d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc."

Transcrição

1 1 AV Cálculo de Fretes As tarifas são condicionadas a: a) Fatores de preço de mercadoria, tais como: tipo de embalagem, peso, volume, densidade, perecibilidade, periculosidade, facilidade de acomodação, necessidade de tratamento especial, valor, etc.; b) Oferta e procura; c) Fatores comerciais tais como: valor da mercadoria, fretes de concorrentes, comercialização do produto, conjuntura econômica comercial específica, etc.; d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.; e) Fatores legais, tais como: sistema de tarifas e formas de cobrança, sistema legal e administrativo de determinação e alteração de fretes; O frete em geral pode ser calculado de várias formas: por m³; por tonelada métrica (TM); por m³ ou Tm (aquele que der mais); por unidade; e por porcentagem do valor da mercadoria ( ad valorem ); Em geral é mensurado de duas formas, ou por volume (ou cubagem), ou por peso, mas o valor considerado é aquele que der mais; No caso do produto estar dentro de uma caixa, a cubagem é calculado multiplicando-se as medidas da caixa de Comprimento x Altura x Largura (CAL). Isto de cada volume a ser transportado. Exemplo: Caixa com peso bruto de 5kgs Comprimento Altura Largura 0,40m 0,40m 0,40m Resultado: 0,40m x 0,40m x 0,40m = 0,0064m³

2 2 No entanto se o produto for um cilindro temos a seguinte conta: Exemplo: Cilindro com peso bruto de1.500 kgs: Comprimento Diâmetro Diâmetro 2,100m 1,00m 1,00m Resultado: 2,10m x 1,00m x 1,00m = 2,100m³ Obs.: Para volumes cilíndricos, multiplica-se o diâmetro duas vezes Frete Marítimo No frete marítimo, o frete básico é determinado pelo fator de estiva, que representa a relação volume/peso do carregamento, e que por sua vez relaciona-se com a capacidade cúbica e a capacidade em peso do navio. O fator assim considerado é 1m³ = 1tmétrica existem outros tipo de toneladas, tipo 1 tonelada métrica = 1, tonelada curta). Por exemplo, uma mercadoria com 10 toneladas, mas que mede 20 metros cúbicos, o preço unitário será multiplicado por 20 e não por 10. Assim para efeito de cálculo e cobrança do frete o que prevalece é aquela unidade que proporcionar maior receita ao armador; No frete marítimo o frete pode ser aberto, ou já com todas as taxas e despesas incluídas; As sobre taxas podem ser diversas como: Despesas de congestionamento de porto; Sobretaxa de guerra; Sobre taxa de aumento de combustíveis (bunker surcharge);

3 3 Adicional por ser porto secundário; Também existem as taxas como: Taxa sobre volumes pesados; Taxa sobre volumes com dimensões excepcionais; Taxa de ad valorem; Mas o preço pode ser fechado (Lumpsum), o frete pode ser pedido com todas as taxas inclusas (All In Full Liner Terms) No Brasil nós temos a AFRMM será calculado sobre a remuneração do transporte aquaviário, aplicando-se as seguintes alíquotas: I - 25% (vinte e cinco por cento) na navegação de longo curso; II - 10% (dez por cento) na navegação de cabotagem; e III - 40% (quarenta por cento) na navegação fluvial e lacustre, quando do transporte de granéis líquidos nas regiões Norte e Nordeste. Outras Sobretaxas Existem outras sobretaxas que são incorporadas ao frete. Um exemplo é a AFRMM. A AFRMM - Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante. é uma taxa cobrada sobre o frete de cargas que entram nos portos brasileiros. Deve ser recolhido pelo consignatário da mercadoria conforme prazo regulado pela Marinha Mercante. Longo Curso Cabotagem Fluvial e Lacustre (granéis líquidos) 25%(vinte e cinco por cento) na navegação de longo curso; 10%(dez por cento) na navegação de cabotagem; e 40%(quarenta por cento) na navegação fluvial e lacustre, quando do transporte de granéis líquidos nas regiões Norte e Nordeste. A taxa do container em geral é fechada, onde o frete é dado pela unidade. Tipo Peso Bruto Cubado Peso Cubado Caixa 5 kg 0,0064m³ 1Ton Cilindro 1.500kg 2,10m³ 2,10 Ton

4 4 No caso da caixa será cobrada a tarifa mínima, que pode variar entre ½ e 1 tonelada, de acordo com a companhia marítima a ser utilizada. No caso do cilindro o peso que deverá ser taxado será de 2,10 toneladas, embora a carga tenha PESO BRUTO de 1,5 toneladas. Os custos gerais de transporte marítimo são influenciados por: a) rotas e portos freqüentados; b) navios utilizados; c) mercadorias transportadas; d) moedas empregadas e conjuntos econômicos dos países envolvidos; O frete pode ser considerado por três aspectos: para carga geral, para carga granéis, e para carga em container O caçulo do frete para carga geral é mais simples, porém deve-se considerar nos caçulos que: a) arredonda-se para mais as medidas de longitude ao centímetro superior; b) quando se tratar de um volume de geometria irregular, tomam-se as medidas a partir das maiores saliências. Isto é muito importante para conhecimento do embarcador, pois assim ele deve procurar evitar, o máximo possível, transportar cargas com espaços vazios; c) fixar a forma como será calculado o frete por m³, e/ou Tm, etc.; Como exemplo de carga geral nós temos: Um frete referente a uma peça de 50 toneladas de peso bruto medindo 90m³ (15m x 4m x 1,5m) que esta sendo importada da Itália (porto - Genova) para o Brasil (porto Santos). O frete básico desta rota é US$133,00 sobre o fator que for maior ou o volume, ou o peso (neste caso será o volume). Como é uma mercadoria fora do padrão, em cima da taxa deve ser adicionada sobre o peso no valor de US$ 53,45Tm e uma taxa pelo tamanho do produto de US$ 540,00. Temos ainda uma sobretaxa de bunker surcharge de 17,1% sobre o frete básico. Assim temos: a) o frete é calculado pelo máximo multiplicador, ou seja, 90m³. US$ 133,00 x 90m³ = valor sub-total de US$11.970,00; b) taxa sobre peso: US$ 53,45 x peso 50tm = US$ 2.672,50; c) taxa tamanho: US$ 540,00;

5 5 d) sobretaxa de bunker surcharge de 17,1 sobre o frete básico: US$ 133,00 x 90m³ x 17,1% = US$ 2.046,87; e) Subtotal US$ ,37 f) Taxa para a Renovação da Marinha Mercante 25% sobre US$ ,37: US$ 4.284,84; g) Frete total: US$ ,21; Um exemplo para cargas a granel temos: Dados do navio e condições de afretamento: Navio: Nova Época; Carga: carvão metalúrgico; DWT: Tm (MT - Metric Ton); DWCC: TM; Porto de origem: Nova Iorque (EUA); Porto de destino: Santos (BR); Distância: milhas (como exemplo); Velocidade de cruzeiro: 14KNOTS/Hora (1 KNOT = 1 milha); Consumo de combustível: 37T/dia; Preço do combustível: US$ 190,00T; Consumo de óleo diesel: 2,2T/Dia; Preço do diesel: US$ 400,00/T; Condições do afretamento: FIOT (Free In Out Trimmed) - representa outra maneira de referir-se à condição FIO (Free In and Out), mas aplicável somente ao transporte de granéis. FIO (Free In and Out - livre de despesas no embarque e desembarque) - o embarcador é responsável pelas despesas com o embarque, desembarque e estiva, competindo ao armador apenas o transporte da mercadoria; Prancha de carga: 5.000Tm/Dia; Prancha de descarga: 2.000Tm/Dia; Início de carregamento e descarga 24horas após chegada;

6 6 Time Charter: US$ 9.000,00/Dia; Comissão do corretor: 1,5% 1. Cálculo de tempos: a) Duração da viagem: milhas / 14milhas por hora x 24 horas = 20,6 dias + dias de segurança = 22,6 dias; b) Tempo de carregamento: Tm / 5.00Tm/Dia = 4,5 dias + 1 dia (dia seguinte) = 5,5dias; c) Tempo de descarga: Tm / 2.000Tm/dia = 11,25 dias + 2 dias (domingos) + 1 dia (dia seguinte) = 14,25 dias; d) Total de dias necessários para o transporte: viagem ( 22,6dias) + carregamento ( 5,5dias) + descarga ( 14,25 dias) = total 42,35 dias; 2. Cálculo da taxa do frete: a) Custo do aluguel do navio (time charter) 42,34 dias x US$ 9.000,00 = ,00; b) Custo do combustível: 22,6dias x 37Tm/Dia x US$ 190,00 = US$ ,00; c) Custo do Diesel: 42,35 dias x 2,2Tm/Dia x US$ 400,00 = US$ ,00; d) Despesas nos portos (rebocadores, prático, atracação, etc.): Embarque: US$ ,00; Desembarque: US$ 8.000,00; Limpeza do navio: US$ 3.500,00; Sub-total: US$ ,00 e) Lucro e Custo Financeiro: margem de 15% sobre US$ ,00; f) Comissão do corretor: 1,5% sobre ,40 = US$ ,73; g) Total do frete: US$ ,13; h) Frete / Tm: US$ ,13 / = US$ 31,17Tm. Um exemplo para cargas em container: Carga: Bobinas de Papel

7 7 Fretes: o Especificação: cabem 9 posições de bobinas por container de 40 e 4 posições de bobinas de papel no container de 20 ; o Peso aproximado médio de cada bobina: 2,81 Tm; o Dimensões das bobinas: Diâmetro: 127cms; e Comprimento em Média 1,743m; o 20 Dry: US$ 1.000,00; o 40 Dry: US$ 2.000,00; o 40 High Cubic: 2.100,00; o Nestes valores não está incluso THC de US$ 175,00 no porto de embarque e US$ 200,00 no porto de desembarque. Cálculo do Frete: o Capacidade do Container de 20 : 4 bobinas x 2,81Tm = 11,24Tm; o Capacidade do Container de 40 : 9 bobinas x 2,81Tm = 25,29Tm; o Valor do frete para o container de 20 : US$ 175,00 THC Santos = US$ 1.000,00 + US$ 200,00 THC no destino = US$ 1.375,00 / 11,24Tm = US$ 122,33/Tm com THC incluso; o Valor do frete para o container de 40 : US$ 175,00 THC Santos = US$ 2.000,00 + US$ 200,00 THC no destino = US$ 2.375,00 / 25,29Tm = US$ 93,91/Tm com THC incluso; Desta forma, a melhor alternativa será embarcar a carga em containers de Dry 40. Frete Rodoviário Se a idéia é unitizar a carga, por exemplo, num pallet tipo PBR 1, então deve verificar quantas caixas cabem em cada pallet e procurar saber a dimensão do caminhão para saber quantos pallets cabem em cada caminhão.

8 8 Conhecendo a dimensão do pallet PBR1 que é de 1,20m por 1,0m por 0,145m de altura, você inicialmente pode procurar saber quantas caixas cabem em cima do pallet. Se pegarmos o exemplo dado temos que pela largura de 1,0m cabem somente duas caixas de 0,40cm (0,40cm X 2 = 0,80cm), e que pelo comprimento cabem três caixas de 0,40cm (0,40cm x 3 = 1,20m). Assim neste tipo de pallet (PBR1) cabem seis caixas na dimensão com 0,40 de comprimento e 0,40 de altura. Ficou faltando definir quantas caixas cabe uma em cima da outra, mas isto depende das especificações do produto que será transportado. Por exemplo, caixa de sabão em pó tem uma limitação em empilhamento (quantas caixas podem ser colocadas uma em cima da outra). Televisão, dependendo do tamanho pode ter outra variação, ou seja, quantas caixas podem ser colocadas uma em cima da outra no pallet. Existem vários tipos de pallets com várias dimensões, formatos e tamanhos. Desta forma é importante saber qual ou quais são os tipos que se pretende trabalhar.se for mais de um tipo por caminhão, devesse tomar cuidado na hora de calcular a quantidade de pallet por caminhão. Também devesse tomar cuidado com a carga será unitizada. Dependendo do tamanho e dimensões das caixas, existem várias formas de arrumar as caixas em cima do pallet. Vários aspectos devem ser considerados na hora e arrumar as caixas na pallet. Se precisar de mais detalhes posso acabar adiantando certos dados, mas isto nós iremos estudar no curso. A função da cubagem no transporte é evitar que se ocupe todo o espaço físico do veiculo sem utilizar toda a sua capacidade em peso (toneladas). Por exemplo: transportar uma caixa de 1 m³ ( 1,0m x 1,0m x 1,0m = 1,0m³) contendo algodão e transportar essa mesma caixa contendo uma TV 29. Este exemplo simples e didático demonstra claramente a relação peso x volume, visto que a TV 29 possuí um peso maior que o algodão e os dois ocupam o mesmo espaço no veículo (1 m³). Isto porque uma vez lotado um veículo tipo Baú, não é mais possível aumentar a quantidade a ser transportada ainda que a carga seja leve. O mercado geralmente adota e recomenda que as tarifas básicas por tonelagem para o transporte rodoviário sejam calculadas levando-se em conta cargas cuja

9 9 densidade permita ao veículo completar o seu limite de peso bruto antes que se esgote a sua capacidade volumétrica. Isto significa que devemos primeiro lotar a capacidade do caminhão seja com peso, seja com volume. Se o peso da mercadoria não alcançar a capacidade total de transporte do caminhão, então devemos considerar o volume para efeito de calculo. Para cada veículo ou mesmo categoria de veículos existe uma densidade ideal que corresponde à capacidade de carga líquida dividida pelo volume do compartimento de carga. Assim, por exemplo, um veículo trucado com capacidade para 15 t de peso e 50m³ de capacidade volumétrica terá densidade ideal de 300m³. Alguns autores usam a densidade de 200m³ e outros de 250m³, no entanto aqui usaremos 300m³. Da mesma forma, uma carreta para 27 t de peso e 90m³ de volume terá densidade ideal de 300 kg/m³. Por isso foi estabelecido que para cada densidade equivalente a 1 kg/m³ o fator de cubagem é de 300. Como vimos para encontrar o peso cubado é necessária a medida da mercadoria: altura, comprimento e largura (CAL) e se a mercadoria for paletizada, você deve também considerar e adicionar a altura do pallet. Em seguida multiplicasse essas medidas por 300 (fator dito anteriormente). Por exemplo, se pegarmos outro exemplo em termos de dimensão de caixas para uma mercadoria, onde esta tenha: 0,60cm de altura; 0,23cm largura e 0,62cm de comprimento, pesando 8 Kg conforme consta na nota fiscal, teremos seu peso cubado em 25,66 Kg segundo o cálculo: 0,60 x 0,23 x 0,62 x 300 = 25,66. Neste caso a maior medida é o fator de cubagem que é 25,66Kg em relação ao peso da mercadoria. Assim estaremos ocupando o espaço do caminhão (volume que ele pode levar) antes de atingir a capacidade do caminhão de levar a sua tonelagem máxima. Como pode ser analisado se essa mercadoria não fosse cubada a transportadora estaria perdendo 17,66 Kg por embalagem (8Kg 25,66Kg) resultando em prejuízo, pois como dito no início, a transportadora cobra por faixa de peso (frete peso). Ou seja, se a transportadora fosse cobrar o frete baseado no peso que o caminhão ia levar, ele só poderia cobrar R$ 20,00 x 8Kg/unidade = R$160,00/unidade, enquanto que considerando o mesmo frete de R$ 20,00/Kg,

10 10 ele poderá cobrar R$ 20,00 x 25,66Kg/unidade = R$ 513,20/unidade considerando a cubagem. Frete Ferroviário No caso do frete ferroviário o fator que em geral é usado é de 1t = 3,5m³. Alguns autores usam o fator de densidade de 4,0m³. O frete ferroviário é composto normalmente por: Frete básico; Taxa ad valorem ; Taxa de expediente; O frete básico é calculado sobre o peso ou peso/volume da mercadoria, e a distância a ser percorrida (TKU tonelada por quilômetro útil); A Taxa de Ad Valorem é calculada sobre o valor FOB da mercadoria; A Taxa de Expediente pode ser cobrada para cobrir despesas com emissão de conhecimento de embarque; Existe ainda a possibilidade de o frete ainda ser cobrado por unidade de transporte, ou seja, vagões, onde neste caso é dado um frete global / fechado por viagem Frete Aéreo No transporte aéreo, por regulamentação IATA, uma aeronave acomoda 166,66 kg em 1 metro cúbico, ou seja, a relação de peso/volume é de 1:6. O cálculo é sempre o mesmo : X m³ x 166,66 Kg Retomando os exemplos dados, vamos observar como fica a relação - Peso Bruto e Peso Cubado no transporte aéreo Tipo Peso Bruto Cubado Peso Cubado Caixa 5kg 0,0064m³ 10,67kg Cilindro 1.550kg 2,10m³ 349,98kg

11 11 Para a aplicação das tarifas de transporte (peso que devemos taxar), sempre prevalece o peso maior. No caso da caixa será o PESO CUBADO e no do cilindro será o PESO BRUTO. Fatores que influenciam a composição do preço Os seguintes fatores influenciam os preços dos fretes: Tipo de produto: cobrar pelo peso transportado ou pela cubagem? Irá depender do tipo de carga; Distância; Facilidade para carga e descarga; Risco da carga (por exemplo: produtos inflamáveis); Sazonalidade: se há mais procura os fretes sobem, se menor procura os preços descem (lei de oferta/procura); Local de entrega/janela de entrega/urgência; Carga de retorno: se não existe frete de retorno, o transportador terá de considerar isto no preço do frete; Tipo específico do equipamento a ser usado, quanto mais específico maior o frete.

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Unidades de volume. Com esta aula iniciamos uma nova unidade. Nossa aula. Volume ou capacidade

Unidades de volume. Com esta aula iniciamos uma nova unidade. Nossa aula. Volume ou capacidade A UA UL LA Unidades de volume Introdução Com esta aula iniciamos uma nova unidade do Telecurso 2000: a Geometria Espacial. Nesta unidade você estudará as propriedades de figuras espaciais, tais como: o

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS!

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! INTRODUÇÃO As tabelas de frete são as referências das transportadoras para definir seus preços. Elas contêm inúmeras variáveis (as

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO

FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO FRETES INTERNACIONAIS ESTADOS UNIDOS/MÉXICO 1 - Service Contract assinado em parceria com ABIEF até 31.08.2005. Após esse período estaremos informando as novas condições de fretes podendo permanecer as

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

Cálculo de Imposto na Importação de BENS

Cálculo de Imposto na Importação de BENS Cálculo de Imposto na Importação de BENS Sistemática de Comércio Exterior Faculdade MORUMBI SUL Prof. Alexandre F. Almeida Produto a ser trabalhado na Importação fictícia: ipod Shuffle 4GB! Preço unitário

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL)

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) A planilha referencial de cargas secas fracionadas (mercadorias de vários embarcadores para vários destinatários, geralmente incluindo

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR L O G Í S T I C A 1.1) Introdução As atividades de comércio e a necessidade de interação com outras localidades revelam a importância do transporte de mercadorias e pessoas no desenvolvimento de uma região.

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007 Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval São Paulo, 23 de outubro de 2007 O transporte por cabotagem cresce solidamente no Brasil Milhões de Toneladas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

2 ESTUDO DE CASO. Tabela 01: Dimensões das placas

2 ESTUDO DE CASO. Tabela 01: Dimensões das placas 2 ESTUDO DE CASO 2.1. A empresa A Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) está localizada na região da Grande Vitória, Estado do Espírito Santo. A empresa fabrica e comercializa Placas de Aço e Bobinas

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Mudança Marítima Premium

Mudança Marítima Premium A MELLOHAWK Logistics é uma empresa especializada no transporte de mudanças para o Brasil. Seja sua mudança grande ou pequena, dispomos de várias opções para diminuir seus custos. Oferecemos a realização

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES

Bagagem. Voos nacionais. Bagagem despachada DICAS IMPORTANTES Voos nacionais Bagagem despachada Bagagem Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem (franquia de bagagem). Pode-se despachar mais de um volume,

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos)

Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos) Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos) Estudo da NTC juntamente com a empresa Jogsolutions indica que o transporte de medicamentos no Brasil sofreu grandes

Leia mais

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 IMPORTAÇÃO CONTAINER LCL/FCL PERÍODO DE 10 DIAS OU FRAÇÃO. 1. Armazenagem FCL

Leia mais

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider Anytime...Anywhere... Dry 20' 6.058 2.438 2.591 5.919 2.340 2.380 2.286 2.278 33 Pesos (kg) 24.000 2.800 21.920 Carga geral não perecível de alta relação peso/volume. Flat Rack 20' 6.058 2.438 2.591 5.702

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

Logística Globalizada

Logística Globalizada Logística Globalizada Logística Globalizada Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar os melhores meios de transporte para a logística internacional, bem como entender todas

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2004. Desempenha, como autoridade administrativa independente, a função de entidade reguladora e fiscalizadora

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Global forwarding: ao serviço da supply chain

Global forwarding: ao serviço da supply chain José Guilherme Tavares jgbtavares@hotmail.com .... Logística Global Logística Global Desenhar a rede Encontrar as respostas para as necessidades da Supply Chain: Qual a origem da mercadoria Condicionantes/natureza

Leia mais

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel.

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel. Pallets descartaveis (one way) TIPOS DE PALLETS Pallets descartáveis como a prória palavra sugere, são pallets não retornáveis ou seja, acomodam uma determinada mercadoria onde o custo do pallet está incluso

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências. DOU 09.01.97 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

Importante: A BMA utiliza como banco de dados padrão o MySql 5.x.

Importante: A BMA utiliza como banco de dados padrão o MySql 5.x. As estruturas abaixo descritas, referem-se as tabelas utilizadas no armazenamento de geração de dados para o Sistema Público de Escrituração Digital de Dados Fiscais SPED - Fiscal. Importante: A BMA utiliza

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

NOTIFICAÇÃO SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS PORTUÁRIOS

NOTIFICAÇÃO SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS PORTUÁRIOS UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/NOT/2000/11 26 de Julho de 2000 NOTIFICAÇÃO

Leia mais

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF André Mello Vice Presidente Executivo da ABAC Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem Junho/2015 Agenda Apresentação

Leia mais

Seguro de Transporte Internacional

Seguro de Transporte Internacional Seguro de Transporte Internacional INTRODUÇÃO 1.Resumo da apólice 2.Operacional 3.Argumentos para venda 1.Resumo da Apólice Modalidades - Marítimo, Aéreo e Terrestre Internacional - Importação Exportação

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

Art. 1 Aprovar a revisão da tarifa do porto de São Sebastião - SP, que passa a ter a estrutura e os valores apresentados a seguir:

Art. 1 Aprovar a revisão da tarifa do porto de São Sebastião - SP, que passa a ter a estrutura e os valores apresentados a seguir: RESOLUÇÃO Nº 4090 -ANTAQ, DE 7 DE MAIO DE 2015. APROVA A REVISÃO DA TARIFA DO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO - SP. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ, no uso da competência

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida. 7 ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano Matemática Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 7 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida.

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio

Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio Fair Trade USA Condições especiais do Preço e do Prêmio www.fair TradeUSA.org Fair Trade USA 2013. Todos os direitos reservados. Condições especiais do Preço e do Prêmio Esse anexo contém Termos de Preço

Leia mais

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais.

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais. Página: / do arquivo: 0 - Cabeçalho do Arquivo Código da Empresa CNPJ da Empresa Inicial das Notas Fiscais Final das Notas Fiscais Valor Fixo "N" da Nota Constante "00000" Sistema Valor Fixo "" 0 0 0 6

Leia mais

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE Gestão de Fretes O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; 2. Tem papel fundamental na prestação do Serviço ao Cliente O transporte no processo logístico

Leia mais

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk 1 Conteúdo Introdução:... 3 CAMINHO:... 4 Inclusão e inicio do PEDIDO DE VENDAS... 5 DETALHES

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Tabela I. Tabela II. Tabela V

Tabela I. Tabela II. Tabela V TARIFÁRIO DO PORTO DE NATAL Tabela I Tabela II Utilização da Infraestrutura de Proteção e Acesso Aquaviário; Taxas Devidas pelo Armador ou Seu Agente Marítimo; Utilização da Infraestrutura de Acostagem;

Leia mais

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO.

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO. Data: Novembro/Dezembro de 006 POTENCIAÇÃO A n A x A x A... x A n vezes A Base Ex.: 5.... n Expoente Observação: Em uma potência, a base será multiplicada por ela mesma quantas vezes o expoente determinar.

Leia mais

ANUT ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE DE CARGA

ANUT ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS USUÁRIOS DO TRANSPORTE DE CARGA CAPÍTULO II Das Disposições Preliminares Art. 2º Para os efeitos desta Norma, considerase: VI Box Rate: preço cobrado pelo serviço de movimentação das cargas entre o portão do terminal portuário e o porão

Leia mais

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES

LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES LAYOUT DO ARQUIVO EXPORTADO PARA INTERVENIENTES 1 2 INTRODUÇÃO... 3 TIPOS DE REGISTROS... 4 LAY-OUTS... 4 DADOS DA ESCALA.... 5 DADOS DO MANIFESTO.... 5 DADOS DO CONTEINER VAZIO.... 6 DADOS DO CE MERCANTE....

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Art. 2º O Anexo de que trata o Art. 1º não entrará em vigor, devendo ser submetido à audiência pública.

Art. 2º O Anexo de que trata o Art. 1º não entrará em vigor, devendo ser submetido à audiência pública. RESOLUÇÃO No- 1.314-ANTAQ, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Aprova a proposta de norma para disciplinar o afretamento de embarcação por empresa brasileira de navegação para o transporte de carga no tráfego de longo

Leia mais

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00

Armazenagem Container 20 Pés Container 40 Pés Cadastramento por B/L R$ 210,00 R$ 210,00 TABELA DE PREÇOS SERVIÇOS DE TERMINAL ALFANDEGADO (IMPORTAÇÃO) Transporte Costado Navio Operador Portuário até a Transbrasa Container 20 Pés Container 40 Pés Margem Direita R$ 430,00 R$ 460,00 Margem Esquerda

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010

Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Título: REGULAMENTO, OPERAÇÕES, ATRACAÇÕES DE NAVIOS. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 135/2010 Atualiza a O.S. 026/2007, que trata do Regulamento de Operações e Atracações. O Superintendente da Administração dos

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais