AÇÕES DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Palavras-chave: Educação Nutricional, escolares, alimentação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÕES DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Palavras-chave: Educação Nutricional, escolares, alimentação."

Transcrição

1 AÇÕES DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Área Temática: Educação Adriana Masiero Kuhl (Coordenadora da Ação de Extensão) Palavras-chave: Educação Nutricional, escolares, alimentação. Adriana Masiero Kuhl 1 Gabriela Datsch Bennemann 2 Raquel Rosalva Gatti 3 Daiana Novello 4 Resumo: Ações de educação nutricional em escolas, especialmente com alunos do ensino fundamental, são essenciais para a formação de hábitos alimentares saudáveis, principalmente se realizadas por profissionais capacitados e com a aplicação de metodologias adequadas. O objetivo desse projeto foi promover ações de educação nutricional para alunos do ensino fundamental de Guarapuava, Paraná. Para a execução dessa proposta foram desenvolvidas atividades voltadas para a alimentação saudável e o consumo alimentar por meio de metodologias específicas para cada série (educação infantil ao 5 ano) visando atender as necessidades de cada faixa etária. Como resultado foram atendidos aproximadamente 2659 alunos de 111 turmas, divididas em 8 escolas de ensino fundamental. Os conteúdos abordados foram o consumo de frutas, a Pirâmide dos Alimentos e as escolhas alimentares, utilizando metodologias expositivas, participativas, teatros e vídeos. Evidenciou-se que as ações atenderam ao objetivo proposto atendendo a toda a população estimada e as informações repassadas de forma satisfatória. Introdução Tendências apontam que a inserção da educação nutricional desde a infância ministrada por profissionais aptos e com formação específica é fundamental, pois o panorama atual de obesidade nesta fase é preocupante e a educação nutricional trabalhada na comunidade escolar, envolvendo educadores e alunos, é vital para as mudanças no perfil do estado nutricional das crianças e consequentemente aumento na qualidade de vida (FERNANDES, et al. 2009). 1 Mestre. Docente do Departamento de Nutrição da UNICENTRO, campus Cedeteg. 2 Mestre. Docente do Departamento de Nutrição da UNICENTRO, campus Cedeteg. 3 Mestre. Docente do Departamento de Nutrição da UNICENTRO, campus Cedeteg. Doutoranda da Universidad de la Integracion de las Américas PY. 4 Doutora. Docente do Departamento de Nutrição da UNICENTRO, campus Cedeteg.

2 A obesidade infantil vem crescendo em todos os países, tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, com drásticas repercussões para essa população (OGDEN, 2002; IBGE, 2006). Nessa etapa, ocorrem mudanças no hábito alimentar normalmente influenciadas pelo meio em que vive. A escola passa a ter papel fundamental para proporcionar educação nutricional adequada, conduzindo a criança a optar por escolhas corretas na sua alimentação, demonstrando que essas escolhas podem determinar a saúde e qualidade de vida. O balanço energético desordenado é comum nesta fase, podendo haver excesso no consumo de alimentos calóricos, com deficiência de nutrientes essenciais e para essa prática pode haver grande influência familiar (BENZECRY, MELLO e ESCRIVÃO, 2012; GONÇALVES et al, 2008). De acordo com sua importância, a educação nutricional é uma estratégia de ação no campo da educação em saúde, devendo ser adotada para a saúde pública no intuito de conter o avanço da ocorrência das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), visto que alimentação de má qualidade é fator preponderante para o aparecimento de inúmeras doenças (MARCONDES, 1997). Nas escolas municipais não há a presença de profissionais especialistas na orientação do padrão de alimentação, além do conteúdo em nutrição não ser trabalhado de forma satisfatória, então, cabe ao nutricionista integrar e mobilizar a comunidade escolar através do Programa de Alimentação Escolar (PAE) para as práticas vinculadas às ações e abordagens práticas de alimentação saudável, devendo estar apto para ser o articulador dessas ações educativas, convocando colaboradores para o desenvolvimento de projetos permanentes em alimentação e nutrição e auxiliando no planejamento de atividades com esse tema e conteúdo. Diante do exposto o objetivo desse projeto foi promover ações de educação nutricional para alunos do ensino fundamental de Guarapuava, Paraná. Metodologia Esse projeto foi uma parceria da Secretaria de Saúde e de Educação da cidade de Guarapuava com instituições em ensino superior executado no segundo semestre de 2013 e primeiro semestre de 2014, para atender aos objetivos do Projeto Saúde na Escola. O público alvo foram crianças de Escolas Públicas de Ensino Fundamental e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) contempladas pelas ações do Projeto Saúde na Escola abrangendo ao todo 29 escolas, 12 CMEI e crianças. Sendo que as ações dessa proposta aconteceram em 8 escolas, sendo 1 do distrito do Guará e 2 do distrito da Palmeirinha. As atividades de educação nutricional foram desenvolvidas pelos acadêmicos do 2 ano do curso de Nutrição do ano de 2013 juntamente com professoras do Departamento de Nutrição, as quais abordaram conteúdos e metodologias visando atender as necessidades das faixas etárias contempladas, abrangendo alunos de educação infantil até o 5 ano.

3 A adequação das atividades ao público alvo foi possível após a realização de visitas nas escolas atendidas para o preenchimento de um formulário onde a diretora ou a coordenadora deveria responder as seguintes questões: 1) Nesse ano seus alunos já receberam alguma aula sobre educação nutricional?; 2) Sobre o acesso aos alimentos, a maioria dos seus alunos tem boa ou ruim disponibilidade de alimentos?; 3) Qual tema, sobre alimentação, você julga ser mais importante para ser trabalhado na sua escola?; e 4) Se tiver alguma consideração a fazer sobre alguma turma específica que seja importante para as atividades de educação nutricional, por favor, descrever abaixo. Resultados e discussão Quanto ao público atendido totalizaram 2659 crianças em 11 escolas, conforme Tabela 1. Tabela 1 - Abrangência das ações de educação nutricional em escolas da rede pública de Guarapuava PR. TURMAS Nº DE TURMAS Nº DE ALUNOS Educação Infantil ano ano ano ano ano TOTAL Quanto às ações realizadas, os conteúdos e as metodologias utilizadas em cada série são descritas abaixo: Turmas de educação infantil e 1 ano: foi abordado o incentivo ao consumo de alimentos saudáveis focando o consumo de frutas. Para isso foram apresentadas às crianças figuras de frutas e também elas puderam contar quais elas já conheciam e já tinham experimentado. Para fixação foram utilizadas atividades de pintura, ligação e colagem; Turmas de 2 ano: também foi trabalhado o conteúdo de alimentação saudável focando o consumo de frutas, porém nesse grupo foi utilizado o método de teatro de fantoches e paródia sobre o tema. Para fixação foi utilizado exercício de caça-palavras; Turmas de 3 e 4 ano: para essas faixas etárias (8 e 9 anos) foi trabalhada a alimentação saudável através dos conceitos da Pirâmide dos Alimentos, demonstrando os alimentos que compõem cada grupo e a sua importância. Nessa ação foram empregadas metodologias interativas com a utilização da Pirâmide dos Alimentos desmontável e a demonstração de medidas caseiras através de utensílios utilizados para o proporcionamento dos alimentos, como

4 colheres, xícaras, copos e pratos. As atividades de fixação foram: caçapalavras dos grupos de alimentos, montagem de uma Pirâmide dos Alimentos no papel e folhetos informativos sobre os 10 passos para uma alimentação saudável; Turmas de 5 ano: nessas turmas as ações tiveram como foco o consumo e as escolhas alimentares comuns nesse grupo populacional através do documentário Muito além do peso, onde é retratada a realidade da maior parte da população brasileira e mundial no que diz respeito aos hábitos alimentares, ou seja, o elevado consumo de produtos industrializados fontes de gordura, sódio e açúcar e o baixo consumo de alimentos in natura. Para a apresentação do documentário, o mesmo foi editado e foram selecionadas algumas partes que se julgou mais adequadas à faixa etária, totalizando 30 minutos de exibição. Após a apresentação do documentário os alunos responderam a um questionário estruturado para identificar as impressões obtidas e verificar o consumo de alguns alimentos. A fixação se deu na forma de discussão, onde houve a troca de informações entre os alunos e os educadores. A importância dessas ações se destaca quando prevalência de excesso de peso entre escolares é revelada em estudo, como os realizados por GÓES et al. (2012) e BENNEMANN et al. (2013) a respeito do estado nutricional em préescolares e escolares do ensino fundamental respectivamente, na cidade de Guarapuava. Entre os pré-escolares os achados apontaram para 23,3% de excesso de peso e entre os escolares as prevalências de sobrepeso, obesidade e obesidade grave foram de 17,88%, 8,13% e 5,69% respectivamente. Considerações finais As ações propostas alcançaram aos objetivos estabelecidos, pois toda a população envolvida foi atendida e as orientações nutricionais julgadas pertinentes foram transmitidas de forma satisfatória, visto que o retorno dado pelos alunos de forma empírica mostrou que o conteúdo foi entendido e que existe uma grande necessidade dessas informações. Destaca-se que o processo de educação nutricional é uma ação contínua que deve ser trabalhada ao longo dos anos desde a infância até a idade adulta, porém, ressalta-se a importância dessa abordagem nos primeiros anos de vida, tanto nas escolas como nas famílias, pois a formação de hábitos alimentares saudáveis na infância, de forma efetiva, permitirá sua manutenção ao longo da vida. Referências BENNEMANN, G. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares do município de Guarapuava-PR. Revista Nutrire, v.38, n.suplemento, p , BENZECRY, S. G.; MELLO, E. D. de; ESCRIVÃO, M. A, M.S. Manual de orientação do departamento de Nutrologia: alimentação do lactente ao adolescente,

5 alimentação na escola, alimentação saudável e vínculo mãe-filho, alimentação saudável e prevenção de doenças, segurança alimentar. Sociedade Brasileira de Pediatria. Rio de Janeiro, a ed. BRASIL.Ministério da Saúde e Ministério da Educação e Cultura. Portaria n 1.010/2006. Diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas em âmbito nacional. Brasília, CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS (Brasil). Resolução no 358 de 18 de maio de Dispõe sobre as atribuições do nutricionista no âmbito do Programa de Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. [documento da Internet]. Disponível em: novosite/pdf/res/2005/res358.pdf. Acesso em mar. de FERNANDES, P. S. et al. Avaliação do efeito da educação nutricional na prevalência de sobrepeso/obesidade e no consumo alimentar de escolares do ensino fundamental. Jornal de Pediatria. v.85 n.4, GÓES, V. et al. Estado nutricional em pré-escolares na cidade de Guarapuava-PR. Revista Alimentação e Nutrição Araraquara, v.23, n.1, p , GONÇALVES, F.D,et.al. Health promotion in primary school. Interface Comunidade Saúde Educação, 2008; 12: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de orçamentos familiares 2002/2003. Antropometria e análise do estado nutricional de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; MARCONDES, R. Educação nutricional em saúde pública: conceituação, objetivos e princípios São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, USP, (Apostila da Disciplina Educação em Saúde Pública). OGDEN, C.L; FLEGAL, KM, CARROL,MD. Prevalence and trends in overweight among US children and adolescents, JAMA, p 288, 2002.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

Metodologia Científica. Justificativa

Metodologia Científica. Justificativa Metodologia Científica Justificativa 26/09/2017 Justificativa O que já sabemos sobre a Justificativa? Justificativa É o convencimento de que a realização da pesquisa é fundamental. Deve exaltar a importância

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ana Paula Scherer de Brum* Patrícia Wolf** Paula Masiero*** RESUMO Para termos um corpo e uma mente sadia, devemos ter uma alimentação saudável, com propriedades que ajudam no desenvolvimento

Leia mais

NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO

NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA Ana Paula Scherer de Brum* Mauro Souza** Sabrina Roberta Wagner*** RESUMO A alimentação adequada é imprescindível em qualquer idade, no

Leia mais

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17 ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha São Paulo junho/17 Estudo VIGITEL 2016* do Ministério da Saúde aponta: brasileiros trocam alimentos naturais por industrializados

Leia mais

TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO

TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO TRABALHANDO A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA Ana Paula Scherer de Brum* Valéria Grifante** RESUMO Este projeto buscou acompanhar o estado nutricional das crianças e contribuir para o planejamento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Desenvolvimento motor. Flexibilidade. Resistência abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Desenvolvimento motor. Flexibilidade. Resistência abdominal. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS E FATORES RELACIONADOS

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA RESUMO

PROMOÇÃO DE SAÚDE NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA RESUMO PROMOÇÃO DE SAÚDE NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Acadêmicas: Amanda Luiza Rauber Godinho Lucilla Joceli Waschburger Professoras Orientadoras: Sandra Fachineto e Elis Regina Frigeri RESUMO O estágio Curricular

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO Saúde na Escola Unisul COORDENAÇÃO Coordenador: Ana Paula Ferreira

Leia mais

UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX

UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX SELEÇÃO DE DOCENTES OPERAÇÃO TOCANTINS/ PROJETO RONDON A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI.

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA Iniciação Científica Voluntária - ICV Campus Universitário Ministro Petrônio

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ESCOLARES DA E.M.E.F.I PADRE AUGUSTO DALCIN DE PINHEIRINHO DO VALE - RS

AVALIAÇÃO DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ESCOLARES DA E.M.E.F.I PADRE AUGUSTO DALCIN DE PINHEIRINHO DO VALE - RS AVALIAÇÃO DAS PREFERÊNCIAS ALIMENTARES DOS ESCOLARES DA E.M.E.F.I PADRE AUGUSTO DALCIN DE PINHEIRINHO DO VALE - RS Arléia Maria GASSEN 1, Raquel PILETTI 2 Palavras-chave: alimentação, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN Prevista na Lei n.º 8.080/90 - Art. 13 item I Reinstalada pela Resolução CNS n.º 299, de maio de 1999. OBJETIVO DA CIAN Integrar a Política Nacional

Leia mais

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro O que é estado nutricional? É o

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO Saúde na Escola Unisul: gamificação e novas

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SIMÕES LOPES NA CIDADE DE PELOTAS/RS

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SIMÕES LOPES NA CIDADE DE PELOTAS/RS CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SIMÕES LOPES NA CIDADE DE PELOTAS/RS MIRANDA, Daiane de Freitas¹; ZORZI, Fernanda¹; CASTILHOS, Cristina Bossle de 2 ; PINHEIRO, Anelise

Leia mais

Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas

Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas Congresso Internacional de Alimentação Escolar: Construindo caminhos para a educação alimentar e nutricional 04 de outubro de 2017 Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Área Temática: Nutrição Renata Leia Demario Vieira (Coordenador da Ação de Extensão)

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO

CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO CONSUMO ALIMENTAR DE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE PALMAS TO Natália Cunha Ferreira 1, Geyce da Silva Sales 2, Maylla Luanna Barbosa Martins 3 1 Aluna do curso de nutrição; Campus

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR Aline Jabur Castilho(Acadêmica/UNICENTRO), Adriana Honaiser (ICV/ UNICENTRO), Caroline Christ (Acadêmica/UNICENTRO),

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA PROJETO APRENDENDO A SER CRIANÇA : UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA PROJETO APRENDENDO A SER CRIANÇA : UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA PROJETO APRENDENDO A SER CRIANÇA : UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Ana Paula Griep Assmann 2, Andrea Juliana Bernd Lima E Silva 3, Fernanda Rosa 4, Jaquieli Sanagiotto 5, Luana

Leia mais

A TEMÁTICA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA FORMAÇÃO DO NUTRICIONISTA

A TEMÁTICA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA FORMAÇÃO DO NUTRICIONISTA A TEMÁTICA DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NA FORMAÇÃO DO NUTRICIONISTA RESUMO Aline Guimarães de Almeida. Orientador (a): Carolina Conceição Prado Introdução: O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador

Programa de Alimentação do Trabalhador Programa de Alimentação do Trabalhador PAT Criado em 1976 Lei nº 6.321 Priorizam o atendimento aos trabalhadores de baixa renda, isto é, aqueles que ganham até 5 salários mínimos mensais (publico vulnerável

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR.

PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. Marieta Fernandes Santos 1 ; Oscar Kenji Nihei 2, Helder

Leia mais

Cantinas Escolares Saudáveis

Cantinas Escolares Saudáveis PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO AMBIENTE ESCOLAR: Cantinas Escolares Saudáveis Patrícia Constante Jaime Coordenadora-Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Fortaleza, 25 de outubro de 2012 TÓPICOS

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Aluna do Curso de Graduação em Nutrição da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Unijuí,

Aluna do Curso de Graduação em Nutrição da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Unijuí, ALERTA SOBRE A QUANTIDADE DE AÇÚCAR,GORDURA E SÓDIO EM ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL1 1 ALERT ON THE QUANTITY OF SUGAR, FAT AND SODIUM IN INDUSTRIALIZED FOODS FOR CHILDREN

Leia mais

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA

INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE NUTRIÇÃO NA SAÚDE PUBLICA RESUMO Sidnéia Mardegan¹ Fabiana Skiavine Moya da Silva² ¹Acadêmica do Curso de Nutrição UNIAMERICA ²Nutricionista docente da Faculdade União das Américas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

Flavia Ramos NUTRICIONISTA CRN:

Flavia Ramos NUTRICIONISTA CRN: Flavia Ramos NUTRICIONISTA CRN: 99100-2440 Educação Nutricional Infantil. Proposta inicial sujeita a alterações Definir: objetivo específico, frequência, tempo disponível total e diário, faixa etária a

Leia mais

PUERICULTURA E PEDIATRIA. FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota

PUERICULTURA E PEDIATRIA. FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota PUERICULTURA E PEDIATRIA FAMED 2011 Dra. Denise Marques Mota Puericultura e pediatria Século XXI Novo enfoque na pediatria Transição epidemiológica Diminuição doenças infectocontagiosas Vacinas Melhora

Leia mais

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Patricia Constante Jaime Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Audiência Pública da Comissão de

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE.

PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE. PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA PREVENÇÃO DA OBESIDADE ENTRE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO-CE. Gutemberg dos Santos Chaves 1, Vivian Saraiva Veras 2, Ana Carolinna Correia Sales 3, Dara Cesário

Leia mais

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE Equipe da Unidade de Saúde

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE Equipe da Unidade de Saúde PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE Equipe da Unidade de Saúde As informações devem ser coletadas com TODOS os membros

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ESTADO NUTRICIONAL E FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS SOUZA, J. P.; MARIN, T. Resumo O diabetes vem sendo considerado um grave problema de saúde pública. O objetivo do estudo foi

Leia mais

CURSO DE NUTRIÇÃO 2016/1

CURSO DE NUTRIÇÃO 2016/1 CURSO DE NUTRIÇÃO 2016/1 CURSO DE EXTENSÃO ROTINA DE ATENDIMENTO AMBULATORIAL E PERSONALIZADO DIA: 02 E 09/07/2016 O mini curso teve como objetivo apresentar a rotina do profissional de nutrição em atendimento

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Mª K. Dwulatka 1 Profª Rejane Klein 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade apresentar as atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde As informações devem ser coletadas EXCLUSIVAMENTE com o gestor

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL

IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA LUTA CONTRA A OBESIDADE INFANTIL Matheus da Nobrega Santos 1 Vanessa Aparecida André Oliveira 2 Mariana Veloso Moreira 3 Valdirene da Silva Elias Esper 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN Área Temática: Saúde Adriana Massiero Kuhl (Coordenador da Ação de Extensão) Palavras-chave: nutrição, obesidade, APAE, sobrepeso. Adriana Massiero

Leia mais

Profa. Neila Maria Viçosa Machado

Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE E EDUCAÇÃO: uma perspectiva de integração a partir da Atenção Básica pelos Programa Saúde na Escola (PSE) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE

Leia mais

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS

CATEGORIA/ ÁREA DE PESQUISA: Nível Superior (BIC) / Ciências biológicas e da saúde (b) OBJETIVOS Aleitamento Materno Exclusivo e Introdução Precoce da Alimentação Complementar em Crianças menores de seis meses de vida, na cidade de Senhora dos Remédios (Minas Gerais) INTRODUÇÃO Segundo o Ministério

Leia mais

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS

TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS TÍTULO: INGESTÃO DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS RICOS EM SÓDIO E ADIÇÃO DE SAL ÀS PREPARAÇÕES PRONTAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

ORIENTAÇÕES A UM ESTILO DE VIDA SAUDAVEL EM ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE/SC

ORIENTAÇÕES A UM ESTILO DE VIDA SAUDAVEL EM ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE/SC ORIENTAÇÕES A UM ESTILO DE VIDA SAUDAVEL EM ALUNOS DO 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO OESTE/SC ANDRÉA JAQUELINE PRATES RIBEIRO KATIANE FRAPORTI ANNE RENISE GUINAMI

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO

AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO AVALIAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES E CUIDADO DA SAÚDE DE ESCOLARES DE UMA REDE PÚBLICA DE ENSINO EM RECIFE- PERNAMBUCO Dayane de Melo Barros (1); Isla Ariadny Amaral de Souza Gonzaga (1); Liderlanio de

Leia mais

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS)

PSE. Programa de Saúde nas Escolas. 68 Relatório de Gestão 2009, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) PSE 68 Relatório de Gestão 200, 2010, 2011 e 2012 (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) b lanço soci l (Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS) Relatório

Leia mais

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC,

REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC. Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, REEDUCAÇÃO ALIMENTAR NAS ESCOLAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGES, SC Cristiane Pellizzaro Batalha, Mestre, CAV UDESC, a2cpb@cav.udesc.br Daiane de Souza Bueno, acadêmica de Agronomia, CAV UDESC, dayah_bueno@hotmail.com

Leia mais

Considerando a Resolução CSE/UFCG nº 26/2007, que homologa o Regulamento de Ensino de Graduação.

Considerando a Resolução CSE/UFCG nº 26/2007, que homologa o Regulamento de Ensino de Graduação. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS RESOLUÇÃO

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL

ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL O programa irá capacitá-lo a formulação de casos clínicos, avaliação e planejamento das sessões psicoterapêuticas a partir do modelo analítico comportamental

Leia mais

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira 1 NUTRIÇÃO E SAÚDE DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli 2 GRUPO DE NUTRIÇÃO ALIMENTOS E NUTRIÇÃO II/ FBA 417 Célia Colli Minerais em nutrição Fernando Salvador Moreno Dieta, nutrição

Leia mais

ESTUDO DA NUTRIÇÃO a dieta pode influenciar a ocorrência da doença no ser humano

ESTUDO DA NUTRIÇÃO a dieta pode influenciar a ocorrência da doença no ser humano 1 NUTRIÇÃO E SAÚDE DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli 2 GRUPO DE NUTRIÇÃO ALIMENTOS E NUTRIÇÃO II/ FBA 417 Célia Colli Minerais em nutrição Fernando Salvador Moreno Dieta, nutrição

Leia mais

Of. nº 39/2016. Guaporé, 06 de junho de 2016.

Of. nº 39/2016. Guaporé, 06 de junho de 2016. Of. nº 39/2016. Guaporé, 06 de junho de 2016. Senhora Presidente, Encaminho nesta Casa Legislativa, para apreciação e votação dos nobres Edis, o projeto de lei legislativa nº 08/2016, que DISPÕE SOBRE

Leia mais

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as referências estaduais de Alimentação e Nutrição 16 e 17/06/2015 - Brasília/DF Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

Esta resolução entra em vigor a partir da presente data. Ratificam-se atos realizados anteriormente, Revogam-se as disposições em contrário.

Esta resolução entra em vigor a partir da presente data. Ratificam-se atos realizados anteriormente, Revogam-se as disposições em contrário. Resolução 48/2014 Dispõe sobre o Projeto de Evento Aula Inaugural do curso de Nutrição para o Primeiro Semestre de 2015 com o tema Aleitamento Materno: conceitos e indicadores de Guarapuava- Pr. O Diretor

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar

IV Jornada de Alimentação Escolar IV Jornada de Alimentação Escolar INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CARDÁPIOS ESCOLARES: UMA PROPOSTA EM CONSTRUÇÃO Considerações Preliminares Trajetória da formação graduação em nutrição; Contexto profissional;

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PLANO DE ESTÁGIO 2013.1 DADOS DO ESTÁGIO CÓDIGO ÁREA CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO Nutrição Social 230h 7 7h30 às 12h30 SUPERVISOR(A) Eliete

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR E DO PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DA PRIMEIRA INFÂNCIA

AVALIAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR E DO PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 AVALIAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR E DO PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DA PRIMEIRA INFÂNCIA SILVA, L.D.C. da.; PIRES, P.C.; PAGNAN, F. M. Resumo: O leite materno é um alimento indispensável nos 6

Leia mais

Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A

Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A Projecto Obesidade Zero (POZ) Carvalho MA, Ramos C, Breda J, Rito A Obesidade Infantil Constitui um dos mais sérios desafios de saúde pública do séc. XXI 1-3 Tem um impacto, a curto e a longo prazo, em

Leia mais

INFLUÊNCIA NO CONSUMO DE HORTALIÇAS EM ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB

INFLUÊNCIA NO CONSUMO DE HORTALIÇAS EM ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB UFPB-PRAC XIV Encontro de INFLUÊNCIA NO CONSUMO DE HORTALIÇAS EM ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB SILVA, André Raimundo 1 GOMES, Mayara Germana dos Santos 2 SANTOS, Fábio Araujo 2 SOARES, Francisco Jeane

Leia mais

PROCESSO Nº 1313/14 PROTOCOLO Nº PARECER CEE/CES Nº 11/15 APROVADO EM 26/03/15

PROCESSO Nº 1313/14 PROTOCOLO Nº PARECER CEE/CES Nº 11/15 APROVADO EM 26/03/15 PROTOCOLO Nº 13.401.067-3 PARECER CEE/CES Nº 11/15 APROVADO EM 26/03/15 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA:.UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO MUNICÍPIO: GUARAPUAVA ASSUNTO: Pedido

Leia mais

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016)

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Relembrando, a PNAN tem como propósito melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira,

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

TRANSIÇÃO NUTRICIONAL

TRANSIÇÃO NUTRICIONAL TRANSIÇÃO NUTRICIONAL,Maiara Soares Nutricionista Universidade Cruzeiro do Sul Mestranda em Nutrição em Saúde Pública Faculdade de Saúde Pública USP Disciplina: Nutrição e Atenção à Saúde Transição nutricional

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos Projeto Clube de Nutrição julho de 2013 1. Enquadramento A Obesidade é provavelmente o maior problema, relacionado com a saúde, que a sociedade moderna apresenta.

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRIÇÃO EM UMA PERSPECTIVA INOVADORA

EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRIÇÃO EM UMA PERSPECTIVA INOVADORA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRIÇÃO EM UMA PERSPECTIVA INOVADORA Cryslânia da Costa Farias 1; Elisabete Januário de Alencar 2 ; Raissa Alcantara Soares 3 ; Juliana Moura Nascimento 4.. 1 Universidade Estadual

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará Campus Limoeiro do Norte. Curso: Bacharelado em Nutrição Conclusão: 2015

Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará Campus Limoeiro do Norte. Curso: Bacharelado em Nutrição Conclusão: 2015 Leonel Francisco de Oliveira Freire Dados Pessoais: Endereço: Rua José de Fama Nº: 56 Bairro: Pão de Açúcar Cidade: Alto Santo CEP: 62970-000 Brasileiro, solteiro, 24 anos, sem filhos. Contato: (88) 92866826

Leia mais

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE

OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE OFICINA TEMÁTICA: A EXPERIMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE Vanessa Fernandes Soares; Chryslane Barbosa da Silva; Kelly Barbosa da Silva; Viviane Patrícia Pereira Félix. RESUMO Graduanda em Ciências Biológicas

Leia mais

ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO

ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTILO DE VIDA EM ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 RESUMO: O estilo

Leia mais

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Maria Laura da Costa Louzada Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Efeito

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN PROJETO INTEGRADO CRN-3, SINESP E APAN I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN R E G U L A M E N T O CAPÍTULO I - CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO E A INSTITUIÇÃO

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA ESCOLA: UM TEMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA ESCOLA: UM TEMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE. ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA ESCOLA: UM TEMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE. Lídia Maria Oliveira de Souza 1 Centro Universitário La Salle UNILASALLE 1 Mestranda em Saúde e Desenvolvimento Humano - UNILASALLE. Email:

Leia mais

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar.

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2012 CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. A Coordenação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: exercício; promoção da saúde; hábitos de saúde.

PALAVRAS-CHAVE: exercício; promoção da saúde; hábitos de saúde. IMPORTÂNCIA DE INTERVENÇÕES EDUCATIVAS PARA MELHORAR OS CONHECIMENTOS SOBRE ATIVIDADE FÍSICA ENTRE ESCOLARES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE GUARAPUAVA, PR Área Temática: Nutrição em saúde pública. Autores:

Leia mais

A educação permanente e a

A educação permanente e a A educação permanente e a Nutrição no SUS Juliana Pontes de Brito Departamento de Gestão da Educação na Saúde - DEGES - SGTES Trabalho e da Educação na Saúde Em 2003 foi instituída a SGTES, a qual tem

Leia mais

PROJETO GERAÇÃO SAÚDE: UM OLHAR CRÍTICO

PROJETO GERAÇÃO SAÚDE: UM OLHAR CRÍTICO PROJETO GERAÇÃO SAÚDE: UM OLHAR CRÍTICO Déborah Rosa Álvares Silva 1 Sheylazarth Presciliana Ribeiro 2 PALAVRAS-CHAVE: obesidade; atividade física; saúde coletiva. INTRODUÇÃO O Projeto Geração Saúde é

Leia mais

!*+,-./01..2 3*4#*+56758

!*+,-./01..2 3*4#*+56758 Nota Técnica nº 02/2012 COTAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Regulamentação de cantinas escolares em escolas públicas do Brasil. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é regulamentado pela Lei nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE Assunto: Recuperação Paralela

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE Assunto: Recuperação Paralela Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico INSTRUÇÃO NORMATIVA PROET Nº 3 DE 20 DE ABRIL DE

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL MELHORA OS CONHECIMENTOS EM NUTRIÇÃO DE ESCOLARES

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL MELHORA OS CONHECIMENTOS EM NUTRIÇÃO DE ESCOLARES EDUCAÇÃO NUTRICIONAL MELHORA OS CONHECIMENTOS EM NUTRIÇÃO DE ESCOLARES Área Temática: Saúde. Autor(es): Liana Marczal (PIBEX/Fundação Araucária) 1, Carlyle Pietrobom (PIAE/UNICENTRO) 2, Thayna Viencz (PIAE/UNICENTRO)

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

DISCUTINDO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DISCUTINDO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DISCUTINDO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Ana Paula Scherer de Brum* Julia Fabian** Sabrina Antunes Abrão** Érica Mundin Karnal** Kauane Walter** RESUMO A mudança do perfil nutricional

Leia mais

Hábitos Alimentares Saudáveis

Hábitos Alimentares Saudáveis ESCOLA PROMOTORA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS Msc. Patrícia Martins Fernandez Colaboradora técnica do Projeto A Escola Promovendo Colaboradora técnica do Projeto A Escola Promovendo

Leia mais

II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores

II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Atividade de Perfuração Marítima no Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores II.9.4 Pág. 1 / 10 II.9.4 - Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores II.9.4.1 - Introdução e Justificativa A atividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CURSO DE ENFERMAGEM 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Unidade: Campus Jataí - UFG Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem pediátrica e neonatológica I Código: 8282

Leia mais