Diabetes Gestacional O que há de novo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diabetes Gestacional O que há de novo?"

Transcrição

1 VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO III SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO Diabetes Gestacional O que há de novo? ROSA DANTAS, 26 DE JANEIRO DE 2017

2 Introdução

3 Hiperglicémia na Gravidez Diabetes Gestacional Subtipo de intolerância aos hidratos de carbono diagnosticado ou detetado pela primeira vez no decurso da gravidez Diabetes na Gravidez Inclui Diabetes previamente diagnosticada e Diabetes prévia não diagnosticada Menos frequente e mais grave Vigilância mais apertada Diabetes Care 2010; 32 (3):

4 Epidemiologia IDF, 7th IDF Diabetes Atlas, Update 2015 Diabetes: Factos e Números Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes SPD

5 Fisiopatologia B Baz et al, EJE 2016; 174:2, R43-51

6 Critérios de Diagnóstico

7 Rastreio e Diagnóstico Ausência de consenso Critérios de diagnóstico e seus limiares Prova de rastreio Fatores de risco para estratificação Estratégias de monitorização Tratamento Diabetes Care 2013; 36: Fetal Matern Med Rev 2008;19(3): Best Pract Res Clin Endocrinol Metab 2010;24:

8 Diabetes Res Clin Pract 2014; 103: Diabetes Care 2010; 33 (3): J Clin Endocrinol Metab 2013; 98: Diabetes Care 2017 Jan; 40 (Supplement 1): S1-S2. Rastreio de Diabetes Gestacional Organização Rastreio Timing rastreio Método Rastreio WHO,2013 IADPSG,2010 Endocrine Society, 2013 Universal ADA,2017 Universal S 1º T GJ 24-28S PTOG 75 g PTOG : One step: 75 g Two step: 50 g e 100 g 1º trimestre só a gravidas com factores de risco Diabetes Prévia

9 Diagnóstico de Diabetes Gestacional Organização Timing Diagnóstico Método Diagnóstico Limites glicémicos Nº alterações 0 1h 2h 3h WHO,2013 Endocrine Society, 2013 IADPSG, ºT GJ S PTOG 75 g ºT GJ S PTOG 75 g ADA, S PTOG One step: 75 g PTOG Two step: 50 g PTOG Two step: 100 g Diabetes Res Clin Pract 2014; 103: Diabetes Care 2010; 33 (3): J Clin Endocrinol Metab 2013; 98: Diabetes Care 2017 Jan; 40 (Supplement 1): S1-S2.

10 Portugal, 2011 Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011

11 Portugal, 2017 Primeira visita pré-natal: Glicemia em jejum a todas as mulheres 1. Glicemia em jejum 126 mg/dl ou Glicemia ocasional > 200 mg/dl + confirmação* Diagnosticar como DIABETES NA GRAVIDEZ Tratar e seguir como Diabetes prévia 2. Glicemia jejum 92 mg/dl e < 126 mg/dl Diagnosticar como DIABETES GESTACIONAL 3. Glicemia jejum < 92 mg/dl - rastrear DG às semanas *Grávidas com valores de glicemia plasmática em jejum igual ou superior a 126 mg/dl ou com um valor de glicemia plasmática ocasional superior a 200 mg/dl, se confirmado com um valor em jejum superior ou igual a 126 mg/dl, devem ser consideradas como tendo o diagnóstico de Diabetes Mellitus na Gravidez.

12 Portugal, semanas: Realização da PTOG 1. Glicemia em jejum 126 mg/dl ou na 2ª hora 200 mg/dl Diagnosticar como DIABETES NA GRAVIDEZ Tratar e seguir como Diabetes prévia 2. Um ou mais valores alterados, mas inferiores aos do ponto anterior (ver tabela) Diagnosticar DIABETES GESTACIONAL 3. Todos os Valores normais (ver tabela A Normal) Hora Normal Hiperglicemia na Gravidez Diabetes Gestacional Glicemia plasmática mg/dl (mmol/l) Diabetes na Gravidez 0 < 92 (5,1) (5,1 6,9) 126 (7,0) 1 < 180 (10,0) 180 (10,0) - 2 < 153 (8,5) (8,3 10,9) 200 (11,0)

13 Autovigilância Glicémica CONSENSO 2011: Grávidas com DG sob terapêutica farmacológica (insulina): 3 pesquisas préprandiais e 3 pesquisas pós prandiais, 1 hora após início das refeições. Poderia ser necessário uma determinação glicémia as 03h-04h da manhã. CONSENSO 2017 Grávidas com DG sob terapêutica farmacológica : 4 ou mais determinações glicémicas. Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011

14 Objetivos Glicémicos 34 estudos 9433 grávidas com DG, DM tipo 1 ou 2 15 RCT s, 18 coorte, 1 caso controlo Only a FBG < 90 mg/dl was associated with a protective effect on the development of macrosomia (OR 0.53, 95% CI , p=0,02). All the other measures did not show a statistically significant association for any of the analyzed cutoff points. Pre- and postprandial measures were reported less often. The analyses for these measures were limited by significant statistical heterogeneity FBG: fasting blood glucose (glicémia capilar em jejum) JCEM 2013, 98(11):

15 Objetivos Glicémicos Organização Objetivos glicémicos (mg/dl) Jejum 1h pós prandial 2h pós prandial ADA, Endocrine Society, Em Portugal Ano Jejum / Pré-prandial Objetivos glicémicos (mg/dl) 1h após o início das refeições Consenso Consenso Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011 J Clin Endocrinol Metab 2013; 98: Diabetes Care 2017 Jan; 40 (Supplement 1): S1-S2. JCEM 2013, 98(11):

16 Terapêutica

17 Terapêuticas Terapêutica nutricional ADO Insulinas Basais Prandiais ADA 2017 Endocrine Society 2013 Inicial Glibenclamida Pode ser usada Metformina Protamina (NPH) Detemir Glargina Regular Lispro Aspártica Glulisina Pode ser usada Uso preferencial Inicial Alternativa á insulina, excepto se diagnóstico antes 25 sem ou GJ>110 mg/dl-> insulina. Apenas no 2º e 3º trimestre, se insulina e glibenclamida não estiverem indicadas 1ª opção 2ª opção se hipoglicemia com NPH Pode ser continuada, sem aprovação FDA 2ª opção 1ª opção 1ª opção Não recomendada J Clin Endocrinol Metab 2013; 98: Diabetes Care 2017 Jan; 40 (Supplement 1): S1-S2

18 Em Portugal CONSENSO 2011: Apesar de existirem diversos estudos com antidiabéticos orais, a insulina ainda é o tratamento preferencialmente preconizado. Apesar da metformina e glibenclamida terem demonstrado ser eficazes e seguras o início ou a manutenção destes fármacos na gravidez só deverá ser efetivado após a obtenção do consentimento informado... Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011

19 Em Portugal CONSENSO 2017: Com base nos estudos existentes sobre o uso de ADO não existe, comparativamente à insulina, diferença na evolução da gravidez e complicações neonatais. A metformina atravessa a placenta, contudo não foram demonstrados efeitos teratogénicos. Vários estudos têm demonstrado um menor aumento de peso na grávida. A glibenclamida atravessa a placenta, não estando demonstrado qualquer efeito teratogénico. Com este fármaco parece, no entanto, existir um maior risco de hipoglicemia neonatal.

20 CONSENSO 2017: Em Portugal Dose inicial Dose máxima Frequência Horário Metformina 500 mg 2500 mg 1 a 3 Durante ou após refeição Glibenclamida 1.25 mg 20 mg 1 a 3 Antes das refeições

21 Antidiabéticos orais Vantagens Via e horário de administração Sem necessidade de refrigeração Maior satisfação do doente e adesão á terapêutica Menor custo Sem desenvolvimento de complexos anticorpos anti-insulina Am J Clini Exp Med 2016; 4(2): 13-19

22 Glibenclamida Ensaio randomizado controlado 404 grávidas com DG 201 glibenclamida 203 insulina Glibenclamida Indetetável no sangue cordão umbilical. Menos hipoglicemias maternas (2% vs 20%, p= 0.03) Sem diferenças Eficácia terapêutica : 82% vs 88% Incidência pré-eclâmpsia: 6% vs 6% Necessidade de cesariana: 23% vs 24% Outcomes neonatais N Engl J Med 2000;343: )

23 Glibenclamida Ensaio randomizado controlado 404 grávidas com DG 201 glibenclamida 203 insulina Sem diferenças [ ] Insulina cordão umbilical-soro Peso nascimento, nº macrossómicos Complicações metabólicas neonatais (hipoglicemia, hipocalcemia, policitemia e hiperbilirrubinemia) Complicações respiratórias Admissão UCIN N Engl J Med 2000;343:1134-8

24 Glibenclamida Reduzida passagem transplancentária (1-4) Alta eficácia terapêutica (até 80%) (1,4-7) Nº de hipoglicemias maternas Sem diferenças vs insulina (4) Menos hipoglicemias vs insulina (1,4,8) Maior nº de hipoglicemias vs insulina (9) Necessidade de cesarianas: Sem diferenças vs insulina (1,5,7,10) Ocorrência de pré-eclâmpsia Sem diferença s vs insulina (1-3) Maior risco vs insulina (5,9) 1. N Engl J Med 2000; 343: ) 2. Am J Obstet Gynecol 2006; 195: J Obstet Gynaecol Res. 2013; 39: Am J Obstet Gynecol 2009; 200: Am J Obstet Gynecol. 2004; 190(5): J Perinatol 2004; 24: J. Perinat. Med. 33 (2005) Obstet Gynecol 2004; 104: Am J Obstet Gynecol, 2005, 193, J Perinatol, 2007, 27,

25 Glibenclamida Complicações neonatais Nº de macrossómicos Sem diferenças vs insulina (1,5,10) Maior nº macrossómicos (5,4,7) Nº de casos de hiperbilirrubinemia neonatal Maior nº de RN com hiperbilirrubinemia (5,9) Nº de hipoglicemias neonatais Sem diferença vs insulina (1,5,6,4) Maior nº hipoglicemias neonatais (7,10) 1. N Engl J Med 2000; 343: ) 2. Am J Obstet Gynecol 2006; 195: J Obstet Gynaecol Res. 2013; 39: Am J Obstet Gynecol 2009; 200: Am J Obstet Gynecol. 2004; 190(5): J Perinatol 2004; 24: J. Perinat. Med. 33 (2005) Obstet Gynecol 2004; 104: Am J Obstet Gynecol, 2005, 193, J Perinatol, 2007, 27,

26 Metformina Ensaio randomizado controlado 751 grávidas com DG 363 metformina 388 insulina Metformina Sem diferenças 46.3% necessitaram de insulinoterapia Menores doses de insulina (p=0.002) Menor ganho de peso materno Maior incidência de parto pré-termo (p<0.001) Menor nº hipoglicemias neonatais graves (p=0.008) Hipoglicemia neonatal Stress respiratório Necessidade de fototerapia Apgar aos 5` Antropometria fetal Insulinemia cordão umbilical NEJM (2008) 358;19,

27 Metformina Fácil passagem transplacentária (1) Outcomes maternos: Controlo metabólico Sem diferenças no controlo metabolico (5,7,10,11) Menor eficácia terapêutica no controlo glicémico (2,6) Ganho de peso Menor ganho de peso materno (2,4,5,7,10,11) Hipoglicemias maternas Menor nº de hipoglicemias vs insulina (1,2,10) (1) Am J Clin Exp Med 2016; 4(2): (2) N Engl J Med 2008; 358: (3) Diabet Med 2000; 17: (4) Diabet Med 2009; 26: (5) BJOG 2011; 118: (6) Int J Gynaecol Obstet 2010; 111: (7) Am J Obstet Gynecol 2013; 209: 34.

28 Metformina Outcomes Neonatais Ocorrência de prematuridade Sem diferenças Menor risco vs insulina (4) Maior incidência de prematuridade (2,11) Incidência de SGA Sem diferença (2,7,8,6,9,11) Maior incidência de SGA( 5,7,10) Hipoglicemias neonatais Sem diferença (8,6,11) Menor risco vs insulina (2,5,7,10) Necessidade de admissão à UCI Sem diferença (8,11) Menor risco vs insulina (4,10) Hiperbilirrubinemia neonatal Sem diferenças (2,7,8,11) Menor risco vs insulina (4,10) (1) Am J Clin Exp Med 2016; 4(2): (2) N Engl J Med 2008; 358: (3) Diabet Med 2000; 17: (4) Diabet Med 2009; 26: (5) BJOG 2011; 118: (6) Int J Gynaecol Obstet 2010; 111: (7) Am J Obstet Gynecol 2013; 209: 34. (8) Diabetes Obes Metab 2013; 15: (9) Eur J Pediatr (2009) 168: (10) Journal of Diabetes Research, 2015, Article ID (11) PLoS One May 27;8(5):e64585.

29 Antidiabéticos orais Sem aprovação pela FDA para o tratamento da diabetes durante a gravidez. Considerados seguros na gravidez e amamentação por algumas entidades*. Considerados opção terapêutica nas guidelines internacionais preferencialmente a glibenclamida (maior nº de estudos e experiência). *NICE, North American Diabetes in Pregnancy Study Group Am J Clini Exp Med 2016; 4(2): 13-19

30 Parto

31 Em Portugal IDADE GESTACIONAL PARTO CONSENSO 2011: Bom controlo metabólico (plano alimentar e exercício físico): 40 e as 41 semanas. Bom controlo metabólico (intervenção farmacológica): 39 semanas. CONSENSO 2017: Nas grávidas com bom controlo metabólico e sem alterações do crescimento fetal e/ou liquido amniótico a gestação não deverá ultrapassar as 40 semanas e 6 dias. Nas restantes grávidas (difícil controlo, alterações no crescimento fetal, alterações da quantidade de liquido amniótico, presença de outra complicações obstétricas) deverá ser uma decisão individualizada não devendo ultrapassar as 39 semanas e 6 dias. Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011, Actualizado em 2016

32 Em Portugal VIA DO PARTO CONSENSO 2011: A via vaginal é preferencial. Nos casos em que a estimativa do peso fetal (EPF), no termo, seja superior a 4000 gramas deverá ser ponderada a realização de uma cesariana electiva. RECOMENDAÇÕES 2017: A via vaginal é preferencial. Nos casos em que há uma discrepância entre perímetro abdominal e perímetro cefálico importante ( 50 mm), um perímetro abdominal superior ao P95 e/ou uma estimativa fetal superior a 4500 gramas deverá ponderar-se a realização de uma cesariana eletiva. Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011

33 Avaliação Pós-Parto

34 Reclassificação Organização Indicação Timing Prova Reclassificação Seguimento NICE Universal 6 13 S PTOG 75 g Anual ADA,2017 Universal 4 12 S PTOG 75 g 1 a 3 anos nice.org.uk/guidance/ng3, 2015 Diabetes Care 2017 Jan; 40 (Supplement 1): S1-S2.

35 Em Portugal RECLASSIFICAÇÃO CONSENSO 2011 E RECOMENDAÇÕES 2017 Todas as mulheres com o diagnóstico prévio de DG deverão ser submetidas a uma PTOG com 75g de glicose, idealmente 6 a 8 semanas após o parto, como forma de reclassificação, de acordo com os critérios da OMS RECOMENDAÇÕES 2017: Diabetes na Gravidez A informação disponível sobre a necessidade de reclassificação é omissa sobre a realização de uma PTOG após o parto nas mulheres com estes antecedentes. É colocada maior relevância no rastreio mais efetivo das complicações crónicas da doença, pelo que se deverá dar mais ênfase à glicemia em jejum e à HbA1c na avaliação metabólica pós parto destas mulheres. Relatório Consenso Diabetes e Gravidez, 2011

36 Conclusões

37 Consulta de Patologia Endócrina na Gravidez Tratamento da Diabetes Gestacional com Metformina, 2016, n=26 Dados Metformina (n= 26 ) Insulina (n=58) Semana parto (n=14) Média (desvio padrão) Apgar 5 Média (desvio padrão) Peso RN (n=14): Média (desvio padrão) Min-maximo Aumento de peso materno Média (desvio padrão) Parto Eutócico Distócico Cesariana n=14 38,1 (1,7) 38,2 (2,0) n=13 9,76 (0,4) 9,8 (1,0) n= ,6 (509,9) ,1 (450,9) n=14 7,6 (8,3) 9,5 (6,8) n=13 53,8 30,8 15,4 Reclassificação n=5 Normal 31,1 29,3 39,6 n=51 6 hiperglicemias intermedias

38 Conclusões DIABETES GESTACIONAL Divergência e multiplicidade de critérios de rastreio e diagnóstico. Progressos na vigilância e tratamento. Necessários mais estudos para definição objetiva de Critérios de rastreio e diagnóstico Objetivos glicémicos Opções terapêuticas Provas de reclassificação

39 VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO III SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO Diabetes Gestacional O que há de novo? ROSA DANTAS, 26 DE JANEIRO DE 2017

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter

A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter 2012 Norte 16 de Novembro 6ª feira A insulinoterapia ao alcance de todos Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Indicações para insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Hiperglicémias em

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Leia mais

INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2. Alessandra Matheus (UERJ)

INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2. Alessandra Matheus (UERJ) INSULINOTERAPIA NO DIABETES TIPO 2 Alessandra Matheus (UERJ) Nenhum conflito de interesses Agenda Tipos de insulina Quando e como iniciar a insulinoterapia? Qual esquema de insulina utilizar? Como intensificar?

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES

NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES VI JORNADAS DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E NUTRIÇÃO DE AVEIRO III SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS NA DIABETES Teresa Azevedo Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Nutrição do Centro Hospitalar do

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro 39 OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C)

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Estudo de um Grupo de Grávidas com Diabetes Gestacional seguidas numa consulta multidisciplinar de Diabetes e Gravidez QjGSA)

Estudo de um Grupo de Grávidas com Diabetes Gestacional seguidas numa consulta multidisciplinar de Diabetes e Gravidez QjGSA) Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Estudo de um Grupo de Grávidas com Diabetes Gestacional seguidas numa consulta multidisciplinar de Diabetes e Gravidez QjGSA) Ano

Leia mais

Novas Insulinas. Ana Rita Caldas. Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho

Novas Insulinas. Ana Rita Caldas. Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho Novas Insulinas Ana Rita Caldas Assistente Hospitalar de Endocrinologia Unidade Local de Saúde do Alto Minho Janeiro 2017 Ausência de conflitos de interesse Organização da apresentação por data de lançamento

Leia mais

Contagem de Carboidratos

Contagem de Carboidratos Leticia Fuganti Campos Nutricionista da Nutropar Mestre pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Especialista em Nutrição Clínica pelo GANEP Pós-graduanda em Educação em Diabetes Treinamento

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Por que a preocupação? 50% dos diabéticos sofrerão alguma cirurgia Hiperglicemia

Leia mais

Diabetes na gravidez

Diabetes na gravidez Diabetes na gravidez Diabetes Doença conhecida desde o século II da era cristão Diabetes: em grego sifão eliminação exagerada de água pelo organismo Mellitus: em latim doce como mel urina adocicada Diabetes

Leia mais

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse Jean Carl Silva Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou

Leia mais

DIABETES GESTACIONAL: AVALIAÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS DOS NOVOS. Céline Raposo Gama. Artigo de Investigação Mestrado Integrado em Medicina

DIABETES GESTACIONAL: AVALIAÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS DOS NOVOS. Céline Raposo Gama. Artigo de Investigação Mestrado Integrado em Medicina Artigo de Investigação Mestrado Integrado em Medicina DIABETES GESTACIONAL: AVALIAÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS DOS NOVOS CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO Céline Raposo Gama Orientador Dr. Jorge Manuel Dores Porto 2012

Leia mais

Diário de Glicemia. O diabetes sob controle

Diário de Glicemia. O diabetes sob controle Diário de O diabetes sob controle Apresentação Com o desenvolvimento de novos medicamentos antidiabéticos, insulinas e equipamentos que auxiliam o controle da glicemia, o diabético pode viver bem. Entre

Leia mais

HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR

HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR HIPERGLICEMIA HOSPITALAR GRUPO DE ESTUDO DA HIPERGLICEMIA HOSPITALAR Grupo de Estudo de Hiperglicemia Hospitalar Marcos Tadashi K. Toyoshima Sharon Nina Admoni Priscilla Cukier Simão Augusto Lottenberg

Leia mais

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante: Hipoglicemia TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipoglicemia

Leia mais

Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS

Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS Protocolo de Vigilância Materno-Fetal MATERNIDADE DANIEL MATOS PROTOCOLO GRAVIDEZ SEM RISCO PRÉ-NATAL Médico de Família Consulta de Referência 11-13 semanas 20-22 semanas 28-32 semanas 40 semanas Atenção

Leia mais

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5 HND.ANT.POP.002 20.10.2015 20.10.2017 01 1 /5 1. FINALIDADE Este procedimento tem como objetivo estabelecer regras e normas para orientar a realização do jejum pré-anestésico visando redução dos riscos

Leia mais

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Dra. Roberta Frota Villas-Boas GruPAC DM Hiperglicemia x internação alta incidência pouco valorizada aumenta morbi-mortalidade e permanência hospitalar

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

TERAPÊUTICA DA OBESIDADE NO DOENTE DIABÉTICO

TERAPÊUTICA DA OBESIDADE NO DOENTE DIABÉTICO TERAPÊUTICA DA OBESIDADE NO DOENTE DIABÉTICO Ana Tavares Ana Miranda A L I M E N T A Ç Ã O OBESIDADE Definida como um acumulação excessiva de massa gorda, que pode afectar negativamente a saúde 1.6 biliões

Leia mais

TRATAMENTO DO DIABETES DO IDOSO CONGRESSO CATARINENSE DE CARDIOLOGIA 2012

TRATAMENTO DO DIABETES DO IDOSO CONGRESSO CATARINENSE DE CARDIOLOGIA 2012 TRATAMENTO DO DIABETES DO IDOSO CONGRESSO CATARINENSE DE CARDIOLOGIA 2012 Potencial Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 102/2000 da

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2

NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 NOVAS ABORDAGENS INTENSIVAS PARA O CONTROLE DO DIABETES TIPO 2 DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo UNIFESP

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 -

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 - DIABETES MELLITUS 3.3 - Diagnóstico Glicemias (mg/dl) Categorias Jejum mínimo de 8h 2hs após 75g de glicose Casual Normal 70 a 99 até 139 - Tolerância à glicose diminuída 100 a 125 140 a 199 - Diabetes

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia

Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia Complicações agudas no Diabetes Mellitus e seu tratamento: hipo e hiperglicemia Profa. Dra. Lilian C. Gomes Villas Boas Enfermeira colaboradora do Ambulatório de Diabetes do HCFMRP- USP (2007 2013) Membro

Leia mais

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública

O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública O Custo do Mau Controle do Diabetes para a Saúde Pública DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador dos Grupos de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de

Leia mais

DISFUNÇÃO TIREOIDIANA NA GESTAÇÃO. Lireda Meneses Silva

DISFUNÇÃO TIREOIDIANA NA GESTAÇÃO. Lireda Meneses Silva DISFUNÇÃO TIREOIDIANA NA GESTAÇÃO Lireda Meneses Silva Gestação - fisiologia Aumento dos níveis de TBG Iodo Aumento do clearence I Transporte do I na unidade feto-placentária Ação da Deiodinase 2 e 3 placentárias

Leia mais

Sessão Televoter Hipertensão

Sessão Televoter Hipertensão 2013 27 de Abril Sábado Sessão Televoter Hipertensão António Pedro Machado Carlos Rabaçal Joana Bordalo Hipertensão na gravidez Evolução da PA durante a gravidez em 6000 mulheres entre os 25 e os 34 anos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, e

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições legais, e MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA nº 2.583 de 10 de outubro de 2007 Define elenco de medicamentos e insumos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, nos termos da Lei nº 11.347/2006, aos usuários portadores

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

CRESCIMENTO FETAL E CONTROLO GLICÉMICO EM GRÁVIDAS DIABÉTICAS TIPO 1

CRESCIMENTO FETAL E CONTROLO GLICÉMICO EM GRÁVIDAS DIABÉTICAS TIPO 1 ARTIGO ORIGINAL ACTA MÉDICA PORTUGUESA 2004; 17: 167-172 CRESCIMENTO FETAL E CONTROLO GLICÉMICO EM GRÁVIDAS DIABÉTICAS TIPO 1 MARIA VÍTOR CAMPOS, L. RUAS, S. PAIVA, P. LEITÃO, C. LOBO, E. MARTA, E. SOBRAL,

Leia mais

A Diabetes Gestacional (DG) é uma das patologias endocrinológicas mais frequentemente

A Diabetes Gestacional (DG) é uma das patologias endocrinológicas mais frequentemente INTRODUÇÃO A Diabetes Gestacional (DG) é uma das patologias endocrinológicas mais frequentemente encontradas na gravidez. Definia-se, classicamente, como qualquer grau de intolerância à glicose detetada,

Leia mais

ACARBOSE. Hipoglicemiante

ACARBOSE. Hipoglicemiante ACARBOSE Hipoglicemiante INTRODUÇÃO Conforme a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) a síndrome metabólica corresponde a um conjunto de doenças cuja base é a resistência insulínica.

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 4. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 4. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 4 Perfil de ação das insulinas disponíveis

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO CLÍNICO NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE COM DIABETES GESTACIONAL

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO CLÍNICO NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE COM DIABETES GESTACIONAL ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO CLÍNICO NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE COM DIABETES GESTACIONAL Iana Luísa Melo de Assunção; Alinne Sousa Barbosa; René Monteiro Araújo; Angélica Pereira Ribeiro; Ana Cláudia Dantas

Leia mais

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Síndrome caracterizada pela gestação associada à hiperglicemia, devido a um defeito absoluto ou relativo na secreção de insulina ou um defeito

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

Consenso Diabetes Gestacional : Atualização 2017

Consenso Diabetes Gestacional : Atualização 2017 RECOMENDAÇÕES G U I D E L I N E S Consenso Diabetes Gestacional : Atualização 2017 Consensus on Gestational Diabetes: 2017 Update Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD), com a colaboração de: Sociedade

Leia mais

Artigo de Revisão Bibliográfica

Artigo de Revisão Bibliográfica Artigo de Revisão Bibliográfica CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO DA DIABETES GESTACIONAL O CAMINHO PARA UM CONSENSO DIAGNOSTIC CRITERIA FOR GESTATIONAL DIABETES THE ROAD TO CONSENSUS Elisabete da Costa Brandão

Leia mais

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Síndrome de insulino-resistência, síndrome metabólica: definições 15 SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Sandra Paiva Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital

Leia mais

DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA

DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA DIABETES MELLITUS NA INFÂNCIA Síndrome de etiologia múltipla; Decorrência da falta de insulina e/ou incapacidade em exercer adequadamente suas ações; Alterações no metabolismo dos CHOs, PTN, LIP CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

DIA MUNDIAL DA SAÚDE: DETERMINAÇÃO DA GLICEMIA CAPILAR EM SERVIDORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

DIA MUNDIAL DA SAÚDE: DETERMINAÇÃO DA GLICEMIA CAPILAR EM SERVIDORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Orientações Clínicas para profissionais de saúde Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual, Reprodutiva, Infantil e Juvenil Direção-Geral da Saúde Reduzir

Leia mais

Anotadas do ano anterior (Nutrição Clínica; Critérios de diagnóstico da Síndrome Metabólica);

Anotadas do ano anterior (Nutrição Clínica; Critérios de diagnóstico da Síndrome Metabólica); Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 de Janeiro de 2009 Disciplina: Seminário (Endocrinologia) Prof.: Isabel do Carmo Tema da Aula Teórica/Seminário: Obesidade e Síndrome Metabólica Autora: Mónica Caixa

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 2 Uso correto da medicação oral e insulina

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Diabetes na gestação

Diabetes na gestação Diabetes na gestação Diabetes in pregnancy Diabetes en la gestación Raquel C. Abi-Abib, Carolina A. Cabizuca, João Regis I. Carneiro, * Fernanda O. Braga, Roberta A. Cobas, Marília B. Gomes, Guilherme

Leia mais

Diabetes do Idoso. Teresa Dias. Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa

Diabetes do Idoso. Teresa Dias. Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Teresa Dias Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Prevalência Pelo menos 20% dos indivíduos com mais de 65 anos têm diabetes Cerca de 14% têm tolerância diminuída à glucose Diabetes Care, 2012; 35 (Sup

Leia mais

Contagem de Hidratos de Carbono e ajustes de Insulina

Contagem de Hidratos de Carbono e ajustes de Insulina 1/2 Qual o objetivo? No caso das pessoas que fazem insulina dita rápida (insulina prandial) antes das refeições, é útil poder calcular a dose eata de insulina a administrar antes da refeição, para que

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PEDIDO DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PEDIDO DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PEDIDO DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO DCI Empagliflozina N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem Titular de AIM 5607411 5607403 5607429

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou primeiro

Leia mais

Diabete Gestacional. Maria José Zanella. Endocrinologista do Ambulatório de Diabete e Gestação do Hospital São Lucas PUCRS

Diabete Gestacional. Maria José Zanella. Endocrinologista do Ambulatório de Diabete e Gestação do Hospital São Lucas PUCRS Diabete Gestacional Maria José Zanella Endocrinologista do Ambulatório de Diabete e Gestação do Hospital São Lucas PUCRS Diabete Gestacional Definição: Qualquer grau de intolerância a glicose diagnosticado

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº CARTÃO DA GESTANTE Nome ANS- nº 0004 Endereço Município Bairro Telefone Nome da Operadora Registro ANS AGENDAMENTO Hora Nome do profissional Sala ANS- nº 0004 1 Idade Estado Civil Peso anterior Altura (cm)

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

Aprenda a Viver com a Diabetes

Aprenda a Viver com a Diabetes Aprenda a Viver com a Diabetes Diabetes A Diabetes é uma grave condição de saúde que atinge de 150 milhões de pessoas em todo o Mundo e estima-se que em Portugal existam cerca de 900 mil pessoas com Diabetes.

Leia mais

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Bárbara de Castro Borges 1 Tania Cristina Andrade 2 Resumo A manutenção da glicemia normal depende principalmente da capacidade

Leia mais

O Valor das Farmácias Rede de Saúde de Proximidade Benefícios económicos da campanha Controlar a diabetes está na sua mão. Um Case Study.

O Valor das Farmácias Rede de Saúde de Proximidade Benefícios económicos da campanha Controlar a diabetes está na sua mão. Um Case Study. BANCO ESPIRITO SANTO Research Sectorial CENTRO DE ESTUDOS E AVALIAÇÃO EM SAÚDE O Valor d Farmáci Rede de Saúde de Proximidade Benefícios económicos da campanha Controlar a diabetes está na sua mão. Um

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Sumário. Data: 15/06/2014 NTRR 114/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda

Sumário. Data: 15/06/2014 NTRR 114/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda NTRR 114/2014 Solicitante: Dra. Marcilene da Conceição Miranda Data: 15/06/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Juíza de Direito da Comarca de Cláudio Número do processo: 0166.14.000445-7

Leia mais

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito);

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito); O diabetes mellitus é uma doença crônica que se caracteriza por uma elevada taxa de glicose (açúcar) no sangue. Essa elevação ocorre, na maioria das vezes, por uma deficiência do organismo em produzir

Leia mais

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve. Introdução I. RIGOR. Método

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve. Introdução I. RIGOR. Método Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve Introdução O rigor do sistema foi avaliado através da norma ISO 15197:2003. O sangue capilar de indivíduos diagnosticados

Leia mais

Recém-nascido de termo com baixo peso

Recém-nascido de termo com baixo peso Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela

Leia mais

CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL

CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL Autores: Ana Claudia Molina Cavassini, Silvana Andréa Molina Lima, Iracema

Leia mais

Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio

Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio Gestational Diabetes and the New Screening Test s Impact Ana Catarina MASSA 1, Ricardo RANGEL 2, Manuela CARDOSO 3, Ana CAMPOS 1 Acta Med Port 2015 xxx-xxx;28(x):xxx-xxx

Leia mais

PARTO HOSPITALAR OUTRA PERSPETIVA!!!

PARTO HOSPITALAR OUTRA PERSPETIVA!!! PARTO HOSPITALAR OUTRA PERSPETIVA!!! PARTO HOSPITALAR OUTRA PERSPETIVA!!! Rita Grilo Ana Frias O parto natural pode ter vários significados para diferentes pessoas, o importante é permitir que a grávida

Leia mais

TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS. Luíz Antônio de Araújo

TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS. Luíz Antônio de Araújo TRATAMENTO DO DIABETES PELO NÃO ESPECIALISTA BASEADO EM CASOS CLÍNICOS Luíz Antônio de Araújo Potencial Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução

Leia mais

Capítulo 3 (ex-capítulo 7)

Capítulo 3 (ex-capítulo 7) 1 7.1. INTRODUÇÃO Capítulo 3 (ex-capítulo 7) DOENÇAS ENDÓCRINAS, DA NUTRIÇÃO, METABÓLICAS E DOENÇAS DA IMUNIDADE Este capítulo encontra-se organizado em quatro secções, apesar de ser grande o número e

Leia mais

Rastreio Pré-Natal na Região Norte

Rastreio Pré-Natal na Região Norte REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS Rastreio Pré-Natal na Região Norte Oferta do rastreio - Análise da situação Maria do Céu Rodrigues Comissão Técnica Regional de Diagnóstico Pré-Natal

Leia mais

A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1

A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 GULARTE,Carla 2 ; SAMPAIO,Aline 2 ; SANTOS, Vanderleia 2 ;MATTOS, Karen Mello de 3, COSTENARO, Regina 4, COLOMÉ, Juliana

Leia mais

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS INSULINAS ANÁLOGAS RÁPIDAS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS

Leia mais

TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO

TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 04 / 2016 TRATAMENTO DA DIABETES TIPO 2 NO AMBULATÓRIO INTRODUÇÃO: Em 2035 teremos, a nível mundial, o dobro do número de pessoas com Diabetes, com mais expectativas e tratamento mais

Leia mais

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1 GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS GLICEMIA 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante 2) Métodos para determinação da glicemia: Baseados

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NO PROGNÓSTICO MATERNO E FETAL DE GRÁVIDAS COM DIABETES GESTACIONAL

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NO PROGNÓSTICO MATERNO E FETAL DE GRÁVIDAS COM DIABETES GESTACIONAL Artigo de Investigação Médica Mestrado Integrado em Medicina INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NO PROGNÓSTICO MATERNO E FETAL DE GRÁVIDAS COM DIABETES GESTACIONAL Inês Maria Tavares Natário Orientador:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição glicose

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

I Data: 15/11/04. II Grupo de Estudo: Adolfo Parenzi Silvana Kelles Regina Celi Silveira Clemilda Coelho Elen Queiroz Luciana Bernardino Gilmara Areal

I Data: 15/11/04. II Grupo de Estudo: Adolfo Parenzi Silvana Kelles Regina Celi Silveira Clemilda Coelho Elen Queiroz Luciana Bernardino Gilmara Areal Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 007/04 Tema: MONITORIZAÇÃO CONTÍNUA DE GLICOSE SUBCUTÂNEA I Data: 15/11/04 II Grupo de Estudo: Adolfo Parenzi Silvana Kelles Regina Celi Silveira Clemilda

Leia mais

INSULINA GLARGINA E O CONTROLE GLICÊMICO EM PACIENTE COM DIABETES MELITO TIPO 1

INSULINA GLARGINA E O CONTROLE GLICÊMICO EM PACIENTE COM DIABETES MELITO TIPO 1 INSULINA GLARGINA E O CONTROLE GLICÊMICO EM PACIENTE COM DIABETES MELITO TIPO 1 Mônica Moreira de Assis Rodrigues* RESUMO O diabetes melito é uma doença crônica, debilitante, que acomete cerca de 170 milhões

Leia mais