Mega Acordos: os novos acordos econômicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mega Acordos: os novos acordos econômicos"

Transcrição

1 Mega Acordos: os novos acordos econômicos Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP Curitiba, 29/10/2015

2 A rede global de acordos

3

4

5 A dimensão geopolítica do TPP When more than 95 percent of our potential customers live outside our borders, we can t let countries like China write the rules of the global economy. We should write those rules, setting high standards for protecting workers and environment. (Barack Obama via Nota a Imprensa da Casa Branca) The deepening of relations between such countries based on rules suitable to a new era, particularly in the case that China chooses to participate in this system in the future, will make a large contribution to the security of Japan. The new economic order, which the TPP will create, is not limited to the TPP alone. It will form the basis for creating rules in other initiatives, such as the Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP). (Entrevista Shinzo Abe, Primeiro Ministro Japonês)

6 Os acordos no novo século OMC: fracasso da Rodada de Doha ( ) Pacote de Bali: - Facilitação de comércio - Agricultura - Algodão - Interesses dos países em desenvolvimento e os menos desenvolvidos Acordos Plurilaterais: Acordo de Tecnologia da Informação (ITA) : Objetivo -> Eliminar tarifas em bens relacionados no acordo, como em computadores, componentes, softwares, etc. Acordo de Compras Governamentais (GPA): Objetivo -> Abrir o mercado de compras governamentais para a concorrência internacional Acordo sobre comércio de serviços (TISA): Objetivos -> Acesso a mercados e atualização das regras no comércio de serviços Acordo de comércio sobre Bens Ambientais: Objetivo -> Eliminar tarifas em bens como aquecedores solares, painéis solares, turbinas eólicas, etc.

7 Os acordos no novo século OMC: fracasso da Rodada de Doha ( ) Pacote de Bali: - Facilitação de comércio - Agricultura - Algodão - Interesses dos países em desenvolvimento e os menos desenvolvidos Acordos Plurilaterais: Acordo de Tecnologia da Informação (ITA) : Objetivo -> Eliminar tarifas em bens relacionados no acordo, como em computadores, componentes, softwares, etc. Acordo de Compras Governamentais (GPA): Objetivo -> Abrir o mercado de compras governamentais para a concorrência internacional Acordo sobre comércio de serviços (TISA): Objetivos -> Acesso a mercados e atualização das regras no comércio de serviços Acordo de comércio sobre Bens Ambientais: Objetivo -> Eliminar tarifas em bens como aquecedores solares, painéis solares, turbinas eólicas, etc.

8 Overview sobre o TPP Negociações do TPP duraram cerca de 5 e encerraram em outubro de membros: Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Cingapura, Estados Unidos, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru e Vietnã 30 capítulos que estabelecem novos padrões para diversos temas, dentre eles, serviços, investimentos, direitos trabalhistas e propriedade intelectual Amplia o acesso a mercados dos membros por meio da eliminação de barreiras tarifárias, técnicas e sanitárias

9 Escopo do TPP O TPP é considerado o maior e mais ambicioso acordo regional já celebrado na história, principalmente pelo seu escopo diversificado. O acordo trata de temas pouco explorados em acordos, como direitos trabalhistas, regulamentos ambientais e propriedade intelectual

10 O que é o TPP? O TPP se apresenta como uma das experiências de integração mais ambiciosas por seu alcance em termos econômicos e outras temáticas É composto por 12 países like minded e busca ampla liberalização nas áreas de bens, serviços, investimentos, concorrência, questões trabalhistas, etc. 37% de abertura clara. Nova Zelândia

11 Representatividade do TPP em 2014: bens e serviços Exportação de Serviços 25% (805 milhões) PIB Mundial (US$27,8 trilhões) Bens: US$4,4 trilhões Bens: US$5,2 trilhões 75% TPP Mundo Importação de Serviços 23% 77% TPP Mundo Fonte: Trade Map (ITC)

12 Representatividade do TPP em 2014: Investimentos IED Recebido IED Realizado 28% 43% Mundo TPP Fonte: UNCTAD

13 Representatividade do TPP em 2014: principais produtos Principais Produtos Exportados Descrição US$ bi Part. Export. mundiais Equip. elétricos e eletrônicos 609,5 26,0% Combustíveis minerais, óleos 551,1 18,3% Máquinas e equipamentos 543,9 25,7% Veículos automóveis, tratores 436,0 31,7% Aparelhos de óptica e fotografia 174,6 30,7% Aeronaves e suas partes 152,7 74,5% Plásticos e suas obras 138,9 23,1% Pedras preciosas e suas obras 135,2 19,5% Minérios, escórias e cinzas 126,1 57,2% Produtos Químicos Orgânicos 97,1 23,2% Total geral 4.385,1 23,5% Principais Produtos Importados Descrição US$ bi Part. Import. mundiais Combustíveis minerais, óleos 912,4 29,8% Equip. elétricos e eletrônicos 760,0 30,2% Máquinas e equipamentos 666,5 31,1% Veículos automóveis, tratores 450,3 32,8% Aparelhos de óptica e fotografia 158,5 28,4% Plásticos e suas obras 137,1 22,4% Produtos farmacêuticos 126,6 24,4% Pedras preciosas e suas obras 119,4 19,7% Produtos Químicos Orgânicos 104,4 22,9% Obras de ferro fundido, ferro ou aço 87,2 27,9% Total Geral 5.171,8 27,6%

14 69% dos ganhos em serviços no TPP são dos EUA Ganhos de comércio com TPP - Total (US$ bi) Ganhos de comércio com TPP - EUA (US$ bi) Bens Serviços Bens Serviços Vantagem comparativa dos EUA em serviços: transporte, viagem, financeiro, business services ; Redução das barreiras ao comercio de serviços: licenças restritivas, quotas, compras governamentais e acessos discriminatórios.

15 Intercâmbio Brasil - TPP Exportação total Importação total TPP 24% US$ 54 bi TPP 26% US$ 60 bi Resto do Mundo 76% Resto do Mundo 74% Exportação de industrializados Importação de industrializados TPP 35% US$ 30 bi TPP 26% US$ 47 bi Resto do Mundo 65% Resto do Mundo 74%

16 Representatividade do TPP: IED no Brasil e IED brasileiro Estoque de Investimento Estrangeiro Direto no Brasil (participação no capital) Estoque - distribuição por país do investidor final 2013 Discriminação Valor (US$ mi) % Total Geral % Total TPP* % Estados Unidos % Japão % Canadá % México % Austrália % Chile % Cingapura 606 0% Peru 224 0% Nova Zelândia 48 0% Malásia 1 0% * Sem considerar Vietnã e Brunei. 32% Mundo 68% TPP* Investimento brasileiro direto (participação no capital) Estoque - distribuição por país da empresa investida imediata Discriminação 2014 Valor (US$ mi) % Total Geral % Total TPP* % Estados Unidos % Peru % Chile % México % Canadá 355 0% Japão 91 0% Austrália 62 0% Nova Zelândia 58 0% * Sem considerar Brunei, Vietnã, Cingapura e Malásia. 7% Mundo 93% TPP* Fonte: Banco Central

17 TPP, o Brasil e o MERCOSUL: Impactos para Indústria e Agricultura AGRICULTURA Melhora posição dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, principalmente na América Latina e Ásia em detrimento do Brasil (ex: carnes). Avanços em harmonização regulatória para bens agrícolas podem criar mais barreiras não tarifárias para o ingresso a partir do Brasil. INDÚSTRIA Perda de inserção do Brasil na América Latina. Perda de preferências (ex: automotivo, aeronaves, químicos, entre outros) Maior concorrência industrial pelas cadeias de valor regionais Desvio de investimentos: países da Ásia e América Latina participantes seriam preferidos em novos investimentos de Japão, EUA e outros.

18 O que esperar do TTIP? Comércio de bens e serviços entre EUA U.E. ultrapassa US$ 1 trilhão por ano O estoque de investimentos diretos entre EUA U.E. chegam a US$ 4 trilhões TTIP procura eliminar tarifas e reduzir barreiras não tarifárias ao comércio e aos investimentos Procuram também harmonizar políticas regulatórias que afetam comércio de bens e serviços

19 Negociadores do TTIP enfrentam desafios chave Forte oposição política de órgãos regulatórios independentes Diferenças no tratamento de políticas regulatórias para área financeira Desafio de cortar tarifas de bens agrícolas sem necessariamente cortar seus subsídios Nas compras governamentais, estender o acesso à governos locais/estaduais Preocupação pública com as questões de disputas Investidor Estado e privacidade de dados

20 Os Mega Acordos regionais podem levar a uma solução multilateral? Acordos regionais devem liberalizar substancialmente o comércio e não aumentar barreiras para os não membros Permitem que os países avancem nos temas enquanto as negociações no âmbito da OMC seguem estagnadas Podem servir com incubadoras para novas regras de comércio Ajudam os países a focarem em políticas voltadas à liberalização do comércio.

21 Os Mega Acordos regionais podem levar a uma solução multilateral? Outras questões: A prosperidade dos mega-acordos interregionais pode contribuir com o enfraquecimento da capacidade regulatória da OMC, estabelecendo parâmetros que depois condicionarão as negociações multilaterais. Pela dimensão dos participantes no TPP + os que poderiam se somar posteriormente, os emergentes excluídos (exemplo MERCOSUL) não teriam outra alternativa do que aderir, o que os obrigaria a aceitarem as condições impostas.

22 Possíveis impactos no Brasil: Erosão de preferências Desvio de investimentos Não participar da elaboração de novas regras para o comércio Maiores dificuldades para participar das cadeias globais de valor

23 Opções de inserção externa A importância dos Tempos Fonte: ABECEB

24 Soraya Rosar Gerente Executiva Unidade de Negociações Internacionais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

O Brasil e os acordos comerciais: Hora de repensar a estratégia? Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior São Paulo, 15 de outubro de 2013

O Brasil e os acordos comerciais: Hora de repensar a estratégia? Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior São Paulo, 15 de outubro de 2013 O Brasil e os acordos comerciais: Hora de repensar a estratégia? Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior São Paulo, 15 de outubro de 2013 O cenário internacional na primeira década do século

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo

2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo 2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo André Alvim de Paula Rizzo Secretário Executivo da CAMEX Confederação Nacional da Indústria - CNI Brasília, 12 de

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro

Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Reunião de Diretoria e Conselhos da Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB Perspectivas do Comércio Exterior Brasileiro Secretária de Comércio Exterior Ministério da Indústria, Comércio Exterior

Leia mais

A Integração da Economia do Leste Asiático e o Papel do Japão na Região

A Integração da Economia do Leste Asiático e o Papel do Japão na Região 12ª Reunião Conjunta do Comitê de Cooperação Econômica Japão-Brasil A Integração da Economia do Leste Asiático e o Papel do Japão na Região 6 de março de 2007 Shunichi YAMAMOTO Vice-Presidente Executivo

Leia mais

O Setor de Serviços na Parceria Transpacífica

O Setor de Serviços na Parceria Transpacífica O Setor de Serviços na Parceria Transpacífica Jorge Arbache Universidade de Brasília FIESP, 16 de dezembro de 2015 A Parceria Transpacífica Primeiro acordo plurilateral amplo de comércio e investimentos

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

MÉXICO. Comércio Exterior

MÉXICO. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC MÉXICO Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional. Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB)

Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional. Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB) Análisis Prospectivo del Comercio Agroalimentario Internacional Prof. Dra. Susan E. Martins Cesar de Oliveira (Universidade de Brasília - UnB) ÍNDICE Tendências do mercado global; Perspectivas para o comércio

Leia mais

Barreiras técnicas, sanitárias e fitossanitárias sob a perspectiva do setor privado

Barreiras técnicas, sanitárias e fitossanitárias sob a perspectiva do setor privado DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Barreiras técnicas, sanitárias e fitossanitárias sob a perspectiva do setor privado José Augusto Corrêa Diretor Titular Adjunto DEREX Department

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia O Comércio Exterior do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia O BRASIL NO COMÉRCIO EXTERIOR O comércio exterior é a troca de bens e serviços realizada entre

Leia mais

Os Impactos Econômicos Esperados do TPP sobre as Economias do Brasil e Argentina

Os Impactos Econômicos Esperados do TPP sobre as Economias do Brasil e Argentina Os Impactos Econômicos Esperados do TPP sobre as Economias do Brasil e Argentina Prof. Dr. Lucas Ferraz Professor da Escola de Economia de São Paulo EESP/FGV Coordenador do Centro do Comércio Global e

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

CHILE. Comércio Exterior

CHILE. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

BOLÍVIA. Comércio Exterior

BOLÍVIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BOLÍVIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

CORRENDO ATRAS DOS BONDES DA HISTÓRIA

CORRENDO ATRAS DOS BONDES DA HISTÓRIA CORRENDO ATRAS DOS BONDES DA HISTÓRIA DEZEMBRO 2015 Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal Momento atual 2 Crise política Crise econômica Isolamento do Brasil no contexto internacional Questões:

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo. 29 de Novembro de Ricardo Markwald / FUNCEX

Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo. 29 de Novembro de Ricardo Markwald / FUNCEX Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo 29 de Novembro de 2013 Ricardo Markwald / FUNCEX 2/12/2013 Introdução Comparação segundo quatro dimensões

Leia mais

PERU. Comércio Exterior

PERU. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PERU Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

COLÔMBIA. Comércio Exterior

COLÔMBIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COLÔMBIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%;

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%; Resultados dezembro de - Exportação: US$ 20,8 bilhões e média diária de US$ 992,7 milhões (+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve

Leia mais

Balança Comercial Brasileira Conselho Superior de Comércio Exterior da FIESP

Balança Comercial Brasileira Conselho Superior de Comércio Exterior da FIESP INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Balança Comercial Brasileira Conselho Superior de Comércio Exterior da FIESP Daniel Marteleto Godinho Secretário de Comércio Exterior Evolução das Exportações 2004

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Informativo CNI Importações: balanço do primeiro 2 quadrimestre do ano INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Fechado o acordo automotivo: manutenção do flex e livre comércio previsto para 2020 Nesta sexta-feira,

Leia mais

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior

ÁFRICA DO SUL. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ÁFRICA DO SUL Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO - OMC

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO - OMC ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO - OMC Bretton Woods 1944: Ainda antes do final da Segunda Guerra Mundial, chefes de governo resolveram se reunir buscando negociar a redução tarifária de produtos e serviços.

Leia mais

soluções estratégicas em economia

soluções estratégicas em economia soluções estratégicas em economia os desafios do Brasil frente aos acordos de comércio internacional dezembro 2007 roteiro 1. pano de fundo: evolução recente do comércio exterior brasileiro 2. mapa das

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Junho de 2013 Estrutura: 1. As políticas comercial e industrial: contexto e principais

Leia mais

Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL

Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL A balança comercial brasileira registou superávit de pouco mais de US$ 500 milhões em abril, próximo ao resultado

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011

IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011 IV WORKSHOP DO INFOSUCRO / IE-UFRJ MESA 3: COMÉRCIO INTERNACIONAL, BARREIRAS E POLÍTICAS MARTA LEMME (IE-UFRJ) NOVEMBRO/2011 1 Imposto de Importação Barreiras Não Tarifárias Alíquotas Ad Valorem Alíquotas

Leia mais

Marco Abreu dos Santos

Marco Abreu dos Santos Módulo 07 Capítulo 3 A atividade agropecuária e o comércio mundial Marco Abreu dos Santos marcoabreu@live.com www.professormarco.wordpress.com Principais produtos agropecuários O cultivo de cereais era

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015 São Paulo, 18 de dezembro de 2015 Novembro 2015 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015 Em novembro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 335,3 bilhões, o que significou

Leia mais

A Reforma da Política Comercial Brasileira: motivações, desafios e efeitos sobre a produtividade

A Reforma da Política Comercial Brasileira: motivações, desafios e efeitos sobre a produtividade A Reforma da Política Comercial Brasileira: motivações, desafios e efeitos sobre a produtividade INSPER Sandra P. Rios São Paulo 26 de julho de 2017 Estrutura 1. Evolução da política comercial brasileira

Leia mais

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 São Paulo, 30 de novembro de 2015 Outubro 2015 CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 Em outubro, a corrente de comércio alcançou valor de US$ 30,1 bilhões, o que significou

Leia mais

O public procurement no TTIP (Um ponto de vista europeu) Vital Moreira FDUC

O public procurement no TTIP (Um ponto de vista europeu) Vital Moreira FDUC O public procurement no TTIP (Um ponto de vista europeu) Vital Moreira FDUC Compras públicas e comércio internacional A tradicional reserva nacional nas compras públicas O argumento da soberania Sujeição

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR Junho 2017

COMÉRCIO EXTERIOR Junho 2017 Regiões analisadas aumentam suas exportações e a corrente de comércio em junho de 2017 1. Região dos 19-CIESP aumenta o déficit comercial. Este relatório tem como objetivo analisar os resultados de comércio

Leia mais

16º SEMINÁRIO SOBRE COMÉRCIO INTERNACIONAL Hotel Golden Tulip Paulista Plaza, Alameda Santos, 85 São Paulo SP

16º SEMINÁRIO SOBRE COMÉRCIO INTERNACIONAL Hotel Golden Tulip Paulista Plaza, Alameda Santos, 85 São Paulo SP 16º SEMINÁRIO SOBRE COMÉRCIO INTERNACIONAL 10.06.2016 - Hotel Golden Tulip Paulista Plaza, Alameda Santos, 85 São Paulo SP 12:00-13:15 Painel IV COMO O TPP PODE AFETAR A DIVERSIFICAÇÃO DA PAUTA DE EXPORTAÇÃO

Leia mais

Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO

Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO A balança comercial brasileira iniciou 2015 com um déficit de US$ 3,2 bilhões em

Leia mais

Departamento de Negociações Internacionais (DNI) Divisão de Negociações Extra-Regionais do Mercosul -I (DNC I)

Departamento de Negociações Internacionais (DNI) Divisão de Negociações Extra-Regionais do Mercosul -I (DNC I) Acordos Extra-Regionais no âmbito do MERCOSUL: Oportunidades de Negócios para a Região Amazônica Francisco Cannabrava Departamento de Negociações Internacionais Ministério i i das Relações Exteriores Departamento

Leia mais

Negociações de Acordos de COGEA - SEAIN

Negociações de Acordos de COGEA - SEAIN Negociações de Acordos de Compras Governamentais COGEA - SEAIN Introdução Para atingir seus objetivos, os entes governamentais devem destinar recursos públicos para a aquisição de bens, serviços e obras

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do MDIC

O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do MDIC O Brasil de hoje e perspectivas para o futuro na visão do Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul Marcos Pereira Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Caxias do Sul, 02

Leia mais

A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil

A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil Kotaro Horisaka, Universidade Sofia 1 Desafio do Brasil 2 O Novo Brasil Desenvolvimento

Leia mais

Brasil: entre acordos e mega-acordos comerciais

Brasil: entre acordos e mega-acordos comerciais propostas de política comercial Brasil: entre acordos e mega-acordos comerciais Vera Thorstensen e Lucas Ferraz O momento atual é de reflexão sobre os rumos da política de comércio exterior do Brasil.

Leia mais

- 12 MESES - Exportação: US$ 241,1 bi; Importação: US$ 238,9 bi; Saldo: +US$ 2,2 bilhões. Novembro/2013 Resultados de 2013

- 12 MESES - Exportação: US$ 241,1 bi; Importação: US$ 238,9 bi; Saldo: +US$ 2,2 bilhões. Novembro/2013 Resultados de 2013 Novembro / 2013 Resultados de 2013 - NOVEMBRO/2013 - Exportação: média diária de US$ 1,043 bilhão, 2ª maior para meses de novembro, abaixo somente de nov-11: US$ 1,089bi; - Importação: média diária de

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA Ministério das Relações Exteriores MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos DPR Divisão de Inteligência Comercial DIC SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS BRASIL x CHINA

Leia mais

Anfavea vem internacionalizando. vez mais suas ações, com a participação em negociações bilaterais,

Anfavea vem internacionalizando. vez mais suas ações, com a participação em negociações bilaterais, Globalização "Por enquanto estamos discutindo questões tarifárias, mas achamos importante levar em conta também as barreiras não-tarifárias". 66 Indústria Automobilística Brasiliera - 50 anos Anfavea vem

Leia mais

Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014

Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014 Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA O PRIMEIRO SALDO POSITIVO DO ANO,, MAS RESULTADO SEGUE MODESTO A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 112 milhões

Leia mais

AUMENTO NAS IMPORTAÇÕES INFLUENCIAM SALDO NEGATIVO DA BALANÇA COMERCIAL

AUMENTO NAS IMPORTAÇÕES INFLUENCIAM SALDO NEGATIVO DA BALANÇA COMERCIAL Fevereiro 2014 São Paulo, 31 de março de 2014 AUMENTO NAS IMPORTAÇÕES INFLUENCIAM SALDO NEGATIVO DA BALANÇA COMERCIAL A balança comercial brasileira registrou um déficit de US$ 2,1 bilhões em fevereiro,

Leia mais

Enfrentando la Revolución Industrial China

Enfrentando la Revolución Industrial China Instituto de Estrategia Internacional Enfrentando la Revolución Industrial China Rodrigo Tavares Maciel Agosto, 27 1. Alguns fundamentos da economia chinesa (e implicações para o comércio mundial) 8 7

Leia mais

Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS

Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS Apesar do superávit de US$ 293 milhões no último mês do ano, a balança comercial brasileira

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL 1 Entre 2002 e 2013 o intercâmbio entre a Itália e o Brasil cresceu 211% 12 11,7 10,8 10,8 10 9,4 9,1 8 6 4 3,6 4 5 5,5 6,4 7,8 6,7 2

Leia mais

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Joseph R. Biden População (milhões hab.): 321,3 (2015) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Resultados de 2015 Perspectivas para 2016 Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Agronegócio na Balança Comercial 300 250 37,9% 37,1% 39,5% 41,3% 43,0% 45,9% 50% 45% 40% 200 35% 30% US$ Bilhões

Leia mais

Desafios para a Consolidação da Presença Brasileira nos Países Árabes do Golfo

Desafios para a Consolidação da Presença Brasileira nos Países Árabes do Golfo Desafios para a Consolidação da Presença Brasileira nos Países Árabes do Golfo Apex-Brasil Ulisses Pimenta Unidade de Inteligência Comercial e Competitiva Núcleo África e Oriente Médio CARACTERÍSTICAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS PALESTRA CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Belo Horizonte, 30 de agosto de 2016 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

Leia mais

Abertura comercial e tarifas de importação no Brasil

Abertura comercial e tarifas de importação no Brasil 70 Agosto 2010 Abertura comercial e tarifas de importação no Brasil Lia Valls Pereira Em 1990, o governo brasileiro anunciou uma ampla reforma tarifária que deveria ser completada em 1994. A tarifa máxima

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

ISRAEL. Comércio Exterior

ISRAEL. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISRAEL Comércio Exterior Abril de 2016 Principais indicadores socioeconômicos

Leia mais

A AMÉRICA LATINA INDUSTRIALIZADA O PROCESSO DE SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES

A AMÉRICA LATINA INDUSTRIALIZADA O PROCESSO DE SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES A AMÉRICA LATINA INDUSTRIALIZADA O PROCESSO DE SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES DURANTE O PÉRÍODO DAS GUERRAS MUNDIAIS, OS PAÍSES EUROPEUS PARARAM DE EXPORTAR ARTIGOS INDUSTRIALIZADOS

Leia mais

São Paulo, 10 de janeiro de 2012.

São Paulo, 10 de janeiro de 2012. São Paulo, 10 de janeiro de 2012. Dezembro 2012 Dezembro registrou superávit comercial de US$ 2,2 bilhões: o resultado é 41% menor do que o saldo do mesmo mês de 2011. No acumulado do ano, as exportações

Leia mais

Janeiro Atualizado até 10/02/2012.

Janeiro Atualizado até 10/02/2012. Janeiro 2012 crescem acima das exportações: o saldo da balança comercial brasileira iniciou o ano com um déficit de US$ 1,3 bilhão, após consecutivos saldos superavitários desde fevereiro de 2010. Em relação

Leia mais

ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Integração econômica: Mercado comum e desafios da moeda comum

Integração econômica: Mercado comum e desafios da moeda comum Integração econômica: Mercado comum e prof.dpastorelli@usjt.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia visão geral intensificação a partir do término da II Guerra período anterior foi marcado

Leia mais

Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB

Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB CÂMARA DE INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS DE CAXIAS DO SUL CIC SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NOVO MUNDO, NOVAS FRONTEIRAS: A SITUAÇÃO DO BRASIL Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB 9 / NOVEMBRO /

Leia mais

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro MAIO DE 2014 1 RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro Expediente Maio de 2014 Ano XII - nº 05 Sistema FIRJAN Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL BALANÇA COMERCIAL Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Indicadores Sócioeconômicos dos Países do Mercosul 2010 BRASIL ARGENTINA PARAGUAI URUGUAI PIB (US$ bi) 2.090,3 370,3 18,5 40,3

Leia mais

Exportações de manufaturas e acordos comerciais

Exportações de manufaturas e acordos comerciais SEMINÁRIO INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO BRASIL Exportações de manufaturas e acordos comerciais Lia Baker Valls Pereira FGV/IBRE UERJ Promoção: EESP/FGV e IBRE/FGV. São Paulo, 26 e 27 de maio

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Logística em Angola. Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016

Logística em Angola. Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016 Logística em Angola Comércio Bilateral Liliana Louro 23 Março 2016 Grupo Bureau Veritas A nossa identidade : Uma Empresa Global 66.500 Colaboradores 1.400 Escritórios e Laboratórios em 140 países Europa

Leia mais

BRAZILIAN-AMERICAN CHAMBER OF COMMERCE OF FLORIDA. Seminário Como Ingressar no Mercado Norte-Americano

BRAZILIAN-AMERICAN CHAMBER OF COMMERCE OF FLORIDA. Seminário Como Ingressar no Mercado Norte-Americano BRAZILIAN-AMERICAN CHAMBER OF COMMERCE OF FLORIDA Seminário Como Ingressar no Mercado Norte-Americano Miami 2, 3 e 4 de Outubro de 2017 Quem é a BACCF? Maior e mais ativa câmara binacional das Américas

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL Estados Associados* 2010-2014 * Mercado Comum do Sul Estados Associados é composto por República do Chile, República da Colômbia, República do Equador, República Cooperativa da Guiana,

Leia mais

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES Janeiro 2014 São Paulo, 28 de fevereiro de 2014 PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES O saldo da balança comercial brasileira ficou negativo em US$ 4,06 bilhões, o que significou

Leia mais

Integração regional: Fundamentos, autonomia e multipolaridade

Integração regional: Fundamentos, autonomia e multipolaridade Integração regional: Fundamentos, autonomia e multipolaridade Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ Bibliografia básica R. Baumann, O. Canuto e R. Gonçalves Economia Internacional. Teoria e Experiência

Leia mais

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA José Rubens De La Rosa Presidente, Marcopolo 30/07/2014 1 O Brasil tem oportunidades, mas para aproveitá-las precisa vencer alguns desafios

Leia mais

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional. Capítulo 2 Políticas Comerciais

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional. Capítulo 2 Políticas Comerciais Sumário Parte 1 Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional 1.1. Uma breve abordagem histórica 1.1.1. A Passagem do Protecionismo para o Liberalismo 1.2. Teorias Clássicas 1.2.1. Teoria

Leia mais

LUIZ AUGUSTO ROCHA Coordenação de Inteligência Comercial

LUIZ AUGUSTO ROCHA Coordenação de Inteligência Comercial LUIZ AUGUSTO ROCHA Coordenação de Inteligência Comercial AGENDA o Panorama Macroeconômico do México o Exportações Brasileiras para o México o Exportações Paranaenses para o México o Oportunidades para

Leia mais

A Nova Estratégia Comercial da União Europeia: Mega-acordos, Regulação e Desenvolvimento Sustentável

A Nova Estratégia Comercial da União Europeia: Mega-acordos, Regulação e Desenvolvimento Sustentável A Nova Estratégia Comercial da União Europeia: Mega-acordos, Regulação e Desenvolvimento Sustentável Bruxelas, novembro de 2015 Sumário Executivo A nova Estratégia de Comércio e Investimento da Comissão

Leia mais

Balança Comercial [Jan. 2009]

Balança Comercial [Jan. 2009] Highlight: Balança Comercial [Jan. 2009] A pós queda de demanda mundial, desde de, a trombose do sistema financeiro (em setembro /08), as exportadores brasileiros vem perdendo dinamismo. Seria ingenuidade

Leia mais

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Setembro de 2008 Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Global Asset Management 1 Conteúdo Integração entre Brasil e Ásia Redução do Home Bias e seus efeitos

Leia mais

TRIPs. (A not-too- bad trip)

TRIPs. (A not-too- bad trip) TRIPs (A not-too- bad trip) O GATT Gênese do TRIPs Globalização Patrimonialização Introdução ao Trips Bretton Woods 1944 FMI, Nações Unidas, BIRD 1948 OCI _ 50 países negociaram, 23 iniciaram Regras de

Leia mais

CONCEX Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Acordos Comerciais Internacionais

CONCEX Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Acordos Comerciais Internacionais CONCEX Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS CIC - Caxias do Sul Acordos Comerciais Internacionais Grupo Temático de Negociações Internacionais Frederico

Leia mais

Barreiras Técnicas ao Comércio

Barreiras Técnicas ao Comércio Barreiras Técnicas ao Comércio Juliana Ghizzi Pires DEPARTAMENTO DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR- SECEX Sistema Multilateral de Comércio Sistema Multilateral de Comércio Pós

Leia mais

MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL

MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL MUDANÇAS NO CENÁRIO INTERNACIONAL X OPORTUNIDADES PARA O MERCADO LOCAL BRASIL 7ª maior economia mundial 2ª maior da América Latina (Nom./PPP) 5º maior território Maior da América Latina 5ª maior população

Leia mais

Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira

Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Brasília, 21 de agosto de 2017 2 Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Introdução... 5 1 Acordos... 6 1.1 Acordo para Evitar a Dupla Tributação

Leia mais