PEDAGOGIA EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES: QUAL É O PAPEL DO PEDAGOGO?* Pedagogy in non-scholar places: what is the role of the Educator?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDAGOGIA EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES: QUAL É O PAPEL DO PEDAGOGO?* Pedagogy in non-scholar places: what is the role of the Educator?"

Transcrição

1 35 PEDAGOGIA EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES: QUAL É O PAPEL DO PEDAGOGO?* Pedagogy in non-scholar places: what is the role of the Educator? Giani Peres Pirozzi 1 RESUMO O presente trabalho é fruto da disciplina de Pedagogia em Espaços Não Escolares ministrada pela primeira vez no CEUNSP em Uma das dificuldades encontradas foi a necessidade de buscar referências que pautassem as discussões em sala de aula. Com base na diferenciação de educação formal, não formal e informal, foi possível ir além da delimitação espacial para compreender o processo educativo como um todo. Dessa forma, buscou-se especificar os diferentes locais onde a educação acontece, além da educação formal: ONGs, circos, hospitais, empresas, museus, editoras, presídios e instituições correcionais, entre outros. Sendo assim, além de compreender esses espaços onde ocorrem a educação, foi necessário também esmiuçar o perfil do pedagogo do século XXI, desde sua formação inicial, voltada para a atuação em âmbito escolar, até sua formação holística, pautada numa atuação diferenciada em vários setores da sociedade. Palavras-chave: Pedagogia; Educação não-formal; Perfil profissional. ABSTRACT This paper is the result of the subject Pedagogia em Espaços Não Escolares (Pedagogy in Non-Scholar Places), offered for the first time by CEUNSP in One of the difficulties faced was the seek of good sources for classroom discussion. Based on the difference between formal, non-formal and informal education, it was possible to move beyond the spatial definitions to understand the educative process entirely. Thus, the aim of this paper was the specification of the several places where non-formal education could happen: NGOs, circus, hospitals, companies, museums, publishing houses, prisons and correctional institutions, among others. That said, besides understanding where education could take place, it was necessary to go over the Pedagogue profile in the 20 th century, since the initial training, focused on the school, until its holistic formation, established in a wide range social actuation. Keywords: Pedagogy; Non-formal Education; Professional Profile. INTRODUÇÃO Em sua etimologia, o termo pedagogo surgiu na Grécia Antiga e era aquele que conduzia as crianças à escola. Era o escravo condutor. Uma função não nobre. Como José Carlos Libâneo (2001) nos coloca: peda paidós, do grego = criança, e gogia = estudo/ ensino. Pedagogo, então, tem como caráter inicial, aquele que ensina as crianças. *Este artigo foi escrito após ministrar a disciplina Pedagogia em espaços não escolares, no curso de Pedagogia, oferecida pela primeira vez no CEUNSP em É pedagoga formada pela UNICAMP, psicopedagoga institucional, especialista em Educação Infantil e em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esporte e Lazer. Professora Universitária pelo CEUNSP Itu. Coordenadora pedagógica na Escola SESI Itu e contadora de história

2 36 Talvez de longa data se associe o pedagogo à escola; contudo, o presente artigo visa discutir o papel do pedagogo para além dos muros escolares. Dessa forma, uma temática bem pertinente para a reflexão é a pedagogia em espaços não escolares, algo novo, que surge como uma reafirmação da função do pedagogo como um profissional da educação, tendo seu campo de atuação não se restringindo exclusivamente ao universo escolar. O filósofo e educador José Carlos Libâneo faz várias indagações sobre o que vem a ser o pedagogo e define: O pedagogo é o profissional que atua em várias instâncias da prática educativa, direta ou indiretamente ligadas à organização e aos processos de transmissão e assimilação de saberes e modos de ação, tendo em vista objetivos de formação humana previamente definidos em sua contextualização histórica. (LIBÂNEO, 2001, p. 11). Libâneo ainda aborda o que vem a ser pedagogia, diferenciando o trabalho pedagógico do trabalho docente, desmitificando que o pedagogo necessariamente precise trabalhar numa escola, exercendo a docência. Ele reafirma que a escola de hoje necessita, sim, de bons pedagogos escolares que tenham como premissa a arte de educar. O Conselho Nacional da Educação, por meio da Resolução CNE/CP/2006, institui as diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia. Este documento retrata o perfil do pedagogo disposto a trabalhar com educação em espaços escolares e também não escolares. Assim sendo, uma observação se faz necessária, que é conceituar o que vem a ser educação formal, não formal e informal, haja vista que o pedagogo não está habilitado a trabalhar única e exclusivamente com a educação formal. Alguns autores chegam a diferenciar somente educação formal e não formal, mas Maria da Glória Gohn (2006) faz uma distinção entre os seguintes conceitos: Educação Formal, Informal e acrescenta a Não-Formal. De modo breve, traz que: A princípio podemos demarcar seus campos de desenvolvimento: a educação formal é aquela desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados; a informal como aquela que os indivíduos aprendem durante seu processo de socialização - na família, bairro, clube, amigos etc., carregada de valores e culturas próprias, de pertencimento e sentimentos herdados; e a educação não-formal é aquela que se aprende "no mundo da vida", via processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços e ações coletivos cotidianas. (GOHN, 2006, p. 2-3) A educação não formal destaca os processos educativos que têm uma intencionalidade na ação, pois prevê troca de conhecimento, envolve um processo interativo de ensino e aprendizagem e corrobora com a construção de aprendizagens de saberes coletivos, que, por sua vez, não têm a formalidade do ensino regular, mas o pedagogo pode e deve atuar co-

3 37 mo um agente educativo nos diferentes espaços em que ela funciona: Clubes, Centros Comunitários, ONGs, Organização Não-Governamental, Museus, etc. Paulo Roberto Padilha (2007) reforça que quando abordamos a educação não formal: estamos nos referindo a toda e qualquer experiência e ação educacional que acontece na sociedade, que esteja fora das escolas regulares. Dessa forma, todo processo educativo para além dos muros escolares, que aconteça de forma intencional, corresponde à educação não formal. Ainda expõe que: São geralmente, iniciativas da sociedade civil, institucionais ou não, com ou sem apoio do Estado, que oferecem cursos voltados para as mais diversas modalidades educacionais. (PADILHA, 2007, p. 90). Isso corrobora o pensamento de Gohn (op. cit.), ao afirmar que a educação não formal corresponde às aprendizagens políticas dos direitos dos indivíduos como cidadãos, também enfatiza a participação coletiva e o desenvolvimento de habilidades e potencialidades. Na Resolução CNE/CP 1/2006 é apresentado, em parágrafo único, que as atividades docentes também compreendem participação na organização e gestão de sistemas e instituições de ensino, englobando, entre outros itens, o item IV, que aborda o trabalhar, em espaços escolares e não escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo. De acordo com o art. 6. Da Resolução CNE/CP 1/2006: A estrutura do curso de Pedagogia, respeitadas a diversidade nacional e a autonomia pedagógica das instituições, constituir-se-á de: I - um núcleo de estudos básicos que, sem perder de vista a diversidade e a multiculturalidade da sociedade brasileira, por meio do estudo acurado da literatura pertinente e de realidades educacionais, assim como por meio de reflexão e ações críticas, articulará: a) aplicação de princípios, concepções e critérios oriundos de diferentes áreas do conhecimento, com pertinência ao campo da Pedagogia, que contribuam para o desenvolvimento das pessoas, das organizações e da sociedade; b) aplicação de princípios da gestão democrática em espaços escolares e nãoescolares; Tendo o respaldo dessa legislação, faz-se mister rever também a formação do pedagogo que, via de regra, acaba primando pela docência como eixo central do trabalho desse profissional. É claro que a docência é o cerne da pedagogia, mas o campo de atuação do pedagogo não pode ser restrito à docência, uma vez que essa é uma das especificidades desse profissional. Com o intuito de desmitificar o papel do pedagogo como professor, algumas ressalvas são necessárias para discutir essa nova perspectiva, ressaltando que o pedagogo é mais, pois é um profissional da educação e não deve ter seu campo de ação restrito à escola.

4 38 Lecionando em cursos de Pedagogia é nítida a impressão de que o ingressante nesse curso acaba assumindo algumas posturas e defende falas prematuras como: Estou fazendo pedagogia porque gosto de criança ; Faço pedagogia porque quero ser professor(a) ; Curso pedagogia porque anseio transmitir conhecimentos aos demais... Essas e outras falas são recorrentes nos primeiros semestres do curso de Pedagogia. Entretanto, ao longo do curso, o futuro pedagogo amplia sua visão e expande seus pensamentos, saindo desse senso comum e incorporando em seus estudos outros ramos de atuação, além da docência em espaços formais, no tocante à escola. Para tal mudança de pensamento há a necessidade de rever os cursos de formação de Pedagogia pensando suas matrizes curriculares e oferecendo ao futuro graduado uma visão holística, em conformidade com as diretrizes educacionais. Essa proposta é reforçada por Ceroni (2006): Esse processo de transformação provoca a necessidade mais exigente de formação das competências a serem perseguidas em um ensino de qualidade. Com isso, ampliou-se a pesquisa científica na atividade acadêmica do educador, emergindo a preocupação com a gestão educacional, entendendo a instituição de ensino como berço do empreendedorismo que fomenta planejamento com propostas renovadoras, que analisam o eixo teórico-filosófico das relações educativas, tendo em vista os contextos sócio-econômicos e políticos. (CERONI, 2006, p. 6) A sociedade está em constante processo de mutação e os empregos vão sofrendo modificações ao longo dos anos. Desse modo, a formação do profissional da educação precisa estar voltada para atender às novas demandas do mercado. O pedagogo, como já abordado, pode atuar em espaços não escolares, assim, torna-se relevante ressaltar alguns dos locais que esse profissional poderia atuar: museus, ONGs (Organizações Não-Governamentais), hospitais, circos, empresas, editoras, presídios e instituições correcionais, sindicatos, em emissoras de TV e rádio, com foco na difusão cultural, entre outros. Como são campos de atuação relativamente novos, difícil torna-se a missão de encontrar publicações e referências bibliográficas que pautem esses novos espaços de atuação do pedagogo. O presente estudo, por sua vez, tem como premissa oferecer uma visão concisa desses diferentes espaços, sem ter, de forma alguma, a intenção aligeirar conteúdos e referências, mas sim oferecer uma visão geral, planificando alguns dos diferentes espaços não escolares em que o pedagogo pode atuar.

5 39 O PEDAGOGO NO CIRCO DESAFIOS DE UMA PROFISSÃO Conforme informações obtidas na rádio Câmara de Brasília, Silvério (2014), o deputado Tiririca, é autor de uma proposta (PL 3543/12) que garante aos filhos de artistas de circo, entre quatro e dezessete anos, vaga nas escolas públicas ou particulares. O deputado acredita que o filho do circense tem dificuldade para estudar, pois a atividade exercida pelos pais é itinerante e as escolas não aceitam o aluno. Pare ele: O circo itinerário não para em um local. Ele passa 10 dias em um canto, sete dias em outros, um mês em outro. E aí as escolas não querem aceitar porque eles [filhos] não têm o currículo e o histórico. Então isso dificulta pra caramba para o filho de um artista circense estudar. (SILVERIO, 2014, p. 1) Essa é a realidade de muitas crianças e jovens circenses que, em virtude da realidade itinerante do circo, são obrigados a ter um estudo fragmentado, com rupturas, que podem gerar dificuldades de aprendizagem nos alunos, bem como problemas de adaptações em locais e culturas diferenciadas. O pedagogo circense pode atuar como um elo entre a escola formal e os alunos, fazendo a mediação pedagógica e proporcionando uma facilidade maior aos alunos em se adaptarem às diferentes cidades por onde passam. O aluno circense tem uma grande vantagem, pois tem contato direto com diferentes culturas. Aprende curiosidades sobre regionalismos, conhece cidades, estados e regiões bem diferentes do nosso país, o que permite uma formação multicultural e contato com a diversidade. Entretanto, há também um lado negativo, pois nem sempre a inserção desse aluno na escola formal é fácil. O tempo que eles ficam nas cidades pode variar e isso impacta na continuidade do ensino. O projeto de lei supracitado tem como premissa garantir um dos pilares da Constituição Federal de 1988, o direito de todo indivíduo à educação, facilitando o acesso dos itinerantes nas escolas formais, auxiliando também o processo adaptativo desses alunos. O papel do pedagogo é algo novo no circo e pode servir como um mediador, aplicando uma espécie de reforço escolar e oferecendo suporte pedagógico aos estudantes. Relatos de pedagogos que atuam no circo demonstram que este profissional pode estabelecer ligação entre o conteúdo formal da escola e a bagagem cultural que os alunos trazem, contribuindo com a melhoria da qualidade do ensino.

6 40 O TRABALHO DO PEDAGOGO EM MUSEUS Antes de abordar o papel do pedagogo no espaço educativo do museu, cabe ressaltar o que vem a ser o próprio museu. Dessa forma, esse texto trabalha com a concepção posta por Reis e Pinheiro (2009) de que: Os museus, entendidos mais recentemente como um serviço público e centro de investigações e estudos dos mais complexos e variados, trazem em si mesmos a necessidade de transformações e inovações que passam pela pedagogia e pela didática de ensino, a fim de servirem como eixo transversal a ser impresso em todas ações museísticas, bem como a necessidade de formação educativa de todos os profissionais que por ali circulam com suas práticas específicas (REIS; PINHEI- RO, 2009, p.40). Partindo desse contexto, o museu é um espaço em que vão coexistir diferentes profissionais da educação. O educador no museu pode ser um historiador, um pedagogo, um cientista social, ou até mesmo estagiários de graduação em pedagogia, história e outras licenciaturas, que assumem a função de conduzir a visita de alunos e do público em geral para levá-los ao conhecimento das dependências dessa instituição, bem como refletir sobre exposições em geral. No museu, o pedagogo trabalha simultaneamente com educação e cultura. Além de informar e guiar os visitantes, pode desempenhar outras funções como agendar visitas e adaptar conteúdos às diferentes faixas etárias dos visitantes. Pode e deve ser um mediador entre a bagagem que os estudantes (visitantes) trazem e as informações/conhecimentos disponibilizados nos próprios museus. Antigamente, o museu carregava consigo o estereótipo de lugar onde se encontra coisa velha/antiga, hoje essa perspectiva vem gradativamente sofrendo alterações e há museus específicos para diferentes áreas (Museu da Energia, Museu da Língua Portuguesa, museus de arte, museu de anatomia, museu de ciências e tecnologia, e outras tantas especificidades. Enfim, uma vasta gama para a atuação de diferentes profissionais da educação). Como bem expõe Reis e Pinheiro (op. cit.) além de haver especialistas nos museus, é preciso alguém cuja formação tenha caráter didático, com o intuito de oferecer a mediação pedagógica entre os visitantes e o conhecimento existente neste espaço de educação e cultura. O pedagogo, por sua vez, é um dos profissionais que podem trabalhar no museu e, além de oferecer orientação aos visitantes, é o responsável pela ligação entre a educação formal (escola) e a educação não formal, ainda que dentro do próprio museu, já que pode ter

7 41 como intuito mediar discussões, possibilitar trocas de experiências, despertar debates e reflexões sobre diferentes assuntos, ampliando o cabedal cultural de quem visita esse espaço. Atuando nesse local, o pedagogo pode se deparar com alguns percalços, como, por exemplo, a escassez de recursos para o trabalho pedagógico, salários não tão atrativos, além de poder ser substituído, em muitos casos, por algum estudante de graduação que acaba realizando o estágio obrigatório para a formação acadêmica. Cabe ressaltar que, nessa perspectiva, o pedagogo pode ir além e organizar eventos no museu, a fim de atrair mais público, divulgar a instituição e possibilitar trocas de experiências com os participantes. Para tanto, Reis e Pinheiro também reforçam que: se a formação necessária a todo movimento de mudança é tida também como autoformação, da qual a primeira não se desvincula, nossas reflexões podem vir a contribuir para a construção de uma Pedagogia do Museu capaz de instaurar um projeto de educação que se inicie em cada espaço específico, em cada mínima ação que envolva o acervo, o patrimônio e demais elementos constitutivos dos espaços museológicos ressaltados em todas as suas dimensões...(reis; SILVÉRIO, 2009, p. 45). Enfim, essa foi uma breve apresentação das possibilidades de ações educativas que podem ser instauradas em museus, cuja finalidade maior é a divulgação de cultura, ampliação do saber científico, discussões e reflexões sobre os patrimônios históricos e culturais da humanidade. Assim, o pedagogo exerce seu papel social de mediador do conhecimento. ONG ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAIS E O PAPEL DO PEDAGOGO Segundo Faria, a definição que se tem no site Infoescola é que as ONGs (Organizações Não Governamentais) são organizações formadas pela sociedade civil, sem fins lucrativos, e que tem como missão a resolução de algum problema da sociedade, seja ele econômico, racial, ambiental (...). Desse modo, qualquer organização, seja ela uma fundação, associação ou instituição, entra nessa categoria quando tem como fim maior a não geração de lucro, mas sim a prestação de serviços para a comunidade em geral. Faria ainda expõe que as ONGs também são chamadas de terceiro setor ; embora essa definição não seja muito clara, as organizações sem fins lucrativos são particulares ou públicas, desde que não tenham como principal objetivo a geração de lucros. Esclarecido o conceito, faz-se necessário pensar qual o papel que o pedagogo pode desempenhar dentro dessas organizações. As funções são muitas, de acordo com o perfil de cada indivíduo.

8 42 caráter social e, além de coordenar as ações e serviços dessas instituições, pode também contribuir pedagogicamente, oferecendo oficinais (das mais variadas, como, por exemplo, artes, artesanato, esportes e danças, reciclagem, informática, aulas de reforço escolar, entre outros serviços prestados pela própria ONG). Na mesma pesquisa, Ceroni ainda afirma que mais de 75% dos entrevistados de seu estudo já havia trabalhado com a educação formal, mas que optaram por entrar nesse novo ramo de atuação, tendo em vista uma pedagogia social. Como as ONGs não visam lucro, o papel do pedagogo dentro dessas instituições ou fundações acaba sendo de caráter social, com o objetivo de promover melhorias para a vida da comunidade assistida. Assim, o papel de conscientização é bem explorado, de acordo com o perfil da organização, que pode ser ambiental, social, educacional, responsabilidade social, etc. PEDAGOGIA EMPRESARIAL NOVOS HORIZONTES PARA ALÉM DA DO- CÊNCIA A presença do pedagogo em empresas é algo que está crescendo a cada dia e, apesar e existirem alguns preconceitos com esse profissional, sua atuação já está se solidificando nesse campo. Maria Luiza Holtz (2006) detalha aspectos pertinentes às responsabilidades do pedagogo empresarial, entre os quais estão: 1. Conhecer e encontrar as soluções práticas para as questões que envolvem a otimização da produtividade das pessoas humanas (...); 2. Conhecer e trabalhar na direção dos objetivos particulares e sociais da Empresa onde trabalha. 3. Conduzir com atividades práticas, as pessoas que trabalham na Empresa - dirigentes e funcionários (...). 4. Promover as condições e atividades práticas necessárias - treinamentos, eventos, reuniões, festas, feiras, exposições, excursões, etc...;. 5. Aconselhar, de preferência por escrito, sobre as condutas mais eficazes das chefias para com os funcionários e destes para com as chefias (...); 6. Conduzir o relacionamento humano na Empresa, através de ações pedagógicas, (HOLTZ, 2006, p. 15). Desse modo, são vastas as atribuições que esse profissional pode ter. No início, quando o pedagogo foi introduzido em empresas, este profissional tinha seu campo de atuação delimitado ao setor de RH, investindo na contratação, fazendo entrevistas ou selecionando candidatos de acordo com o perfil da empresa. Hoje, mais do que atuação no recrutamento, o pedagogo empresarial atua como elemento central na organização empresarial, sendo

9 43 responsável, muitas vezes, por capacitações e treinamentos, motivação na empresa, divulgação do produto, gestão da qualidade, dinâmicas de grupo, entre outras ações. Ceroni (2006) expõe que o pedagogo na empresa pode atuar com educação a distância, fundamentos para educação de adultos, recursos humanos, psicologia, dinâmica social, e novas tecnologias, área ligada ao mundo empresarial, curso direcionado para a área da educação. A pedagogia empresarial é uma área que está crescendo e, a formação do pedagogo com disciplinas relacionadas à didática, à prática de ensino e docência de um modo geral, pode contribuir com a função comunicativa desse profissional na empresa. O pedagogo necessita ser um bom comunicador, oferecendo orientações claras e precisas a todos os funcionários e sendo um elemento integrador de todo o grupo. Ainda hoje, em pleno Século XXI, ainda há em muitas empresas pessoas analfabetas ou com pouca experiência com o processo de leitura e escrita. O pedagogo pode atuar em salas improvisadas de alfabetização, com o objetivo, a princípio, de alfabetizar, mas também de capacitar os profissionais para atingir os objetivos e primar pela missão da empresa. Na modalidade de EAD Educação a Distância o pedagogo também pode atuar como tutor de cursos a distância, contribuindo com a formação do grupo. Dessa forma, o pedagogo empresarial é um profissional que pode atuar tanto na área pedagógica, de capacitação e formação continuada, na área social, na área administrativa de recursos humanos, entre outras funções que possam contar com sua força de trabalho nesse ambiente. A PEDAGOGIA HOSPITALAR: O PEDAGOGO E SUA AÇÃO HUMANIZADORA A pedagogia hospitalar não é nova. Segundo Adrieli Silva (2012), esse ramo surgiu na França, no período da II Guerra Mundial, ou seja, ainda na primeira metade do Século XX, quando muitas crianças sofreram com a violência da guerra e foram mutiladas. Silva reforça que em 1939 foi criado o Centro Nacional de Estudos e de Formação para a Infância Inadaptadas de Surenes CNEFEI, que criou um grupo de professores para trabalhar em hospitais. Esse espaço assegurado num ambiente não escolar conquistou a primazia de pensar sobre a especificidade da criança, primando pelo seu bem-estar físico e psíquico. Assim, Silva (2012) expõe que a pedagogia hospitalar foi criada para atender especificamente as crianças e adolescentes internados que estão fora da escola, dando apoio necessário para que os

10 44 mesmos não percam o contato com o processo ensino aprendizagem. (SILVA, 2012, [s. p.] documento da internet) Atualmente, vários hospitais contam com o trabalho da pedagogia hospitalar. Contudo, há variações no desempenho das funções que cada pedagogo pode assumir nesse espaço não escolar. O pedagogo no hospital acompanhará o aluno (criança ou adolescente) nos momentos de internação, reabilitação e recreação, podendo novamente desempenhar o papel de ponte entre a educação formal (escola) e a necessidade transitória de ausência escolar, para que seja garantida a continuidade do ano letivo, primando pelo não prejuízo pedagógico. Há hospitais que contam com uma sala hospitalar ou uma brinquedoteca, nas quais os pacientes podem buscar, de forma lúdica, o apoio emocional, a continuidade nos estudos, a recreação, o lazer, etc. O pedagogo pode vir a ser o mediador desse ambiente, oferecendo apoio escolar, bem como atividades prazerosas. A resolução 41/1995 do CNDCA, que institui os direitos da criança e adolescente hospitalizados, traz como direito da criança desfrutar de alguma recreação, programas de educação para a saúde e acompanhamento do currículo escolar durante sua permanência no hospital (CNDCA, 1995 apud SILVA, 2012). Explorando o aspecto lúdico, o pedagogo pode proporcionar momentos de brincadeiras, jogos, recreações, contação de história, oficinas de arte... sempre respeitando a necessidade e a especificidade de cada paciente. Além disso, pode participar de grupos como os Doutores da Alegria (palhaços que buscam alegrar e amenizar o sofrimento dos internos contando piadas, realizando atividades lúdicas, resgatando o riso e oferecendo força nesses momentos difíceis). Além disso, o pedagogo hospitalar também oferece suporte pedagógicoemocional aos pais e familiares, com o intuito de fortalecer a família para o enfrentamento das dificuldades momentâneas causadas por acidentes, doenças e outras ocorrências. Silva (op. cit.) ainda corrobora com o pensamento de que a pedagogia hospitalar dá suporte ao desenvolvimento de aprendizagem do aluno dentro do hospital, garantindo o direito da criança dar continuidade aos seus estudos, motivando a mesma a continuar depois de sua alta do hospital (SILVA, 2012, [s. p.] documento da internet).

11 45 AS EDITORAS E A AÇÃO DO PEDAGOGO NESSE ESPAÇO NÃO ESCOLAR Dificilmente se encontra materiais bibliográficos em relação à temática do pedagogo atuando como profissional do ramo editorial. Quando muito, faz-se menção ao pedagogo empresarial, considerando-se a editora uma espécie de empresa. Pesquisando e vislumbrando um novo campo de atuação, as editoras, que podem contratar pedagogos de forma registrada ou como freelancers, prestando serviços pedagógicos à instituição em questão, formam uma área de atuação promissora ao pedagogo. Numa palestra com uma editora, os representantes desta explanaram sobre as possibilidades de trabalho que um pedagogo pode desempenhar nesse campo. Dentre elas, o pedagogo pode contribuir com materiais para publicação, sendo autor e coautor de livros didáticos, de literatura e paradidáticos. Pode também realizar assessoria pedagógica, isto é, com base numa determinada obra, pode elaborar um material (encarte pedagógico), com sugestões e orientações didáticas aos professores que forem adotá-la. Podem atuar como avaliadores dos conteúdos das obras, cuidando para que nenhum conceito equivocado seja publicado, sendo, dessa forma, uma espécie de revisor temático, oferecendo suporte aos demais autores, desenvolvendo também projetos pedagógicos, cujo objetivo maior é a divulgação cultural de materiais (impressos, vídeos, áudios, etc.). Enfim, é um campo novo que tem tudo para despontar, ampliando o olhar do pedagogo e contribuindo com uma visão holística de sua área. PRESÍDIOS E INSTITUIÇÕES CORRECIONAIS: O DESAFIO DA AÇÃO EDUCA- TIVA PARA ALÉM DO CÁRCERE O papel do pedagogo em presídios e instituições correcionais é algo que merece muita atenção da sociedade. Raramente os cursos de formação de pedagogia oferecem formação específica para essa ramificação. Poucos também são os estudos e pesquisas nessa área. Quando acessamos a mídia (virtual, impressa ou televisiva) as reportagens sobre a situação carcerária no Brasil remetem-nos a presídios superlotados, a rebeliões, ao custo altíssimo para manutenção desses locais, a condições muitas vezes sub-humanas. Esporadicamente ouve-se abordar sobre o processo de reabilitação do presidiário ou sobre o processo educativo/formativo que ele recebe e/ou que pode receber nesses espaços do cárcere. Dessa forma, supõe-se que poucos sejam os projetos formativos, de cunho pedagógico, existentes em presídios e instituições correcionais. Em alguns momentos, é mais frequente observar os

12 46 próprios presos aprendendo com outros presos, em virtude da ausência e/ou pouca disponibilidade de programas que invistam na reabilitação e na ressocialização. A realidade é que o Brasil administra um dos dez maiores sistemas penitenciários do mundo, com quase pessoas encarceradas ao final de 2009, distribuídos em mais de unidades prisionais, cerca de mandatos de prisão não cumpridos e uma taxa de reincidência imprecisa, mas certamente acima de 50%. (SILVA, 2009, p.9 apud NEVES e VASQUEZ, 2010). O que fazer com tanta demanda carcerária? Será que todas as instituições conseguem promover espaços educativos e/ou de reabilitação do infrator na sociedade? Será que, após o cumprimento da pena, o ex-presidiário consegue se reestruturar e conviver harmonicamente na sociedade, tendo sua inserção social assegurada, com vistas ao mercado de trabalho, assegurando uma transformação de estilo de vida? Infelizmente essa é a realidade de raras exceções. Como os próprios dados estatísticos asseguram, mais de 50% dos infratores acabam reincidindo na criminalidade. E outro dado preocupante também é que os dados acima ainda não trazem instituições correcionais para menores de idade, como a Fundação CASA. Desse modo, os índices acabam se tornando cada vez mais assombrosos. Fernanda Bonatto e Romilda Teodora Ens (2006) realizaram um estudo numa instituição carcerária e relataram que: Os aspectos levantados indicam e nos levam a compreender que o ensino prisional adequado constitui fator determinante e estratégico de uma reeducação apoiada na tendência progressiva a qual tem por fundamento a transformação social. (p. 4) Mas, diante dos fatos expostos, será que o sistema prisional está adequado e contribuindo como alicerce para a transformação social? Qual o papel do pedagogo diante de toda essa situação? Os educadores sociais das penitenciárias são servidores públicos que prestam concurso para trabalhar com detentos, assessorando com educação, palestras de conscientização, aulas (alfabetização de adultos), tutores de EAD, dentre outras funções. Entretanto, na realidade há poucas vagas para esse mercado de trabalho e os educadores, muitas das vezes, acabam tendo desvio de função, cumprindo, entre outras funções, com o papel administrativo dentro da instituição penitenciária. Segundo Neves e Vasquez (2010, p. 11), em linhas gerais, o educador social penitenciário interage diretamente com a população carcerária para a efetivação das assistências e operacionalizar o acesso ao

13 47 trabalho que as pessoas que estão cumprindo pena e medidas de segurança têm direito. Cabe ressaltar que para cada detento há uma pena, classificada pelos crimes que cometeram e que determina os anos de reclusão que terão que cumprir. De acordo com esses diferentes crimes é que são propostas as ações para o educador no presídio e isso deixa nítido que o sistema penitenciário brasileiro necessita de urgente adequação à sociedade atual. Neves e Vasques (2010, p. 11) trazem um estudo que demonstra a realidade carcerária do Amapá, uma realidade que se reflete em boa parte dos estados brasileiros: A ressocialização, de fato e de direito, dentro do sistema prisional, com políticas de bem estar social precisam ser implementadas para esta parcela da população brasileira. Os detentos, em sua maioria, são originários do mais baixo extrato social, onde o estudo, a educação, a formação moral e ética, na maior parte das vezes, é simplesmente ignorado, de modo que o esforço empregado pelo poder público haverá de repercutir, resultando no crescimento do próprio detento e de seu círculo familiar, inclusive no incentivo para a adequada formação de seus filhos. Esse caminho tem urgência e precisa ser seguido, dentro da ética, da moralidade, do profissionalismo de todos os servidores do sistema prisional. Assim, existe a possibilidade, de o interno vislumbrar um novo horizonte a sua frente (...). O pedagogo, como agente social, pode trabalhar com ações educativas nesses espaços, contribuindo com seu compromisso moral e ético, e poderá servir de inspiração para os infratores e criminosos, para a mudança de vida, com o objetivo maior de reinserção e ressocialização do detentos. Outro aspecto a ser considerado é que o pedagogo pode atuar como tutor de EAD de cursos profissionalizantes, servindo de base para a profissionalização do interno, facilitando seu (re)ingresso no mercado de trabalho. CONCLUINDO... De uma forma geral, o perfil do pedagogo está mais consolidado tendo em vista essa gama de possibilidade de atuação. Como propõe Ceroni (op. cit.) o pedagogo precisa assumir um perfil, além daquele de sua formação específica, de um profissional flexível, com boa comunicação, com comprometimento, sabendo administrar conflitos, conseguir trabalhar sobre pressão (resiliência), ser eficiente e eficaz, ser criativo, demonstrar dinamismo, habilidade de planejamento, monitoramento e avaliação, dentre outros aspectos. O perfil, como fora descrito acima, é abrangente, tendo como exigências posturas e atitudes necessárias a qualquer profissional. Assim, dentre essas características postas no próprio perfil do pedagogo, faz-se necessário refletir também sobre a necessidade que os

14 48 próprios cursos de Pedagogia têm de se atualizar e adequar às diretrizes e cargas horárias e às novas exigências do mercado de trabalho. Ministrar essa disciplina no curso de graduação em Pedagogia foi de grande valia, pois os próprios alunos matriculados neste curso não tinham a dimensão do campo de atuação que o pedagogo pode ter nas diferentes esferas sociais. Desse modo, o educador, com enfoque na pedagogia social, pode atuar em diferentes locais, como fora mencionado aqui (museus, circos, presídios, hospitais, empresas, editoras, etc.), ampliando os horizontes educacionais, extrapolando o âmbito de atuação exclusivamente escolar. Para além dos muros escolares, esse artigo busca desmitificar os estereótipos que o pedagogo pode ter em sua atuação, limitando-o à docência. Em hipótese alguma, este texto, acredita que a docência é limitadora. Muito pelo contrário, é uma atividade nobre, relevante e que merece todo o respeito da sociedade. Contudo, o pedagogo pode ir além, ousar e ampliar sua atuação, se enveredando pela pedagogia social. Enfim, as características do perfil exposto acima são postas para o pedagogo atuar tanto em espaços escolares como não escolares, cabendo perfeitamente em qualquer área de atuação, para que tenhamos em nossa sociedade profissionais de qualidade, que primem por uma profissão de responsabilidade e compromisso social, sob uma perspectiva holística, isto é, visando a formação integral dos indivíduos (física, intelectual, afetiva e social). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BONATO, Fernanda e ENS, Romilda Teodora. A educação em um presídio de Curitiba segundo os professores São Paulo. Anais do I Congresso Internacional de Pedagogia Social, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo Disponível em: < Acesso em: 18 jun. de BRASIL. Resolução CNE/CP 1/2006. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006, Seção 1, p. 11. CERONI, Mary Rosane. O perfil do pedagogo para atuação em espaços não-escolares. Anais do I Congresso Internacional de Pedagogia Social, São Paulo. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=msc &lng=en&nrm=abn>. Acesso em: 03 dez. de FARIA, Caroline. O.N.G. Organização Não-governamental. [s.d.] Disponível em: <http:// Acesso em: 30 maio de 2014.

15 49 GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política. São Paulo: Cortez, Educação não-formal na pedagogia social. Anais do I Congresso Internacional de Pedagogia Social São Paulo. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/ scielo.php?pid=msc &script=sci_arttext>. Acesso em: 14 dez. de HOLTZ, Maria Luiza M. Lições de pedagogia empresarial. MH Assessoria Empresarial Ltda., Sorocaba SP, Disponível em: <http://www.mh.etc.br/documentos/ licoes_de_pedagogia_empresarial.pdf>. Acesso em: 22 abr. de LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Educar em Revista, n. 17, Curitiba: UFPR. p NEVES, Edmar Souza das; VASQUEZ, Eliane Leal. Atuação profissional do educador social penitenciário: o caso do sistema penitenciário do Amapá. Congresso Internacional de Pedagogia Social. Março, Disponível: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php? pid=msc &script=sci_arttext>. Acesso em: 16 jun. de PADILHA, Paulo Roberto. Educar em todos os cantos: reflexões e canções por uma educação intertranscultural. São Paulo: Instituto Paulo Freire, REIS, Maria Amélia de Souza; PINHEIRO, Maria do Rosário. Para uma pedagogia do museu: algumas reflexões. Revista Museologia e Patrimônio, v. II, n. 1, jan-jun, Disponível em: <http://revistamuseoloigaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus>. Acesso em: 16 jun. de SILVA, Adrieli. O papel do pedagogo hospitalar Disponível em: <http:// interacaoeducativa.webnode.com.br/news/o-que-e-pedagogia-hospitalar-/> Acesso em: 16 dez. de2013. SILVA, Elisangela. O papel do pedagogo na editora. Palestra proferida no Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio. Itu/SP, em 19 maio de Explanação sobre as possibilidades de atuação do pedagogo numa editora. [Editora Ciranda Cultural]. SILVERIO, Lara. Projeto garante vaga em escola pública para filhos de artistas circenses. Brasília, Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/ ULTIMAS-NOTICIAS/ PROJETO-GARANTE-VAGA-EM-ESCOLA-PUBLICA- PARA-FILHOS-DE-ARTISTAS-CIRCENSES.html>. Acesso em: 22 abr 2014.

16 50 Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio Faculdade de Educação Campus I Revista Educare Rua Madre Maria Basília, 965, Centro, Itu/SP CEP: Núcleo de Apoio Discente Sala 44, Bloco II Setembro/2014

17

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades Marcos de referência: O período de transição do século XX para o século XXI tem sido marcado por inúmeras e profundas mudanças sociais, econômicas e

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Licenciaturas

Universidade. Estácio de Sá. Licenciaturas Universidade Estácio de Sá Licenciaturas A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS

FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS FORMANDO PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO NA EJA: O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PEDAGOGIA NAS INSTITUIÇÕES E NOS MOVIMENTOS SOCIAIS Jaqueline Luzia da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro jackluzia@yahoo.com.br

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA:

ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA: O estágio curricular do Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio pressupõe atividades pedagógicas efetivadas em um ambiente

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Regulamento dos Estágios Supervisionados do Curso de Pedagogia CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º Os Estágios Supervisionados na Gestão e Docência da Educação Infantil e na

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Palavras-chave: formação docente, educação não escolar, ensino de biologia.

Palavras-chave: formação docente, educação não escolar, ensino de biologia. AMBIENTES EDUCATIVOS NÃO ESCOLARES COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA OS LICENCIANDOS EM BIOLOGIA Daniele Andrade de Carvalho (Centro de Educação UFPE) Micheline Barbosa da Motta (Centro de Educação UFPE) RESUMO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO

OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO OBSERVAÇÃO DAS ATIVIDADES DO/A PEDAGOGO/A: NO ESPAÇO EDUCATIVO NÃO FORMAIS: AVALIAÇÃO REALIZADA NA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO Patrícia Rachel Fernandes Costa 1, Lia De Abreu Borges Carminhola 2, Daniela

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1

MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 MATRIZ CURRICULAR 4 anos INÍCIO EM 2012.1 EIXO1 Formação docente: Profissionalização, Ética e Cidadania 1º Período Disciplina C.H.R. C.H.S. Informática Aplicada 20 20 01 01 Políticas Públicas e Organizações

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão - FACON. Catálogo de Cursos. Pós-graduação e Extensão. Conchas SP 2015.2

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão - FACON. Catálogo de Cursos. Pós-graduação e Extensão. Conchas SP 2015.2 * Catálogo de Cursos Pós-graduação e Extensão Edição 1º de Julho de 2015 Conchas SP 2015.2 Pós-Graduação e Extensão FACON Catálogo de Cursos de Pós-Graduação Direção Acadêmica Coordenação de Pós-Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico Cláudia R. Esteves 1 Muito se tem falado sobre Qualidade de Vida, de como aplicá-la aos seus dias de forma a viver sua saúde física e mental em equilíbrio, de estar

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar.

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar. PEDAGOGIA Você já deve ter ouvido alguém falar que o nível educacional de um povo é muito importante para o seu desenvolvimento e que a educação faz muita diferença na vida das pessoas, não é mesmo? Por

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014)

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia em 2044 Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia hoje: Para quem? Para que? ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FORMADO:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA MARILDE QUEIROZ GUEDES Diretora do Departamento ANA JOVINA O. VIEIRA DE CARVALHO Coordenadora de Colegiado RODRIGO KORTZ DE MENEZES Secretário do Colegiado

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I:

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: 0 Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. AS ÁREAS DE ATUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Para Nadia A. Bossa(2007) o campo de atuação em psicopedagogia

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Equipe responsável: PROGRAD - Coordenadoria de Desenvolvimento do Ensino de Graduação GVR - Coordenadoria de Apoio Pedagógico CAP E-mail: pedagogiauniversitária@unipampa.edu.br

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento

NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento Responsável: Psic. Juliana Cohen MANAUS/AM APRESENTAÇÃO O Núcleo de Apoio ao Acadêmico (NAA) da Faculdade La Salle/Manaus-AM, em consonância com a

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Curso: Pedagogia. Pedagogia: ciência e arte de educar. Educar: ciência e arte de ensinar

Curso: Pedagogia. Pedagogia: ciência e arte de educar. Educar: ciência e arte de ensinar Curso: Pedagogia Pedagogia: ciência e arte de educar Educar: ciência e arte de ensinar Objetivos do Curso Formar o educador e o gestor para mediar processos de ensino-aprendizagem na sociedade contemporânea.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais