O inabarcável da rua em movimento uma apresentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O inabarcável da rua em movimento uma apresentação"

Transcrição

1 1 O inabarcável da rua em movimento uma apresentação Essa história começa ao rés do chão, com passos. Michel de Certeau Faz algum tempo Roberto da Matta disse que se não se quer perder de vista as relações sociais e seus paradoxos não se pode construir casamatas, mas apenas cabanas, barracos e choças. Moradas feitas de espaços abertos 1, destinadas ao encontro naquelas conversações onde se ama o que se fala. A lembrança deste pequeno trecho tem muito a ver com o modo pelo qual este número foi organizado, com aqueles que dele participam e como o fazem e com o que, ao final, é oferecido ao leitor da Revista Alegrar. Pois bem, em julho de 2013, recebi o generoso convite para organizar este número da revista tendo como eixo o movimento que tomou as ruas no mundo e mais especialmente no Brasil, desde junho. Movida pela euforia, e também por certa fúria, ambas decorrentes das então recentes experiências paulistanas na rua, aceitei sem nem pestanejar. Mas à medida que os dias passavam e que tanto as ruas quanto a rede experimentavam embates, flutuações, redirecionamentos, me ocorreu toda sorte de pensamento: que o mundo era muito grande... que o Brasil era uma enormidade... que o movimento tinha uma amplitude difícil de abarcar... que não faltariam livros, revistas e especialistas debruçando-se sobre ele, coisa que sem dúvida fariam muito melhor do que eu... Ocorreu-me ainda que, entre julho e dezembro, mês em que este número seria publicado, muita coisa aconteceria, e o número em questão poderia facilmente ser derrotado por aquilo que pretendia abordar: o movimento. Pensei então que talvez pudesse fazer muito pior, ao estilo de Da Matta, e apresentar também eu uma construção inacabada, uma espécie de ocupação, de abrigo para as tantas experiências, tentativas, aproximações, incisivas e apaixonadas afirmações que, ao longo 1 Da Matta, R., 1997, p. 12.

2 2 desses meses, se espalharam pelas ruas e pela rede. E se podemos nos arriscar a dizer que este, afinal, é o caráter da rua quando suspensas as datas que autorizam a ocupá-la e os padrões que estabelecem como se deve fazê-lo, por outro lado, a própria novidade da experiência rueira não é separável de um certo uso da rede, num jogo móvel de confluências, alternâncias, sobreposições, alavancamentos e interrupções, em que hashtags e práticas de jamming não são de modo algum indiferentes ao encontro de corpos na rua. Enquanto pensava no rumo que daria à organização deste número, lembrei-me de uma mensagem recebida via de um dos grupos do quais participo. Nela, havia uma pequena crônica, escrita por Eduardo Losicer, acompanhada pela resposta que lhe dera, também via , Osvaldo Saidon. A lembrança oportuna definiu não somente o modo de montagem do dossiê em rede e o meio utilizado para compor as sessões a própria rede, mas sobretudo a perspectiva que me pareceu mais convidativa e desafiadora, e que dá nome a este número: Na rua/em movimento. Mas qual seria o desafio afinal de contas? Começar ali, ao rés do chão, em meio a uma certa atmosfera indefinível, e surpreender a rua em movimento [o incalculável da política] desde a rede formada por estas inúmeras escrituras, imagens, pessoas, ideias. A barra interpolada no título tem aqui um papel importante: diz de uma certa precaução, uma vez que o movimento não começa nem acaba na rua, e a materialidade da rua imprime a ele ritmos disparatados. Pois na rua em movimento, como disse um jovem em meio ao gás lacrimogêneo, a coisa já é sempre outra intensa ondulação que se expande e retrai. Pois na rua, em movimento, experimenta-se sobretudo uma estranha movência nas coisas. De outra parte, bastaria fazer um recorrido das inúmeras transformações concretas que a rua sofreu, e vem sofrendo, para perceber que ela nunca deixou de arrastar consigo a ameaça de desorganização dos estratos da cidade. Tomá-la, ocupá-la, caotizar seus fluxos, seja por qual meio for, nos lembra de que a rua, em sua mais alta intensidade, é farra e fúria zona onde os corpos e toda uma constelação de valores são postos em jogo no variado embate com o não pode e o não deve, determinações negativas de uma subsistência paralisante, tanto mais insuportável quanto mais intoleráveis são os meios de produzi-la.

3 3 Mas é na rua em movimento, por força de uma transumância que nos arrasta, em meio aos mais violentos enfrentamentos e aos mais suaves e delicados encontros, que somos arrancados de nós mesmos e nos tornamos outra coisa que não pedestres ou transeuntes; e as pequenas permanências que surgem - ocupações, acampamentos, demonstrações, atos, manifestações são o suficiente para que fabulemos uma outra terra desde um outro corpo que não o habitual. * * * Quando abrir a porta e assomar a escada, saberei que lá embaixo começa a rua; não a norma já aceita, não as casas já conhecidas, não o hotel em frente; a rua, a floresta viva onde cada instante pode jogar-se em cima de mim como uma magnólia [...] Julio Cortázar João do Rio disse certa vez que as ruas matam os substantivos transformando a significação dos termos 2. Em que pesem outras compreensões que disso poderíamos ter, prefiro pensar que ali onde se pensa ter matado a rua, aniquilando certa potência insurrecional pela designação de seus frequentadores como malandros, marginais, vândalos, etc., é o próprio movimento que ao tomá-la, premidos por uma frequentação que em muito ultrapassa sua materialidade, que mata tudo aquilo que se impõe na pretensão de abafar, sob o peso das instituições e dos discursos, aquilo que ali se enseja. Assim é que se as ruas matam os substantivos é porque, como diria o poeta Roberto Juarroz, qualquer movimento mata algo 3. É desta perspectiva que pouco importa onde a rua esteja e qual ela seja, é para ela que se vai, é nela que se põem em jogo os corpos e o que somos capazes de criar, e é o que nela se experimenta e o modo como se experimenta que configura a rede da qual ela é inseparável. Assim, sua vastidão, seus insuspeitados prolongamentos e encadeamentos, sua latejante 2 Rio, J., Roberto Juarroz, poema 66, 2001, p

4 4 inquietude é o que insiste e não nos deixa esquecer que os discursos que a pretendem dominar, bem como controlar aquilo que acontece, vêm sempre carregados de componentes legais e jurídicos. Talvez, porque nossa experiência civilizacional destinou à rua os insolentes e os desregrados, talvez, porque ela seja a própria experiência da insolência, do desregramento, da insubordinação, a rua, o estar nela e o que nela acontece, foi e permanece sendo caso de polícia, forma pela qual se procura garantir e perpetuar um dado conjunto de relações, bloqueando o que Deleuze e Guattari chamaram de a aventura própria das cidades 4. No entanto, o acontecimento rua jamais pode ser esmagado sob a força policial e apreendido pela lei. Ao institucional, ao jurídico-legal que dele tentam se apossar, seja pelo viés explicativo ou meramente informativo, seja por aquele normativo ou excessivamente formal, é precisamente o singular, o informal que responde. Na rua/em movimento o que há para dizer e para ver, o que há para fazer se insurge diante do como deve ser dito, visto e feito. Começamos então pela rua, embora saibamos que a rua não é o começo, mas um meio... E ali, ao rés do chão, começamos com passos, os passos e as pessoas, as pessoas e as ações Ensaia-se algo (nas ocupações, nos acampamentos, nas manifestações, nos atos), tenta-se, e já se está em meio à aventura própria das cidades. Passa-se algo, e talvez o que se passa não coincida com o que nos leva para a rua. Talvez essa não coincidência seja o próprio movimento, que atesta as modificações que sofremos... Mais uma vez é preciso repetir, o movimento não começa e nem acaba na rua. E é preciso insistir, a materialidade da rua não é menos importante que o acontecimento que ela porta. Isso porque é na rua em movimento que a própria vida é posta em jogo. E se podemos ora nos aproximar de uma ora de outro, desta ou daquela maneira, sem dúvida não podemos ignorar o que nos move ou comove, ou ainda aquilo que vemos onde dizem não haver nada para ser visto. Daí porque o convite estendido aos participantes insistia na ideia de compor o dossiê com trabalhos elaborados por todos aqueles que, independentemente de suas especialidades, foram pegos ou arrastados pelo movimento ou nele se lançaram e engajaram, ou aqueles 4 Deleuze, G.; Guattari, F., 1997, p. 125.

5 5 cujas práticas os colocaram no meio do que se passa ou ainda encontraram nele a ocasião para pensar desde um aspecto ou experiência que considerassem relevantes. A intenção era reunir textos breves, ensaios, notas, tentativas de aproximação que, de uma forma ou de outra, deixassem entrever/entre-sentir as singularidades que o movimento porta desde a rua. Por esta razão, este dossiê é igualmente um ensaio, uma tentativa; de certo modo, é também ele uma ocupação, no sentido de uma ação política direta no assim chamado espaço acadêmico, uma vez que no seu arranjo diz-se e faz-se o que se deseja até o ponto em que interessa, sem com isso significar que não haja mais nada a ser dito ou feito. Assim, aqui se encontram ensaios escritos e fotográficos, cartas, poemas, intervenções, vídeos, breves notas de gente vinda de muitas partes, compondo as sessões desse dossiêocupação. As sessões, por sua vez, são esse breve tempo em que nos reunimos, nos voltamos ou dedicamos a algo para em seguida avançarmos, recuarmos, partirmos ou regressarmos. Uma pequena permanência em que ressoam aquelas tantas que foram criadas e as que ainda serão. Os sete ensaios escritos que compõem a primeira sessão são um desafio e um convite para o leitor abandonar a tranquilidade das casamatas. Longe de pacificar as inquietações ou os combates nos quais os corpos se veem implicados, a liberdade temática e formal que distingue os trabalhos aqui reunidos é antes a abertura para que não nos apartemos da vida e de suas expressões concretas, para que não as aprisionemos nos padrões do que cabe na política, para que não desprezemos as ferramentas e seus usos, para que não percamos de vista o lugar de experiência, as exigências que ela nos endereça, sua amplitude e radicalidade e a novidade que se produz. A segunda sessão do dossiê reúne, por sua vez, sete ensaios fotográficos pautados pelo mesmo convite feito aos participantes da sessão anterior. Cada ensaio fotográfico se faz acompanhar de um pequeno texto escrito pelos fotógrafos, uma vez que aqui o fotógrafo não é menos importante do que a fotografia. Em meio ao que se passa, o fotógrafo na rua se move acoplado à câmera, saltando por estas e aquelas regiões perceptivas, permutandoas, ocupando pontos de vista, seguindo algo, algo que nos chega de cima ou debaixo, de fronte ou de viés. Algo que talvez seja o próprio ato fotográfico, a abertura da percepção

6 6 para deixar-se tornar um receptor para o movimento e assim criar o tempo em que isso acontece. Há algo de testemunho, sim, nestes ensaios, mas o que eles testemunham é sobretudo nossa capacidade de nos inquietarmos, nossa corajosa nudez diante do que nos afronta e à vida, ou pretende aniquilá-la. Intercalada entre a sessão de ensaios fotográficos e a sessão seguinte, uma experimentação em intervenção urbana que põem em jogo a relação entre a fotografia e a rua, as manifestações e as pessoas, por meio da ocupação do espaço da cidade. Nascidos na rua e em meio ao movimento, como tantos outros em tantos lugares, a ideia e o coletivo são esse necessário investimento na disseminação dos relatos, de modo que o que se passou na rua ocupe outras ruas, reverberando pela cidade, enfrentando tanto a injunção totalizadora do boato, que a mídia alimenta, quanto a própria privatização dos relatos pelos indivíduos e grupos, que impede a passagem para outras paisagens. A última sessão intitula-se Cartas da Rua. De fato, a ideia dessa sessão precede todas as outras. Ela foi construída inteiramente através do facebook via um convite que, caso aceito, implicava na indicação de alguém a quem o mesmo convite seria dirigido. As cartas me foram entregues entre os meses de junho e outubro, e reportam-se a dias, momentos, mais ou menos distantes. São 17 relatos vindos de cidades diversas. Aqui, o que interessa é tanto assinalar a importância da topologia em rede que as relações descrevem, e que tem um papel fundamental no movimento e na rua, no Brasil e fora dele, como o modo pelo qual a rua em movimento nos afeta, se imprime em nossa sensibilidade, marca nossos corpos. Não há a boa carta. Há somente cartas. Cartas que dizem da perplexidade, das dores, dos amores, dos encantamentos e dos terrores que nos tomam logo ali, ao irmos para a rua, ao dobrarmos uma esquina, ao nos debruçarmos numa janela, em que cada instante pode atirar-se sobre nós como uma magnólia, como uma espécie de esplendor pressagiando o início de incontáveis e ínfimas primaveras. Elas dizem do modo como respondemos ao incalculável da rua e à variação do movimento. São também, em alguma medida, manifestos e testemunhos de luta, de liberação, de combate consigo, de perda de sentido, de criação, de paixão, e de um certo exílio. E se escrevê-las pode ser uma forma de narrar o acontecido, dando a ele algum contorno, é também um meio de acolher o que nos acontece em meio ao que acontece.

7 7 Enquanto as cartas mal haviam começado a chegar, no transcurso do mês de julho, um poeta publica na rede uma série de três poemas que acompanham momentos cruciais do movimento nas ruas do Rio de Janeiro e a crescente violência da polícia em todo o Brasil. Em São Paulo, no mesmo mês, valendo-se de vídeos do movimento no Rio, postados no youtube, outro poeta lança na rede um videoprotesto. Em agosto, quando a mídia oficial define abertamente seus alvos, aliando-se à força policial, às vésperas da lei das máscaras, intensificando o processo de criminalização do movimento, novo poema é publicado na rede. Em 29 de setembro, após a violenta retomada da Câmara pela polícia no Rio de Janeiro, que assinala o ponto extremo do que foi chamado setembro negro em várias capitais, circula na rede um poema de São apenas estilhaços. E estes pequenos estilhaços lançados na rede assinalam os muitos estilhaçamentos vividos na rua e os infra-ritmos que o movimento experimenta. Se testemunham algo é antes o apego da poesia às coisas e ao mundo, aquele sem o qual nada criamos, e uma certa desafeição para com tudo que lhes roube o impossível. Ao final, encerrando o dossiê, um vídeo-documentário realizado por um coletivo, gravado durante uma manifestação de rua que aconteceu em 19 de junho e durante as que seguiram até o mês de julho. Neste período, o termo vandalismo ganha espaço na grande mídia e se instala definitivamente como marcador policial que insistentemente procura destituir o movimento e a rua das nuanças que lhe são imprescindíveis. O vídeo é acompanhado do relato de um dos participantes do coletivo sobre a experiência de fazê-lo, mas principalmente sobre a experiência de aprender a fazer enquanto a própria experiência se faz. Talvez seja este o aspecto mais importante do movimento e da rua quando tomada por ele: aprender enquanto a própria experiência se faz, uma vez que não se sabe antes o que vai acontecer. Não há como saber. E aquilo que se sabe ou se sabia até então, sofre remanejamentos por vezes violentos. Na rua, em movimento, qualquer coisa é por um triz.

8 8 Todavia, seja em meio à farra ou à fúria, a gesta ambulatória da rua em movimento joga com todas as formas de organização, e por isso ela é o próprio efeito dos encontros que a transformam. Assim, cada rua e cada ensaio, cada pequeno texto, cada carta, imagem e poema presentes neste dossiê participa de uma geografia nebulosa de sentidos ; são constelações que acompanham os incontáveis percursos, mais ou menos visíveis, às vezes imperceptíveis, que se desenham nos corpos e nas ruas do Brasil e do mundo. São elas as ruas de Fortaleza, de São Paulo, de Belo Horizonte, do Rio de Janeiro, do México, de Porto Alegre, de Vitória, de Manaus, de Belém. São eles Luiz B. L. Orlandi, Nildo Avelino, Peter Pál Pelbart, Natalia Montebello, Bernardo Gutierrez, Elizabeth de Araújo Lima, Stine Krøijer, Ricardo Chacal, Ma Cca, André Queiroz, Coletivo FotoProtestoSP, Coletivo Nigéria, Coletivo selvasp, Ana Carolina Fernandes, Guilherme Minoti, Leonardo Carrato, Leonardo Merçon, Luiz Roberto Lima, Marcio Garcia, Eduardo Losicer, Oswaldo Saidon, Silvia D Almeida, Agilson Jânio C. Lobato Junior, A. B. M., Isadora Szklo, J. L., Ana Cernov, L. G., Danilo Bezerra, C. M., Michael Franklin Donatti, I. F., Jony Pupo, J. A., Sylvia, Diego, W. V., e ainda Estefan Radovicz, Marcos Camargo, Walther Von Der Vogelweide, Patrícia Zapletal, Kátia Kasper, Cíntia Vieira da Silva, Jonathan Braga e tantos outros. Hoje, enquanto escrevo essa apresentação, para aqueles que acompanham o movimento pela grande mídia, o movimento é o que não há, nunca houve. Há apenas fatos policiais e administrativos, uma empobrecida e desvitalizada cena que insistentemente se apresenta como a Cidade, o Mundo. Mas o horizonte esboçado nas ruas, nesse aqui dilatado e inabarcável que se confunde com a própria existência individual e coletiva, é radicalmente outro. Estar aqui é mover-se. Ana Godoy São Paulo, 15 de novembro de 2013.

9 9 Referências DA MATTA, Roberto. A casa e a rua. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, GILLES, Deleuze; GUATTARI, Félix. Mil Platôs - capitalismo e esquizofrenia, v. 5. Coord. da trad. Ana Lúcia de Oliveira. São Paulo: Ed. 34. JUARROZ, Roberto. Poesía vertical. Antología essencial. Buenos Aires: Emecé, RIO, João. A alma encantadora das ruas. Organização de Raul Antelo. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Inhumas, ano 2, n. 12, out 2014 ISSN 2316-8102 VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Renan Marcondes Texto escrito a partir da entrevista realizada no dia 5 de agosto de 2014 na CENTRAL Galeria

Leia mais

Eu também fui arrastada...

Eu também fui arrastada... 1 Eu também fui arrastada... Elizabeth M. F. Araújo Lima 1 Eu também fui arrastada para as ruas, mesmo sem ter facebook... O noticiário da TV falava de vandalismo, jovens quebrando tudo por causa de uns

Leia mais

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença.

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença. CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR Marcelo Valente de Souza (UFPA) RESUMO: O tema da sexualidade masculina toma foco neste estudo por entendermos que ela pouco aparece na literatura. O texto aborda,

Leia mais

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE Alison Ferreira Oliveira (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora Tutora do Grupo PET) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: O presente trabalho analisa a noção de saber (do

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também.

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Unidade de Montenegro Curso de Graduação em Teatro: Licenciatura Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência PIBID Bolsista: Gleniana da Silva Peixoto

Leia mais

Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia

Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia http://www.lucimarbello.com.br 1 Acerca das cartografias cidadianas de lucimarbello da Vila Olímpia Como é possível que tudo possa ser feito e desfeito, criado e destruído, mas que o próprio Z estivesse

Leia mais

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE IMAGES OF THE VIOLENCE: COLLAGES OF BITS AND PIECES OF TEENAGERS EVERYDAY LIFE SINOPSE José

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Humanização na saúde: um novo modismo?

Humanização na saúde: um novo modismo? debates Humanização na saúde: um novo modismo? The humanization of healthcare: a new fad? Humanización en la salud: Un nuevo modismo? Regina Benevides 1 Eduardo Passos 2 SÍLVIA MECOZZI, Anêmona V, 2002

Leia mais

Núcleo de Ação Educativa Material Educativo. Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013

Núcleo de Ação Educativa Material Educativo. Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013 Núcleo de Ação Educativa Material Educativo Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013 Em comemoração ao 559 aniversário de São Paulo, o museu Casa

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

anti-heróis & aspirinas yury hermuche

anti-heróis & aspirinas yury hermuche anti-heróis & aspirinas yury hermuche A aspirina é um pó branco e cristalino, com ponto de fusão a 135 graus celsius, também conhecido como ácido acetilsalicílico. É vendido compactado em pastilhas. Sua

Leia mais

Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura)

Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura) 1 Tony Hara. A sociedade da comunicação: controle e domesticação das singularidades. (UNICAMP Doutor em História da Cultura) Na aula proferida no dia 17 de fevereiro de 1982, no Collège de France, Michel

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Da Dor ao Prazer no trabalho Regina Benevides de Barros Maria Elizabeth Barros de Barros

Da Dor ao Prazer no trabalho Regina Benevides de Barros Maria Elizabeth Barros de Barros Da Dor ao Prazer no trabalho Regina Benevides de Barros Maria Elizabeth Barros de Barros Relatos de trabalhadores que nos chegam a partir das situações vividas nos Serviços de saúde apontam, insistentemente,

Leia mais

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil

Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Eduardo Lacerda: Vender Literatura é muito difícil Não é nada fácil vender Literatura no Brasil. A constatação é do jovem poeta e editor Eduardo Lacerda. Um dos editores da Patuá, editora paulista, Lacerda

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho

Uma História que cheira a Café. Não Desprezes os Provérbios. Autor Isabel Vilarinho e Vanda Novais. Autor Abel de Carvalho Catálogo 2013 Uma História que cheira a Café Isabel Vilarinho e Vanda Novais Não Desprezes os Provérbios Abel de Carvalho Género: Romance N.º Páginas: 112 ISBN: 978-989-20-3065-4 Género: Prosa / Literatura

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO Deusa Maria de SOUZA-PINHEIRO-PASSOS deusa@usp.br Universidade de São Paulo (USP) Tomando a atividade de escrita como uma das maneiras

Leia mais

CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT

CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT CIGAM MÓDULOS DE COMPRAS WEB EPROCUREMENT MANUAL DE OPERAÇÃO Rev. 02.11 03/05/12 CRM - CIGAM - Compras web 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CIGAM DESKTOP Solicitação de Compra (SOC)... 4 2.1. Envio do pedido

Leia mais

KOHAN, W. Ensaios Filosóficos, Volume XI Julho/2015. Entrevista

KOHAN, W. Ensaios Filosóficos, Volume XI Julho/2015. Entrevista Entrevista Walter Omar Kohan é professor titular da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq e da FAPERJ. Doutor em filosofia pela Universidad Iberoamericana, foi presidente do Conselho

Leia mais

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O que mobiliza esta aula é a vida cotidiana, o significado da casa e da vida doméstica, da rua e do espaço público como conformadores de nosso

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht...

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... 1 de 2 02-08-2011 16:42 Diferentes especialistas pontuam como o saber indígena contribui para a sustentabilidade Muitos e diversos.

Leia mais

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações

Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Cartografia de um processo de criação em teatro: Primeiras considerações Getúlio Góis de Araújo Programa de Pós-graduação em Artes UFU Mestrando - Práticas e Processos em Artes. Or. Prof Dr. Narciso Telles

Leia mais

Para estudar literatura

Para estudar literatura Para estudar literatura Cícero Galeno Lopes Este material foi preparado para mesa-redonda realizada no Câmpus da UCS em Bento Gonçalves, Câmpus Universitário da Região dos Vinhedos, durante a 26ª Feira

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória.

Projeto Leve Amor. Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Projeto Leve Amor Bruno Barros de Souza 1 Helber Lopes de Souza 2 Leticia Abreu 3 AEV Associação Educacional de Vitória. Vitória - ES RESUMO Exposição de conteúdo referente a idealização de um projeto

Leia mais

Harmonização Corporal

Harmonização Corporal XI Congresso Brasileiro de Psicomotricidade: Diálogos e Interseções com a Psicomotricidade Um Século de História 50 anos de Brasil - Rio de Janeiro RJ - 06 à 08 de setembro de 2010 Harmonização Corporal

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14. Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro,

Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14. Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro, Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14 Senhor Secretário de Estado do Emprego, meu caro colega Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro, Senhor Vice- Presidente Executivo

Leia mais

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE Fotografia: Rumos 1 Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE RESUMO O presente artigo descreve o processo criativo e produtivo da fotografia de capa da revista A Ponte

Leia mais

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 1 Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 Fernanda Otoni de Barros Palavras-chave: conexão psicanálise e direito, violência, ação lacaniana na cidade. Se vocês concordam que o gozo se

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Chegou a hora da Filosofia Sílvio Gallo

Chegou a hora da Filosofia Sílvio Gallo Chegou a hora da Filosofia Sílvio Gallo "A filosofia é a arte de formar, de inventar, de fabricar conceitos /.../ O filósofo é o amigo do conceito, ele é conceito em potência. Quer dizer que a filosofia

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. O MELHOR DE CALVIN /Bill Watterson MÃE, O

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro experiencias ^ Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva lugar cadeiras encontro Alexandre San Goes Graduando em Ciências Sociais/UFBA Priscila Erthal Risi Arquiteta urbanista, mestranda

Leia mais

LITERATURIZAR O CURRÍCULO: POTÊNCIAS E USOS DA LITERATURA COMO DIMENSÃO ESTÉTICA QUE ATRAVESSA O CURRÍCULO

LITERATURIZAR O CURRÍCULO: POTÊNCIAS E USOS DA LITERATURA COMO DIMENSÃO ESTÉTICA QUE ATRAVESSA O CURRÍCULO LITERATURIZAR O CURRÍCULO: POTÊNCIAS E USOS DA LITERATURA COMO DIMENSÃO ESTÉTICA QUE ATRAVESSA O CURRÍCULO Fabiano de Oliveira Moraes PPGE/UFES Problematização A Literatura Infantil 1, como um dos mais

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ACESSIBILIDADE: DA OBTENÇÃO DO LUGAR A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO

ACESSIBILIDADE: DA OBTENÇÃO DO LUGAR A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO ACESSIBILIDADE: DA OBTENÇÃO DO LUGAR A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO Resumo: Priscila Silva Bezerra (Universidade Federal Fluminense) pris-sb1@hotmail.com Nossa realidade social contrasta com a afirmativa que

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Heróis Cristãos Ontem e Hoje. J a n e t & G e o f f B e n g e

Heróis Cristãos Ontem e Hoje. J a n e t & G e o f f B e n g e Heróis Cristãos Ontem e Hoje J a n e t & G e o f f B e n g e Este livro foi publicado em inglês sob o título: William Booth: Soup, Soap and Salvation Benge, Janet & Geoff Copyright 2002 by YWAM Publishing

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO Animal print and symbolic consumption explaining models Garcia, Maria Carolina; Doutora; Centro Universitário Belas Artes, maria.garcia@belasartes.br

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine WORKSHOP Sanguecine é um workshop sobre a história, a produção e o mercado de cinema de gênero em âmbito mundial. Ele é derivado de um cineclube dedicado exclusivamente ao cinema fantástico e de gênero

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1307.

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1307. A CRÍTICA GENÉTICA NO UNIVERSO DAS OBRAS DE ARTE: UM RECORTE DO PROCESSO CRIATIVO DE VIK MUNIZ Thais Jerônimo Duarte thaisjeronimo@hotmail.com Analisar obras de arte é analisar imagens produzidas pelo

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault

1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault 1 Noções Gerais sobre o Poder em Michel Foucault É como se, enfim, algo de novo surgisse depois de Marx. É como se uma cumplicidade em torno do Estado fosse rompida. Foucault não se contenta em dizer que

Leia mais

Facebook. Daniel Mendes. Mauriverti da Silva Junior

Facebook. Daniel Mendes. Mauriverti da Silva Junior UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET - CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Facebook Daniel Mendes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

PREFÁCIO DA SÉRIE. estar centrado na Bíblia; glorificar a Cristo; ter aplicação relevante; ser lido com facilidade.

PREFÁCIO DA SÉRIE. estar centrado na Bíblia; glorificar a Cristo; ter aplicação relevante; ser lido com facilidade. PREFÁCIO DA SÉRIE Cada volume da série A Palavra de Deus para Você o transporta ao âmago de um livro da Bíblia e aplica as verdades nele contidas ao seu coração. Os objetivos principais de cada título

Leia mais

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. II Condomínios Residenciais Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br F Apresentação inal de um dia de trabalho. O provável morador acaba de chegar em frente ao seu prédio, esperando

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

MEMÓRIA E HISTÓRIA EM DEMOCRACIA DE JORGE DE LIMA

MEMÓRIA E HISTÓRIA EM DEMOCRACIA DE JORGE DE LIMA 1 MEMÓRIA E HISTÓRIA EM DEMOCRACIA DE JORGE DE LIMA Virginia da Silva Santos (PIBIC/UFAL) 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho se constitui como resultante da pesquisa Memória e História em Jorge de Lima,

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA

> SIGAM AS PISTAS... BOM TRABALHO PARA TODOS! NA CAPA As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

www.observatoriodacritica.com.br

www.observatoriodacritica.com.br www.observatoriodacritica.com.br Entrevista de Luiz Costa Lima Folha de S. Paulo, 26 de outubro de 2003 Disponível http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2610200311.htm. em: 01 fev 2010. em: Acesso Em

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

Vita brevi sobre imagens e paisagens da Amazônia: a passagem do geográfico-político para o espaço imagético. 1

Vita brevi sobre imagens e paisagens da Amazônia: a passagem do geográfico-político para o espaço imagético. 1 9 Vita brevi sobre imagens e paisagens da Amazônia: a passagem do geográfico-político para o espaço imagético. 1 Luís Heleno Montoril del Castilo RESUMO: O presente texto trata de imagem e paisagem da

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais