PALAVRAS-CHAVE: democracia; liberalismo; povo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE: democracia; liberalismo; povo."

Transcrição

1 QUAL DEMOCRACIA? Daury César Fabriz 1 RESUMO O presente estudo centra-se na análise da democracia moderna, tendo por base, as críticas à Democracia Liberal realizada por Schimit, confrontando essa análise com a idéia de Democracia que hoje vem sendo construída no mundo contemporâneo. A partir da compreensão de povo formulada por Müller, busca-se verificar as novas tendências do direito político no âmbito do Estado Democrático de Direito. PALAVRAS-CHAVE: democracia; liberalismo; povo. 1 INTRODUÇÃO Aquestão da democracia tem sido, na atualidade, retomada com vigor, pois vem sendo alvo de atenções e estudos de vários segmentos da sociedade que têm se mobilizado em torno dessa idéia, na busca por direitos, por maior participação na vida pública e por justiça social. A expansão dos direitos de cidadania e as novas exigências do mundo moderno obrigam-nos a uma avaliação das reais dimensões que toma hoje o regime democrático no âmbito do Estado nacional. Conforme indica José Luiz Quadros de Magalhães, 2 a idéia de democracia vincula-se à idéia de democratização do Estado, implicando a idéia de representação em alguns órgãos estatais. No entan- 1 Advogado, Mestre e Doutor em Direito Constitucional e Professor da FDV e da UFES. 2 MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Poder municipal: paradigmas para o Estado constitucional brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 1997, p. 39. revista_depoimentos_07_revisao.p65 57

2 DAURY CÉSAR FABRIZ to a democracia direta, segundo alguns autores, torna-se, até certo ponto, inviável, na medida em que as populações nas grandes cidades contemporâneas apresentam-se em grandes proporções. Por outro lado, a adoção de mecanismos de democracia semidireta, como o plebiscito, o referendo, a iniciativa popular de leis e o veto popular, muitas vezes são utilizados como formas de manutenção de governos autoritários no poder. A palavra democracia pertence ao vocabulário ideológico, mas tem também um conteúdo analítico atestado pelo lugar que ocupa no vocabulário dos filósofos, dos politicólogos, dos sociólogos e dos juristas, principalmente os constitucionalistas. Assim, uma primeira questão, a ser inserida na fase introdutória deste estudo é saber se se utiliza a palavra no mesmo sentido quando se diz que a Atenas do século V era uma democracia e quando se fala hoje das grandes democracias ocidentais. As diferenças saltam aos olhos. O regime ateniense distinguia-se pelo caráter direto do governo popular. Era a assembléia dos cidadãos, cujo número nunca excedeu 20 mil pessoas, que decidia diretamente pela pluralidade dos sufrágios sobre os negócios públicos. 3 Na clássica Atenas, a cidadania era restrita aos homens livres, que eram minoria, com a exclusão dos escravos e metecos. É verdade que os magistrados exerciam uma influência maior sobre a direção do Estado. Não eram, como Rousseau procurou por vezes nos fazer crer, simples empregados, mas sim, muitos deles, demagogos, isto é, empresários políticos. No entanto, ressalvadas algumas situações, Atenas era uma democracia direta, onde o conjunto dos cidadãos, que constituíam apenas uma minoria da população, exercia a soberania. Benjamin Constant opôs radicalmente essa forma de democracia à que se observa nas instituições políticas da Europa moderna, caracterizada por uma forma representativa e pluralista. Tal forma democrática presta-se menos a instituir o reino de uma muito hipotética vontade geral, do que a agenciar ou tramar mecanismos de controle pelos quais os governantes são mantidos com réde- 3 BOUDON. R; BOURRICAUD. F. Dicionário crítico de sociologia. São Paulo: Ática, 1993, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 58

3 Qual democracia? as mais ou menos curtas pelos governados. Esse regime político associa-se a um Estado social caracterizado por uma divisão social do trabalho muito desenvolvida pela existência de uma sociedade civil, em que os burgueses dão expressão legítima à diversidade de seus interesses e de suas opiniões. 4 Com essa distinção entre democracia direta e democracia representativa, Benjamin Constant visou desqualificar o absolutismo que ele detectava na concepção russoniana da vontade geral, com suas reminiscências romanas e espartanas, e opor a essa concepção uma outra prática, sensata, da democracia à inglesa. Podese chamar liberal a concepção defendida por Benjamin Constant, que toma como referência os modelos inglês e americano, e radical a que ele atribui a Rousseau. Esse conflito diz respeito tanto aos princípios da organização política quanto às modalidades da ordem institucional. As democracias são levadas a arbitrar, do ponto de vista da hierarquia dos valores cuja realização elas propõem, entre os três termos da divisão francesa liberdade, igualdade, fraternidade. A democracia liberal dá prioridade à liberdade, entendida como independência, e não interferência, da autoridade na esfera dos interesses privados salvo por motivo de utilidade pública devida e contraditoriamente reconhecida. A igualdade, entendida como ausência de privilégios, é valorizada na medida em que aparece como condição favorável à realização da independência e da autonomia pessoais. No que se refere à fraternidade, exige uma comunidade politicamente solidária, resultante mais do respeito e da consideração que se atribuem aos indivíduos iguais e livres do que de sua fusão ou de sua assimilação, tidas como suspeitas e ilusórias. De acordo com a hierarquia dos valores característicos de uma democracia radical, é a igualdade que tem prioridade. A liberdade é considerada suspeita em razão de suas origens aristocráticas. A fraternidade, em lugar de ser aproximada à cooperação e ao contrato, é tida como sinônimo de civismo; é a unidade de um organismo 4 Ibidem, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 59

4 DAURY CÉSAR FABRIZ político, em que as diferenças são toleradas somente se não colocarem em perigo a solidez de um tecido social homogêneo. Chantal Mouff, 5 em relação à democracia radical, nos coloca a seguinte questão: a democracia radical é moderna ou pós-moderna? Nos desdobramentos argumentativos, em busca de uma solução à proposição, especula a citada autora se, nos anos crepusculares do século XX, será de alguma forma significativo invocar os ideais do Iluminismo que subjazem ao projeto de transformação da sociedade. Em resposta, diz que, sem dúvida, estamos a viver a crise do imaginário jacobino que, de diversas formas, caracterizou a política revolucionária dos últimos duzentos anos. No entendimento de Chantal Mouff, no centro do conceito de modernidade política, é importante distinguir duas tradições, a liberal e a democrática, as quais só foram articuladas no século XIX e, portanto, não estão necessariamente relacionadas sob qualquer forma. Ainda segundo Mouff, seria um erro confundir modernidade política com modernidade social no processo de modernização levado a cabo sob o crescente domínio das relações de produção capitalistas. Nas palavras da autora: Se não conseguimos traçar esta distinção entre democracia e liberalismo, entre liberalismo político e liberalismo econômico; se misturamos todas estas noções sob a designação de liberalismo, então, sob o pretexto de defendermos a modernidade, seremos levados a uma apologia pura e simples das instituições e práticas das democracias ricas do Atlântico Norte que não deixa espaço para uma crítica que nos permita transformá-las. 6 Chantal Mouff 7 propõe um confronto com o liberalismo burguês pós-modernista, lançando, então, em perspectiva um projeto de uma democracia radical e plural, propugnando uma reformulação do projeto socialista que evite simultaneamente as armadilhas do socialismo marxista e da social-democracia. Nesses termos, um tal projeto, segundo a citada autora, poderia ser definido simultaneamente como moderno e pós-moderno, perseguindo o não proje- 5 MOUFF, Chantal. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1996, p MOUFF, Chantal. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1996, p Ibidem, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 60

5 Qual democracia? to realizado pela modernidade e, ao contrário de Habermas, verificando que as searas epistemológicas do Iluminismo já não têm qualquer papel a desempenhar no âmbito deste projeto. Em seu artigo Teoria Política, 8 ao estabelecer uma análise da democracia contemporânea, com e contra Carl Shmitt, Chantal Mouff indaga sobre a natureza da democracia pluralista, ao mesmo tempo em que investe na propalada vitória definitiva da democracia liberal, entendendo que foi no ocidente que se realizou a articulação entre liberalismo e democracia, que deu origem à democracia pluralista. É o produto de uma história, de uma cultura e de toda uma série de condições que não são fáceis de reproduzir. Ela segue afirmando que Um tal modelo é certamente universal, mas sua universalidade reside no fato de que ele pode ser universalizado, o que não significa autorizar a sua instauração pela força. É necessário desconfiar da sua instauração pela força. É necessário desconfiar de um universalismo que seria a negação do pluralismo e que, em nome de valores universais, objetivasse, de fato, impor sua própria visão particular. 9 Carl Schmitt 10 estabelece que, com a crise do Estado liberal burguês, ocorrem, no fluxo, três crises: a crise do Estado moderno, a crise da democracia e a crise do parlamentarismo. Observa-se, através da leitura de Teoria de la Constitucion, de Carl Schmitt, que o Estado liberal burguês traz na sua essência uma contradição entre o princípio democrático e o princípio liberal, à qual já nos referimos através das indicações de Chantal Mouff. Esta contradição é melhor compreendida a partir da Primeira Grande Guerra Mundial. Como veremos em capítulo dedicado às suas análises, Schmitt destaca constantemente esta contradição, realizando, a partir desta brecha, uma crítica ao Estado liberal burguês. O núcleo essencial do liberalismo é a defesa da pessoa humana e seus direitos fundamentais frente ao Estado. A liberdade do indivíduo é, em princípio e por natureza, ilimitada. O poder do 8 Idem. Teoria política. In: Caderno da Escola do Legislativo, Belo Horizonte, n. 2, p , jul.-dez MOUFF, Chantal. Teoria política. In: Caderno da Escola do Legislativo, Belo Horizonte, n. 2, p , jul.-dez p SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, revista_depoimentos_07_revisao.p65 61

6 DAURY CÉSAR FABRIZ Estado é, em contrapartida, limitado. Por esta razão, é preciso dividi-lo em uma série de poderes, de competências circunscritas, de modo que uns e outros estabeleçam freios e contrapesos, garantindo, assim, a liberdade individual. Já a democracia, por sua vez, não repousa na liberdade individual, mas no pensamento de igualdade. Não se trata de igualdade humana de maneira geral, uma vez que esta também corresponde ao princípio da liberdade, na medida em que a afirmação de que todos os homens são iguais não se pode induzir a qualquer forma política. A igualdade democrática não é, portanto, uma igualdade geral humana, mas uma igualdade baseada no sentido de pertencer a um povo determinado. Na democracia clássica, os gregos não eram iguais aos bárbaros. Dessa forma, o elemento que determina que um indivíduo pertence a um determinado povo também é o elemento que determina a homogeneidade substancial desse povo. Tal elemento pode ser de índoles diversas raça, religião, cultura, tradições comuns, classe econômica e, ao alcançar um nível tal de densidade e intensidade, determina ao agrupamento os amigos e os inimigos. 11 Assim, a partir da Revolução Francesa, o elemento que motiva a homogeneidade substancial do povo é o fato de os indivíduos pertencerem a uma mesma nação. Sua igualdade democrática se funda, assim, na homogeneidade nacional, logo nação francesa é uma criação dos revolucionários franceses. No curso da história constitucional européia, a democracia demonstra uma especial característica para unir-se com tendências políticas mais diversas e heterogêneas, por exemplo: com o socialismo, formou a social-democracia; com o liberalismo, confundiu o Estado liberal; Napoleão III foi confundido com uma monarquia conservadora e racionária. Isto leva Schmitt a compreender a democracia como um regime sem conteúdo político algum, sendo tão só uma forma de organização. 12 Identifica-se, assim, um dos motivos da crise do Estado moderno: a democracia de massa não pode realizar qualquer forma estatal, 11 SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Direito Privado, p SCHMITT, Carl. apud CAAMAÑO MARTINEZ, José. El pensamiento jurídico-político de Carl Schmitt. La Coruña: Moret, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 62

7 Qual democracia? tampouco qualquer Estado democrático. Outro motivo, que anteriormente já mencionamos, é a antítese entre liberalismo e democracia. O contraste insuperável entre democracia e liberalismo é, em última instância, segundo este autor, um contraste insuperável de consciência humana individual e homogeneidade democrática. Este contraste manifesta-se em múltiplos e importantes atos da vida política estatal. O voto secreto é, por exemplo, uma garantia da liberdade da pessoa humana que advém do princípio liberal, mas que se encontra em contradição com o princípio democrático, na medida em que o liberalismo dissolve a vontade pública em uma soma de vontades privadas. Mas a vontade política é a vontade pública. O povo, dessa maneira, torna-se um conceito de direito público, e o público somente se realiza na esfera da publicidade. Por isso, a aclamação, e não a votação secreta, é um procedimento autenticamente democrático. 13 Em Schmitt, a democracia se define como a identidade de governantes e governados. A democracia consiste no fato de que os que mandam são os mesmos que obedecem. Assim, a democracia apóia-se numa série de identidades: identidade de governantes e governados, de dominados e dominadores, de povo e parlamento, de maioria e minoria, de Estado e povo, de quantitativo (maioria) e qualitativo (justiça e lei). No entanto adverte Schmitt que estas identidades não são mais que presunções que têm maior ou menor realidade, sem alcançar a realidade completa. 14 Assim, põe-se em relevo a questão da formação da vontade do povo, ou seja, da formação da opinião pública que se encontra nesta vontade. Do até aqui exposto, verifica-se que a questão da democracia possibilita uma multiplicidade de análises, a partir das quais podemos traçar um perfil da democracia contemporânea, circunscrita nos limites do paradigma do Estado Democrático de Direito, propugnado por algumas soluções, a fim de viabilizar uma real democracia pluralista. A perspectiva de José Luiz Quadros de Maga- 13 CAAMAÑO MARTINEZ, José. El pensamiento jurídico-político de Carl Schmitt. La Coruña: Moret, p CAAMAÑO MARTINEZ, José. El pensamiento jurídico-político de Carl Schmitt. La Coruña: Moret, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 63

8 DAURY CÉSAR FABRIZ lhães propõe uma nova visão de Estado como um espaço efetivamente democrático, onde possamos pensar a democracia não apenas como voto para a representação do Estado, mas também como construção de canais de comunicação da sociedade organizada. Todo o espaço existente dentro do Estado deve estar organizado de forma a permitir que a sociedade se manifeste. 15 Para tais objetivos, trabalharemos, no plano do presente artigo, basicamente com dois autores que examinaram o fenômeno da democracia, quais sejam: Carl Schmitt e Friedrich Müller. A partir de tais incursões pelas obras dos citados autores-base, buscaremos, na medida do possível, questionar a democracia hoje no sentido de concluir com algumas reflexões acerca da democracia no Estado democrático de Direito e a democracia que queremos, em toda sua amplitude. 2 A QUESTÃO DA DEMOCRACIA EM CARL SCHMITT Schmitt visualiza a democracia como uma forma política que compreende o princípio da identidade entre povos em sua existência concreta consigo mesmos, como unidade política. 16 Conforme Schmitt, o povo é portador do poder constituinte, outorgando-se a si mesmo uma constituição. Nesse sentido, a palavra democracia pode indicar um método para o exercício de certas atividades estatais. Em decorrência, designa uma forma de governo e de legislação, significando, ainda, que, no sistema de distinção de poderes, o legislativo ou o executivo organizam-se segundo princípios democráticos com uma participação o mais ampla possível dos cidadãos. 17 Para aqueles que defendem a democracia como o império da maioria, essa maioria é composta pelos cidadãos ativos, ou seja, com direito a voto, de tal maneira que não há necessidade dessa maioria compreender a maioria dos súditos do Estado, tampouco a maioria dos habitantes do seu território. Nessa perspectiva, ao se falar em maioria, pode-se fazer referência a muitas distintas classes de maio- 15 MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Poder municipal: paradigmas para o Estado constitucional brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 1997., p SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1927, p Ibidem, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 64

9 Qual democracia? ria, quais sejam: a maioria dos cidadãos ativos participantes do sufrágio, a maioria de todos os cidadãos ativos sem atender a participação no sufrágio, a maioria dos súditos do Estado, ou, ainda, a maioria da população de um país. 18 De outro modo, os princípios da igualdade e da liberdade são citados ou ligados ao conceito de democracia. Para Schmitt, os mesmos são instâncias distintas, na medida em que os mesmos são contrapostos, tanto nos seus conteúdos, quanto nos seus efeitos. A palavra liberdade, segundo Schmitt, é empregada no sentido de uma liberdade individual, que corresponde por natureza a todo homem. No entanto, no âmbito do Estado de direito, da Constituição moderna, o elemento liberdade surge como um princípio formal. Nessa perspectiva, todos são iguais, igualmente livres. 19 No que se refere à questão da igualdade, a esta não basta, para o conceito de democracia, qualquer igualdade geral ou indiferente que se encontre dada. Faz-se necessário atentar para a sua substância, para o valor inserido na mesma. Nesse sentido, a forma política específica da democracia somente pode basear-se num conceito específico e substancial de igualdade. Schmitt argumenta que a igualdade de todos aqueles que detêm uma figura humana não pode oferecer fundamento nem a um Estado, nem a uma forma política, nem a uma forma de governo. O conceito democrático deve relacionar-se com a possibilidade de uma distinção. 20 Eis aí o cerne da questão da democracia em Schmitt. A igualdade a partir da diferenciação. Para Schmitt, o conceito democrático de igualdade é um conceito político e, como todo conceito político autêntico, deve se relacionar com a possibilidade de uma distinção. Por isso a democracia política não pode se basear na distinção de todos os homens, mas na distinção de um determinado povo, ou seja, a igualdade que corresponde à essência da democracia se dirige ao interior de um determinado Estado. Dentro de um Estado democrático, são iguais 18 Ibidem, p Ibidem, p SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1927, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 65

10 DAURY CÉSAR FABRIZ todos os súditos. Nessa perspectiva, deduzem-se os efeitos jurídicos e políticos, ou seja, quem não é súdito do Estado não pode ingressar no jogo para essa igualdade democrática. 21 Esta igualdade democrática, segundo Schmitt, constitui-se no pressuposto de todas as outras igualdades, quais sejam: igualdade diante da lei, voto igual, sufrágio universal, serviço militar obrigatório, igualdade para o acesso aos cargos públicos. A igualdade democrática torna-se, assim, uma igualdade substancial. Nessa medida, todos os cidadãos podem desfrutar da igualdade e ser tratados como iguais, uma vez que têm igualdade ante o sufrágio, ante da lei, etc., quer dizer, participam da substância dessa igualdade. Em conseqüência, a igualdade democrática é, em essência, homogeneidade e, por certo, homogeneidade do povo. Assim, o conceito central de democracia é povo, e não humanidade. Se a democracia há de ser uma forma política, há somente democracia do povo e não democracia da humanidade. Nesse contexto, democracia, segundo Schmitt, é a identidade de dominadores e dominados, de governantes e governados, dos que mandam e dos que obedecem. 22 Essa definição resulta da substância da igualdade, que é o suposto essencial da democracia. Em uma democracia, a inevitável diferença prática entre governante e governados não pode passar a ser uma distinção e singularização qualitativa das pessoas que governam. Quem governa em uma democracia não o faz porque é superior a uma massa inferior e menos valiosa. Certamente isto suprimiria a homogeneidade e a identidade democrática. Uma maior virtude e maior capacidade podem induzir de modo razoável o povo a imputar a direção ou governo àqueles de seus membros que pareçam virtuosos e capacitados. Mas, em tal situação, governa-se somente porque há a confiança do povo. Não há nenhuma autoridade nata ou advinda de uma natureza especial. Se o povo elege os melhores e mais virtuosos, tanto melhor, escreve Schmitt. Em decorrência, aqueles que governam são dife- 21 Ibidem, p Ibidem, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 66

11 Qual democracia? renciados pelo povo e se autodiferenciam frente a este mesmo povo, mas não porque estão acima dele. 23 O povo, no âmbito da democracia, é o sujeito do poder constituinte. Toda constituição, segundo a concepção democrática, se baseia na decisão política concreta do povo dotado de capacidade política. O conceito de decisão é utilizado por Schmitt como crítica ao Estado liberal. Conforme analisa José Caamaño Martinez, as construções da teoria liberal não passaram de intentos na substituição pelo império das normas, do mando e do poder de homens concretos. Por outro lado, conforme o mesmo autor, as circunstâncias históricas se alteraram profundamente, sendo muito diferentes das que presidiram ao nascimento das instituições liberais, de maneira que estas perderam o sentido e se desnaturalizaram. 24 Assim, os primeiros liberais falavam em soberania da Constituição; mas, na realidade, o motivo era que, em França, no tempo da restauração, com essa afirmação, queriam iludir o povo de que este era o soberano e de que frente a ele se elevava a Constituição soberana que continha as garantias dos direitos individuais. Nessa perspectiva, o Estado de direito burguês tratou de substituir o império dos homens concretos pelo império das normas. 25 O princípio liberal apega-se à tese de que os direitos do indivíduo são anteriores e superiores ao Estado. Nesse contexto, busca-se evitar que o Estado possa invadir ou desconhecer os mesmos. Trata de garantir a máxima esfera de liberdade de uma pessoa. O sistema político verdadeiramente representativo do Estado liberal burguês é o parlamentarismo, o qual é uma combinação relativizada e combinada de distintos elementos políticos formais. O sistema parlamentar, para Schmitt, constitui-se em uma forma de aristocracia e de oligarquia, tendo-se em conta que a aristocracia já é em si mesma um status misto SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1927, p CAAMAÑO MARTINEZ, José. El pensamiento jurídico-político de Carl Schmitt. La Coruña: Moret, p Ibidem, p CAAMAÑO MARTINEZ, José. El pensamiento jurídico-político de Carl Schmitt. La Coruña: Moret, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 67

12 DAURY CÉSAR FABRIZ A forma política da aristocracia se fundamenta no pensamento da representação, cujo princípio se baseia não em uma única pessoa, mas sim em uma pluralidade de pessoas. Conforme Schmitt 27 a constituição moderna do Estado burguês de direito emprega de dois modos os elementos formais do princípio aristocrático. Primeiro, o império do parlamento é um sistema que, quando não é aristocrático, é oligárquico. Segundo, pode utilizar-se de elementos formais e estruturais como meios de organização de contrapesos de poderes, nivelando, por exemplo, elementos democráticos e monárquicos. O elemento monárquico é especialmente adequado à constituição do Executivo e a tal fim se emprega, intercalando-se o elemento aristocrático em uma organização de divisão de poderes no Legislativo, contrapondo-se dentro deste poder uma Câmara Alta, mais ou menos aristocrática, à câmara baixa, concebida democraticamente. Assim surge, segundo Schmitt, o sistema bicameral da moderna constituição do Estado de direito. Conforme Schmitt, na introdução do sistema bicameral na maior parte dos Estados do continente europeu, foi decisivo o modelo inglês, uma vez que esse sistema tinha uma especial evidência para as idéias liberais do século XIX, ou seja, estava em consonância com o princípio da distinção de poderes, oferecendo, ainda, a possibilidade de proteger o poder social de certos estamentos e classes contra uma democracia radical. Por isso se opuseram, em igual maneira, pretensões tanto liberais como conservadoras. Isso explica, segundo Schmitt, a grande difusão do sistema em países como Alemanha e França, que consideraram prudente um sistema bicameral, construindo-o de diversas maneiras. Conforme este autor, a lógica política de uma democracia há de contradizer o sistema bicameral, pois a democracia se baseia no suposto da identidade do povo em sua unidade. Uma segunda câmara, independente de toda significação política, colocaria em perigo o caráter unitário do povo em sua totalidade, introduzindo um 27 SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1927, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 68

13 Qual democracia? dualismo precisamente para o legislativo, que passa a ser expressão da vontade geral, em um sentido especial. Quando uma constituição quer acentuar bem a soberania de uma nação una e indivisível, e ainda que porventura demonstre receios políticos ante o poder social de uma aristocracia, o sistema unilateral deverá ser praticado com rigor. Afirma Schmitt que, para uma constituição democrática, a questão do sistema bicameral se reduz a uma clara alternativa: ou se encontra nessa segunda câmara uma expressão digna de apreciação pelo povo através de uma especial formação, de uma especial experiência, idade, riqueza ou propriedade ou então não se vê o porquê na formação de uma câmara especial. Quanto aos tipos históricos do sistema bicameral, Schmitt indica inicialmente o sistema inglês. De acordo com ele, a maior parte dos países do continente europeu introduziu o sistema Bicameral, imitando o modelo inglês e sofrendo ainda forte influência das idéias de Montesquieu, que preconizava que Há sempre em um estado homens que se distinguem por seu nascimento, riqueza e posição, que acabam por determinar a legislação, tendo em conta os seus especiais interesses. Dessas idéias, resultou uma câmara de pares aristocrática, um corpo de nobres, ou câmara de senhores, colocada junto a uma representação popular propriamente dita. Assim se deu com a Carta francesa de 1814 e a Constituição Prussiana de 1850, nas quais o poder legislativo era exercido em comum pelo rei e pelas câmaras. No âmbito das várias possibilidades para a formação de uma instituição independente com significação política, Schmitt comenta sobre uma estrutura bicameral, baseada na união de uma câmara econômica com outra câmara política, ou de um parlamento econômico com um parlamento puramente político, o que introduz no âmbito institucional parlamentar a contradição entre capital e trabalho. Significa uma contraposição de classes. No entanto, conforme Schmitt, a decisão sempre pertencerá ao político, qualquer que seja a decisão. Lembra ele, que a Constituição de Weimar introduziu em seu artigo 165 um Conselho Econômico do Reich, concebido como a organização destinada a compendiar um sistema de representações de 69 revista_depoimentos_07_revisao.p65 69

14 DAURY CÉSAR FABRIZ 70 trabalhadores e empregados em relação com os Conselhos Econômicos representados por patrões e empregados, de maneira paritária. No entanto o Conselho Econômico de 1919, com base no ponto de vista da divisão de poderes, não constituía uma câmara especial, uma vez que seus representantes não estavam ligados a mandatos. Também não constituía um parlamento econômico independente, uma vez que não tinha independência para ditar normas econômicas. Esse conselho econômico funcionava apenas como um órgão opinativo. Conforme Schmitt, o conselho econômico do Reich, instituído pela Constituição de Weimar, não foi nem uma segunda câmara, nem um parlamento econômico. No tocante às competências e faculdades da Câmara Alta, encontram-se estas no terreno da legislação. O modelo inglês transferiu também à Câmara Alta outras competências, em particular a administração da justiça, principalmente a justiça política. No que se refere à participação da Câmara Alta na elaboração das leis, têm-se o seguinte: segundo o sentido originário do sistema bicameral, a lei surge por acordo entre ambas as câmaras, que detêm iguais direitos relativos à iniciativa das leis, ressalvando as singularidades de cada sistema, cuja iniciativa de algumas leis específicas resguarda-se a uma determinada câmara. Uma outra atribuição da Câmara Alta está na sua constituição como Tribunal de Justiça Política. Em algumas leis constitucionais, se atribui uma competência peculiar para a Câmara Alta para processos políticos, segundo o método inglês. A constituição de Weimar não conheceu esta espécie de justiça política a cargo de um corpo legislativo. Também a Câmara Alta é protetora da constituição, ou seja, tribunal para conflitos constitucionais de leis e decretos. Como exemplo clássico, fornecido por Schmitt, temos a instituição do Senado Conservador, que podia declarar a inconstitucionalidade das leis, uma das características das constituições do Império Francês. As Câmaras do sistema bicameral formam, juntas, o parlamento. O caso de responsabilidade política do governo frente ao parlamento exige uma resolução conjunta das duas câmaras. O Parlamento apóia-se no aproveitamento e na mesclagem de elementos políticos distintos, inclusive contrapostos, ou seja, utiliza construções monárquicas para robustecer o Poder Executivo (goverrevista_depoimentos_07_revisao.p65 70

15 Qual democracia? no), para colocar-se em posição de equilíbrio frente ao parlamento. Aplica as idéias aristocráticas para um corpo representativo, sendo que, em alguns países, aplicam-se também ao sistema bicameral as concepções democráticas, segundo as quais o poder de decisão cabe ao povo. Através do voto direto, o povo apresenta-se entre o parlamento e o governo como um terceiro superior. O sistema Parlamentarista 28 leva à mescla típica, conforme Schmitt, que caracteriza o Estado de direito burguês, ou seja, princípios políticos-formais intercalados aos elementos monárquicos, aristocráticos e democráticos, a serviço de um equilíbrio delicado. Em outras palavras, este sistema não se caracteriza por uma forma política independente, nem mesmo uma forma especial de governo, mas por um sistema de utilização e mescla de distintas formas de governo (elemento político) e legislação (elemento formal). Conforme Schmitt, este sistema de equilíbrio delicado de formas políticas, em que se aproveitam uns juntos aos outros, sob o ponto de vista da identidade como o da representação, alinhado a elementos estruturais tanto monárquicos como aristocráticos e democráticos, corresponde a um modo singular das tendências políticas da burguesia liberal e do estado burguês de direito, ou seja, mediante a mescla e o equilíbrio de forças, evita-se todo absolutismo, seja da monarquia, da democracia ou do parlamento misto, isto é, de uma aristocracia ou oligarquia. Em relação ao aproveitamento dos diversos elementos políticosformais que o parlamentarismo possa vir a adotar, são várias as espécies de direção política e conseqüências, quais sejam: a) quando predomina o elemento monárquico e o pensamento da representação da unidade política passa por um único homem, pode o sistema parlamentar deixar aberta a possibilidade do sistema presidencial, em que o chefe do executivo participa com independência em relação à direção política; 28 Vale ressaltar o fato de que Schmitt usa o termo parlamentarismo não como o conhecemos hoje, isto é, no sentido de sistema de governo. O termo é utilizado pelo autor em estudo como uma configuração caracterizadora do Estado de direito burguês. (Cf. SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho privado, 1927, p. 52 et. segs.). 71 revista_depoimentos_07_revisao.p65 71

16 DAURY CÉSAR FABRIZ b) quando predomina o sistema aristocrático ou oligárquico, no domínio do parlamento, este se apresenta como sistema parlamentar em sentido estrito, em que a maioria do corpo legislativo tem a direção política e determina a linha e diretrizes políticas; c) quando o chefe dessa maioria parlamentar tem direção política, nos encontramos ante um sistema de premier, o qual envolve uma forma forte de representação; d) quando o chefe do partido e presidente do Conselho de Ministros que tem a direção política, há um ministério de coligação formado por distintos partidos. Deve-se designar essa última forma de sistema de gabinete. Conforme salienta Schmitt, os Estados do continente europeu, sobretudo a França e a Alemanha, estabeleceram partidos democráticos em contraposição aos governos monárquicos, preconizando a parlamentarização do governo como programa. Já na Inglaterra, o Governo parlamentarista de gabinete desenvolveu-se paulatinamente em transformações suaves, com base em diversos precedentes, sem um plano consciente, mediante a relação do parlamento com uma dinastia que aquele parlamento havia chamado ao trono. Na Alemanha, por exemplo, o governo monárquico, no século XIX, detinha um poder independente, fundado no exército e na burocracia, o que requeria ser obrigado, por uma revolução da burguesia, a limitar e, por último, declinar de seus domínios. Por isso houve necessidade de um programa de princípios e de uma teoria política do sistema parlamentarista. O denominado parlamentarismo não era, assim, algo baseado em práticas ou antecedentes, mas era uma doutrina, uma idéia. A burguesia francesa ou alemã, de 1815 a 1870, tomou a sério o parlamentarismo como sistema político e deu uma fundamentação ideal, sem a qual não seria compreensível em sua totalidade. A fundamentação sistemática independente se desenvolveu, tanto na Alemanha como na França, no período de 1815 a Este período deve ser considerado como a época clássica da idéia parlamentar. 72 revista_depoimentos_07_revisao.p65 72

17 Qual democracia? Na França, a burguesia liberal possuidora e instruída se via obrigada com base nas experiências revolucionárias e napoleônicas, de 1815 a 1830 a uma luta contra o princípio monárquico, contra a restauração de velhas idéias e instituições. De 1830 a 1848, se realizou na França, debaixo da monarquia de Luís Felipe, e na Bélgica, com a Constituição de 1831, um sistema político que, para muitos, segundo Schmitt, constituiu-se no Estado ideal burguês, ou seja, um sistema no qual ocorria a peculiar situação intermediária entre burguesia liberal/monarquia vencida e a pujante democracia radical, em parte proletária, refletindo um ideal de moderação política. Dessa forma, a burguesia liberal encontrava-se entre a monarquia absoluta e a pujante democracia proletária, ou seja, numa posição intermediária. Em França, o ano crítico de 1848 mostrou a seguinte situação: frente às pretensões políticas de uma monarquia forte, a burguesia fazia valer os direitos do parlamento, da representação popular, ou seja, era suporte às reclamações democráticas; frente a uma democracia proletária, buscou proteção num forte governo monárquico para salvar a liberdade burguesa e a propriedade privada; frente à monarquia e à aristocracia, apelava para os princípios de liberdade e igualdade; frente a uma democracia de massas pequeno-burguesa ou proletária preconizava o caráter sagrado da propriedade privada e o conceito de lei, próprio do Estado de direito. Essa posição intermediária da burguesia liberal respaldava-se em dois pressupostos distintos: a instrução e a propriedade. Juntos, esses pressupostos tornaram possível o sistema parlamentar. A instrução constitui, no âmbito do Estado de direito burguês, uma qualidade pessoal e por isso suscetível de ser utilizada em um sistema de representação. O parlamento burguês do século XIX é, pela idéia a que responde, uma assembléia de homens cultos, que representam ilustração e razão da nação inteira. O conceito de nação é também, por sua vez, um conceito de instrução. Somente um povo instruído, no sentido de qualidade como vontade humana e consciência de si mesmo, constitui uma nação. O parlamento tornase, então, uma representação geral da nação. Assim, punha-se em 73 revista_depoimentos_07_revisao.p65 73

18 DAURY CÉSAR FABRIZ perspectiva que o requisito mais importante para todos os representantes é a formação do espírito, pois somente um homem instruído é capaz de distinguir cuidadosamente entre seus interesses pessoais e entre os interesses da coletividade, subordinando-se a estes. 29 Quanto à questão da propriedade, esta não é uma qualidade que pode ser representada, mas pode representar os interesses dos proprietários. O voto censitário cuidou para que essa representação de interesses tivesse efetividade. Mas, com isso, o parlamento recebeu, junto com uma qualidade de representação nacional, um caráter de uma comissão dos que têm um determinado interesse. Nesta condição, o parlamento, como titular do direito de criar ou constituir tributos, atua como representação de interesses e não só como representação nacional. A burguesia proprietária apelava ao postulado de que quem paga tributos deve também consenti-lo e controlar a sua aplicação. Daí o suposto de que quem paga tributos deve estar representado no parlamento. 30 O parlamento no Estado de direito burguês é, segundo a idéia que estabelece sua forma, um lugar onde se realiza uma discussão pública das opiniões políticas. Maioria e minoria, partido do governo e partido de oposição, todos procuram acordar, fazer acertos, discutir argumentos e contra-argumentos. Deste modo, o parlamento representa a instrução e a razão nacional, reunindo em si a intelectualidade de todo o povo. Mas o povo mesmo não pode discutir, somente pode o povo aclamar, eleger e dizer sim ou não às questões que lhe são propostas, ou seja, o povo é fundamental para a democracia, na medida em que possibilita a legitimidade das decisões tomadas no âmbito do parlamento. Na visão de Schmitt, o parlamento burguês se destaca justamente por ser um lugar onde se desenrola uma discussão razoável. O absolutismo monárquico, ao contrário, constituía simples poder de mando, arbítrio e despotismo. A democracia direta, por sua vez, constitui o domínio de uma massa impulsionada por paixões e interesses. Entre o arbítrio despótico e a irracionalidade das massas, surge o parlamen- 29 SCHMITT, Carl. Teoria de la constitucion. Madrid: Revista de Derecho Privado, 1927, p Ibidem, p revista_depoimentos_07_revisao.p65 74

19 Qual democracia? to como um ponto médio, que se destaca pela discussão pública, razoável, baseado em normas justas. A discussão no parlamento, desse modo, apresenta-se como pacífica e progressiva, ao contrário de toda espécie de ditadura ou poder absoluto. Nesse plano, Schmitt traça algumas conseqüências do pensamento fundamental do sistema de representação parlamentar, no âmbito do Estado burguês de direito, quais sejam: representar toda a nação; emitir, através de discussões e acordos públicos, leis (normas gerais) razoáveis, justas, que determinam e regulam toda a vida estatal; dar publicidade de todas as deliberações. Todas essas conseqüências constituem o cerne desse sistema. Todas as deliberações devem ser impressas e publicadas, porque são públicas. As comissões do parlamento servem somente a uma preparação técnica exterior, visto que as discussões e deliberações devem se manifestar publicamente e a subrepresentação não é possível. No entanto, ao criticar a democracia burguesa, Schmitt atenta para o fato de que o parlamento, na maioria dos Estados, não se apresenta como um lugar de controvérsia racional onde exista a possibilidade de que uma parte dos deputados convença a outra como resultado de um debate razoável. Assim, as organizações sólidas de partidos formam uma representação, sempre presente, de certos setores das massas eleitorais que fixam a posição do deputado, de forma que a coação de grupos é uma prática parlamentar. As facções enfrentam-se umas com as outras com uma força rigorosamente calculada pelo número de mandatos. Esses aspectos descaracterizam a liberdade de discurso. O plenário da assembléia pública é o lugar onde se realizam as discussões públicas, surgindo as decisões. O parlamento convertese, desse modo, em uma espécie de autoridade que decide em deliberações secretas e anuncia o resultado do acordo em forma de uma seção pública. As resoluções são sempre decisões tomadas em conferências de chefes de partidos. Por todos esses aspectos, segundo argumenta Schmitt, o parlamento não é lugar em que recaem as verdadeiras decisões políticas. As decisões essenciais são adotadas fora do parlamento. Este atua, pois, como uma oficina para uma transformação técnica no aparato de autoridade do Estado. 75 revista_depoimentos_07_revisao.p65 75

20 DAURY CÉSAR FABRIZ Ante o exposto, Schmitt faz uma crítica à tradição liberal por ser ela justamente uma tradição não liberal, na qual a sociedade política é a melhor sociedade, ao Estado cabendo conceder cidadania às massas, uma vez que o Estado se afirma na medida em que exclui. Democracia é igualdade, mas não uma igualdade universal, uma igualdade entre os iguais, na dimensão de amigos versos inimigos. Em decorrência, a homogeneidade assenta-se na diferença. Nesse sentido, a articulação entre a democracia e o liberalismo, efetuada no século XIX, deu lugar a um regime inviável já que era caracterizado pela união de dois princípios políticos absolutamente heterogêneos, ou seja, a democracia parlamentar faz coexistir o princípio da identidade, próprio da forma democrática de governo, com o princípio da representação, que, por sua vez, é específico da monarquia. 31 Com efeito, o aspecto representativo não provém da lógica democrática, mas sim da metafísica liberal, isto é, a representação é um elemento não democrático da democracia parlamentar. Daí é ele que torna possível a identidade entre governantes e governados, que é, para Schmitt, o que, em última instância, define a democracia. Nesse sentido ele é uma insuperável contradição, uma vez que o liberalismo nega a democracia e a democracia nega o liberalismo. Em outras palavras, democracia, na ordem liberal, é tudo aquilo que não é realmente democracia. Povo é tudo aquilo que verdadeiramente não participa das decisões políticas. 3 O POVO E A DEMOCRACIA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO A democracia, ou governo do povo, apresenta raízes históricas, conforme já salientamos em tópico anterior, entre os gregos. Portanto é conhecida desde longa data pela humanidade. Em Müller, vamos encontrar a análise do ressurgimento da idéia de democracia na era moderna, quando o povo passa a ter importância decisiva. 31 MOUFF, Chantal. Teoria política. In: Caderno da Escola do Legislativo, Belo Horizonte, n. 2, p , jul.-dez p revista_depoimentos_07_revisao.p65 76

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO)

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) Toda sociedade política pressupõe um ordenamento. Este ordenamento constituiu, por sua vez, fundamental e indispensável condição para a

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza).

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza). PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO QUESTÃO 1: Sob a perspectiva de Julien Sorel, de que maneira se relacionam os sistemas jurídicos que Stendhal, metaforicamente, associou aos negros,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 51 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.5 PODERES

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Emília Cristine Pires Neste texto, discutiremos o conceito de cidadania, analisando sua concepção tradicional elaborada por T. H. Marshall, como também

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL *

DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL * DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL * Nathan Belcavello de Oliveira 1 Fabiana Borges da Silva Moreira 2 Oficina: Gestão Democrática

Leia mais

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio 1 FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio # Estado Nacional e poder político * Importância do poder: questões relativas ao Estado, povo,

Leia mais

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1 DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA Cezar E. Martinelli 1 RESUMO: O artigo fala sobre o Direito de Acessibilidade e sua importância, ligado aos movimentos sociais que promovem

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL ESTÁCIO-CERS DIREITO CONSTITUCIONAL Professora Ana Paula Teixeira Delgado Tema: Poder Constituinte Poder Constituinte Definição: Poder de elaborar (originário)ou de atualizar uma

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

1) FUNDAMENTOS: SOCIDIVAPLU

1) FUNDAMENTOS: SOCIDIVAPLU A palavra mnemônica provém do termo grego menmóne, que significa recordação. Pode se aplicar a qualquer técnica de memorização. Mesmo assim, é mais utilizada para designar técnicas baseadas em palavras,

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL

UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL UMA DEMOCRACIA FORMAL E UMA ESCOLA SEM FORMA: UMA REFLEXÃO POLÍTICO-CONSTITUCIONAL Jairo da Luz Silva Departamento de Filosofia da UFMT jairoluz@brturbo.com.br Resumo: Este trabalho pretende abordar, divulgar,

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução A judicialização das questões sociais Angela Benvenutti (UEPG) angelabenvenutti@hotmail.com Débora Viale Fernandes (UEPG) deborajviale@hotmail.com Orientador: Prof. Me. Alexandre Almeida Rocha (UEPG) professor.alexandre.rocha@gmail.com

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais