produção à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "produção à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum"

Transcrição

1 Introdução à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum Pedro de Alcântara dos Santos Neto Roteiro Explicaremos o SCRUM seguindo a seguinte estrutura: Um breve histórico Detalharemos os Papéis Detalharemos todas as cerimônias prescritas pelo processo Ritual com formalidades a serem seguidas Detalharemos, dentro das cerimônias, resultados associados Correspondendo aos principais artefatos a serem gerados nos projetos Um breve histórico Jeff Sutherland Uso inicial do scrum na Easel em 1993 IDX e mais de 500 pessoas usando scrum Ken Schwaber Apresentação na OOPSLA 96 com Sutherland Três livros sobre Scrum Mike Beedle Padrões para o Scrum na PLOPD4 Ken Schwaber and Mike Cohn Fundaram a Scrum Alliance em 2002, inicialmente junto com a Agile Alliance Quem usa Scrum? Microsoft Yahoo Google Electronic Arts High Moon Studios Lockheed Martin Philips Siemens Nokia Capital One BBC Intuit Intuit Nielsen Media First American Real Estate BMC Software Ipswitch John Deere Lexis Nexis Sabre Salesforce.com Time Warner Turner Broadcasting Oce Para que o Scrum tem sido usado? Software comercial Desenvolvimento interno Desenvolvimento contratado (terceirização) Projetos de preço o fixo Aplicações Financeiras Aplicações certificadas pela isso 9001 Sistemas embarcados Sistemas disponíveis 24x7 Desenvolvimento por hackers solitários Video games Sistemas para suporte à vida Sistemas para controle de satélites Websites Software para handhelds Telefones celulares Aplicações para redes Aplicações de ISV (Independent Software Vendors) Algumas das maiores aplicações em produção Para que o Scrum tem sido usado? Equipes que se auto-organizam organizam O produto evolui em uma série s de Sprints mensais O Sprint é um período definido em que se trabalhará buscando cumprir um objetivo Os requisitos são listados em um Product Backlog Não háh prática de engenharia prescrita (o Scrum adequa-se a todas) Usa regras generativas na criação de um ambiente ágil para a entrega de projetos É uma das metodologias ágeis 1

2 Os Papéis... Com relação à equipe Aconselhado para equipes com pelo menos 3 colaboradores Idealmente de 5 a 9 Multi-funcional Programadores, testadores, webdesigners,, etc. Tempo integral Quando houver estagiários rios, todos no mesmo turno Trocas só na mudança de Sprints Todos devem sentar junto. Ter funções variáveis veis podendo ser fixas em um sprint Pedir ajuda e ajudar sempre que necessário Com relação ao Scrum Master Toda equipe deve ter um Scrum Master Representa a gerência para o projeto Responsável pela aplicação dos valores e práticas do Scrum Remove obstáculos Garante a plena funcionalidade e produtividade da equipe Garante a colaboração entre os diversos papéis e funções Escudo para interferências externas Com relação ao Product Owner Todo projeto deve ter um Product Owner Idealmente membro dos clientes do produto Mas em casos excepcionais um membro da equipe Ele deve priorizar as ações da equipe Para isso, deve entender o produto a ponto de priorizar sem gerar problemas Ajusta funcionalidades e prioridades Aceita ou rejeita o resultado dos trabalhos As Cerimônias... Cerimônias: A Reunião Inicial 2

3 A A Reunião Inicial Definição das estórias/funcionalidades do produto Product backlog Geralmente feito com a participação de toda a equipe + product owner e, opcionalmente, outros membros representante dos clientes Um ou mais dias de conversas, com registro dos dados em um documento Equivalente ao levantamento de requisitos Nos processos tradicionais A A Reunião Inicial Como obter informações sobre o produto? Estudando e lendo materiais relacionados Analisando softwares pré-existentes Perguntando... O quê perguntar? Tente seguir os passos do negócio para se fazer algo Sempre que um passo for descrito, questione o que necessita para aquilo ser exeqüí üível Se existe algo anterior, questione sobre ele Repita esses passos até que tudo tenha sido coberto... A A Reunião Inicial Como registrar? Diagrama de casos de uso fornece uma boa visão sobre os atores do sistema e funcionalidades Composto por atores e casos de uso Atores são papéis associados ao uso do sistema (e não pessoas!) Casos de uso são as funcionalidades do produto, que possuem um valor para seus usuários, sem lacunas nem superposição com outros casos de uso Número de ordem Caso de uso 1. Cadastro de Solicitação de Leito 2. Autorização de envio para lista de espera 3. Controle da Lista de Espera 4. Controle da Lista de Encaminhamento 5. Controle de Internações Descrição Cadastro das solicitações de leitos para pacientes com necessidades de internação. Registro da autorização da solicitação para constar na lista de espera por leitos. Controle da lista de espera por leitos, com registro de evolução dos pacientes, além de registro de entrada ou encaminhamento em leitos hospitalares e eventual remoção da lista. Controle dos encaminhamentos de pacientes para leitos, com remoção automática da reserva associada caso não seja realizado o registro de entrada no prazo previsto. 6. Controle de Leitos Bloqueio e liberação de leitos. Controle das internações em leitos, com possibilidade registro de alta, e conseqüente liberação do leito, além de transferências para outros leitos. Número de ordem Ator Definição 1. Intensivista Médico plantonista que coordena a UTI no hospital e faz a solicitação das vagas. 2. Regulador Médico regulador da Central de Leitos, que recebe, avalia e gerencia as solicitações e eventuais internações. 3. Auditor Médico da Central de Leitos, que visita os hospitais e verifica se as informações no sistema correspondem à realidade. 4. Gerente Médico regulador da Central de Leitos que atua em casos excepcionais, controla leitos e usuários do sistema. 5. Plantonista Profissional da saúde escalado em plantão, responsável por verificar a necessidade de internação de um paciente em UTI. 6. Médico Profissional da medicina escalado em Plantão. 7. Enfermeira Profissional de enfermagem, escalado em Plantão e responsável por auxiliar o Intensivista em suas tarefas. 8. Auxiliar Enfermeira escalada em Plantão responsável por auxiliar o Intensivista em suas tarefas. 9. Chefe de Setor Profissional de saúde responsável por controlar as escalas de plantão de um hospital. 3

4 A A Reunião Inicial Principal resultado: Product Backlog Representa os requisitos do produto Uma lista de todo o trabalho desejado no projeto Cada item deve ter seu peso de acordo com a vontade dos usuários Priorizado pelo dono do produto Repriorizado no início de cada Sprint A A Reunião Inicial Principal resultado: Product Backlog ID Nome Prioridade Tempo Estimado Tempo Gasto 2481 Preparar ambiente para integração contínua Criar projeto base no CVS Modelar Contrato e Remuneração Implementar Gestão de Contrato Implementar Gestão de Remuneração Testes Funcionais Gestão de Contrato Testes Funcionais Gestão de Remuneração 50 8 Product Backlog Cerimônias: A Reunião de Planejamento Planejamento A equipe seleciona itens do Product Backlog com os quais compromete-se a concluir Definição da carga de trabalho da equipe O Sprint Backlog é criado Com criação dos cartões Tarefas identificadas e estimadas Criação do gráfico de acompanhamento Definição do local e horário rio das reuniões diárias Definição do conceito de feito Organização do quadro do projeto É importante a participação do product owner, para entender o funcionamento... Para determinação da carga de trabalho do grupo, devemos calcular o tempo disponível Definir tamanho do Sprint (em dias) Normalmente usa-se se 2 semanas (10 dias úteis) Esse número n pode ser menor, quando precisamos ter respostas mais rápidas r e para obter dados sobre produtividade Ou maiores, quando as coisas jáj estão mais estáveis 4

5 Um grande problema: Tarefas não planejadas! Tarefas que surgem durante o sprint e que necessitam ser realizadas Muito comum nos locais que tem softwares em operação Como resolver essa questão, visto que temos que planejar as atividades? Previsão de tempo para tais tarefas Podem ou não fazer parte do sprint Registro do tempo gasto, para facilitar novas estimativas O fator de ajuste pode ser utilizado nessa direção! Fator de ajuste Percentual de tempo produtivo efetivamente utilizado para computar carga de trabalho da equipe Colaboradores que trabalham 8h/dia, dificilmente passam 8h realizando tarefas diretamente relacionadas ao desenvolvimento Existe tempo para ler se Conversar com colegas Tomar café,, ir ao banheiro, etc... Um fator de ajuste muito comum é usar 75% Mas esse número n depende da organização... Dedicação dos membros da equipe Colaboradores com cargos chaves no processo precisam ter sua carga de trabalho analisada Scrum masters normalmente gastam metade do tempo útil em tarefas relacionadas à condução do processo Quando um colaborador assume o papel de Product owner,, provavelmente gaste também m metade do tempo útil com tarefas de verificação e eliminação de dúvidas, além m do contato com os usuários do produto Cada projeto é uma realidade diferente! Exemplo Objetivo Duração Fator de ajuste Contrato e Remuneração 10 0,6 Colaborador Dedicação diária Total Pedro 4 24 Emanoel 8 48 Daniel 8 48 Danilo 4 24 Eric Muniz 6 36 Total do Sprint Total = dedicação diária * duração sprint * fator ajuste 180 Colaborador em outro projeto Product owner Fator de ajuste reduzido por conta do não cumprimento dos prazos Scrum Master Total do Sprint Gráfico de acompanhamento h Gráfico de Acompanhamento Dias do Sprint 180 Gráfico de acompanhamento Representa a quantidade de horas associadas às tarefas do Sprint Idealmente, as tarefas deveriam ser finalizadas ao longo dos dias do Sprint O O gráfico ideal é uma reta que inicia na carga de trabalho da equipe (180h no exemplo) e finaliza em 0 no último dia do Sprint A A cada tarefa concluída e verificada, devemos descer a quantidade de horas no gráfico Discutido mais a frente... 5

6 Devem ser utilizados cartões para representar as tarefas Criados no planejamento O verso pode ser utilizado para observações ID Tempo Estimado NOME DESCRIÇÃO COMO VERIFICAR Tempo Real Responsável pela tarefa Planejamento Divisão dos cartões ID: identificador da tarefa Utilizado para acompanhamento em ferramentas que controlam a apropriação de horas Nome Descrição: texto simples e objetivo descrevendo a tarefa Como verificar: indicação de como deve ser feita a verificação dessa tarefa, quando a mesma estiver concluída Embora pareça dispensável,, quando existem muitas tarefas a verificar, podemos perder o foco no que é importante» Fortemente aconselhável para toda e qualquer equipe» Base para construção dos testes para a funcionalidade Divisão dos cartões Tempo estimado: tempo especificado pela equipe para realização da tarefa Como estimar tal tempo? Jogo do planejamento» Todos da equipe possuem cartas» Discute-se se sobre a tarefa e solicita-se se que todos joguem cartas representando sua estimativa (viradas para que ninguém m veja a estimativa antes que todos estimem!) Divisão dos cartões Tempo estimado: Pode-se considerar a média, m descartar alguns valores (maior e menor, por exemplo) O importante é estabelecer parâmetros de aceitação» Um? indica que mais explicações são necessárias» Um 0 indica algo tão pequeno que não merece estimar» Uma xícara x indica necessidade de tempo pra pensar...» Tarefas acima de 16h merecem ser divididas» Estimativas muito diferentes merecem explicações Divisão dos cartões Tempo real: Tempo efetivamente utilizado para realização da tarefa Fundamental seu registro para auxiliar estimativas futuras Responsável Colaborador encarregado de realizar a tarefa A princípio pio não deve ser pré-estabelecido» Cada um faz o que mais lhe agrada das tarefas Mas o bom senso sempre deve imperar!» O objetivo é seguir o plano, desde que não se crie ilhas do conhecimento Como selecionar tarefas para o Sprint? Deve-se selecionar do Backlog as tarefas mais importantes Encaixando dentro da carga de trabalho indicada pela equipe De forma a termos o maior aproveitamento dessa carga de trabalho 6

7 Como selecionar tarefas para o Sprint? As tarefas selecionadas representam um compromisso assumido com o Product Owner Para isso, todos devem concordar e acreditar nas estimativas Mais uma vez o bom senso deve imperar Se alguém m não acredita no que foi dimensionado para o Sprint,, fale sobre isso!!! Definição de Feito (DoD( DoD) Todo projeto deve ter uma definição claro sobre o que é considerado feito! Para uma tarefa de modelagem, por exemplo: Diagrama representando a modelagem feito na ferramenta JUDE Diagrama contido no CVS Revisão em conjunto com o Scrum Master Definição de Feito (DoD( DoD) Para uma tarefa de implementação no modelo: Criação das classes no projeto Criação do teste de unidade Inclusão do teste na integração contínua nua Classes no CVS Para uma tarefa de implementação na visão: Criação das classes no projeto Criação dos testes funcionais com Selenium Classes no CVS Redação do manual do usuário e inclusão no CVS Definição de Feito (DoD( DoD) Podem haver definições de feito gerais na organização Podendo haver especializações por projeto É importante deixá-las clara no planejamento, para que todos saibam que existe e com isso garantir sua utilização ão! Dependendo do projeto,, novas definições precisam ser criadas O que é feito para uma tarefa de documentação ão? Definição do local e horário rio das reuniões diárias No planejamento é fundamental especificar tais dados Essas reuniões são vitais para o bom andamento do projeto Organizar a equipe de forma que todos participem Problemas quando temos pessoas dedicadas parcialmente Definição da data, horário rio e local para apresentação dos resultados do Sprint Definição da data, horário rio e local para apresentação dos resultados do Sprint Todos devem saber das datas! 7

8 Organização do quadro do projeto Organização do quadro do projeto Os quadros devem ter as seguintes divisões para tarefas Não iniciadas, Em execução ão, Concluídas das, Verificadas Organização do quadro do projeto para Objetivo do Sprint para o Gráfico de Acompanhamento para especificar a Equipe para detalhar a data de início e fim do sprint para especificar dia da apresentação dos resultados para especificar local e horário rio das reuniões diárias para especificar o dia da retrospectiva Cerimônias: A Reunião Diária A A Reunião Diária Importante: Deve ser diária ria! Em torno de 15 minutos Todos em pé! Facilita o gerenciamento do tempo Não é para a solução de problemas Problemas devem ser identificados Sua solução é tratada depois Ajuda a evitar reuniões adicionais desnecessárias A A Reunião Diária Todos respondem 3 perguntas: O que foi feito de ontem pra hoje? 1 2 O que será feito de hoje até amanhã? 3 Existe algum impedimento? 8

9 A A Reunião Diária Problemas são detectados e discutidos inicialmente Impedimentos são registrados Itens não planejados também são registrados para acompanhamento Todos falam,, sob a supervisão do scrum master Cerimônia: Acompanhamento do Projeto Acompanhamento do Projeto Além m das reuniões diárias, o Scrum Master possui outras tarefas rotineiras: Verificar tarefas concluídas Atualizar gráfico de acompanhamento Resolver impedimentos Atuar quando houver desvio no planejamento Acompanhamento do Projeto Verificação das tarefas concluídas Idealmente deve ser feito pelo Scrum Master + Product Owner Utilizar a definição de como verificar existente no cartão Seguir a definição de feito Se algum item não coincidir com o especificado, indicar ao responsável para efetiva conclusão Muito cuidado com os testes! Para tarefas de implementação Não se ater somente no funcionamento Incluir a análise do códigoc Acompanhamento do Projeto Atualização do gráfico de acompanhamento Para cada tarefa verificada, baixar número n correspondente à estimativa no gráfico Estimativa e não o tempo efetivamente gasto!!! Mas pode-se ter uma outra linha com o tempo trabalhado» Existem controvérsias rsias sobre o que utilizar, assim, use as duas linhas Acompanhamento do Projeto Resolução de impedimentos Durante as reuniões diárias impedimentos podem ser identificados Cabe ao Scrum Master garantir sua resolução Isso pode significar atuar junto à gerência Os impedimentos devem ser acompanhados Registrar identificação do impedimento» Ou seja, criar cartão diferenciado, associado ao cartão impedido e deixar isso bem visível vel Registrar solução 9

10 Acompanhamento do Projeto Atuação nos desvios de planejamento Durante a atualização do gráfico de acompanhamento podem ser notados grandes desvios O Scrum Master deve atuar para tentar identficar causas Tentando propor contramedidas para reduzir os atrasos Atividade freqüente ente e contínua... nua... Mas sem um guia sobre como agir Cada caso é um caso... Acompanhamento do Projeto Os membros da equipe devem: Pegar uma tarefa e indicar isso através s do quadro Mudando para área em execução ão e registrado-se se como responsável Atualizar registro de tempo gasto na tarefa Registrando no meio indicado pela empresa (atualmente no Quantum) Onde não existe meio eletrônico, pode-se usar marcas representando tempo gasto (*, _, etc.) Informar a finalização de uma tarefa, com registro do tempo gasto Lembrando que ela pode voltar para em execução ão,, caso não seja aprovada...» Ou seja, não finalize no Quantum tarefas ainda não verificadas... Cerimônias: Apresentação do Sprint Apresentação do Sprint Equipe apresenta os resultados obtidos durante o Sprint Tipicamente, demonstração de novas funcionalidades ou sua arquitetura Informal Sem muita preparação Preocupar-se com o ambiente» reserva de sala, equipamentos Sem slides Toda a equipe participa Todos são convidados Cerimônias: Retrospectiva Retrospectiva Durante o Sprint, é necessário observar o que funciona e o que não funciona Na retrospectiva, isso deve ser discutido por todos Tipicamente uma reunião rápida,, com cerca de 1h Feita após cada Sprint Toda a equipe participa ScrumMaster Dono do produto Membros da equipe Clientes e outros 10

11 Retrospectiva A equipe tenta responder a três questões O O que você achou muito bom no Sprint e que deveria continuar sendo feito O O que você achou muito ruim e não deveria mais ser feito (ou mudado) O O que não está sendo feito mas deveria iniciar Continuar fazendo Parar de fazer Iniciar a fazer Retrospectiva Cada membro anota as respostas em cartões Cada cartão com uma resposta No máximo m 3 cartões por pergunta As resposta similares devem ser agrupadas Continuar fazendo Parar de fazer Iniciar a fazer Retrospectiva Para cada questão registrar as 3 respostas mais utilizadas Elas devem ser utilizadas pelo Scrum Master na condução dos novos Sprints Evitar o que foi considerado ruim Garantir que as coisas boas continuam Garantir que o que foi sugerido iniciar realmente iniciou Continuar fazendo Parar de fazer Iniciar a fazer Final do Sprint Terminei um Sprint,, e agora? Utilize no máximo m um dia para pequenos ajustes e realize novo planejamento Introdução à Engenharia de Software Unidade III Exemplo de um Processo de Software - Scrum Pedro de Alcântara dos Santos Neto 11

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Scrum Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Baseado em slides de Mike Cohn mike@mountaingoatsoftware.com traduzidos e adaptados por

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Prof. Silvestre Labiak Jr. UTFPR Gestão da Produção Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM

Uma introdução ao SCRUM Uma introdução ao SCRUM Perdendo no revezamento... O estilo de corrida de revezamento aplicado ao desenvolvimento de produtos pode conflitar com os objetivos de velocidade

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri

1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri Gestão de Por+ólios e Projetos de SOFTWARE 1º SEMESTRE DE 2011 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri Sociedade demanda grande quan?dade de sistemas/aplicações sodware complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress. Teamware do Brasil 2009

Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress. Teamware do Brasil 2009 1 Desmistificando Agile & Scrum Desenvolvimento de Software Sem Stress Quem somos? 2 Teamware do Brasil Pioneira no Brasil em melhoria de processos com foco exclusivo em Abordagens Ágeis Fundadora da Agile

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

SCRUM. Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SCRUM. Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SCRUM Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Introdução Quais as desvantagens das metodologias tradicionais? Introdução Manifesto Ágil Indivíduos e interações Software que funciona Colaboração do

Leia mais

Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007

Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007 1 Desmistificando a Gestão, Desenvolvimento e Melhoria Ágil de Projetos com Scrum Campinas - 27 de Novembro de 2007 2 Quem somos? Teamware do Brasil Pioneira no Brasil em melhoria de processos com foco

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

PROJETO CEMEA. Um trabalho educacional

PROJETO CEMEA. Um trabalho educacional PROJETO CEMEA Um trabalho educacional CEMEA: Objetivo geral A partir de um sistema já existente, temos como missão: Melhorar suas funcionalidades; Documentar tanto o código, quanto suas funções; Acrescentar

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação

ScRUM na prática. Scrum no dia-a-dia. V Semana de Tecnologia da Informação ScRUM na prática Scrum no dia-a-dia V Semana de Tecnologia da Informação Agenda Manifesto Ágil; O Scrum; Os papéis do Scrum; Quem usa Scrum; O Scrum na Tray; Cerimônias; Artefatos. Qualidade. era uma vez

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Outubro de 2011 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Índice O propósito do Guia do Scrum... 3 Visão geral do Scrum...

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland O Guia do Scrum O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo Julho 2011 Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Traduzido para o Português por José Eduardo Deboni (eduardodeboni.com)

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar a experiência do uso da metodologia Scrum para o gerenciamento

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi

Scrum Uma breve apresentação. Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Uma breve apresentação Alfredo Goldman Dairton Bassi Scrum Definição informal: Estratégia em um jogo de rugby onde jogadores colocam uma bola quase perdida novamente em jogo através de trabalho em

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Versão 7 TraceGP Ágil

Versão 7 TraceGP Ágil Versão 7 Cadastro de Produtos Será possível cadastrar todos os produtos da empresa bem como descrever suas características particulares através da seleção de atributos dinâmicos para cada produto. Manutenção

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE BOAS PRÁTICAS DO PMI COM OS MÉTODOS ÁGEIS Por: Sheyla Christina Bueno Ortiz Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de Janeiro

Leia mais

Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software

Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software Treinamento SCRUM Relembrando o Manifesto para o desenvolvimento ágil de software Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazê-lo. Através

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Metodologias Ágeis Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br O que é agilidade? Agilidade: Rapidez,

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com

Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho. Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Métodos Ágeis, Fomando Times de Alto Desempenho Ari do Amaral Torres Filho @ariamaral ariamaralt@gmail.com Iniciando com uma Apresentação (Instrutor, Alunos e Palestra) Apresentação do Professor Sou Bacharel

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Um pouco de história

Um pouco de história SCRUM Um pouco de história 1950 Taiichi Ohno Um pouco de história 1986 1950 Takeuchi & Nonaka Taiichi Ohno Um pouco de história 1993 1986 1950 Ken Schwaber Takeuchi & Nonaka Taiichi Ohno Um pouco de história

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE AUTO PEÇAS Renan Malavazi Mauro Valek Jr Renato Malavazi Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse Sistema de Gerenciamento de AutoPeças A aplicação

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Agilidade: SCRUM e XP

Agilidade: SCRUM e XP Agilidade: SCRUM e XP Facilitador Fernando Costa formado em Redes de Computadores Sócio da 3LJ Tecnologia www.3lj.com.br Agenda SCRUM: Contexto de projetos Valores ágeis Princípios ágeis Scrum Paradoxo

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE development Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Prazos curtos Baixo custo Agregação ao negócio Fidelidade do cliente Competitividade Sobrevivência Cenário 2000 35% dos projetos apresentam sucesso 31% dos projetos

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento. Veja se você está preparado para entrar nessa.

SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento. Veja se você está preparado para entrar nessa. http://info.abril.com.br/noticias/carreira/pronto-para-o-scrum-09009-.shl Página de 7/09/009 Terça-feira, de setembro de 009-0h0 SÃO PAULO - A metodologias ágeis viraram o mantra das equipes de desenvolvimento.

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis

Introdução a Métodos Ágeis Introdução a Métodos Ágeis Insanidade, é repetir, interminavelmente, o mesmo processo, sempre à espera de um resultado diferente. Albert Einstein Joshua Kerievski sugere uma abordagem humana : Trabalhar

Leia mais

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira

METODOLOGIA ÁGIL. Lílian Simão Oliveira METODOLOGIA ÁGIL Lílian Simão Oliveira Fonte: Pressman, 2004 Aulas Prof. Auxiliadora Freire e Sabrina Schürhaus Alexandre Amorin Por quê???? Principais Causas Uso das Funcionalidades Processos empírico

Leia mais

SCRUM com Equipes Inexperientes

SCRUM com Equipes Inexperientes SCRUM com Equipes Inexperientes Cicero Tadeu Pereira Lima França 1, Antonio de Barros Serra 2, Robério Gomes Patricio 3, Isydório Alves Donato 4 Resumo A constante busca dos projetos de TI por um produto

Leia mais

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Fevereiro 2010 Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Agradecimentos Geral Scrum é baseado nas melhores práticas aceitas pelo mercado, utilizadas e provadas por décadas. Ele é

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso de Pós-Graduação Gerência de Projetos com Ênfase nas práticas do PMI SCRUM Metodologia Ágil de Gerenciamento de Projetos São Paulo 2009 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curso

Leia mais

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 Tradução Heitor Roriz Filho Michel Goldenberg Rafael Sabbagh Revisão Anderson Marcondes Ânderson Quadros Ari do

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil

Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Gerenciamento Ágil de Projetos de Desenvolvimento de Softwares na Secretaria de Estado da Casa Civil Claryanne A. Guimarães 1, Daniel Dias S. Rosa 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM CEETEPS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FATEC DE TAUBATÉ HABILITAÇÃO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TEMA MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL:

Leia mais

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software ADRIANA TAVARES FIGUEIREDO Graduaçao em Licenciatura para Computação UNILASALLE RJ / 2006 Pós Graduada em Design Estratégico e MKT Management ESPM RJ

Leia mais

Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Scrum no Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Vinícius Kiwi Daros Orientador: Prof. Flávio Soares MAC 499 Trabalho de Formatura Supervisionado IME - USP 16 de novembro de 2011 Roteiro Roteiro Introdução

Leia mais

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS

MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MODELO DE PROCESSO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS MIRILIAN CARLA ARAUJO CORILLO 1, ANDREA PADOVAN JUBILEU 2. 1 Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE II

ENGENHARIA DE SOFTWARE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Modelagem Ágil com Scrum AULA 3 Profª MSc. MICHELLE DE OLIVEIRA PARREIRA parreira.michelle@gmail.com O que é agilidade? Agilidade Rapidez,

Leia mais