Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP"

Transcrição

1 Laudo Técnico Avaliação do Ruído em Zona Habitacional causado por Serralheria no Jardim Aeroporto em Ilha Solteira - SP 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho realiza-se em cumprimento ao requisito determinado pelo Plano Diretor do Município de Ilha solteira - SP, visando apurar níveis de ruídos produzidos por empresa de serviços de serralheria, situada à Rua 45, nº25, bairro Jardim Aeroporto; nesta cidade. Visando atender aos requisitos do Plano Diretor a equipe técnica subscrita realizou no dia onze (11) de dezembro de 2013, no período compreendido entre 17:30 horas até as 18:30 horas, medições e vistoria in loco, tanto na fonte emissora de ruído, como em pontos na vizinhança. 2.MEDIÇÕES DOS RUÍDOS NO LOCAL DA SOLICITAÇÃO. Na elaboração deste laudo seguiu-se a Resolução CONAMA n.º 001 de 08 de março de 1990 que instituiu as normas técnicas estabelecidas pela "NBR Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade" e pela "NBR Níveis de ruído para conforto acústico", ambas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), para que as entidades e órgãos públicos, no uso do poder de polícia, possam compatibilizar o exercício das atividades econômicas com a preservação da saúde e do sossego público. As medições dos níveis de ruído foram feitas na escala de compensação A, em decibels db(a) e nível sonoro medido (LA), em resposta de leitura rápida (LF), para ruídos de nível constante; ou, nível sonoro equivalente (Leq) para ruídos de nível flutuante.

2 Para aquisição dos dados, foi utilizado um medidor de nível de pressão sonoro modelo Solo Black, da marca 01dB, um tripé para montagem do medidor e aquisição de acordo com a NBR e o software de extração de dados dbtrait 5.4, também da marca 01dB. Válido ressaltar também que os microfones estavam a 1,20m do chão e no meio da rua. Quanto à calibração, o aparelho Solo Black estava calibrado em 94,0 db(a) de acordo com os valores dos respectivos manuais de instrução. Todos os instrumentos utilizados estão devidamente certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), de acordo com os Certificados de Calibração CONDIÇÕES DE MEDIÇÃO Nas medições realizadas em ambiente externo, utilizou-se o aparelho a 1,2 m acima do solo e, no mínimo, a 1,5 de superfícies refletoras, e distância de no máximo 5m (cinco metros) da divisa do imóvel onde se localiza a fonte emissora. No interior do edifício, as medições foram efetuadas nos pontos de maior nível de intensidade de ruídos do ambiente. Procurou-se evitar interferência, nas medições realizadas, de sons não desejados como ventos no microfone ou corrente elétrica. Durante as medições não houve variação das condições climáticas, inclusive de vento, que pudessem interferir no nível de ruído captado pelo microfone do aparelho medidor OS NÍVEIS SONOROS MEDIDOS Os níveis sonoros foram medidos na data, horário e condições

3 especificadas, em cinco (5) pontos: Ponto 1 Rua sem nome, paralela à Av. Continental, divisa com vizinho; Ponto 2 Rua sem nome, paralela à Av. Continental, em frente à porta de entrada da serralheria; Ponto 3 Confluência da Rua sem nome, paralela à Av. Continental com a Rua 45; Ponto 4 Rua 45, em frente ao nº 25; Ponto 5 Dentro da serralheria, ponto central; terreno). Ponto 6 Entre a serralheria e a residência de nº 25 da Rua 45 (parte interna do A seguir, ilustra-se, com um "croqui", sem escala, os pontos de medição em relação à fonte emissora de ruídos.

4 Figura 1 - Esquema da localização do empreendimento. Figura 2 Localização dos pontos de medição

5 Figura 3 - Foto da localização do empreendimento. Na Tabela 1 abaixo apresentamos os dados de medições com as condições locais e com a serralheria sem funcionar. Tabela 1 Valores do Nível de Pressão Sonora Medidos; serralheria sem funcionar. Arquivo Tipo Ponderação Unidade Leq Lmax L90 Ponto 1 Leq A db 67 86,3 48,5 Ponto 2 Leq A db 60 72,7 49,9 Ponto 3 Leq A db 63,2 76,4 49,2 Ponto 4 Leq A db 54, ,5 Ponto 5 Leq A db 56, ,8 Ponto 6 Leq A db 53,7 62,7 43,8 Na figura 4 abaixo apresentamos a simulação do ruído local utilizando o software Cadna A Figura 4 Simulação do ruído no local do empreendimento, serralheria sem funcionar.

6 Na Tabela 2 abaixo apresentamos os dados de medições com as condições locais e com a serralheria em funcionamento com a serra policorte ligada (equipamento com maior geração de ruído). Tabela 2 Valores do Nível de Pressão Sonora Medidos; maquinas em operação. Arquivo Tipo Ponderação Unidade Leq Lmax L90 Ponto 1 Leq A db 66 73,7 62,4 Ponto 2 Leq A db 64,6 67,7 62,9 Ponto 3 Leq A db 57,4 63,2 53,8 Ponto 4 Leq A db 63,6 70,5 59,7 Ponto 5 Leq A db 81,9 83,3 80,7 Ponto 6 Leq A db 78, ,3 Na figura 5 abaixo apresentamos a simulação do ruído local com a serra policorte sendo utilizada utilizando o software Cadna A Figura 5 - Simulação do ruído no local do empreendimento, serra policorte ligada. 3. MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO EM RELAÇÃO À RESPOSTA DA COMUNIDADE De uma maneira geral, o ruído é responsável pela provocação de queixas sempre que o nível exceder de uma certa margem o ruído de fundo preexistente ou quando atingir um certo nível absoluto. De acordo com o item 3.3 da NBR , o método de avaliação do ruído baseia-se numa comparação entre o nível sonoro corrigido com um nível critério (ou nível limite), o qual leva em consideração várias características do ambiente. O critério

7 relaciona-se com o nível de fundo preexistente; ou é fixado para uma determinada zona em geral, ou é medido diretamente em casos especiais. No município de Ilha Solteira - SP não existe um zoneamento de ruído, portanto utilizaremos o Critério Geral para definição do nível critério. Segundo a referida norma o critério básico de ruído externo para áreas residenciais deve ser 45 db(a). Os níveis-critério, em geral, especialmente para fins de zoneamento, podem ser obtidos a partir de um valor básico, através da adição de correções para a hora do dia e para os diferentes tipos de zonas. As correções do critério básico para os diferentes períodos estão mencionadas na tabela 3. Tabela 3 - Correções do critério básico para diferentes períodos Período Correção do critério básico C p db(a) diurno 0 noturno - 5 As correções do critério básico de ruído para uso residencial em diferentes zonas estão mencionadas na Tabela 4. Tabela 4 - Correções do critério básico para uso residencial em diferentes zonas Tipo de Zona Correção do critério básico C z db(a) Zona de hospitais 0 Residencial urbana + 10 Centro da cidade (negócio, comercio, administração) + 20 Área predominantemente industrial + 25 O nível-critério é expresso pela adição das parcelas: 45 + C p + C z Desta forma o nível critério que será utilizado nesta avaliação será de 55 db(a) em função do período diurno e zona residencial urbana. Para efeito de avaliação de impacto na vizinhança foi escolhido o ponto 4, localizado na Rua 45, pois os demais estão situados em área sem moradias ou

8 internamente no terreno. Extraindo-se os dados medidos da tabela 2, para o ponto 4, com o equipamento mais ruidoso da serralheria em operação, onde o nível de pressão sonora medido foi de 63,9 db(a); Comparando-se os níveis medidos e o nível critério, obtemos a diferença: 63,9 55 = 8,9 db(a) De acordo com a NBR , pode-se fazer uma estimativa da reação pública ao ruído em função da diferença encontrada, como se vê na tabela 5. Tabela 5 - Resposta estimada da comunidade ao ruído Valor em db(a) pelo qual Resposta estimada da comunidade o nível sonoro corrigido ultrapassa o nível-critério Categoria Descrição 0 Nenhuma Não se observa reação 5 Pouca Queixas esporádicas 10 Média Queixas generalizadas 15 Enérgicas Ação comunitária 20 Muito enérgicas Ação comunitária vigorosa Fonte: ABNT. "Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade - NBR 10151". Rio de Janeiro: dez p. 7, tabela 4. Constata-se, pois, que a diferença de 8,9 db(a) enquadra-se numa faixa de resposta "Pouca a Média, tendendo a Queixas esporádicas a generalizadas na reação ao incômodo". Algumas considerações sobre as medições efetuadas no local: db(a); - Ruído da Av. Continental eleva os níveis em frente à propriedade até 67

9 - Mesmo sem o uso da serralheria, os níveis estão em desacordo com a recomendação, inclusive dentro da propriedade (Se o zoneamento for estritamente residencial); - Níveis de ruído medidos a aproximadamente 2 metros do meio fio (4 pontos externos); - Mapa interpolado Cadna A Não existem as paredes, apenas interpolação de pontos; Os níveis de ruído gerados pela serralheria na Rua 45 equivalem-se aos valores observados nas avenidas e alamedas da cidade estando um pouco acima do recomendado por organismos nacionais e internacionais, mas que não podemos caracterizar como excessivos em função da ausência de uma lei municipal fixando os valores para cada zona da cidade. Esta avaliação baseada no Critério Geral é mais adequada para zoneamento e em casos específicos a metodologia mais adequada seria a utilização da medição do ruído de fundo adotando técnicas estatísticas. Quando for empregada a análise estatística dos níveis sonoros, o nível de ruído de fundo deve ser considerado como o nível que é superado em 90% do tempo de observação. Ilha Solteira, 05 de maio de 2014.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NO SETOR DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DA FEIS

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NO SETOR DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DA FEIS AVALIAÇÃO DO RUÍDO NO SETOR DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DA FEIS 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho foi realizado visando apurar níveis de ruídos no Setor de Manutenção e Conservação da FEIS. As queixas

Leia mais

NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade

NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade http://smmaspbh.vilabol.uol.com.br/10151.htm NBR 10151/00 Avaliação de ruídos em áreas habitadas visando o conforto da comunidade JUN 2000 NBR 10151 Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando

Leia mais

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL EM UNIVERSIDADE: MONITORAMENTO DE RUÍDOS E REVISÃO DE CONDICIONANTE DE LICENÇA NA PUC MINAS EM BETIM

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL EM UNIVERSIDADE: MONITORAMENTO DE RUÍDOS E REVISÃO DE CONDICIONANTE DE LICENÇA NA PUC MINAS EM BETIM A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL EM UNIVERSIDADE: MONITORAMENTO DE RUÍDOS E REVISÃO DE CONDICIONANTE DE LICENÇA NA PUC MINAS EM BETIM Marta Maria De Martin*, Fernando Verassani Laureano. * Graduanda em Ciências

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS.

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. Prof. Msc. Lucas C. Azevedo Pereira ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 A ACÚSTICA é a ciência do som, incluindo sua produção, transmissão e efeitos.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 008/14

RELATÓRIO TÉCNICO 008/14 SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 008/14 PÁG. 1/21 RELATÓRIO TÉCNICO 008/14 RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A

RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 104/14-A PÁG. 1/20 RELATÓRIO TÉCNICO 104/14-A RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA.

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ESTABELECIMENTO: MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ENDEREÇO: SERRA DO CARIMBADO, S/N SÃO TOMÉ DAS LETRAS-MG CNPJ: 70.986.153/0001-35 RAMO DE ATIVIDADE: MINERAÇÃO CNAE: 08.10.0-99 GRAU DE RISCO: 4

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Relatório de Avaliação do Impacto do Funcionamento do Aeroporto Internacional Pinto Martins Processos PGM/SEUMA: P e

Relatório de Avaliação do Impacto do Funcionamento do Aeroporto Internacional Pinto Martins Processos PGM/SEUMA: P e Relatório de Avaliação do Impacto do Funcionamento do Aeroporto Internacional Pinto Martins Processos PGM/SEUMA: P212845 e 77632014 Fortaleza - CE Lista de Abreviações: ABNT - Associação Brasileira de

Leia mais

Relatório de Conforto acústico: Mapeamento de Ruído no Zoológico

Relatório de Conforto acústico: Mapeamento de Ruído no Zoológico UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Relatório de Conforto acústico: Mapeamento de Ruído no Zoológico MSc

Leia mais

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico

Código: MS Revisão: 01 Data:04/04/2016. Página 1 de 8. Laudo Técnico Página 1 de 8 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO ACÚSTICA DO MURO DA RAIA OLÍMPICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO ACÚSTICA DO MURO DA RAIA OLÍMPICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO ACÚSTICA DO MURO DA RAIA OLÍMPICA Maio de 2017 Revisão 1 INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta os resultados da avaliação acústica realizada no campus

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMMA. Resolução CONSEMMA nº 003, de 08 de dezembro de 2005

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMMA. Resolução CONSEMMA nº 003, de 08 de dezembro de 2005 CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSEMMA Resolução CONSEMMA nº 003, de 08 de dezembro de 2005 O Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMMA, no uso das atribuições que lhe confere o Inciso II, do

Leia mais

Março 1999 Projeto 02:

Março 1999 Projeto 02: Página 1 de 8 Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Página 2 de 8 Página 3 de 8 Página 4 de 8 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem:

Leia mais

As projeções de dose devem levam em consideração o tempo de permanência dos clientes e a jornada de trabalho no local.

As projeções de dose devem levam em consideração o tempo de permanência dos clientes e a jornada de trabalho no local. APRESENTAÇÃO Este trabalho foi realizado em meados de 1996 quando na oportunidade realizou-se três medições em boates no Município do Rio de Janeiro. Tive como colaborador dos trabalhos o Engenheiro e

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS, VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE, SEGUNDO A NBR 10.151: 2000/ABNT 1- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS, VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE, SEGUNDO A NBR 10.151: 2000/ABNT 1- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS, VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE, SEGUNDO A NBR 10.151: 2000/ABNT 1- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA EMPRESA/RAZÃO SOCIAL: NOME DE FANTASIA: CNPJ/MF: INSCRIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS.

ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS. ANÁLISE DOS NÍVEIS SONOROS GERADOS NA OPERAÇÃO DE PCH: ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS. Luiz Felipe SILVA Professor Dr. Universidade Federal de Itajubá, IRN Mateus RICARDO Engenheiro M.Sc. Universidade

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Nível máximo de pressão sonora - (Lmax): Valor máximo de nível de pressão sonora ocorrido durante um período de medição, expresso em db(a);

Nível máximo de pressão sonora - (Lmax): Valor máximo de nível de pressão sonora ocorrido durante um período de medição, expresso em db(a); 1. INTRODUÇÃO Com o propósito de proceder a uma avaliação sumária do efeito da circulação automóvel nos níveis de ruído prevalecentes na parte mais marcadamente urbana da cidade de Aveiro, efectuaram-se

Leia mais

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db.

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Utilização de uma escala logarítmica Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Introdução Utilização de uma escala logarítmica

Leia mais

7 PASSOS PARA CONTRATAR UMA MEDIÇÃO DE RUÍDO

7 PASSOS PARA CONTRATAR UMA MEDIÇÃO DE RUÍDO INSTRUÇÕES ORIENTAÇÕES PARA PARA CONTRATAÇÃO CONTRATAÇÃO DE MEDIDAS DE MEDIÇÕES DE RUÍDO DE RUÍDO 7 PASSOS PARA CONTRATAR UMA MEDIÇÃO DE RUÍDO Muitas empresas precisam realizar monitoramento de ruído,

Leia mais

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db.

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Utilização de uma escala logarítmica Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Introdução Utilização de uma escala logarítmica

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente

Disciplina: Ciências do Ambiente Disciplina: Ciências do Ambiente Poluição Sonora 2ª Parte Prof. Fernando Porto Índice LAeq O nível de pressão sonora equivalente contínuo na escala A representa o nível de um som estacionário que, em um

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

Rogério Dias Regazzi Diretor Isegnet.com.br Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho Prof DEM/PUC-Rio Prof da Pós de SSMA/PUC-Rio Autor do Livro Perícia e Avaliação de Ruído e Calor O PROCESSO DE

Leia mais

A3 SUBLANÇOS PORTO/ÁGUAS SANTAS/MAIA/SANTO TIRSO/FAMALICÃO/CRUZ/BRAGA

A3 SUBLANÇOS PORTO/ÁGUAS SANTAS/MAIA/SANTO TIRSO/FAMALICÃO/CRUZ/BRAGA PÁG. 1 DE 35 A3 SUBLANÇOS PORTO/ÁGUAS SANTAS/MAIA/SANTO TIRSO/FAMALICÃO/CRUZ/BRAGA IEP002/0 Pág. 2 de 35 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Resumo Não Técnico (RNT), parte integrante da Memória

Leia mais

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman

ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Os requisitos de desempenho acústico do ponto de vista do projeto de Arquitetura Eng. Civil Davi Akkerman Ruídos internos e externos aos edifícios - DESEMPENHO ACÚSTICO - Normas técnicas 1) Normas Técnicas

Leia mais

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV

RELATÓRIO DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE RELATÓRIO N.º: EV Cliente: GQS Endereço: Alfeite, 2810-001 Almada Referência do Cliente: PTI 38935 Obra n.º: P538 A1489 OE 2779 Designação: Caracterização do Ruído Ambiental da ARSENAL DO ALFEITE, SA. Local de execução:

Leia mais

Como medimos nosso SPL!

Como medimos nosso SPL! Como medimos nosso SPL! Descrevemos aqui a nossa técnica utilizada para medir o nível máximo de pressão sonora linear de uma caixa acústica autoamplificada, considerando informações precisas, repetíveis

Leia mais

Avaliação do impacto ambiental da pressão sonora do entorno da Praça dos Açorianos, Porto Alegre, RS

Avaliação do impacto ambiental da pressão sonora do entorno da Praça dos Açorianos, Porto Alegre, RS Avaliação do impacto ambiental da pressão sonora do entorno da Praça dos Açorianos, Diulia Barcelos Rumpel Tecnóloga em Gestão Ambiental - IFRS Campus Porto Alegre (diuliabr@gmail.com) Danilo Franchini

Leia mais

Conforto Ambiental Sonoro - 6ARQN

Conforto Ambiental Sonoro - 6ARQN Conforto Ambiental Sonoro - 6ARQN O aumento do nível de ruídos nas cidades e reclamações da população é crescente, no entanto, os dados sobre exposição sonora e o incômodo causado à população são incipientes

Leia mais

MEDIDOR DE PRESSÃO SONORA DEC-470

MEDIDOR DE PRESSÃO SONORA DEC-470 MEDIDOR DE PRESSÃO SONORA DEC-470 1. INTRODUÇÃO O decibelímetro DEC-470 é um instrumento utilizado para realizar medição de níveis de ruído. O microfone é peça vital no circuito, sendo sua função a de

Leia mais

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Quimicryl S/A Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Avaliação Normalizada para ensaio de campo do isolamento ao som de impacto em pisos Relatório nº 16-761-EIM-E1 Este relatório

Leia mais

Regime Geral do Ruído

Regime Geral do Ruído Regime Geral do Ruído Decreto Lei 9/2007 de 17 de Janeiro 1 RUÍDO: Lei Geral NRRAE Decreto Lei 9/2007 Art.12º Decreto Lei 96/2008 [Decreto Lei 129/2002] RRAE é um regulamento de verificação em obra. 2

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS MEDIÇÃO E ANÁLISE DE RUÍDO INDUSTRIAL EM ÁREAS HABITADAS Barbara Santos Ritt 1 ; Thiago Limido Santos 2 1, 2 Universidade de Uberaba barbara_ritt@ @hotmail.com; thiago.limido@amonet.com.br Resumo O ruído

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

Avaliação do Ruído. Avaliação do Ruído. Medição do som. SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano. Nível de pressão sonora

Avaliação do Ruído. Avaliação do Ruído. Medição do som. SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano. Nível de pressão sonora SOM: Variações de pressão detectáveis pelo ouvido humano 1 Medição do som Nível de pressão sonora Nível de intensidade sonora Nível de potência sonora P amplitude das flutuações de pressão p pressão de

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 100/2009/P, de 19 de maio de 2009.

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 100/2009/P, de 19 de maio de 2009. COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL Referente ao Relatório à Diretoria Nº 012/2009/P, de 14/05/2009 Relator: Fernando Rei DECISÃO DE DIRETORIA Nº 100/2009/P, de 19 de maio de 2009. Dispõe sobre

Leia mais

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS

TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS 3 TIPOLOGIAS TÍPICAS DAS INSTALAÇÕES DE GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 3.1 Escolha das tipologias típicas das instalações de gás... 3.3 3.2 Tipologias típicas em edifícios residenciais... 3.3 3.2.1

Leia mais

MÉTODO 3R AMB. Avaliação Ambiental do Ruído Perimetral Edição: 1 Medição e Análise de Ruído para Impacto Ambiental Revisão: 1

MÉTODO 3R AMB. Avaliação Ambiental do Ruído Perimetral Edição: 1 Medição e Análise de Ruído para Impacto Ambiental Revisão: 1 N : Data: 25/04/06 Cliente: Projeto: MÉTODO 3R AMB 1 de 1 Avaliação Ambiental do Ruído Perimetral Edição: 1 Revisão: 1 Capítulo: I Avaliador: Rogério Dias Regazzi Local: - 3R BRASIL TECNOLOGIA 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

6 Validação Metrológica

6 Validação Metrológica 6 Validação Metrológica Com o propósito de facilitar o entendimento do trabalho, o capítulo apresenta conceitos básicos de metrologia e definições relacionadas ao tem objeto da investigação. 6.1. Conceitos

Leia mais

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / )

A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / ) A D A P T A Ç Ã O D O S M A P A S D E R U Í D O A O R E G U L A M E N T O G E R A L D E R U Í D O ( D E C. - L E I 9 / 2 0 0 7 ) P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L D E S Ã O P E D R O D O S U

Leia mais

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente

NP ISO :2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente NP ISO 1996 2:2011 Acústica Descrição, medição e avaliação do ruído ambiente Parte 2: Determinação dos níveis de pressão sonora do ruído ambiente 2011 03 03 1 NP ISO 1996 2:2011 7 Condições meteorológicas

Leia mais

Estudo de Impacto Sonoro no Bairro Aerolândia Trecho Raul Barbosa

Estudo de Impacto Sonoro no Bairro Aerolândia Trecho Raul Barbosa Estudo de Impacto Sonoro no Bairro Aerolândia Trecho Raul Barbosa Fortaleza - CE Solicitação e estudo complementar (SEUMA): Francisco Aurélio Chaves Brito Responsável pelo estudo (01dB): V. Becard Verificador

Leia mais

Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas. Krisdany Cavalcante

Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas. Krisdany Cavalcante Normalização Técnica Brasileira Acústica - Processo, tendências e perspectivas Krisdany Cavalcante Normalização Técnica ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos,

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura

Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Acústica Urbana Ranny L. X. Nascimento Michalski e-mail:

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert 2 Disponível em: http://www.bipm.org/en/publications/ guides/ 3 INMETRO. Vocabulário Internacional de Metrologia: conceitos fundamentais e gerais e termos associados (VIM

Leia mais

PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO

PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO Quadro de Fiscais de Obras e Posturas Rio do Sul Luiz Osvaldo Meirelles Pahl Fiscal de Obras Rafael Irineu Fachini Fiscal de Obras Ramon Thiago da Silva Kissner

Leia mais

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores,

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Ribeirão Pires, 16 de março de 2009 A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Nós, moradores do Centro Novo,

Leia mais

EXMO SR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DO TRABALHO DE CIDADE LINDA SC

EXMO SR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DO TRABALHO DE CIDADE LINDA SC EXMO SR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DO TRABALHO DE CIDADE LINDA SC RTOrd 0012345-67.2014.5.12.0009 Autor: Pedro Pedreiro Réu: B.F. Prestadora de Serviços LAUDO PERICIAL IDENTIFICAÇÃO I EMPRESA B.F.

Leia mais

YAZ - Engenharia e Serviços Ltda.

YAZ - Engenharia e Serviços Ltda. AGÊNCIA SOLICITANTE UNICRED - DEPARTAMENTO DE CRÉDITO DE CUIABÁ INTERESSADO ARAY CARLOS DA FONSECA FILHO ENDEREÇO DO IMÓVEL ENDEREÇO AVENIDA VEREADOR MÁRIO PALMA, 172 78040-640 BAIRRO JARDIM MARIANA CIDADE

Leia mais

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS: UNISINOS INSTITUTO TECNOLÓGICO EM DESEMPENHO E CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA DE DESEMPENHO E OS SISTEMAS VERTICAIS DE VEDAÇÃO DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Prof. Dr. Bernardo

Leia mais

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Comparação é a melhor definição com uma única palavra para o termo metrológico calibração. De maneira simplória, calibração nada mais

Leia mais

INCÔMODO PERCEBIDO PELOS USUÁRIOS EM TERMINAIS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO UM ESTUDO DE CASO

INCÔMODO PERCEBIDO PELOS USUÁRIOS EM TERMINAIS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO UM ESTUDO DE CASO INCÔMODO PERCEBIDO PELOS USUÁRIOS EM TERMINAIS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO UM ESTUDO DE CASO F. Rodrigues, C. A. Faria, M. C. Magalhães e M. G. Silva RESUMO Recentemente foram realizadas pesquisas de

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL 1 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Lotes 04 e 05 Quadra XXVI Prolongamento da Rua Sete de Setembro (Loteamento não implantado) Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

RESUMO NÃO TÉCNICO - PEÇA ESCRITA... 4 A - PEÇAS DESENHADAS MAPAS DE RUÍDO... 8 B - PEÇAS DESENHADAS MAPAS DE RUÍDO (DETALHE)...

RESUMO NÃO TÉCNICO - PEÇA ESCRITA... 4 A - PEÇAS DESENHADAS MAPAS DE RUÍDO... 8 B - PEÇAS DESENHADAS MAPAS DE RUÍDO (DETALHE)... ÍNDICE RESUMO NÃO TÉCNICO - PEÇA ESCRITA... 4 A - PEÇAS DESENHADAS MAPAS DE RUÍDO... 8 Desenho 01 Mapa de Ruído Indicador L den... 9 Desenho 02 Mapa de Ruído Indicador L n... 10 B - PEÇAS DESENHADAS MAPAS

Leia mais

Fernando Rosolia Dabdab Arquiteto e Urbanista CAU A

Fernando Rosolia Dabdab Arquiteto e Urbanista CAU A Arquiteto e Urbanista CAU A288-5 fls. 105 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL VIII - TATUAPÉ - SÃO PAULO SP Ação: Execução de Título Extrajudicial Processo: nº

Leia mais

INFORMAÇÃO BÁSICA PARA EDIFICAÇÕES

INFORMAÇÃO BÁSICA PARA EDIFICAÇÕES 1 / 4 Nº da Solicitação: 360615 Data Solicitação: 08/03/2016 Índice Cadastral do IPTU: 240.017E.005.001-5 IDENTIFICAÇÃO DO LOTE Regional: NOROESTE Zona Fiscal: 240 Quarteirão: 017E Lote: 005 Planta de

Leia mais

Exma. Sra. Dra. Juíza de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Marília, do Estado de São Paulo

Exma. Sra. Dra. Juíza de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Marília, do Estado de São Paulo fls. 64 Exma. Sra. Dra. Juíza de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Marília, do Estado de São Paulo Proc. n.º 1005606-42.2014.8.26.0344 ANSELMO LUIZ CAPPELAZZO, Arquiteto e Urbanista, perito nomeado

Leia mais

Av. Francisco Canhos / Travessa Luiz Padre Nosso Jaú/SP

Av. Francisco Canhos / Travessa Luiz Padre Nosso Jaú/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. Francisco Canhos / Travessa Luiz Padre Nosso Jaú/SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR TOTAL DO IMÓVEL (R$): Valor do imóvel:

Leia mais

O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ

O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ O ESTUDO DO SOM NO ENSINO MÉDIO: UMA ABORDAGEM SOBRE A POLUIÇÃO SONORA NO CENTRO COMERCIAL DE BRAGANÇA-PARÁ Daniele de Oliveira Santana, Thiago José Souza Gomes, Adriano Alves de Araujo, Gabryell Malcher

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 01 A ESCOLHA DO TERRENO

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 01 A ESCOLHA DO TERRENO TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 01 A ESCOLHA DO TERRENO Prof. Msc. Anderson Alencar Edificações - IFPA INTRODUÇÃO Toda obra ou construção começa pela escolha do terreno, portanto, é interessante verificar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4020

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4020 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO DECIBELÍMETRO MODELO DL-4020 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...1 3. ESPECIFICAÇÕES...2

Leia mais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais

Permissões de utilização do solo. Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios. Objectivos Principais Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios Decreto - Lei 96/2008 de 1 Julho 1 Objectivos Principais Estabelecer um conjunto de critérios de desempenho exigências que potenciem condições de conforto

Leia mais

Uma empresa do grupo

Uma empresa do grupo Uma empresa do grupo SOBRE O DOUTOR FACHADA UM POUCO DA HISTÓRIA IGOR ALVIM SÓCIO FUNDADOR YURI ALVIM SÓCIO FUNDADOR Após 27 anos de consultoria e projetos em esquadrias de alumínio na QMD Consultoria,

Leia mais

REL_3RBrasil_Classico_Limitador_T241854_AMB_01_2017 RELATÓRIO SIMPLIFICADO DIRETO DO LIMITADOR ACÚSTICO T (ON LINE)

REL_3RBrasil_Classico_Limitador_T241854_AMB_01_2017 RELATÓRIO SIMPLIFICADO DIRETO DO LIMITADOR ACÚSTICO T (ON LINE) RELATÓRIO SIMPLIFICADO DIRETO DO LIMITADOR ACÚSTICO T241854 (ON LINE) I. Relatório quiosque Clássico DownWind na Barra da Tijuca II. Evento no Local: página: 1 de 8 III. Informações oficiais SMU do Plano

Leia mais

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental 48 Capítulo 6 O Ruído Ambiental Os altos níveis de ruído urbano têm se transformado, nas últimas décadas, em uma das formas de poluição que mais tem preocupado os urbanistas e arquitetos. Os valores registrados

Leia mais

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC 17025 e ISO/IEC 17020 25 de setembro de 2017 Rio de Janeiro 1. Grupo K&L Desde 1990 atuando em calibrações e ensaios; 22 anos de acreditação pelo INMETRO

Leia mais

O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos. Fabio Villas Bôas

O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos. Fabio Villas Bôas O Ruído Urbano e o Desenvolvimento de Empreendimentos Fabio Villas Bôas AGENDA ACÚSTICA X AVALIAÇÃO DE TERRENOS ACÚSTICA COMO SUBSÍDIO PARA PROJETO ACÚSTICA E DESENVOLVIMENTO DA OBRA PERCEPÇÃO DO USUÁRIO

Leia mais

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA Profª Janaína Araújo PORTARIA Nº 1.141/GM5, de 8/12/1987 Plano de Zona de Proteção de Aeródromos; Plano de Zoneamento de Ruído; Plano de Zona de Proteção

Leia mais

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Até 1990, a legislação ambiental federal no Brasil se limitava a uma Portaria do Ministério do Interior (hoje extinto), muito

Leia mais

DECRETO Nº , DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

DECRETO Nº , DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 DECRETO Nº 14.824, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 REGULAMENTA a Lei nº 7.733, de 14 de outubro de 1998, no que se refere aos padrões de emissão e controle da poluição sonora nas atividades urbanas. JOÃO AVAMILENO,

Leia mais

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos.

Qualidade de vida. Sustentabilidade. Tecnologia. Trabalhando a favor do bem-estar. Conforto acústico é saúde para todos. Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. Palestra Acústica Arquitetônica OFFICE

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

Leia mais

CALIBRADOR DE NÍVEL SONORO MSL-1326

CALIBRADOR DE NÍVEL SONORO MSL-1326 CALIBRADOR DE NÍVEL SONORO MSL-1326 MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 1.1 Condições Ambientais... 02 1.2 Simbolos de Segurança... 02 2. DESCRIÇÃO... 02 2.1 Características...

Leia mais

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública Alfred Szwarc Seminário O Impacto da Poluição na Saúde Pública São Paulo 21/09/2009 Som e Ruído Som é a sensação auditiva resultante da propagação de vibrações

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

Fernando Rosolia Dabdab Arquiteto e Urbanista CAU A

Fernando Rosolia Dabdab Arquiteto e Urbanista CAU A fls. 59 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL VIII - TATUAPÉ - SÃO PAULO SP Ação: Cumprimento de Sentença Processo: nº 1001373-27.2015.8.26.0001 Requerente: Condomínio

Leia mais

Terminologia e conceitos de Metrologia

Terminologia e conceitos de Metrologia A U A UL LA Terminologia e conceitos de Metrologia Um problema Muitas vezes, uma área ocupacional apresenta problemas de compreensão devido à falta de clareza dos termos empregados e dos conceitos básicos.

Leia mais

LEGISLAÇÕES E ACÚSTICA URBANA: OUVINDO OS TEMPLOS NA CIDADE DE MACEIÓ. P. L. Oliveira, M. L. G. R. Oiticica

LEGISLAÇÕES E ACÚSTICA URBANA: OUVINDO OS TEMPLOS NA CIDADE DE MACEIÓ. P. L. Oliveira, M. L. G. R. Oiticica LEGISLAÇÕES E ACÚSTICA URBANA: OUVINDO OS TEMPLOS NA CIDADE DE MACEIÓ P. L. Oliveira, M. L. G. R. Oiticica RESUMO É crescente a quantidade de templos na cidade contemporânea. A diversidade de religiões

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios.

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios. Módulo 2 Requisitos Legais 2.1. Identificação da Legislação Aplicável. 2.2. Requisito 4.3.1. da norma ISO 14001. Exercícios. 2.1. Identificação da Legislação Aplicável Aspectos e Impactos Ambientais Identificação

Leia mais

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A.

Cliente: Infraestruturas de Portugal, S.A. Infraestruturas de Portugal, S.A Plano de Ação Resumo Não Técnico IC10 Santarém / Almeirim (N118) Relatório nº AG/08/0424-5RNT Página 1 de 11 IC10 Santarém / Almeirim (N118) PLANO DE AÇÃO Resumo Não Técnico

Leia mais

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA

A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA PÁG. 1 DE 12 A14 SUBLANÇOS FIGUEIRA DA FOZ/VILA VERDE/SANTA EULÁLIA IEP002/0 Pág. 2 de 12 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Resumo Não Técnico (RNT), parte integrante da Memória Descritiva,

Leia mais

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Serviços preliminares de construção Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Atividades prévias que devem ser realizadas antes da construção de um edifício: Verificação da disponibilidade de

Leia mais

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração.

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. ERROS DE MEDIÇÃO Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. Imaginando o caso da balança, após estabelecer os erros sistemáticos e aleatórios, poderíamos conviver com os erros efetuando um fator de correção

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS Felipe Mendes Silva Guilherme Carmo Isoppo Isla Folchini Pereira Jorge Henrique Bortolloto de Oliveira Thiago Silva

Leia mais

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Ministrantes Sérgio Soares da Silva Técnico Ambiental de Eng.ª Sanitária - MPGO Engº Sanitarista e Ambiental Esp. em Eng. De Segurança do Trabalho Programação Conceito

Leia mais

Ruído Urbano: Estudo da Poluição Sonora na Rua Laudelino Freire em Lagarto- Se

Ruído Urbano: Estudo da Poluição Sonora na Rua Laudelino Freire em Lagarto- Se Ruído Urbano: Estudo da Poluição Sonora na Rua Laudelino Freire em Lagarto- Se Jonh Yago Erikson Santos 1, Isaú de Souza Alves Júnior 1, Ricardo Monteiro Rocha 2 1 Estudantes do Curso Técnico em Eletromecânica

Leia mais

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49 Projetos Elétricos Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos Novembro 2016 01/07/2016 1 / 49 Introdução Simbologia; Desenho das iluminações e tomadas em uma planta baixa; Quadro Geral Critérios

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Antônio Gonçalves, s/n Bairro Centro Campo Formoso-BA Praça da Bandeira 55 Centro Campo Formoso-BA CNPJ 13.908.702/ 0001-10/Tel.: (74)3645-1523/3645-1524 www.campoformoso.ba.gov.br

Leia mais

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES 1 2 Clientes: ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA 3 CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS 4 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES 5 6 7 Três anos depois de entrar em vigor, a

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO

MANUAL DE OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO BARREIRA INFRAVERMELHO FEIXE ÚNICO D50-1 MANUAL DE OPERAÇÃO E FUNCIONAMENTO DECIBEL DESCRIÇÃO: A barreira I.V.A. feixe único D50-1 é recomendada em automações de portões, ao ser interrompida abre ou fecha

Leia mais

Adriana Lorenzo dos Santos Aluna de graduação FAU bolsista FAPERJ. Orientadores: Claudia Mariz de Lyra Barroso Krause Ingrid Chagas Leite da Fonseca

Adriana Lorenzo dos Santos Aluna de graduação FAU bolsista FAPERJ. Orientadores: Claudia Mariz de Lyra Barroso Krause Ingrid Chagas Leite da Fonseca POTENCIAL DE REDUÇÃO DO CONSUMO ENERGÉTICO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS, FRENTE À REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA PARA NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO SETOR (RTQ-R) Adriana Lorenzo dos Santos

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE PONTE DA BARCA

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE PONTE DA BARCA MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE PONTE DA BARCA RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director Técnico Márcia Melro, Técnica Superior RUA ENG. FREDERICO ULRICH, 1583, 1º ESQ.,

Leia mais