NÃO HÁ DOCÊNCIA SEM DISCÊNCIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UM TRABALHO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS, SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÃO HÁ DOCÊNCIA SEM DISCÊNCIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UM TRABALHO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS, SÃO PAULO"

Transcrição

1 NÃO HÁ DOCÊNCIA SEM DISCÊNCIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UM TRABALHO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS, SÃO PAULO Osmair Benedito da Silva 1 Sabrina Maria de Amorim 1 Luciana Nobre de Abreu Ferreira 1 Salete Linhares Queiroz 2 1 Universidade Federal de São Carlos 2 Instituto de Química de São Carlos USP RESUMO Neste trabalho nos propusemos a apresentar considerações a respeito de reflexões advindas de professores em formação continuada da rede municipal de São Carlos-SP, a respeito de suas práticas educativas, tendo como base discussões baseadas na leitura do livro Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire. Participaram da formação dois professores coordenadores e dezessete educadores que lecionam no ensino fundamental da unidade escolar mencionada, tanto no Ensino Regular, quanto na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Após a leitura, os educadores foram instigados a fazer considerações sobre sua concordância ou não com os saberes apontados pelo autor. Solicitamos ainda que fizessem comparações com tais saberes e suas práticas em sala de aula. Verificamos que os professores apontam principalmente como pontos concordantes entre suas convicções e os saberes colocados por Freire que ensinar exige respeito aos saberes dos educandos. Assim, eles consideram que este saber acarreta outros benefícios como o favorecimento do diálogo em sala de aula. Os educadores enfatizam também a ética como aspecto fundamental da prática educativa e alicerce para que outros saberes venham à tona. No entanto, observamos também que poucos professores se reportaram aos saberes que remetem mais diretamente às características do professor-pesquisador. Sugerimos, a partir da literatura relacionada aos estudos sobre formação de professores, alguns elementos que podem justificar a dificuldade dos professores em pesquisar suas práticas: o conceito de pesquisa como algo complexo e, por conseguinte, a falta de incorporação dos resultados de pesquisa em sala de aula, além das influências de prováveis falsa segurança e formação ambiental nos educadores. Os resultados obtidos sinalizam a necessidade de se proporcionar novas discussões em trabalhos de formação continuada de professores de modo a estimular a prática reflexiva nos mesmos. Palavras-chave: Paulo Freire; formação continuada; práticas educativas. 1

2 INTRODUÇÃO No meio educacional e na sociedade em geral, os discursos sobre a má qualidade dos professores e o desinteresse dos alunos é recorrente. Ao mesmo tempo, nesses espaços, o discurso que atribui à educação o papel de melhorar a qualidade de vida das pessoas também é constante. Assim, as questões sobre a formação dos professores, tanto inicial quanto continuada, têm sido amplamente discutidas na sociedade, especialmente entre professores, alunos e pesquisadores em educação. De acordo com Galiazzi (2003), a preocupação com a formação dos professores começou a ganhar destaque na década de 70, a partir de uma perspectiva tecnicista, na qual o professor era visto como um organizador de conteúdos. Segundo Villani e Pacca (1997), nesse período o desenvolvimento de recursos tecnológicos e didáticos quase autônomos e a focalização do professor como gerente dos recursos obscureceram de certa forma a importância do conhecimento científico do docente em favor de habilidades de organização. Na década de 80, observou-se uma multiplicação de instâncias de controle dos docentes, por meio de práticas institucionais de avaliação; além de haver um novo direcionamento do olhar sobre a vida e a pessoa do professor. Na década de 90, a área viveu uma crise de paradigmas e o discurso do professor-reflexivo surgiu e foi ganhando força (Forteza & Diniz, 2004). Essa questão do professor-reflexivo está contemplada nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores (Brasil, 2002), que destaca a importância do movimento ação-reflexão-ação na ação do professor e o aprimoramento de práticas investigativas na formação docente. O marco inicial da tendência do professor-pesquisador deve ser localizado na Filosofia Educacional de John Dewey, nos Estados Unidos, no início do século XX. Para ele, a educação está sempre reconstruindo a experiência concreta, ativa e produtiva de cada sujeito. Dewey acreditava que a experiência concreta de vida surge quando a pessoa se defronta com problemas. No caso específico do professor, pode ser um problema relativo à sua prática docente. O objetivo da educação consiste na reconstrução e reconstituição da experiência (Maldaner, 2006). No Brasil, Anísio Teixeira desenvolveu sua prática político-educacional sob inspiração do pensamento de Dewey. A contribuição de Anísio Teixeira foi importante, pois foi ampliada por Paulo Freire, nas décadas de sessenta e setenta, sobretudo ao 2

3 focalizar a relação dialógica entre docente e aprendiz e o compromisso com uma busca de uma educação libertadora para ambos (Forteza & Diniz, 2004). Os trabalhos sobre formação continuada reportados na literatura, em geral, sugerem o desenvolvimento de pesquisas e a participação em grupos de reflexão coletiva como alternativas para o desenvolvimento profissional de professores. A ideia básica é partir da experiência didática dos professores para desenvolver a formação continuada. Segundo Maldaner (2006), ao não se negar as práticas atuais dos professores, novas teorias educacionais levadas ao contexto de formação continuada tornam-se, potencialmente, instrumentos mediadores de novas construções de significados à medida que passam a ser usadas voluntariamente por eles. Nessa perspectiva, apresentamos neste trabalho reflexões de professores de uma escola municipal paulista advindas de um trabalho de formação continuada, a partir da leitura do livro Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire (1996). Tais reflexões estão assentadas na leitura que os professores fizeram dos saberes evidenciados no capítulo Não há docência sem discência e nas relações que fazem com os saberes que permeiam a sua prática educativa. Apresentamos também uma análise do perfil desses profissionais, de modo a caracterizar os participantes desta pesquisa. METODOLOGIA O trabalho de formação continuada ocorreu em uma escola municipal da periferia de São Carlos, no primeiro semestre de 2008, nas reuniões de horas de trabalho pedagógico coletivo (HTPCs). Participaram da formação dois professores coordenadores e 17 educadores que lecionam no ensino fundamental da unidade escolar mencionada, tanto no ensino regular, quanto na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Nas reuniões foi proposta a leitura do livro Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire. Os professores foram divididos em pequenos grupos com três integrantes cada. Cada grupo foi incumbido de ler todo o livro e este foi dividido em partes, de modo que cada grupo pudesse apresentar uma dessas partes, na forma de seminários, com posterior discussão, para que cada participante pudesse expressar suas ideias e compartilhar experiências. Dessa forma, todo o livro foi estudado e discutido pelos professores. Ao final do semestre foi aplicado um questionário. Nas duas primeiras partes do questionário haviam questões fechadas com perguntas de múltipla escolha, sendo que os 3

4 respondentes poderiam optar por mais de uma alternativa em cada questão. Nessa parte do questionário, o intuito era coletar informações a respeito de diversos aspectos, como: área de formação, formação complementar, participação em eventos, tempo de magistério, metodologias e recursos didáticos que utilizam, entre outros. Na terceira parte do questionário eram feitos questionamentos a respeito das discussões oriundas da leitura do livro em questão, os quais tratavam das impressões dos professores a respeito do livro e, especialmente, das observações feitas a partir da leitura do capítulo Não há docência sem discência. Pedagogia da autonomia Não há docência sem discência Em Pedagogia da autonomia, Paulo Freire aborda a prática educativa no cotidiano da sala de aula e fora dela, discorrendo sobre o desenvolvimento da formação docente e o que constitui o universo educacional, mantendo sempre uma visão crítica e democrática. O autor defende com veemência a autonomia do educando e sugere a reflexão sobre a prática educativa, afirmando que formar é muito mais que puramente treinar o educando no desempenho de destrezas. Segundo ele, a responsabilidade dos professores e dos que estão em formação é muito grande. Dessa forma, faz-se necessário o processo de mudança, as lutas, a criticidade e o exercício da cidadania para a efetivação da prática docente. A reflexão crítica sobre a prática pedagógica para o docente torna-se uma exigência da relação entre teoria e prática. Assim, uma das preocupações centrais de Paulo Freire é a formação de professores. As suas palavras conduzem o leitor a reconhecer entre outros objetivos, a necessidade de dar ao formando a oportunidade desde o começo da sua vida acadêmica de assumir-se como sujeito da produção do saber. No capítulo Não há docência sem discência o autor deixa claro que o professor deve ser um grande aprendiz e estar aberto a aprender com a realidade de seus educandos. Assim, ele apresenta saberes que considera indispensáveis à prática docente, demandados pela prática educativa em si mesma, qualquer que seja a opção política do educador ou educadora (Freire, 1996, p.21): 1. Ensinar exige rigorosidade metódica, de modo que o que se ensina não se esgote no tratamento do objeto ou conteúdo, mas se estenda à produção de condições que tornem o aprender criticamente possível; 4

5 2. Ensinar exige pesquisa, pois, segundo Freire (1996, p.29), não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. Assim, o autor evidencia que enquanto ensina o professor deve sempre buscar para constatar. Isso implica a superação do senso comum e o estímulo à capacidade criadora do aluno; 3. Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos. O professor não deve somente respeitar os saberes socialmente construídos pelos estudantes, na prática comunitária, mas também discutir com os alunos a relação entre esses saberes e os conteúdos; 4. Ensinar exige criticidade, para que a curiosidade ingênua seja superada pela curiosidade epistemológica ; 5. Ensinar exige estética e ética, uma vez que a prática educativa tem de ser um testemunho rigoroso de decência e pureza (idem p.33) e, ao se respeitar a natureza do ser humano, o ensino de conteúdos não pode ser dado à parte da formação moral do educando; 6. Ensinar exige a corporeificação das palavras pelo exemplo, ou seja, as palavras e ações do professor devem seguir os mesmos caminhos, pois não há pensar certo fora de uma prática testemunhal (idem p.34); 7. Ensinar exige risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação. Quem ensina está vulnerável ao risco e não pode negar o novo. Do mesmo modo, deve-se rejeitar qualquer discriminação, não apenas no discurso, mas também com a força do testemunho; 8. Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática. A prática docente crítica envolve o movimento dinâmico entre o fazer e o pensar sobre o fazer; 9. Ensinar exige o reconhecimento e a assunção da identidade cultural, ou seja, o professor deve assumir-se como ser social e histórico e nenhuma formação docente pode fazer-se alheia ao reconhecimento do valor das emoções. RESULTADOS Caracterização dos educadores Dos 17 educadores participantes da formação continuada, 70% são do sexo feminino e 30% do sexo masculino, com idades que variam de 25 a 62 anos. Com relação à formação desses professores, 76% têm formação na área das Ciências Humanas (Letras, História, Geografia, Educação Artística, Ciências Sociais e 5

6 Pedagogia), 12% na área das Ciências Exatas (Matemática e Ciências Exatas) e 12% em Ciências Biológicas (Biologia), e lecionam as disciplinas dessas áreas. A grande maioria desses profissionais possui uma formação complementar. Do grupo analisado, dois professores são mestres, seis têm curso de especialização e dois estavam fazendo o curso de especialização no momento de realização da pesquisa. Quatro professores participaram de cursos de extensão universitária e um estava realizando o curso de Pedagogia. Quanto à participação em eventos, somente um professor afirmou não ter participado de simpósios, encontros ou congressos na área de ensino nos últimos cinco anos. O menor tempo de atuação informado foi de dois anos e o maior de 24 anos. Com relação às suas atuações em outros estabelecimentos, os professores informaram, ainda, que lecionam nas redes estadual, municipal e particular de ensino e ministram entre 6 e 58 horas-aula semanais, tanto no ensino fundamental, quanto no ensino médio. No segundo bloco do questionário os profissionais foram indagados sobre as metodologias utilizadas no decorrer de seus cursos de graduação e foram, essencialmente, aulas expositivas. No entanto, eles também relataram experiências com outros tipos de metodologias como apresentação de seminários (88%) estudos em grupos (76%) e aulas expositivas dialogadas (76%). Em contrapartida, os educadores apontam como principais metodologias usadas em suas práticas docentes as aulas expositivas (94%) e as expositivas dialogadas (88%). Os principais recursos didáticos que os educadores relataram fazer uso são: quadro negro (100%), listas de exercícios (76%), filmes (70%), textos de revistas, jornais e livros (70%), livro texto (64%) e relatórios (23%), entre outros. Todos os educadores declararam ter acesso a computadores, seja em casa (88%), na universidade (17%) ou na unidade escolar na qual trabalham (11%). Os educadores informaram também que usam a internet com objetivos variados: busca de informações para planejamento de aulas e trabalhos (94%), verificação de (94%), entretenimento (47%) e participação em comunidades virtuais (11%). Quando questionados sobre o planejamento dos cursos, observamos que 35% deles afirmaram que se reúnem para programar o curso em conjunto, 76% seguem orientações dos professores coordenadores, 41% se orientam com as sugestões da Diretoria de Ensino ou da Secretaria Municipal de Educação por meio de documentos, 58% trabalham independentemente, 23% combinam procedimentos citados e 11% seguem um determinado material didático pronto. 6

7 Resultados provenientes da leitura do livro Conforme mencionado anteriormente, faziam parte do questionário respondido pelos professores questões a respeito da leitura e discussão concernentes ao livro Pedagogia da autonomia. Dessa forma, neste tópico teceremos considerações sobre as respostas dadas pelos educadores para o seguinte questionamento pertencente ao referido questionário: Em relação ao capítulo 1, Não há docência sem discência, diga com suas palavras se você concorda com o autor sobre todas as exigências necessárias para se ensinar. Ao final, reflita sobre sua prática docente comparando o que é exigido e o que você realiza quando leciona. Com relação à primeira parte do questionamento, verificamos que todos os professores concordam com Freire (1996) embora em graus variados no que concerne aos saberes necessários à prática docente apontados por ele. Ao tecerem comentários a esse respeito, os educadores indicaram os saberes que mais se assemelham às suas convicções. O saber citado com maior frequência se refere ao respeito que o professor deve ter com os saberes dos educandos, aqueles advindos de sua vivência fora da escola, do senso comum. Observamos que alguns professores se referem a esse saber como base para que haja o diálogo em sala de aula, uma vez que o professor pode tirar proveito desses conhecimentos para articular a troca de informações e, dessa forma, relacionar os conteúdos. Esses aspectos podem ser observados nas respostas de dois professores, apresentados nos fragmentos 1 e 2: Fragmento 1... o que Paulo Freire propõe é o diálogo, com trocas de informações, respeito às origens, às diferenças e a própria pessoa em si, no qual os dois lados aprendem. Fragmento 2 Sim. Concordo, pois o professor não só ensina mas também aprende, o aprender envolve diversos saberes e é preciso aproveitar o que já se sabe, cabe ao professor interagir, intervir nesses saberes para que haja construção do saber. No fragmento 3 observamos que um dos professores encara o saber em pauta como uma responsabilidade do docente para com seus alunos: Fragmento 3 Sim, concordo com o ponto de vista que os educadores têm uma grande responsabilidade para com os educandos. Sendo assim, as exigências que demandam dessa responsabilidade (...) precisam ser trabalhadas e levadas muito a sério, pois só assim as duas partes saem igualmente satisfeitas e recompensadas. 7

8 Outro professor concorda com a importância de se levar em conta os saberes do senso comum dos educandos, contudo, alerta para a necessidade de se fundamentar adequadamente as relações entre esses saberes e os conteúdos (Fragmento 4): Fragmento 4 De todas as orientações de Paulo Freire, acredito que a mais importante deve ser a de levar verdadeiramente a sério o conhecimento não escolar do aluno na construção do conhecimento científico. Essa orientação, porém, é muito delicada se não for bem fundamentada. A importância de os professores entenderem que ensinar exige respeito aos saberes dos educandos também é apontada no trabalho de Carvalho e Gil-Pérez (2009). Esses autores descrevem quais conhecimentos teóricos seriam necessários para a aprendizagem das ciências e apontam a necessidade de os educadores reconhecerem a existência de concepções espontâneas, assim como sua origem; saberem que os alunos aprendem significativamente construindo conhecimentos e que tais conhecimentos são respostas a questões, o que implica propor a aprendizagem a partir de situações problemáticas de interesse para os alunos. Alguns professores enfatizaram também que concordam com Paulo Freire sobre a importância da ética na prática educativa. Um deles a coloca como aspecto fundamental para que outros valores em sala de aula sejam alcançados, como o respeito ao aluno e a segurança nas suas próprias argumentações (Fragmento 5). Este último aspecto inclui outro saber apontado por Freire: ensinar exige a corporeificação das palavras pelo exemplo. Fragmento 5 Concordo com o autor em relação a todas as exigências necessárias para a prática de ensino; nesse sentido, enfatizo a questão ética, tanto no que se refere ao respeito ao aluno e a sua condição como tal, considerando todo o conhecimento que lhe é próprio e concernente a sua realidade, como no que se refere ao posicionamento do professor que, também como sujeito político, deve participar suas ideias e, sem as impor, fazê-las de conhecimento de seus alunos, possibilitando a discussão das mesmas, seja para que sejam aceitas ou não.. A ética também é apontada por outro professor como necessária para que sejam colocados em funcionamento os saberes ligados à importância da rigorosidade metódica e da pesquisa para a prática educativa (Fragmento 6): Fragmento 6 Um professor ético e profissional necessariamente pesquisa e planeja as suas aulas. E, quando se avalia reflete sobre sua prática.... 8

9 Faremos a partir de então considerações a respeito dos comentários dos educadores relacionados a três saberes que, na nossa convicção, estão estreitamente ligados: ensinar exige pesquisa, criticidade e reflexão crítica sobre a prática. Observamos que poucos professores fizeram referências a esses saberes. Os fragmentos 7, 8 e 9, à semelhança do fragmento 6, exemplificam essas questões: Fragmento 7 Enfatizo (...) a questão crítica sobre a prática docente, instrumento de suma importância para o processo como um todo. Fragmento 8 Fragmento 9 Sim, concordo. Acho que o educador que se compromete com sua prática pedagógica deve refletir, analisar e avaliar agindo de acordo com as exigências referidas pelo autor. Sim, uma vez que um professor comprometido com sua prática educativa deve a todo o momento planejar, refletir e avaliar o processo de ensino-aprendizagem com seus alunos. Algumas considerações reportadas na literatura a respeito de estudos sobre formação de professores nos ajudam a justificar tais resultados, especialmente aquelas ligadas ao professor-pesquisador. Moreira (1988) destaca que é possível melhorar o ensino pela experiência, mas, por meio da pesquisa, chega-se a resultados mais significativos e respostas mais abrangentes. Assim, o autor defende que não se deve entender pesquisa como algo trivial nem como algo extremamente complexo. Esse conceito de pesquisa como algo exclusivo de especialistas, que remetem à noção de pesquisa acadêmica, é geralmente apontado como um dos fatores que excluem o professor dessa prática (Moreira, 1988; Maldaner, 1999). Segundo Maldaner (2006) a concepção restrita dada à pesquisa pelas comunidades científicas é um dos principais fatores que dificultam a implementação da pesquisa como prática de formação. Além disso, alguns pesquisadores são unânimes em apontar a exclusão do professor das pesquisas como o fator responsável pela falta de incorporação dos resultados de pesquisas nas salas de aula (Moreira, 1988; Galiazzi, 2003; Maldaner, 2006; Carvalho & Gil-Pérez, 2009). Para Moreira (1988) o professor só assumirá o papel de usuário da pesquisa quando ele se sentir comprometido com os resultados, ou seja, quando ele também fizer pesquisa. Outro problema apontado nos estudos sobre a formação de professores e que pode explicar o distanciamento demonstrado pelos professores a respeito da reflexão sobre a própria prática diz respeito ao que é denominado pelos autores de falsa 9

10 segurança. Segundo Maldaner (2006), a ideia do profissional professor está profundamente enraizada na vivência cultural de cada pessoa. Esse talvez seja um dos maiores problemas relacionados à formação de professores: antes de atuar como docente, o futuro professor já foi aluno durante pelo menos 16 anos (Flores, 1999). Para Flores (1999) é justamente nessa familiaridade que reside a origem dos problemas de formação, pois ela passa ao profissional uma falsa segurança. Além da falsa segurança, outra consequência do longo período em que o professor foi aluno é o desenvolvimento de ideias, atitudes e comportamentos sobre o ensino, conhecidas como formação ambiental ou pensamento docente espontâneo (CARVALHO Carvalho & Gil-Pérez, 2009). Os autores afirmam, ainda, que as pesquisas em ensino vêm percebendo a grande influência dessa formação, devido principalmente à sua natureza de exemplo vivo, o que a torna muito mais eficaz que qualquer explicação. Corresponde a experiências adquiridas de forma não-reflexiva como algo natural, escapando assim à crítica e transformando-se em um verdadeiro obstáculo (Carvalho & Gil-Pérez, 2009). As dificuldades apontadas anteriormente são corroboradas pelos depoimentos de alguns professores a respeito da segunda parte do questionamento feito a eles, quando lhes era solicitado que comparassem os saberes apontados por Paulo Freire com aqueles por eles praticados. Em algumas respostas observamos insegurança por parte dos educadores em fazer afirmações a respeito de tais relações, como nos fragmentos 10, 11 e 12: Fragmento 10 É difícil dizer se sou solidário, ético ou dedicado; tento realizar meu trabalho respeitando os educandos. Fragmento 11 Fragmento 12 Nem sempre conseguimos seguir a pedagogia pregada por Paulo Freire, mas é dessa forma que tento trabalhar, como elemento transformador e não como transmissor de conhecimento. Acredito nisso, mas deixo uma questão: Será que o professor tem tempo? Hoje o professor auleiro não consegue ser professor pesquisador. No entanto, verificamos nos depoimentos de alguns professores indícios de reflexão da sua prática, como nos fragmentos 13 e 14: Fragmento 13 Desde quando comecei a dar aula, até hoje, com certeza amadureci muito e acho que ainda vou melhorar bastante. 10

11 Fragmento 14 Todos os saberes são reais e fundamentais. Sempre que analiso minha conduta como docente, descubro que ainda tenho muito a aprimorar. Vale salientar que apenas uma minoria dos professores se reportou a essa parte da questão. Acreditamos que tal fato pode ser explicado por eles terem se empenhado em responder a primeira parte do questionário e acabaram esquecendo-se de responder a segunda parte. Outra justificativa estaria exatamente nas dificuldades enfrentadas por eles em fazer tais comparações. CONCLUSÕES Neste trabalho nos propusemos a apresentar considerações a respeito de reflexões advindas de professores em formação continuada a respeito de sua prática educativa, tendo como base discussões baseadas na leitura do livro Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire (1996). Após a leitura, os educadores foram instigados a fazer considerações sobre sua concordância ou não com os saberes apontados pelo autor. Solicitamos ainda que fizessem comparações com tais saberes e suas práticas em sala de aula. Verificamos que os professores apontam principalmente como pontos concordantes entre suas convicções e os saberes colocados por Freire que ensinar exige respeito aos saberes dos educandos. Assim, eles consideram que este saber acarreta outros benefícios como o favorecimento do diálogo em sala de aula. Os educadores enfatizam também a ética como aspecto fundamental da prática educativa e alicerce para que outros saberes venham à tona. No entanto, observamos também que poucos professores se reportaram aos saberes que remetem mais diretamente às características do professor-pesquisador. Sugerimos, a partir da literatura relacionada aos estudos sobre formação de professores, alguns elementos que podem justificar a dificuldade dos professores em pesquisar suas práticas: o conceito de pesquisa como algo complexo e, por conseguinte, a falta de incorporação dos resultados de pesquisa em sala de aula, além das influências de prováveis falsa segurança e formação ambiental nos educadores. Contudo, acreditamos na relevância da atividade proposta para a formação dos professores envolvidos, uma vez que entendemos que as contribuições de Paulo Freire são extremamente pertinentes à vida dos educadores, de forma que estes possam 11

12 desempenhar seu trabalho a partir de uma prática educativa comprometida com o saberfazer docente. Tais resultados sinalizam, ainda, a necessidade de se proporcionar novas discussões em trabalhos de formação continuada de professores de modo a estimular a prática reflexiva nos mesmos. REFERÊNCIAS Brasil (2002). Ministério de Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação / Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 1/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: MEC/CNE. Disponível em: Carvalho, A. M. P. & Gil-Pérez, D. (2009). Formação de professores de ciências. São Paulo: Editora Cortez. Flores, M. A. (1999). (Des)ilusões e paradoxos: a entrada na carreira na perspectiva dos professores neófitos. Revista Portuguesa de Educação, 12 (1), Forteza, M. S. & Diniz, R. E. S. (2004). Grupo de estudo: uma perspectiva de prático crítico-reflexiva na formação continuada de professores. In: R. Nardi; F. Bastos & R. E. S. Diniz. (Eds.) Pesquisa em ensino de Ciências: contribuições para a formação de professores, (pp ). São Paulo: Escrituras Editora. Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. Galiazzi, M. C. (2003). Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí: Editora Unijuí. Maldaner, O. A. (1999). A pesquisa como perspectiva de formação continuada do professor de Química. Química Nova, 22 (2), Maldaner, O. A. (2006). A formação inicial e continuada de professores de Química professor/pesquisador. Ijuí: Editora Unijuí. Moreira, M. A. (1988). O professor-pesquisador como instrumento de melhoria do ensino de ciências. Em Aberto, (40), Villani, A. & Pacca, J. L. A. (1997). Construtivismo, conhecimento científico e habilidade didática no ensino de ciências. Revista da Faculdade de Educação, 23 (1-2),

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES 945 FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS QUANTO ÀS TEMÁTICAS ASTRONOMIA E INFORMÁTICA: REFLEXÕES E POSSIBILIDADES Fernando Temporini Frederico 1, Dulcinéia Ester Pagani Gianoto 2 1 Mestrado em Educação

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Eugênia da Silva Pereira Pedagoga pela Universidade do Estado da Bahia UNEB CAMPUS XII

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Diagnóstico do Ensino de Ciências e Biologia na Educação de jovens e adultos (EJA), no município de Canto do Buriti

Diagnóstico do Ensino de Ciências e Biologia na Educação de jovens e adultos (EJA), no município de Canto do Buriti Resumo Expandido O ENSINO DE CIÊNCIAS E DE BIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA VISÃO DOS PROFESSORES E FUTUROS PROFESSORES DO MUNICÍPIO DE CANTO DO BURITI, PIAUÍ/BRASIL Maura Sergina Pereira de

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos

MEMORIAL REFLEXIVO. Ana Teresa Scanfella Fabrícia Cristina Paulo Karina Teodoro Renata Pierini Ramos MEMORIAL REFLEXIVO Indisciplina: tema tratado/discutido pela comunidade escolar em um espaço virtual (blog) desenvolvido pelas formadoras de uma escola na periferia do município de São Carlos. Ana Teresa

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática

X Encontro Nacional de Educação Matemática PESQUISA-AÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Autor: Maristela Alves Silva Projeto Observatório da Educação- UFSCar-SP maristelamarcos@hotmail.com Resumo: Este texto se reporta

Leia mais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Felipe Hepp; URI-FW; felipehepp@hotmail.com Rosane Fontana Garlet;

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção.

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. André Ricardo Magalhães* andrerm@gmail.com Geciara Carvalho* geciara@gmail.com Ivanise Gomes

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

FORMAÇÃO PERMANENTE E PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA ANÁLISE FREIREANA

FORMAÇÃO PERMANENTE E PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA ANÁLISE FREIREANA FORMAÇÃO PERMANENTE E PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA ANÁLISE FREIREANA Daíze Franciele Nunes da Silva-Graduanda em Pedagogia- UFPB Núbia Gomes de Souza dos Santos-Graduanda em pedagogia

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Maria Angélica Batista Universidade de Mogi das Cruzes De um modo geral, as pesquisas atuais na área da formação de professores apontam

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola MORIS, Aline dos Santos 1 aline_morys@hotmail.com Rocha, Marlizane Atanazio 2 SOUZA, Sueli de Oliveira 3 Suelisouza-roo@hotmail.com

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

(RE) CONSTRUINDO OS SENTIDOS DE DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA: UM PARA EJA NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO DA ESTUDO COMPARATIVO

(RE) CONSTRUINDO OS SENTIDOS DE DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA: UM PARA EJA NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO DA ESTUDO COMPARATIVO (RE) CONSTRUINDO OS SENTIDOS DE DOCÊNCIA PARA EJA NO PROGRAMA ESCOLA ZÉ PEÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA: UM ESTUDO COMPARATIVO Mirinalda Alves Rodrigues dos SANTOS mirirodrigues2@gmail.com CE/UFPB/NIPAM/PPGCR

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais