Fato Gerador LINHA DO TEMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fato Gerador LINHA DO TEMPO"

Transcrição

1 Fato Gerador LINHA DO TEMPO 1º ) Lei criou o imposto com a sua HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA 2º ) Ocorreu o FATO GERADOR do imposto 3º ) Consequentemente surge o OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA 4º ) Ocorre o LANÇAMENTO da obrigação tributária 5º ) Com o lançamento nasce o CRÉDITO TRIBUTÁRIO 1 2 FATO GERADOR CTN Em concreto: Fato Imponível (fato gerador em sentido estrito) Em abstrato: Hipótese de Incidência O CTN usa a expressão fato gerador, tanto para se referir á previsão abstrata constante da lei (hipótese de incidência) quanto para se referir aos casos concretos que se verificam no mundo e que se enquadram na abstrata previsão legal (fato imponível). Art A obrigação tributária é principal ou acessória. 1º A obrigação principal surge com a ocorrência do fato gerador, tem por objeto o pagamento de tributo ou penalidade pecuniária e extingue-se juntamente com o crédito dela decorrente º A obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos. 3º A obrigação acessória, pelo simples fato da sua inobservância, converte-se em obrigação principal relativamente à penalidade pecuniária. Art Fato gerador da obrigação principal é a situação definida em lei como necessária e suficiente à sua ocorrência. Art Fato gerador da obrigação acessória é qualquer situação que, na forma da legislação aplicável, impõe a prática ou a abstenção de ato que não configure obrigação principal

2 Art Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos: I - tratando-se de situação de fato, desde o momento em que o se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios; Ex. Imposto de Importação: o FG é a entrada de mercadoria estrangeira no território aduaneiro (situação de fato). II - tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que esteja definitivamente constituída, nos termos de direito aplicável. Mesmo antes de a lei tributária definir determinada situação como fato gerador de um tributo, já há norma, de outro ramo do direito, estipulando efeitos jurídicos para o mesmo fato. Ex. IPTU Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana: o principal FG é a propriedade (situação jurídica). 7 8 CONCLUSÃO QUANDO O FATO GERADOR SE CONSIDERA OCORRIDO? SITUAÇÃO DE FATO: Momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais. SITUAÇÃO JURÍDICA: Momento da constituição definitiva nos termos do direito aplicável. 9 (AFRFB/ESAF/2003/ADAPATDA) Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos, tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios. 10 Parágrafo único. A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária. (Incluído pela Lcp nº 104, de ) REGRA ANTIELISÃO FISCAL ELISÃO FISCAL EVASÃO FISCAL ELUSÃO FISCAL

3 ELISÃO FISCAL é uma conduta lícita, normalmente anterior ao fato gerador, na qual o contribuinte pratica ato ou celebra negócio visando a enquadra-lo em hipótese de isenção, não-incidência ou incidência menos onerosa do tributo. ELUSÃO FISCAL É conduta com aparência de licitude, mas ilícita em virtude de o contribuinte simular determinado negócio jurídico com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador EVASÃO FISCAL É conduta ilícita em que o contribuinte, normalmente após a ocorrência do fato gerador, pratica atos que visam a evitar o conhecimento do nascimento da obrigação tributária pela autoridade fiscal (SEFAZ-CE/ESAF/2007) Quando o Código Tributário Nacional, em seu art. 116, parágrafo único, prevê a possibilidade de que a autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária, podemos afirmar que estamos diante de a) norma geral anti-elisão. b) norma geral anti-evasão. c) desconsideração da pessoa jurídica, nos termos do Código Civil. d) princípio da tipicidade tributária. e) aspectos procedimentais do lançamento tributário. A (AFRFB/ESAF/2005/ADAPATDA) Atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de encobrir a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, desde que legítimos perante a legislação civil, não podem ser desconsiderados pela autoridade tributária Parágrafo único. A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária. (Incluído pela Lcp nº 104, de ) REGRA ANTIELISÃO FISCAL Art Para os efeitos do inciso II do artigo anterior e salvo disposição de lei em contrário, os atos ou negócios jurídicos condicionais reputamse perfeitos e acabados: SITUAÇÃO JURÍDICA

4 II - tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que esteja definitivamente constituída, nos termos de direito aplicável. Mesmo antes de a lei tributária definir determinada situação como fato gerador de um tributo, já há norma, de outro ramo do direito, estipulando efeitos jurídicos para o mesmo fato. Ex. IPTU Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana: o principal FG é a propriedade (situação jurídica). Art Para os efeitos do inciso II do artigo anterior e salvo disposição de lei em contrário, os atos ou negócios jurídicos condicionais reputam-se perfeitos e acabados: I - sendo suspensiva a condição, desde o momento de seu implemento; II - sendo resolutória a condição, desde o momento da prática do ato ou da celebração do negócio CONDIÇÃO SUSPENSIVA Art. 117 I A condição suspende a eficácia do ato ou negócio. CONDIÇÃO RESOLUTIVA Art. 117 II A condição desfaz os efeitos do ato ou negócio. Art A definição legal do fato gerador é interpretada abstraindo-se: I - da validade jurídica dos atos efetivamente praticados pelos contribuintes, responsáveis, ou terceiros, bem como da natureza do seu objeto ou dos seus efeitos; II - dos efeitos dos fatos efetivamente ocorridos Abstraindo-se = Sem levar em consideração. Tem como base o Princípio do PECUNIA NON OLET. Para o Direito Tributário o que importa é a manifestação de riqueza ter ocorrido. Não importa nem a validade jurídica nem os efeitos. O que importa é ter ocorrido o fato gerador. SUJEITO ATIVO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

5 Art Sujeito ativo da obrigação é a pessoa jurídica de direito público, titular da competência para exigir o seu cumprimento. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA 25 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Art. 7º A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do 3º do artigo 18 da Constituição. 1º A atribuição compreende as garantias e os privilégios processuais que competem à pessoa jurídica de direito público que a conferir. 2º A atribuição pode ser revogada, a qualquer tempo, por ato unilateral da pessoa jurídica de direito público que a tenha conferido. 3º Não constitui delegação de competência o cometimento, a pessoas de direito privado, do encargo ou da função de arrecadar tributos. Art Salvo disposição de lei em contrário, a pessoa jurídica de direito público, que se constituir pelo desmembramento territorial de outra, subroga-se nos direitos desta, cuja legislação tributária aplicará até que entre em vigor a sua própria. Exemplo: Estado do Tocantins SUJEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA Art Sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária. Parágrafo único. O sujeito passivo da obrigação principal diz-se: I - contribuinte, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador; II - responsável, quando, sem revestir a condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa de lei

6 CONTRIBUINTE RESPONSÁVEL SUJEITO PASSIVO A) Relação pessoal e direta com o Fato Gerador. B) Quem pratica o Fato Gerador definido em lei e, por conseguinte é obrigado ao pagamento do imposto ou do tributo. C) Aqui a referência é ao contribuinte de direito. Não tem relação pessoal e direta com o fato gerador da obrigação, mas tem que pagar o imposto porque a lei assim o determina. TOP Qualquer pessoa pode ser nomeada responsável pelo pagamento de qualquer tributo? ERRADA, pois a regra deve ser conjugada com o art. 128 do CTN, que exige que a pessoa nomeada responsável seja vinculada ao fato gerador da obrigação. Art Sem prejuízo do disposto neste capítulo, a lei pode atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação Art Sujeito passivo da obrigação acessória é a pessoa obrigada às prestações que constituam o seu objeto. Prestação: Fazer ou não fazer alguma coisa desprovida de conteúdo pecuniário (caso contrário, a obrigação seria principal). Não há modalidades de sujeito passivo da obrigação tributária acessória. A dicotomia contribuinte/responsável só é aplicável ao sujeito passivo da obrigação principal. Art Salvo disposições de lei em contrário, as convenções particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos, não podem ser opostas à Fazenda Pública, para modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações tributárias correspondentes CAPACIDADE TRIBUTÁRIA Art A capacidade tributária passiva independe: I - da capacidade civil das pessoas naturais; II - de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que importem privação ou limitação do exercício de atividades civis, comerciais ou profissionais, ou da administração direta de seus bens ou negócios; III - de estar a pessoa jurídica regularmente constituída, bastando que configure uma unidade econômica ou profissional

7 ATA/ESAF/2009 ATA/ESAF/2009 Art. 116 Parágrafo único do CTN E Parágrafo único. A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária. (Incluído pela Lcp nº 104, de ) REGRA ANTIELISÃO FISCAL 39 (AFRFB/ESAF/2005/ADAPATDA) A situação definida em lei, desde que necessária para o nascimento da obrigação tributária principal é o seu fato gerador Art Fato gerador da obrigação principal é a situação definida em lei como necessária e suficiente à sua ocorrência. (Advogado/ESAF/2006/ADAPATDA) O sujeito passivo da obrigação tributária principal, em regra, é aquela pessoa que realiza o seu fato gerador Correta 42 7

8 (Advogado/ESAF/2006/ADAPATDA) Chama-se sujeito ativo da obrigação tributária a pessoa jurídica de direito público dotada da competência para exigir seu cumprimento. 06 Correta 43 (GEFAZ-MG/2005) Assina a alternativa correta: a) A obrigação tributária nasce com o lançamento. b) A aplicação de multa pelo atraso no pagamento do tributo é a única forma de obrigação tributária acessória que a lei pode prever. c) Segundo o Código Tributário Nacional, a renda obtida com a prática do crime de contrabando não pode ser tributada. d) O fato gerador é a situação definida em lei como necessária e suficiente para que se considere surgida a obrigação tributária. e) A hipótese de incidência é o fato da vida que gera, diante do que dispõe a lei tributária, o dever de pagar o tributo. D (AFRFB/ESAF/2003/ADAPATDA) Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos, tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios Art Salvo disposição de lei em contrário, considera-se ocorrido o fato gerador e existentes os seus efeitos: I - tratando-se de situação de fato, desde o momento em que o se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que produza os efeitos que normalmente lhe são próprios; Ex. Imposto de Importação: o FG é a entrada de mercadoria estrangeira no território aduaneiro (situação de fato). 46 II - tratando-se de situação jurídica, desde o momento em que esteja definitivamente constituída, nos termos de direito aplicável. Mesmo antes de a lei tributária definir determinada situação como fato gerador de um tributo, já há norma, de outro ramo do direito, estipulando efeitos jurídicos para o mesmo fato. Ex. IPTU Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana: o principal FG é a propriedade (situação jurídica). 47 (AFRFB/ESAF/2003/ADAPATDA) A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos a serem estabelecidos em lei ordinária. 09 Certa 48 8

9 (AFRFB/ESAF/2003/ADAPATDA) Salvo disposição de lei em contrário, as convenções particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos, podem ser opostas à Fazenda Pública para modificar a sujeição passiva, desde que o novo sujeito passivo comunique a existência do convencionado à repartição fazendária competente antes de ocorrer o fato gerador da correspondente obrigação tributária

Direito Tributário Obrigação tributária principal e acessória. 6. Fato gerador da obrigação tributária. 7. Sujeição ativa e passiva.

Direito Tributário Obrigação tributária principal e acessória. 6. Fato gerador da obrigação tributária. 7. Sujeição ativa e passiva. Direito Tributário Obrigação tributária principal e acessória. 6. Fato gerador da obrigação tributária. 7. Sujeição ativa e passiva. Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Obrigação Tributária

Leia mais

Aula 17. Turma e Ano: Master A 2015 Matéria / Aula: Direito Tributário Professor: Vanessa Siqueira Monitor: Natália Sant'Anna de Figueiredo

Aula 17. Turma e Ano: Master A 2015 Matéria / Aula: Direito Tributário Professor: Vanessa Siqueira Monitor: Natália Sant'Anna de Figueiredo Turma e Ano: Master A 2015 Matéria / Aula: Direito Tributário Professor: Vanessa Siqueira Monitor: Natália Sant'Anna de Figueiredo Aula 17 Obrigação Tributária Conceito: O que importa na obrigação tributária

Leia mais

Direito Tributário para o Exame de Ordem

Direito Tributário para o Exame de Ordem Direito Tributário para o Exame de Ordem 3 Conceito de Tributo. 4 Legislação Tributária. 5 Obrigação Tributária. 6 Crédito Tributário. (1a. Parte: Conceito, Constituição) Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO P/ RECEITA FEDERAL (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSOR: EDVALDO NILO CURSO PARA RECEITA FEDERAL

DIREITO TRIBUTÁRIO P/ RECEITA FEDERAL (TEORIA E EXERCÍCIOS) PROFESSOR: EDVALDO NILO CURSO PARA RECEITA FEDERAL CURSO PARA RECEITA FEDERAL AULA 9 - OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA PRINCIPAL E ACESSÓRIA. FATO GERADOR DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA E FATO IMPONÍVEL. Olá. O sumário da aula de hoje é dividido

Leia mais

DANIEL BARBOSA LIMA FARIA-CORRÊA DE SOUZA Procurador do Município de São Leopoldo (RS); 1ª edição: São Leopoldo (RS) 04/06/2009

DANIEL BARBOSA LIMA FARIA-CORRÊA DE SOUZA Procurador do Município de São Leopoldo (RS); 1ª edição: São Leopoldo (RS) 04/06/2009 OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA: Definição e características. DANIEL BARBOSA LIMA FARIA-CORRÊA DE SOUZA Procurador do Município de São Leopoldo (RS); 1ª edição: São Leopoldo (RS) 04/06/2009 EMENTA: DIREITO TRIBUTÁRIO.

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Perspectivas e desafios Análise de caso: Empresas terceirizadas Luciano L. A. Moraes setembro/2014 Planejamento tributário Objetivo: Redução, postergação ou eliminação da carga

Leia mais

Curso Direito Tributário - Teoria e Exercícios AFRF (ESAF) Professor Alberto Macedo

Curso Direito Tributário - Teoria e Exercícios AFRF (ESAF) Professor Alberto Macedo Conteúdo 1. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA PRINCIPAL E ACESSÓRIA... 2 1.1. OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA NÃO DEMANDA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL... 5 2. FATO GERADOR... 11 2.1. SITUAÇÃO DE FATO E SITUAÇÃO JURÍDICA...14 2.2. DESCONSIDERAÇÃO

Leia mais

Fato gerador da obrigação tributária. Obrigação, crédito e. lançamento tributários

Fato gerador da obrigação tributária. Obrigação, crédito e. lançamento tributários DIREITO TRIBUTÁRIO Fato gerador da obrigação tributária. Obrigação, crédito e. lançamento tributários.german Alejandro San Martín Fernández Mestre em Direito do Estado (Direito Tributário) pela PUC/SP;

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE RIA. Prof. JOSÉ HABLE

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE RIA. Prof. JOSÉ HABLE PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 6ª PARTE LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com A Legislação tributária ria A palavra lei, como tantas outras usadas na linguagem

Leia mais

Obrigatoriedade. Autonomia do Crédito Tributário. Origem:

Obrigatoriedade. Autonomia do Crédito Tributário. Origem: Direito Tributário Crédito tributário:conceito e constituição. Lançamento: conceito e modalidades de lançamento. Hipóteses de alteração do lançamento. Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

ICMS NOÇÕES BÁSICAS. Coordenação: Alexandre A. Gomes

ICMS NOÇÕES BÁSICAS. Coordenação: Alexandre A. Gomes ICMS NOÇÕES BÁSICAS Coordenação: Alexandre A. Gomes O que é Tributo? - Art. 3º do CTN Toda prestação pecuniária compulsória em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir que não constitua sanção de ato

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito Conceito CRÉDITO TRIBUTÁRIO O crédito tributário corresponde ao direito do Estado de exigir o tributo, ou melhor, de exigir o objeto da obrigação tributária principal do sujeito. Contribuição do crédito

Leia mais

Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. QUESTÃO 01 Um município brasileiro, desconsiderando as regras

Leia mais

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves Tributos e Tributária Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. TRIBUTOS E COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 3 1. Caracterizando o tributo... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Classificação dos tributos... 4 2 tributária...

Leia mais

AULA 16 1 NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

AULA 16 1 NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 16 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 16 1 CONTEÚDO DA AULA: Obrigação Tributária (introdução).

Leia mais

Crédito e lançamento tributário

Crédito e lançamento tributário Crédito e lançamento tributário Levar o entendimento ao aluno sobre o que é, como se processa o crédito e as formas do lançamento do crédito tributário. Vamos lá, pessoal, na aula passada vimos a integração

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais Sumário Capítulo 1 Direito tributário... 1 1.1. Direito... 1 1.2. Direito público e direito privado... 1 1.3. Direito tributário... 2 1.4. Direito tributário e os demais ramos do Direito... 4 1.5. Estado...

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DIREITO TRIBUTÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA, EMENTA E INFORMAÇÕES CORRELATAS Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I Direito Tributário... 13 1. Definição... 13 2. Relação com outros ramos do direito... 13 3. Fontes do direito tributário... 14 4. Legislação tributária... 20 Capítulo

Leia mais

23/07/2014. ICMS Noções Básicas. Apresentação: Fábio Martins Lopes Samyr Qbar

23/07/2014. ICMS Noções Básicas. Apresentação: Fábio Martins Lopes Samyr Qbar 23/07/2014 ICMS Noções Básicas Apresentação: Fábio Martins Lopes Samyr Qbar O que é Tributo? - Art. 3º do CTN Toda prestação pecuniária compulsória em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir que não

Leia mais

A (I)LEGALIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Realizar-se-á a apresentação pelas rodas de conversa orientadas.

A (I)LEGALIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Realizar-se-á a apresentação pelas rodas de conversa orientadas. 1 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO A (I)LEGALIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Realizar-se-á a apresentação pelas rodas de conversa orientadas. Michael Lucas Coutinho Duarte 1 Ariel Barros de Lisboa 2 Selielvis

Leia mais

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS Sumário DIREITO TRIBUTÁRIO... DIREITO TRIBUTÁRIO PROFS. GUILHERME ADOLFO DOS SANTOS MENDES E DIMAS MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito Tributário - Conceito; Tributo -

Leia mais

PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO PROF. ADRIANA MATSUURA APOSTILA 1

PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO PROF. ADRIANA MATSUURA APOSTILA 1 APOSTILA 1 A Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro dos atos e fatos de uma administração econômica, servindo como ferramenta para o gerenciamento

Leia mais

Planejamento Tributário: Análise da Jurisprudência sobre o Planejamento Tributário. Paulo Ayres Barreto Doutor PUC/SP e Livre docente USP

Planejamento Tributário: Análise da Jurisprudência sobre o Planejamento Tributário. Paulo Ayres Barreto Doutor PUC/SP e Livre docente USP : Análise da Jurisprudência sobre o Planejamento Tributário Paulo Ayres Barreto Doutor PUC/SP e Livre docente USP Pesquisa empírica realizada por pesquisador da FGV Walter Pedrosa Barreto Júnior - Decisões

Leia mais

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado Recife, 19 de julho de 2016 Armando Moutinho Perin Advogado Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I direito tributário,

Leia mais

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Direito Tributário. Sucessão Empresarial, Responsabilidade Tributária e Responsabilidade de Terceiro. Professora Giuliane Torres

Direito Tributário. Sucessão Empresarial, Responsabilidade Tributária e Responsabilidade de Terceiro. Professora Giuliane Torres Direito Tributário Sucessão Empresarial, Responsabilidade Tributária e Responsabilidade de Terceiro Professora Giuliane Torres www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Tributário SUCESSÃO EMPRESARIAL, RESPONSABILIDADE

Leia mais

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo

Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Paulo Caliendo + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório Modelo Atual Sentido repressor e punitivo Última

Leia mais

Prof. Alexandre Lugon

Prof. Alexandre Lugon DIREITO TRIBUTÁRIO ROTEIRO DAS AULAS Assistente Técnico Administrativo do Ministério da Fazenda PARTE III Prof. Alexandre Lugon OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI FATO GERADOR SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO DEVER

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o Código Tributário do Município de Miracema (lei nº 1.453, de 26 de setembro de 2013), responda às questões de números 1 a 6. 1) É de competência do município

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

Medida Provisória nº 685/15 - Declaração de Informações de Operações Relevantes (DIOR) Flávio Augusto Dumont Prado

Medida Provisória nº 685/15 - Declaração de Informações de Operações Relevantes (DIOR) Flávio Augusto Dumont Prado Medida Provisória nº 685/15 - Declaração de Informações de Operações Relevantes (DIOR) Flávio Augusto Dumont Prado Considerações Iniciais Rápidas considerações sobre questões polêmicas ligadas ao tema,

Leia mais

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios

7/4/2014. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. Multa Qualificada. Paulo Caliendo. + Sumário. Multa Qualificada. Responsabilidade dos Sócios + Multa Qualificada Paulo Caliendo Multa Qualificada Paulo Caliendo + Sumário Multa Qualificada Responsabilidade dos Sócios 1 + Importância da Definição: mudança de contexto Modelo Anterior Sentido Arrecadatório

Leia mais

QUESTÕES ENADE - DIREITO TRIBUTÁRIO

QUESTÕES ENADE - DIREITO TRIBUTÁRIO QUESTÕES ENADE - DIREITO TRIBUTÁRIO QUESTÕES ENADE 2011 1 - Os elementos que o Estado deve ter em mente ao determinar o valor da taxa a ser cobrada do contribuinte (...) devem resultar da intensidade e

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO DO TRIBUTÁRIO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Quanto à sujeição passiva tributária, assinale a alternativa correta: A. O sujeito passivo é sempre aquele que pratica um fato signo-presuntivo

Leia mais

Aula 09: Obrigação Tributária

Aula 09: Obrigação Tributária Aula 09: Obrigação Tributária Pessoal, na aula de hoje estudaremos a OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Vamos estudar diversos aspectos da relação obrigacional jurídico-tributária, desde o seu nascimento com o fato

Leia mais

por Parte do Contribuinte.

por Parte do Contribuinte. CIESP CAMPINAS A Importância da Tributação nos Negócios e suas Possibilidades de Incremento e Competitividade Autuações Fiscais (tributos indiretos): Ações Preventivas por Parte do Contribuinte. Pedro

Leia mais

Direito Tributário para o Exame de Ordem

Direito Tributário para o Exame de Ordem Direito Tributário para o Exame de Ordem Introdução, Normas Gerais, Competência Tributária e Imunidade Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Competência tributária

Leia mais

OBSERVATORIO LATINOAMERICANO DE DERECHO TRIBUTARIO PLANEJAMENTO FISCAL LIMITES AO USO DOS ACORDOS DE BITRIBUTAÇÃO O TREATY SHOPPING

OBSERVATORIO LATINOAMERICANO DE DERECHO TRIBUTARIO PLANEJAMENTO FISCAL LIMITES AO USO DOS ACORDOS DE BITRIBUTAÇÃO O TREATY SHOPPING OBSERVATORIO LATINOAMERICANO DE DERECHO TRIBUTARIO PLANEJAMENTO FISCAL LIMITES AO USO DOS ACORDOS DE BITRIBUTAÇÃO O TREATY SHOPPING 1 DETERMINAÇÃO DA JURISDIÇÃO APLICÁVEL NA JURISDIÇÃO BRASILEIRA OS TRATADOS

Leia mais

Direito Tributário. Aula 16. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 16. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 16 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Sistema Tributário Nacional

Sistema Tributário Nacional Sistema Tributário Nacional Considerações Iniciais Direito Direito e Contabilidade como Ciências Ciência das Normas obrigatórias que disciplinam as relações dos homens em sociedade. É o conjunto das normas

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

ARRECADAÇÃO E GESTÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL

ARRECADAÇÃO E GESTÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL ARRECADAÇÃO E GESTÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL Armando Moutinho Perin Recife, 9 e 10 de dezembro de 2015 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Código Tributário Nacional, CTN, arts. 6º e 7º: - criação de tributos (indelegável);

Leia mais

Sumário CAPÍTULO 3 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS

Sumário CAPÍTULO 3 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Sumário CAPÍTULO 1 DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito 2. Direito público e direito privado 3. Direito tributário 4. Direito tributário e os demais ramos do Direito 5. Estado 6. Receitas do Estado 7. Definição

Leia mais

PRÁTICA JURÍDICA TRIBUTÁRIA. Denis Domingues Hermida

PRÁTICA JURÍDICA TRIBUTÁRIA. Denis Domingues Hermida PRÁTICA JURÍDICA TRIBUTÁRIA Denis Domingues Hermida - Locadora Carro Bom Ltda. foi autuada pela Receita Federal por ter deixado de recolher a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS)

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO TRIBUTÁRIO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO TRIBUTÁRIO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO TRIBUTÁRIO P á g i n a 1 Questão 1. a) A progressividade do ITBI, tal qual prevista na Constituição Federal, decorre do princípio da Capacidade Contributiva. b)

Leia mais

20/10/ DEBATE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NA VISÃO DO FISCO E DA JURISPRUDÊNCIA

20/10/ DEBATE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NA VISÃO DO FISCO E DA JURISPRUDÊNCIA 20/10/2010 - DEBATE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NA VISÃO DO FISCO E DA JURISPRUDÊNCIA EMPRESAS BRASILEIRAS R$ 100,00 FATURAMENTO BRUTO R$ 35,00 TRIBUTOS R$ 65,00 Custo das matérias-primas Custos de produção

Leia mais

li Hugo de Brito Machado

li Hugo de Brito Machado =0 li Hugo de Brito Machado ==.,.. ~... ~ SUMÁRIO '," " -... Çapitulo 1-á Direito co;no Sistema de Normas e a Importância,, " :'dos Conceitos 1. A teoiiqr:01no conjunto de conceitos.1.1 Experiência e teoria...

Leia mais

Aulão de direito tributário. Questões comentadas banca FGV

Aulão de direito tributário. Questões comentadas banca FGV Aulão de direito tributário Questões comentadas banca FGV Competência tributária Secretaria de fazenda de Recife 2014 Auditor do Tesouro Municipal 16 Com relação à competência tributária, assinale a afirmativa

Leia mais

Presunções no Processo Administrativo Fiscal

Presunções no Processo Administrativo Fiscal I Encontro sobre Julgamento Administrativo Municipal Tributário Presunções no Processo Administrativo Fiscal Fabiana Del Padre Tomé Mestre e Doutora pela PUC/SP Professora da PUC/SP e do IBET Indícios

Leia mais

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Direito Tributário Aula 07 Professor Claudio Carneiro Fato Gerador Classificação do Fato Gerador Elementos do Fato Gerador Integral Relação Jurídica Tributária

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decadência e o inciso I do art. 173 do CTN José Hable* Indaga-se: como se interpreta o inciso I art. 173 do CTN, que trata da decadência tributária? 1. Introdução Quando se vai

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PARECER NORMATIVO Nº 1, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Ementa: IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF. IRRF. RETENÇÃO EXCLUSIVA. RESPONSABILIDADE. No caso de imposto de renda

Leia mais

RECURSOS TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL BLOCO 2

RECURSOS TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL BLOCO 2 RECURSOS TÉCNICO TRIBUTÁRIO DA RECEITA ESTADUAL BLOCO 2 QUESTÃO 44 A Constituição Federal estabelece o seguinte: Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta,

Leia mais

ELISÃO TRIBUTÁRIA NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

ELISÃO TRIBUTÁRIA NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Ivo César Barreto de Carvalho ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO PELA PUC/SP, MESTRE EM DIREITO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC, PROFESSOR DE DIREITO CIVIL E DIREITO TRIBUTÁRIO PARA A GRADUAÇÃO

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA DA SILVA FACUNDES Turma: 8ºDIV

Leia mais

AULA 17 1 FATO GERADOR. Aspectos do fato gerador. Aspecto espacial

AULA 17 1 FATO GERADOR. Aspectos do fato gerador. Aspecto espacial Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 17 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 17 1 CONTEÚDO DA AULA: Fato Gerador: Aspectos Espacial,

Leia mais

Como a Constituição trata tal imposto:

Como a Constituição trata tal imposto: Como a Constituição trata tal imposto: Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993) (...) II - operações relativas

Leia mais

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA Conceito OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA Obrigação é a relação jurídica que se estabelece entre um sujeito ativo (credor), que pode exigir de um sujeito passivo (devedor) uma prestação de caráter patrimonial (objeto)

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor: Mauro Moreira

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor: Mauro Moreira DIREITO TRIBUTÁRIO Professor: Mauro Moreira 1 RACIOCÍNIO JURÍDICO TRIBUTÁRIO CONSTITUIÇÃO -Princípios -Imunidades -Espécies Tributárias - I M P O S T O S T A X A S - C O N T R I B U IÇ Ã O D E M E L H

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial A Constituição Federal do Brasil Constituição Federal do Brasil de 05 de outubro de 1988: importante carta que trouxe o regime democrático e, com ele, direito e garantias

Leia mais

Introdução ao direito tributário

Introdução ao direito tributário Capítulo 1 - Introdução ao direito tributário 1.1. Considerações iniciais 17 1.2. Conceito de tributo 19 1.3. Tipos de tributo.. 20 1.3.1. Imposto.... 20 1.3.2. Taxas..25 1.3.2.1. Diferenças entre taxa

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO

DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Em determinado município, foi publicada, em julho de 2006, uma lei que isentava de IPTU "os portadores de dificuldade de locomoção decorrente

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

DIREITO TRIBUTÁRIO. Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 A&D Consultoria Ltda. firmou contrato de prestação de serviços de consultoria com o Banco Claro S.A., para desenvolver e propor a implementação de estratégias

Leia mais

A) O princípio da capacidade contributiva rege a cobrança de todos os tributos, por imposição constitucional.

A) O princípio da capacidade contributiva rege a cobrança de todos os tributos, por imposição constitucional. P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Assinale a alternativa correta: A) O princípio da capacidade contributiva rege a cobrança de todos os tributos, por imposição constitucional.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVO. Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS.

INTRODUÇÃO OBJETIVO. Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS. REGIME ESPECIAL INTRODUÇÃO OBJETIVO Facilitar o cumprimento das obrigações fiscais pelo contribuinte do ICMS. Ex.: emissão de notas fiscais, recolhimento ICMS ST, ICMS Importação; É importante salientar

Leia mais

Art. 114, II CF/88. Expedir instruções para a execução de leis, decretos e regulamentos, nas esferas de suas respectivas competências.

Art. 114, II CF/88. Expedir instruções para a execução de leis, decretos e regulamentos, nas esferas de suas respectivas competências. Art. 114, II CF/88 Expedir instruções para a execução de leis, decretos e regulamentos, nas esferas de suas respectivas competências. -Cita que o próprio Estado pode expedir legislação pertinente IN SEF

Leia mais

UNIDADE 2 Domicílio Tributário do Sujeito Passivo. (art. 127, CTN)

UNIDADE 2 Domicílio Tributário do Sujeito Passivo. (art. 127, CTN) UNIDADE 2 Domicílio Tributário do Sujeito Passivo (art. 127, CTN) nivea@cordeiroeaureliano.com.br www.cordeiroeaureliano.com.br 2011 Domicílio Tributário do Sujeito Passivo (art. 127, CTN) Domicílio tributário

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira Olá pessoal! Sabemos que se aproxima a prova do concurso destinado a selecionar candidatos para provimento de vagas no cargo de Fiscal de Rendas de 3ª Categoria, do quadro da Secretaria de Estado de Fazenda

Leia mais

Direito Administrativo. Lista de Exercícios. Poderes Administrativos

Direito Administrativo. Lista de Exercícios. Poderes Administrativos Direito Administrativo Lista de Exercícios Poderes Administrativos 1. Considere que a prefeitura de determinado município tenha concedido licença para reforma de estabelecimento comercial. Nessa situação

Leia mais

Aula Crédito tributário: conceito e constituição. 7. Lançamento: conceito e modalidades de lançamento.

Aula Crédito tributário: conceito e constituição. 7. Lançamento: conceito e modalidades de lançamento. Aula 4 6. Crédito tributário: conceito e constituição. 7. Lançamento: conceito e modalidades de lançamento. 1. (AFAM.UFRJ.2005.62) O Código Tributário Nacional numa interpretação autêntica ou legal estabelece

Leia mais

CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB. Prof. Vilson Cortez - Tudão

CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB. Prof. Vilson Cortez - Tudão CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB Prof. Vilson Cortez - Tudão Prof. Vilson Cortez Especialista em Direito Tributário e Legislação Tributária pela Escola Superior da Procuradoria Geral do Estado de São

Leia mais

DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS

DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS CLASSIFICAÇÃO DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS: (a) unilaterais bilaterais e plurilaterais; (b) gratuitos e onerosos neutros e bifrontes; (c) inter vivos e mortis causa ; (d) principais e

Leia mais

2.1. COMPETÊNCIA LEGISLATIVA, TRIBUTÁRIA E CAPACIDADE TRIBUTÁRIA

2.1. COMPETÊNCIA LEGISLATIVA, TRIBUTÁRIA E CAPACIDADE TRIBUTÁRIA UNIDADE II: COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA ATIVA. 2.1. COMPETÊNCIA LEGISLATIVA, TRIBUTÁRIA E CAPACIDADE TRIBUTÁRIA Competência legislativa: é a aptidão de que são dotadas as pessoas políticas para expedir regras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Alexandre Henrique Salema Ferreira Ana Maria da Paixão Duarte OBJETIVO Discorrer acerca do Planejamento Tributário no campo

Leia mais

ICMS. Arbitramento. A fiscalização deve apurar o montante devido no lançamento tributário com o abatimento dos

ICMS. Arbitramento. A fiscalização deve apurar o montante devido no lançamento tributário com o abatimento dos ICMS. Arbitramento. A fiscalização deve apurar o montante devido no lançamento tributário com o abatimento dos créditos ainda que não declarados em GIA? Paulo Campilongo Mestre e doutor PUC/SP ALTERNATIVAS

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA DA SILVA FACUNDES Turma: 8ºDIV

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: PRÁTICA PROCESSUAL E FISCAL TRIBUTÁRIA CÓD º PERÍODO

PLANO DE AULA DISCIPLINA: PRÁTICA PROCESSUAL E FISCAL TRIBUTÁRIA CÓD º PERÍODO PLANO DE AULA DISCIPLINA: PRÁTICA PROCESSUAL E FISCAL TRIBUTÁRIA CÓD. 00006408 4º PERÍODO TOTAL DE ENCONTROS: 20 SEMANAS SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS 1 UNIDADE

Leia mais

Sumário. Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas. Capítulo 1 Conceitos iniciais 1

Sumário. Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas. Capítulo 1 Conceitos iniciais 1 Sumário Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas XIX XXI XXIII Capítulo 1 Conceitos iniciais 1 1 Direito e as relações jurídicas 1 1.1 Direito Público e Direito Privado 2 1.2 Direito

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 AFRFB (CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS- ÁREA GERAL) DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 AFRFB (CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS- ÁREA GERAL) DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 AFRFB (CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS- ÁREA GERAL) DIREITO TRIBUTÁRIO QUESTÃO 31 O IPTU imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana, de competência

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. OPERAÇÃO BACK TO BACK - Aspectos Contábeis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. 1 - INTRODUÇÃO 2 - TRATAMENTO FISCAL 3 - TRATAMENTO CONTÁBIL 1 - INTRODUÇÃO As chamadas operações

Leia mais

DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I

DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I AULA 7 Arrecadação e Recolhimento de contribuições para a seguridade social I- ARRECADAÇÃO x RECOLHIMENTO - ARRECADAÇÃO: retenção do valor da contribuição de terceiro Lei

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR INTRODUÇÃO...- 1-1. ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR...- 1-2. AUTONOMIA DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR...- 1-3. AUTORIDADES...-

Leia mais

ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS

ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS ICMS Traços característicos - imposto de consumo - plurifásico e não-cumulativo - ênfase na seletividade - caráter nacional - representatividade

Leia mais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR. Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR. Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO DE ATIVOS NO EXTERIOR Repatriação de Bens e Recursos não declarados : Aspectos Tributários, Criminais e Cambiais Agenda Palestrante: Carlos Iacia. Lei nº 13.254/16 Regime Especial

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.811, DE 2012 (Do Sr. Onofre Santo Agostini)

PROJETO DE LEI N.º 3.811, DE 2012 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.811, DE 2012 (Do Sr. Onofre Santo Agostini) Revoga o art. 34 da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-46/1999. APRECIAÇÃO: Proposição

Leia mais

Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello. Unidade III

Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello. Unidade III Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade III DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Obrigação tributária Ao falar da obrigação tributária, é inevitável socorrer-se das lições de Direito Civil em que apresenta-se

Leia mais

Autuação e Contencioso no Simples Nacional Questões Controversas. Satie Kimura Escritório Regional do SN de São Paulo

Autuação e Contencioso no Simples Nacional Questões Controversas. Satie Kimura Escritório Regional do SN de São Paulo Autuação e Contencioso no Simples Nacional Questões Controversas Satie Kimura Escritório Regional do SN de São Paulo Autuação e Contencioso no SN Questões Controversas SEFISC => NOVOS TEMPOS NO SN CONTROVERSAS

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO - CONCEITO

DIREITO TRIBUTÁRIO - CONCEITO DIREITO TRIBUTÁRIO - CONCEITO Direito Tributário é o ramo da Dogmática Jurídica que estuda o conjunto de todas as normas que versam direta ou indiretamente sobre as funções de arrecadar, fiscalizar e instituir

Leia mais

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB)

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQS PERGUNTAS FREQUENTES Na sequência da implementação do Regime Jurídico da Contribuição Especial sobre as Operações Bancárias (CEOB),

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2910 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2016 (DOM 13/12/2016)

RESOLUÇÃO SMF Nº 2910 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2016 (DOM 13/12/2016) RESOLUÇÃO SMF Nº 2910 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2016 (DOM 13/12/2016) Dispõe sobre o procedimento para revisão de ofício, mediante informações prestadas pelos interessados, dos lançamentos do IPTU realizados

Leia mais

I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS

I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS NÃO PATRIMONIAIS DIREITO CIVI PATRIMONIAIS I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS NÃO PATRIMONIAIS DIREITO CIVI OBRIGAÇÕES PATRIMONIAIS REAIS O conteúdo

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO

ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO A Atividade Financeira do Estado (AFE), é a procura de meios (obter, despender, gerir e criar dinheiro suficiente) para satisfazer as necessidades públicas (que é a falta

Leia mais

PARCELAMENTO APROVADO PELA LEI Nº /2009 REFIS DA CRISE

PARCELAMENTO APROVADO PELA LEI Nº /2009 REFIS DA CRISE PARCELAMENTO APROVADO PELA LEI Nº 11.941/2009 REFIS DA CRISE Setembro de 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho traz um panorama geral do Programa de Recuperação Fiscal (REFIS) aprovado na forma do parcelamento

Leia mais