AUMENTO DA DISPONIBILIDADE ALIMENTAR ATRAVÉS DE ALIMENTADORES ARTIFICIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUMENTO DA DISPONIBILIDADE ALIMENTAR ATRAVÉS DE ALIMENTADORES ARTIFICIAIS"

Transcrição

1 AUMENTO DA DISPONIBILIDADE ALIMENTAR ATRAVÉS DE ALIMENTADORES ARTIFICIAIS RELATÓRIO DA ACÇÃO C3 DO PROJECTO LIFE-PRIOLO Pedro Monteiro SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES Maio 2006

2 Trabalhar para o estudo e conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras. A SPEA Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves é uma organização não governamental de ambiente que trabalha para a conservação das aves e dos seus habitats em Portugal. Como associação sem fins lucrativos, depende do apoio dos sócios e de diversas entidades para concretizar as suas acções. Faz parte de uma rede mundial de organizações de ambiente, a BirdLife International, que actua em mais de 100 países e tem como objectivo a preservação da diversidade biológica através da conservação das aves, dos seus habitats e da promoção do uso sustentável dos recursos naturais. O Projecto LIFE/Priolo Recuperação do habitat do Priolo na ZPE Pico da Vara/ribeira do Guilherme O Projecto LIFE/Priolo é uma parceria da SPEA com a Câmara Municipal do Nordeste, o Centro de Conservação e Protecção do Ambiente da Universidade dos Açores (CCPA), a Direcção Regional dos Recursos Florestais (DRRF), a Secretaria Regional do Ambiente e do Mar (SRAM) e a Royal Society for the Protection of Birds (RSPB). Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo, 1 Janeiro 2006 a 31 Março 2006 Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, 2006 Direcção: Luís Costa Coordenação do projecto: Joaquim Teodósio Equipa de Projecto: Colaborador: António Farragolo, Artur Gil e Elsa Silva Ricardo Ceia Citação: Ceia, R Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo, Janeiro de 2006 a Março de Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, Lisboa. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 2

3 ÍNDICE 1 NOTA INTRODUTÓRIA METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXOS...12 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 3

4 1 NOTA INTRODUTÓRIA A dieta do Priolo tem como base diversos tipos de vegetação e varia mensalmente conforme novas plantas vão florindo e produzindo sementes. Sete tipos de alimento são consumidos ao longo do ano: sementes de herbáceas, invertebrados, sementes de arbustos (bagas), sementes de árvores, frondes (fetos) e musgo, esporângios (fetos) e botões florais. Na sua totalidade os Priolos alimentam-se de 38 plantas diferentes. Destas, apenas 13 têm grande importância na dieta. No Inverno há uma diminuição dos recursos alimentares disponíveis. Assim, durante os meses de Novembro a Março, os únicos recursos alimentares utilizados pelo Priolo são sementes de Clethra arborea e sori de fetos (Woodwardia radicans e Culcita macrocarpa). Durante o mês Março começam a surgir novos recursos alimentares disponíveis, tais como os botões florais masculinos de Ilex perado ssp. azorica e frondes de fetos (Pteridium aquilinum e Dryopteris sp.). A instalação de alimentadores artificiais é uma das acções previstas no Plano de Acção do Priolo, e tem por objectivo fornecer alimento ao Priolo no período do ano de maior escassez alimentar, isto é no Inverno e início da Primavera. Nesta época em que as temperaturas do meio ambiente são mais baixas e o Priolo necessitaria de alimentos mais energéticos, é quando atravessa o período mais crítico em termos de disponibilidade alimentar. O consumo de sementes nos alimentadores preencheria essa carência, visto que se trata de um alimento com elevado valor energético. Os postes com alimentadores existentes foram colocados durante o segundo projecto LIFE Estudo e Conservação do Património Natural dos Açores. Segundo os Serviços Florestais do Nordeste, estes alimentadores deixaram de ser abastecidos imediatamente após o fim do projecto porque as sementes existentes não eram resistentes à elevada humidade do ambiente acabando por germinar. Aparentemente não foram obtidos quaisquer registos da utilização destes alimentadores pelo Priolo, no entanto não existem dados sobre a forma como se avaliou a utilização dos alimentadores pelas aves. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 4

5 2 METODOLOGIA Neste trabalho utilizou-se um total de vinte alimentadores. Foram escolhidos doze alimentadores já existentes, três deles localizados no Caminho Florestal da Fajã Rodrigo na zona das Grotas Fundas e nove alimentadores na Estrada Regional da Serra da Tronqueira (Figura 1), abastecidos com alimento regularmente a partir do dia 25 de Janeiro. Neste dia foram também instalados três novos alimentadores, experimentando três designs diferentes (Figuras 2, 3 e 4), próximos do Miradouro da Tronqueira. Outros cinco novos alimentadores, com o mesmo design do alimentador nº 9 (figura 3) foram colocados em 21 de Março também próximos do Miradouro da Tronqueira (Figura 1). Figura 1. Localização dos alimentadores artificiais instalados no Caminho Florestal da Fajã Rodrigo nas Grotas Fundas, na Estrada Regional da Serra da Tronqueira e na zona do Miradouro da Tronqueira. Nos alimentadores foram colocadas sementes de girassol sem casca ( sunflower hearts ), adquiridas pela RSPB, que haviam sido sujeitas a um processo de inibição da germinação. Este processo revelou-se no entanto ineficaz pois algumas sementes germinaram em consequência da elevada humidade existente nesta Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 5

6 altura do ano. Novas sementes eram providenciadas quando as precedentes eram consumidas, removidas pelo vento ou já não estavam em condições de consumo pelas aves. Figura 2. Alimentador nº 8. Figura 3. Alimentador nº 9. Figura 4. Alimentador nº 10. De modo a evitar o consumo das sementes por ratos foram distribuídos tubos com raticida em redor dos novos alimentadores instalados na zona do Miradouro da Tronqueira (nº 8, 9 e 10). Iscos novos eram introduzidos nos tubos aquando do consumo ou perda da palatabilidade dos iscos existentes. Os tubos foram retirados do local quando o número de iscos consumidos diariamente era praticamente nulo. Nos postes com alimentadores já existentes não existia o problema do consumo das sementes pelos ratos pois a vegetação em redor dos alimentadores foi removida impossibilitando o acesso dos ratos ao alimentador. Os alimentadores foram monitorizados regularmente por observação visual directa, em períodos com duração mínima de uma hora, e indirecta, com um dispositivo de filmagem sensível ao movimento, sendo registadas as espécies envolvidas no consumo das sementes. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 6

7 3 RESULTADOS O uso dos alimentadores pelas aves era evidente pela permanência dos tegumentos e fragmentos das sementes após o consumo das sementes (Figuras 5 e 6). Os alimentadores onde estes indícios eram encontrados eram mantidos sob uma vigilância mais acentuada de modo a confirmar o consumo das sementes por aves (Anexo II). Figura 5 e 6. Tegumentos e fragmentos resultantes do consumo das sementes por aves. Apesar da presença de tubos com raticida, as sementes foram por algumas vezes consumidas por ratos nos alimentadores nº 8 e 9, como pôde ser constatado pela presença de fezes no local (Figuras 7 e 8). Nos alimentadores nº 16, 17, 18, 19 e 20 existiu também consumo de sementes por ratos, não havendo sido no entanto colocados tubos com raticida em redor destes. Nestes alimentadores onde havia a possibilidade de consumo das sementes por ratos novas sementes eram providenciadas com uma maior frequência. Nos postes com alimentadores, bem como no alimentador nº 10 não foi nunca detectado consumo das sementes por ratos. Figura 7 e 8. Fezes de rato presentes nos alimentadores. Assim, na totalidade foram obtidos registos confirmados da utilização dos alimentadores por aves em seis alimentadores (nº 1, 2, 3, 8, 9 e 12) presentes quer na zona das Grotas Fundas quer na Estrada Regional da Serra da Tronqueira (Anexo I). No alimentador nº 6 foram encontradas por três vezes sementes comidas, no entanto o tempo dispendido em observações foi insuficiente para ser confirmado o seu consumo por aves. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 7

8 Nos outros treze alimentadores (nº 4, 5, 7, 10, 11, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19 e 20) não foram evidentes quaisquer indícios do consumo de sementes por aves (Tabela 1). Tabela 1. Quadro resumo com o tempo total dispendido em observações, método de observação (V - Visual, F - Filmado) e o número total de registos obtidos em cada alimentador. Alimentador V/F Horas Nº registos Alimentador V/F Horas Nº registos V V - - F V 4 10 V V 5 1 V V - - V V - - V V 4 0 V V - - V V 20 2 V V 28 3 V F V - - V F 55 0 Total V F O dispositivo de filmagem foi instalado em 27 de Janeiro no alimentador nº 10, não sendo filmado qualquer registo da utilização deste alimentador até dia 1 de Fevereiro. No dia 1 de Fevereiro foram observados indícios do consumo de sementes por aves no alimentador nº 9 e procedeu-se à transferência do dispositivo de filmagem para este alimentador também situado na zona do Miradouro da Tronqueira. Não foram obtidos quaisquer registos filmados de utilização do alimentador nº 9 enquanto o dispositivo de filmagem permaneceu no local, de 1 de Fevereiro a 15 de Fevereiro. Após este período, o dispositivo de filmagem foi instalado no alimentador nº 1, situado nas Grotas Fundas, onde já haviam sido observadas sementes comidas por duas vezes. Durante o período de permanência do dispositivo de filmagem no alimentador nº 1, de 17 de Fevereiro a 17 de Março, foram obtidos 354 registos filmados do consumo das sementes mas apenas por Tentilhões. O primeiro registo filmado da utilização deste alimentador pelos Tentilhões foi obtido em 27 de Fevereiro. No entanto, no dia 23 de Fevereiro já tinha sido registada a utilização do alimentador por Tentilhões através de observação visual directa quando a bateria que suporta o dispositivo de filmagem estava em carregamento. A partir Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 8

9 desse dia foram obtidos vários registos do consumo frequente de sementes nesse alimentador mas apenas por Tentilhões (Tabela 2). Nos outros dois alimentadores (nº 2 e 3) situados no Caminho Florestal da Fajã Rodrigo nas Grotas Fundas também foi confirmado o consumo de sementes por Tentilhões, bem como no alimentador nº 12 situado na Estrada Regional da Serra da Tronqueira. Nos alimentadores nº 8 e 9 houve também consumo confirmado de sementes, sendo nestes casos efectuado por Piscos-de-peito-ruivo. O tempo de permanência dos Piscos-de-peito-ruivo nos alimentadores era menor do que o observado para os Tentilhões, pois limitavam-se a comer uma semente e abandonando depois o alimentador enquanto que os Tentilhões permaneciam mais tempo no alimentador consumindo várias sementes. Tabela 2. Espécies observadas a utilizarem os alimentadores e número de registos (N) obtidos durante os vários períodos de observação. O tempo médio de permanência dos indivíduos no alimentador e a frequência de utilização (número médio de indivíduos/hora) durante os períodos de observação estão também indicados. Data Alimentador Horas de observação Espécie N Tempo de permanência (s) Frequência 23-Fev 1 4h (registo visual) Tentilhão ,0 27-Fev 1 1h (registo filmado) Tentilhão ,0 28-Fev 1 10,5h (registo filmado) Tentilhão ,9 01-Fev 1 11h (registo filmado) Tentilhão ,6 02-Fev 1 12h (registo filmado) Tentilhão ,8 03-Mar 1 12h (registo filmado) Tentilhão ,9 04-Mar 1 12h (registo filmado) Tentilhão ,6 05-Mar 1 8h (registo filmado) Tentilhão ,4 08-Mar 1 9,5h (registo filmado) Tentilhão ,8 09-Mar 1 12h (registo filmado) Tentilhão ,2 10-Mar 1 12h (registo filmado) Tentilhão ,7 11-Mar 1 7h (registo filmado) Tentilhão ,1 13-Mar 1 9,5h (registo filmado) Tentilhão ,4 14-Mar 9 4,5h (registo visual) Pisco-de-peito-ruivo ,7 15-Mar 1 7,5h (registo filmado) Tentilhão ,3 16-Mar 8 2,5h (registo visual) Pisco-de-peito-ruivo 1 5 0,4 16-Mar 1 8h (registo filmado) Tentilhão ,3 17-Mar 1 5h (registo filmado) Tentilhão ,2 20-Mar 8 2,5h (registo visual) Pisco-de-peito-ruivo ,4 21-Mar 1 1,5h (registo visual) Tentilhão ,3 22-Mar 2 3h (registo visual) Tentilhão ,3 22-Mar 1 1,5h (registo visual) Tentilhão ,7 24-Mar 3 1h (registo visual) Tentilhão 1 3 1,0 24-Mar 1 1,5h (registo visual) Tentilhão ,7 31-Mar 12 2h (registo visual) Tentilhão ,5 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 9

10 4 DISCUSSÃO O tempo decorrido desde a instalação dos alimentadores até que fossem obtidos os primeiros registos confirmados de consumo das sementes (29 dias) leva a crer que um período de habituação é necessário para que as aves passem a utilizar os alimentadores. Apesar disso não foram registados Priolos a consumirem sementes nos alimentadores embora tenham sido algumas vezes vistos/ouvidos durante os períodos de observação visual directa. Nos dias 22 e 27 de Março foi possível constatar a preferência dos Priolos por botões florais de azevinho em detrimento das sementes disponíveis num alimentador situado a apenas 3m da árvore onde se alimentavam as aves. Estes dados sugerem que os alimentadores não são utilizados pelo Priolo. Um problema que surge da utilização dos alimentadores por outras aves, nomeadamente Tentilhões é o fornecimento de alimento a potenciais competidores interespecíficos com o Priolo. Isto poderá levar a um hipotético aumento da população de Tentilhões diminuindo os recursos disponíveis para o Priolo. Surgiram alguns problemas que impediram um fornecimento contínuo dos alimentadores. Nos postes com alimentadores as saídas de sementes na base do cilindro ficaram colmatadas aproximadamente ao fim de uma semana. Isto deveu-se ao facto de as sementes incharem e germinarem, já que estando junto à base do alimentador ficam sujeitas a maior humidade e encharcamento, impedindo a saída das restantes sementes (em boas condições) que se encontram no cilindro e que deveriam sair por acção da gravidade. O design dos novos alimentadores colocados revelou ser pouco adequado para a fluência de sementes, as sementes eram removidas em dias de vento forte, devendo ser criado um qualquer tipo de estrutura de sustentação das sementes no alimentador. No alimentador nº 10 existe uma boa fluência de sementes, mas a sua não utilização pelas aves, leva a crer que o seu design não seja apelativo para as aves. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 10

11 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS À luz dos resultados obtidos neste estudo, os alimentadores artificiais devem ser retirados do local uma vez que não existem evidências do seu uso pelos Priolos e a presença destes no local, com fornecimento contínuo de alimento, confere vantagens competitivas a Tentilhões. O uso de alguns alimentadores por ratos suporta também esta conclusão, pois um aumento da densidade de ratos conduziria a uma maior predação dos ninhos. O aumento da disponibilidade de alimento para o Priolo nesta época do ano vai ter de recorrer a outras alternativas. Deste modo, para aumentar o alimento disponível no Inverno seria vantajosa a plantação de fetos que fazem parte da sua dieta (Woodwardia radicans e Culcita macrocarpa) na área de distribuição da ave e a manutenção de algumas manchas de Clethra arborea em zonas situadas a altitudes mais baixas. No início da Primavera, os botões florais masculinos de Ilex perado ssp. azorica parecem ser o componente maioritário da dieta do Priolo, daí que deva ser continuada a plantação destas árvores na área de intervenção. O incentivo à plantação de pomares nesta zona também é uma importante acção a executar para o incremento e diversificação de recursos alimentares nesta época do ano. Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 11

12 ANEXO I Listagem de todos os registos de consumo de sementes por aves obtidos nos alimentadores, bem como o modo de registo (V- Visual, F Filmado) e o tempo de permanência da ave no alimentador (n/d observação feita apenas de passagem). Data Hora Alimentador V/F Espécie Tempo de permanência (s) 23-Fev 9:21 1 V Tentilhão Fev 9:26 1 V Tentilhão 4 23-Fev 9:47 1 V Tentilhão 5 23-Fev 11:04 1 V Tentilhão Fev 11:42 1 V Tentilhão Fev 11:42 1 V Tentilhão 6 23-Fev 11:43 1 V Tentilhão Fev 11:45 1 V Tentilhão Fev 17:27 1 F Tentilhão Fev 7:09 1 F Tentilhão Fev 8:16 1 F Tentilhão 5 28-Fev 8:46 1 F Tentilhão Fev 9:45 1 F Tentilhão Fev 11:58 1 F Tentilhão Fev 12:37 1 F Tentilhão Fev 12:46 1 F Tentilhão 5 28-Fev 15:37 1 F Tentilhão 3 28-Fev 16:21 1 F Tentilhão 5 01-Mar 7:28 1 F Tentilhão Mar 10:22 1 F Tentilhão 4 01-Mar 10:41 1 F Tentilhão Mar 10:49 1 F Tentilhão Mar 10:50 1 F Tentilhão 4 01-Mar 11:49 1 F Tentilhão 5 01-Mar 11:52 1 F Tentilhão 4 01-Mar 12:04 1 F Tentilhão Mar 12:30 1 F Tentilhão Mar 12:51 1 F Tentilhão 2 01-Mar 13:34 1 F Tentilhão Mar 13:39 1 F Tentilhão 6 01-Mar 13:53 1 F Tentilhão 6 01-Mar 13:55 1 F Tentilhão 27 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 12

13 01-Mar 14:04 1 F Tentilhão Mar 14:29 1 F Tentilhão 6 01-Mar 14:55 1 F Tentilhão Mar 15:16 1 F Tentilhão 5 01-Mar 15:38 1 F Tentilhão Mar 15:45 1 F Tentilhão 5 01-Mar 15:46 1 F Tentilhão Mar 16:02 1 F Tentilhão 4 01-Mar 16:13 1 F Tentilhão 5 01-Mar 16:20 1 F Tentilhão Mar 16:57 1 F Tentilhão Mar 17:07 1 F Tentilhão 5 01-Mar 17:09 1 F Tentilhão 5 01-Mar 17:22 1 F Tentilhão 5 01-Mar 17:54 1 F Tentilhão Mar 7:24 1 F Tentilhão Mar 7:30 1 F Tentilhão Mar 7:30 1 F Tentilhão 6 02-Mar 8:31 1 F Tentilhão Mar 8:32 1 F Tentilhão Mar 8:32 1 F Tentilhão 6 02-Mar 9:12 1 F Tentilhão 5 02-Mar 9:16 1 F Tentilhão Mar 9:21 1 F Tentilhão 5 02-Mar 10:17 1 F Tentilhão Mar 10:20 1 F Tentilhão Mar 10:21 1 F Tentilhão Mar 10:22 1 F Tentilhão 5 02-Mar 10:23 1 F Tentilhão Mar 10:39 1 F Tentilhão Mar 11:33 1 F Tentilhão Mar 11:40 1 F Tentilhão Mar 12:05 1 F Tentilhão 5 02-Mar 15:05 1 F Tentilhão Mar 15:49 1 F Tentilhão Mar 16:25 1 F Tentilhão Mar 7:26 1 F Tentilhão Mar 7:38 1 F Tentilhão Mar 7:39 1 F Tentilhão 3 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 13

14 03-Mar 7:41 1 F Tentilhão Mar 7:45 1 F Tentilhão 5 03-Mar 8:42 1 F Tentilhão 5 03-Mar 8:42 1 F Tentilhão Mar 8:43 1 F Tentilhão Mar 9:00 1 F Tentilhão 5 03-Mar 9:14 1 F Tentilhão Mar 9:29 1 F Tentilhão Mar 9:51 1 F Tentilhão Mar 9:53 1 F Tentilhão 9 03-Mar 10:00 1 F Tentilhão Mar 10:33 1 F Tentilhão Mar 11:20 1 F Tentilhão 5 03-Mar 11:21 1 F Tentilhão 5 03-Mar 11:47 1 F Tentilhão Mar 11:47 1 F Tentilhão 5 03-Mar 11:48 1 F Tentilhão Mar 12:22 1 F Tentilhão Mar 12:52 1 F Tentilhão 5 03-Mar 12:55 1 F Tentilhão 4 03-Mar 13:48 1 F Tentilhão Mar 14:40 1 F Tentilhão Mar 14:49 1 F Tentilhão Mar 15:25 1 F Tentilhão Mar 15:54 1 F Tentilhão Mar 16:08 1 F Tentilhão Mar 16:10 1 F Tentilhão Mar 17:18 1 F Tentilhão Mar 17:19 1 F Tentilhão Mar 17:21 1 F Tentilhão Mar 17:48 1 F Tentilhão Mar 17:50 1 F Tentilhão 2 04-Mar 7:02 1 F Tentilhão Mar 7:31 1 F Tentilhão Mar 7:32 1 F Tentilhão 5 04-Mar 7:36 1 F Tentilhão 4 04-Mar 7:39 1 F Tentilhão 6 04-Mar 7:50 1 F Tentilhão Mar 8:39 1 F Tentilhão 2 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 14

15 04-Mar 8:41 1 F Tentilhão Mar 9:03 1 F Tentilhão 5 04-Mar 9:05 1 F Tentilhão Mar 9:06 1 F Tentilhão 6 04-Mar 9:09 1 F Tentilhão Mar 9:26 1 F Tentilhão 5 04-Mar 9:27 1 F Tentilhão Mar 9:33 1 F Tentilhão Mar 10:03 1 F Tentilhão Mar 10:16 1 F Tentilhão Mar 10:31 1 F Tentilhão 3 04-Mar 15:05 1 F Tentilhão Mar 12:03 1 F Tentilhão 2 05-Mar 12:08 1 F Tentilhão Mar 15:00 1 F Tentilhão Mar 9:30 1 F Tentilhão Mar 9:45 1 F Tentilhão Mar 9:52 1 F Tentilhão Mar 10:11 1 F Tentilhão Mar 10:32 1 F Tentilhão Mar 10:38 1 F Tentilhão Mar 11:13 1 F Tentilhão Mar 11:22 1 F Tentilhão Mar 12:34 1 F Tentilhão 5 08-Mar 13:05 1 F Tentilhão Mar 13:05 1 F Tentilhão 5 08-Mar 13:09 1 F Tentilhão Mar 15:34 1 F Tentilhão 8 08-Mar 15:36 1 F Tentilhão Mar 16:17 1 F Tentilhão Mar 17:18 1 F Tentilhão Mar 17:44 1 F Tentilhão Mar 7:23 1 F Tentilhão 5 09-Mar 7:55 1 F Tentilhão Mar 8:59 1 F Tentilhão Mar 9:09 1 F Tentilhão Mar 10:02 1 F Tentilhão Mar 10:02 1 F Tentilhão Mar 10:57 1 F Tentilhão 43 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 15

16 09-Mar 11:08 1 F Tentilhão 4 09-Mar 11:08 1 F Tentilhão Mar 11:13 1 F Tentilhão Mar 11:57 1 F Tentilhão Mar 11:59 1 F Tentilhão Mar 12:08 1 F Tentilhão 3 09-Mar 12:09 1 F Tentilhão Mar 12:21 1 F Tentilhão 4 09-Mar 12:22 1 F Tentilhão 2 09-Mar 12:41 1 F Tentilhão Mar 13:33 1 F Tentilhão 5 09-Mar 13:36 1 F Tentilhão Mar 13:55 1 F Tentilhão Mar 14:35 1 F Tentilhão Mar 15:02 1 F Tentilhão Mar 15:20 1 F Tentilhão 5 09-Mar 15:45 1 F Tentilhão Mar 15:59 1 F Tentilhão 4 09-Mar 16:06 1 F Tentilhão Mar 16:07 1 F Tentilhão Mar 16:28 1 F Tentilhão 5 09-Mar 16:29 1 F Tentilhão Mar 17:03 1 F Tentilhão 5 09-Mar 17:11 1 F Tentilhão Mar 17:15 1 F Tentilhão 4 09-Mar 17:17 1 F Tentilhão 4 09-Mar 17:53 1 F Tentilhão Mar 18:09 1 F Tentilhão Mar 18:24 1 F Tentilhão 5 09-Mar 18:27 1 F Tentilhão 4 09-Mar 18:41 1 F Tentilhão 5 10-Mar 8:17 1 F Tentilhão Mar 8:45 1 F Tentilhão 5 10-Mar 9:55 1 F Tentilhão Mar 10:03 1 F Tentilhão Mar 10:31 1 F Tentilhão Mar 10:42 1 F Tentilhão Mar 10:42 1 F Tentilhão 4 10-Mar 10:49 1 F Tentilhão 5 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 16

17 10-Mar 10:56 1 F Tentilhão 4 10-Mar 11:33 1 F Tentilhão Mar 11:49 1 F Tentilhão Mar 11:49 1 F Tentilhão 5 10-Mar 12:08 1 F Tentilhão Mar 12:11 1 F Tentilhão 3 10-Mar 12:13 1 F Tentilhão 7 10-Mar 12:18 1 F Tentilhão 5 10-Mar 12:27 1 F Tentilhão Mar 12:34 1 F Tentilhão 5 10-Mar 12:35 1 F Tentilhão Mar 12:40 1 F Tentilhão 5 10-Mar 12:53 1 F Tentilhão Mar 12:53 1 F Tentilhão Mar 12:59 1 F Tentilhão Mar 13:14 1 F Tentilhão 4 10-Mar 13:15 1 F Tentilhão 3 10-Mar 14:23 1 F Tentilhão Mar 14:25 1 F Tentilhão Mar 14:28 1 F Tentilhão Mar 15:06 1 F Tentilhão Mar 15:48 1 F Tentilhão 4 10-Mar 15:51 1 F Tentilhão 5 10-Mar 15:52 1 F Tentilhão Mar 16:00 1 F Tentilhão Mar 16:11 1 F Tentilhão Mar 16:14 1 F Tentilhão 6 10-Mar 16:28 1 F Tentilhão 2 10-Mar 16:28 1 F Tentilhão Mar 16:37 1 F Tentilhão Mar 16:43 1 F Tentilhão Mar 16:56 1 F Tentilhão 4 10-Mar 16:58 1 F Tentilhão Mar 17:08 1 F Tentilhão 6 10-Mar 17:15 1 F Tentilhão Mar 17:26 1 F Tentilhão Mar 17:36 1 F Tentilhão Mar 17:37 1 F Tentilhão Mar 17:58 1 F Tentilhão 91 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 17

18 10-Mar 18:01 1 F Tentilhão Mar 18:01 1 F Tentilhão Mar 18:18 1 F Tentilhão Mar 18:39 1 F Tentilhão Mar 18:40 1 F Tentilhão Mar 18:41 1 F Tentilhão 5 10-Mar 18:42 1 F Tentilhão Mar 18:43 1 F Tentilhão Mar 18:44 1 F Tentilhão Mar 7:08 1 F Tentilhão Mar 8:12 1 F Tentilhão 5 11-Mar 8:13 1 F Tentilhão Mar 8:14 1 F Tentilhão Mar 8:43 1 F Tentilhão Mar 9:03 1 F Tentilhão 4 11-Mar 9:30 1 F Tentilhão Mar 9:51 1 F Tentilhão Mar 9:52 1 F Tentilhão Mar 9:53 1 F Tentilhão Mar 10:51 1 F Tentilhão Mar 11:33 1 F Tentilhão 4 11-Mar 11:33 1 F Tentilhão Mar 11:51 1 F Tentilhão 3 11-Mar 12:23 1 F Tentilhão Mar 12:38 1 F Tentilhão Mar 13:03 1 F Tentilhão Mar 13:38 1 F Tentilhão Mar 13:40 1 F Tentilhão 8 11-Mar 13:41 1 F Tentilhão Mar 13:42 1 F Tentilhão Mar 14:05 1 F Tentilhão Mar 9:49 1 F Tentilhão Mar 9:54 1 F Tentilhão Mar 10:40 1 F Tentilhão Mar 10:45 1 F Tentilhão Mar 11:08 1 F Tentilhão 2 13-Mar 11:27 1 F Tentilhão Mar 11:31 1 F Tentilhão Mar 11:33 1 F Tentilhão 7 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 18

19 13-Mar 11:46 1 F Tentilhão Mar 11:55 1 F Tentilhão Mar 12:55 1 F Tentilhão Mar 12:57 1 F Tentilhão Mar 13:53 1 F Tentilhão Mar 13:56 1 F Tentilhão Mar 13:56 1 F Tentilhão 2 13-Mar 14:00 1 F Tentilhão Mar 14:12 1 F Tentilhão Mar 14:28 1 F Tentilhão Mar 14:35 1 F Tentilhão 4 13-Mar 14:37 1 F Tentilhão Mar 14:47 1 F Tentilhão 3 13-Mar 15:27 1 F Tentilhão Mar 15:33 1 F Tentilhão Mar 15:50 1 F Tentilhão Mar 15:55 1 F Tentilhão Mar 16:03 1 F Tentilhão Mar 16:15 1 F Tentilhão 3 13-Mar 16:17 1 F Tentilhão Mar 17:06 1 F Tentilhão Mar 17:06 1 F Tentilhão Mar 17:35 1 F Tentilhão Mar 17:39 1 F Tentilhão 3 13-Mar 17:42 1 F Tentilhão Mar 17:44 1 F Tentilhão Mar 17:49 1 F Tentilhão 5 13-Mar 17:56 1 F Tentilhão 6 13-Mar 17:58 1 F Tentilhão Mar 17:59 1 F Tentilhão Mar 18:00 1 F Tentilhão Mar 18:03 1 F Tentilhão Mar 18:09 1 F Tentilhão Mar 18:13 1 F Tentilhão Mar 9:39 9 V Pisco-de-peito-ruivo Mar 10:15 9 V Pisco-de-peito-ruivo Mar 11:04 9 V Pisco-de-peito-ruivo 5 15-Mar 9:15 1 V Tentilhão n/d 15-Mar 9:38 1 F Tentilhão 13 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 19

20 15-Mar 9:38 1 F Tentilhão Mar 9:38 1 F Tentilhão Mar 9:40 1 F Tentilhão 9 15-Mar 10:07 1 F Tentilhão Mar 10:08 1 F Tentilhão 5 15-Mar 10:09 1 F Tentilhão Mar 10:09 1 F Tentilhão Mar 10:26 1 F Tentilhão Mar 10:35 1 F Tentilhão Mar 10:37 1 F Tentilhão 9 15-Mar 10:45 1 F Tentilhão Mar 11:28 1 F Tentilhão Mar 11:37 1 F Tentilhão Mar 11:37 1 F Tentilhão 4 15-Mar 11:49 1 F Tentilhão Mar 12:16 1 F Tentilhão Mar 12:40 1 F Tentilhão Mar 13:18 1 F Tentilhão Mar 13:29 1 F Tentilhão Mar 14:05 1 F Tentilhão Mar 14:07 1 F Tentilhão Mar 14:54 1 F Tentilhão Mar 14:54 1 F Tentilhão Mar 16:15 1 F Tentilhão 3 16-Mar 12:45 8 V Pisco-de-peito-ruivo 5 16-Mar 9:30 1 F Tentilhão Mar 9:47 1 F Tentilhão 3 16-Mar 9:47 1 F Tentilhão 3 16-Mar 10:45 1 F Tentilhão Mar 10:45 1 F Tentilhão Mar 10:46 1 F Tentilhão Mar 10:55 1 F Tentilhão 4 16-Mar 10:56 1 F Tentilhão Mar 11:39 1 F Tentilhão Mar 11:50 1 F Tentilhão Mar 12:03 1 F Tentilhão 9 16-Mar 12:06 1 F Tentilhão Mar 13:00 1 F Tentilhão Mar 13:20 1 F Tentilhão 13 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 20

21 16-Mar 13:36 1 F Tentilhão Mar 14:28 1 F Tentilhão Mar 14:29 1 F Tentilhão Mar 14:29 1 F Tentilhão 7 16-Mar 14:30 1 F Tentilhão 5 16-Mar 14:49 1 F Tentilhão Mar 14:52 1 F Tentilhão Mar 15:39 1 F Tentilhão Mar 16:24 1 F Tentilhão Mar 16:25 1 F Tentilhão Mar 16:40 1 F Tentilhão 3 16-Mar 16:56 1 F Tentilhão Mar 9:25 1 F Tentilhão Mar 10:48 1 F Tentilhão Mar 10:49 1 F Tentilhão Mar 10:49 1 F Tentilhão Mar 10:53 1 F Tentilhão Mar 12:10 1 F Tentilhão Mar 13:13 1 F Tentilhão Mar 13:13 1 F Tentilhão Mar 13:15 1 F Tentilhão Mar 13:18 1 F Tentilhão Mar 13:50 1 F Tentilhão Mar 11:32 8 V Pisco-de-peito-ruivo Mar 11:20 1 V Tentilhão Mar 11:23 1 V Tentilhão Mar 11:32 1 V Tentilhão Mar 11:35 1 V Tentilhão 3 21-Mar 11:37 1 V Tentilhão 3 21-Mar 11:57 1 V Tentilhão Mar 12:13 1 V Tentilhão 3 21-Mar 13:19 1 V Tentilhão Mar 9:39 2 V Tentilhão 8 22-Mar 9:48 2 V Tentilhão 3 22-Mar 9:49 2 V Tentilhão 3 22-Mar 9:50 2 V Tentilhão Mar 9:52 2 V Tentilhão 3 22-Mar 9:54 2 V Tentilhão 7 22-Mar 10:16 2 V Tentilhão 9 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 21

22 22-Mar 10:17 2 V Tentilhão 3 22-Mar 10:29 2 V Tentilhão Mar 10:35 2 V Tentilhão Mar 11:15 1 V Tentilhão Mar 11:27 1 V Tentilhão Mar 12:12 1 V Tentilhão 9 22-Mar 12:22 1 V Tentilhão Mar 10:20 3 V Tentilhão 3 24-Mar 11:46 1 V Tentilhão Mar 12:01 1 V Tentilhão Mar 12:09 1 V Tentilhão 3 24-Mar 12:20 1 V Tentilhão Mar 10:19 12 V Tentilhão 13 Aumento da disponibilidade alimentar através do uso de alimentadores artificiais. Relatório da acção C3 do Projecto LIFE-Priolo. 22

Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores

Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores Ponta Delgada, Março, 2009 Relatório Intercalar Localização e

Leia mais

Esquemas de monitorização das acções de remoção de exóticas e de produção e plantação de espécies nativas

Esquemas de monitorização das acções de remoção de exóticas e de produção e plantação de espécies nativas Esquemas de monitorização das acções de remoção de exóticas e de produção e plantação de espécies nativas Relatório da acção F5 do projecto LIFE Priolo SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES Outubro

Leia mais

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Julho de 2006 Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies

Leia mais

Projecto de Enquadramento Geral

Projecto de Enquadramento Geral A Política de Biodiversidade da EDP e o Envolvimento da Projecto de Enquadramento Geral Outubro 2010 A Politica de Biodiversidade da EDP no Envolvimento da Direcção de Sustentabilidade e Ambiente 1 Módulo

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA

V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA V CONGRESSO PORTUGUÊS DE PARASITOLOGIA 23 A 25 DE NOVEMBRO DE 2000 Haemaphysalis punctata ( Canestrini & Fanzago, 1877 ) DA ILHA DA MADEIRA I: UM HABITAT À ALTITUDE DE 1400 m NO PLANALTO DO PAUL DA SERRA

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários.

Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários. Estrategia de Educação Ambiental para os Habitats Prioritários. São Miguel, Agosto, 2010 Estratégia de Educação Ambiental sobre os Habitats Prioritários São Miguel, Agosto, 2010 O Projecto LIFE/Laurissilva

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE PRIOLO RELATÓRIO DA ACÇÃO F6 DO PROJECTO LIFE-PRIOLO

MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE PRIOLO RELATÓRIO DA ACÇÃO F6 DO PROJECTO LIFE-PRIOLO MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE PRIOLO RELATÓRIO DA ACÇÃO F6 DO PROJECTO LIFE-PRIOLO SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES Outubro 2008 Trabalhar para o estudo e conservação das aves e seus habitats,

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA)

8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA) 8 anos de Planos de Promoção do Desempenho Ambiental (PPDA) PPDA CONCRETIZAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES ESTATUTÁRIAS DA ERSE Estatutos Ferramentas Contribuir para melhorar o desempenho ambiental das empresas que

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

ÍNDICE RESUMO/SUMMARY 05 1. O PRIOLO VAI A TUA ESCOLA 06 2. A TUA ESCOLA VISITA O PRIOLO 07 3. DESCOBRE COM O PRIOLO 08

ÍNDICE RESUMO/SUMMARY 05 1. O PRIOLO VAI A TUA ESCOLA 06 2. A TUA ESCOLA VISITA O PRIOLO 07 3. DESCOBRE COM O PRIOLO 08 Trabalhar para o estudo e conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras. A SPEA Sociedade Portuguesa

Leia mais

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO]

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Introdução O cagarro é a ave marinha mais abundante nos Açores, que se desloca ao Arquipélago para acasalar e nidificar. Os Açores são considerados

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR Direcção F - Serviço Alimentar e Veterinário DG(SANCO)/9142/2003-RM Final RELATÓRIO FINAL DE UMA MISSÃO REALIZADA EM PORTUGAL DE 2 A 4 DE ABRIL

Leia mais

AS AVES DA MINHA ESCOLA

AS AVES DA MINHA ESCOLA AS AVES DA MINHA ESCOLA 1 INTRODUÇÃO: O planeta Terra é um sistema fechado, em que todos os seres e elementos estão interligados e são dependentes uns dos outros. Deste modo, as aves desempenham funções

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006

L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006 L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006 DECISÃO DA COMISSÃO de 13 de Fevereiro de 2006 que requer que os Estados-Membros adoptem temporariamente medidas suplementares contra a propagação de

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

Jaime Albino Ramos (J. A. R.) Fotos: Mário Nelson e autor. O Priolo. (Pyrrhula murina) e a floresta natural de altitude

Jaime Albino Ramos (J. A. R.) Fotos: Mário Nelson e autor. O Priolo. (Pyrrhula murina) e a floresta natural de altitude Jaime Albino Ramos (J. A. R.) Fotos: Mário Nelson e autor O Priolo (Pyrrhula murina) e a floresta natural de altitude Copyright Câmara Municipal de Nordeste Cap. 1 - Introdução Antecedentes Descrição As

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional PROJECTO (III) Ano Lectivo 2008/2009 (compostagem, horta,

Leia mais

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS

ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS ESTE DOCUMENTO SERVE APENAS PARA MOSTRAR TODAS AS ETAPAS DO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE CANDIDATURAS AO CIÊNCIA NA HORA MICROPROJECTOS CIÊNCIA VIVA SÓ SERÃO VALIDADAS AS CANDIDATURAS SUBMETIDAS POR VIA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Física e Química A Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Ano lectivo de 2009/2010 Índice Sumário 3 I Relatório 1.1. Objectivos.. 4 1.2. Planeamento 5 1.3. Execução. 6 1.4. Resultados

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Municípios e empresas nacionais adoptam hidrogénio como vector de energia

Municípios e empresas nacionais adoptam hidrogénio como vector de energia Página Web 1 de 5 Escolas (pago) Registo (gratuito) MUNDUS (Assinatura) Página Inicial Notícias Emprego & Bolsas Financiamento Eventos a não perder Atlas da Ciência Parceiros Página Inicial Tecnologia

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

RESUMO 05 1. NOTA INTRODUTÓRIA 06 2. METODOLOGIA 07 3. RESULTADOS 08. 3.1 Santa Maria 08 3.2 Graciosa 11 3.3 Faial 13 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS 15

RESUMO 05 1. NOTA INTRODUTÓRIA 06 2. METODOLOGIA 07 3. RESULTADOS 08. 3.1 Santa Maria 08 3.2 Graciosa 11 3.3 Faial 13 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS 15 Relatório Final Localização e mapeamento dos troços da rede de transporte e distribuição de energia eléctrica dos Açores mais utilizados pelo estorninho-malhado como dormitório Povoação, Maio 2012 Trabalhar

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo

Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Projecto Nacional Educação para o Empreendedorismo Instrumento de avaliação A. Projecto da escola A.1. Apresentação do Projecto da escola Caros colegas da Comissão, No âmbito do processo de monitorização,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

Turismo de Portugal aposta no Birdwatching

Turismo de Portugal aposta no Birdwatching Tróia, 14 e 15 de Novembro Turismo de Portugal aposta no Birdwatching O potencial turístico da observação de aves Birdwatching, vai estar em foco no workshop internacional promovido pelo Turismo de Portugal,

Leia mais

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis

A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política de biocombustíveis Seminário Internacional sobre Politicas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa 20 de Junho de 2011 FLAD Lisboa Portugal A perspectiva das Organizações Não- Governamentais sobre a política

Leia mais

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Plano de Emergência de Aves Rupícolas Descrição geral ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Problemas de conservação do património natural no PNDI As prioridades de conservação do PNDI (a

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

P l a n o 2 0 1 5 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 5 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 5 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações diferenciadoras no Plano de 2015 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Neste 2º ano do protocolo, iremos continuar a desenvolver ações de valorização do

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 3 ÁREAS PROTEGIDAS POTENCIAIS ADERENTES À CETS PROGRAMA: Quinta 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Introdução à CETS e processo de adesão 14:30-16:00 h Exemplos de Parques

Leia mais

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES 9. SÍNTESE DE IMPACTES Um dos objectivos fundamentais deste Estudo de Ambiental é o de identificar os impactes diferenciais da utilização de RIP como combustíveis alternativos. Assim, a existência ou não

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra)

Artigo 1.º (Âmbito) Artigo 2.º (Empresas e Pró-Empresas) Artigo 3.º (Serviços Base) Artigo 4.º (Serviços Extra) REGULAMENTO O conceito de CENTRO DE EMPRESAS consiste na disponibilização de espaços destinados a empresas e pró-empresas, visando a promoção, desenvolvimento e consolidação das mesmas, com a finalidade

Leia mais

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP

Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Inatel Serviços de Data Center e solução SAP Considero que foi um projecto que exigiu um enorme envolvimento de todas as partes que o integraram. Os resultados do projecto são francamente positivos. O

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

SOLAR OVEN. Eco-Cook in Mouraria. Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

SOLAR OVEN. Eco-Cook in Mouraria. Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica SOLAR OVEN Eco-Cook in Mouraria Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Aluno: Diogo Lucas nº 78044 Aluno: João Ornelas nº 79681 Lisboa, 25 de Novembro de 2013 Introdução

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações.

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações. O Voluntariado O Voluntariado traduz-se no conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO.

RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO. RESULTADOS PRELIMINARES EM ENSAIOS GENÉTICOS DE SOBREIRO. ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DE CORTES DE FORMAÇÃO. Projecto Fundo Florestal Permanente Projecto nº 2005.09.002239.2 Importância genética na

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais