SOBRE A ANECO Aneco é uma empresa angolana que actua na área do Ambiente, ao nível da prestação de serviços, elaboração de estudos, execução de projet

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE A ANECO Aneco é uma empresa angolana que actua na área do Ambiente, ao nível da prestação de serviços, elaboração de estudos, execução de projet"

Transcrição

1

2 SOBRE A ANECO Aneco é uma empresa angolana que actua na área do Ambiente, ao nível da prestação de serviços, elaboração de estudos, execução de projetos e no tratamento de resíduos associados primordialmente à indústria petrolífera. Pretendemos desenvolver parcerias estratégicas através de soluções personalizadas e arrojadas, que vão ao encontro as necessidades específicas de cada cliente ao nível da assessoria estratégica, formação, desenvolvimento de procedimentos, planos de gestão sempre com o foco nas questões ambientais. Temos uma equipa de profissionais qualificados, motivados, comprometidos à excelência, capazes de responder de forma eficaz e eficiente nas diversas áreas do ambiente. Contamos com o suporte de parceiros internacionais de renome. 2

3

4 VISÃO O desenvolvimento económico e tecnológico proporcionou melhorias na qualidade da vida humana, mas em contrapartida levou a um aumento da dependência das energias não renováveis e a uma degradação do meio ambiente. A Aneco quer crescer e consolidar-se no mercado apoiando o desenvolvimento de Angola sempre com responsabilidade ambiental, minimizando o impacto sobre o planeta levando a um mundo globalmente melhor. A nossa visão passa pelo desenvolvimento de projetos ambientais de excelência que coloquem Angola ao lado dos países líderes no que se refere a políticas e práticas ambientais. MISSÃO Face a uma maior sensibilidade por parte de cidadãos, governos e empresas para as questões ambientais e à aprovação de legislação ambiental mais exigente, leva a que as organizações aumentem a sua performance ambiental. A Aneco tem como missão apoiar essas organizações na resolução de um variado leque de questões ambientais, aplicando todo o seu conhecimento e experiência de forma a garantir os mais elevados padrões de qualidade e segurança. Sempre com elevado rigor técnico, dinamismo e em consonância com as melhores práticas mundiais. Estamos comprometidos com a criação de valor através da oferta de soluções e serviços que respondam as necessidades dos nossos clientes. 4

5

6 VALORES INTEGRIDADE actuando com lealdade e credibilidade, responsabilidade e transparência no cumprimento escrupuloso dos contratos assinados. FOCO ajustando a oferta às necessidades, em função do perfil e interesse. RIGOR assegurando o cumprimento integral dos prazos, requisitos e custos definidos nos seus projetos. PROFISSIONALISMO trabalhando com dedicação e uma atitude pró-ativa, individual e coletiva na concretização de objetivos. EXCELÊNCIA garantindo uma permanente atitude criativa e inovadora na procura de elevados níveis de produtividade, rentabilidade e qualidade do serviço prestado 6

7 QUALIDADE & SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE (Q&SSM) A Aneco defende o seu papel como empresa responsável e compromete-se com a causa da Qualidade & Saúde, Segurança e Meio Ambiente ( Q&SSM ) para o interesse e a protecção dos trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente. A Aneco reconhece a importância de trabalhar em estreita colaboração com nossos clientes, fornecedores e funcionários para alcançar os melhores resultados possíveis. DECLARAÇÃO QUALIDADE & SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE A Qualidade & Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Padrões Operacionais consideramos claramente que aceitamos a responsabilidade pelos nossos colaboradores e sociedade no geral para fornecer um local de trabalho seguro, sistemas de trabalho seguros, avaliar os impactos ambientais do nosso negócio e garantir que operam em linha com a legislação Angolana. A industrialização global e o crescimento da população mundial têm colocado uma enorme pressão sobre a disponibilidade de recursos naturais e as condições do meio ambiente. A Aneco opera equipamento que é projetado para reduzir e controlar as emissões de resíduos nocivos para o ambiente. Angola Verde reconhece a necessidade de estar atenta e proteger o nosso ambiente para o nosso próprio bem e para o bem do futuro de nossos filhos. Somente através de esforços e cooperação de todos pode a melhor Qualidade & Saúde, Segurança e Meio Ambiente poderá ser mantida. 7

8 CÓDIGO DE CONDUTA DA ANECO Este Código de Conduta estabelece as linhas de orientação em matéria de ética profissional e dos padrões de comportamento que a empresa Aneco pretende que sejam reconhecidos e adotados pelos colaboradores, independentemente do seu vínculo laboral. Ao assumirem o compromisso enunciado neste Código, a empresa e os colaboradores devem respeitar e zelar pelo cumprimento dos requisitos legais e regulamentares, e ainda pelas normas internas aplicáveis. Este Código visa igualmente comprometer todas as partes interessadas nos mesmos princípios de atuação responsável. PRINCÍPIOS GERAIS Os colaboradores da Aneco devem cumprir sempre com zelo, eficiência as responsabilidades e deveres que lhes sejam cometidos. Devem estar conscientes da importância dos respetivos deveres e responsabilidades, ter em conta as expectativas de terceiros relativamente à sua conduta, comportar-se de forma a manter e reforçar a confiança dos clientes na empresa e a contribuir para o eficaz funcionamento e a boa imagem da mesma. Deverão proteger e respeitar o património da empresa, não utilizar em proveito pessoal, nem permitir a utilização abusiva por terceiros, de serviços, bens, equipamentos ou instalações da empresa. A atuação dos colaboradores da Aneco, deve pautar-se pela lealdade para com a empresa e deve ser honesta, independente, isenta, discreta e não atender a interesses pessoais. Os colaboradores devem igualmente aderir a padrões elevados de ética profissional e evitar situações suscetíveis de originar conflitos de interesse. Aneco expressa o apoio aos direitos humanos fundamentais, evitado participar em atividades de negócios que abusem de tais direitos. Atua de forma socialmente responsável, cumprindo as leis e respeitando os costumes e as tradições dos países em que está presente, contribuindo de maneira responsável para o desenvolvimento das comunidades. 8

9 Os princípios gerais deste Código são: DISCRIMINAÇÃO Os colaboradores da Aneco não podem praticar qualquer tipo de discriminação, em especial, com base na raça, sexo, idade, incapacidade física, orientação sexual, opiniões políticas, ideias filosóficas ou convicções religiosas. Devem demonstrar sensibilidade e respeito mútuo e abster-se de qualquer comportamento ofensivo. O direito à reserva da intimidade da vida privada deve ser respeitado escrupulosamente. AMBIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO Aneco assume o compromisso de manter um ambiente de trabalho seguro e saudável, livre de qualquer tipo de discriminação e hostilização. Procura encontrar equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal. As atividades de segurança, higiene e saúde no trabalho estão organizadas por forma a assegurar a manutenção de um ambiente de trabalho, que vise a prevenção de riscos profissionais e a promoção da saúde do colaborador, a manutenção de máquinas, a utilização de equipamentos de segurança e a formação regular. PRÁTICAS DISCIPLINARES É garantida a não existência de práticas disciplinares fora das situações e regras previstas na lei. FORMAÇÃO É assegurada a formação e o crescimento pessoal e profissional dos colaboradores. RESPONSABILIDADE E LEALDADE Os colaboradores são responsáveis pelo respeito das normas legais e internas aplicáveis. O grau de responsabilidade afere-se pela posição hierárquica em que o colaborador está posicionado e pelas tarefas que lhe estão confiadas. Para os colaboradores da Aneco o conceito de lealdade implica não só o adequado desempenho das tarefas que lhes são atribuídas pelos seus superiores hierárquicos, como o cumprimento das instruções destes últimos, assim como, o respeito pelos canais hierárquicos apropriados. Devem igualmente garantir a transparência e a capacidade de diálogo, consideradas adequadas no trato diário pessoal com superiores hierárquicos e colegas. Os colaboradores devem facultar toda a informação ou conhecimento necessários ao desenvolvimento de atividades ou participação em tarefas por parte de outros colegas. A não revelação a superiores hierárquicos e colegas das informações necessárias que possam afetar o andamento dos trabalhos, sobretudo com o intuito de obter vantagens pessoais, assim como o fornecimento de informações falsas, inexatas ou exageradas e a recusa em colaborar com os colegas, considera-se como comportamento inadequado e violador do princípio de responsabilidade e lealdade. 9

10 INDEPENDÊNCIA As atitudes a tomar devem ser regidas por critérios de seriedade e imparcialidade, tendo em conta que os interesses da empresa são os únicos a considerar nas relações com terceiros. PROFISSIONALISMO No decorrer da sua atividade, os colaboradores devem dedicar o seu melhor esforço no cumprimento das tarefas que lhes estão confiadas, com dedicação, eficiência, responsabilidade, lealdade, transparência, e cooperação, procurando, de forma contínua, aperfeiçoar e atualizar os seus conhecimentos. CONFIDENCIALIDADE Os colaboradores devem guardar absoluto sigilo em relação ao exterior de todos os factos relevantes respeitantes à empresa Aneco, de que tenham conhecimento no exercício das suas funções ou por causa delas. COMUNICAÇÃO DO EXERCÍCIO DE OUTRAS ATIVIDADES Os colaboradores podem exercer atividades não remuneradas fora do horário de trabalho, desde que tais atividades não interfiram com as suas obrigações com a Aneco e/ou possam gerar conflitos de interesses. RELACIONAMENTO COM AS PARTES INTERESSADAS Para além dos seus colaboradores, a Aneco está consciente da importância da relação com outras partes interessadas, nomeadamente: CLIENTES Os clientes da Aneco são o centro de toda a sua atividade, sendo compromissos fundamentais: Promover a acessibilidade entre os Clientes e a empresa, tornando-a numa empresa tangível, disponível, facilitadora e transparente no relacionamento. Dar resposta aos requisitos dos clientes e assegurar o cumprimento contratual dos deveres e obrigações. Os colaboradores sempre que contactem com clientes devem demonstrar respeito, disponibilidade, eficiência, educação e profissionalismo para com estes. Os colaboradores têm que zelar pelo sigilo dos dados pessoais relativos aos clientes. A implementação do Sistema Gestão Integrado da Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social garante a operacionalização e cumprimento de todos os requisitos através de documentação, manutenção, comunicação e monitorização promovendo sempre a melhoria contínua. 10

11 FORNECEDORES Tendo sempre presentes os princípios da eficiência e da honestidade, as relações com fornecedores devem desenvolver-se segundo processos de transparência e de rigoroso cumprimento das condições acordadas, num clima de confiança recíproca e de elevado sentido de exigência técnica e ética, com especial empenho quando estejam em causa relações contratuais de longa duração. A Aneco assume o compromisso de monitorizar a conduta ética dos seus fornecedores e de adotar medidas corretivas nos casos em que a mesma seja menos clara. Está igualmente vedado aos colaboradores, no âmbito do seu relacionamento com os fornecedores, oferecer, solicitar, receber ou aceitar para si ou para terceiros quaisquer benefícios, recompensas, presentes ou ofertas. Contudo, ofertas institucionais de diminuto valor ou com carácter de marketing, consideram-se socialmente aceites, desde que enquadráveis num contexto profissional de relações de cortesia entre cliente e fornecedor. ENTIDADES OFICIAIS A Aneco compromete-se a prestar informações e a colaborar de acordo com o previamente estabelecido, ou sempre que solicitada, com as várias entidades oficiais, segundo a legislação em vigor. COMUNICAÇÃO SOCIAL Toda a comunicação externa que se prenda com a atividade e imagem pública da empresa só é permitido aos colaboradores mediante autorização da Administração da Aneco, nomeadamente dar entrevistas ou fornecer informações, por iniciativa própria ou a pedido dos meios de comunicação social. As informações prestadas aos meios de comunicação social devem possuir carácter informativo e verdadeiro, respeitar os parâmetros culturais e éticos da comunidade e a dignidade da pessoa humana, bem como, contribuir para a valorização e dignificação da imagem da empresa. COMUNIDADE A Aneco está consciente que a sua atividade na área do Ambiente, ao nível da prestação de serviços e tratamento de resíduos relacionados principalmente com a indústria Petrolífera, são de fulcral importância para o bem-estar da comunidade e por isso compromete-se a empenhar todos os esforços para nunca a pôr em causa e permanecer atenta às necessidades da população local Aneco promove o respeito e a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais, controlando os impactes ambientais associados à sua atividade, no sentido de minimizar os seus efeitos e prevenir a poluição. 11

12

13 SERVIÇOS A Aneco tem um vasto leque de serviços, conheça-os melhor aqui. AMBIENTE Acompanhamento Ambiental no sector do petróleo Tratamento de resíduos no sector do petróleo Monitorização Ambiental (legislação) Estudos de Impacto Ambiental Outros Projetos Ambientais SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Acompanhamento de Segurança no Trabalho Coordenação de Segurança no Trabalho Diagnósticos de Segurança 13

14 SERVIÇOS SISTEMAS DE GESTÃO Implementação/Integração de Sistemas de Gestão de Qualidade, Ambiente, SHST e outros Sistemas de Gestão Diagnósticos e auditorias de qualidade, ambiente, saúde e segurança ocupacional LICENCIAMENTO Licenciamento Industrial Licenciamento ambiental FORMAÇÃO PROFISSIONAL Acções de sensibilização e educação ambiental Levantamento de necessidades de formação/elaboração de planos de formação Cursos de formação profissional (intra e inter-empresas) 14

15 Largo do Pescador nº7 Ilha de Luanda - Angola

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5 Índice 1. Âmbito de aplicação... 2 2. Princípios Gerais 2.1 Integridade... 2 2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade... 2 2.3 Igualdade de Tratamento e a não discriminação... 3 2.4 Lealdade e cooperação...

Leia mais

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA

FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO AGA KHAN PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Missão... 3 3. Principais objetivos... 3 4. Legalidade... 4 5. Governação... 4 6. Principais regras de conduta... 4 7. Transparência...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 1 Objetivos do Código de Ética A Câmara Municipal de Cascais está motivada em criar todas as condições necessárias para que os seus colaboradores desenvolvam as suas funções

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

Código de Ética Janeiro de 2013

Código de Ética Janeiro de 2013 Janeiro de 2013 Índice 1 PREÂMBULO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 OBJECTIVOS... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 NORMAS DE CONDUTA... 4 6 CONFLITOS DE INTERESSES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 2013 espap Entidade

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário Introdução Regras de Conduta da MIP Gestão do Código de Ética e Conduta da MIP Glossário Termo de Compromisso 03 05 10 12 15 2 Introdução A missão da MIP Engenharia S.A.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco

Código de conduta. Aristóteles Ética a Nicómaco Código de conduta Toda a teoria da conduta tem de ser apenas um esquema, e não um sistema exacto ( ) os temas de conduta e comportamento não têm em si nada de fixo e invariável, tal como os temas de saúde.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build Código de Conduta e Ética Empresarial Grupo Visium Build 1 Índice 2 Âmbito 3 Missão e Visão 4 Valores 4 Compromisso com as partes interessadas 5 Cumprimento deste Código 9 2 ÂMBITO Este Código de Conduta

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Aprovado em reunião da Comissão Diretiva de 6/Nov/2015 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética e Conduta (a seguir designado por Código) estabelece linhas de orientação

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT

Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Elaborado em agosto 2009. Revisão agosto 2015. Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS

CÓDIGO DE ÉTICA. Senac-RS CÓDIGO DE ÉTICA Senac-RS APRESENTAÇÃO Reconhecida como uma das maiores instituições de ensino profissionalizante do país, o Senac-RS adota uma postura clara e transparente no que diz respeito aos objetivos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 Dos Fundamentos Do Objetivo Da Abrangência Dos Valores Da Observância de Normativos Da Responsabilidade Da Confidencialidade Dos Relacionamentos Do Conflito de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF A energia elétrica não é uma mercadoria como outra qualquer. É por isso que sua geração, transmissão, distribuição e comercialização são assuntos do interesse de todos. Desde

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em

CÓDIGO DE CONDUTA. 1ª Versão, aprovada em CÓDIGO DE CONDUTA DA 1ª Versão, aprovada em 25.03.2014 PREÂMBULO A Fundação Pão de Açúcar Auchan é uma instituição particular de solidariedade social e de utilidade pública, constituída em 1993 pelos quadros

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal GABINETE DE APOIO AO EXECUTIVO (GAE) CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PG.01_PROC.07_IMP.00 GAE ADJUNTO 1 de 12 Índice SIGLAS... 3 1.INTRODUÇÃO... 4 2. OBJECTO...

Leia mais

1. CARTA DA DIRETORIA

1. CARTA DA DIRETORIA 1. CARTA DA DIRETORIA A ADVANCE EMBALAGENS adota o presente Código de Conduta Empresarial com o objetivo de conduzir seus negócios embasando-se na obediência a princípios éticos e legais no relacionamento

Leia mais

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Os fornecedores e subcontratantes da SKF desempenham um papel importante em nossa

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação

1. Introdução. 2. Âmbito de aplicação Código de Ética 1. Introdução As questões éticas têm uma importância crescente na vida das organizações, sendo conhecidos inúmeros casos em que a reputação destas fica manchada de forma muito negativa,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA A sua Segurança é a nossa Prioridade. Índice I. Introdução... 2 II. Missão... 2 III. Valores... 2 IV. Política Integrada... 3 V. Principais objetivos... 4 VI. Princípios gerais...

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta INTRODUÇÃO O Código de Ética e conduta da Damasco Penna é dirigido à todos os colaboradores, estagiários e membros da administração para servir de referência da atuação pessoal

Leia mais

TEATRO NACIONAL S. JOÃO

TEATRO NACIONAL S. JOÃO TEATRO NACIONAL S. JOÃO CÓDIGO DE ÉTICA E REGRAS DE CONDUTA MISSÃO O TNSJ como Entidade Pública Empresarial que é, tem como missão a prestação do serviço público área da criação e apresentação de espectáculos

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ

CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ CÓDIGO DE ÉTICA DA IGSJ Índice Índice... 3 Apresentação... 4 O que representa um código de ética... 4 Conteúdo de um código de ética... 4 Vantagens e desvantagens... 5 Introdução... 6 Código de Ética

Leia mais

Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém

Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém Princípios de Ação e Políticas orientadoras na APPACDM de Santarém Visão Ser uma Instituição de referência para as pessoas com deficiência e incapacidades no concelho de Santarém e concelhos limítrofes.

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal Código de Ética e Conduta Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal ÍNDICE ÍNDICE 1 PREÂMBULO 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4 Princípio 1 Proteção dos interesses dos associados 4 Princípio

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional. Município da Lousã

Código de Ética e Conduta Profissional. Município da Lousã Código de Ética e Conduta Profissional Município da Lousã ÍNDICE Introdução...03 Visão...03 Objeto......04 Âmbito de Aplicação......04 Princípios Gerais......05 Relacionamento com o Exterior...07 Relacionamento

Leia mais

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016 1. OBJETIVOS Estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as ações de práticas socioambientais da Getnet nos negócios e na relação com todas as partes interessadas, incluindo as diretrizes para

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES Divisão de Recursos Humanos 1 Março de 2015 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - CAPITULO I Âmbito... 3 3 - Artigo 1.º

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO CENTRO SOCIAL DE SANTA CRUZ DO DOURO NIF FICHA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período em avaliação 1. MISSÃO DA

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

NOSSA SOLUÇÕES VALORES Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores.

NOSSA SOLUÇÕES VALORES  Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores. Escritório Paulista Soluções Contábeis, Empresariais e Tributárias, localizado à Avenida dos Ferroviários, 596 - Vila Xavier (Próximo a Caixa Econômica da Alameda Paulista), empresa de prestação de serviços

Leia mais

Código de Ética da CASSI

Código de Ética da CASSI Código de Ética da CASSI APRESENTAÇÃO O Código de Ética da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) reflete a identidade cultural da Instituição e os compromissos a serem assumidos

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados

Código de Conduta. Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Aplicável em matéria de contratos celebrados à distância, vendas ao domicílio e equiparados Código de Conduta da EDP Comercial Mensagem do Presidente O novo Código de

Leia mais

Código de Conduta de Terceiros

Código de Conduta de Terceiros Código de Conduta de Terceiros ÍNDICE APRESENTAÇÃO...4 COMPROMISSO COM A INTEGRIDADE...5 CONFORMIDADE COM LEIS E NORMAS APLICÁVEIS...6 INTOLERÂNCIA ÀS PRÁTICAS DE CORRUPÇÃO E SUBORNO...6 RESPEITO AOS

Leia mais

O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais.

O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais. 1 INTRODUÇÃO O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais. O código vem formalizar a expectativa quanto

Leia mais

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta.

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta. Informações Gerais Título da Política Código de Conduta do Grupo NSG (Grupo de Fornecedores) Aprovado Por Comitê Diretor da Política de Aquisição (compras) Data Aprovada 17.06.2009 Âmbito Esta política

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

Código de Ética e de Conduta da Altranportugal

Código de Ética e de Conduta da Altranportugal Código de Ética e de Conduta da Altranportugal Índice 1. Codigo de Ética e de Conduta... 3 1.1. Introdução...3 1.1.1. Âmbito de Aplicação e Objetivos... 3 1.1.2. Cumprimento... 4 2. Relações com os Grupos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação

Ficha técnica. Título: Código de Ética da Avaliação Ficha técnica Título: Código de Ética da Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos Negócios Estrangeiros Data: Janeiro 2013 Contacto:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO

CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO As Fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento sustentável e para a promoção de respostas aos desafios

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT Metodologias de Mário Caeiro Monitorização Sessão de Formação Julho de 2012 Com o apoio das publicações da APT Para Lá dos Muros que nos Dividem Monitorização de Locais de Detenção de Pessoas Privadas

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal (Declaração Universal dos Direitos do Homem) CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE CARTA DE DIREITOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE DE DOENTES 1 INTRODUÇÃO 2 MARCAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE DOENTES 3 RETORNOS E ALTAS HOSPITALARES 4 ATITUDE DOS ELEMENTOS DO CORPO DE BOMBEIROS 5 CONDUTA DOS UTENTES

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Exmos Senhores, A Lei nº 50/2012 de 31 de agosto aprovou o regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais. A EPRM

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você

CÓDIGO DE CONDUTA. Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você CÓDIGO DE CONDUTA Somos movidos por inovação, sustentabilidade e por você SUMÁRIO Mensagem do Presidente Sumário Missão, Visão e Valores 1. Sobre o Código 2. Relações com Clientes 3. Responsabilidades

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Lisboa, julho de Camões, Instituto da Cooperação e da Língua (Camões, IP) Av. da Liberdade, Lisboa

Lisboa, julho de Camões, Instituto da Cooperação e da Língua (Camões, IP) Av. da Liberdade, Lisboa CÓDIGO DE ÉTICA Lisboa, julho de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua (Camões, IP) Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa icgeral@camoes.mne.pt Página 2 de 9 Índice 1. Apresentação... 4 2. Objetivo

Leia mais

Código de conduta ética

Código de conduta ética Código de conduta ética Mensagem da presidência O Código de Conduta Ética reflete os padrões de comportamento adotados por nossa empresa baseados na nossa Missão, Visão e Valores. Todos os nossos negócios

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante

Leia mais

DECLARAÇÃO ESTRATÉGICA MAIS DE 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA, ALIADOS À ÉTICA + determinação + profissionalismo

DECLARAÇÃO ESTRATÉGICA MAIS DE 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA, ALIADOS À ÉTICA + determinação + profissionalismo HISTÓRIA Em março de 1999, iniciaram-se as atividades do escritório Jacó Coelho Advogados fundado pelo sócio Jacó Carlos Silva Coelho, que atua, desde então, com espírito empreendedor e acreditando num

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

MANUAL DE POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI-MP Tipo de Documento: Processo e Procedimento Classificação: Sem Restrições., para uso exclusivo dos destinatários indicados ID do Documento Versão: Versão controlada automática e eletronicamente pelo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade BRASILPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S/A 24.09.2014 Sumário 1. INTRODUÇÂO 3 2. DEFINIÇÕES 4 3. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES 6 4. DIRECIONAMENTO 7 5. PREMISSAS 9 6. DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética.

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética. CÓDIGO CORPORATIVO DE CONDUTA ÉTICA Introdução A Alta Engenharia de Consultoria Ltda tem como seu objetivo principal, a transparência e a ética de conduta em seus negócios orientados por um conjunto de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 1 de 10 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 10 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 5 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Código de Conduta

Código de Conduta Código de Conduta WWW.METADADOS.COM.BR Apresentação O presente documento, intitulado Código de Conduta Metadados, tem como objetivo estabelecer, de maneira formal, o conjunto de normas que regram a conduta

Leia mais

Código de conduta empresarial para clientes

Código de conduta empresarial para clientes Código de conduta empresarial para clientes Índice Introdução 3 1. Informação confidencial 4 2. Proteção da propriedade da SMARTIDIOM 5 e 6 3. Relação com as partes envolvidas 6 4. Obrigações e conformidade

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE ANOS DA CRIAÇÃO DO CIUEM 3ª FASE DO DESENVOLVIMENTO DO CIUEM 2009 2013 TICs PARA TODOS NO ENSINO, INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO Tecnologias de Informação e Comunicação A expansão

Leia mais

Lisboa, 9 de Julho de O Director, Manuel Pinheiro Grilo

Lisboa, 9 de Julho de O Director, Manuel Pinheiro Grilo UCÓDIGO DE ÉTICA UPREÂMBULO O CENFIM - Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica, integra um conjunto de fundamentos de valores éticos que marcam a sua actividade e a distinguem.

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES

MISSÃO VISÃO VALORES MISSÃO VISÃO VALORES MISSÃO VISÃO Contribuir para a eficiência do setor público e para a simplificação da vida do cidadão por meio de soluções tecnológicas inovadoras" VALORES MISSÃO VISÃO Ser referenciada

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

princípios deontológicos mais idóneos, íntegros e honestos;

princípios deontológicos mais idóneos, íntegros e honestos; A nossa Visão A Fábrica do Chocolate Hotel, Restaurante e Museu, ao preservar a memória do chocolate na comunidade vianense, tem como visão ser uma referência nacional e internacional no que respeita à

Leia mais

Instituto Superior de Tecnologia. NR-34 e 35. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira

Instituto Superior de Tecnologia. NR-34 e 35. Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Instituto Superior de Tecnologia NR-34 e 35 Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira NR-34 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval NR-34 Tem por finalidade estabelecer

Leia mais