer caso, ao respetivo subsídio. Mapa de férias A empresa tem de elaborar o mapa de férias, com indicação do início e do termo dos períodos de férias de cada trabalhador, até 15 de abril de cada ano. Este mapa tem de estar afixado nos locais de trabalho entre 15 de abril e 31 de outubro, sob pena da empresa praticar uma contra ordenação laboral leve. 6

7 Encerramento da empresa ou estabelecimento para férias A empresa ou o estabelecimento podem encerrar, total ou parcialmente, um máximo de 15 dias consecutivos entre 1 de maio e 31 de outubro. Dentro deste período, se a natureza da atividade assim o exigir, a empresa ou estabelecimento podem encerrar por período superior a 15 dias consecutivos. O encerramento da empresa pode também ter uma duração superior ou ser praticado fora deste período, quando estiver previsto em instrumento de regulamentação coletiva de trabalho ou mediante parecer favorável da comissão de trabalhadores. A empresa ou estabelecimento pode também encerrar: - durante as férias escolares do Natal, desde que não exceda os cinco dias úteis consecutivos; - nas pontes, ou seja, em dia que esteja entre um feriado que ocorra à terçafeira ou à quinta-feira e um dia de descanso semanal (a partir de 1 de janeiro de 2013). Atividade profissional durante as férias Durante as férias, o trabalhador não pode exercer qualquer outra atividade remunerada, salvo se já a viesse exercendo cumulativamente ou se a empresa o autorizar. A violação desta norma, para além de poder configurar matéria para procedimento disciplinar, permite que a empresa exija que o trabalhador reponha a retribuição correspondente às férias e respetivo subsídio, e metade deste montante reverterá para o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social. Para este efeito, a empresa pode proceder os descontos na retribuição do trabalhador até ao limite de um sexto, relativamente a cada um dos períodos de vencimento posteriores. Férias e o fim do contrato Terminando o contrato de trabalho, a entidade empregadora tem de pagar ao trabalhador a retribuição e respetivo subsídio correspondentes ao período de férias proporcional ao tempo de serviço prestado no ano da cessação. 7

8 Se o contrato terminar antes do trabalhador ter gozado o período de férias vencido no início do ano, tem ainda direito a receber a retribuição correspondente a esse período bem como o respetivo subsídio. Este período tem de ser considerado para efeitos de antiguidade. O incumprimento destas regras constitui contraordenação laboral grave, e obriga ao pagamento de uma coima. A aplicação destas regras a contratos que tenham tido uma duração inferior a 12 meses, não pode resultar num período de férias superior ao proporcional à duração do vínculo. Se o contrato de trabalho cessar após impedimento prolongado respeitante ao trabalhador, este tem direito à retribuição e ao subsídio de férias correspondentes ao tempo de serviço prestado no ano de início da suspensão. Feriados Nos dias considerados como feriado obrigatório, têm de encerrar ou suspender a laboração todas as empresas que não possam laborar aos domingos. A lei estabelece como feriados obrigatórios os dias: - 1 de janeiro; - Sexta-Feira Santa (este feriado pode ser observado em outro dia com significado local no período da Páscoa); - Domingo de Páscoa; - 25 de Abril; - 1 de maio; - Corpo de Deus (deixa de ser considerado feriado a partir de 1 de janeiro de 2013); - 10 de Junho; - 15 de agosto; - 5 de Outubro (deixa de ser considerado feriado a partir de 1 de janeiro de 2013); - 1 de novembro (deixa de ser considerado feriado a partir de 1 de janeiro de 2013); - 1 de dezembro (deixa de ser considerado feriado a partir de 1 de janeiro de 2013); - 8 de dezembro; - 25 de dezembro. Faltas 8

9 Quando a empresa contrata o trabalhador, este obriga-se a estar disponível para prestar serviço nos locais e nos momentos previamente determinados durante um determinado período normal de trabalho diário. Desta forma, a falta é entendida como a ausência do trabalhador do local de trabalho durante o período em que devia estar a trabalhar. Esta ausência pode ter reflexos a nível disciplinar, conforme seja ou não considerada justificada. Por vezes o trabalhador ausenta-se por períodos inferiores ao período de normal de trabalho a que está obrigado. Para efeito de contabilização de uma falta, a duração destas ausências deve ser somada até completar um período normal de trabalho diário. Caso o período normal de trabalho não seja uniforme, considera-se sempre a duração média. As faltas não interferem com o direito a férias do trabalhador. No entanto, as ausências que determinem perda de retribuição podem ser substituídas por dias de férias, caso o trabalhador expresse o seu desejo por escrito, na proporção de um dia de férias por cada dia de falta, desde que seja salvaguardado o gozo efetivo de 20 dias úteis de férias ou da correspondente proporção, no caso de férias no ano de admissão. As faltas podem ser de dois tipos: as consideradas como justificadas, e as injustificadas, ou seja, todas as restantes. As regras relativas aos tipos de faltas e à sua duração, à exceção das que são dadas pelos trabalhadores eleitos para as estruturas de representação coletiva (desde que sejam mais favoráveis ao trabalhador), não podem ser alteradas por negociação coletiva ou por contrato de trabalho. Faltas justificadas A falta justificada corresponde a uma ausência do trabalhador do seu local de trabalho durante o período em que devia estar a trabalhar, que a lei considera justificada, e por esse motivo, não é passível de procedimento disciplinar. Em relação aos restantes efeitos, como por exemplo a perda de retribuição, estes variam consoante o tipo de justificação da falta. Em relação aos restantes efeitos das faltas justificadas, não prejudicam nem alteram os direitos dos trabalhadores exceto, em relação a algumas faltas, a retribuição. Quando o trabalhador dá mais de 30 faltas justificadas por ano e sem perda de retribuição, a empresa deixa de ter de pagar a retribuição das faltas justificadas restantes, apesar da lei estabelecer que o trabalhador não perde o direito à retribuição quando as dá. As comunicações das faltas justificadas devem ser entregues à empresa com uma antecedência mínima de cinco dias. Se a falta for imprevisível, a respetiva justificação deve ser comunicada à empresa logo que possível. 9

10 Efetuada a comunicação da justificação da falta, se esta se prolongar, o trabalhador está obrigado a tornar a justificar a sua ausência - se o impedimento se prolongar por mais de um mês, o contrato de trabalho suspende-se, mas mesmo neste caso o trabalhador mantém esta obrigação, sob pena da falta ser considerada injustificada. A empresa pode, nos 15 dias seguintes à comunicação da falta, exigir ao trabalhador prova dos factos invocados para a sua justificação ALGUMAS DAS FALTAS JUSTIFICADAS MAIS IMPORTANTES: Casamento O trabalhador, quando casa, tem direito a gozar 15 dias seguidos. Estas faltas são consideradas justificadas e não determinam a perda de retribuição. Falecimento de familiares e pessoas próximas O trabalhador pode faltar justificadamente cinco dias seguidos, sem perda de retribuição, em caso de morte de: - cônjuge, do pai, da mãe, de um filho, do padrasto/madrasta, de um enteado, do sogro/sogra ou do genro/nora; - pessoa com quem vivesse em união de facto - independentemente do sexo e desde que há mais de dois anos; - pessoa com quem vivesse em economia comum - comunhão de mesa e habitação há mais de dois anos e tenham estabelecido uma vivência em comum de entreajuda ou partilha de recursos. Se ocorrer a morte de outro parente ou afim da linha reta (avós, bisavós, netos, bisnetos) e do segundo grau da linha colateral (irmãos e cunhados), é-lhe permitido faltar justificadamente durante dois dias consecutivos, também sem perda de retribuição. A violação destas regras constitui contraordenação laboral grave. Desempenho de funções em estruturas de representação coletiva dos trabalhadores As ausências dos trabalhadores eleitos para as estruturas de representação coletiva de trabalhadores (nomeadamente associações sindicais, comissões e sub-comissões de trabalhadores, representantes para a segurança e saúde no trabalho) no desempenho das suas funções e que excedam o crédito de horas consideram-se faltas justificadas. Embora não tenham direito a retribuição, contam como tempo de serviço efetivo. 10

11 O crédito de horas permite ausências ao trabalho mantendo o direito à retribuição e à antiguidade e varia consoante os representantes: - para os membros das comissões de trabalhadores varia entre as 4 e as 25 horas mensais; - para os delegados sindicais varia entre as 5 e as 8 horas mensais; - para os membros da direção sindical é de 4 dias mensais (os que excedam o número máximo previsto na lei, calculado com base no número de trabalhadores sindicalizados existentes na empresa, têm direito a um máximo de 33 faltas justificadas por ano). - para os representantes dos trabalhadores para a segurança e saúde no trabalho, é de 5 horas por mês. No caso específico dos delegados sindicais, as ausências apenas se consideram justificadas, para além das que correspondam ao gozo do crédito de horas, as motivadas pela prática de atos necessários e inadiáveis no exercício das suas funções. O trabalhador ou a estrutura de representação fica obrigado a comunicar por escrito à empresa a ausência, com um dia de antecedência, indicando as datas e o número de dias necessários para o exercício daquelas funções. Em caso de impossibilidade de previsão, a comunicação deve ser efetuada nas quarenta e oito horas imediatas ao primeiro dia de ausência. Se o trabalhador não comunicar a falta, ou o não fizer em devido tempo, esta será considerada injustificada. Prestação de provas em estabelecimento de ensino Estas faltas são justificadas quando o trabalhador tenha o estatuto de trabalhador estudante, e necessite de se ausentar para prestar provas de avaliação (exame ou outra prova escrita ou oral ou apresentação de trabalho desde que este último seja determinante para o aproveitamento escolar), e não implicam a perda de retribuição. O trabalhador-estudante tem direito a faltar justificadamente ao trabalho para prestação de provas de avaliação nos seguintes termos: - até dois dias por cada prova de avaliação, sendo um o da realização da prova e o outro o imediatamente anterior, aí se incluindo dias de descanso semanal e feriados; - no caso de provas em dias consecutivos ou de mais de uma prova no mesmo dia, os dias anteriores são tantos quantas as provas de avaliação a efetuar, aí se incluindo dias de descanso semanal e feriados. Estes dias de ausência não podem exceder um máximo de quatro por disciplina em cada ano letivo. Este direito só pode ser exercido em dois anos letivos relativamente a cada disciplina. São ainda justificadas as faltas dadas pelo trabalhador-estudante na estrita medida das necessidades impostas pelas deslocações para prestar provas de avaliação. A 11

12 partir da 10ª falta, e independentemente do número de disciplinas, deixam de ser retribuídas. Cumprimento de obrigações legais Estas faltas só são justificadas se a ausência do trabalhador for exigida por lei e não for provocada por ele. A ausência só é justificada na medida da duração necessária para cumprimento da obrigação legal que a originou. Exemplo com perda de retribuição: Os trabalhadores que sejam escolhidos para integrar um júri num julgamento criminal, não podem ser prejudicados no seu emprego pelo exercício daquelas funções e pelas subsequentes faltas. Neste caso específico, estes trabalhadores perdem o direito à remuneração mas têm direito a receber um subsídio estatal. Exemplos sem perda de retribuição: - registo de filhos ou de outros atos do registo obrigatórios; - pagamento de taxas, impostos ou contribuições, com exclusão de multas por infração do trabalhador; - participação em atos notariais desde que exigidos por lei; - a presença em tribunal como testemunha. Doença, acidente ou outro facto não imputável ao trabalhador As faltas dadas pelo trabalhador por razão de acidente, doença ou outro facto não imputável ao trabalhador são consideradas como justificadas. Em relação à manutenção da retribuição, varia consoante o fundamento da falta. Se por qualquer um destes motivos o trabalhador estiver ausente por mais de um mês, a empresa deve aplicar-lhe o regime de suspensão do contrato de trabalho. - por acidente Se um trabalhador falta por motivo de acidente mantém o direito à retribuição. No entanto, em caso de acidente de trabalho, se o trabalhador tiver direito a qualquer subsídio ou seguro, a entidade empregadora não está obrigada a pagar a retribuição ao trabalhador acidentado. Assim, se um trabalhador é vítima de um acidente de trabalho e não estiver segurado, a entidade empregadora é obrigada a pagar-lhe a respetiva retribuição. - por doença As faltas dadas por motivo de doença apenas são pagas pela empresa apenas se o trabalhador não beneficiar de um regime de Segurança Social de proteção na doença. 12

13 Os trabalhadores por conta de outrem têm de estar obrigatoriamente inscritos na Segurança Social, no entanto, só têm direito a receber subsídio de doença se tiver pelo menos seis meses de descontos. O subsídio de doença não é pago nos três primeiros dias, exceto nos casos de tuberculose ou de internamento hospitalar ou de cirurgia de ambulatório (em estabelecimentos hospitalares do Serviço Nacional de Saúde ou particulares com autorização legal de funcionamento pelo Ministério da Saúde) ou de doença com início no decurso do período de atribuição do subsídio parental que ultrapasse ou o termo deste período; A empresa deve exigir que o trabalhador comprove a sua doença mediante documento do estabelecimento hospitalar, declaração do centro de saúde ou atestado médico. Se o trabalhador apresentar uma declaração médica com intuito fraudulento, será considerada como falsa declaração para efeitos de justa causa de despedimento. Caso assim o entenda, a empresa pode requerer à Segurança Social que o trabalhador seja submetido à Comissão de verificação de capacidade temporária da área de residência do trabalhador. Para tal, a empresa terá de pagar uma taxa. Por último, se aquela comissão nada fizer ou forem ultrapassados determinados prazos, a empresa pode designar um médico para fiscalizar a situação de incapacidade temporária do trabalhador, desde que não tenha tido qualquer vínculo contratual com esse médico. Se da fiscalização resultar um desacordo entre os pareceres médicos, a empresa ou o trabalhador podem requer a intervenção de uma comissão de reavaliação. Caso o trabalhador não cumpra as obrigações de comunicar e provar o seu estado de doença ou se se opuser, sem motivo atendível, à fiscalização da sua situação de baixa, os seus dias de alegada doença serão considerados como faltas injustificadas. - por outros factos não imputáveis ao trabalhador Se um trabalhador falta devido a um facto que não lhe é imputável, mantém o direito à retribuição. Exemplos: - em virtude da avaria do transporte coletivo utilizado para se deslocar da sua residência para o trabalho; - faltas para ir ao médico (que não implicam necessariamente um estado de doença), desde que não haja hipótese de consultar o médico fora do horário de trabalho; Assistência à família Estas faltas são consideradas como justificadas quando houver por parte do trabalhador necessidade de prestar assistência inadiável e imprescindível a filho, a neto ou a membros do seu agregado familiar. 13

14 - Falta para assistência a filho O trabalhador pode faltar ao trabalho para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, a filho com deficiência ou doença crónica, até 30 dias por ano ou durante todo o período de eventual hospitalização. O trabalhador pode faltar ao trabalho até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível em caso de doença ou acidente a filho com 12 ou mais anos de idade que, no caso de ser maior, faça parte do seu agregado familiar. Aos períodos de ausência referidos acresce um dia por cada filho além do primeiro. Esta possibilidade de faltar não pode ser exercida simultaneamente pelo pai e pela mãe. A empresa pode pedir ao trabalhador prova do caráter inadiável e imprescindível da assistência e uma declaração de que o outro progenitor tem atividade profissional e não falta pelo mesmo motivo ou está impossibilitado de prestar a assistência. Caso exista hospitalização, pode ainda exigir uma declaração comprovativa passada pelo estabelecimento hospitalar. - Falta para assistência a neto O trabalhador pode faltar até 30 dias consecutivos, a seguir ao nascimento de neto que consigo viva em comunhão de mesa e habitação e que seja filho de adolescente com idade inferior a 16 anos. Pode também faltar, em substituição dos progenitores, para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a neto menor ou, independentemente da idade, com deficiência ou doença crónica. A empresa deverá ser informada do caráter inadiável e imprescindível da assistência, e que os progenitores são trabalhadores e não faltam pelo mesmo motivo ou estão impossibilitados de prestar a assistência, bem como que nenhum outro familiar do mesmo grau falta pelo mesmo motivo. Para tal, terá de informar a empresa, com uma antecedência de cinco dias, que o neto vive consigo em comunhão de mesa e habitação, que o neto é filho de adolescente com idade inferior a 16 anos, e sendo caso disso, que o seu cônjuge exerce atividade profissional ou se encontra física ou psiquicamente impossibilitado de cuidar do neto ou não vive em comunhão de mesa e habitação com este. Este direito também se aplica ao tutor do adolescente, a trabalhador a quem tenha sido deferida a confiança judicial ou administrativa do mesmo, bem como ao seu cônjuge ou pessoa em união de facto. - Falta para assistência a membros do seu agregado familiar 14

15 O trabalhador tem direito a faltar ao trabalho até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a cônjuge ou pessoa que viva em união de facto ou economia comum com o trabalhador, ou a, a parente ou afim na linha reta ascendente (independentemente de pertencer ao seu agregado familiar) ou no 2.º grau da linha colateral. Acrescem mais 15 dias por ano (ou seja, um total de 30 por ano) caso a prestação de assistência inadiável e imprescindível seja dada ao cônjuge ou a quem viva em união de facto com o trabalhador, desde que tenha deficiência ou doença crónica. A empresa pode exigir ao trabalhador prova do caráter inadiável e imprescindível da assistência e uma declaração de que os outros membros do agregado familiar, caso exerçam atividade profissional, não faltaram pelo mesmo motivo ou estão impossibilitados de prestar a assistência. Ao dar estas faltas, o trabalhador não tem direito à retribuição, mas o tempo é considerado como prestação efetiva de trabalho. - Deslocação à escola de filho menor O trabalhador pode ausentar-se para se deslocar à escola, com o objetivo de se inteirar da situação educativa do filho menor. Esta ausência pode ocorrer uma vez por cada trimestre, e apenas pode ocorrer pelo tempo estritamente necessário, não podendo em caso algum exceder as quatro horas. Estas faltas não implicam a perda de retribuição. Faltas autorizadas pela entidade patronal A falta não será considerada injustificada desde que tenha sido autorizada ou aprovada pela empresa, independentemente da razão invocada pelo trabalhador para justificar a sua ausência. A empresa não está obrigada a pagar a retribuição correspondente ao período de ausência ao trabalho. Abrangidas pelo regime do Voluntariado Os trabalhadores que sejam voluntários, ou seja, que pertençam ao voluntariado, podem ausentar-se justificadamente se forem convocados pela organização promotora: - para cumprimento de missões urgentes que envolvam o recurso a determinados meios humanos que não se encontrem disponíveis em número suficiente ou com a preparação adequada para esse efeito; - em situação de emergência, calamidade pública ou equiparadas. 15

16 Estes trabalhadores também têm um crédito anual de 48 horas para se ausentarem em situações especiais inadiáveis, em que a sua participação seja considerada imprescindível para a prossecução dos objetivos do programa de voluntariado. As faltas ao trabalho do voluntário empregado, devidamente convocado, consideram-se justificadas, sem perda de retribuição ou quaisquer outros direitos e regalias. O trabalhador tem de entregar uma convocatória escrita da organização promotora à empresa. Dessa convocatória deverá constar a natureza da atividade a desempenhar e o motivo que a justifique. Em caso de emergência, essa convocatória pode ser feita por outro meio, designadamente por telefone, devendo ser confirmada por escrito no dia útil seguinte. Posteriormente, deve entregar à empresa um documento comprovativo do cumprimento da missão para que foi convocado, emitido pela organização promotora. Doação de sangue Os trabalhadores, quando solicitados pelo Instituto Português de Sangue, pelos centros regionais e pelos serviços de transfusão de sangue ou por iniciativa própria, podem ausentar-se, desde que não haja motivos inadiáveis de serviço que desaconselhem o seu afastamento do local de trabalho. Esta ausência ao trabalho não determina a perda de quaisquer direitos ou regalias. Devidas por eleições - Candidatos São consideradas como justificadas, as faltas por candidatos a eleições para cargos públicos, durante o período legal da respetiva campanha eleitoral. Estas ausências, quando comunicadas ao empregador com a antecedência mínima de quarenta e oito horas, são consideradas justificadas, contando como tempo de serviço efetivo, incluindo o direito à retribuição. Eleições para a Assembleia da República os candidatos tem direito a 30 dias de dispensa remunerada de funções. Eleições para o Parlamento Europeu candidatos os candidatos tem direito a 30 dias de dispensa remunerada de funções. Eleições para os Órgãos das Autarquias Locais os candidatos efetivos e mínimo legal de suplentes tem direito a 11 dias de dispensa remunerada de funções. - Membros das mesas Os membros das mesas das assembleias ou secções de votos podem ausentar-se do trabalho no dia das eleições, bem como no dia seguinte, sem prejuízo dos seus direitos, incluindo o direito à retribuição. 16

17 - Membros de assembleias de apuramento Os trabalhadores nomeados para estas funções podem ausentar-se durante o período de funcionamento das assembleias, sem prejuízo de todos os seus direitos, incluindo a retribuição. - Eleitores No dia das eleições, a empresa deve facilitar a dispensa aos trabalhadores pelo tempo suficiente para exercerem o direito de voto. Faltas injustificadas Faltas injustificadas são todas aquelas que não são consideradas justificadas. Desta forma, são todas as ausências que não estejam previstas como faltas justificadas, ou estando previstas, não tenham sido devidamente justificadas. A primeira das consequências deste tipo de ausências é a perda de retribuição correspondente ao período em falta, bem como o respetivo desconto na antiguidade do trabalhador. Se o trabalhador faltar injustificadamente num ou em meio período do dia de trabalho, imediatamente anterior ou posterior a dia ou meio dia de descanso ou feriado, perderá a retribuição equivalente ao período de trabalho que faltou acrescido do dia ou meio dia de descanso ou feriado. Esta falta injustificada constitui uma infração grave. As ausências não justificadas podem levar a empresa a abrir um procedimento disciplinar contra o trabalhador faltoso, podendo inclusive incorrer na sanção disciplinar mais grave, ou seja, no despedimento do trabalhador. Assim, poderá ser instaurado ao trabalhador um procedimento disciplinar com vista ao seu despedimento quando: - der faltas injustificadas ao trabalho que determinem diretamente prejuízos ou riscos graves para a empresa; - der cinco faltas injustificadas seguidas ou 10 interpoladas, em cada ano civil. Para que a empresa possa despedir o trabalhador é necessário que, para além da verificação de um destes factos, seja praticamente impossível manter a relação de trabalho com ele. Se o trabalhador faltar injustificadamente causado prejuízo à entidade empregadora, poderá responder civilmente pelos danos causados. 17

18 Atraso ao trabalho injustificado Se o trabalhador se apresentar para iniciar o seu trabalho diário com atraso injustificado ao trabalho superior a 60 minutos, a empresa pode não aceitar a prestação de trabalho durante todo o período normal de trabalho. Desta forma, será contabilizado como falta injustificada. Se o atraso for superior a 30 minutos, a empresa pode não aceitar a prestação de trabalho durante essa parte do período normal de trabalho. Esse período também será contabilizado como falta injustificada. Referências Código do Trabalho art.º 237.º, 246.º, 238.º, 239.º, 559.º n.º 3, 238.º n.º 5, 240.º, 238.º, 257.º n.º 1 a), e 264.º, 241.º, 244.º, 254.º, 241.º n.º 9, 242.º, 247.º, 245.º, 234.º, 235.º, 236.º, 248.º, 257.º n.º 1 a), 250.º, 249.º, 253.º, 254.º, 255.º, art.º 249.º n.º 2 a), 255.º n.º 1, art.º 249.º n.º 2 b), 251.º, e 255.º n.º 1, 249 n.º 2 g), 409.º, e 422.º, art.º 91.º, e art.º 249.º n.º 2 j) e d), art.º 254, e art.º 255º, art.º 49.º, 50.º, 252.º, 249.º n.º 2 e), art.º 255.º n.º 2 c) e 3, 249.º n.º 2 i), e art.º 255.º n.º 2 e), 249.º n.º 2 i), 255.º n.º 2 d), art.º 249.º n.º 2 i), art.º 255.º n.º 2 d), 249.º n.º 2 i), art.º 255.º n.º 2 d), 249.º n.º 2 h), art.º 253.º n.º 3, art.º 255.º n.º 1 e 2 d), 256.º, art.º 257.º, art.º 351.º n.º 1 e 2 g), 256.º n.º 3 Lei n.º 105/2009, de 14 de setembro Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Lei n.º 102/2009, art.º 21 n.º7 Decreto-lei n.º 387-A/87, de 29 de dezembro, art.º 15.º Lei n.º 105/2009, de 14 de setembro, art.º 17, 18, 19, 20, 21, 22 e 23 Decreto-Lei n.º 28/2004, de 4 de fevereiro (alterado por DL n.º 146/2005 e n.º 302/2009), art.º 21 Lei n.º 71/98, de 3 de novembro, art.º 7.º, n.º 2 Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de setembro, art.º 13 Lei n.º 25/89, de 2 de agosto, art.º 34 Lei n.º 14/79, de 16 de maio, do art.º 48, n.º 5 e 81, com as alterações introduzidas pelas Leis n.ºs 8/81, de 15 junho, 28/82, de 15 novembro, 14-A/85, de 10 julho, 5/89, de 17 março, 18/90, de 24 julho, 31/91, de 20 julho, 55/91, de 10 agosto, 72/93, de 30 novembro, 10/95, de 7 abril, 35/95, de 18 agosto, pelas Leis Orgânicas n.ºs 1/99, de 22 junho, e 2/2001, de 25 agosto, e pelo Decreto-Lei n.º 55/88, de 26 fevereiro Lei n.º 14/87, de 29 de abril, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 4/94, de 9 de março, pela Lei Orgânica n.º 1/99, de 22 de junho, e pela Lei Orgânica n.º 1/2005, de 5 de janeiro Lei Orgânica n.º 1/2001, de 14 de agosto, com as alterações introduzidas pelas Leis Orgânicas n.ºs 5- A/2001, de 26 novembro, e 3/2005, de 29 de agosto Atualizado a

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO SECÇÃO DE PESSOAL EXPEDIENTE E ARQUIVO

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO SECÇÃO DE PESSOAL EXPEDIENTE E ARQUIVO INFORMAÇÃO N.º 13/SPEA/2009 ASSUNTO: FÉRIAS E FALTAS FÉRIAS Duração do Período de Férias Nos termos do art.º 173.º da Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro, o período normal de férias tem, em função da idade

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S)

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) Pág. 1 Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) 1. Quais são as faltas justificadas e injustificadas? Consideram-se faltas as ausências do trabalhador no local de trabalho e durante o período

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores A empresa tem de respeitar os direitos dos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma,

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece os períodos de funcionamento do Gabinete

Leia mais

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE Denominação da entidade empregadora: informa que, de acordo com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território AÇÃO DE FORMAÇÃO: FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE

TRABALHADOR - ESTUDANTE TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento em instituição

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES Tempo de Trabalho qualquer período durante o qual o trabalhador está a desempenhar a actividade ou permanece

Leia mais

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito.

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº. 5/2004 De 26 de Novembro de 2004 Nº. Pauta 203.14 ASSUNTO: FALTAS ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER; Código do Trabalho; REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.02/2000,

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. Pág.: 1 / 5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. FALTAS 3 A QUEM INTERESSA ESTE DOCUMENTO Para acção Para informação Colaboradores Elaborado: Director da DAP Aprovado:

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Análise comparativa - Regime de Nomeação/Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas - MADRP-SG Fev 2009 1 FÉRIAS ausência ao serviço previamente autorizada duração variável

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Código do Trabalho Anotado

Código do Trabalho Anotado Código do Trabalho Anotado Revisto pelas LEI Nº 7/2009, DE 12 DE FEVEREIRO LEI Nº 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO LEI Nº 53/2011, DE 14 DE OUTUBRO LEI Nº 23/2012, DE 25 DE JUNHO LEI Nº 47/2012, DE 29 DE AGOSTO

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS DE, FALTAS E LICENÇAS TIPO DE AUSÊNCIA BASE LEGAL PERÍODO Secção I - Pessoal Nomeado Funcionário até aos 39 anos de idade alínea a) do nº 1 do artº 2º e artº 4º do D.L nº 100/99 - na redacção dada pelo

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO DO IDE, IP-RAM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece o regime de duração e organização do tempo de trabalho do Instituto de

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS

INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS INFORMAÇÃO SOBRE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS Geral Empresa, corpos estatutários e empregados têm de estar inscritos na Segurança Social. Os corpos estatutários poderão ser dispensados dos

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP. Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças. Tempos de não trabalho

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP. Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças. Tempos de não trabalho Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças 1 Tempos de não trabalho 2 1 Tempos de não trabalho Parte II Vinculo de emprego público Título IV Conteúdo

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS PESSOAL EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS. Efeitos. Designação Suporte Legal Limites

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS PESSOAL EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS. Efeitos. Designação Suporte Legal Limites FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS PESSOAL EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Faltas e Dispensas - Aos trabalhadores em regime de contrato de trabalho em funções públicas, em matéria de faltas,

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS DIREITOS SINDICAIS O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Direito de Associação Sindical I DISPOSIÇÕES GERAIS Os trabalhadores têm o direito de constituir associações sindicais a todos os níveis para defesa e promoção

Leia mais

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA

GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA GUIA PRÁTICO SERVIÇO DE VERIFICAÇÃO DE INCAPACIDADE TEMPORÁRIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Serviço de Verificação de Incapacidade Temporária

Leia mais

Estatuto do Trabalhador-Estudante

Estatuto do Trabalhador-Estudante Lei n.º 116/97, de 4 de Novembro Estatuto do Trabalhador-Estudante Com as alterações introduzidas pela Lei n.º 118/99, de 11 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Regulamento Nota Justificativa O presente regulamento foi elaborado, de acordo com a Lei nº 59/2008 de 11 de Setembro, com a adaptação pelo Acordo Colectivo

Leia mais

Índice. Regulamento de Faltas Alunos - 2

Índice. Regulamento de Faltas Alunos - 2 Em aprovação julho de 2015 Índice INTRODUÇÃO... 3 Assiduidade... 3 Faltas... 3 Faltas Justificadas... 4 Faltas Injustificadas... 5 Dispensa da atividade física... 5 Comunicação da falta ao Encarregado

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO

O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO (REVISÃO) - 1 O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL E O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, com entrada em vigor em 1 de agosto de 2014, aprovou a

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Esta informação destina-se a SEGURANÇA SOCIAL Empresa Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado: Em geral, pela aplicação de

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO REVISÃO (OAB/FGV 2010.3) Relativamente à alteração do contrato de trabalho, é correto afirmar que (A) o empregador pode, sem a anuência do empregado

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Despedimento de trabalhadores

Despedimento de trabalhadores Despedimento de trabalhadores A lei não permite que a empresa despeça um trabalhador sem que exista justa causa para o fazer. Assim, esta forma de terminar o contrato de trabalho não pode ser utilizada

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM Rua de Santa Maria n.º 90 Telef: 291224942 291225115 9060 291 Funchal www.seram.pt SUPLEMENTO INFORMATIVO Relembramos o capítulo VI, artigos 54, 55 e 56 do decreto-lei

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES. Capítulo I. Artigo 1º. Âmbito de aplicação ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE S. JOSÉ DE CLUNY REGULAMENTO DOS DIREITOS ESPECIAIS DOS ESTUDANTES O presente regulamento concentra e sistematiza os diversos direitos especiais dos estudantes, decorrentes

Leia mais

REGULAMENTO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO, PERÍODO DE ATENDIMENTO E DO HORÁRIO DE TRABALHO

REGULAMENTO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO, PERÍODO DE ATENDIMENTO E DO HORÁRIO DE TRABALHO REGULAMENTO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO, PERÍODO DE ATENDIMENTO E DO HORÁRIO DE TRABALHO REGULAMENTO DO PERÍODO DE FUNCIONAMENTO, DO PERÍODO DE ATENDIMENTO E DO HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE

REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE REGULAMENTO DA DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO E DO CONTROLO DA ASSIDUIDADE E DA PONTUALIDADE A Administração Regional de Saúde do Norte, I. P. é uma pessoa coletiva de direito público integrada

Leia mais

SECÇÃO I Greve. Artigo 530.º Direito à greve. 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores.

SECÇÃO I Greve. Artigo 530.º Direito à greve. 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores. LEI DA GREVE Código do Trabalho Lei nº 7/ 2009 de 12 de Fevereiro SECÇÃO I Greve Artigo 530.º Direito à greve 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores. 2 Compete aos

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objetivos: Proporcionar e promover a qualificação do trabalhador

Leia mais

PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Catálogo de Ausências Versão 0.8 Novembro 2009 Divisão de Gestão de Recursos Humanos Controlo do Documento Responsável: Ana Pina Chefe da Divisão de

Leia mais

Admissão de trabalhadores

Admissão de trabalhadores Admissão de trabalhadores Quando a empresa pretende contratar um trabalhador, há um conjunto de obrigações legais que devem ser cumpridas e concluídas antes do trabalhador iniciar a sua prestação de trabalho.

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal

Município de Macedo de Cavaleiros Câmara Municipal Regulamento interno do horário de trabalho dos trabalhadores da de Macedo de Cavaleiros Preâmbulo As alterações legislativas, designadamente a publicação da Lei nº 59/2008 de 11 de Setembro, que aprovou

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Ficha 1 Actividade Sindical

Ficha 1 Actividade Sindical Direito de Associação Sindical art. 475º Liberdade de Sindicalização art. 479º Proibição de Actos Discriminatórios art. 453º Em caso de transferência art. 457º Quotização Sindical art. 492º, 494º e 495º

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.12) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA 1/11 Preâmbulo As últimas alterações legislativas, designadamente a publicação da Lei

Leia mais

PARECER N.º 81/CITE/2012

PARECER N.º 81/CITE/2012 PARECER N.º 81/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais