Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia"

Transcrição

1 Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia Mariana Rampinelli & Michelle Oliveira PIBIC/CNPq Laércio Ferracioli Laboratório de Tecnologias Interativas Aplicadas à Modelagem Cognitivas Departamento de Física Universidade Federal de Espírito Santo 1. Introdução A modelagem computacional no contexto educativo pode ser usada como uma ferramenta complementar nos processos de ensino e aprendizagem de alunos em diferentes níveis de ensino. A integração dessa tecnologia, associado à Internet, pode ampliar o entendimento sobre os processos de ensino e aprendizagem relacionados a conteúdos específicos em Ciências, tanto no ensino presencial quanto no ensino à distância. Este artigo apresenta especificamente uma proposta de desenvolvimento de modelos computacionais e métodos para sua integração abrangendo disciplinas dos cursos de graduação em Física e Biologia. 2. Modelos Um modelo pode servir para representar objetos/ fatos/ eventos/ processos que acontecem no mundo real ou no mundo imaginário (Sampaio, 1999). Um modelo é uma representação para um objeto ou sistema. Qualquer conjunto de regras e relações que descrevem algo pode ser considerado um modelo. Todo o nosso pensamento pode ser entendido com sendo baseado em modelos. Concepções são abstrações baseadas em nossa experiência, as quais são dependentes da percepção individual para produzir modelos mentais que representam o mundo em torno de nós (Kurtz dos Santos et al, 2002). Forrester (1968, apud Kurtz dos Santos et al) considera que a mente humana é bem adaptada para construir e usar modelos que relacionam objetos no espaço e também para manipular modelos associados com palavras e idéias. No entanto, no caso de representações de fenômenos mais amplos, tais como os relacionados a sistemas complexos e modelos dinâmicos que re- 1

2 presentem mudanças através do tempo, a mente humana não é apropriadamente adequada. E, para esse tipo de sistema pode-se recorrer à modelagem computacional como uma ferramenta de auxílio na análise e entendimento. 3. Objetivo A proposta para o período de um ano desta pesquisa é a investigação da modelagem computacional quantitativa e de sua integração na aprendizagem de Ciências constituindo-se de três principais tópicos: o primeiro, resume-se no desenvolvimento do material instrucional para a utilização do ambiente de modelagem computacional, STELLA, nas áreas de Biologia e Física; o segundo, é o planejamento de estratégias para a integração desse material nos processos de ensino e aprendizagem; e, finalmente a disponibilização do trabalho elaborado no site do 4. O Ambiente de Modelagem Computacional STELLA STELLA é acrônimo para Structural Thinking Experimental Learning Laboratory with Animation (Ferracioli & Camiletti, 1998), em português, Laboratório de Aprendizagem Experimental com Animação para o Pensamento Sistêmico. Esse ambiente permite a construção de modelos através da conexão de ícones básicos que traduzem as variações dos fenômenos em estudo. O usuário não necessita trabalhar com equações matemáticas, mas somente fornecer relações causais entre as variáveis consideradas relevantes, para que o sistema converta essas relações em linhas de programa. O STELLA permite a obtenção de gráficos que mostram a evolução temporal de quaisquer variáveis e também a geração de tabelas que traduzam numericamente essas variações (Kurtz dos Santos et al, 2002). O STELLA é um ambiente de modelagem quantitativa e semiquantitativa que usa objetos como tanques, válvulas, conversores e conectores. O tanque/ nível representa uma grandeza que pode crescer ou decrescer. A válvula/ fluxo associada ao tanque decide com que taxa de variação temporal a grandeza representada pelo tanque irá variar. O conversor pode ser uma constante ou uma grandeza calculada pelo modelo e o conector estabelece um vínculo direto entre os objetos que compõem o modelo (Camiletti & Ferracioli, 2001; Machado & Krüger, 1999). A Figura 01 ilustra a representação de um sistema constituído por um tanque e uma válvula através do ambiente STELLA. 2

3 Figura 01: Modelo STELLA para o Sistema Tanque-Válvula 5. Propostas de Estudo 5.1. Utilizando o ambiente STELLA em Física Para alguns cursos de exatas da Universidade Federal do Espírito Santo é oferecida a disciplina de Física Experimental I, na qual os alunos realizam 10 experiências que abrangem conceitos de Mecânica (Força e Movimento, estudados em Física I) e de Termodinâmica (Energia e Leis da Termodinâmica, estudados em Física II). O desenvolvimento desse trabalho se dará na perspectiva implementada por Pinto & Ferracioli (2002) e Victor & Ferracioli (2002). Os alunos dessa disciplina serão convidados a participar de um mini-curso, no qual serão levados a desenvolver uma atividade de modelagem computacional sobre uma das experiências já realizadas por eles em laboratório. Os estudantes são submetidos a um questionário sobre os conceitos físicos envolvidos na experiência, antes e depois da atividade de modelagem. Esses questionários serão analisados e, a partir deles, será avaliada tanto a atividade de modelagem desenvolvida quanto as concepções dos estudantes sobre o experimento propriamente dito Utilizando o ambiente STELLA em Biologia Inicialmente, a proposta é o desenvolvimento de um material instrucional baseado no conteúdo programático das disciplinas de Biologia Geral I e Fisiologia Humana do departamento de Ciências Biológicas desta Universidade que abrangem, respectivamente, tópicos de Biologia Molecular/ Citologia e Processos Fisiológicos. O estudo será desenvolvido na disciplina de Informação, Ciência e Tecnologia no Ensino de Ciências, oferecido pelo Departamento de Física e será utilizada a metodologia implementada por Ferracioli & Sampaio (2001), que consiste em levar os alunos na triangulação de três aspectos: fundamentação teórica, procedimento experimental e atividades de modelagem e simulação. Os 3

4 estudantes serão solicitados a responder questionários para o levantamento de suas concepções do senso comum e modelos (Ferracioli, 2001) sobre os processos estudados. 6. O Delineamento do Estudo O processo de investigação científica para Gowin (1981, apud Ferracioli, 2002) é entendido como uma construção de uma estrutura de significados a partir de elementos básicos, por ele denominados de eventos, fatos e conceitos. Assim, a partir da observação de um evento que ocorre na natureza ou é provocado pelo observador, o procedimento de pesquisa estabelece conexões específicas entre os registros deste evento, levando a julgamentos factuais derivados do estudo desses registros e a observação de regularidades evidenciadas por esse julgamento que através dos conceitos e sistemas conceituais utilizados para interpretar esses julgamentos pode-se chegar a uma explicação deste evento (Ferracioli, 2002). Assim sendo, a partir dessa filosofia, será apresentado o V de Gowin destes estudos que foi construído como forma de estruturação e orientação para o desenvolvimento das atividades previstas. O V mostrado na Figura 02 apresenta várias lacunas justamente por representar o início da proposta destes estudos. 7 - Agradecimento Este trabalho de pesquisa foi parcialmente financiado pelo CNPq e FACITEC/CMT/PMV - Fundo de Apoio a Ciência e Tecnologia do município de Vitória - ES. 8 - Referências CAMILETTI, G. & FERRACIOLI, L. (2001) A Utilização da Modelagem Computacional Quantitativa no Aprendizado Exploratório de Física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 18(2): FERRACIOLI, L. (2001) Aprendizagem, Desenvolvimento e Conhecimento na Obra de Jean Piaget: Uma Análise do Processo de Ensino-Aprendizagem em Ciências. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. 80 (194): FERRACIOLI, L. (2002) O V Epistemológico como Instrumento Metodológico para o Processo de Investigação. Artigo submetido aos Cadernos de Pesquisa. Rio de Janeiro. FERRACIOLI, L. & CAMILETTI, G. (1998) Introdução ao Ambiente de Modelagem Computacional STELLA (versão preliminar). Série Modelos 01/ 98. Vitória. Publicação interna do ModeLab/UFES. 4

5 Filosofias O uso da tecnologia através da integração de ambientes de modelagem computacional nos processos de ensino e aprendizagem pode ampliar a compreensão dos alunos na áreas de Ciências. Teorias Questão Básica Como a modelagem computacional pode ser integrada na aprendizagem de Física e Biologia? Asserções de Valor Asserções de Conhecimento Interpretações Resultados Tópicos do estudo de Física: Força e Movimento; Energia e Leis da Termodinâmica; Tópicos de estudo de Biologia: Estruturas e funcionamento celular; Princípios de Sistemas (Forrester, 1968); Conceitos Pesquisa: Conceito Conceito Científico Concepção do Senso Comum Conhecimento do Senso Comum Transformações Fatos Registro de Eventos Anotações sobre o desenvolvimento das atividades de modelagem pelos estudantes; Questionário respondidos pelos estudantes. Eventos Alunos de Física experimental I são levados a desenvolver atividade de modelagem computacional sobre uma das experiências já realizadas por eles no laboratório. Antes e depois da atividade de modelagem os alunos são solicitados a responder questionários; Alunos de Ciências Biológicas são levados a desenvolver atividades de modelagem computacional sobre tópicos de Biologia Molecular/ Citologia e Processos Fisiológicos. Antes e depois da atividade de modelagem os alunos são solicitados a responder questionários. Figura 02: O V de Gowin do Estudo. 5

6 FERRACIOLI, L. & SAMPAIO, F. F. (2001) Informação, Ciência, Tecnologia & Inovação Curricular em Cursos de Licenciatura. Revista Brasileira de Informação na Educação, 8(1): PINTO, B.D.L. & FERRACIOLI, L. (2002) A Integração de um Ambiente de Modelagem Computacional Quantitativo no Laboratório de Física Experimental. Incluído nesta Seção de Apresentações Orais destes Anais. VICTOR, R. & FERRACIOLI, L. (2002) A Utilização da Modelagem Computacional no Laboratório de Física Básica. Incluído nesta Seção de Apresentações Orais destes Anais. KURTZ DOS SANTOS, A. C.; CHO, Y.; ARAUJO, I. S.; GONÇALVES, G. P. (2002) Modelagem computacional utilizando STELLA: considerações teóricas e aplicações em Gerenciamento, Física e Ecologia de Sistemas. / Site acessado em Novembro/ MACHADO, B. S.; KRÜGER, K. (1999) Utilizando o STELLA no Laboratório de Física. Anais do III Seminário sobre Representações e Modelagem no Processo de Ensino-Aprendizagem. Rio Grande: Fundação Universidade do Rio Grande /Novembro p SAMPAIO, F. F. (1999) Modelagem Dinâmica Computacional e o Processo de Ensino-Aprendizagem: Algumas Questões para Reflexão. Anais do III Seminário sobre Representações e Modelagem no Processo de Ensino- Aprendizagem. Rio Grande: Fundação Universidade do Rio Grande / Novembro p VEIT, E. A. & TEODORO, V.D. (2001) Modelagem no ensino/ aprendizagem de Física e os novos parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Revista Brasileira de Ensino de Física. Porto Alegre. 6

ESTUDO PRELIMINAR DE UM MÓDULO EDUCACIONAL SOBRE MÉTODOS NUMÉRICOS DE INTEGRAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA

ESTUDO PRELIMINAR DE UM MÓDULO EDUCACIONAL SOBRE MÉTODOS NUMÉRICOS DE INTEGRAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA ESTUDO PRELIMINAR DE UM MÓDULO EDUCACIONAL SOBRE MÉTODOS NUMÉRICOS DE INTEGRAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA Michel Rabbi [michelrabbi@bol.com.br] Laércio Ferracioli [laercio@npd.ufes.br]

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DE UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVO NO ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES

A INTEGRAÇÃO DE UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVO NO ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES IX ENCONTRO N ACIONAL DE P ESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA 1 A INTEGRAÇÃO DE UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVO NO ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES Mariana Rampinelli Fernandes a [mariana@modelab.ufes.br]

Leia mais

UTILIZANDO MAPAS CONCEITUAIS NA AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DE TERMODINÂMICA

UTILIZANDO MAPAS CONCEITUAIS NA AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DE TERMODINÂMICA Concept Mapping to Learn and Innovate Proc. of Sixth Int. Conference on Concept Mapping Santos, Brazil, 2014 UTILIZANDO MAPAS CONCEITUAIS NA AVALIAÇÃO DO CONTEÚDO DE TERMODINÂMICA Ramon Teodoro do Prado,

Leia mais

LICENCIATURA EM FÍSICA (INTEGRAL)

LICENCIATURA EM FÍSICA (INTEGRAL) 1 LICENCIATURA EM FÍSICA (INTEGRAL) CURRÍCULO 2008/1 PRIMEIRO PERÍODO 08.111-6 Geometria Analítica Não tem 04 08.221-0 Cálculo Diferencial e Integral 1 Não tem 09.110-3 Física Experimental A Não tem 04

Leia mais

O ENSINO DE LABORATÓRIO DE FÍSICA NA UEFS: CONSIDERAÇÕES TEÓRICO-PEDAGÓGICAS

O ENSINO DE LABORATÓRIO DE FÍSICA NA UEFS: CONSIDERAÇÕES TEÓRICO-PEDAGÓGICAS 123 O ENSINO DE LABORATÓRIO DE FÍSICA NA UEFS: CONSIDERAÇÕES TEÓRICO-PEDAGÓGICAS Milton Souza Ribeiro* Dagoberto da Silva Freitas** Durval Eusíquio de Miranda*** RESUMO Este trabalho se ocupa do estudo

Leia mais

PhysLab: Laboratório Virtual de Física Um Pack de Modelos Computacionais 2D para o Ensino de Física

PhysLab: Laboratório Virtual de Física Um Pack de Modelos Computacionais 2D para o Ensino de Física XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2009 Vitória, ES 1 PhysLab: Laboratório Virtual de Física Um Pack de Modelos Computacionais 2D para o Ensino de Física Felipe Camargo 1, Rodrigo Marques

Leia mais

ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA +*

ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA +* ESTUDO DO FENÔMENO DE COLISÕES ATRAVÉS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA +* Mariana Rampinelli Laércio Ferracioli Departamento de Física UFES Vitória ES Resumo Os avanços das chamadas novas tecnologias

Leia mais

Currículo do Curso de Física

Currículo do Curso de Física Currículo do Curso de Física Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação em Física oferece ao estudante a oportunidade de obter ampla formação em ciência básica e aplicada, possibilitando-lhe

Leia mais

280 Currículos dos Cursos do CCE UFV. FÍSICA Bacharelado. COORDENADOR Ismael Lima Menezes Sobrinho

280 Currículos dos Cursos do CCE UFV. FÍSICA Bacharelado. COORDENADOR Ismael Lima Menezes Sobrinho 280 Currículos dos Cursos do CCE UFV FÍSICA Bacharelado COORDENADOR Ismael Lima Menezes Sobrinho ilima@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 281 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de graduação em Física oferece

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS EXATAS HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS EXATAS INGRESSANTES 2009

CURSO DE CIÊNCIAS EXATAS HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS EXATAS INGRESSANTES 2009 CURSO DE CIÊNCIAS EXATAS HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS EXATAS INGRESSANTES 2009 Período Atividade Acadêmica Caráter Cr CH Pré-requisito Código Denominação 1º MAT154 Cálculo I Disciplina de Formação

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Marcos da Silva Couto

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Marcos da Silva Couto UFV Catálogo de Graduação 2014 293 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Marcos da Silva Couto mscouto@ufv.br 294 Currículos dos Cursos do CCE UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação em Física

Leia mais

BACHARELADO EM FÍSICA (INTEGRAL) CURRÍCULO 2008/1 PRIMEIRO PERÍODO

BACHARELADO EM FÍSICA (INTEGRAL) CURRÍCULO 2008/1 PRIMEIRO PERÍODO 1 BACHARELADO EM FÍSICA (INTEGRAL) CURRÍCULO 2008/1 PRIMEIRO PERÍODO 08.111-6 Geometria Analítica Não tem 08.221-0 Cálculo Diferencial e Integral 1 Não tem 09.110-3 Física Experimental A Não tem 09.801-9

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Marcos da Silva Couto

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Marcos da Silva Couto UFV Catálogo de Graduação 2015 287 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Marcos da Silva Couto mscouto@ufv.br 288 Currículos dos Cursos do CCE UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação em Física

Leia mais

FÍSICA. COORDENADOR Helder Soares Moreira

FÍSICA. COORDENADOR Helder Soares Moreira FÍSICA COORDENADOR Helder Soares Moreira hmoreira@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 235 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de graduação em Física oferece ao estudante a oportunidade de obter ampla formação

Leia mais

O V Epistemológico como Instrumento Metodológico. Processo de Investigação

O V Epistemológico como Instrumento Metodológico. Processo de Investigação O V Epistemológico como Instrumento Metodológico para o Processo de Investigação Laércio Ferracioli Laboratório de Tecnologias Interativas Aplicadas à Modelagem Cognitiva Departamento de Física Universidade

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Alexandre Tadeu Gomes de Carvalho

UFV Catálogo de Graduação FÍSICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Alexandre Tadeu Gomes de Carvalho UFV Catálogo de Graduação 2012 163 FÍSICA Bacharelado e Licenciatura COORDENADOR Alexandre Tadeu Gomes de Carvalho atadeu@ufv.br 164 Currículos dos Cursos UFV Bacharelado ATUAÇÃO O curso de graduação em

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS I IDENTIFICAÇÃO: COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA - CPED PLANO DE ENSINO Departamento Acadêmico: DEP Ano/Semestre: 2018 / 1 º Componente curricular: Física Professor(a): Flávio Moura Turma: 111 Curso: Médio Integrado-Edificações

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. MATEMÁTICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana

Currículos dos Cursos UFV. MATEMÁTICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana 194 MATEMÁTICA Bacharelado e Licenciatura COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana rsmviana@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 195 Bacharelado ATUAÇÃO O bacharel em Matemática está apto para o exercício

Leia mais

O Curso de Mestrado Profissional em Ensino de Física da UFRJ

O Curso de Mestrado Profissional em Ensino de Física da UFRJ O Curso de Mestrado Profissional em Ensino de Física da UFRJ Carlos E. Aguiar Instituto de Física - UFRJ VIII ENLIF, UFRJ, out/2010 O Ensino de Ciências no Brasil e no Mundo PISA 2003 Ensino de Física

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV MATEMÁTICA. COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro

Currículos dos Cursos do CCE UFV MATEMÁTICA. COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro 132 MATEMÁTICA COORDENADORA DO CURSO DE MATEMÁTICA Marinês Guerreiro marines@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Matemática forma bacharéis e, ou, licenciados. O Bacharel

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA LICENCIATURA EM QUÍMICA EMENTAS DAS DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA 5º SEMESTRE ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS II 40 horas Os estudantes deverão cumprir 40 aulas ao longo do semestre em atividades

Leia mais

Curso: Licenciatura em Matemática

Curso: Licenciatura em Matemática Curso: Licenciatura em Matemática Módulo: Formação Humanística números de variáveis, com as respectivas abrangendo NF-301 Projeto Experimental de Grupo 40 2 NF-119 Democracia e Cidadania 40 2 MT-301 Matemática

Leia mais

A MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA NO ESTUDO DA INTERAÇÃO PREDADOR PRESA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM ESTUDANTES DE NÍVEL SUPERIOR

A MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA NO ESTUDO DA INTERAÇÃO PREDADOR PRESA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM ESTUDANTES DE NÍVEL SUPERIOR A MODELAGEM COMPUTACIONAL QUANTITATIVA NO ESTUDO DA INTERAÇÃO PREDADOR PRESA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM ESTUDANTES DE NÍVEL SUPERIOR THE QUANTITATIVE COMPUTER MODELING IN THE STUDY ABOUT PREDATOR-PREY

Leia mais

Prof. Domingos Sávio Giordani

Prof. Domingos Sávio Giordani Prof. Domingos Sávio Giordani dsgiordani@usp.br Como estruturar a pesquisa 1. Formular um problema O problema deve ser Claro e Preciso (usualmente na forma de pergunta) Deve ser empírico Ser suscetível

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DO SOFTWARE MODELLUS PARA SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAL EM CURSOS DE ENGENHARIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

TÍTULO: APLICAÇÃO DO SOFTWARE MODELLUS PARA SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAL EM CURSOS DE ENGENHARIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO TÍTULO: APLICAÇÃO DO SOFTWARE MODELLUS PARA SIMULAÇÃO E MODELAGEM COMPUTACIONAL EM CURSOS DE ENGENHARIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Química

Currículo do Curso de Engenharia Química Currículo do Curso de Engenharia Química Engenheiro Químico ATUAÇÃO O Engenheiro Químico tem uma atuação bastante ampla, com enfoque principal na indústria de transformação; é o profissional que utiliza

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV LICENCIATURA EM FÍSICA. COORDENADOR Gino Ceotto Filho

Currículos dos Cursos do CCE UFV LICENCIATURA EM FÍSICA. COORDENADOR Gino Ceotto Filho 268 Currículos dos Cursos do CCE UFV LICENCIATURA EM FÍSICA COORDENADOR Gino Ceotto Filho gceotto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 269 ATUAÇÃO O curso de Licenciatura em Física oferece ao estudante

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de em diante)

Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de em diante) Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de 2009.2 em diante) Formação e Estrutura da Vida na Terra 60 Mecânica Clássica I 60 Trabalhos Experimentais 60 Química Geral

Leia mais

Desenvolvimento e Evolução da Disponibilização de Conteúdos Digitais no Contexto da Educação em Ciências, Artes e Tecnologia: A Experiência do

Desenvolvimento e Evolução da Disponibilização de Conteúdos Digitais no Contexto da Educação em Ciências, Artes e Tecnologia: A Experiência do Desenvolvimento e Evolução da Disponibilização de Conteúdos Digitais no Contexto da Educação em Ciências, Artes e Tecnologia: A Experiência do ModeL@b Laércio Ferracioli Laboratório de Tecnologias Interativas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC S NO ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC S NO ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2009 Vitória, ES 1 UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC S NO ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS Michel Adriano Rabbi 1, Dorval

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011 A IMPORTÂNCIA DOS EXPERIMENTOS VIRTUAIS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Jessiara Garcia PEREIRA 1 ; Rosemary Pereira COSTA 2 1 Graduanda do Curso de Licenciatura em Física do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG)

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Fluxogramas Curriculares Baseado nas diretrizes político-pedagógicas e na definição dos conteúdos curriculares, o fluxograma extrapola a mera relação das unidades curriculares.

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum

Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum 1º. Semestre Inserção à Vida Universitária 40h Inserção à Vida Universitária 15h Iniciação ao Pensamento Científico

Leia mais

272 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR André Gustavo Sato

272 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR André Gustavo Sato 272 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA QUÍMICA COORDENADOR André Gustavo Sato agsato@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 273 Engenheiro Químico ATUAÇÃO O Engenheiro Químico tem uma atuação bastante

Leia mais

I I I INFORMAÇÃO RELATIVA

I I I INFORMAÇÃO RELATIVA UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Geografia I I I INFORMAÇÃO RELATIVA A O SUPLEMENTO AO DIPLOMA (versão em português) 2 Doutoramento em Geografia Descrição: 1. Áreas de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 116 aprovado pela portaria Cetec nº 107 de 18 / 10 /2011 Etec: Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

COMUNICAÇÕES: O PROJETO DESENVOLVI- MENTO E USO DE FERRAMENTAS COMPUTACIO- NAIS PARA O APRENDIZANDO EXPLORATÓRIO DE CIÊNCIAS

COMUNICAÇÕES: O PROJETO DESENVOLVI- MENTO E USO DE FERRAMENTAS COMPUTACIO- NAIS PARA O APRENDIZANDO EXPLORATÓRIO DE CIÊNCIAS COMUNICAÇÕES: O PROJETO DESENVOLVI- MENTO E USO DE FERRAMENTAS COMPUTACIO- NAIS PARA O APRENDIZANDO EXPLORATÓRIO DE CIÊNCIAS Arion de Castro Kurtz dos Santos Maria Helena Gravina Marcelo Resende Thielo

Leia mais

CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DE UM APARATO EXPERIMENTAL PARA LANÇAMENTO HORIZONTAL: UMA ATIVIDADE DO PIBID NA FACIP/UFU.

CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DE UM APARATO EXPERIMENTAL PARA LANÇAMENTO HORIZONTAL: UMA ATIVIDADE DO PIBID NA FACIP/UFU. CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DE UM APARATO EXPERIMENTAL PARA LANÇAMENTO HORIZONTAL: UMA ATIVIDADE DO PIBID NA FACIP/UFU. Paulo Sergio Prado Neves 1, Bianca Aparecida Castro Justino 2, João Paulo Lima Fernandes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA CIENTÍFICA. Prof. Renato Fernandes Universidade Regional do Cariri URCA Curso de Tecnologia da Construção Civil

CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA CIENTÍFICA. Prof. Renato Fernandes Universidade Regional do Cariri URCA Curso de Tecnologia da Construção Civil CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Renato Fernandes Universidade Regional do Cariri URCA Curso de Tecnologia da Construção Civil Classificação com base em seus objetivos Pesquisas exploratórias

Leia mais

A utilização da tecnologia da informação no ensino de biologia: um experimento com um ambiente de modelagem computacional

A utilização da tecnologia da informação no ensino de biologia: um experimento com um ambiente de modelagem computacional A utilização da tecnologia da informação no ensino de biologia: um experimento com um ambiente de modelagem computacional The utilization of information tecnology in biology teaching: an experiment with

Leia mais

CONSTRUINDO MAPAS CONCEITUAIS: UMA TÉCNICA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO CONHECIMENTO

CONSTRUINDO MAPAS CONCEITUAIS: UMA TÉCNICA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO CONHECIMENTO I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA CONSTRUINDO MAPAS CONCEITUAIS:

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

LISTA DAS DISCIPLINAS QUE COMPÕEM A GRADE CURRICULAR

LISTA DAS DISCIPLINAS QUE COMPÕEM A GRADE CURRICULAR Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira Instituto de Ciências Exatas e da Natureza Coordenação de Licenciatura em Ciências Biológicas LISTA DAS DISCIPLINAS QUE COMPÕEM A GRADE

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Psicologia Disciplina: Processos Psicológicos Básicos II

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Psicologia Disciplina: Processos Psicológicos Básicos II PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Psicologia Disciplina: Processos Psicológicos Básicos II Código: PSI11 Professora: Luiza Lins Araújo Costa E-mail: luiza.costa@fasete.edu.br

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO - EAD

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO - EAD GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO - EAD Com o advento da indústria 4.0, há uma crescente demanda de profisisonais com habilidades de desenvolver dispositivos e softwares para as mais variadas áreas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DE PRODUÇÃO DE PRODUÇÃO - GRADUAÇÃO - 215 1º PERÍODO Carga Horária CLASSIFICAÇÃO CARGA HORÁRIA MODALIDADE NÚCLEO LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO PROFISSIONAL

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014 PRÓ-REITORIA GRADUAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA ANEXO F ESTRUTURA CURRICULAR 2014 1º semestre S OBRIGATÓRIAS D E AULA TRAB. TOTAL MAC2166 - Introdução à Computação 4 0 60 1 MAT2453 - Cálculo Diferencial e Integral

Leia mais

Aula 5 OFÍCINA TEMÁTICA NO ENSINO DE QUÍMICA

Aula 5 OFÍCINA TEMÁTICA NO ENSINO DE QUÍMICA OFÍCINA TEMÁTICA NO ENSINO DE QUÍMICA META Apresentar formas de organização de conteúdos privilegiando o estabelecimento de relações entre os vários conhecimentos químicos e entre a Química e suas aplicações

Leia mais

Uma proposta pedagógica para o uso da modelagem computacional no curso de Licenciatura em Química do Cefet Campos.

Uma proposta pedagógica para o uso da modelagem computacional no curso de Licenciatura em Química do Cefet Campos. XII Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação Uma proposta pedagógica para o uso da modelagem computacional no curso de Licenciatura em Química do Cefet Campos. Rodrigo Garrett da Costa Profª. Drª.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Professor fabriciolassi@gmail.com MATEMÁTICA na BNCC COMPLEXIDADE crescente Resolução de Problemas Situações desafiadoras

Leia mais

III. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

III. OBJETIVOS ESPECÍFICOS CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Leitura e Produção de Textos CÓDIGO: PROFESSOR: Hugo dos Santos Konkel CARGA HORÁRIA MANAL/MESTRAL: 0 ou - 80h/a ou 60h/r MESTRE/ANO:

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação QUÍMICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR César Reis

UFV Catálogo de Graduação QUÍMICA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR César Reis UFV Catálogo de Graduação 2012 207 QUÍMICA Bacharelado e Licenciatura COORDENADOR César Reis cesar@ufv.br 208 Currículos dos Cursos UFV Bacharelado ATUAÇÃO O Químico é um profissional, capacitado em ciências

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Componente

Leia mais

PROTOTIPAGEM DE SUPERFÍCIES QUÁDRICAS

PROTOTIPAGEM DE SUPERFÍCIES QUÁDRICAS PROTOTIPAGEM DE SUPERFÍCIES QUÁDRICAS KINALSKI JUNIOR, V. 1 ; LUVISA, A. 2 ; BAVARESCO, D. 3 RESUMO Neste trabalho apresentamos resultados de um processo investigatório que definiu uma metodologia para

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE BOAS PRÁTICAS INSTITUCIONAIS

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE BOAS PRÁTICAS INSTITUCIONAIS FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE BOAS PRÁTICAS INSTITUCIONAIS Último dia de envio: 31 de julho de 2017. E-mail: mario.olmos@udb.edu.sv INDICAÇÕES O propósito deste formulário é obter as informações necessárias

Leia mais

Kathia M. Fehsenfeld 1 Laércio Ferracioli 2

Kathia M. Fehsenfeld 1 Laércio Ferracioli 2 DESENVOLVIMENTO, UTILIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE UM MÓDULO EDUCACIONAL BASEADO NA MODELAGEM COMPUTACIONAL NO CONTEXTO DA SALA DE AULA: UM ESTUDO SOBRE A PRIMEIRA E A SEGUNDA LEI DE NEWTON DEVELOPMENT, APPLICATION

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 26/01/2017 Currículo de Cursos Hora: 15:41:45

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 26/01/2017 Currículo de Cursos Hora: 15:41:45 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 26/01/2017 Currículo de Cursos Hora: 15:41:45 Curso: Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Documento de Autorização: Física - Licenciatura

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2014 EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2014 EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: LICENCIATURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: LICENCIATURA EM FÍSICA FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (X) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR

ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR AQUISIÇÃO AUTOMÁTICA TICA DE DADOS E ANIMAÇÕES NO ESTUDO DA TRANSMISSÃO DO CALOR Denise Borges Sias CEFET-RS [denise@cefetrs.tche.br] Rejane Maria Ribeiro Teixeira IF-UFRGS [rejane@if.ufrgs.br] VII Ciclo

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. QUÍMICA Bacharelado. COORDENADORA Regina Simplício Carvalho

Currículos dos Cursos UFV. QUÍMICA Bacharelado. COORDENADORA Regina Simplício Carvalho 194 Currículos dos Cursos UFV QUÍMICA Bacharelado COORDENADORA Regina Simplício Carvalho resicar@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 195 Bacharelado ATUAÇÃO O Químico é um profissional, capacitado em

Leia mais

Avaliação Nacional da Alfabetização ANA

Avaliação Nacional da Alfabetização ANA Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Avaliação Nacional da Alfabetização ANA Diretoria de Avaliaçaõ da Educação Básica CGEC DAEB - INEP Maio de

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. Araribá Geografia Araribá Geografia Material do Professor

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO ENSINO DE BIOLOGIA: UM EXPERIMENTO COM UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO ENSINO DE BIOLOGIA: UM EXPERIMENTO COM UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO ENSINO DE BIOLOGIA: UM EXPERIMENTO COM UM AMBIENTE DE MODELAGEM COMPUTACIONAL THE UTILIZATION OF INFORMATION TECNOLOGY IN BIOLOGY TEACHING: AN EXPERIMENT WITH

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema 4.9.1 Quadro de Unidades Curriculares As Tabelas 4.9.1 e 4.9.2 mostram a distribuição das Unidades Curriculares s e eletivas, com

Leia mais

Oficina de apropriação de resultados SABE Avalie Ensino Médio Matemática

Oficina de apropriação de resultados SABE Avalie Ensino Médio Matemática Oficina de apropriação de resultados SABE Avalie Ensino Médio Matemática Dayane Tinoco Analista de Instrumento de Avaliação e-mail: dayane@caed.ufjf.br Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação

Leia mais

OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS 2011

OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS 2011 OFICINA DE APROPRIAÇÃO DE RESULTADOS 2011 O CAEd Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação, da UFJF, é uma instituição que elabora e desenvolve programas de avaliação sobre o rendimento escolar

Leia mais

6.1 DELINEAMENTO. Este capítulo apresenta o delineamento da pesquisa, os participantes, os materiais e o desenvolvimento.

6.1 DELINEAMENTO. Este capítulo apresenta o delineamento da pesquisa, os participantes, os materiais e o desenvolvimento. 6.1 DELINEAMENTO 0e72'2'$3(648,6$ Este capítulo apresenta o delineamento da pesquisa, os participantes, os materiais e o desenvolvimento. Esta pesquisa é exploratória/experimental, de natureza qualitativa,

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 037/11-COGEP

Leia mais

Matemática. EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica.

Matemática. EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Matemática 1º SEMESTRE MATEMÁTICA I, 75H EMENTA: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. LÓGICA, 60H EMENTA: Estuda proposições, análise e discussões

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA

IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA Maria Giselly Jorge de Matos 1 ; Patrícia Mariana Vasco de Góz²; Gerllane Jorge de Matos³; Ricardo

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP

A teoria genética de Piaget. Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP A teoria genética de Piaget Professora Cibelle Celestino Silva IFSC USP Jean Piaget (1896-1980) biólogo suíço estudou a interação de moluscos com o meio ambiente Jean Piaget (1896-1980) os moluscos, como

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

Currículos dos Cursos LICENCIATURA EM FÍSICA. COORDENADOR Robson Luiz Santos

Currículos dos Cursos LICENCIATURA EM FÍSICA. COORDENADOR Robson Luiz Santos 70 LICENCIATURA EM FÍSICA COORDENADOR Robson Luiz Santos robsonls@ufv.br Catálogo de Graduação 2011 71 ATUAÇÃO O curso de Licenciatura em Física oferece ao estudante a oportunidade de obter ampla formação

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

Simulações Computacionais e Ensino de Física Básica Uma discussão sobre produção e uso. Geraldo Felipe de Souza Filho PEF novembro de 2009

Simulações Computacionais e Ensino de Física Básica Uma discussão sobre produção e uso. Geraldo Felipe de Souza Filho PEF novembro de 2009 Simulações Computacionais e Ensino de Física Básica Uma discussão sobre produção e uso Geraldo Felipe de Souza Filho PEF novembro de 2009 1 01. Introdução Neste trabalho produzimos um conjunto de simuladores

Leia mais

Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof.

Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof. Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof. Juliano Marques de Aguilar DIRETOR ADMINISTRATIVO Cursos FIC Os Cursos

Leia mais

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3.

OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1. Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. OS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE COORDENADAS POLARES 1 Angeli Cervi Gabbi 2, Cátia Maria Nehring 3. 1 Parte do Projeto de Tese realizado no Curso de Doutorado em Educação

Leia mais

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há Nome da UC Categoria CH Total Pré-Requisitos Álgebra Linear Eletiva 72 Geometria Analítica Álgebra Linear Computacional Eletiva 72 Cálculo Numérico Álgebra Linear II Eletiva 72 Álgebra Linear Algoritmos

Leia mais

E2T2:TENDÊNCIAS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA I. 02/07 a 07/07/2012. M.Sc. Elinete Oliveira Raposo Ribeiro/UFPA/IEMCI

E2T2:TENDÊNCIAS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA I. 02/07 a 07/07/2012. M.Sc. Elinete Oliveira Raposo Ribeiro/UFPA/IEMCI PRESENCIAL A DISTÂNCIA TOTAL Nome do Curso LICENCIATURA INTEGRADA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, Identificação da turma TURMA 1 Cidade de Funcionamento Ano/Período de Ingresso Ano/Período cursado CARGA HORÁRIA

Leia mais

ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR Alexandre Gurgel

ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR Alexandre Gurgel ENGENHARIA QUÍMICA COORDENADOR Alexandre Gurgel agurgel@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 257 Bacharelado ATUAÇÃO O Químico é um profissional, capacitado em ciências básicas e aplicadas, com conhecimentos

Leia mais

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento.

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 1ª Série 6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 6DES002 ASPECTOS TEÓRICO-METODOLOGICOS DE MODALIDADES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFESSORA NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Componente

Leia mais

Dinâmica Curricular 2011 versão 8

Dinâmica Curricular 2011 versão 8 : Dinâmica Curricular 2011 versão 8 1º Período História da Educação DCH25 60 ----- ----- 60 ntrodução à Pedagogia DCH310 30 ----- ----- 30 Sociologia da Educação DCH55 60 ----- ----- 60 Filosofia da Educação

Leia mais

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior.

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior. Estatística Professor Jair Vieira Silva Júnior Ementa da Disciplina Estatística descritiva; Interpretação de gráficos e tabelas; Amostras, representação de dados amostrais e medidas descritivas de uma

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR Wagner Luis da Silva Faria

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA QUÍMICA. COORDENADOR Wagner Luis da Silva Faria 248 ENGENHARIA QUÍMICA COORDENADOR Wagner Luis da Silva Faria wagner.faria@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 249 Engenheiro Químico ATUAÇÃO O Engenheiro Químico tem uma atuação bastante ampla, com

Leia mais

Computação para química: Programas computacionais como ferramentas didáticas para o ensino-aprendizado da química

Computação para química: Programas computacionais como ferramentas didáticas para o ensino-aprendizado da química Computação para química: Programas computacionais como ferramentas didáticas para o ensino-aprendizado da química FARIAS,Fellipe F. S. (bolsista); SILVA, Philipe D. A. (bolsista); CUNHA, Cláudia O. (professor

Leia mais

Apresentação da Neurociência Computacional

Apresentação da Neurociência Computacional Apresentação da Neurociência Computacional O objetivo principal da neurociência computacional é explicar como os sinais elétricos e químicos nas células e redes de células interconectadas do cérebro são

Leia mais

Paradigma Simbólico. Sistemas de Informação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 2)

Paradigma Simbólico. Sistemas de Informação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 2) Paradigma Simbólico Sistemas de Informação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 2) Revisão da aula anterior: definição de IA Podemos associar o termo IA com: Parte da ciência da computação

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

ÁLGEBRA E GEOMETRIA: INTERAGINDO POR MEIO DE PADRÕES

ÁLGEBRA E GEOMETRIA: INTERAGINDO POR MEIO DE PADRÕES ÁLGEBRA E GEOMETRIA: INTERAGINDO POR MEIO DE PADRÕES Resumo: Hugo Gandra de Araújo gandrahugo@gmail.com Fernanda de Fátima Silva Ferreira nandafsf@hotmail.com Lina Paula Armond Gonçalves lina.armond@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - EAD

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - EAD GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - EAD O Curso de Administração visa a formação de profissionais administrativos com ênfase no desenvolvimento do raciocínio lógico, crítico, sistêmico e analítico, como também

Leia mais