A OQRJ será realizada anualmente em três modalidades, de acordo com a escolaridade do aluno:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A OQRJ será realizada anualmente em três modalidades, de acordo com a escolaridade do aluno:"

Transcrição

1 Regulamento OS PARTICIPANTES A Olimpíada de Química do Rio de Janeiro (OQRJ) é uma competição dedicada aos alunos do Estado do Rio de Janeiro, de escolas e instituições de ensino, regularmente matriculados. OS OBJETIVOS A OQRJ tem como objetivos principais: 1. despertar e estimular o interesse pela Quimica; 2. proporcionar desafios aos estudantes; 3. aproximar a universidade do ensino médio; 4. identificar os estudantes talentosos em Química, preparando os para as olimpíadas nacional (OBQ Olimpíada Brasileira de Química) e internacionais, estimulando os a seguir carreiras científico tecnológicas; 5. aperfeiçoar a capacitação dos professores; 6. influenciar na melhoria do ensino. AS MODALIDADES A OQRJ será realizada anualmente em três modalidades, de acordo com a escolaridade do aluno: Modalidade EM1 para alunos matriculados na 1ª série do Ensino Médio, quando da realização da prova da OQRJ. Modalidade EM2 para alunos matriculados na 2 ª série do Ensino Médio, quando da realização da prova da OQRJ. Modalidade EM3 para alunos matriculados na 3 ª série do Ensino Médio, quando da realização da prova da OQRJ. Não podem participar alunos que já tenham concluído o Ensino Médio antes da realização da prova, ficando o aluno e o colégio sujeitos a penalidades caso seja descumprida esta regra. AS FASES Para as Modalidades EM1, EM2 e EM3 a OQRJ será realizada em duas fases. Só participarão da 2ª fase os alunos que tiverem obtido nota maior ou igual à nota de corte estabelecida pela banca na prova objetiva da 1ª fase. Para fins da OBQ, vale ressaltar que: Os vinte primeiros colocados na classificação final da OQRJ 2011 nas modalidades EM1 e EM2 serão inscritos na Olimpíada Brasileira de Química 2012, respectivamente, nas modalidades A e B. Caso algum aluno destes 40 desista previamente de participar, o aluno premiado seguinte na modalidade de desistência será convidado a participar.

2 As datas serão fixadas anualmente pela Comissão da OQRJ (Anexo 4). ESTRUTURA DAS PROVAS Para todas as modalidades, ter se á uma prova realizada nas escolas com duração de 2 horas. Para a 1ª fase serão 20 questões objetivas (1,00 ponto cada) e para a 2ª fase serão 5 quesões discursivas (16,00 pontos cada) com duração de 3 horas. ELABORAÇÃO DAS PROVAS E RESPONSABILIDADES DAS BANCAS Para cada modalidade será nomeada pela Coordenação Estadual uma banca especializada de 3 a 5 membros. Esta nomeação será feita até 30 dias antes da realização das provas. Cada uma das bancas será responsável por: 1. elaborar as questões, problemas e suas respectivas soluções; 2. submeter o trabalho a consultores convidados para verificação da adequação; 3. elaborar os critérios de correção para as provas; 4. corrigir as questões discursivas; 5. elaborar um relatório contendo os aspectos positivos e negativos percebidos durante a correção, dados e estatísticas que permitam a cada coordenador local atuar na melhoria do ensino das escolas de sua região; 6. decidirem juntamente com a coordenação regional os critérios finais de premiação. A COORDENAÇÃO Coordenação Estadual Responsabilidades: Nomear a banca especializada; A coordenação estadual tem poder decisório sobre qualquer situação conflitante que venha a ocorrer na OQRJ. Coordenação na Instituição Será nomeado um professor de cada instituição de ensino, denominado representante da OQRJ na instituição, que estará em permanente contato com a coordenação estadual, e que deverá estar ciente do presente regulamento e quaisquer alterações que nele possam vir a ocorrer. Responsabilidade da Coordenação na Instituição: A manutenção do sigilo das provas que lhes serão enviadas com antecedência, podendo haver punições à instituição, determinadas pela coordenação estadual, em caso de se notar qualquer tentativa de divulgação das questões da prova antes da data e horário previstos para sua aplicação. O representante da OQRJ na instituição é responsável pela correção das questões objetivas de acordo com o gabarito oficial da OQRJ e envio das notas com os nomes completos dos alunos correspondentes a cada nota referentes a esta 1ª fase da olimpíada em data pré estabelecida em calendário.

3 A REALIZAÇÃO DA OQRJ A OQRJ será realizada em todos os colégios cadastrados (veja anexo 1). A responsabilidade do recebimento da prova, impressão, aplicação, correção das questões objetivas e transmissão dos dados ao coordenador estadual será do representante da OQRJ na instituição. Alunos podem pedir ao coordenador regional para fazer a prova sob a sua responsabilidade direta se por qualquer razão não for possível fazer a prova na instituição. Este pedido deve ser realizado com antecedência mínima de 20 dias da realização da 1ª fase. Cabe ao coordenador estadual analisar se tal pedido é viável e procedente. A PARTICIPAÇÃO NA OBQ A prova nacional da OBQ poderá ser realizada nas instituições que tiverem maior número de estudantes promovidos. Caberá ao coordenador regional estabelecer os locais onde esta fase será realizada, distribuir todos os alunos classificados nesses locais, solicitar a ajuda de todos os professores representantes da OQRJ para a aplicação das provas, e transmissão dos resultados para a Secretaria Nacional da Olimpíada (veja anexos 2 e 3). CRITÉRIOS DE INSCRIÇÃO Cada colégio poderá inscrever todos os estudantes interessados. Não existe nenhuma limitação no número de alunos por instituição e todo aluno que desejar, deve participar. A existência da OQRJ deve ser amplamente divulgada na instituição cadastrada. A inscrição ocorrerá em cada colégio. Posteriormente, o representante da OQRJ em cada colégio informará ao coordenador estadual os resultados da 1ª fase e o nome dos alunos participantes dentro do prazo estipulado no anexo 4. A PONTUAÇÃO E O CRITÉRIO PARA CORREÇÃO 1. As 20 questões objetivas da 1ª fase terão o valor de 1,00 ponto cada uma e sua correção será de responsabilidade do representante da OQRJ na instituição, com base no gabarito repassado pela coordenação estadual; 2. As questões discursivas, na 2ª fase, serão corrigidas pela banca responsável da OQRJ; 3. As questões discursivas só serão corrigidas se o aluno tiver obtido, na 1ª fase, nota maior ou igual à nota de corte estabelecida pela coordenação estadual. 4. A classificação final da OQRJ 2011 será dada em ordem decrescente de Nota Final. A Nota Final será obtida pela soma simples das notas da 1 ª e 2ª fases, podendo assim variar de 0,00 (ZERO) a 100,00 (CEM) pontos. A PREMIAÇÃO Serão oferecidas Medalhas de Ouro, Medalhas de Prata e Medalhas de Bronze. As quantidades de medalhas oferecidas atenderão aproximadamente a proporção 1: 2: 3. Serão oferecidas Menções Honrosas a critério da banca.

4 AS CERIMÔNIAS DE PREMIAÇÃO Serão realizadas cerimônias de premiação da OQRJ nas regiões que tiverem maior número de alunos premiados. No entanto, a Comissão de Olimpíadas não será obrigada a arcar com o translado, hospedagem e demais despesas destes alunos. Anexos 1) O CADASTRAMENTO Qualquer instituição de ensino do estado do Rio de Janeiro poderá se cadastrar na Secretaria da Olimpíada para participar da OQRJ. A ficha de inscrição pode ser obtida através de contato por e mail: 2) A CONTRAPARTIDA DOS COLÉGIOS A Comissão de Olimpíadas solicita às instituições a colaboração para tornar exeqüível a realização da OQRJ em âmbito estadual nos seguintes aspectos: 1. nomear um professor representante da OQRJ na instituição; 2. incluir no calendário as datas da OQRJ para que não haja colisões com as atividades normais; 3. reproduzir as provas da OQRJ para os alunos participantes; 4. promover a divulgação das atividades da OQRJ e organizar a infra estrutura para a realização das provas; 5. envolver os professores e alunos nas atividades da OQRJ. 3) SEQÜÊNCIA DE PROCEDIMENTOS DOS REPRESENTANTES E COORDENADORES 1. no início do ano letivo todos divulgam a realização da OQRJ; 2. as escolas se increvem por e mail 3. os representantes em cada colégio recebem a prova; 4. os representantes nos colégios providenciam a impressão e a aplicação da prova, a correção de acordo com o gabarito, divulgado após a realização da prova, e, em seguida, transmitem o resultado ao coordenador estadual constando de nome e pontuação de cada aluno na 1ª fase; 5. com a nota de corte divulgada os representantes de cada colégio devem avisar aos alunos a mesma bem como quem deve estar presente na data de realização da 2ª fase no lugar estabelecido pela comissão da OQRJ. 4) CALENDÁRIO Inscrição das escolas = 06/06 12/08/11 (por e mail) 1ª fase = 19/08 (15h às 17h na própria escola do aluno será numa sexta feira) 2ª fase = a divulgar

5 5) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MODALIDADE EM1 1a FASE: 2a FASE: 6. Reações químicas: leis ponderais. Estequiometria. Cálculos com porcentagem de pureza e rendimento. 7. Funções inorgânicas: classificação das reações: síntese, análise, deslocamento, dupla troca, óxido redução. Nomenclatura de ácidos, bases, sais, óxidos e hidretos. Propriedades químicas das principais funções inorgânicas. 8. Química ambiental: chuva ácida, camada de ozônio, poluição do ar, poluição da água. 9. Laboratório: noções de segurança. Vidraria e seu emprego. Técnicas básicas de separação de substâncias. Titulação. 10. Gases: Lei de Boyle, Charles, Gay Lussac. Equação de gases ideais. Transformações: isotérmicas, isobáricas. Misturas gasosas: pressão parcial, lei de Dalton. Volume molar. Lei de Graham.

6 MODALIDADE EM2 1a FASE: 6. Reações químicas: leis ponderais. Estequiometria. Cálculos com porcentagem de pureza e rendimento. 7. Funções inorgânicas: classificação das reações: síntese, análise, deslocamento, dupla troca, óxido redução. Nomenclatura de ácidos, bases, sais, óxidos e hidretos. Propriedades químicas das principais funções inorgânicas. 8. Soluções: soluções verdadeiras e soluções coloidais. Solubilidade em função da temperatura. Unidades de concentração. Cálculos de diluição. Titulometria. 9. Propriedades coligativas: tonometria, ebuliometria, criometria, osmometria Soluções iônicas e moleculares. 10. Termoquímica: reações endotérmicas e exotérmicas. Entalpia: lei de entalpia de reação (formação, combustão, neutralização). Entropia. Energia livre. 11. Gases: Lei de Boyle, Charles, Gay Lussac. Equação de gases ideais. Transformações: isotérmicas, isobáricas. Misturas gasosas: pressão parcial, lei de Dalton. Volume molar. Lei de Graham. 12. Cinética Química. Velocidade de reação: fatores que influem na velocidade das reações. Lei da ação das massas. Ordem de reação e molecularidade. Lei de velocidade. Energia de ativação. Catálise. 13. Equilíbrio químico homogêneo. Constante de equilíbrio. Deslocamento de equilíbrio: princípio de Le Chatelier. Equilíbrio iônico: produto de solubilidade, hidrólise, ph e poh. 14. Química ambiental: chuva ácida, camada de ozônio, poluição do ar, poluição da água. 15. Laboratório: noções de segurança. Vidraria e seu emprego. Técnicas básicas de separação de substâncias. Titulação. 16. Átomo de carbono. Cadeias carbônicas. Classificação de cadeias carbônicas. 17. Funções orgânicas: nomenclaturas (oficial e usual). Reações de hidrocarbonetos. Compostos aromáticos, álcoois, aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres, aminas, amidas, haletos.

7 2a FASE: 6. Reações químicas: leis ponderais. Estequiometria. Cálculos com porcentagem de pureza e rendimento. 7. Funções inorgânicas: classificação das reações: síntese, análise, deslocamento, dupla troca, óxido redução. Nomenclatura de ácidos, bases, sais, óxidos e hidretos. Propriedades químicas das principais funções inorgânicas. 8. Soluções: soluções verdadeiras e soluções coloidais. Solubilidade em função da temperatura. Unidades de concentração. Cálculos de diluição. Titulometria. 9. Propriedades coligativas: tonometria, ebuliometria, criometria, osmometria Soluções iônicas e moleculares. 10. Termoquímica: reações endotérmicas e exotérmicas. Entalpia: lei de entalpia de reação (formação, combustão, neutralização). Entropia. Energia livre. 11. Gases: Lei de Boyle, Charles, Gay Lussac. Equação de gases ideais. Transformações: isotérmicas, isobáricas. Misturas gasosas: pressão parcial, lei de Dalton. Volume molar. Lei de Graham. 12. Cinética Química. Velocidade de reação: fatores que influem na velocidade das reações. Lei da ação das massas. Ordem de reação e molecularidade. Lei de velocidade. Energia de ativação. Catálise. 13. Equilíbrio químico homogêneo. Constante de equilíbrio. Deslocamento de equilíbrio: princípio de Le Chatelier. Equilíbrio iônico: produto de solubilidade, hidrólise, ph e poh. 14. Eletroquímica. Pilhas. Potenciais de óxido redução. Equação de Nernst. Eletrólise: sais fundidos e soluções aquosas. Cálculos. 15. Radioatividade: características das radiações alfa, beta, gama, raios X. Séries radioativas, meia vida. Efeitos biológicos das radiações. 16. Química ambiental: chuva ácida, camada de ozônio, poluição do ar, poluição da água. 17. Laboratório: noções de segurança. Vidraria e seu emprego. Técnicas básicas de separação de substâncias. Titulação. Eletrólise. 18. Átomo de carbono. Cadeias carbônicas. Classificação de cadeias carbônicas. Isomeria: plana, geométrica e óptica. 19. Funções orgânicas: nomenclaturas (oficial e usual). Compostos aromáticos, álcoois, aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres, aminas, amidas, haletos.

8 MODALIDADE EM3 1a FASE: 6. Reações químicas: leis ponderais. Estequiometria. Cálculos com porcentagem de pureza e rendimento. 7. Funções inorgânicas: classificação das reações: síntese, análise, deslocamento, dupla troca, óxido redução. Nomenclatura de ácidos, bases, sais, óxidos e hidretos. Propriedades químicas das principais funções inorgânicas. 8. Soluções: soluções verdadeiras e soluções coloidais. Solubilidade em função da temperatura. Unidades de concentração. Cálculos de diluição. Titulometria. 9. Propriedades coligativas: tonometria, ebuliometria, criometria, osmometria Soluções iônicas e moleculares. 10. Termoquímica: reações endotérmicas e exotérmicas. Entalpia: lei de entalpia de reação (formação, combustão, neutralização). Entropia. Energia livre. 11. Gases: Lei de Boyle, Charles, Gay Lussac. Equação de gases ideais. Transformações: isotérmicas, isobáricas. Misturas gasosas: pressão parcial, lei de Dalton. Volume molar. Lei de Graham. 12. Cinética Química. Velocidade de reação: fatores que influem na velocidade das reações. Lei da ação das massas. Ordem de reação e molecularidade. Lei de velocidade. Energia de ativação. Catálise. 13. Equilíbrio químico homogêneo. Constante de equilíbrio. Deslocamento de equilíbrio: princípio de Le Chatelier. Equilíbrio iônico: produto de solubilidade, hidrólise, ph e poh. 14. Eletroquímica. Pilhas. Potenciais de óxido redução. Equação de Nernst. Eletrólise: sais fundidos e soluções aquosas. Cálculos. 15. Radioatividade: características das radiações alfa, beta, gama, raios X. Séries radioativas, meia vida. Efeitos biológicos das radiações. 16. Átomo de carbono. Cadeias carbônicas. Isomeria: plana, geométrica e óptica. 17. Funções orgânicas: nomenclaturas (oficial e usual). Compostos aromáticos, álcoois, aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres, aminas, amidas, haletos. 18. Química ambiental: chuva ácida, camada de ozônio, poluição do ar, poluição da água. 19. Laboratório: noções de segurança. Vidraria e seu emprego. Técnicas básicas de separação de substâncias. Titulação. Eletrólise.

9 2a FASE: 6. Reações químicas: leis ponderais. Estequiometria. Cálculos com porcentagem de pureza e rendimento. 7. Funções inorgânicas: classificação das reações: síntese, análise, deslocamento, dupla troca, óxido redução. Nomenclatura de ácidos, bases, sais, óxidos e hidretos. Propriedades químicas das principais funções inorgânicas. 8. Soluções: soluções verdadeiras e soluções coloidais. Solubilidade em função da temperatura. Unidades de concentração. Cálculos de diluição. Titulometria. 9. Propriedades coligativas: tonometria, ebuliometria, criometria, osmometria Soluções iônicas e moleculares. 10. Termoquímica: reações endotérmicas e exotérmicas. Entalpia: lei de entalpia de reação (formação, combustão, neutralização). Entropia. Energia livre. 11. Gases: Lei de Boyle, Charles, Gay Lussac. Equação de gases ideais. Transformações: isotérmicas, isobáricas. Misturas gasosas: pressão parcial, lei de Dalton. Volume molar. Lei de Graham. 12. Cinética Química. Velocidade de reação: fatores que influem na velocidade das reações. Lei da ação das massas. Ordem de reação e molecularidade. Lei de velocidade. Energia de ativação. Catálise. 13. Equilíbrio químico homogêneo. Constante de equilíbrio. Deslocamento de equilíbrio: princípio de Le Chatelier. Equilíbrio iônico: produto de solubilidade, hidrólise, ph e poh. 14. Eletroquímica. Pilhas. Potenciais de óxido redução. Equação de Nernst. Eletrólise: sais fundidos e soluções aquosas. Cálculos. 15. Radioatividade: características das radiações alfa, beta, gama, raios X. Séries radioativas, meia vida. Efeitos biológicos das radiações. 16. Átomo de carbono. Cadeias carbônicas. Isomeria: plana, geométrica e óptica. 17. Funções orgânicas: nomenclaturas (oficial e usual). Reações de hidrocarbonetos. Compostos aromáticos, álcoois, aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres, aminas, amidas, haletos. 18. Reações orgânicas: adição, eliminação, substituição, oxidação. 19. Química ambiental: chuva ácida, camada de ozônio, poluição do ar, poluição da água.

10 20. Laboratório: noções de segurança. Vidraria e seu emprego. Técnicas básicas de separação de substâncias. Titulação. Eletrólise.

REGULAMENTO 1 DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO 1 DOS OBJETIVOS 1 REGULAMENTO A Olimpíada Pernambucana de Química 2016 (OPEQ 2016) é um evento realizado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e pela Universidade Federal de Pernambuco, e integra as atividades

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _9º TURMA: TURNO: DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR(A): EQUIPE DE QUÍMICA Queridos alunos; Senhores

Leia mais

Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE. Data Frente Aula Professor 05/03 e 12/03

Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE. Data Frente Aula Professor 05/03 e 12/03 Faculdade de Odontologia de Araçatuba Cursinho Daca Cronograma de Aulas 1º SEMESTRE Área de Conhecimento: Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Curso: Extensivo Disciplina: Química Data Frente Aula Professor

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2017 REGULAMENTO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2017 REGULAMENTO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA 2017 1. Disposições Gerais REGULAMENTO 1.1. A Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) é uma realização conjunta do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e da

Leia mais

EDITAL N o 01/2016. XIX Maratona Cearense de Química

EDITAL N o 01/2016. XIX Maratona Cearense de Química ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUÍMICA REGIONAL DO CEARÁ Rua Floriano Peixoto, 2020 Bairro: José Bonifácio 60025-131 Fortaleza Ceará Brasil Fone/FAX: (85) 3226-4958 ramal 34 E-mail: abqce@ufc.br EDITAL N o 01/2016

Leia mais

EDITAL N o 01/2011. XIV Maratona Cearense de Química ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA

EDITAL N o 01/2011. XIV Maratona Cearense de Química ANO INTERNACIONAL DA QUÍMICA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUÍMICA REGIONAL DO CEARÁ Rua Floriano Peixoto, 2020 Bairro: José Bonifácio 60025-131 Fortaleza Ceará Brasil Fone/FAX: (85) 3226-4958 ramal 27 E-mail: abqce@ufc.br EDITAL N o 01/2011

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

Maratona ENEM Química Prof. Geovani Barros

Maratona ENEM Química Prof. Geovani Barros Maratona ENEM 2016 Química Prof. Geovani Barros Histórico *Fonte: Revista Superinteressante Química Orgânica Classificação dos átomos de carbono Classificação dos átomos de carbono As moléculas de nanoputians

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA Programa de Disciplina Nome: Química Geral II IQ Código: IQG 120 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4

Leia mais

Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Módulo 6 A estrutura da matéria: o átomo de Bohr Módulo 2 Propriedades da matéria FASCÍCULO 2

Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Módulo 6 A estrutura da matéria: o átomo de Bohr Módulo 2 Propriedades da matéria FASCÍCULO 2 Química FASCÍCULO 1 Módulo 1 Introdução à química Um mundo químico A química e o corpo humano A química e o futuro O que é química A alquimia A química como ciência Método científico Módulo 2 Propriedades

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo.

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo. Comparativos curriculares SM Química Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado de São Paulo Apresentação Professor, Devido à inexistência

Leia mais

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul

Química. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul Comparativos curriculares SM Química Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista Química e o currículo do Estado do Rio Grande do Sul Apresentação Professor, Devido à

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ QUIMICA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO-TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDO Descrever as transformações químicas em linguagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO - QUÍMICA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA. VIDA E AMBIENTE CONTEÚDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES - Aplicar conhecimentos sobre a evolução dos

Leia mais

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 1 a Edição

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 1 a Edição OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO 1 a Edição 1. Responsabilidade: A 1ª Olimpíada Catarinense de Redação (OCR 2016) é um projeto, sem fins lucrativos, realizado pela Secretaria de Educação do Estado, em

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 5 a EDIÇÃO

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 5 a EDIÇÃO OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO 5 a EDIÇÃO 1. Responsabilidade: A 1ª Olimpíada Catarinense de Redação (OCR 2016) é um projeto, sem fins lucrativos, realizados pela Imaginie, em parceria com a Secretaria

Leia mais

QUÍMICA. Professores: Andréia, Herval, Thiago

QUÍMICA. Professores: Andréia, Herval, Thiago QUÍMICA Professores: Andréia, Herval, Thiago Comentário Geral A prova de química deste ano foi abrangente, porém, infelizmente, faltaram alguns assuntos relevantes: atomística, tabela periódica, hibridação

Leia mais

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo.

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo. Disciplina QUÍMICA Curso ENSINO MÉDIO Professor GUILHERME Série 1ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE / 2012 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Ácidos e bases propriedades, conceito

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais 1º VESTIBULAR DE 2016 DO IFNMG

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais 1º VESTIBULAR DE 2016 DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais 1º VESTIBULAR DE 2016 DO IFNMG EDITAL Nº 289 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2015 RETIFIÇÃO EDITAL

Leia mais

ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011

ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011 ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011 A prova escrita consistirá de 6 (seis) questões, sendo 1 (uma) de QUÍMICA ANALÍTICA, 1 (uma) de FÍSICO-QUÍMICA, 1 (uma) de QUÍMICA ORGÂNICA, 1

Leia mais

Observe a equação química que corresponde ao processo de obtenção descrito no texto.

Observe a equação química que corresponde ao processo de obtenção descrito no texto. Utilize o texto abaixo para responder às questões de números 01 e 02. Uma das experiências realizadas em aulas práticas de Química é a obtenção do 2-cloro 2-metil propano, usualmente denominado cloreto

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR QUÍMICA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR QUÍMICA 124 PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME DO COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA Curso:Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Série: 1 º Ano Carga Horária: 120h/a (100/hr) Docente

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas)

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) Disciplina: Química Trimestre: 1º Professor(a): Rodrigo Valério e Georgia Monique. Série: 1º Turmas: 101,102,103,104. Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) 1-

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano 4045-1 Farmácia 2ª 2º /

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/ Conhecimentos Gerais

Vestibular Comentado - UVA/ Conhecimentos Gerais Vestibular Comentado - UVA/013.1 QUÍMICA Comentários: Profs. Tupinambá do Vale e Ricardo razão Dados que poderão ser utilizados nas questões da prova de Química: úmero atômico: H= 1; C = 6; = 7; = 8; =

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Físico-Química Código: FAR 205 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo: 2015.1

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Química Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

SERVIÇOPÚBLICOFEDERAL UNIVERSIDADEFEDERALDOPARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIASEXATASENATURAIS PROGRAMADEPÓS-GRADUAÇÃOEMQUÍMICA EDITAL 02/2016

SERVIÇOPÚBLICOFEDERAL UNIVERSIDADEFEDERALDOPARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIASEXATASENATURAIS PROGRAMADEPÓS-GRADUAÇÃOEMQUÍMICA EDITAL 02/2016 SERVIÇOPÚBLICOFEDERAL UNIVERSIDADEFEDERALDOPARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIASEXATASENATURAIS PROGRAMADEPÓS-GRADUAÇÃOEMQUÍMICA EDITAL 02/206 Seleção de candidatos ao Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA:

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Ciências da Natureza / Química Professora: Jânia Mara ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1º 2 80 COMPETÊNCIA GERAL: Reconhecer,

Leia mais

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2 31 c QUÍMICA petróleo pode conter alto teor de enxofre, que deve ser removido nas refinarias de petróleo. Mesmo assim, na queima de combustíveis fósseis, forma-se dióxido de enxofre. Esse óxido liberado

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

PROVA K. Questão 81. Resolução

PROVA K. Questão 81. Resolução RES_17_10_ALICE 29/09/10 14:01 Página 32 - Questão 81 Considere o fluxograma abaixo, relativo à separação dos componentes de uma mistura constituída de biodiesel e de frutose totalmente dissolvida em água.

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo Recuperação - 3º Bimestre/2015 Disciplina: QUÍMICA 3ª série EM A/B Nome do aluno Nº Turma A Recuperação deve ser entregue no dia 08/09/2015.

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Diluição e mistura de soluções Dispersões: coloides, suspensões e soluções... 16

Sumário. Capítulo 3 Diluição e mistura de soluções Dispersões: coloides, suspensões e soluções... 16 Sumário Unidade I Soluções 14 Capítulo 1 Dispersões: coloides, suspensões e soluções... 16 1. As dispersões... 17 Dispersões coloidais... 18 Suspensões... 19 Soluções... 19 Atividades... 20 2. As soluções...

Leia mais

PROVA 3 conhecimentos específicos

PROVA 3 conhecimentos específicos PROVA 3 conhecimentos específicos QUÍMICA QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE QUÍMICA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GABARITO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA QUÍMICA Validade: A partir de /04. Departamento Acadêmico de Disciplinas Básicas Código S2QUIM Carga Horária total: 105h Teórica:45h Laboratório: 45h Exercício: 15h Créditos: 05 Pré-requisitos

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA PROJETO EUREKA EDITAL DO PROGRAMA DA 2ª OLIMPÍADA DE RACIOCÍNIO LÓGICO 1 2º/2015.

INSTITUTO POLITÉCNICO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA PROJETO EUREKA EDITAL DO PROGRAMA DA 2ª OLIMPÍADA DE RACIOCÍNIO LÓGICO 1 2º/2015. INSTITUTO POLITÉCNICO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA PROJETO EUREKA EDITAL DO PROGRAMA DA 2ª OLIMPÍADA DE RACIOCÍNIO LÓGICO 1 2º/2015. A coordenação do Instituto Politécnico do Centro Universitário Una torna

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais

Colégio Clóvis Beviláqua Jaguaribe - Ceará Feira de Ciências

Colégio Clóvis Beviláqua Jaguaribe - Ceará Feira de Ciências Colégio Clóvis Beviláqua Jaguaribe - Ceará Feira de Ciências - 2012 Regulamento 1. Objetivos: a. Incentivar a atividade científica, através da elaboração e execução de projetos científicos, auxiliando,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

8.1 Química Realidade e Contexto: Antônio Lembo (1999)

8.1 Química Realidade e Contexto: Antônio Lembo (1999) 8 ANEXOS Nesta seção são colocados os anexos que foram julgados pertinentes para complementar o entendimento de questões relativas à análise dos livros. A seguir apresentamos um espelho dos temas que compõem

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 19 O conteúdo desta questão não faz parte do conteúdo programático do concurso. FUNDAMENTAÇÃO: O conteúdo Cinética Química abordado na questão 19 está incluso no item do edital Cálculos químicos.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: FÌSICA e QUÌMICA TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

Leia mais

Química. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna

Química. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Química Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Terças (1º semestre) Quartas (2º semestre) Disciplina 1ª aula Química 2ª aula Química Intervalo \0/ 3ª aula Microbiologia Básica 4ª aula Microbiologia Básica Programa

Leia mais

ÁCIDO DE ARRHENIUS. Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes. HF ---- Moderado Demais ---- Fracos. Prof.

ÁCIDO DE ARRHENIUS. Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes. HF ---- Moderado Demais ---- Fracos. Prof. ÁCIDO DE ARRHENIUS Hidrácidos HCl + H 2 O H + + Cl - HCl, HBr, HI ---- Fortes HF ---- Moderado Demais ---- Fracos ÁCIDO DE ARRHENIUS Oxiácidos HNO 3 + H 2 O H + + NO 3 - ÁCIDOS DE ARRHENIUS Não Como Bolo

Leia mais

10º Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro. Regulamento

10º Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro. Regulamento 10º Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro Regulamento O 10ª Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton Ribeiro será regido pelo presente Regulamento: O Prêmio ABAG/RP de Jornalismo José Hamilton

Leia mais

Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c.

Equações-chave FUNDAMENTOS. Seção A. Seção E. Seção F. Seção G. mv 2. E c E P. mgh. Energia total energia cinética energia potencial, ou E E c. Equações-chave FUNDAMENTOS Seção A 3 A energia cinética de uma partícula de massa m relaciona-se com sua velocidade v, por: E c mv 2 4 Um corpo de massa m que está a uma altura h da Terra tem energia potencial

Leia mais

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios VII Olimpíada Catarinense de Química 2011 Etapa I - Colégios Fonte: Chemistryland Terceira Série Conselho Regional de Química CRQ III 1 01 200 ml de uma solução de hidróxido de alumínio são diluídos em

Leia mais

QUESTÃO 46 QUESTÃO 47 QUESTÃO 48 QUESTÃO 49 PROVA DE QUÍMICA I

QUESTÃO 46 QUESTÃO 47 QUESTÃO 48 QUESTÃO 49 PROVA DE QUÍMICA I 17 PROVA DE QUÍMICA I QUESTÃO 46 O alumínio metálico, obtido na indústria à alta temperatura na forma líquida, reage com vapor d`água da atmosfera, produzindo óxido de alumínio e gás hidrogênio, conforme

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Química Analítica Qualitativa Farmacêutica Código: FAR - 206 Pré-requisito: Química Geral II Período

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Comparada com anos anteriores, a prova abordou mais conteúdos, porém ignorou conceitos importantes ao ensino médio como funções inorgânicas, atomísticas, tabela periódica,

Leia mais

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml.

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml. Unesp 1-Em 2013 comemora-se o centenário do modelo atômico proposto pelo físico dinamarquês Niels Bohr para o átomo de hidrogênio, o qual incorporou o conceito de quantização da energia, possibilitando

Leia mais

B) Defina a que forma de apresentação do alumínio corresponde cada uma das curvas. Justifique sua resposta.

B) Defina a que forma de apresentação do alumínio corresponde cada uma das curvas. Justifique sua resposta. Questão 01 PROVA DISCURSIVA QUÍMICA O gráfico abaixo representa a variação, em função do tempo, da concentração, em quantidade de matéria, do hidrogênio gasoso formado em duas reações químicas de alumínio

Leia mais

TURMAS ITA/IME. Prepare-se com quem é o melhor, no Brasil, em ITA e IME MATRÍCULAS

TURMAS ITA/IME. Prepare-se com quem é o melhor, no Brasil, em ITA e IME MATRÍCULAS TURMAS ITA/IME Prepare-se com quem é o melhor, no Brasil, em ITA e IME MATRÍCULAS 2016 RUMO AO INFINITO A realização do sonho de construir sua carreira acadêmica no ITA e no IME começa aqui e agora. O

Leia mais

I TORNEIO LIGA DO FUTURO SINEPE/PI 2012.

I TORNEIO LIGA DO FUTURO SINEPE/PI 2012. I TORNEIO LIGA DO FUTURO SINEPE/PI 2012. REGULAMENTO GERAL TÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O I Torneio Liga do Futuro SINEPE/PI, tem como finalidade promover a integração social e desportiva entre educandos,

Leia mais

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio.

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. EQUILÍBRIO QUÍMICO Metas Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. Objetivos Ao final desta aula, o

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: Curso Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Fases de Agregação da Matéria Sublimação (sólido em gás ou gás em sólido) Gás Evaporação (líquido em gás) Condensação (gás em líquido) Sólido

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA MULTIVIX-SERRA DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA MULTIVIX-SERRA DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA MULTIVIX-SERRA DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Antes do preenchimento do Formulário de Cadastramento da Inscrição recomenda-se

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

2º Torneio Universitário Projeção de Futsal

2º Torneio Universitário Projeção de Futsal PROJEÇÃO E ESPORTES 2º Torneio Universitário Projeção de Futsal REGULAMENTO I DOS VALORES Artigo 1º - Valores e princípios que norteiam a 2º Torneio Universitário Projeção de Futsal. a) Estimular a prática

Leia mais

Programa de Nivelamento e Desenvolvimento Extraclasse - (PRO)Desenvolve

Programa de Nivelamento e Desenvolvimento Extraclasse - (PRO)Desenvolve Programa de Nivelamento e Desenvolvimento Extraclasse - (PRO)Desenvolve O Programa de Nivelamento e Desenvolvimento Extraclasse tem como principais objetivos verificar e reduzir as lacunas de formação

Leia mais

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 02-08/11/2015. Material de Apoio para Monitoria Revisão Específicas 1. As conchas marinhas não se dissolvem apreciavelmente na água do mar, por serem compostas, na sua maioria, de carbonato de cálcio, um sal insolúvel cujo produto de solubilidade é

Leia mais

Campeonato Mineiro Infanto Juvenil de Natação de Verão X Troféu Fernanda Ferraz Santos. Participação: Exclusiva para filiadas Exclusiva para federados

Campeonato Mineiro Infanto Juvenil de Natação de Verão X Troféu Fernanda Ferraz Santos. Participação: Exclusiva para filiadas Exclusiva para federados Campeonato Mineiro Infanto Juvenil de Natação de Verão X Troféu Fernanda Ferraz Santos Entidades: Atletas: Participação: Exclusiva para filiadas Exclusiva para federados Programação: Data: 11 e 12 de novembro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular: Química

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1.

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1. CINÉTICA QUÍMICA 1. Introdução O Conhecimento e o estudo da velocidade das reações, além de ser muito importante em termos industriais, também está relacionado ao nosso dia-adia, verificamos que há algumas

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 116 aprovado pela portaria Cetec nº 68 de 14 / 10 /2010 Etec Tiquatira Código: 208 Município: São

Leia mais

EDITAL DE TURMA ESPECIAL

EDITAL DE TURMA ESPECIAL Edital N 0132 2016. Cacoal, 31 de Outubro de 2016. EDITAL DE TURMA ESPECIAL A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED, no uso de suas atribuições legais, e tendo presente o disposto no Art.

Leia mais

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado Questão 1 O CO2 é um óxido não metálico e possui as seguintes nomenclaturas oficiais: anidrido carbônico dióxido de carbono óxido de carbono IV Moléculas com 3 átomos e que apresentam par de elétrons livres

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE QUÍMICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD PISM III- TRIÊNIO PROVA DE QUÍMICA Questão 1: O butano é um gás usado, por exemplo, como combustível em isqueiros, onde, sob pressão, é armazenado como líquido. Na presença de catalisador, o equilíbrio é estabelecido entre os isômeros butano

Leia mais

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP REGULAMENTO Bolsa Instituto TIM OBMEP A bolsa Instituto TIM OBMEP é uma iniciativa do Instituto TIM, em parceria com a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas OBMEP com o objetivo de dar

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Autorizado pela Portaria MEC nº 276, de 30 de março de 2015 Componente Curricular: QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL Código: Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2016.2 Professor:

Leia mais

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios VII Olimpíada Catarinense de Química 2011 Etapa I - Colégios Fonte: Chemistryland Segunda Série 1 01 200 ml de uma solução de hidróxido de alumínio são diluídos em água destilada até a sua concentração

Leia mais

QUÍMICA. Questão 01. Questão 02

QUÍMICA. Questão 01. Questão 02 Questão 01 QUÍMICA A fenil-etil-amina é considerada um componente responsável pela sensação do bem-estar decorrente da ingestão do chocolate, que contém, também, substâncias inorgânicas. Na tabela a seguir

Leia mais

CURRÍCULOS 2016/2017

CURRÍCULOS 2016/2017 CURRÍCULOS 2016/2017 Ensino Regular Departamento: Matemática e Ciências Experimentais Disciplina: Física e Química A Ano de Escolaridade: 11º Conteúdos Programáticos: Domínio: Mecânica Subdomínio 1: Tempo,

Leia mais

REGULAMENTO 1. OBJETO DO CONCURSO

REGULAMENTO 1. OBJETO DO CONCURSO CONCURSO CULTURAL CRIAÇÃO DO ÍCONE QUE INDICARÁ A LOCALIZAÇÃO DOS ELETROPOSTOS E RECOMENDAÇÃO PARA PLACAS DE SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO PARA VEICULOS ELÉTRICOS [VERTICAL E SOLO] O Concurso Cultural é uma

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo

COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo 1. Considere as informações: I) A + B C + D Hº = - 10,0 kcal II) C + D E Hº = +15,0 kcal 2 Bimestre Calcule o H para cada uma das reações a seguir: a) C + D A + B

Leia mais

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II INSTRUÇÕES 1 Esta prova contém cinco questões no total, sendo todas elas de múltipla escolha. 2 Antes de iniciar a prova, confira se todas as folhas estão presentes, com os espaços para as resposta. Caso

Leia mais

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons.

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: TURMA(S): 2º anos

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CAMPUS POMBAL - PB

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CAMPUS POMBAL - PB CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CAMPUS POMBAL - PB DISCIPLINA: Química Orgânica PRÉ-REQUISITO: Química Geral CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 horas

Leia mais

XX Torneio Escola de Natação 2016 (Atualizado em 29/12/2015, às 10h00)

XX Torneio Escola de Natação 2016 (Atualizado em 29/12/2015, às 10h00) CAPÍTULO 1 - ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO XX Torneio Escola de ART. 1º - O XX TORNEIO ESCOLA NATAÇÃO 2016 é uma competição do calendário oficial da MG Esportes, de acordo com o presente regulamento. ART. 2º

Leia mais

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental

CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental CURSO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 D.O.U de 27/08/10 Componente Curricular: Química Geral e Experimental Código: ENGP -170 Pré-requisito: --------------- Período

Leia mais

I Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro

I Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro I Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro EDITAL OLIMPÍADAS DO CONHECIMENTO JURÍDICO A Academia Brasileira de Direito Civil (ABDC), nos termos do presente edital, torna público que estarão

Leia mais

Especial Específicas (UNIFESP, UNESP, UEPG)

Especial Específicas (UNIFESP, UNESP, UEPG) Especial Específicas (UNIFESP, UNESP, UEPG) 1. (UNIFESP) Os polímeros fazem parte do nosso cotidiano e suas propriedades, como temperatura de fusão, massa molar, densidade, reatividade química, dentre

Leia mais

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida...

Sumário. Unidade II Propriedades dos materiais 40. Introdução ao estudo da Química 14. Unidade I. Capítulo 2 Unidades de medida... Sumário Unidade I Capítulo 1 Introdução ao estudo da Química 14 Química: objeto de estudo e aplicações... 16 1. Química: a ciência que estuda a matéria... 17 Matéria... 17 Características da matéria...

Leia mais

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG UFG-PS/7 PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS7/UFG Esta parte do relatório mostra o desempenho dos candidatos do grupo na prova de Química da ª etapa do PS7. Inicialmente, são apresentados os dados gerais dos candidatos

Leia mais

REGULAMENTO Vôlei

REGULAMENTO Vôlei REGULAMENTO 2017 - Vôlei 1. MISSÃO Criar um ambiente adequado para a prática esportiva, onde a competição entre equipes escolares se desenvolva de forma positiva, propiciando vivências práticas de valores

Leia mais

QUÍMICA. 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica:

QUÍMICA. 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica: QUÍMICA 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica: A 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 B 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 3d 5 C 1s 2 2s

Leia mais

Polimerização e Reações Orgânicas

Polimerização e Reações Orgânicas Polimerização e Reações Orgânicas Material de Apoio para Monitoria 1. (FATEC-SP) A polimerização por adição consiste na reação entre moléculas de uma mesma substância, na qual em sua estrutura, ocorre

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Conteúdo: Isomeria óptica Isomeria plana Termoquímica Recuperação do 3 Bimestre disciplina Química 3ºano Lista de exercícios 1- (VUNESP) Em uma cozinha, estão ocorrendo

Leia mais